Você está na página 1de 6

ÍNDICE

1 NOME DO
03
EXPERIMENTO........................................................................................
2
OBJETIVOS................................................................................................................. 03
...
3
INTRODUÇÃO............................................................................................................ 03
...
4 MATERIAIS E
04
MÉTODOS..........................................................................................
4.1 Materiais
04
Utilizados.................................................................................................
4.2 Procedimento
04
Experimental....................................................................................
5
CÁLCULOS..................................................................................................................
..
05
5.1 Peso da
amostra.......................................................................................................
05
5.2 Peso do
05
resíduo........................................................................................................
06
5.3 Porcentagem de
cinzas............................................................................................
06
5.4
07
Média........................................................................................................................

6 RESULTADOS E
DISCUSSÃO...................................................................................
7
CONCLUSÃO............................................................................................................... 07
..
8 REFERÊNCIAS
07
BIBLIOGRÁFICAS..........................................................................
1 NOME DO EXPERIMENTO

Determinação do teor de cinzas.

2 OBJETIVO

Familiarização com a técnica para a determinação de matéria


inorgânica em alimentos, tais como sais minerais existentes ou transformados durante
sua queima.

3 INTRODUÇÃO

As cinzas são resíduos inorgânicos remanescentes após a completa


destruição da matriz orgânica do alimento. A cinza obtida não é necessariamente da
mesma composição que a matéria mineral original do alimento porque pode haver
perdas por volatilização.
Cinzas de produtos contendo frutas são alcalinas devido a presença de
sais de ácidos fracos (cítrico, málico, tartárico) que na incineração são convertidos em
carbonatos. O conteúdo de cinzas dos alimentos de origem animal normalmente é
constante, já alimentos de origem vegetal tem conteúdos de cinzas bastante variados.

A análise de cinzas fornece informações prévias sobre o valor


nutricional do alimento, no tocante ao seu conteúdo em minerais e é o primeiro passo
para análises subseqüentes de caracterização destes minerais.

As cinzas constituem a fração mineral dos alimentos; são formadas


pelos micro e macronutrientes os quais possuem relação direta com o solo em que foi
cultivado. Em produtos vegetais a determinação de cinzas tem relativamente pouco
valor, pois o teor de cinzas nesses produtos oferece pouca informação sobre sua
composição, uma vez que seus componentes minerais são muito variáveis e tal
determinação fornece, em geral, apenas uma indicação da riqueza da amostra nesses
elementos. O perfil da cinza pode ser considerado medida geral de qualidade e
freqüentemente é utilizado como critério na identificação dos alimentos. A cinza
contém, em geral, cálcio, magnésio, ferro, fósforo, chumbo, sódio e outros componentes
minerais.

O método para determinação de cinzas é empírico e o teor obtido, vai


depender do método, tempo de incineração e temperatura empregada. Para cada tipo de
amostra existem condições recomendadas que devem ser verificadas antes de proceder a
sua determinação. Amostras com alto teor de umidade devem sofrer secagem antes da
incineração. Em alguns casos recomenda-se uma queima da amostra em bico de Bunsen
antes de colocá-la na mufla.

4 MATERIAIS E MÉTODOS

4.1 Materiais Utilizados

 3 Cadinhos de porcelana
 Balança analítica
 Dessecador
 Mufla aquecida a 550°C
 Espátula
 Pinça metálica
 Farinha de sucrilhos
FIGURA 1 – Cadinho de porcelana FIGURA 2 – Balança Analítica

FIGURA 3 – Dessecador FIGURA 4 – Mufla

FIGURA 5 – Espátula FIGURA 6 – Pinça Metálica

FIGURA 7 – Farinha de Sucrilhos

4.2 Procedimento Experimental

Primeiramente anotou-se o número contido em baixo dos cadinhos.


Em uma balança analítica pesou-se três cadinhos previamente aquecidos a 550°C e
resfriados em dessecador. Pesou-se cerca de 3g da amostra da farinha de aveia. Anotou-
se os resultados.

Em seguida, colocou-se os cadinhos em uma mufla pré-aquecida a


550°C, deixando-os ali pelo período de 2 horas. Após este período, transferiu-se o
cadinho para um dessecador. Após 2 dias, pesou-se os cadinhos com as cinzas e
registrou-se o peso.

5 RESULTADOS E DISCUSSÃO

Tabela 1: Resultados obtidos no experimento

Cadinho + Cadinho +
Número do Porcentagem
Amostra Peso da Amostra Amostra
cadinho de cinzas
Inicial Final
5 23,6127g 3,1235g 23,6127g 1,15%
25 23,2522g 3,1024g 23,2869g 1,18%
30 22,5349g 3,1307g 22,5709g 1,12%

Cálculo da % :

Onde:
A = Cadinho + Amostra Inicial
B = Cadinho + Amostra Final

C = Peso da Amostra

5.4 Média

Média = Soma da % de cinzas dos cadinhos

Quantidade de cadinhos

Média = 1,15%

6 CONCLUSÃO
Através dos experimentos realizados pode-se obter os compostos orgânicos
presentes nos resíduos remanescentes (cinzas), podendo assim determinar adulterações
presentes nos alimentos e elementos inorgânicos presentes na amostra, tais como,
cálcio, ferro, manganês e cobre.

7 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

EMBRAPA<http://www.cnpa.embrapa.br/produtos/mamona/publicacoes/trabalhos_cbm
2/130.pdf> página eletrônica acessada no dia 30 de março de 2013.

USP<http://www.fcf.usp.br/Ensino/Graduacao/Disciplinas/Exclusivo/Inserir/Anexos/Li
nkAnexos/CINZAS%202008.pdf> página eletrônica acessada no dia 30 de março de
2013.

Você também pode gostar