Você está na página 1de 41

Mediadores Educação e Formação de Adultos

EFA - NS
Curso EFA: Diferentes etapas

1. Formalização da Candidatura: SIGO;


2. Recrutamento da equipa pedagógica e formandos;
3. Diagnóstico: iniciado previamente (CNO) e/ou fase prévia ao
início do processo formativo (AA; PRA);
4. Início do processo formativo transversal: avaliação contínua
e transversal (PRA)
1. Definição dos temas de vida (estruturação do curso juntamente com os
formandos e equipa pedagógica)
2. Construção Curricular

5. Avaliação (atribuição de créditos): Júri de Validação

2
Operacionalização do RCC-NS
Desenho do RCC-NS

Adulto Cultura,
Sociedade,
em Situações Língua e
Tecnologia e de Vida Comunicação
Ciência

4
Adaptado de Olívia Santos Silva
Estrutura e organização

Cidadania e UC1 UC2 UC3 UC4 UC5 UC6 UC7 UC8


Profissionalidade 50 h 50 h 50 h 50 h 50 h 50 h 50 h 50 h

Cultura, Língua, UC1 UC2 UC3 UC4 UC5 UC6 UC7


Comunicação 50 h 50 h 50 h 50 h 50 h 50 h 50 h

Sociedade, UC1 UC2 UC3 UC4 UC5 UC6 UC7


Tecnologia e Ciência 50 h 50 h 50 h 50 h 50 h 50 h 50 h

5
U. Competência
Direitos e Deveres Reconhecer constrangimentos e
espaços de liberdade pessoal
(DR1)
Complexidade e
U. Competência
Mudança
Assumir direitos laborais inalienáveis e
Reflexividade e responsabilidades exigíveis ao/à
U. Competência
Pensamento Crítico trabalhador/a
(DR2)
U. Competência
Identidade e Alteridade
Reconhecer o núcleo de direitos
Convicção e fundamentais típico de um Estado
U. Competência
Firmeza Ética democrático contemporâneo
(DR3)
U.Abertura
Competência
Moral
Elencar direitos e deveres na
Argumentação e comunidade global
U. Competência
Assertividade (DR4)

U.Programação
Competência
Temas Competências Níveis de Complexidade
UC1 - Identificar direitos e deveres pessoais, colectivos
e globais e compreender da sua emergência e aplicação
Liberdade e Reconhecer

como expressões ora de tensão ora de convergência.


constrangimentos e
Responsabilidade espaços de liberdade Identificar situações de
Pessoal pessoal autonomia e
(DR1) (DR1) responsabilidades
partilhadas.
Direitos e Deveres

Assumir direitos
Direitos e Deveres laborais inalienáveis e Compreender as
Laborais
responsabilidades dimensões inerentes à
exigíveis ao/à construção e
(DR2) trabalhador/a
(DR2)
manutenção do Bem
Comum: Bem individual
vs. Bem público na
comunidade.
Reconhecer o núcleo
Democracia de dos fundamentais
típico de um Estado
Representativa e democrático Explicitar situações de
Participativa contemporâneo liberdade e
(DR3) (DR3) responsabilidade
pessoal.

Elencar direitos e
Direitos, Deveres e deveres na
comunidade global
Contextos Globais (DR4)
(DR4)
Cursos EFA de dupla certificação

Formação de Base – baseada no RCC-NS, mas de acordo


com a especificidade de cada curso (CNQ)

Saída Profissional UFCD UFCD UFCD3 UFCDn


25H 25H 50H 50H

Formação em
contexto de trabalho 210 h

As UFCD podem ter 25h ou 50h, dependendo da área


profissional (Catalogo Nacional de Qualificações)

8
Construção Curricular
Actividades Integradoras
• Tema gerador
• “é um caminho para atingir o saber, compreender e intervir
criticamente numa determinada realidade estudada”.

• Actividade integradora
• “É o ponto de encontro interdisciplinar para todas as áreas do
conhecimento e da formação”.

Construção Curricular
• Metodologia que nos permite operacionalizar os conceitos anteriores,
com vista ao constante crescimento do individuo, ao longo do
processo formativo.
Temas
Domínio
Núcleo Gerador Referência

Temas
Temas
Domínio Domínio
Referência Referência
Temas
Domínio
Referência

“Torna-se, assim, desejável, tanto no reconhecimento de competências como


na formação, o recurso a "actividades integradoras", em que o adulto possa
mobilizar diferentes competências na definição, análise, pesquisa e
resolução de problemas, gradualmente mais complexos, propostos em cada
actividade.”

REFERENCIAL DE COMPETÊNCIAS-CHAVE para a educação e formação de


adultos _ nível secundário, p. 20
Olívia Santos Silva
Área, que pelo seu carácter transversal, permite uma gestão flexível
das competências

Cidadania e
Profissionalidade UC UC UC UC UC UC UC UC

Cultura, Língua,
UC1 UC2 UC3 UC4 UC5 UC6 UC7
Comunicação

Sociedade,
UC1 UC2 UC3 UC4 UC5 UC6 UC7
Tecnologia e Ciência

Adaptado de Olívia Santos Silva


 Clarificação do conceito de competência

 Cruzamento entre aprendizagens formais, não formais e


informais
 Abordagem integrada de saberes e aprendizagens

 Adequação aos contextos de vida dos formandos

 Criação de ambientes propícios de reflexão e formação

Adaptado de Olívia Santos Silva


Trabalho Prático
Desenho Global
Área de Núcleo Unidade de
Temas Competência Critérios de evidência Tempo
Competência Gerador Competência

STC 50H

CLC 50H

CP 50H

UFDC Conteúdos
FT
UFCD
STC: UC nº __ CLC: UC nº __ CP: UC nº___

Competências DR Actividade Avaliação


Tempo
Área Temas STC CLC integradora de
processo

100H

(50H STC
+
STC
50H CLC)
CLC

CP 50H

Portefólio Reflexivo de Aprendizagens


UC:________________________ Tema: Gerador _______________

Intervenientes Áreas de Formação Tempo

Tarefas Áreas de Competências-Chave F. TECN.


Descrição
Form/Prof Adultos STC/ CLC CP UFCD

C. ev. C. ev. C. ev.

diferenciação pedagógica
Utilização do princípio da
Tarefas individuais
Tarefas colectivas

Descrição
exaustiva, clara e
precisa.

Indicação das
etapas
(sequencialidade)

Recursos

Avaliação
Portefólio Reflexivo de Aprendizagens
Elementos Estruturadores

Organização
curricular
Metodologias
de formação
Avaliação

Adaptado de Olívia Santos Silva


O Portefólio Reflexivo de Aprendizagem

Avaliação: competências,
Diagnóstico inicial
aprendizagens, modos de
Conhecimento do sujeito
aprender, evolução

10 sessões de 3H De 80 a 90H
Adaptado de Olívia Santos Silva
Modelo de Formação

• A Área de PRA (Portefólio Reflexivo de Aprendizagem)


• O PRA poderá ser desenvolvido em sede de RVC ou poderá ser iniciado com
o percurso formativo de um Curso EFA-NS (para o caso dos percursos
completos – Diagnóstico inicial);
• Deve ter sempre como base o registo autobiografico com o acréscimo das
competências adquiridas com a formação;
• É uma área transversal à Formação de Base e à Formação Tecnológica;
• É o documento de avaliação dos Cursos EFA-NS por excelência (a partir do
qual se operacionaliza o sistema de créditos do RCC-NS e se podem validar
também as competências profissionais adquiridas);
• Desenvolve-se com uma regularidade quinzenal, em sessões de 3 horas –
EFA Laboral; Sessões de 3h, mensalmente – EFA Pós-Laboral

21
Orientações para o PRA

• Cada área produz registos de evidências para o PRA –


orientado pelo formador;

• O trabalho a integrar no PRA não tem de ser necessariamente


o conjunto de trabalhos realizados pelo formando
Deve conter: a evolução dentro desses trabalhos,
assim como, dentro da área de formação;

• Criação de instrumentos de auto e hetero-avaliação pelo


formando, que permitam a reflexão com a equipa e com o
grupo em formação dos avanços e desenvolvimentos nas
competências individuais e colectivas
22
O Portefólio Reflexivo de Aprendizagens

Material: dossier, separadores


Organização: núcleos, temas, domínios
Identificação (instituição, nome, curso, nível)
Índice/guião: construído e reconstruído
Apresentação do Autor
Conteúdo:
Estrutura -recolha de Informação na Comunicação
Social, livros, Internet, outras fontes;
-trabalhos feitos nas sessões ou em casa;
-experiências realizadas, incidentes críticos;
-resumos, esquemas, relatórios, notas;
-fichas de leitura, diários de aprendizagem,
narrativas de aprendizagem, fotografias,
-entrevistas, pareceres (professores, colegas);
-outros documentos;
-razões da inclusão dos documentos;
-reflexões do formando;
-todos os documentos já avaliados, mesmo
Adaptado de Olívia Santos Silva se já reformulados
Exemplo de Organização do PRA

Índice
• Actividade de Apresentação: identificação do formando, do curso, da
entidade formadora e programas responsáveis pelo curso;
• Separador 1:

• AutoBiografia:
• Separador 2:

• Temas Geradores
• Actividades Formativas: individuais e em grupo (transversalidade das
áreas)
• Actividades de Avaliação
• Actividade Integradora
• Separador 3:

• Avaliação Final

24
O Portefólio Reflexivo de Aprendizagem
Critérios de
construção e
avaliação do
portefólio Apresentação, criatividade, originalidade

Organização: estruturação, sequencialidade

Adequada justificação/fundamentação dos documentos

Reflexividade, criticidade, problematização

Qualidade das reflexões e da (auto)análise desenvolvida

Representatividade, selectividade, diversidade, coerência

Datação, indicação das fontes

Correcção linguística, adequação ás competências

Iniciativa, autonomia, responsabilidade

Carácter aberto, flexível e dinâmico

Perseverança, melhoria constante


Adaptado de Olívia Santos Silva
Avaliação de cursos EFA

Formativa

Construção do Reguladora
portefólio: Sumativa
concertação com o Acompanhamento
mediador e os contínuo e Produto/resultado
formadores, partilha sistemático na final do portefólio:
de experiências, construção do reflexão final,
reflexões, portefólio: apreciação global,
problematizações, confronto entre o
reformulações, análise, anotações, Referencial de
relação entre as feedback, Competências-
competências antes aconselhamento, Chave, as
adquiridas e as orientações, novas competências
novas oportunidades de adquiridas e os
competências, aprendizagem créditos obtidos,
evolução validação e
certificação
Adaptado de Olívia Santos Silva
A Certificação

Em CP cada competência é validade quando se


evidencia um critério de evidência cuja complexidade é
de tipo III.
A Certificação
A Certificação
A Certificação

• Em STC e CLC para a competência ser validade, terão de


ser analisados os critérios de evidência das 3 dimensões
da competência, sendo que, em pelo menos uma das
duas dimensões, terá que se evidenciar, obrigatoriamente,
um crédito de complexidade tipo III, podendo as outras
duas dimensões, ter combinações diversas de tipo I e II,
mas nunca a sua ausência total.
• É obrigatório contemplar o núcleo gerador Saberes
Fundamentais.
A Certificação

2 áreas x 7UC x 4C = 56
88 Competências
1 áreas x 8UC x 4C = 32

São precisos, pelo menos, 44 créditos, dos 88


possíveis, para que o adulto obtenha um
certificado através deste sistema.

CLC = 14C

STC = 14C
44 Competências
CP = 16C
A Certificação

Competência 1 crédito

Identificação – Tipo I
Critério de evidência 1
Compreensão – Tipo II
Intervenção – Tipo III

Identificação – Tipo I
Critério de evidência 2
Compreensão – Tipo II
Intervenção – Tipo III

Identificação – Tipo I
Critério de evidência 3 Compreensão – Tipo II
Intervenção – Tipo III
A Certificação

Para a obtenção de um crédito, o adulto deverá evidenciar, de forma

integrada, uma competência, a partir de critérios de evidência e dos três

elementos de complexidade: I - Identificação e Precisão; II - Compreensão,

Transformação e Transposição; III - Intervenção, Inovação e Autonomia.

Não existe uma necessária hierarquização destes três elementos, já que

uma competência é entendida como um todo.

A competência do candidato deverá ser reconhecida sempre que o

candidato revele capacidade de acção (ao nível da identificação,

compreensão e intervenção), utilizando instrumentos conceptuais e

materiais.

Adaptado de Olívia Santos Silva


Trabalho Prático
Análise do PRA: avaliação

• Critérios de avaliação para cada actividade integradora:

• Critérios de avaliação final do PRA:

• Construção de tabelas de registo

36
Dossier Técnico-pedagógico: Modelo de
organização

Organização/Funcionamento

1. Formulário de Constituição do Curso (SIGO)

2. Publicidade e informação produzida para divulgação do curso

3. Identificação do curso – Formulário de constituição do curso EFA


(CNQ)

4. Construção curricular – Desenho Global

5. Cronograma – Horário do curso

6. Sumários e folha de presenças

37
Dossier Tecnico-pedagógico

Formandos
1. Nota explicativa da selecção dos formandos
2. Ficha de inscrição
3. Relação dos formandos: documentação
4. Registos de acompanhamento
5. Resultados do processo de RVC (CNO) e/ou da área de PRA fase de
diagnóstico
6. Contrato de formação com os formandos
7. Registos da avaliação formativa
Tema gerador:
Tema gerador:
Tema gerador
Avaliação Final: Cópias dos Termos e Diplomas

38
Dossier Tecnico-pedagógico

Formadores

1. Identificação dos formadores e do mediador

2. Curricula dos formadores e mediador e respectivo Certificado de


Aptidão Profissional (CAP)

3. Contrato com os formadores

4. Actas das reuniões da equipa pedagógica

5. Avaliação do desempenho dos formadores

39
Dossier Tecnico-pedagógico

Construção Curricular

Tema Gerador 1:

1. Construção Curricular
2. Equipamentos usados
3. Material Fornecido
4. Trabalhos realizados
5. Relatórios de Actividades realizadas
6. Registos da avaliação

Tema Gerador 2:

1. Construção Curricular
2. Equipamentos usados
3. Material Fornecido
4. Trabalhos realizados
5. Relatórios de Actividades realizadas
6. Registos da avaliação

40
• www.anq.pt
• www.novasoportunidades.gov.pt
• www.catalogo.anq.gov.pt
• http://novasoportunidades.ning.com

• Contactos:
• formacao@knowit.pt

Você também pode gostar