Você está na página 1de 21

Metodologia da Pesquisa Científca

Metodologia da
Pesquisa Científca

Professor Dr. Clóvis Sousa

1
Metodologia da Pesquisa Científca

2
Metodologia da Pesquisa Científca

SUMÁRIO
Metodologia da Pesquisa Cientíca 4
1. Identicação: 4
2. Ementa: 4
3. Objetivos: 4
4. Conteúdo Programático: 4
Relevância do Método Cientíco para prática prossional 4
Estrutura e Elaboração do Projeto de Pesquisa 5
SUMÁRIO Elaboração de um projeto de pesquisa (modelo de estrutura): 5
Teoria do Conhecimento 6
Conhecimento empírico ou popular 6
Conhecimento religioso ou teológico 7
Conhecimento losóco 7
Conhecimento cientíco 8
Ciência, Espírito Cientíco e o Trinômio
(verdade, evidência e certeza) 10
Denição de Ciência 10
Classicação da ciência 10
Formação e características do espírito cientíco 11
Trinômio: Verdade – Evidência – Certeza 11
Verdade 11

Evidência 12
Certeza 12
Qualidades e atitudes de um pesquisador 12
Métodos Cientícos 12
Denições 12
Tipos de Métodos Cientícos 13
Método Indutivo (Galileu e Bacon - séc. XVII, Hume – séc. XVIII) 13
Método Dedutivo (Descartes, Spinoza, Leibniz - séc. XVII) 13
Método Hipotético - Dedutivo (Popper - séc. XX) 14
Método Dialético (Hegel - séc. XVIII) 14
Método Fenomenológico (Husserl - séc. XIX) 15
Pesquisas Cientícas 15
Denição da Pesquisa Cientíca 15
Tipos de pesquisas cientícas 15
Etapas da pesquisa cientíca 17
Pesquisa Bibliográca 18
Sites para pesquisa bibliográca 18
Estrutura e Elaboração do Projeto de Pesquisa 19
Elaboração de um projeto de pesquisa (modelo de estrutura) 19
Referências 20

3
Metodologia da Pesquisa Científca

METODOLOGIA DA PESQUISA 4. Conteúdo Programático:


Aula 1 - 20 horas
CIENTÍFICA
Teoria do conhecimento e ciência. Denição, objetivos
e classicação da ciência. Tipos de conhecimento.
1. Identicação:
Conhecimento cientíco. Método cientíco. Formação da
CURSOS: Das Ciências Exatas, Naturais, Humanas e da
postura cientíca. Pesquisas cientícas. Denição e tipos de
Saúde
pesquisas cientícas e suas etapas. Pesquisa bibliográca.
DISCIPLINA: Metodologia da Pesquisa Cientíca
Sites para pesquisa bibliográca. Como ler pesquisas/
CARGA HORÁRIA: 60h.
PROFESSOR: Dr. Clóvis Sousa artigos cientícos. Estrutura, etapas e elaboração do
projeto de pesquisa.
Aula 2 - 20 horas
2. Ementa:
Critérios a serem observados na redação cientíca.
A disciplina está dividida em 3 (três) aulas de 20
Palavras e expressões que devem ser evitadas. 10
horas. Aula 1: Teoria do conhecimento e ciência. Tipos
mandamentos da boa escrita. Tipos e classicação de
de conhecimento e conhecimento cientíco. Método
estudos em ciência. Coleta de dados. Questões centrais e
cientíco. A pesquisa cientíca, seus tipos e suas etapas. A
forma de análise. Estatística descritiva e analítica. Análise
pesquisa bibliográca. Elaboração do projeto de pesquisa;
de dados. Modelos padrão para tabelas e grácos. Normas
Aula 2: Classicação dos tipos de estudos em ciência.
ABNT. Estrutura do trabalho de conclusão de curso. Regras
Delineamento da pesquisa. Coleta de dados. Análise
para apresentação em PowerPoint. Estilos de formas de
de dados. Estrutura do trabalho de conclusão de curso.
citação. Normas para referências bibliográcas.
Estilos de formas de citação. Modelos padrão para tabelas,
Aula 3 - 20 horas
quadros e guras. Normas para referências bibliográcas;
Apresentação nal e discussão dos trabalhos de
Aula 3: Apresentação nal dos trabalhos de conclusão de conclusão de curso.
curso.

3. Objetivos:
Geral
RELEVÂNCIA DO MÉTODO CIENTÍFICO
Desenvolver a fundamentação para o domínio do próprio PARA PRÁTICA PROFISSIONAL
processo de construção e produção do conhecimento
cientíco. A presença de inúmeros detalhes, regras, indicações
rígidas para digitação e formatação do texto, que parecem
Especícos bloquear a liberdade em pensar e escrever, além de
Aplicar a fundamentação da metodologia da pesquisa parecer dicultar a produção do conhecimento, faz com
para produção e divulgação cientíca; que o estudo da Metodologia da Pesquisa Cientíca nas
Desenvolver processos e métodos do conhecimento universidades raramente seja bem aceito pelos alunos
cientíco; e por alguns professores. Esta padronização e forma de
Compreender os modos de investigação nas áreas de fazer Ciência têm por objetivo a condução da comunicação
exatas, naturais, humanas e da saúde; adequada no meio cientíco, de forma correta, inteligível,
Denir o signicado de pesquisa cientíca; demonstrando um pensamento estruturado, plausível e
Desenvolver as estruturas do projeto de pesquisa; convincente, por meio de regras que facilitam e estimulam
Denir os tipos de estudos em ciência; à prática da leitura, da análise e interpretação de textos e
Planejar e desenvolver uma pesquisa cientíca; portanto, o desenvolvimento de juízo de valor e de crítica
Desenvolver as estruturas do trabalho de conclusão de para uma argumentação plausível e coerente do que
curso. deseja estudar.

4
Metodologia da Pesquisa Científca

O método, quando incorporado a uma forma de


trabalho ou de pensamento, leva o indivíduo pesquisador 1) O que? 3) Quando?
a adquirir hábitos e posturas diante de si mesmo, do outro Qual tema? Qual o tempo total previsto
Qual o problema? para a pesquisa?
e do mundo, que só têm a beneciar sua vida prossional Qual a justicativa? Qual o tempo destinado
e pessoal. Quais os pressupostos a cada etapa?
teóricos? Como se distribuem as
Quem pesquisou atividades no tempo?
Com base em métodos adequados e técnicas algo semelhante? Qual o cronograma?
O projeto é viável no tempo?
apropriadas para se fazer Ciência, o pesquisador terá
condições, a partir do problema levantado, de buscar 2) Como? 4) Com que?
respostas ou soluções para o mesmo. O que será feito para Que recursos materias
solucionar o problema? serão necessários?
Como serão coletados Que recursos humanos
O esforço de se fazer Ciência refere-se ao resultado os dados? serão nesessários?
Serão feitas entrevistas? Que recursos nanceiros
de uma atitude do pesquisador diante do mundo em sua Observações? serão necessários?
volta, do qual ele mesmo é parte integrante, para entendê- Serão feitas intervenções? O projeto é viável em
Medições? função dos recursos?
lo e, consequentemente, torná-lo inteligível. Qual será a amostra Quais recursos disponíveis?
e seu número? Qual tipo de nanciamento
Que instrumentos é viável?
A prática da pesquisa cientíca, elemento que deve serão utilizados? Quais as fontes de
transcorrer todos os segmentos da vida universitária, é Que atividades serão nanciamento possíveis?
imprescindível no âmbito da Pós-Graduação, encontrando realizadas?
Como serão analisados
assim seu lugar especíco, onde a preocupação refere-se os dados?
a própria atividade de pesquisa.

Elaboração de um projeto de pesquisa


ESTRUTURA E ELABORAÇÃO DO (modelo de estrutura):
PROJETO DE PESQUISA
Capa
A elaboração de um projeto de pesquisa pode ser
realizada por meio de quatro passos. Estes podem ser Identicação
apresentados como esforços em responder às seguintes
questões: O quê? Como? Quando? Com que? Introdução
- No primeiro passo será denido o problema a ser - Revisão de literatura
investigado. Procura-se responder às perguntas: O que - Justicativa e levantamento do problema
será investigado? O que será feito? - Objetivos
- Como resposta a esta questão se dene a metodologia.
Responde-se às perguntas: Como se pretende chegar a Metodologia

solução do problema? Como se atingirá o que se deseja? - Tipo de estudo e seu delineamento
- O terceiro passo consiste em denir um cronograma. - Amostra
Deve responder a pergunta: Quando serão realizadas as - Intervenção (no caso de estudos de intervenção/
atividades ou etapas da pesquisa? experimentais)
- Em resposta ao terceiro passo procede-se a um - Instrumentos de coleta de dados
estudo de viabilidade, prevendo os recursos necessários à - Variáveis
execução das atividades previstas. Responde-se a questão: - Analise estatística
Com que recursos?
Resultados esperados

5
Metodologia da Pesquisa Científca

TEORIA DO CONHECIMENTO se dizer que a Epistemologia se srcina em Platão, que


se opôs a crença ou opinião a favor do conhecimento
vericável, visto que a crença refere-se a um determinado
Os seres humanos não atuam diretamente sobre as
coisas. Existe um instrumento, intermediário, entre eles e ponto de vista subjetivo (DA COSTA, 1999).
seus atos. Em ciência isso também acontece, pois não é
possível realizar um trabalho cientíco sem os instrumentos. Com relação ao estudo do corpo humano, por exemplo,
é possível considerá-lo em seu aspecto exterior e aparente
Neste caso, os instrumentos constituem as teorias,
conceitos, leis naturais, e nos casos mais particulares, as e relatar coisas determinadas pelo bom senso ou ensinadas
ferramentas para coletas de dados, medições de variáveis pela experiência do dia a dia. Pode-se estudá-lo de forma
e análises dos dados (CERVO et al., 2007). mais cientíca e objetiva, investigando experimentalmente
as relações entre órgãos e suas funções, por exemplo.
Pode-se também explorá-lo quanto à sua srcem,
O conhecimento, sobretudo a partir dos trabalhos de
Kant, utiliza os termos sujeito e objeto para fazer referência existência e destino. E é possível buscar sobre o que
aos dois pólos envolvidos na ação: o homem (que se Deus e Jesus Cristo disseram sobre ele. De acordo com
propõe a conhecer algo) e o aspecto da realidade a ser Cervo et al. (2007), têm-se dessa forma, quatro tipos de
conhecido. A discussão da função do sujeito é importante considerações ou quatro níveis de conhecimento sobre o
para se compreender a ciência, uma vez que se refere à mesmo objeto:
forma como o cientista (o sujeito) deve comportar-se para »Conhecimento empírico ou popular;
produzir conhecimento, e, assim, revelar pressupostos »Conhecimento cientíco;
subjacentes a toda pesquisa. »Conhecimento losóco;
»Conhecimento teológico ou religioso.

A teoria do conhecimento se interessa pela Essa divisão não deve ser adotada a ferro e fogo. A
investigação da natureza. A reexão sobre a natureza
do nosso conhecimento dá srcem a uma série de clássica divisão dos níveis de conhecimento mostra-se, a
problemas losócos que constituem o assunto da um exame mais acurado, frágil. Os limites entre os quatro
teoria do conhecimento ou Epistemologia. Grande parte níveis não são claros e se podem perguntar o porquê da
desses problemas foi debatida pelos gregos antigos e, não inclusão, por exemplo, das artes como uma forma
ainda hoje, a concordância é escassa sobre a maneira de conhecimento. De qualquer maneira, como os níveis
como deveriam ser resolvidos ou, caso não seja possível, de conhecimento constituem-se em tema recorrente nos
abandonados. Entre as principais questões que a teoria textos sobre métodos cientícos, pode-se aproveitá-los
do conhecimento tenta responder estão as seguintes: O para algumas reexões.
que é o conhecimento? Como o alcançamos? Podemos
conseguir meios para defendê-lo contra o desao cético? Conhecimento empírico ou popular
Essas questões são, implicitamente, tão velhas quanto a
losoa (CERVO et al., 2007). O conhecimento empírico é aquele que todo ser
humano desenvolve no contato direto e diário com a
Teoria do conhecimento (ou Epistemologia) refere-se realidade. Refere-se aquele adquirido pela própria pessoa
a um ramo da losoa que trata dos problemas losócos na sua relação com o meio ambiente ou social, obtido por
relacionados com a crença e o conhecimento. É o estudo meio de interação contínua na forma de tentativas que
da ciência (conhecimento), sua natureza e limitações. resultam em acertos e erros. Conhece-se muito sobre o
Relaciona-se com a metafísica, lógica e losoa da ciência, mundo em que se vive.
pois, em uma de suas vertentes, avalia a consistência Exemplos disso são pessoas que fornecem aos
lógica de teorias e suas credenciais cientícas. Pode- outros conselhos e receitas infalíveis para determinadas

6
Metodologia da Pesquisa Científca

situações: as mulheres que já tiveram lhos dão consultas dos dados da revelação divina e adquiridos nos livros
“médicas” gratuitas para as principiantes que lutam sagrados. Essas verdades passam a ser consideradas
contra as novidades do primeiro lho; uma pessoa com como legítimas e por isso são aceitas.
dores de cabeça possui grande chance de encontrar um
“especialista” que conhece um remédio ecaz, que alivia Assim, o conhecimento teológico envolve-se em
a dor rapidamente. No entanto, ignora a especicidade doutrinas que contêm proposições sagradas, valorativas
da pessoa, composição e forma de atuação do remédio e (por terem sido reveladas pelo sobrenatural), inspiracional
também a natureza da dor. e, por esse fato, tais verdades são consideradas
infalíveis, indiscutíveis e exatas. Refere-se também a um
Pode-se dizer que é comum e possível a todo ser conhecimento sistemático do mundo (srcem, signicado,
humano, de qualquer nível cultural, não questionar, não nalidade e destino) como obra de um criador divino e
analisar e não exigir demonstração. Do ponto de vista suas evidências não são vericadas, pois sempre está
da utilização de métodos e técnicas cientícas, esse tipo implícita uma atitude de fé diante de um conhecimento
de conhecimento é ametódico e assistemático. Vale dizer revelado.
ainda que o conhecimento empírico abrange as coisas,
enquanto o conhecimento cientíco estuda constituição Conhecimento flosófco
entre as coisas e suas causas. Sendo assim, o conhecimento
empírico é supercial (conforma-se com a aparência), O conhecimento losóco diferencia-se do conhecimento
sensitivo (referente a vivências e emoções da vida diária), cientíco pelo objeto de investigação e o método. A
subjetivo (o próprio sujeito organiza suas experiências losoa é a ciência mãe, da qual foi, pouco a pouco,
e conhecimentos), assistemático (a organização da separando formas de pensar e métodos que mais tarde se
experiência não prevê uma sistematização das ideias,
forma de adquirí-las, tampouco uma tentativa de validá- especializaram
também hoje esão nãoconsiderados
só se tornaram independentes,
ciência. como
Mesmo assim,
las) e acrítico (verdadeiros ou não, os conhecimentos ainda hoje, é difícil estabelecer contornos que separam o
adquiridos não se manifestam de forma crítica). conhecimento losóco de outros tipos de conhecimento.
O objeto da losoa é constituído de realidades mediatas,
Conhecimento religioso ou teológico imperceptíveis aos sentidos, e por serem de ordem
suprassensível, excedem a experiência.
O conhecimento teológico consiste em aceitar explicações
de alguém que já tenha desvendado o mistério e implica em Classicamente, losoa é considerada a ciência das
uma atitude de fé diante de um conhecimento revelado. coisas por suas causas supremas. Modernamente, prefere-
se falar em losofar. Filosofar é interrogar, questionando,
O fundamento do conhecimento religioso é a fé. Não continuadamente, a si mesmo e a realidade. O objetivo do
é preciso ver para acreditar, além disso a crença ocorre conhecimento losóco é a busca constante de sentido,
mesmo que as evidências apontem no sentido contrário. justicação, possibilidades e interpretação a respeito
As verdades religiosas são registradas em livros sagrados daquilo que envolve o ser humano e sua própria existência.
ou são reveladas por seres espirituais, por meio de alguns A losoa busca compreender a realidade em seu contexto
iluminados, santos ou profetas. mais universal, reetindo sobre o saber, interrogando-o.
Busca-se verdades do mundo por meio da indagação e do
Essas verdades são quase sempre denitivas e não debate.
permitem revisões mediante reexão ou experimentos.
O conhecimento revelado – relativo a Deus – é o De certo modo, assemelha-se ao conhecimento
conjunto de verdades no qual as pessoas chegaram não cientíco, por valer-se de uma metodologia experimental,
com auxílio de sua inteligência, mas mediante aceitação

7
Metodologia da Pesquisa Científca

mas dele distancia-se por se tratar de questões indagações sobre as coisas, chegando mesmo a confundir
imensuráveis, metafísicas. os adultos. Para ciência, infelizmente, a maioria das crianças
Neste sentido, o conhencimento losóco é racional acaba aceitando respostas incompletas, imperfeitas e com
(consiste em um conjunto de enunciados logicamente o tempo perdem o espírito interrogador.
correlacionados), valorativo (seu ponto de partida
consiste em hipóteses que não poderão ser submetidas O conhecimento cientíco nos remete a laboratórios,
à observação; essas hipóteses losócas se baseiam na instrumental de pesquisa, trabalho programado, metódico,
experiência e não na experimentação), não vericável sistemático e não faz associações com inspirações
(os enunciados das hipóteses losócas não podem ser religiosas, artísticas ou poéticas. O conhecimento cientíco
conrmados ou refutados), sistemático (suas hipóteses é privilégio de especialistas das diversas áreas das
e enunciados procuram uma representação coerente ciências. É um processo racional, metódico, sistemático,
da realidade estudada na tentativa de vericar sua crítico, rigoroso, vericável, objetivo e relativos a objetos
totalidade), infalível e exato (suas hipóteses e postulados de uma mesma natureza. Nasce da dúvida e se consolida
não são submetidos ao decisivo teste da observação, da na certeza das leis demonstradas, válidas para todos
experimentação). os casos de mesma espécie que venham a ocorrer nas
mesmas condições.
Conhecimento científco
Assim sendo o conhecimento cientíco é real, factual
Diferentemente do conhecimento empírico, o (lida com ocorrências e com fatos), sistemático (ordenado
conhecimento cientíco não atinge simplesmente os logicamente, formando um sistema de ideias (teoria) e
fenômenos, vai além do ente, do fato e do fenômeno, sua não conhecimentos dispersos e desconexos), vericável
(as hipóteses que não podem ser comprovadas não
estrutura, organização
e funcionamento, sua pertencem ao âmbito da ciência; suas proposições ou
composição, causas e hipóteses têm sua veracidade ou falsidade conhecida por
leis. O conhecimento meio da experimentação e não pela razão), falível (não
cientíco atinge as é denitivo, absoluto ou nal) e aproximadamente exato
causas dos fenômenos (novas proposições ou hipóteses podem ser desenvolvidas
e sua constituição, e reformular o que era conhecido).
desta forma envolve a
capacidade de analisar, Nessa busca sempre mais rigorosa, a ciência pretende
explicar, desdobrar, aproximar-se da verdade por intermédio de métodos
Fonte da imagem: osabichao.com justicar, de aplicar leis e que proporcionem maior domínio sobre o objeto. Por
predizer com certa segurança eventos futuros. ser dinâmica, a ciência busca renovar-se e se reavaliar
continuadamente. A única certeza é que todo conhecimento
Para Aristóteles (384 a.C. - 322 a.C), o conhecimento cientíco é precário e pode ser reformulado, como também
somente se dá de maneira absoluta quando se sabe qual reinterpretado a qualquer tempo.
foi a causa que produziu o fenômeno de interesse, porque
não pode ser de outro modo. Refere-se o saber por meio Segundo Da Costa (1999), o conhecimento cientíco
da demonstração. A ciência é fruto da tendência humana é denido como crença verdadeira e justicada (gura
para procurar explicações válidas, questionar, como 1). A presença de um componente de crença por si só
também exigir respostas e justicações convincentes. O já denota a incorporação de um momento subjetivo ao
interessante é que o espírito questionador já se manifesta conhecimento cientíco. Da mesma forma, a referência à
na primeira infância, quando a criança multiplica suas verdade no enunciado suscita naturalmente uma questão
sobre a objetividade da verdade.

8
Metodologia da Pesquisa Científca

O conceito clássico de verdade é o de verdade por


correspondência, ou seja, de confrontação de uma
hipótese com um fato. No entanto, o reconhecimento
do fato é parte de um sistema cognitivo, que, por sua
vez, envolverá crenças e premissas. A justicação de
uma crença verdadeira, com vistas à consolidação do
conhecimento cientíco, padecerá das mesmas restrições
de estrutura lógica que pressupõe premissas e princípios.
As justicativas para geração do conhecimento cientíco
referem-se aos instrumentos e ferramentas que fazem
parte dos métodos de pesquisa e métodos cientícos.
Justicar crenças é uma exigência do pensamento
Figura 1: O conhecimento cientíco como um conjunto de crenças cientíco. A posição correta é: cremos porque sabemos (e
verdadeiras e justicadas
podemos justicar), e não, sabemos porque simplesmente
O Quadro 1 resume os níveis do conhecimento e suas acreditamos.
formas de abordagens para se chegar a verdade de forma
mais próxima possível.

Quadro 1: Níveis de conhecimento e formas de abordagens.

9
Metodologia da Pesquisa Científca

CIÊNCIA, ESPÍRITO CIENTÍFICO E O decrescente. Comte dividiu em Matemática, Física,


Química, Biologia, Psicologia e Sociologia.
TRINÔMIO (VERDADE, EVIDÊNCIA E CERTEZA) Outros autores como Carnap, Bunge, Wundt optaram
por classicar a ciência em dois grupos, formal e factual:
Defnição de Ciência - Ciências formais (puras): Estudo das ideias. São
aquelas cuja verdade se apoia em sua estrutura lógica e
Etimologicamente, Ciência, vem da palavra latina no signicado dos fatos inerentes ao problema. Contém
scientia que signica conhecimento. Este conhecimento
apenas enunciados analíticos, apoiados no signicado de
refere-secorrelacionadas
lógicas a representaçãosobre
de umcerto
conjunto de proposições
fenômeno que seseus termos. As ciências puras dependem de deduções a
partir de verdades demonstradas e não há uma aplicação
deseja estudar, sendo obtido e testado por meio do prática prevista.
método cientíco. A ciência é pautada em uma lógica - Ciências factuais (aplicadas): Estudo dos fatos.
racional, sistemática, exata, vericável e, portanto falível.
São aquelas que utilizam os fatos e princípios para fazer
Sua preocupação gira em torno dos fenômenos empíricos,
coisas úteis aos seres. Seus objetos são situações reais
com perguntas e observações sobre o mundo. Ciência é, e seu método é a observação e a experimentação. Os
portanto, a arte de fazer perguntas (BUNGE, 1974). conhecimentos obtidos são utilizados para aplicação
prática e voltados para a solução de problemas concretos
A ciência, em todas as suas ramicações, adquire da vida moderna.
funcionalidade por meio de um método próprio. Este
Bunge (1974) e Lakatos e Marconi (2000) sugerem
método, diz respeito a um conjunto de técnicas aplicadas, a classicação das ciências conforme diagrama 1 a seguir:
sequencialmente, na cronologia de uma pesquisa cientíca
(ANDRADE, 2006).

Classifcação da ciência

Filósofos, autores e pesquisadores desde muito tempo


procuram classicar racionalmente as ciências. Esta
classicação teria a vantagem de dar uma espécie de
quadro ordenado de todo o real. Os principais ensaios de
classicação são os seguintes:
- Classicação de Aristóteles: distribuiu as diversas
ciências em teóricas (Física, Matemática, Metafísica) e
práticas (Lógica e Moral);
- Classicação de Bacon: dividiu as ciências segundo
as faculdades nas quais elas podem intervir: ciências

de memória (história), imaginação (poesia) e de razão


(losoa);
- Classicação de Ampère: classicou as ciências em
cosmológicas (ou ciências da natureza) e noológicas (ou
ciências do espírito);
- Classicação de Augusto Comte: utilizou um princípio
mais rigoroso, que consiste em classicar as ciências
Diagrama 1: Classicação das ciências.
segundo sua complexidade crescente e sua generalidade Fonte da imagem: Adaptado de Bunge, 1974; e de Lakatos e Marconi, 2000.

10
Metodologia da Pesquisa Científca

Formação e características do espírito limitações e a realidade que pretendem dominar é múltipla


e complexa.
científco
Não há certezas ou uma verdade absoluta que
Ainda que realizadas as distinções entre os níveis
comprove que a religião e/ou a ciência estejam certas
de conhecimento e esclarecidos o trinômio verdade,
quanto às questões de interesse. Cientistas, pesquisadores
evidência e certeza, pode não ser possível realizar um bom
e estudantes procuram por evidências cientícas para
trabalho cientíco, pois o trabalho cientíco vai além de
descrever a verdade, que para alguns autores chama-se
todas essas condições. Para isso, será necessário rigor e
seriedade. O espírito cientíco é o responsável pelo ânimo de verdade parcial ou quase-verdade (DA COSTA, 1997).
do cientista, fazer ciência não é privilégio de algumas
pessoas comumente divulgadas com certos estereótipos Verdade
e biotipos. As condições para se fazer ciência variam
nas formas de pesquisa, treinamento e objetivos. Este Nenhum mortal é dono da verdade. Quem não gostaria
espírito cientíco tem seu início na curiosidade infantil, estar com a verdade? Este problema se relaciona com
seguida pela inquietação da adolescência, e se bem a nitude do ser humano e na forma de compreensão
cultivado, poderá resultar em adultos capazes de analisar do indivíduo para com o mundo, e na complexidade
e sistematizar os dados da realidade de maneira lógica e ocultamento da realidade do outro. Os objetos que
e coerente. O espírito cientíco, portanto, pode aparecer queremos conhecer se manifestam de múltiplas formas e
em qualquer idade e em quaisquer circunstâncias, basta diferentemente para cada indivíduo. Toda a realidade jamais
treinar e exercitar (CERVO et al., 2007). poderá ser captada por um investigador humano, pois
aquilo que se manifesta (que aparece) em dado momento,

A frequente busca por soluções sérias aos problemas não


podemé, asertotalidade do objeto.
apenas uma parte daOsverdadeira
objetos que estudamos
realidade que
que se enfrenta não é inata nas pessoas, são conquistadas
ao longo da vida, por meio de seus esforços e exercícios. ele mesmo pode apresentar (CERVO et al., 2007).
Na prática o espírito cientíco refere-se a expressão de
uma mente crítica, racional e objetiva. A crítica conduz Podemos dizer que o homem já conseguiu compreender
o pesquisador a aperfeiçoar sua análise e julgamento. A bastante das diversas áreas e assuntos estudados, graças
objetividade se caracteriza no desprendimento da realidade aos instrumentos e pesquisas cientícas. Contudo o que
estipulada pelo meio social e pelo senso comum, pois o é a verdade? Podemos dizer que é o desvelamento, a
que vale não é o que o pesquisador imagina ou pensa, mas manifestação do ser, a lucidez do objeto ao olhar que
aquilo que realmente é. Objetividade é condição básica só é alcançado com a inteligência e a compreensão
para se fazer ciência. E a razão é superior aos sentimentos humana. Ninguém pode ser dono da verdade absoluta,
do coração, da emoção, que nada explicam algo no campo pois os objetos só nos mostram parte de sua realidade.
da ciência (CERVO, et al., 2007). Os mais precipitados podem fazer conclusões erradas dos
resultados que viram, pois é da coisa observada (objeto)

Trinômio: Verdade – Evidência – Certeza que deve partir a trajetória que a conecta com a coisa que
observa (sujeito/pesquisador) - (DA COSTA, 1999).
O que é a verdade? O ser humano pode conhecer
Da Costa (1999) descreve alguns tipos de verdade:
a verdade? Quais evidências se têm que as verdades
verdade por correspondência é a semelhança entre o que
reveladas pela religião ou pela ciência sejam realmente
é e o que é dito (confrontação de uma hipótese com um
verdade? Como se tem certeza que a humanidade está
fato); verdade coerencial refere-se a da proposição que
no caminho certo? Os seres humanos são cheios de
está de acordo com o que se sabe com segurança; verdade
pragmática (quase-verdade) refere-se ao consenso da

11
Metodologia da Pesquisa Científca

comunidade cientíca. Esta é considerada a verdade da imaginativo, que possui sentimentos e emoções, o
ciência empírica, da explicação cientíca. Sendo que a cientista certamente tem suas crenças, que vão além das
metafísica se ocupa da natureza da verdade, a lógica se verdades gerais, podendo este inclusive vir a ser um teísta
ocupa da preservação da verdade e a epistemologia se ou religioso. Por tal relevância vale ressaltar que a ciência
ocupa do conhecimento da verdade. exige expressamente que o pesquisador saiba manter
suas crenças longe de seus artigos cientícos e das teorias
cientícas com as quais esteja a trabalhar, constituindo-se
Evidência estes dois elementos por denições certamente distintas.

Para Cervo et al. (2007) os nossos erros são ocasionados Assim, as atitudes do pesquisador são: Honestidade,
pela nossa ignorância e atitudes precipitadas com relação paciência, autonomia intelectual, criatividade,
à natureza daquilo que se oculta e se desvela. A verdade espírito crítico e empreendedor, raciocínio lógico,
somente se resulta quando há evidências e justicativas persistência, consciência e responsabilidade ética,
sobre o fato, sendo que a evidência é uma transparência, social e política, coragem para enfrentar desaos e
é um desvelamento, é uma manifestação clara da natureza para romper paradigmas e, sobretudo, humildade.
e da essência das coisas. A evidência é o critério para se
chegar à verdade (cientíca). MÉTODOS CIENTÍFICOS
Certeza Defnições

A certeza se fundamenta no estado de espírito visto Do grego méthodos, refere-se ao caminho para chegar
que consiste em uma adesão rme, sem temor de engano, a um m.
a uma verdade. Pode-se dizer que, havendo evidência,
ou seja, o objeto, fato, ou o fenômeno se manifesta com “Forma ordenada de proceder ao longo de um caminho”
suciente clareza, é possível armar uma verdade (com (TRUJILLO, 1974).
certeza) sem temor de engano (trinômio).
“Caminho pelo qual se chega a determinado resultado,
Da mesma forma, quando não há uma manifestação ainda que esse caminho não tenha sido xado de antemão
suciente clara do objeto, o sujeito será encontrado de modo reetido e deliberado” (HEGENBERG, 1976).
em outros estados de espírito, sendo esses casos
representados pela dúvida, opinião e pela ignorância. A “Ordem que se deve impor aos diferentes processos
ignorância refere-se a um estado intelectual negativo, necessários para atingir um dado m” (JOLIVET, 1979).
a dúvida é um estado de equilíbrio entre armação e
negação, e a opinião caracteriza-se pelo estado de armar “Conjuntos de processos que o espírito humano deve
com temor de se enganar. Temos de admitir que pouco empregar na investigação e demonstração da verdade”
sabemos, e essa ignorância é na realidade uma bênção. O (CERVO; BERVIAN, 1993).
pouco conhecimento é imprescindível para o pesquisador,
é o que gera o prazer da tensão entre o não-saber e o “Observação sistemática dos fenômenos da realidade
saber (DA COSTA, 1999; CERVO et al., 2007). por meio de uma sucessão de passos, orientados por
conhecimentos teóricos, buscando explicar a causa desses
Qualidades e atitudes de umpesquisador fenômenos, suas correlações e aspectos não-revelados.
É uma maneira como o homem usa os instrumentos de
Decorre que um pesquisador é um elemento essencial pesquisa para desvendar o conhecimento do mundo”
à ciência, e como um ser humano dotado de um cérebro (GOLDENBERG, 2002).

12
Metodologia da Pesquisa Científca

Em resumo, Método Cientíco signica o processo Análise


que possibilita questionar e manipular a realidade com Relação existente entre os elementos do fenômeno
objetivo de dar condições e orientações que facilitem o Hipótese
planejamento, a investigação, a formulação de hipóteses Uma pressuposição do conhecimento sobre o fenômeno
e a análise dos dados para as pesquisas cientícas. Por Teste Experimental
Comprovação do conhecimento
que utilizar o método cientíco? Para redução dos diversos
Modelo
tipos de interferências pessoais (emocionais e/ou culturais) Representação do conhecimento
que podem surgir na observação e experimentação dos Generalização
fenômenos em estudo. Generalização dos resultados

Tipos de Métodos Científcos Quadro 3 - Método indutivo proposto por Bacon.


Experimentação
Coleta de dados sobre o fenômeno de forma experimental
Método Indutivo (Galileu e Bacon - séc.
Formulação de Hipóteses
XVII, Hume – séc. XVIII) Análise dos resultados obtidos dos diversos experimentos
Repetição de Experimentação
Parte de dados particulares, sucientemente Por outros cientistas ou em outros lugares
constatados, e infere-se uma verdade geral e universal Repetição do Experimento
Para obter novos dados e novas evidências que as conrmem
(micro para o macro). Este método baseia-se na observação
sistemática e/ou na experimentação dos fenômenos
Generalização
Generalização das explicações para todos
(CERVO et al., 2007). os fenômenos da mesma espécie

Fonte: Adaptado de Gil, 1999; e de Lakatos e Marconi, 2000.


Exemplo 1:
Observo que João, José, Nicolau, etc. são mortais; Método Dedutivo (Descartes, Spinoza,
verico a relação entre ser homem e ser mortal; generalizo
Leibniz - séc. XVII)
dizendo que todos os homens são mortais.
- João é mortal / José é mortal / Nicolau é mortal
Parte do geral para chegar ao particular. Do universal
(premissas, antecedentes).
para chegar ao singular (macro para o micro). O único
- João, José e Nicolau são homens.
raciocínio empregado nas ciências matemáticas. Por
- Logo, todos os homens são mortais (consequente,
intermédio de uma cadeia de raciocínio em ordem
conclusão).
descendente, de análise do geral para o particular, chega-
se a uma conclusão (LAKATOS; MARCONI, 2000; CERVO
Cuidado! As generalizações podem conduzir a erros
et al., 2007).
graves.
Exemplo 1:
Exemplo 2:
. Todo homem é mortal (premissa maior).
- Pedro é Obeso / Antônio é Obeso / José é Obeso
(premissas). - Pedro é homem (premissa menor).
- Logo, Pedro é mortal (Conclusão).
- Pedro, Antônio e José são homens .
- Logo, todos os homens são Obesos (conclusão
Exemplo 2:
<falsa>).
- Se João tirar nota inferior a 6, será reprovado
(antecedente).
Quadro 2 - Método indutivo proposto por Galileu.
- João tirou nota inferior a 6 (antecedente).
Observação
Coleta de dados sobre o fenômeno - João será reprovado (consequente).
Cuidado! Deduções podem conduzir a erros graves.

13
Metodologia da Pesquisa Científca

O Método Hipotético-Dedutivo possui quatro momentos:


Exemplo 3:
- Todos os animais são quadrúpedes (antecedente). 1) Expectativa ou conhecimento prévio;
- Ora, o cisne é animal (antecedente). 2) Ocorrência do problema;
- Logo, o cisne é quadrúpede (consequente <falsa>). 3) Conjecturas (Formulação de uma hipótese); e
4) Falseamento (Comprovação ou teste das implicações).
O Método Dedutivo, segundo Descartes (1596-1650),
constitui-se de quatro regras para utilização da dedução: De forma geral, este método é utilizado para
1) Regra da Evidência (não aceitar como verdadeiro o melhorar ou precisar teorias prévias em função de novos
que não se conhece como evidente); 2) Regra da Análise conhecimentos, nas quais a complexidade do modelo não
(dividir cada uma de suas diculdades em parcelas permite formulações lógicas.
para serem melhores compreendidas); 3) Regra da
Síntese (conduzir o pensamento por ordem dos objetos Dessa maneira, o Método Hipotético-Dedutivo tem
mais simples para os mais complexos); e 4) Regra da caráter intuitivo, necessitando rejeitar a hipótese e impor
Enumeração (enumerar as partes que compõe o todo). sua validade com a vericação das suas conclusões. Esse
O Método Dedutivo assegura que os teoremas devem mesmo caráter intuitivo torna-o também muito dependente
ser verdadeiros se forem verdadeiras as premissas. Este do pesquisador, pois a intuição e a capacidade de predição
processo, por um lado, conduz o pesquisador do conhecido das hipóteses precisam ser sucientemente boas para
ao desconhecido com pouca margem de erro, por outro inferir resultados válidos (GIL, 1999).
lado, é de alcance limitado, pois as conclusões não podem
exceder o conteúdo das premissas. Para tanto, o primeiro Método Dialético (Hegel - séc. XVIII)
antecedente, o ponto de partida, arma uma verdade
universal, caso contrário poderá haver erros de conclusão Método empregado em pesquisas qualitativas, de
(exemplo 3 acima) (CERVO, et al., 2007).
interpretação dinâmica e totalizante da realidade. Os fatos
não podem ser considerados fora de um contexto social,
político, econômico, etc. Na losoa, a dialética busca
Método Hipotético - Dedutivo descrever e reetir acerca da realidade, não interpretá-la
(Popper - séc. XX) (GIL, 1999; LAKATOS; MARCONI, 2000).

Este método tem por preceito colocar os conhecimentos Neste sentido todo o advento do procedimento
já existentes em questionamento, para surgirem novos dialético é o acaso. O acaso refere-se a um acontecer,
conhecimentos. Segundo Gil (1999) no método dedutivo por meio do qual nasce algo novo, algo não totalmente
procura-se conrmar a hipótese, no hipotético-dedutivo se condicionado por uma situação anterior e por regras gerais
busca evidências para derrubá-la. do desenvolvimento e procedimento.

Quando os conhecimentos existentes sobre determinado Assim o resultado deste método não está inteiramente
assunto são insucientes para explicar um fenômeno, redutível à srcem, sendo, portanto, algo incondicionado.
surge o problema. Na tentativa de explicar as diculdades Os elementos básicos do Método Dialético são: a tese, a
expressas no problema, são formuladas hipóteses. Das antítese e a síntese. Tese se refere a uma armação ou
hipóteses formuladas deduzem-se consequências que situação inicialmente concedida. Antítese é oposição à
deverão ser testadas ou falseadas. Falsear signica tentar tese. E do conito entre tese e antítese surge a síntese, que
tornar falsas as consequências deduzidas das hipóteses. A é uma situação nova que carrega dentro de si elementos
não rejeição de uma hipótese conrma nova teoria. resultantes dessa discussão. Neste sentido, a síntese

14
Metodologia da Pesquisa Científca

torna-se uma nova tese, que contrasta com uma nova conforme normas metodológicas consagradas pela
antítese gerando uma nova síntese, em um processo em ciência. A pesquisa cientíca é a realização de um estudo
cadeia innita em busca da reexão acerca da realidade planejado, sendo o método de abordagem do problema o
(GIL, 1999). que caracteriza o aspecto cientíco da investigação. Sua
nalidade é descobrir respostas para questões mediante
Método Fenomenológico a aplicação do método cientíco. A pesquisa sempre
(Husserl - séc. XIX) parte de um problema, uma interrogação, uma situação
para a qual o repertório de conhecimento disponível não
Preocupa-se com a descrição direta da experiência gera resposta adequada. Para solucionar esse problema
vivida. Os objetos deste método são dados absolutos são levantadas hipóteses que podem ser conrmadas ou
refutadas pela pesquisa (ANDRADE, 2006; CERVO et al.,
apreendidos na intuição pura, com o propósito de descobrir
2007).
estruturas essenciais dos atos e as entidades objetivas que
correspondem a elas.
De acordo com Andrade (2006) pesquisa cientíca é
um conjunto de procedimentos sistemáticos, baseado no
O Método Fenomenológico é atualmente amplamente
raciocínio lógico, com objetivo de encontrar soluções para
utilizado no âmbito da pesquisa qualitativa em psicologia e
psicopatologia. Este método propõe estabelecer uma base problemas propostos, mediante a utilização de métodos
segura, liberta de pressuposições, para todas as ciências cientícos.
e, de modo especial, para a losoa. A suprema fonte
É o processo por meio do qual as pessoas adquirem
legítima das armações racionais é a visão, ou seja, como
um novo conhecimento sobre si mesmas ou sobre o
o fenômeno se exprime para consciência do observador?
mundo em que vivem, com a nalidade de: 1) Responder
O Método Fenomenológico não é dedutivo nem a um questionamento; 2) Resolver um problema; e 3)
empírico. Não explica mediante leis nem deduz a partir Satisfazer uma necessidade. É uma atividade organizada e
de princípios, mas considera imediatamente o que está cooperativa e se deve conhecer o campo de pesquisa em
perante a consciência, o objeto. Consiste em mostrar o que irá contribuir. Possui suas próprias regras com relação
que é oferecido e em esclarecer este dado, este fenômeno. ao uso de citações, plágio e de produção cooperativa.

O objetivo da pesquisa cientíca é fazer uma


O Método Fenomenológico é puramente descritivo, e
consiste, antes de tudo, em descrever a essência (GIL, contribuição (às vezes inovadora) para a Ciência, devendo
1999; LAKATOS e MARCONI, 2000). responder uma pergunta de interesse para a comunidade
cientíca e de relevância para o interesse social. A parte
mais difícil da pesquisa cientíca é encontrar a pergunta
PESQUISAS CIENTÍFICAS certa!

Defnição da Pesquisa Científca Tipos de pesquisas científcas


A pesquisa cientica tem por objetivo contribuir para a
Existem várias formas de classicar as pesquisas.
evolução do conhecimento humano em todos os setores,
Segundo Gil (1999), Andrade (2006), e Cervo et al. (2007),
sendo delineada e executada segundo rigorosos critérios
as formas tradicionais de classicação são:
do método cientíco.

- Do ponto de vista da sua natureza ou nalidade:


Será chamada pesquisa cientíca se sua realização for
objeto de investigação planejada, desenvolvida e redigida

15
Metodologia da Pesquisa Científca

Pesquisa Básica (pura): gerar conhecimentos novos amostras) serão, por indução, válidos também para a
úteis para o avanço da ciência sem aplicação prática ou população/universo.
imediata. Envolve verdades e interesses universais.
Levantamento: quando a pesquisa envolve a
Pesquisa Aplicada: gerar conhecimentos para aplicação interrogação direta das pessoas cujo comportamento se
prática dirigidos à solução de problemas especícos. deseja conhecer. Também conhecida por pesquisa de
Envolve verdades e interesses locais. opinião, de motivação etc., é aquela que busca informação
diretamente com um grupo de interesse a respeito dos
- Do ponto de vista da forma de abordagem do dados que se deseja obter, utilizando questionários,
problema: formulários ou entrevistas. Os dados são tabulados e
analisados estatisticamente.
Pesquisa Quantitativa: traduz em números, opiniões e
informações para classicá-los e organizá-los. Considera Estudo de caso: quando envolve o estudo profundo e
que tudo pode ser quanticável. Utiliza recursos e métodos exaustivo de um ou poucos objetos de maneira que se
estatísticos (porcentagem, média, moda, mediana, desvio- permita o seu amplo e detalhado conhecimento.
padrão, coeciente de correlação, análise de regressão,
etc.). Pesquisa Expost-Facto: quando o “experimento” se
realiza depois dos fatos. Signica literalmente “a partir de
Pesquisa Qualitativa: considera a existência de uma depois do fato”. Refere-se a uma pesquisa experimental
relação dinâmica entre mundo real e sujeito. É descritiva e em que, após o fato ou fenômeno ter ocorrido, tenta-se
utiliza o método indutivo, sendo que os dados obtidos são explicá-lo.
analisados indutivamente. O processo é o foco principal. A
interpretação dos fenômenos e a atribuição de signicados Pesquisa-Ação: quando realizada em estreita associação
são básicas no processo de pesquisa qualitativa. com uma ação ou com a resolução de um problema
coletivo. Os pesquisadores e participantes representativos
- Do ponto de vista dos procedimentos técnicos: da situação ou do problema estão envolvidos de modo
cooperativo ou participativo, interagindo em função de um
Pesquisa Bibliográca: quando elaborada a partir resultado esperado.
de material escrito e gravado já publicados, constituído
principalmente de livros, material de áudio e vídeo, Pesquisa Participante: quando se desenvolve a partir da
relatórios e anais de simpósios, congressos, e artigos interação entre pesquisadores e membros das situações
de periódicos, que atualmente são disponibilizados na investigadas. Refere-se ao contato direto do pesquisador
Internet. com o fenômeno observado para adquirir informações
sobre a realidade dos atores sociais em seus próprios
Pesquisa Documental: quando desenvolvida a partir contextos.

de materiais que não receberam organização, tratamento


analítico e publicação. - Do ponto de vista de seus objetivos pode ser:

Pesquisa Experimental: quando se determina um Pesquisa Exploratória: envolve levantamento


objeto de estudo, selecionam-se as variáveis que seriam bibliográco ou entrevistas com pessoas que tiveram
capazes de inuenciá-lo, denem-se as formas de controle experiências práticas com o problema pesquisado. Visa
e observação dos efeitos que a variável produz no objeto. proporcionar maior familiaridade com o problema com
São geralmente feitos por amostragem e considera que vistas a torná-lo explícito ou a construir hipóteses.
os resultados válidos para uma amostra (ou conjunto de

16
Metodologia da Pesquisa Científca

Assume, em geral, as formas de estudos de caso e denição de contornos mais precisos do problema a ser
pesquisas bibliográca s. estudado;

Pesquisa Descritiva: envolve o uso de técnicas 3) justicativa: Por que estudar esse tema? O tema é
padronizadas de coleta de dados: questionário e relevante? Se sim, por quê? Quais vantagens e benefícios
observação sistemática. Visa descrever as características de você pressupõe que sua pesquisa irá proporcionar? A
determinada população, fenômeno ou o estabelecimento justicativa deverá convencer o leitor com relação à
de relações entre variáveis. Fatos são observados, importância e à relevância da pesquisa proposta;
registrados, analisados, classicados e interpretados, sem
interferência do pesquisador. Assume, em geral, a forma 4) formulação do problema: Que perguntas estou
de levantamento. disposto a responder? É necessário denir claramente
o problema de pesquisa e delimitá-lo em termo de
Pesquisa Explicativa: envolve, quando realizada nas tempo e espaço. Necessita discernimento para reetir
ciências naturais, o uso do método experimental, e nas se é realmente um problema e se vale a pena tentar
ciências sociais, requer o uso do método observacional. Visa encontrar uma solução para ele. Neste sentido, uma boa
identicar os fatores que determinam ou contribuem para pesquisa cientíca depende da formulação adequada do
a ocorrência dos fenômenos. Aprofunda o conhecimento problema, em virtude desta etapa proporcionar clareza
da realidade porque explica a razão (o porquê) das coisas. ao pesquisador com relação às ferramentas para buscar
Assume, em geral, as formas de pesquisa experimental e sua solução;
pesquisa expost-facto.
5) denição dos objetivos: Onde você quer chegar?
Deve ser sintetizado aqui o que se pretende alcançar
Etapas da pesquisa científca com a pesquisa. Os objetivos devem estar coerentes
A pesquisa cientíca envolve um procedimento crítico e com a justicativa e o problema proposto. O objetivo
reexivo para investigação de respostas para problemas. geral será a síntese do que se pretende alcançar, e os
O planejamento e a execução de uma pesquisa fazem objetivos especícos explicitarão os detalhes e serão
parte de um processo sistematizado que compreende as um desdobramento do objetivo geral. Em pesquisas
seguintes etapas (GIL, 1999; LAKATOS e MARCONI, 2000; quantitativas os objetivos especícos serão os testes de
CERVO et al., 2007): hipóteses. Os enunciados devem começar com um verbo
1) escolha do tema: O que vou pesquisar? Deve ser no innitivo e este verbo deve indicar uma ação passível
uma linha de pesquisa, uma área de interesse, assunto de mensuração.
que se deseja testar ou desenvolver. Necessita vericar
se a srcinalidade não é um pré-requisito. Deve-se levar Alguns exemplos:
em conta sua atualidade e relevância, seu conhecimento a - de conhecimento: apontar, arrolar, denir, enunciar,
respeito, sua preferência e aptidão pessoal; inscrever, registrar, relatar, repetir, nomear;
- de compreensão: descrever, discutir, esclarecer,
2) revisão de literatura: Quem já pesquisou examinar, explicar, expressar, identicar, localizar, traduzir,
algo semelhante? Refere-se a pesquisa bibliográca transcrever;
ou levantamento bibliográco para busca de trabalhos - de aplicação: aplicar, demonstrar, empregar, ilustrar,
semelhantes ou idênticos, pesquisas e publicações na interpretar, inventariar, manipular, praticar, traçar, usar;
área, ou ainda para vericar se há lacunas sobre o - de análise: analisar, classicar, comparar, constatar,
tema. Esta é uma etapa fundamental, pois fornecerá criticar, debater, diferenciar, distinguir, examinar, provar,
elementos para se evitar a duplicação de pesquisas investigar, experimentar;
sobre o mesmo enfoque do tema. Favorecerá ainda a

17
Metodologia da Pesquisa Científca

- de síntese: reunir, articular, compor, constituir, PESQUISA BIBLIOGRÁFICA


organizar, esquematizar;
- de avaliação: avaliar, estimar, apreciar, eliminar,
A pesquisa bibliográca é uma etapa essencial para
escolher, selecionar, validar; todo trabalho cientíco. Esta etapa inuenciará todas as
outras etapas da pesquisa cientíca, à medida em que
6) metodologia: etapa fundamental em que será produzir o embasamento teórico para o trabalho cientíco.
denida como será realizada a pesquisa: o tipo de
A pesquisa bibliográca consiste no levantamento, seleção
pesquisa e de estudo, a população (universo da pesquisa), e arquivamento de informações relacionadas à pesquisa. É
a amostragem, os instrumentos de coleta de dados e a imprescindível, portanto, antes de todo e qualquer trabalho
forma de análise dos dados. Precisa denir com clareza cientíco, fazer uma pesquisa bibliográca exaustiva sobre
as seguintes questões: Como? Quem? Quando? e Onde? o tema em questão, e nunca iniciar a coleta dos dados
antes de realizar a revisão de literatura. Ela possui os
7) coleta de dados: refere-se a pesquisa de campo seguintes objetivos: 1) Fazer um histórico sobre o tema; 2)
propriamente dita. Para obter sucesso, duas qualidades Atualizar-se sobre o tema escolhido; 3) Encontrar respostas
são essenciais: persistência e paciência! Nesta etapa aos problemas formulados; 4) Levantar contradições sobre
precisa denir: como será o processo de coleta de dados? o tema; 5) Evitar repetição de trabalhos já realizados; e
Por quem? Quando? e Onde? A maioria destas questões já 6) Comparar os resultados de sua pesquisa com outras
foi denida na metodologia. já realizadas (LAKATOS e MARCONI, 2000; CERVO et al.,
2007).
8) tabulação de dados: quais recursos serão
utilizados para organizar os dados obtidos na pesquisa?
A pesquisa bibliográca ou levantamento bibliográco
Discussão qualitativa, estatística descritiva, analítica,
índices, tabelas, quadros, grácos, etc. consiste basicamente em uma pesquisa no acervo de
bibliotecas virtuais ou diferentes bases de dados de
fontes bibliograas sobre um determinado assunto ou
9) análise e discussão dos resultados: como os dados autor, segundo as especicações denidas pelo próprio
coletados serão analisados e discutidos comparativamente?solicitante (palavras-chave, idiomas, tipo de material,
A análise deve ser feita para atender aos objetivos denidos ano de publicação, etc). O levantamento bibliográco é,
e para comparar e confrontar os dados encontrados paraportanto, uma importante etapa da investigação cientíca
conrmar ou rejeitar a(s) hipótese(s) ou os pressupostos da (ANDRADE, 2006; CERVO et al., 2007).
pesquisa.

10) conclusão da análise dos resultados: etapa


Sites para pesquisa bibliográfca
para sintetizar os resultados obtidos com a pesquisa
- Scielo: <www.scielo.br>. Acesso em: 31 jan. 2014.
e explicitar se os objetivos foram atingidos, se a(s)
(269 periódicos em setembro/2011).
hipótese(s) ou os pressupostos foram conrmados ou
- Scielo Org: <www.scielo.org>. Acesso em: 31 jan.
rejeitados. Deverá também ressaltar a contribuição da sua 2014. (888 periódicos em setembro/2011).
pesquisa para o meio acadêmico, indicar limitações e as
- Bireme (Biblioteca Virtual em Saúde): <www.bireme.
reconsiderações.
br>. Acesso em: 31 jan.2014.
- Portal CAPES: <www.periodicos.capes.gov.br>.
11) redação e apresentação da pesquisa cientíca:
Acesso em: 31 jan. 2014. (mais de 29 mil periódicos em
fase nal em que se deve redigir relatório de pesquisa
setembro/2011)
(monograa, dissertação, tese ou artigo cientíco) segundo
- Pubmed: <www.pubmed.gov> (mais de 20 milhões
normas pré-estabelecidas.
de registros em setembro/2011). Acesso em: 31 jan. 2014.

18
Metodologia da Pesquisa Científca

- Portal Evidências (inclui meta-análises): <http:// metabusca, isto é, um simples pedido de busca fará busca
evidences.bvsalud.org>. Acesso em: 31 jan. 2014. simultânea em 13 bases de dados): <http://www.scitopia.
- Sumsearch (inclui meta-análises): < http://library. org>. Acesso em: 31 jan. 2014.
uthscsa.edu/2011/10/sumsearch/ >. Acesso em: 31 jan. - Google (Acadêmico): <scholar.google.com.br>.
2014. Acesso em: 31 jan. 2014.
- Cochrane (A Biblioteca Cochrane consiste de uma
coleção de fontes de informação atualizada sobre medicina
baseada em evidências, incluindo a Base de Dados ESTRUTURA E ELABORAÇÃO DO
Cochrane de Revisões Sistemáticas): <http://cochrane.
bireme.br>. Acesso em: 31 jan. 2014. PROJETO DE PESQUISA
- Biblioteca Virtual em Educação: <http://bve.cibec. A elaboração de um projeto de pesquisa pode ser
inep.gov.br/pesquisa>. Acesso em: 31 jan. 2014. realizada por meio de quatro passos. Estes podem ser
- Athena (Antigo diretório que reúne textos de ciência, apresentados como esforços em responder às seguintes
literatura em geral, história, arte, losoa e economia): questões: O quê? Como? Quando? Com que?
<http://un2sg4.unige.ch/athena/html/athome.html>.
Acesso em: 31 jan. 2014. - No primeiro passo será denido o problema a ser
- DOAJ (Directory of Open Access Journals – Acesso investigado. Procura-se responder às perguntas: O que
livre de periódicos cientícos: Agricultura e Alimentação; será investigado? O que será feito?
Negócios e Economia; Química; Ciências Ambientais;
Assuntos Gerais; Ciências da saúde; História e Arqueologia; - Como resposta a esta questão se dene a metodologia.
Línguas e Literaturas; Legislação e Ciência Política; Responde-se às perguntas: Como se pretende chegar a
Matemática e Estatística; Filosoa e Religião; Física e
Astronomia; Ciências Gerais; Ciências Sociais; Tecnologia solução do problema? Como se atingirá o que se deseja?
e Engenharias; Artes e Arquitetura; e Biologia): <http:// - O terceiro passo consiste em denir um cronograma.
www.doaj.org>. Acesso em: 31 jan. 2014. Deve responder a pergunta: Quando serão realizadas as
- E-journals.org (Ciências da saúde, engenharia, atividades ou etapas da pesquisa?
economia, humanas, exatas): <http://www.e-journals.
org>. Acesso em: 31 jan. 2014. - Em resposta ao terceiro passo procede-se a um
- Open J-Gate (Acesso livre: Agricultura e Ciências estudo de viabilidade, prevendo os recursos necessários à
Biológicas; Artes e Humanidades; Ciências Exatas e da execução das atividades previstas. Responde-se a questão:
Terra; Ciências Biomédicas; Engenharia e Tecnologia; Com que recursos?
Ciência da Informação; Ciências Sociais e Administração):
< http://openj-gate.org/>. Elaboração de um projeto de pesquisa
- Scitopia (Recupera artigos técnico-cientícos das
seguintes entidades: American Geophysical Union (AGU),
(modelo de estrutura)
American Institute for Aeronautics and Astronautics (AIAA), Capa
American Institute of Physics (AIP), American Physical
Identicação
Society (APS), American Society of Civil Engineers (ASCE),
Introdução
American Society of Mechanical Engineers (ASME), The
- Revisão de literatura
Electrochemical Society (ECS), Institute of Electrical and
- Justicativa e levantamento do problema
Electronics Engineers (IEEE), Institute of Physics Publishing
- Objetivos
(IOP), Optical Society of America (OSA), SPIE, Society
of Automotive Engineers (SAE), Society for Industrial
Metodologia
and Applied Mathematics (SIAM). Utiliza a tecnologia da

19
Metodologia da Pesquisa Científca

- Tipo de estudo e seu delineamento em que a preocupação refere-se a própria atividade de


- Amostra pesquisa.
- Intervenção (no caso de estudos de intervenção/
experimentais)
- Instrumentos de coleta de dados REFERÊNCIAS
- Variáveis
- Analise estatística ANDRADE, M. M. Introdução à Metodologia do
Trabalho Cientíco. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2006.
Resultados esperados

RELEVÂNCIA DO MÉTODO CIENTÍFICO PARA BRAZIELLAS, de


apresentação M. trabalho
L. M; ANÇÃ,
deN.conclusão
M. M. Normas para
de curso,
PRÁTICA PROFISSIONAL monograa, dissertação e tese. 3. ed. rev. Rio de
Janeiro: Gama Filho, 2010.
A presença de inúmeros detalhes, regras, indicações
rígidas para digitação e formatação do texto, que parecem BUNGE, M. La Ciencia, Su Metodo y Su Filosoa.
bloquear a liberdade em pensar e escrever, além de Buenos Aires: Siglo Veinte, 1974.
parecer dicultar a produção do conhecimento, faz com
que o estudo da Metodologia da Pesquisa Cientíca nas CERVO , A. L.; BERVIAN, P. A; DA SILVA, R.Metodologia
universidades raramente seja bem aceito pelos alunos Cientíca. 6. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.
e por alguns professores. Esta padronização e forma de
fazer Ciência têm por objetivo a condução da comunicação CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A. Metodologia Cientíca.
adequada no meio cientíco, de forma correta, inteligível, 3. ed. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1993.
demonstrando um pensamento estruturado, plausível e
convincente, por meio de regras que facilitam e estimulam DA COSTA, N. C .A. O conhecimento cientíco. 2.
à prática da leitura, da análise e interpretação de textos e ed. São Paulo: Discurso Editorial, 1999.
portanto, o desenvolvimento de juízo de valor e de crítica
para uma argumentação plausível e coerente do que GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social.
deseja estudar. São Paulo: Atlas, 1999.

O método, quando incorporado a uma forma de GOLDENBERG, M. A arte de pesquisar: como fazer
trabalho ou de pensamento, leva o indivíduo pesquisador pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. 6. ed. Rio
a adquirir hábitos e posturas diante de si mesmo, do outro de Janeiro: Record, 2002.
e do mundo, que só têm a beneciar sua vida prossional
e pessoal. Com base em métodos adequados e técnicas HEGENBERG, L. Etapas da investigação cientíca:
apropriadas para se fazer Ciência, o pesquisador terá Observação, medida, indução. São Paulo: E.P.U./
condições, a partir do problema levantado, de buscar EDUSP, 1976.

respostas
de se fazerouCiência
soluções para o referido
refere-se problema.
ao resultado O esforço
de uma atitude ISKANDAR, J. I. Normas da ABNT: comentadas
do pesquisador diante do mundo em sua volta, do qual ele para trabalhos cientícos. 3. ed. Curitiba: Juruá, 2008.
é parte integrante, para entendê-lo e, consequentemente,
torná-lo inteligível. A prática da pesquisa cientíca, LAKATOS, E. M; MARCONI, M. A. Metodologia
elemento que deve transcorrer todos os segmentos da cientíca. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2000.
vida universitária, é imprescindível no âmbito da pós-
graduação, encontrando assim seu lugar especíco, SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho cientíco.
23. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

20
Metodologia da Pesquisa Científca

THOMAS, J. R.; NELSON, J. K. Métodos de pesquisa


em atividade física. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2002.

TRUJILLO, F. A. Metodologia da Ciência. 2. ed. Rio


de Janeiro: Kennedy, 1974.

21