Você está na página 1de 4

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA BAHIA

2ª TURMA RECURSAL DOS JUIZADOS ESPECIAIS


Processo Nº. : 0014930-06.2016.8.05.0080

Classe : RECURSO INOMINADO


Recorrente(s) : HSBC BANK BRASIL S A BANCO MULTIPLO

Recorrido(s) : SOLANGE SOUSA MARQUES FERNANDES ME

Origem : 1ª VARA DO SISTEMA DOS JUIZADOS - FEIRA DE


SANTANA
Relatora Juíza : MARIA AUXILIADORA SOBRAL LEITE

VOTO- E M E N T A

RECURSO INOMINADO. CONSUMIDOR. NEGATIVAÇÃO INDEVIDA.


ALEGAÇÃO DE INEXISTÊNCIA DE RELAÇÃO JURÍDICA. AUSÊNCIA
DE CONTRATAÇÃO. RÉU QUE NÃO JUNTA AOS AUTOS
INSTRUMENTO CONTRATUAL, NEM ELEMENTOS INDICATIVOS DA
REGULAR AVENÇA. (ART.373, INCISO I DO NCPC). COBRANÇA
INDEVIDA. INSCRIÇÃO DO NOME DA PARTE AUTORA NOS
CADASTROS DE PROTEÇÃO DE CRÉDITO. DANO MORAL IN RE
IPSA. QUANTUM REDUZIDO, PARA ADEQUAÇÃO AOS PARÂMETROS
DA RAZOABILIDADE E PROPORCIONALIDADE. SENTENÇA
PARCIALMENTE REFORMADA.

1. Trata-se de recurso inominado interposto contra sentença que julgou


procedente em parte a ação, declarou a inexigibilidade da dívida impugnada e
condenou a ré em R$ 8.000,00 ( oito mil reais) em virtude do protesto indevido de
títulos emitidos em seu nome realizados pela empresa ré.

A parte recorrente busca a reforma da sentença, aduzindo , em síntese, que não praticou
qualquer ato ilícito, por serem devidos os valores que foram objeto de protesto do título ,
que os pagamentos realizados não teriam sido comunicados pela ré STAR FEST
INDUSTRIA E COMERCIO DE ARTEFATOS PLASTICOS LTDA ME, o que excluiria a sua
responsabilidade; pugna ainda pela redução do quantum condenatório arbitrado a título de
danos morais.
1. A despeito das alegações da acionada sobre a legalidade do protesto, não
apresenta documentação que corrobore suas alegações. Com efeito, a parte
acionante faz prova nos autos do pagamento dos títulos que foram gerados pela ré
STAR FEST INDUSTRIA E COMERCIO DE ARTEFATOS PLASTICOS LTDA ME, relativos à
transação comercial realizada, cumprindo assim com o ônus probatório do fato
constitutivo do seu direito. A s rés, por seu turno, não comprovam a legitimidade do
protesto do título, e nem demonstram a legitimidade da constituição da dívida que
embasou o procedimento de cobrança, o que configura o ato ilícito indenizável.
2. A parte autora, ademais, colaciona aos autos consulta do órgão de proteção
ao crédito no evento 01, em que consta o apontamento indevido, por solicitação da
demandada, desincumbindo-se assim do ônus de provar o fato constitutivo de
seu direito , nos termos do art.373, inciso I do CPC. É cediço na
jurisprudência pátria que a negativação do nome do consumidor nos
cadastros de proteção ao crédito por cobrança indevida gera dano moral in re
ipsa, que prescinde de comprovação.
3. . O valor da reparação do dano moral deve ser fixado de acordo com os
princípios da razoabilidade e da proporcionalidade, os quais, em síntese apertada
querem significar, aquilo que é justo e na medida certa.

4. Da mesma forma, a fixação do montante indenizatório deve guardar uma


equivalência entre as situações que tragam semelhante colorido fático. As
variações nos valores das indenizações existem conforme as circunstâncias fáticas
que envolvam o evento.

Inobstante, entendo que o valor arbitrado a título de danos morais


exorbitou da justa medida, e violou os parâmetros da razoabilidade e
proporcionalidade, sendo mister a sua redução, como forma de atenuar o
desequilíbrio gerado pela condenação imposta, sem deixar de reconhecer a
reprovabilidade da conduta perpetrada.
5.
6. ISTO POSTO, voto no sentido de CONHECER e DAR PROVIMENTO AO
RECURSO INTERPOSTO, para reduzir o quantum condenatório arbitrado a
título de danos morais, que fixo em R$ 4.000,00 ( quatro mil reais), corrigidos
conforme definido em sentença.. Sem custas processuais e honorários
advocatícios pelo êxito da parte no recurso.

7. Salvador, Sala das Sessões, 06 de JULHO de 2017


8. BELA. MARIA AUXILIADORA SOBRAL LEITE
9. Juíza Relatora
10. BELA CÉLIA MARIA CARDOZO DOS REIS QUEIROZ
11. Juíza Presidente

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA BAHIA

2ª TURMA RECURSAL DOS JUIZADOS ESPECIAIS


Processo Nº. : 0014930-06.2016.8.05.0080

Classe : RECURSO INOMINADO


Recorrente(s) : HSBC BANK BRASIL S A BANCO MULTIPLO

Recorrido(s) : SOLANGE SOUSA MARQUES FERNANDES ME

Origem : 1ª VARA DO SISTEMA DOS JUIZADOS - FEIRA DE


SANTANA
Relatora Juíza : MARIA AUXILIADORA SOBRAL LEITE

ACÓRDÃO
Acordam as Senhoras Juízas da 2ª Turma Recursal dos Juizados Especiais
Cíveis e Criminais do Tribunal de Justiça do Estado da Bahia, CÉLIA MARIA
CARDOZO DOS REIS QUEIROZ –Presidente, MARIA AUXILIADORA SOBRAL
LEITE – Relatora e ALBÊNIO LIMA DA SILVA HONÓRIO, em proferir a seguinte
decisão: RECURSO CONHECIDO E PARCIALMENTE PROVIDO . UNÂNIME, de
acordo com a ata do julgamento. Sem custas processuais e honorários advocatícios
pelo êxito da parte no recurso.
Salvador, Sala das Sessões, 06 de JULHO de 2017
BELA. MARIA AUXILIADORA SOBRAL LEITE
Juíza Relatora
BELA CÉLIA MARIA CARDOZO DOS REIS QUEIROZ
Juíza Presidente