Você está na página 1de 2

DIOCESE DE JOINVILLE

Comarca de Jaraguá do Sul


Formação Comarcal: Catequese
Jaraguá do Sul, 16 de maio de 2019

1. NECESSIDADE DE APROPRIAÇÃO DE DADOS abertura a Deus e de busca intensa de sua vontade.


Para os encontros com os pais ou responsáveis, pode-se
[242] Antes de apresentar algumas pistas de ação para fazer valer dos temas que constam nos manuais e ou-
a conversão pastoral da paróquia em comunidade de tros conteúdos que levam à adesão a Jesus Cristo e à
comunidades, é preciso superar a tentação de uma pos- igreja.
tura pastoral que pretende contar apenas com os esfor-
ços humanos para evangelizar. [...] É certo que Deus Objetivo Geral
nos pede uma real colaboração com a sua graça, mas ai Despertar nos pais a certeza de que Deus os chama pa-
de nós se esquecermos que, “sem Cristo nada podemos ra serem seus colaboradores na arte de gerar a vida e a
fazer” (cf. Jo 15,5). fé mediante o processo de Iniciação à Vida Cristã de ins-
(CNBB. Comunidade de comunidades: uma nova paróquia. Docu-
mento n. 100. Brasília: Edições da CNBB, 2014)
piração catecumenal, assumindo o projeto catequético,
seu método, que conduz os filhos num sentido cristão,
[Pág. 6] Mesmo que a gestão se concentre em bens ma- acompanhando-os na elaboração de seu projeto de vi-
teriais e patrimoniais, ela estará associada à gestão de da, para que sejam testemunhas firmes de fé cristã em
pessoas, que, por sua vez, estão relacionadas a elas. suas respectivas comunidades.
Sem elas, eles não teriam razão de existir e ser geridos.
[...] Desse modo, em qualquer gestão, gerimos ações, as Objetivos Específicos
questões são praticas por pessoas—e pessoas não são 1. Oferecer orientações para a família, primeira cate-
coisas. quista, para que exerça com responsabilidade a missão
(PEREIRA, José Carlos. Gestão Eclesial: tarefas, responsabilidades e de educar na fé os filhos.
práticas. São Paulo: Editora Ave-Maria, 2012) 2. Conhecer o método da leitura orante como alimento
no aprofundamento do encontro e adesão a Jesus Cris-
Quais dados precisamos nos apropriar? to.
• Conhecer a comunidade de fiéis (público-alvo); 3. Assumir a Iniciação à Vida Cristã como um mergulhar
• Enumerar as prioridades locais em consonância com progressivo na vida com Deus percorrendo os tempos e
Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil; etapas do catecumenato, as celebrações, símbolos, ri-
• Determinara as ações prioritárias da Iniciação à Vida tos e bênçãos.
Cristã (IVC); 4. Compreender a catequese como educação da fé e a
• Cronograma das atividades evangelizadoras (Diocese Liturgia como celebração da fé, são funções da mesma
> Comarca > Paróquia > Comunidade); ação evangelizadora e catequética da Igreja.
• Levantar números (quem são—quantos são –onde 5. Acreditar que a família é horizonte que dá direção ao
estão os catequizandos; catequistas; coordenado- projeto cristão dos filhos e seu engajamento na comuni-
res). dade.
[365] Nenhuma comunidade deve isentar-se de entrar Sugestões de temas:
decididamente, com todas as forças, nos processos 1. A educação na fé na atualidade
constantes de renovação missionária e de abandonar as 2. Método da catequese: leitura orante
ultrapassadas estruturas que já não favoreçam a trans- 3. A Iniciação à Vida Cristã
missão da fé. 4. Liturgia como fonte da catequese
(CELAM. Documento de Aparecida. 7 Ed. Brasília: Edições da CNBB,
2008.)
5. A família no processo de Iniciação à Vida Cristã.

Como referências para o encontro usar os documentos


2. CATEQUESE FAMILIAR
oficiais da Igreja Católica. A Bíblia é a centralidade. To-
O período de março a junho é reservado para a forma- mar cuidado com interpretações de devaneios encontra-
ção dos catequistas e pais. Os encontros com os pais ou dos por “entusiastas” na Internet e livros de publicações
responsáveis pelo catequizando são realizados, de uma duvidosas. Ao apontar um assessor, fazer em comunhão
forma democrática, dinâmica, orante, em clima de es- com pároco.
cuta atenta e respeitosa, de oração, de decisão, muita
3. A FORMAÇÃO DOS CATEQUISTAS DE INICIA- O que é uma pastoral orgânica?
ÇÃO À VIDA CRISTÃ [72] Estas perspectivas de ação querem contribuir, por
um lado, com uma Igreja “comunhão e participação”,
Objetivo Geral despertando a criatividade e fornecendo subsídios às
Proporcionar aos catequistas formação organizada e diversas iniciativas da ação evangelizadora. Por outro,
continuada para adquirir o conhecimento necessário ao quer promover, nas Igrejas Particulares e entre elas,
ministério da catequese, no processo de iniciação á Vi- uma pastoral orgânica e de conjunto mais eficaz, pois a
da Cristã de inspiração catecumenal, na prática da leitu- Igreja é “Igreja de Igrejas”. Trata-se de linhas e formas
ra orante e na pedagogia de Jesus, como discípulo, tes- de ação, de critérios, que precisarão ser concretizadas
temunha, comunicador, acompanhante e mistagogo nos processos de ação pastoral em cada Igreja Particu-
inserido na comunidade. lar, segundo as condições e necessidades dos respecti-
vos contextos.
Objetivos específicos (CNBB. Diretrizes gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Bra-
1. Favorecer aos catequistas a construção da identidade sil: 2015-2019. 2 Ed. Brasília: Edições da CNBB, 2015)
cristã, a maturidade na fé e o equilíbrio humano, para o
[169] [...] Porque um projeto só é eficiente se cada co-
ministério da catequese no processo da iniciação à vida
munidade cristã, cada paróquia, cada comunidade edu-
cristã de inspiração catecumenal e intensificar o conhe-
cativa, cada comunidade de vida consagrada, cada asso-
cimento da prática pedagógica de Jesus como caminho,
ciação ou movimento e cada pequena comunidade se
inspiração, meta e modelo para o catequista.
inserem ativamente na pastoral orgânica de cada dioce-
2. Conhecer a Bíblia como fonte da catequese, da espi-
se. Cada uma é chamada a evangelizar de modo harmô-
ritualidade e da prática da leitura orante, método da
nico e integrado no projeto pastoral da Diocese.
catequese, instrumento privilegiado para iniciar novos (CELAM. Documento de Aparecida. 7 Ed. Brasília: Edições da
cristãos. CNBB, 2008.)
3. Aprofundar o conhecimento da doutrina da Igreja
Católica. ESPAÇO PARA ANOTAÇÕES:
4. Conhecer o Ano Litúrgico para melhor vivenciar os _____________________________________________
encontros, as celebrações e entregas no itinerário dos _____________________________________________
manuais de catequese, que conduzem a mergulhar no _____________________________________________
mistério de Deus. _____________________________________________
_____________________________________________
Sugestões de temas: _____________________________________________
1. Proposta evangelizadora _____________________________________________
2. Organização didático-pedagógica _____________________________________________
3. Organização bíblica-catequética _____________________________________________
4. Teologia doutrinal _____________________________________________
5. Organização litúrgica-catequética _____________________________________________
(JOINVILLE, Diocese de. Organização da catequese em vista da
iniciação à vida cristã [documento preliminar]. Joinville, 2019.)
_____________________________________________
_____________________________________________
Pensar a prática pastoral de maneira colaborativa, em _____________________________________________
comunidade. _____________________________________________
_____________________________________________
_____________________________________________
4. PASTORAL ORGÂNICA E COLABORATIVA
_____________________________________________
[296] A comunidade paroquial não pode se separar da _____________________________________________
vida diocesana. Sua unidade se faz na oração, nos vín- _____________________________________________
culos de pertença e na ação pastoral orgânica e de con- _____________________________________________
junto. A pastoral precisa ser organizada com outras pa- _____________________________________________
róquias vizinhas e com a diocese. O plano diocesano de _____________________________________________
pastoral permite novas inspirações para a ação e possi- _____________________________________________
bilita que cada comunidade mantenha a unidade na _____________________________________________
diversidade de realidades.
(CNBB. Comunidade de comunidades: uma nova paróquia. Docu-
mento n. 100. Brasília: Edições da CNBB, 2014)

http://bit.ly/2WDuolT