Você está na página 1de 43

NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS

ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA


PROFESSOR RENATO FENILI

Caro(a) amigo(a),

Espero que seus estudos tenham sido proveitosos desde nosso último
encontro. Estamos a cerca de 3 semanas da realização das provas. É hora de
intensificarmos nossos esforços, de modo a reservar um período de revisão
mais próximo ao certame.
Na última aula, estudamos as características gerais das compras na
organizações – sejam elas privadas ou públicas.
Hoje estudaremos as atividades típicas dos almoxarifados, no que diz
respeito ao recebimento, acondicionamento e distribuição de materiais na
organização. A boa notícia é que essa é uma aula mais “leve” que as
anteriores, com tópicos cobrados de forma menos recorrente em concursos
(o que não significa que podemos ignorar este conteúdo). Vejamos a
programação desta aula:

AULA CONTEÚDO
Almoxarifado: funções, princípios e objetivos; controle,
registro, conservação e recuperação de material;
5 técnicas de armazenamento; utilização de espaço;
segurança. Recebimento e distribuição (arquivamento,
recebimento, proteção, conservação e distribuição).

Apenas relembro que estarei atento ao fórum, durante toda a semana.

Tudo pronto? Vamos ao trabalho!

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


1
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

1. A GESTÃO DOS ALMOXARIFADOS

Retomando o esquema já apresentado na aula anterior, podemos


subdividir a Administração de Recursos Materiais em três grandes nichos de
atividades, assim agrupadas por Gonçalves (2007)

Nas últimas três aulas, pudemos nos familiarizar com a Gestão de


Estoques e a Gestão de Compras. O próximo assunto é a Gestão dos Centros
de Distribuição (mais usualmente conhecida como Gestão de Almoxarifados),
que será abordado parcialmente nessa aula por meio das atividades de
recebimento, armazenagem e distribuição de materiais.
Almoxarifados são locais destinados à guarda e à conservação dos
itens de material em estoque de uma determinada organização. É essencial
que a gestão dos almoxarifados seja eficiente, visando a minimizar os custos
de armazenamento de estoques, bem como maximizando a qualidade de
atendimento aos seus clientes internos à empresa.

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


2
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

Nesse sentido, o quadro a seguir sintetiza os objetivos da gestão de


almoxarifados, bem como as atividades necessárias para tanto:

OBJETIVOS DA GESTÃO DE ALMOXARIFADOS


OBJETIVO AÇÕES NECESSÁRIAS
 Maximizar o uso do espaço físico
disponível;
 Evitar perdas / roubos / furtos;
 Evitar obsolescência;
Minimizar os custos de  Buscar a eficiência na
armazenamento movimentação dos materiais,
diminuindo as distâncias internas
percorridas;
 Prover treinamento aos
colaboradores envolvidos.
Assegurar a provisão do item de material
Maximizar a qualidade
certo, na quantidade e no local corretos,
de atendimento aos
no menor tempo possível, sempre que
consumidores
for necessário.

1. (UFAL / COPEVE – UFAL / 2011) Almoxarifado é o local


destinado a guardar e conservar materiais, em recinto
adequado à sua natureza, tendo a função de destinar espaços
onde permanecerá cada item aguardando a necessidade do seu
uso, ficando sua localização, equipamentos e disposição interna
acondicionados à política geral de estoques da organização.
Espera-se que o almoxarifado seja capaz de:

a) servir como depósito genérico de itens aleatórios.


b) assegurar que o material necessário seja adquirido assim que
seu estoque chegue ao nível zero.
c) preservar a qualidade e as quantidades exatas.
d) promover divergências de inventário.

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


3
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

e) possuir instalações adequadas sem a necessidade de recursos


de movimentação.

Vejamos os comentários às alternativas:

a) o almoxarifado não é um “depositório genérico de itens aleatórios”. Os


itens são definidos em função das necessidades da organização e de sua
política de estoque. A alternativa está errada.
b) não se espera que o estoque de um material chegue ao nível zero para só
então providenciar sua reposição. Incorreríamos em ruptura de estoque, uma
situação que pode acarretar sérios prejuízos à organização. A alternativa
está errada.
c) é essencial que um almoxarifado preserve a qualidade de seus itens de
material, bem como promova ações para o controle de quantidade
(inventários). A alternativa está correta.
d) um almoxarifado deve promover a acurácia dos controles, e não
divergências de inventário. Aliás, uma eventual divergência de inventário
pode gerar até a apuração de responsabilidades. A alternativa está errada.
e) a movimentação é uma das atividades básicas na gestão de
almoxarifados, como veremos mais adiante neste aula. A alternativa está
errada.
Resposta: C

A gestão de almoxarifados, em uma visão macro, engloba as seguintes


atividades básicas, passíveis de concatenação de modo que formem um
processo:

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


4
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

2. (FCC / METRÔ SP / 2008) O setor que se encarrega do


suprimento de materiais a todas as unidades de uma empresa é
o almoxarifado. Assim, é correto afirmar que as atividades
básicas de um almoxarifado são:

a) especificação, solicitação, conferência e controle de


aplicação dos materiais na produção.
b) compra, guarda, manutenção e conservação de material.
c) levantamento, compra, armazenamento e venda de produtos.
d) recebimento, guarda, controle e entrega de material.
e) prospecção de clientes, compra de material, guarda e
logística de produção de itens.

Lembre-se que compra, prospecção de clientes, venda de produtos e


controle da aplicação de materiais são atividades cuja responsabilidade não
cabe aos almoxarifados.
A alternativa D está em consonância com o que vimos anteriormente.
Resposta: D.

Nesta aula, tomando por base a programação constante do edital,


iremos nos ater às atividades de recebimento, armazenagem e distribuição,
sendo que movimentação será abordada como um subtópico da
armazenagem, ok?
Iniciaremos pela atividade de recebimento.

2. O RECEBIMENTO DE MATERIAIS

O recebimento do item de material é a etapa intermediária entre a


compra e o pagamento ao fornecedor. Somente após o recebimento (etapa
que, nos órgãos públicos, refere-se à etapa de liquidação da despesa), é que
o pagamento é autorizado.
Desta forma, a atividade de recebimento mantém estreito relacionamento
com as áreas contábeis e de compras da organização, além de contar, por
vezes, com a necessidade do suporte provido pelo setor de transportes.
O recebimento é usualmente dividido nas seguintes etapas:

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


5
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

ETAPAS DO RECEBIMENTO DE MATERIAIS


ETAPA DESCRIÇÃO
Entrada de materiais: recepção dos
veículos transportadores; verificação de
dados básicos da entrega (informações
da nota fiscal, existência de autorização
Recebimento da entrega pela empresa etc.);
Provisório encaminhamento para a área de
descarga. Nesta etapa, o “recebedor”
assina no documento fiscal que
acompanha o material, apenas para fins
de comprovação da data de entrega.
 Conferência Quantitativa: verificação
se a quantidade declarada pelo
fornecedor na nota fiscal corresponde
àquela efetivamente entregue.
Etapas intermediárias  Conferência Qualitativa: verificação se
as especificações técnicas do objeto
entregue estão de acordo com as
solicitadas pelo setor de compras
(dimensões, marcas, modelos etc.).
 Regularização: é o resultado lógico
decorrente das fases anteriores. Pode
ser originada uma das seguintes
situações:
 entrada do material no estoque e
liberação do pagamento ao
Regularização fornecedor. Neste caso, houve
aceitação do material, ou o
recebimento definitivo;
 devolução parcial ou total do
material ao fornecedor. Neste caso,
a aceitação foi parcial ou,
simplesmente, o material não foi
aceito;
Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br
6
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

ETAPAS DO RECEBIMENTO DE MATERIAIS


ETAPA DESCRIÇÃO
 reclamação junto ao fornecedor,
por falta de material.

3. (CESPE / SESA ES / 2011) No recebimento de materiais, a


conferência consiste no batimento entre a nota fiscal e o pedido
de compra.

O “batimento” entre a nota fiscal e o pedido de compra não pode nem


ser chamado de conferência. É apenas um procedimento muito inicial,
conduzido ainda durante a entrada de materiais, no recebimento
provisório.
A conferência – seja ela quantitativa ou qualitativa – é um
procedimento que envolve, necessariamente, a análise do material
entregue, e não apenas de documentos.
Nesta fase, o foco deve ser o item de material que será efetivamente
empregado na organização, e não eventuais regularidades entre espécies
documentais.
A questão, assim, está errada.

4. (CESPE / CNPQ / 2011) O controle do recebimento do objeto


contratado é realizado durante o recebimento provisório,
produzindo o efeito de liberar o vendedor do ônus da prova de
qualquer defeito ou impropriedade que venha a ser verificada
na coisa comprada.

A Lei de Licitações e Contratos, em seu artigo 73, apresenta da


seguinte forma os conceitos de recebimento provisório e definitivo:

Art. 73. Executado o contrato, o seu objeto será recebido:

(...)

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


7
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

II - em se tratando de compras (...):

a) provisoriamente, para efeito de posterior verificação da conformidade


do material com a especificação;

b) definitivamente, após a verificação da qualidade e quantidade do


material e conseqüente aceitação.

No entanto, nem o recebimento provisório e nem o definitivo liberam


o vendedor do ônus da prova de qualquer defeito ou impropriedade que
venha a ser verificada na coisa comprada. É um entendimento que deriva do
normatizado pelo §2º do mesmo artigo da Lei nº 8.666/93, apesar de não
haver menção expressa a itens de material comprados:

§ 2o O recebimento provisório ou definitivo não exclui a


responsabilidade civil pela solidez e segurança da obra ou do serviço, nem
ético-profissional pela perfeita execução do contrato, dentro dos limites
estabelecidos pela lei ou pelo contrato.

Ônus da prova pode ser definido como a responsabilidade de uma


das partes, em uma disputa judicial, de oferecer provas que sustentem uma
determinada afirmação.
Normalmente, o ônus da prova cabe ao autor da afirmação. Esse é o
entendimento do artigo 333 do Código de Processo Civil:

Art. 333. O ônus da prova incumbe:

I - ao autor, quanto ao fato constitutivo do seu direito;

II - ao réu, quanto à existência de fato impeditivo, modificativo ou extintivo


do direito do autor.

No entanto, no âmbito do Direito do Consumidor, ramo que trata das


relações que se estabelecem entre fornecedores e consumidores, poderá
ocorrer a chamada inversão do ônus da prova, normatizado pelo inciso VIII
do artigo 6º do Código de Defesa do Consumidor:

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


8
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

Art. 6º São direitos básicos do consumidor:

(...)

VIII – a facilitação da defesa de seus direitos, inclusive com a inversão do


ônus da prova, a seu favor, no processo civil, quando, a critério do juiz, for
verossímil a alegação ou quando for ele hipossuficiente, segundo as regras
ordinárias de experiências;

Não iremos adentrar muito nas disciplinas de Direito Civil ou do


Consumidor, evitando assim o risco de desviarmos de nosso foco principal.
Em síntese, o que devemos saber é que o recebimento (provisório ou
definitivo) não libera o fornecedor da responsabilidade de provar a
inexistência ou a inveracidade de quaisquer alegações por parte do
consumidor.
A questão está, portanto, errada.

5. (FCC / METRÔ SP / 2010) A atividade de recebimento é


caracterizada como uma interface entre o atendimento do
pedido pelo fornecedor e os estoques físico e contábil,
compreendendo quatro fases, que são:

a) solicitação de compra, especificação, entrega e


armazenamento
b) entrada de materiais, conferência quantitativa, conferência
qualitativa e regularização.
c) relacionamento de itens, cotação, quadro de apuração e
remessa.
d) especificação, cotação, compra e conferência
e) remessa, verificação, conferência e disposição no depósito

As fases do recebimento de materiais estão corretamente


apresentadas na alternativa B.

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


9
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

6. (CESPE / Câmara dos Deputados / 2012) A conferência por


acusação, também conhecida por contagem cega, não
possibilita a verificação, preconizada na conferência
quantitativa, da correspondência entre a quantidade de objetos
declarada pelo fornecedor na nota fiscal e a efetivamente
recebida.

Contagem cega = o conferente apenas aponta a quantidade


recebida, desconhecendo a quantidade faturada pelo fornecedor.
Uma vez que se desconhece a quantidade registrada na nota fiscal, a
conferência quantitativa não é completa.
Assim, a questão está certa.

3. ARMAZENAGEM DE MATERIAIS

A armazenagem de materiais pode ser entendida como a atividade


de planejamento e organização das operações destinadas a manter e a
abrigar adequadamente os itens de material, mantendo-os em condições de
uso até o momento de sua demanda efetiva pela organização.
Uma armazenagem racional tem por objetivo principal a minimização
dos custos a ela inerentes. De forma não exaustiva, podemos relacionar da
seguinte forma os objetivos da armazenagem:
 Maximizar a utilização dos espaços, ou, conforme Viana (2000), utilizar
o espaço nas três dimensões, da maneira mais eficiente possível;
 Prover acesso facilitado a todos os itens de material;
 Prover proteção aos itens estocados, de forma que sua manipulação
não incorra em danos;
 Prover um ambiente cujas características não afetem a qualidade e a
integridade dos itens estocados;
 Apresentar um arranjo físico que possibilite o uso eficiente de mão de
obra e de equipamentos.

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


10
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

3.1. Critérios e Técnicas de Armazenagem

Segundo Viana (2000), a armazenagem pode ser categorizada em


dois grupos, a saber: simples e complexa.
A armazenagem simples envolve materiais que, por suas
características físicas ou químicas, não demandam cuidados adicionais do
gestor de almoxarifados.
Em contrapartida, a armazenagem complexa é inerente a materiais
que carecem de medidas especiais em sua guarda. Os aspectos físicos ou
químicos dos materiais que justificam uma armazenagem complexa podem
ser assim listados:

MATERIAIS DE ARMAZENAGEM COMPLEXA


ASPECTOS FÍSICOS ASPECTOS QUÍMICOS
 Inflamabilidade ou Combustibilidade (=
capacidade de entrar em combustão. Ex:
óleo diesel);
 Explosividade (= capacidade de o material
tornar-se explosivo ou inflamável. Ex:
acetileno, fogos de artifício);
 Fragilidade
 Volatilização (= tendência a passar para o
 Volume
estado gasoso. Ex: benzeno);
 Peso
 Oxidação (= tendência de reação com o
 Forma
oxigênio. Em metais, provoca a ferrugem);
 Potencial de intoxicação;
 Radiação;
 Perecibilidade (por exemplo, gêneros
alimentícios).

Os materiais de armazenagem complexa exigem uma infraestrutura


de guarda especial, assim exemplificada:
 Equipamentos de prevenção de incêndio (sprinklers etc.);
 Ambientes climatizados (câmaras frigoríficas etc.);

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


11
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

 Ambientes com controle de temperatura e umidade (paióis de munição


etc.);
 Uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) pelos funcionários
que lidam diretamente com esses materiais.

De posse da informação do tipo de armazenagem que é demandada


pelo material (simples ou complexa), cabe ao gestor de almoxarifado
adotar um critério de guarda dos materiais. Os mais usuais, ainda
segundo Viana (2000), são:

MATERIAIS DE ARMAZENAGEM COMPLEXA


CRITÉRIO CARACTERÍSTICAS
Materiais associados são alocados próximos
uns dos outros. É o caso de se armazenarem
Armazenagem por sobressalentes variados de um motor de
Agrupamento (ou automóvel, por exemplo, em uma mesma
compatibilidade) estante. Esse critério facilita as tarefas de
arrumação e busca, mas nem sempre
permite o melhor aproveitamento do
espaço.
Materiais de características físicas
Armazenagem por semelhantes são armazenados mais
tamanho, peso ou próximos. Esse critério possibilita um
forma maior aproveitamento do espaço físico, e
(acomodabilidade) demanda maior necessidade de controle
por parte do gestor de almoxarifado.
Os materiais com maior frequência de
Armazenagem por entrada e saída do almoxarifado são
frequência armazenados próximos à sua entrada/saída;

É a típica armazenagem complexa, destinada


Armazenagem a materiais inflamáveis, perecíveis, explosivos
especial etc. Note que este critério de armazenagem
pode ser “acumulado” com um dos anteriores
(por exemplo: carnes são armazenadas em
Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br
12
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

MATERIAIS DE ARMAZENAGEM COMPLEXA


CRITÉRIO CARACTERÍSTICAS
câmaras frigoríficas – armazenagem especial,
e pode ser empregado em conjunto o critério
de armazenagem por frequência).
Importante: produtos perecíveis devem ser
armazenados segundo o método FIFO.
Este critério é aplicável a materiais que
podem ser armazenados em áreas externas
Armazenagem em (por exemplo, automóveis acabados,
área externa armazenados em pátios), reduzindo custos e
ampliando o espaço interno do almoxarifado
para materiais que necessitam de maior
proteção.
Trata-se de soluções para a obtenção de uma
Coberturas área coberta, sem incorrer em custos de
alternativas construção atinente à expansão do
almoxarifado. Em geral, a cobertura é de de
PVC.

7. (CESPE / Câmara dos Deputados / 2012) A armazenagem por


frequência é o critério mais indicado para se obter o
aproveitamento mais eficiente do espaço.

O critério de armazenamento que possibilita o melhor aproveitamento do


espaço físico do almoxarifado é a armazenagem por tamanho (peso / forma).
A questão está errada.

Finalmente, no que diz respeito às técnicas de armazenagem


propriamente ditas, é essencial nos familiarizarmos com os dispositivos mais
usuais empregados nessa atividade.

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


13
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

PRINCIPAIS EQUIPAMENTOS PARA ARMAZENAGEM


Prateleiras Podem ser de aço ou madeira. As de aço,
apesar de mais caras, possuem maior
durabilidade, e não são atacadas por
insetos.
De forma geral, as prateleiras têm a
propriedade de alocarem materiais de
dimensões variadas.
Contenedores
(containers) Caixas metálicas retangulares,
hermeticamente fechadas e seladas,
destinadas ao transporte intermodal de
mercadorias (ferroviário, rodoviário,
marítimo ou aéreo).

Pallets (paletes) Paletes são estrados que possibilitam o


empilhamento das cargas, maximizando a
utilização do espaço cúbico do
almoxarifado. Podem ser de madeira,
metal, papelão ou plástico.
A paletização (possibilidade de
empilhamento dos paletes e de
manipulação de uma carga unitizada)
possibilita o aproveitamento eficiente do
espaço vertical dos armazéns.
Engradados
São destinados à guarda e transporte de
materiais frágeis ou irregulares, que não
admitem o uso de simples estrados,
carecendo de uma estrutura que ofereça
proteção lateral.

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


14
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

PRINCIPAIS EQUIPAMENTOS PARA ARMAZENAGEM


Caixas ou gavetas

São ideais para a armazenagem de


materiais de pequenas dimensões, como
pregos, porcas, parafusos e
sobressalentes pequenos em geral.

8. (CESPE / ABIN / 2010) A paletização impede a utilização do


espaço aéreo do almoxarifado.

Conforme exposto no quadro acima, a paletização é uma ferramenta


que age em prol de um melhor aproveitamento do espaço vertical (ou aéreo,
conforme o enunciado) do almoxarifado.
O enunciado está, portanto, errado.

A fim de complementar nosso aprendizado, as vantagens e


desvantagens da paletização podem ser assim relacionadas:

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


15
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

9. (CESPE / MPU / 2010) No que se refere à armazenagem de


recursos materiais, o uso de prateleiras é adequado à
estocagem de materiais de dimensões variadas.

O uso de prateleiras consiste em uma técnica voltada a materiais de


dimensões variadas.
Neste caso, os materiais podem ser dispostos diretamente sobre as
prateleiras ou, ainda, alocados em caixas ou gavetas que, por sua vez, são
depositadas nessas prateleiras.
A questão está certa.

10. (FCC / METRÔ SP / 2008) As unidades de estocagem são


utilizadas para o acondicionamento dos materiais no depósito.
Os dispositivos que funcionam como equipamentos de
armazenagem nos almoxarifados são:

a) baldes, sacolas, engradados, big-bags


Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br
16
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

b) caixas plásticas, caçambas, esteiras transportadoras,


gavetas
c) caixotes, armários, sacos plásticos, estiradores metálicos
d) pastas arquivo, armário de aço, bandejas, banquetas
e) armações, estrados do tipo pallets, engradados,
contenedores

Baldes e sacolas não são dispositivos apropriados. Esteiras


transportadoras são equipamentos de transporte (movimentação). Por fim,
banquetas são, simplesmente, bancos pequenos.
Assim, a alternativa E está correta.

11. (CESPE / INCA / 2010) Se o gestor de material de


determinado órgão identificar a entrada de uma carga unitizada
composta por resma de papel de formato A4, é correto afirmar
que esse órgão recebeu apenas uma unidade de resma de papel
A4.

Podemos definir carga unitizada ou unitária como um conjunto de


objetos que são mantidos, fisicamente, como uma unidade de carga durante
o trânsito entre uma origem e um destino. Assim, diversos volumes distintos
são acondicionados de maneira a constituírem unidades físicas maiores, com
formatos padronizados, possibilitando o transporte e o acondicionamento
mediante equipamentos usuais nos almoxarifados (como os paletes,
prateleiras, etc.).
Através da adoção da carga unitizada, reduzem-se os custos de
manipulação da carga fracionada, bem como se aumenta a celeridade da
movimentação de materiais.
Quando o enunciado da questão refere-se à entrada de uma carga
unitizada composta por resma de papel no formato A4, deve-se compreender
que não se trata de apenas uma unidade, mas sim de uma quantidade
padrão, capaz de ser movimentada e armazenada em um palete, por
exemplo.
A assertiva está errada.

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


17
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

12. (CESPE / IFB / 2011) A carga unitária é a embalagem que


contém diretamente o produto.

Nada melhor do que responder essa


questão através de um exemplo.
A figura ao lado poderia representar uma
carga unitária (ou unitizada) de café (por
exemplo). Note que, na carga unitária, um
conjunto de embalagens de café (mantidas no
interior das caixas), são agregadas fisicamente,
comportando-se como uma única unidade de carga
durante o trânsito entre uma origem e um destino.
Já a embalagem que contém diretamente o
produto está contida na carga unitizada. São,
por exemplo, as embalagens de café que
compramos nos supermercados.
A questão está errada.

13. (CESPE / SEAD FUNESA SE / 2008) Considere um


determinado material que deve ser estocado em paletes.
Considere ainda que cada palete pode conter, no máximo, 50
caixas desse material, que o estoque máximo é de 5.000 caixas
e que o empilhamento máximo é de 3 paletes. Nessa situação,
serão necessárias, no mínimo, 34 posições de paletes para o
armazenamento do material em apreço.

Este é um tipo de questão sobre armazenagem, cobrado de forma


recorrente pelo CESPE, que envolve cálculos matemáticos (simples).
Posição de palete é o espaço físico da superfície de um almoxarifado
que é ocupado por uma unidade de palete. Imagine que o almoxarifado é
uma espécie de estacionamento: cada vaga é uma posição de palete (mas
com a vantagem de ser possível empilhar a carga).
A primeira informação a ser determinada é a quantidade de paletes
que são necessárias para o armazenamento do estoque máximo:

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


18
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

O enunciado nos informa que o empilhamento máximo é de 3 paletes.


Assim, basta sabermos quantas posições de paletes são necessárias para o
armazenamento do material:

Note que o número de posições deve ser um número inteiro, já que a


fração de posição de palete não tem significado. Assim, o número obtido
(33,33...) foi arredondado para cima (34). Caso tivéssemos arredondado
para baixo, haveríamos chegado ao número de 33 posições, o que seria
suficiente para apenas 99 (33 posições x 3 paletes empilhados) paletes.

O esquema abaixo ilustra a situação abordada nesta questão.

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


19
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

A questão, portanto, está certa

3.2. Definição do layout (arranjo físico) na armazenagem

Com o desenvolvimento geral do sistema produtivo, observado na


última década, a disposição física das áreas de armazenagem foi merecedora
de maior atenção.
Nesse sentido, a definição do layout (ou leiaute) deixou de ser
meramente intuitiva, e passou a ser estabelecida a partir de técnicas de
visualização da dinâmica de movimentação dos materiais no armazém.
Dessa forma, hoje é considerado como layout de um almoxarifado o arranjo
de homens, máquinas e materiais, dispostos de modo que sua dinâmica
possa se dar dentro do padrão máximo de economia (VIANA, 2000).

14. (CESGRANRIO / PETROBRÁS / 2011) Na determinação do


layout interno de armazéns e para determinar a melhor
localização dos produtos, são usados diversos métodos e
critérios. A respeito dos objetivos do planejamento da
localização dos estoques e seus métodos e critérios, afirma-se
que:

a) o objetivo do planejamento da localização dos estoques é


maximizar as distâncias percorridas dentro do armazém.
b) o critério de compatibilidade restringe a localização de
produtos de acordo com o tamanho que possuam.
c) o critério de complementaridade restringe a localização de
produtos com base na frequência de solicitação conjunta.
d) a aplicação de um critério isolado é suficiente para minimizar o
custo total de manuseio.
e) um dos objetivos da armazenagem é aumentar o tempo unitário
de manuseio, reduzindo o custo total de armazenagem.

Vejamos os comentários às alternativas:

a) Um dos objetivos no planejamento da localização dos estoques e do


layout na armazenagem é a minimização das distâncias percorridas (isso
Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br
20
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

torna a operacionalização do almoxarifado mais rápida e, consequentemente,


menos onerosa). A alternativa está errada.
b) Não existe um critério de compatibilidade para a armazenagem de
materiais. A alternativa está errada.
c) Como vimos, o atendimento ao critério da complementaridade (ou
semelhança / agrupamento) implica a alocação próxima de materiais
associados (é o caso de sobressalentes de um mesmo automóvel). Nesse
caso, há uma frequência de solicitação conjunta dos materiais bem próxima.
A alternativa está certa.
d) Muitas vezes, a aplicação de um único critério não é suficiente para a
obtenção do custo mínimo de manuseio. Nesse caso, deve-se associar mais
de um critério, de acordo com as características do almoxarifado. A
alternativa está errada.
e) Deve-se procurar a minimização do tempo unitário de manuseio, tornando
as operações mais céleres (= rápidas). A alternativa está errada.
Resposta: C.

Para Muther (1978) a chave para uma definição satisfatória do


layout inicia com a definição de características referentes aos itens de
material. Esse “diagnóstico” inicial denomina-se chave PQRST, e pode ser
bem ilustrado pelo esquema abaixo, desenvolvido por aquele autor.

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


21
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

Com base nessa abordagem, podemos listar os seguintes elementos


principais que devem ser considerados quando da definição do layout na
armazenagem:

ELEMENTOS A SEREM CONSIDERADOS NA DEFINIÇÃO DO


LAYOUT NA ARMAZENAGEM
 Definição dos materiais a serem armazenados;
 Volume de material;
 Tempo durante o qual será feita a armazenagem;
 Equipamentos e instrumentos que serão empregados na
movimentação dos materiais;
 Tipos de embalagens utilizadas no armazenamento;
 Possibilidade de se fazerem inspeções nos materiais
armazenados (há de se considerar a facilidade de acesso);
 Versatilidade, flexibilidade e possibilidade de futura expansão
da área de armazenagem.

15. (CESPE / MPU / 2010) Os equipamentos e instrumentos


utilizados na movimentação de materiais em estoques
independem da estrutura física e do leiaute da unidade.

Como vimos no quadro acima, há de se considerar os equipamentos


e instrumentos empregados na movimentação de materiais estocados na
definição do layout dos almoxarifados ou armazéns.
Nesse sentido, a questão está errada.

A relação entre o layout de um almoxarifado e os equipamentos nele


utilizados é mais bem ilustrada na próxima questão:

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


22
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

16. (CESPE / SEAD FUNESA SE / 2008) Considere que a


largura dos corredores de um almoxarifado é determinada pelo
equipamento utilizado para manuseio e que os corredores
realmente permitem a fácil movimentação dos itens, por meio
de empilhadeiras. Nessa situação, é correto afirmar que os
corredores principais e os utilizados para embarque permitem o
trânsito de duas empilhadeiras ao mesmo tempo.

Esta questão exemplifica o impacto de um equipamento de movimentação


no projeto da área física de um almoxarifado.
Uma maior acessibilidade é atingida quando é possível
manipular, ao mesmo tempo, os itens de material contidos
em ambos os lados de um mesmo corredor. Assim, a
situação ideal é que o o almoxarifado seja projetado de
modo que duas empilhadeiras possam ser empregadas
simultaneamente, em um mesmo corredor.
Logicamente, a ampliação da largura dos corredores
acarreta uma menor disponibilidade de área para a
armazenagem da carga, o que deve ser avaliado
cuidadosamente por ocasião da confecção do projeto.
A questão está certa.

A acessibilidade aos materiais armazenados, conforme vimos


anteriormente, é fator a ser considerado na definição do layout de um
almoxarifado.
Nesse aspecto, a acessibilidade é baseada em duas funcionalidades
principais: a existência de um sistema de localização bem estruturado,
permitindo saber as coordenadas de cada um dos itens de material em
estoque; e um planejamento racional da área física do almoxarifado,
possibilitando, por exemplo, o amplo trânsito dos equipamentos de
movimentação.
No que diz respeito ao sistema de localização dos itens de material, dois
são os critérios passíveis de serem empregados:

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


23
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

CRITÉRIOS DE LOCALIZAÇÃO DE MATERIAL


CRITÉRIO DESCRIÇÃO

Há a pré-determinação de áreas de
estocagem específicas de acordo com o
tipo de material. Se, por um lado, este
sistema facilita o controle, por outro
suscita o desperdício de áreas de
Sistema de estocagem
armazenagem, já que a falta de um tipo
fixo
de material acarreta áreas “vazias”, ao
passo que outro tipo de material em
excesso, em outra área, ficaria “no
corredor”.

Não existem locais pré-determinados para


a estocagem (a não ser para materiais de
demandam estocagem especial). Neste
Sistema de estocagem sistema, os materiais vão ocupando ao
livre espaços vazios no almoxarifado, o que
exige um elevado controle , sob o risco de
incorrer na existência de material perdido
em estoque.

17. (CESPE / TJ ES / 2011) O endereçamento é imprescindível


tanto ao sistema de estocagem fixa quanto ao sistema de
estocagem livre.

Independente do critério de localização utilizado (fixo ou livre), faz-


se necessário uma codificação (usualmente alfanumérica) que indique
precisamente o posicionamento do material estocado. Sem essa informação,
seria praticamente impossível a gestão de estoques com os devidos controle
e celeridade.
A questão está certa.

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


24
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

18. (CESPE / SEAD FUNESA SE / 2008) No sistema de


estocagem livre, não existe local fixo de armazenagem, com
exceção de materiais que requerem estocagem especial. Nesse
sistema, os materiais vão ocupar os espaços vazios dentro do
depósito.

O enunciado da questão descreve o critério de localização de material


denominado sistema de estocagem livre, em total conformidade exposto
anteriormente.
A assertiva está certa.

19. (CESPE / SEAD FUNESA SE / 2008) A utilização cúbica e a


acessibilidade a cada um dos itens são fatores que devem ser
considerados no planejamento da área física do estoque.

Esta questão apenas sintetiza o discutido nesta seção. Somando-se à


utilização cúbica e à acessibilidade, temos que os equipamentos a serem
empregados na movimentação de materiais e os tipos de embalagens, entre
outros aspectos, devem ser configurados na definição do layout de um
almoxarifado.
A afirmativa está certa.

4. DISTRIBUIÇÃO DE MATERIAIS

Distribuição de materiais é a atividade derradeira da gestão de


almoxarifados, cuja finalidade é fazer chegar o material em perfeitas
condições ao usuário.

Há autores que fazem a seguinte divisão:

 Distribuição interna = diz respeito à distribuição de materiais


internamente à organização, para a continuidade de seu processo
de trabalho.

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


25
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

 Distribuição externa = trata da entrega dos produtos acabados a


seus clientes, o que pode envolver mais de um meio de
transporte.

No âmbito dos órgãos públicos brasileiros, a distribuição interna pode


se dar por dois processos de fornecimento: por pressão ou por requisição.

Segue extrato da Instrução Normativa nº 205/1988, da Secretaria de


Administração Pública da Presidência da República (SEDAP), atinente à
distribuição interna para unidades administrativas integrantes das
organizações públicas.

5. As unidades integrantes das estruturas organizacionais dos órgãos e


entidades serão supridas exclusivamente pelo seu almoxarifado.

5.1. Distribuição é o processo pelo qual se faz chegar o material em


perfeitas condições ao usuário.

5.1.1. São dois os processos de fornecimento:

a) por Pressão;

b) por Requisição.

5.1.2. O fornecimento por Pressão é o processo de uso facultativo, pelo qual


se entrega material ao usuário mediante tabelas de provisão previamente
estabelecidas pelo setor competente, e nas épocas fixadas,
independentemente de qualquer solicitação posterior do usuário. Essas
tabelas são preparadas normalmente, para:

a) material de limpeza e conservação;

b) material de expediente de uso rotineiro;

c) gêneros alimentícios.

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


26
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

5.1.3. O fornecimento por Requisição é o processo mais comum, pelo qual se


entrega o material ao usuário mediante apresentação de uma requisição
(pedido de material) de uso interno no órgão ou entidade.

Usualmente, as unidades administrativas adotam uma rotina para o


fornecimento por requisição. Dessa maneira, é prática recorrente a
determinação de um dia específico da semana para que as requisições de
material sejam entregues aos almoxarifados (toda quinta-feira, por
exemplo).

20. (CESPE / INCA / 2010) Os fornecimentos por pressão e o


por requisição são os dois tipos de processos de fornecimento
de material para suprir a demanda das unidades de um órgão
ou entidade da administração pública brasileira. O fornecimento
por pressão refere-se ao processo de entrega de material para
o usuário com base nas tabelas de provisão previamente
estabelecidas pelo setor competente, enquanto o fornecimento
por requisição refere-se ao processo de entrega do material
formalmente requisitado ao usuário.

Note que o enunciado da questão mostra-se integralmente baseado


no extrato da IN nº 205/1988 (SEDAP), transcrito na acima.
A assertiva está correta.

21. (CESPE / STM / 2011) No processo de fornecimento por


pressão, a entrega de material ao usuário ocorre mediante
tabelas de provisão, previamente estabelecidas pelo setor
competente, nas épocas fixadas, independentemente de
qualquer solicitação posterior do usuário.

Mais uma vez, faz-se uma abordagem quase literal da IN nº 205/1988


(SEDAP), vista acima.
Em se tratando do tópico “Distribuição de Materiais”, mostra-se
essencial estarmos familiarizados com os conceitos de fornecimento por
pressão e por requisição.
A afirmativa está certa.

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


27
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

A distribuição de materiais, por envolver o deslocamento físico dos


bens (dos almoxarifados até o seu consumidor), está intimamente
relacionada ao tópico movimentação e transporte de materiais.

Para Gonçalves (2007), há uma estreita relação entre os equipamentos de


movimentação e os de armazenagem dos materiais. Segundo este autor, os
“equipamentos de movimentação devem ser escolhidos dentro de um
planejamento global que envolve as características dos materiais, suas
formas de acondicionamento e embalagens e o fluxo geral dos materiais” no
almoxarifado. Conseguir harmonizar estas variáveis implica a redução de
custos operacionais e o aumento da produtividade.
Com relação à movimentação de materiais, devem-se perseguir os
seguintes objetivos:
 obter um fluxo eficiente de materiais nos almoxarifados;
 utilizar critérios ergonômicos, visando a evitar fadiga e lesões dos
colaboradores.

A eficiência do sistema de movimentação de materiais é condicionada à


observância de algumas regras básicas, denominadas leis da movimentação
de materiais, listadas a seguir.

LEIS DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

LEI DESCRIÇÃO

Flexibilidade Empregar equipamentos que possam ser


utilizados na movimentação de vários tipos de
cargas.

Manipulação Evitar a manipulação dos materiais ao longo do


mínima ciclo de processamento e utilizar o transporte
mecânico ou automatizado sempre que
possível.

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


28
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

LEIS DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

LEI DESCRIÇÃO

Máxima utilização Maximizar o aproveitamento do espaço cúbico


do espaço disponível.
disponível

Máxima utilização Maximizar a utilização dos equipamentos,


dos diversificando seu emprego.
equipamentos

Máxima utilização Aproveitar da gravidade, sempre que possível,


da gravidade para a movimentação dos materiais (menores
custos).

Menor custo total Selecionar equipamentos ponderando custos


totais e tempo de vida útil.

Mínima distância Reduzir as distâncias na movimentação,


eliminando trajetos em ziguezague.

Obediência do Adotar as trajetórias de movimentação de


fluxo das materiais de modo a facilitar o fluxo produtivo.
operações

Padronização Utilizar equipamentos padronizados (facilitando


a manutenção e o intercâmbio de
sobressalentes)

Segurança e Promover a segurança dos colaboradores e


satisfação reduzir sua fadiga.
Fonte: GONÇALVES, 2007.

A escolha dos equipamentos que constituirão o sistema de movimentação


interno de materiais deve se dar com base no critério custo versus benefício.
Vejamos alguns dos principais dispositivos empregados neste sistema:

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


29
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

PRINCIPAIS EQUIPAMENTOS PARA MOVIMENTAÇÃO INTERNA DE


MATERIAIS
Empilhadeira Equipamento cujo emprego principal é o
transporte de mercadorias em paletes,
otimizando, assim, o uso do espaço
vertical em almoxarifados. Há vários tipos
(elétricas, manuais, a combustão etc.) e
modelos (frontais, laterais, trilaterais
etc.). Necessita de operador especializado.
Talha
Equipamento baseado no uso de polias em
série, é indicado para o deslocamento de
cargas pesadas (motores, por exemplo).
Pode ser manual, elétrica ou pneumática.

Ponte / Pórtico Rolante Constitui-se de uma ou mais vigas que


correm sobre trilhos, sendo capaz de
transportar cargas com pesos muito
significativos. Dentre as vantagens deste
equipamento, destaca-se a não-
interferência com o trabalho a nível do
solo, visto que sua ocupação física não
concorre com outros equipamentos ou
com trabalhadores que situam-se no piso.
Desta forma, similarmente aos guindastes,
é indicado para uso em áreas com
restrição de espaço.

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


30
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

PRINCIPAIS EQUIPAMENTOS PARA MOVIMENTAÇÃO INTERNA DE


MATERIAIS
Elevador
São empregados na movimentação de
cargas entre níveis (andares) distintos.
Ocupam menos espaço do que outros
equipamentos, mas carecem, geralmente,
de rígida manutenção preventiva e de
cuidados na operação.

Carrinho de carga De uso extremamente comum em


almoxarifados, é utilizado para
movimentação de cargas a curtas
distâncias, inclusive na formação de lotes
para a distribuição aos clientes internos. É
prático, de baixo custo e não carece de
mão de obra especializada. Há carrinhos
que transportam de 50 até 600 kg.

22. (CESPE / IFB / 2011) Pontes rolantes e guindastes são


equipamentos de manuseio para áreas restritas.

Justamente por não concorrerem diretamente com o espaço ocupado


por equipamentos ou por trabalhadores que se localizam no nível do piso,
os equipamentos relacionados no enunciado realmente têm sua utilização
indicada para áreas restritas.
A assertiva, portanto, está certa.

23. (FCC / METRÔ SP / 2008) Na maioria dos casos, o


recebimento e disponibilização dos produtos no almoxarifado
dependem de transporte e movimentação, que são possíveis
pelo uso de equipamentos, tais como:

a) carros-pórtico, carrinhos-de-mão, macacos eletromecânicos,


patins mecânicos.
b) tratores, pá carregadeiras, esteiras rolantes, tirolesas.
c) correias transportadoras, moto-scrapers, triciclos, talhas.
Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br
31
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

d) guindastes, automóveis, plataformas estacionárias, caixas.


e) empilhadeiras, talhas, pontes rolantes, elevadores.

A alternativa E é a que mais se adequa aos equipamentos utilizados na


movimentação de materiais em um almoxarifado, conforme visto
anteriormente.

Em termos da distribuição física (ou externa), Viana (2000) enumera


as principais modalidades de transporte das cargas, conforme sintetizado no
quadro a seguir:

PRINCIPAIS MODALIDADES DE TRANSPORTE


MODALIDADE APLICAÇÃO
Destinado a cargas que demandam tempo
relativamente rápido de entrega. No Brasil,
esta modalidade é, de longe, a mais
empregada.
Rodoviário É destinado a pequenas e médias distâncias,
apresentando boa relação custo X benefício.
A estrutura para a distribuição rodoviária é
composta pela malha de rodovias e pela
disponibilidade de veículos.
Sua característica principal é o atendimento a
longas distâncias, comportando cargas de
grande volume.
Apresenta um índice menor de acidentes,
furtos e roubos, se comparado com o
Ferroviário rodoviário.
A estrutura de distribuição ferroviária compõe-
se da malha ferroviária, de vagões e
locomotivas. Demanda o maior custo fixo
operacional, entre todos os modais de
transporte.

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


32
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

PRINCIPAIS MODALIDADES DE TRANSPORTE


MODALIDADE APLICAÇÃO
Muito voltado a transporte de cargas entre
continentes, sendo que o tempo de entrega
não é um fator preponderante.
É o modal mais utilizado no comércio
Hidroviário / marítimo internacional, mediante o emprego de navios
mercantes (cargueiros).
A estrutura de distribuição, neste caso, é
formada por navios de carga e pela estrutura
portuária das localidades envolvidas.
Voltado ao transporte de carga no qual o
tempo de entrega é um fator primordial.
É ideal para pequenos volumes, com alto valor
agregado e com urgência de entrega.
Aeroviário A desvantagem fica por conta do maior custo
e da menor capacidade de carga.
A estrutura aeroviária é formada por
aeronaves de transporte de carga, bem como
por aeroportos.
É um dos meios mais econômicos de
transporte de cargas, muito voltado a grandes
volumes de óleos, gás natural e derivados. Ex:
oleodutos, gasodutos etc.
Dutoviário A estrutura dutoviária é composta por canos /
tubos cilíndricos ocos desenvolvidos conforme
normas internacionais de segurança. Uma vez
feita a instalação dos dutos, o custo
operacional é extremamente baixo.

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


33
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

O transporte intermodal (ou multimodal, segundo a Associação


Nacional de Transportes Terrestres – ANTT) é aquele que utiliza mais de uma
modalidade de transporte. A exportação de produtos em contêineres, por
exemplo, é usualmente feito pelas modalidades marítima e rodoviária. Na
realidade, o transporte intermodal não é propriamente uma nova modalidade
de transporte, mas sim uma combinação das anteriores.

24. (CESPE / IFB / 2011) São cinco os modais de transporte de


carga: aéreo, rodoviário, ferroviário, aquaviário e intermodal.

Primeiramente, conforme nos esclarece a ANTT1, os termos modo,


modal e modalidade de transporte possuem o mesmo significado, ok?
A questão apresente uma pegadinha do CESPE. Como vimos, o
transporte intermodal não é uma “nova” modalidade de transporte de carga,
mas sim uma combinação das demais.
Além disso, a questão peca por não listar o transporte dutoviário, um
dos cinco modais hoje considerados pela ANTT.
A questão está errada.

25. (CESPE / CAPES / 2012) No transporte dutoviário, após a


construção dos dutos, o custo operacional variável é baixo, pois
a mão de obra intensiva é desnecessária.

Apenas para reforçar o que vimos em nosso quadro sobre os modais de


transporte. A questão está certa.

26. (CESPE / CAPES / 2012) O custo fixo do transporte aéreo é


superior ao custo dos transportes ferroviário, aquaviário e
dutoviário.

Como vimos, o custo fixo do transporte ferroviário sobrepuja ao das


outras modalidades de transporte.
A assertiva está errada.
1
Endereço: http://www.antt.gov.br/faq/multimodal.asp
Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br
34
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

Bom, ficaremos por aqui nesta quinta aula. Na próxima semana,


teremos nossa última aula, no que diz respeito ao esudo de
conteúdos inéditos. Veremos as principais características inerentes à
Gestão Patrimonial.
Forte abraço e bons estudos!

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


35
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

QUESTÕES APRESENTADAS NESTA AULA

1. (UFAL / COPEVE – UFAL / 2011) Almoxarifado é o local


destinado a guardar e conservar materiais, em recinto
adequado à sua natureza, tendo a função de destinar espaços
onde permanecerá cada item aguardando a necessidade do seu
uso, ficando sua localização, equipamentos e disposição interna
acondicionados à política geral de estoques da organização.
Espera-se que o almoxarifado seja capaz de:

a) servir como depósito genérico de itens aleatórios.


b) assegurar que o material necessário seja adquirido assim
que seu estoque chegue ao nível zero.
c) preservar a qualidade e as quantidades exatas.
d) promover divergências de inventário.
e) possuir instalações adequadas sem a necessidade de
recursos de movimentação.

2. (FCC / METRÔ SP / 2008) O setor que se encarrega do


suprimento de materiais a todas as unidades de uma empresa é
o almoxarifado. Assim, é correto afirmar que as atividades
básicas de um almoxarifado são:

a) especificação, solicitação, conferência e controle de


aplicação dos materiais na produção.
b) compra, guarda, manutenção e conservação de material.
c) levantamento, compra, armazenamento e venda de produtos.
d) recebimento, guarda, controle e entrega de material.
e) prospecção de clientes, compra de material, guarda e
logística de produção de itens.

3. (CESPE / SESA ES / 2011) No recebimento de materiais, a


conferência consiste no batimento entre a nota fiscal e o pedido
de compra.

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


36
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

4. (CESPE / CNPQ / 2011) O controle do recebimento do objeto


contratado é realizado durante o recebimento provisório,
produzindo o efeito de liberar o vendedor do ônus da prova de
qualquer defeito ou impropriedade que venha a ser verificada
na coisa comprada.

5. (FCC / METRÔ SP / 2010) A atividade de recebimento é


caracterizada como uma interface entre o atendimento do
pedido pelo fornecedor e os estoques físico e contábil,
compreendendo quatro fases, que são:

a) solicitação de compra, especificação, entrega e


armazenamento
b) entrada de materiais, conferência quantitativa, conferência
qualitativa e regularização.
c) relacionamento de itens, cotação, quadro de apuração e
remessa.
d) especificação, cotação, compra e conferência
e) remessa, verificação, conferência e disposição no depósito

6. (CESPE / Câmara dos Deputados / 2012) A conferência por


acusação, também conhecida por contagem cega, não
possibilita a verificação, preconizada na conferência
quantitativa, da correspondência entre a quantidade de objetos
declarada pelo fornecedor na nota fiscal e a efetivamente
recebida.

7. (CESPE / Câmara dos Deputados / 2012) A armazenagem por


frequência é o critério mais indicado para se obter o
aproveitamento mais eficiente do espaço.

8. (CESPE / ABIN / 2010) A paletização impede a utilização do


espaço aéreo do almoxarifado.

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


37
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

9. (CESPE / MPU / 2010) No que se refere à armazenagem de


recursos materiais, o uso de prateleiras é adequado à
estocagem de materiais de dimensões variadas.

10. (FCC / METRÔ SP / 2008) As unidades de estocagem são


utilizadas para o acondicionamento dos materiais no depósito.
Os dispositivos que funcionam como equipamentos de
armazenagem nos almoxarifados são:

a) baldes, sacolas, engradados, big-bags


b) caixas plásticas, caçambas, esteiras transportadoras,
gavetas
c) caixotes, armários, sacos plásticos, estiradores metálicos
d) pastas arquivo, armário de aço, bandejas, banquetas
e) armações, estrados do tipo pallets, engradados,
contenedores

11. (CESPE / INCA / 2010) Se o gestor de material de


determinado órgão identificar a entrada de uma carga unitizada
composta por resma de papel de formato A4, é correto afirmar
que esse órgão recebeu apenas uma unidade de resma de papel
A4.

12. (CESPE / IFB / 2011) A carga unitária é a embalagem que


contém diretamente o produto.

13. (CESPE / SEAD FUNESA SE / 2008) Considere um


determinado material que deve ser estocado em paletes.
Considere ainda que cada palete pode conter, no máximo, 50
caixas desse material, que o estoque máximo é de 5.000 caixas
e que o empilhamento máximo é de 3 paletes. Nessa situação,
serão necessárias, no mínimo, 34 posições de paletes para o
armazenamento do material em apreço.

14. (CESGRANRIO / PETROBRÁS / 2011) Na determinação do


layout interno de armazéns e para determinar a melhor
Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br
38
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

localização dos produtos, são usados diversos métodos e


critérios. A respeito dos objetivos do planejamento da
localização dos estoques e seus métodos e critérios, afirma-se
que:

a) o objetivo do planejamento da localização dos estoques é


maximizar as distâncias percorridas dentro do armazém.
b) o critério de compatibilidade restringe a localização de
produtos de acordo com o tamanho que possuam.
c) o critério de complementaridade restringe a localização de
produtos com base na frequência de solicitação conjunta.
d) a aplicação de um critério isolado é suficiente para minimizar o
custo total de manuseio.
e) um dos objetivos da armazenagem é aumentar o tempo unitário
de manuseio, reduzindo o custo total de armazenagem.

15. (CESPE / MPU / 2010) Os equipamentos e instrumentos


utilizados na movimentação de materiais em estoques
independem da estrutura física e do leiaute da unidade.

16. (CESPE / SEAD FUNESA SE / 2008) Considere que a


largura dos corredores de um almoxarifado é determinada pelo
equipamento utilizado para manuseio e que os corredores
realmente permitem a fácil movimentação dos itens, por meio
de empilhadeiras. Nessa situação, é correto afirmar que os
corredores principais e os utilizados para embarque permitem o
trânsito de duas empilhadeiras ao mesmo tempo.

17. (CESPE / TJ ES / 2011) O endereçamento é imprescindível


tanto ao sistema de estocagem fixa quanto ao sistema de
estocagem livre.

18. (CESPE / SEAD FUNESA SE / 2008) No sistema de


estocagem livre, não existe local fixo de armazenagem, com
exceção de materiais que requerem estocagem especial. Nesse
sistema, os materiais vão ocupar os espaços vazios dentro do
depósito.

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


39
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

19. (CESPE / SEAD FUNESA SE / 2008) A utilização cúbica e a


acessibilidade a cada um dos itens são fatores que devem ser
considerados no planejamento da área física do estoque.

20. (CESPE / INCA / 2010) Os fornecimentos por pressão e o


por requisição são os dois tipos de processos de fornecimento
de material para suprir a demanda das unidades de um órgão
ou entidade da administração pública brasileira. O fornecimento
por pressão refere-se ao processo de entrega de material para
o usuário com base nas tabelas de provisão previamente
estabelecidas pelo setor competente, enquanto o fornecimento
por requisição refere-se ao processo de entrega do material
formalmente requisitado ao usuário.

21. (CESPE / STM / 2011) No processo de fornecimento por


pressão, a entrega de material ao usuário ocorre mediante
tabelas de provisão, previamente estabelecidas pelo setor
competente, nas épocas fixadas, independentemente de
qualquer solicitação posterior do usuário.

22. (CESPE / IFB / 2011) Pontes rolantes e guindastes são


equipamentos de manuseio para áreas restritas.

23. (FCC / METRÔ SP / 2008) Na maioria dos casos, o


recebimento e disponibilização dos produtos no almoxarifado
dependem de transporte e movimentação, que são possíveis
pelo uso de equipamentos, tais como:

a) carros-pórtico, carrinhos-de-mão, macacos eletromecânicos,


patins mecânicos.
b) tratores, pá carregadeiras, esteiras rolantes, tirolesas.
c) correias transportadoras, moto-scrapers, triciclos, talhas.
d) guindastes, automóveis, plataformas estacionárias, caixas.
e) empilhadeiras, talhas, pontes rolantes, elevadores.

24. (CESPE / IFB / 2011) São cinco os modais de transporte de


carga: aéreo, rodoviário, ferroviário, aquaviário e intermodal.

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


40
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

25. (CESPE / CAPES / 2012) No transporte dutoviário, após a


construção dos dutos, o custo operacional variável é baixo, pois
a mão de obra intensiva é desnecessária.

26. (CESPE / CAPES / 2012) O custo fixo do transporte aéreo é


superior ao custo dos transportes ferroviário, aquaviário e
dutoviário.

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


41
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

GABARITO

1- C 2- D
3- E 4- E
5- B 6- C
7- E 8- E
9- C 10- E
11- E 12- E
13- C 14- C
15- E 16- C
17- C 18- C
19- C 20- C
21- C 22- C
23- E 24- E
25- C 26- E

Sucesso!

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


42
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA
PROFESSOR RENATO FENILI

Referências

GONÇALVES, P. S. Administração de Materiais, 3ª ed. Rio de Janeiro:


Elsevier, 2007.

FENILI, R. R. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais:


Abordagem Completa. São Paulo: Ed. Método, 2011.

MUTHER, R. Planejamento do layout. Sistema SLP. São Paulo: Ed.


Edgard Blücher, 1978.

VIANA, J. J. Administração de Materiais: um enfoque prático. São


Paulo: Atlas, 2000.

Prof. Renato Fenili www.pontodosconcursos.com.br


43

Você também pode gostar