Você está na página 1de 11

BIBLIOGRAFIA

LIVROS

ABIVEN, Maurice. – Para uma morte mais humana – experiência de uma unidade hospitalar
de cuidados paliativos, Lusociência, 2ª Ed., Loures 2001.

ARCHER, Luis et al. – Bioética, Editorial Verbo, Lisboa, 1996.

ARIÈS, P. História da morte no ocidente: da idade média aos nossos dias. Trad. Priscila
Vianna de Siqueira, Rio de Janeiro, Francisco Alves, 1977.

ASTUDILLO, W e MENDINUETA, C. – Cuidados del enfermo en fase terminal e atención a


su familia. 4ª ed., Ediciones Universidad de Navarra, SA, Pamplona, Cap. 3, Março, 2002.

BARBOSA, A e NETO, Isabel G. - Manual de Cuidados Paliativos, Núcleo de Cuidados


Paliativos, Centro de Bioética, Faculdade de Medicina de Lisboa, 1ª Ed., Lisboa, 2006.

BARDIN, L. – A análise de conteúdo. Lisboa; Edições 70, 2004.

BARÓN, M. González.- La relación médico-paciente em oncologia - una visión sociológica.


Ars Medica, Barcelona, 2002.

BERNADO, M. - Dor e Cuidados Paliativos, Permanyer Portugal Lisboa, 1999.

BOFF, Leonardo. – Saber Cuidar - Ética do Humano - Compaixão pela Terra, Editora Vozes,
10ª Ed. 1999.
BUCKMAN, R. “How to break bad news-a guide for health care professionals” Pan Books,
Londres, 1994.

BUCKMAN, R. – Comunication in Palliative Care: a practical guide. Oxford textbook of


Palliative Medicine, 2ª Ed., Oxford University Press, 1998.

CARPENTER, D – Investigação Qualitativa em Enfermagem. Avançando o Imperativo


Humanista,2ª Ed., Lusociência, Loures, 2002

CASSEL,Erik. – The Nature of Suffering and the Goals of Medicine Oxford University Press,
1991

CERQUEIRA, M Manuela. - O Cuidador e o Doente Paliativo, Formasau, Coimbra 2005.

DIAS, Henrique. – Alivio da dor em fase terminal, Dossier de Cuidados Paliativos, Formasau,
Coimbra, 2000.

DIAS, M. Rosário, DURÁ, E - Territórios da Psicologia oncológica. Manuais


Universitários 22, 1ª Ed., 2002.

DIAS, Maria do Rosário. - A Esmeralda Perdida: a informação dada ao doente com cancro
da mama. Instituto Superior De Psicologia Aplicada, 1ª Ed., Lisboa, 1997.

DICIONÁRIO DE BIOÉTICA, Editorial Perpétuo Socorro, Editora Santuário, Colecção Dois


Mundos, 2001.

F. COMPAGNONI, G. PIANA E S PRIVITERA, PAULOS - Dicionário de Teologia Moral,


Brasil, 1997.

DIRECÇÃO GERAL DA SAÚDE, Divisão de Doenças Genéticas, Crónicas e Geriátricas,


Programa Nacional de Cuidados Paliativos, Lisboa, 2005.
ELIZARI, F. Javier - Questões de Bioética, Editora Santuário, Brasil, 1996.

ESTATUTO DA ORDEM DOS ENFERMEIROS, Comissão instaladora Ordem dos


Enfermeiros, Novembro de 1998.

FAULKNER, Ann. – When the news is bad – a guide for health professionals, STP, Londres,
1998.

FERNÁNDEZ, J.G – Exigências de um cuidado humanizado – 10 Palavras Chave em


Bioética, Gráfica de Coimbra, 1996.

FORTIN, Marie-Fabienne, - O Processo de Investigação – da concepção à realização


Lusociência, Loures, 1996.

GÓMEZ-BATISTE, X. Et al. – Cuidados Paliativos en Oncología. Editorial JIMS,


Barcelona, 1996.

GONÇALVES, J. Ferraz - Controlo de sintomas no cancro avançado, Fundação Calouste


Gulbenkian, Lisboa, 2002.

HENNEZEL, M. –Diálogo com a morte. 3ª Ed. Editorial Notícias, 1999.

HENNEZEL, M. Para uma morte mais humana: Experiência de uma Unidade Hospitalar de
Cuidados Paliativos. Lusociência, 2ª Ed., Loures, 2001.

IMÉDIO, L. Eulália – Enfermaria en Cuidados Paliativos, Editorial Médica Panamericana,


Madrid, 1998.

LEI DE BASES DA SAÚDE, Lei 48/90– DR nº 195, I Série de 24 de Agosto 1990.

LEONE,S. Dicionário de Bioética – Qualidade de vida, Editorial Perpétuo Socorro, Editora


Santuário, Colecção Dois Mundos. 2001.
MANUAL DE BIOÉTICA, Editores Ariel Ciência, coord. Glória Maria Tomás Garrido, 2001

MANUAL DE PSICOONCOLOGIA, Madrid,1999.

MARQUES, A. Lourenço; NETO, I. Neto – Dor e Cuidados Paliativos. Permanyer Portugal,


2003

MARQUES, M. S. – Curar, cuidar e descurar no fim da vida. Uma abordagem histórica ao


pensamento clinico. (pré-publicação), Lisboa, 2005.

MELO, M.L. – A comunicação com o doente – certezas e incógnitas. 1ª Ed. Lusociência,


2005.

MITCH ALBOM. - As Terças com Morrie, Oficina do livro, 2003.

MOREIRA, Isabel – O doente terminal em contexto familiar- uma análise da experiência de


cuidar vivenciada pela família. Formasau, Coimbra, 2001.

NETO, I. G., AITKEN H e PALDRÖN, T – A Dignidade e o Sentido da Vida – Uma reflexão


sobre a nossa existência. 1ª Ed. Pergaminho,2004.

OLIVEIRA, B.J.H. – Viver a morte – abordagem antropológica e psicológica. Livraria


Almedina, Coimbra, 1998.

OSSWALD, W. - “Direitos do doente”, in Bioética, 1996.

OXFORD HANDBOOK OF PALLIATIVE CARE, 2005.

PACHECO, Susana. - Cuidar a Pessoa em fase Terminal – Perspectiva Ética, 1ª Ed.,


Lusociencia,2002.
PARENTE, Paulo – Que informação a dar ao Doente/família – Dossier Ética nos Cuidados
de Saúde, Formasau, Coimbra, 1998.

PEREIRA, M. G. e LOPES, C. – O Doente Oncológico e Sua Família, 1ª Ed., Lisboa, 2002.

PESSINI, L; BERTACHINI, L – Humanização e cuidados paliativos, Edições Loyola, 2ª Ed.,


São Paulo, 2004.

PIMENTEL, F. L. Qualidade de vida em oncologia. Permanyer Portugal, 2004.

PINTO, C. J. R. – Questões Actuais de Ética Médica, Editorial A. O., 3ªEd, 1990.

PORTA, J. Et al. – Control de Síntomas en Pacientes com Cáncer Avanzado e Terminal.


Arán, Madrid, 2004.

PORTELA, J. Luis, NETO, G. Isabel –Dor e Cuidados Paliativos, Permanyer Portugal,


Lisboa, 1999.

RIBEIRO, José Luís - Territórios da Psicologia oncológica. Manuais Universitários 22, 1ª


Ed., 2002.

SALAZAR, Helena - A natureza do sofrimento em cuidados paliativos. Dor e Cuidados


Paliativos, Permanyer Portugal, Lisboa, 2003.

SANCHO, Gómez - Medicina Paliativa en la Cultura Latina, Madrid, Edições Aran,1999

SANCHO, Gómez – Como dar las malas notícias en medicina, Edições Aran, 2ª Ed., Madrid,
2000.

SANCHO, Gómez - Diagnóstico cáncer- Como decírselo?, Edições Aran, Madrid,2005.

SANCHO, Gómez – El Hombre y el Médico ante la muerte, Edições Aran, Madrid, 2006.
SANCHO, G.Marco, ABALO, Jorge – Dolor y sufrimiento al final de la vida, Edições Aran,
Madrid, 2006

SANTOS, C. – Doença Oncológica, representação, coping e qualidade de vida, Formasau e


ESESJ, 2006.

SECPAL. – Recomendaciones de la Sociedad Española de Cuidados Paliativos. Ministério


de Sanidad Y Consumo, 1993.

SERRÃO, D. – Relações entre os profissionais de saúde e o paciente. Comissões de ética: das


bases teóricas à actividade quotidiana. Coordenação de Maria do Céu Patrão Neves.

SERRÃO, D. , NUNES. R. – Ética em cuidados de saúde. Porto Editora, Ano

SFAP - Sociedade Francesa de Acompanhamento e de Cuidados Paliativos, - Desafios da


Enfermagem em Cuidados Paliativos. “Cuidar”: Éticas e Práticas, Lusociência, 2000.

SILVA, S.; PINTO, M. – Metodologia das Ciências Sociais. Porto, edições Afrontamento,
1986, 6ª Ed., pág. 109

STEDEFORD, A.- A Comunicação em caso de doença terminal e de morte. In


Desenvolvimento das perícias de comunicação e aconselhamento em Medicina. 2ª ed. Lisboa;
Climepsi Editores. 2000

TRINDADE, I. , TEIXEIRA, J. – Psicologia nos cuidados de saúde primários, Manuais


Universitários 17, Climepsi Editores, Lisboa, 2000.

TRIVINOS, A – Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais – a Pesquisa Qualitativa em


Educação- Editora Atlas, São Paulo, 1990.

TWICROSS, Robert - Cuidados Paliativos, Climepsi, 2ª Ed., Lisboa, 2003.


X.GOMEZ, B et al. – Cuidados paliativos en oncología, Editorial JIMS, Barcelona, 1996.

ARTIGOS

ALMEIDA, F. Jorge – Que verdade na fase terminal da vida humana, Enfermagem


Oncológica, Ano 7, n.º 25, 2003.

BENT-KELLY, Dympna. – Falta de comunicação, in Revista NURSING, Ano 5, n.º 56,


Setembro 2005.

BERNARDO, Frei – “A verdade devida ao doente”. Revista Divulgação, AnoVIII, nº 29


Janeiro 1994

BERNARDO, Frei –“Efeitos da doença na vida da pessoa”. Revista Divulgação, Ano VIII,
n.º 30 Abril 1994

CHOCHINOV, H. M. – Dignity- Conserving Care – A new model for Palliative Care. JAMA,
Maio 1, 2002 – vol. 287, Nº 17.

CHOCHINOV, Harvey – “Dignity and the essence of medicine: the A,B,C and D of dignity
conserving care”, BMJ, Julho de 2007.

COULOMBE, Louise, - Talking with patients. Is it different when they are dying?, Revista
CME

DIAS, M.R. – Informar os Doentes Oncológicos: uma perspectiva de intervenção. Revista


Divulgação, Ano IX, n.º 33, 2005.
DIAS, M.R. – O doente oncológico: um actor participante? Actas do 2º Congresso Nacional
de Psicologia da Saúde, Sociedade Portuguesa de Psicologia da Saúde, editor J.L. Ribeiro,
1997.

DIAS, M.R. – Uma óptica para a comunicação. Revista DIVULGAÇÃO, Ano VII, nº 28,
Outubro 1993.

DURÁ, Estrella – Aspectos psicosociales da la informacion al paciente com cancer,


Enfermagem Oncológica, Ano 2, n.º 5, 1998.

FEYTOR PINTO, Padre Victor – Humanização e qualidade de vida, Revista SERVIR, vol.
44, n.º 1, 1996.

FRANÇA, G.V. – No fim da vida: um itinerário de cuidados.- www.


Medicinalegal.com.br/aB.htm. Acedido em 9 de Dezembro de 2007.

FRIEDRICHSEN, MJ. STRANG, PM. CARLSON, ME. –Breaking bad news in the
transition from curative to palliative cancer – patient`s view of the doctor giving the
information, Support Care Cancer, 2002 Nov;8(6):437-8.PMID: 11094992; Acedido a 14 de
Agosto 2006.

GALVÃO, Cristina – O que Maria me ensinou, Revista Portuguesa de Clinica Geral, 19,
2003.

GOMES, Clara. – O doente terminal – in Ética nos Cuidados de Saúde, Dossier SINAIS
VITAIS, nº3, 1ª ed, 1998.

GONÇALVES, F et al. – Diagnosis disclosure in a Portuguese Oncological Centre. Palliative


Medicine, nº 15, 2001.

GONÇALVES, F et al.- Breaking bad news : experiences and preferences of advanced


cancer patientes at a Portuguese Oncology Centre. Palliative Medicine, nº 19, 2005.
GRANADEIRO, Josefina – “Consentimento informado – a verdade com sentido” in
Cadernos de Bioética, Edição do Centro de Estudos de Bioética, Ano XVII, n.º 41, Setembro
2006.

K.K. LEUNG, T.Y. CHIU, C.Y. CHEN – The influence of Awareness of Terminal Condition
on Spiritual Well-Being in Terminal Cancer Patient, Journal of Pain and Symptom
Management, Vol 31, nº5, Maio 2006.

KIRK, P., KIRK, I., KRISTJANSON, L.J. – What do patients receiving palliative care for
cancer want to be told? A Canadian and Australian qualitative study. British Medical
Journal, Maio 2004, pág. 3. Acedido a 20 de Julho 2007

HENNEZEL, M.- Acompanhar os Últimos Instantes da Vida. Revista Sinais Vitais, n.º 41,
Março 2002.

HIGGINSON, I., COSTANTINI, M. –Communication in the End-of-Life Cancer Care: A


comparision of team assessments in three European Countries, Journal of Clinical Oncology,
Vol 20, nº 17, 2002.

HÜRNY, C –Do patients with advanced cancer get appropriate information?, Support Care
Cancer, 10, 2002.

HUTCHINSON, A. Tom, - Transitions in the lives of patients with End Stage Renal
Dissease: a cause of suffering and an opportunity for healing, in Palliative Medicine, 19,
2005.

LANDRO, Laura – Patient-physician communication: An Emerging Partnership, The


Oncologist, nº 4, 1999.
MAGALHÃES, Pinto Vasco – “Nós, face à morte do outro”, in Cadernos de Bioética, Edição
do Centro de Estudos de Bioética, Ano XII, n.º 28, Abril 2002.

MORITA, T et al – Communication about the ending of anticancer treatment and transition


to palliative care, Aan Oncol. 2004, Oct;15(10): 1551-7. PMID:15367417, acedido a 14 de
Agosto de 2006.

NEVES, Chantal – A morte, a sociedade e os cuidados paliativos – Colecção Dossier


Cuidados Paliativos, Edições Sinais Vitais, n. º 4, 2000.

PACHECO, F. - A morte a que chegamos- algumas reflexões Éticas. Divulgação- Revista de


enfermagem oncológica. Ano VI, n.º 23, Julho de 1992.

PEREIRA, Aurora – A verdade e a Esperança na comunicação de Más noticias em saúde –


opiniões e perspectivas, Enfermagem Oncológica, Ano 7, nº 28 e 29 , 2004.

PEREIRA, Aurora – Má notícia em saúde: um olhar sobre as representações dos


profissionais de saúde e cidadãos Texto e Contexto enfermagem, Vol.14, n.º 1, 2005.

PIMENTEL, J C - Atitudes de ontem e hoje face à morte- perspectivas históricas e religiosas


Divulgação- in Revista de enfermagem oncológica. Ano VI, n.º 22, Abril de 1992.

PIRES, L, Ana Maria – Cuidar em fim de vida: aspectos éticos” in Cadernos de Bioética,
Edição do Centro de Estudos de Bioética, Ano XI, n.º 25, Abril de 2001.

PRAIL, David – Who are we for?, Palliative Medicine, Vol.14, 2000.

RENAUD, I. – Fragilidade e vulnerabilidade- in Cadernos de Bioética, Ano XVI, n.º 39,


Dezembro 2005.

Revista SERVIR, vol. 44, n.º 1, 1996.


RODRIGUES, Paula, - Morrer com dignidade, Revista Reencontro, Ano III, n.º 1, 2000.

SALEMA, Isabel – “Sim, Senhor doutor...” Revista Divulgação, Ano VI, n.º 22,Abril 1992.

SAPETA, Paula – A informação do diagnóstico e do prognóstico: o direito à verdade,


Enfermagem Oncológica, Ano 2, n.º 7, 1998.

SERRÃO, Daniel – A pessoa Humana e o direito a Cuidados de Saúde, Revista Ser Saúde,
n.º 2, 2006.

SERRÃO, Daniel – O doente terminal, Revista Portuguesa de Medicina Geriátrica, 1990.

SOUSA, Paulino – As representações da morte e o ensino de enfermagem, Enfermagem


Oncológica, Ano 1, n.º 0, 1996.

STUART, P. Tania et al. –La informacion médica al paciente oncológic, Revista Cubana
Oncologica, 17(2), 2001.

SURRIBAS, B. Monserrat, ALMENARA, P. Antón – Ética Y Comunicaión, Revista ROL de


Enfermaria, nº 193, 1994.

SWEENEY, C., BRUERA, E. – Communication in cancer care: recent developments, Journal


of Palliative Care, 18:4, 2002.

TWICROSS, Robert – Death without suffering? , European Journal of Paliative Care, 12(2),
2005.