Você está na página 1de 16

9912276817/11 - DR/RS

Revista Fechamento Autorizado


Pode ser aberto pela ECT

Edição nº 28 - janeiro/abril 2012

Nutrição na
PRÁTICA
ESPORTIVA
editorial

Índice Alimentação
Especial
adequada na prática
de atividade física
O
Nutrição em Esportes 4 Brasil sediará, em breve, dois grandes eventos es-
portivos: Copa do Mundo 2014 e Olimpíadas 2016.
Momentos de destaque como esses evidenciam a ne-
Entrevista cessidade de participação de uma série de profissionais na
busca da melhoria da performance dos atletas.
Educação nutricional do atleta 5 E com o nutricionista não é diferente.
É consenso no meio esportivo que, para melhores resul-
tados e sucesso, além de muito treinamento e condicio-
Suplementos namento físico, uma conduta nutricional especificamente
Consumo inadequado pode trazer adequada é condição necessária. É notório que grandes
riscos à saúde 6 equipes sempre são acompanhadas de seus nutricionistas
nas competições a que concorrem.
Com uma maior divulgação dessa relação saudável para
Áreas da nutrição em esporte o desempenho, o espaço para a atuação do nutricionista
Atuação de nutricionistas em em esportes vem se fortalecendo e ampliando a cada dia,
em atletas de elite, de esportes de competição e para pra-
diferentes segmentos 8 ticantes habituais ou ocasionais de atividades físicas.
A suplementação nutricional para os praticantes de ativi-
dade física, quando necessária, requer formação profissional
Atuação conjunta para reconhecer a verdadeira necessidade da cada nutriente
Interação com o profissional de individualmente. O nutricionista é o profissional legalmente
educação física 10 habilitado para a prescrição de suplementos nutricionais.
Sabendo da importância desse tema, a Revista do CRN-2
conversou com nutricionistas de diversos segmentos es-
portivos, com atletas profissionais, com setores de fisca-
CRN-2 em ação lização, na busca de informações para a nossa categoria.
Destacamos, também, as premiações do CRN-2 para
2012. Além da quarta edição do Prêmio Maria de Lourdes
Prestação de contas 2011 11 Hirschland e da segunda do Slogan Premiado, o Regional
concederá o inédito Prêmio Destaque Científico ao Técnico
em Nutrição e Dietética.
Promoções inéditas para 2012 12 Divulgamos, ainda, o lançamento da Campanha do Siste-
ma CFN/CRNs para 2012: Alimentação fora do Lar.
Mantendo a tradição de transparência na gestão, apre-
sentamos a prestação de contas de 2011.
Comissões do CRN-2 Boa leitura!

Aspectos legais, éticos e Carmem Kieling Franco


técnicos da atuação profissional 14 CRN-2 2358
Presidente

Expediente
Revista nº 28 jan-abr 2012 | Gestão 2010 - 2013
Diretoria: Presidente: Carmem Kieling Franco CRN-2 2358
Tesoureira: Lúcia Helena de L. Carraro CRN-2 0631
Secretária: Luisa R. Castro CRN-2 4419

Conselheiros efetivos Conselheiros suplentes Conselho Editorial: Carla H. Vencato, Caroli-


Carla Elizabeth Heuser Vencato CRN-2 0687 Cristina Fabian Gregoletto CRN-2 5504 ne Ayres, Carlos Antonio da Silva, Gabriel de
Carmem Kieling Franco CRN-2 2358 Eliziane Ruiz CRN-2 6094 Carvalho, Kátia Rospide e Rosângela Lengler
Caroline Ayres CRN-2 6806 Janaina Sbroglio CRN-2 4029 Jornalista responsável: Janice Benck, RT 7376
Cleusa Maria de Almeida Mendes CRN-2 0187 Kátia Ronise Rospide CRN-2 1512 Estagiária em jornalismo: Evelin Peitz
Gabriel de Carvalho CRN-2 3945 Luciano Lepper CRN-2 5961 Fotos: Assessoria de Comunicação e Stock.
Lúcia Helena de Lima Carraro CRN-2 0631 Rosângela Lengler CRN-2 1696 XCHNG http://www.sxc.hu/
Luísa Rihl Castro CRN-2 4419 Rosângela Parmigiani da Silva CRN-2 1514 Editoração: Lavoro Comunicação e Marketing
Sandra dos Reis Pinho CRN-2 2626 Samanta Winck Madruga CRN-2 6759 Impressão: Gráfica RJR
Tiragem: 7.500 exemplares
Conselho Regional de Nutricionistas 2ª Região | Av. Taquara, 586/503, Porto Alegre, RS CEP 90460-210
Fone/Fax: (51) 3330-9324 | E-mail: crn2@crn2.org.br | www.crn2.org.br

2
notas
Falando em Nutrição
João Derly:
o corpo é o instrumento do atleta
O judoca João Derly, que soma em dades nutricionais, como agir
sua bagagem inúmeras medalhas, para repor energia mais rapida-
com destaque para duas vitórias em mente e recuperar para a
Campeonatos Mundiais de Judô (2005 próxima luta”. Após uma
e 2007), concedeu uma entrevista para sequência de lesões, que
a revista do CRN-2 sobre a importãncia o tirou dos Jogos de Lon-
do nutricionista na vida de um atleta. dres em 2012, o judoca
Ele salienta que uma dieta apropriada volta à rotina de treina-
pode interferir no rendimento, alteran- mento e investe na
do o resultado da competição. “Corpo reeducação alimen-
e mente sadios podem fazer a diferen- tar. Derly diz que
ça do primeiro ao quinto lugar”. Derly está em uma fase
ressalta que o atleta, durante treinos de recuperação para
e provas, deve ficar mais centrado nos voltar às competições.
resultados: “não quero me preocupar
com o que preciso comer; a nutricio- Veja, nesta edição da Revista, matérias sobre Nutrição em Esportes, com entre-
nista é que deve fazer isso, é ela que vista da nutricionista Cintia Carvalho, que acompanha o atleta João Derly (foto).
calcula a dieta, que sabe as necessi-

Nova Gestão no CFN XXII CONBRAN


A eleição dos novos Plenário têm suas bases O XXII Congresso Alimentação Adequada e
membros do Conselho de atuação nos regionais. Brasileiro de Nutrição Sustentabilidade Social.
Federal de Nutricionistas A nova Gestão CFN deve (CONBRAN) ocorrerá
para o triênio 2012/2015 tomar posse no dia 18 de entre os dias 26 e 29 de Informações:
ocorreu no dia 25 de abril. maio, com início do man- setembro em Recife - PE. www.conbran.com.br e
Cada CRN é representado dato no dia 19. O tema desta edição será (81) 3463. 0206
na composição da nova
Gestão, pois os conselhei- Acompanhe o pleito:
ros eleitos para o novo www.cfn.org.br
Ato médico
A Comissão de Consti- para determinar a doença,
Agrotóxico será tuição, Justiça e Cidadania
(CCJ), uma das três ins-
mas retirou essa exclusi-
vidade para diagnósticos
tema da Rio+20 tâncias do Senado Federal
em que um Projeto de
funcional, psicológico
e nutricional, além de
A conferência das Nações cias científicas existentes Lei precisa ser submetido, avaliação comportamental,
Unidas sobre Desenvol- sobre os impactos do uso aprovou, no dia 08/02, o sensorial, de capacidade
vimento Sustentável, o de agrotóxicos na saúde projeto do Ato Médico, que mental e cognitiva. Um
Rio+20, acontecerá no humana e nos ecossiste- trata do exercício da Medi- aspecto polêmico deste
dia 20 de junho, no Rio mas. A Abrasco tem como cina. O texto precisa ainda texto se refere à determina-
de Janeiro. Entre os temas meta lançar o documento passar pelas comissões de ção de que apenas médicos
destaca-se “A economia na Rio+20. O Brasil ocupa, Educação (CE) e de Assun- podem ocupar cargos de
verde no contexto do de- atualmente, o primeiro tos Sociais (CAS) antes de ir direção e chefia de serviços
senvolvimento sustentável e lugar no consumo de agro- a Plenário. O projeto trami- médicos, ficando aberta a
da erradicação da pobreza.” tóxicos em todo o mundo. tava no congresso há dez outros profissionais apenas
A Associação Brasileira de anos. O relator, Antônio a direção administrativa
Pós-Graduação em Saúde Informações Rio + 20: Carlos Valadares, manteve dos serviços.
Coletiva (Abrasco) coorde- http://www.rio20.info/2012. como atividade privativa
nará a elaboração de um Informações Abrasco: dos médicos a “formulação Veja mais em:
http://www.abrasco.org.br/ www.atomediconao.com.br
dossiê sobre as evidên- de diagnóstico nosológico”,

Missão: Marcas: Valores:


Ser um agente de excelência na orientação • Ampliação do • Ética
e fiscalização do exercício da profissão de mercado de trabalho • Transparência
Nutricionista e Técnico em Nutrição e Dietética • Descentralização • Coerência
no Estado do Rio Grande do Sul, atuando na • Transparência • Consciência social,
promoção da Saúde e do Direito Humano à • Articulação política e ambiental
Alimentação Adequada (DHAA), pautado em • Inclusão do Técnico • Respeito à Gestão 2010 - 2013
princípios éticos e legais que regem a profissão. em Nutrição e Dietética diversidade

3
especial

Nutrição em Esportes
O
s praticantes de atividade física estão, cada vez
mais, conscientes dos benefícios de uma alimen-
tação saudável. Esta harmonia pode ser asse- Responsabilidades
gurada pelo nutricionista que atua na Nutrição em
Esportes: é ele que detém o conhecimento em nu-
com as legislações
trição, fisiologia e bioquímica. A promoção da saúde Os nutricionistas que atuam na Nutrição em
e o aprimoramento na performance e desempenho Esportes devem observar algumas legislações
são os objetivos principais deste segmento. Para tan- relevantes a sua prática clínica.
to, a dieta de esportistas e atletas antes, durante e Em 2005, a Agência Nacional de Vigilância
após exercícios será específica ao esporte praticado, Sanitária (ANVISA) aprovou o regulamento téc-
frequência, duração, horários e intensidade dos trei- nico de Ingestão Dietética de Referência (IDR),
namentos, idade, objetivos e necessidades individuais. traduzida de Dietary Reference Intake (DRI),
A Nutrição em Esportes, segundo a Resolução CFN n° através da Resolução da Diretoria Colegiada
380/2005, é definida como área de atuação do nutricio- (RDC) nº 269. Esta define a IDR como “a quan-
nista e envolve as atividades relacionadas à alimentação tidade de proteína, vitaminas e minerais que
e à nutrição em academias, clubes esportivos e similares. deve ser consumida diariamente para atender
Entre suas competências estão a prestação de assistência às necessidades nutricionais da maior parte
e treinamento especializado em alimentação e nutrição, dos indivíduos e grupos de pessoas de uma
a prescrição de suplementos nutricionais necessários à população sadia”.
complementação da dieta e a solicitação de exames la- Destaca-se, também, a RDC nº 18/2010, que
boratoriais necessários ao acompanhamento dietético. aprovou o Regulamento Técnico sobre Alimen-
Esta área teve um grande crescimento na última
tos para Atletas, com o objetivo de estabelecer
década. Segundo a pesquisa “Inserção Profissional do
a classificação, a designação, os requisitos de
Nutricionista no Brasil”, realizada pelo CFN em 2005,
composição e de rotulagem destes alimentos.
dos 2.974 profissionais que responderam à pesquisa,
Diversas outras legislações precisam ser de
apenas 4,1% atuavam em nutrição esportiva em todo
conhecimento dos profissionais, como a reso-
o país. Apesar de não existirem dados oficiais recentes
para comparações, é notório que o exercício profissio- lução do CFN 390/2006, que regulamenta a
nal nesta área vem aumentando consideravelmente. prescrição de suplementos pelo nutricionista;
Consultas realizadas com nutricionistas e Instituições e a Portaria 40/1998 da ANVISA, que estabe-
de Ensino Superior (IES) pelo CRN-2, entre os meses lece normas para Níveis de Dosagens Diárias
de fevereiro e março de 2012, mostram um pouco esta de Vitaminas e Minerais em Medicamentos.
mudança (conforme quadro abaixo).

Atuação em Nutrição em Esportes Segmentos de atuação


do nutricionista
Responderam à consulta (envia- tas possuem especialização, 5 têm
da pelo Boletim do CRN-2), 44 nu- mestrado e, destes, 3 são doutores. clubes e personal
governo 9%
tricionistas. É importante destacar As modalidades em que nutricio- 11%
que, nos dados a seguir, a maioria nistas estão inseridos são bem di- docência consultório
13% particular
atua em mais de um local e em versificadas. As que mais aparecem 68%
mais de um segmento esportivo. são esportes realizados em acade- equipes
As especializações e pós-gradua- mias (61%), maratona (18%), ciclis- esportivas
ções mostram-se importante para mo e futebol (15%), triatlo (11%), 31%
academias
estes profissionais: 16 nutricionis- fisiculturismo e lutas (9%). 47% Fonte: CRN-2

IES com disciplina em IES investem em formação na área


Nutrição em Esportes As Instituições de Ensino Supe- conteúdos programáticos. No en-
Não
rior (IES) que formam nutricionis- tanto, 87% têm disciplina ligada
13% tas, atentas ao mercado, também diretamente ao Esporte, sendo
estão investindo neste segmento que, destas, 5 têm carga horária
Sim da Nutrição. Todas as 23 IES do de 60 horas, 10 de 30 horas e 3
87% estado participaram da consulta. de 45 horas. Das 23 Instituições
Em 13%, a nutrição esportiva está pesquisadas, 57% desenvolvem
Fonte: CRN-2
contemplada apenas em outros algum projeto prático nesta área.

4
Nutrição contribui para o sucesso
do atleta
R
esponsável pela orientação nutricional de
atletas de alto rendimento, como o gran-
de judoca João Derly e uma equipe de fu-
tebol, a nutricionista Cintia Scheunemann Car-
valho, CRN-2 8970, sempre foi apaixonada por
esporte e praticante de atividades físicas. Ela
destaca que é o nutricionista que vai promover
a educação nutricional, sistemática e repetida,
a fim de fazer o atleta compreender as trocas
na sua rotina alimentar. “A Nutrição em Espor-
te deve sempre priorizar reserva, recuperação
energética e hidratação suficiente para a otimi-
zação do trabalho físico que vai contribuir para
o sucesso desportivo.”

CRN-2: Quais os maiores be- Qual a importância da suplemen- produtos de venda proibida, pois,
nefícios, para o atleta, de uma tação para o atleta profissional? além de colocar a saúde em risco, po-
alimentação adequada? Visa à recuperação energética e de dem prejudicar a participação de um
Cíntia: Considerando as caracte- micronutrientes de forma mais rápi- atleta numa competição. Já tivemos
rísticas genéticas, a nutrição con- da, quando o período entre os treinos casos de produtos contaminados
tribui para que o atleta responda e/ou competições não é suficiente. com substâncias proibidas e, é claro,
às exigências da modalidade, evi- não estavam descritas no rótulo pelo
tando lesões, alcançando índices e Em um período de provas, em fabricante.
vitórias e promovendo saúde. que o atleta tem dificuldades
com a alimentação, qual a atua- A nutrição adequada e /ou su-
Qual o teu trabalho na manu- ção do nutricionista? plementos podem prevenir le-
tenção ou alteração de peso das Estudamos e avaliamos os locais sões? Por quê?
diferentes categorias de luta? onde acontecem as provas, se Cada vez mais estudos, bem de-
Quais as maiores dificuldades? terão alimentos disponíveis e se lineados, estão sendo feitos para
O trabalho é individualizado, basea- possuem uma adequada estrutura responder a esta questão. É sabido
do em deficiências de determinadas que garanta a segurança alimentar. que o aumento do estresse oxidati-
valências físicas (força, potência, re- Então, combinamos a necessidade vo é inerente à prática de exercícios,
sistência, percentual de massa ma- da suplementação a ser utilizada. que se não revertido pode antecipar
gra ou massa gorda), geralmente Os atletas adaptam-se ao uso de o processo de fadiga, aumentar o
apontadas pelo preparador físico suplementos nos treinamentos, ja- aparecimento de lesões musculares
ou treinador. A maior dificuldade mais iniciam na competição. e propiciar redução da função imu-
é acabar com a cultura da desidra- nológica. Não há dúvida que existe
tação ou redução drástica de peso Quais os problemas com o uso uma adaptação orgânica do sistema
corporal a qualquer custo nos dias exagerado de suplemento? antioxidante endógeno ao exercício
que antecedem as com- Pode ser acusado em exame continuado, equilibrando o estres-
petições. antidoping? se oxidativo gerado. Entretanto, o
Os suplementos nutricionais, via de sistema antioxidante do organismo
regra, não deveriam representar do- depende de nutrientes para adaptar-
ping por serem derivados de fontes -se, incluindo minerais, vitaminas,
alimentares. Alguns suplementos que polifenóis e carotenos. Muitos des-
já estiveram listados como doping tes nutrientes estão presentes em
estão liberados, porém com contro- alimentos de origem vegetal e inte-
le, como a cafeína. Tais produtos em grais que são pouco consumidos por
excesso, mesmo que não caiam no atletas em geral, e aí está o proble-
doping, podem provocar problemas ma: a quantidade destes nutrientes
de saúde, que certamente irão com- fundamentais à adaptação do corpo
prometer o rendimento desportivo. pode estar em deficiência, levando
O cuidado deve ser redobrado com aos problemas citados.

5
especial

Suplementos podem
gerar riscos à saúde
M
e l h o r a r o desempenho sião específicas. O grande nú- destacam que o consumo ina-
físico e atingir objetivos mero de produtos disponíveis dequado de suplementos pode
em curto prazo têm le- no mercado, o fácil acesso aos trazer riscos à saúde, como en-
vado praticantes de atividade mesmos, aliados ao estímulo de gordar ou sobrecarregar rins e
física à utilização de suplemen- consumo dentro de academias outros orgãos. Alertam, ainda,
tos nutricionais sem o acom- e à influência da mídia, tam- sobre produtos irregulares que
panhamento de profissionais bém são fatores que merecem possuem fármacos em sua com-
habilitados, portanto, sem o atenção. Nutricionistas da área posição, podendo alterar fun-
conhecimento da quantidade esportiva, como Tatiana Ederich ções fisiológicas, cardiorrespi-
de nutrientes que devem con- Lehnen, CRN-2 10497, e Rafael ratória e no sistema simpático
sumir para a modalidade e oca- Longhi de Barros, CRN-2 6342, e parassimpático.

Cuidados na indicação físico. Ela ressalta que o uso de


suplementos pelos atletas pode
partir das variações estimuladas
pela dieta ou pelo treino.”
de suplementos retardar a fadiga muscular e re- A indicação do suplemento deve
por estoques de substratos deple- ocorrer quando a alimentação ha-
O grande desgaste físico duran- tados pelo organismo durante o bitual não consegue suprir todos
te treinamentos e competições exercício intenso ou prolongado, os nutrientes necessários à pessoa
gera uma necessidade energética melhorando, consequentemente, ou esta tiver alguma deficiência.
e nutricional específica, fazendo o rendimento em longo prazo. A Rafael destaca que a avaliação
com que atletas e desportistas se- ação pode depender de diferen- antropométrica e a análise bioquí-
jam os maiores consumidores de tes fatores, como o tipo de suple- mica são instrumentos imprescin-
suplementos. Tatiana, que tam- mento e a carga de treino, afirma díveis para fundamentar a prescri-
bém é profissional de Educação Rafael. Ele cita como exemplo o ção e mostrar resultados positivos
Física, explica que estes produtos Whey Protein, salientando que, da terapia nutricional. Tatiana
agem no organismo retardando dependendo da hora de utili- complementa lembrando que,
ou reparando alguns danos te- zação, esse suplemento pode antes de prescrever, é importante
ciduais causados pelo exercício ser anabólico ou catabólico. “O saber se o suplemento é liberado
que o nutricionista deve fazer é pela ANVISA, e depois se o uso re-
organizar o plano alimentar do almente é necessário,
desportista segundo as variações trazendo benefícios
hormonais ao longo do dia, prin- para o atleta. “Peço
cipalmente pensando em insulina exames laborato-
e glucagon; tendo esse conheci- riais e sempre faço
mento bioquímico, poderá mani- um cálculo individu-
pular respostas de ganho ou de alizado das neces-
perda de peso em seu atleta, a sidades energéticas

Suplementos Nutricionais são definidos,


conforme Resolução do CFN n° 380/2005,
como alimentos que servem para comple-
mentar, com calorias e/ou nutrientes, a dieta
diária de uma pessoa saudável, em casos em que sua
ingestão, a partir da alimentação, seja insuficiente, ou
Tatiana: “suplementos agem no orga-
nismo retardando ou reparando danos
quando a dieta requerer suplementação.
teciduais causados pelo exercício físico”.

6
de acordo com o gasto calórico, Uma conduta que tem pre-
levando em conta a modalidade, ocupado os nutricionistas é a
frequência e intensidade de exer- indicação de suplementos por
cício e com uma visão ampla do profissionais não habilitados. A consumidores.
treinamento físico.” RDC da ANVISA nº 18/2010, que Ele informa que
aprovou o regulamento técnico as ações da insti-
sobre alimentos para atletas, de- tuição são priorizadas levando em
Novos produtos fine que o consumo dos suple- conta os dados epidemiológicos
mentos previstos na legislação coletados ao longo dos anos com
O mercado de suplementos é deve ser orientado por nutricio- investigações de surtos de Doenças
veloz. Novos produtos surgem nistas ou médicos. Tatiana su- Transmitidas por Alimentos (DTAs).
quase que diariamente. Rafael gere uma abordagem multidis- “Este segmento, especificamente,
recomenda a constante especia- ciplinar, principalmente com os não teve até hoje nenhuma ocor-
lização dos nutricionistas, o que profissionais de educação física, rência de agravo à saúde pública
contribui para estes profissionais que, a partir de uma relação de no nosso município.” Paulo sa-
não perderem as tendências do confiança e respeito, podem in- lienta, entretanto, que o número
mercado. “Produtos hoje permi- formar a seus alunos que o nu- limitado de servidores é o principal
tidos, amanhã podem tornar-se tricionista é o profissional indi- problema para conseguir fiscalizar
proibidos e vice-versa. Creatina, cado para a orientação de dieta todo o comércio de alimentos de
BCAA, L-carnitina são exemplos específica, manutenção da saú- Porto Alegre.
dessa variação.” de e otimização do rendimento.
A velocidade deste mercado Também destaca a necessidade Tatiana Ederich Lehnen é Espe-
também é estimulada pela mídia, de conscientização dos vendedo- cialista em Fisiologia do Exercício e
assim como o próprio ambiente res de suplementos alimentares, Mestre em Endocrinologia – Facul-
das academias, conforme analisa “são os que mais recomendam dade de Medicina – PPG / UFRGS.
o nutricionista: “um recém-ingres- desnecessariamente o uso destas Rafael Longhi de Barros é Dou-
so em uma academia observa os substâncias”. torando em Bioquímica – UFRGS.
“marombados” treinando e todos Os dois nutricionistas lembram Título da Especialização em Fisio-
suplementando. O nutricionista que a “tríade do sucesso”, ou logia do Exercício.
tem que falar com segurança, co- seja, os pontos principais para um
nhecimento de causa e ter bons bom rendimento - treinamento,
argumentos para convencê-lo de alimentação e descanso – estão
que o melhor ainda é a alimenta- sendo esquecidos para dar lugar
ção saudável”. ao “milagre” e às falsas promes-
sas do corpo perfeito através da
suplementação.

Fiscalização
Os estabelecimentos que comer-
cializam suplementos são fiscaliza-
dos pela Vigilância Sanitária (VISA)
dos municípios. O médico veteri-
nário Paulo Antonio da Costa Casa
Nova, chefe da Equipe de Alimen-
tos da VISA Porto Alegre, alerta
que a fiscalização é realizada por Rafael: “a avaliação antropométrica e análi-
solicitação de alvará sanitário e/ou se bioquímica são instrumentos imprescindí-
por denúncia ou reclamação de veis para fundamentar a prescrição”.

7
especial

A diversidade de atuação

Q
ual a importância do nutricionista para a saúde do atleta e do
desportista? E na orientação da suplementação? O desempenho
do atleta sofre influência de uma alimentação adequada? Quais
as habilidades requeridas a este profissional? Estas e outras questões
fazem parte da rotina de trabalho dos profissionais que atuam em
Nutrição em Esportes. A Revista do CRN-2 conversou com algumas
nutricionistas e aponta, nos textos abaixo, conteúdos de destaques
de cada uma delas.

Público com objetivos focados


“A Nutrição em Esporte é uma especiali- to prazo, como por exemplo, a perda de peso.
dade da área da saúde que se caracteriza São ansiosos e têm pressa por resultados.
por estudar os efeitos do nutriente (agen- Uma alimentação pobre em nutrientes
te) e do movimento (sistema músculo es- pode acarretar uma queda no desempe-
quelético), na saúde e na doença. O es- nho atlético. O déficit nutricional crônico,
pecialista em exercícios deve reconhecer a o balanço energético negativo, a depleção
importância de uma nutrição adequada e de glicogênio e a carência de vitaminas e
deve avaliar, de maneira crítica, a validade minerais estão dentre os fatores que con-
das reivindicações acerca dos suplementos tribuem para a deterioração da condição
alimentares e das diretrizes dietéticas no física pelo overtraining. A insuficiência de
sentido de aprimorar o desempenho físico. ingestão calórica é mais danosa ao meta-
O perfil deste público - atletas e desportis- bolismo protéico–calórico do atleta do que
tas - é de indivíduos saudáveis, extremamen- o consumo energético de uma sessão de
Débora Vargas*, te disciplinados e focados no objetivo, que é treino ou competição isoladamente.”
CRN-2 3864 competir e vencer. Não encontro dificuldades
nas prescrições alimentares, nos tipos de die- * Atua em consultório, academia, clínica estética e junto
tas e horários com os atletas. Os desportistas, a equipes esportivas. Especialização “Efeitos ergogêni-
estes sim, muitas vezes, têm objetivos de cur- cos da cafeína pré-exercício”.

Suplemento é uma ferramenta do nutricionista


“Trabalho com várias modalidades, e cada dendo da modalidade, não vejo a nutrição
uma apresenta especificidades, com reco- esportiva sem o uso de algum suplemen-
mendações diferentes. Os horários de ali- to. Segundo as Diretrizes da Sociedade
mentação dos atletas variam entre 1 hora Brasileira de Medicina do Esporte, tem
e 30 minutos antes, conforme o volume sido observado no Brasil um uso abusivo
e tipo de prova ou treino. Vale a regra de de suplementos alimentares e, com isso,
ouro: “nem estômago vazio e nem estô- complicações de saúde do atleta (distúr-
mago cheio...”. O tipo de alimento antes é bios do sono, aumento de pressão arte-
muito importante, principalmente quando rial, frequência cardíaca, tremores, cefa-
falamos de carboidratos (alto e baixo índice leia). Com o objetivo de contribuir para a
glicêmico). E após, a reposição deve ser rea- saúde do atleta, também temos estudado
lizada de 30 minutos a 1 hora (no máximo), os alimentos funcionais e seus benefícios
dependendo das condições do atleta. na prática esportiva.”
Darliane Fagundes*, O suplemento é uma ferramenta do nu-
tricionista, devendo ser utilizado somente * Atua em clube esportivo, com equipe multidiscipli-
CRN-2 4093
nar, na orientação nutricional de atletas amadores,
após avaliação nutricional criteriosa, um
profissionais e com índices olímpicos. É orientadora de
acompanhamento de rendimento e de Estágio em Nutrição Esportiva. Pós-graduada em Peda-
composição corporal. Atualmente, quan- gogias do Corpo e da Saúde (UFRGS) e Especialista em
do falamos em alto rendimento, depen- Nutrição e Treinamento físico (UNISINOS).

8
na Nutrição em Esportes
Nutricionista deve conhecer fisiologia do exercício
“O nutricionista que for atuar na área es- bre em nutrientes são rapidamente sentidas
portiva deve estudar a fisiologia do exercício no desempenho do atleta, em especial se
e se apropriar dos conhecimentos da área for deficiência de energia e/ou carboidratos.
da educação física. Deve procurar conversar Muitas vezes, a “rádio atleta” (aquela infor-
com técnicos e treinadores para entender mação que corre entre os atletas) dá mensa-
as características da modalidade esportiva gens erradas; em especial aos iniciantes na
e, se possível, assistir a sessão de treino e/ou modalidade, que estão ávidos a repetir tudo
competição do esporte em que for trabalhar. o que o atleta de sucesso conquistou. Impor-
É importante destacar que, assim como o tante reforçar que a dieta é individualizada
atleta precisa treinar conforme a planilha ela- (conforme biotipo, objetivo do atleta depen-
borada por seu treinador, precisa se alimentar dendo da fase de treinamento, capacidade
de acordo com as demandas desta planilha digestiva, etc), e o que funciona para um não
de treino. E o nutricionista é o profissional ca- necessariamente funcionará para o outro.”
paz de traduzir as recomendações científicas Cláudia Dornelles
* É professora universitária e trabalha em consultório par-
em alimentos pré, durante e pós-exercício. ticular. Mestrado e doutorado no PPG - Ciências do Movi- Schneider*, CRN-2 1942
As consequências de uma alimentação po- mento Humano da Escola de Educação Física da UFRGS.

Plano de competição para atletas em viagens


“É muito importante que o nutricionista refeições, horários e duração de treinamen-
esportivo saiba sobre as modalidades de seus to, preferências alimentares, etc. Com relação
pacientes e os detalhes da sua prática. Se pos- aos atletas que viajam para competir, ou para
sível, praticar ao menos uma vez. Isto para que qualquer um que enfrenta campeonatos, eu
ele possa saber exatamente quais são os estí- possuo o “plano de competição”. Neste, são
mulos exercidos pelo esporte, e as principais calculadas as calorias necessárias, nutrientes
características (explosão, força, habilidade, e líquidos. E é fundamental orientar o aluno
jogo de corpo, etc). Com isto, o profissional com relação ao dia seguinte, mesmo sem trei-
pode elaborar o melhor plano de alimentação no, pois é muito importante manter a quan-
e, se necessário, suplementação (o que é fun- tidade correta de nutrientes circulantes para
damental para atletas de elite e amadores). a recuperação muscular.”
Montar esse plano alimentar é como resol-
ver um quebra-cabeça, e as pecinhas que te- * Atua em academia, clube e junto a equipes esportivas.
mos que encaixar são a rotina do aluno, seus Especialização “Exercício Físico e Alterações Circadianas” Danielle Milhão*,
horários livres, tempo disponível para realizar (mestrado em andamento). CRN-2 9290

Pratique Saúde: nutrição esportiva voltada para comunidade


“A nutrição, a atividade física e o bem-estar riais, no início e fim do período.
mental são fatores importantes para se atin- Dentro deste projeto, a Nutrição foi um
gir a saúde adequada. Com essas referências, dos pilares que compuseram um trabalho
atuamos em um projeto conjunto de nutri- bastante ambicioso, no qual se objetivou
ção esportiva e saúde coletiva: “Pratique modificar estilos de vida enraizados na
Saúde”, da prefeitura de Passo do Sobrado população. A atuação em conjunto com
(1º/4/2011 a 31/3/2012). O objetivo do pro- o profissional de Educação Física resultou,
jeto foi o desenvolvimento de ações vol- também, no aprendizado mútuo carac-
tadas à promoção da prática de atividade terístico dos trabalhos multidisciplinares.
física e alimentação saudável, auxiliando Dentre as conquistas deste projeto, o mais
na prevenção e agravos frequentes no importante é salientar a melhora conside-
município como depressão, hipertensão, rável do estilo de vida dos participantes, o
diabetes e dislipidemias. Todos os partici- desempenho e vigor físico.”
pantes passaram por anamnese completa, Magali Bavaresco de
avaliações médicas com exames laborato- * Trabalha em hospital e em atendimento Home Care. Souza*, CRN-2 7039

9
especial

Esporte e nutrição promovem saúde

A
N utrição em Esportes é na construção de projetos com alimentação é fator de promo-
um segmento que atua objetivos comuns a estes e aos ção da saúde e prevenção de
com pessoas que praticam atletas. O presidente do Conse- diversas doenças. “O exercício
exercícios físicos. O nutricionista lho Regional de Educação Física provoca um desequilíbrio no or-
orienta o desportista com uma do Rio Grande do Sul (CREF2), ganismo, consumindo nutrien-
alimentação adequada visando Eduardo Merino, destaca a im- tes que devem ser repostos, bem
aos resultados propostos em portância do trabalho conjunto como o corpo estar preparado
cada caso. A interação do nu- dos dois profissionais, ressal- para o seu rendimento máximo
tricionista com o profissional tando que a combinação entre durante a prática das atividades
de educação física pode resultar exercícios físicos e uma correta físico-desportivas.”

Obesidade preocupa Os índices de obesidade, aliados necessidade da prescrição ser feita


as duas categorias ao sedentarismo, são preocupações por profissional habilitado.
O Ministério da Saúde, através da constantes de órgãos gestores da Outra pesquisa, realizada com
pesquisa Vigitel, divulgou, no mês saúde pública no país e no mun- frequentadores de academias da
de abril, que o excesso de peso e a do, lembra o presidente do CREF2, capital entre 2005 e 2006, pelas
obesidade aumentaram no Brasil no “pois junto com a obesidade existe nutricionistas Daniella Machado
período de 2006 a 2011. A propor- a ocorrência de outras patologias (CRN-2 7293) e Aline Petter Sch-
ção de pessoas acima do peso pas- associadas, como a hipertensão neider (CRN-2 4164), com 65 pra-
sou de 42,7% para 48,5%, enquan- arterial, diabetes e cardiopatias”. ticantes revelou que 36,9% consu-
to o percentual de obesos subiu de Para ele, a atuação do nutricionis- mia algum tipo de suplemento. A
11,4% para 15,8% no mesmo perí- ta e do profissional de Educação indicação do produto foi feita por
odo. Porto Alegre lidera as capitais Física é fundamental na promoção médico em 20% dos casos, por
com o maior percentual de adultos de saúde da população, pois além nutricionista em 41%, e 54% opta-
com excesso de peso (55%) e em de trabalhar na reabilitação das ram por consumir um suplemento
segundo lugar em obesidade (20%). doenças já instaladas, eles podem através da indicação feita por trei-
contribuir de modo significativo na nador, professor de educação física,
prevenção de diversas patologias, amigos, vendedores de lojas ou por
principalmente as Doenças Crônicas autoindicação. É importante ressal-
Não-Transmissíveis (DCNTs) tar que a resposta era de múltipla
escolha. As responsáveis por esta
Prescrição de suplementos pesquisa ressaltam, na conclusão
Há uma tendência perigosa em do estudo, a importância da atua-
ambientes de prática de atividade ção de um profissional nutricionis-
física, como as academias, em que ta nas academias de ginástica, para
a suplementação é indicada por que sejam identificadas as necessi-
frequentadores e treinadores, sem dades reais de cada indivíduo, sem
a orientação do nutricionista para excessos, levando em consideração,
avaliar a real necessidade do uso o sexo, a idade, a alimentação, os
do produto. A Associação Gaúcha objetivos, o tipo de atividade física
de Nutrição (AGAN) realizou um e a frequência da prática.
estudo, de 2005 a 2007, sobre con- Eduardo Merino lembra que o
sumo de suplementos alimentares profissional de Educação Física
por praticantes de atividade física está habilitado a trabalhar com o
em academias de Porto Alegre. Par- exercício físico e os esportes, no
ticiparam 32 academias, com 415 planejamento, execução e ava-
praticantes. Destes frequentado- liação “Não compete e este pro-
res, 27% consumiam suplementos, fissional a prescrição de dietas e
e a maioria recebeu indicação dos suplementos aos praticantes, e
amigos. Como o uso inadequado sim ao profissional de Nutrição.
Eduardo Merino: “O papel da nutrição é
de suplementos pode trazer pre- A prescrição de dietas por pes-
essencial para o equilíbrio do organismo juízos à saúde e ao desempenho soa não habilitada caracteriza-se
frente à demanda originada pela prática físico, o estudo conclui que o pú- como exercício ilegal da profissão
do exercício físico”. blico precisa ser conscientizado da de nutricionista”, alerta Merino.

10
CRN-2 em ação
Prestação de contas 2011
Ações realizadas pelas diretrizes do PAM

A
Gestão 2010/2013 do CRN-2, lação política, divulga a prestação de e de ética profissional, a relação do
alicerçada em suas propostas contas e o relatório das atividades Conselho com outras instituições, a
de ampliação do mercado realizadas no ano de 2011. O obje- articulação com movimentos políti-
de trabalho, de descentralização e tivo é registrar o balanço contábil e cos, além dos eventos que mobiliza-
transparência das ações e de articu- financeiro, as ações de fiscalização ram e divulgaram a profissão.

Gestão alimente este problema”. O CRN-2 nicipal de Saúde (CMS), Conselho


O Seminário de Reavaliação e iniciou a campanha com a divulga- Estadual de Saúde (CES), Fórum
Acompanhamento das ações do Pla- ção desta no Dia da Saúde e Nutri- Estadual de Segurança Alimentar e
no de Ação e Metas (PAM) para 2011 ção (31/03). Foi tema da Semana do Nutricional Sustentável (FESANS),
aconteceu em maio, juntamente com Nutricionista (27/08 a 3/09), com ati- Fórum Nacional dos Conselhos de
o encontro de Responsabilidade So- vidades na Usina do Gasômetro, na Profissões Regulamentadas (FOCO),
cial e Sustentabilidade do CRN-2. Em Expointer, e, em parceria com o Ban- Fórum pela Democratização da Saú-
outubro, foi realizado o Seminário do co de Alimentos, arrecadou mais de de (FPDS). Também representou a
PAM para 2012. 1.300 kg de alimentos em supermer- categoria no Comitê Gestor Banco
cados de quatro municípios gaúchos. Alimentos da CEASA, Conferências
Interiorização A Semana da Alimentação foi co- SANS – Municipal, Estadual, Federal,
A descentralização das ações do ordenada pelo CRN-2, juntamente Conferências Saúde – Municipal e
Conselho para atender às deman- com outras instituições, resultando Estadual e nos Observatórios Sociais.
das da categoria foi promovida com em mais de 300 eventos em todo o
a realização do “CRN-2 Itinerante”. RS. Somam-se a estas ações, a cria- Fiscalização
Duas regiões receberam o projeto de ção do site específico, a participa- A Comissão de Fiscalização reali-
interiorização: Litoral (em fevereiro) ção na Tribuna Popular na Câmara zou 1.430 visitas fiscais. Com o ob-
e Serra (em setembro). Na primeira dos Vereadores de POA, o lança- jetivo de conhecer a prática profis-
iniciativa, além de palestras para mento do evento na Assembleia sional, foram aplicados 373 Roteiros
nutricionistas e gestores, ocorreram Legislativa RS e a promoção da já de Visita Técnica (RVTs), distribuídos
ações à beira-mar, com orientação tradicional Praça de Segurança Ali- por: 21% ILPI, 12% Saúde Coletiva,
à população. Na Serra, as palestras mentar Nutricional e Sustentável. 14% UAN, 20% Alimentação Esco-
tematizaram a campanha “Fome, Visando a ações de articulação e lar Pública, 24% Alimentação Escolar
Obesidade, Desperdício: não ali- integração com instituições forma- Privada e 10% Hospitais. Foram rea-
mente este problema”, resultando doras, realizou o IV Encontro com lizadas 94 Ações Orientadoras (AOs)
em proposição de criação de Grupo as IES, dois Encontros com Docen- pela Comissão de Fiscalização e ins-
de Trabalho. Em novembro, aconte- tes e o V Seminário dos Técnicos taurado 34 processos Infracionais de
ceu, em Santa Rosa, a atividade de em Nutrição e Dietética. Em 2011, pessoa jurídica.
encerramento das ações de visitas foi implementada a Câmara Técni-
fiscais do CRN-2 na 14ª Coordena- ca de Formação Profissional. Ética
doria Regional de Saúde do RS (CRS), A Comissão de Ética realizou 38 AOs
com a participação de nutricionistas Comunicação e instaurou 16 processos disciplinares.
da região e da VISA municipal. Foram promovidas diversas inicia-
tivas de fortalecimento da comuni-
Eventos cação institucional interna e externa
Objetivando assegurar o pleno
exercício da profissão, o CRN-2 pro-
todo CRN-2. Além da edição de três
exemplares da Revista do CRN-2, a
Balanço Financeiro
moveu cinco Sessões Solenes de Comunicação reforçou em 2011, as Receitas: R$ 1.635.918,43
Entrega de Carteiras de Identidade ações de divulgação da profissão e 100,38 % do orçado
Profissional a mais de 800 nutricio- do CRN-2, resultando em mais de Despesas: R$ 1.540.696,94
nistas. Para esse momento foi pro- 100 inserções de notícias. Ainda 94,54% do autorizado
duzido um vídeo institucional. O nesta diretriz, foram intensificadas
Conselho esteve presente, ainda, em as divulgações no portal, redes so-
aulas de disciplinas da graduação. ciais e newsletter.
Visando fortalecer, valorizar e di- Inscritos no CRN-2
vulgar a profissão, o CRN-2 realizou,
em 2011, diversos eventos. Além dos
Ações Políticas
O CRN-2 manteve as articulações
em 2011
com movimentos políticos e sociais,
6121 nutricionistas,
citados anteriormente, destacam-se
fortalecendo as representações nas 630 TNDs e 380 PJs
a campanha do Sistema CFN/CRN
“Fome, Obesidade e Desperdício: não organizações como: Conselho Mu-

11
CRN-2 em ação

Destaques para premiações em 2012

O
troféu Maria de Lourdes Hirschland, o concurso Slogan e
o prêmio inédito a ser concedido aos Técnicos em Nutri-
ção e Dietética (TNDs) são ações que movimentarão, em
2012, estudantes e profissionais inscritos no CRN-2.

1º Prêmio Técnico em Nutrição e A busca pela saúde e a melhoria da


qualidade de vida da população in-
Dietética centivou o Conselho Regional de Nu-
Contemplar todas as categorias envolvidas no Conselho tricionistas 2ª Região (CRN-2) a criar,
sempre foi uma meta da Gestão 2010/2013. Para alcançar em 2005, o Prêmio Maria de Lourdes
essa inclusão, o CRN-2 lança a primeira edição do Prêmio Hirschland, prestando uma homena-
Destaque Científico ao Técnico em Nutrição e Dietética. O gem a esta profissional, portadora da
Regional tem como objetivo reconhecer o papel e a atuação carteira CRN-2 nº 0001, que colaborou,
dos TNDs com a saúde, qualidade de vida e com questões de forma expressiva, na construção da
relacionadas à segurança alimentar. história da Nutrição. Esta iniciativa tem
como objetivo valorizar e incentivar o
nutricionista a produzir e divulgar tra-
2º Concurso de Slogan balhos científicos.
A 2ª edição do concurso para a criação de Slogan irá pre- Este prêmio, concedido a cada dois
miar uma frase com um tema referente à alimentação e anos, contempla trabalhos realizados
nutrição (a ser divulgado em breve pelo CRN-2). O prêmio em três áreas de atuação: Nutrição Clí-
será concedido pelo Conselho aos acadêmicos do Curso de nica, Saúde Coletiva e Alimentos.
Nutrição do Rio Grande do Sul. O Conselho tem entre os A quarta edição concederá ao vence-
objetivos desta iniciativa promover a integração dos univer- dor de cada área um prêmio no valor
sitários com o Regional. de R$ 1.500,00 (um mil e quinhentos
reais), valor bruto, do qual serão des-
Prazos, regulamento, cronograma e ficha de inscrição serão divul- contados os tributos específicos.
gados em breve no portal www.crn2.org.br

CRN-2 marca presença nos municípios


Sessão Solene já conta da 1ª e 2ª CRS
com sete edições As ações de interiorização da profissão na região e apri-
Aspectos éticos, legais e profissionais da do CRN-2 estão previstas para morar os conhecimentos nas
atuação do nutricionista, ações e atitudes ocorrer no primeiro semestre diversas áreas de atuação.
para conquistar espaço no mercado de deste ano em municípios da O CRN-2 promoverá dois
trabalho, a importância da aproximação 1ª e 2ª CRS (Coordenadoria eventos nas regiões abordan-
deste com o CRN-2 foram assuntos em Regional de Saúde), as quais do diferentes temas prioriza-
destaque nas cinco edições da Sessão So- têm sede em Porto Alegre. dos pelos profissionais: atua-
lene de Entrega de Carteiras de Identidade O Projeto Itinerante, propos- ção do nutricionista no Núcleo
Profissional em 2011. Nestas, mais de 800 to pela atual gestão, busca de Apoio à Saúde da Família
nutricionistas receberam o documento. atender a estratégia de orga- (NASF) e nos diversos segmen-
Com a participação de 208 profissionais, nização de base, a descentra- tos da Gastronomia e Nutrição.
a primeira solenidade de 2012 foi realiza- lização das demandas da ca- A equipe de fiscalização do
da em março. Em maio, ocorre a 7ª Sessão tegoria, a interiorização das CRN-2 esteve presente em al-
Solene, com previsão de entrega de 180 ações do Conselho, amplian- guns dos municípios das regi-
carteiras a nutricionistas que colaram grau do as discussões e a organi- ões, realizando visitas fiscais
e estão prestes a exercer a profissão e in- zação política da categoria. com aplicação de Roteiro de
gressar no mercado de trabalho. Além de mobilizar, aproximar Visitas Técnicas, além de orien-
O CRN-2 lembra que, para receber a e ampliar o vínculo do Con- tar os nutricionistas quanto ao
carteira, é necessário apresentar a do- selho com os profissionais exercício profissional.
cumentação completa e providenciar a da região, gestores públicos Em breve, o CRN-2 estará
assinatura digital. e sociedade, contribuir para disponibilizando no portal a
a visibilidade e a valorização programação destes eventos.

12
CRN-2 lança projeto
Sexta Básica
Desenvolver ações que contribuem
para uma população mais saudável é Teleconferências
uma das metas do projeto Sexta Básica, Local das palestras:
que o CRN-2 lança em 2012 em parce- SESI -Av. Assis Brasil, 8787
ria com o SESI Regional. Esta iniciativa
busca também o aperfeiçoamento pro- Telecentros:
fissional com a realização de palestras Santa Rosa, Rio Grande, Pelotas,
de interesse dos nutricionistas, técnicos Caxias do Sul, Guaporé, Parobé, Passo
e também do público do SESI. Fundo, Farroupilha, Bagé, Erechim e Lajeado
Os eventos acontecerão sempre na
última sexta-feira de cada mês, bus- Previsão de datas e temas para 2012:
cando assim uma referência à cesta 01/6: Alimentação Saudável: chave da longevidade
básica, definida como os itens míni- 29/6: Alimentos Funcionais: polêmica e tabu
mos da alimentação humana. 27/7: Alimentação do Trabalhador
Os telecentros do SESI transmiti- 31/8: Dia do Nutricionista: Alimentação fora do lar
rão as palestras para o interior do 28/9: Semana da Alimentação (tema da FAO)
RS, oportunizando a participação 26/10: Nutrição em Esportes
dos profissionais, trabalhadores da 30/11: Agrotóxicos
indústria e comunidade interessada.

CRN-2 reestrutura
Governo instala Caisans
Banco de Consultores O Governo instalou, em abril,
Foto: Caco Argemi/Palácio Piratini

Ferramenta para indicação de a Câmara Intersecretarias de Se-


profissionais para entrevistas
gurança Alimentar e Nutricional
Com o objetivo de qualificar Sustentável do RS (Caisans). Com
as indicações e representações esta iniciativa, o Estado passa a
nas diversas mídias (rádio, TV, integrar o Sistema de Segurança
jornal, sites, revistas), em even- Alimentar do Governo Federal,
tos e outras ações, o CRN-2 está ficando credenciado a recursos
reestruturando seu Banco de federais destinados à questão da
Consultores, com a inclusão de alimentação adequada.
informações mais completas e A Caisans será coordenada
atualizadas. pela Secretaria do Trabalho e Participaram da solenidade autorida-
Em 2011, aproximadamente 70 Desenvolvimento Social (STDS) des, representantes da sociedade civil
profissionais do Banco de Con- e reúne outras dez secretarias, e órgãos governamentais
sultores foram indicados para entre estas as de Justiça e dos
diferentes mídias e palestras, es- Direitos Humanos; Desenvolvi- Alimentar e Nutricional Sus-
clarecendo à sociedade o impor- mento Rural, Pesca e Coopera- tentável do RS (ConseaRS) fará
tante papel que nutricionistas e tivismo; Educação; Saúde; Ciên- o papel de mediador entre as
técnicos em nutrição e dietética cia, Inovação e Desenvolvimento propostas resultantes das Con-
desempenham na promoção e Tecnológico; Meio Ambiente; ferências de Segurança Alimen-
manutenção da saúde da po- Habitação e Saneamento. tar e a Caisans. O Consea terá,
pulação. O Conselho considera O governador Tarso Genro des- segundo informa o seu presi-
fundamental que estes espaços tacou, na ocasião, a importância dente, Miguel Montaña, a fun-
sejam ocupados e conquistados fundamental do enlace entre as ção de acompanhar as políticas
pelo conhecimento, ciente de políticas públicas do RS voltadas públicas de Segurança Alimen-
que estas ações contribuem para para a segurança alimentar com tar elaboradas pela Caisans.
a visibilidade e a valorização da as do Governo Federal. O secre- Representado o Conselho
profissão. tário da STDS, Luis Augusto Lara, Regional de Nutricionistas 2ª
A inclusão deverá ocorrer através alertou que o objetivo dos esfor- Região, participou da cerimô-
do portal do CRN-2. Em breve, se- ços unificados é garantir alimen- nia de instalação da Câmara
rão encaminhadas as informações tos a todos e com qualidade. Intersecretarias a presidente
e critérios para o recadastramento. O Conselho de Segurança Carmem Kieling Franco.

13
comissões

Um olhar sobre a Ética


A
discussão sobre ética inva- O entrosamento entre a técnica As transformações sociais,
diu a sociedade, inserindo- e a ética é indispensável para que científicas e tecnológicas são
-se em tudo o que diz res- esse profissional possa oferecer o determinantes de novas postu-
peito à vida humana. Atualmente, melhor de seu trabalho, cumprin- ras éticas. O Sistema CFN/CRN
muitos mencionam, mas poucos do com seu compromisso indivi- entende que um novo código
conhecem seu significado. dual e social, além de contribuir de conduta é necessário, a fim
O que os nutricionistas devem de forma significativa para a ele- de que o nutricionista possa
compreender é que, independen- vação do status da profissão. adequar-se à nova realidade. O
te de área de atuação, a conduta A postura ética não é adquirida assunto tem sido pautado em
ética é indispensável para o rela- apenas durante a formação aca- reuniões conjuntas do Sistema,
cionamento do profissional com dêmica. A consciência ética surge que está constituindo um Grupo
o paciente/cliente ou equipe de como um elemento fundamental de Trabalho objetivando a revi-
trabalho, levando em conta pre- desse processo e se revela na prá- são do Código em vigor.
ceitos como a dignidade humana, tica cotidiana por meio da ação
autorrealização e sociabilidade. alicerçada na responsabilidade so-
Além de conhecimentos técni- cioambiental.
cos, o nutricionista necessita ter um O Código de Ética Profissional
comportamento ético-profissional do Nutricionista é o instrumento
inquestionável, primando sempre
pela verdade, sigilo, respeito e res-
orientador da conduta profissio-
nal, adequando atitudes e valo-
O nutricionista
ponsabilidade, com o objetivo de res pessoais aos princípios éticos, necessita ter um
transmitir confiança e
segurança àqueles
direitos e deveres. O nutricionista
tem o dever de conhecer e tê-lo
comportamento
a quem assiste. como guia, evitando assim trans- ético-profissional
gredir qualquer um de seus arti-
gos. O Código assume um papel inquestionável,
relevante em garantir primando
e defender o exercício
profissional confor- sempre pela
me estabelecido na
legislação vigente,
verdade, sigilo,
bem como defen- respeito e
der a sociedade.
responsabilidade.

Este vasto assunto não se es-


gota nas reflexões elencadas
acima, pois, assim como a ci-
ência da Nutrição é dinâmica e
caminha simultaneamente com
o progresso de todas as demais
ciências e da própria humanida-
de, também os instrumentos
utilizados como balizado-
res de conduta precisam ser
constantemente aprimorados.
Priorizar estas ações tem como
finalidade fazer com que a atu-
ação do nutricionista seja cada
vez mais respeitada e entendida
como imprescindível por toda a
sociedade.

14
Assunção de Responsabilidade
Técnica pelo Nutricionista:
uma questão civil, penal e ética
A
C omissão de Fiscalização responder a processo disciplinar a presença ou não de Quadro
do CRN-2 destaca, nesta por infração ao Código de Ética Técnico. Também é de respon-
edição, a importância e a Profissional, não o eximindo de sabilidade do Conselho verificar
magnitude dos aspectos legais, ação civil e criminal pela justiça se o nutricionista RT cumpre
éticos e técnicos da assunção de comum. integralmente as atividades ou
Responsabilidade Técnica (RT) Para tanto, precisa conhecer as serviços técnicos de alimentação
pelo Nutricionista. leis, portarias, resoluções e deci- e nutrição, elencadas no mo-
A RT decorre da necessidade em sões que regulamentam sua pro- mento da assinatura do Termo
atender as legislações sanitária e fissão, em especial o Código de de Compromisso assinado pelo
profissional que preveem as obri- Ética do Nutricionista e o Código profissional e empregador.
gações e respectivas sanções. de Defesa do Consumidor. A emissão da assunção de RT
As competências do nutricio- pelo CRN-2 para o nutricionista
nista, definidas na Lei 8.234, de é um aval concedido pelo órgão,
17/09/1991, que regulamenta a que servirá como documento
profissão, identificam este pro- para o exercício profissional em
fissional como o Responsável um determinado local. Para a em-
Técnico para a área de Alimen- O nutricionista presa, é uma garantia de poder
tação e Nutrição.
Responsável Técnico (RT) é o responde contar com a prestação de servi-
ço de um profissional habilitado e
profissional que detém conheci-
mentos e habilidades específicas
integralmente regular com suas obrigações para
com o Conselho.
que o qualificam para ser o res- tanto na esfera Com muita frequência, têm
ponsável pelos procedimentos
técnicos adotados em serviços
civil e penal sido noticiadas na mídia denún-
cias envolvendo o nutricionista,
de Alimentação e Nutrição. É ele quanto na ética responsabilizando-o por alimen-
que se responsabiliza pela pro-
moção e preservação da saúde
pelas atividades tos vencidos encontrados em câ-
maras frias e despensas. O CRN-
e por todas as atividades que de Alimentação 2, em ações de fiscalização, tem
compreendem a Nutrição nos
diferentes segmentos de atu- e Nutrição. encontrado nutricionistas assu-
mindo a responsabilidade técni-
ação. Tem o dever de exercer ca por vários estabelecimentos,
sua profissão com total respon- com incompatibilidade de horá-
sabilidade, honra e dignidade, rio, não cumprindo as atividades
utilizando todos os recursos obrigatórias previstas em lei, au-
disponíveis, dominando e apri- Para autorização da assunção sentes de seu local e trabalho em
morando seus conhecimentos de Responsabilidade Técnica dias e horários estabelecidos, en-
técnico-científicos em benefício pelo CRN-2, alguns critérios são tre outras irregularidades.
do paciente/cliente, da profis- considerados, entre eles: os que Portanto, o CRN-2 faz um alerta
são e da sociedade. Responde permitem o fiel desempenho da ao nutricionista para a postura a
integralmente tanto na esfera responsabilidade técnica con- ser adotada ao assumir a RT pelo
civil e penal quanto na ética pe- tratada, as funções assumidas serviço de alimentação e nutrição,
las atividades de Alimentação e pelos profissionais, a complexi- seja ele de natureza privada, pú-
Nutrição. Deve lembrar que, no dade dos serviços, a compatibi- blica ou filantrópica.
desempenho de suas atividades lidade de horário, a distribuição O profissional, na função de
profissionais, caso ocorra um da carga horária semanal, de- Responsável Técnico, assume um
acidente ou falha na prestação vendo esta ser compatível com dever com o Conselho, com a
de serviço e ficar caracterizado o desenvolvimento pleno das sua profissão, com o público que
imprudência e imperícia, negli- atribuições, a compatibilida- atende, com a empresa que o con-
gência ou omissão, no âmbito de do tempo despendido para trata e o remunera e, especialmen-
do CRN-2 o profissional poderá acesso aos locais de trabalho e te, com a sociedade.

15
Campanha do Sistema CFN/CRN 2012

O Sistema Conselhos Federal e Regionais de Nutricionistas


está lançando campanha por uma alimentação mais
saudável fora do lar.

A iniciativa irá orientar as ações do Sistema para 2012.

Em breve, divulgaremos agenda de eventos do CRN-2.