Você está na página 1de 95

Proposta de gestão curricular

Número Número
Número total de aulas: de tempos de tempos
(previsão) (reais)
1.o Período: tempos letivos de 45 min 29(a)
Apresentação/introdução ao Programa/apresentação do manual/
3
regras de funcionamento/ficha de avaliação diagnóstica
Domínio D: Portugal do século XVIII ao século XIX
Subdomínio 1 – O Império Português, o poder absoluto, a sociedade de ordens e a arte no
7
século XVIII
Atividades de sistematização / avaliação 2
Subdomínio 2 – A Revolução Francesa de 1789 e seus reflexos em Portugal 9
Atividades de sistematização / avaliação 2
Subdomínio 3 – Portugal na segunda metade do século XIX 4
Autoavaliação 1
Outras atividades (visitas de estudo / dramatizações / trabalhos de biblioteca /
1
realização de projetos)
2.o Período: tempos letivos de 45 min 31(a)
Subdomínio 3 – Portugal na segunda metade do século XIX 7
Atividades de sistematização / avaliação 2
Domínio E: Portugal do século XX
Subdomínio 1 – Da Revolução Republicana de 1910 à Ditadura Militar de 1926 7
Atividades de sistematização / avaliação 2
Subdomínio 2 – O Estado Novo (1933-1974) 7
Atividades de sistematização / avaliação 2
Autoavaliação 1
Outras atividades (visitas de estudo / dramatizações / trabalhos de biblioteca /
3
realização de projetos)
3.o Período: tempos letivos de 45 min 28(a)
Subdomínio 3 – O 25 de Abril de 1974 e o regime democrático 8
Subdomínio 4 – Espaços em que Portugal se integra 2
Atividades de sistematização / avaliação 3
Domínio F: Portugal Hoje
Subdomínio 1 – A população portuguesa
Subdomínio 2 – Os lugares onde vivemos
Subdomínio 3 – Atividades que desenvolvemos 6/7
Subdomínio 4 – O mundo mais perto de nós
Subdomínio 5 – Lazer e património
Atividades de sistematização / avaliação 4
Autoavaliação 1
Outras atividades (visitas de estudo / dramatizações / trabalhos de biblioteca /
3/4
realização de projetos)

(a)
variável conforme o calendário escolar

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Planificações a médio prazo
Para a construção da Anualização – 6.o ano

Domínio D – Portugal do Século XVII ao Século XIX


Previsão temporal: 1. ° Período até inícios do 2. ° Período
Metas Curriculares
Conteúdos / Palavras-chave Objetivos gerais Experiências de aprendizagem Recursos
Subdomínio 1 – O Império Português, o Objetivo geral 1.: Conhecer e compreender as  Recolha, pelos alunos, de elementos  Manual
poder absoluto, a sociedade e a arte do características do Império Português dos séculos XVII relacionados com episódios do período em – pp. 10 a 33
século XVIII e XVIII estudo ocorridos na localidade/região.
1. Conhecer a dimensão geográfica do Império  Visita de estudo a um monumento do período  Caderno das Perguntas
1.1. As características do Império Português no século XVIII, por comparação ao em estudo. – Guias de Estudo n.os 1 e 2
Português dos séculos XVII e XVIII império luso do século XVI e aos restantes impérios  Construção dos “Trabalha o Espaço”, – Trabalha o Tempo, pp. 9 e 13
europeus. “Trabalha o Tempo” e “Friso Cronológico”. – Trabalha o Espaço, pp. 8 e 12
Construção de conceitos: Tráfico de 2. Referir a colónia do Brasil como o principal território  Organização de um ficheiro temático de – Perguntas de Escolha Múltipla, pp. 16 e 17
escravos; bandeirantes ultramarino português no século XVII. conceitos.
3. Destacar o açúcar brasileiro como o principal  Diálogo professor/aluno a partir da  Recursos Digitais
produto de exportação colonial. exploração de vários documentos. – PowerPoint® de motivação para o
4. Relacionar a quebra dos lucros do açúcar com a  Resolução dos “Guias de Estudo” do Caderno Subdomínio D1
intensificação da procura de ouro pelos das Perguntas. – PowerPoint® D1
bandeirantes.  Trabalhos extra-aula com o apoio de pais e – Guia de exploração dos Recursos Digitais
5. Relacionar as fronteiras atuais do Brasil com as familiares sobre temas em estudo.
incursões dos bandeirantes a partir dos finais do  Construção de dossiê da localidade/região.  Apontamentos de Didática
século XVII.  Debate acerca da escravatura no passado e na – Fichas de Avaliação n.os 1A, 1B e 1C
6. Reconhecer a riqueza proporcionada a Portugal, atualidade. – Ver e Tocar o Passado e o Presente
na primeira metade do século XVIII, pela descoberta  Análise de documentos escritos e
de ouro no Brasil. iconográficos de linguagens diversas
7. Caracterizar a vida dos escravos, salientando as evidenciando mudanças e permanências ao
condições a que eram submetidos (desde o seu longo do tempo.
resgate e transporte do continente africano até ao  Leitura e comentário de textos sobre o
seu dia a dia nos engenhos de açúcar). terramoto de 1755.
8. Reconhecer nas características étnicas culturais,
linguísticas e religiosas do Brasil atual a
miscigenação entre ameríndios, africanos e
europeus.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Metas Curriculares
Conteúdos / Palavras-chave Objetivos gerais Experiências de aprendizagem Recursos
1.2. As características do poder político Objetivo geral 2.: Conhecer e compreender as  Interpretação e análise de mapas e plantas de  e-Manual
no tempo de D. João V características do poder político no tempo de D. João V diferentes escalas e conteúdo. – Realização de exercícios interativos
Construção de conceitos: Monarquia 1. Definir “monarquia absoluta”.  Leitura e análise de cronologias sobre os – Observação e exploração de animações e
absoluta 2. Referir a concentração de poderes de D. João V. conteúdos em estudo. outros recursos digitais
3. Comparar a concentração de poderes de um rei  Visionamento de excertos de documentários
absoluto com a divisão de poderes existentes no sobre a construção do Palácio Nacional de  Revista “Brincar com Coisas Sérias”
atual regime democrático. Mafra e o terramoto de 1755. – “Notícias que dão que pensar” e “Jogos que
4. Comparar a justificação divina para o exercício do  Interpretação de documentos com dão para aprender” – Subdomínio D1
poder absoluto com a legitimidade do poder pelo mensagens diversificadas, no sentido de
voto na democracia atual. apresentar múltiplas perspetivas em História.  Desdobrável temático
5. Evidenciar o fausto da corte, as embaixadas, as  Elaboração de pequenos textos-síntese sobre – Real Convento de Mafra
cerimónias públicas e as grandes construções como os conteúdos abordados, estabelecendo
manifestações do poder absoluto. relações passado/presente.  Web
 Realização de pequenos trabalhos de – http://museudoscoches.pt/pt/
Objetivo geral 3.: Conhecer a sociedade portuguesa pesquisa com recurso à Internet. – http://www.palaciomafra.pt/en-GB/De-
no século XVIII  Produção de breves biografias de D. João V, fault.aspx
1. Reconhecer a manutenção da divisão da sociedade D. José I e Marquês de Pombal.
em grupos e dos profundos contrastes sociais  Visita de estudo virtual ao Palácio-Convento
existentes. de Mafra e ao Museu Nacional dos Coches.
1.3. A sociedade portuguesa no século 2. Identificar nas cerimónias públicas e na lei o reflexo da  Análise do esquema “Em resumo” do Manual.
XVIII forte estratificação social da época.  Realização da ficha “Avalia o Essencial” do
Construção de conceitos: Cristão-novo; 3. Referir a burguesia como grupo enriquecido pelo Manual.
Inquisição comércio internacional, mas mantendo o seu  Resolução das “Perguntas de Escolha
estatuto de não privilegiado. Múltipla” do Caderno de Perguntas.
1.4. A arte no tempo de D. João V 4. Referir as formas de ascensão social no século XVIII.
Construção de conceitos: Estilo barroco
 Exploração do “Ver e Tocar o Passado” do
5. Sublinhar o papel da Inquisição na perseguição aos
Manual.
cristãos-novos, destacando a intolerância religiosa
dessa época.

Objetivo geral 4.: Conhecer aspetos da arte no tempo


de D. João V
1. Identificar as principais características da arte
barroca.
2. Identificar alguns exemplos de arte barroca em
Portugal, especialmente ao nível do património
edificado.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Metas Curriculares
Conteúdos / Palavras-chave Objetivos gerais Experiências de aprendizagem Recursos
1.5. A ação governativa do Marquês de Objetivo geral 5.: Conhecer e compreender a ação Na seleção de estratégias procurou abordar as
Pombal governativa do Marquês de Pombal cinco capacidades transversais a desenvolver ao
Construção de conceitos: Estrangeirados; 1. Descrever o terramoto de 1755 e a ação imediata longo do 2. ° Ciclo*
estilo neoclássico (pombalino) do Marquês de Pombal. – O conhecimento histórico e o conhecimento
2. Identificar características urbanísticas da Lisboa geográfico
pombalina. – As modalidades de organização do tempo e a
3. Identificar as principais medidas de desenvolvimento sua utilização
económico adotadas no reinado de D. José I. – O tratamento do espaço e a sua utilização
4. Relacionar a quebra das remessas de ouro do Brasil e – A relevância da construção dos contextos
as elevadas importações portuguesas em meados do – A comunicação/transmissão do saber
século XVIII com a introdução de novas manufaturas.
5. Indicar sucintamente as reformas no ensino, o fim * Documento de Apoio às Metas Curriculares de
da distinção entre “cristão-novo” e “cristão-velho” e a História e Geografia de Portugal (2.° Ciclo do
proibição da escravatura na metrópole. Ensino Básico) – 2014

Avaliação Diagnóstica – observação direta focada no levantamento das ideias prévias dos alunos.
Formativa – observação direta focada no interesse, participação oral e qualidade das intervenções, autonomia e empenho na realização das atividades, na resposta
às questões colocadas aos documentos, realização de tarefas para trabalho de casa.
Sumativa – Ficha de Avaliação n.o 1 e outros trabalhos escritos.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Metas Curriculares
Conteúdos / Palavras-chave Objetivos gerais Experiências de aprendizagem Recursos
Subdomínio 2 – A Revolução Francesa Objetivo geral 1.: Conhecer e compreender a Revolução  Recolha, pelos alunos, de elementos  Manual
de 1789 e os seus reflexos em Portugal Francesa e as invasões napoleónicas relacionados com episódios do período em – pp. 34 a 55
1. Localizar no espaço e no tempo a grande revolução estudo ocorridos na localidade/região.
2.1. A Revolução Francesa e as invasões de 1789 e a onda revolucionária que provocou na  Visita de estudo a monumentos relacionados  Caderno das Perguntas
napoleónicas Europa e na América. com a resistência às invasões napoleónicas. – Guias de Estudo n.os 3, 4 e 5.
Construção de conceitos: Bloqueio 2. Referir os princípios políticos e sociais defendidos  Construção do “Trabalha o Espaço”, – Trabalha o Tempo, pp. 19 e 26
Continental; invasões napoleónicas pelos revolucionários franceses, destacando o fim “Trabalha o Tempo” e “Friso Cronológico”. – Trabalha o Espaço, pp. 18, 22 e 25
do absolutismo e dos privilégios do clero e da  Organização de um ficheiro temático de – Perguntas de Escolha Múltipla, pp. 29 e 30
nobreza. conceitos.
3. Reconhecer a construção de um império na  Diálogo professor/aluno a partir da  Recursos Digitais
Europa por Napoleão Bonaparte. exploração de vários documentos. – PowerPoint® de motivação para o Subdomínio
4. Identificar o Bloqueio Continental como uma forma  Resolução dos “Guias de Estudo” do Caderno D2
de enfraquecer a Inglaterra. das Perguntas. – PowerPoint® D2
5. Indicar os motivos que levaram Napoleão a invadir  Trabalhos extra-aula com o apoio de pais e – Guia de exploração dos Recursos Digitais
Portugal. familiares sobre temas em estudo.
6. Descrever sucintamente as três invasões  Construção de dossiê da localidade/região.  Apontamentos de Didática
napoleónicas, salientando os seus episódios mais  Análise de documentos escritos e – Fichas de Avaliação n.os 2A, 2B, 2C
marcantes. iconográficos de linguagens diversas – Ver e Tocar o Passado e o Presente
7. Referir a fuga da família real e da corte para o evidenciando mudanças e permanências ao
Brasil aquando da primeira invasão. longo do tempo.  e-Manual
8. Referir a resistência popular e a ajuda militar  Leitura e comentário de textos sobre as – Realização de exercícios interativos
2.2. A Revolução Liberal de 1820 inglesa na luta contra a ocupação francesa. invasões napoleónicas. – Observação e exploração de animações e
Construção de conceitos: Revolução
 Interpretação e análise de mapas de outros recursos digitais.
liberal; Cortes; Constituição Objetivo geral 2.: Conhecer e compreender a Revolução diferentes escalas e conteúdo.
Liberal de 1820  Leitura e análise de cronologias sobre os  Revista “Brincar com Coisas Sérias”
1. Relacionar as destruições provocadas pelas invasões, conteúdos em estudo. – “Notícias que dão que pensar” e “Jogos que
a permanência do rei no Brasil e o domínio inglês em  Visionamento de excertos do filme “As linhas dão para aprender” – Subdomínio D2
Portugal com o descontentamento generalizado dos de Wellington”.
vários grupos sociais.  Interpretação de documentos com
2. Descrever sucintamente o triunfo de uma revolução mensagens diversificadas, no sentido de
liberal em Portugal em 1820, destacando os seus apresentar múltiplas perspetivas em História.
principais protagonistas.
3. Justificar o apoio dos burgueses aos ideais
revolucionários.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Metas Curriculares
Conteúdos / Palavras-chave Objetivos gerais Experiências de aprendizagem Recursos
4. Referir a realização de eleições para as Cortes  Elaboração de pequenos textos-síntese sobre  Excerto de documentário:
Constituintes, cujo objetivo era a elaboração de os conteúdos abordados, estabelecendo – http://ensina.rtp.pt/artigo/o-espolio-roubado-
uma Constituição. relações passado/presente. do-cabinet-de-lisbonne/
5. Reconhecer a Constituição como a lei fundamental  Realização de pequenos trabalhos de
de um Estado. pesquisa com recurso à Internet.
 Debate acerca da Revolução Francesa de 1789
Objetivo geral 3.: Conhecer e compreender as e os seus reflexos em Portugal.
2.3. As consequências da Revolução consequências da Revolução Liberal de 1820  Produção de breves biografias de D. João VI,
Liberal de 1820 1. Referir o princípio da separação de poderes, a D. Pedro IV e D. Maria II.
Construção de conceitos: Monarquia igualdade perante a lei e o princípio da soberania  Análise do esquema “Em resumo” do Manual.
liberal ou constitucional nacional, por oposição ao absolutismo.  Realização da ficha “Avalia o Essencial” do
2. Reconhecer o carácter “revolucionário” da Manual.
2.4. O processo de afirmação da Constituição de 1822, salientando, ainda assim, os  Resolução das “Perguntas de Escolha
monarquia liberal seus limites, por referência ao voto verdadeiramente Múltipla” do Caderno de Perguntas.
Construção de conceitos: Guerra Civil universal atual.
 Exploração do “Ver e Tocar o Passado” do
3. Descrever sucintamente o processo de independência
Manual.
do Brasil.

Objetivo geral 4.: Conhecer o longo processo de


afirmação da Monarquia Liberal
1. Justificar a oposição de largos setores da nobreza
e do clero à nova ordem política e social.
2. Descrever a solução encontrada por D. Pedro para
resolver o problema de sucessão ao trono após a
morte de D. João VI.
3. Referir o desrespeito do regente D. Miguel pela
ordem liberal e a sua aclamação como rei absoluto,
em 1828, salientando o período de repressão que se
Na seleção de estratégias procurou-se abordar as
seguiu.
cinco capacidades transversais a desenvolver ao
4. Reconhecer a divisão da sociedade portuguesa
longo do 2.° Ciclo*
entre absolutistas (apoiantes de D. Miguel) e liberais
– O conhecimento histórico e o conhecimento
(apoiantes de D. Pedro).
geográfico
5. Descrever sucintamente a guerra civil de 1832-1834,
– As modalidades de organização do tempo e a
salientando episódios marcantes do triunfo de D.
sua utilização
Pedro e da Monarquia Constitucional.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Metas Curriculares
Conteúdos / Palavras-chave Objetivos gerais Experiências de aprendizagem Recursos
– O tratamento do espaço e a sua utilização
– A relevância da construção dos contextos
– A comunicação/transmissão do saber

* Documento de Apoio às Metas Curriculares de História


e Geografia de Portugal (2.° Ciclo do Ensino Básico) –
2014
Avaliação Diagnóstica – observação direta focada no levantamento das ideias prévias dos alunos.
Formativa – observação direta focada no interesse, participação oral e qualidade das intervenções, autonomia e empenho na realização das atividades, na resposta
às questões colocadas aos documentos, realização de tarefas para trabalho de casa.
Sumativa – Ficha de Avaliação n.o 1 e outros trabalhos escritos.

Metas Curriculares
Conteúdos / Palavras-chave Objetivos gerais Experiências de aprendizagem Recursos
Subdomínio 3 – Portugal na segunda Objetivo geral 1.: Conhecer e compreender o processo  Recolha, pelos alunos, de elementos  Manual
metade do século XIX de modernização das atividades produtivas relacionados com episódios do período em – pp. 56 a 85
portuguesas na segunda metade do século XIX estudo ocorridos na localidade/região.
3.1. A modernização das atividades 1. Relacionar a dependência de Portugal face ao  Construção do “Trabalha o Espaço”,  Caderno das Perguntas
produtivas exterior e a estabilidade política conseguida em “Trabalha o Tempo” e “Friso Cronológico”. – Guias de Estudo n.os 6, 7, 8 e 9
Construção de conceitos: Modernização meados do século XIX com as tentativas de  Organização de um ficheiro temático de – Trabalha o Tempo, p. 38
do país; baldio; indústria; máquina a modernização da economia portuguesa. conceitos. – Trabalha o Espaço, pp. 31, 32, 33, 36, 37,
vapor; operariado; património 2. Referir as principais medidas tomadas pelos liberais  Diálogo professor/aluno a partir da 43, 44 e 45
para a modernização da agricultura portuguesa. exploração de vários documentos. – Perguntas de Escolha Múltipla, pp. 48 e 49
3. Referir o alcance limitado do desenvolvimento  Resolução dos “Guias de Estudo” do Caderno
industrial do país, verificado neste período, das Perguntas.  Recursos Digitais
destacando as principais zonas industriais na segunda  Trabalhos extra-aula com o apoio de pais e – PowerPoint® de motivação para o
metade do século XIX num país maioritariamente familiares sobre temas em estudo. Subdomínio D3
rural.  Construção de dossiê da localidade/região. – PowerPoint® D3
– Guia de exploração dos Recursos Digitais

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Metas Curriculares
Conteúdos / Palavras-chave Objetivos gerais Experiências de aprendizagem Recursos
3.2. O desenvolvimento das vias de Objetivo geral 2.: Conhecer o desenvolvimento das  Análise de documentos escritos e  Apontamentos de Didática
comunicação e dos meios de transporte vias de comunicação e dos meios de transporte iconográficos de linguagens diversas – Fichas de Avaliação n.os 3A, 3B e 3C
Construção de conceitos: Via de operado pela Regeneração e os seus efeitos evidenciando mudanças e permanências ao – “O Mundo tem o tamanho que eu quiser” –
comunicação; rede viária; rede 1. Referir a ausência de uma rede de transportes e longo do tempo. As migrações
ferroviária; selo postal adesivo comunicação como um entrave ao desenvolvimento  Interpretação e análise de mapas de – Ver e Tocar o Passado e o Presente
do país até meados do século XIX. diferentes escalas e conteúdo.
2. Reconhecer a expansão da rede ferroviária, viária  Leitura e análise de cronologias sobre os  e-Manual
e o desenvolvimento dos meios de comunicação na conteúdos em estudo. – Realização de exercícios interativos
segunda metade do século XIX.  Interpretação de documentos com – Observação e exploração de animações e
3. Apontar o Estado como o grande impulsionador da mensagens diversificadas, no sentido de outros recursos digitais
rede de transportes e comunicação da segunda apresentar múltiplas perspetivas em História.
metade do século XIX, destacando a ação de Fontes  Elaboração de pequenos textos-síntese sobre  Revista “Brincar com Coisas Sérias”
Pereira de Melo. os conteúdos abordados, estabelecendo – “Notícias que dão que pensar” e “Jogos que
4. Referir as consequências económicas e sociais do relações passado/presente. dão para aprender” – Subdomínio D3
desenvolvimento das vias de comunicação, dos  Realização de pequenos trabalhos de
transportes e dos meios de comunicação. pesquisa com recurso à Internet.  Desdobrável temático
5. Estabelecer uma relação entre os investimentos  Exploração da página 204 do Manual, que – O Palácio de Cristal no Porto – A arquitetura do
realizados com recurso aos mercados internacionais apresenta a dinastia de Bragança. ferro e a Exposição de 1865
com a grave crise financeira de 1890-92.  Visita de estudo a monumentos relacionados
com a arquitetura do ferro.  Visitas de estudo virtuais
3.3. Medidas tomadas pelos liberais Objetivo geral 3.: Conhecer e compreender o  Análise do esquema “Em resumo” do – http://www.parquesdesintra.pt/parques-
na educação e na justiça alcance das medidas tomadas pelos liberais na  Manual. jardins-e-monumentos/parque-e-palacio-
Construção de conceitos: Abolição educação e na justiça  Realização da ficha “Avalia o Essencial” do nacional-da--pena/
da escravatura; pena de morte 1. Enumerar medidas tomadas ao nível do ensino, Manual. – http://www.fundacaoedp.pt/museu-da-
destacando os seus objetivos e limites.  Resolução das “Perguntas de Escolha eletricidade/central-tejo/a-fabrica-que-
2. Indicar o pioneirismo português na abolição da Múltipla” do Caderno de Perguntas. eletrificou-lisboa/87
pena de morte, destacando a existência da pena
 Exploração do “Ver e Tocar o Passado” do
capital em vários países do mundo na atualidade.
Manual.
3. Relacionar as ideias liberais com a abolição da
pena de morte, da escravatura nas colónias e das
penas corporais.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Metas Curriculares
Conteúdos / Palavras-chave Objetivos gerais Experiências de aprendizagem Recursos
3.4. O aumento da população e o êxodo Objetivo geral 4.: Conhecer e compreender o Na seleção de estratégias procurou-se abordar as
rural na segunda metade do século XIX aumento da população e o êxodo rural verificado na cinco capacidades transversais a desenvolver ao
Construção de conceitos: segunda metade do século XIX longo do 2.° Ciclo*
Recenseamento da população; êxodo 1. Apontar as razões da diminuição da mortalidade e – O conhecimento histórico e o conhecimento
rural; emigração do consequente aumento da população verificado geográfico
neste período. – As modalidades de organização do tempo e a
2. Relacionar a mecanização da agricultura, o sua utilização
crescimento da população e a melhoria dos – O tratamento do espaço e a sua utilização
transportes com o êxodo rural e emigração – A relevância da construção dos contextos
verificados neste período. – A comunicação/transmissão do saber
3. Localizar os destinos do êxodo rural e da emigração
3.5. As características da sociedade e a neste período. * Documento de Apoio às Metas Curriculares de
vida quotidiana na segunda metade do História e Geografia de Portugal (2.° Ciclo do
século XIX Objetivo geral 5.: Conhecer e compreender as Ensino Básico) – 2014
Construção de conceitos: Organização características da sociedade e a vida quotidiana nas
social liberal; urbanismo; serviços cidades e nos campos na segunda metade do
públicos; greve século XIX
1. Conhecer a organização social liberal, por oposição
à sociedade do século XVIII.
2. Reconhecer o carácter eminentemente rural da
economia e sociedade portuguesas.
3. Caracterizar a modernização das cidades ocorrida
neste período, salientando preocupações que
continua a existir no urbanismo atual.
4. Referir o surgimento do proletariado como novo
grupo social, destacando as suas duras condições
de vida e de trabalho.
5. Relacionar as difíceis condições de vida do
proletariado com a criação das primeiras associações
de operários e as primeiras formas de luta.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Metas Curriculares
Conteúdos / Palavras-chave Objetivos gerais Experiências de aprendizagem Recursos
3.6. A arte da segunda metade do Objetivo geral 6.: Conhecer as características da
século XIX arte da segunda metade do século XIX
Construção de conceitos: Arquitetura 1. Reconhecer a Arquitetura do ferro como a grande
do ferro; revivalismo novidade da arquitetura do século XIX.
2. Identificar as principais construções da Arquitetura
do ferro em Portugal.
3. Identificar exemplos marcantes da arquitetura de
inspiração em estilos do passado (revivalista).
4. Enumerar algumas figuras da literatura do
século XIX.

Avaliação Diagnóstica – observação direta focada no levantamento das ideias prévias dos alunos.
Formativa – observação direta focada no interesse, participação oral e qualidade das intervenções, autonomia e empenho na realização das atividades, na resposta
às questões colocadas aos documentos, realização de tarefas para trabalho de casa.
Sumativa – Ficha de Avaliação n.o 1 e outros trabalhos escritos.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio E – Portugal do século XX
Previsão temporal: 2.° Período até inícios do 3. ° Período
Metas Curriculares
Conteúdos / Palavras-chave Objetivos gerais Experiências de aprendizagem Recursos
Subdomínio 1 – Da Revolução Objetivo geral 1.: Conhecer e compreender as  Recolha, pelos alunos, de elementos  Manual
Republicana de 1910 à Ditadura Militar razões da queda da monarquia constitucional relacionados com episódios do período em – pp. 88 a 109.
de 1926 1. Indicar os motivos do crescente descrédito da estudo ocorridos na localidade/região.
instituição monárquica.  Visita de estudo a monumentos do período  Caderno das Perguntas
1.1. As razões da queda da monarquia 2. Relacionar os interesses das potências industriais em estudo. – Guias de Estudo n.os 10 e 11
constitucional europeias em África com a Conferência de Berlim  Construção do “Trabalha o Espaço”, – Trabalha o Tempo, pp. 51, 55
e com o projeto português do Mapa Cor-de-Rosa. “Trabalha o Tempo” e “Friso Cronológico”. – Trabalha o Espaço, pp. 50, 54
Construção de conceitos: Ultimato; 3. Relacionar o projeto do Mapa Cor-de-Rosa com o  Organização de um ficheiro temático de – Perguntas de Escolha Múltipla. pp. 58 e 59
regicídio; 1.a República Ultimato Inglês. conceitos.
4. Relacionar a humilhação sentida pelo povo  Diálogo professor/aluno a partir da  Recursos Digitais
português face à cedência ao Ultimato Inglês com o exploração de vários documentos. – PowerPoint® de motivação para o
aumento dos apoiantes da causa republicana.  Resolução dos “Guias de Estudo” do Caderno Subdomínio E1
5. Referir o regicídio de 1908 como fator para a queda das Perguntas. – PowerPoint ® E1
da monarquia.  Trabalhos extra-aula com o apoio de pais e – Guia de exploração dos Recursos Digitais
6. Descrever os principais episódios do 5 de Outubro familiares sobre temas em estudo.
de 1910, salientando o apoio popular à insurreição  Construção de dossiê da localidade/região.  Apontamentos de Didática
militar republicana.  Debate sobre limitações e potencialidades da – Fichas de Avaliação n.os 4A, 4B e 4C
7. Localizar no tempo o período da 1.a República. Monarquia e da República. – Ver e Tocar o Passado e o Presente
 Análise de documentos escritos e
Objetivo geral 2.: Conhecer e compreender o iconográficos de linguagens diversas e-Manual
funcionamento do regime da 1.a República e os seus evidenciando mudanças e permanências ao – Realização de exercícios interativos
1.2. O funcionamento do regime da símbolos longo do tempo. – Observação e exploração de animações e
1.a República e os seus símbolos 1. Diferenciar Monarquia e República quanto ao chefe  Leitura e comentário de textos sobre o outros recursos digitais
de Estado, à legitimidade do seu mandato e à regicídio de 1908.
Construção de conceitos: Símbolo; duração do mesmo.  Interpretação e análise de mapas e plantas de
Constituição; Parlamento 2. Conhecer os símbolos da República Portuguesa. diferentes escalas e conteúdo.
3. Caracterizar o regime republicano a partir da  Leitura e análise de cronologias sobre os
Constituição de 1911, salientando semelhanças e conteúdos em estudo.
diferenças relativamente à Constituição da  Visionamento de excertos de documentários
Monarquia Constitucional. sobre o regicídio, a implantação da República
4. Indicar o Parlamento como o órgão político mais e a participação de Portugal na 1.a Guerra
importante na 1.a República. Mundial.
5. Reconhecer a manutenção de limitações no sufrágio
durante a 1.a República, por comparação à situação
atual

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Metas Curriculares
Conteúdos / Palavras-chave Objetivos gerais Experiências de aprendizagem Recursos
1.3. As principais realizações da Objetivo geral 3.: Conhecer as principais realizações  Interpretação de documentos com  Revista “Brincar com Coisas Sérias”
1.a República da 1.ª República mensagens diversificadas, no sentido de – “ Notícias que dão que pensar” e “Jogos que
1. Indicar as principais medidas de carácter social apresentar múltiplas perspetivas em História. dão para aprender” – Subdomínio E1
Construção de conceitos: Alfabetização; tomadas durante a 1.a República.  Elaboração de pequenos textos-síntese sobre
greve; sindicato 2. Referir medidas tomadas pela 1.a República no os conteúdos abordados, estabelecendo  Web
sentido de diminuir a influência da Igreja junto da relações passado/presente. – http://www.presidencia.pt/?idc=15
população.  Realização de pequenos trabalhos de
3. Salientar o alcance das medidas sociais e educativas pesquisa com recurso à Internet.
tomadas durante a 1.a República.  Produção de breves biografias de D. Carlos,
D. Manuel II, Manuel de Arriaga, Bernardino
Objetivo geral 4.: Conhecer e compreender os motivos Machado ou Afonso Costa.
1.4. O fim da 1.a República e a do fim da 1.a República e a instauração da ditadura  Exploração da página 205 do manual, que
instauração da ditadura militar em 1926 militar em 1926 apresenta a sequência de presidentes da
1. Referir a instabilidade governativa e a crise económica República durante a 1.ª República.
Construção de conceitos: Crise; e social como fatores decisivos para o fim da  Visita de estudo virtual ao Palácio da
ditadura militar 1.a República. Presidência da República.
2. Indicar os motivos da entrada de Portugal na  Análise do esquema “Em resumo” do Manual.
1.a Guerra Mundial.  Realização da ficha “Avalia o Essencial” do
3. Indicar os efeitos da participação de Portugal na Manual.
1.a Guerra Mundial e sua relação com o golpe  Resolução das “Perguntas de Escolha
militar do “28 de Maio” de 1926. Múltipla” do Caderno de Perguntas.
4. Justificar a grande adesão dos militares e da
 Exploração do “Ver e Tocar o Passado” do
população de Lisboa ao movimento antidemocrático
Manual.
chefiado pelo General Gomes da Costa.
5. Localizar no tempo o período da Ditadura Militar.
6. Reconhecer nas medidas da Ditadura Militar o fim
da liberdade política e o cercear de liberdades
individuais.

Na seleção de estratégias procurou-se abordar as


cinco capacidades transversais a desenvolver ao
longo do 2.° Ciclo*
– O conhecimento histórico e o conhecimento
geográfico
– As modalidades de organização do tempo e a
sua utilização

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Metas Curriculares
Conteúdos / Palavras-chave Objetivos gerais Experiências de aprendizagem Recursos
O tratamento do espaço e a sua utilização
– A relevância da construção dos contextos
– A comunicação/transmissão do saber

* Documento de Apoio às Metas Curriculares de História


e Geografia de Portugal (2.° Ciclo do Ensino Básico) –
2014
Avaliação Diagnóstica – observação direta focada no levantamento das ideias prévias dos alunos.
Formativa – observação direta focada no interesse, participação oral e qualidade das intervenções, autonomia e empenho na realização das atividades, na resposta
às questões colocadas aos documentos, realização de tarefas para trabalho de casa.
Sumativa – Ficha de Avaliação n.o 1 e outros trabalhos escritos.

Metas Curriculares
Conteúdos / Palavras-chave Objetivos gerais Experiências de aprendizagem Recursos
Subdomínio 2 – O Estado Novo Objetivo geral 1.: Compreender a ascensão de  Recolha, pelos alunos, de elementos  Manual
(1933-1974) Salazar e a construção do Estado Novo relacionados com episódios do período em – pp. 110 a 127
1. Referir o saldo positivo das contas públicas estudo ocorridos na localidade/região.
portuguesas conseguido pelo ministro das Finanças  Construção do “Trabalha o Espaço”,  Caderno das Perguntas
2.1. Salazar e a construção do Estado António de Oliveira Salazar. “Trabalha o Tempo” e “Friso Cronológico”. – Guias de Estudo n.os 12 e 13
Novo 2. Relacionar o saldo positivo das contas públicas  Organização de um ficheiro temático de – Trabalha o Tempo, p. 63
Construção de conceitos: Estado Novo portuguesas conseguido pelo ministro das Finanças conceitos. – Trabalha o Espaço, pp. 60, 64
António de Oliveira Salazar com a sua rápida  Diálogo professor/aluno a partir da – Perguntas de Escolha Múltipla, pp. 67 e 68
ascensão no poder. exploração de vários documentos.
3. Indicar as medidas tomadas por Salazar para resolver  Resolução dos “Guias de Estudo” do Caderno  Recursos Digitais
o problema financeiro do país. das Perguntas. – PowerPoint® de motivação para o
4. Salientar na Constituição de 1933 a supremacia do  Trabalhos extra-aula com o apoio de pais e Subdomínio E2
poder executivo e a existência de um partido único. familiares sobre temas em estudo. – PowerPoint® E2
5. Reconhecer o carácter ditatorial do Estado Novo.  Construção de dossiê da localidade/região. – Guia de exploração dos Recursos Digitais
 Análise de documentos escritos e
iconográficos de linguagens diversas
evidenciando mudanças e permanências ao
longo do tempo.
 Leitura e comentário de testemunhos sobre a
guerra colonial.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Metas Curriculares
Conteúdos / Palavras-chave Objetivos gerais Experiências de aprendizagem Recursos
2.2. A difusão dos ideais do Estado Objetivo geral 2.: Conhecer e compreender os  Leitura e análise de cronologias sobre os  Apontamentos de Didática
Novo e a repressão para com os mecanismos de difusão dos ideais do Estado Novo e de conteúdos em estudo. – Fichas de Avaliação n.os 5A, 5B e 5C
opositores repressão para com os opositores  Visionamento de excertos de documentários – “O Mundo tem o tamanho que eu quiser” –
Construção de conceitos: Censura; 1. Indicar os principais valores defendidos pelo sobre a Exposição do Mundo Colonial. As migrações
liberdade de expressão; polícia política Estado Novo, salientando a máxima “Deus, Pátria e  Interpretação de documentos com – Ver e Tocar o Passado e o Presente
Família” e a obediência. mensagens diversificadas, no sentido de
2. Referir a utilização do ensino, da Mocidade apresentar múltiplas perspetivas em História.  e-Manual
Portuguesa e da propaganda como formas de difusão  Elaboração de pequenos textos-síntese sobre – Realização de exercícios interativos
dos ideais do Estado Novo. os conteúdos abordados, estabelecendo – Observação e exploração de animações e
3. Enumerar os mecanismos de repressão do Estado relações passado/presente. outros recursos digitais
Novo.  Realização de pequenos trabalhos de
4. Referir os objetivos e a forma de atuação da polícia pesquisa com recurso à Internet.  Revista “Brincar com Coisas Sérias”
política, reconhecendo nos meios utilizados o  Produção de breves biografias de António de – “Notícias que dão que pensar” e “Jogos que
desrespeito pelas liberdades e garantias Oliveira Salazar, Óscar Carmona, Marcello dão para aprender” – Subdomínio E2
fundamentais dos cidadãos. Caetano, Humberto Delgado, etc.
5. Referir a existência de prisões políticas, destacando  Exploração da página 205 do manual, que  Web
a colónia penal do Tarrafal. apresenta a sequência de presidentes da – http://www.museudoaljube.pt/omuseu
6. Reconhecer na atualidade a existência de regimes República durante o Estado Novo.
com características ditatoriais onde diariamente  Visita de estudo ao Museu do Aljube –
são desrespeitados os Direitos Humanos. Resistência e Liberdade.
2.3. Os principais movimentos de  Análise do esquema “Em resumo” do Manual.
resistência ao Estado Novo Objetivo geral 3.: Conhecer e compreender os  Realização da ficha “Avalia o Essencial” do
Construção de conceitos: Oposição principais movimentos de resistência ao Estado Novo Manual.
Política 1. Comparar a imagem de prosperidade e paz social  Resolução das “Perguntas de Escolha
dada pelo regime com as difíceis condições de vida Múltipla” do Caderno de Perguntas.
da grande maioria dos portugueses e com a opressão.
 Exploração do “Ver e Tocar o Passado” do
2. Referir a oposição à ditadura através de ações
Manual.
clandestinas e de obras artísticas, destacando
alguns dos autores mais marcantes.
3. Reconhecer a candidatura do General Humberto
Delgado à Presidência da República (1958) como o
grande momento de oposição à ditadura,
descrevendo o seu desfecho.
4. Referir a manutenção do regime opressivo após a
substituição de Salazar por Marcello Caetano, apesar
das expectativas de “abertura do regime”.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Metas Curriculares
Conteúdos / Palavras-chave Objetivos gerais Experiências de aprendizagem Recursos
2.4. O colonialismo português e a Objetivo geral 4.: Conhecer e compreender a Na seleção de estratégias procurou-se abordar as
Guerra Colonial manutenção do colonialismo português e a Guerra cinco capacidades transversais a desenvolver ao
Construção de conceitos: Guerra Colonial longo do 2. ° Ciclo*
Colonial; guerrilha 1. Referir a intransigência do Estado Novo relativamente – O conhecimento histórico e o conhecimento
à sua política colonial num contexto internacional geográfico
hostil à posse de colónias. – As modalidades de organização do tempo e a
2. Relacionar essa intransigência com a perda do sua
Estado Português da Índia (1960) e com o início da utilização
Guerra Colonial em Angola (1961), Guiné (1963) e – O tratamento do espaço e a sua utilização
Moçambique (1964). – A relevância da construção dos contextos
3. Caracterizar a guerra colonial, salientando a guerrilha – A comunicação/transmissão do saber
e o apoio das populações autóctones aos
movimentos que lutavam pela independência. * Documento de Apoio às Metas Curriculares de História
4. Reconhecer os efeitos da guerra, salientando o ~ e Geografia de Portugal (2.° Ciclo do Ensino Básico) –
número de soldados mobilizados, as vítimas dos dois 2014
lados do conflito e os problemas associados à
guerra que persistem ainda hoje.

Avaliação Diagnóstica – observação direta focada no levantamento das ideias prévias dos alunos.
Formativa – observação direta focada no interesse, participação oral e qualidade das intervenções, autonomia e empenho na realização das atividades, na resposta
às questões colocadas aos documentos, realização de tarefas para trabalho de casa.
Sumativa – Ficha de Avaliação n.o 5 e outros trabalhos escritos.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Metas Curriculares
Conteúdos / Palavras-chave Objetivos gerais Experiências de aprendizagem Recursos
Subdomínio 3 – O 25 de Abril de 1974 Objetivo geral 1.: Conhecer e compreender as causas  Recolha, pelos alunos, de elementos  Manual
e o regime democrático do golpe militar do 25 de Abril de 1974 relacionados com episódios do período em – pp. 128 a 149
3.1. O golpe militar de 25 de Abril de 1. Relacionar as difíceis condições de vida da maioria estudo ocorridos na localidade/região.
1974 dos portugueses, a opressão política e a manutenção  Construção do “Trabalha o Espaço”,  Caderno das Perguntas
Construção de conceitos: MFA da Guerra Colonial com a “grande debandada” “Trabalha o Tempo” e “Friso Cronológico”. – Guias de Estudo n.os 14, 15 e 16
dos portugueses e com o crescente  Organização de um ficheiro temático de – Trabalha o Tempo, pp. 75, 78
descontentamento dos militares. conceitos. – Trabalha o Espaço, pp. 69, 72
2. Descrever sucintamente os acontecimentos da  Diálogo professor/aluno a partir da – Perguntas de Escolha Múltipla, pp. 81 e 82
revolução militar e os seus protagonistas. exploração de vários documentos.
3. Sublinhar a forte adesão popular e o carácter não  Resolução dos “Guias de Estudo” do Caderno  Recursos Digitais
violento da “Revolução dos cravos”. das Perguntas. – PowerPoint® de motivação para o Subdomínio
 Trabalhos extra-aula com o apoio de pais e E3
Objetivo geral 2.: Conhecer e compreender as familiares sobre temas em estudo. – PowerPoint® E3
consequências do 25 de Abril de 1974 ao nível da  Construção de dossiê da localidade/região. – Guia de exploração dos Recursos Digitais
democratização do regime e da descolonização  Debate sobre as conquistas do 25 de Abril.
1. Reconhecer no programa do Movimento das  Análise de documentos escritos e  Apontamentos de Didática
Forças Armadas o fim da ditadura e o início da iconográficos de linguagens diversas – “O Mundo tem o tamanho que eu quiser” – As
construção da democracia. evidenciando mudanças e permanências ao migrações
2. Referir as eleições de 1975 como um marco longo do tempo. – Ver e Tocar o Passado e o Presente
fundamental para a construção do regime  Interpretação e análise de mapas e plantas de
3.2. As consequências do 25 de Abril democrático. diferentes escalas e conteúdo.  e-Manual
de 1974 3. Reconhecer na Constituição de 1976 a consagração  Visionamento de excertos de documentários – Realização de exercícios interativos
Construção de conceitos: Democracia; dos direitos e liberdades fundamentais. sobre o 25 de Abril de 1974. – Observação e exploração de animações e
descolonização; retornado 4. Relacionar o 25 de Abril com a descolonização e  Interpretação de documentos com outros recursos digitais
com o fim do império. mensagens diversificadas, no sentido de
5. Explicar os problemas verificados com a apresentar múltiplas perspetivas em História.  Revista “Brincar com Coisas Sérias”
Descolonização portuguesa, destacando a questão  Elaboração de pequenos textos-síntese sobre – “Notícias que dão que pensar” e “Jogos que
dos “retornados” e a questão timorense. os conteúdos abordados, estabelecendo dão para aprender” – Subdomínio E3
6. Referir a transferência de soberania de Macau relações passado/presente.
para a China (1999) e a autodeterminação de Timor  Exploração da página 205 do Manual, que
Lorosae (2002) como marcos formais do fim do apresenta a sequência de presidentes da
Império Português. República até à atualidade.
7. Conhecer a dimensão do território português e os
novos países surgidos após a descolonização.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Metas Curriculares
Conteúdos / Palavras-chave Objetivos gerais Experiências de aprendizagem Recursos
3.3. Os órgãos do poder democrático Objetivo geral 3.: Conhecer os órgãos de poder  Realização de pequenos trabalhos de  Web
Construção de conceitos: Direito de democráticos pesquisa com recurso à Internet. – http://www.cd25a.uc.pt/
voto; Poder Central: Governo; 1. Identificar a existência de poder central, regional e  Análise do esquema “Em resumo” do Manual.
Assembleia de República; Região local.  Realização da ficha “Avalia o Essencial” do
Autónoma; Poder Local; Autarquia; 2. Indicar os órgãos de poder regional e local e as Manual.
Câmara Municipal; Junta de Freguesia suas funções.  Resolução das “Perguntas de Escolha
3. Descrever o funcionamento dos órgãos de poder Múltipla” do Caderno de Perguntas.
central e as funções de cada um.
 Exploração do “Ver e Tocar o Passado” do
4. Destacar a efetiva separação de poderes e o sufrágio
Manual.
livre e universal como conquistas de Abril.
5. Identificar formas de participação cívica e democrática
além dos atos eleitorais.
3.2. Conquistas, dificuldades e desafios
que Portugal enfrenta no nosso tempo Objetivo geral 4.: Analisar algumas conquistas,
Construção de conceitos: CEE dificuldades e desafios que Portugal enfrenta no
nosso tempo
1. Reconhecer a democratização do país como fator
de prestígio internacional para Portugal.
2. Reconhecer a entrada de Portugal na Comunidade
Económica Europeia (CEE) como um contributo
para a consolidação da democracia portuguesa e
Na seleção de estratégias procurou-se abordar as
para a modernização do país.
cinco capacidades transversais a desenvolver ao
3. Enumerar aspetos que comprovem a modernização
longo do 2.° Ciclo*
do país após a adesão à CEE.
– O conhecimento histórico e o conhecimento
4. Exemplificar progressos verificados nas condições
geográfico
de vida dos portugueses, nomeadamente no maior
– As modalidades de organização do tempo e a
acesso à saúde e educação.
sua utilização
5. Constatar a maior igualdade de géneros existente
– O tratamento do espaço e a sua utilização
na atualidade, apesar do caminho que ainda há a
– A relevância da construção dos contextos
percorrer.
– A comunicação/transmissão do saber
6. Reconhecer outras dificuldades que Portugal enfrenta
nos nossos dias: desemprego, morosidade * Documento de Apoio às Metas Curriculares de História
da justiça, assimetrias sociais, abandono escolar, e Geografia de Portugal (2.° Ciclo do Ensino Básico) –
fraco envolvimento cívico. 2014

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Metas Curriculares
Conteúdos / Palavras-chave Objetivos gerais Experiências de aprendizagem Recursos
Avaliação Diagnóstica – observação direta focada no levantamento das ideias prévias dos alunos.
Formativa – observação direta focada no interesse, participação oral e qualidade das intervenções, autonomia e empenho na realização das atividades, na resposta
às questões colocadas aos documentos, realização de tarefas para trabalho de casa.
Sumativa – trabalhos escritos.

Metas Curriculares
Conteúdos / Palavras-chave Objetivos gerais Experiências de aprendizagem Recursos
Subdomínio 4 – Espaços em que Objetivo geral 1.: Conhecer a União Europeia (UE)  Recolha, pelos alunos, de elementos  Manual
Portugal se integra como uma das organizações internacionais em que relacionados com episódios do período em – pp. 150 a 157
4.1. A União Europeia Portugal se integra estudo ocorridos na localidade/região.
Construção de conceitos: União 1. Identificar os países que constituem a UE.  Organização de um ficheiro temático de  Caderno das Perguntas
Europeia 2. Referir os principais objetivos que presidiram à conceitos. – Guia de Estudo n.o 17
criação da UE.  Diálogo professor/aluno a partir da – Trabalha o Tempo, p. 78
3. Identificar os sucessivos alargamentos da UE. exploração de vários documentos. – Perguntas de Escolha Múltipla, pp. 81 e 82
4. Identificar as principais instituições europeias.  Resolução do “Guia de Estudo” do Caderno
das Perguntas.  Recursos Digitais
 Análise de documentos escritos e – PowerPoint® de motivação para o Subdomínio
iconográficos de linguagens diversificadas. E4
 Interpretação e análise de mapas de – PowerPoint® E4
diferentes escalas e conteúdo. – Guia de exploração dos Recursos Digitais
 Elaboração de pequenos textos-síntese sobre
os conteúdos abordados.  Apontamentos de Didática
 Realização de pequenos trabalhos de – Fichas de Avaliação da n.os 6A, 6B e 6C
pesquisa com recurso à Internet. – Ver e Tocar o Passado e o Presente
 Resolução das “Perguntas de Escolha
Múltipla” do Caderno de Perguntas.  e-Manual
4.2. Outras organizações internacionais
em que Portugal se integra  Exploração do “Ver e Tocar o Presente” do – Realização de exercícios interativos
Manual. – Observação e exploração de animações e
Construção de conceitos: ONU; PALOP; Objetivo geral 2.: Conhecer outras organizações outros recursos digitais
CPLP; ONG internacionais em que Portugal se integra
1. Identificar os principais objetivos da criação da ONU.
2. Referir alguns dos estados não membros da ONU.
3. Identificar algumas das organizações que integram
a ONU (UNICEF, FAO, UNESCO…).
4. Localizar os Países Africanos de Língua Oficial
Portuguesa (PALOP).
5. Localizar os países da Comunidade de Países de
Língua Oficial Portuguesa (CPLP).

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Metas Curriculares
Conteúdos / Palavras-chave Objetivos gerais Experiências de aprendizagem Recursos
6. Referir alguns dos grandes objetivos dos PALOP e Na seleção de estratégias procurou-se abordar as  Revista “Brincar com Coisas Sérias”
da CPLP. cinco capacidades transversais a desenvolver ao – “Notícias que dão que pensar” e “Jogos que
7. Localizar países da Organização do Tratado do longo do 2.° Ciclo* dão para aprender” – Subdomínio E4
Atlântico Norte (NATO). – O conhecimento histórico e o conhecimento  Web
8. Referir os principais objetivos da NATO. geográfico – https://europa.eu/european-union/about-
– As modalidades de organização do tempo e a eu/institutions-bodies/european-parliament_pt
sua utilização – https://www.unric.org/pt/
– O tratamento do espaço e a sua utilização
– A relevância da construção dos contextos
– A comunicação/transmissão do saber

* Documento de Apoio às Metas Curriculares de História


e Geografia de Portugal (2.° Ciclo do Ensino Básico) –
2014
Avaliação Diagnóstica – observação direta focada no levantamento das ideias prévias dos alunos.
Formativa – observação direta focada no interesse, participação oral e qualidade das intervenções, autonomia e empenho na realização das atividades, na resposta
às questões colocadas aos documentos, realização de tarefas para trabalho de casa.
Sumativa – Ficha de Avaliação n.o 6 e outros trabalhos escritos.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio F – Portugal Hoje
Previsão temporal: 3.° Período
Metas Curriculares
Conteúdos / Palavras-chave Objetivos gerais Experiências de aprendizagem Recursos
Subdomínio 1 – A população Objetivo geral 1.: Compreender a importância dos  Recolha, pelos alunos, de elementos  Manual
Portuguesa recenseamentos na recolha de informação sobre a relacionados com a localidade/região. – pp. 160 a 167
população  Construção do “Trabalha o Espaço”.
1.1. A importância dos 1. Definir recenseamento da população.  Organização de um ficheiro temático de  Caderno das Perguntas
recenseamentos 2. Referir informações que se podem consultar nos conceitos. – Guia de Estudo n.o 18
recenseamentos da população.  Diálogo professor/aluno a partir da – Trabalha o Espaço, pp. 83, 84, 85
Construção de conceitos: 3. Localizar diferentes divisões administrativas do exploração de vários documentos.
Recenseamento; NUTS I, II e III; distrito território nacional a diferentes escalas (distritos,  Resolução do “Guia de Estudo” do Caderno  Recursos Digitais
e município NUTS II e III, municípios). de Perguntas. – PowerPoint® F
4. Inferir sobre a importância dos recenseamentos  Trabalhos extra-aula com o apoio de pais e – Guia de exploração dos Recursos Digitais
na gestão e ordenamento do território. familiares sobre temas em estudo.
 Construção de dossiê da localidade/região.  Apontamentos de Didática
Objetivo geral 2.: Conhecer a evolução da população  Análise de esquemas e gráficos sobre – Ficha de trabalho de grupo (em Recursos
em Portugal e compreender a sua relação com o conteúdos. Digitais)
1.2. A evolução da população em crescimento natural  Análise de notícias e imagens com linguagens – “O Mundo tem o tamanho que eu quiser” –
Portugal e a sua relação com o 1. Definir população total ou absoluta. diversas evidenciando mudanças e As migrações
crescimento natural 2. Caracterizar a evolução da população portuguesa permanências ao longo do tempo.
desde o primeiro recenseamento geral da  Interpretação e análise de mapas e plantas de  e-Manual
Construção de conceitos: População população (1864). diferentes escalas e conteúdo. – Realização de exercícios interativos
absoluta; natalidade; mortalidade; taxa 3. Identificar o crescimento natural como o principal  Realização de pequenos trabalhos de – Observação e exploração de animações e
de crescimento natural fator responsável pela evolução da população. pesquisa com recurso à Internet. outros recursos digitais
4. Distinguir natalidade de taxa de natalidade e
mortalidade de taxa de mortalidade.  Web
5. Definir crescimento natural. – https://www.ine.pt/xpor-
6. Caracterizar a evolução da natalidade em tal/xmain?xpgid=ine_main&xpid=INE
Portugal.
7. Identificar fatores responsáveis pela diminuição da
natalidade em Portugal nas últimas décadas.
8. Caracterizar a evolução da mortalidade em
Portugal.
9. Identificar fatores responsáveis pela diminuição da
mortalidade em Portugal nas últimas décadas.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Metas Curriculares
Conteúdos / Palavras-chave Objetivos gerais Experiências de aprendizagem Recursos
1.3. O contributo de saldo migratório Objetivo geral 3.: Compreender o contributo do saldo
na evolução da população em Portugal migratório na evolução da população em Portugal
Construção de conceitos: Emigração; 1. Distinguir emigração de imigração.
imigração; saldo migratório 2. Definir saldo migratório.
3. Caracterizar a evolução da emigração em Portugal.
4. Localizar as principais áreas de destino da emigração
portuguesa.
5. Identificar as principais causas e consequências da
emigração em Portugal.
6. Descrever a evolução da imigração em Portugal.
7. Localizar os principais países de origem da imigração
em Portugal.

Objetivo geral 4.: Compreender a distribuição da


população em Portugal
1.4. A distribuição da população em 1. Distinguir densidade populacional de população total.
Portugal 2. Interpretar mapas com a distribuição regional da
Construção de conceitos: Densidade população total/densidade populacional em meados
populacional do século XX e na atualidade.
3. Identificar os principais fatores responsáveis pelo
acentuar de contrastes na distribuição da população
na atualidade.

Objetivo geral 5.: Conhecer a evolução da população


portuguesa por grupos etários
1.5. A evolução da população 1. Identificar os 3 grupos etários.
portuguesa por grupos etários 2. Caracterizar a evolução recente da população
Construção de conceitos: Grupo etário jovem, da adulta e da idosa, tendo por base dados
estatísticos.
3. Identificar fatores responsáveis pela evolução dos
três grupos etários.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Metas Curriculares
Conteúdos / Palavras-chave Objetivos gerais Experiências de aprendizagem Recursos
1.6. O duplo envelhecimento da Objetivo geral 6.: Conhecer e compreender as
população em Portugal consequências do duplo envelhecimento da população
Construção de conceitos: Duplo em Portugal
envelhecimento 1. Definir esperança média de vida à nascença.
2. Caracterizar a evolução da esperança média de vida à
nascença, identificando os principais fatores
responsáveis pelo seu incremento.
3. Referir os principais fatores que contribuem para o
duplo envelhecimento da população.
4. Localizar as áreas mais afetadas pelo duplo
envelhecimento da população e as respetivas
consequências.
5. Apresentar medidas com o objetivo de subverter o
duplo envelhecimento.
Avaliação Diagnóstica – observação direta focada no levantamento das ideias prévias dos alunos.
Formativa – observação direta focada no interesse, participação oral e qualidade das intervenções, autonomia e empenho na realização das atividades, na resposta
às questões colocadas aos documentos, realização de tarefas para trabalho de casa.
Sumativa – trabalhos escritos.

Metas Curriculares
Conteúdos / Palavras-chave Objetivos gerais Experiências de aprendizagem Recursos
Subdomínio 2 – Os lugares onde Objetivo geral 1.: Compreender as características da  Recolha, pelos alunos, de elementos  Manual
Vivemos população rural e urbana e os seus modos de vida relacionados com a localidade/região. – pp. 168 a 174
1. Definir povoamento.  Construção do “Trabalha o Espaço”.
2.1. Características da população rural e 2. Caracterizar o povoamento rural e o urbano.  Organização de um ficheiro temático de  Caderno das Perguntas
urbana e os seus modos de vida 3. Definir modo de vida. conceitos. – Guias de Estudo n.o 19
4. Caracterizar os modos de vida predominantes no  Diálogo professor/aluno a partir da – Trabalha o Espaço, pp. 88 e 89
Construção de conceitos: espaço rural e no espaço urbano. exploração de vários documentos.
Povoamento rural; povoamento urbano; 5. Reconhecer a crescente interpenetração entre  Resolução do “Guia de Estudo” do Caderno
equipamento coletivo; saneamento modos de vida rurais e urbanos. das Perguntas.
básico; metropolitano; nível de conforto 6. Reconhecer a crescente complementaridade e  Trabalhos extra-aula com o apoio de pais e
interdependência entre o espaço rural e o espaço familiares sobre temas em estudo.
urbano.  Construção de dossiê da localidade/região.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Metas Curriculares
Conteúdos / Palavras-chave Objetivos gerais Experiências de aprendizagem Recursos
2.2. A desigual dinâmica populacional Objetivo geral 2.: Compreender a desigual dinâmica  Análise de esquemas e gráficos sobre  Recursos Digitais
das áreas rurais e das áreas urbanas populacional das áreas rurais e das áreas urbanas conteúdos. – PowerPoint® F
Construção de conceitos: Taxa de 1. Comparar a evolução da população rural e da  Análise de notícias e imagens com linguagens – Guia de exploração dos Recursos Digitais
urbanização; êxodo rural; áreas rurais; população urbana em Portugal, nas últimas décadas. diversas evidenciando mudanças e
áreas urbanas; áreas metropolitanas 2. Definir taxa de urbanização. permanências ao longo do tempo.  Apontamentos de Didática
3. Definir êxodo rural.  Interpretação e análise de mapas e plantas de – Ficha de trabalho de grupo (em Recurso
4. Relacionar a crescente taxa de urbanização com o diferentes escalas e conteúdo. Digitais)
êxodo rural.  Realização de pequenos trabalhos de – Fichas de avaliação n.os 7A, 7B e 7C.
5. Localizar as principais áreas urbanas em Portugal. pesquisa com recurso à Internet.
6. Identificar os principais problemas das áreas urbanas  e-Manual
e das áreas rurais em Portugal. – Realização de exercícios interativos
7. Apontar soluções para os problemas identificados – Observação e exploração de animações e
nas áreas urbanas e nas áreas rurais em Portugal. outros recursos digitais
2.3. A atratividade exercida pelas
áreas urbanas Objetivo geral 3.: Compreender a atratividade exercida
Construção de conceitos: Área atrativa; pelas áreas urbanas
área repulsiva 1. Distinguir área atrativa de área repulsiva.
2. Interpretar a distribuição regional dos equipamentos
ligados à saúde, educação, cultura, desporto,
audiovisuais (…).
3. Justificar a atratividade das áreas urbanas pela maior
disponibilidade na oferta de emprego e concentração
de equipamentos de saúde, educação, lazer (…).

Avaliação Diagnóstica – observação direta focada no levantamento das ideias prévias dos alunos.
Formativa – observação direta focada no interesse, participação oral e qualidade das intervenções, autonomia e empenho na realização das atividades, na resposta
às questões colocadas aos documentos, realização de tarefas para trabalho de casa.
Sumativa – Ficha de Avaliação n.o 7 ou outros trabalhos escritos.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Metas Curriculares
Conteúdos / Palavras-chave Objetivos gerais Experiências de aprendizagem Recursos
Subdomínio 3 – As atividades que Objetivo geral 1.: Conhecer a repartição das atividades  Recolha, pelos alunos, de elementos  Manual
desenvolvemos económicas por setores relacionados com a localidade/região. – pp. 175 a 190
1. Definir setor de atividade económica.  Construção do “Trabalha o Espaço”.
3.1. A repartição das atividades 2. Distinguir população ativa de população inativa.  Organização de um ficheiro temático de  Caderno das Perguntas
económicas por setores 3. Distinguir taxa de atividade de taxa de desemprego. conceitos. – Guias de Estudo n.os 20 e 21
Construção de conceitos: 4. Distinguir atividades produtivas de não produtivas.  Diálogo professor/aluno a partir da – Trabalha o Espaço, pp. 92, 93, 96
População ativa; população inativa; 5. Comparar as atividades económicas integradas exploração de vários documentos.
setor de atividade económica; nos setores primário, secundário e terciário.  Resolução dos “Guias de Estudo” do Caderno  Recursos Digitais
desemprego; setor primário; setor das Perguntas. – PowerPoint® F
secundário; setor terciário; serviços Objetivo geral 2.: Compreender a evolução da  Trabalhos extra-aula com o apoio de pais e – Guia de exploração dos Recursos Digitais
distribuição da população por setores de atividade em familiares sobre temas em estudo.
Portugal  Construção de dossiê da localidade/região.  Apontamentos de Didática
3.2. A evolução da distribuição da 1. Caracterizar a evolução da população ativa integrada  Análise de esquemas e gráficos sobre – Ficha de trabalho de grupo (em Recursos
população por setores de atividade em nos três setores de atividade. conteúdos. Digitais)
Portugal 2. Enumerar fatores que explicam a diminuição da  Análise de notícias e imagens com linguagens
população ativa integrada no setor primário e no diversas evidenciando mudanças e  e-Manual
setor secundário. permanências ao longo do tempo. – Realização de exercícios interativos
3. Identificar consequências da diminuição da população  Interpretação e análise de mapas e plantas de – Observação e exploração de animações e
ativa integrada no setor primário e no setor diferentes escalas e conteúdo. outros recursos digitais
secundário.  Realização de pequenos trabalhos de
4. Identificar fatores que explicam o aumento da pesquisa com recurso à Internet.  Web:
população ativa integrada no setor terciário. – http://turismoindustrial.cm-sjm.pt/
5. Identificar consequências do aumento da população
ativa integrada no setor terciário.
6. Localizar as áreas onde predominam atividades
ligadas aos diferentes setores.
7. Identificar as atividades dominantes na área
envolvente à escola.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Metas Curriculares
Conteúdos / Palavras-chave Objetivos gerais Experiências de aprendizagem Recursos
3.3. Características da agricultura em Objetivo geral 3.: Conhecer e compreender as
Portugal características da agricultura em Portugal
Construção de conceitos: 1. Definir agricultura.
Agricultura tradicional; agricultura 2. Caracterizar os principais tipos de agricultura
moderna; minifúndio; latifúndio; praticados em Portugal.
monocultura; policultura 3. Descrever as transformações recentes ocorridas
na agricultura portuguesa.
4. Localizar os principais tipos de agricultura e alguns dos
produtos cultivados.
5. Identificar os principais obstáculos à modernização
da agricultura portuguesa.
6. Identificar a atividade agrícola praticada na área de
residência.

3.4. A importância da floresta em Objetivo geral 4.: Compreender a importância da


Portugal floresta em Portugal
Construção de conceitos: 1. Referir as principais funções das florestas.
Reflorestação 2. Localizar a distribuição das principais espécies
florestais a nível nacional.
3. Identificar os principais problemas que afetam a
floresta.

Objetivo geral 5.: Compreender a atividade piscatória


em Portugal
1. Caracterizar os principais tipos de pesca praticados
3.5. A atividade piscatória em em Portugal.
Portugal 2. Identificar as principais áreas de pesca e os portos
Construção de conceitos: ZEE; pesca de desembarque do pescado.
local; pesca de largo; aquacultura 3. Referir alguns dos problemas que afetam a pesca
portuguesa e possíveis soluções.
4. Identificar aspetos positivos e negativos da
aquacultura.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Metas Curriculares
Conteúdos / Palavras-chave Objetivos gerais Experiências de aprendizagem Recursos
3.6. A evolução da indústria em Objetivo geral 6.: Compreender a evolução da
Portugal indústria em Portugal
Construção de conceitos: Bens de 1. Definir indústria.
equipamento; bens intermédios e bens 2. Identificar diferentes tipos de indústria.
de consumo; indústrias de ponta; 3. Caracterizar a evolução da indústria em Portugal.
reciclagem 4. Localizar as principais áreas industriais em Portugal.
5. Identificar os principais problemas associados à
atividade industrial e possíveis soluções.

Objetivo geral 7.: Compreender a crescente


3.7. A crescente importância das importância das energias renováveis em Portugal
energias renováveis 1. Referir os tipos de energia mais utilizados em
Construção de conceitos: Energia Portugal.
renovável; energia não renovável 2. Distinguir energias renováveis de energias não
renováveis, dando ênfase aos principais impactes
da sua utilização.
3. Localizar as principais áreas de produção de energia
renovável em Portugal.
4. Enumerar os principais fatores responsáveis pela
crescente importância das energias renováveis em
Portugal.
5. Identificar práticas adequadas a uma racionalização
dos consumos energéticos.

Objetivo geral 8.: Compreender o comércio em


3.8. O comércio em Portugal Portugal
Construção de conceitos: Importação; 1. Distinguir importação de exportação.
exportação 2. Descrever a evolução das importações e das
exportações em Portugal.
3. Caracterizar os tipos de produtos importados/
exportados e os parceiros comerciais.
4. Referir as consequências do desigual valor das
importações e exportações em Portugal.
5. Identificar novas formas de comercializar produtos
e de pagar serviços.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Metas Curriculares
Conteúdos / Palavras-chave Objetivos gerais Experiências de aprendizagem Recursos
3.9. A crescente importância dos Objetivo geral 9.: Compreender a crescente
serviços importância dos serviços entre as atividades
económicas em Portugal
1. Definir serviços.
2. Identificar os diferentes tipos de serviços.
3. Localizar as áreas de maior oferta de serviços.
4. Explicar os contrastes regionais na oferta de serviços
(saúde, educação, cultura, desporto…).
5. Justificar a crescente importância do setor dos
serviços na criação de emprego.
Avaliação Diagnóstica – observação direta focada no levantamento das ideias prévias dos alunos.
Formativa – observação direta focada no interesse, participação oral e qualidade das intervenções, autonomia e empenho na realização das atividades, na resposta
às questões colocadas aos documentos, realização de tarefas para trabalho de casa.
Sumativa – trabalhos escritos.

Metas Curriculares
Conteúdos / Palavras-chave Objetivos gerais Experiências de aprendizagem Recursos
Subdomínio 4 – O mundo mais perto Objetivo geral 1.: Compreender a importância dos  Recolha, pelos alunos, de elementos  Manual
de nós transportes na sociedade atual relacionados com a localidade/região. – pp. 191 a 194
1. Distinguir rede de transporte de modo de transporte.  Organização de um ficheiro temático de
4.1. Importância dos transportes na 2. Referir a importância das redes de transporte no conceitos.  Caderno das Perguntas
sociedade atual mundo atual.  Diálogo professor/aluno a partir da – Guia de Estudo n.o 22
3. Comparar as vantagens e as desvantagens da exploração de vários documentos.
Construção de conceitos: Utilização dos diferentes modos de transporte  Resolução do “Guia de Estudo” do Caderno  Recursos Digitais
Rede de transporte; modo de transporte; (rodoviário, ferroviário, marítimo, aéreo e fluvial). das Perguntas – PowerPoint® F
low-cost 4. Caracterizar a distribuição das diferentes redes de  Trabalhos extra-aula com o apoio de pais e – Guia de exploração dos Recursos Digitais
transporte em Portugal. familiares sobre temas em estudo.
5. Relacionar a distribuição das redes de transporte  Análise de notícias e imagens com linguagens
com a distribuição da população e atividades diversas evidenciando mudanças e
económicas. permanências ao longo do tempo.
6. Discutir os impactes do desenvolvimento da rede  Interpretação e análise de mapas de
de transportes. diferentes escalas e conteúdo.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Metas Curriculares
Conteúdos / Palavras-chave Objetivos gerais Experiências de aprendizagem Recursos
4.2. A importância das Objetivo geral 2.: Conhecer e compreender a  Realização de pequenos trabalhos de  Apontamentos de Didática
telecomunicações na sociedade atual importância das telecomunicações na sociedade atual pesquisa com recurso à Internet. – Ficha de trabalho de grupo (em Recusos
1. Definir rede de telecomunicação. Digitais)
Construção de conceitos: 2. Referir as vantagens da utilização dos serviços de  e-Manual
Rede de telecomunicações; aldeia global telecomunicação. – Realização de exercícios interativos
3. Associar o desenvolvimento dos serviços de – Observação e exploração de animações e
telecomunicação com o processo de globalização e outros recursos digitais
aparecimento do conceito de “aldeia global”.
4. Discutir a importância do desenvolvimento das
telecomunicações nas atividade humanas e
qualidade de vida.

Avaliação Diagnóstica – observação direta focada no levantamento das ideias prévias dos alunos.
Formativa – observação direta focada no interesse, participação oral e qualidade das intervenções, autonomia e empenho na realização das atividades, na resposta
às questões colocadas aos documentos, realização de tarefas para trabalho de casa.
Sumativa – trabalhos escritos.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Metas Curriculares
Conteúdos / Palavras-chave Objetivos gerais Experiências de aprendizagem Recursos
Subdomínio 5 – Lazer e património Objetivo geral 1.: Compreender a desigual distribuição  Recolha, pelos alunos, de elementos  Manual
da prática do lazer e do turismo a nível nacional relacionados com a localidade/região. – pp. 195 a 199
5.1. A desigual distribuição da prática 1. Definir lazer.  Organização de um ficheiro temático de
de lazer e do turismo 2. Localizar as áreas com maior oferta de equipamento conceitos.  Caderno das Perguntas
Construção de conceitos: Lazer; tipos culturais e desportivos diversos (teatros, cinemas,  Construção do “Trabalha o Espaço”. – Guia de Estudo n.o 22
de turismo museus, bibliotecas, pavilhões desportivos…).  Resolução do “Guia de Estudo” do Caderno – Trabalha o Espaço, p. 99
3. Justificar a desigual oferta na distribuição de das Perguntas. – Perguntas de Escolha Múltipla, pp. 102 e 103
equipamento cultural e desportivo.  Diálogo professor/aluno a partir da
4. Identificar o turismo como uma atividade de lazer. exploração de vários documentos.  Recursos Digitais
5. Identificar diferentes tipos de turismo em Portugal:  Trabalhos extra-aula com o apoio de pais e – PowerPoint® F
balnear / de montanha / religioso / termal / em familiares sobre temas em estudo. – Guia de exploração dos Recursos Digitais
espaço rural / de aventura / radical / histórico-  Análise de notícias e imagens com linguagens
cultural / de Natureza (…). diversas evidenciando mudanças e  Apontamentos de Didática
6. Localizar as áreas de maior atração / procura turística permanências ao longo do tempo. – Ficha de trabalho de grupo (em Recursos
em Portugal, destacando os fatores que justificam a  Interpretação e análise de mapas de Digitais)
sua atratividade / procura. diferentes escalas e conteúdo. – Fichas de Avaliação n.os 8A, 8B e 8C
7. Identificar atividades de lazer e turismo na região  Visita de estudo a monumento considerado
onde reside. Património Mundial da Humanidade.  e-Manual
 Realização de pequenos trabalhos de – Realização de exercícios interativos
5.2. A importância da preservação do Objetivo geral 2.: Compreender a importância da pesquisa com recurso à Internet. – Observação e exploração de animações e
património preservação do património outros recursos digitais
Construção de conceitos: Património; 1. Identificar diferentes tipos de património.
património natural/cultural; património 2. Localizar diferentes áreas de proteção da Natureza.  Revista “Brincar com Coisas Sérias”
cultural imaterial/material; áreas 3. Explicar a importância das áreas protegidas na – “Notícias que dão que pensar” e “Jogos que
protegidas preservação do património ambiental. dão para aprender” – Domínio F
4. Identificar medidas de preservação do património.
 Web
– www.turismodeportugal.pt/

Avaliação Diagnóstica – observação direta focada no levantamento das ideias prévias dos alunos.
Formativa – observação direta focada no interesse, participação oral e qualidade das intervenções, autonomia e empenho na realização das atividades, na resposta
às questões colocadas aos documentos, realização de tarefas para trabalho de casa.
Sumativa – Ficha de Avaliação n.o 8 ou outros trabalhos escritos.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Planos de aula

Domínio D – Portugal do Século XVII ao Século XIX


Subdomínio 1 O Império Português, o poder absoluto, a sociedade de ordens e a arte no século XVIII
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões orientadoras Avaliação
Conteúdos / Conceitos Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
1.1. As características do Império Objetivo geral 1: Conhecer e compreender Motivação  Recursos digitais  Observação
Português dos séculos XVII e XVIII as características do Império Português dos Exploração da imagem de abertura do Domínio D – – PowerPoint® de motivação ao centrada na
séculos XVII e XVIII Portugal do século XVIII ao século XIX: Subdomínio D1 progressiva
 O Império Português nos séculos – O que é o trono? – PowerPoint® D1 – O Império construção da noção
XVII e XVIII – Para que serve? Português, o poder absoluto, a de espaço.
 As riquezas do Brasil: o açúcar e – O que representa? sociedade de ordens e a arte no  Observação
o ouro 1. Diálogo professor/aluno a partir do mapa da fig. 1 século XVIII (Tópicos 1 a 4) centrada na
Questões orientadoras da aula: da pág. 11 do Manual: – Guia de exploração dos capacidade de
1. Como se caracteriza o Império Português – observação da área ocupada pelos Portugueses no PowerPoint® das págs. 3, 5 e comunicação.
no século XVIII? século XVIII; 6 dos “Recursos digitais” –
– comparação da dimensão do Império Português do Apontamentos de Didática
século XVI e do século XVIII;
Construção de conceitos: – localização dos territórios ocupados pelos outros  e-Manual
– Engenho impérios. – Interatividade “Império
2. Porque é que o Brasil se tornou tão 2. Leitura do texto informativo da pág. 11 e português no século XVIII”
importante para a economia portuguesa? exploração da fig. 2 das págs. 10 e 11 do Manual:
– identificação dos produtos explorados pelos
portugueses que estão representados na ilustração;
– destaque para quem faz os trabalhos pesados e para
quem os vigia;
– explicação de como era o processo de descoberta do
ouro.
3. Qual era a importância do açúcar para a 3. Leitura do texto informativo da pág. 12 e
economia portuguesa? exploração e análise das figs. 3, 4 e 5 da pág. 12 do
Manual:
– explicação de como é produzido o açúcar;
– análise dos valores de produção de açúcar no século
XVIII;
– identificação das partes que constituíam o domínio
de um “senhor de engenho”.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio D – Portugal do Século XVII ao Século XIX
Subdomínio 1 O Império Português, o poder absoluto, a sociedade de ordens e a arte no século XVIII
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões orientadoras Avaliação
Conteúdos / Conceitos Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
1.1. As características do Império Objetivo geral 1: Conhecer e compreender 1. Diálogo professor/aluno a partir das figs. 6, 7 e 8 da  Recursos digitais  Participação
Português dos séculos XVII e XVIII as características do Império Português dos pág. 13 do Manual: – PowerPoint® D1 – O Império oral e qualidade das
séculos XVII e XVIII – localização das áreas onde eram explorados ouro e Português, o poder absoluto, intervenções.
 As riquezas do Brasil: o açúcar Questões orientadoras da aula: pedras preciosas; a sociedade de ordens e a arte  Observação
e o ouro (continuação) 1. Que produto veio substituir o açúcar e – explicação da ação dos bandeirantes e da sua no século XVIII centrada na
 Os escravos africanos trazer grandes lucros para Portugal? importância para o reconhecimento do território (Tópico 4) aplicação de
brasileiro; – Guia de exploração dos conhecimentos e na
– destaque para o transporte e a quantidade de ouro PowerPoint® da pág. 6 dos resposta às questões
2. Como era a vida dos escravos africanos chegada ao reino. “Recursos digitais”– colocadas ao longo da
no Brasil? 2. Leitura do texto informativo e do doc. 1 da pág. 14 Apontamentos de Didática aula.
e exploração das figs. 9 a 14 das págs. 14 e 15 do  Realização
Manual:  e-Manual das tarefas indicadas
– identificação dos motivos que explicam a ida de – Animação “Os escravos para trabalho de casa.
Construção de conceitos: colonos e escravos africanos para o Brasil; africanos no Brasil”
– Tráfico de escravos; – análise dos números de colonos e de escravos – Animação “Os bandeirantes e o
– Bandeirantes; africanos que chegam ao Brasil, questionando a ouro do Brasil”
– Capitão do mato; proporção entre ambos os fluxos; – Slideshow “A multiculturalidade
– Mestiço – caracterização das condições de transporte e no Brasil atual”
comércio de escravos africanos nos séculos XVII e
XVIII;  Revista “Brincar com Coisas
3. Que relações se estabeleceram entre os – destaque para o papel desempenhado pelos Jesuítas Sérias”
diferentes povos? na defesa dos índios brasileiros. – Jogos que dão para aprender
3. Diálogo professor/aluno a partir da leitura da Pedras do Brasil
rubrica Atualmente da pág. 15 do Manual:
– destaque para a influência dos colonos portugueses,
escravos africanos e índios evidente na população
brasileira na atualidade.
Trabalho de casa:
– início da construção do Trabalha o Espaço:
realização das atividades propostas na pág. 8 do
Caderno das Perguntas.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio D – Portugal do Século XVII ao Século XIX
Subdomínio 1 O Império Português, o poder absoluto, a sociedade de ordens e a arte no século XVIII
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
1.2. As características do poder Objetivo geral 2: Conhecer e 1. Diálogo professor/aluno a partir das figs. 15 e 16 da pág. 16 e  Recursos digitais  Correção do
político no tempo de D. João V compreender as características do exploração do quadro da pág. 16 do Manual: – PowerPoint® D1 – O Império trabalho de casa da
poder político no tempo de D. João V – identificação, a partir do vestuário, adereços e pose, da riqueza e de Português, o poder absoluto, a aula anterior.
 A monarquia absoluta no Questões orientadoras da aula: ostentação do reinado de D. João V; sociedade de ordens e a arte  Observação
tempo de D. João V 1. Como se caracteriza o poder do – destaque para a coroa e o cetro reais como símbolos do poder no século XVIII (Tópico 5) centrada na
 As manifestações do poder rei D. João V? absoluto do rei; – Guia de exploração dos capacidade de
absoluto do rei – análise do número de reuniões de Cortes convocadas pelos reis PowerPoint® da pág. 6 dos estabelecer
presentes no quadro e o significado deste dados; “Recursos digitais – comparações
– abordagem da noção de monarquia absoluta a partir dos poderes Apontamentos de Didática entre épocas
atribuídos a D. João V. diferentes.
2. O que distingue o absolutismo da 2. Diálogo professor/aluno a partir da leitura da rubrica Atualmente  e-Manual  Observação
democracia? da pág. 16 do Manual: – Infografia “Monarquia centrada na
– comparação entre a forma de legitimar o poder de governar no absoluta utilização de
absolutismo e na democracia. e democracia” vocabulário
Construção de conceitos: 3. Quais eram as manifestações do 3. Leitura do texto informativo e exploração das figs. 17 a 22 das – Interatividade “O luxo na específico.
– Monarquia absoluta; poder utilizadas por D. João V? págs. 17 e 18 do Manual: corte
– Absolutismo joanino – destaque para o luxo e a ostentação das residências do monarca, de D. João V”
tendo por base o Palácio das Necessidades; – Animação “Real Convento de
– identificação das principais cerimónias públicas; Mafra”
– caracterização do luxo e da riqueza do coche real a partir dos
elementos decorativos;  Revista “Brincar com
– caracterização das grandes construções, como o Convento de Mafra Coisas
e o Aqueduto das Águas Livres; Sérias”
– reconhecimento das grandes construções como manifestação do – Notícias que dão que pensar
poder absoluto e da riqueza do rei. A mania dos óculos As
4. Diálogo professor/aluno a partir da análise da rubrica Ver e Tocar “cortesias” a cavalo
o Passado das págs. 32 e 33 do Manual: Uma “engenhoca voadora”
– exploração de O salão de festas de D. João V, com destaque para o As obras de Santa Engrácia
ambiente, os objetos, o vestuário e a postura dos convidados e do rei. Cada época tem os seus
5. Diálogo professor/aluno a partir da exploração do desdobrável códigos…
temático do final do Manual Ver e Tocar o Passado “Real Convento Os “confrades” do vinho do
de Mafra”: Porto

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
– caracterização das divisões do edifício e dos elementos decorativos; – Jogos que dão para aprender
– análise do vestuário e das regras de etiqueta. Um rei poderoso

Domínio D – Portugal do Século XVII ao Século XIX


Subdomínio 1 O Império Português, o poder absoluto, a sociedade de ordens e a arte no século XVIII
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
1.3. A sociedade portuguesa no Objetivo geral 3: Conhecer a sociedade  Recursos digitais  Observação
século XVIII portuguesa no século XVIII – PowerPoint® D1 – O Império centrada no interesse
Questões orientadoras da aula: Português, o poder absoluto, a e participação no
 A divisão da sociedade em 1. Como se caracteriza a sociedade 1. Diálogo professor/aluno a partir da exploração das figs. 23 a sociedade de ordens e a arte no diálogo.
grupos portuguesa no século XVIII? 27 das págs. 19 e 20 do Manual: século XVIII (Tópico 6)  Observação
 A Inquisição e a intolerância – identificação da nobreza como grupo social privilegiado, tendo – Guia de exploração dos centrada na aquisição
religiosa no século XVIII em conta as suas funções, o seu vestuário e as suas casas; PowerPoint® da pág. 6 dos de conhecimentos.
– destaque para a Casa de Bragança como a casa nobre mais “Recursos digitais”  Observação
importante; – Apontamentos de Didática centrada na
– distinção do estatuto dos diversos membros do clero; capacidade de
– compreensão da importância da emigração para o Brasil das  e-Manual tratamento de
classes populares, como forma de contornar as dificuldades em – Interatividade “A sociedade diferentes tipos de
que viviam. portuguesa no século XVIII” informação.
2. Em que aspetos da vida se 2. Leitura do texto informativo das págs. 19 e 20 e exploração e – Animação “Intolerância
evidenciava a forte estratificação análise da fig. 28 da pág. 21 do Manual: religiosa na sociedade do século
Construção de conceitos: social da época? – destaque para os aspetos da vida quotidiana da nobreza, do XVIII”
– Solar; clero e do povo;
– Nova nobreza; – identificação dos aspetos diferenciadores de cada grupo social,
– Inquisição; tendo em conta o vestuário, o modo de vida, a lei e o lugar que
– Auto de fé ocupam nas cerimónias públicas.
3. Qual era o papel da Inquisição? 3. Leitura do texto informativo da pág. 21 e exploração e análise
da fig. 29 da pág. 21 do Manual:
– análise das cerimónias de auto de fé através da identificação das
principais vítimas e dos locais onde eram realizados;
– destaque para o papel da Inquisição na perseguição aos cristãos-
novos, evidenciando a intolerância religiosa dessa época.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio D – Portugal do Século XVII ao Século XIX
Subdomínio 1 O Império Português, o poder absoluto, a sociedade de ordens e a arte no século XVIII
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
1.4. A arte no tempo de D. João Objetivo geral 4: Conhecer aspetos da  Recursos digitais  Observação
V arte no tempo de D. João V – PowerPoint® D1 – O Império centrada na
Questões orientadoras da aula: Português, o poder absoluto, a capacidade de
Características e exemplos da 1. Como se caracteriza a arte barroca? 1. Diálogo professor/aluno a partir da exploração das figs. 30 a sociedade de ordens e a arte no organização da
arte barroca 32 da pág. 22 do Manual: século XVIII (Tópico 7) informação.
– caracterização da arte barroca através dos aspetos verificados – Guia de exploração dos  Observação
nas figuras, tais como os revestimentos utilizados na maioria das PowerPoint® da pág. 6 dos centrada no
igrejas e palácios: a talha dourada, os azulejos e os mármores. “Recursos digitais” empenhamento
– Apontamentos de Didática demonstrado na
realização das tarefas.
 e-Manual
Construção de conceitos: 2. Quais são os principais exemplos de 2. Exploração da rubrica Investiga da pág. 22 do Manual: – Interatividade “A arte barroca”
– Arte barroca arte barroca em Portugal? – investigação conjunta professor/alunos das construções – Vídeo tutorial “Arte barroca”
portuguesas do século XVIII: a Igreja dos Clérigos e o Palácio do
Freixo (no Porto); a Igreja da Falperra e o Palácio do Raio (em
Braga); o Solar de Mateus (em Vila Real); a Igreja de S. Domingos
(em Viana do Castelo); a Igreja de Almancil (no Algarve); o Palácio
Galveias (em Lisboa), entre outras, tendo em consideração os
aspetos característicos do Barroco.
Trabalho de casa:
– Trabalha o Tempo: realização das atividades propostas na pág. 9
do Caderno das Perguntas;
– realização das atividades do Guia de Estudo n.o 1 do Caderno
das Perguntas, pág. 10.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio D – Portugal do Século XVII ao Século XIX
Subdomínio 1 O Império Português, o poder absoluto, a sociedade de ordens e a arte no século XVIII
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
1.5. A ação governativa do Objetivo geral 5: Conhecer e  Recursos digitais  Correção do
Marquês de Pombal compreender a ação governativa do – PowerPoint® D1 – O Império trabalho de casa da
Marquês de Pombal Português, o poder absoluto, a aula anterior.
 O terramoto de 1755 e a Questões orientadoras da aula: sociedade de ordens e a arte no  Observação
Lisboa pombalina 1. Como era situação económica do 1. Leitura do texto informativo da pág. 23 e exploração e século XVIII (Tópicos 8 e 9) centrada no interesse
país durante o reinado de D. José I? análise das figs. 33 e 34 da pág. 23 do Manual: – Guia de exploração dos e participação no
– análise da situação económica de Portugal antes da subida PowerPoint® da pág. 7 dos diálogo.
ao trono de D. José I; “Recursos digitais”  Observação
– destaque para a escassez do ouro vindo do Brasil e a ostentação – Apontamentos de Didática centrada na aplicação
do poder da corte e dos seus monarcas como as causas da grave de conhecimentos
crise financeira;  e-Manual e na resposta às
Construção de conceitos: – explicação da importância da nomeação de Sebastião José de – Slideshow “A Lisboa questões colocadas
– Lisboa pombalina Carvalho e Melo para ministro de D. José I. Pombalina” ao longo da aula.
2. Qual foi a ação do Marquês de 2. Diálogo professor/aluno a partir da exploração da fig. 35 e
Pombal após o terramoto de 1755? leitura do doc. 2 da pág. 24 do Manual:
– destaque para o clima de horror vivenciado no terramoto
do dia 1 de novembro de 1755;
– análise da destruição, do incêndio, do terror, das pilhagens,
do número de mortos e dos prejuízos como consequências do
terramoto de 1755;
– identificação das principais medidas tomadas pelo Marquês de
Pombal após o terramoto de 1755.
3. Quais são as características 3. Diálogo professor/aluno a partir da exploração das figs. 36 a
urbanísticas da Lisboa pombalina? 38 da pág. 25 do Manual:
– caracterização da Lisboa pombalina a partir do exemplo da Praça
do Comércio;
– destaque para a contribuição dos cafés e botequins para a
divulgação de novas ideias e notícias.
Trabalho de casa:
– Trabalha o Espaço: realização das atividades propostas na pág.
12 do Caderno das Perguntas.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio D – Portugal do Século XVII ao Século XIX
Subdomínio 1 O Império Português, o poder absoluto, a sociedade de ordens e a arte no século XVIII
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
1.5. A ação governativa do Objetivo geral 5: Conhecer e  Recursos digitais  Correção do
Marquês de Pombal compreender a ação governativa do – PowerPoint® D1 – O Império trabalho de casa da
Marquês de Pombal Português, o poder absoluto, a aula anterior.
 Medidas de Questões orientadoras da aula: sociedade de ordens e a arte no  Observação
desenvolvimento económico 1. Quais foram as principais medidas 1. Leitura do texto informativo e do doc. 3 da pág. 27 e século XVIII (Tópico 10 e Síntese centrada no interesse
 Reformas na sociedade e de desenvolvimento económico exploração e análise das figs. 39 a 43 das págs. 26 e 27 do de conteúdos) e participação no
no ensino adotadas no reinado de D. José I? Manual: – Guia de exploração dos diálogo
– localização das principais indústrias do século XVIII; PowerPoint® da pág. 7 dos  Observação
– destaque para a criação de companhias comerciais como “Recursos digitais” centrada na aplicação
medidas de fomento do comércio. – Apontamentos de Didática de conhecimentos
2. Quais foram as principais reformas e na resposta às
na sociedade e no ensino? 2. Diálogo professor/aluno a partir da exploração das figs. 43 a  e-Manual questões colocadas
50, págs. 27 a 29, e leitura do doc. 4 da pág. 28 do Manual: – Interatividade “As reformas ao longo da aula.
Construção de conceitos: – caracterização das reformas de Marquês de Pombal na do Marquês de Pombal”
– Companhia comercial; sociedade e no ensino;
– Monopólio; – destaque para o exemplo de tortura e execução dos Távoras
– Cristão-novo; como forma de perseguição da nobreza;
– Cristão-velho – análise das reformas no ensino ao nível da criação de escolas e
da reforma da Universidade.
Diálogo aberto/síntese de conteúdos:
– análise do esquema Em resumo da pág. 30 do Manual.
Trabalho individual:
– resolução do Avalia o essencial da pág. 31 do Manual.
Trabalho de casa:
– Trabalha o Tempo: realização das atividades propostas na pág.
13 do Caderno das Perguntas;
– realização do Guia de Estudo n.o 2 do Caderno das Perguntas,
pág.14;
– resolução das Perguntas de Escolha Múltipla das págs. 16 e 17
do Caderno das Perguntas.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio D – Portugal do Século XVII ao Século XIX
Subdomínio 2 A Revolução Francesa de 1789 e os seus reflexos em Portugal
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões orientadoras Avaliação
Conteúdos / Conceitos Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
2.1. A Revolução Francesa e as Objetivo geral 1: Conhecer e compreender a Motivação  Recursos digitais  Observação
invasões napoleónicas Revolução Francesa e as invasões Exploração da imagem de abertura do subdomínio – PowerPoint® de motivação centrada no interesse
napoleónicas D2 – A Revolução Francesa de 1789 e os seus reflexos ao Subdomínio D2 e participação no
A grande revolução de 1789 em Portugal: – PowerPoint® D2 – A Revolução diálogo.
– Que ambiente está representado na ilustração? Francesa de 1789 e os seus  Observação
– Quais são as forças em confronto e as armas reflexos em Portugal (Tópicos centrada na
utilizadas? 1 e 2) capacidade de
– Que edifícios estão representados ao fundo? – Guia de exploração dos recolher e tratar
Construção de conceitos: Questões orientadoras da aula: PowerPoint® das págs. 3 e 8 dos diferentes tipos de
– Revolução Francesa 1. Que razões conduziram à Revolução 1. Diálogo professor/aluno a partir da leitura do texto “Recursos digitais – informações.
Francesa de 1789? informativo da pág. 35 e exploração das figs. 1 e 2 da Apontamentos de Didática
págs. 34 e 35 do Manual
– caracterização da situação vivida em França antes da  e-Manual
revolução; – Animação “A Revolução
– identificação dos principais revolucionários e dos Francesa”
2. De que modo é que foi conduzida a seus propósitos;
revolução?
2. Leitura dos dois primeiros parágrafos do texto
informativo e análise da fig. 3 da pág. 36 do Manual:
– destaque para a morte pelos revolucionários dos reis
Luís XVI e Maria Antonieta;
– explicação da ação dos revolucionários.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio D – Portugal do Século XVII ao Século XIX
Subdomínio 2 A Revolução Francesa de 1789 e os seus reflexos em Portugal
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões orientadoras Avaliação
Conteúdos / Conceitos Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
2.1. A Revolução Francesa e as Objetivo geral 1: Conhecer e compreender a 1. Leitura do texto informativo e análise do mapa da  Recursos digitais  Observação
invasões napoleónicas Revolução Francesa e as invasões fig. 4 da pág. 36 do Manual: – PowerPoint® D2 – A Revolução centrada na
napoleónicas – explicação do que foi o Bloqueio Continental através Francesa de 1789 e os seus capacidade de
da linha representada no mapa da fig. 4; reflexos em Portugal (Tópicos 2 e recolha de
 Napoleão Bonaparte e o Questões orientadoras da aula: – identificação do principal objetivo do Bloqueio 3) informações a partir
Bloqueio Continental 1. Qual era o objetivo do Bloqueio Continental e explicação; – Guia de exploração dos de um mapa.
 A fuga da família real e da corte Continental? – identificação dos países que foram dominados pelas PowerPoint® da pág. 8 dos  Observação
para o Brasil tropas de Napoleão Bonaparte. “Recursos digitais – centrada na aplicação
2. Quais foram os motivos que levaram as 2. Leitura do texto informativo e do texto 1 e Apontamentos de Didática de conhecimentos e
tropas napoleónicas a invadir Portugal? exploração da fig. 5 da pág. 37 do Manual: na resposta às
– justificação da posição de Portugal perante o  e-Manual questões colocadas
Bloqueio Continental; – Slideshow “O bloqueio ao longo da
Construção de conceitos: – identificação da primeira cidade portuguesa em que continental” aula.
– Bloqueio Continental; as tropas francesas entraram; – Animação “A fuga da família
– Invasão napoleónica – explicação da primeira invasão napoleónica. real e a resistência popular”
3. Qual foi o motivo para a família real ter 3. Diálogo professor/aluno a partir da leitura do texto – Interatividade “As invasões
fugido para o Brasil? 2 e da exploração das figs. 6 e 7 das págs. 37 e 38 do napoleónicas”
Manual:
– explicação da regência do reino ter ficado à
responsabilidade do príncipe D. João;
– destaque para a posição das tropas francesas na
cidade de Abrantes;
– explicação da partida da corte real para o Brasil no
sentido de garantir que os monarcas não seriam
presos;
– identificação de alguns pormenores do embarque na
família real na Praça do Comércio em Lisboa e da sua
viagem atribulada até ao Rio de Janeiro;
– explicação do papel desempenhado pela Junta de
Regência.
Trabalho de casa:
– Trabalha o Tempo: realização das atividades
propostas na pág. 19 do Caderno das Perguntas.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio D – Portugal do Século XVII ao Século XIX
Subdomínio 2 A Revolução Francesa de 1789 e os seus reflexos em Portugal
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
2.1. A Revolução Francesa e Objetivo geral 1: Conhecer e  Recursos digitais  Correção do
as invasões napoleónicas compreender a Revolução Francesa e – PowerPoint® D2 - A Revolução trabalho de casa da
as invasões napoleónicas Francesa de 1789 e os seus aula anterior.
Questões orientadoras da aula: reflexos em Portugal (Tópico 3)  Observação
 A resistência popular e a 1. Que medidas foram tomadas pelo 1. Diálogo professor/aluno a partir da exploração das figs. 8 a 12 – Guia de exploração dos centrada no interesse
ajuda inglesa general Junot? das págs. 39 e 40 do Manual: PowerPoint® da pág. 8 dos e participação no
– identificação das quatro localidades portuguesas que “Recursos digitais – diálogo.
ofereceram resistência às tropas napoleónicas; Apontamentos de Didática  Observação
– descrição da destruição e da violência exercida pelas tropas centrada no
napoleónicas;  e-Manual desempenho das
– caracterização das medidas impostas pelo general Junot; – Interatividade “As invasões tarefas escritas.
Construção de conceitos: – localização dos principais focos de resistência popular durante a napoleónicas”
– Resistência; 1.ª invasão.
– Saque 2. Como se caracterizou a resistência 2. Leitura do texto informativo e do doc. 1 da pág. 40 e
contra a ocupação francesa? exploração das figs. 11 a 13 da pág. 40:
– destaque para a chegada de tropas inglesas para auxiliarem
Portugal;
– localização do itinerário da 2.a invasão napoleónica;
– destaque para a importância dos populares contra a ocupação
francesa.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio D – Portugal do Século XVII ao Século XIX
Subdomínio 2 A Revolução Francesa de 1789 e os seus reflexos em Portugal
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
2.1. A Revolução Francesa e Objetivo geral 1: Conhecer e  Recursos digitais  Observação
as invasões napoleónicas compreender a Revolução Francesa e – PowerPoint® D2 – A Revolução centrada na
as invasões napoleónicas Francesa de 1789 e os seus participação oral e na
 A resistência popular e a reflexos em Portugal (Tópico 3) qualidade das
ajuda inglesa Questões orientadoras da aula: – Guia de exploração dos intervenções.
1. Como se caracterizou a 3.ª invasão? 1. Leitura do texto informativo e exploração das figs. 13 a PowerPoint® da pág. 8 dos  Realização
15 das págs. 40 e 41: “Recursos digitais – de atividades ao
– localização do itinerário da 3.a invasão napoleónica a Apontamentos de Didática longo da aula.
Portugal;
– explicação da estratégia utilizadas pelas tropas luso-inglesas  e-Manual
com as “linhas de Torres Vedras”; – Interatividade “As invasões
– identificação dos fortes mais importantes na defesa da napoleónicas”
cidade de Lisboa;
– localização no tempo da retirada definitiva dos franceses  Revista “Brincar com Coisas
de Portugal; Sérias”
– identificação de monumentos comemorativos aos heróis – Notícias que dão que pensar
da Guerra Peninsular. A liberdade tem símbolos?
Os livros proibidos!...
Trabalho de aula: Que deve votar?
– Trabalha o Espaço: realização das atividades propostas na – Jogos que dão para aprender
pág. 18 do Caderno das Perguntas. As palavras erradas
– Trabalha o Tempo: realização das atividades propostas na
pág. 19 do Caderno das Perguntas.

Trabalho de casa:
– realização do Guia de Estudo n.o 3 na pág. 20 do Caderno
das Perguntas.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio D – Portugal do Século XVII ao Século XIX
Subdomínio 2 A Revolução Francesa de 1789 e os seus reflexos em Portugal
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
2.2. A Revolução Liberal de Objetivo geral 2: Conhecer e  Recursos digitais  Correção do
1820 compreender a Revolução Liberal de – PowerPoint® D2 – A Revolução trabalho de casa da
1820 Francesa de 1789 e os seus aula anterior.
 Razões que levaram à Questões orientadoras da aula: reflexos em Portugal (Tópicos 4 e
revolução 1. Quais eram as razões do 1. Diálogo professor/aluno a partir da leitura do texto 5)  Observação
 A preparação e o triunfo da descontentamento da população informativo e exploração das figs. 16 e 17 da pág. 42 do – Guia de exploração dos centrada no interesse
revolução portuguesa? Manual: PowerPoint® da pág. 9 dos e participação no
– explicação das razões que motivavam o descontentamento “Recursos digitais – diálogo.
da população portuguesa; Apontamentos de Didática
– destaque para a conspiração levada a cabo por Gomes  Observação
Freire de Andrade;  e-Manual centrada na aplicação
– relevância para o papel desempenhado pelo Sinédrio e – Animação “A Revolução Liberal de conhecimentos e
Construção de conceitos: quem o constituía; de 1820” na resposta às
– Movimento revolucionário; – explicação de como foi organizada e preparada a Revolução – Animação “Geografia de uma questões colocadas
– Revolução Liberal Liberal. revolução – 1820” ao longo da aula.
2. Leitura do texto informativo e do doc. 2 da pág. 43 e
exploração das figs. 18 e 19 da pág. 43 do Manual:
2. A que se deveu o triunfo da – identificação dos objetivos dos revolucionários;
Revolução Liberal em Portugal, em – destaque para a proclamação lida pelo coronel Sepúlveda;
1820? – caracterização da forma como a população do Porto reagiu
à passagem das tropas revolucionárias;
– identificação dos protagonistas da Revolução Liberal.
3. Diálogo professor/aluno a partir da análise da rubrica
Ver e Tocar o Passado das págs. 54 e 55 do Manual:
– identificação dos objetos presentes num café do início do
século XIX;
– caracterização do vestuário e postura dos diversos personagens
representados na ilustração.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio D – Portugal do Século XVII ao Século XIX
Subdomínio 2 A Revolução Francesa de 1789 e os seus reflexos em Portugal
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
2.2. A Revolução Liberal de 1820 Objetivo geral 2: Conhecer e  Recursos digitais  Observação
compreender a Revolução Liberal de – PowerPoint® D2 – A Revolução centrada no interesse
A preparação e o triunfo da 1820 Francesa de 1789 e os seus e participação no
revolução reflexos em Portugal (Tópico 6) diálogo.
Questões orientadoras da aula: 1. Leitura do texto informativo e exploração da fig. 20 da – Guia de exploração dos
As eleições para as Cortes 1. Quem ficou a governar o país após a pág. 44 do Manual: PowerPoint® da pág. 9 dos  Observação
Constituintes saída dos ingleses? – identificação da “Junta Provisional de Governo do Reino” “Recursos digitais – centrada na aplicação
como o primeiro governo provisório após a revolução. Apontamentos de Didática de conhecimentos e
na resposta às
2. Leitura do texto informativo e exploração da fig. 21 da  Revista “Brincar com questões colocadas
2. Como se procedeu à elaboração de pág. 44 do Manual: Coisas Sérias” ao longo da aula.
uma Constituição? – identificação das medidas tomadas pelo governo provisório; – Notícias que dão que pensar
Construção de conceitos: – destaque para as primeiras eleições realizadas em Portugal Quem deve votar?
– Movimento revolucionário; em dezembro de 1820. – Jogos que dão para aprender
– Revolução Liberal; Trabalho de casa: A caderneta dos cromos
– Cortes Constituintes; – Trabalha o Espaço: realização das atividades propostas na
– Constituição pág. 22 do Caderno das Perguntas.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio D – Portugal do Século XVII ao Século XIX
Subdomínio 2 A Revolução Francesa de 1789 e os seus reflexos em Portugal
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
2.3. As consequências da Objetivo geral 3: Conhecer e  Recursos digitais  Correção do
Revolução Liberal de 1820 compreender as consequências da – PowerPoint® D2 – A Revolução trabalho de casa da
Revolução Liberal de 1820 Francesa de 1789 e os seus aula anterior.
Questões orientadoras da aula: reflexos em Portugal (Tópicos 7 e
 O regresso da família real 1. Porque é que D. João regressou a 1. Leitura do texto informativo e exploração das figs. 22 e 8)  Observação
 O carácter revolucionário da Portugal? 23 da pág. 45 do Manual: – Guia de exploração dos centrada no interesse
Constituição de 1822 – explicação do regresso do rei D. João VI a Portugal; PowerPoint® das págs. 9 e 10 dos e participação no
– destaque para a Constituição elaborada pelos liberais que “Recursos digitais – diálogo.
D. João VI jurou a 1 de outubro de 1822. Apontamentos de Didática
 Capacidade
 e-Manual de interpretação de
2. Porque é que se diz que a 2. Diálogo professor/aluno a partir da leitura do doc. 3 da – Interatividade “A Constituição documentos
Construção de conceitos: Constituição de 1822 é revolucionária? pág. 46 e da exploração da fig. 24 da pág. 46 do Manual: de 1822” diversificados.
– Constituição; – explicação dos princípios estabelecidos pela Constituição
– Monarquia absoluta; de 1822;  Revista “Brincar com
– Monarquia liberal – justificação do carácter liberal; Coisas Sérias”
– explicação do início da monarquia liberal em Portugal, com – Notícias que dão que pensar
a instituição da Constituição de 1822. A conspiração da rainha

3. Quais são as principais diferenças 3. Análise do esquema da fig. 25 da pág. 46 do Manual:


entre a monarquia absoluta e a – comparação entre os princípios de monarquia absoluta e
monarquia liberal? os da monarquia liberal.
Trabalho de casa:
– realização do Guia de Estudo n.o 4 da pág. 23 do Caderno
das Perguntas.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio D – Portugal do Século XVII ao Século XIX
Subdomínio 2 A Revolução Francesa de 1789 e os seus reflexos em Portugal
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
2.3. As consequências da Objetivo geral 3: Conhecer e  Recursos digitais  Correção do
Revolução Liberal de 1820 compreender as consequências da – PowerPoint® D2 – A Revolução trabalho de casa de
Revolução Liberal de 1820 Francesa de 1789 e os seus aula anterior.
 A independência do Brasil Questões orientadoras da aula: reflexos em Portugal (Tópicos 9 e
 A atitude de D. Pedro 1. Em que medida é que o Brasil 1. Leitura do texto informativo da pág. 47 e exploração das 10)  Observação
beneficiou com a permanência da figs. 26 e 27 da pág. 47 do Manual: – Guia de exploração dos centrada no interesse
corte portuguesa? – caracterização do Brasil durante os catorze anos da permanência PowerPoint® da pág. 10 dos e participação no
da corte portuguesa tendo em conta o desenvolvimento ao nível “Recursos digitais – diálogo.
das infraestruturas, equipamentos e dos vários setores de Apontamentos de Didática
atividade;  Observação
– destaque para o desenvolvimento do comércio no Brasil e  e-Manual centrada na
Construção de conceitos: consequente aparecimento de uma burguesia rica e poderosa. – Animação “O processo de capacidade de
– “grito do Ipiranga”; independência do Brasil” analisar documentos
– independência do Brasil com mensagens
diversificadas.
2. Que medidas foram decretadas 2. Leitura do texto informativo da pág. 47 e exploração da
pelas Cortes Constituintes em relação fig. 28 da pág. 47 do Manual:
ao Brasil? – explicação da entrega da regência do Brasil ao príncipe
D. Pedro;
– identificação das medidas decretadas pelas Cortes Constituintes;
– explicação da decisão de D. Pedro face a estas exigências.

3. Qual foi o significado do “grito do 3. Leitura do texto informativo e do texto 3 da pág. 48 e


Ipiranga”? exploração da fig. 29 da pág. 48 do Manual:
– explicação dos motivos pelos quais o príncipe D. Pedro declarou
a independência do Brasil;
– identificação das medidas tomadas por D. Pedro no sentido
de instituir uma monarquia liberal no Brasil.
Trabalho de casa:
– Trabalha o Espaço: realização das tarefas propostas na
pág. 25 do Caderno das Perguntas.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio D – Portugal do Século XVII ao Século XIX
Subdomínio 2 A Revolução Francesa de 1789 e os seus reflexos em Portugal
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
2.4. O processo de Objetivo geral 4: Conhecer o 1. Diálogo professor/aluno a partir da leitura do texto informativo e exploração das  Recursos digitais  Correção do
afirmação da longo processo da afirmação figs. 30 e 31 da pág. 49 do Manual: – PowerPoint® D2 – A trabalho de casa
Monarquia Liberal da monarquia liberal – destaque para a organização das primeiras conspirações contra o regime liberal; Revolução Francesa de 1789 aula anterior.
Questões orientadoras da – explicação do processo de abdicação do trono por D. Pedro em favor de sua filha e e os seus reflexos em
 As primeiras aula: entrega da regência a D. Miguel; Portugal (Tópicos 11, 12, 13,  Observação
conspirações 1. Qual foi a solução – justificação da decisão de D. Pedro relativamente à sucessão do trono do Reino de 14 e Síntese de conteúdos) centrada no
absolutistas encontrada Portugal. – Guia de exploração dos interesse e
 A guerra civil e o por D. Pedro após a morte 2. Leitura do texto informativo e do doc. 4 das págs. 49 a 51 e exploração das figs. 32 PowerPoint® das págs. 10 e participação no
triunfo da monarquia de D. João VI? a 36 das págs. 49 a 51 do Manual: 11 diálogo.
liberal 2. O que deu origem à guerra – destaque para a autoaclamação de D. Miguel como rei absoluto e formação de dois dos “Recursos digitais
civil? grupos rivais; – Apontamentos de Didática  Observação
– identificação dos grupos em confronto; centrada na
– identificação das razões que estiveram na origem da guerra civil;  e-Manual capacidade de
– destaque para a atitude que tomou D. Pedro ao saber a situação vivida em Portugal; – Animação “O regresso à análise de mapas.
– compreensão da importância de Angra do Heroísmo como reduto do liberalismo em monarquia absoluta”
Construção de conceitos: Portugal. – Friso “A guerra civil de
– Guerra civil; 3. Diálogo professor/aluno a partir da leitura do texto 5 da pág. 50 e a exploração das 1832-1834”
– Monarquia liberal figs. 34 a 36 das págs. 50 e 51 do Manual:
– destaque para a ocupação da cidade do Porto pelos liberais;  Revista “Brincar com
3. Como se desenrolaram os – caracterização da estratégia militar escolhida pelos miguelistas; Coisas Sérias”
acontecimentos da guerra – identificação dos movimentos das tropas liberais e absolutistas; – Notícias que dão que
civil que opôs liberais e – explicação da guerra entre liberais e absolutistas ser considerada uma “guerra civil”; pensar
absolutistas? – destaque para a Convenção de Évora Monte como o acordo que pôs fim à guerra civil Um cognome para o Porto
em Portugal. Já tem pronto a vestir?
Diálogo aberto/síntese de conteúdos:
– análise do esquema Em resumo da pág. 52 do Manual.
Trabalho individual:
– resolução do Avalia o essencial da pág. 53 do Manual.
Trabalho de casa:
– Trabalha o Tempo: realização das tarefas propostas na pág. 26 do Caderno das
Perguntas;
– realização do Guia de Estudo n.o 5 da pág. 27 do Caderno das Perguntas;
– resolução das Perguntas de Escolha Múltipla, das págs. 29 e 30 do Caderno das
Perguntas.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio D – Portugal do Século XVII ao Século XIX
Subdomínio 3 Portugal na segunda metade do século XIX
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões orientadoras Avaliação
Conteúdos / Conceitos Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
3.1. A modernização das atividades Objetivo geral 1: Conhecer e compreender o Motivação  Recursos digitais  Observação
produtivas processo de modernização das atividades Exploração da imagem de abertura do subdomínio – PowerPoint® de motivação centrada na
produtivas portuguesas na segunda metade D3 – Portugal na segunda metade do século XIX: ao Subdomínio D3 capacidade de
 O período da modernização do século XIX – Quais são as atividades desempenhadas pelos – PowerPoint® D3 – Portugal recolha e tratamento
 A modernização da agricultura trabalhadores? na segunda metade do século de diferentes tipos de
– Que utensílios agrícolas e maquinaria estão XIX (Tópicos 1 e 2) informação.
Questões orientadoras da aula: representados na ilustração? – Guia de exploração dos
1. Em que contexto surgiu o período de 1. Diálogo professor/aluno a partir da litura do texto PowerPoint® das págs. 3 e  Observação
modernização em Portugal? informativo e da exploração das fig. 1 da pág. 57 do 12 dos “Recursos digitais” – centrada no interesse
Construção de conceitos: Manual: Apontamentos de Didática e participação no
– Modernização; – caracterização da conjuntura política, económica e diálogo.
– Baldio; social na primeira metade do século XIX;  e-Manual
– Mecanização – destaque para os reinados de D. Maria II, D. Pedro V, – Animação “Portugal na  Observação
D. Luís I e D. Carlos, durante os quais ocorreram as segunda metade do século XIX” centrada na
principais mudanças e inovações. – Friso “Cronologia: 4.ª dinastia capacidade de
2. Quais foram as principais medidas 2. Leitura do texto informativo das págs. 58 e 59, do (1640-1910)” recolha de
tomadas pelos liberais para a modernização doc. 1 e exploração das figs. 3 a 6 das págs. 58 e 59 – Animação “Portugal na segunda informações a partir
da agricultura portuguesa? do Manual: metade do século XIX: do texto e imagens.
– localização das áreas cultivadas (agrícolas e modernização da agricultura”
florestais) e das áreas incultas (charnecas, cumeadas
dos montes e zonas arenosas);  Revista “Brincar com Coisas
– identificação das medidas tomadas no sentido de Sérias”
dividir a terra e de modernizar a agricultura; – Notícias que dão que pensar
– destaque para as zonas mais beneficiadas com a Uma mulher de armas!!!
mecanização; Uma desgraça nunca vem só!...
– explicação do motivo pelo qual os trabalhadores de
Santarém receavam as máquinas agrícolas.
Trabalho de casa:
– Trabalha o Espaço: realização das atividades
propostas nas págs. 31 e 32 do Caderno das Perguntas.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio D – Portugal do Século XVII ao Século XIX
Subdomínio 3 Portugal na segunda metade do século XIX
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões orientadoras Avaliação
Conteúdos / Conceitos Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
3.1. A modernização das atividades Objetivo geral 1: Conhecer e compreender  Recursos digitais  Correção do
produtivas o processo de modernização das atividades – PowerPoint® D3 – Portugal na trabalho de casa da
produtivas portuguesas na segunda metade segunda metade do século XIX aula anterior.
A modernização da indústria do século XIX (Tópicos 3 e 4)
Questões orientadoras da aula: – Guia de exploração dos  Observação
1. Quais foram as principais medidas 1. Diálogo professor/aluno a partir da leitura do texto PowerPoint® das págs. 12 e 13 centrada no interesse
tomadas pelos liberais para a modernização informativo e da exploração das figs. 7 a 9 da pág. 60 dos “Recursos digitais” e participação no
da indústria portuguesa? do Manual: – Apontamentos de Didática diálogo.
– destaque para a importância da máquina a vapor
para a modernização da indústria;  e-Manual  Observação
– análise do número de máquinas a vapor utilizadas na – Animação “Portugal na segunda centrada na
indústria portuguesa; metade do século XIX: capacidade de
– identificação das principais vantagens da produção desenvolvimento industrial” reconhecer
Construção de conceitos: industrial; testemunhos do
– Indústria; – caracterização das fábricas após a modernização da  Revista “Brincar com património industrial
– Máquina a vapor; indústria e das condições de trabalho. Coisas Sérias” regional.
– Património industrial 2. Em que aspetos se verificaram as grandes 2. Leitura do doc. 2 da pág. 61 e exploração das figs. – Jogos que dão para aprender
mudanças no setor industrial? 10 a 12 do Manual: Ajuda o mineiro do século XIX
– destaque para as duas zonas industriais em Portugal,
nos finais do século XIX;
– identificação das três localidades em Lisboa mais
industrializadas;
– distinção entre a produção artesanal e a produção
industrial.
Trabalho de casa:
– Trabalha o Espaço: realização das tarefas propostas
na pág. 33 do Caderno das Perguntas;
– realização do Guia de Estudo n.o 6 da pág. 34 do
Caderno das Perguntas;
– realização das atividades propostas na secção
Investiga sobre “o Património industrial” da
localidade/região dos alunos, propostas na pág. 94 do
Caderno das Perguntas.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio D – Portugal do Século XVII ao Século XIX
Subdomínio 3 Portugal na segunda metade do século XIX
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
3.2. O desenvolvimento das Objetivo geral 2: Conhecer o  Recursos digitais  Correção do
vias de comunicação e dos meios desenvolvimento das vias de – PowerPoint® D3 – Portugal na trabalho de casa da
de transporte comunicação e dos meios de segunda metade do século XIX aula anterior.
transporte operado pela Regeneração (Tópico 5)
A circulação de pessoas e e os seus efeitos – Guia de exploração dos  Observação
mercadorias Questões orientadoras da aula: PowerPoint® da pág. 13 dos centrada na
1. Quem foi o principal responsável 1. Diálogo professor/aluno a partir da exploração das “Recursos digitais” capacidade de
pela modernização das vias de fig. 13 a 16 das págs. 62 e 63 do Manual: – Apontamentos de Didática recolha de
comunicação no século XIX? – caracterização das vias de comunicação na primeira metade do informações a partir
século XIX;  e-Manual do texto e imagens.
Construção de conceitos: – destaque para a ação de Fontes Pereira de Melo na – Animação “Portugal na segunda
– Mala-posta; modernização das vias de comunicação no século XIX; metade do século XIX: a ação de  Observação
– Linhas de caminho de ferro; – análise da evolução da rede de estradas em Portugal, de 1852 a Fontes Pereira de Melo” centrada na
– Rede viária; 1890; – Interatividade “Portugal na capacidade de
– Rede ferroviária – explicação da importância das diligências como meio de segunda metade do século XIX: intervenção no
comunicação entre as pessoas. desenvolvimento da rede de diálogo.
2. Leitura do texto informativo e do doc. 3 e exploração das figs. transportes”
2. Quais foram as principais 17 a 19 das págs. 63 e 64 do Manual:
consequências da modernização dos – descrição da primeira viagem de comboio;  Revista “Brincar com Coisas
meios de comunicação? – análise da evolução da rede ferroviária no século XIX; Sérias”
– análise da evolução do transporte de mercadorias e – Notícias que dão que pensar
passageiros em comboios de 1880 a 1890; E lá vem a praga dos acidentes…
– identificação das obras que facilitaram as comunicações no
século XIX.
Trabalho de casa:
– Trabalha o Espaço: realização das atividades propostas das págs.
36 e 37 do Caderno das Perguntas.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio D – Portugal do Século XVII ao Século XIX
Subdomínio 3 Portugal na segunda metade do século XIX
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
3.2. O desenvolvimento das Objetivo geral 2: Conhecer o  Recursos digitais  Observação
vias de comunicação e dos meios desenvolvimento das vias de – PowerPoint® D3 – Portugal na centrada na
de transporte comunicação e dos meios de segunda metade do século XIX capacidade de
transporte operado pela Regeneração (Tópico 6) organização da
 Os meios de comunicação e os seus efeitos – Guia de exploração dos informação.
de ideias e informações Questões orientadoras da aula: 1. Leitura do texto informativo e do doc. 4 e exploração PowerPoint® da pág. 13 dos
1. Que outros meios de comunicação das figs. 22 a 25 da pág. 65 do Manual: “Recursos digitais”  Observação
se desenvolveram na segunda metade – identificação dos acontecimentos e inovações que contribuíram – Apontamentos de Didática centrada na
do século XIX? para uma maior comunicação de ideias e informações; capacidade de
– destaque para os jornais que se vulgarizaram no século XIX;  e-Manual intervenção no
Construção de conceitos: – justificação para a reorganização dos correios; – Animação “Portugal na segunda diálogo.
– Selo postal – destaque para a inauguração da rede de telefones de Lisboa em metade do século XIX:
1882. desenvolvimento dos meios de
comunicação”
Trabalho individual:
– Trabalha o Tempo: realização das atividades propostas da pág.  Revista “Brincar com
38 do Caderno das Perguntas. Coisas Sérias”
– Jogos que dão para aprender
O correio da mala-posta
O filatelista à caça de intrusos

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio D – Portugal do Século XVII ao Século XIX
Subdomínio 3 Portugal na segunda metade do século XIX
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
3.3. Medidas tomadas pelos Objetivo geral 3: Conhecer e  Recursos digitais  Observação
liberais na educação e na justiça compreender o alcance das medidas – PowerPoint® D3 – Portugal na centrada na
tomadas pelos liberais na educação e segunda metade do século XIX capacidade de
 As reformas do ensino na justiça (Tópico 7) intervenção no
 A defesa dos direitos Questões orientadoras da aula: – Guia de exploração dos diálogo.
humanos 1. Quais foram as principais medidas 1. Diálogo professor/aluno a partir da leitura do texto PowerPoint® da pág. 14 dos
tomadas ao nível do ensino? informativo e da exploração das figs. 26 a 29 das págs. 66 e 67 do “Recursos digitais”  Observação
Manual: – Apontamentos de Didática centrada na
– identificação das importantes reformas no ensino realizadas mobilização de
pelos vários governos da monarquia liberal;  e-Manual conhecimentos.
Construção de conceitos: – destaque para o ministro Passos Manuel, conhecido pela – Slideshow “As reformas liberais
– Analfabeto; reforma dos liceus em Portugal; no ensino”  Observação
– Abolição da escravatura – análise do número de escolas do ensino primário oficial; – Slideshow “As reformas liberais centrada na aplicação
– análise da percentagem de analfabetos entre os anos de 1878 e na defesa dos direitos humanos” de conhecimentos e
1900. na resposta às
2. Leitura do texto informativo e exploração da fig. 30 da pág. 67 questões colocadas
2. Que medidas foram tomadas para do Manual: ao longo da aula.
defender os direitos humanos? – destaque para a publicação de algumas leis que visavam o fim de
algumas situações consideradas degradantes e desumanas.
3. Diálogo professor/aluno a partir da leitura da rubrica
3. Será que atualmente o respeito Atualmente da pág. 67 do Manual:
pelos direitos humanos é uma – evidência do pioneirismo da abolição da pena de morte em
realidade? Portugal e em muitos países da Europa e Oceânia;
– destaque para alguns países como os Estados Unidos, a
Guatemala e a maior parte da Ásia e da África ainda terem a pena
de morte legalizada;
– destaque para a existência de práticas de escravatura na
atualidade.
Trabalho de casa:
– realização do Guia de Estudo n.o 7 da pág. 39 do Caderno das
Perguntas.
– procurar saber se na localidade/região do aluno existia, no
século XIX, algum mosteiro que tivesse uma “roda dos enjeitados”.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio D – Portugal do Século XVII ao Século XIX
Subdomínio 3 Portugal na segunda metade do século XIX
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
3.4. O aumento da população Objetivo geral 4: Conhecer e  Recursos digitais  Correção do
e o êxodo rural na segunda compreender o aumento da população – PowerPoint® D3 – Portugal na trabalho de casa da
metade do século XIX e o êxodo rural verificado na segunda segunda metade do século XIX aula anterior.
metade do século XIX (Tópico 8)
 O aumento da população Questões orientadoras da aula: – Guia de exploração dos  Observação
 O êxodo rural e a emigração 1. Quais foram as razões da 1. Diálogo professor/aluno a partir da exploração das PowerPoint® da pág. 14 dos centrada na
diminuição da mortalidade e do figs. 31 a 36 das págs. 68 e 69 do Manual: “Recursos digitais” capacidade de
consequente aumento da população – análise da evolução da população portuguesa no continente – Apontamentos de Didática intervenção no
verificado neste período? entre os anos de 1864 e 1900; diálogo.
– identificação das localidades portuguesas onde se concentrava  e-Manual
um maior número de habitantes em 1864; – Animação “Portugal na segunda  Observação
Construção de conceitos: – explicação das causas responsáveis pelo crescimento da metade do século XIX: aumento centrada na
– Numeramento; população portuguesa no século XIX. da população e êxodo rural” capacidade de
– Recenseamento; 2. Quais foram os principais destinos 2. Leitura do texto informativo das págs. 69 e 70 e exploração recolha de
– Êxodo rural do êxodo rural e da emigração neste das figs. 37 a 41 das págs. 69 e 70 do Manual: informações a partir
período? – análise da percentagem de trabalhadores na agricultura e na do texto e imagens.
indústria entre os anos de 1854 e 1890;
– explicação das razões que fizeram com que muita população
fugisse das suas aldeias (êxodo rural);
– identificação dos principais destinos dos emigrantes;
– análise da evolução da emigração no século XIX;
– destaque para o regresso de emigrantes detentores de grandes
fortunas que contribuíram para o desenvolvimento do país.
Trabalho de casa:
– realização do Guia de Estudo n.o 8 da pág. 41 do Caderno das
Perguntas.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio D – Portugal do Século XVII ao Século XIX
Subdomínio 3 Portugal na segunda metade do século XIX
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
3.5. As características da Objetivo geral 5: Conhecer e  Recursos digitais  Correção do
sociedade e a vida quotidiana compreender as características da – PowerPoint® D3 – Portugal na trabalho de casa da
na segunda metade do século sociedade e a vida quotidiana nas segunda metade do século XIX aula anterior.
XIX cidades e nos campos na segunda (Tópicos 9 e 10)
metade do século XIX – Guia de exploração dos  Observação
 As alterações na sociedade Questões orientadoras da aula: PowerPoint® da pág. 14 dos centrada no interesse
 A vida dos campos 1. Que grupos compunham a 1. Leitura do texto informativo e exploração da fig. 42 da pág. 71 “Recursos digitais” e participação no
 Os novos donos da terra sociedade liberal da segunda metade do Manual: – Apontamentos de Didática diálogo.
 O dia a dia do camponês do século XIX? – identificação dos principais grupos que perderam importância
e regalias;  e-Manual  Observação
– destaque para o crescimento e diversidade de profissões – Infografia “Portugal na segunda centrada no
da classe burguesa; metade do século XIX: empenhamento
– explicação da expressão: “organização social liberal”; organização social” demonstrado na
Construção de conceitos: – Slideshow “Portugal na realização de tarefas.
– "Organização social liberal” 2. Como era a vida do camponês na 2. Leitura dos docs. 5 e 6 e exploração das figs. 43 a 46 das págs. segunda metade do século XIX: a
segunda metade do século XIX? 72 e 73 do Manual: vida no campo”  Observação
– identificação das principais atividades dos camponeses; centrada na aplicação
– comparação entre o vestuário dos camponeses de várias de conhecimentos e
regiões; na resposta às
– identificação dos principais divertimentos mais comuns no questões colocadas
século XIX; ao longo da aula.
– caracterização do quotidiano de um camponês em Portugal na
segunda metade do século XIX.

Trabalho de casa:
– Trabalha o Espaço: realização das atividades propostas da pág.
43 do Caderno das Perguntas.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio D – Portugal do Século XVII ao Século XIX
Subdomínio 3 Portugal na segunda metade do século XIX
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
3.5. As características da Objetivo geral 5: Conhecer e  Recursos digitais  Correção do
sociedade e a vida quotidiana compreender as características da – PowerPoint® D3 – Portugal na trabalho de casa da
na segunda metade do século sociedade e a vida quotidiana nas segunda metade do século XIX aula anterior.
XIX cidades e nos campos na segunda (Tópico 11)
metade do século XIX – Guia de exploração dos  Observação
 A vida das grandes cidades Questões orientadoras da aula: PowerPoint® da pág. 15 dos centrada no interesse
 A modernização das cidades 1. Que aspetos revelam a 1. Diálogo professor/aluno a partir da leitura do texto “Recursos digitais” e participação no
modernização das cidades na segunda informativo e exploração das figs. 47 a 49 da pág. 74 do Manual: – Apontamentos de Didática diálogo.
metade do século XIX? – destaque para o crescimento da cidade de Lisboa desde finais do
século XVIII até 1895;  e-Manual  Observação
– destaque para as cidades portuguesas que mais cresceram no – Slideshow “Portugal na centrada na aplicação
Construção de conceitos: século XIX; segunda metade do século XIX: a de conhecimentos e
– Urbanismo; – identificação de alguns exemplos de novos edifícios públicos e vida nas cidades” na resposta às
– Serviços públicos de novas praças; questões colocadas
– caracterização das cidades portuguesas da segunda metade do  Revista “Brincar com ao longo da aula.
século XIX. Coisas Sérias”
– Jogos que dão para aprender
2. Quais foram os serviços públicos 2. Leitura do texto informativo, do doc. 7 e exploração das figs. O código dos leques
criados nas cidades? 50 a 52 da pág. 75 do Manual:
– identificação dos serviços públicos importantes para satisfazer as
necessidades da população citadina.

Trabalho de casa:
– Trabalha o Espaço: realização das atividades propostas da pág.
44 do Caderno das Perguntas.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio D – Portugal do Século XVII ao Século XIX
Subdomínio 3 Portugal na segunda metade do século XIX
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
3.5. As características da Objetivo geral 5: Conhecer e  Recursos digitais  Correção do
sociedade e a vida compreender as características da – PowerPoint® D3 – Portugal trabalho de casa da
quotidiana na segunda sociedade e a vida quotidiana na segunda metade do aula anterior.
metade do século XIX nas cidades e nos campos na século XIX (Tópico 12)
segunda metade do século XIX – Guia de exploração dos  Observação
 O dia a dia da Questões orientadoras da aula: PowerPoint® da pág. 15 dos centrada no
população da cidade 1. Como viviam os burgueses? 1. Diálogo professor/aluno a partir da leitura texto informativo e exploração das “Recursos digitais” desempenho de
figs. 53 a 56 das págs. 76 e 77 do Manual: – Apontamentos de Didática tarefas.
– descrição dos modos de vida e habitações dos burgueses e nobres;
– caracterização do vestuário da classe burguesa;  Observação
– caracterização dos palacetes, das festas e dos locais frequentados pelos centrada na
burgueses. capacidade de
recolha de
2. Quais eram os principais 2. Diálogo professor/aluno a partir da leitura do doc. 8 e exploração das figs. 57 informações a partir
divertimentos das classes mais e 58 das págs. 77 e 78 do Manual: do texto e imagens.
abastadas? – identificação dos principais divertimentos dos burgueses.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio D – Portugal do Século XVII ao Século XIX
Subdomínio 3 Portugal na segunda metade do século XIX
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
3.5. As características da Objetivo geral 5: Conhecer e  Recursos digitais  Observação
sociedade e a vida compreender as características – PowerPoint® D3 – Portugal centrada no
quotidiana na segunda da sociedade e a vida quotidiana na segunda metade do desempenho de
metade do século XIX nas cidades e nos campos na século XIX (Tópico 13) tarefas.
segunda metade do século XIX – Guia de exploração dos
 O ínicio da luta do Questões orientadoras da aula: PowerPoint® da pág. 15 dos  Observação
proletariado 1. Quais as condições de vida das 1. Leitura do texto informativo e exploração das figs. 59 e 60 da pág. 78 do “Recursos digitais” centrada no
classes populares? Manual: – Apontamentos de Didática empenhamento
– identificação das novas profissões que surgiram com o crescimento das cidades; demonstrado na
– destaque para as condições de vida da maioria da população urbana;  e-Manual realização de
– caracterização das habitações existentes nas zonas mais pobres das cidades. – Animação “O proletariado” tarefas.
2. A que se deve a criação das 2. Leitura do texto informativo e do doc. 9 e exploração das figs. 61 e 62 da pág.
Construção de conceitos: primeiras associações de 79 do Manual:
– Proletariado operários? – caracterização das condições de vida do proletariado;
– identificação das condições de trabalho, dos salários, das horas de trabalho a que
estavam sujeitos os homens, as mulheres e as crianças;
– destaque para o aparecimento de um novo grupo social nas grandes cidades de
Lisboa e Porto – o proletariado;
– identificação das primeiras greves como forma de protesto contra as condições
precárias de trabalho;
– explicação da forma como foram organizadas as primeiras associações de
operários.

Trabalho de casa:
– Trabalha o Espaço: realização das atividades propostas da pág. 45 do Caderno das
Perguntas.
– realização do Guia de Estudo n.o 9 da pág. 46 do Caderno das Perguntas.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio D – Portugal do Século XVII ao Século XIX
Subdomínio 3 Portugal na segunda metade do século XIX
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
3.6. A arte da segunda Objetivo geral 6: Conhecer as 1. Diálogo professor/aluno a partir da leitura do texto informativo e exploração  Recursos digitais  Observação
metade do século XIX características da arte na das figs. 63 a 65 da pág. 80 do Manual e da exploração do desdobrável temático – PowerPoint® D3 – Portugal centrada na
segunda metade do século XIX do final do Manual Ver e Tocar o Passado “O Palácio de Cristal no Porto”: na segunda metade do capacidade de
 A Arquitetura do ferro Questões orientadoras da aula: – identificação do ferro como novo material de construção; século XIX (Tópico 14 e mobilizar
 O “revivalismo” 1. Quais as grandes novidades na – caracterização da Arquitetura do ferro; Síntese dos conteúdos) conhecimentos
 A pintura, escultura e arquitetura do século XIX? – identificação dos principais exemplos da Arquitetura do ferro em Portugal: Ponte – Guia de exploração dos adquiridos.
literatura Luís I; elevador da Santa Justa; estrutura e gradeamento do Palácio de Cristal; PowerPoint® da pág. 15 dos
– destaque para as novas correntes artísticas: o “revivalismo”, o neogótico ou o “Recursos digitais”  Observação
neomanuelino. – Apontamentos de Didática centrada na
capacidade de
2. Quais as principais figuras da 2. Leitura do texto informativo e exploração das figs. 66 a 69 da pág. 81 do  e-Manual recolha de
Construção de conceitos: pintura, da escultura e da Manual: – Interatividade “Arquitetura informações a
– Arquitetura do ferro; literatura do século XIX? – destaque para o século XIX como um século muito rico em pintores, escultores, do ferro” partir do texto e
– Revivalismo escritores, desenhadores e caricaturistas; – Vídeo tutorial “Arquitetura imagens.
– identificação de alguns exemplos na literatura: Júlio Dinis, Eça de Queirós, Camilo do ferro”
Castelo Branco, Antero de Quental e Ramalho Ortigão; na pintura: Silva Porto, – Slideshow “A arquitetura  Observação
Columbano e José Malhoa; na escultura: Soares dos Reis e Teixeira Lopes. revivalista” centrada no
3. Diálogo professor/aluno a partir da exploração da rubrica Ver e Tocar o Passado – Interatividade “A literatura interesse e
das págs. 84 e 85 do Manual: do século XIX” participação no
– caracterização de uma sala do animatógrafo; – Animação “O Palácio de diálogo.
– destaque para o vestuário, principalmente do uso do chapéu em eventos sociais. Cristal, a arquitetura de ferro
Diálogo aberto/síntese de conteúdos: e a explosição industrial”  Observação
– análise do esquema Em resumo da pág. 82 do Manual. centrada no
Trabalho de casa: desenvolvimento
– resolução do Avalia o essencial da pág. 83 do Manual. da autonomia e
– resolução das Perguntas de Escolha Múltipla, das págs. 48 e 49 do Caderno das espírito crítico.
Perguntas.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio E – Portugal do século XX
Subdomínio 1 Da Revolução Republicana de 1910 à Ditadura Militar de 1926
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões orientadoras Avaliação
Conteúdos / Conceitos Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
1.1. As razões da queda da Objetivo geral 1: Conhecer e compreender Motivação  Recursos digitais  Correção do
monarquia constitucional as razões da queda da monarquia Exploração da imagem de abertura do Domínio E – – PowerPoint® de motivação trabalho de casa da
constitucional Portugal no Século XX ao Subdomínio E1 aula anterior.
 O descontentamento da – Qual é o símbolo que personifica a República? – PowerPoint® E1 – Da
população – O que representa? Revolução Republicana de 1910  Observação
 A questão africana e o Ultimato Questões orientadoras da aula: – Em que locais se encontra? à Ditadura Militar de 1926 centrada na
1. Quais eram os motivos do 1. Leitura dialogada do texto informativo da pág. 89 (Tópicos 1, 2 e 3) capacidade de
descontentamento da população do Manual: – Guia de exploração dos comunicação e
portuguesa nas últimas décadas do século – explicação dos motivos de descontentamento da PowerPoint® das páginas 3 e 16 participação no
XX? população nas últimas décadas do século XX. dos “Recursos digitais” – diálogo.
2. Leitura do texto informativo da pág. 89 e Apontamentos de Didática
2. Porque se fizeram viagens de exploração exploração das figs. 1 e 2 das págs. 88 e 89 do  Observação
Construção de conceitos: do continente africano? Manual:  e-Manual centrada no
– Ultimato – identificação das razões que levaram os países – Animação “O descrédito da empenhamento
europeus a realizarem viagens de exploração de África; monarquia” demonstrado na
– explicação dos motivos que levaram os portugueses – Animação “A questão africana e realização das tarefas.
a querer explorar o continente africano desde Angola o Ultimato Inglês”
até Moçambique;  Observação
– destaque para os vários perigos enfrentados pelos centrada na aquisição
exploradores europeus durante as expedições; de conhecimentos.
– caracterização do ambiente africano quanto ao
clima, animais, vegetação;
– destaque para as diferenças de funções e vestuário
entre os europeus e os africanos que faziam parte das
expedições.
3. Por que se deu o Ultimato Inglês? 3. Leitura do texto informativo e exploração da fig. 3
da pág. 90 do Manual:
– explicação do modo como se processou a “partilha
de África” durante a Conferência de Berlim;
– identificação dos interesses defendidos pela
delegação portuguesa durante a Conferência de
Berlim;
– localização dos territórios exigidos pelos portugueses
através do Mapa Cor-de-Rosa;

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
– relação entre o projeto do Mapa Cor-de-Rosa e o
Ultimato Inglês.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio E – Portugal do século XX
Subdomínio 1 Da Revolução Republicana de 1910 à Ditadura Militar de 1926
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões orientadoras Avaliação
Conteúdos / Conceitos Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
1.1. As razões da queda da Objetivo geral 1: Conhecer e compreender  Recursos digitais  Observação
monarquia constitucional as razões da queda da monarquia – PowerPoint® E1 – Da Revolução centrada na
constitucional Republicana de 1910 à Ditadura capacidade de
 O regicídio de 1908 Questões orientadoras da aula: Militar de 1926 (Tópico 3) comunicação e
1. Como se caracterizou a ação do partido 1. Diálogo professor/aluno a partir da análise da fig. 4 – Guia de exploração dos participação no
republicano? da pág. 90 do Manual: PowerPoint® da pág. 16 dos diálogo.
– identificação do partido que organizou a “Recursos digitais”
Construção de conceitos: manifestação; – Apontamentos de Didática  Observação
– Regicídio – explicação das razões dos protestos; centrada no
– reconhecimento dos principais ideais dos  e-Manual empenhamento
republicanos. – Interatividade “O regicídio de demonstrado na
2. O que foi o regicídio? 2. Leitura do texto informativo e exploração e análise 1908” realização das tarefas.
das figs. 5 e 6 da pág. 91 do Manual:
– identificação dos elementos da família real que  Observação
estavam a ser transportados na carruagem; centrada na aquisição
– explicação do significado do conceito “regicídio”; de conhecimentos.
– reconhecer os sentimentos transmitidos pela rainha
D. Amélia.
3. Quais foram as consequências políticas 3. Leitura do texto informativo e exploração e análise
do regicídio? da fig. 7 da pág. 91 do Manual:
– identificação de D. Manuel II como o monarca que
sucedeu ao rei D. Carlos I;
– explicação da política de conciliação levada a cabo
por D. Manuel II.
Trabalho de casa:
– elaboração da biografia do rei D. Carlos ou de
D. Manuel II.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio E – Portugal do século XX
Subdomínio 1 Da Revolução Republicana de 1910 à Ditadura Militar de 1926
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
1.1. As razões da queda da Objetivo geral 1: Conhecer e  Recursos digitais  Correção do
monarquia constitucional compreender as razões da queda da – PowerPoint® E1 – Da trabalho de casa da
(continuação) monarquia constitucional Revolução Republicana de 1910 aula anterior.
Questões orientadoras da aula: à Ditadura Militar de 1926
 A Revolução do 5 de 1. Como se deu o triunfo da 1. Leitura do doc. 1 da pág. 92 e análise da fig. 8 da pág. 92 do (Tópicos 4, 5 e 6)  Observação
Outubro de 1910 revolução? Manual: – Guia de exploração dos centrada na
– O movimento revolucionário – explicação do significado e dos propósitos de uma barricada; PowerPoint® da pág. 17 dos capacidade de
– O triunfo da revolução – identificação das forças militares que apoiavam os republicanos; “Recursos digitais” comunicação e
– localização, no espaço, do lugar que serviu de palco à revolução; – Apontamentos de Didática participação no
– explicação do modo como o povo contribuiu para o sucesso da diálogo.
revolução.  e-Manual
2. Quais foram as consequências 2. Leitura do texto informativo da pág. 93 e exploração e análise – Interatividade “A Revolução  Observação
políticas do 5 de Outubro de 1910? das figs. 9 a 11 das págs. 92 e 93 do Manual: de 5 de Outubro de 1910” centrada no
Construção de conceitos: – explicação da forma como decorreu a proclamação da – Animação “Geografia empenhamento
– Revolução; República; de uma revolução – 1910” demonstrado na
– República – identificação dos protagonistas da proclamação da República, – Infografia “Monarquia e realização de tarefas.
assim como do local onde a mesma decorreu; República”
– reconhecimento do embarque na Ericeira do rei D. Manuel II
como símbolo da queda da monarquia e vitória da República;  Revista “Brincar com
– localização no tempo do período da 1.ª República. Coisas Sérias”
3. Quais são as diferenças entre 3. Leitura e análise da fig. 12 da pág. 94 do Manual: – Notícias que dão que pensar
Monarquia e República? – identificação das principais diferenças entre Monarquia e Que pesada herança!...
República. Olh’ó hidroavião!..
Trabalho de casa:
– Trabalha o Espaço: realização das atividades propostas na pág.
50 do Caderno das Perguntas;
– Trabalha o Tempo: realização das atividades propostas na pág.
51 do Caderno das Perguntas;
– realização do Guia de Estudo n.º 10 do Caderno das Perguntas,
pág. 52;
– realização da atividade Investiga, completando o friso
cronológico “História da Família” do Caderno das Perguntas.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio E – Portugal do século XX
Subdomínio 1 Da Revolução Republicana de 1910 à Ditadura Militar de 1926
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
1.2. O funcionamento do regime Objetivo geral 2: Conhecer e  Recursos digitais  Correção do
da 1.a República e os seus compreender o funcionamento do – PowerPoint® E1 – Da trabalho de casa da
símbolos regime da 1.a República e os seus Revolução aula anterior.
símbolos Republicana de 1910 à Ditadura
 Os símbolos da 1.ª República Militar de 1926 (Tópicos 7 e 8)  Observação
 A Constituição Republicana Questões orientadoras da aula: 1. Leitura do texto informativo da pág. 95 e análise e exploração – Guia de exploração dos centrada na
de 1911 1. Quais são os símbolos da República das figs. 13 e 14 da pág. 95 do Manual: PowerPoint® das págs. 17 e 18 capacidade de
Portuguesa? – discussão em torno da razão pela qual os republicanos criaram dos “Recursos digitais” – comunicação e
novos símbolos; Apontamentos de Didática participação no
– exploração do Hino Nacional “A Portuguesa”, destacando a diálogo.
simbologia da sua letra;  e-Manual
– análise das cores da bandeira da República Portuguesa, – Interatividade “Os símbolos da  Observação
destacando outros símbolos da fig. 13, como a figura feminina. República Portuguesa” centrada na
2. Leitura e análise do doc. 2 da pág. 96 e exploração das figs. 15 – Interatividade “O regime capacidade de
Construção de conceitos: 2. Como se caracteriza o regime a 19 das págs. 96 e 97 do Manual: republicano a partir da intervenção e de
– Símbolos; republicano a partir da Constituição – destaque para os artigos da Constituição Republicana que Constituição de 1911” argumentação.
– Hino Nacional de 1911? defendiam a liberdade dos cidadãos; – Infografia “Os poderes na
– destaque para o Parlamento como o órgão de soberania mais Constituição de 1911”  Observação
importante; centrada na
– abordagem à forma como é nomeado o Governo;  Revista “Brincar com capacidade de
– identificação do 1.o Presidente da República eleito, Coisas Sérias” estabelecer
questionando sobre quem o elegeu; – Notícias que dão que pensar comparações entre
– reconhecimento do Palácio de Belém, destacando a função para Queremos votar!!! épocas diferentes.
a qual foi destinado desde 1910 até à atualidade. – Jogos que dão para aprender
3. Diálogo professor/aluno a partir da leitura da rubrica Palavras republicanas
3. Qual é a diferença existente entre Atualmente da pág. 96 do Manual:
os cidadãos eleitores na 1.a República – comparação entre as características exigidas aos cidadãos
e na situação atual? eleitores da 1.a República e aos da atualidade.
4. Realização do debate proposto na pág. 97 do Manual: “A
melhor forma de governo para Portugal”.
Trabalho de casa: realização da atividade de pesquisa proposta na
rubrica Investiga na pág. 97 do Manual.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio E – Portugal do século XX
Subdomínio 1 Da Revolução Republicana de 1910 à Ditadura Militar de 1926
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
1.3. As principais realizações da Objetivo geral 3: Conhecer as  Recursos digitais  Correção do
1.a República principais realizações da 1.a República – PowerPoint® E1 – Da trabalho de casa da
Questões orientadoras da aula: Revolução Republicana de 1910 aula anterior.
 Medidas de carácter social 1. Que medidas foram tomadas pela 1. Diálogo professor/aluno a partir da leitura do texto à Ditadura Militar de 1926
 Medidas de carácter 1.a República? informativo e análise e exploração das figs. 20 a 25 das págs. 98, (Tópico 9)  Observação
educativo e cultural 99 e 100 do Manual: – Guia de exploração dos centrada na
– análise das principais leis de carácter social; PowerPoint® da pág. 18 dos capacidade de
– destaque para a tentativa dos republicanos em diminuir a “Recursos digitais” comunicação e
influência da Igreja na vida política e social; – Apontamentos de Didática participação no
– identificação dos motivos que explicam a formação de sindicatos diálogo.
pelos trabalhadores;  e-Manual
– abordagem das principais medidas tomadas em prol da melhoria – Slideshow “As reformas sociais  Observação
Construção de conceitos: do ensino primário, assim como do ensino liceal e do ensino da 1.a República” centrada na aquisição
– Greve; técnico; – Slideshow “As reformas de conhecimentos.
– Sindicato; – análise da evolução do número de escolas e de professores educativas da 1.a República”
– Analfabeto; primários entre 1910 e 1927;
– Alfabetizar – identificação das cidades que possuíam ensino superior.
2. Qual foi o alcance das medidas 2. Diálogo professor/aluno a partir da leitura do texto
sociais e educativas tomadas durante informativo e exploração das figs. 26 e 27 da pág. 100 do
a 1.a República? Manual:
– análise da evolução da percentagem de analfabetos entre 1900
e 1930, questionando o significado desse resultado;
– relação entre o número de escolas e de professores com a
percentagem de analfabetos em Portugal;
– destaque para o aumento do número de publicações periódicas
como consequência da liberdade de expressão.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio E – Portugal do século XX
Subdomínio 1 Da Revolução Republicana de 1910 à Ditadura Militar de 1926
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
1.4. O fim da 1.a República e a Objetivo geral 4: Conhecer e  Recursos digitais  Observação
instauração da Ditadura Militar compreender os motivos do fim da 1.ª – PowerPoint® E1 – Da centrada na
em 1926 República e a instauração da Ditadura Revolução Republicana de capacidade de
Militar de 1926 1. Diálogo professor/aluno a partir das figs. 28 a 30 da pág. 101 do 1910 à Ditadura Militar de recolha de
 Os motivos do fim da 1.a Questões orientadoras da aula: Manual: 1926 (Tópico 10) informações a partir
República 1. Quais foram os fatores que – explicação do frequente desacordo entre deputados nas sessões de – Guia de exploração de textos e imagens.
conduziram ao fim da 1.ª República? Parlamento como um fator gerador de instabilidade política; dos Power-Point® da pág. 18
– análise do número de governos e de presidentes da República entre dos “Recursos digitais” –  Observação
1911 e 1926, como reflexo da instabilidade política. Apontamentos de Didática centrada na
2. Que motivos levaram à entrada de 2. Diálogo professor/aluno a partir da exploração do mapa da fig. 31, capacidade de
Portugal na 1.ª Guerra Mundial? da leitura do doc. 3 e das figs. 32 e 33 da pág. 102 do Manual e da  e-Manual aquisição de
exploração da rubrica Ver e Tocar o Passado das págs. 108 e 109 do – Animação “Portugal na 1.a conhecimentos.
Manual: Guerra Mundial”
– observação das áreas dominadas pelas colónias europeias em África;  Observação
– relação entre a defesa das colónias portuguesas em África com a centrada no
entrada de Portugal na 1.a Guerra Mundial; empenhamento
– caracterização das difíceis condições a que estavam sujeitos os demonstrado na
soldados portugueses, discutindo as consequências das mesmas para realização de tarefas.
a sua saúde.
– identificação dos objetos existentes numa enfermaria na 1.a Guerra
Mundial;
– observação das funções e atividades dos diversos intervenientes.
3. Diálogo professor/aluno a partir da leitura do texto informativo e
da exploração das figs. 34 a 36 da página 103 do Manual:
3. Quais foram as consequências da – identificação dos produtos que mais subiram de preço;
participação de Portugal na 1.ª Guerra – explicação da forma como a subida dos preços contribuiu para
Mundial? agravar os problemas da população portuguesa;
– análise do modo como a crise económica agravou as desigualdades
sociais.
Trabalho de casa:
– Trabalha o Espaço: realização das atividades propostas na pág. 54
do Caderno das Perguntas;
– Trabalha o Tempo: realização das atividades propostas na pág. 55
do Caderno das Perguntas.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio E – Portugal do século XX
Subdomínio 1 Da Revolução Republicana de 1910 à Ditadura Militar de 1926
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
1.4. O fim da 1.a República e a Objetivo geral 4: Conhecer e 1. Diálogo professor/aluno a partir da leitura do texto  Recursos digitais  Correção do
instauração da Ditadura Militar compreender os motivos do fim da 1.a informativo, do doc. 4 da pág. 104 e das figs. 37 e 38 da pág. 104 – PowerPoint® E1 – Da trabalho de casa da
em 1926 República e a instauração da Ditadura do Manual: Revolução Republicana de 1910 aula anterior.
Militar de 1926 – interpretação da instabilidade política e das dificuldades à Ditadura Militar de 1926
 A instauração da Ditadura Questões orientadoras da aula: económicas como fatores de que desacreditaram a 1.a República; (Tópico 11 e  Observação
Militar em 1926 1. Em que consistiu o golpe militar do – identificação do militar que chefiou o golpe; Síntese dos conteúdos) centrada no
28 de Maio de 1926? – localização no tempo e no espaço do golpe militar; – Guia de exploração dos empenhamento
– destaque para o carácter não violento do golpe militar; PowerPoint® da pág. 19 dos demonstrado na
– justificação da forma positiva com que a população aderiu ao “Recursos digitais” realização de tarefas.
movimento antidemocrático. – Apontamentos de Didática
2. Que medidas foram tomadas pelo 2. Leitura do texto informativo e exploração e análise das figs. 40  Observação
governo da Ditadura Militar mal a 42 da pág. 105 do Manual:  e-Manual centrada na
chegou ao poder? – reconhecimento nas medidas tomadas durante a Ditadura – Friso “Cronologia: 1.a capacidade de
Construção de conceitos: Militar da suspensão das liberdades previstas na Constituição; República” autoavaliação.
– Ditadura Militar – identificação de alguns movimentos de revoltosos e as suas – Animação “O golpe militar do
consequências. 28 de Maio de 1926”
Diálogo aberto/síntese de conteúdos: – Infografia “A Ditadura Militar
– análise do esquema Em resumo da pág. 106 do Manual; de 1926 a 1933”
Trabalho individual:
– resolução do Avalia o essencial da pág. 107 do Manual;
Trabalho de casa:
– realização do Guia de Estudo n.º 11, pág. 56 do Caderno das
Perguntas.
– realização da atividade Investiga, completando o friso
cronológico do Caderno das Perguntas.
– realização das Perguntas de Escolha Múltipla das págs. 58 e 59
do Caderno das Perguntas.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio E – Portugal do século XX
Subdomínio 2 O Estado Novo (1933-1974)
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões orientadoras Avaliação
Conteúdos / Conceitos Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
2.1. Salazar e a construção do Estado Objetivo geral 1: Compreender a ascensão Motivação  Recursos digitais  Correção do
Novo de Salazar e a construção do Estado Novo Exploração da imagem de abertura do subdomínio E2 – O – PowerPoint® de motivação trabalho de casa da
Estado Novo (1933-1974): ao Subdomínio E2 aula anterior.
 A ascenção de Salazar – Quem são as personalidades representadas na imagem? – PowerPoint® E2 – O Estado
 O equilíbrio financeiro – Qual será a importância do momento que se pretende Novo (1933-1974) (Tópicos 1  Observação
 Uma nova Constituição e um reconstituir? e 2) centrada no
novo regime Questões orientadoras da aula: 1. Leitura do texto informativo da pág. 111 e exploração – Guia de exploração dos empenhamento
1. De que forma António de Oliveira Salazar das figs. 1 e 2 das págs. 110 e 111 do Manual: Power-Point® das págs. 4 e demonstrado na
chega ao poder? – apresentação de António de Oliveira Salazar e de alguns 19 dos “Recursos digitais” realização de tarefas.
dados biográficos; – Apontamentos de Didática
– discussão em torno da exigência realizada por Salazar
para aceitar o cargo de ministro das Finanças;  e-Manual
Construção de conceitos: – análise do discurso de tomada de posse de Salazar, – Animação “A ascensão de
– Estado Novo; refletindo sobre o seu significado; Salazar e o equilíbrio das
– Ditadura – indicação do cargo ocupado por Salazar a partir de 1932. contas públicas”
2. Leitura do texto informativo e exploração das figs. 3 a – Interatividade “A
5 da pág. 112 do Manual: Constituição de 1933 e o
– identificação das medidas tomadas por Salazar para Estado Novo”
2. Quais foram as medidas tomadas por resolver o problema financeiro do país;
Salazar para resolver o problema financeiro – análise da evolução positiva da balança comercial,
do país? sinónimo de sucesso da política financeira de Salazar;
– explicação das mensagens que eram transmitidas à
população através de cartazes de propaganda da política
económica.
3. Leitura do texto informativo da pág. 113 e exploração
da fig. 6 da pág. 113 do Manual:
– análise da Constituição de 1933, destacando a
3. Como se caracteriza o regime instituído preponderância do poder executivo e a existência de um
pela Constituição de 1933? partido único;
– destaque para o carácter ditatorial das eleições para a
Assembleia Nacional de 1934;
– identificação do novo regime (1993-1974) com a
designação de “Estado Novo”;
– explicação do significado de “ditadura”, aplicando-o à
forma de governo de Salazar.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio E – Portugal do século XX
Subdomínio 2 O Estado Novo (1933-1974)
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões orientadoras Avaliação
Conteúdos / Conceitos Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
2.2. A difusão dos ideais do Estado Objetivo geral 2: Conhecer e compreender  Recursos digitais  Observação
Novo os mecanismos de difusão dos ideais do – PowerPoint® E2 – O Estado centrada na
Estado Novo e de repressão para com os Novo (1933-1974) (Tópico 3) capacidade de
 Os ideais do Estado Novo e a sua opositores – Guia de exploração dos organização da
propaganda Questões orientadoras da aula: PowerPoint® da pág. 20 dos informação e
1. Quais eram os principais valores do 1. Diálogo professor/aluno a partir do cartaz da fig. 7 “Recursos digitais” conhecimentos.
Estado Novo? da pág. 113 do Manual: – Apontamentos de Didática
– identificação de símbolos que representam os  Observação
valores defendidos pelos Estado Novo, salientando a  e-Manual centrada na
máxima “Deus, Pátria, Família”. – Interatividade “A propaganda capacidade de
ao Estado Novo” recolher testemunhos
2. Quais eram as formas de difusão dos 2. Leitura do texto informativo da pág. 114 e orais.
ideais do Estado Novo? exploração das figs. 8 a 10 da pág. 114 do Manual:  Revista “Brincar com
– explicação de como o ensino era utilizado para Coisas Sérias”
divulgar os ideais salazaristas; – Notícias que dão que pensar
– análise dos objetivos do Estado Novo ao criar a A burla do século…
Mocidade Portuguesa; Histórias aos quadradinhos???
– análise dos objetivos presentes na realização de As meninas da rádio!!!
conferências, congressos e exposições, destacando a
Exposição do Mundo Português.

Trabalho de casa: realização de uma entrevista a um


familiar ou conhecido acerca da Mocidade Portuguesa.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio E – Portugal do século XX
Subdomínio 2 O Estado Novo (1933-1974)
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
2.2. A difusão dos ideais do Objetivo geral 2: Conhecer e  Recursos digitais  Observação
Estado Novo compreender os mecanismos de – PowerPoint® E2 – O Estado centrada na
difusão dos ideais do Estado Novo e Novo (1933-1974) (Tópico 4) capacidade de
 A repressão sobre os de repressão para com os opositores – Guia de exploração dos organização da
opositores PowerPoint® da pág. 20 dos informação e
– Um partido único Questões orientadoras da aula: “Recursos digitais” conhecimentos.
– A censura prévia 1. Que mecanismos de repressão 1. Diálogo professor/aluno a partir da análise das figs. 11 a 15 – Apontamentos de Didática
– A polícia política utilizou o Estado Novo? das págs. 115 e 116 e leitura do doc. 1 da pág. 116 do Manual:  Observação
– identificação do partido do regime, destacando as  e-Manual centrada na
consequências sofridas por quem não pertencia ao mesmo; – Slideshow “Os mecanismos capacidade de
– caracterização das formas utilizadas pelo Estado Novo para de repressão do Estado Novo” questionar
limitar a liberdade de expressão e de reunião; informações dadas.
– análise do número de presos políticos entre 1932 e 1945,
questionando o significado dos valores apresentados;
Construção de conceitos: – exploração do testemunho de uma presa política, salientando os
– Censura; meios a que a PIDE recorria para obter informações dos detidos.
– Liberdade de expressão 2. De que forma o desrespeito pelos 2. Diálogo professor/aluno a partir da leitura da rubrica
Direitos Humanos ainda são uma Atualmente da pág. 116 do Manual:
realidade atual? – exploração de alguns exemplos de países cujos Direitos
Humanos não são respeitados.
Trabalho de casa:
– Trabalha o Espaço: realização das atividades propostas na pág.
60 do Caderno das Perguntas;
– realização do Guia de Estudo n.o 12 da pág. 61 do Caderno das
Perguntas.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio E – Portugal do século XX
Subdomínio 2 O Estado Novo (1933-1974)
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
2.3. Os principais movimentos Objetivo geral 3: Conhecer e  Recursos digitais  Correção do
de resistência ao Estado Novo compreender os principais movimentos – PowerPoint® E2 – O Estado trabalho de casa da
de resistência ao Estado Novo Novo (1933-1974) (Tópicos 5 e 6) aula anterior.
 A prosperidade e a opressão – Guia de exploração dos
 A oposição ao Estado Novo Questões orientadoras da aula: PowerPoint® das págs. 20 e 21  Observação
1. Como se caracterizavam as 1. Leitura do texto informativo das págs. 117 e 118 e exploração dos “Recursos digitais” – centrada na
condições de vida da grande maioria das figs. 16 a 19 das págs. 117 e 118 do Manual: Apontamentos de Didática capacidade de
da população portuguesa durante o – identificação de algumas obras públicas; recolha de
Estado Novo? – comparação da ideia transmitida pelo Estado Novo com a  e-Manual informações a partir
construção de grandes obras públicas com as condições de vida da – Slideshow “A opressão social de textos e imagens.
maioria dos portugueses; durante o Estado Novo”
Construção de conceitos: – destaque para os protestos públicos de trabalhadores. – Animação “Movimentos de  Observação
– Resistência; oposição ao Estado Novo” centrada na
– Oposição política 2. Como era organizada a oposição ao 2. Diálogo professor/aluno a partir da análise das figs. 20 e 21 da capacidade de
Estado Novo? pág. 118 e da leitura da canção “Qualquer dia” da pág. 118 do aquisição de
Manual: conhecimentos.
– explicação dos motivos pelos quais a oposição política ao Estado
Novo era clandestina;  Observação
– destaque para a criação, ação e objetivos do MUD; centrada no
– caracterização da forma como alguns artistas integraram os empenhamento
movimentos de oposição ao regime; demonstrado na
– exploração do canto de intervenção de Zeca Afonso, destacando realização de tarefas.
a ideia de esperança na alteração da situação política e social
vivida;
– realce para os objetivos e para a forma como os estudantes
evidenciaram a sua oposição ao Governo.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio E – Portugal do século XX
Subdomínio 2 O Estado Novo (1933-1974)
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
2.3. Os principais movimentos Objetivo geral 3: Conhecer e  Recursos digitais  Observação
de resistência ao Estado Novo compreender os principais movimentos – PowerPoint® E2 – O Estado centrada na
(continuação) de resistência ao Estado Novo Novo (1933-1974) (Tópico 7) capacidade de emitir
Questões orientadoras da aula: – Guia de exploração dos opiniões
 A oposição ao Estado Novo 1. Qual foi o papel do General 1. Leitura do texto informativo das págs. 119 e 120 e exploração PowerPoint® da pág. 21 dos fundamentadas.
 O marcelismo e a “abertura Humberto Delgado na oposição à das figs. 22 a 24 das págs. 119 e 120 do Manual: “Recursos digitais” –
do regime” ditadura? – reconhecimento das eleições de 1958 à Presidência da República Apontamentos de Didática  Observação
como um grande momento de oposição ao Estado Novo; centrada na
– destaque para a forma como Humberto Delgado obteve grande capacidade de
apoio da população; comunicação e
– análise do percurso político do “General Sem Medo”, participação no
salientando o seu desfecho; diálogo.
– explicação dos motivos que levaram Salazar a alterar a lei
Construção de conceitos: eleitoral.  Observação
– Marcelismo 2. Leitura do texto informativo da pág. 120 e análise e centrada na aquisição
2. Como se caracterizou o governo de exploração da fig. 25 da pág. 120 do Manual: de conhecimentos.
Marcello Caetano? – identificação dos motivos pelos quais Salazar foi substituído por
Marcello Caetano;
– análise das medidas tomadas por Marcello Caetano na tentativa
de “abrir o regime”;
– discussão acerca da manutenção do regime opressivo pelo
governo de Marcello Caetano.
3. Diálogo professor/aluno a partir da análise da rubrica Ver e
Tocar o Passado das págs. 126 e 127 do Manual:
– identificação das funções destinadas a cada elemento da família;
– identificação dos objetos presentes na sala de uma família dos
anos 1960;
– comparação entre os comportamentos dos elementos da família
e dos objetos presentes na sala com a atualidade.
Trabalho de casa:
– Trabalha o Tempo: realização das atividades propostas na pág.
63 do Caderno das Perguntas;
– realização da atividade da rubrica Investiga proposta na pág. 120
do Manual.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio E – Portugal do século XX
Subdomínio 2 O Estado Novo (1933-1974)
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
2.4. O colonialismo português Objetivo geral 4: Conhecer e  Recursos digitais  Correção do
e a Guerra Colonial compreender a manutenção do – PowerPoint® E2 – O Estado trabalho de casa da
colonialismo português e a Guerra Novo (1933-1974) (Tópico 8) aula anterior.
 A proibição da Colonial – Guia de exploração dos
independência Questões orientadoras da aula: PowerPoint® da pág. 21 dos  Observação
 Treze anos de Guerra 1. Qual era a posição do Estado Novo 1. Diálogo professor/aluno a partir da análise das figs. 26 a 28 da “Recursos digitais” centrada na aquisição
Colonial relativamente à sua política colonial? pág. 121, da leitura do doc. 2 da pág. 121 e análise do mapa da fig. – Apontamentos de Didática de conhecimentos.
29 da pág. 122 do Manual:
– relação entre a intransigência de Salazar em reconhecer a  e-Manual  Observação
independência das colónias e o ambiente internacional hostil a – Animação “A luta pela centrada na
Portugal; independência nas colónias capacidade de
– explicação do processo de perda dos territórios portugueses na portuguesas” comunicação e
Índia, em 1961; – Animação “A Guerra participação no
Construção de conceitos: – caracterização da atitude de Salazar perante o início dos Colonial” diálogo.
– Guerra Colonial movimentos de luta pela independência nas colónias portuguesas em
África;  Recolha de
– localização das colónias portuguesas no período da Guerra testemunhos orais.
Colonial;
– identificação dos territórios e do período em que se deu o início da
guerra.
2. Como se caracteriza a Guerra 2. Diálogo professor/aluno a partir da análise das figs. 30 e 31 da
Colonial? pág. 122 e da leitura e análise do texto 1 da pág. 122 do Manual:
– explicação das táticas da guerrilha, salientando as consequências
das mesmas para os soldados portugueses;
– destaque para o apoio das populações autóctones aos guerrilheiros;
– localização espaciotemporal do período da Guerra Colonial.
Trabalho de casa:
– Faz uma entrevista: preparação de uma entrevista a realizar pelos
alunos a familiares ou conhecidos acerca da Guerra Colonial.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio E – Portugal do século XX
Subdomínio 2 O Estado Novo (1933-1974)
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
2.4. O colonialismo português Objetivo geral 4: Conhecer e  Recursos digitais  Apresentação
e a Guerra Colonial compreender a manutenção do – PowerPoint® E2 – O Estado à turma do trabalho
colonialismo português e a Guerra Novo (1933-1974) (Tópico 8 e de casa da aula
 Os efeitos da guerra Colonial Síntese de conteúdos) anterior.
Questões orientadoras da aula: – Guia de exploração dos
1. Quais foram os efeitos da guerra? 1. Leitura do texto informativo da pág. 123 e análise e PowerPoint® da pág. 21 dos  Observação
exploração das figs. 32 a 34 da pág. 123 do Manual: “Recursos digitais” centrada na
– análise das consequências da guerra colonial, destacando – Apontamentos de Didática capacidade de
a grande perda de vidas humanas dos dois lados da guerra. intervenção/
Construção de conceitos: Diálogo aberto/síntese de conteúdos:  e-Manual argumentação.
– Guerra Colonial – análise do esquema Em resumo da pág. 124 do Manual. – Friso “Cronologia: Estado Novo”
Trabalho individual: – Interatividade “Regimes  Observação
– resolução do Avalia o essencial da pág. 125 do Manual ditatoriais na atualidade” centrada na
Trabalho de casa: capacidade de
– Trabalha o Espaço: realização das atividades propostas na pág. comunicação e
64 do Caderno das Perguntas. participação no
– realização do Guia de Estudos n.o 13 do Caderno das Perguntas, diálogo.
pág. 65.
– realização das Perguntas de Escolha Múltipla das págs. 67 e 68
do Caderno das Perguntas.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio E – Portugal do século XX
Subdomínio 3 O 25 de Abril de 1974 e o regime democrático
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões orientadoras Avaliação
Conteúdos / Conceitos Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
3.1. O golpe militar de 25 de Abril Objetivo geral 1: Conhecer e compreender Motivação  Recursos digitais  Correção do
de 1974 as causas do golpe militar do 25 de Abril de Exploração da imagem de abertura do subdomínio E3 – O 25 – PowerPoint® de motivação trabalho de casa da
1974 de abril de 1974 e o regime democrático: ao Subdomínio E3 aula anterior.
 As razões que levaram à – Que elementos estão presentes na imagem? – PowerPoint® E3 – O 25 de
revolução – Qual a expressão evidente na cara das pessoas? Abril de 1974 e o regime  Observação
 O desenrolar da revolução Questões orientadoras da aula: – Qual será o significado do cravo? democrático (Tópicos 1, 2, 3 centrada na aquisição
1. Quais foram as razões que levaram 1. Leitura do texto informativo da pág. 129 e exploração das e 4) de conhecimentos.
à Revolução de Abril? figs. 1, 2 e 3 das págs. 128 e 129 do Manual: – Guia de exploração dos
– análise da evolução do número de emigrantes desde 1962 PowerPoint ® das págs. 4 e 22  Observação
até 1972, relacionando a elevada emigração com as difíceis dos “Recursos digitais” – centrada na aplicação
condições de vida; Apontamentos de Didática de conhecimentos e
Construção de conceitos: – explicação das principais razões que originaram a revolução. desempenho de
– Golpe militar; 2. Diálogo professor/aluno a partir da leitura do doc. 1 da  e-Manual tarefas.
– Revolução 2. Como foi preparada a revolução? pág. 130 e da análise da fig. 4 da pág. 130 do Manual: – Animação “As razões da
– identificação dos elementos que compunham o MFA e dos Revolução de 25 de Abril”  Observação
seus objetivos; – Animação “A Revolução do centrada na
– caracterização da forma de atuação do MFA para a 25 de Abril” capacidade de
preparação da Revolução de Abril; – Animação “Geografia de comunicação.
– destaque para o dia em que foram entregues as instruções uma revolução – 1974”
finais aos militares.  Realização das
3. Leitura do texto informativo das págs. 130 e 131,  Revista “Brincar com tarefas indicadas para
3. Como se desencadearam os exploração do doc. 2 da pág. 130 e análise das figs. 5 a 9 das Coisas Sérias” trabalho de casa.
acontecimentos no dia 25 de abril de págs. 130 e 131 do Manual: – Notícias que dão que
1974? – identificação dos protagonistas da revolução; pensar
– explicação da importância da ocupação dos meios de Celeste e os cravos
comunicação; E os direitos das mulheres?
– explicação dos momentos que antecederam a rendição do Eu também estava lá!...
Governo; – Jogos que dão para
– destaque para o apoio da população aos militares e do aprender
carácter não violento da revolução; Os 7 cravos
– explicação da razão pela qual a revolução é conhecida como
“Revolução dos Cravos”.
Trabalho de casa:
– Trabalha o Espaço: realização das atividades propostas na
pág. 69 do Caderno de Perguntas.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio E – Portugal do século XX
Subdomínio 3 O 25 de Abril de 1974 e o regime democrático
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões orientadoras Avaliação
Conteúdos / Conceitos Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
3.2. As consequências do 25 de Abril Objetivo geral 2: Conhecer e compreender  Recursos digitais  Correção do
de 1974 as consequências do 25 de Abril de 1974 ao – PowerPoint® E3 – O 25 de Abril trabalho de casa da
nível da democratização do regime e da de 1974 e o regime democrático aula anterior.
 O Programa do MFA descolonização (Tópico 4)
Questões orientadoras da aula: – Guia de exploração dos  Observação
1. Quais eram as três grandes orientações 1. Diálogo professor/aluno a partir da leitura do texto PowerPoint® da pág. 22 dos centrada na
políticas do MFA? informativo da pág. 132 e exploração das figs. 10 e 11 “Recursos digitais” capacidade de
da pág. 132: – Apontamentos de Didática cooperação.
– identificação do novo Governo, destacando quem o
presidia;  e-Manual  Observação
– explicação do significado das grandes orientações – Animação “O programa do centrada na aplicação
Construção de conceitos: políticas do Programa do MFA. Movimento das Forças Armadas” de conhecimentos e
– Democracia 2. Que medidas foram tomadas no sentido 2. Diálogo professor/aluno a partir da leitura do texto desempenho de
de democratizar a sociedade? informativo e observação da fig. 12 da pág. 132 do tarefas.
Manual:
– identificação das principais medidas para  Participação
democratizar a sociedade portuguesa; oral e qualidade das
– relação entre a democratização do país e a libertação intervenções.
dos presos políticos (figura 12).
3. Quais foram as principais consequências 3. Leitura do texto informativo da pág. 133 e
que se seguiram à Revolução de Abril? exploração e análise das figs. 13 e 14 da pág. 133 do
Manual:
– relação entre a democratização do país e o aumento
de manifestações de trabalhadores;
– identificação dos motivos que originaram as
manifestações;
– destaque para a adesão popular e o significado da
comemoração do primeiro 1.º de Maio de em
liberdade, em 1974.
Trabalho de aula:
– realização do Guia de Estudo n.o 14 da pág. 70 do
Caderno das Perguntas.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio E – Portugal do século XX
Subdomínio 3 O 25 de Abril de 1974 e o regime democrático
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
3.2. As consequências do Objetivo geral 2: Conhecer e  Recursos digitais  Correção do
25 de Abril de 1974 compreender as consequências do 25 – PowerPoint® E3 – O 25 de Abril trabalho de casa da
(continuação) de Abril de 1974 ao nível da de 1974 e o regime democrático aula anterior.
democratização do regime e da (Tópico 5)
 A construção do regime descolonização – Guia de exploração dos  Observação
democrático PowerPoint® da pág. 23 dos centrada na
Questões orientadoras da aula: 1. Leitura do texto informativo da pág. 134 e exploração das figs. “Recursos digitais” capacidade de
1. Quais são as principais 15 e 16 da pág. 134 do Manual: – Apontamentos de Didática estabelecer
características das eleições de 25 de – identificação dos aspetos que mostram o facto de as eleições de comparações entre
abril de 1975? 1975 terem sido “livres”;  e-Manual épocas diferentes.
Construção de conceitos: – comparação entre os cidadãos eleitores no período do Estado – Exercício orientado “A
– Democracia; Novo e os que participaram nas eleições de 1975; construção do Regime  Participação
– Direito de voto; – destaque para as formas utilizadas de apelo ao voto e para a Democrático” oral e qualidade das
– Constituição de 1976 afluência às eleições. intervenções.
2. Diálogo professor/aluno a partir da leitura do doc. 3 das págs.  Revista “Brincar com Coisas
2. Que importância teve a 134 e 135 e da análise das figs. 17 a 20 das págs. 134 e 135 do Sérias”  Observação
Constituição de 1976 na consagração Manual: – Jogos que dão para aprender centrada na aplicação
dos direitos e liberdades – identificação dos principais direitos e liberdades presentes na A árvore democrática de conhecimentos e
fundamentais? Constituição de 1976; na resposta às
– destaque para o direito de voto e para a importância deste questões colocadas
direito para a salvaguarda da democracia. ao longo da aula.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio E – Portugal do século XX
Subdomínio 3 O 25 de Abril de 1974 e o regime democrático
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
3.2. As consequências do Objetivo geral 2: Conhecer e  Recursos digitais  Observação
25 de Abril de 1974 compreender as consequências do 25 – PowerPoint® E3 – O 25 de Abril centrada na aplicação
(continuação) de Abril de 1974 ao nível da de 1974 e o regime democrático de conhecimentos e
democratização do regime e da (Tópico 6) desempenho de
 A descolonização e o descolonização – Guia de exploração dos tarefas.
fim do Império Português Questões orientadoras da aula: PowerPoint® da pág. 23 dos
1. Qual foi a solução encontrada pelo 1. Diálogo professor/aluno a partir da análise e exploração das “Recursos digitais”  Observação
Governo Português para terminar com figs. 21 e 22 da pág. 136 do Manual: – Apontamentos de Didática centrada na
a Guerra Colonial? – explicação do reconhecimento à independência das colónias capacidade de
como forma de acabar com a Guerra Colonial;  e-Manual entreajuda.
– localização no tempo da independência dos novos países – Slideshow “A descolonização
africanos que surgiram na sequência do processo de portuguesa em África”  Participação
descolonização. – Slideshow “A descolonização oral e qualidade das
Construção de conceitos: 2. Quais foram os principais desafios 2. Leitura do texto informativo das págs. 136 e 137, exploração portuguesa na Ásia” intervenções.
– Democracia; enfrentados durante a descolonização do texto 1 da pág. 136 e análise das figs. 23 e 24 das págs. 136 e
– Descolonização; portuguesa? 137 do Manual:  Realização
– Retornados – análise das consequências da descolonização para as populações das tarefas indicadas
que viviam nas colónias; para trabalho de casa.
– identificação do motivo pelo qual a integração dos retornados
foi um sucesso;
– realce para o processo de independência de Macau e de Timor;
– destaque para a transição da administração de Macau para a
China, em 1999.
3. Qual a dimensão do território 3. Diálogo professor/aluno a partir da análise do mapa da fig. 25
português após o processo de da pág. 137 do Manual:
descolonização? – localização dos novos países africanos de expressão portuguesa;
– observação da dimensão do território português após o
processo de descolonização.
Trabalho de aula:
– Trabalha o Espaço: realização das atividades propostas na pág.
72 do Caderno das Perguntas;
– realização do Guia de Estudo n.o 15 na pág. 74 do Caderno das

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Perguntas.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio E – Portugal do século XX
Subdomínio 3 O 25 de Abril de 1974 e o regime democrático
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
3.3. Os órgãos do poder Objetivo geral 3: Conhecer os órgãos  Recursos digitais  Observação
Democrático do poder democrático – PowerPoint® E3 – O 25 de Abril centrada na
Questões orientadoras da aula: de 1974 e o regime democrático capacidade de
 Poder Central 1. Quais são os órgãos do Poder 1. Leitura do texto informativo da pág. 138 e exploração das figs. (Tópico 7) cooperação.
 Poder Regional Central? 26 e 27 da pág. 138 do Manual: – Guia de exploração dos
– identificação dos órgãos de soberania ou do Poder Central; PowerPoint® da pág. 23 dos  Observação
– destaque para os órgãos de soberania eleitos diretamente pelos “Recursos digitais” centrada na aplicação
cidadãos. – Apontamentos de Didática de conhecimentos e
2. Que funções desempenham os 2. Diálogo professor/aluno a partir da leitura e análise das figs. desempenho de
órgãos do Poder Central? 28 a 31 das págs. 138 e 139 do Manual:  e-Manual tarefas.
– análise das funções desempenhadas pelo Governo, pela – Infografia “Órgãos de poder
Assembleia da República e pelo Presidente da República; central”  Observação
Construção de conceitos: – identificação dos presidentes da República após o 25 de Abril; – Infografia “Órgãos de poder centrada na
– Poder Central; – localização do edifício da Assembleia da República. regional” capacidadede
– Governo; 3. Quais são as principais 3. Leitura do texto informativo da pág. 139 e análise e entreajuda.
– Assembleia da República; características do Poder Regional? exploração da fig. 32 da pág. 139 do Manual:
– Poder Regional; – explicação das razões pelas quais os Açores e a Madeira são
– Região Autónoma; regiões autónomas;
– Cidadão eleitor – identificação das vantagens que as populações dos Açores e da
Madeira têm por possuírem órgãos de governos próprios.
Trabalho de grupo:
– Investiga: realização de uma pesquisa e recolha de notícias
referentes ao Poder Central;
– definição, em grupo, das regras de recolha de notícias.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio E – Portugal do século XX
Subdomínio 3 O 25 de Abril de 1974 e o regime democrático
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
3.3. Os órgãos do poder Objetivo geral 3: Conhecer os órgãos  Recursos digitais  Participação
democrático (continuação) do poder democrático – PowerPoint® E3 – O 25 de oral e qualidade das
Questões orientadoras da aula: Abril de 1974 e o regime intervenções.
 Poder Local 1. Quais são os órgãos do Poder Local? 1. Leitura do texto informativo da pág. 140 e análise e exploração democrático (Tópico 7)
das figs. 33 a 35 da pág. 140 do Manual: – Guia de exploração dos  Observação
– identificação dos órgãos do Poder Local; PowerPoint® da pág. 23 dos centrada no
– destaque para os órgãos do Poder Local eleitos diretamente “Recursos digitais” desenvolvimento da
pelos cidadãos; – Apontamentos de Didática criatividade, da
– análise do número das autarquias locais em Portugal continental e autonomia e do
Ilhas.  e-Manual espírito crítico.
Construção de conceitos: – Infografia “Órgãos de poder
– Poder local; 2. Que funções desempenham esses 2. Diálogo professor/aluno a partir da leitura e análise das figs. 36 e local”  Observação
– Autarquia; órgãos? 37 da pág. 141 do Manual: centrada na aplicação
– Câmara municipal; – análise das funções desempenhadas pela câmara municipal e pela  Revista “Brincar com de conhecimentos e
– Junta de freguesia junta de freguesia. Coisas Sérias” desempenho de
– Jogos que dão para tarefas.
Trabalho de aula: aprender
Constrói: construção de um panfleto ou cartaz apelando ao voto da O cidadão distraído
população nas próximas eleições.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio E – Portugal do século XX
Subdomínio 3 O 25 de Abril de 1974 e o regime democrático
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
3.4. Conquistas, dificuldades Objetivo geral 4: Analisar algumas  Recursos digitais  Observação
e desafios que Portugal conquistas, dificuldades e desafios que – PowerPoint® E3 – O 25 de centrada no
enfrenta no nosso tempo Portugal enfrenta no nosso tempo Abril de 1974 e o regime desenvolvimento da
democrático (Tópico 8) autonomia e espírito
 A adesão à CEE Questões orientadoras da aula: – Guia de exploração dos crítico.
 O desenvolvimento do país: 1. Que aspetos facilitaram a aceitação 1. Leitura do texto informativo da pág. 142 e análise e exploração PowerPoint® da pág. 23 dos
conquistas e desafios de Portugal pelos Estados-membros das figs. 38 a 42 das págs. 142 e 143 do Manual: “Recursos digitais”  Observação
da CEE? – explicação dos motivos que levaram ao surgimento da CEE, – Apontamentos de Didática centrada na aplicação
destacando a data e o local do tratado fundador; de conhecimentos e
– localização dos países que faziam parte da Europa dos Doze;  e-Manual desempenho de
– identificação das mudanças que ocorreram em Portugal e que foram – Animação “A tarefas.
Construção de conceitos: bem aceites pelos países europeus; democratização de Portugal e
– CEE – destaque para a entrada de Portugal na CEE, evidenciando a entrada na CEE”  Participação
protagonistas. – Slideshow “A modernização oral e qualidade das
2. Que aspetos comprovam a 2. Diálogo professor/aluno a partir da leitura do texto informativo e do país após a entrada na intervenções.
modernização de Portugal após a da análise dos gráficos da fig. 43 da pág. 143: CEE”
adesão à CEE? – análise da evolução dos dados relativos à educação, segurança social  Realização
e saúde, refletindo sobre o seu significado; das tarefas indicadas
– identificação das principais melhorias ocorridas nas condições de para trabalho de casa.
vida dos portugueses.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio E – Portugal do século XX
Subdomínio 3 O 25 de Abril de 1974 e o regime democrático
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões
Avaliação
Conteúdos / Conceitos orientadoras Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
3.4. Conquistas, dificuldades Objetivo geral 4: Analisar algumas  Recursos digitais  Observação
e desafios que Portugal conquistas, dificuldades e desafios que – PowerPoint® E3 – O 25 de centrada no
enfrenta no nosso tempo Portugal enfrenta no nosso tempo Abril de 1974 e o regime desenvolvimento da
Questões orientadoras da aula: democrático (Tópico 8 e autonomia e espírito
 O desenvolvimento do país: 1. Quais foram as conquistas ocorridas 1. Diálogo professor/aluno a partir da análise texto 2 da pág. 144 e Síntese de conteúdos) crítico.
conquistas e desafios após a adesão de Portugal à CEE? da exploração das figs. 45 a 48 da pág. 144 do Manual: – Guia de exploração dos
 As dificuldades e desafios – identificação das principais melhorias ocorridas em Portugal com a PowerPoint® da pág. 24  Observação
que Portugal enfrenta democracia. dos “Recursos digitais” – centrada na aplicação
2. Que desafios Portugal enfrenta nos 2. Análise do gráfico da fig. 49 da pág. 145 e da leitura das notícias da Apontamentos de Didática de conhecimentos e
nossos dias? pág. 145 do Manual: desempenho de
– análise da evolução do desemprego entre 1990 e 2015, por género,  e-Manual tarefas.
questionando o seu significado; – Animação “A igualdade de
– identificação dos problemas que contribuem para a crise económica géneros na atualidade”  Observação
e social que afeta Portugal. – Slideshow “As conquistas centrada no
3. Diálogo professor/aluno a partir da análise da rubrica Ver e Tocar de Abril e a participação desenvolvimento da
o Passado das págs. 148 e 149 do Manual: cívica” capacidade de
– identificação dos objetos existentes na redação de um jornal; – Animação “Dificuldades e autoavaliação.
– observação das posturas e atividades dos diversos intervenientes. desafios de Portugal na
4. Diálogo aberto/síntese de conteúdos: atualidade”  Participação
– análise do esquema Em resumo da pág. 146 do Manual. oral e qualidade das
5. Trabalho individual:  Revista “Brincar com intervenções.
– resolução do Avalia o essencial da pág. 147 do Manual Coisas Sérias”
Trabalho de casa: – Jogos que dão para
– Trabalha o Tempo: realização das atividades propostas na pág. 75 aprender
do Caderno das Perguntas; Nomes escondidos
– realização do Guia de Estudo n.o 16 na página 76 do Caderno das A conquista dos direitos e
Perguntas. liberdades fundamentais

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio E – Portugal do século XX
Subdomínio 4 Espaços em que Portugal se integra
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões orientadoras Avaliação
Conteúdos / Conceitos Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
da aula
4.1. A União Europeia Objetivo geral 1: Conhecer a União Europeia Motivação  Recursos digitais  Correção do
(UE) como uma das organizações Exploração da imagem de abertura do subdomínio – PowerPoint® de motivação trabalho de casa da
 Fases de alargamento e internacionais em que Portugal se integra E4 – Espaços em que Portugal se integra: ao Subdomínio E4 aula anterior.
Estados-membros – Que espaço está representado? – PowerPoint® E4 – Os
 Objetivos da UE – Qual a função a que se destina? Espaços em que Portugal se  Observação
 Instituições da UE Questões orientadoras da aula: integra (Tópicos 1 e 2) centrada no
 Desafios 1. Que países constituem a União Europeia? 1. Diálogo professor/aluno a partir da análise do mapa – Guia de exploração dos desempenho de
da fig. 2 da pág. 151 e da exploração das figs. 1 e 3 das PowerPoint® das págs. 4 e 24 tarefas.
págs. 150 e 151 do Manual: dos “Recursos digitais”
– indicação dos símbolos da União Europeia; – Apontamentos de Didática  Participação oral
– identificação dos países que fazem parte da UE; e qualidade das
Construção de conceitos: – observação das diferentes fases de alargamento da UE.  e-Manual intervenções.
– UE – Interatividade “União
2. Quais são os principais objetivos da 2. Leitura do texto informativo e da notícia da pág. 152 Europeia [6]”  Observação
União Europeia? e análise das figs. 4 e 5 da pág. 152 do Manual: centrada na
– identificação dos principais objetivos da UE; aplicação de
– exploração das vantagens da livre circulação de pessoas conhecimentos e na
e de mercadorias, das políticas comuns da agricultura e resposta às questões
da criação de uma moeda única; colocadas ao longo da
aula.
3. Que instituições integram a União 3. Leitura do texto informativo e análise e exploração
Europeia? da fig. 6 da pág. 152 do Manual:
– identificação das instituições da União Europeia;
– destaque para a eleição de Durão Barroso para
presidente da Comissão Europeia;
– destaque para a saída do Reino Unido da UE;
– enumeração dos problemas e desafios enfrentados pela
União Europeia.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio E – Portugal do século XX
Subdomínio 4 Espaços em que Portugal se integra
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões Avaliação
Conteúdos / Conceitos Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
orientadoras da aula
4.2. Outras organizações Objetivo geral 2: Conhecer outras 1. Leitura do texto informativo da pág. 153 e análise e exploração das figs.  Recursos digitais  Observação
Internacionais em que organizações internacionais em que 7 a 9 da pág. 153 do Manual: – PowerPoint® E4 – Os centrada no
Portugal se Portugal se integra – identificação dos principais objetivos da ONU; Espaços em que Portugal desempenho de
Integra Questões orientadoras da aula: – localização da sede das Nações Unidas em Nova Iorque, nos EUA; se integra (3, 4 e Síntese tarefas
1. Quais são os principais objetivos – exploração dos organismos especializados que auxiliam a atuação da ONU; de conteúdos)
 Organização das Nações da ONU? – destaque para a eleição de Guterres para Secretário-Geral da ONU. – Guia de exploração dos  Participação
Unidas (ONU) 2. Porque foram criadas as 2. Leitura do texto informativo da pág. 154 e análise e exploração das figs. PowerPoint® da pág. 25 oral e qualidade das
 Os PALOP e a CPLP organizações PALOP e CPLP? 9 e 10 da pág. 154 do Manual: dos “Recursos digitais” – intervenções.
 A organização do Tratado – localização dos países que fazem parte da CPLP; Apontamentos de
do Atlântico Norte (NATO) – exploração dos objetivos dos PALOP e da CPLP. Didática  Observação
 As ONG – Organização não 3. Quais são os principais objetivos 3. Diálogo professor/aluno a partir da análise do mapa da fig. 12 da pág. centrada na aplicação
Governamental da NATO? 155 e da exploração da fig. 11 da pág. 154 do Manual:  e-Manual de conhecimentos e
– explicação dos objetivos da NATO; – Interatividade na resposta às
– reconhecimento da sede da NATO em Bruxelas; “Organização das Nações questões colocadas
– identificação das fases de alargamento da NATO; Unidas” ao longo da aula.
Construção de conceitos: – destaque para a adesão de Portugal à NATO. – Interatividade “PALOP
– ONU; 4. Qual é a missão das organizações 4. Leitura do texto informativo da pág. 155 e análise e exploração da fig. e CPLP”  Realização das
– CPLP; não governamentais? 13 da pág. 155 do Manual: – Interatividade tarefas indicadas para
– PALOP; – explicação das funções e objetivos das Organizações Não Governamentais; “Organização do Tratado trabalho de casa.
– NATO; – identificação de algumas Organizações Não Governamentais a nível do Atlântico Norte”
– ONG nacional e internacional;
– destaque para os apelos que são feitos nos cartazes da Cruz Vermelha e  Revista “Brincar
da AMI. com Coisas Sérias”
5. Diálogo professor/aluno a partir da análise da rubrica Ver e Tocar o – Jogos que dão para
Presente das págs. 156 e 157 do Manual: aprender
– identificação do tipo de ajuda; Jogos que dão para
– explicação dos objetivos da campanha; aprender
– apelo à importância do voluntariado. O cidadão do Mundo
Trabalho de casa:
– Trabalha o Tempo: realização das atividades propostas na pág. 78 do
Caderno das Perguntas.
– realização do Guia de Estudo n.o 17 do Caderno das Perguntas, pág. 79.
– resolução das Perguntas de Escolha Múltipla do Caderno das Perguntas,
págs. 81 e 82

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio F – Portugal hoje
Proposta de trabalho de grupo Tempos letivos para desenvolvimento das tarefas – 6
Apresentação dos trabalhos de grupo e avaliação – 4
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões orientadoras Avaliação
Conteúdos / Conceitos Manual / Caderno das Perguntas
da aula
Subdomínio 1 – A população portuguesa Questões orientadoras da aula: a) Divisão da turma em quatro grupos de trabalhos. Cada grupo deve  Observação centrada no
Subdomínio 2 – Os lugares onde vivemos 1. Quantos somos? reunir-se em redor de uma mesa com um computador, lápis, canetas empenhamento das tarefas.
Subdomínio 3 – Atividades que 2. Onde vivemos? e as fichas de trabalho entregues pelo professor que permitirão aos
desenvolvemos 3. Em que atividades trabalhamos? alunos realizar as tarefas.  Observação centrada na
Subdomínio 4 – O Mundo mais perto de 4. Como nos comunicamos no trabalho e no criatividade.
nós lazer?
Subdomínio 5 – Lazer e património b) Cada grupo deve ligar o computador e aceder à apresentação  Observação centrada na
PowerPoint relativa ao Domínio F – Portugal hoje. capacidade de trabalhar em
grupo.
c) No ecrã de entrada da apresentação existem quatro tarefas
destinadas a cada grupo. A primeira tarefa procura responder à  Realização de uma ficha
questão “Quantos somos?”, a segunda tarefa procura responder à de trabalho.
questão “Onde vivemos?”, a terceira tarefa procura responder à
questão “Em que atividades trabalhamos?” e a quarta tarefa procura  Observação centrada na
responder à questão “Como nos comunicamos no trabalho e no comunicação.
lazer?”.
 Apresentação dos
trabalhos de grupo à turma.
d) Cada tarefa deve ser destinada a um grupo de alunos que, ao clicar
na imagem que lhe corresponde, acede às orientações que lhe são
dadas para realizar as atividades.

e) Para o desenvolvimento dos conteúdos foram previstas seis aulas


de 45 minutos.

f) Para a apresentação dos trabalhos aos colegas, cada grupo dispõe


de cerca de 30 minutos, sendo os restantes destinados a questões
colocadas pelos colegas e/ou pelo professor ou ao debate de ideias.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio F – Portugal hoje
Subdomínio 1 A população portuguesa
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões Avaliação
Conteúdos / Conceitos Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
orientadoras da aula
1.1. A importância dos Objetivo geral 1: Compreender a 1. Diálogo professor/aluno a partir da leitura do texto informativo e da  Recursos digitais  Observação
Recenseamentos importância dos recenseamentos exploração das figs. 1 a 4 das págs. 160 e 161 do Manual: – PowerPoint® de centrada no
na recolha de informação sobre a – explicação do que é um recenseamento da população e qual a sua motivação ao Domínio F empenhamento das
 A recolha de informação população importância na gestão e ordenamento do território; – PowerPoint® F – tarefas.
 As divisões administrativas Objetivo geral 2: Conhecer a – identificação do tipo de dados recolhidos nos recenseamentos da Portugal hoje
/estatísticas evolução da população em Portugal e população; – Guia de exploração dos  Observação
compreender a sua relação com o – localização das diferentes divisões administrativas do território nacional PowerPoint ® das págs. 4 centrada na
1.2. A evolução da população crescimento natural a diferentes escalas. e 26 dos “Recursos participação oral e
em Portugal e a sua relação Objetivo geral 3: Compreender o 2. Leitura do texto informativo e exploração das figs. 5 e 6 da pág. 162 do digitais” – Apontamentos qualidade das
com o crescimento natural contributo do saldo migratório na Manual: de Didática intervenções.
evolução da população em Portugal – definição de população total ou absoluta;
1.3. O contributo do saldo – caracterização da evolução da população portuguesa desde 1864;  e-Manual  Realização das
migratório na evolução da Questões orientadoras da aula: – identificação do crescimento natural como o principal fator responsável – Slideshow tarefas indicadas para
população em Portugal 1. Porque é que os recenseamentos pela evolução da população; “Recenseamento da trabalho de casa.
são tão importantes? – distinção natalidade de taxa de natalidade e mortalidade de taxa de população”
2. Como tem evoluído o crescimento mortalidade; – Interatividade “Divisões
Construção de conceitos: da população em Portugal? – análise da evolução das taxas de natalidade e de mortalidade em Portugal; administrativas de
Recenseamento; NUTS; 3. Qual é o contributo do saldo – identificação dos fatores responsáveis pela diminuição da natalidade e da Portugal”
população total ou absoluta; migratório na evolução da mortalidade em Portugal nas últimas décadas. – Exercício orientado
natalidade; mortalidade; taxa; população em Portugal? 3. Leitura do texto informativo e exploração das figs. 7 a 12 das págs. 163 “Evolução da população
crescimento natural; e 164 do Manual: portuguesa”
emigração; imigração; saldo – definição de conceitos como emigração, imigração, saldo migratório; – Exercício orientado
migratório – análise da evolução da emigração e da imigração em Portugal; “Evolução da natalidade
– localização das principais áreas de destino da emigração portuguesa; em Portugal”
– identificação das principais causas e consequências da emigração em – Exercício orientado
Portugal; “Evolução da mortalidade
– identificação das principais nacionalidades dos imigrantes em Portugal. em Portugal”
Trabalho de casa: – Exercício orientado
– Trabalha o Espaço: realização das atividades propostas na pág. 83 do “Evolução da emigração
Caderno das Perguntas. em Portugal [6]”
– Exercício orientado
“Evolução da imigração
em Portugal”

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio F – Portugal hoje
Subdomínio 1 A população portuguesa
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões Avaliação
Conteúdos / Conceitos Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
orientadoras da aula
1.4. Distribuição da população Objetivo geral 4: Compreender a 1. Diálogo professor/aluno a partir da leitura do texto informativo e da  Recursos digitais  Correção do
em Portugal distribuição da população em exploração das figs. 13 e 14 da pág. 165 do Manual: – PowerPoint® F – trabalho de casa da
Portugal – distinção entre densidade populacional e população total; Portugal hoje aula anterior.
1.5. A evolução da população Objetivo geral 5: Conhecer a – localização da distribuição regional da população total/densidade – Guia de exploração
portuguesa por grupos etários evolução da população portuguesa populacional em meados do século XX e na atualidade; dos PowerPoint® das  Observação
por grupos etários – identificação dos principais fatores que explicam os contrastes na págs. 26 e 27 dos centrada no
 Os grupos etários Objetivo geral 6: Conhecer e distribuição da população na atualidade. “Recursos empenhamento das
compreender as consequências do 2. Leitura do texto informativo e exploração das figs. 15 a 17 da pág. 166 digitais” – Apontamentos tarefas.
1.6. O duplo envelhecimento duplo envelhecimento da população do Manual: de Didática
da população em Portugal em Portugal – identificação dos 3 grupos etários;  Observação
Questões orientadoras da aula: – caracterização da evolução recente da população jovem, da adulta e da  e-Manual centrada na
1. Como se encontra distribuída a idosa; – Animação “Distribuição participação oral e
população em Portugal? – explicação dos fatores responsáveis pela evolução dos três grupos etários. da população em qualidade das
2. Como evoluiu a população 3. Leitura do texto informativo e da notícia e exploração das figs. 18 a 20 Portugal [6]” intervenções.
portuguesa por grupos etários? da pág. 167 do Manual: – Interatividade
Construção de conceitos: 3. A que se deve o duplo – definição de esperança média de vida à nascença; “Evolução da população  Realização das
Densidade populacional; envelhecimento da população? – caracterização da evolução da esperança média de vida à nascença; portuguesa por grupos tarefas indicadas para
grupo etário; duplo – identificação dos principais fatores responsáveis pelo aumento da etários” trabalho de casa.
envelhecimento esperança média de vida à nascença; – Exercício orientado
– explicação dos principais fatores que contribuem para o duplo “Evolução da esperança
envelhecimento da população; média de vida à
– localização das áreas mais afetadas pelo duplo envelhecimento da nascença”
população e as respetivas consequências; – Animação “Duplo
– destaque para as medidas que podem contribuir para a redução do duplo envelhecimento da
envelhecimento. população”
Trabalho de casa: – Animação
– Trabalha o Espaço: realização das atividades propostas nas págs. 84 e 85 “Consequências e
do Caderno das Perguntas. medidas do duplo
– realização do Guia de Estudo n.o 18 na pág. 86 do Caderno das Perguntas. envelhecimento da
população”

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio F – Portugal hoje
Subdomínio 2 Os lugares onde vivemos
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões Avaliação
Conteúdos / Conceitos Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
orientadoras da aula
2.1. Características da Objetivo geral 1: Compreender as 1. Diálogo professor/aluno a partir da exploração e análise das figs. 1 a 8  Recursos digitais  Correção do
população rural e urbana e os características da população rural e das págs. 168 a 171 do Manual: – PowerPoint® F – trabalho de casa da
seus modos de vida urbana e os seus modos de vida – explicação dos conceitos de povoamento, povoamento rural e urbano; Portugal hoje aula anterior.
 Povoamento rural e – definição de modo de vida, caracterizando os modos de vida
povoamento urbano Objetivo geral 2: Compreender predominantes no espaço rural e no espaço urbano;  e-Manual  Observação
– Povoamento rural a desigual dinâmica populacional – explicar a crescente interpenetração entre modos de vida rurais e – Animação “MAAT – centrada no
– Povoamento urbano das áreas rurais e das áreas urbanas urbanos. Museu de Arte, empenhamento das
– Interdependência e 2. Diálogo professor/aluno a partir da leitura do texto informativo e Arquitetura e Tecnologia” tarefas.
complementaridade Objetivo geral 3: Compreender exploração das figs. 9 a 16 das págs. 171 a 173 do Manual: – Exercício orientado
a atratividade exercida pelas áreas – análise da evolução da população rural e da população urbana em “Povoamento rural e  Observação
2.2. A desigual dinâmica urbanas Portugal, nas últimas décadas; urbano” centrada na
populacional das áreas rurais e – definição de taxa de urbanização; – Infografia “Áreas participação oral e
das áreas urbanas Questões orientadoras da aula: – explicação da relação existente entre a crescente taxa de urbanização com urbanas em Portugal” qualidade das
 A evolução da população 1. Quais são as características o êxodo rural; – Evolução da população intervenções.
rural e urbana da população rural e urbana? – localização das principais áreas urbanas em Portugal; rural e urbana
 Problemas e procura de 2. Como é a dinâmica populacional – destaque para os principais problemas das áreas urbanas e das áreas – Animação “Problemas e
soluções entre as áreas rurais e as áreas rurais em Portugal, apresentando possíveis soluções. soluções das áreas rurais
urbanas? 3. Leitura do texto informativo e da notícia e exploração das figs. 17 e 18 em Portugal”
2.3. A atratividade exercida 3. Porque é que as cidades atraem da pág. 174 do Manual: – Slideshow “Problemas e
pelas áreas urbanas tantas pessoas? – distinção entre área atrativa e área repulsiva; soluções das áreas
– destaque para a distribuição regional dos equipamentos ligados à saúde, urbanas em Portugal”
educação, cultura, desporto e audiovisuais; – Animação “Relações
– explicação da atratividade das áreas urbanas devido a uma maior entre o espaço rural e o
disponibilidade na oferta de emprego e concentração de equipamento de espaço urbano [6]”
Construção de conceitos: saúde, educação e lazer. – Slideshow “Modos de
Povoamento; equipamento 4. Diálogo professor/aluno a partir da exploração do desdobrável no final vida rural e urbano”
coletivo; taxa de urbanização; do Manual Ver e Tocar o Presente “MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e – Animação “Atratividade
área metropolitana; área Tecnologia. das áreas urbanas”
repulsiva; área atrativa Trabalho de casa:
– realização do Guia de Estudo n.o 19 na pág. 90 do Caderno das Perguntas.  Revista “Brincar
– realização de um trabalho de grupo na localidade onde reside. Registo da com Coisas Sérias”
observação na ficha de págs. 88 ou 89 do Caderno das Perguntas. – Notícias que dão que
pensar

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Vou ali plantar uns
rabanetes e já venho…

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio F – Portugal hoje
Subdomínio 2 Os lugares onde vivemos
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões Avaliação
Conteúdos / Conceitos Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
orientadoras da aula
3.1. A repartição das Objetivo geral 1: Conhecer a 1. Diálogo professor/aluno a partir da exploração das págs. 175 e 176 do  Recursos digitais  Observação
atividades económicas por repartição das atividades económicas Manual: – PowerPoint® F – Portugal centrada no
setores por setores – definição de conceitos: população ativa, população inativa; taxa de Hoje empenhamento das
 População ativa e inativa atividade; taxa de desemprego; atividades produtivas e atividades não tarefas.
Objetivo geral 2: Compreender a produtivas;  e-Manual
O agrupamento das atividades evolução da distribuição da – comparação das atividades económicas integradas nos setores – Infografia “Setores de  Observação
3.2. A evolução da distribuição população por setores de atividade primário, secundário e terciário. atividade económica” centrada na
da população por setores de em Portugal 2. Diálogo professor/aluno a partir da leitura do texto informativo e – Exercício orientado capacidade de
atividade exploração das figs. 2 a 4 da pág. 177 do Manual: “Evolução da população aproveitamento dos
Objetivo geral 3: Conhecer e – análise da evolução da população ativa por setores de atividade; ativa por setores de dados recolhidos
3.3. Características da compreender as características da – identificação dos fatores que explicam a diminuição da população ativa atividade” numa visita de
agricultura em Portugal agricultura em Portugal integrada no setor primário e no setor secundário; – Infografia “Consequências estudo.
 Tipos de agricultura – localização das áreas onde predominam atividades ligadas aos da evolução da população
 Transformações recentes Objetivo geral 4: Compreender a diferentes setores. ativa por setores de
e principais obstáculos importância da floresta em Portugal 3. Leitura de excertos selecionados de texto informativo e da notícia e atividade”
exploração das figs. 5 e 13 das págs. 178 a 180 do Manual: – Infografia “Distribuição
3.4. A importância da floresta Questões orientadoras da aula: – caracterização dos principais tipos de agricultura praticados em geográfica das atividades
em Portugal 1. Que atividades pertencem aos Portugal; económicas”
 Os arquipélagos da setores primário, secundário e – explicação das transformações recentes ocorridas na agricultura; – Interatividade “Tipos de
Madeira e dos Açores terciário? – localização dos principais produtos cultivados; agricultura em Portugal”
2. Como está distribuída a – identificação dos principais obstáculos à modernização da agricultura. – Animação “Modernização
população portuguesa pelos setores 4. Leitura e exploração do texto e das figs. 14 a 20 das págs. 180 a 182 da agricultura portuguesa”
económicos? do Manual: – Infografia “Funções das
Construção de conceitos: 3. Quais são as principais – referência às principais funções das florestas; florestas”
População ativa; população características da agricultura em – localização da distribuição das principais espécies florestais a nível – Interatividade “Espécies
inativa; Portugal? nacional; florestais em Portugal [6]”
taxa de atividade; taxa de 4. Qual é a importância da floresta? – destaque para os principais problemas que afetam a floresta. – Slideshow “Problemas
desemprego; setores de Trabalho de casa: das florestas”
atividade; – Trabalha o Espaço: realização das atividades propostas nas págs. 92
setor primário; setor e 93 do Caderno das Perguntas.  Revista “Brincar com
secundário; setor terciário; – realização do Guia de Estudo n.o 20 na pág. 94 do Caderno das Coisas Sérias”
minifúndio; policultura; Perguntas. – Notícias que dão que
latifúndio; pensar
monocultura; PAC (Política Se os sapatos falassem, que

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Agrícola Comum); reflorestação histórias contariam?

Domínio F – Portugal hoje


Subdomínio 3 As atividades que desenvolvemos
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões Avaliação
Conteúdos / Conceitos Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
orientadoras da aula
3.5. A atividade piscatória em Objetivo geral 5: Compreender a 1. Diálogo professor/aluno a partir da exploração das págs. 182 e 185  Recursos digitais  Correção do
Portugal atividade piscatória em Portugal do Manual: – PowerPoint® F – trabalho de casa da
 Zona Económica Exclusiva – identificação dos principais tipos de pesca praticados em Portugal; Portugal hoje aula anterior.
 Tipos de pesca Objetivo geral 6: Compreender a – localização das principais áreas de pesca e os portos de desembarque
 Problemas e possíveis evolução da indústria em Portugal do pescado;  e-Manual  Observação
soluções – destaque para alguns dos problemas que afetam a pesca portuguesa – Interatividade “Tipos de centrada no
Objetivo geral 7: Compreender a e possíveis soluções; pesca em Portugal [6]” empenhamento das
3.6. A evolução da indústria crescente importância das energias – identificação de aspetos positivos e negativos da aquacultura. – Slideshow “Pesca em tarefas
em Portugal renováveis em Portugal Portugal: problemas e
 Problemas e possíveis 2. Diálogo professor/aluno a partir da leitura do texto informativo e soluções”  Participação
soluções Objetivo geral 8: Compreender o exploração das figs. 29 a 32 das págs. 186 e 187 do Manual: – Animação oral e qualidade das
comércio em Portugal – identificação de diferentes tipos de indústria; “Aquacultura” intervenções.
3.7. A crescente importância – análise da evolução da indústria em Portugal; – Interatividade “Tipos de
das energias renováveis Objetivo geral 9: Compreender a – localização das principais áreas industriais em Portugal; indústria em Portugal”
crescente importância dos serviços – identificação dos principais problemas associados à atividade industrial – Slideshow “Indústria em
3.8. O comércio em Portugal entre as atividades económicas e possíveis soluções. Portugal: problemas e
em Portugal soluções”
3.9. A crescente importância 3. Leitura de excertos selecionados de texto informativo e exploração – Animação “Tipos de
dos serviços em Portugal Questões orientadoras da aula: das fig. 33 da pág.188 do Manual: energia em Portugal”
1. Quais são as principais – referência aos tipos de energia mais utilizados em Portugal; – Interatividade
características da atividade – distinção entre energias renováveis e energias não renováveis; “Racionalização dos
piscatória? – localização das principais áreas de produção de energia renovável; consumos energéticos”
2. Como tem evoluído a indústria – identificação dos principais fatores responsáveis pela crescente – Interatividade “Energias
em Portugal? importância das energias renováveis e de boas práticas. renováveis em Portugal”
3. Porque é que as energias – Animação “Importações
renováveis têm cada vez mais 4. Leitura e exploração do texto e das figs. 34 a 36 da pág.189 do e exportações em
importância? Manual: Portugal”
4. Quais são as principais – distinção entre importação e exportação; – Infografia “Novas
características do comércio em – análise da evolução das importações e das exportações em Portugal; formas de comércio”
Portugal?

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio F – Portugal hoje
Subdomínio 3 As atividades que desenvolvemos
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões Avaliação
Conteúdos / Conceitos Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
orientadoras da aula
Construção de conceitos: – identificação dos tipos de produtos importados/exportados e os parceiros – Animação
ZEE (Zona Económica comerciais; “Potencialidades
Exclusiva); – explicação das consequências do desigual valor das importações e económicas de Portugal”
bens de consumo; indústria exportações em Portugal;
da ponta; reciclagem; – identificação de novas formas de comercializar produtos e de pagar
importação; serviços.
exportação; serviços públicos; 5. Como se explica a crescente 5. Leitura e exploração do texto, da notícia e das figs. 37 e 38 da pág.
serviços privados; utentes importância dos serviços entre 190 do Manual:
as atividades económicas? – identificação dos diferentes tipos de serviços;
– localização das áreas de maior oferta de serviços;
– explicação dos contrastes regionais na oferta de serviços;
– explicação da importância do setor dos serviços na criação de emprego.
Trabalho de casa:
– Trabalha o Espaço: realização das atividades propostas na pág. 96 do
Caderno das Perguntas;
– realização do Guia de Estudo n.o 21 na pág. 97 do Caderno das Perguntas.

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio F – Portugal hoje
Subdomínio 4 O Mundo mais perto de nós
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões Avaliação
Conteúdos / Conceitos Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
orientadoras da aula
4.1. A importância dos Objetivo geral 1: Compreender a  Recursos digitais  Observação
transportes na sociedade atual importância dos transportes na – PowerPoint® F – Portugal hoje centrada no
sociedade atual empenhamento das
4.2. A importância das  e-Manual tarefas.
telecomunicações na Objetivo geral 2: Conhecer e – Animação “Importância da
sociedade atual compreender a importância das rede de transportes”  Observação
telecomunicações na sociedade atual – Animação “Distribuição e centrada na
Questões orientadoras da aula: assimetrias das redes de capacidade de
1. Porque é que os transportes são 1. Diálogo professor/aluno a partir da exploração das figs. transporte em Portugal” argumentação e de
tão importantes na sociedade 1 e 2 das págs. 191 e 192 do Manual: – Infografia “Vantagens e síntese.
atual? – localização das principais redes de estradas em Portugal continental; desvantagens dos diferentes
Construção de conceitos: – distinção entre rede de transporte e modo de transporte; modos de transporte  Observação
Rede de transportes; viagens – destaque para a importância dos transportes na sociedade atual. terrestres” centrada na
low-cost; globalização; 2. Quais são as principais vantagens 2. Leitura do texto informativo e da notícia das págs. 192 e 193 e – Infografia “Vantagens e participação oral e
aldeia global e desvantagens da utilização dos exploração e análise das figs. 3 a 8 das págs. 192 e 193 do Manual: desvantagens dos diferentes qualidade das
diferentes modos de transporte? – comparação das vantagens e das desvantagens da utilização dos modos de transporte marítimo” intervenções.
diferentes modos de transporte (rodoviário, ferroviário, marítimo, – Infografia “Vantagens e
aéreo e fluvial); desvantagens dos diferentes
– localização da distribuição das diferentes redes de transporte em modos de transporte aéreo”
Portugal; – Animação “As
– destaque para a relação entre a distribuição das redes de transporte telecomunicações na
e a distribuição da população e atividades económicas. sociedade atual”
3. Quais são as vantagens e as 3. Leitura do texto informativo e exploração das figs. 9 a 11 da pág. – Infografia “Vantagens da
desvantagens do uso das 194 do Manual: utilização dos serviços de
telecomunicações? – definição de rede de telecomunicação; telecomunicação”
– discussão das vantagens e desvantagens da utilização dos serviços
de telecomunicação;  Revista “Brincar com
– explicação do significado do conceito de “aldeia global”, Coisas Sérias”
relacionando com o desenvolvimento dos serviços de – Jogos que dão para aprender
telecomunicações. Tempo é dinheiro
Não só de amigos vive o
Facebook
O longe se faz perto

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
Domínio F – Portugal hoje
Subdomínio 5 Lazer e património
Aula n.º: _______
Metas Curriculares Estratégias de aprendizagem
Objetivos gerais / Questões Avaliação
Conteúdos / Conceitos Manual / Caderno das Perguntas Outros recursos
orientadoras da aula
5.1. A desigual distribuição Objetivo geral 1: Compreender a 1. Diálogo professor/aluno a partir da exploração das figs. 1 a 8 das págs.  Recursos digitais  Observação
da prática do lazer e do desigual distribuição da prática do 195 a 197 do Manual: – PowerPoint® F – centrada na
turismo lazer e do turismo a nível nacional – definição do conceito de lazer; Portugal hoje capacidade de
– identificação dos diferentes tipos de turismo em Portugal; relacionar
5.2. A importância da Objetivo geral 2: Compreender a – localização das áreas com maior oferta de equipamento culturais e  e-Manual conhecimentos.
preservação do património importância da preservação do desportivos diversos; – Animação “Turismo e
património – localização das áreas de maior procura turística em Portugal, destacando lazer”  Observação
 Medidas de preservação os fatores que justificam a sua atratividade. – Slideshow “Tipos de centrada na
do património Questões orientadoras da aula: 2. Leitura e análise do esquema da fig. 9 da página 197: turismo em Portugal” capacidade de
1. Que tipos de turismo é possível – destaque para as vantagens e os inconvenientes do aumento de turistas – Slideshow “Distribuição entreajuda e
 O património mundial realizar em Portugal? em dada região. dos equipamentos de empenhamento das
3. Leitura do texto informativo e exploração e análise das figs. 10 a 16 das lazer” tarefas.
págs. 198 e 199 do Manual: – Interatividade “Áreas
– identificação dos diferentes tipos de património; de maior atração turística  Observação
– localização das diferentes áreas de proteção da Natureza; em Portugal” centrada na
– explicação da importância das áreas protegidas na preservação do – Animação “Património capacidade de
património ambiental; e sua preservação” argumentação e de
2. Quais são as vantagens e os – identificação de medidas de preservação do património. – Infografia “Importância síntese.
Construção de conceitos: inconvenientes do aumento de 4. Diálogo aberto/síntese de conteúdos: das áreas protegidas”
Lazer, turismo, património turistas? – análise do esquema Em resumo da pág. 200 do Manual. – Interatividade “Áreas
natural, património cultural 3. Porque é importante preservar 5. Trabalho individual: protegidas em Portugal
imaterial, património cultural o património? – resolução do Avalia o essencial da pág. 201 do Manual. [6]”
material, área protegida 6. Diálogo professor/aluno a partir da análise da rubrica Ver e Tocar o
Presente das págs. 202 e 203 do Manual.  Revista “Brincar
Trabalho de casa: com Coisas Sérias”
– Trabalha o Espaço: realização das atividades propostas na pág. 99 do – Notícias que dão que
Caderno das Perguntas; pensar
– realização do Guia de Estudo n.o 22 na pág. 100 do Caderno das As imitações de pão de ló
Perguntas; que se cuidem!
– resolução das Perguntas de Escolha Múltipla do Caderno das Perguntas, – Jogos que dão para
págs. 102 e 103. aprender
Tempo é dinheiro

História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro
História e Geografia de Portugal · 6.º ano · Fátima Costa, António Marques e Cláudia Pinto Ribeiro

Você também pode gostar