Você está na página 1de 82

ATUALIZADO

,.
ATEOENEM

~
alto astral

DO DO DO
, 000000
f'\ DO OO OO
DO DO D O

-
FIQUE POR DENTROI RESUMO QUESTOES MUNDIAIS
REfORMA TRABALHISTA. COM OS PRINCIPAIS FEMINISMO. REfUGIADOS.
ESCASSEZ DE ALIMENTOS. ACONTECIMENTOS lSRA[L xPALESTINA.
SU TABILIDADE...
y
SUP'ERGUIA
nem
Sul)<'rgui• EnemAluali<lades -Edi\,o l -2018- ISBII 918-B5--8241H12H)
Edlt()ra,.(he-fe VlvlMie CamposEditor Rlc.ardG Pkdna10 Redaç!oMarisa Séi Imagenseilu$1Jaç6es Geny lmages, Shune,stod'. lmag,es, Ful!Case e
YM:imtdia Commons
Design Josemarallascimento Impressão MAR MAR Grãfica OistriooiçãoTotal Express Publicações
Fica proibida areprodll{ÕOparcial ou total de quolquer
tt.tto ou Imagem dtJte produto um"utorlzO{ôo prbl11 dM
mponsôvtit ptla publkO(ão,
ESTA ( UMA PUBLICAÇÃO DA

alto astral
~ \J
edilo ra
©2018 EOllORA AlJOASTRAL LTOA. rooosos DIREITOS RESERVADOS
PRESIDENTE JO,jo C.rlos de Almeida
DIRETOR EXECUTIVO Pedro José O,~uito
DIRETOR COMERCIAL Sdvino Brasolotto)unior
s..
DIRETOR OE REDAÇÃO dro Pavelo>ki

EDITORIAL Gerente Mara OeSanti

PUBLICIDADE Gere-nte SamanllwPestana Equipe {o,mercial Ana Piwta Maia, José Santos eMareio Costa
Mercado Regional (OF} ARIAAZiM OECOIAUNlúlÇAO (61} ll21- 3440, (RI) PLUS R!PRESEll!,AÇÃO (21) 2240- 92ll
Brand Lab VanessaNeves Opec/ Programãtico Walessa Gimenes e Thíagol.anqueta.
Fone (1 1} 3048-2900 / E-m•il publítid•de;iastral.com.br

MARKETING Gerente Flaviana Castro E-m•il marltlin~slral.,om.br

SERVIÇOS GRAFICOS Gerenle José AlltooioRodrígue<

AOMINISTRATIYO/FINANCEIRO Gerent,Jason Pereira

ENDIIEÇOS BAURURua Gu~,vo M><~( 19-26, CEP 11012-110, Sauru,SP. Úlixa Posial471,CEP 17015-970, S.uru, SP.
fone (14) 3235-3878:Tax (14) 3235-3879 SÃOPAULO Rua r.. erife, Ir 31, Coni 21e22, B10<0 A. CEP 04148-904,
Via O!lmpia, s.io Paul~ SP, Fone/Fax (11) 3048-2900
'
ATENDIM E.NTO AO LEITOR <Z>(14) J2l5--l885 Oe segunda a sexta, das 8h âs 11111 E-mail •tendinento@aSlfal.com.br
Caixa Postal 471, CEP 17015-970. S.uru, SP

LOJA wv,w.klja.edlt°'aastral.com.br
E-mail lojaonline@asttal.com.br
Conteúdoproduzido por

FULL)
CJ\SE
Produtos
Editoriais
Edl!Ao de Conteúdo: Mara Ma9ana
Cootd~ a~ oEd1to1l.al: JulJilnil Klên
Supervisão Geral: Angri ka!l'IIO
Revisão: Adriana Giusti
Uustratões: Bruno Castro

í'IP-R1u~ 11. C>T,u or..u;.lo ,i,. i>r11u r ..u;-ln


SlNl>H '.ATO NA( '.NJr\ AI. I K IS n n1 0 1os 1n:1JV KUS. tu

3. e-d.

Superguia l·X I~ :Atu.o.lidod~s; Rieunlo Piocinato. · 3. t-d. -Sãü Poulo: Aho Aslr.il
2018.
8-1 p. : •. : :?7 cm.

1. El'1111i! Ndomd do En,;ino l\fédb (Bnu;íl). 2. Emno M,-dio. Av:ilklçao. BmiL


3. F.,xure,;. Manu:1is.. Oiias. c1c. l. Pitcimno. Ricardo.

18-J l'°5 COO. 373.(}')SI


CIJU: 373.l(81)

l?ilWJUIS 71/Ui<r/OI~
:--.., .\ INTRODUÇÃO [i)

"".1

'

O Exame Nacional do Ensino Médio, conhecido



dados do lnep, mais de 5,5 milhões de estudantes
popularmente como Enem, foi criado no ano de tiveram suas inscrições confirmadas para realizar
1998 a f im de avaliar ha bilidades básicas dos a prova nos dias quatro e 11 de novembro. u
.....
:::,:
estudantes brasileiros. E, com o passar do tempo, 1
Com a reformulação da prova feita em 2009, .....
o
a prova acabou se tornando um dos principais ~
cresceu o número de faculdades que passaram V
meios de se ingressar em uma universidade e, "
assim, conquistar o diploma do Ensino Superior.
a aceitar o exame como meio de ingresso em
seus cursos. Por isso, quem prestou o Enem
.."
~

o
Para isso, os alunos que prestam a avaliação ..,
--~
~

2017 concorreu a 239.601 vagas referentes a


podem, caso atinjam uma determinada nota,
130 instituições públicas de Ensino Superior, ·=:::,:
optar por entrar em uma instituição pública
tanto federais quanto estaduais, para o primeiro ..
o

".
o
que aceite os resultados do Enem no processo
semestre de 2018. Lembrando que a relação de 3
seletivo ou, ainda, uma faculdade particular pelo V
e:
quantidade de vagas e instituições disponíveis ·;:
Programa Universidade Para Todos, o ProUni. a:
é realizada pelo Sistema de Seleção Unificada .....
Conforme informa o edital: "Os resultados z
(Sisu), podendo ser acessada em sisu.mec.gov.br. 1
do Enem 2018 poderão ser utilizados como ~
·;;
><
mecanismo único, alternativo ou complementar Nesta coleção SUPERGUIA ENEM, preparamos ~
o conteúdo necessário para o aluno que deseja o
de acesso à educação superior, desde que exista :§
e:
garantir uma das 239.601 vagas disponíveis,
adesão por parte das Instituições de Educação
-~..e:
<(

Superior (IES). A adesão não supre a faculdade buscando reforçar tudo aquilo que aprendeu em
legal concedida a órgãos públicos e a sala de aula ou estudando em casa . Nas próximas ..
o
V

páginas, você poderá conferir uma seleção ;li"


instituições de ensino de estabelecer regras
próprias de processo seletivo para ingresso na das principais teorias explicadas e exercícios .."'"'
educação superior". comentados por professores especialistas. a"
"'
Para se ter uma ideia da importância
Ao todo, são seis apostilas que abrangem os ."'
8'.
o
temas trabalhados no Enem: Ciências Humanas "-"
dessa alternativa para alcançar uma vaga
na universidade, 7.603.290 de pessoas se
e suas Tecnologias; Ciências da Natureza e .""'
.....

inscreveram no Enem de 2017, superando a


suas Tecnologias; Linguagens, Códigos e suas -..
e:
Tecnologias e Matemática e suas Tecnologias. o

estimativa do Instituto Nacional de Estudos e z"'
Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (lnep) de Em cada edição você encontrará dicas especiais -3o
7,5 milhões de inscritos. Deste número, 59,3% já e teorias bem explicadas que vão abrir caminho -"'
e:
concluíram o Ensino Médio, 31,9% completariam para seu ingresso no Ensino Superior, garantindo o
""'o
o nível escolar em 2017 e 7,8% finalizariam uma posição de destaque no mundo profissional.
Bons estudos!
.
~

E
posteriormente. Na edição de 2018, segundo ·:>
z

SE Atualidades 2018 1 5
'"~

PARA~
REVISAO •

Organize sua rotina de estudos e, se necessário, faça um cronograma para não deixar
passar nenhum conteúdo e conseguir dar conta das atividades cotidianas.

Livre-se de distrações na hora dos estudos. Celu)ar, redes sociais, televisão ou


rádio podem ser empecilhos para a concentração e o foco.

Faça simulados ou provas de anos anteriores. Dessa forma, você ficará


habituado com o estilo da avaliação e não terá surpresas na hora.

Treine seu tempo, pois a prova é longa e o período para sua realização é curto. Em 2018, no
primeiro domingo de exame, os candidatos terão cinco horas e meia para a realização das 90
questões de linguagens e ciências humanas, além da redação. No segundo, serão 30 minutos a
mais do que em 2017: cinco horas para as 90 perguntas de matemática e ciências da natureza.

Foque no seu objetivo. Tenha consciência da nota necessária para ingressar na


universidade e curso desejados, assim poderá se esforçar visando sua meta.

Leia os enunciados com atenção. Interpretar aquilo que se pede na pergunta é


essencial para escolher a resposta certa.

Responda primeiro às perguntas mais fáceis, aquelas que você sabe a opção correta.

Leia. O hábito da leitura constrói um vocabulário melhor, auxilia a interpretação de


texto e desenvolve o raciocínio crítico.

Mantenha-se informado. Notícias atuais são temas de redação em potencial.

Descanse e durma bem. A mente precisa de um tempo para que os conteúdos


sejam assimilados.
,
MARCIO SCARPELLINI VIEIRA
Pedagogo. cientista social e ad ministrador de empresas e diretor de
colégio em São Paulo

TEXTO: MARA MAGANA


Jornalista pela Cásper Libero. formada em Letras pelt USP, com pós em
Jorna lismo e Comun icação. Foi coordenadora e direto ra de colég io em São Paulo .

• . ---... • ••• - ,. - • • • • . . -... •- ....' -•. ••• ••




•. • ....... ••.- ....• - •.• ,• • ..•• •
•• • .. •• • ......

-•• •
...

• • • 1 • • • • • •

•• •

• • • •

• • • l • •· -~• ...' 1 •

• • 1. - •
• • •• • • • • • •• • •
•• ..
• •
• • • • • • • •• •. • ••
' • 1•• ' •• •• • • .•I •. • J • '· .... ' •. ·'• ·-
• •
••
• •

'
... •


' -
1
l. •
1 ..... • ..

• "•. --


't' .. •
, . ....... '., ' ..

.,.•
1

.
i
• .• . •
~ •• -- •-. • .. 1
•• • • • -• •
- •
••

• . - • • •

-• •
' • •
'• • •• • •


-·• • ..• . t· - '• .•• . . •

•• -·

. ... •'. • • - •

• •
• • - •• • •

'. - .. •
..
• •• ••••

••• ..

• • •

. .. ..

••• • •

. ..
• •
,· •

- ••
.....•.. .•"'·
• • \
1
.. •
• •• 1 ' -
.• - ..•

1


••


•·-~,. .....

, • •••
• ••• _.,. ...... •

• • •• • • • ·- -1. .

. . . ..

. .• -
f


• - l

.•.• • • . .•. 1
-• • ..•• •• .. .• . ..• • •
....
• • . . .•• .•• -
. .•' .•• • l • • t ! •

.••• ..• •• • •
.,. .,• • ••• . . .•..


, .. . .


' -•.. '• .. •. .. ' ..' ..
'
•' •, . ,• ..... r. • ..... • •
• •
' .• 1 •
-' •••




·-
'

•• .. ., ... • . . .- .. l
1 1

• L - ..• •••

• ,.

••

• •• • • •• •

'•..
• -•
...
:..

• •


. 1 .L 1 ·, ... • -•
• .. .. ' .
••
• -•. .•.. •
1 • .• ·'• ..•• . . •
1
,

-. •..
1 •
• •
•• • •..• ...• .. . .. • •• •
• ... .. .. ~

••
.. •• ... •
• ... .. ... •

• '
... • • . ..
•••
·- - .. •

·•

.- '.. - • ..

••
'
' ..._ ..• ••
.. . • . ·- . •
·• •

••
.. •
~ ~
~ •'
• • • • • •
.. •:. •

• '•• •
1
• •
.... ••
- •
• -. • •

·. • •
• ..' • . .
·- • ••' • •• .• •
• -·' • t ... : ... . • :.
• -·1 -
• •. •
. •.

• • • -....
i
.'.. "( • • r • ...• •
• •


• • ...• . ,. .- . •' '
. . ••
• •
••• .,. ,. . ·,

..
• -- . -.
••
- - •'
t_ •• -·- ... •
• •• ...' .' -••
.


..
• •

' --• ,

..• .... •
•• •• .. ••
• ••
• • •••
••• . - ·-•• • ••

1


...


. . ..

-.
. . .• • • ... ·



. . ! . - ••• .· .. . . •
• '
1 1

.
•.

•. - . •
.. t •
; •• •



l • '

-. 1.• ..,.. •
r •' ..


.... •
·,· ·, . . ,· • ..,.. '

• ' • '
..,





' •
-,- •
• • •
.. .. . ... . . .. .. ... • . , • • • ••• ... .. .. . •• ·• • ••• •... . - .. ... -•.. -.. . , ••••


• 1 • • • • • •• . • ... ...... r l •


. : - .•. • • . •

.•
' • • •. ..
1

·,· .. .
' . . •••• . • l .•.
• . . ,.
-.- - •:
• -...
• .. .• • •
• -. -.
- ..
• •

.. ' ••• • • • ·,.



1,.



•••••• .....


. ' •• • •• •••• ,• •• • •• -. - .... •
' •,..

' .. •
• ,.
• •• ...
... •
• 1
• •
•• . ... -•••


. •• ...• . . •• •• •
"' .. •
., L


1· •
'

• • 1.
•• ·'

. . , .. •
•.- .. _, L •

• • .. . . . . .• -
1
.. •.
. ....... .. •• ••
.... •
..... •
. . . . ..•
l
••' •

'
1 -
·. •• . . .. •' • •
• • •
• ~

• •
-:••• .. • . ...• 1
• • •

•-
• • •
..- • •- •
...... - . .r • • .. •
• ••
' •
• . .
--· .... . •
• •• •
-• •.. • .. -..... •. ..... -
...

• .... •..
.

.
• - • • -
• • •••
. •
1· ••.

.. -~ • ,

1

•• • • • • •
•'
- + •.. •
1

-...• .. .· . .... .. ... -. ... .


• • •
•. 1 . . . , . ..• • ·, -. • 1 • •• • •
.......

' ; •• • • .• •• • • • ;• • •
• • • •
• •
. . . . . ... •
. . .
- ..• ... ... - ....... -•• ...
• .1. • . .

• •• . •
- • .. •
·• . . . -·

.• . • • • • • •
• . ..

•• •• ••
-

• - ... .. • . .. ·- ... .

.. ·- .. • • -
• •••


• • -.. ••

~ • • • • • ·-
• ·-· •
7
~1 1. Crise Política no Brasil ............................ ......................................................................... 9
~" 2. Previdência Social ...............................................
v- r, 12
·~
••••• • •••• • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • •

3. Reforma Trabalhista •
14
•••••••••••••••••••••••• ••••••••• •••••••••• •••••••••• ••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••

4. Questão Agrária .................................................. . 15


••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••

5. Questão Indígena ....................................... ........................................................................ 16


,
6.A crise carcerar1a 18
••••••••••••••••••• • • • ••• • •••••••••••••••••••••• •••••••••••• ••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••

7. Estatuto do Desarmamento ......................................... • 21


••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••

8. Mobilidade ..........................................................................~ ................................................. 22


9. Habitação ............................................................................................................................
, 23
1O. Adoção .......................................................................... 27
••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••

11. 1srael e Palestina .........'................................................................................................... 28


12. Estado Islâmico e a Síria 30
••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••

13. A primavera árabe ......................................................................................................... 33


14. Coreia do Norte ............................................................................................................... 34
15. A década da China .......................................................................................................... 38
16. A Era Trump 41
••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••

17. A privacidade na internet 43


•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••

18. Racismo no Bra si l e no mundo .................................................................................... 45


19. Legalização da maconha .............................................................................................. 48
20. Migrações 50
••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••

21. Desenvolvimento Sustentável ..................................................................................... 53


22. Biotecnologia .................................................................................................................. 54
23. Desigualdade de gênero ............................................................................................... 57
24. Base nacional comum curricular ................................................................................ 59
Atualidades permeiam a prova inteira do ENEM e dos Logo após Lula, há um candidato de direita, Jair Bolso-
principais vestibulares do país, embora não apareçam naro, que vem agradando com suas ideias radicais a boa
como "disciplina". E está correto, porque atualidades são parte dos eleitores, mas alguns analistas políticos ainda
inerentes a qualquer área do conhecimento humano. O colocam em cheque essa posição, não a legitimando até a
, segredo é ler, ler muito, revistas, jornais, ficar ligado nos hora das urnas. Com a pulverização do cenário, que agora
noticiários, mas saber separar o verdadeiro das chamadas, se apresenta, há o grande risco de repetirmos 1989, quan-
hoje, "fake news'; notícias falsas espalhadas, principalmen- do quase vinte candidatos se apresentaram ao pleito. E,
te, pelas redes sociais. Mas, em meio a tanta notícia, ao que para fechar, o Supremo Tribunal Federal (STF) proibiu que
dar prioridade? Alguns temas têm a possibilidade de esta- as empresas financiem as campanhas de seus eleitos.
rem presentes nos exames, como A Crise Política no Brasil, 1
A Situação da Coreia do Norte, A Era Trump, as contendas
do mundo árabe, a crise eterna de judeus e palestinos. Cla- A Operação Lava Jato
ro que a Lava Jato é primordial, bem como questões sociais
Por que o nome "Lava Jato"? Devido ao uso de uma
como a legalização da maconha. Abordamos tudo isso nes-
rede de postos de combustíveis e lava jato, utilizada para
te guia. Ponha-se em dia!
movimentar recursos ilícitos de uma das organizações cri-
minosas que, inicialmente, foi investigada. O processo ca-
minhou para averiguação de outras organizações, mas o
,

nome permaneceu.
] . AS INCERTEZAS DE UM PAIS QUASE É a maior operação de investigação de corrupção e la-
A DERIVA vagem de dinheiro pela qual o Brasil já passou. Só da Petro-
Fazer alguma revisão sobre o futuro do Brasil na área bras, estima-se que o volume dos recursos desviados tenha
política é tarefa para um gênio da lâmpada. Do final de alcançado a casa dos bilhões de reais.
2015 para cá, o imbróglio a que o país se meteu fica cada
Iniciada em 2014 pela Justiça Federal de Curitiba, ten-
vez mais confuso. Dilma Rousseff chegou, no final daque-
do o juiz federa l Sérgio Fernando Moro à frente, foram in-
le ano, praticamente fortalecida. E todos acreditavam que
vestigadas e processadas quatro organizações criminosas
ela iria salvar o mandato. Mas já no começo de 2016, ana-
lideradas por doleiros. Depois, o Ministério Público Federal
listas apontavam a fragilidade do então vice -presidente
recolheu provas de um imenso esquema criminoso de cor-
Michel Temer. Temia-se que ele não chegasse ao próximo
rupção envolvendo a Petrobras.
réveillon. Mas o que se viu foi o impeachment de Dilma e
um fõlego de gato em Temer, que já sobreviveu a vários É nesse esquema que grandes empreiteiras, organiza-
episódios, onde podia em todos os casos ficar sem o man- das em cartel, pagavam, a altos executivos da Petrobras e
dato. outras personalidades públicas, as propinas investigadas,
que variavam de 1o/o a 5% do montante total de contratos
Estamos em um ano de eleições. O mundo está de olho
bilionários superfaturados. A pilhagem era distribuída por
em nós. Se compararmos com o cenário da última eleição,
meio de operadores financeiros do esquema, onde os do-
veremos que muita coisa mudou: em 2014 não tínhamos
leiros se encaixam.
ainda Lava Jato, a economia não havia saído totalmente
dos trilhos e havia outra figura de proa no cenário políti- As empreiteiras têm um papel fundamental no esque-
co, admirada por muitos: Aécio Neves. Mais: era certo que ma. Em um cenário ideal, essas empreiteiras concorreriam,
Rousseff tentaria a reeleição, e Luiz Inácio Lula da Silva era para as diversas licitações, entre si. E a Petrobras contrataria
aclamado como um grande estadista, de prestígio interna- a empresa que oferece o menor custo. O que aconteceu foi
cional. As campanhas políticas ainda se beneficiavam do que as empreiteiras se cartelizaram, formaram uma espécie
dinheiro das empreiteiras, e o que mais rendia matérias era de clube, substituindo uma concorrência real por uma pa-
PSDB x PT, que polarizavam politicamente. rente. Os valores a serem cobrados da Petrobras eram pre-
viamente discutidos em reuniões secretas. Nesse momen-
Em 2018, a economia anda a marcha lenta, o líder nas
to, definia-se quem ganharia o contrato e qual o valor. A
pesquisas ainda é Lula, mas em uma situação legal precá-
história foi tão grandiosa que as empreiteiras criaram uma
ria. O presidente atual, o Temer cai não cai, não tem força
espécie de manual de regras, parecido com um campeona-
política para indicar quem quer que seja ao cargo de seu
to de futebol, para a distribuição das obras entre si.
sucessor. Geraldo Alckmin, o candidato oficial do PSDB,
não vai bem nas pesquisas e enfrenta uma campanha pe- Para que somente as empresas que participavam do
sada contrária à sua eleição nas redes sociais. Tudo isso é cartel fossem convidadas para as licitações, entram em
fruto dos escândalos que atingiram em cheio PT e PSDB, cena os funcionários da Petrobras, que restringiam a entra-
majoritariamente. da de novas empresas e asseguravam que a "ganhadora" da
licitação constasse na lista das convidadas. Cartas marca- de Serviços, ocupada por Renato Duque entre 2003 e 2012,
das. Inflavam-se esses contratos com aditivos desnecessá- de indicação do PT; e Internacional, ocupada por Nestor
rios, negociações diretas injustificadas e todos com preços Cerveró entre 2003 e 2008, de indicação do PMDB. Para o
altíssimos. As informações sigilosas começaram a vazar. Procurador-Geral da República, esses grupos políticos agiam
• em associação criminosa, de forma estável, com comunhão
Quem ficou com a função de pagar as propinas foram •
de esforços e unidade de desígnios para praticar diversos
os operadores financeiros. Além de pagar a propina, esses
crimes, dentre os quais corrupção passiva e lavagem de di-
operadores estavam encarregados de "lavar" o dinheiro, de
nheiro.
forma que fosse entregue como dinheiro limpo aos benefi-
ciários. Em um primeiro momento, o dinheiro ia em espécie 1
das empreiteiras até o operador financeiro. As formas uti-
lizadas para isso eram variadas: contratos simulados com O fenômeno Lula
empresas de fachada, movimentação no exterior, paga-
Carlos Melo, cientista político do lnsper (Instituto de
mento de bens.
Ensino e Pesquisa), afirmou recentemente: "Nem mesmo o
Em março de 2015, o Procurador-Geral da República grid de largada da eleição está definido. A começar pelo
apresentou ao Supremo Tribunal Federal 28 petições pe- primeiro colocado nas pesquisas. Ninguém é capaz de afir-
dindo a abertura de inquéritos criminais de fatos atribu- mar se Lula será candidato ou não. Nem mesmo, individu-
ídos a 55 pessoas, das quais 49 são titulares de foro por almente, cada um dos membros da Justiça, envolvidos com
prerrogativa de função ("foro privilegiado"). seu processo".
Nesse rol, pessoas relacionadas a partidos políticos que Lula, atualmente preso por ter sido condenado, inicial-
eram responsáveis por indicar e manter diretores na Petro- mente em regime fechado, em segunda instância pelo Tri-
bras foram citadas por meio de colaborações premiadas bunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) no caso do trí-
feitas na 1• instância mediante delegação d_g Procurador- plex em Guarujá, em São Paulo, em 24 de janeiro de 2018,
-Geral. A primeira instância investiga os agentes políticos a 12 anos e 1 mês de prisão, pelos crimes de corrupção e
por improbidade, na área cível, e na área criminal aqueles lavagem de dinheiro.
sem prerrogativa de foro.
Anteriormente, em julho de 2017, o ex-presidente ha-
Os principais envolvidos foram as diretorias: de Abas- via sido condenado pelo juiz da lava Jato, Sérgio Moro, em
tecimento, ocupada por Paulo Roberto Costa entre 2004 e primeira instância. Moro determinou a prisão imediata de
2012, de indicação do PP, com posterior apoio do PMDB; Lula após receber o ofício do TRF-4.

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil


Até o fechamento desta publicação, Lula registrava cer- Esse fundo vai distribuir fatias milionárias aos partidos que
ca de 37% das intenções de voto do povo brasileiro. E mes- já possuem bancadas na Câmara, além da diminuição de
mo estando preso e condenado nos casos do tríplex e do tempo na TV das campanhas, levando vantagem para os
Guarujá, o PT não desistiu de sua candidatura. candidatos já conhecidos. Nâo se contará mais com clipes
cinematográficos no horário político, mas quem comanda -
• De qualquer forma, Lula se enquadra na Lei da Ficha Limpa,
rá a cena ainda serão os velhos e conhecidos candidatos.
ou seja, ainda que se candidate, não é descartada a possibilida-
de de ele não poder ser eleito, mesmo que solto. Esse cenário Haverá ainda um índice de renovação inferior a 49%
pode levar a uma possível vitória do representante de extrema segundo o Departamento lntersindical de Assessoria Parla-
direita, Bolsonaro. O analista da Fundação Getúlio Vargas, Oliver mentar (Diap). Essa, inclusive, foi a média das últimas cinco
Stuenkel, confia em uma pulverização caso Lula fique mesmo eleições no Brasil. A Diap aponta ainda que, na tentativa de
fora da disputa. Segundo o analista, os votos que então seriam se manter o foro privilegiado, diversos deputados e sena-
dele poderiam ficar divididos nas diversas candidaturas no pri- dores tentarão a reeleição.
meiro turno, igualmente ao cenário de 1989. Stuenkel faz ainda
um alerta para o establishment político. Ele afirma que mesmo
com a devastação da Lava Jato, o Partido dos Trabalhadores O caso Temer
(PT) ainda tem uma imensa força e influência sob as eleições,
e isso também pode impedir que outros candidatos venham
a vencer o pleito. Em entrevista à emissora de televisão alemã
Deutsche Welle, ele declarou que:
"Os partidos tradicionais ainda não implodiram
como na França, o que abriu espaço para um Em-
manuel Macron. Eles ainda contam com dinheiro,
influência e a presença nos Estados e municípios
que são fundamentais em uma disputa nacional.
Não é a vez dos paraquedistas na política''.
O mais provável então, de acordo com Oliver Stuenkel,
é que um candidato como Alckmin, por exemplo, que faz
as vezes de centro e geralmente possui apoio de máquinas
partidárias, chegue a vencer. E isso por causa da imprevi-
sibilidade e radicalismo que marcam a política brasileira.
Stuenkel declarou que, neste caso, é mais provável um
cenário chileno que com a eleição de Sebastián Pinera, não
mudou nada no rumo político do Chile, mas que mesmo
assim trouxe alguns novos movimentos na sociedade. Ele
disse à Deutsche Welle: "No Brasil, devemos ver a mesma
coisa, só não vai ser dessa vez que eles vão assumir o pro-
tagonismo. Isso deve ficar para 2022". Foto: NurPhoto/ Getty lmages

Contudo, mesmo se Alckmin vencer as eleições, o Brasil O entâo presidente Temer, na ocasião em que assumiu
não verá um breque na polarização política. Pois no caso o cargo, pretendia compor um ministério de, como ele
dos Estados Unidos, por exemplo, quando Barack Obama mesmo dizia, "notáveis''. Mas os brasileiros viram que tudo
assumiu em 2008, teve que se deparar com a radicalização ficou bem longe disso. Um exemplo já foi a nomeação no
de grupos opositores e em virtude disso levou à vitória de início do ano da filha de Roberto Jefferson, Cristiane Brasil
Donald Trump nas últimas eleições. para pasta do Trabalho. Seu pai foi um dos protagonistas
do caso do mensalâo.
Temer ainda aumentou o número de ministérios, para
Congresso não irá se renovar
beneficiar aliados como Moreira Franco, Ministro de Minas
Nem mesmo a Lava Jato derrotou a classe política que e Energia do Brasil e que foi também ministro-chefe da
está no poder. Sem o dinheiro das empresas, deputados e Secretaria-Geral da Presidência de Temer. Falta a reforma
senadores criaram regras para continuarem em seus man- da Previdência, outro nó que vem dividindo políticos e opi-
datos ou apoiarem àqueles que seguem sua cartilha. Entre nião pública. Corre o risco de se tornar um problema de
as novidades encontra-se um fundo eleitoral portentoso. seu sucessor.
Temer tenta deixar o cargo apresentando uma melhora tributos sobre o seu salário-de-contribuição que podem
da economia, mas o Banco Central derrubou, em julho, a variar de 7,65% a 20%. Entre os tributos estão a Contribui-
estimativa de 2,6% de crescimento para 1,6%, atribuindo a ção Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), Contribuição para
queda ao impacto da greve dos caminhoneiros e às ativi- o Financiamento da Seguridade Social (COFINS) e a contri -
• dades que não conseguiram, ainda, se recuperar. O cenário buição previdenciária que gira em torno de 20% sobre o
fica, assim, mais pessimista e mostra a face perturbadora valor total da folha de pagamento.
da recessão mais grave que o país já passou.
Mas também existem outras fontes de financiamento,
O Brasil deve crescer 2% em 2018 de acordo com o rela- por exemplo, 50% da arrecadação surge dos bens desapro-
tório da Comissão Econômica para a América Latina e o Ca- priados dos ,crimes ligados a trabalho escravo, tráfico de
ribe (Cepal). O crescimento de 2017 avançou 1,2% e, para drogas, renda das loterias, etc. E, ainda, 40% da origem dos
fins estatísticos, colocou um ponto final na recessão que leilões de bem que são confiscados pelo Departamento da
marcou 2015 e 2016. Receita Federal. Mas, no caso, esses valores financiam tam-
bém programas de crédito educacional como o Fundo de
Mas nem mesmo essa mostra de refrigeração na eco-
Financiamento Estudantil (FIES).
nomia fez subir a popularidade de Temer que, em junho,
registrou 82% de rejeição, segundo pesquisa do Datafolha, A própria lei permite que o fundo da Seguridade Social
colocando-o como o presidente mais impopular de todos seja gasto ainda para o custeio da própria Previdência. No
os tempos no Brasil. entanto, áreas como de assistência social e da saúde públi-
ca poderiam ficar de fora .

É também responsável pela administração do Regime
Próprio de Previdência Social (RPPS), para os trabalhado-
res do setor privado, a União, sem contar o Regime Geral
2. A CRISE DA PREVIDÊNCIA SOCIAL de Previdência Social (RPGS). Este também é voltado para
Um seguro público, a Previdência Social trabalha de for- gerenciar as contribuições para o sistema de pensões das
ma coletiva e é obrigatória atualmente. Ou seja, todos os Forças Armadas e para os funcionários públicos federais.
trabalhadores considerados economicamente ativos são No País, o sistema previdenciário funciona como repar-
obrigados a aderir ao sistema.
tição simples, ou seja, os contribuintes vão pagar um prê-
De acordo com o artigo 201 da Constituição, fica esta- mio para aqueles que já estão aposentados. No entanto,
belecido que: tais contribuintes esperam que, quando chegar a sua hora
de se aposentar, serão outros contribuintes que pagarão o
seu "prêmio".
A previdência social seró organizada sob a forma de re-
gime geral, de caróter contributivo e de filiação obrigatória,
observados critérios que preservem o equilíbrio financeiro e E- preciso uma reforma?
atuarial, e atende ró, nos termos da lei, a: O Brasil começou a viver uma enorme fase de desacele-
I - cobertura dos eventos de doença, invalidez, morte e ração de natalidade por volta do início da década de 1970.
idade avançada; Esse cenário chega a uma estabilização nos dias atuais,
contudo, com uma taxa muito menor que o essencial para
li - proteção à maternidade, especialmente à gestante;
haver um crescimento populacional, ou seja, que seria aci-
Ili - proteção ao trabalhador em situação de desemprego ma de dois filhos por família. Isso acarreta em um grande
involuntório; problema para o nosso sistema previdenciário. É uma in-
cógnita o seu futuro, mas já podemos concluir que o gasto
IV - salário -família e auxílio-reclusão para os dependen-
será muito maior daqui a uns anos, justamente por conta
tes dos segurados de baixa renda;
do pagamento das aposentadorias e de outras despesas
A Previdência Social faz parte também do Sistema de como o SUS, em função da maior longevidade das pessoas
Seguridade Social Brasileiro, que comporta programas e decréscimo de nascidos.
voltados à saúde como o Sistema Único de Saúde (SUS) e
A tão fa lada Reforma da Previdência, inclusive, já recebe
os de assistência social, como o Bolsa Família. Os recursos
propostas muito antes dos ex-presidentes Dilma e Luiz Inácio
para esses programas vêm da União, como de contribui-
Lula da Silva, e até mesmo do atual presidente Temer quere-
ções sociais entre outras fontes.
rem mudanças. Desde a época de Fernando Henrique Cardo-
Essas contribuições são oriundas dos empregados bra- so surgiam projetos com alterações no sistema previdenciário,
sileiros, por meio de suas rendas, ou seja, de uma série de que acarretavam inúmeras mudanças para a aposentadoria.
O próprio Ministro da Fazenda Henrique Meirelles em que fossem pobres, mas segundo os técnicos do governo,
isso foi de~virtuado.
2017 - que foi substituído este ano por Eduardo Guardia
-, evidenciou sua preocupação com o momento, dizendo A npva legislação também prediz que as contribuições
que no ritmo que continuamos, chegaremos à beira de sociais não devem ficar submetidas à Desvinculação de
• um colapso, pois vamos ter só 131 milhões de brasileiros Receitas da União (DRU) e proíbe, inclusive, o acúmulo de
em idade ativa até 2026. Hoje, esse número chega a 141 pensões que somem a aposentadoria acima de dois salá-
milhões. Esse cenário gerará uma carga tributária ainda rios mínimos.
maior para os brasileiros que a atual. E, ainda, poderemos
chegar a um cenário até pior: o povo brasileiro ficará sem
qualquer tipo de assistência, seja em relação a segurança, Consequências da reforma não acontecer
saúde e social.
O que significaria não fazer uma Reforma na Previ-
Ainda de acordo com o economista do Instituto de Eco- dência?
nomia e Pesquisa (lnsper}, Marcos Lisboa, se não houver Na última década, houve um enorme crescimento nos
uma solução o quanto antes, R$1 em cada R$4 gerados no gastos da Previdência Social. De acordo com dados do
Brasil será apenas para pagar aposentadorias e pensões. Anuário Estatístico da Previdência Social, de 2005 a 2015,
Com isso teremos uma baixa em investimentos no País e o crescimento anual médio foi de 5,3%, ou seja, muito mais
nos tornaremos cada vez mais pobres. Esse resu ltado ain- que o dobro do crescimento do PIB, que como mostra o
da terá consequências desastrosas, como greves por atra- gráfico abaixo fo i de 2,5% neste mesmo período.
sos em salários, sucateamento da saúde e outros serviços
sociais, maior crescimento de crime organizado, entre
outros fatores que levarão o País definitivamente para Previdência x PIB entre 2005 e 2015
o fundo do buraco.
6%

Proposta do Governo 5%

A proposta atual da Reforma da Previdência sugere


manter o tempo mínimo de contribuição de 180 meses 4%
(15 anos) para aqueles que se aposentarão no futuro
pelo INSS. Em contrapartida, eleva para 25 o tempo dos
3%
funcionários públicos. O objetivo é corrigir uma distor-
ção no sistema atual. No entanto, já temos uma enor-
..
me gama de trabalhadores da iniciativa privada que 2%
enfrentam a informalidade e o desemprego e muitos
deles não têm suas contribuições recolhidas ao INSS,
1%
sem contar que é algo praticamente inexistente no fun -
cionalismo público.
0% •
Outra mudança é a idade para se aposentar: de 65 .
Crescimento médtO dos gastos de RGPS Crescimento médio do PIB
anos para os homens e 62 anos para as mulheres. Exis-
tem, no entanto, algumas exceções. Para professores,
a idade é de 60 anos para ambos os sexos, policiais de 55
Fonte: AEPS 2005 e 20 75; /BGE
anos para ambos os sexos também e o segurado especial
de 55 anos para mulheres e 60 anos para os homens.
A modificação prevê ainda uma idade mínima de 53/55 Esse crescimento acontece devido ao rápido envelheci-
anos para o INSS e 55/60 para servidores. Além disso, as mento populacional, que leva a um aumento contínuo da
idades vão subir um ano a cada dois anos. Exemplo, 54/56 parcela de aposentados, pressionando os gastos previden-
anos em 2020 no INSS. Isso é para alcançar o previsto le- .' .
C1arios.
galmente em 2028 para os funcionários públicos e para os
É possível fazer uma previsão dos gastos com aposenta-
homens do setor privado em 2038.
doria de acordo com as projeções demográficas a partir de
Foram excluídos do texto da reforma a aposentadoria uma decomposição contábil. Em 20 15, elas custaram 5,3%
rural e o Benefício de Prestação Continuada. Eles pagariam do PIB no ano de 20 15. Tal despesa pode ser decomposta
um salário mínimo aos idosos e às pessoas com deficiência em três fatores: a proporção de aposentados dentre os ido-
sos (taxa de atendimento); a proporção de idosos dentre Férias
a população geral (taxa de dependência-idosos); e a pro-
porção entre o valor médio das aposentadorias e o PIB per As novas determinações permitem agora que as férias
capita. possam ser parceladas em até três vezes. Antes, só era
permitido o parcelamento em duas vezes. No entanto, ne-

Já em 2016, somadas todas as despesas com aposen- nhum dos períodos pode ser inferior a cinco dias e, tam-
tadorias, pensões por morte, benefícios assistenciais e aci- bém, um deles precisa ter pelo menos mais que 14 dias.
dentários do INSS e de servidores da União, o Brasil gastou
com Previdência em torno de 13% do PIB (Produto Interno
Bruto), segundo dados do então ministro da Fazenda, Hen- Grávidas e lactantes
rique Meirelles.
Antes da nova lei entrar em vigor, elas eram proibidas
de trabalhar em locais e atividades considerados insalu-
bres, agora, em locais de grau "mínimo" e "médio'; as grá-
vidas e lactantes são permitidas, a não ser que a pedido de
3. REFORMA TRABALHISTA seus médicos devam ser afastadas. Já os locais considera-
Em 11 de novembro de 2017, entrou em vigor a reforma dos de grau "máximo" continuam proibidos.
trabalhista aprovada pelo governo Temer. Com isso, hou-
ve uma série de modificações na Consolidação das Leis do
Trabalho (CLT). Dentre vários projetos criados pelo gover-

Contribuição sindical
no, esse foi um dos mais controversos. Isso porque pregava
Passa a não ser mais obrigatória. Antes, o desconto era
as mudanças como uma forma para flexibilizar a legislação,
realizado automaticamente, uma vez por ano em folha de
facilitar as contratações e até mesmo corrigir distorções.
pagamento. Agora, será cobrado apenas de trabalhadores
No entanto, há uma boa parte de especialistas no merca-
que autorizarem.
do que afirmam que essas mudanças tornarão tudo ainda
mais precário e enfraquecerão a Justiça Trabalhista.
Foram cem pontos da legislação alterados, que modi- Autônomos
ficam as regras relacionadas a jornada de trabalho, planos
Antes das novas regras, se houvesse relação de exclu-
de carreira, férias, modalidades de trabalho como o home
sividade e continuidade na prestação de serviços por pes-
office, trabalho intermitente, contribuição sindical, etc.
soas autônomas, era constatado vínculo empregatício.
Agora, empresas podem contratar autônomos e, mesmo
se a exclusividade acontecer, não será considerado como
Abaixo algumas das principais mudanças':
vínculo.

Acordos coletivos
Home office
Antes, alguns acordos coletivos não eram permitidos se
Passa a não existir mais controle de jornada. O traba-
sobrepor ao que é garantido pela CLT. Agora, essa flexibili-
lho que for realizado em casa será remunerado agora por
dade é permitida, como jornadas de trabalho de até 12 ho-
tares. E, inclusive, no contrato, deverão constar as regras
ras, licenças maternidade e paternidade, planos de carreira,
para equipamentos e definições de responsabilidade pelas
entre outras, desde que seja no limite de 48 horas semanais
despesas, além das atividades que o funcionário vir a de-
e não ultrapasse 220 horas por mês.
sempenhar. Já o comparecimento à empresa para a realiza-
ção de algumas atividades específicas não descaracterizam
Jornada parcial também o home office.

Em relação às jornadas parciais, antes eram permiti-


das apenas 25 horas semanais, e sem hora extra. Agora, Trabalho intermitente
podem ser de até 30 horas semanais, sem hora extra, e
Antes, a CLT não previa esse tipo de vínculo. Agora pas-
de até 26 horas semanais, mas com acréscimo de até seis
sarão a ser permitidos aqueles contratos em que o trabalho
horas extras.
não terá continuidade. No caso da convocação do colabo-
rador, essa deverá ocorrer com pelo menos três dias de an-
1 Fonte: http://trabalho.gov.br/ images/Documentos/ASCOM/cartilha_mo- tecedência. E a remuneração acontecerá por hora de traba-
dernizacao.pdf<acesso em 24.07.2018> lho, mas é determinado que ela não poderá ser inferior ao
valor da hora sobreposta no salário mínimo. Além disso, os Realizar uma reforma agrária, que traga em seu bojo
colaboradores, mesmo que nessas condições, terão direito uma plataforma j usta e economicamente viável, é um
a férias, previdência, 13° salário e FGTS. dos maiores desafios do Brasil. O país tem mais de 37 1
milhões de hectares, o equivalente aos territórios de Ar-
• gentina, França, Alemanha e Uruguai somados, para a
Almoço agricultura 'no país, mas só uma porção re lativamente pe-
quena dessa terra tem algum tipo de plantação. Cerca da
Antes, a CLT determinava um período obrigatório de
metade destina-se à criação de gado. O que sobra é o que
pelo menos uma hora de almoço. Agora, a regulamentação
os especialistas chamam de t erra ociosa, nada se produ-
flexibiliza a negociação entre o empregador e o empre-
zindo nesse espaço.
gado. Ou seja, em caso de redução desse tempo, deve ser
descontado da jornada de trabalho.
A concentração de terra ainda é uma realidade brasi-
leira e um dos maiores problemas: até a década passada,
Ações na Justiça: quase metade da terra cult ivável ainda estava nas mãos de
Fica estabelecido que o trabalhador que não compare- 1% dos fazendeiros, enquanto uma parcela ínfima, menos
cer às audiências ou que também perder ações na Justiça de 3%, pertencia a 3, 1 milhões de produtores rura is.
terá que pagar os custos processuais e honorários da par- •
Comparando-se com os vizinhos latino-americanos, o
te contrária, além de multa e pagamento de indenizações.
Brasil é um campeão em concent ração de terra. Vence ain-
Isso caso o juiz interprete que o trabalhador agiu de má fé.
da Índia ou Paquistão, onde a sit uação é calamitosa. Desse
Já nas ações por danos morais, o empregador terá que pa-
cenário impensável para o século XXI, nascem as explo-
gar uma indenização de no máximo 50 vezes o último salá-
sões, as guerras fu ndiárias, os crimes, uma contenda que
rio do funcionário. Além disso, será obrigado a especificar
parece não ter data para terminar.
os valores solicitados nas ações da petição inicial.

Um pouco de história
- I
Os problemas com a terra no Brasil começaram em
4. QUESTAO AGRARIA 1850, quando acabou o tráfico de escravos, e o Império,
Problema com raízes históricas, a questão da reforma
sob pressão dos fazendeiros, resolveu mudar o reg ime de
agrária reve la aspectos econômicos, políticos e sociais. A
propriedade. Até então, ocupava-se a terra e pedia-se ao
situação abrange um quarto da população brasileira, que
imperador um título de posse. Dali em diante, com a ame-
trabalha no campo, sendo pequenos e grandes agriculto-
aça de escravos virarem proprietários rurais, deixando de
res, trabalhadores rurais, pecuaristas e os sem-terra.
se constituir num quintal de mão-de-obra quase gratuita,
o regime passou a ser o da compra, e
não mais de posse.
Os Estados Unidos, que à época,
discutiam o mesmo problema, fize-
ram exatamente o contrário. Em vez
de impedir o acesso à terra, abriram
o oeste do país para quem quisesse
ocupá-lo - só ficavam excluídos os
senhores de escravos do sul. Foi as-
sim que conseguiram criar e manter
uma potência agrícola, um mercado
consumidor e uma cultura mais de-
mocrát ica.
Na Europa, Ásia e América do Nor-
te, observando algumas variações,
o que predomina é a propriedade
fami liar, aquela em que pais e fi lhos
pegam na enxada de sol a sol e rara-
mente são assalariados. Sua produ-
Foto: Brazil Photos/Getty lmages
ção é suficiente para o sustento da família e o que sobra, Isso é consequência das contradições do modelo agrícola/
em geral, é vendido para uma grande empresa agrícola agrário em curso. Em destaque, temos a violência contra os
comprometida com a compra dos seus produtos. Algo se- camponeses, os povos indígenas e outras populações tra-
melhante acontece com os produtores de uva do Rio Gran- dicionais, denunciando práticas coloniais, principalmente
• de do Sul, que vendem sua produção para as vinícolas do na expansão territorial do capital que, para essas popula-
norte do Estado. ções, não são frentes de expansão, mas sim frentes de in-
vasao.
Em Santa Catarina, os aviários são de pequenos proprie-
tários. Têm o suficiente para sustentar a família e vendem sua O processo de desenvolvimento agrário brasileiro neste
produção para grandes empresas, como Perdigão e Sadia. início de século caracteriza-se:
Esse sistema é tão produtivo que, só no Brasil, boa parte (1) pela persistência da concentração fundiária e as de-
dos alimentos vem de parte da população que possui até sigualdades a ela associadas;
1O hectares de terra. Proprietárias de terras com mais 1.000
(2) pela crescente internacionalização da agricultura
hectares produzem, relativamente, uma parte pequena do
com seu expoente na aquisição de terras, processamento
que se come.
agroindustrial, controle da tecnologia e da comercialização
Mesmo se os pequenos proprietários não conseguissem da produção-agropecuária;
produzir para o mercado, mas apenas o suficiente para seu •
(3) pelas transformações na produção agropecuária,
sustento,já seria uma saída pelo menos para a miséria urbana.
que provoca insegurança alimentar;
(4) pela continuidade da violência, da exploração do
Um olhar sobre os assentamentos trabalho e da devastação ambiental no campo.
Os assentamentos, que causam tanta preocupação ao As populações tradicionais são as que mais se envolvem
país, podem se tornar uma solução para a tremenda migra- nos conflitos agrários, segundo dados oficiais. Na maioria
ção que existe no Brasil. O problema agrário está por trás dos casos, são vítimas de processos expropriatórios de seus
de qualquer fluxo migratório, como o caso dos gaúchos territórios tradicionais.
que foram para Rondônia na década de 70 ou os nordes-
Movimentos sociais têm ressignificado o conceito de
tinos que buscam emprego em São Paulo. Não podemos
território, que era entendido como base natural do Estado-
nos esquecer daqueles que parecem invisíveis, como o que
· Nação. Suas reivindicações são, para além da terra, por ter-
acontece na região de Ribeirão Preto, a chamada Califór-
ritório. Esses movimentos entendem que a terra é recurso
nia brasileira, onde 50.000 boias-frias trabalham no corte
(parcela produtiva) e deve fazer parte de um contexto que
de cana das usinas de álcool e açúcar durante nove me-
possibilite viabilidade social, econômica, política e cultural
ses. Nos meses restantes, retornam para casa, grande parte
para as populações tradicionais, camponesas, quilombolas
deles é da região do Vale do Jequitinhonha, no norte de
e indígenas.
Minas Gerais, que apresenta um baixíssimo IDH (Índice de
Desenvolvimento Humano). O cenário político ganha, assim, novas formações po-
lítico-identitárias, como os remanescentes de quilombos,
Segundo dados do Governo, assentar uma família não
os indígenas e mulheres (benzedeiras, camponesas, que-
é barato: o custo chega a 30 mil reais por pedaço de terra.
bradeiras de coco babaçu) e outras identidades associa-
Mesmo assim é mais barato que a criação de um emprego
das a gênero.
no comércio, que custa 40 mil reais ou na indústria, que
sobe para 80 mil reais. Mas a diferença é que esses não são
gastos públicos, já os do campo, em se tratando de assen-
tamento, tem de vir do governo. Mas o retorno é alto: de
cada 30 mil reais investidos, estima-se que 23 mil voltem
-
5. QUESTAO INDIGENA
,

a seus cofres após alguns anos, na forma de impostos e As estimativas da população indígena por ocasião do
mesmo de pagamentos de empréstimos adiantados. Mas, descobrimento do Brasil chegam a cinco milhões. Com a
enquanto não se faz a reforma agrária, o que enfrentamos chegada dos portugueses, o extermínio dos povos nativos
é a urbanização selvagem, a criminalidade em alta, a de- foi preponderante, devido às doenças que os europeus
gradação das grandes cidades. trouxeram em seus navios, a escravização a que os índios
foram submetidos e os conflitos armados. A mão de obra
indígena foi a base da formação da nossa economia, no iní-
Conflitos agrários cio da colonização brasileira.
O Brasil tem visto crescer os conflitos nos últimos anos. Com a colonização adentrando o interior do país, a
violência aumentou. Os indígenas entraram em conflito oficialmente direitos de cidadania, respeito à identidade e
com os bandeirantes e sertanistas, que ansiavam por en- organização social, costumes, línguas, crenças e tradições.
contrar as jazidas de ouro e pedras preciosas. Para que
Os indígenas passaram a fazer parte como categoria
isso acontecesse, explorassem minas, era necessário a
• do censo do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e
mão escrava. A resposta para isso foi a organização do
Estatística - a partir de 1992. A categoria revelou que
que esses "desbravadores" chamaram de bandeiras, ex-
apenas 0,2% do total da população brasileira se decla-
pedições formadas para capturar os índios. Mas eles não
rava como indígena, tota lizando 294 m il pessoas. No
se revelaram "adequados" para o trabalho escravo e, na
censo de 201 O, o Brasil t inha 890 mil índios, pertencen-
década de 1750, a Coroa Portuguesa aboliu a escravidão
tes a 305 etnias, que se diferem entre si em culturas,
indígena, trocando-a pela africana.
crenças e hábitos. São 274 línguas já catalogadas, o
A colonização traz em seu bojo, também, a catequiza- que configura uma das maiores diversidades cu ltura is
ção, que acontece entre os séculos 16 e 18. A missão fica do mundo.
a cargo dos padres jesuítas vindos de Portugal. Essa ideia
A Amazônia legal, formada pelos estados do Amazonas,
de catequização, de que os indígenas deviam abandonar
Acre, Roraima, Rondônia, Mato Grosso e Pará, concentra
sua cultura e tornarem-se "civilizados'; abraçando a cultura
70% da população indígena, sendo que 57% deles vivem
ocidental, chega até o século 20.
em terras indígenas oficialmente reconhecidas. Outras fa-
Criou-se, em 191 O, o Serviço de Proteção ao Índio. Sua mílias moram na zona rural e em cidades, a maioria em si-
principal função era contatar as tribos isoladas com a inten- tuação de pobreza.
ção de promover a coexistência pacífica entre indígenas e
As principais regiões que concentram os índios hoje são
colonizadores. O principal coordenador desse projeto foi
Amazonas, Nordeste, Centro-sul e o estado do Mato Grosso
Marechal Rondon que, além de liderar o instituto, partici-
do Sul. Segundo dados da FUNAI - Fundação Nacional do
pou de expedições às fronteiras do Brasil. Rondon instalou
Índio - cerca de 40 povos se encontram isolados, sem ter
postos telegráficos e procurou manter contato amigável
tido contato com o branco.
com as populações indígenas.
Os irmãos Villas-Boas, durante a ditadura de Getúlio
Vargas e seu Estado Novo, de 1937 a 1945, atra iram e A situação atual
pacificaram os povos isolados, que ocupavam o Brasil Um dos maiores entraves da população indígena, para
Central. O plano do governo brasileiro era incorporar o que façam valer seus direitos, está na língua e nos costu-
território e economia dessa região na chamada "Marcha mes: para ter acesso a saúde e educação, precisam adquirir
para o Oeste". Os Vi lias-Boas foram preponderantes para os conhecimentos e culturas externos.
a criação do Parque Indígena do Xingu, em 1961, volta-
do para as etnias dessa região, tornando-se um marco Mas o maior problema tem sido a demarcação de terras
histórico para o Brasil pois, até o momento, não havia indígenas, o que já ocasionou inúmeros conflitos. Para re-
uma legislação que protegesse os direitos territoriais solver essa questão da demarcação, a Funai deve elaborar
dos índios. estudos de identificação e delimitação, que precisam obe-
decer a critérios técnicos que levam em conta toda a histó-
Na década de 1970, com a ditadura, os olhos voltaram- ria de ocupação daquela terra. Depois o processo deve ser
-se para a Amazônia, na tentativa de uma expansão em aprovado pela Justiça.
suas atividades produtivas. A criação da Transamazônica,
estrada com 5.000 quilômetros que atravessaria a flores- Os maiores conflitos acontecem no Mato Grosso do
ta Amazônica, a partir de João Pessoa no Nordeste até a Sul, que tem provocado mortes entre os índios Guarani-
fronteira com o Peru, era o sonho dourado do presidente -Kaiowá. A maior dificuldade entre a disputa de terra com
Emílio Garrastazu Médici, e transformou -se num dos maio- fazendeiros é a demora da decisão judicial porque, até que
res fracassos da história recente do País. Mas não foi só da a justiça não se pronuncie, não é possível comprovar que a
maior estrada que o Brasil teria notícia que se projetou nes- terra é indígena.
se período: hidrelétricas, desmatamento para a pecuária e
Preservar a cultura, hoje, tem sido o grande desafio,
conflitos nas regiões expulsaram comunidades indígenas
graças à convivência desses povos com a cultura branca.
inteiras de suas terras.
Convivência forçada, porque essas áreas de preservação
Em 1973, o governo aprovou o Estatuto do Índio. So- ambiental são exploradas ilegalmente. Lembrando que
mente em 1988, com a promulgação da nova Constituição qualquer exploração e aproveitamento de recursos hídri-
Federal, estabeleceu-se o direito originário dos índios sobre cos e riquezas minerais só podem ser feitos com autoriza-
as terras que tradicionalmente ocupam e reconheceram-se ção do Estado.
Plenário da Câmar a dos Deputados du rante sessão solene em hom enagem ao Dia do Índio, comemorado em 19 de ab ril. De sde que deram início ao
Acampamento Terra Livr e, as lide ran ças indígenas cumpriram a agenda no Parlamento onde apresentam suas reivindicações.

Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

O garimpo é um dos maiores problemas. Em 2015 a Outra obra que estava planejada no governo de Dilma
Polícia Federal descobriu atividades garimpeiras ilegais Rousseff em 2015 era construir 40 barragens no Rio Tapa-
na terra indígena dos Yanomami, em Roraima. O esquema jós, no Pará, que afetaria florestas preservadas e 19 territó-
movimentou cerca de 1 bilhão de reais no período de dois rios indígenas. Na época, o projeto estava em fase de licen-
anos, e o caso já tinha sido denunciado pelos indígenas ciamento ambiental.
que vivem no local.
No Baixo Xingu, o maior problema é a Usina Hidrelétrica
de Belo Monte em Alta mira, Pará. A barragem foi motivo de
I
oposição entre os habitantes da bacia do Xingu,já que a hi-
drelétrica pode afetar o meio ambiente, provocando mor-
6. A CRISE CARCERARIA NO BRASIL
Em 1º de janeiro de 2017, aconteceu o segundo maior
tandade de peixes e afetando os rios de maneira geral. Mas
massacre do sistema prisional brasileiro, no Complexo
em 2015 a FUNAI autorizou o Instituto Brasileiro do Meio
Penitenciário Anísio Jobim (Compaj). Trata -se da maior
Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA - a
penitenciária de Manaus. Naquela data, foi detonado um
conceder licença para barragem operar.
motim, que durou cerca de 17 horas e teve o saldo de 56
Havia, ainda no governo Dilma Rousseff, o projeto de presos brutalmente assassinados. O motivo apontado para
construir 40 barragens no Rio Tapajós, no Pará. Atingiria 19 o motim foi o conflito entre diversas facções criminosas,
territórios indígenas e afetaria florestas inteiras preserva- mas especialistas apostam suas fichas no descaso das au-
das. O projeto estava em fase de licenciamento ambiental. toridades com o sistema carcerário do país.
O caso não foi isolado. Outras rebeliões tomaram diver- 726.172, há um excedente de 358.663 vagas, revelando a
sos estados, atingindo o total de 130 mortes, superando o face mais cruel do sistema prisional brasileiro. Isso significa
maior massacre até então conhecido, o Carandiru, aconte- que o crescimento da população prisional não foi acom-
cido em 1992 . panhado pelo número de vagas necessárias para abrigar

adequadamente esse contingente. Algumas taxas de ocu-
Com a deflagração desses massacres, governos federal
pação assustam: no Amazonas, o registro é de 484% - é a
e estaduais e diversas instituições apresentaram projetos
maior do país até o momento - ; no Ceará bateu em 385,6%;
para a solução do caso, que passam, necessariamente, por
em Goiás, 236,6% e no Rio Grande do Norte, 206,5%.
novas políticas encarceradoras.
Esses dados são somados à grande violência que pre-
Um ano depois, a história se repetia: 14 prisioneiros
domina em nosso sistema carcerário. E acresce-se ainda
morreram em Goiânia, no Complexo Prisional de Apareci-
mais: há um altíssimo índice de pessoas aprisionadas ain-
da, num conflito entre facções. No Ceará, 1O caíram mortos
da sem condenação. Amazonas, Ceará e Sergipe lideram o
na Cadeia Pública de ltapajé, cidade que fica a 124km de
ranking do encarceramento provisório: Ceará comparece
Fortaleza - somente nessa unidade, segundo agentes car-
com 66%, Sergipe com 65% e Amazonas com 64%. A eles
cerários, essa cadeia contabilizava 113 presos, mas só tinha
seguem Maranhão, Bahia e Minas Gerais (58,6%, 58,2% e
capacidade para abrigar 25 pessoas.
57,8%). A média nacional segue em 40%, semelhante ao
levantamento 'anterior, de 2014.
País é o terceiro que mais prende
O último Levantamento Nacional de Informações Peni- Sem educação, sem trabalho
tenciárias (INFOPEN), publicado em dezembro de 2017, re-
vela um total de 726. 172 pessoas presas e coloca o Brasil na O sistema carcerário brasileiro não garante o direito à
terceira posição em números da população-carcerária do educação e ao trabalho na prisão. Apenas 12% da popu-
mundo. Esse novo levantamento levou mais de dois anos lação prisional, ou 87.140 pessoas, estão envolvidas em
para ser divulgado - o último havia sido em 2015. O grande atividades educacionais. A melhor taxa está em Tocantins
problema vai além do número excessivo de presos: desses (25%), as piores ficam com Rio Grande do Norte e Amapá,

-- -

,.

Foto: Marie Tama/Getty lmages


apenas 2%. Quanto ao trabalho, só 15% do total da popu- EDIÇÃO DE RESOLUÇÃO PELO CNJ PARA CONTROLE
lação carcerária exerce alguma at ividade. DAS PRISdES PROVISÓRIAS E MEDIDAS CAUTELARES

O Instituto de Defesa do Direito de Defesa (IDDD) argu- O IDDD propõe a redação, pelo Conselho Nacional de
menta que a solução para o sistema carcerário brasileiro está Justiça (CNJ), de resol ução por meio da qual se determi-
' na redução da superlotação e em propostas que fomentem ne que o magistrado periodicamente passe a reavaliar a
o trabalho e a educação. O IDDD elaborou um documento, necessidad~ de manutenção da prisão cautelar. Idêntica
em fevereiro de 2017, que propõe várias medidas para com- providência se propõe para ser adotada no âmbito dos tri-
bater essa questão da superpopulação carcerária, e incluem bunais. Além disso, sugere-se a expedição de ofício aos Tri-
políticas de segurança pública e política prisional. Esse do- bunais Estaduais e Tribunais Regionais Federais reclaman -
cumento foi apresentado ao STF (Supremo Tribunal Federal) do-se a aplicação do estabelecido no art. 1O da reso lução
e STJ (Superior Tribunal de Justiça). Segundo o IDDD, ganha- n° 213 do CNJ com re lação às medidas cautelares diversas
ram apoio da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB SP), da da prisão:
seccional paulista da Defensoria Pública de São Paulo, do
Art. 10. A aplicação da medida cautelar diversa da prisão
Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCCRIM), e do Ins-
prevista no art. 319, inciso IX, do Código de Processo Penal,
tituto dos Advogados de São Paulo (IASP).
seró excepcional e determinada apenas quando demonstra-
da a impossibilidade de concessão da liberdade provisória
sem cautelar oµ de aplicação de outra medida cautelar me-
Abaixo estão listadas as principais propostas nos gravosa, sujeitando-se à reavaliação periódica quanto
do documento: à necessidade e adequação de sua manutenção, sendo des-
tinada exclusivamente a pessoas presas em flagrante delito
REGULAMENTAÇÃO DAS AUDIÊNCIAS DE CUSTÓDIA
por crimes dolosos puníveis com pena privativa de liberdade
POR MEIO DE LEI
máxima superior a 4 (quatro) anos ou condenadas por outro
Regulamentada via Resolução nº213 de 2.Q,15 do Conse- crime doloso, em sentença transitada em julgado, ressalva-
lho Nacional de Justiça (CNJ), a audiência de custódia con- do o disposto no inciso Ido cap. do art. 64 do Código Penal,
siste no contato entre o custodiado e autoridades j udiciais bem como pessoas em cumprimento de medidas protetivas
em menos de 24 horas após a prisão em flagrante para veri- de urgência acusadas por crimes que envolvam violência do-
ficar se há a necessidade de prisão provisória ou mesmo se méstica e familiar contra a mulher, criança, adolescente, ido-
houve qualquer t ipo de ilegalidade na abordagem policial. so, enfermo ou pessoa com deficiência, quando não couber
Também pode ser visto enquanto mecanismo q ue busca outra medida menos gravosa.
frear o crescimento de prisões provisórias.

EDIÇÃO DE SÚMULAS VINCULANTES QUE PACIFIQUEM


PROIBIÇÃO DA PRISÃO PREVENTI VA PARA CASOS DE ENTENDIMENTOS CONSOLIDADOS PELO STF E CRIAÇÃO DE
TRÁFICO PRIVILEGIADO MECANISMOS URGENTES QUE GARANTAM O CUMPRIMEN-
TO DAS SÚMULAS DO STJ
Tal medida visa a alterar a chamada "Lei de Drogas" (Lei
11.343/06), vedando a prisão preventiva em casos em que O IDDD propõe a edição de súmulas vinculantes pelo
o réu seja primário e não esteja envolvido em atividade cri- Supremo Trib unal Federal em matéria penal envolvendo
minosa ou associado ao crime organizado. questões mais urgentes que visam a garantir a igualdade
de tratamento de toda a população e em todos os tribunais
do país. Além d isso, sugere adoção de medidas q ue exijam
PROIBIÇÃO DA PRISÃO PREVENTIVA PARA CRIMES SEM dos j uízes e tribunais estaduais o cumprimento irrestrito
VIOLÊNCIA OU GRAVE AMEAÇA COM PEN A IGUAL OU ME- das súmulas do STJ.
NOR A 4 ANOS

A proposta resultaria na modificação do art. 313 do


ALTERAÇÕES NA LEI DE EXECUÇÃO PENAL PARA GA-
Código de Processo Penal, prevendo a proibição da prisão
RANTIR DIREITOS DO APENADO
preventiva para crimes sem violência ou grave ameaça
com pena mínima igual o u inferior a 4 anos, levando em O IDDD propõe a votação em separado e em regime de
conta que em condenações até esse limite a pena privativa urgência do Projeto de Lei do Senado n° 513/13, que al-
de liberdade poderá ser substituída por medidas restritivas tera a Lei de Execuções Penais. Entre as sugestões, está a
de direitos. De modo q ue muitas prisões preventivas são aproximação das regras de progressão de reg ime com as
permitidas em casos em que não haveriam legalidade para regras da prisão temporária: vencido o prazo, o juiz precisa
aplicar a pena de prisão. atuar, caso contrário a pessoa é liberada automaticamente.
Isso significaria que, em relação ao
cumprimento de pena, alcançado Efeito do estatuto do
o lapso, o sentenciado seguiria 70,0
desarmamento sobre 56,3 59,5
automaticamente ao próximo re - 60,0
as armas de fogo 50 4 53,2 160 mil
• gime; se o diretor da prisão ou o
Ministério Público entenderem
-.,
~ SO,O
38,2 40•3
45 1 47,6
42,6 '
, vidas
poupadas
que não é caso de progressão, -
E 40,0
~
o 30,0 36,1 34 434 9 34 1 3S,736,636,8 36,7
40,1
devem buscar decisão nesse sen- :!!
~
31 1 33' 5 ' 2 33• ' '
26 7 28,8 '
tido do juiz competente. Assim, a E 20,0 24 8 '
o 19821,3 23,0 '
:,:
demora ou omissão do Estado e/ 10,0 17,018,3 ' 4

ou dos operadores do sistema de


justiça criminal não prejudica o di-
0,0
"'
a,
....
..
a,
....
"'
a, "'
a,
....
,._
a,
....
a,
00
a,
a, o
o
o
....
o
o
N
o
o
o ;g "'
"' o "'
o o
o o o o o
,._ 00
o
o
a,
o
o
o ....
....
o o o
.... ....
N

reito do sentenciado, que terá um


"' a, a,
.... "' a,
"' "'....
.... N N N N N N N N N N N N N

alvará de progressão garantido, a Previstos .,..Registrados


menos que o juiz diga que não faz
jus à próxima. Com dados do Instituto Sou da Paz


Deputado pelo PMDB/SC, Rogério Peninha Mendonça
7. ESTATUTO DO DESARMAMENTO é autor do PL 3722/2012, que propõe a revogação do Es-
O Estatuto do Desarmamento, sancionado em dezem- tatuto do Desarmamento, questiona o gráfico divulgado
bro de 2003, remete a um Fla-Flu em final de campeonato. pelo instituto, afirmando que a linha chamada por ele de
De um lado, números que defendem a legislação vigente ad aeternum não funciona, pois se uma criança mostrar
e, do outro, os que querem a revogação das normas atuais crescimento normal, terá 1 O metros de altura aos 60 anos.
sobre porte e posse de armas de fogo no Brasil. De um lado,
dados que relacionam o número de armas e o crescimento Do outro lado, pesquisadores de várias áreas, como
do índice de homicídios; do outro uma argumentação cal- saúde pública, relações internacionais, direito, economia
cada na impossibilidade de se estabelecer um paralelo de e sociologia defendem a continuação do estatuto de de-
causa e consequência entre as duas situações. sarmamento. Para tanto, lançaram um manifesto assinado
por 57 desses pesquisadores. Um dos trechos do manifes-
O Instituto Sou da Paz tem como principal defesa do to apregoa o seguinte: " Estudos científicos que lograram
desarmamento um gráfico com dados do Mapa da Violên- abordar esse problema de forma estatisticamente adequa-
cia que apontam que, desde 2003 - quando o estatuto foi da geraram evidências empíricas robustas sobre a relação
criado - até 2012, 160 mil vidas teriam sido poupadas no entre armas de fogo e violência. Esses estudos, conduzidos
Brasil. em inúmeras instituições de pesquisa domésticas e inter-
Veja os gráficos a seguir: nacionais, levam à conclusão inequí-
voca de que uma maior quantidade
50,0 2003=46,S 2012= 47,6 de armas em circulação está associa-

-E - Jovem
da a uma maior incidência de homicí-
dios cometidos com armas de fogo':

...g 40,0 - Total


diz um trecho do texto.
E
-<
41
u.
~
30,0
o 2003=22,2
e. 2012= 21,9

-
41
"0

-t:"'"'
"0 20,0
______ /
...,
o
E
41 10,0 1980=12,8
_/ --
"0
"'
"'X 1980=7,3 Fonte: SIM/ SVS/ MS.
{?.
Fonte: https:// www.mapadaviolencia.org.
0,0
1980 1984 1988 1992 1996 2000 2004 2008 20 12 br/ pdf2015/ mapaViolencia2015.pdf
Já a presidente do Movimento Viva Brasil diz que não é malmente se usa esse termo como referência ao trânsito
possível estabelecer uma relação precisa entre a quantidade de veículos e de transportes, seja por meio de carros, mo-
de armas disponíveis e o índice de homicídios. A afirmação tos, na modalidade individual, ou seja, por meio de ônibus,
tem o respaldo de um estudo da ONU, publicado em 2011, trens, na modalidade coletivo.
• o Global Stud on Homicide (Estudo Global sobre Homicídios),
Os congestionamentos maciços, a falta de um transpor-
do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes.
te público adequado, tem colocado a questão da mobilida-
Mas o estudo também chega à conclusão de que as de urbana na pauta de qualquer discussão sobre políticas
armas podem facilitar que criminosos em potencial come- públicas. As grandes cidades não têm encontrado a saída
tam crimes e transformar'simples' disputas familiares ou de para desenvolver meios práticos para resolver os conges-
comunidade em tragédias. Um dos trechos do estudo diz tionamentos e estrangulamentos do trânsito ao longo do
o seguinte: "De uma perspectiva teórica, não existe teoria dia. Há, também, outro grave problema a ser solucionado:
dominante que explique a relação entre a posse de armas a grande presença em áreas centrais dos espaços urbanos.
e homicídios, ou crimes em geral, já que as armas podem
De outro lado, o excesso de veículos traz problemas
tanto dar poder a um potencial agressor quanto a uma ví-
ambientais, gerando poluição e interferindo em problemas
tima que busca meios de resistir à agressão'; diz o Estudo.
naturais e climáticos. Uma das consequências é o aumento
O Instituto Sou da Paz ainda cita dados obtidos por das ilhas de calor.
meio da Lei de Acesso à Informação, segundo os quais, en- •
Mas o que causa toda essa problemática na mobilida-
tre 201 O e 2014, o número de armas registradas para "cida-
de urbana no Brasil? A quantidade de carros particulares
dãos comuns" teve um salto de 100%.
em circulação nas ruas das grandes metrópoles é uma das
respostas. E isso se deve a fatores como ao aumento da
renda média do brasileiro nos últimos anos, à redução de
impostos por parte do Governo Federal sobre produtos in-
8. MOBILIDADE dustrializados (o que inclui os carros), à má qualidade do
Mobilidade urbana é a condição que a população tem transporte público no Brasil e à herança histórica da políti-
de deslocamento no espaço geográfico das cidades. Nor- ca da rodoviária do país.

•• 1
il
·--
•••••u
'" UIU
1uc:::
lU!!ll.::
••
1

1

Foto: Getty I mages


Dados do Observatório das Metrópoles sinalizam que, das principais cidades brasileiras. Como todos os proble-
entre 2002 e 2012, enquanto a população brasileira cres- mas urbanos, a questão da moradia remonta a um século
ceu 12,2%, o número de automóveis pulou 138,6% em sua de políticas que não olham para a população mais pobre,
escala de crescimento. Há cidades que registram menos de em muitos casos como se elas nem existissem. São Paulo
' 2 habitantes por veículo. será o exerriplo para essa explicação.
E quais seriam as soluções? Especialistas do assunto No começo do século passado, tem início o desenvol-
apontam os transportes coletivos adequados e eficientes vimento urbano do Rio de Janeiro e São Paulo. Segundo
como a resposta mais plausível e necessária. Utilização de Maricato2 :
outros veículos não poluentes, como as bicicletas, também 1
está na pauta do dia, com a construção de ciclovias e ciclo- O fim da escravidão fez com que milhares de negros fos-
faixas que respeite um projeto realista. sem expulsos do campo e migrassem para a cidade. Con-
comitantemente, imigrantes europeus chegaram ao Brasil
Pedro pedreiro penseiro para trabalhar no campo e na nascente indústria brasilei-
Esperando o trem ra. Esses fatores provocaram o aumento da população nas
cidades, especialmente em São Paulo e no Rio de Janeiro,
Manhã parece carece fato que acarretou uma demanda por moradia, transporte
D e esperar também ... e demais serviços urbanos, até então inédita.

Exerto de Pedro Pedreiro, de Chico Buarque Com ci chegada de mais e mais pessoas aos centros
desenvolvidos, que vinham para trabalhar nas fábricas,
Há outros problemas que atrapalham a mobilidade do principalmente imigrantes italianos e espanhóis, no caso
cid adão nas grandes cidades e fora delas também. Com de São Paulo, esses trabalhadores passaram a morar em
uma política de transportes voltada quase que exclusiva- cortiços e pensões e é também nesse período que surgem
mente à malha rodoviária intensificada no século XX, o país as primeiras vilas operárias - conjunto de casas oferecidas
padece, hoje, de modos alternativos de locomoção, tanto aos empregados pelas fábricas, descontando o aluguel em
nas metrópoles quanto fora delas, na ligação de uma ci- seus salários.
dade a outra ou um estado a outro. A diversificação modal
de transporte é uma necessidade premente da nova socie- A construção de moradias oferecidas pelas empresas fez
dade. parte de um projeto do governo que oferecia crédito a essas
empresas para a empreitada. Mas como os empresários não
Há, ainda, outras questões a serem examinadas, como obtiveram grandes lucros com a construção de habitações
o tempo de deslocamento, que só faz aumentar nas gran- individuais - havia uma diferença de preço enorme entre es-
des cidades, devido justamente a congestionamentos e ao sas moradias e as informais--, alguns proprietários começa-
avanço das periferias, resultado do boom da especulação ram a construir habitações para as populações mais pobres,
imobiliária de anos recentes. E outras soluções também os cortiços e vilas operárias, enquanto outros se dedicaram
são propostas pelos especialistas em Urbanismo e Geogra- a loteamentos para as classes mais altas.
fia Urbana, como os rodízios de veículos, já utilizados por
algumas cidades como São Paulo. Essas primeiras moradias populares são próximas aos
locais de trabalho - como Brás e Mooca, em São Paulo. Ou
Uma ideia bastante polêmica fala da adoção dos pedá- seja, os trabalhadores viviam perto de seus locais de traba-
gios urbanos. Segundo defensores desse projeto, isso dimi- lho. As periferias, portanto, ainda nâo existiam.
nuiria sensivelmente os veículos em trânsito.
Mas, a partir de 1940, o cenário começa a mudar com os
Problemas que o Estatuto das Cidades tem de discutir movimentos migratórios internos, trazendo grande parte
com a sociedade e propor soluções: fóruns de mobilidade da população do campo para a cidade. Cortiços começam
urbana, a própria melhoria do estatuto, criação e fisca liza- a ser demolidos, preço dos aluguéis sobe e até as vilas ope-
ção de ciclovias e ciclofaixas, mão única em avenidas nas rárias começam a desaparecer.
horas de congestionamento. O debate está aberto.
Maricato3 afirma que o poder público, apesar de finan-
ciar a construção das habitações coletivas, não via os cor-
tiços com bons olhos, considerando-os "degradantes, imo-
rais e uma ameaça à ordem pública". Assim, o novo poder
9. A QUESTÃO DA MORADIA NO BRASIL republicano, que tem sua base formatada nos ideais po-
Um dos maiores problemas sociais do Brasil diz respeito
à questão da moradia. Mas, para entender esse assunto, é 2 MARICATO, Ermínia . Brasil 2000: qual p lanejamento urbano? Cadernos
IPPUR, Rio de Janei ro, Ano XI, n. 1 e 2, p. 113, 1997.
preciso compreender, primeiro, como se deu a urbanização
3 Idem
./
/;

/,
/;
/,

;}

Foto: Getty Images

sitivistas, promove uma reforma urbana no Rio de Janeiro rem mais valorizados e vão passar a ser a moradia, em fu -
para melhorar a circulação de serviços, mercadorias e pes- turo próximo, da classe média, ganhando status de bair-
soas na cidade. Devemos lembrar que o Rio, à época, ainda ros nobres, como é o caso, em São Paulo, do Morumbi,
era a capital do país. Foram demolidos 590 prédios velhos Vila Sônia, Butantã, na região que fica entre o Centro e o
para construção de 120 novos edifícios, o que significou a Campo Limpo. Esse fato é descrito com mais detalhes no
expulsão de diversas famílias pobres de suas moradias, a livro "Por Que Ocupamos? Uma Introdução À Luta dos Sem-
ocupação dos subúrbios e a formação das primeiras favelas -Teto'; escrito por Guilherme Boulos, líder do Movimento
do Rio de Janeiro. dos Trabalhadores Sem Teto e membro da Frente Povo
Sem Medo.
Outro movimento surge por essa época: proprietários
de lotes mais distantes do centro começam a vender essas Com os valores dos imóveis em subida acelerada, es-
terras para os trabalhadores que, sem conseguirem pagar paços que antes não despertavam interesse no mercado
os aluguéis mais próximos ao centro, passam a comprá-las imobiliário tornam-se a menina dos olhos para novas cons-
e a residir distante do local de trabalho. As periferias pas- truções, a contínua chegada de novas migrantes, especial-
sam a fazer parte do cenário das cidades. mente vindos do Nordeste e Norte do país, novos bolsões
da periferia começam a surgir, cada mais distantes do cen -
São regiões afastadas, dominadas pela vegetação, sem tro. Mas, em contrapartida, não são realizadas, à mesma
serviços básicos. Cabe ao governo, então, passar a levares- medida que crescem, investimentos nos serviços básicos.
ses serviços até essa periferia. Energia elétrica, saneamento
Dessa forma, até a década de 1930, o problema da ha-
básico, estradas asfaltadas passaram a fazer parte dos pla-
bitação agravou-se em diversas cidades brasileiras, porque
nos da prefeitura. Devido a isso, as regiões intermediárias,
o poder público não tinha uma atuação eficaz e pertinente.
que ficam entre o centro e a periferia, também começam a
Com a Revolução de 30, a industrialização e a urbanização
receber esses serviços.
ganham impulso e só a partir daí começa a se pensar em
Esses terrenos, ainda desabitados, passam, então, a se- uma política para a habitação.
Muitas vezes, fica inviável para um trabalhador atraves- o Governo Lula lança em fevereiro de 2009 o programa
sar a cidade para chegar ao seu local de trabalho, principal- habitacional Minha Casa Minha Vida. O programa se faz
mente porque, àquela altura dos anos 1950 e 1960 a malha presente até hoje, mas com duras críticas por parte dos
de transporte público ainda é bastante incipiente. movimentos populares por também excluir aqueles que
• possuem renda menor que 3 salários mínimos - que são a
maior parte dos necessitados.

Programas habitacionais
A principal marca da política habitacional do governo Motivos dos movimentos populares
populista foi a criação da Fundação da Casa Popular (FCP),
Muitas p~ssoas, para não ficarem em situação de rua
em 1946. Os resultados ficaram aquém do imaginado, mas
por não conseguirem pagar aluguéis, procuram ocupações
há o mérito de ter sido o primeiro órgão nacional criado
e movimentos populares. Segundo Manuellen Aline, pro-
para prover residências para a população pobre. A FCP foi
fessora e coordenadora da Ocupação José Bonifácio, do
uma resposta às fortes pressões dos trabalhadores, reuni-
Movimento Sem Teto do Centro (MSTC), em entrevista ao
dos em sindicatos, e do crescimento do Partido Comunista.
Jornalistas Livres, quando as pessoas não conseguem mais
Mas não teve vida longa - devido ao acúmulo de atri- pagar aluguel, acabam procurando opções mais baratas. É
buições, à falta de recursos e de força política, somadas à aí que muitas delas encontram as ocupações. Na explica-
falta de respa ldo legal em 1952, o governo federal redu- ção de Guilher•me Boulos, membro da Coordenação Nacio-
ziu as atribuições da FCP. O governo JK tenta, no final da nal do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, "os imóveis
década de 1950, fortalecer a FCP, que estava vivendo seu que se encontram permanentemente desocupados não
melhor período, tendo mais investimentos e maior núme- cumprem nenhuma função social, logo são ilegais" e passí-
ro de unidades habitacionais construídas. Porém, também veis de ocupação.
sucumbiu graças à inconstância de recursos. Azevedo e
Boulos afirma que os imóveis estão nessas condições à
Andrade4 explicam:
espera de investimentos públicos nos arredores que os va-
O Estado era o principal financiador e a verba para esse lorizem. Assim, o proprietário consegue um alto lucro em
órgão dependia da distribuição interna dos recursos e da cima da especulação imobiliária, mas de forma ilegal.
situação econômica do país. Mas destaca-se, nesse perío-
A Fundação João Pinheiro, utilizada oficialmente pelo
do, um grave problema: as relações clientelistas e o auto-
Governo, divulgou, em 2013, que o número de imóveis
ritarismo, combinação característica do período populista.
vagos no Brasil ultrapassa 7,2 milhões sendo 79% locali-
Os técnicos do FCP é que determinavam as regiões onde
zados em área urbanas e 21% em áreas rurais. Desse total,
seriam construídos os conjuntos e os critérios de seleção
6,249 milhões estão em condições de serem ocupados,
dos candidatos. E, depois da entrega das chaves, visitavam
981 mil estão em construção ou reforma. Em 2014 os nú-
os apartamentos para avaliar e orientar o comportamento
meros são parecidos: os domicílios vagos somam 7,24 mi-
social e individual dos moradores, que poderiam ter seus
lhões de unidades, 6,35 milhões das quais em condições
contratos rescindidos caso tivessem conduta nociva "à or-
de serem ocupados e 886 mil em construção ou reforma.
dem ou à moral do Núcleo Residencial, ou criarem embara-
Enquanto isso, o Brasil está entre os países com maior dé-
ço à sua Administração''.
ficit habitacional do mundo, ao lado de países como Índia
e África do Sul.
A história sofre uma mudança durante o período da Em 2008, ainda segundo os números da Fundação João
ditadura militar. Como já naquela época o problema da Pinheiro, o déficit habitacional quantitativo (número de
moradia mostrava-se insustentável, em agosto de 1964 pessoas que não tem casa) chega a 22 milhões de brasilei-
foi criado o primeiro programa habitacional brasileiro, ros. Já o déficit qualitativo (número de pessoas que moram
denominado Banco Nacional da Habitação (BNH). Mas em situação extremamente inadequada) atinge 53 milhões
não era uma proposta voltada aos mais necessitados e de pessoas. Número que representa 1/3 da população bra-
nem foi suficiente. Foram financiadas cerca de 5 milhões sileira.
de casas, das quais só 25% foram destinadas a famílias
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)
com renda menor que 5 salários mínimos. Tempos depois,
divulgou em 2007, por meio de uma Pesquisa Nacional por
4 AZEVEDO, Sérgio. A crise da política hab itacional: dilemas e perspectivas Amostra de Domicílios (Pnad), que 90% das famílias brasi-
para o final dos anos 90. ln. AZEVEDO, Sérgio de; ANDRADE, luis Aurelia- leiras que não possuem casa viviam com renda menor que
no G. de (orgs.). A crise da moradia nas grandes cidades - da questão da 3 salários mínimos por mês. Na época o salário mínimo era
habitação à reforma urbana. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.1996. de R$380 mensais.
A vida nas ocupações te e reformas necessárias. O preço baixo facilita a vida das
famílias que são compostas por trabalhadores, adolescen -
A vida de uma ocupação ganhou as telonas. Em outu- tes e crianças.
bro de 2016 esteve em cartaz em algumas salas o filme Era
, O Hotel Cambridge. Dirigido por Eliane Caffé, retrata o coti- Mas nem sempre é assim. Em maio deste ano, o edifício
diano da ocupação Hotel Cambridge, localizada no centro Wilton Paes. de Almeida, localizado no centro de São Paulo
de São Paulo, iniciada em 2012 e liderada pelo Movimento próximo ao' Largo Paissandu, teve um incêndio de grandes
dos Sem Teto do Centro (MSTC). proporções, reg istrando quatro mortes. O edifício foi sede
do INSS e da Polícia Federal. Em 11 de fevereiro de 2015, fo i
A ocupação Cambridge abriga, além de trabalhadores lançado um edital para venda do prédio. O valor calculado
brasileiros sem-teto, muitos refugiados. Inclusive, a ideia era de mais de R$ 20 milhões.
inicial de Eliane Caffé era abordar justamente a situação
dos refugiados que vivem no centro da cidade. O filme foi
premiado no 63° San Sebastián Festival e em diversos ou- Incêndio no Edifício Wilton Paes de Almeida
tros festivais internacionais. No Brasil também acumulou
Três dias após o incêndio bombeiros continuavam bus-
premiações, como o Melhor Filme eleito pelo voto popu-
cando possíveis vítimas do desmoronamento do edifício
lar na 40• Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. A
Wilton Paes de Almeida, no centro de São Paulo. Moradores
famosa ocupação está aberta para visitas e fica localizada
desabrigados pela queda do prédio ocuparam o Largo do
na Rua Álvaro de Queiroz, número 35, centro de São Paulo.
Paissandu, em frente à Igreja Nossa Senhora do Rosário. O
Outras ocupações se espalham pela cidade, como a acampamento acomodou cerca de 200 sem-tetos.
Ocupação Aqualtune, do Movimento Terra Livre, montada
Em diversas entrevistas, os moradores afirmaram que
no edifício de um antigo colégio particular em Pinheiros.
pagavam até R$400 para morar no edifício, que havia sido
O nome Aqualtune é uma homenagem à avó materna de
tombado em 1992 por ser considerado "bem de interes-
Zumbi dos Palmares: Princesa Aqualtune.
se histórico, arquitetônico e paisagístico·: o que garantia
Na ocupação Aqualtune há uma contribuição mensal "a preservação de suas características externas''. Os mora-
que é revertida nas melhorias dos serviços internos. Com dores disseram ainda que o prédio era organizado, tinha
um valor bem abaixo de um aluguel na região, o edifício carteirinha de identificação usada para controlar o paga-
conta com limpeza frequente, serviço de portaria dia e noi- mento mensal.

Foto: NurPhoto/Getty lmages


A ocupação ilegal existe porque inexistem políticas Sara Mehlin, advogada, afirma: "Meu filho é tudo pra
habitacionais para as camadas mais pobres da população. mim''. Mas, segundo ela, nem tudo é um mar de rosas, da
Muitas vezes, esse tipo de ocupação é a única possibilida- mesma forma que acontece com um fil ho biológico. Sara
de de moradia para diversas pessoas. Maricato5 afirma que, não tomou a decisão do dia para a noite. Construiu-a aos
muitas vezes, "há uma flexibilização na aplicação da lei, que poucos, preparou-se psicologicamente, frequentou cursos,

permite ocupações ilegais como forma de 'acomodar' os leu muito, e, por fim, cadast rou -se no CNA. Hoje seu filho
pobres nas cidades''. tem 16 anos. "Quem toma essa decisão precisa saber de
tudo que irá enfrentar. É como ter um filho biológico, com
as partes boas e ruins. Quando decidi adotar, fu i à Vara da
Infância e i1"1iciei todo o processo, inclusive com o curso
preparatório'; conta Mehlin.
1O. A ADOÇÃO NO BRASIL
Adotar uma criança no Brasil, hoje, não é complicado.
No entanto, cerca de 43 mil candidatos a pai e mãe espe-
Novo sistema para aproximar pais e filhos
ram por um fi lho no Cadastro Nacional de Adoção (CNA).
Desses, 5% ou 2.150 terão a possibilidade de receber uma Tanto o CNA como o Cadast ro Nacional de Crianças
crian ça brevemente. Isso porque só essa porcentagem Acolhidas (CNCA) existem há dez anos. Inicialmente, nos
aceita crianças de nove anos de idade ou mais. No entanto, t rês primeiros anos de funcionamento, conseguiram fazer
é nesse grupo que estão mais de 60% das crianças aptas a com que mais de 3 mil adoções fossem rea lizadas no Brasil.
serem adotadas em abrigos no Brasil. Mas esse número caiu com o passar dos anos, justamente
por causa dos estereótipos.
É esse descompasso que trava o processo de adoção e
contribui para que o número de crianças em abrigos cres- Há um grande desafio a ser vencido, que é aproximar
ça assustadoramente no país. Hoje, o número de pais na as crianças aptas à adoção dos candidatos a pais e mães.
fi la para adotar é cinco vezes maior, pois há cerca de 8 mil Um novo modelo está em teste, desde maio de 2018, em
crianças aptas para adoção. Colatina e Cariacica, ambas cidades do interior do Espírito
Santo. Até o fina l do ano o modelo deve ser implementado
As exigências dos pais em escolher a criança idealizada
em cidades maiores, como São Paulo.
por eles é o que atrapalha o processo adotivo e impede
que os candidatos tenham seus filhos em casa rapidamen- Dr. lberê Castro Dias, um dos magistrados que participa
te, segundo especialistas no assunto. do grupo de trabalho multidisciplinar do Conselho Nacio-
nal de Justiça (CNJ), que elaborou as mudanças no CNA, ex-
5 MARICATO, Erm ínia. Brasil 2000: q ual plan ejamento urbano? Cadernos plica que uma das novidades do sistema é a possibilidade
IPPUR, Rio de Janeiro, Ano XI, n. 1 e 2, p. 130, 1997. de os pais verem fotos da criança que foi selecionada atra-

ADOÇÃO· NÃO VÊ COR, IDADE, RELIG/t. , 11t:M SEXO.


ADOÇÃO SÓ VER AMOR!
Ato em favor da
adoção, na Praia
de Copacabana. em
busca de visibitidade
para crianças e
adolescen tes que
vivem em ab rigos.

Foto: Tomaz Si lva/ Agência Brasil - Rio de Janei ro


vés do cadastro. Para ele, isso pode ajudar na flexibilização nos 16 anos mais velho que a criança ou adolescente a ser
das exigências dos pais. adotado;
• os ascendentes (avós, bisavós) não podem adotar seus
• descendentes; irmãos também não podem; mas podem
A criança idealizada e a real obter a guarda.
Mari Luiza Ghirardi, psicanalista, defendeu uma tese de • a adoção depende da concordância, perante o juiz e
mestrado na Universidade São Paulo (USP), que se trans- o promotor de justiça, dos pais biológicos, salvo quando
formou no livro Devolução de crianças adotadas: um estudo forem desconhecidos ou destituídos do poder familiar
psicanalítico, lançado em 2015. Segundo essa psiquiatra, (muitas vezJs acontecem, no mesmo processo, o pedido
a expectativa dos pais adotivos em relação às crianças foi de adoção e o de destituição do poder famil iar dos pais
um dos principais fatores para casos em que houve devo- biológicos. Nesse caso, deve-se comprovar que eles não
lução. Ghirardi explica em seu livro que os casos de devo- zelaram pelos direitos da criança ou adolescente envolvi-
lução que pesquisou mostraram que, em grande parte das do, de acordo com a lei);
vezes, cria-se, nos pais, uma expectativa muito grande de
que a criança que irá chegar solucione os problemas doca- • em relação ao adolescente (maior de doze anos), a
adoção depende de seu consentimento expresso;
sal, ou esperam que a criança, como num passe de mágica,
se encaixe na estrutura familiar já concebida e favorecida. • antes da ; entença de adoção, a lei exige que se cum-
Isso não dá certo e acaba gerando metas nunca alcança- pra um estágio de convivência entre a criança ou adoles-
das para os dois lados e traz sentimento de fracasso para as cente e os adotantes, por um prazo fixado pelo juiz, o qual
. .
crianças e os pais. pode ser dispensado se a criança tiver menos de um ano de
idade ou já estiver na companhia dos adotantes por tempo
suficiente.
Caminhada da adoção
A parentalidade por adoção envolve outros processos,
que podem ser até mais importantes que a seleção, como a
avaliação, por técnicos experientes, se alguém está mesmo
apto a adotar, se é o momento certo. Isso acontece, hoje,
11. CONFLITO ENTRE ISRAEL
por meio de momentos de reflexões, apoio psicossocial e
E PALESTINA
Onde hoje fica o Estado de Israel já foi terra dos judeus
troca de experiência com out ras pessoas. Envolve, ainda,
até se dar sua diáspora pelo mundo. São, portanto, confli-
preparação pessoal.
tos que datam de tempos remotos. Povos de mesma ori-
Hoje também se discutem os casos de adoção por ca- gem étnica, os confrontos recrudescerem no fina l do sé-
sais homoafetivos. Até o momento, não há legislação a res- culo XIX.
peito. Mas também a legislação pátria não faz menção à
O que ocasionou esse "esquentamento" foi que os ju-
orientação sexual do adotando. Assim, não existe qualquer
deus se cansaram do exílio e manifestaram sua intenção de
razão legal para que uma pessoa não seja considerada apta
voltar para sua pátria, então habitada praticamente pelos
a adotar em razão de sua orientação sexual. Já há muitos
palestinos, mas que obedeciam ao império otomano.
casos de adoção por casais homoafetivos. Os juízes justifi-
caram suas decisões baseados no princípio que adoção é Esse desejo dos judeus tem um nome: sionismo, assim
um ato em que prevalece o bem-estar da criança. Diante conhecido desde 1897. Quem ratificou isso foi a Declara-
dos casos em que os laudos da assistência social recomen- ção de Balfour. A iniciativa foi dos ingleses e a declaração
davam a adoção, o direito foi concedido. oferecia aos judeus algo que nunca tiveram, como direitos
políticos próprios de um povo. Imediatamente, vários ju-
Vale lembrar que a criação Do Estatuto da Criança e do
deus iniciaram sua volta na direção da terra prometida.
Adolescente (Lei n.0 8.069/90 estabeleceu regras e restri-
ções para a adoção. Algumas delas são: A queda do Império Otomano vai ser um divisor de
águas, com a Inglaterra transformando a região em colônia
• a idade mínima para adotar é de 18 anos, e o estado
britânica. Além disso, criou-se um protetorado, que é uma
civil não é objeto de interesse;
espécie de apoio que a nação mais forte dá a outra menos
• o menor a ser adotado deve ter, no máximo, 18 anos forte. Esse protetorado foi disputado igualmente por pa-
de idade, salvo quando já convivia com aqueles que o ado- lestinos e israelenses, em um confronto que durou de 1918
tarão, caso em que a idade limite é de 21 anos; a 1939.
• o adotante (aquele que vai adotar) deve ser pelo me- Quando começou a Segunda Guerra Mundial, os judeus
Foto: NurPhoto/Getty lmages

viram seus sonhos de voltar à terra prometida esfacelados. dânia, Líbano, Iraque e Síria desferem um ataque de propor-
A perseguição do nazismo que sofreram, as atrocidades, ções imensas contra Israel, cujo objetivo final era a posse de
o extermínio em massa, enfraqueceram os judeus em sua terras. Egito conquista a Faixa de Gaza; Jordânia fica com a
caminhada de volta, obviamente. A Palestina, também, há região da Cisjordânia e Jerusalém Oriental. E os palestinos
muito estava consagrada como território árabe. cavam ficando sem qualquer espaço nessa região.
Com o agravamento da crise nessa região, cria-se em
1964 a OLP - Organização para Libertação da Palestina.
Soberania e poder
Uma organização política e armada até os dentes, que luta
Palestinos e israelitas travam um confronto ferrenho pela criação de um Estado Palestino Livre.
pela soberania e poder sobre terras envoltas em antigas
Os egípcios, por sua vez, passam, a partir de 1967, a
questões históricas, culturais e religiosas. Bastante com-
impedir que navios israelenses passem pela Faixa de
plexo, a reivindicação da posse de territórios por árabes e
Gaza, e ameaçam as fronteiras de Israel na península do
judeus revela um dilema. A ONU ofereceu aos dois povos
Sinai. Enquanto isso, Síria e Jordânia mobilizam seus sol-
a possibilidade da paz, dividindo a região entre eles: os
dados para também impedirem a passagem dos judeus
israelenses ficariam com 55% da área, dos quais 60% do
nas regiões fronteiriças.
território estaria no deserto de Neguev. Os 45% ficaria com
a Palestina, mas esta se recusou a aceitar uma população
Israel, antes de ser atacado, começa o confronto que fi -
que não fosse árabe nesse território.
cou conhecido como A Guerra dos Seis Dias. Foi vitorioso,
A situação se complica quando os ingleses deixam as conquistou partes da Faixa de Gaza, Colinas de Golã, Mon-
terras ocupadas. Judeus anunciam a criação do Estado de te Sinai, Cisjordânia e Jerusalém Ocidental. Só deixaram o
Israel. Deflagrou-se uma mobilização sem precedentes: Jor- Sinai em 1982, após acordo assinado com o Egito, e 1979.
Yom Kippur Nova escalada de terror, devido aos conflitos internos
entre os palestinos, fazem-nos perder a maior das opor-
O ano de 1973 é marcado por outra guerra, entre Egito
tunidades em garantir a soberania. Logo após, acontece o
e Síria, comandando outros países árabes, e Israel. A guer-
afastamento de Ariel Sharon, em 2006, que sofre um derra-
• ra começou nas festividades do Yom Kippur, uma das mais
me cerebral que o deixa em coma, é substituído por Ehud
importantes datas comemorativas para o povo judeu, que
Olmed, temporariamente, as que logo é consolidado no
ganhou um ataque surpresa.
cargo, porque seu partido vence as eleições.
O Yom Kippur tem um alcance no Ocidente gerando
No momento, grande parte de palestinos e israelenses
uma enorme crise econômica. Isso acontece após a deci-
concordam que a Faixa de Gaza e a Cisjordânia devem fazer
são dos árabes em boicotarem o envio de petróleo para os
parte do Estado Palestino. Hamas e Fatah uniram-se para
países apoiadores de Israel. Mesmo assim, Israel saiu vito-
um governo de coalizão, mas nem mesmo isso foi capaz
rioso da guerra e se estabelecem acordos em Camp David,
para levar de volta às mesas de negociação a Palestina.
território pertencente aos EUA.
O primeiro país a assinar um tratado de paz com Israel
é o Egito entre o mandatário egípcio Anuar Sadat e o pri-
meiro ministro israelense Menahen Begin. O resultado, por 12. ESTADO ISLÂMICO E A SÍRIA
causa desse acordo, é a expulsão do país da liga árabe. Desde a Segunda Guerra Mundial, o Oriente Médio tem
Curto período de paz, porque Israel ataca o Líbano em enfrentado um período de confl itos e guerras. O motivo
1982, baseado na prerrogativa de acabar com as investidas são as diferenças religiosas e muitas vezes culturais entre
terroristas que, supostamente, a OLP estaria realizando a os povos dessa reg ião, mesmo que grande parte deles
partir das bases localizadas neste país. compartilhem da mesma língua. São guerras sem cessar
entre xiitas e sunitas, muçulmanos e cristãos que geram
Em 1987, teremos a lntifada, que é uma r~volta popular uma fonte de terrorismo internacional.
com armas rudimentares, paus e pedras, que eram atiradas
contra os judeus. Era uma das faces da lntifada. A outra era Grande parte dos árabes desta terra, são governados
bem mais séria e traduzia-se em violentos atentados con- por um governo que chamamos de secular, ou seja, não
tra os israelenses. religioso, enquanto os outros obedecem a uma lei islâmica.
No Oriente Médio há a presença de presidentes, monar-
Um ano depois, em 1988, o Conselho Palestino rejeita a quias e primeiros-ministros.
lntifada e aceita a Partilha proposta pela ONU.
Mas os motivos que levam às divisões religiosas são na
Em 1993, foi criada a Autoridade Palestina, liderada por verdade as divisões étnicas, então é imprescindível enten-
Yasser Arafat, por meio do Acordo de Paz de Oslo. Mas os der isso para que se tenha uma compreensão melhor dos
palestinos não iriam obedecer às cláusulas desse contrato conflitos no Iraque e na Síria.
porque mantiveram em aberto a cláusula referente a Je-
rusa lém. Os israelenses, mesmo dispostos a sair de várias
partes dos territórios ocupados na Cisjordânia e em Gaza, Antagonismo entre sunitas e xiitas
fazem questão de manter alguns poucos assentamentos
No Oriente Médio, os Xiitas e Sunitas possuem um an-
judaicos. Por sua vez, os palestinos não cessam seus aten-
tagonismo que acaba gerando grande parte dos conflitos.
tados.
Para se ter uma ideia, são os sunitas os majoritários da re-
Em 2000, surge uma nova lntifada. 2001 marca a subi- gião islâmica, são cerca de 85% de todos os muçulmanos.
da de Ariel Sharon ao cargo de primeiro-ministro de Isra- Já os xiitas chegam a apenas 15%. Mas com exceção do
el. Esse invade terras palestinas e começa a construir uma Iraque, Bahrain e Líbano, os sunitas atingem a maioria da
cerca na Cisjordânia com o objetivo de barrar os atentados população árabe. E mesmo em "minoria" entre os muçul-
dos homens-bombas. Arafat morre em 2004, sendo sucedi- manos, os xiitas brigam pelo mesmo direito de se tornarem
do por Mahmud Abas. Os israelenses então recuam de ter- no mundo islâmico, os verdadeiros líderes.
ritórios ocupados, as o terror não termina. Grupos de fun-
Não podemos esquecer também o povo curso, que
damentalistas, que não aceitam o Estado de Israel, fazem
também faz parte desta terra. Eles constit uem hoje, a maior
novos atentados com a ascensão e Hamas ao Parlamento
nação do mundo sem um Estado próprio, mas são quase
Palestino. A paz se torna algo inimaginável.
cerca de 30 milhões de pessoas. Em sua maioria eles são
A eleição de Hamas, que não era reconhecido pela comu- muçulmanos sunitas; e os yazidi que constit uem o restante
nidade internacional joga uma pá de cal na possibilidade de dos curdos. Entretanto, eles dão mais importância a etnia
nascimento de um Estado Palestino, que eram bem viáveis. do que propriamente a religião.
• - •
• '

- •

• •

• ., - ••
Foto: Getty lmages

Na parte do leste da Turquia, noroeste do Irã, nordeste respondiam a 21 o/o da população, viviam em conflito com
do Iraque, e uma pequena parte do nordeste da Síria e da Saddam Hussein. Esse, por sua vez, pela fúria e sede geno-
Armênia, é que se encontram as regiões habitadas pelos cida, utilizou até armas químicas para acabar com a popu-
curdos. Elas são chamadas de Curdistão. lação de curdos.
Apenas 4% da população no Iraque, 40% no Líbano e Foi então que em 2003, o presidente dos Estados Uni-
10% na Síria, localizados no Oriente Média, são cristãos, ou dos na época, George W. Bush, determinou uma invasão
seja, uma minoria. Mas, diferentemente dos cristãos que ao Iraque, para pôr fim a era de Hussein. O capturou e o
habitam a Síria e o Líbano, no Iraque eles não são árabes, condenou à morte por enforcamento.
" . ~.
nem armen1 os e ass1nos.
No entanto, quando todos acharam que isso daria o iní-
cio a paz, os xiitas e sunitas começaram uma guerra civil e
os próprios curdos em função das perseguições do ditador,
O Iraque
aliaram-se aos xiitas nessa guerra. O objetivo deles ainda
Árabes e curdos, e as minorias assíria, armênia e turco- era criar uma Constituição na qual os sunitas não seriam
mana englobam a população iraquiana, contudo, são uma representados.
das regiões mais estilhaçadas quando falamos etnicamen-
Os sunitas então perdem o poder e se tornam alienados
te. Já em relação a parte religiosa, há minorias yazidis e cris-
ao novo governo. Isso, no entanto, fez com que eles se vol-
tãs e também xiitas e sunitas.
tassem contra o governo dos xiitas e as forças-americanas,
O sunita que assumiu o poder no Iraque entre 1979 a que ainda estavam em solo iraquiano. Na visão deles, os xii·
2003 foi o ditador Saddam Hussein. Ele carregou toda a tas tinham o apoio dos Estados Unidos e do Irã, e trabalha-
elite da região ao seu lado. Por conta disso, os xiitas, que vam para tornar o Iraque uma teocracia absolutista. O que
eram a maioria da população na época, foram oprimidos acontecia com o Irã, que estava sempre ao lado do Iraque
e viviam em plena pobreza. Até mesmo os curdos que cor- na guerra contra os sunitas. E, desde que os EUA invadiram
o Iraque, essa era a sensação que os sunitas tinham, de que uma ruptura tornando o EI independente. E, desde 201 O, o
eram o tempo todo perseguidos. EI é comandado por Abur Bakr al-Baghdadi.
Mas do lado dos sunitas, no entanto, existiam grupos O grupo, que manteve forte controle de partes do Ira-
• considerados seculares que eram já conhecidos por man- que e da Síria, já foi chamado também de Estado Islâmico
terem ligações com Hussein. Eram facções ligadas a AI Qae- do Iraque e,Levante (EIIL, ou ISIS em inglês).
da, uma organização terrorista mais conhecida pelo ataque
Mas, como AI Baghdqadi, além da Síria e do Iraque, quis
as Torres Gêmeas nos Estados Unidos em 2001. O famoso
ocupar outros países árabes, como a Arábia Saudita e a Jor-
11 de setembro.
dânia, ele alterou sua denominação para Estado Islâmico (EI).
Tomado por sunitas, os países árabes, no caso, apoiam 1
Seu objetivo real é criar um califado. Ou seja, eliminar as
e sustentam os sunitas que se mantém em luta constante
fronteiras nacionais entre os países árabes para assim criar
com os xiitas no Iraque.
um único Estado. Esse, por sua vez, será governado por um
As tropas americanas, no entanto, só se retiraram do Ira- líder político religioso e conduzido pela lei islâmica Sharia.
que no final de 201 O, com a chegada do novo presidente
Financiado por sunitas radicais, o grupo está sempre
dos Estados Unidos, Barak Oba ma. Para ele, essa missão em
muito bem armado e tem um enorme poder econômico.
território iraquiano já estava dada como encerrada.
Isso os levou, inclusive, a conquistarem os campos de ex-
ploração de petróleo e gás no Iraque, que hoje eles contro-
EI, EIIL ou ISIS lam, e por esse fator fazem vendas de fontes energéticas
no mercado negro por preços mais baixos. Mas para se ter
Como um braço do grupo terrorista AI-Qaeda, nasceu
uma ideia, com a venda do petróleo, a estimativa de fatura-
em 2004, no Iraque, o Estado Islâmico (EI). Com métodos
mento deles vai de um a três milhões de dólares.
violentos e atividades perigosas, o próprio AI-Qaeda, con-
siderou a organização como muito radical. Isso os levou a Só que suas ações, no entanto, não param por aí, faturam

Após um combate entre forças do governo sírio e combatentes do EI na fronteira. o lado israelense que ima (julho de 2018)

Foto: NurPhoto/Getty lmages


alto com roubos, contrabando, sequestros e até criaram um Síria e é, especialmente durante a guerra civil na Síria que
sistema de impostos nas áreas conquistadas por eles. ele cresce mais. Para lutar ainda contra o regime Bashar al-
-Assad, ele se junta a vários grupos armados sunitas.
Com todo esse dinheiro rolando, eles pagam altíssimos
salários aos seus combatentes, compram armas, contra- A saída dos Estados Unidos do Iraque, no entanto, não
• bandeiam da Líbia e de grupos rebeldes da Síria, que fo- foi um fator negativo para o EI, pois isso fez com que eles
ram, inclusive, armados por países do Golfo e do Ocidente. encontrassem estratégias para seu desenvolvimento que
Sem contar na grande quantidade de armas que eles apre- não tinha espaço com a presença dos Estados Unidos.
enderam do Exército Iraquiano.
Contudo, a saída das tropas norte-americanas extin-
Considerando os xiitas pessoas infiéis, seu ódio a eles guiu a resistência à entrada do EI nos territórios que eram
é declarado, sempre pregando a morte a esse povo. Já em dominados pelos sunitas do oeste do país, que estavam
relação aos cristãos, eles tentam constantemente conver- perto da fronteira com o território sírio.
ter ao Islã. Mas de maneira forçada, ou seja, dão a eles a op-
Em 2014, o Estado Islâmico começou a dominar diver-
ção de pagarem uma taxa religiosa ou serem mortos. Só no
sas cidades importantes do Iraque e noticiou, inclusive,
Iraque eles capturaram e massacraram milhares de cristãs
que uma das próximas será a capital Bagdá.
yazidis. E o destino dessas pessoas são dos mais terríveis.
As mulheres que cedem ao islamismo, por exemplo, são No entanto, existe uma coalizão comandada pelos Es-
vendidas como esposas. Já aquelas que se recusam, são tados Unidos, formada por cerca de 40 países, que estão
cruelmente executadas ou ainda mantidas como escravas se mobilizando para dar fim ao EI. Entre as estratégias para
sexuais. chegar a este objetivo estão bombardeios, formação de
um governo iraquiano com a presença de sunitas, cristãos
E as crueldades não param por aí, entre outras ações
e curdos; apoio aos peshmerga, conhecidos como guerri-
sanguinárias, está a decapitação de pessoas, especialmen-
lheiros curdos, tudo para diferenciarem-se do governo an-
te jornalistas, estupro de crianças, crucificação de minorias
terior dos xiitas.
religiosas. Todas essas atitudes violentas são, inclusive, a
sua estratégia e propaganda para a expansão. E a tática re- Combater o EI na Síria é um dos maiores desafios, mui-
almente funciona, pois conquistou a obediência das popu- to mais do que fazê-lo no Iraque, pois isso significa ainda
lações e um terror entre os inimigos. preservar o atual diretor do país, Bashar al-Assad, que é
considerado um dos maiores criminosos de guerra pelo
No entanto, isso atraiu a atenção de muitas pessoas, in-
Ocidente.
clusive dos Estados Unidos, Belgas e Franceses que se jun-
taram ao EI entrando nessa luta pelo califado. Esses por sua
vez sequer falam árabe e são de origem islâmica.
Diante desses ataques, os países ocidentais estão na ,
ofensiva em seus territórios, para evitar que eles cheguem 13. A PRIMAVERA ARABE
até a fronteira da Turquia com a Síria. Afinal lá é o portal A Tunísia, localizada ao norte do continente africano,
para o EI. fez parte de uma série de manifestações, a partir de 201 O,
que veio a ser conhecida como A Primavera Árabe. O esto-
E o EI vem ganhando cada vez mais fãs pelo mundo, de
pim aconteceu por causa de um jovem tunisiano que, re-
todas as origens e idades. Para isso eles utilizam as redes
voltado com a sua situação financeira, ateou fogo em seu
sociais na Internet para promoverem suas ações. Possuem,
próprio corpo, como forma de protesto.
inclusive, publicações em diversas línguas, desde inglês,
francês, entre outros. O efeito foi multiplicador, se espalhando rapidamente
por diversas regiões do país, o que fez com o presidente
A organização ainda possui especialistas que se espa-
Zeni EI Abdine Ben Ali fosse deposto apenas dez dias de-
lham pelo mundo para recrutar combatentes em países
pois.
ocidentais como Inglaterra, França e Estados Unidos. E, in-
clusive, esses recrutas se tornam uma grande ameaça aos A população da Tunísia estava, realmente à beira de
países de origem, pois como estrangeiros recrutados vão uma crise, e já não admitia mais a política de Ben Ali, que
ao Estado Islâmico e retornam aos seus países para come- presidia o país desde novembro de 1987. Nesse tempo e
ter ataques terroristas. que ficou no governo, Ben Ali nada fez pela educação, cria-
ção de empregos, melhor acesso à saúde ou qualquer ato
para a melhoria da qualidade de vida.
O avanço do Estado Islâmico
Com o sucesso dos t unisianos, é a vez dos egípcios saí-
O EI já conquistou diversos territórios no Iraque e na rem às ruas pedindo a saída do ditador Hosni Mubarak, que
d I ã)_II
l !iS>JI
~I
ü l.J ~~
TUM~ E

Foto: NurPhoto/Getty lmages

governava o país há 30 anos. As manifestações aconteciam, um governo de conciliação nacional.


em sua maioria, na Praça Tahrir (ou Praça da Libertação, no
Porém, a Primavera Árabe não mudou a estrutura de vá-
Cairo, capital do Egito), marcados por extrema violência
rios governos, como na Argélia, Jordânia, Cisjordânia, Irã,
dos dois lados: tanto pelo povo que ia protestar nas ruas
Kwait, Marrocos, Omã, Síria, Bahen e Arábia Saudita.
quanto pelas forças aliadas ao presidente. Mubarak renun-
ciou 18 dias após o início das manifestações.
Com a queda dos presidentes, Tunísia e Egito chama- O caso da Síria
ram a população para novas eleições. A vitória foi dos parti- A Síria inspira cuidados, pois vários interlocutores estão
dos islâmicos nos dois países. Na Tunísia foi eleito o partido envolvidos. Os EUA e a oposição à Síria acusam Bashar AI
Enna Hda e no Egito, a Irmandade Muçulmana. Assad de utilizar-se de armas químicas para atacar uma co-
Outro país que participou da Primavera Árabe foi a Líbia munidade próxima a Damasco, capital do país, em agosto
depondo Muamar Kadaffi, presidente por 42 anos, e que de 2013.
foi derrubado do poder após uma guerra civil que durou Relatórios da ONU nada concluíram a esse respeito, mas
oito meses. Os rebeldes avançaram em direção às cidades os Estados Unidos, que têm a França e a Austrália como
dominadas por Kadaffi, como Trípole. Ele foi capturado em apoiadores, afirmam a necessidade de uma intervenção
sua cidade natal, Sirte, escondido dentro de um canal de militar no país. AI Assad, em contrapartida, diz estar prepa-
esgoto, sendo torturado e morto pelos rebeldes. rado para o ataque.
O lêmen foi o último país a conseguir derrubar o seu
presidente. Ali Abdulhah Saleh, alvo de um ataque con-
tra a mesquita do palácio presidencial, em Sanaa. Assinou
um acordo para deixar o poder logo após o ocorrido, com 14. COREIA DO NORTE
medo de ser assassinato. O vice-presidente Abd Rabbuh 25 milhões de habitantes, um pequeno, para um país,
Mansur AI Radi assumiu o poder, anunciando a criação de pedaço de terra entre a Coreia do Sul e China. A capital
Foto: Getty Images

Pyongyang é habitada por 3 milhões de pessoas. Desde inimigo número um da Coreia do Norte. E, por isso, que
1948, está sob o comando da família Kim. o mundo todo voltou seus olhos para o encontro de Kim
Jong-un, sucessor do pai Kim Jong-il, e que governa a Co-
Um país misterioso, que surge em 1948, fruto da divisão
reia do Norte, e o presidente dos EUA, Donald Trump. Paira
da península coreana nas partes norte e sul, após a derrota
sobre os EUA a ameaça das armas nucleares de Kim Jong-
do Japão na Segunda Guerra Mundial. Os japoneses foram
-un. E ainda é preciso lembrar que Japão e Coreia do Sul
expulsos da península coreana por Kim li Sung, que co-
são, até hoje, aliados militares e econômicos dos EUA na
mandava as guerrilhas na região e se tornaria o "fundador
reg1ao.
do país". Hoje, a terceira geração está no poder.
Por conta dessa posição, a Coreia do Sul recebe críticas
À época que Kim li Sung expulsou os japoneses, as for-
da China e Rússia, seus vizinhos, sendo vista como traidor
ças armadas da URSS e dos EUA ainda estavam na região.
juntamente com o Japão. Isso porque abrem espaço para
Os soviéticos ficaram ao norte, os norte-americanos ao sul.
que uma potência ocidental aja na região.
Aí está a origem do conflito: o que aconteceu é que, com
o fim da Segunda Guerra, os dois lados queriam os direitos
sobre toda a península. Fome e adoração
Em 1950, a Coreia do Norte avançou em direção à Co- Com o fim do comunismo e, con sequentemente, a que-
reia do Sul ela unificação. Começa assim o grande conflito, da da URSS, um apoio da China bem menor, a Coreia do
que colocou, de um lado, URSS e China e, do outro, os Esta- Norte tem sua economia destruída. O país chegou a uma
dos Unidos. O fina l da guerra viria três anos depois, com a situação impensável e perdeu 1 milhão de pessoas devido
Coreia se dividindo em duas. Mas não se assinou nenhum à fome. Mas enquanto o país mergulhava nessa pobreza,
acordo de paz. Portanto, tecnicamente, as das Coreias ain- Kim 11-sung, seu líder, passava a ser adorado como um deus.
da estão em guerra.
Mas durante os anos 1950 e 1960, a Coreia do Norte ti-
É por conta dessa guerra que, até hoje, os EUA são o nha bons índices de desenvolvimento econõmico e indus-
triai, devido a ajuda da URSS, somado a um cenário econô- Kim Jong ll e Kim Jong-un
mico mundial favoráve l. Veio, porém, a crise do pet róleo,
A foto tirada em 10 de outubro de 2010 mostra o líder
nos anos 1970, e o país sofreu uma forte estagnação, de-
norte-coreano Kim Jong li (E) e seu filho Kim Jong-un (D),
pendendo da aj uda humanitária dos aliados, especialmen-
observar:,do o desfile militar que marcou o 65° aniversário
• te da China.
da fundaçã9 da o Partido dos Trabalhadores da Coreia, em
Desde a morte de Kim 11-sung, em 1994, filho e neto go- Pyongyang. Kim Jong li morreu em 17 de dezembro de
vernaram como se o país fosse próspero, uma falsa pros- 2011, aos 69 anos de idade.
peridade, uma ilusão criada por eles. Hoje, entre 230 po-
sições, a Coreia do Norte ocupa a posição 21 1, como uma
1
das nações mais pobres do mundo. A renda per capita do
país é de cerca de R$460 por mês. Sob o domínio do medo
A China exportava da Coreia do Norte milhões de to- Uma nação governada tiranicamente. Com a morte de Kim
neladas de carvão por ano, além de ferro, frutos do mar e 11-sung, em 1994, entronizado no poder desde 1948, seu filho
roupas. Em 2017, porém, com a crise, a China suspendeu a Kim Jong-il manteve a política do pai, e continuou a se opor à
importação de carvão norte-coreano. Sem esse importan- abertura econômica do país. Ele morre em 201 1, e o mundo,
tíssimo aporte finance iro, a Coreia do Norte tem de se virar novamente, fica na expectativa de que a situação pode mudar.
com a exportação agora bem reduzida para a China e com Mas Kim Jong-un rapidamente mostra a que veio. Para come-
o apoio que tem da sua relação com a Rússia, com quem çar, complica a tensão já existente com o Ocidente, com o lan-
faz fronteira. Já faz algum tempo que Putin, mandatário çamento de foguetes e testes com bombas nucleares. Tudo à
russo, dá apoio à Coreia do Norte, com forte investimen- revelia da ONU. Internamente, implantou uma série de leis que
to no setor energético. Com a em 1994, entrada da moeda só fizeram piorar a já desgastada vida de seus habitantes. Entre
estrangeira que a Rússia dispõe para os coreanos do Norte, elas, aplicar penas de morte para quem ouvir música considera-
Kim Jong-un consegue comprar bens estrangeiros. A Rús- da pelo mandatário como inapropriadas e determinar qual tipo
sia ainda ofereceu um prog rama d e mão de obra barata, de corte de cabelo os cidadãos podem usar
que atraiu cerca de dez mil coreanos para o seu país. Execuções públicas, restrição às saídas do país, traba-

Foto: Carl Court/Getty lmages


lhos forçados, crimes que violam altamente os direitos hu- A relação Coreia do Norte e EUA
manos, como tortura, aborto forçado, escravidão, estupro.
Para a Coreia do Norte, os Estados Unidos são o grande vi-
O Estado tem sob sua administração os gulags, campos de
lão imperialista da história. Também são classificados como
• trabalho forçado. Outra barbaridade: se alguém comete
agressores dos direitos dos coreanos. Isso acontece desde o
um suposto crime, não paga sozinho por ele, filhos e netos
"final" da guerra, quando tropas americanas se instalaram na
também sofrem as consequências. No mais, a "vida normal"
Coreia do Sul. Os coreanos do Norte criaram até um museu
oferece algumas roupas ocidentais, veículos, transportes
no país, onde mostram as atrocidades dos americanos.
públicos e 30 sites disponíveis na internet coreana.
Na lista de mortes assinada por Kim, como é mais co- Kim arrumou uma forma de ameaçar os EUA e o mun-
do com suas armas nucleares para não perder o poder. O
nhecido, consta seu tio, Jang Song-thaek, executado em
2013 aos 67 anos acusado de traição - Song-thaek era o programa nuclear do país é avançado. A Coreia do Norte
consegue produzir uma bomba nuclear a cada sete sema-
número 2 no poder e foi mentor de Kim, quando jovem.
nas. Hoje, paira sobre os Estados Unidos a ameaça do míssil
Sofreu acusações de corrupção, prática de jogos de azar,
intercontinental. A um simples apertar de botão, a Coreia
uso de drogas e vida depravada, sendo retirado do cargo
do Norte pode atingir as maiores cidades dos Estados Uni-
e levado à morte.
dos, teoricamente.
E, em 2017, foi a vez do irmão mais velho do ditador: •
Até maio de 2017 contabilizavam-se nove testes reali-
Kim Jong-nam foi morto com uma arma química, classifi-
zados no Mar do Japão. Os Estados Unidos estão atentos e
cada como uma das mais arrasadoras do planeta. Possivel-
tentaram, no mesmo maio de 2017, um sistema para inter-
mente foi a mesa utilizada na guerra entre o Irã e o Iraque
ceptar esses mísseis. Obtiveram sucesso. A ideia de Trump
nos anos 1980. Ninguém sabe, exatamente, como aconte-
é mostrar ao mundo, em especial ao Japão e Coreia do Sul,
ceu a morte de Kim Jong-nam, mas não é descartada a pos-
seus aliados na região, uma postura de força e desejo de
sibilidade que tenha sido a pedido de Kim Jong-un.
manter a soberania, não apenas na base do discurso.
Mas nada indica que Kim Jong-un não volte a utilizar de
Descrédito seu espetáculo midiático com novos testes nucleares.
O governo entra em franco descrédito a partir de 1992.
Somente 20% a 50% da população acredita em Kim Jong-
-un. O período conhecido como a Grande Fome, depois do
O encontro esperado
fim da União Soviética, que jogou 23 milhões de norte-core- Em 11 de junho deste ano, pela primeira vez os líderes
anos na extrema pobreza e dizimou 10% da população foi o dos dois países, Estados Unidos e Coreia do Norte, se en-
grande responsável pelo descrédito. País de base agrícola, o contraram. O local escolhido foi Singapura, no luxuoso ho-
governo avisa: "Coma apenas duas refeições por dia!''. tel Capella, na ilha de Sentosa.

O presidente dos EUA. Oonald Trump (D) se encontra com o líder da Coreia do Norte Kim Jong- un (E) no iníc io da histórica cúpula EUA- Coreia do Norte.
no Hotel Capella. na ilha de Sentosa. em Singapura. Donald Trump e Kim Jong Un se tornaram. em 12 de junho, os primeiros líderes dos EUA e da
Coreia do Norte a se encontrar, apertar a mão e negociar para encerrar um impasse nuclear de décadas.

Foto Chung Sung-Jung/Getty lmages


Saíram de lá com um acordo que contempla a comple- teira da Coreia do Norte e conta com mais de 25 milhões de
ta d esnuclearização da Coreia do Norte, condição imposta habitantes. O resto é incógnita.
por Trump. Caso isso aconteça, os EUA retiram as diversas
• sanções econômicas impostas à Coreia do Norte.
Cientistas afirmam que isso pode demorar, mas que
Trump pode retirar as sanções assim que a Coreia do Norte 15. O FUTURO DA CHINA
mostrar que não irá mais recuar da iniciativa. O que se ouve fa lar de Xi Jinping, presidente da China,
é que ele copverterá sua nação em superpotência. À fren -
te do Partido Comunista da China (PCCH), Jinping, de fato,
A questão da China tem a habilidade necessária para impulsionar o gigante asi-
A China permanece calada. Isso tem um porquê. Com a ático. Tanto que suas ideias constam nos estatutos do par-
possível reunificação dos dois países, China teria as tropas tido, privilégio concedido anteriormente a seu antecessor
americanas em sua fronteira. Outro problema é que com a Deng Xiaoping, que lançou as bases para a China tornar-se
queda do atual regime, milhares de refugiados iriam para lá. rica, e a Mao Tsé-Tung, fundador do regime comunista chi-
,
nes.
De 1994 a 2002, os ares foram mais fáceis de se respirar. A
Coreia do Norte assinou um acordo onde congelaria o progra- E, ao que tudo indica, Jinping terá bastante tempo para
ma de plutônio em troca de ajuda. Em 2002, o acordo ruiu. Ten- que a previsão se converta em verdade. Recentemente, a
taram, novamente, em 2003, uma segunda tentativa, mas em Assembleia Popular Nacional da China (APN) aprovou una-
2009, tudo voltou à estaca zero devido a detalhes técnicos. nimemente que o presidente Xi Jinping continue no cargo
dura~te um segundo mandato (2018-2023).
Jinping se reelegeu alguns dias depois de ser aprovada
Blefe? a eliminação da Constituição do seu país da cláusula que
Ninguém quer pagar para ver, mas cientistas afirmam impunha um limite de dois períodos consecutivos para os
que seja muito improvável que um míssil consiga atraves- principais cargos políticos do país. Em vigor desde a déca-
sar a atmosfera chegar aos EUA. da de 1990. Segundo as autoridades de Pequim e o PCCH,
isso poderia fortalecer o sistema de liderança chinês, pos-
Mas ainda existe a grande ameaça é com o Japão e a
sibilitando Xi Jinping supervisionasse ambiciosos projetos
Coreia do Sul, devido à artilharia gigantesca de armas con-
de desenvolvimento.
vencionais que a Coreia do Norte possui, talvez a maior do
mundo. Seoul, capital da Coreia do Sul, fica próxima à fron- Essa estratégia e outras mudanças que foram aprova-

Foto: Getty Images


das também visualizavam equilibrar a política chinesa bem assumem novos desafios, conforme a rea lidade atual, con-
como fortalecer um esquema de trabalho que contribuísse duzindo a nação pelo caminho da construção do socialismo
• para a "grande revitalização da nação". com características chinesas''.

O aceno da possibilidade de Xi Jinping continuar à fren- Internamente, a reeleição de Jinping também é aplau-
te da China após 2023 fez com que o Ocidente ficasse de dida. Para o corpo político chinês, trata -se de um fator de
orelhas em pé. Há a possibilidade de Xi Jinping eternizar-se grande relevância, pois reforça a trindade entre a secre-
no poder da atual segunda maior potência econômica do taria-geral do Comitê Central do PCCH, a presidência da
planeta? Uma preocupação semelhante à que aconteceu China e a c~efia da Comissão Militar Central, cargos que
com as eleições na Rússia, com a esmagadora vitória do atualmente ocupa Xi Jinping.
presidente Vladimir Putin. O que apavora o Ocidente não
é a eleição em si, mas a possibilidade de ele continuar no
O Futuro de Xi
cargo por muito e muito tempo.
Xi Jinping tem a seu favor, a respeito de sua reeleição
Mas o mesmo não aconteceu com Angela Merkel, que
após 2013, o consenso do povo chinês. Mas o que de fato
exerce o quarto mandato frente ao governo federal da Ale-
pesa na balança é a estabilidade chinesa para se consolidar
manha. Ao contrário, Merkel foi elogiada pela mídia.
como potência que oferece.
No caso da China, as modificações da carta magna da-
quele país foram aprovadas no evento conhecido como
Duas Sessões - reuniões anuais da Assembleia Popular Cúpula do BRICS, em Joanesburgo
Nacional e do Comitê Nacional da Conferência Consultiva
O presidente Vladimir Putin do russo (D) encontra o pre-
Política do Povo Chinês.
sidente chinês Xi Jinping (E) em julho de 2018, na África
Essas modificações primeiro respondem à decisão des- do Sul. Líderes da Rússia, China, Brasil, Índia, África do Sul
se povo que desde 1949, quando se fundou a República e outros estados se reuniram em Joanesburgo para a 1o•
Popular, rege independente sua política interna. Cúpula dos BRICS.
Cheng Fu, professor da Academia Chinesa das Ciências Os chineses afirmaram, nas urnas, que o progresso dos
Sociais e deputado da 13ª Assembleia Popular Nacional, últimos cinco anos demonstra que Xi Jinping é um exce-
disse à revista Global Times: "A China não necessita acom- lente nome para liderar a nação.
panhar os padrões ocidentais. A remoção do limite de
Suas ideias agradam tanto que, no 19° Congresso Na-
mandatos não significa que um presidente possa perma-
cional do PCCH, os membros decidiram consagrar seu
necer nessa posição ou que todos os futu ros presidentes
pensamento e sacramenta-lo em seu panteão, a constitui-
devam estar mais de dois mandatos''.
ção do Partido, comparando-o a Mao Tsé -Tung, fundador
Mesmo andando fora do esquema ocidental a China do partido. Para o PCCH, Jinging tem visão política clara,
tem sua própria democracia e, a cada cinco anos, celebra- tem força política e econômica para levar à frente o pro-
-se a eleição, onde a população pode escolher outo presi- jeto de revitalização nacional com iniciativas internacio-
dente ou ratificar quem já está no cargo, caso de Xi Jinping. nais como a Faixa e a Rota da Seda e anunciando grandes
planos para acabar com a pobreza do país, antes de 2020.
Mesmo sendo a segunda economia do mundo, a China
enfrenta sérios problemas: com mais de 50 milhões de ha- Xi Jinping conseguiu, também, modernizar o Exército e
bitantes em situação de pobreza, do total de 1,3 bilhão de reduzir os altos índices de poluição das cidades chinesas.
habitantes, o mais populoso do planeta, e uma extensão Mas sua maior ambição é conseguir que a China ressurja
territorial de 937 milhões de km 2, o gigante asiático neces- como superpotência antes de 2050. Para tanto, está traba-
sita de uma mão firme, mas não ditatorial, ou seja, uma li- lhando em um novo modelo econômico, colocando em an-
derança forte e consistente, que leve o país aos planos de damento, desde 2012, uma campanha anticorrupção, onde
desenvolvimento em longo prazo. 1,34 milhão de oficiais de todos os níveis, acusados de cor-
rupção, mau comportamento e transgressão da disciplina
Mei Revi, presidente do Instituto de Pesquisa Intercultu-
do Partido, foram apenados.
ral da China, acredita que a China não suporta vaivéns polí-
ticos em curto prazo. Em entrevista ao Granma Internacio- Diplomata, mas marcado por tendências protecionistas
nal, foi enfático: "Nos últimos 40 anos, o governo e o PCCH e excludentes, tem a possibilidade de compartilhar, no co-
conduziram o país a um impressionante desenvolvimento, mércio internacional o progresso atingido e suas oportuni-
graças à aplicação da política da Reforma e Abertura e agora dades de desenvolvimento.
Foto de Mikhail Svetlov / Getty lmages

...
ANOTAÇOES
Foto: Rick Loomis/ Getty lmages

16 -A ERA TRUMP a construção do relacionamento do candidato com seus


Donald John Trump, empresário, personalidade midiá- eleitores. Donald Trump é um profissional de mídia, com
tica e político, foi eleito o 45° presidente norte-americano um staff (equipe) de mídia e, portanto, utiliza-se profun-
pelo Partido Republicano, nas eleições de 2016, derrotando damente das mais modernas ferramentas de comunicação
a candidata democrata e ex-primeira dama Hillary Clinton. multiplataforma, e utiliza-se disso para se relacionar, medir
e expressar suas opiniões e posicionamentos. Este tipo de
Além de ser o presidente mais velho a tomar posse na histó-
relacionamento obviamente posiciona a persona e, portan-
ria dos EUA (70 anos de idade ao assumir), Trump é uma perso-
to, desperta apoios e contrariedades.
nalidade com grande exposição na mídia e na sociedade norte-
-americana, e consequentemente desperta amores e ódios. O sistema político eleitoral norte-americano é comple-
tamente diferente da brasileira. A eleição norte-americana
Empresário do ramo imobiliário, construiu inúmeros
é indireta, sendo feita por intermédio dos delegados elei-
empreendimentos, desde condomínios a campos de golfe,
torais. Essa dinãmica faz com que a proporção de eleitores
boates, hotéis, cassinos, entre outros, em diversos países
(cidadãos) de um candidato possa ser diferente da propor-
do mundo, acumulando uma fortuna superior a 4,5 bi-
ção de delegados que votariam em determinado candida -
lhões de dólares, figurando como a 324• pessoa mais rica
to. Na eleição de Trump aconteceu exatamente isto. Trump
do mundo, e a 113ª dos Estados Unidos, segundo a revista
obteve uma quantidade menor de votos de eleitores dire-
Forbes.
tos, mas ganhou no colégio de delegados, fazendo com
Mas por qual motivo o presidente Trump desperta rea- que assumisse com uma enorme impopularidade.
ções tão extremadas?
É evidente que substituir um presidente com grande
Desde as campanhas que elegeram o presidente Bara- popularidade, como Barack Obama, é algo muito incômo-
ck Obama, as mídias sociais tornaram-se plataformas fun- do. Basta observar a presença de populares nas posses dos
damentais para o desenvolvimento das campanhas, para referidos presidentes.
Independentemente do contexto histórico e político, também é integrado pelo Canadá.
nacional ou internacional, esse fato exemplifica o apreço
Paralelamente, uma posição parecida causa instabilida-
e as emoções que cada um dos presidentes despertou no
de na relação dos EUA com a OTAN, o Tratado do Atlântico
povo norte-americano. Na posse de Barack Obama, a po-
Norte, que é considerada obsoleta pelo presidente Trump.
• pulação esperava mudanças no governo, visto que o go-
verno anterior (Bush) enfrentava forte rejeição, e na posse Como se não bastasse, foram comprovados diversos
de Trump, havia um desejo de manutenção de algumas indícios que demonstram que houve interferência da po-
questões sociais, além da rejeição a posições consideradas lítica russa nas eleições de 2016, fato relevante e impor-
preconceituosas, machistas e xenófobas atribuídas ao pre- tante ainda em 2018, quando em uma visita à Finlândia
sidente Trump. para uma reunião com o presidente russo Vladmir Putin, o
presidente Trump desmentiu o FBI (Agência de Inteligência
Americana) dizendo que não houve interferência russa nas
eleições, gerando forte indignação nos EUA, tanto que teve
Presidente Donald J. Trump que voltar atrás e assumir que de fato os russos tiveram in-
fluência nas eleições de 2016.
Desde a campanha, o então candidato deixou claro que
endureceria a política imigratória, restringindo a entrada Essas influências deram-se no campo de influências e
de pessoas de determinadas origens, e principalmente de informações confidenciais, mas também na disseminação
imigrantes ilegais, prometendo e construir um muro na de fake-news (notícias fa lsas) disseminadas nas mídias so-
fronteira com o México, inclusive com recursos mexicanos. ciais. A questão é muito importante, pois tem grande po-
Este tipo de posicionamento despertou muitas oposições tencial de ser fator determinante também nas eleições de
internacionais já durante a campanha. Neste exemplo, outros países, como no Brasil, onde já há um movimento da
Estados Unidos e México pertencem a um acordo de co- justiça eleitoral e de mantenedores de mídias digitais para
mércio (NAFTA), que é afetado por polêmicas como essa, observar e impedir que tais notícias falsas sejam propa-
já movendo o presidente mexicano a posicionar-se contra gadas. Os principais aplicativos ou plataformas de mídias
a medida. Esse tipo de desconforto tem o potencial de de- digitais já desenvolveram ferramentas para coibir estes
sestabilizar e até acabar com este bloco econômico que movimentos.
Outras questões importantes em relação à eleição de -un, o relacionamento mostrou-se um verdadeiro barril
Trump são os possíveis pagamentos realizados a pelo me- de pólvora, com o potencial de desencadear uma guerra
nos uma amante do então candidato, para que esta não nuclear, com ameaças de ambos os lados, e um endureci-
• divulgasse fatos de um relacionamento extraconjugal de mento no bloqueio comercial imposto à nação socialista.
Trump. Aliás, a vida pessoal e relacionamentos extraconju- Entretanto, um inédito encontro deu-se em 12 de junho de
gais estão constantemente na agenda anti-trump, agenda 2018, quando Donald Trump e Kim Jong-un encontraram-
esta que é alimentada cotidianamente por novos fatos, no- -se em Cingapura, tratando do programa nuclear norte-co-
vas descobertas que relacionam Trump com mulheres mui- reano. O encontro foi precedido por outro também inédito
to mais novas (a própria primeira dama e terceira esposa de entre o líder supremo norte-coreano e o presidente da Co-
Donald Trump é 24 anos mais jovem que ele). reia do Sul na fronteira entre os dois países, além da parti-
No campo das políticas sociais, Donald Trump é contra cipação da equipe olímpica da Coreia do Norte nos Jogos
o aborto, contra o casamento homoafetivo (apesar de ter Olímpicos de Inverno que aconteceram em PyeongChang
feito declarações a favor no passado), a favor da pena de na Coreia do Sul.
morte, contra o desarmamento em geral (apesar de fazer Acrescentando elementos ambíguos nesta discussão,
algumas ressalvas, considerando algum tipo de apoio a a economia norte-americana apresentou um expressivo
uma restrição parcial ao posse de armas). crescimento nos dois primeiros anos do governo Trump,
superando a média mundial e confirmando as propostas
Já no campo de relações políticas, Trump define-se
econômicas da campanha Trump. Entretanto, na política
como um nacionalista, pregando a política "America First"
migratória, ações drásticas, como a separação entre pais e
que, como o nome diz, defende um certo isolacionismo
filhos na fronteira, reforçam a impopularidade pessoal de
dos Estados Unidos, apoiando e protegendo os produtores
Donald Trump.
nacionais em detrimento dos estrangeiros, aumentando
taxas de importação e apoiando a produção nacional.
Apesar de defender uma agenda "não intervencionista';
propondo que cada país resolva seus próprios problemas,
sem o gasto militar americano, o presidente Trump aponta 17. A PRIVACIDADE NA INTERNET
para um aumento no investimento bélico, e defende o in- Este é um tema de enorme relevância na vida individual
vestimento financeiro primeiro no desenvolvimento inter- e coletiva no século XXI. Em primeiro lugar é importante
no dos Estados Unidos. ressaltar que, quando fa lamos de internet, não tratamos
mais apenas da "navegabilidade" em sites ou aplicativos de
As relações diretas dos Estados Unidos em dois casos
busca, assim como não falamos apenas dos nossos hábi-
específicos são de extrema importância: Coreia do Norte tos de busca nesses ambientes, mas fa lamos também do
e Israel.
nosso comportamento em re lação à "internet das coisas''.
Donald Trump exibe forte vínculo com líderes religio- Este é um termo já consolidado e trata da conexão e da
sos protestantes, e desde a campanha sempre se posicio- inteligência digital que está por trás dos aplicativos de ge-
nou como "defensor" do Estado de Israel, atendendo dire- olocalização que utilizamos em nossos smartphones, que
tamente interesses político-religiosos desses grupos. Em "aprendem" nossos hábitos de deslocamento, analisam
2018, o presidente cumpriu uma promessa de campanha, nossos históricos de frequência em restaurantes, por trás
desacreditada por muitos na comunidade internacional, dos aplicativos que já estão contidos nas modernas gela-
que era a transferência da embaixada americana da cida- deiras que estão conectadas à rede, e nos avisam os ali-
de de Tel-Aviv (aceita como capital do Estado de Israel pela mentos que faltam, ou ainda nos sugere aqueles que são
comunidade internacional e pela ONU) para a cidade de Je- mais indicados para uma dieta saudável.
rusalém, pleiteada como capital por Israel, mas disputada
Tudo isso parece extremamente colaborativo e facilita-
com o Estado Palestino em uma situação de permanente
dor para a vida cotidiana, mas também expõe os hábitos
tensão. Essa transferência da embaixada desencadeou um
individuais levando-nos a questionar: até onde esta expo-
endurecimento nas relações com os países árabes, levando
sição é justificada por conta de faci lidades e acúmulo de
a um aumento da tensão no Oriente Médio, causando in-
informações sobre a nossa própria dinâmica de vida?
clusive uma escalada de violência nas fronteiras de Israel,
principalmente na faixa de Gaza, e nas colinas do Golan, Quais os limites entre o uso das informações para nos-
com ataques e mortes tanto do lado israelense quanto no so próprio conforto e o uso dessas mesmas informações
lado palestino. por fornecedores de produtos e serviços que podem ser
úteis ou não, ou ainda a venda das informações para com-
Já com a Coreia do Norte e seu mandatário, Kim Jong- panhias explorá-las comercialmente?
Julian Assange. fundador do site Wikileaks - que publicou seg redos do gove r no dos EUA-. também é procurado na Sué cia
sob acusação de estupro desde 2012. Ele pediu asilo na embaixada equa toriana em Londres.

Foto: Jack Taylor/ Getty lmages

No Brasil, a discussão do tema levou à promulgação da Outra lei no mesmo sentido é a lei federa l 12.737 de
lei federal 12.965 de 2014, que é conhecida como o Marco 20 12, também conhecida como Lei Carolina Dieckmann,
Civil da Internet, sancionado (assinado pela presidência) que trata da proteção de dispositivos informáticos (celula-
apenas em 20 16. res, tablets, computadores) conectados ou não à internet,
através da violação de senhas, com o objetivo de obter,
Antes disso, e até mesmo nos dias atuais, devido à fa lta
destruir ou adulterar dados, a fim de vantagem ilegal, se-
de informação, os indivíduos acabam tendo que lidar com
jam elas financeiras ou morais. Trata ainda da interrupção
o vazamento de informações, fotos e dados pessoais, sem
intencional do serviço telefônico ou de acesso. As penas
saber a quem recorrer, ou quais direitos possui.
previstas para esses crimes variam de 3 meses a 5 anos de
Essa lei garante, entre outros direitos, a internet livre, ou prisão, e multa.
seja, as operadoras não podem cobrar pacotes de internet
Vamos voltar um pouco no tempo e tratar do contexto
baseados nos tipos de tráfego do usuário. As operadoras
em que está inserida a problemática. Sabemos que, após
também não podem proibir ou mesmo dificultar o acesso
a era industrial, o século XX recebeu o título de "a era da
a conteúdos. As operadoras não precisam armazenar infor-
informação'; devido à importância fundamental que os da-
mações de seus usuários, como histórico de navegação e
dos transformados em informação têm para a nossa vida
outros dados técnicos, mas caso o façam, só poderão com-
moderna, para as organizações e para os governos.
partilhá-l os com a justiça mediante mandados legais.
Mas não são apenas as operadoras que têm obrigações. A quantidade de informação gerada em apenas um dia
Os usuários passam a ter direitos e deveres segundo essa nas redes sociais, sem fala r de dados empresariais, gover-
legislação. Consequentemente, caso infrinja a lei, o usuário namentais e de organismos de segurança em um único dia,
é passível de sanções legais. supera os dados gerados em séculos inteiros anteriores à
nossa era. Assim, o vazamento de informações como se- A questão mostra-se extremamente complexa, pois na
nhas ou históricos de acesso pode afetar mil hões de usuá- mesma medida que se deve proteger os interesses indivi-
rios ao redor do mundo, falir empresas ou até gerar tensões duais, a legislação também veda o anonimato, ou seja, é
militares entre países. praticamente impossível fazer qualquer coisa na rede de
• computadores mundial sem deixar algum rastro que nos
Vimos isso no caso Wikileaks, um domínio de internet
identifique, e isso é feito a fim de se garantir que algum
que funciona como um catalisador de informações res-
cyber criminoso seja encontrado. Assim, a linha que separa
tritas, tornando-as públicas, expondo governos e orga-
a privacidade do indivíduo e a garantia da segurança do
nizações internacionais que apresentem comportamen-
coletivo é bastante tênue.
tos duvidosos ou questionáveis. O Wikileaks já publicou
1
vídeos gravados dentro de helicópteros do exército Vale dizer que existem aplicativos que prometem ano-
americano, expondo execuções sumárias, relatórios se- nimato de navegação, utilizando criptografia e outras fer-
cretos da guerra do Afeganistão, tráfico de influência, ramentas que "escondem" a origem e os dados trafegados,
lavagem de dinheiro, entre outros dados sigilosos, até entretanto a questão da proibição do anonimato para fins
que um de seus gestores, Julian Assange, foi condenado legais garantem que de alguma forma e em algum nível a
no Reino Unido em 2011 a ser extraditado para o país de informação pode tornar-se pública.
origem da plataforma, a Suécia, de onde provavelmente
Assim, é importante entender e saber como se posicio-
seria extraditado para os Estados Unidos, onde é acu-
nar e atuar de forma responsável e segura no meio digital.
sado de espionagem. Em 2012, Assange consegue asi-
Apenas o uso consciente das novas tecnologias pode pre-
lo político na embaixada do Equador em Londres, onde
venir eventuais problemas ou até processos.
está até hoje.
Esta questão pode ser abordada tanto em relação aos
dados privados quanto às informações de governos ou or-
Muitos serviços que utilizamos na internet são gratui- ganizações e corporações. Em todas as esferas deve haver
tos, e acreditamos que isso é normal. Entretanto, uma má- proteção, mas também garantias ao bem-estar coletivo.
xima sobre este assunto diz que "se não estamos pagando,
Ainda há muito o que ser estudado e muitas regulamen -
somos o produto vendido:'
tações ainda devem ser criadas com o intuito de garantir os
Todos já percebemos que os anúncios que são apresen- direitos individuais nos meios digitais, assim como garantir
tados em nossos navegadores ou até em sites específicos que os interesses de segurança e bem-estar públicos sejam
são de anunciantes que oferecem produtos e serviços que protegidos.
de fato dizem respeito aos nossos hábitos. Isso se dá pois
deixamos rastros em nossa vida digital, e a web identifica,
classifica e cataloga nossos hábitos, traduzindo isso tudo
em identificação sobre nós e sobre nossa individualidade, 18. RACISMO NO BRASIL E NO MUNDO
mesmo utilizando diferentes aparelhos e diferentes plata- "Cabelo ruim'; "serviço de preto'; "denegrir'; "a coisa está
formas. preta'; "mercado negro'; "ovelha negra'; "lista negra". Termos
como esses são utilizados corriqueiramente, sem que to-
Os próprios sistemas identificam uma pesquisa que fi-
memos conta da carga racista que trazem em suas origens
zemos em algum site de busca e podem fazer uma ofer-
e em seus significados.
ta em uma rede social, sem que percebamos como isso se
deu. É possível tecnologicamente que nossas câmeras e Tantos outros termos poderiam ser acrescentados à lis-
microfones de computadores, tablets, ou smart tv sejam ta, originários da época da escravidão, mas que infelizmen-
utilizados também sem que percebamos. te permanecem vivos, apesar de tanto tempo passado. E
não apenas os termos, mas as consequências nefastas da
Tudo isso pode parecer extremamente futurista, mas
segregação racial, da diferença entre indivíduos, atribuída
a espionagem através de meios eletrônicos é tão antiga
à sua origem étnica.
quanto a própria tecnologia de comunicação. A espio-
nagem já existia na época dos telefones fixos, do fax, e Já utilizamos até aqui dois termos muito importantes:
desde o início dos serviços de mensagem eletrônica. En- "racismo" e "origem étnica". Vamos colocar as coisas em seus
tretanto, como já ficou claro, a quantidade e a velocidade devidos lugares. Etimologicamente, as palavras terminadas
de geração e tráfego de informações proporcionam um em "ismo" dizem respeito à re ligião, crenças, convicções.
nível de conhecimento das individualidades que causa Assim, "racismo" relaciona-se ao sentimento ou "certeza" de
uma exposição às vezes indesejada, e é esta exposição que existem diferenças fundamentais quanto ao intelecto,
indesejada que deve ser evitada e, caso aconteça, deve-se ou mesmo ao potencial de humanização entre indivíduos,
haver a proteção legal. por conta da diferença entre "raças". Raças entre aspas, pois

biologicamente não coexistem duas ou mais raças de ho- sim, por "diferentes origens" entenda-se que na verdade
minídeos no globo. Apenas uma é composta de aproxima- o primeiro encontro de seres humanos com traços físicos
damente 7,5 bilhões de espécimes: a Homo sapiens. substancialmente diferentes era um encontro de parentes
• distantes em gerações, e que seus ancestrais se distancia-
Não importam os traços étnicos, ou seja, a cor da pele,
ram havia n;iuito, muito tempo.
a cor e textura do cabelo, o formato do rosto e de seus ele-
mentos. Nenhum desses itens caracteriza biologicamente Então, por que escravizar? De onde veio o conceito de
uma diferença racial. Caracterizam apenas a diferença de que uns merecem pertencer a outros que merecem ser
ancestralidade, de origem geográfica, de origem familiar proprietários?
em última instância. 1
Na Grécia antiga, berço do que entendemos como civi-
E o que fez, ou ainda faz com que exista um sentimento lização ocidental, o conceito de propriedade sobre outro
segregacionista? Vamos contar histórias que nos coloquem humano era completamente normal e justificável, sobre
todos em um mesmo patamar. Onde não existem de fato indivíduos que possuíssem uma capacidade de pensar in-
excluídos ou hegemônicos. Não pela cor da pele, não pelo ferior àquela necessária para que se fizesse parte da pólis.
fo rmato do olho ou do nariz. Assim, um indivíduo que fosse desprovido de capacidade
dialética era, de forma amplamente justificada, um escravo
A escravidão e as diferenças étnicas pautaram as rela-
legítimo, aindél mais se não fosse natural de Helíada.
ções humanas desde que passou a existir o conceito de
propriedade, ou ainda antes, quando houve o primeiro Em outras partes do mundo e do tempo, a escravidão
contato entre humanos de diferentes origens. O DNA mi- também se fez presente: na África, desde tempos remo-
tocondrial nos diz que tivemos uma origem comum. As- tos, na América pré-colombiana, na Ásia, desde o extremo

Confusão entre a Marcha das Mulheres Negras e acampados


No dia 18 de novembro de 201 5 man ifestantes acampados no gr amado do Congresso Nacional entr aram em confronto com integrantes da Ma rcha
das Mulheres Negras durante passeata contra o racismo e a violênc ia.

Foto: Marcello Casaljr/Agência Brasil


,. • a as "'lo

Faixa contra o racismo em Portuga l, que diariamente afeta neg ros e im igrantes

Foto: Getty Images

oriente até o Oriente próximo, tribos vencedoras sempre lo XIX, deixando marcas indeléveis na história e na consciên-
possuíram o direito legítimo de subjugar, de escravizar a cia coletiva de países como o Brasil, Estados Unidos e África
tribo vencida, e de se apossar de seus despojos. do Sul. Mas nunca, jamais deve-se esquecer o quanto este
processo possui histórias análogas na Índia e na China, onde
No continente europeu, são extremamente latentes a
povos inteiros, etnias ancestrais são ainda hoje subjugadas
diferença e a repugnância que povos vizinhos nutrem uns
por seus irmãos, apenas por sua ancestralidade.
em relação a outros, ainda nos dias de hoje. Isso sem fa lar
no milenar antagonismo árabe-judaico. Por aqui, ao preto foi cerceado o acesso ao estudo, à
Muito bem, devidamente caracterizado como um fenô- "boa cultura'; ao capital cultural que é necessário para o
desenvolvimento de uma cidadania responsável e prota-
meno social humano, o "racismo" como o conhecemos hoje
pode ser entendido como um fenômeno oriundo da épo- gonista. O resultado é um menor acesso ao mercado de
ca das grandes navegações, da exploração das potências trabalho, às condições básicas de integridade social, física
europeias sobre povos africanos e americanos a partir do e até moral.
século XV e XVI. Políticas de reparação são necessárias, mas devem ser
Índios americanos não se deixaram escravizar, seja pela tratadas como tal e atingir os seus objetivos, precisam
guerra, seja por se negarem a trabalhar, enquanto na Áfri- igualar os que tiveram oportunidades diferentes, para que,
ca, o conceito de escravização era extremamente avan- a partir de então, a cor da pele não lhes seja mais uma mar-
çado, havendo tradicionais mercados escravistas entre os ca de incapacidade.
diversos povos, terreno fértil para que o homem europeu
A composição do povo brasileiro é diversa, mas ainda é
obtivesse homens e mulheres trabalhadores e reproduto-
extremamente marcada por um racismo muitas vezes vela-
res, para explorar as riquezas minerais e agrícolas nas colô-
. . do, como vimos no início deste artigo, às vezes escancara-
n1as americanas.
da, e outras tantas vistas na prática, como a quase ausência
Passaram-se três longos séculos de desenvolvimento de de negros ocupando cargos públicos e principalmente car-
um subconsciente social, encerrado precariamente no sécu- gos eletivos.
Sim, a questão não é "empossar" negros porque negros Os motivos históricos já são conhecidos, mas as formas
são, mas "empossar" negros porque não tiveram acesso às de erradict r o racismo devem ser perseguidas na rua, no
mesmas condições que os brancos. Muito bem, a questão é mercado, na escola, na empresa, na política.
muito mais social do que "racial'; ao menos deve ser.
A lei que criminaliza o racismo ainda é vista com reser-
• Há que se discutir se a legislação que atribui cotas pela va, e a acusação e consequente cumprimento de pena são,

cor da pele não legitima uma diferença intrínseca por con- por incrível que pareça, muito difíceis de surtirem efeito.
ta da cor da pele. Será que este é o melhor modelo? Quais Não é por falta de lei que o racismo permanece, mas pela
outros são possíveis? falta de sentimento de pertencimento. Pertencimento de
pretos e brancos ao povo brasileiro.
A diferença de acesso ao mercado de trabalho, ao estu- 1
do qualificado e às oportunidades é gritante entre indiví-
duos brancos e indivíduos negros. Quais os caminhos para /
que essa realidade seja superada?
- DA MACONHA
19. LEGALIZAÇAO
Sim, o Brasil é um país racista, e infelizmente este sen-
Este é um tema sempre atual e presente nas discussões
timento vem sendo reforçado, ao invés de ser arrefecido.
no Brasil. Há um projeto de lei sendo analisado e estudado
A grande questão é que o Brasil deve olhar para si, o Bra-
no Senado Federal, propondo a legalização do plantio, pro-
sil verdadeiro, composto de pessoas comuns, não de po-
dução, comercialização e consumo da maconha, a canna-
líticos. O Brasil que pega metrõ e ônibus deve olhar para
bis, seja para uso medicinal, seja para uso recreativo.
si e corrigir as visões distorcidas e deturpadas sobre esta
questão que frustra sonhos e faz com que talentos e gênios Atualmente já há consenso sobre a liberação do uso
sejam perdidos simplesmente por conta da melanina pre- medicinal da maconha e seus derivados, visto a obser-
sente em um indivíduo. vação de sensível melhora no quadro clínico e conse-
quente benefício terapêutico nos doentes de epilepsia
Políticas públicas são importantes, mas não substituem
e autismo.
uma sociedade que esteja disposta a mudar o que lhe é
destrutiva. Um relatório da ONU apontou que o racismo no Dados como os que apontam que 69% dos presos no
Brasil é"sistêmico e estrutural'; ou seja, é de difícil e demo- sistema penitenciário no Brasil foram presos com menos
rada erradicação. de 200g de entorpecentes, quantidade permitida em di-

O cultivo de maconha para uso medicinal deve ser liberado no Brasil? E o uso recreativo? A eventual legalização da venda dessa droga pode aj udar a
reduzir os índ ices de criminalidade e desinchar o sistema prisional? Essas foram algumas das perguntas que permearam audiência pública realizada
em outubro de 2017 pela Comissão de Oireitos Humanos e Legislação Participativa (COH).

Crédito: Geraldo Magela/Agência Senado


Foto: Getty Images

versos países como a Espanha, colaboram com os defen- (destinado a uso próprio), sendo vetado o plantio, proces-
sores da ideia da descriminalização. samento e comércio do produto. Assim, caso este tema
seja abordado em avaliação, deve-se tomar o cuidado de
A discussão, entretanto, encontra opositores, que subs-
considerar que existe uma tendência de liberação, mas ain-
tanciam sua opinião no argumento de que a liberação do
da não foi levada a cabo, sendo portanto, contravenção o
uso de entorpecentes traria um problema de saúde públi-
porte da maconha.
ca, com elevados índices de ocupação do sistema por usu-
ários de drogas. Além desse argumento, também apontam Esta tendência à liberação se dá principalmente pelo
que a regulamentação do comércio e uso de drogas hoje argumento de que a atual política em relação ao uso de
ilícitas não contribuiria para a redução da criminalidade, drogas não é eficiente na limitação do seu uso, já que é
visto que apenas forçaria as organizações criminosas a se notório que todos que desejarem conseguem comprá-la
arregimentarem em outra direção, em outra atividade. facilmente, assim como não combate o tráfico e as organi-
zações criminosas, que permanecem em plena atividade.
Para a professora Andrea Galassi, da Universidade de
Brasília, a regulamentação do uso da maconha é um ca- A relação é de um "fechar de olhos" sobre uma realidade
minho sem volta, visto que as pessoas que desejam fazem que expõe a fragilidade do tecido social e político brasilei-
uso da maconha mesmo sendo proibido, e que "essa restri- ro, expõe a ineficiência do poder público e seu distancia-
ção só leva ao consumo de produto de baixa qualidade e mento da realidade que se apresenta à sociedade.
que pode prejudicar ainda mais severamente o cidadão".
A pergunta "a quem interessa que a maconha não seja
Outro argumento contrário à liberação é que esta não regulamentada'; é uma pergunta presente e de indigesta
se poderia dar sem um prévio programa de esclarecimento análise, visto que não são poucos os relatos que apontam
e conscientização, a fim de prevenir e reduzir o consumo o financiamento até de campanhas eleitorais com dinhei-
de drogas, assim como já é feito em relação ao cigarro. ro do narcotráfico, como consta em declaração de trafi -
cantes presos.
Segundo a mesma professora, não há dúvidas de que
a maconha será legalizada, restando apenas saber quando
Outro argumento a favor da liberação do uso recrea -
será legalizada.
tivo da maconha é a liberdade individual. Qualquer ação
É importante que o aluno perceba que o uso e comércio que garanta a liberdade é uma ação para a paz. Esse ar-
da cannabis não foram legalizados e, portanto, ainda seu gumento aponta o uso de cigarros industrializados, fonte
porte é restrito a uma pequena quantidade por indivíduo de enormes riquezas, que é liberado e conta com um pro-
grama específico de orientação sobre as consequências oftalmológica à luz, diminuição da secreção lacrimal, dores
de seu uso. de cabeça, náuseas e võmitos.
Esses efeitos são amplamente conhecidos entre usuá-
• Contrário à liberação, está a argumentação de que o rios e entre aqueles que com eles convivem, e também é
uso contínuo da maconha prejudica seriamente as sinap- notório que o uso continuado traz efeitos cada vez mais
ses, a atividade cerebral, semelhante ao uso do álcool, mas permanentes. Essa questão é rebatida por quem defende a
de forma muito mais intensa. Entretanto, a ineficiência do liberação de uso da maconha, diante de sintomas adversos
estado faz com que este uso já esteja acontecendo sem tão ou mais graves de cigarros, que já são liberados, e de
qualquer cuidado ou atenção do poder e da saúde pública. remédios quimicamente produzidos.
1
É comprovado cientificamente que o THC, Tetra-hidro- Por fim, a discussão parece trilhar um caminho mais
canabidiol, tem forte ação sedativa e reforça ainda a ação afeito às convicções pessoais de quem defende o status
sedativa de outras substâncias psicotrópicas, como o álco- quo, ou seja, a manutenção da proibição da produção, co-
ol e as benzodiazepinas. O consumo contínuo pode levar a mércio e uso da cannabis. E é por isso que é consenso, no
desajustes no controle e coordenação motora, redução da meio político e social, que é uma questão de tempo para
atividade psicomotora, alteração da percepção sensorial e que a liberação do uso da maconha seja efetivada.
temporal, perturbações da fala e prejuízo ao movimento. Esta é uma tendência internacional inclusive, tendo já
Também pode ter efeitos prejudiciais relativos a concen- alguns estadÓ's norte-americanos liberado o uso, assim
tração, memória de curto prazo, atenção e ainda causar como Canadá e México, onde já há pressupostos legais
amnésia. para a liberação do uso da maconha.
Efeitos psíquicos também são observados e já diagnos-
ticados, tais como euforia, sonolência, sedação, desenca- /
deamento de ansiedade e quadros depressivos. Aliados
a esses efeitos_, são verificados consequências físicas, tais 20. MIGRAÇÕES
como taquicardia, aumento da pressão, tonturas, hipossa- Este tema é sempre atual, pois a todo momento exis-
livação (baixa produção de saliva), diminuição da reação tem regimes políticos e situações econõmicas que forçam

Milhares de jovens centro-americanos. a ma ioria fugindo da violência de gangues e da pobreza. continuam a entrar
ilegalmente nos EUA todos os anos.

Foto: Getty/lmages
massas humanas a se deslocarem geograficamente bus- lações e, segundo estas leis, não poderiam ter sua entrada
; ,
cando melhores condições de vida ou de sobrevivência. negad a por outros pa1ses.
Durante toda a história recente mundial este movimento
Em linhas gerais, temos os seguintes principais movi-
é presente, diferindo apenas os países e regiões afetadas,
mentos migratórios ocorrendo atualmente:
, com alguns focos de incidência, é verdade.
Africa: Síria, Sudão, Sudão do Sul, Somália, Saara Oci-
Você, estudante, deve estar atento em relação aos per-
dental, República Democrática do Congo e Argélia.
manentes movimentos migratórios que envolvem o con-
tinente africano, o oriente médio, o México (tanto como Asia: Afeganistão, Iraque, Turquia.
origem, tanto como ponto de passagem rumo aos Estados
América do Sul: Colômbia e Venezuela.
Unidos). Estes focos estão sempre presentes nesta questão,
e outros países entram nesta problemática, à medida que Venezuela: O regime chavista que, como o nome já de-
seus regimes internos entram em colapso ou pressionam monstra, teve origem com o ex-presidente Hugo Chávez
determinadas camadas sociais, econômicas ou ideológicas. entrou em grave situação econômica a partir de 2013, já
sob o regime do atual presidente Nicolás Maduro, e se-
É importante ressaltar que a migração se dá por todos
gundo a ONU, o país encontra-se em estado de exceção, já
e cada um destes motivos. Assim, a migração se dá entre
que seu governo é acusado de ameaçar, prender e torturar
países pobres e outros países pobres, entre países ricos
opositores. Nos anos mais recentes, a inflação e a crise de
e outros países ricos, entre países pobres e ricos, etc. De
produção tell)'tornado escassa a oferta de itens de primei-
qualquer forma o principal motivo para que indivíduos ou
ra necessidade, como comida e produtos de higiene pes-
famílias migrem é o econômico.
soal, além da desvalorização total da moeda venezuelana.
É importante diferenciar migrante de refugiado. Um mi- Assim, aqueles que conseguem chegar principalmente à
grante normalmente decide mover-se espontaneamente, e fronteira com o Brasil entram em território brasileiro, espe-
um refugiado é forçado por uma situação de guerra, fome, cialmente pelo estado de Roraima, seguindo a pé até Boa
perseguição, precisa fugir de seu país de origem, e é pro- Vista, a capital do estado. Durante os anos de 2017 e 2018,
tegido por leis internacionais específicas para estas popu- a cidade recebeu o equivalente a SOO/o de sua população

Foto: John Moore/Getty lmages


em migrantes venezuelanos, causando uma crise sanitária está ligada ao desejo de manutenção da identidade cultu -
e humanitária, com a disseminação de doenças que já es- ral e religiosa pelos nativos europeus, em oposição a uma
tavam erradicadas em solo brasileiro, como o sarampo, de- denomina africanização e islamização da cultura e até mes-
• vido à não imunização de venezuelanos. Como a cidade de mo da etnia africana.
Boa Vista não possui infraestrutura para atender tamanha
Ainda na Europa, a questão dos imigrantes reflete-se
demanda de migrantes, estes começaram a ser enviados
duramente nas questões políticas internas de países como
para outras partes do país, entretanto, é precária a política
a Alemanha e a França, tornando-se temáticas cruciais em
para recepção deste contingente de indivíduos, que conta
eleições e programas de governo. O governo da chanceler
muitas vezes apenas com a boa vontade de pessoas ou de
alemã Angel"a Merkel foi duramente ameaçado por forças
ONGs ligadas a movimentos religiosos, que lhes dão água
internas, com o objetivo de endurecer as regras de aceita-
e comida.
ção de imigrantes oriundos da África e de países do Leste
O governo norte-americano já se mostrou a favor de al- Europeu. A população de moradores de rua dobrou nos
gum tipo de intervenção na Venezuela, mas encontra resis- últimos anos e o repúdio aos estrangeiros aumentou dras-
tência em países latino-americanos, favoráveis ao governo ticamente, ainda que o nível de desemprego entre alemães
de Nicolás Maduro. não tenha se alterado. A França também está lidando com
mudanças drásticas em sua população e na sua cultura, de-
Colômbia: Apesar de não estar em guerra, a Colômbia
vido ao altíssi~ o índice de refugiados e migrantes legais e
enfrenta uma situação de instabilidade por conta da ins-
ilegais originários do norte da África e de antigas colônias
tabilidade criada pelas guerrilhas, com perseguição, ame-
francesas.
aças e morte de pessoas que se oponham a elas. Depois
do acordo com as FARC, a tendência é que a situação seja Além desses países, Inglaterra, Irlanda e Bélgica tam-
amenizada, e essa situação seja superada. bém têm recebido expressivo número de migrantes e refu-
Líbia: Desde a queda do regime de Muamar Kadafi em giados. Em alguns países europeus, a presença de imigran-
2011, quando este foi morto, a Líbia entrou em uma guer- tes é benéfica, já que o índice de crescimento da população
ra civil, que resulta em um movimento migratório intenso é negativo, ou seja, morrem mais pessoas do que nascem,
nas águas do mar Mediterrâneo, em direção principalmen- e a média de pessoas economicamente ativas vem caindo
te à Itália e à Espanha. Normalmente a travessia é realiza- por causa da alta expectativa de vida. Assim, a chegada de
mão de obra é bem-vinda, principalmente para trabalhos
da em embarcações clandestinas, resultando na morte de
milhares de pessoas, e também em uma crise diplomática manuais ou pesados.
entre as nações europeias, devido à resistência interna em Entretanto, observa-se que tanto imigrantes de origem
receber tamanha quantidade de migrantes refugiados. É síria na Europa quanto de origem venezuelana no Brasil
frequente o resgate de embarcações à deriva no mar Me- muitas vezes possuem formação universitária e desenvol-
diterrâneo e, segundo a ONU, apenas em 2018 já entraram viam carreiras profissionais em seus países, já que o des-
na Europa mais de 50.000 refugiados de origem síria, com a locamento para outros países não é tão barato, e apenas
morte de mais de 1.000 pessoas nessa travessia. aqueles que dispõem de recursos financeiros conseguem
México: apesar do endurecimento da política migrató- fugir rumo a um futuro melhor.
ria do governo Trump, o fluxo entre México e EUA sempre Migrações internas no Brasil: historicamente, nas dé-
foi e continua sendo intenso, pois representa a passagem cadas de 50 e 60, muitos nordestinos deslocaram-se para
não apenas de um país em desenvolvimento para um país o Sudeste em busca de empregos na indústria e na cons-
que é a maior economia do mundo, mas também é a pas- trução civil, em um momento em que havia um forte pro-
sagem entre mundos diferentes, entre a América Latina e a cesso de industrialização nessas regiões. Na mesma época,
América Anglo-saxónica, de um país com sérios problemas houve também uma intensa migração do Nordeste para a
na área de segurança para o sonho americano. construção de Brasília.
Esses movimentos causam situações extremas nos paí-
Após esse movimento, observamos uma movimentação
ses que os recebem, tais como desemprego, racismo, xeno-
de pessoas da reg ião Sul em sentido ao Centro-Oeste e al-
fobia (discriminação extrema por conta da origem). Essas
gumas reg iões do Nordeste, em busca de terras mais baratas
questões são observadas principalmente na Europa, onde
para a agricultura e pecuária. Nesse mesmo período também
alguns países estão se recuperando de uma dura crise, e
houve um movimento migratório do Nordeste para a região
agora veem -se obrigados a receber uma quantidade enor-
Norte. Nos anos 90 e 2000, houve também um processo de
me de estrangeiros.
retorno de populações originárias da região Nordeste vol-
Uma outra questão importante e muito forte na Europa tando para seus estados de origem, pelo aumento da oferta
é a chamada desnacionalização no continente europeu. Ela de emprego e modernização dessa região.
Segundo um relatório do Global Car bon Proj ect. a China é o pais que mais emite C02 na atmosfera, apesar de todo seu investimento em economia
verde. Recentemente o Brasil também viu seus índ ice s aumentarem 9%. segundo dados do Observatório do Clima.

Foto: Getty lmages

21. DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL Unidos era, até os anos 90, completamente dependente
Por definição, desenvolvimento sustentável é aquele da extração do petróleo, abundante naquela região. O pe-
capaz de suprir as necessidades da geração atual sem com- tróleo garantiu décadas de crescimento econõmico e uma
prometer a capacidade de atendimento das necessidades riqueza aparentemente infinita para as classes dominantes.
das gerações futuras, ou seja, é o desenvolvimento que Entretanto, estudos apontaram que este recurso natural
não esgota os recursos necessários para a continuidade da poderá se esgotar nos próximos 40 anos e então, o que fa-
vida e de novos desenvolvimentos. zer? Foi assim que surgiu um dos mais pujantes programas
de criação de cidades com matriz sustentável, modernas e
A base dessa definição emergiu da Comissão Mundial
até mesmo futuristas.
sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, criada pela ONU
para discutir e realizar proposições a fim de alcançar, de É bem verdade que essa previsão se realizará caso o
forma coordenada, dois objetivos: o desenvolvimento eco- consumo permaneça o mesmo de hoje, não haja nenhu-
nômico e a conservação ambiental. ma grande recessão ou guerra ou, ainda, caso não sejam
encontradas grandes novas reservas do precioso líquido
O princípio para entender o conceito de desenvolvi-
negro.
mento sustentável é a compreensão de que os recursos
naturais não são infinitos e, portanto, seu uso e a criação De qualquer forma, energias renováveis ou que não
de tecnologias devem ser precedidos de estudos e plane- agridam a natureza não são apenas um luxo, ou politica-
jamento extensivo sobre o assunto. mente correto, ou ainda fruto de ativismo ambiental. São
uma necessidade urgente que, se não for atendida, poderá
Um exemplo visível de planejamento é o desenvol-
gerar um colapso econômico, com consequências catas-
vimento do mercado turístico nos países árabes, criando
tróficas para as próximas gerações.
cidades inteiras no deserto, a partir do nada. Por que to-
maram essa decisão? A economia dos Emirados Árabes No caso do petróleo, o ideal é que, quando se extinguir,
já não seja mais tão necessário e haja substituição por uma nas nucleares. As usinas que utilizam material para queima
matriz energética limpa, que é o nome dado a combustí- na produção de energia são as maiores poluidoras do meio
veis ou tecnologias renováveis, que não agridem a natu- ambiente em seus países, e as usinas que utilizam combus-
reza. tível nuclear deixam um resíduo radioativo que demora
• centenas de anos para que perca seu potencial destrutivo
Com a tecnologia atual, pensamos diretamente no eta-
sobre a natureza. Usinas hidrelétricas podem ser conside-
nol, proveniente da cana-de-açúcar ou de outros vegetais,
radas limpás, mas também causam profundas mudanças
como candidato a substituir os combustíveis e produtos
no meio ambiente, com a construção de barragens que al-
derivados do petróleo. Mas a própria existência de moto-
teram drasticamente o meio onde são implementadas.
res a combustão, que poluem a atmosfera, trata-se de uma
t ecnologia que não atende a definição de sustentabilida- Assim, a ' tecnologia de produção de energia elétrica
de, já que prejudica a saúde da geração atual e das gera- através da luz solar mostra-se a mais adequada e mais pró-
ções futuras. xima de ser economicamente viável, visto que a qualidade
e eficácia dos atuais equipamentos tornaram a produção
Assim, fica claro que não basta substituir combustíveis,
comercial possível. Ao mesmo tempo, os equipamentos
mas sim é necessário uma nova revolução tecnológica. Re-
elétricos que utilizamos estão sendo atualizados para que
volução que substitua componentes eletrônicos que exi-
consumam cada vez menos energia elétrica, melhorando
gem cada vez mais minérios raros e poluem o meio am-
assim a eficiên,f ia de todo o sistema.
biente, tanto em sua extração quanto em seu descarte.
Outro recurso natural sobre o qual não nos damos con-
Por falar em revolução, desde a revolução industrial no
ta é a água potável. Diversos estudos têm sido feitos para
século XIX, a emissão de poluentes vem crescendo à me-
produzir água potável a partir da água do mar, ou ainda
dida que a produção é aumentada por conta da demanda
extrair água potável de poços em locais antes impensáveis,
cada vez maior de produção, aumentando o impacto do
como em grandes profundidades ou até nos polos. O tra-
homem sobre o meio ambiente.
tamento de água é um problema gravíssimo tanto em paí-
A população humana no globo e sua demanda crescem ses em desenvolvimento quanto em países desenvolvidos,
em uma velocidade nunca vista na história da humanida- e deve ser encarado com muito mais responsabilidade. A
de, e a produção, tal como é, compromete duramente as questão é que no Brasil, a água é um recurso extremamen-
futuras gerações. Essa preocupação desencadeou confe- te abundante, o que causa comodismo em relação a novas
rências internacionais para tratar do tema, com o objeti- pesquisas. Entretanto, nos anos de 2015 e 2016 a falta de
vo de conciliar a produção cada vez mais crescente com chuvas e a diminuição das represas que abastecem gran-
a preservação ambiental, para que as próximas gerações des cidades demonstrou duramente as consequências da
possam também ter acesso aos recursos ambientais e, as- falta de cuidado com este que é o meio principal para a
sim, também possam continuar a se desenvolver. manutenção da vida no planeta.
Uma premissa é a de que os países mais pobres, ou em Por fim, a produção de alimentos também está na pauta
desenvolvimento, localizados em sua maioria no hemisfé- do desenvolvimento sustentável. Modernas pesquisas pro-
rio sul do globo, precisam aumentar seus níveis de consu- curam otimizar a ocupação e o aproveitamento de campos
mo, elevando sua riqueza e a qualidade de vida de suas po- cultiváveis ao redor do mundo, para que, em menores áre-
pulações. Entretanto, esse aumento no consumo não pode as, sejam produzidas maiores quantidades de alimentos.
e não deve basear-se no modelo energético atual pois, se Além disso, a tecnologia alimentícia também tende a me-
assim fosse, a escassez de combustíveis fósseis e de recur- lhorar a qualidade dos alimentos que consumimos, melho-
sos minerais dar-se-ia em velocidade avassaladora. rando a qualidade da vida humana, motivo pelo qual toda
esta preocupação existe.
Quais as opções, então? Como já dissemos, a matriz
agrícola é uma opção, pois é renováve l, apesar de que as
tecnologias devem acompanhar a preocupação de gerar
a menor "pegada ecológica" (termo que define o impacto
deixado pelo homem sobre a natureza) possível, em rela-
22. BIOTECNOLOGIA
Biotecnologia é uma área da ciência que envolve múl-
ção à sua própria produção, e aos gases lançados na atmos-
tiplas disciplinas, combinando tecnologias diversas a pro-
fera pela queima de combustíveis.
cessos biológicos, com a finalidade de gerar aplicações
Em relação à energia elétrica, esta pode ser considerada médicas, industriais, veterinário e agrícolas. É um campo
renovável, principalmente quando é produzida por usinas do conhecimento que é extremamente estratégico para as
hidrelétricas. Vale lembrar que, em muitos países, a energia indústrias citadas no parágrafo anterior, e por isso a rele-
elétrica é produzida em usinas a carvão, ou ainda em usi- vância para a atualidade e para o futuro.
r..

1

Projeto Aedes Transgên ico


A então Pr esidenta Dilma Rousseff dur ante visita à Biofábrica Moscamed Brasit. que implantou o Projeto
Aedes Transgénico. que visa a er radicar o mosqu ito.

Foto: Roberto Stuckert Filho/ PR

O conceito de biotecnologia não é novo. A ideia pas- talmente a penicilina, antibiótico que mudou a história da
sa por manipular seres biológicos, vivos ou não, principal- saúde, descoberto a partir de um fungo.
mente para atender interesses e necessidades de produção
e pesquisa de remédios, processos industriais, melhorias Já em 1980, a Suprema Corte dos Estados Unidos per-
mitiu o patenteamento de técnicas para biorremediação,
genéticas em animais ou melhorar a produção de alimen-
tos. Assim, a biotecnologia é uma ciência que abriga co- que é a limpeza de petróleo ou outros elementos dispersos
nhecimentos de três áreas principais, a Química, a Biologia na água do mar. Já em 1981 foi obtida a primeira planta ge-
e a Engenharia. neticamente modificada, e em 1997 nasce a famosa ovelha
Dolly, o primeiro mamífero clonado.
Desde os tempos mais remotos, sementes e plantas
Em 2003 tem início o processo de clonagem de espé-
eram manipuladas, por meio de processos conhecidos
cies de animais em processo de extinção.
como "enxerto'; que é uma amostra rudimentar de técni-
cas biotecnológicas. Também eram utilizados micro-orga- Alguns remédios indispensáveis para a saúde foram de-
nismos para o preparo de bebidas, como a cerveja, e no senvolvidos através de pesquisas biotecnológicas.
século XII, a destilação do álcool.
Assim, a pesquisa e o diagnóstico de doenças em pro-
No ano de 1917 o cientista Chain Wizmann produz ace- cessos modernos e muito específicos são rea lizados por
tona em larga escala a partir de uma cultura microbiológi- meio de biotecnologia.
ca, para funcionar como um explosivo durante a primeira
Os tão falados alimentos transgênicos são alimentos
guerra mundial.
modificados também por meio da biotecnologia, e isso
Em 1928, Alexander Flemming descobre quase aciden- também não é algo tão recente como as notícias nos fa-
zem acreditar. diminuíd, drasticamente.
Além dessas aplicações de processos biotecnológicos, Quanto aos alimentos, plantas, legumes e frutos podem
existem outras que passam um pouco mais despercebidos, ser modificados para serem mais nutritivos, mais duradou-
como o tratamento de água de esgoto, que é um exemplo ros e mais resistentes a intempéries e ao tempo, utilizando-
• clássico de como essa ciência pode amenizar ou mesmo -se menos agrotóxicos e inseticidas, que fazem muito mal
resolver problemas causados pela ação do homem. à saúde humana e já se sabe que são a causa de muitas
doenças ditas modernas.
Neste sentido, o tema 'biotecnologia' conecta-se ao
tema 'Desenvolvimento Sustentável; já que desenvolvi- Na pecuária, a inseminação artificial e a reprodução de
mento pressupõe pesquisa tecnológica, e sustentável animais tran1gênicos vêm aprimorando as espécies e con-
pressupõe a minimização ou até a extinção dos impactos tribuindo para o desenvolvimento de vacinas e remédios.
negativos deixados pela ação do homem na natureza. De modo semelhante, na saúde humana, a aplicação des-
ta ciência é utilizada para o desenvolvido de vacinas, hor-
Um exemplo relacionado à saúde pública, que foi
mônios, medicamentos e antibióticos infinitamente mais
amplamente utilizado no Brasil nos últimos meses chu-
eficazes e eficientes do que todos os remédios produzidos
vosos, foram os mosquitos geneticamente modificados.
anteriormente.
O Aedes aegypti é o responsável por transmitir o vírus
de doenças como a dengue, a chicungunha e o zika ví- Você já deve ter ouvido muitas notícias e até mesmo
rus, e é de difícil combate, já que se reproduz em água lido e estudaêlo sobre os efeitos nocivos de alimentos
limpa e parada. As equipes de técnicos têm a difícil res- transgênicos, e muita discussão política já foi anunciada
ponsabilidade de entrar nas casas para checar se exis- nos Estados Unidos, na Europa e aqui no Brasil, critican -
tem focos de proliferação de mosquitos, eliminá-los e do este tipo de técnica e disseminando a ideia de que ali-
aplicar venenos, fato que nem sempre é possível. Nesta mentos geneticamente modificados devem ser evitados.
crise de saúde pública que o país enfrentou, foi utilizada Entretanto, com o crescimento exponencial da população
a técn ica de soltar machos modificados geneticamente mundial, técnicas biotecnológicas são necessárias para
para serem estéreis, assim, a procriação do mosquito foi que haja alimentos disponíveis para a população, pois caso

Foto: Getty lmages


contrário, a escassez de alimentos seria uma tragédia de questões. São interesses de todos os níveis e origens, que
proporções globais. transcendem as necessidades humanas, e alcançam os in-
teresses financeiros de grandes organizações mundiais, de
Assim como em ferramentas ou técnicas, não é a ciência
governos nacionais e de organizações multinacionais.
• em si que é boa ou ruim. O uso que se faz dela a torna pre-
judicial ou benéfica à humanidade e a coletividade. Por esse motivo, o tema é muito importante - ao mes-
mo tempo que traz soluções "limpas" para problemas gra-
Esses questionamentos se dão pelos indícios de conse-
víssimos à manutenção da vida humana na terra, carrega
quências ruins para a saúde humana e animal, além de im-
questões éticas e práticas que têm o potencial de destruir
pactos ambientais. Entretanto, ainda não há consenso ou a
a mesma vida que diz proteger. São questionamentos que
certeza de efeitos causados pela modificação microbioló-
fizeram surgir uma nova área relacionada à filosofia: a bio-
gica nem a curto, nem a longo prazo. É fato que alterações
ética, que pretende estudar os problemas e implicações
desse tipo interferem no equilíbrio da natureza, de forma
morais decorrentes dos processos biotecnológicos, como
pretensamente controlada pelo homem, mas interfere,
a utilização de seres vivos em experimentos, assim como
assim como pode causar o fenômeno chamado "poluição
a produção de seres vivos modificados, a legitimidade de
genética" pela impossibilidade de se controlar os efeitos
experimentos com seres humanos, etc.
a longo prazo da disseminação de organismos genetica-
mente modificados no meio ambiente. Tudo isso, além das São ao mesmo tempo complexos e fascinantes!
questões éticas envolvidas na clonagem de seres vivos.
É evidente que esse tipo de discussão suscita movimen-
........ /
tos a favor e contrários aos processos envolvidos, mas as dis-
cussões sem dúvida serão aprofundadas nos próximos anos 23. DESIGUALDADE DE GÊNERO
pelo avanço das pesquisas na área, e também pela influên- Este é um tema extremamente polêmico, de alcance
cia e força das companhias internacionais envolvidas nestas mundial, que atinge países ricos e pobres, capitalistas e so-

Movimento feminista
We Can Do lt! (em português. 'Nós podemos fazer isso!') é o título de um cartaz de propaganda criado por J. Howa rd Miller em 1943 para a empresa
Westinghouse. A imagem não circulou muito e caiu no esquecimento, mas. nos anos 1980, o cartaz foi recuperado e tornou- se um ícone do movimen-
to feminista.

Imagem: J. Howard Miller (1918-2004), Wíkimedia Commons


cialistas, enfim, todo o globo. Entretanto, estamos diante de um fenómeno de ques-
tionamento também exacerbado de tais valores, onde a
As diferenças biológicas entre indivíduos do gênero
discussão flexionou os estereótipos estabelecidos durante
masculino e feminino são evidentes, mas as diferenças so-
toda a história da humanidade ao outro extremo, em que a
• ciais e culturais são mais tênues, menos evidentes e conse-
criança é exposta à não existência de referência, causando
quentemente muito mais complexas.
ou potencializando um transtorno já diagnosticado, deno-
Pode parecer que não, ou parecer óbvio para algu- minado disforia de gênero, que é a inadequação psicosso-
mas pessoas, mas sexo, no sentido de definição homem e mática de um indivíduo ao seu sexo. Ou seja, o indivíduo
mulher, e gênero não querem dizer a mesma coisa. Neste não consegue correlacionar seu sexo biológico com o gê-
sentido, sexo diz respeito às diferenças fisiológicas entre nero que melhor lhe representa, causando confusão e so-
membros do sexo masculino e feminino. As diferenças são frimento. Casos assim podem resultar em transexualismo,
evidentes quanto ao sistema reprodutivo e também são que é a condição em que o indivíduo acredita e sente que
perceptíveis quando analisamos a constituição muscular nasceu no corpo com o sexo oposto. Atualmente, indivídu-
natural, a tessitura da voz, as características hormonais, os nessa condição têm à sua disposição tratamentos hor-
entre outros. Essas características têm fundamento natu- monais e cirurgias em que podem modificar sua estrutura
ral, ou seja, não diferem, não mudam de uma sociedade física com o objetivo de redefinir suas características para
para outra. As diferenças entre um japonês e uma japonesa aquelas do sexo que melhor lhe representa.
são equivalentes às diferenças entre um brasileiro e uma
Retornando à questão específica de Desigualdade
brasileira. Gênero, porém, é um termo social, um concei-
de Gênero, é importante ressaltarmos os estereótipos
to que leva em consideração aspectos inerentes à cultura,
de gênero, ou seja, as generalizações de comportamen-
aos costumes e à história de determinada sociedade. As-
tos esperados de homens e de mulheres. à perpetuação
sim, é na análise sobre o gênero que se considera normal o
extremada de tais estereótipos, atribuímos os nomes de
escocês do sexo masculino utilizar uma peçª" de vestuário
machismo e feminismo, respectivamente. "Ismos" deno-
que é estritamente indicada ao sexo feminino nos Estados
tam posições e crenças carregadas preconceitos condi-
Unidos. Assim como nos países árabes, vestimentas que se
cionantes que pretendem definir terminantemente o que
assemelham a vestidos ocidentais são roupas destinadas a
indivíduos do gênero masculino.
Como citado acima, o conceito de gênero é oriundo
também das características históricas de uma determina-
da sociedade, ao seu processo de socialização e às relações
que permaneceram da construção desse processo. A partir
dos aprendizados das gerações anteriores e do ensino des-
ses aprendizados às gerações mais jovens, a criança desco-
bre e aprende qual é o seu papel, o que a sociedade, a famí-
lia espera dela. Essa descoberta irá indicar e estabelecer o
senso de fem inilidade ou masculinidade de indivíduo.
Desde pequenas, as crianças de todas as culturas e po-
vos aprendem, de forma explícita ou implícita, que existem
diferenças profundas entre indivíduos de gêneros diversos.
O aprendizado se dá na dimensão da família, da educação,
dos grupos de amizade e dos elementos informativos cul-
turais a que a criança tem acesso. Aliados a esses processos
e ambientes, podemos adicionar elementos posteriores na
vida de uma criança, como a religião, o ambiente de traba-
lho, os relacionamentos amorosos, entre outros.
A família e a escola são os primeiros entes a exaltar
as diferenças entre os gêneros, atribuindo peso histórico
cultural às atividades, costumes e expectativas impostas
a cada gênero respectivamente. Brincadeiras de menino e
de menina, roupas de menino e de menina, atividades fa-
miliares de menino e de menina costumam ser atribuídas
desde a mais tenra infância.
Imagem: Getty lmages
cabe a cada um dos sexos. É relevante lembrar que essas cada vez mais importante nos cenários políticos e sociais,
crenças existem em níveis mais brandos a níveis extrema- sendo elevado a fator decisivo na escolha de políticos em
mente agressivos. eleiçóes, por exemplo.
, A psicologia, e mais recentemente a psicopedagogia, Você deve saber que o Brasil possui leis muito avança-
demonstram que as crianças aprendem com os exemplos das nesta área, mas que, a exemplo de tantas outras leis,
dos adultos, dos estereótipos que lhes são apresentados. são mal aplicadas ou até ignoradas, fato que forta lece o
machismo presente e arraigado ao subconsciente coletivo
Tradicionalmente, o estereótipo da mulher é o de dona
nacional. A lei Maria da Penha, por exemplo, é um paradig-
de casa, mãe, esposa. Aquela que se preocupa com o bem-
ma internacional, porém mesmo com o rigor da lei, os nú-
-estar da família, mesmo que em detrimento de si mesma.
meros de feminicídio (morte violenta pelo fato ser mulher)
Ela deve ser carinhosa, cuidadora, amável, atenciosa, bonita,
continuam alarmantes.
recatada e atraente. Já o homem deve ser forte, valente, co-
rajoso, ambicioso e independente. Um verdadeiro caçador. Apesar das garantias de igualdade, as mulheres que são
a maioria em todos os níveis escolares continuam ganhan-
Historicamente, desde as civilizações mais antigas, ao do salários 23% inferiores aos dos homens, desempenhan-
homem era reservado o papel de destaque, de mando, de do as mesmas posições. Culturalmente, as mulheres que
supremacia. No Brasil, até a metade do século XX a mulher desempenham papéis profissionais ainda se veem obriga-
não tinha pleno direito ao voto, e em muitos países, a mu- das, e delas é ésperado que desempenhem papel de dona
lher ainda não pode sair sozinha em locais públicos. de casa ao chegarem em sua residência após a jornada la-
A partir principalmente da década de 60 do século XX, boral. Isso tudo sem falar do assédio sexual e dos casos de
os movimentos feministas passaram a lutar abertamente estupro, que beiram a quantia absurda e inacreditável de
pelos direitos das mulheres, para que elas desfrutem das 50 mil casos por ano, insistentemente, ano após ano.
mesmas oportunidades sociais, políticas e econômicas da- O desafio de se obter a igualdade de condições sociais
das aos indivíduos do sexo masculino. e econômicas é enorme, e exige dedicação e atenção de
toda a sociedade, para que seja possível entregar às próxi-
mas gerações um país mais justo e igualitário.
Com esse histórico, não é de se espantar que pouquís-
simas mulheres compõem o congresso nacional, menos E por que este assunto é importante? A igualdade/desi-
ainda a suprema corte e outras instãncias públicas, ainda gualdade de condições entre os gêneros vem se tornando
que as mulheres representem 52% dos eleitores, além de o pano de fundo nas grandes discussões da sociedade bra-
ser possível contar facilmente aquelas que ocupam lugares sileira e mundial. Esta discussão pode ser agregada a quase
de destaque em companhias privadas de grande porte. qualquer outro tema relevante para o entendimento do
contexto social da atualidade.
Para piorar a situação, é notório que mulheres ganham
financeiramente menos que os homens no desempenho
das mesmas funções, e quanto mais alto o cargo ou a exi-
gência de formação, maior será a discrepância entre os sa-
24. BASE NACIONAL COMUM
lários pagos a um e a outro.
CURRICULAR
Você já deve ter ouvido sobre o termo BNCC em pro-
A situação é agravada com a presença quase inexpug- pagandas do Ministério da Educação, ou em outras publi-
nável do machismo, sentimento muitas vezes subconscien- cações, especializadas ou não. Muito tem sido dito sobre a
te até, que acredita que o homem é naturalmente superior tal "Base·; mas o que de fato este documento traz ou pode
à mulher, atribuindo a ele as prerrogativas de ser'servido; e trazer para a sala de aula? Quais impactos a Base pode pro-
à mulher, as de servir ao homem e à família. duzir no processo de ensino/aprendizagem?
Essas diferenças são observadas inclusive nos esportes Em primeiro lugar, é necessário que esteja absoluta-
e no cinema, onde os esportes de maior popularidade são mente claro o que a Base é e o que ela não é, para então
praticados estritamente por homens, mesmo que existam podermos entender e pensar sobre seus desdobramentos
as categorias femininas. No cinema e nos desenhos infantis, e impactos em nossas salas de aula. Vamos lá!
a esmagadora parte dos protagonistas são do sexo mascu-
A Base Nacional Comum Curricular é um documento
lino. Lembre dos personagens da Disney, dos protagonis-
que explora um princípio amplamente conhecido em ou-
tas de X-men, Tom e Jerry, Pica-pau e outros. Felizmente,
tras áreas de estudo, que é composto por Conhecimentos,
essa supremacia também vem diminuindo.
Habilidades e Aprendizagens. Os conhecimentos específi-
A análise do fenômeno "gênero" é extremamente com- cos e gerais, habilidades e aprendizagens essenciais pre-
plexa, repl eta de conceitos e preconceitos, e vem sendo vistos no documento devem ser desenvolvidos em todo
I

Foto: Getty lmages

o território nacional, nas redes públicas e privadas, e em independentemente da região, mas respeitando ao extremo
todas as etapas da Educação Básica. Assim, a Base deve ser as reg ionalidades. Dessa forma, é esperado que sejam redu-
vista como um conjunto de orientações que deve nortear a zidas as desigualdades educacionais presentes e latentes no
elaboração dos currículos. Brasil, elevando de fato a qualidade do ensino.
Outro objetivo muito claro é o de desenvolver, no alu-
Mas a Base não é Currícu lo, e também não é Projeto
no, habilidades e conhecimentos essenciais para a vida no
Pedagógico, não deve ser confundida com os PCN's (Parâ-
século XXI e, por vida, entenda-se todas as suas dimensões.
metros Curriculares Nacionais) e tampouco com as DCN's
Para isso, incentiva-se a modernização dos recursos e das
(Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica).
práticas pedagógicas, levando a uma necessária moder-
O documento é muito importante do ponto de vista nização dos recursos e das práticas pedagógicas, além de
prático, pois direciona a educação nacional para a forma- uma urgente atualização de todo o corpo docente e direti-
ção humana integral e para a construção de uma socie- vo das redes e das instituições de ensino.
dade justa, democrática e inclusiva. Esse ideal esteve pre-
Essa concepção está presente desde a introdução do
sente no documento desde o processo de construção, um
documento, mas permeia suas orientações e, de forma
processo altamente aberto, democrático e participativo,
totalmente inovadora, aponta uma orientação a partir de
com propostas e reuniões realizadas em todos os estados
"princípios éticos, políticos e estéticos".
do país.
Antes de fazer um recorte para a aplicação da BNCC em
O objetivo de se criar um documento assim é o de garan- sala de aula, é necessário atentar para alguns detalhes. O
tir aos estudantes de toda a nação o direito de aprender um documento apresenta um total de 1Ocompetências que de-
conjunto mínimo de conhecimentos e habilidades comuns, vem ser desenvolvidas em todo o Ensino Básico, e são elas:
1 - Valorizar e utilizar os conhecimentos historicamente zar o aluno ao tempo presente, às suas demandas e desa-
construídos sobre o mundo. fios, aos seus contextos e universalidades.
2 - Exercitar a curiosidade intelectual para investigar A BNCC orienta exaustivamente a aplicabilidade de
• causas, elaborar e testar hipóteses, formular e resolver pro- um conjunto mínimo de conhecimentos e habilidades,
blemas e criar soluções. que deverá ser trabalhado em sua totalidade em pelo
4 - Utilizar diferentes linguagens para se expressar e menos 60% dos conteúdos, ficando então o limite de
partilhar informações, experiências, ideias e sentimentos 40% de conteúdos para a 'parte diversificada; que deve
em diferentes contextos e produzir sentidos que levem ao abranger conhecimentos e habilidades que atendam as
entendimento mútuo. especificidades regionais e locais da sociedade onde a es-
cola estiver inserida. A definição desse importante grupo
S - Compreender, utilizar e criar tecnologias digitais de de conhecimentos deverá ser feita pelas redes de ensino,
informação e comunicação de forma crítica, significativa, mediante os profissionais de educação locais. Toda a co-
reflexiva e ética nas diversas práticas sociais. munidade escolar deve ler o documento e estar familiari-
6 - Valorizar a diversidade de saberes e vivências cul- zada com suas diretrizes.
turais e apropriar-se de conhecimentos e experiências que As competências específicas e suas respectivas habili-
lhe possibilitem entender as relações próprias do mundo dades são apresentadas no documento e deverão nortear
do trabalho. a criação dos currículos e dos próprios materiais, pois mui-
7 - Argumentar com base em fatos, dados e informa- tas delas são completamente inovadoras, não apenas no
ções confiáveis, para formular, negociar e defender ideias, uso de tecnologias de comunicação, mas na forma como
pontos de vista e decisões comuns. elas devem ser utilizadas, considerando o bem comum.

8 - Conhecer-se, apreciar-se e cuidar de sua saúde física No documento você encontrará a descrição de cada
e emocional, compreendendo-se na diversidade humana e campo de atuação social, e perceberá, sem sombra de dú-
reconhecendo suas emoções e as dos outros. vidas, que nossas aulas deverão ser centradas na práxis, na
tradução do teórico para o existencial, para o tangível na
9 - Exercitar a empatia, o diálogo, a resolução de confli-
percepção do adolescente do século XXI.
tos e a cooperação, fazendo-se respeitar e promovendo o
respeito ao outro e aos direitos humanos. A educação integral (não confunda com educação de
tempo integral) é um preceito na BNCC, e um sonho anti-
1O - Agir pessoal e coletivamente com autonomia, res-
go de muitos educadores, que entendem que a escola não
ponsabilidade, flexibilidade, resi liência e determinação.
prepara para a vida, mas é a própria vida, e assim sendo,
Podemos perceber a intencionalidade de contextuali- dela não pode ser dissociada.
...
ANOTAÇq~~
~
~1- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - ~ç,1- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
l"-----------------------------------------------------------------
I\ ~
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - A- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

---------------------------------------7 ------------------------
I

---------------------------------------_~~-A-----------------------
- - - -- - - - - -- - -- - - - - -- -- - -- - -- - -- - -- - - -; / -- - - - - - - - -- - -- - -- - -- - - - - -
-------------------------------------- 7 --------------------------
-----------------------------------------------------------------
/
------------- - ----------- - ---------- - ----- - ----------------------

Referências
ADICHIE, Chimamanda Ngozi Adichie. Todos Devemos Ser Feministas. São Paulo: companhia das Letras, 2015
AZEVEDO, Sérgio. A crise da política habitacional: dilemas e perspectivas para o final dos anos 90. ln . AZEVEDO, Sérgio de; ANDRADE,
Luís Aureliano G. de (orgs.). A crise da moradia nas grandes cidades - da questão da habitação à reforma urbana. Rio de Janeiro: Ed itora
UFRJ.1996.
GRECO, Alessandro. Transgênicos, o Avanço da Biotecnologia. Ed. Oir, s/d.
MARICATO, Ermínia. Brasil 2000: qual planejamento urbano? Cadernos IPPUR, Rio de Janeiro, Ano XI , n, 1 e 2
MOSER, Antonio. Biotecnologia e Bioética - Para Onde Vamos? Porto Alegre: Ed. Vozes, s/d
SANDBERG, Sheryl. Faça Acontecer. Queluz de Baixo, Portugal: Editorial Presença, 2012
SATRAPI, Marjane. Persépolis. Rio de Janeiro: Ed. Bertrand, 2015
YOUSAFZAI, Malaia; LAMB, Christina. Eu, Malaia . São Pau lo: Editorial Presença, 2016

Sites:
https:/ /brasil.elpais.com/ news.google.com.br www.globo.com
https:/ /istoe.com.br/ www.cartacapital.com.br www.revistavejacom.br
htt p:/ / revista pesqu i sa.fapes p.br /tag /biotecnologia/ www.foha.com.br www.vestibular.uol.com.br


,
,
DE ATUALIDA·DES

'

• '


• •

1. (ENEM 2016) 2. (ENEM 2016)


Participei de uma entrevista com o músico Renato Teixeira. Texto 1- Mais de mil refugiados entraram no território hún-
Certa hora, alguém pediu para listar as diferenças entre a mú- garo apenas no primeiro semestre de 201 S. Budapeste lan-
sica sertaneja antiga e a atual. A resposta dele surpreendeu çou os "trabalhos preparatórios" para a construção de um
a todos: "Não há diferença alguma. A música caipira sempre muro de quatro metros de altura e ao longo de sua fronteira
foi a mesma. É uma música que espelha a vida do homem no com a Sérvia, informou o ministro húngaro das Relações Ex-
campo, e a música não mente. O que mudou não foi a músi- teriores. "Uma resposta comum da União Europeia a este de-
ca, mas a vida no campo''. Faz todo sentido: a música caipira safio da imigração é muito demorada, e a Hungria não pode
de raiz exalava uma solidão, um certo distanciamento do país esperar. Temos que agir'; justificou o ministro.
"moderno". Exigir o mesmo de uma música feita hoje, num
Disponível em: http://www.portugues.rfi.fr. Acesso em: 19
interior conectado, globalizado e rico como o que temos, é jun. 2015 (adaptado).
impossível. Para o bem ou para o mal, a música reflete seu
próprio tempo.
BARCINSKI. A. Mudou a música ou mudaram os caipiras? Fo- Texto li - O Alto Comissariado das Nações Unidas para Refu-
lha de São Paulo, 4 jun. 2012 (adaptado). giados (ACNUR) critica as manifestações de xenofobia adota-
das pelo governo da Hungria. O país foi invadido por cartazes
nos quais o chefe do executivo insta os imigrantes a respei-
A questão cultural indicada no texto ressalta o seguinte as- tarem as leis e a não "roubarem" os empregos dos húngaros.
pecto socioeconômico do atual campo brasileiro: Para o ACNUR, a medida é surpreendente, pois a xenofobia
costuma ser instigada por pequenos grupos radicais e não
a) Crescimento do sistema de produção extensiva.
pelo próprio governo do país.
b) Expansão de at ividades das novas ru ralidades.
Disponível em: http://pt.euronews.com. Acesso em: 19 jun.
c) Persistência de relações de trabalho compulsório. 2015 (adaptado).

d) Contenção da política de subsídios agrícolas.


O posicionamento governamental citado nos textos é criti-
e) Fortalecimento do modelo de organização cooperativa. cado pelo ACNUR por ser considerado um caminho para o(a)
a) alteração do regime político. 5. (ENEM 2017)
b) fragilização da supremacia nacional. A primeira Guerra do Golfo, genuinamente apoiada pelas Na-
ções Unidas e pela comunidade internacional, assim como a
c) expansão dos domínios geográficos.
reação ill)ediata ao Onze de Setembro, demonstravam a for-

d) cerceamento da liberdade de expressão. ça da posição dos Estados Unidos na era pós-soviética.
'
e) fortalecimento das práticas de discriminação. HOBSBAWM, E. Globalização, democracia e terrorismo. São
Paulo: Cia. das Letras, 2007.

3. (ENEM 2017) 1
Um aspecto que explica a força dos Estados Unidos, aponta-
Art. 231. São reconhecidos aos índios sua organização social,
da pelo texto, reside no(a)
costumes, línguas, crenças e tradições, e os direitos originá-
rios sobre as terras que tradicionalmente ocupam, competin- a) poder de suas bases militares espalhadas ao redor do mundo.
do à União demarcá-las, proteger e fazer respeitar todos os
b) alinhamento geopolítico da Rússia em relação aos EUA.
seus bens. BRASIL. Constituição da República Federativa do
Brasil de 1988. c) política de expansionismo territorial exercida sobre Cuba.

Disponível em: www.planalto.gov. br. Acesso em: 27 abr. 2017 d) aliança estratégica com países produtores de petróleo
como Kuwait e Irã.
e) incorporação da China à Organização do Tratado do Atlân-
A persistência das reivindicações relativas à aplicação desse
tico Norte (Otan).
preceito normativo tem em vista a vincu lação histórica fun-
damental entre

a) etnia e miscigenação racial. •


6. (ENEM 2018)
b) sociedade e igualdade jurídica.
A instalação de uma refinaria obedece a diversos fatores téc-
c) espaço e sobrevivência cultural.
nicos. Um dos mais importantes é a localização, que deve
d) progresso e educação ambiental. ser próxima tanto dos centros de consumo como das áreas
de produção. A Petrobras possui refinarias estrategicamente
e) bem-estar e modernização econômica.
distribuídas pelo país. Elas são responsáveis pelo processa-
mento de milhões de barris de petróleo por dia, suprindo o
mercado com derivados que podem ser obtidos a partir de
petróleo nacional ou importado.
4. (ENEM 2017)
MURTA, A. L. S. Energia: o vício da civilização; crise energética
México, Colômbia, Peru e Chile decidiram seguir um caminho e alternativas sustentáveis. Rio de Janeiro: Garamond, 2011.
mais curto para a integração regiona l. Os quatro países, em
meados de 2012, criaram a Aliança do Pacífico e eliminaram,
em 2013, as tarifas aduaneiras de 90% do total de produtos A territorialização de uma unidade produtiva depende de di-
comercia lizados entre suas fronteiras. versos fatores locacionais. A partir da leitura do texto, o fator
determinante para a instalação das refinarias de petróleo é a
OLIVEIRA, E. Aliança do Pacífico se fortalece e Mercosul fica à
proximidade a
sua sombra. O Globo, 24 fev. 2013 (adaptado).
a) sedes de empresas petroquímicas.
b) zonas de importação de derivados.
O acordo descrito no texto teve como objetivo econômico
para os países-membros c) polos de desenvolvimento tecnológico.
a) promover a livre circulação de trabalhadores. d) áreas de aglomerações de mão de obra.
b) fomentar a competitividade no mercado externo. e) espaços com infraestrutura de circu lação.
c) restringir investimentos de empresas multinacionais.
d) adotar medidas cambiais para subsidiar o setor agrícola. 7. (ENEM 2018)
e) reduzir a fiscalização alfandegária para incentivar o consumo. O fenômeno da mobilidade populacional vem, desde as úl-
timas décadas do século XX, apresentando transformações TEXTO li
significativas no seu comportamento, não só no Brasil como
também em outras partes do mundo. Esses novos processos
• se materializam, entre outros aspectos, na dimensão interna, Metade da nova equipe da Nasa é composta por mulheres.
pelo redirecionamento dos fluxos migratórios para as cida- Até hoje, cerca de 350 astronautas americanos j á estiveram

no espaço, enquanto as mulheres não chegam a ser um ter-
des médias, em detrimento dos grandes centros urbanos; pe-
los deslocamentos de curta duração e a distâncias menores; ço desse número. Após o anúncio da t urma composta 50%
pelos movimentos pendulares, que passam a assumir maior por mulheres, alguns intern autas escreveram comentários
relevância nas estratégias de sobrevivência, não mais restri- machistas e desrespeitosos sobre a escolha nas redes so-
tos aos grandes aglomerados urbanos. ciais. Disponível em: https//catracalivre com br. Acesso em
10 mar 2016
OLIVEIRA, L. A. P.; OLIVEIRA, A. T. R. Reflexões sobre os deslo-
camentos populacionais no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 20 11
(adaptada). A comparação entre o anúncio publicitário de 1968 e a reper-
cussão da notícia de 2016 mostra a

A redefinição dos fluxos migratórios internos no Brasil, no pe- a) elitização da carreira científica.
ríodo apontado no texto, tem como causa a intensificação do •
b) qualificação da atividade doméstica.
processo de
c) ambição de indústrias patrocinadoras.
a) descapitalização do setor primário.
d) manutenção de estereót ipos de gênero.
b) ampliação da economia informal.
e) equiparação de papéis nas relações fami liares.
c) tributação da área residencial citadina.

d) desconcentração da atividade industrial.


9) (ENEM 2017)
e) saturação da empregabilidade no setor terciário.
A grande maioria dos países ocidentais democráticos adotou
o Tribunal Constitucional como mecanismo de controle dos
8. (ENEM 2016) demais poderes. A inclusão dos Tribunais no cenário político
implicou alterações no cálculo para a implementação de po-
TEXTO 1
líticas públicas. O governo, além de negociar seu plano políti-
co com o Parlamento, teve que se preocupar em não infringir
a Constituição. Essa nova arquitetura institucional p ropiciou
o desenvolvimento de um ambiente político que viabilizou a
participação do Judiciário nos processos decisórios.
CARVALHO, E. R. Revista de Sociologia e Política, n° 23. nov.
2004 (adaptado).

O texto faz referência a uma importante mudança na dinãmi-


ca de funcionamento dos Estados contemporâneos q ue, no
caso brasileiro, teve como consequência a

a) adoção de eleições para a alta magistratura.


b) diminuição das tensões entre os entes federativos.

c) suspensão do princípio geral dos freios e contrapesos.


d) judicialização de questões próprias da esfera legislativa.

- e) profissionalização do quadro de funcionári os da Justiça.


1O. (ENEM 2017) JONAS, H. O princípio de responsabilidade. Rio de Janeiro:
Contraponto: Editora PUC-Rio, 201 1 (adaptado).
Figura 1 Figura 2
~\
Recortt fotográfico do Maria Traje de coleção de
Bonita, década de 1930. Zuzu Angel. As implicações éticas da articulação apresentada no texto im-
pulsionam a necessidade de construção de um novo padrão
de comportamento, cujo objetivo consiste em garantir o(a)
a) pragmatismo da escolha individual.

b) sobrevivência de gerações futuras.


c) fortalecimento de políticas liberais.
d) valorização de múltiplas etnias.

e) promoção da inclusão social.

• 2017)
12. (UNICAMP,
"Não existem culturas ou civilizações ilhadas. (...) Quanto
mais insistirmos na separação de culturas e civilizações, mais
imprecisos seremos sobre nós mesmos e os outros. No meu
modo de pensar, a noção de uma civilização isolada é impos-
sível. A verdadeira questão é se queremos trabalhar para ci-
vilizações separadas ou se devemos tomar o caminho mais
integrador, mas talvez mais difícil, que é tentar vê-l as como
um imenso todo cujos contornos exatos uma pessoa sozinha
não consegue captar, mas cuja existência certa podemos in-
tuir e sentir.
(Edward Said. Reflexões sobre o exílio e outros ensaios. São Pau-
>B/P.J,J,1::,1 8. Oiepor"41om: wwwbro,elCIJI p-obt. Dlopon..,_ tm: _ _...~ _,,br,
Aotuo em: 18- mak> 2013. Aceaao em: 18 meio 2013. lo: Companhia das letras, 2002. P. 317.)

Elaborada em 1969, a releitura contida na Figura 2 revela as-


Sobre o conceito em q uestão e os contextos referidos pelo
pectos de uma trajetória e obra dedicada à
autor, é correto afirmar:
a) valorização de uma representação tradicional da mulher.
a) O processo de globalização provocou a destruição da cul-
b) descaracterização de referências do folclore nordestino. tura dos povos não ocidentais e, por isso, aumentou práticas
c) fusão de elementos brasileiros à moda da Europa. como o terrorismo a partir de 2001.

d) massificação do consumo de uma arte local. b) A ideia de civilização, como imaginada no século XIX, pro-
duziu a emancipação das Américas e o fim da disputa colo-
e) criação de uma estética de resistência. nial no mundo.
c) O conceito de civilização foi estabelecido na Grécia Antiga
11 . (ENEM 2016) e aperfeiçoado pelas práticas integradoras do imperialismo
do século XIX ocorridas na África.
A promessa da tecnologia moderna se converteu em uma
ameaça ou esta se associou àquela de forma indissolúvel. Ela d) A lógica de integração de culturas é negada por grupos
vai além da constatação da ameaça física. Concebida para a radicais e pelos defensores do princípio de que vivemos em
felicidade humana, a submissão da natureza, na sobremedi - um choque de civilizações.
da de seu sucesso, que agora se estende à própria natureza
do homem, conduziu ao maior desafio já posto ao ser huma-
no pela sua própria ação. O novo continente da práxis cole- 13. (UNICAMP 2018)
tiva que adentramos com a alta tecnologia ainda constitui, O referendo realizado no Reino Unido em junho de 2016 con-
para a teoria ética, uma terra de ninguém. duziu ao Brexit após 43 anos de adesão à União Eruopeia. São
a) Ascensão do taylorismo, protecionismo econômico e con-
potenciais consequências dessa decisão, nos níveis nacional
corrência com capitais europeus; deslocamento de indús-
e continental, respectivamente,
• trias para cidades vizinhas.
a) O pedido da Irlanda do Norte por um novo referendo para
b) Consolidação do regime de acumulação fordista: prote-
decidir sua permanência no Reino Unido e a continuidade da
cionismo econômico e concorrência com capitais europeus;
livre circulação da moeda europeia, o euro, no Reino Unido.
deslocamento de indústrias para outros países;
b) O pedido da Inglaterra por um novo referendo para decidir
c) Declínio do toyotismo; liberalização econômica e concor-
sua permanência no Reino Unido e a continuidade da livre
rência com capitais asiáticos; deslocamento de indústrias
circulação da moeda europeia o euro, no Reino Unido.
para cidades vizinhas.
c) O pedido da Escócia por um novo referendo para decidir
d) Ascensão do regime de acumulação flexível; liberalização
sua permanência no Reino Unido e o comprometimento da
econômica e concorrência com capitais asiáticos; desloca-
livre circulação de cidadãos europeus no Reino Unido.
mento de indústrias para outros países.
d) O pedido do País de Gales por um novo referendo para de-
cidir sua permanência no Reino Unido e o comprometimen-
to da livre circulação de cidadãos europeus no Reino Unido. 16. (UNICAMP, 2018)
Assinale a alternativa correta sobre a presença de agrotóxi-
cos de sementes transgênicas na agricultura brasileira.
14. (UNICAMP 2018)
a) O uso de agrotóxicos e sementes transgênicas associa-se à
Em junho de 2017, o governo dos Estados Unidos da Amé-
busca de maior produtividade, sobretudo em áreas de fron-
rica (EUA) se retirou do "Acordo de Paris'; assioado em 2015
teira agrícola.
por 195 países, Sobre as medidas previstas no Acordo para a
redução da emissão de gases do efeito estufa, e o motivo da b) As sementes transgênicas e o uso de agrotóxicos adequa-
saída dos Estados Unidos do referido acordo, é correto afir- dos ampliaram o interesse de países da União Europeia pelos
mar que: produtos agrícolas brasileiros.
a) São medidas deliberativas e os países signatários pagarão c) O uso de agrotóxicos no Brasil reduziu a necessidade de
multas pelo descumprimento das metas; os EUA não aceitam aproveitamento das sementes t ransgênicas nos cultives agrí-
o papel da ONU na função de agente fiscal izador. colas de grãos no país.
b) São medidas prepositivas e os países signatários deverão d) Por ser signatário de acordos internacionais, o Brasil redu-
definir metas para os próximos anos; os EUA não concordam ziu o uso de agrotóxicos e sementes transgênicas em área
com o controle externo sobre suas fontes poluidoras. próximas a mananciais.
c) São medidas restritivas e os países signatários sofrerão pu-
nições políticas e econômicas se não atingirem as metas; os
17. (UNESP, 2017)
EUA não aprovam a presença da Rússia no acordo.
Dado que o Presidente eleito Donald Trump articulou u ma
d) São medidas normativas e os países signatários deverão
visão coerente dos assuntos externos, parece que os Esta-
definir as estratégias a serem adotadas; os EUA não aceitam
dos Unidos devem rejeitar a maioria das políticas do pe-
assumir as mesmas responsabilidades da Índia, o maior po-
ríodo pós-1945. Para Trump, a OTAN é um mau negócio,
luidor do planeta.
a corr ida nuclear é algo bom, o presidente russo Vladimir
Putin é um colega admirável, os grandes negócios vanta -
josos apenas para nós, norte-americanos, devem substi-
15. (UNICAMP 2018)
tuir o livre-comércio.
Detroit foi símbolo mundial da indústria automotiva. Che-
Com seu estilo peculiar, Trump está forçando uma per-
gou a abrigar quase 2 milhões de habitantes entre as dé-
gunta que, provavelmente, deveria ter sido levantada há
cadas de 1960 e 1970. Em 201 O, porém, havia perdido mais
25 anos: os Estados Unidos devem ser uma potência glo-
de um milhão de habitantes. O espaço urbano entrou em
bal, que mantenha a ordem m u ndial - inclusive com o uso
colapso, com fábricas em ruínas, casas abandonadas, su-
de armas, o que Theodore Roosevelt chamou, como todos
pressão de serviços públicos essenciais, crescimento da
sabem, de Big Stick?
pobreza e do desemprego. Em 2013, foi decretada a falên-
cia da cidade. Essa crise urbana vivida por Detroit resulta Curiosamente, a morte da União Soviética e o fim da
dos seguintes processos: Guerra Fria não provocaram imediatamente esse debate.
Na década de 1990, manter um papel de liderança g lobal b) Cisjordânia e Jerusalém Oriental estabelecerem p lanos de
para os Estados Unidos parecia barato - afinal, outras na- ocupação com ideais socialistas no Oriente Médio.
ções pagaram pela Guerra do Golfo Pérsico de 1991. Nesse
c) Israel ter mantido a ocupação dos territórios, em desres-
conflito e nas sucessivas intervenções norte-americanas
peito ao acordo de paz de Yom Kipur.
' na antiga Iugoslávia, os custos e as perdas foram baixos.
Então, no início dos anos 2000, os americanos foram com- d) Israel consolidar a segregação entre hutus e tutsis, com a
preensivelmente absorvidos pelas consequências do 11 criação de assentamentos em regiões periféricas.
de setembro e pelas guerras e ataques terroristas que se
e) Cisjordânia e Jerusalém Oriental receberem refugiados os-
seguiram. Agora, para melhor ou para pior, o debate está
sétios, apesar do apoio israelense aos georgianos.
nas nossas mãos.
(Eliot Cohen. "Should the U.S. still carry a 'big stick'?''. www.
latimes.com, 18.01.2017. Adaptado.) 19. (UNESP, 2017)
Considerando os setores da economia, o conjunto das ativi-
dades intensivas em pesquisa, desenvolvimento e inovação
Um dos principais lemas da campanha presidencial de Do-
ligadas ao mundo da informação tecnológica indica a confi-
nald Trump foi "Make America Great Again''. Tal lema pode ser
guração do setor
associado à seguinte frase do texto:
a) especulativo.

a) "Com seu estilo peculiar, Trump está forçando uma per-
gunta que, provavelmente, deveria ter sido levantada há b) informal.
25 anos".
c) primário.
b) "O Presidente eleito Donald Trump articulou uma visão co -
d) transnacional.
erente dos assuntos externos''.
e) quaternário.
c) "Na década de 1990, manter um papel de liderança global
para os Estados Unidos parecia barato''.
d) "Os Estados Unidos devem ser uma potência global, que 20. (UNESP, 2017)
mantenha a ordem mundial". A industrialização contemporânea requer investimentos vul-
e)"Curiosamente, a morte da União Soviética e o fim da Guer- tosos. No Brasil, esses investimentos não podiam ser feitos
ra Fria não provocaram imediatamente esse debate''. pelo setor privado, devido à escassez de capital que caracte-
riza as nações em desenvolvimento. Além disso, o crescimen-
to econômico do Brasil, um recém -chegado ao processo de
18. (UNESP, 2017) modernização, processou-se em condições socioeconômicas
diferentes. Um efeito internacional de demonstração, na for-
Leia o texto e responda
ma de imitação de padrões de vida, entre países ricos e po-
Texto 1 - Depois de autorizar a expansão dos assentamentos bres, e entre classes ricas e pobres dentro das nações, resul-
em Jerusalém Oriental, Israel aprovou a construção de 2.500 tou em pressões significativas sobre as taxas de crescimento
casas na Cisjordãnia. (www.brasil.elpais.com, 24.01.2017. para diminuir a diferença entre nações desenvolvidas e em
Adaptado.) desenvolvimento. Em vista da aparição de melhores padrões
de vida, o governo desempenhou um papel importante no
Texto 2 - O Conselho de Segurança da ONU exigiu que Israel
crescimento econômico do Brasil
parasse de construir casas na Cisjordânia, incluindo Jerusa-
lém Oriental. O argumento é que os assentamentos "colocam (Carlos Manuel Pelaez e Wilson Suzigan. História monetária
em risco a viabilidade da solução de dois Estados". do Brasil. 1981. Adaptado)
(www.cartacapital.com.br, 02.02.2017. Adaptado.)

De acordo com o texto, uma das particularidades do proces-


so de industrialização brasileira é
O atrito entre Israel e o Conselho de Segurança da ONU deve-
-se ao fato de a) O controle das matérias-primas industriais pelas nações
imperialistas do planeta.
a) Cisjordânia e Jerusalém Oriental serem territórios palesti-
nos tomados por Israel na Guerra dos Seis Dias. b) A escassez de mâo de obra devido à sobrevivência da pe-
da biotecn0logia moderna.
quena propriedade rura l.
d) redução das emissões de gases de efeito estufa mediante
c) O domínio da política por setores sociais ligados aos pa-
o incentivo de atividades do 2° setor que promovam a degra-
drões da economia colonial.
dação florestal.

d) A emergência da industrialização em meio a economias
e) erradicação do conhecimento das comunidades locais e
internacionais já industrializadas.
populações indígenas sobre a utilização sustentável da diver-
e) A existência prévia de um amplo mercado consumidor de sidade biológica
produtos de luxo.
1
23. (UNICAMP, 2018)
21. (UNESP, 2018) Frequentemente o terrorismo recorre a ações de grande
Em 03.04.2017, o jornal EI País publicou matéria que pode impacto. Contudo, seu objetivo maior é o de influenciar
ser assim resumida: Os países _ _ _ não têm poder políti- os espíritos; antes de t udo, ele visa a aterrorizar, e se
co sobre os demais Estados Partes, mas possuem ferramen- distingue da criminalidade. lnovocando reivindicações
tas para tentar reconduzir a situação de um membro, caso políticas, de natureza social, econômica ou religiosa, o
esse se afaste dos princípios do Tratado de Assunção, assi- terrorismo
nado em 1991. Nessa perspectiva, insere-se a aplicação da •
a) Realiza-se apenas no âmbito internacional, enquanto a
cláusula democrática do bloco sobre ª---~ em função
criminalidade é marcada pelo objetivo primeiro do ganho
da crise política, institucional, social, de abastecimento e eco-
financeiro.
nômica que atravessa o país. As lacunas do excerto devem
ser preenchidas por: b) Realiza-se nacional e internacionalmente, enquanto a crimi-
nalidade é arcada pelo objetivo primeiro do ganho financeiro.
c) Realiza-se apenas no âmbito internacional, enquanto a
a) do Nafta - Argentina.
criminalidade é marcada basicamente por obj etivos ideoló-
b) do Mercosul - Bolívia. gicos

c) da ALADI - Venezuela. d) Realiza-se nacional e internacionalmente, enquanto a cri-


minalidade é marcada basicamente por objetivos ideológicos.
d) da ALADI - Bolívia.
e) do Mercosul - Venezuela.
24. (UNICAMP, 2017)
O estudo Arranjos Populacionais e Concentrações Urbanas
22. (ENEM, 2018) do Brasil (IBGE, 2015) identificou 294 arranjos populacionais
Chancelado na cidade de mesmo nome no Canadá em no País, de diferentes escalas e naturezas. O Arranjo Popu-
1987, o Protocolo de Montreal completa 30 anos em 2017. lacional da Região Metropolitana de São Paulo (SP) é carac-
Esse tratado é considerado um dos mais bem-sucedidos da terizado pela extensão e intensidade de seus fluxos: aproxi-
história, prescrevendo obrigações aos 197 países signatá- madamente 1.750.000 pessoas deslocam-se cotidianamente
rios em conformidade com o princípio das responsabili- entre os municípios que compõem o Arranjo para estudar e
dades comuns, porém diferenciadas à luz das diversas cir- trabalhar.
cunstâncias nacionais. O protocolo evidenciado no excerto Essa dinâmica espacial e melhor explicada pelo conceito de
estabelece metas para:
a) Migração interna.
a) eliminação das substâncias prejudiciais à camada de ozô-
b) Movimento pendular.
nio, a qual funciona como um fi ltro ao redor do planeta, que
protege os seres vivos dos ra ios ultravioleta. c) Migração urbano-urbano.
b) contenção dos fatores que contribuem para o processo de d) Movimento sazonal.
desertificação, o qual é derivado do manejo inadequado dos
recursos naturais nos espaços subtropicais úmidos.
25. (UNICAMP, 2017)
c) proteção no campo da transferência, da manipulação e do
uso seguros dos organismos vivos modificados, resu ltantes A presença de empresas globais que dominam o mercado de
tecnologia no mundo costuma gerar atritos com os governos Assinale a alternativa correta.
nacionais e impactos de diferentes dimensões em sua indús-
tria cultural e na privacidade dos indivíduos. Diante do poder
, dessas grandes empresas, os Estados nacionais buscam esta- a) Os atos de violência sempre implicam alegações irracio-
belecer regras antitrustes para o setor. nais e práticqs racionais que transformam os jogos das forças
sociais e as tramas de sociabilidade que envolvem as coleti-
(Adaptado de Farhad Manjoo, The New York Times/ Folha de vidades.
São Paulo, 11 /06/2016, p. 1 e 2).
b) A violência nasce como técnica de poder, exercita-se como
modo de preservar, ampliar ou conquistar a propriedade,
Com relação ao poder econômico e político das empresas adquirindo desdobramentos psicológicos desprezíveis para
globais de tecnologia digital e as ações dos governos nacio- agentes e vítimas.
nais, é correto afirmar que: c) Os atos de violência não têm excepcional significação, por-
a) A tecnologia digital representou uma expressiva reestrutu- que mantêm as mesmas formas e técnicas, razões e convic-
ração da ordem global. Houve maior democratização da cir- ções conforme as configurações e os movimentos da socie-
culação de informações pela internet e os Estados nacionais dade.
perderam totalmente o controle do conteúdo transmitido d) A violência entra como elemento importante da cultura
pelas redes digitais. política com a qual se ordenam ou se transformam as rela-
b) O poder das grandes empresas de tecnologia predomina ções entre os donos do poder e os setores sociais tornados
apenas nos países pobres, cujos Estados dispõem de limita- subalternos.
das legislações para o controle desses grupos econômicos
em seus territórios, sobretudo no que diz respeito às mídias
globais. 27. (ESPM, 2017)
c) As leis antitrustes surgiram no fina l do século XX e foram Associada à geografia de gênero, o feminismo brasileiro in-
criadas pelos Estados nacionais para o controle do poder tensificou-se:
econômico das empresas globais do mercado de tecnologia a) na primeira metade do século XIX durante a luta pela in-
digital, setor que costuma desenvolver práticas de mercado dependência.
anticompetitivas.
b) na segunda metade do século XIX durante o processo abo-
d) As empresas de tecnologia digital formam verdadeiros oli- licionista.
gopólios e controlam diversas redes informacionais; apesar
disso, elas ainda dependem das legislações dos Estados na- c) na metade do século XX durante a Segunda Guerra Mun-
cionais para a atuação nos territórios e comercialização dos dial e na luta contra a tirania de Hitler.
seus produtos. d) a partir dos anos 1970 para combater o quadro de exclu-
- e opressao.
sao -
26. (UNICAMP, 2017) e) apenas no século XXI com a ascensão de partidos de es-
"A fúria do tirano, o terrorismo de Estado, a guerra, o querda.
massacre, o escravismo, o racismo, o fundamentalismo,
o tribalismo, o nazismo, sempre envolvem alegações
racionais, humanitárias, ideais, ao mesmo tempo que
28. (ESPM, 2017)
se exercem em formas e técnicas brutais, irracionais No doloroso processo político que uma parcela da sociedade
enlouquecida. Em gera l, a fúria da violência tem algo brasileira reconhece como impeachment, enquanto outra de-
a ver com a destruição do 'outro', 'd iferente; 'estranho', núncia como golpe contra a ex-presidente Dilma Rousseff, a
com o que busca a purificação da sociedade, o exor- alternativa que identifica corretamente a(s) personagem(ns)
cismo de di lemas difíceis, a su blimação do absurdo envolvida(s) é:
embutido nas formas da sociabilidade e nos jogos das
a) Ex-procurador geral da República, José Eduardo Cardoso
forças sociais."
atuou como advogado da ex-presidente.
b) Os juristas Janaína Paschoal, Miguel Reale Jr. e Hélio Bicu-
(Octávio lanni "A violência na sociedade contemporânea'; em do foram os responsáveis pela elaboração do processo que
Estudos de Sociologia, Araraquara, v. 7, n. 12, p. 8, 2002) culminou com a cassação do mandato da presidente.
c) O ministro do supremo Ricardo Lewandowski coordenou de golpe pfomovida pelo exército.
os trabalhos do processo na Câmara dos Deputados, uma vez
b) o governo do Irã de ter financiado a tentativa de golpe
que esse é o precedente jurídico para cassação do chefe do
promovida pelo exército.
Executivo.
• c) o governo da Rússia de ter financiado a tentativa de golpe
d) O presidente Michel Temer assumiu com a legitimidade de
promovida pelo exército.
quem fora um dos deputados federais mais bem votados do
estado de São Paulo nas últimas eleições. d) os curdos de liderarem o golpe, com o propósito de esta-
belecerem o Curdistão.
e) O senador pelo PSDB e ex-candidato à p residência da Re-
pública Aécio Neves foi o elaborador da ação que culminou e) o clérigo Fettullah Gülen, teólogo exilado nos EUA, líder
com a perda de mandato da ex-presidente. do movimento Hizmet ("serviço"), de ter organizado o golpe.

29. (ESPM, 2017) 31. (ESPM, 2017)


Tratando do julgamento do impeachment de Dilma Rous- A ONG Médicos Sem Fronteiras anunciou nesta sexta (19)
seff, o colunista Elio Gaspari escreveu: Começa amanhã o que está retirando suas equipes de seis hospitais do norte
julgamento de Dilma Rousseff. Ela será condenada. Os jul- do lêmen, quat~o dias depois que um hospital gerido pela or-
gamentos que decidem o destino dos presidentes são po- ganização foi bombardeado, provocando a morte de 19 pes-
líticos. Quando Dilma entregar as chaves do Palácio da Al- soas e deixando 24 feridos. O ataque aéreo foi feito pela co-
vorada, estará encerrando um ciclo de 13 anos de poder do alizão liderada pela Arábia Saudita contra rebeldes houthis.
Partido dos Trabalhadores. Em 2003, Lula vestiu a faixa e a
Diário de Notícias, Lisboa, 21/08/2016
oposição foi para o poder. Hoje, ninguém haverá de dizer o
mesmo, Michel Temer era o vice-presidente de Dilma e seu Os houthis são:
primeiro escalão ampara-se em figuras que sustentaram o a) uma milícia radical alauita, aliada da Síria.
governo petista. O PT foi apeado do governo e, de uma ma-
neira geral, abriu espaço para quem nunca saiu dele. b) uma comunidade cristã que vive no lêmen.

Folha de São Paulo; 24/08/2016. c) uma milícia xiita que derrubou o governo do presidente
Abdo Rabbo Mansoor, em 2015.
Assinale a alternativa com o nome de um ministro do go-
verno interino de Michel Temer que confirma a constatação d) uma milícia rebelde aliada do Estado Islâmico.
apresentada no texto: e) uma milícia rebelde aliada da AI Qaeda.
a) Alexandre Moraes.
b) Raul Jungmann.
32. (ESPM, 2017)
c) Gilberto Kassab.
Entre 4 e 5 de setembro, em Hangzhou (China), 19 líderes
d) Renan Calheiros. de países e mais a União Europeia se reúnem para o G20.
e) Mendonça Filho. A cúpula reúne cerca de 85% do PIB mundial e um recorte
de polêmicas e tensões. Um país votou para se desgarrar
da União Europeia. Um tem pretensões de anexar parte do
30. (ESPM, 2017) vizinho. Outro tenta dominar águas do mar disputadas por
outras nações.
A Turquia viveu uma tentativa frustrada de golpe militar, em
15 de julho, que deixou ao menos 240 mortos. Desde então,
o governo tem promovido um extenso expurgo, demitindo e
wwwl .folha.uol.com.br/mundo/2016/08
detendo em diversos setores da população, como o exército
e o judiciário. Jornalistas também têm sido detidos no país.
Assinale a alternativa que apresente respectivamente os paí-
Folha de São Paulo, 22/08/2016. ses que vivem os problemas mencionados no texto:
a) Espanha - Rússia - Japão.
O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, acusou: b) Grã-Bretanha - Rússia - China.
a) o governo da Arábia Saudita de ter financiado a tentativa c) Grã-Bretanha - Alemanha - China.
d) Grécia - Alemanha - Japão. 35. (ESPM, JUNHO 2017)
e) França - Ucrânia - Coreia do Sul. Veja texto difundido pelo Banco Mundial a respeito das
perspectivas da economia mundial para 2017:

O crescimento global deverá atingir 2,7% apesar do fraco
33. (ESPM, JUNHO 2017)
investimento
Um mês depois de Donald Trump causar alarme ao reafirmar
O crescimento econômico global deverá acelerar modera-
seu apoio à decisão britânica de sair do bloco insinuando que
damente a 2,7% em 2017 após o baixo nível pós-crise do
outros países podem seguir o exemplo, seu vice, Mike Pence
visitou Bruxelas, onde se reuniu com Donald Tusk, presidente ano passado: à medida que os obstáculos à atividade dimi-
nuírem entre exportadores de produtos básicos nos mer-
do Conselho Europeu, nesta segunda (20) com a mensagem
cados emergentes e em economias em desenvolvimento.
de compromisso. (...) Pence também se reuniu com o secre-
Fonte: Banco Mundial, 2017.
tário-geral da OTAN e reiterou o apoio do governo Trump à
aliança. Disponível em: http:// www.worldbank.org/pt/news/press-
-rel ease/2017/01/10/global-growth-edges-up-to-2-7-per-
Folha de São Paulo; 21/02/2017
centdespite-weak-investment. Acesso: 27/02/2017 .

Surgida no contexto da Guerra Fria, em 1949, a OTAN é:
De acordo com estudos do Banco Mundial e baseado em
a) um programa de ajuda econômica que o s EUA direcionam seus conhecimentos, podemos afirmar que região do globo
para a Europa; que apresentará o maior crescimento nos anos futuros é:
b) um programa de incentivo cultural norte-americano aos a) América do Norte, em torno de 5%.
europeus;
b) Sul da Ásia, em torno de 7%.
c) um programa de intercâmbio científico entre EUA e Europa
c) Europa, em torno de 5%.
Ocidental;
d) América Latina, em torno de 4%.
d) uma aliança político-militar dos países ocidentais;
e) Leste Asiático, em torno de 10%.
e) uma aliança entre partidos políticos liberais atuantes nos
EUA e Europa

34. (ESPM, JUNHO 2017)


Concentração de refugiados sírios
A crise síria já produziu aproximadamente S
milhões de refugiados que se dispersaram, MARNEGROr-~-{
principalmente nos países vizinhos. De acor-
do com o mapa e com seus conhecimentos, o
país que abriga o maior número de refugiado
, . ,
SlrlO e:

Concentração de refugiados sírios Fonte: AC-


NUR, 2016. ,
SIRIA
Disponível em: http://www.acnur. org/que- MAR MEDITERRANEO
-hace/respuesta-a-emergencias/emergencia- ®
-en-siria/. Acesso: 27/02/2016. Bagdá
a) Iraque.
b) Egito.
c) Líbano. População de refugiados sirios
D menor de 5 mil
d) Alemanha. D de 5 mil a 25 mil
D de 25 mil a 50 mil
.___ _.__ __ _ _ _..u..,__""--"-- - 1 • de 50 mil a 100 mil
e) Turquia.
• de 100 mil a 250 mil
• de250mil
36. (ESPM, JUNHO 2017)
Em 2017, dois brasileiros, Roberto Azevedo e José Graziano
Leia o texto: da Silva, estão à frente de dois dos mais importantes progra-
Polêmico, o presidente se comparou ao líder nazista Adolf Hi- mas da ONU. Eles presidem, respectivamente:
• tler. Durante a entrevista, o mandatário relacionou a violenta a) UNICEF e OMS.
campanha antidrogas de seu governo com a prática de exter-
mínio de judeus pelo nazismo e afirmou que ficaria feliz em b) Banco Mundial e FMI.
massacrar viciados. Desde que o presidente assumiu o cargo, c) FMI e OMC.
em junho de 2016, a polícia matou mais de sete mil pesso -
d) PNUMA e UNESCO
as. Muitas dessas mortes são contestadas pela oposição ao 1
governo e por grupos de defesa dos direitos humanos. De e) OMC e FAO.
acordo com o presidente é necessário além de combater as
drogas aprofundar o combate à corrupção policial.
39. (UFRGS, 2017)
Jornal do Brasil; 04/03/2017
Sobre as migrações internacionais que ganham cada vez
O presidente e o país em questão são: mais destaque nos dias atuais, é correto afirmar que
a) Joko Widodo - Indonésia. a) a população, ao sair de seu país de origem, é denominada
b) Najid Razak - Malásia. imigrante e, ao entrar no novo país, é chamada de emigrante.

c) Prayuth Chan Ocha - Tailândia. b) o Brasil tem atraído poucos migrantes, em função das difi-
cu ldades de instalação e de adaptação da população.
d) Rodrigo Duterte - Filipinas.
c) as catástrofes naturais são as principais causas de migra-
e) Htin Kyaw - Mianmar ções externas.
d) as medidas tomadas pela maioria dos países desenvolvi-
37. (ESPM, JUNHO 2017) dos para restringir a entrada de imigrantes têm intensificado
o tráfico d e pessoas.
Como tem sido praxe e uma marca registrada em sua perfor-
mance, também na política externa Donald Trump produziu e) a crise econômica que afeta os países europeus afasta os
alvoroço em relação ao Oriente Médio ao: migrantes, motivo pelo qual não têm buscado abrigo nesse
continente.
a) declarar apoio aos rebeldes opositores que tentam derru-
bar o regime de Bashar ai Assad.

b) estreitar os laços com o regime dos aiatolás do Irã. 40. (UFRGS, 2017)
c) declarar que poderia reconhecer Jerusalém como capital Considere as afirmações abaixo, sobre a mobilidade urbana
de Israel. no Brasil.

d) retirar os grupos Hezbhollah e Irmandade Islâmica da lista 1- A mobilidade aumenta com a renda e varia em função das
de grupos terroristas. características econômicas e sociais das pessoas, além de vir
acompanhada de diferenças no uso dos modos de transpor-
e) solicitar aos países da OTAN a exclusão da Turquia da or- te.
ganização.
li - O modo "a pé" ainda representa parcela significativa dos
deslocamentos urbanos no Brasil, apesar do aumento de uso
38. (ESPM, JUNHO 2017) do transporte individual (carro).

Leia o texto: Ili- O investimento em trens, nas grandes metrópoles brasilei-


ras, tem transformado essa modalidade na maior transporta-
Muito embora a imagem da ONU esteja na maioria das vezes vin-
dora de passageiros.
culada à ideia de paz e guerra, a instituição vai muito além da me-
diação internacional, cumprindo importante papel na área social,
econômica, cultural, ambiental e de direitos humanos em todo o
Quais estão corretas?
mundo por meio de suas agências ou fundos, que são no total, 26.
a) Apenas 1.
Fonte: Geografia em Rede. E. Adão e L. Furquim. São Paulo,
FTD, 201 S. b) Apenas li.
c) Apenas Ili. Mulheres Economicamente Ativas em 201 O no mundo:
d) Apenas I e li.
e)l,ll elll 1- Os países mais ricos têm, proporcionalmente, maior quan-
• tidade de mulheres que participam do mercado de trabalho .
li - O mapa mostra que a participação da mulher nas ativi-
41 . (UFRGS, 2016)
dades econômicas está presente na maior parte dos países.
O deslocamento diário de pessoas entre municípios que fa-
zem parte de uma mesma região metropolitana é denomi- Ili- Os países considerados menos desenvolvidos possuem a
nado de maior participação relativa das mulheres na população eco-
nomicamente ativa.
a) migração pendular.
b) migração internacional.
Quais estão corretas?
c) migração interestadual.
a) Apenas 1.
d) emigração.
b) Apenas li.
e) êxodo rural.
e) Apenas I e Ili. •
d) Apenas li e Ili.
42. (UFRGS, 2016)
e) I, li e Ili.
Observe o mapa abaixo.

Considere as informações abaixo, contidas no mapa, sobre

Mulheres economicamente ativas 2010



(!•'
.. ,
~

\ ..
-_ ...-~..J,
~~ ..
.. "'=" ,,•\,\
..
rJ
D
D
menosae40
dtl40a 55 t
N
D de55a 70
- maisde70 300 O 1000Km
lfflfl
D sem dados

Fonte: <http://atlasescolar.ibge.gov. br/images/atlas/mapas_mundo/mundo_mulheres_ economicamente_ativas. pdf>.


Acesso em: 11 set. 2015.
- 43. (UFRGS, 2016) do Sul, estado que possui a segunda maior população indí-
Observe o mapa abaixo. gena do país, representam mais da metade do território do
estado.
• c) os conflitos do Centro-Oeste são recentes, fruto da expan-
Considere as afirmações abaixo, sobre a questão dos refugia-
são da agroindústria nos anos 2000.
dos.
d) os conflitos na região norte praticamente não existem
mais, uma vez que as empresas rurais estão concentradas
1- Os refugiados procuram principalmente países considera- nos estados do Centro-Oeste.
dos ricos e desenvolvidos.
e) menos da metade dos índios brasileiros vive em terras in-
li -Estados Unidos, Alemanha e França são os países que mais dígenas reconhecidas pelo governo
recebem refugiados.
Ili - O maior número de refugiados localiza-se em países da
45. (UFRGS, 2018)
África e da Ásia.
O relatório da Organização das Nações Unidas (ONU, 201 S)
afirma que a população mundial deverá chegar aos 9,7 bi-
Quais estão corretas? lhões em 2050.
a) Apenas 1. Disponível em <http://www.unric.org/pt/actualidade/31919-
-:o n u-projeta-que-popu lação-m u nd ia 1-ch eg ue-aos-8,5-bi-
b) Apenas li.
lhões-em-2030>. Acesso em: 30 ago. 2017.
c) Apenas Ili.
d) Apenas I e li.
Assinale com V (verdadeiro) ou F (falso) as seguintes afirma-
e) 1, li e Ili. ções sobre o crescimento da população mundial.
( ) As altas taxas de fertilidade e o
011Ll~ ~stau os r~rugic1dos du Muni.lo Meados de ?014 aumento da esperança de vida ao
nascer influenciam no crescimento
da população mundial projetado.
••
,._,..__ • T~rqul~
( ) O crescimento da população
mundial projetado está relacionado


- - : •. Líbano
ao aumento do controle de natali-
dade.
\ • •
' ••. ••••
••

• ' ·• ••
•••
•. _,. •
.,,.:
• ( ) O crescimento da população
mundial projetado está ligado ao
índice de crescimento natural, o

N' do rofugiad0$ ... t qual relaciona apenas taxa de mor-

e-- 1 IXlOOOO

• •
talidade e migrações.
( ) O crescimento da população
ll !.,(Xl lX)II
mundial projetado está relacionado
e 100.000
somente ao aumento das migra-
Fonte: Alto Comiss.>nado das N.>ções Unidas p.>ra os Refugiados (ACNUR): ções.
<hUp:J/www.unhCr.org/~aa91<fü9.html>. Acesso em: o~ out 201~.
44. (UFRGS, 2018)
A sequência correta do preenchimento dos parênteses, de
Sobre os conflitos de terra que envolvem os povos indígenas cima para baixo, é
brasileiros, é correto afirmar que
a) F -V -V -V.
a) a expansão das grandes empresas rurais esbarra no pro-
b) F - V - V - F.
cesso de demarcação de terras indígenas, o que tem motiva-
do violentos confrontos armados no Centro-Oeste do país. c) V -V - F - F.

b) as áreas destinadas aos povos indígenas no Mato Grosso d) V - F - F - F.


e) V - F - F - V. d) os estados do Nordeste tiveram uma variação percentual
inferior à média nacional. e) os estados do Sul pouco variaram
suas taxas, mantendo os mesmos números de denúncias.
46. (UFRGS, 2018)

As violações dos direitos humanos relacionadas à orienta-
ção sexual e à identidade de gênero, que vitimizam funda-
mentalmente a população LGBT, constituem um padrão que
envolve diferentes espécies de abusos e discriminações. Ob-
serve os dados do Disque Direitos Humanos (Disque 100) da
Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República,
para os anos de 2012 e 2013.
y
'
Acre 10 4 -60,00%
Alagoas 63 16 -74,60%
Amapá 6 4 -33,40% '
Amazonas 60 33 -45,00%
' Bahia 194 113 -41 ,80%
Ceará 143 76 -46,90%
e
Distrito Federal 236 60 -74,60%
......
••
'
Espírito Santo 73 50 -31,60%
Goiás 11 1 63 -43,30%
Maranhão ' 105 39 -62,90%
Mato Grosso 123 \7 -86,20%
Mato Grosso do Sul 44 ' 21 - -52,30%
... Minas Gerais 248 146 -41,20%
Pará 98 36 -63,30%
Paraíba 95 59 -37,90%
Paraná 181 73 -59,70%
Pernambuco 109 62 -43,20%
Piaui 66 104 57,60%
Rio de Janeiro 258 185 -28,30%
Rio Grande do Norte 72 47 -34 ,80%
Rio Grande do Sul 200 82 -59,00%
Rondônia 13 8 -38,50%
Roraima 7 2 -71 ,50%
Santa Catarina 58 35 -39,70
São Paulo 405 322 -20,50%
Sergipe 31 13 -58, 10%
Tocantins 15 6 -60,00%
casos de denúncias coletivas,
7 19 171,50%
com vitima difusa NA
Total 3031 169~ -44, 10%
Fonte: Oepa rtam ento de Ou vi doria Nacional dos Direi tos Hu manos - SO H/ PR
Acessoem: 20se t. 2017.

A partir dos dados acima, é correto afirmar que

a) as maiores quedas percentuais no número de denúncias


ocorreram em São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo e
Amapá.
b) o registro de denúncias diminuiu em todo o país.

c) a maior variação percentual ocorreu nos casos de denún-


cias coletivas, com vítima difusa, representados na tabela por
1
'NA'~
. -1..
• •
. -1 .. •.. • • • . •, . . '. .
ºi .•. .
' • ._
• •
•• • • • • •
• •
• . : . . . . ~ ç,~ •• •
'

' '
. ' '

• . .. -- - . .

• •
•• • -i

... .• ··-·
- t • •
.,... • . ----.. •
• • • •••••• - . .. -.. • ••• 1. •• : ...... --~- •.••: ••
• ..... t
. ••

••
..

-··,
. .
. .,;.,-:),
..
'"-:)./'\:.,..-r·····
.,..


•• • •

····,-·,·...,. ~- ,..... , .......---.-,--

• • ..
t······-·· ...........,....... !--·······



..
• t •• '


.
• • • • • t i

' .. . • .. 1 1 •• - -~. ;
••• • •

••? . • . .•. . ' • • .• <': • • -· ·- •• , ..... .

·.. . . .. 1 \ • • .1 .. ·- • • t •••

..
•. .. .


•• ...


• .. r l . : . - .
• • . ... • • •• •• . .
·~
l'Q.>;.
,•

.
• •
• "1 .
'
.

. . ' . .,' ...

. r • .. ' ~ •, • .... ,.. _..
• ' •
i ..
~V

.• •
•• ..• .- - - .
• 1
.. .. . . .. •

•. .

'
• '
- . ....

. .

- . . .. ...' ,,

-· 1 • t - ! ..•• ..• ..- -· .· ,.__ ._...


• •
.. --·· , . . ,. ,

'
. - . , . - ....
• • • • '


-•

1
•,·
1

• •
• •••

.. ' . . -. - • • 1 ,
.... ·--··
1
•.

. ' .. .. . . . 1...

. • :
'. . ' • •
. •• • •
-.. . -


••
.. ... -- .. -••... ,_ :··_ E:·COM ENTA;RIOlS: • • • • • •

'· • ~• .. -·

~

l - ~ - .. - t .


1

. . . ,,, ... •••' •• ••• •- ..



. •• • . • • -~•• .,. •
'
••
~
•t
• . '• • • •• ••
• r••

• . •.•• • ·I ••
t
•,•
f t
• 1 • • 1 • • • , , ....
.

r••1
I
••o•,
t• t 1
, ....
,• . . . .... .
• • •
...
'
• •
·- •
-

••
.
~

. • -
.
.-
. .
• )
1
. •1
. .•

- ••. .•
' '
. •• •• , . . ••

... •.. . . . . . .. . ...


' ' '
• • •
.. .. . . . . ... . .. .• •.
~ •
• • • .L•. '•

... . •.. --. . . . . .. -··' .- .. . .. .......




. ..1.
~-.

-
1
~ - ....
:
.
..
..

. . -, : •
.:i,~· ..
,,~.
•,


: ~~;
·..

·_ ~'
'. .~ ·: .: : .·:~: ~ : :· ..::·~'.-.:
. .. '
,,:._

..•- ·- .- -• .. . ••
:-..

. '· . ' -... . ..... ' .. .--- . -. ... . . -. .


• - - . -.
. . . . . .. . 7·.......
• .
1 t 1 ...,, t • • t I t 1

..•• • . •. • • .. . - .. •. •• . •. . ." • .... .. ... . . .


• • • • • ~ J ••

• • •
... ,

• 1.

• •
1 •
• •
• • • ••

• ••
. ... , .
• • • ' •• 1 • •· · • .,. · · .. • · -· • t • • ~,• ,
.. · ·,- .. • ·. • • .. -· •
'

1 - [B] 5 - [A]
O crescimento do setor rural, que está cada vez mais Com o fim da Guerra Fria, apoiada pela comunidade in-
subordinado aos interesses urbanos, reflete o crescimento ternacional e Naçôes Unidas, evidencia-se o poder interven-
econômico, e mudanças socioculturais, graças à tecnologia cionista dos EUA, devido ao seu posicionamento estratégico
utilizada. espalhados em diversas bases militares, durante o período
anterior.

2 - [E]
É a grande questão desses tempos. Em 2016, mais de
6 - [E]
4.000 pessoas morreram, ao tentar cruzar o Mediterrâneo, ou Refinarias precisam obedecer a fatores técnicos e logísti-
mesmo andando pelo interior da Europa, à procura de quem cos, localizar-se perto de centros de consumo, bem como de
os recebesse. É um dos graves problemas que a Europa vem áreas de produção, com boa infraestrutura circulatória.
enfrentando, somado à crescente xenofobia que, cada vez
mais, aparece entre a população. Os europeus temem por
seus postos de trabalho, e jogam nas costas dos refugiados 7 - [D]
problemas como criminalidade e até mesmo atentados ter-
As cidades tornam-se atrativas para as atividades indus-
roristas, que também vem aumentando no território.
triais porque oferecem incentivos fiscais e outro detalhe é a
saturação dos grandes centros urbanos. Nessas cidades, as
empresas ganham incentivos para ali implantarem suas fá-
3 - [C]
bricas. Isso vem provocando fluxos migratórios para essas
A preservação das culturas tradicionais indígenas e afro- cidades e deslocando a atividade industrial.
descendentes está preservada na Constituição Cidadã, como
ficou conhecida a Constituição de 1988.
8 - [D]
O texto I evidencia o machismo predominante nas socie-
4- [B]
dades conservadoras, que coloca a mulher em situação de
Essa redução de 90% das tarifas aduaneiras provoca ime- inferioridade. O texto li também mostra como o estereótipo
diata diminuição do valor dos produtos, deixando-os mais do gênero feminino ainda persiste na sociedade, colocando a
competitivos e fazendo crescer os mercados desses países. mulher como ser inferior e subjugada ao homem.
9- [D] uma decla)ação conjunta. Trump não concorda com o con-
trole externo das fontes poluidoras, alegando que o petró-
O tema dessa questão é pertinente à atual realidade po-
leo e o carvão são os combustíveis fósseis mais adequados
lítica brasileira, porque fala da crescente interferência do Po-
ao seu paJque industrial.
• der Judiciário para poder resolver questões que são próprias
do Poder Legislativo. Então, só o futuro é que poderá dizer se
isso é momentâneo ou se fixará dentro dos nossos poderes. •
~v
15 - [D]
A cidade mais populosa do estado de Michigan é De-
10 - [E] troit. A sede da Ford e da General Motors já fez parte do
maior parque automotivo dos EUA, o Motor City ou Moto-
Zuzu Angel fez a releitura da imagem de Maria Bonita em
wn, no passado. Porém, em 2013, com a crise econômica,
1969, onde pode-se ver que a estilista utilizou de uma figura
a cidade tornou -se a maior dos EUA a pedir falência. Com
do cangaço para desafiar o regime militar. Vale lembrar que o
isso, veio uma redução alarmante no número de morado-
filho de Zuzu, Stuart Edward Angel Jones, militava na esquer-
res que passou de 2 milhões para 713 m il. Nesse período,
da e desapareceu durante os anos de chumbo da ditadura
houve desindustrialização de proporções gigantescas. A
militar.
causa foi a migração de boa parte do parque industrial
para outras partes do país e até mesmo para a Ásia. Com
toda essa mudança, abandonou-se o modelo fordista, de
11 - [B]
produção em massa, que fo i substituído pela acumulação
Uma questão que envolve múltiplos conceitos, como éti- flexível. O resultado foi que seus alicerces fiscais foram
ca e comportamento, ética e ciência, compromisso humano demolidos. Nos últimos anos, porém, a cidade vem ga-
de construção do futuro, ciência e tecnologia... nhando novo fôlego, graças aos investimentos públicos e
privados. Isso está sendo possível porque os EUA vêm se
recuperando economicamente, acenando com melhorias
12 - [D] nos setores de serviços, comércio arte, turismo e gastro-
nomia.
A questão remete a um problema muito em voga nas úl-
timas décadas. O mundo ocidental, querendo estender seus
valores a povos e culturas diversas, teve como resposta uma
reação fundamentalista, regionalista e racionalista, que se
16 - [A]
opõe de forma radical a integrar-se com outras civilizações. Os produtos comerciais têm aumentado sua produção na
agricultura brasileira em detrimento dos gêneros alimentí-
cios. Mas isso t raz consequências: para se obter essa maior
13 - [C] produção e aumentar as exportações de grãos (e especial-
A Escócia passou a reivindicar novo referendo de inde- mente o milho e a soja), tem-se utilizado insumos como os
agrotóxicos, principalmente na fronteira agrícola do Centro-
pendência em relação ao Reino Unido porque o Brexit gerou
-Oeste, Nordeste e Norte.
insat isfação em âmbito nacional. Já em 2014, quando do re-
ferendo sobre isso que a Escócia realizou, o argumento forte
dos que eram contrários à Independência foi a permanência
na União Europeia. Para se entender melhor, o posiciona-
17 - [D]
mento do Brexit pode intervir e comprometer que europeus "Make Ame rica Great Again'; Tornar a América Grande Ou-
do Reino Unido e cidadãos britânicos circulem na Europa tra Vez, é a pretensão do presidente Donald Trump, já que A
continental. China ameaça a posição de potência mundial dos EUA.

14 - [B] 18 - [A]
A Conferência do Clima em 20 15 estabeleceu o Acordo O terceiro conflito árabe israelense, conhecido como A
de Paris, que prevê metas para reduzir-se as emissões de Guerra dos Seis Dias (1967), envolveu Israel e os países ára-
C02, segundos as metas de cada país em consonância com bes, como Síria, Jordânia e Egito. Como resu ltado desse con-
as metas conjuntas da União Europeia. Mas os Estados Uni- flito Israel conseguiu aumentar seu território, conquistando
dos retiraram-se do acordo em 2017, sob o comando do a Península do Sinai e a Faixa de Gaza, ambos pertencentes
Presidente Trump. Os demais membros do G-20, principal- ao Egito, as colinas de Golã, em Jordânia, e a Cisjordânia e
mente os que compõem a União Europeia, então, geraram Jerusalém Oriental, que pertenciam à Jordânia.
terrorista é associada a movimentos insurretos ou nacionalis-
19 - [E]
tas, que atingem interesses de um Estado ou de vários, tende
O setor da economia que é ligado ao quaternário ain- a ser classificada como criminosa. Mas as ações tidas como
da suscita muita especulação, porém mais relacionado criminosas tem objetivos financeiros, normalmente, como
' com as pesquisas, inovações e desenvolvimento da bio- roubos, furtos, sem que apresentem alguma intenção ideo-
tecnologia. lógica.

20 - [D] 24 - [B]
1
O desenvolvimento da indústria brasileira tem início no A Região Metropolitana de São Paulo apresenta uma
século XIX, mas foi somente na Era Vargas, a partir de 1930, enorme oferta e serviços e trabalho, que colabora e muito
que o processo se tornou mais dinâmico e consistente. Por para sua polarização. Por isso, apresenta um arranjo popula-
isso, comparando com o desenvolvimento de outros centros cional com intenso movimento pendular, pois alcança cida-
capitalistas, vê-se que, em nosso caso, esse desenvolvimento des em um raio de até mais de 100 km da capital, como San-
foi tardio. tos, Cubatão, Taubaté, Campinas, Bragança Paulista, Atibaia,
Jundiaí, entre outras.

21 - [E] J

A questão refere-se ao Tratado de Assunção, que foi assi-
25 - [D]
nado em 26 de março de 1991. Participaram desse tratado, A tecnologia digital provocou uma reestruturação de or-
Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai O objetivo foi criar um dem global e colocou em xeque o poder dos Estados Nacio-
mercado comum entre esses países. Esse tratado é conhe- nais. Com isso, viram minar o controle e ação das empresas
cido como Mercosul, Mercado Comum do ·Sul. Depois em globais de tecnologia no setor de telecomunicações que,
1994, assinou-se o Protocolo de Ouro Preto, como comple- por um lado, trouxeram a democratização das informações,
mento do Tratado de Assunção. Esse protocolo estabeleceu com uma melhor e mais apurada circulação, mas, por outro,
que o Tratado de Assunção fosse reconhecido juridicamente formaram grupos que têm interesses alheios ao Estado. Por
e internacionalmente como nação. A cláusula democrática, isso é que os Estados criam leis, como as de antitruste, para
que está contida no Tratado de Assunção, permite que os regrarem essas empresas, definindo o que podem fazer em
países membros aplique sanções aos países em que sejam seus territórios.
rompidos o fio institucional. Portanto, o Brasil, Argentina, Pa-
raguai e Uruguai determinaram "suspensão de natureza po-
lítica, por consenso, uma sanção grave de natureza política 26 - [D]
contra a Venezuela''.
No texto de lanni descrevem-se as várias práticas irracio-
nais da violência, como racismo, tribalismo, guerra, massacre,
nazismo, fundamentalismo que servem para estabelecer e
22 - [A] transformar as relações entre aqueles que são dominados e
O Protocolo de Montreal, que entrou em vigor em 1989, é aqueles que detêm o poder.
um tratado internacional. Seu objetivo é proteger a camada
de ozônio, reduzindo a produção e consumo de várias subs-
tâncias, que são causadoras de desgaste à camada de ozônio. 27 - [D]
A sociedade machista excluía ou limitava a participa-
ção feminina em diversas atividades importantes, como
23 - [B]
várias atividades de trabalho, política e até mesmo ati-
A questão do terrorismo ganhou mais destaque neste vidades sociais. Além disso ditava o comportamento da
século, devido às tensões e instabilidades que causam na mulher, o que ela podia ou não podia vestir, como e o
sociedade civil. Normalmente as ações terroristas são utiliza- que devia fa lar - e se devia fa lar. O feminismo nasce para
das para chamar a atenção para causas ideológicas e podem romper com isso. As primeiras feministas a organizarem
ser tanto internas quanto externas. Como podem influir no um movimento datam da Revolução Francesa, mas como
cenário político nacional e internacional costuma ser uma movimento organ izado, com significativa importância
das estratégias utilizadas por grupos radicais. Hoje, é um dos e participação popular, começa a ocorrer na década de
principais problemas do Direito Internacional porque sua 1960 na Europa. O Brasil tem suas primeiras manifesta-
definição não é consensual. Por exemplo, quando uma ação ções a partir de 1970.
28 - [B] 32 - [B]
O processo que terminou com a cassação do mandato de Os britânicos, em 23 de junho de 2016, em referendo po-
Dilma Rousseff foi conduzido pelos juristas Janaína Paschoal, pular, optaram por não fazer mais parte do bloco da União
• Miguel Reale Jr. e Hélio Bicudo. Europeia_ (EU). Vladimir Putin, presidente da Rússia, que é
um aliado do ditador sírio Bashar al-Assad, tem uma atuação
'
bastante controversa no que diz respeito ao ataque à facção
29 - [C] Estado Islâmico e também na guerra da Síria. E devido a ane-
xação que a Rússia fez da Crimeia e apoio aos separatistas do
Abaixo o texto completo, que teve um excerto apresen-
leste da Ucrâr ia, está sob sanções. Em julho de 2016, por sua
tado na questão:
vez, a China amargou uma derrota nos seus avanços sobre
"Quando Dilma entregar as chaves do Palácio da Alvora- os territórios na Ásia - um tribunal rejeitou seus argumentos
da, estará encerrado um ciclo de 13 anos de poder do Partido sobre os direitos históricos que possuía sobre o mar do sul
dos Trabalhadores. Em 2003, Lula vestiu a faixa e a oposição da China, ou seja, Pequim.
foi para o poder. Hoje, ninguém haverá de dizer o mesmo.
Michel Temer era o vice-presidente de Dilma e seu primeiro
escalão ampara-se em figuras que sustentaram o comissaria - 33 - [D]
do petista. Henrique Meirelles presidiu o Banco Central de
Criada em • 1949, a Organização do Tratado Atlântico
Lula, Eliseu Padilha e Gilberto Kassab foram ministros de Dil-
Norte (OTAN), durante a Guerra Fria, como aliança político-
ma. Mudança imediata, drástica e irrecorrível, só a do garçom
-militar liderada pelos EUA, tinha como objetivos principais
Catalão, do Palácio do Planalto, que hoje está no gabinete
defender o livre-comércio, proteção mútua dos países mem-
da senadora Kátia Abreu, ministra de Dilma e adversária do
bros e conter o bloco comunista.
impeachment:'
Folha de São Paulo; 24/08/2016.
34 - [E]
Até o final de 2017 aproximadamente 2,5 milhões de
Gilberto Kassab, que é o atual ministro da Ciência, Tecno -
refugiados da guerra da Síria foram recebidos pela Turquia,
logia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, ocupou o
que é o país que abriga a maior parte deles.
cargo de ministro das Cidades, no governo Dilma, entre ja-
neiro de 2015 a abril de 2016.
35 - [B]
30 - [E] A região que deve apresentar maior crescimento nos pró-
ximos anos está localizada no Sul da Ásia. Este crescimento
As Forças Armadas perpetuaram uma tentativa de golpe
está estimado em 7% e isso se deve, em grande parte, à fn-
de Estado na Turquiaov, a 15 de julho de 2016. Mas militares
dia. Segundo o Banco Mundial, as reformas que irão ocorrer
leais ao presidente Recep Tayyp Erdogan reverteram a situa-
devem diminuir os entraves aos suprimentos domésticos.
ção, frustrando o objetivo dos dissidentes. O clérigo islâmico
Com isso, a tendência é aumentar a produtividade.
Fethullah Gulen foi acusado pelo governo turco de ser o or-
ganizador do golpe.
36 - [D]
31 - [C] O fato ocorreu em uma entrevista coletiva, em 2016: o
polêmico presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, compa-
Atualmente, os houthis (xiitas), tribos sunitas, o grupo
rou-se a si mesmo com o líder nazista Adolf Hitler no que
Estado Islâmico, a Arábia Saudita, o Irã e o AI Qaeda mer-
toca à sua violenta política antidrogas e à sistemática polí-
gulharam o lêmen numa disputa sem precedentes. A mis-
tica de extermínio dos judeus pelo nazismo. Até o final de
tura é perigosa: os houthis, em formação de milícia, tenta
2017, Duterte contabilizava mais de 3 mil pessoas mortas
há vários meses aumentar sua influência na política do
em operações policiais por envolvimento com drogas.
lêmen. Como membros de um grupo rebelde conhecido
como Ansar Allah, que quer dizer"Partidários de Deus, que
assumiram uma versão xiita conhecida como zaidismo, já
37 - [C]
detêm o controle de grande parte de Saana desde 2014.
Eles já governaram o norte do país até 1962, por quase O presidente Donald Trump, em junho de 2017, decidiu
mil anos. que manteria a sua representação diplomática em Tel Aviv
por pelo menos seis meses, não a transferindo para Jerusa- são diários, ocorrem em áreas conturbadas, principalmente e
lém. À época, Trump assinou uma cláusula derrogatória para estão entre os mais intensos atualmente.
isso. Segundo sua própria administração, isso poderia com-
• plicar a retomada de conversas de paz entre Israel e Palestina.
A embaixada em Jerusalém foi inaugurada somente em 14
de maio deste ano, e o ato terminou por desencadear protes-
Não consta no mapa, mas os dados que se referem à
tos violentos em Gaza, deixando dezenas de mortes entre os
porcentagem de participação de mulheres na PEA total dos
manifestantes palestinos.
países em questão. Vem da África Subsaariana e do Sudeste
Asiático o maior número de mulheres. São países em desen-
volvimento ou subdesenvolvimento, portanto a alternativa 1
38 - [E] está incorreto. Países como África setentrional e do Oriente
Roberto Azevedo e José Graziano da Silva assumiram dois Médio, do subcontinente indiano, mesmo com leis restritivas
dos mais importantes programas da ONU. Eles presidem, des- aos direitos fem ininos e de acesso ao trabalho apresenta cer-
de 2017, a OMC e FAO. O embaixador brasileiro Roberto Aze- ca de 40% de participação da mulher na PEA. Mas são a África
vedo, inclusive, foi reconduzido ao cargo para um segundo Subsaariana, Botsuana, Gana, Moçambique, Zâmbia e Zim-
mandato de quatro anos como diretor-geral da instituição, bábue os países com maior participação da mulher na PEA.
que teve início no primeiro dia do ano de 2018. José Graziano •
foi eleito em 2012 e, após sua reeleição, vai ocupar o cargo de
diretor-geral da FAO (Organização das Nações Unidas para 43 - [C]
Agricultura e Alimentação) até julho de 2019.
Uma leitura atenta ao enunciado da questão revela uma
dica importante no título do mapa: onde estão os refugiados
hoje. Encontramos, no mapa, uma grande massa na Ásia e na
39 - [D] África, com um número considerável de refugiados sírios na
Na alternativa a, observamos uma inversão dos concei- Jordânia e Turquia. Isso se deve à guerra civil na Síria ou das
tos. Na b, mesmo o país enfrentando crises, muitos migran- ações extremistas do Estado Islâmico. Isso invalida as afirma-
tes vêm para cá. Na c, as catástrofes naturais não são o maior tivas I e li.
problema, porque são pontuais na emigração que acontece
muito mais devido aos conflitos de ordens territoriais e políti-
cas. Na e, a mesma situação brasileira se repete: mesmo com 44- [A]
a crise econômica europeia, a região atrai milhões de migran-
Há muito que os conflitos entre indígenas e proprietários
tes. E a d, que é a correta, porque quanto mais se criam nor-
de terra são um dos graves problemas do Brasil. Por conta
mas para se restringir o fluxo migratório, mais se intensifica o
de uma manobra de interiorização - os índios são, cada vez
tráfico de pessoas, como o dos coyotes em Tijuana.
mais, "empurrados" do litoral para o interior, as reservas do
Norte e Centro-Oeste são as maiores. E nenhum estado bra-
sileiro preservou mais da metade de sua área para os povos
40 - [D] indígenas (Roraima 46%, Amazonas 28%, Pará 22%), mesmo
Primeiro vamos conceituar mobilidade urbana: entende- com os grandes conflitos que existem nesses estados. E des-
-se que mobilidade urbana é a forma como acontecem os ses índios, 42,3% dos índios não estão nas terras originais/
deslocamentos nos espaços urbanos, que irão depende do reservas e destes, 78,7% habitam áreas urbanas.
nível de renda do usuário, da distância percorrida, que irá fa-
zer com que haja uma variação no tipo de transporte. Ainda
se utiliza muito o "modo a pé" e se usa cada vez mais automó- 45 - [D]
veis. Mas o ônibus ainda suplanta o transporte pelos trilhos.
Essa questão envolve projeções até 2050 para o cresci-
mento demográfico global. As principais variáveis que com-
põem a análise do crescimento demográfica são natalidade,
41 - [A] mortalidade e fluxos migratórios. Sabemos que a expecta-
Vamos entender os conceitos: migração internacional tiva de vida está aumentando, tornando-se uma realidade
acontece de um país para outro; interestadual é quando se estatística, mas temos de levar em consideração que isso é
migra de um estado para outro. Movimento de emigração sintomático nos pais economicamente desenvolvidos, pois
é quando se dá a saída de um país para outro: Exemplo: do nas nações subdesenvolvidas a história é diferente. Tem-se
Brasil para a Itália. Já êxodo rural é entendido como o deslo- de levar em consideração também as altas taxas de natalida-
camento campo-cidade. Agora, os movimentos pendulares de desses países, e ao associarmos esses dados, concluímos
que as projeções apontam para o crescimento da população 46 - [C]
mundial. Levemos em conta, também, que as políticas de
controle da natalidade estão perdendo forças como políti- O registro da tabela sobre denúncias feitas ao Disque
cas públicas, inclusive desde 2015 a China decretou o fim Direitos Humanos é dos anos 2012 e 2013. Esses registros
• foram feitos pela população LGBT e mostram o percentual
da Lei do filho único. O cálculo do crescimento natural ou
vegetativo é obtido subtraindo-se as taxas de mortalidade entre os dois anos. À exceção do estado do Piauí, todos os
das taxas de natalidade de uma região. E as migrações não outros tiveram decréscimo no número de denúncias. No
alteram o crescimento da população mundial, por se tratar Piauí, ao contrário, houve um acréscimo de 57% no núme-
de um movimento de deslocamento apenas. ro de denúncias.
1

'
rlQU[ POR DENTRO! RESUMO QU[STÕ[S HUNDIAIS
R[roRl1A TRABALHISTA, COH OS PRINCIPAIS FEHINISHO. RITUGIADOS.
ESCASStZ Dr ALIIDITOS. ACONT[CIHMOS ISRAn. , PALESTIHA.
SIDCOO.OC.IA PO 11Ull>O rustOOA&l.ML

Você também pode gostar