Você está na página 1de 11

RORAIMA

AMAPÁ

AMAZONAS
PA R Á MARANHÃO
CEARÁ
RIO GRANDE
DO NORTE

PA R A Í B A

PIAUÍ PERN AMBU CO

ACRE
ALAGOAS
TOCANTIN S
RONDÔNIA SERGIPE

BAHIA
M AT O G R O S S O

DF
GOIÁS

MINAS GERAIS

ESPÍRI TO
M AT O G R O S S O
SANTO
DO SUL

SÃ O PAUL O
RIO DE
JANEIRO

P AR A N Á

S A N TA C ATA R I N A

RIO GRANDE
DO SUL

Região
Metropolitana
de Maceió
2000
População: 1.033.295 (36,6% do total estadual)
PIB: R$3,9 bilhões (56,1% do total estadual)
Densidade demográfica: 441,4 hab./km²
IDHM: 0,567
MESSIAS
IDHM Educação: 0,402
IDHM Longevidade: 0,681 BARRA DE SANTO ANTÔNIO

IDHM Renda: 0,666

PARIPUEIRA

IDHM da Região RIO LARGO

Metropolitana MACEIÓ

de Maceió SATUBA

SANTA LUZIA DO NORTE


PILAR

COQUEIRO SECO

MARECHAL DEODORO

SÃO MIGUEL DOS CAMPOS

BARRA DE SÃO MIGUEL

IDHM
Muito Alto
Alto
Médio
Baixo
Muito Baixo
0
±
4,25
Km
8,5
UDH Sem informação
Limite Municipal

40
2010
População: 1.210.941 (38,8% do total estadual)
PIB: R$13,9 bilhões (56,6% do total estadual)
Densidade demográfica: 517,3 hab./km²
IDHM: 0,702
MESSIAS
IDHM Educação: 0,608
BARRA DE SANTO ANTÔNIO
IDHM Longevidade: 0,795
IDHM Renda: 0,717

PARIPUEIRA

IDHM da Região
RIO LARGO

MACEIÓ

Metropolitana
SATUBA
de Maceió
SANTA LUZIA DO NORTE
PILAR

COQUEIRO SECO

MARECHAL DEODORO

SÃO MIGUEL DOS CAMPOS

BARRA DE SÃO MIGUEL

IDHM
Muito Alto
Alto
Médio

0
±
4,25
Km
8,5
Baixo
Muito Baixo
UDH Sem informação
Limite Municipal

41
ATLAS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO NAS REGIÕES METROPOLITANAS BRASILEIRAS

RM de Maceió Gráfico 1: Contribuição dos componentes para o IDHM – RM de Maceió, 2000/2010


2000 2010
A Região Metropolitana (RM) de Maceió foi criada em 1998, por meio da Lei Complementar
Estadual nº 18, e compreende 11 municípios situados no estado de Alagoas, possui área de
2.341 km2 e 177 Unidades de Desenvolvimento Humano (UDHs). 23% 34%
29%
38%

Em 2010, a RM de Maceió possuía um grau de urbanização de 97,8% e cerca de 37%


da população estadual residia na RM. A população do município-núcleo da RM, Maceió,
37%
correspondia, em 2010, a 80,6% da população metropolitana. A taxa de crescimento da 39%

população da RM de Maceió, entre 2000 e 2010, foi de 1,57% ao ano.


Educação Longevidade Renda

O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) na RM Fonte: PNUD, Ipea e FJP, 2015.

Em 2000 a RM de Maceió situava-se na faixa de Baixo Desenvolvimento Humano, subindo A dimensão Educação é composta por cinco indicadores, enquanto Longevidade e Renda
para Alto Desenvolvimento Humano em 2010. O valor observado para o IDHM, que em são compostas por apenas um indicador cada. No período estudado, ocorreu variação
2000 era igual a 0,567, subiu para 0,702 dez anos depois. positiva de todos os indicadores do IDHM Educação.

Em relação à escolaridade da população adulta, houve aumento de 14,56 pontos


Componentes do IDHM percentuais na proporção de pessoas com 18 anos ou mais que contava com ensino
fundamental completo, partindo de 40,52% em 2000, para 55,08% em 2010. A
Os três componentes que constituem o IDHM – Longevidade, Educação e Renda – apresentaram
maior mudança, de 39,51 pontos, ocorreu no percentual de crianças de 11 a 13 anos
progresso na RM de Maceió. O crescimento mais significativo pôde ser observado em relação
frequentando os anos finais do ensino fundamental ou que já o concluíram.
ao IDHM Educação. Houve variação de 0,402 em 2000, para 0,608 em 2010. O IDHM
Renda passou de 0,666 para 0,717 entre os anos 2000 e 2010. E o IDHM Longevidade Tabela 1: Índice de Desenvolvimento Humano Municipal e seus Componentes – RM Maceió,
variou de 0,681 para 0,795. 2000/2010

Índices Indicadores 2000 2010


A seguir, a contribuição das diferentes dimensões para o IDHM em 2000 e 2010.
IDHM   0,567 0,702
IDHM EDUCAÇÃO   0,402 0,608
% de 18 anos ou mais com fundamental completo 40,52 55,08
% de 5 a 6 anos na escola 72,57 88,04
% de 11 a 13 anos nos anos finais do fundamental regular seriado ou
43,67 83,18
com fundamental completo
% de 15 a 17 anos com fundamental completo 26,43 46,11
% de 18 a 20 anos com médio completo 17,26 38,35
IDHM LONGEVIDADE   0,681 0,795
Esperança de vida ao nascer (em anos) 65,85 72,67
IDHM RENDA   0,666 0,717
  Renda per capita (em R$ de 2010) 503,36 691,51

Fonte: PNUD, Ipea e FJP, 2015.

42
A esperança de vida, que representa a média de anos que as pessoas viverão a partir do nascimento, O Gráfico 2 mostra que, entre 2000 e 2010, ocorreu uma concentração das UDHs nas faixas
foi acrescida em quase sete anos no período compreendido entre os anos 2000 e 2010. mais elevadas de desenvolvimento humano, com uma redução do intervalo de resultados
encontrados entre as UDHs que apresentam os mais elevados índices e as UDHs que trazem
A renda domiciliar per capita assumiu uma tendência crescente ao longo do período
os índices mais baixos.
analisado, com um incremento de R$188,15 de ganhos reais entre 2000 e 2010.
Gráfico 2: Distribuição das UDHs segundo as faixas do IDHM – RM de Maceió, 2000/2010
A análise da evolução da renda per capita pode ser feita, de forma complementar, a partir
2000 2010
do percentual da população da RM que vive em UDHs em diferentes faixas de renda per
capita. No intervalo analisado, houve aumento dos percentuais nas faixas superiores. As
27% 25%
únicas faixas a apresentarem queda foram a de até ½ SM, passando de 29,5% em 2000 15% 32%

para apenas 3,4% em 2010 e a de um e ½ a 2 SM, com 17,6% em 2000 e 7,3% em


19%
2010. Ainda há um grande percentual nas faixas de até 1 e 1 SM, 67,8%. A proporção nas 32%
18% 25%
faixas dos que recebiam mais de 3 a 5 SM cresceu exponencialmente, de 5,6% para 9,6%, 7%

fazendo com que o percentual nas faixas de 3 SM subisse de 6,7% para 12,4% no período
Muito baixo Baixo Médio Alto Muito alto
de 2000 a 2010.
Fonte: PNUD, Ipea e FJP, 2015.
Tabela 2: Percentual da população da RM de Maceió que vive em UDHs segundo faixas de renda
per capita – 2000/2010
O Gráfico 3 apresenta a distribuição dos resultados do IDHM na RM de Maceió, para os
Faixas de salário mínimo 2000 2010 anos 2000 e 2010. A atenuação da inclinação da curva de distribuição de 2010 em relação à
Até ½ SM 29,5 3,4
curva de 2000 evidencia a retração da disparidade entre as suas UDHs no período.
De ½ a 1 SM 27,3 46,3
Gráfico 3: Distribuição do IDHM – RM de Maceió, 2000/2010
De 1 a 1 e ½ SM 11,9 18,1

De 1 e ½ a 2 SM 17,6 7,3 1,000

De 2 a 3 SM 6,8 12,4 0,900


De 3 a 4 SM 4,5 5,6
0,800
De 4 a 5 SM 1,1 4,0
0,700

IDHM
Mais de 5 SM 1,1 2,8
Total 100,0 100,0 0,600

Fonte: PNUD, Ipea e FJP, 2015. 0,500

0,400

0,300
Evolução do IDHM da RM de Maceió – UDHs 0 40 80 120 160
UDHs
Em 2000, 7% das Unidades de Desenvolvimento Humano (UDHs) da RM de Maceió
2000 2010
encontravam-se na faixa de Muito Alto Desenvolvimento Humano, enquanto 19%
apresentavam Alto Desenvolvimento Humano. No ano 2010, o conjunto dessas faixas Fonte: PNUD, Ipea e FJP, 2015.
dobrou e ambos percentuais alcançaram 25%. Entre os anos analisados a faixa de Muito
Baixo Desenvolvimento Humano foi esvaziada: em 2000, continha 32,4% das UDHs e, em
2010, nenhuma. E o percentual de UDHs com Baixo Desenvolvimento, no mesmo período,
baixou de 27% para 18%.

43
ATLAS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO NAS REGIÕES METROPOLITANAS BRASILEIRAS

Os mais altos e os mais baixos IDHM Gráfico 5: Boxplot do IDHM das UDHs – RM de Maceió, 2000/2010
2000 2010
Ao observar o Gráfico 4, é possível visualizar a dinâmica dos valores de IDHM da RM do 1,000
Vale do Paraíba e Litoral Norte. Em 2010, não há UDHs com IDHM Muito Baixo, faixa que
0,900
concentravam-se a maior parte das UDHs, em 2000. Em contrapartida, nota-se que ocorreu
0,800
a elevação no número de UDHs com IDHM Médio, Alto e Muito Alto. O gráfico aponta que
0,700

IDHM
o desempenho das UDHs da RM de Maceió melhorou no período.
0,600
Gráfico 4: Frequência das Faixas de Desenvolvimento Humano – RM Maceió, 2000/2010 0,500
60
0,400
50
0,300
40 Entorno Santos Entorno Santos
Frequência

30
Fonte: PNUD, Ipea e FJP, 2015.
20
10
No caso das UDHs do município-núcleo, em 2000, o IDHM variava entre 0,382 e 0,898,
0
sendo que a metade delas possuíam IDHM entre 0,489 e 0,737. Em 2010, o IDHM variava
Muito Baixo Baixo Médio Alto Muito Alto
entre 0,522 e 0,956, ou seja, possuía uma amplitude menor que em 2000, e metade
IDH – Faixas de desenvolvimento humano
das UDHs apresentavam índices entre 0,626 e 0,838. Houve, portanto, uma redução da
2000 2010
disparidade absoluta entre as UDHs,, associada a um aumento do IDHM.
Fonte: PNUD, Ipea e FJP, 2015.
Já no caso dos demais municípios, em 2000, metade das UDHs possuíam IDHM entre 0,434
e 0,545. Em 2010, esse intervalo ficava entre 0,591 e 0,703. Nesses municípios, em 2000,
A desigualdade na RM de Maceió – Municípios e UDHs
o IDHM variou entre 0,371 e 0,668, ao passo que, em 2010, variou entre 0,557 e 0,790.
Ao analisar o nível de disparidade do IDHM entre os municípios da RM de Maceió, Percebe-se, neste caso, uma redução da amplitude total de variação dos dados, associada a
percebe-se que, em termos absolutos, diminuiu a diferença encontrada entre o um aumento do IDHM das UDHs no período.
município com mais baixo e mais alto IDHM entre 2000 e 2010. Naquele ano, a
A mesma tendência pode ser observada para todos os subíndices do IDHM. A disparidade
disparidade era de 0,206, enquanto neste ela cai para 0,164. Os municípios tornaram-se
relativa ao IDHM Educação apresenta queda mais acentuada que os demais, apesar de ainda
mais homogêneos em termos do IDHM.
ser a dimensão com os piores resultados, ou seja, em que ainda há maior disparidade. O
O Gráfico 5 mostra a distribuição das UDHs segundo o IDHM para o município-núcleo IDHM Longevidade obteve a menor disparidade em 2010, com 0,085 em termos absolutos.
da RM de Maceió e para os demais municípios metropolitanos, identificados, no gráfico, O município com o menor valor do subíndice de longevidade foi Messias, com um valor de
como entorno. 0,714.

Em 2000, o IDHM Educação do município de Barra de Santo Antônio alcançava apenas


0,176, um índice muito baixo. Já em 2010, o IDHM Educação deste município passa a
0,428, ainda o mais baixo entre todos os índices, mas com um valor que representa mais
que o dobro do original.

44
Tabela 3: Disparidade em Desenvolvimento Humano entre os Municípios da RM de Maceió Tabela 5: Disparidade em Desenvolvimento Humano entre as UDHs da RM de Maceió (índice e
(índice e subíndices) – 2000 subíndices) – 2000

UDH IDHM IDHM-R IDHM-L IDHM-E UDH IDHM IDHM-R IDHM-L IDHM-E

Barra de Santo Antônio 0,378 Área Urbana: Rua Santa Rita/Praça Frei Damião/Rua Senhor do
Bomfim/Avenida Otacílio Cavalcanti/Praça Augustino de Souza/
0,371
Maceió 0,584 Usina Terra Nova AS/Praça Nossa Senhora das Graças/Área Rural:
Lagoa Manguaba/Oitizeiro
Barra de Santo Antônio 0,460
Ponta Verde e Aldebaran 0,898
Maceió 0,689
Município de Barra de Santo Antônio 0,460
Pilar 0,634
Ponta Verde e Aldebaran 0,981
Satuba 0,732 Rural; Alto da Boa Vista; Poço Azul; Vale do Reginaldo II; Bolão;
0,621
Encostas Mutange; Vila Olímpica; Vale do Feitosa; Vila do Eucalipto
Barra de Santo Antônio 0,176
Ponta Verde e Aldebaran 0,850
Maceió 0,433
Área Urbana: Rua Santa Rita/Praça Frei Damião/Rua Senhor do
Disparidade 0,206 0,229 0,098 0,257 Bomfim/Avenida Otacílio Cavalcanti/Praça Augustino de Souza/
0,172
Usina Terra Nova AS/Praça Nossa Senhora das Graças/Área Rural:
Fonte: PNUD, Ipea e FJP, 2015. Lagoa Manguaba/Oitizeiro

Ponta Verde e Aldebaran 0,869


Tabela 4: Disparidade em Desenvolvimento Humano entre os Municípios da RM de Maceió
(índice e subíndices) – 2010 DISPARIDADE 0,527 0,521 0,229 0,697

Fonte: PNUD, Ipea e FJP, 2015.


UDH IDHM IDHM-R IDHM-L IDHM-E

Barra de Santo Antônio 0,557 Tabela 6: Disparidade em Desenvolvimento Humano entre as UDHs da RM de Maceió (índice e
Maceió 0,721 subíndices) – 2010
Barra de Santo Antônio 0,552
UDH IDHM IDHM-R IDHM-L IDHM-E
Maceió 0,739
Vales do Benedito 0,522
Messias 0,714
Ponta Verde e Aldebaran 0,956
Maceió 0,799
Vales do Benedito 0,528
Barra de Santo Antônio 0,428
Ponta Verde e Aldebaran 1,000
Maceió 0,635
Vales do Benedito 0,706
Disparidade 0,164 0,187 0,085 0,207
Ponta Verde e Aldebaran 0,946
Fonte: PNUD, IPEA e FJP, 2015.
Vales do Benedito 0,381

Ponta Verde e Aldebaran 0,925


A disparidade em termos de desenvolvimento humano é menor entre os municípios do
DISPARIDADE 0,434 0,472 0,240 0,544
que quando desagregam-se os dados por UDHs. Aqui o menor e maior valor para 2010
Fonte: PNUD, Ipea e FJP, 2015.
são, respectivamente, 0,522 e 0,956 (0,434 em termos brutos), o que representa uma
disparidade superior à observada entre os municípios. A diferença encontrada para o IDHM
Educação é ainda maior (0,544), sendo que o menor valor encontrado para este subíndice é Vulnerabilidade
de apenas 0,381.
O processo de realização de diagnósticos, bem como o de planejamento e focalização de
políticas públicas, pode beneficiar-se da análise sobre o IDHM. De modo complementar,
o olhar sobre a vulnerabilidade das famílias pode trazer pistas escondidas sob o véu das

45
ATLAS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO NAS REGIÕES METROPOLITANAS BRASILEIRAS

médias e simplificações típicas dos índices sintéticos. No caso da RM de Maceió, apesar Tabela 8: Percentual de mulheres em condições de vulnerabilidade – UDHs da RM de Maceió,
2000/2010
de grandes avanços, os indicadores sociais apontam para o fato de que ainda há um
caminho a ser percorrido em termos de desenvolvimento humano.
UDH com menor UDH com maior valor em
Indicador 2000 2010
valor em 2010 2010
O percentual de indivíduos que vivia em domicílios onde não há moradores com ensino
% de mães chefes de família sem fundamental e com filho
fundamental completo, mesmo apresentando uma queda de 37,00% em relação a 2000, ainda menor, no total de mães chefes de família
18,83 49,32 0,00 51,34

era de 27,16% do total da população em 2010. O menor e o maior percentual observados para
as UDHs em 2010 apresentavam grande dispersão: 1,10% e 51,10%, respectivamente. % de mulheres de 10 a 17 anos que tiveram filhos 4,68 4,08 0,00 11,28

Destacando a população de crianças (com até 14 anos) em domicílios com essas Fonte: PNUD, Ipea e FJP, 2015.

características ,seu percentual caiu cerca de 31,00%, partindo de 52,03% em 2000 para
A taxa de mortalidade na infância – crianças menores de 5 anos – reduziu-se de 57,86
35,69% em 2010. E uma vez mais,esses percentuais para a RM como um todo escondem
óbitos por mil nascidos vivos em 2000 para 23,57 óbitos por mil nascidos vivos em 2010,
grandes disparidades internas. Enquanto as UDHs Aldebaran e Ponta Verde têm apenas
promovendo o alcance de uma das metas dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio
0,40% de crianças nessas condições, a UDH Município de Messias alcança o valor mais alto
(diminuição da taxa de mortalidade na infância em dois terços entre 1990 e 2015). A
com o percentual de 61,09%.
mortalidade até 1 ano (mortalidade infantil), um dos componentes da taxa de mortalidade na
A população de crianças de 6 a 14 anos que não frequenta a escola reduziu-se para 4,77% infância, teve queda, saindo de 45,40 óbitos por mil nascidos vivos em 2000 a 21,60 óbitos
em 2010. por mil nascidos vivos em 2010.

Tabela 7: Indicadores de Vulnerabilidade em Educação - RM de Maceió, 2000/2010 Tabela 9: Taxas de Mortalidade Infantil – RM de Maceió, 2000/2010

UDH com menor UDH com maior Taxa Taxa Menor taxa em 2010
Indicador 2000 2010 Indicador Maior taxa em 2010 (UDH)
valor em 2010 valor em 2010 2000 2010 (UDH)

% de pessoas em domicílios em que ninguém tem Mortalidade até 5 anos de idade 57,86 23,57 7,82 42,17
42,89 27,16 1,10 51,51
fundamental completo

% de crianças em domicílios em que ninguém tem Mortalidade infantil 45,40 21,60 6,70 38,70
52,03 35,69 0,40 61,09
fundamental completo

% de crianças de 6 a 14 fora da escola 10,86 4,77 0,00 15,71


Fonte: PNUD, Ipea e FJP, 2015.

Fonte: PNUD, Ipea e FJP, 2015. A proporção de vulneráveis à pobreza na RM Maceió em 2010 era de 43,96%. Vulneráveis
à pobreza são indivíduos com renda domiciliar per capita igual ou inferior a meio salário
A proporção de mulheres que são chefes de família, não possuem ensino fundamental mínimo. Essa proporção caiu 27,0% ao longo dos anos analisados, uma vez que em 2000 a
completo e têm ao menos um filho menor de 15 anos de idade entre o total de mulheres proporção observada era de 60,04%. Contudo, a grande disparidade entre os resultados para
chefes de família aumentou, passando de 18,83% em 2000 para 49,32% em 2010, o que as UDHs deve ser observada. Enquanto nas UDHs Aldebaran e Ponta Verde há menos de 1,0%
representa a permanência dessas pessoas em condições vulneráveis. A UDH Vales do Benedito de sua população em tais condições, cerca de um terço das UDHs apresentam resultados
alcança o percentual de 51,34%. superiores a 50,0%. O valor mais alto verificado foi de 73,98%.

Já o percentual de mulheres de 10 a 17 anos de idade que tiveram filhos praticamente Os segmentos de pobres e extremamente pobres na RM de Maceió também sofreram
permaneceu o mesmo, com 4,68% em 2000 e 4,08% em 2010. A taxa de trabalho infantil, redução. São considerados pobres aqueles indivíduos com renda domiciliar per capita igual
por sua vez, baixou de 5,04% para 4,53%. ou inferior a R$140,00 e extremamente pobres os com renda de até R$70,00 (valores de

46
referência para agosto de 2010). O primeiro grupo caiu de 37,01% em 2000 para 18,97%
em 2010. E a proporção dos extremamente pobres diminui de 14,43% em 2000 para
6,69% em 2010.

Houve retração também do percentual de pessoas de 18 anos ou mais sem fundamental


completo e em ocupação informal passou de 49,06%, em 2000, para 35,48% em 2010.

Em relação às mulheres chefes de família sem fundamental completo e com filho menor
de 15 anos de idade em âmbito geral entre os vulneráveis à pobreza, o indicador só foi
computado para 2010, alcançando 23,83%. Já em relação a crianças de até 14 anos que
vivem em domicílios com renda per capita igual ou inferior a meio salário mínimo houve
retração do percentual, de 72,08% em 2000, para 62,04% em 2010.

A população de jovens que não estuda, nem trabalha e é vulnerável à pobreza apresentou
queda de 25,00%, com 22,43% em 2000 e 16,74% em 2010.

Tabela 10: Indicadores de Vulnerabilidade – RM de Maceió, 2000/2010

UDH com menor % UDH com maior %


Indicador % em 2000 % em 2010
em 2010 em 2010

% de vulneráveis à pobreza 60,04 43,96 0,79 73,98

% de pobres 37,01 18,97 1,04 44,24

% de extremamente pobres 14,43 6,69 0,20 19,18

% de pessoas de 18 anos ou mais sem fundamental completo


49,06 35,48 3,26 58,25
e em ocupação informal

% de mães chefes de família sem fundamental e com filho


- 23,83 0,00 54,62
menor, no total de mães chefes e com filho menor *

% de crianças vulneráveis à pobreza 72,08 62,04 0,40 86,76

% de pessoas de 15 a 24 anos que não estudam, não


22,43 16,74 0,35 33,81
trabalham e são vulneráveis, na população dessa faixa

% de vulneráveis e dependentes de idosos, no total de


- 63,76 18,64 100,00
vulneráveis que coabitam com idosos *

Fonte: PNUD, Ipea e FJP, 2015.


Obs.: Não há dados disponíveis para o ano 2000.

Não há dados disponíveis sobre o número de vulneráveis e dependentes de idosos (no total de
pessoas em domicílios vulneráveis e com idosos) em 2000, mas esse percentual é de 63,76%
em 2010.

47
ATLAS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO NAS REGIÕES METROPOLITANAS BRASILEIRAS

Mapa Quintil (2010) Os maiores e os menores IDHMs da RM de Maceió (2010)

UDHs com maior IDHM Conjunto Vitória 0,726


UDH IDHM Vila do Eucalipto 0,726
Ponta Verde 0,956
UDHs com maior IDHM Educação
Aldebaran 0,956
UDH IDHM-E
Pajucara 0,939
Ponta Verde 0,925
Jatiúca 0,939
Aldebaran 0,925
Farol 0,939
MESSIAS
Pajucara 0,918
UDHs com menor IDHM Jatiúca 0,918
BARRA DE SANTO ANTÔNIO
UDH IDHM Farol 0,918
Vales do Benedito 0,522
UDHs com menor IDHM Educação
Município de Barra de Santo Antônio 0,557
PARIPUEIRA UDH IDHM-E
Taperagua / Cajueiro / Everaldo Lopes / Loteamento
Vales do Benedito 0,381
Búzios do Francês / Loteamento El Dourado / Lagoa 0,563
RIO LARGO Mandau / Barro Vermelho / Tuquanduba Município de Barra de Santo Antônio 0,428
Conjunto Residencial Recanto da Ilha / Rodovia AL- Taperagua / Cajueiro / Everaldo Lopes / Loteamento
0,563
101 Búzios do Francês / Loteamento El Dourado / Lagoa 0,436
MACEIÓ
Mandau / Barro Vermelho / Tuquanduba
Escola Desembargador / Escola de Ensino
Fundamentar Professora Ineide Nogueira Rocha / 0,565 Conjunto Residencial Recanto da Ilha / Rodovia AL-
0,436
Avícola Vitor 101
SATUBA
Princesas 0,437
UDHs com maior IDHM Longevidade
Jacintinho 0,437
PILAR
SANTA LUZIA DO NORTE
UDH IDHM-L

COQUEIRO SECO
Ponta Verde 0,946 UDHs com maior IDHM Renda
Aldebaran 0,946 UDH IDHM-R
Pajucara 0,935 Ponta Verde 1,000
Jatiúca 0,935 Aldebaran 1,000
MARECHAL DEODORO
Farol 0,935 Pajucara 0,965
Jatiúca 0,965
UDHs com menor IDHM Longevidade
SÃO MIGUEL DOS CAMPOS Farol 0,965
UDH IDHM-L
Vales do Benedito 0,706 UDHs com menor IDHM Renda
BARRA DE SÃO MIGUEL IDHM Município de Messias 0,714 UDH IDHM-R
1º Quinto • 0,522 - 0,605 Rural 0,726 Vales do Benedito 0,528
2º Quinto • 0,606 - 0,667Quintos Alto da Boa Vista 0,726 Escola Desembargador / Escola de Ensino
Fundamentar Professora Ineide Nogueira Rocha / 0,544
3º Quinto • 0,668 - 0,731 0,522 - 0,605 Vila Emater 0,726
Avícola Vitor
0,606 - 0,667 Alto de Bela Vista 0,726
Taperagua / Cajueiro / Everaldo Lopes / Loteamento

0
±
4,25
Km
8,5
4º Quinto • 0,732 - 0,838

5º Quinto • 0,839 - 0,956


0,668 - 0,731
0,732 - 0,838
0,839 - 0,956
Porto
Poço Azul
0,726
0,726
Búzios do Francês / Loteamento El Dourado / Lagoa
Mandau / Barro Vermelho / Tuquanduba
0,545

Conjunto Residencial Recanto da Ilha / Rodovia AL-


Vale do Reginaldo II 0,726 0,545
101
Vila Feitosa 0,726
Área Urbana: Rua Santa Rita / Praça Frei Damião /
Papodromo 0,726 Rua Senhor do Bomfim / Avenida Otacílio Cavalcanti
/ Praça Augustino de Souza / Usina Terra Nova AS / 0,550
Capitão Correia 0,726
Praça Nossa Senhora das Graças / Área Rural : Lagoa
Novo Jardim 0,726 Manguaba / Oitizeiro
Estrondo 0,726
Vale do Feitosa 0,726

Os quintos referem-se ao agrupamento dos dados ordenados em cinco partes


iguais de modo que cada amostra contenha 20% desses dados.

48
Mapa dos mais altos e mais baixos IDHM Mapa dos mais altos e mais baixos IDHM
(Percentil) 2000 (Percentil) 2010

MESSIAS MESSIAS

BARRA DE SANTO ANTÔNIO BARRA DE SANTO ANTÔNIO

PARIPUEIRA PARIPUEIRA

RIO LARGO RIO LARGO

MACEIÓ MACEIÓ

SATUBA SATUBA

SANTA LUZIA DO NORTE SANTA LUZIA DO NORTE


PILAR PILAR

COQUEIRO SECO COQUEIRO SECO

MARECHAL DEODORO MARECHAL DEODORO

SÃO MIGUEL DOS CAMPOS SÃO MIGUEL DOS CAMPOS

BARRA DE SÃO MIGUEL BARRA DE SÃO MIGUEL

IDHM
UDH Sem dado IDHM
10% Mais baixos (0,371 - 0,421) 10% Mais Baixos (0,522 - 0,573)

0
±
4,25
Km
8,5
0,422 - 0,753
10% Mais altas (0,754 - 0,898) 0
±
4,25
Km
8,5
0,574 - 0,857
10% Mais Altos (0,858 - 0,956)

O Mapa apresenta o conjunto de 10% das UDHs que apresentavam os mais altos valores O Mapa apresenta o conjunto de 10% das UDHs que apresentavam os mais altos valores
de IDHM (entre 0,754 e 0,898) e o conjunto de 10% das UDHs que apresentavam os mais de IDHM (entre 0,858 e 0,956) e o conjunto de 10% das UDHs que apresentavam os mais
baixos valores de IDHM (entre 0,371 e 0,421), em 2000. baixos valores de IDHM (entre 0,522 e 0,573), em 2010.

49