Você está na página 1de 36

Unidade III

GESTÃO DAS OPERAÇÕES PRODUTIVAS

1
Planejamento e controle

 O projeto físico de uma operação produtiva deve proporcionar


recursos capazes de satisfazer as exigências dos consumidores.
 O planejamento
l j t e controle
t l preocupam-se com a operação ã
desses recursos no âmbito diário, fornecendo bens e serviços,
atendendo as necessidades dos consumidores.

2
Planejamento e controle

 Planejar e controlar significa gerenciar


as atividades da operação produtiva.
 Qualquer
Q operação produtiva requer planos e controle,
mesmo que com graus de formalidade e detalhes variáveis.
 Isso torna evidente que algumas operações
são mais difíceis de planejar do que outras.

3
Planejamento e controle

 Operações que não permitem previsão


são particularmente difíceis de planejar.
 As que têm
ê alto grau de contato com os consumidores
são mais difíceis de controlar, devido ao imediatismo das
operações
p ç e à variabilidade impostas
p pelos
p consumidores.

4
O que é planejamento e controle?

 A atividade de planejamento e controle tem por objetivo


garantir que os processos da produção ocorram eficaz e
eficientemente produzindo produtos e serviços conforme
eficientemente,
requisitados pelos consumidores.
 Proporcionam
p os sistemas,, procedimentos
p e as decisões
que conciliam as capacidades dos recursos com o conjunto
de demandas gerais e específicas.

5
Existem diferenças entre planejar e controlar

 Plano é uma formalização daquilo que se pretende


que aconteça em determinado momento no futuro.
 Não se garante que isso irá
á acontecer, sendo
somente uma declaração de intenção.
 Planos são baseados em expectativas
expectativas,
que são esperanças relativas ao futuro.

6
Existem diferenças entre planejar e controlar

Quando operações tentam implementar planos,


nem sempre as coisas acontecem como esperado:
 os consumidores mudam de ideia;
 os fornecedores nem sempre entregam na hora;
 máquinas
á i quebram;
b
 funcionários faltam.

7
Existem diferenças entre planejar e controlar

 Planos geram ações de curto prazo, necessitando


de intervenções diretamente nas operações.
 O controle faz
f os ajustes que permitem que a operação
atinja os objetivos que o plano estabeleceu, mesmo que
o originalmente
g planejado
p j não se confirme.

8
Existem diferenças entre planejar e controlar

Em resumo:
 plano é o conjunto de intenções para o que deveria ocorrer;
 controle é o conjunto de ações que visam ao direcionamento
do plano, monitorando o que realmente acontece e fazendo
as eventuais mudanças necessárias
necessárias.

9
Interatividade

Quando operações tentam implementar planos, nem sempre


as coisas acontecem como esperado. Cite a alternativa que não
representa uma das razões para que as coisas não aconteçam:
a) Os consumidores mudam de ideia.
b) Os fornecedores nem sempre entregam na hora
hora.
c) Os distribuidores não cumprem com o que foi prometido.
d) Máquinas quebram.
e) Funcionários faltam.

10
Suprimento e demanda

Sem planejamento, controle e o processo


de conciliar demanda e suprimento:
 a natureza das decisões tomadas para planejar e controlar
uma operação produtiva dependerá tanto da natureza da
demanda como da natureza do suprimento
p na operação;
p ç ;
 tanto o suprimento como a demanda podem conter certa
dose de incerteza, gerada por características próprias de
cada
d processo.

11
Suprimento e demanda

 As incertezas no lado da demanda são


também importantes de analisar.
 Algumas operações têmê demanda bastante previsível,
í
como uma escola em que o consumo de todos os materiais
necessários é bastante p
previsível em longo
g prazo.
p
 Em outras operações, a demanda é imprevisível mesmo
em curto prazo, como o exemplo de quiosques de sorvetes
em shopping centers, que têm
ê uma demanda independente
de suas ações mercadológicas em geral.

12
Suprimento e demanda

 A forma de proteger os processos contra tal variação de


demanda também usa o recurso dos estoques, que auxiliará
na proteção contra aumentos inesperados de consumo.
consumo

13
Suprimento e demanda

Temos, assim, a definição de dois grupos distintos de demanda:


 Demanda dependente – toda vez que uma montadora
entrega um carro ao fim
f da linha de produção, este
apresenta cinco pneus.
 Assim,
Assim a demanda de pneus na fabricação
de carros é dependente da demanda.
 Demanda independente – estes mesmos pneus
no mercado de reposição tem seu volume de vendas
devido à fatores aleatórios.
 A demanda direta não depende de fabricar carros
carros.

14
Atividades de planejamento e controle

 O planejamento e o controle requerem a conciliação


do suprimento e da demanda em termos de volume,
tempo e qualidade.
qualidade
Para conciliar volume e tempo, quatro
atividades jjustapostas
p são desempenhadas:
p
 carregamento, sequenciamento, programação
e controle (ver figura seguinte).

15
Atividades de planejamento e controle

Fonte: p. 56 do livro-texto
16
Atividades de planejamento
e controle – carregamento

1. Carregamento: é a quantidade de trabalho alocado


para um centro de trabalho, levando em conta o tempo
real de operação
operação.
Para efeito de carregamento, podemos
g
considerar duas abordagens:

17
Atividades de planejamento e controle

 Carregamento finito – que aloca trabalho para um


centro de produção até um limite preestabelecido:
 é um método
é importante para operações em que
é possível limitar a carga (consultório médico);
 ou em que é necessário limitar
a carga (pessoas em um avião);
 ou quando o custo da limitação da carga g não é
proibitivo (fila de espera para comprar uma Ferrari).

18
Atividades de planejamento e controle

 Carregamento infinito – em que não se limita a aceitação


do trabalho, mas procura-se corresponder a ele:
 é relevante para operações nas quais
não é possível limitar o carregamento;
 exemplos: pronto-socorro de emergências;
 ou onde não é necessário limitar o
carregamento
g (quiosques
( de fast food);
)
 ou quando o custo de limitação do carregamento é
proibitivo (um banco de varejo não pode recusar clientes,
mesmo com certa quantidade
q antidade de pessoas dentro)
dentro).

19
Interatividade

Imagine que determinada indústria fabrique sistemas


de freios e os forneça às montadoras de veículos e
também ao mercado de varejo de reposição
reposição. No caso
do varejo, as vendas dependerão de fatores aleatórios.
Então, estamos nos referindo a que tipo de demanda?
a) Dependente.
b) Aleatória.
c) Independente.
d) Estratégica.
e) Mista.

20
Atividades de planejamento
e controle – sequenciamento

2. Sequenciamento: na chegada de trabalho, decisões


devem ser tomadas, definindo a ordem em que as tarefas
serão executadas
executadas, que é o sequenciamento da produção.
produção
Tal sequenciamento depende de um conjunto de
regras
g predefinidas,
p , algumas
g delas complexas:
p

21
Atividades de planejamento
e controle – sequenciamento

 Restrições físicas, considerando que a natureza


física dos materiais pode determinar a prioridade
do trabalho (é possível escurecer um tecido claro
claro,
mas não é possível clarear um tecido escuro).
 Prioridade do consumidor,, considerando que
q algumas
g
operações permitem algumas vezes que consumidores
importantes, ou temporariamente ofendidos, sejam
“processados”
processados antes dos demais – deve-se
deve se observar
que tal procedimento pode baixar a média de
desempenho da operação.

22
Atividades de planejamento
e controle – sequenciamento

 Lifo (last in first out, ou “último a entrar, primeiro a sair”),


que acaba se tornando um método de sequenciamento
usualmente escolhido por razões práticas (descarga de
um elevador):
 sua abordagem g não é equitativa:
q quem
q espera
p
em uma fila não ficará nada satisfeito ao ver o
último a chegar sendo atendido na sua frente;
 a sequência
ê não é determinada por razões
de qualidade, flexibilidade ou custo.

23
Atividades de planejamento
e controle – sequenciamento

 Fifo (first in first out, ou “primeiro a entrar, primeiro a sair”),


regra de sequenciamento simples de utilizar que permite,
em operações de alto contato com o consumidor
consumidor, mostrar
uma forma justa de sequenciamento:
 p
permite garantir
g que
q produtos
p estocados
há mais tempo sejam consumidos primeiro.

24
Atividades de planejamento
e controle – sequenciamento

 Operação mais longa/tempo total mais longo da tarefa


primeiro, que significa sequenciar os trabalhos mais longos
em primeiro lugar
lugar, gerando a vantagem de ocupar os centros
de trabalho dentro da operação por longos períodos:
 essa regra
g não leva em conta a rapidez,
p , confiabilidade
e/ou flexibilidade, podendo, em certos instantes, até ser
contra tais objetivos.

25
Atividades de planejamento
e controle – sequenciamento

 Operação mais curta/tempo total mais curto da tarefa primeiro,


tendo em conta que muitas operações, em certo momento,
tornam se limitadas por disponibilidade de caixa:
tornam-se
 ajustando-se o sequenciamento de forma a fazer
trabalhos mais curtos na frente,, torna-se p
possível
faturar tais trabalhos e seus pagamentos recebidos
mais rapidamente, facilitando o fluxo de caixa.

26
Interatividade

Operação mais longa/tempo total mais longo da tarefa em


primeiro lugar, o que significa sequenciar os trabalhos mais
longos em primeiro lugar
lugar, gerando a vantagem de ocupar os
centros de trabalho dentro da operação por longos períodos.
Essa regra não leva em conta alguns fatores. Quais são?
a) Rapidez, confiabilidade e/ou flexibilidade.
b) Rapidez, confiabilidade e/ou estratégia.
c) Rapidez, confiabilidade e/ou operacionalidade.
d) Confiabilidade e flexibilidade.
e) Flexibilidade e tática de sequenciamento.

27
Planejamento e controle da capacidade

 Prover a capacidade produtiva para satisfazer a demanda atual


e futura é uma responsabilidade fundamental da atividade de
administração da produção
produção.
 Um bom equilíbrio entre capacidade e demanda pode
gerar altos lucros e resultar em clientes satisfeitos.
g
Atingir o equilíbrio envolve decisões
que afetam toda a organização:

28
Planejamento e controle da capacidade

 decisões sobre a capacidade têm


impacto sobre toda a empresa;
 ttodas
d as funções
f õ dad organização
i ã
fornecem entradas vitais para o
processo de planejamento;
p p j ;
 cada função do negócio deve planejar
e controlar a capacidade de suas próprias
“ i
“micro-operações”,
õ ” para atender
t d a função
f ã
produção principal.

29
Planejamento e controle da capacidade

Em determinada operação, podemos ter:


 parte dos postos de trabalho operando abaixo de
id d em razão
sua capacidade, ã dde a d
demanda
d ser insuficiente
i fi i t
para “preencher” a capacidade do posto;
 alguns outros postos trabalhando “aa plena carga”
carga ,
no que se denomina “capacidade máxima”;
 esses postos não permitem mais nenhuma adição
de ordens novas, sendo, portanto, assumidos como
as restrições de capacidade para toda a operação.

30
Previsão de demanda

 Na maioria das organizações, a previsão de demanda é de


responsabilidade dos departamentos de vendas e marketing.
 Trata-se da principal entrada para as decisões
de planejamento e controle da capacidade.
 Sem uma estimativa de demanda futura
futura, não é
possível planejar para futuros eventos, restando
somente reagir a eles.
As previsões de demanda devem obedecer a três requisitos:

31
Previsão de demanda

 serem expressas em termos úteis para o planejamento


e controle da capacidade (as previsões baseadas em
resultados financeiros não servem para quem administra
a gestão da produção);
 serem tão exatas qquanto possível
p (mesmo
( sabendo
que podem mudar antes de a produção ocorrer, ou
serem muito diferentes da demanda real);
 indicar ação da incerteza relativa, tendo por base a
estatística da demanda, determinando uma distribuição
desta ppara cada período
p avaliado.

32
Just in Time

 Just in Time, que traduzido para o Português resulta


em “apenas a tempo”, pode ser entendido tanto como
uma filosofia como um método de planejamento e
controle das operações.
 Em pprincípio,
p , JIT significa
g produzir
p bens e serviços
ç
exatamente no momento em que são necessários
– não antes, para não existir estoques, nem depois,
para não gerar espera
espera.

33
Just in Time

 O “estoque zero”, ao longo de uma operação, é uma utopia


que impulsiona a busca constante da excelência e de práticas
menos falhas,
falhas que possibilitem estoques cada vez menores e
menos custosos.

34
Interatividade

Prover a capacidade produtiva para satisfazer a demanda atual


e futura é uma responsabilidade fundamental da atividade de:
a)) Administração da Produção.
b) Administração Estratégica.
c)) Departamento
D t t d
de Marketing.
M k ti
d) Departamento de Vendas.
e) Departamento de Sistemas.
Sistemas

35
ATÉ A PRÓXIMA!

36