Você está na página 1de 12

Sob o império da retórica

Os programas iconográficos de São Tiago


e São Mamede de Évora

CELSO MANGUCCI O ORADOR CRISTÃO


Arquivo Distrital de Évora; CHAIA-UE
Esse lugar de preponderância da Oratória, que também é o

O padre António Vieira, na apresentação do primeiro


volume dos seus sermões, com a franqueza que o ca-
racteriza e uma leve ponta de humor, adverte o leitor
da dificuldade em organizá-los, enumerando a diversidade dos
lugar de superintendência sobre todas as Artes e Ciências, foi
sustentada a partir de um corpo teórico reunido em nome da
Retórica, alicerçada na tradição dos pensadores da antiguidade
clássica que, fazendo jus ao papel central desempenhado na vida
temas, das matérias e das formas adoptadas quando foi obriga- política e civil, lhe atribuíam um campo de acção universal. Para
do a falar para públicos tão diferentes: "Além desta diversidade ficarmos com a argumentação de um autor de referência inques-
geral acharás, ainda, neles outra maior, pelas diversas ocasiões tionável para a Retórica seiscentista, segundo Quintiliano, o
em que os sucessos extraordinários da nossa idade, e os das problema em defender esse âmbito universal estaria limitado
minhas peregrinações por diferentes terras e mares, me obriga- apenas pela capacidade do orador: "Suelen algunos decir: luego
ram a falar em público. E assim uns serão panegíricos, outros de todas las artes debe entender el orador, si ha de hablar de
gratulatórios, outros apologéticos, outros políticos, outros todas. Pudiera responderles con las palabras de Cicerón, quien
bélicos, outros náuticos, outros funerais, outros, totalmente, dice: 'A mi parecer, ninguno puede llamarse orador acabado y
ascéticos; mas todos quanto a matéria o permitia (e mais do que perfecto, si no tuviere el conocimiento de todas las artes y cienci-
em tais casos se costuma) morais" (Vieira, 1679: apresentação). as'. Pero yo me contento con que no ignore absolutamente aque-
Essa variedade de forma e temas presentes na genial obra llo de lo que tiene que hablar, ya que no puede saberlo todo; y
do jesuíta é extensível, naturalmente com as devidas distân- por otra parte debe ponerse en disposición de poder hablar de
cias, a toda oratória do século XVII português. Ferramenta todas las causas y asuntos" (Quintiliano, 1916, II, Cap. XXII).
para todas as ocasiões, caucionada por imperativos morais e Em 1576, o dominicano Luís de Granada redige a Ecclesiastica
teológicos, os sermões foram omnipresentes como expressão Rhetorica, que dedica generosamente à Universidade de Évora, "mãe
da comunicação persuasiva, de tal forma que podemos conhe- de virtudes e letras", trazendo um contributo que teria enorme influ-
cer melhor o ideário político da Restauração através do fluxo ência já não para a formação dos tribunos políticos, mas sim dos
contínuo de prédicas defendendo as ideias autonómicas e anti- apóstolos da palavra, seguindo os novos rumos traçados pelo Concí-
castelhanas dos partidários de D. João IV (Marques, 1989). lio Tridentino. O objectivo principal do autor não era restringir o
Para o tema que nos interessa aqui, foi também do púlpito, campo de acção da Retórica, como poderia deixar entender a especifi-
OBRAS EM DESTAQUE

lugar por excelência da apresentação e defesa de ideias, que o cidade do título, mas sim dar corpo a um conjunto de conhecimentos
Bispo de Cranganor, Diogo da Anunciação Justiniano, repetin- para a Oratória Cristã, libertando-a de uma carga ideológica e de um
do uma tradição anual, reflectiu sobre o papel da pintura e dos passado demasiado conotado, aos olhos do granadino, com o classi-
pintores, justificando a nobreza e a importância teológica da cismo greco-romano: "Y querría yo, que no solo los egemplos, más
pintura, no sermão praticado, em 1685, para a Irmandade de también los preceptos mismos perteneciessen únicamente a la facul-
São Lucas, que congregava os artistas lisboetas (Caetano, tad de predicar, y que nada huviesse en esta Obra, que tuviesse
1994: 124-126; Saldanha, 1995). ressabios, de las letras de los Gentiles" (Granada, 1778: prólogo).

Em cima: Brasão de armas do prior Cristóvão Soares de Albergaria


Na página seguinte: Vista geral, telas da Paixão de Cristo do arco trinfal
44 Igreja de São Tiago, Évora | Fotos Miguel Cardoso
Gabriel del Barco, O sacrifício de Isaac, 1699
Igreja de São Tiago, Évora | Foto Miguel Cardoso

Mais importante, o frade dominicano acrescenta um argu- pintura, o qual sendo, como um livro popular, capaz de toda a
mento moral para justificar a amplitude superior da Ciência matéria, seja do céu ou da terra, de animais ou de plantas, ou
Retórica. Os exemplos e os conceitos deviam ser teologica- de acção humana de toda a sorte, que se pedisse que ao pintor,
mente correctos porque os oradores desempenhavam um pa- a quem pertence o representar dessas coisas, fosse de cada
pel social fulcral, ensinando a doutrina católica, e actuando uma, se não completamente erudito, ao menos mediocremente
como guias espirituais da sociedade: "porque, siendo el princi- instruído, ou não de todo ignaro.”5.
pal oficio del Predicador, no solo sustentar á los buenos con el Essa impossibilidade de conhecimento universal, tanto
pábulo de la doctrina , sino apartar á los malos de sus pecados, mais que as imagens, entendidas como um código acessível a
y vicios: y no solo estimular á los que yá corren , sino animar á todos, também tinham um papel importante na representação
correr á los perezosos, y dormidos: y finalmente no sólo con- dos mistérios da religião, faz o cardeal bolonhês dirigir o seu
servar á los vivos con el ministerio de la doctrina en la vida de tratado principalmente aos comitentes das obras de arte, que
la gracia, sino también resuscitar con el mismo ministerio á los considera os principais responsáveis pelos enganos cometidos:
muertos en el pecado: qué cosa puede haver mas ardua, que "Desejando suster tanto quanto se possa os abusos nas ima-
este cuydado, y esta empresa?" (Granada, 1778: 73). gens segundo o decreto do sagrado Concilio Tridentino, e
Levando ao limite as consequências dessas afirmações, para considerando-se ser não tanto erro dos artífices que lhes dão
Frei Luís de Granada era obrigatório haver uma convergência forma, mas dos mecenas que as encomendam, ou mais que
perfeita entre a persona social dos oradores e a mensagem do deixam de encomendá-las como se deve, e sendo esses os prin-
púlpito, e o seu compêndio inclui vários capítulos discorrendo cipais agentes, e os artífices executores da sua vontade; por
sobre as virtudes que deveriam acompanhar o exercício da isso é maior a consideração de instruir não só os pintores e
Oratória, que aliás eram semelhantes às exigências de vidas escultores, mas principalmente os sacerdotes, nobres e pessoas
virtuosas aos bispos, monges e sacerdotes, como o demonstra honradas, que costumam embelezar as igrejas e suas habita-
uma vasta literatura do período1, quase sempre assumindo ções com semelhantes adornos."6.
Jesus Cristo como espelho inexcedível de virtudes2. Por seu lado, o nosso orador, Diogo da Anunciação Justi-
niano, dirigindo-se a um auditório de artistas, reconhece a
UT RETHORICA PINTURA importância fulcral dos pintores "que dão a ver Deus como
querem", na citação gentílica de Cícero, ao mesmo tempo em
O sempre fecundo paralelo entre a Pintura e a Poesia, plas- que descreve São Lucas como o modelo de pintor ideal, reu-
mado no famoso paragone de Horácio, "ut pictura poesis", foi nindo o predicador evangélico com o artista, a palavra com o
pedra fundamental da argumentação da tratadística humanista pincel, a pintura com o sermão, chegando mesmo a inverter o
da pintura3 para a valorização intelectual da Arte e do pintor. sentido da comparação: "porque nenhuma outra coisa parece
Um dos objectivos subjacentes a essa comparação é que o dis- que foi senão hum destro pintor no seu evangelho. Porque o
curso pictórico encontre um corpus teórico de referência na papel lhe serviu de pano, as parábolas de sombras, as regras de
Antiguidade Clássica, e passe, a exemplo da sua irmã Poesia, a linhas, as virtudes de cores, as acções de Christo de ideias, & as
ser organizada segundo às regras da Retórica. notícias de matizes." (Justiniano, 1699: 347-348).
Mas nem só os pintores defenderam a aproximação da Embora o arcebispo de Cranganor, na sua argumentação,
Pintura à Retórica4. Com outros propósitos, também os teólo- estabeleça uma associação directa entre as duas Artes, e não recue
gos defenderam o paralelismo entre as duas Artes, preferindo até às raízes da comparação, não deixa de salientar, utilizando a
encontrar as semelhanças não numa mesma estrutura discursi- forma de argumentação que vimos acima, que uma das características
OBRAS EM DESTAQUE

va, mas sim entre a proficiência universal do discurso do orador distintivas da pintura é o âmbito universalista de acção, porque
e do pintor. O sobrevalorizado (por vezes) tratado do cardeal "he a pintura, hum quadro onde se copeão todas as artes liberais,
bolonhês Gabriele Paleotti, Discorso intorno alle imagine sacri et & que de todas as artes é um compendio..." (Justiniano, 1699: 354).
profane, é um dos exemplos desse tipo de argumentação, se-
guindo de perto a forma de propor o problema que já vimos NORMA EPISCOPORUM
nos tratados de retórica de Cícero e Quintiliano: "A primeira
[razão] porque dos oradores se escreveu que, para serem Em Évora, o arcebispo D. Frei Luís da Silva Telles
grandes e excelentes, deviam ser versados em toda a aptidão (1691-1703), depois da benquista experiência pastoral de
ou ciência, pois que de todas as coisas podem ter o dever de Lamego e da Guarda, foi um dos expoentes da acção reformadora
46 instruir e persuadir o povo; assim parece ser possível dizer da empreendida pelos círculos mais informados da corte de
Gabriel del Barco, A prece do rei David, 1699
Igreja de São Tiago, Évora | Foto Miguel Cardoso

D. Pedro II. O seu biógrafo, que privou de muito perto com o confessor e capelão real (uma tarefa ingrata, também exercida
Arcebispo, teve o cuidado de apresentar os princípios que nor- nos tempos conturbados do reinado afonsino, da qual, após
tearam a sua acção pastoral, que se estruturou numa política alguma insistência, conseguiu dispensa).
assistencialista em benefício dos mais pobres e num compromisso Um dos pilares da acção doutrinária do arcebispo de Évora
empenhado na divulgação e interiorização dos princípios da fé e assentou no binómio "asseio da Casa de Deus" e "perfeição do
da moral cristãs7. Para alcançá-los, Frei Luís institui-se a si e a Culto Divino". São numerosas as obras que patrocinou para as
sua família próxima como exemplo, orientando o Paço Arquie- igrejas do arcebispado, normalmente identificadas com o seu bra-
piscopal segundo princípios morais rigorosos: todos cumprem são de armas (mais uma vez demonstrando publicamente que
os sacramentos, vestem-se e comem de maneira frugal, respei- cumpriu um dever). Do seu informado mecenato artístico, marcado
tam os jejuns, dedicam-se a orações, cantos e leituras sagradas. por uma personalidade vigorosa e interveniente, conhecemos a
Como considerava-se um mero administrador das rendas do sua amizade com o pintor régio Bento Coelho da Silveira, a quem
arcebispado8, o seu biógrafo, em jeito de apresentação de contas, encomendou as telas para a igreja do Convento de Santa Helena
faz questão de anotar as somas que o prelado despende com do Monte Calvário (Sobral, 1998: 376), e para as capelas-mores de
esmolas, assinalando escrupulosamente as dádivas aos pobres, Nossa Senhora do Bispo de Montemor-o-Novo, Santo Antão e
aos doentes, aos presos, aos órfãos, às viúvas, aos estudantes, São Pedro. Para os retábulos de talha dourada, o arcebispo depositou
aos religiosos dos conventos e aos nobres pobres. (Nada é dei- a sua confiança no mestre lisboeta Francisco Machado que, com
xado ao acaso e os párocos recolhem as informações que per- pragmatismo singular, fez instalar com oficina, nos "baixos" do
mitem a identificação das necessidades e dos necessitados). Paço Arquiepiscopal, onde finalizou o retábulo da Nossa Senhora
O zelo do pastor é particularmente meticuloso com a cor- do Anjo da Sé, e os retábulos para as capelas-mores de Nossa
recção dos conventos femininos, perante a ameaça social dos Senhora do Bispo de Montemor e de Santo Antão11. Para as cam-
desvios de costumes. Numerosas obras nos edifícios, normal- panhas de fresco socorreu-se, para a Sé de Évora, dos pintores
mente pagas com as rendas da Mitra, garantem o cumpri- Santos Marques e Francisco de Sousa, e talvez de outros, pagando,
mento das regras de clausura e da aparência, e fazem entaipar para espanto do seu biógrafo, quatro moedas de ouro "só para os dese-
janelas ou mesmo demolir casas nas proximidades dos conven- nhos" dos brutescos do tecto da capela-mor da igreja de São Pedro.
tos, impedindo qualquer ponto de vista devassado. Nenhum desafio é grande demais, nenhuma tarefa menor
A todo esse rigor do arcebispo eborense não deve ser alheio para o empenho doutrinário de Frei Luís - como humildemente
o exemplo do papa Inocêncio XI, com um munus apostólico pro- gostava de assinar - que preconiza instruções precisas ao mestre
fundamente marcado pelas virtudes da modéstia, da caridade entalhador sobre a forma de colocação dos anjos custódios no
cristã e da ortodoxia9. Mais próximo, é também notável o ascen- trono para a exposição do Santíssimo Sacramento; discute com
dente do padre Bartolomeu de Quental, o pregador-moralista da o mestre azulejador de Lisboa as melhores soluções para as
corte e o fundador da Congregação do Oratório, de quem era pilastras da nave da igreja do convento de Santa Helena do
amigo pessoal e com quem partilhava as práticas de interiorismo Monte Calvário; devolve desgostoso a tela de um artista ebo-
da oração mental, e para quem concedeu apoio com o custeio da rense para a igreja de São Pedro para voltar a fazer um novo
criação do convento da Congregação do Oratório de Nossa Se- pedido urgente a Bento Coelho; ou define os nomes dos pregadores
nhora da Conceição de Estremoz: "Atendendo pois à Salvação e também "os temas e assuntos" para os sermões das festas da
das suas ovelhas, detriminou fundar huma caza da Congregação sua "nova" igreja de São Pedro (Espanca, 1986-1987: 172).
do Oratorio, para que ensinasem a oração mental aos Pôvos, por Nos programas decorativos patrocinados pelo arcebispo
ser este o melhor remédio para a reforma das vidas, e os mais que, na busca de soluções de bel composto, frequentemente asso-
OBRAS EM DESTAQUE

exercissios da Congregação. (...) Isto suposto, deu desta rezulu- ciam a talha dourada, a pintura a óleo e a pintura a fresco dos
ção parte ao Veneravel padre Bartolomeu do Quental, de quem tectos, os azulejos renovam em azul e branco as soluções tradi-
hera particular amigo..." (Espanca, 1986-1987: 155). cionais dos padrões seiscentistas, como nas salas do Paço Ar-
Comparando a biografia do arcebispo de Évora com a do quiepiscopal, na igreja do convento de Santa Helena do Monte
fundador dos Oratorianos de Portugal10, publicada em Roma Calvário e na igreja de Santo Antão. Essa afectação decorativa
como celebração da confirmação apostólica de Bartolomeu de só se vai alterar nos últimos anos do seu governo, com os re-
Quental como padre venerável, vemos, para além dos topos vestimentos de azulejos que o pintor espanhol Gabriel del
específicos de uma hagiografia, a mesma tónica de exortação à Barco realizou para as duas igrejas paroquiais de Santiago e
vivência da virtudes cristãs que o oratoriano exigia para si e São Mamede, e ainda, mas agora respondendo a uma encomenda
queria ver espelhadas no Paço de D. João IV, no seu tempo de dos cónegos lóios, para Nossa Senhora da Assunção de Arraiolos12. 47
inflexibilidade, as posições doutrinárias foram lentamente evo-
luindo e consolidando-se durante o século XVII e só um de-
creto do papa Inocêncio XI, em 1679, regulamentando a con-
fissão e a comunhão diárias (Costa, 1989), poria fim a uma das
polémicas abertas sobre o sagrado sacramento.
Em particular, o programa iconográfico dos azulejos16
estrutura-se em três registos horizontais, e podemos iniciar a
leitura com duas narrativas do Antigo Testamento que, se-
guindo os princípios doutrinários tradicionais, introduzem o
tema das virtudes teologais da Caridade e da Fé associados à
Adoração da Sagrada Eucaristia.
No registo intermédio, num movimento circular, utilizando
os dois lados da nave, quatro painéis contam a parábola do
filho pródigo (Lucas, 15: 11-32): a partida depois da divisão
dos bens, a dissipação de todos os seus haveres com as cortesãs,
a humilhação e a penitência com o trabalho infame da guarda
dos porcos e, no fim, a reconciliação com o pai, misericordioso
e feliz, abraçando o filho que retorna reconhecendo os seus erros.
A par e passo, o registo inferior, em três painéis, elabora
uma antítese dramática: o Patriarca Abraão, obedecendo a uma
ordem divina, está pronto a sacrificar o seu próprio filho
(Génesis 22: 1-19). Assistimos o encontro com os dois anjos
que comunicam a ordem divina e depois seguimos o "calvário"
do filho que carrega um feixe de lenha, a sua cruz no caminho
para o sacrifício. Mas, como sabemos, Abraão foi impedido, no
último instante, pela mão do anjo, e o Patriarca, testado no
Gabriel del Barco, A ressurreição de Lázaro, 1699 mais profundo dos seus sentimentos paternais, é um herói na
Igreja de São Tiago, Évora | Foto Miguel Cardoso sua fé inabalável na palavra divina. Seguindo uma exegese
bíblica interiorizada nas celebrações da missa desde o século
IV, os episódios do sacrifício de Issac são uma das mais fre-
Infelizmente, não chegou aos nossos dias a intervenção da quentes pré-figurações da Paixão de Cristo e da instituição do
Igreja de São Pedro, a última grande obra que o arcebispo sacramento da eucaristia.
concluiu, nas vésperas da morte, em 1702, revestindo a nave Seguindo essa tradição exegética eucarística, o mesmo
com azulejos figurativos azuis e brancos com episódios da vida episódio foi utilizado no Sermão do Mandato, predicado por
do orago, muito provavelmente também já não com a assinatura Bartolomeu de Quental (Quental, 1741: 411-12), na capela
do pintor espanhol. real, em 1658. No mesmo lugar, alguns anos antes, também o
incansável António Vieira, no Sermão Segundo do Mandato, na
A CARIDADE EUCARÍSTICA sua digressão vertiginosa exaltando o amor de Deus pelos
homens, compara o amor divino ao paternal de Abraão e
Os azulejos da Igreja de Santiago, respeitando as regras acon- também ao da Parábola do Filho Pródigo. Com a liberdade
selhadas para a boa administração das igrejas paroquiais13, foram argumentativa que caracteriza a sua oratória, depois de
custeados com as esmolas dos fregueses e concluem um longo comparar o sacrifício realizado do filho de Deus com o sus-
processo de reconfiguração do interior da igreja, que se havia penso de Issac, Vieira pergunta para o irmão mais velho da
iniciado por volta do ano de 1680, com a reconstrução do arco Parábola do filho pródigo (que equipara a Cristo): "Dizei-me
triunfal, e a redefinição do programa decorativo da capela-mor14. se, em lugar do vitelo, que vosso pai matou para vosso ir-
As obras decorreram sob a direcção do prior e grande ben- mão, vos matara a vós, para da vossa carne e do vosso san-
feitor da paróquia, Cristóvão Soares de Albergaria15 que assi- gue lhe fazer um novo prato, que excesso nunca visto seria
nalou a sua intervenção para a posteridade com as suas armas este?" (Vieira, 1685: 371).
e com a inclusão da tela de São Cristóvão, com o Menino Jesus De maneira pouco convencional, interrompendo a linha
aos ombros, carregando todos os pecados do mundo, colocada horizontal da história de Abraão, escolheu-se um painel com
na parte superior do arco triunfal, envolta numa teoria de bru- a representação da Prece do Rei David, de joelhos, com o cep-
tescos pintados sobre a superfície mural (Espanca, 1966: I, tro e a coroa atirados ao chão, arrependido da sua actuação
225). Fazem parte dessa primeira campanha pictórica, realiza- orgulhosa depois do censo realizado por Joab. O Senhor,
OBRAS EM DESTAQUE

da por uma oficina eborense, três pinturas com episódios da pela boca do vidente Gad, pede que escolha entre o castigo
Paixão de Cristo: o Ecce Homo, o Noli me Tangere e a Lamenta- da fome, da guerra, e da peste para o seu povo, representadas
ção sobre Cristo Morto. simbolicamente na mão do anjo pela espiga de trigo, pela
O programa decorativo da nave da igreja concluiu-se entre espada e pela caveira (II Samuel, 24: 12)17. No discurso ico-
os anos de 1699 e 1700, já na parte final do arcebispado de nográfico, a interrupção justifica-se para estabelecer uma
Frei Luís da Silva Teles e, em linhas gerais, o programa icono- comparação antitética entre o rei pecador e o patriarca fiel, e
gráfico articula os painéis de azulejos com os frescos do tecto, para entender-se o episódio como uma prefiguração da euca-
numa exaltação do Sacramento da Eucaristia, tema central ristia enquanto sacrifício de propiciação, no altar que David
para a igreja católica após o Concílio de Trento. Nesse capítu- erigiu em terras do Araúna para a expiação e a remissão dos
48 lo, não é demais recordar que, mesmo sob o aparente manto da seus pecados (II Samuel, 24: 25).
A Justiça, 1700 A espada e o pão, 1700
Igreja de São Tiago (tecto), Évora | Foto Miguel Cardoso Confraria de São Mamede (tecto), Évora | Foto Miguel Cardoso

Entre os arcos que sustentam o coro alto, dois outros Também em São Tiago, como se fosse a estrutura de um
episódios do Antigo Testamento, agora da história do profe- sermão de imagens, as duas virtudes, da Caridade e da Fé, são
ta Moisés, retomam o tema da virtude da caridade e da fé amplificadas nos painéis de azulejos do terceiro registo, ilus-
constantemente testada e incutida pela vontade divina: Moisés trados como episódios da acção amorosa e evangelizadora de
faz brotar a água do rochedo e a Serpente de bronze. Neste últi- Jesus Cristo, complementando o programa iconográfico com a
mo caso, um simulacro de cruz com a serpente que cura os virtude da Esperança, a virtude da confiança na vida eterna e
verdadeiros crentes no meio do deserto, é o próprio Novo no sacramento da eucaristia.
Testamento que autoriza a interpretação do episódio como Por elevação do amor paternal, Jesus acolhe Zaqueu
uma pré-figuração eucarística, pois como afirmou Jesus (Lucas, 19: 1-10), o rico colector de impostos "que se havia
"dessa mesma maneira o Filho do Homem também tem de perdido" como o filho pródigo, e acolhe também a mulher pe-
ser levantado [...] para que todo o que nele crê possa ter a cadora, arrependida como o filho pródigo e como o Rei David,
vida eterna”. (João 3: 14-15) que lavou com lágrimas os seus pés, untando e secando-os com
Como vimos, na citação inicial de Vieira sobre a diversi- os cabelos (Lucas 7: 38-47). Ambos estavam penitentes e pre-
dade dos seus sermões, o aproveitamento de todos os acidentes, dispostos a receber a palavra divina: o pequeno Zaqueu, "o
a profunda adaptação da oratória ao tempo e ao lugar, torna-os filho de Abraão", subiu à figueira para encontrar Jesus no meio
únicos. No sermão que o jesuíta celebrou, em 1669, no Mos- da multidão, e a mulher dirigiu-se lhe com humildade e amor
teiro da Esperança (Vieira: 1683: 1), em Lisboa, na festa da no banquete da casa de Simão, o fariseu.
mais importante confraria do Santíssimo Sacramento em No milagre da cura do paralítico em Betesda, que podemos
território português, Vieira dá corpo a uma nova leitura do comparar à cura proporcionada pelo simulacro da cruz com a
sacramento, procurando surpreender o auditório ao compro- Serpente de bronze, é um pouco diferente. Jesus dirige-se ao
meter-se a encontrar um lugar para a terceira virtude teolo- pobre e pergunta: Você quer curar-se?; pedindo-lhe em troca o
gal, a Esperança, junto com tradicionais virtudes da Fé e da compromisso de uma vida sem pecados, compromisso esse que
Caridade no sacramento da Eucaristia: "Que satisfeita está será formalizado na comunhão eucarística.
OBRAS EM DESTAQUE

hoje a Fé, & que satisfeita a Charidade! Só a Esperança, pare- Numa antítese ao episódio da rápida e eficaz intercessão do
ce, que não está, nem pode estar satisfeita.” Uma parte da anjo no episódio do sacrifício de Isaac, Cristo retarda a sua
"fineza" está em que a circunstância pareça de início fortuita resposta aos pedidos insistentes de Marta e Maria, irmãs de
e que progressivamente se vá revelando fundamental, impli- Lázaro, chegando à Judeia propositadamente depois da sua
cando um exercício doutrinário profundo. Na verdade, no morte. As lamentações e a descrença das duas irmãs fazem-nos
caso da confraria do Mosteiro da Esperança, que tem o pró- comparar e valorizar mais uma vez a atitude de fé incondicional
prio monarca como juiz, o tema da virtude tornara-se parte de Abraão. No painel, o milagre "demonstrativo" da ressur-
da doutrina, e foi provavelmente iniciado por um sermão do reição de Lázaro (João 11: 1-46) é uma prova do poder de
capelão real Bartolomeu de Quental, em 1662, exactamente Cristo emanado directamente de Deus e da vida eterna que
com os mesmos pressupostos18. vence a morte. 49
Ao lado: Gabriel del Barco, A Caridade | Irmandade do Santíssimo Sacramen-
to de São Mamede, Évora
Em cima: Cesare Ripa, Carita, 1603
Na página seguinte: Gabriel del Barco, São Tomás de Aquino e a Sagrada
Escritura | Irmandade do Santíssimo Sacramento de São Mamede, Évora
Fotos Miguel Cardoso

Justamente, a vida eterna, "a água viva" que Cristo vem Se as virtudes teologais da Fé, da Caridade e da Esperança
oferecer aos seus seguidores e crentes, é também o tema da estruturam o discurso dos azulejos, os frescos do tecto da nave
conversa com a mulher samaritana à volta do poço (João 4: 4-26). são organizados segundo as quatro virtudes cardeais que apre-
Esse episódio compara superlativamente com a água que Moi- sentam um caminho de aperfeiçoamento espiritual e moral
sés faz nascer do deserto para matar a sede depois da descren- implícitos no sacramento da confissão e da comunhão eucarísticas.
ça dos hebreus. No seu manual do perfeito sacerdote, Frei Como era comum na estruturação dos sermões, pequenos
António de Molina utiliza o episodio da Samaritana, aconse- trechos de sentenças bíblicas foram escolhidos para suporte do
lhando-o nas reflexões que devem preparar o sacerdote para a discurso. No primeiro tramo, uma contracção de um verso do
celebração da missa eucarística (Molina, 1610: 261). Livro dos Provérbios: "Abençoado o que encontra a sabedoria e
Na sua terceira aparição depois da ressurreição, na Pesca é rico em prudência" é representada por uma alegoria adapta-
Milagrosa (João, 21: 1-14), Cristo come pão e peixe com os da da conhecida obra do iconógrafo Cesare Ripa20, com uma
seus discípulos, numa confirmação da vitória sobre a morte e figura feminina que segura o espelho do auto-conhecimento e
da promessa da eucaristia. Mas o episódio também pode ser pela sabedoria representada pela serpente.
interpretado como um aviso profundo, como Agostinho de Do lado oposto, a figura da Temperança, vertendo vinho
Hipona comenta num sermão: "Duas vezes os discípulos co- para uma taça com água, numa alusão também aos símbolos
meçaram a pescar a comando do Senhor: uma vez antes da da Eucaristia, incita à moderação saudável dos desejos: "aquele
paixão e outra depois da ressurreição. Nas duas pescas está que se abstém, prolonga a vida"21.
retratada toda a Igreja: a Igreja como é hoje e como será de- No coro alto, a figura da Justiça, sustentada pelo início de
pois da ressurreição dos mortos. Agora acolhe uma multidão um versículo do livro dos Reis, "ouve, então, do céu", subli-
impossível de se contar, incluindo os bons e os maus, e depois nhando a direcção divina, está representada com os tradicio-
da ressurreição incluirá apenas os bons"19. nais atributos da espada e da balança e, ainda, com um feixe de
Quase duas décadas depois, esse registo superior dos seis varas, este último simbolizando, como explica mais uma vez o
painéis de azulejos com o magistério de Cristo veio dar se- iconógrafo perugino, que a justiça tem um tempo certo, nem
quência ao programa enunciado com as três telas dedicadas cedo, nem tarde, como a maturidade exigida para a colheita do
aos episódios da Paixão que já vimos colocadas sobre o arco vime (Ripa, 1603: 188)22.
OBRAS EM DESTAQUE

triunfal, assim como uma pequena teoria de seis emblemas Na virtude da Fortaleza, representada pela figura feminina
eucarísticos, pouco legíveis, na parte superior do revestimento que sustenta uma coluna, um excerto dos versos da canção em
azulejar (cacho de uvas, casa, monte (?), pão, espigas de trigo, louvor ao Senhor exortam à perseverança na persecução do
árvore da vida) faz a transição para as alegorias do tecto. bem e no aperfeiçoamento moral23.
Do programa da campanha dos frescos do tecto da nave, Atribuído ao pintor eborense Lourenço Nunes Varela
realizado no mesmo ano em que o pintor espanhol terminou os (Serrão, 1998-1999: 85-71), o conjunto, a que não falta um
azulejos, infelizmente só podemos reconhecer parcialmente o apelo de modernidade, inscreve-se claramente no âmbito dos
programa, já que duas intervenções posteriores alteraram as trabalhos da mais importante oficina lisboeta, dirigida por
pinturas dos dois tramos centrais (c. 1750-60) e também do António Oliveira Bernardes e José Ferreira de Araújo24,
50 arco triunfal (c. 1910). repetindo as aberturas com balaustradas pintadas de maneira
perspéctica, de sotto in sù, onde quatro personagens, reforçando Caritas, à semelhança do justificado para uma gravura da obra
o efeito ilusório, derramam sobre o espectador moedas de de Cesare Ripa26, que bem poderia ser considerada a divisa da
ouro, um jarro de água, círios acesos e uma pedra. acção pastoral do arcebispo Frei Luís da Silva Teles.
Sublinhando a unidade temática de todo o conjunto, e a Com as mesmas intenções, o programa repete parcialmente
eucaristia como um sacramento de adoração, o programa e a o de São Tiago, com os três episódios do filho pródigo e com
campanha pictórica fecha no coro-alto com uma monumental os dois da gesta mosaica: Moisés fazendo brotar água do rochedo
representação dos anjos em veneração da Sagrada Eucaristia. e a Serpente de bronze.
Os episódios da acção evangelizadora de Jesus Cristo, per-
O TRIUNFO DE SÃO TOMÁS DE AQUINO feitamente enquadrados no âmbito da acção pastoral, são aqui
substituídos por um programa de fé doutrinária, com o Triunfo
No mesmo ano, demonstrado a perfeita articulação entre de São Tomás de Aquino, "o defensor da Eucaristia", represen-
OBRAS EM DESTAQUE

as várias estruturas diocesanas, e certamente sob a supervisão tado em glória com o Santíssimo Sacramento em exposição,
do arcebispo Frei Luís, o programa eucarístico repete-se com a rodeado pelas personificações das virtudes morais da Esperança
colaboração de Gabriel del Barco, na sala da Confraria do e da Religião27 e, seguindo as lições da Summa Theologiae,
Santíssimo Sacramento da Igreja de São Mamede. pelas quatro actos de virtude da religião: a Oração (hino), a
Nos azulejos da confraria, a estrutura do programa icono- Contemplação (trigo), a Devoção (cegonha), e a Santidade
gráfico, como em São Tiago, apoia-se nas virtudes teologais da (chaves do céu). Do lado esquerdo, a personificação da Oração
Esperança25, representada com a "âncora da alma, segura e traz uma filactera com o verso inicial Tantum ergo Sacramentum
firme" (Hebreus, 6: 19) e da Caridade. Esta última, amamen- (Tão sublime sacramento) de uma das stanze do hino Pange,
tando uma criança, com duas outras a volta, simbolizando a Fé Lingua, gloriosi, da benção eucarística, também composto pelo
e a Esperança, virtudes que estão presentes em potência na Doutor da Igreja.
51
Gabriel del Barco, O filho pródigo na casa das cortesãs, 1699
Igreja de São Tiago, Évora | Foto Miguel Cardoso

No painel frontal, do lado oposto, representa-se o Triunfo das virtudes "morais" e das virtudes "sobrenaturais" revela
da fé com a cruz e a hóstia consagrada, rodeada pelas personifi- ainda a profunda sedimentação da ética de Tomás de Aquino
cações dos cinco sentidos com a heresia derrubada ao chão. no pensamento teológico que informa os dois programas
Reforçando a continuidade do discurso, o anjo personificando iconográficos de São Tiago e São Mamede.
o tacto segura a filactera com mais uma perícope do hino da Ainda no tecto, por entre uma teoria de brutescos, quatro
benção: Praestet fides supplementum sensuum defectui (a fé supre a pequenas cartelas com dísticos latinos são traduzidos em
indigência dos nossos sentidos)28. emblemas singelos, onde a defesa da fé rima com a bem-
Compostos para as festas do Espírito Santo, o hino Pange, -aventurança celestial do sacramento: A eucaristia é o pão e a
Lingua, gloriosi faz parte do cerimonial durante a exposição espada29 (pão e espada); e minhas flores são frutos de honra e
eucarística, também quando o sagrado viático era levado aos honestidade30 (flores); Em qualquer lugar onde estiver o corpo,
doentes, uma das principais tarefas devidas ao zelo dos confrades. aí se hão-de juntar as águias31 (duas águias e sol) e o sacramento
No tecto, sob o tema central anjos em adoração a Sagrada do amor que por vós é derramado32 (pelicano ferindo o peito
Eucaristia, representam-se as quatro virtudes cardeais, funda- para alimentar as crias).
mentais para a definição do sacramento da Eucaristia como um Nos topos, duas cartelas com filacteras simples: "Panem ange-
compromisso no caminho da ascese moral e espiritual. A reunião lorum manducavit homo" e "factus cibus viatorum"33, retomam a
citação de versos dos hinos sacros compostos pelo Doctor Angelicus
presentes nos azulejos, numa clara manifestação de coerência de
todo o programa iconográfico, associando as duas artes decorativas.

MECÂNICA RETÓRICA DAS IMAGENS


OBRAS EM DESTAQUE

A omnipresença e o prestígio intelectual da Oratória na


cultura seiscentista por si só justificariam a semelhança entre a
estrutura dos sermões eucarísticos com os programas icono-
gráficos de São Tiago e São Mamede. A importância da ética
de Tomás de Aquino para a "segunda escolástica" protagoni-
zada pelos jesuítas acrescenta mais uma razão doutrinária
poderosa para esse paralelismo. Mas a coincidência entre a

Programa iconográfico da igreja de São Tiago, Évora


Desenho Celso Mangucci
52
Gabriel del Barco, O regresso do filho pródigo, 1699
Igreja de São Tiago, Évora | Foto Miguel Cardoso

Oratória e o plano iconográfico é mais profunda: uma mesma Essa mesma estrutura discursiva foi adaptada à sala da confra-
cultura, franqueada pela comparação entre a Pintura e a Poesia, ria do Santíssimo Sacramento, com o triunfo da fé e da eucaristia
impregna a maneira de articular o discurso das imagens. em evidência, no registo superior, em oposição aos episódios
Poderíamos dizer que, usualmente, o autor do programa mosaicos, da fé e da caridade, antes da revelação do "novo manda-
iconográfico preforma o primeiro passo de uma composição mento", sobre a porta. No tecto, as quatro virtudes morais
retórica, a inventio, que o nosso Luís de Granada define de coabitam com as alegorias e com os anjos em adoração eucarística.
maneira muito pragmática: "A la Invención pertenece hallar Mas nem só de relações contíguas, directas e sucessivas vive o
señaladas, y esclarecidas sentencias, y estas acomodádas á su plano iconográfico. A ideia de conjunto prevalece e alimenta a
designio: porque assí dirá aptamente, que es la virtud principal relação de significância (vertical) entre as diversas partes do dis-
de la Invención." (Granada, 1778: prólogo). curso. Mais do que isso, as imagens podem ser articuladas, numa
Como é manifesto, as "esclarecidas sentenças", as perícopes elocutio adaptada à arquitectura, como figuras retóricas, em forma
bíblicas ou dos doutores da igreja, que povoam incessantemente de antítese ou paralelismo. Para relembrarmos alguns exemplos: a
o discurso, proporcionam a necessária auctoritas doutrinária. antítese entre o amor compassivo ao filho pródigo, e a preparação
Servem ao mesmo tempo de confirmação e ponto de partida da morte do filho de Abraão, em acto de fé, revelam e exaltam a
para um comentário desenvolvido, sempre no sentido de exa- natureza do sacrifício de Cristo, filho do Senhor, na Cruz. A pe-
minar com rigor todos os ângulos da palavra divina. Como nitência do Rei David é análoga à penitência do filho pródigo
vimos, nesse caso imediato estão as sentenças escolhidas para junto com os porcos e a da mulher pecadora na casa de Simão
as figuras das virtudes cardeais de São Tiago e os emblemas enquanto a água que brota do deserto de Moisés compara, distin-
eucarísticos em São Mamede. Mas é fácil concluir que as ima- guindo, a água viva do "novo mandamento" na fonte da samaritana.
gens, ao reportarem-se à História Sagrada, traçam automatica-
mente essa linha de referência mesmo quando não transcrevem E PUR SI MUOVE
OBRAS EM DESTAQUE

a passagem bíblica ao qual se reportam.


À semelhança de uma peça de oratória, o discurso do pro- Com uma enorme experiência, Gabriel del Barco parece
grama iconográfico é organizado pela distribuição das imagens estar perfeitamente à vontade em responder às exigências dos
no plano arquitectónico. A dispositio, a organização do programa programas iconográficos retóricos, conhecendo as fontes gráfi-
em São Tiago criou uma estrutura doutrinariamente eficaz cas e as alegorias tradicionais, ou desempenhando um papel
para expressão do tema da Eucaristia, baseada nas três virtu- relevante na criação de imagens directamente a partir de tex-
des teologais (Fé - Abraão e David, Caridade - Parábola do tos históricos, como as que realizou, nesse mesmo ano, para o
Filho Pródigo, Fé e Caridade - Moisés, Esperança - episódios convento de Nossa Senhora da Assunção em Arraiolos, em
da vida de Cristo) dispostas em linhas horizontais, fechando no resposta às solicitações de um programa de afirmação política
tecto, num quarto plano, com as virtudes morais. da Congregação de São João Evangelista. 53
Mas nem tudo da Pintura restringe-se à Retórica do plano ilustrar essas ideias, e ao fundo, representou as esculturas de
iconográfico. Conferindo o relevo que a caridade cristã desem- deusas da antiguidade clássica, numa possível recusa da poéti-
penhou no munus pastoral do arcebispo de Évora, o pintor ca pagã em favor da representação da História. Desenhou tam-
espanhol, nos episódios do Filho Pródigo, apoiou-se num con- bém, em primeiro plano, um macaco acorrentado, que Gabriel
junto de gravuras do italiano Pietro Testa (Carvalho, 2012: del Barco fará repetir no painel do Regresso do filho pródigo,
137), que a despeito de uma carreira de pouco sucesso como junto da sua assinatura, numa concordância crítica contra os
pintor, obteve um assinalável reconhecimento pela qualidade imitadores da natureza que se afastam da idealização clássica34.
das suas incisões. No período da sua segunda estadia em Ro- Barco parece assim acompanhar, nesses últimos anos da sua
ma, Testa encetou um percurso em direcção ao classicismo, carreira, o olhar para o classicismo que alimenta, entre outros,
criticando a cópia servil da natureza e também o ilusionismo as obras dos contemporâneos António Oliveira Bernardes e
dos pintores barrocos. Na gravura da Casa das Cortesãs parece António Pereira Ravasco.

1. Entre os mais influentes contam-se a Instruccion de sacerdotes de 10. Utilizamos a tradução de Freire, 1747. Sobre a oratória de Quen-
Frei António de Molina (1610), o Institutio Parochi, seu Speculum tal veja-se o trabalho de Pires, 1993.
Parochorum do jesuíta Sebastião de Abreu, publicado novamente 11. Para uma análise do percurso do importante mestre entalhador de
em Évora, com aprovação do arcebispo Luís da Silva Telles Lisboa e as suas relações com o arcebispo veja-se Mangucci, 2007.
(1700), e o Parocho perfeito de Antonio Moreira Camello (1675). 12. Em Évora, mencione-se ainda o revestimento que Gabriel del
2. Para o dominicano, Jesus Cristo é o modelo perfeito do orador Barco realizou para a capela-mor da igreja do convento Jerónimo
cristão: "Primeramente, si tal es la dignidad, y magestad de este do Espinheiro, anterior a consagração do Arcebispo de Évora.
Oficio, que tiene por su Príncipe, y Autor al mismo Hijo de Dios, Sobre o conjunto de Arraiolos veja-se Mangucci, 2013.
y el Predicador es su embiado en la tierra" (Granada, 1778: 27). 13. As obras das igrejas paroquiais deveriam ter a direcção do prior,
3. Para uma apresentação geral da questão veja-se o ainda útil Lee, 1940. supervisionando a escolha dos melhores mestres, como aconselha
4. Particularmente influenciada pela obra de Fumaroli, 1980, a rela- o manual do pároco perfeito de Camello, 1675: tratado III, cap.
ção entre a Pintura e a Retórica voltará a fazer parte do aparato XII, 346-348.
crítico dos historiadores de arte, desde as análises sobre a sua 14. Foi provavelmente durante esses anos que se desmembrou o
influência na conformação do discurso pictórico, como em Hoch- retábulo maneirista dedicado a São Tiago, do qual subsiste um
mann, 1993; até, pelo contrário, como em Sugers, 2007, com uma dos painéis, encomendando-se para a capela-mor azulejos seis-
análise sobre a autonomia das figuras retóricas visuais na pintura centistas de padrão e um novo retábulo de estilo nacional. Ver
(e no Teatro e na Arquitectura). Espanca, 1966: I, 225.
5. "L'una perche, si come degli oratori e stato scritto che, per rius- 15. Possuímos poucos dados sobre a biografia de Cristóvão Soares de
cire grandi et eccellenti, debbono essere versati in ogni facolta e Albergaria, que segundo o testemunho do padre Francisco da
scienza, poi che di tutte le cose puo occorrere loro di dover ra- Fonseca, doou, depois da morte, todos os seus bens à paróquia
gionare e persuadere il popolo; cosi pareva si potesse dire della (Fonseca, 1727: 217).
pittura, la qual essendo, come un libro popolare, capace d'ogni 16. A tese de doutoramento de Maria do Rosário de Carvalho (2012),
materia, sia di cielo o di terra, di animali o di piante, o d'azzioni oferece uma revisão exaustiva e actualizada do percurso do pintor
umane di qualunque sorte, richiedesse insieme che il pittore, al Gabriel de Barco, com uma descrição pormenorizada dos programas
quale appartiene il rappresentare queste cose, fosse di ciascuna, se de São Tiago e São Mamede e a importante identificação das gravuras
non compitamente erudito, almeno mediocremente instrutto o de Pietro Testa e Jean le Pautre que estiveram na origem, respecti-
non affatto imperito." (Paleotti, 1582: proemio). vamente, dos painéis do Filho Pródigo e da história de Moisés.
6. "Desiderandosi di provedere quanto si puo agli abusi delle imagi- 17. Com a mesma estrutura de representação do tema, exceptuando a
ni secondo il decreto del sacro Concilio Tridentino, e consideran- presença do vidente, conhecemos a obra de Pieter de Grebber (c.
dosi cio essere non tanto errore degli artefici che le formano, 1640), nas colecções do Museu Catharijne Convent de Utreque.
quanto de'patroni che le commandano, o piu tosto che tralasciano 18. O Sermão do Santíssimo Sacramento está publicado em Quental,
di commandarle come si doverebbe, essendo essi come i principali 1692. O cónego Manuel da Madre de Deus, no sermão que predicou
agenti, e gli artefici essecutori della loro volonta; pero si e avuta no mesmo local, em 1688, na presença do monarca, D. Pedro II,
considerazione in questo trattato di ragionare non solo con li assume, como se fosse uma tradição estabelecida, uma estrutura
pittori e scoltori, ma principalmente con li curati e con li nobili e tripartida entre as virtudes da Fé, da Esperança e da Caridade.
persone onorate, che sogliono abbellire le chiese e le loro abitazi- Madre de Deus, 1688.
oni con simili ornamenti" (Paleotti, 1582: proemio). 19. Para uma análise do tema na obra do filósofo cristão veja-se Barros, 2002.
7. Manuscrito anónimo publicado por Espanca, 1986-1987. A auto- 20. O versículo completo: "beatus homo qui invenit sapientiam et qui
ria da biografia poderá dever-se a D. Rui de Moura Teles, tesou- affluit prudentia" (Provérbios, 3: 13). Ripa, 1603: 44 explica a
reiro-mor do arcebispo entre 1691-1694, futuro bispo da Guarda referência à sabedoria da serpente com uma citação do Evangelho
e Arcebispo de Braga. de São Mateus (10: 16): "Estote ergo prudentes sicut serpentes et
8. "Tal hera o zelo deste grande prelado, e amor, que tinha ás suas simplices sicut columbae".
OBRAS EM DESTAQUE

ovelhas como tambem o conhecimento, que tinha, de que os bens 21. O versículo completo: “propter aplestiam multi obierunt qui
da Mitra não herão seos, mas dos pobres, e das necessidades das autem abstinens est adiciet vitam” (Ecclesiasticus, 37: 34). Nesse
suas ovelhas, e elle só hera hum mero administrador, e assim com caso segundo um modelo mais próximo ao das gravuras das
muita rezão se lhe podia dar o titulo de Norma Episcopo- virtudes de Hendrik Goltzius.
rum." (Espanca, 1986-1987: 147). 22. O versículo completo: “tu exaudies in caelo et facies et iudicabis
9. O percurso de Benedetto Odescalchi (1670-1689), é marcado pela servos tuos condemnans impium et reddens viam suam super
modéstia na celebração da sua entronização como Papa, pelo caput eius iustificansque iustum et retribuens ei secundum
número restrito dos membros da família, pela recusa dos benefí- iustitiam suam” (I Reis 8: 32).
cios pecuniários, pela luta contra o nepotismo e pelo saneamento 23. O versículo completo: "dux fuisti in misericordia tua populo
das finanças do Estado Pontifício (Ippolito, 2004: 478-495). quem redemisti et portasti eum in fortitudine tua ad habitaculum
54 sanctum tuum" (Êxodo, 15: 3).
24. Para uma descrição do tecto da antiga capela da Ramada de 30. O versículo "ego quasi vitis fructificavi suavitatem odoris et floris
Frielas com "aberturas" idênticas veja-se Franco, 1992: 206-212. mei fructus honoris et honestatis." (Ecclesiasticus 24:23) serve de
25. Sobre a representação das virtudes teologais, em particular a da ponto de partida, em Tomás de Aquino, para a definição dos fru-
Esperança, veja-se o artigo de Monteiro, 1991. tos do Espírito Santo como actos virtuosos em que o justo expe-
26. "I tre fanciulli dimostrano, che se bene la carità è una sola virtù, rimenta deleite espiritual (Summa Theologiae, Ia, IIae, questio 70).
hà non dimeno triplicata potenza , essendo senz'essa, & la fede , & 31. "Ubicumque fuerit corpus, illia congregabuntur et aquilae." (Lucas
la esperanza di nissun momento." (Ripa, 1603: 64). 17: 37) reporta-se, segundo os exegetas, ao anuncio da eucaristia
27. Representada com o véu, o crucifixo e o fogo da devoção como pela comparação entre corpo/cadáver e águia/abutres.
propõe Ripa, 1603: 430-31. 32. "Sacramentum amoris qui pro vobis effundetur." Provável adap-
28. Do extenso programa eucarístico que o pintor Juan Escalante tação dos versículos do Evangelho de São Lucas (22:20). Tomás
realizou, entre os anos de 1667 e 1668, para a sacristia do Con- de Aquino, no hino Adoro te devote, apoda Jesus Cristo de
vento de Nossa Senhora das Mercês, dos Mercedários Calçados, "bondoso pelicano": "Pie pellicane, Iesu Domine/ Me immundum
de Madrid, faz parte uma tela com o mesmo dístico e a personifi- munda tuo sanguine."
cação dos cinco sentidos, hoje no Museu do Prado. 33. Para sermos rigorosos, o primeiro trecho é um versículo do livro
29. "Eucharistia panis est & gladius" encontra a sua provável refe- dos Salmos (77: 25) mas que completa a ideia como no verso do
rência bíblica numa interpretação alegórica dos versículos do hino Lauda, Sion, Salvatore: Ecce panis angelorum, factus cibus viatorum:
Livro dos Juízes (7: 13) com um sonho premonitório do pão de este é o pão dos anjos convertido em alimento dos peregrinos.
cevada que derruba as tendas dos militares, e anuncia a vitória de 34. Sobre a evolução do significado crítico da representação dos símios
Gedeão sobre os midianitas. na história das ideias estéticas veja-se Saldanha, 1995: 94-116.

BIBLIOGRAFIA

ABREU, Sebastiano de (1700) - Institutio Parochi, seu Speculum Paro- LEE, Rensselaer W. (1940) - Ut Pictura Poesis: The Humanistic
chorum. Évora: Tipografia da Universidade. Theory of Painting. Art Bulletin. XXII.
BARROS, Paulo César (2002) - A eclesiologia eucarística nos Sermones MANGUCCI, Celso (2007) - Francisco Machado e a Oficina de Retá-
ad Populum de Agostinho de Hipona e o movimento ecuménico. Roma: bulos do Arcebispo de Évora. Cenáculo: Boletim on line do Museu de
Gregorian University Press. Évora. Nº 2, Dez. 2007.
CAETANO, Joaquim Oliveira (1994) - A Maldição de Séneca. Rei- MANGUCCI, Celso (2013) - Com a pena e com o pincel: a hagiogra-
vindicação e estatuto da arte da pintura no período Barroco. In Joanni fia de São Lourenço Justiniano e a defesa da Congregação de São João
V Magnifico: A Pintura em Portugal no Tempo de D. João V, 1706-1750. Evangelista nos azulejos de Arraiolos, Vilar de Frades e Évora. Actas
Lisboa: IPPAR, p. 119-131. do I Colóquio Sacrae Imagines. Ciclos de Iconografia Cristã na Azulejaria.
CAMELLO, Antonio Moreira (1675) - Parocho perfeito: deduzido do Lisboa: Secretariado Nacional para os Bens Culturais da Igreja, p. 123-149.
texto sancto, & sagrados douctores, para a pratica de reger, & curar MADRE DE DEUS, Manuel da (1688) - Sermam do outavario do
almas... Lisboa: Officina de Joam da Costa. Santissimo Sacramento... Coimbra: Officina de Joseph Ferreira.
CARVALHO, Maria do Rosário Salema Cordeiro Correia de (2012) - MARQUES, João Francisco (1989) - A Parenética Portuguesa e a
A pintura do azulejo em Portugal [1675-1725]. Autorias e biografias - Restauração. 1640-1668. A Revolta e a Mentalidade. Porto: Instituto
um novo paradigma [texto policopiado]. Lisboa: [s.n.]. Tese de dou- Nacional Investigação Científica.
toramento em História da Arte apresentada à Faculdade de Letras da MOLINA, Frei António de, Instruccion de sacerdotes... Barcelona,
Universidade de Lisboa. Hieronymo Margarit, 1610.
COSTA, Avelino de Jesus da (1989) - A Santíssima Eucaristia nas MONTEIRO, João Pedro (1991) - Os vasos floridos do Convento de
Constituições Diocesanas portuguesas desde 1240 a 1949. Lusitânia Nossa Senhora da Esperança em Lisboa. Azulejos. Lisboa: Museu
Sacra. 2ª série. Nacional do Azulejo. Nº 1, p. 33-43.
ESPANCA, Túlio (1966) - Inventário Artístico do Concelho de Évora. PALEOTTI, Gabriele (1582) - Discorso intorno alle imagine sacri et
Lisboa: Sociedade Nacional de Belas Artes. 2 volumes. profane. Bologna.
ESPANCA, Túlio (1986-1987) - Memória da Vida e Morte do 10º PIRES, Maria Lucília Gonçalves (1993) - O Padre Bartolomeu de
Arcebispo de Évora, D. Frei Luís da Silva Teles. A Cidade de Évora. Quental, pregador da capela real. Revista da Faculdade de Letras
Évora: Câmara Municipal de Évora. nos 69-70, anos XLIII-XLIV. Línguas e Literatura. Porto.
FRANCO, Anísio (1992) - António de Oliveira Bernardes e a unidade QUENTAL (1741) - Sermões do Venerável padre Bartolomeu de Quental.
decorativa do espaço Barroco. In Jerónimos 4 séculos de Pintura. Lisboa: Lisboa Occidental: Regia Officina Sylviana. Segunda parte.
Instituto Português do Património Arquitectónico e Arqueológico. QUINTILIANO, Marco Fabio (1916) - Instituciones Oratorias.
FUMAROLI Marc (1980) - L'âge de l'éloquence: rhétorique et "res literaria" Madrid: Imprenta de Perlado Paez e Compañia. 2 tomos.
de la Renaissance au seuil de l'époque classique. Paris: Librairie Droz. SOBRAL, Luís de Moura (1998) - Bento Coelho e a pintura do seu tempo.
FONSECA, Padre Francisco da (1727) - Évora Gloriosa..., Roma: Lisboa: Ministério da Cultura, Instituto Português do Património
Oficina Kamarekiana. Arquitectónico.
FREIRE, Francisco José (1747) - Vida do Venerável padre Bartolomeu RIPA, Cesare (1603) - Iconologia, o vero descrittione de diverse imagine. Roma.
OBRAS EM DESTAQUE

de Quental... Lisboa: Officina de Miguel Rodrigues. SALDANHA, Nuno (1995) - A Pintura nas Ideias Estéticas da Idade
GRANADA, Frei Luís de (1778) - Los seis libros de la Rethorica Eclesi- Moderna. Lisboa: Editorial Caminho.
astica. Barcelona: Imprenta de Juan Jolis y Bernardo Pla. SERRÃO, Vítor (1998-1999) - Francisco Nunes Varela e as oficinas
HOCHMANN, Michel (1993) - Ekphrasis efficace. L'influence des de pintura em Évora no século XVII. A Cidade de Évora. Évora:
programmes iconographiques sur les peintures et les décors italiens Câmara Municipal de Évora. II Série, Nº 3, p. 85-71.
au XVIe siècle. Peinture et rhétorique. Actes du colloque de l'Académie SURGERS, Anne (2007) - Et que dit ce silence? La rhétorique du visible.
de France à Rome, 10-11 Juin 1993. Paris: Press Sorbonne Nouvelle.
IPPOLITO, Antonio Menniti (2004) - Innocenzo XI, beato, in Dizio- VIEIRA, P. António (1679) - Sermoens do P. Antonio Vieira. Lisboa:
nario Biografico degli Italiani. LXII. Roma. Officina de João da Costa. Primeira parte.
JUSTINIANO, Diogo da Annunciação (1699) - Trofeo Evangelico ______ (1683), Sermoens do P. Antonio Vieira. Lisboa: Officina de Mi-
expossto. Lisboa: Officina de Miguel Deslandes. 3º parte. guel Deslandes. Terceira parte.
55