Você está na página 1de 2

Nome, nº/turma ________________________________

Teste de Português – 12 º ano


Janeiro 2015
TÓPICOS DE CORREÇÃO
Grupo I

A
Lê o texto com atenção e responde às questões que te são apresentadas.

Est.144 Est.147
Assi foram cortando o mar sereno, Olhai que ledos vão, por várias vias,
Com vento sempre manso e nunca irado, Quais rompentes(4) leões e bravos touros,
Até que houveram vista do terreno Dando os corpos a fomes e vigias,
Em que nasceram, sempre desejado. A ferro, a fogo, a setas e pelouros,
Entraram pela foz do Tejo ameno, A quentes regiões, a plagas(5) frias,
E à sua pátria e Rei temido e amado A golpes de Idólatras(6) e de Mouros,
O prémio e glória dão por que mandou, A perigos incógnitos do mundo,
E com títulos novos se ilustrou. A naufrágios, a pexes, ao profundo.

Est.145 Est.148
Nô mais, Musa, nô mais, que a Lira tenho Por vos servir, a tudo aparelhados;
Destemperada e a voz enrouquecida, De vós tão longe, sempre obedientes;
E não do canto, mas de ver que venho A quaisquer vossos ásperos mandados,
Cantar a gente surda e endurecida. Sem dar reposta, prontos e contentes.
O favor com que mais se acende o engenho Só com saber que são de vós olhados,
Não no dá a pátria, não, que está metida Demónios infernais, negros e ardentes,
No gosto da cobiça e na rudeza Cometerão convosco, e não duvido
Düa austera, apagada e vil tristeza. Que vencedor vos façam, não vencido.

Est.146 Luís de Camões, Os Lusíadas, canto X


E não sei por que influxo de Destino
Não tem um ledo(1) orgulho e geral gosto, (1) contente;
Que os ânimos levanta de contino(2) (2) contínuo;
(3) trono;
A ter pera trabalhos ledo o rosto. (4) que rompem, dilaceram;
Por isso vós, ó Rei, que por divino (5) praias;
Conselho estais no régio sólio(3) posto, (6) que adoram ídolos
Olhai que sois (e vede as outras gentes)
Senhor só de vassalos excelentes.

1. Expõe sucintamente o assunto da primeira estrofe transcrita. (15 pontos)


Fim da viagem. Chegada a Lisboa; a dádiva à pátria e ao rei do prémio e da
glória, ou seja, da conquista da Índia por mar…;

2. Na estrofe 145, o poeta anuncia o fim do canto e despede-se da sua Musa


inspiradora.
2.1 Comenta o seu estado de espírito. (15 pontos)
O cansaço e desencanto do poeta ao ver a gente surda e ensurdecida; o lamento
devido ao estado em que se encontra o país…

3. Explicita a mensagem que o poeta dirige ao rei nas estrofes 146 a 148. (15 pontos)
O poeta afirma que o rei é senhor de um povo glorioso, que mostrou coragem e
bravura em situações adversas…e que tudo fez para o servir e o fazer vencedor e
não vencido…
Nome, nº/turma ________________________________

4. Dá exemplo de duas figuras de estilo presentes na estrofe 147 e indica o seu


valor expressivo. (10 pontos)
Comparação (v.2); Anáfora e enumeração (vs 4 -8)

1. Comenta sucintamente uma outra Reflexão do Poeta de Os Lusíadas à tua


escolha. (20 pontos)
Várias possibilidades.
v.s.f.f.
Grupo II

1. Assi foram cortando o mar sereno,/ Com vento sempre manso e nunca irado,
1.1 Analisa sintaticamente os versos. (10 pontos)
Assi - não obrigatório
Sujeito nulo subentendido – eles, os portugueses
Predicado - foram cortando o mar sereno
C. Direto - o mar sereno
Modificador do grupo verbal - Com vento sempre manso e nunca irado

2. Nô mais, Musa, nô mais, que a Lira tenho/ Destemperada e a voz enrouquecida,/


E não do canto, mas de ver que venho/ Cantar a gente surda e endurecida.
2.1 Classifica as orações iniciadas pelos dois “que” presentes nos versos. (15 pontos)
que a Lira tenho/ Destemperada – oração subordinada adverbial causal
que venho/ Cantar a gente surda e endurecida – oração subordinada substantiva
completiva

A professora
Arminda Gonçalves

Interesses relacionados