Você está na página 1de 5

PREGAÇÃO EXPOSITIVA

Guilherme Alves da Silva

A estrutura homilética de um sermão expositivo é essa:

--------------------------------------------------------------

1. INTRODUÇÃO

Você começa falando algo que chame a atenção. Pode ser uma história engraçada,
ou perguntas que vão despertar curiosidade. Essa parte é importante, porque se
você começar chato, ninguém vai ouvir mais nada que você disser, mas se você
começar prendendo a atenção deles será mais fácil mantê-los acompanhando até o
final. Principalmente se as perguntas que fizer agora, só forem plenamente
respondidas no final, eles ficarão curiosos e interessados até lá.

Ex.: Há uma história na bíblia de um grupo de grupo de homens não crentes que
gostava de se meter com demônios, e diziam “Em nome de Jesus, a quem Paulo
prega, ordeno que saiam”. Numa dessas, o demônio disse que conhecia Jesus e a
Paulo, mas não a eles, então os atacou com tanta violência que eles fugiram
pelados e feridos. Qual o problema desses jovens? Eles não tinham poder para
expulsar os demônios, não levavam a mensagem correta, e acabaram humilhados e
fracassados... Afinal, o que lhes faltava? Vamos para as escrituras.

2. TEMA
Nada menos que o assunto do texto. Geralmente é uma frase, afirmativa, simples e
direta. É o centro do tema que o autor (e não você) está escrevendo, e também é
sobre o que você falará no sermão. Anunciar antes da leitura do texto faz com que a
igreja já vá com um pensamento enviesado, não ficarão perdidos, se perguntando o
que tem a ver Jesus com Genésio, mas saberão o que devem observar.

Ex.: Irmãos, hoje nós meditaremos sobre A ação do Espírito Santo na vida da igreja.
3. LEITURA DO TEXTO
É importante ler toda perícope (ou seja, todo o texto que será trabalhado). Leia sem
pressa do início ao fim, sem interrupções. É como se você estivesse voando de
helicóptero sobre a floresta antes de entrar nela. Você pode orar antes ou depois de
ler o texto, fica ao seu critério.

Ex.: Portanto, abra sua bíblia em Atos 2.

4. ELUCIDAÇÃO
Aqui você dá o contexto da passagem, localiza as pessoas do que estava
acontecendo quando o texto aconteceu. Você também pode citar quem escreveu. O
importante aqui é ajudar as pessoas a se localizarem. Depois dê um resumo do
texto, com suas próprias palavras. Não precisa gastar muito tempo, mas considere
que entre seus ouvintes pode ter pessoas que nunca tiveram contato com os textos
bíblicos, então eles podem estar meio perdidos.

5. SENTENÇAS
Você precisa de três sentenças, ou frases, importantes, no caso:

A. Proposição: A tese que você defenderá. Está diretamente ligada ao tema, mas é
ele agora apresentado na forma de uma Verdade eterna que está contida naquele
texto. Uma frase curta, afirmativa, imutável, clara e forte.

Ex.: Amados, a grande verdade eterna que salta desse texto é A Igreja de Jesus
precisa do Espírito Santo.

B. Interrogação: Ataque sua própria tese com perguntas. Estas são as questões
que surgem a partir da proposição, elas conduzirão o sermão, e por isso devem ser
suficientemente respondidas nele.

Ex.: A questão é: Por que e para quê a Igreja precisa do Espírito Santo?

C. Transição: A frase que criará uma ponte entre a parte inicial do sermão e o corpo
dele. Dê um nome para suas divisões, pode ser verdades, motivos, fatos, etc.
Ex.: Este texto nos dá alguns dos principais motivos para os quais a Igreja precisa
do Espírito Santo. Acompanhe comigo...

6. EXPOSIÇÃO
Você deve encontrar os tópicos principais do texto e dentro dos tópicos você pode
(ou não) elencar subtópicos. Os tópicos vão estar diretamente ligados à proposição,
enquanto os subtópicos estarão ligados aos tópicos. Geralmente 3 são o ideal. Esta
é sua argumentação, o corpo do seu sermão, a parte mais longa e mais importante.

Ex.: 1. A igreja vive pelo poder do Espírito Santo (v.1-13)


2. A igreja prega a mensagem do Espírito Santo (v.14-40)
3. A igreja desfruta os efeitos do Espírito Santo (v.41-47)

7. APLICAÇÃO
Quando você aplica todo o estudo na vida dos ouvintes. Isso é muito importante!
Michael Lawrence, escrevendo sobre isso, diz: “Sem aplicação? Então você não
pregou!” Você pode aplicar tudo no final do sermão, ir aplicando ao fim de cada
tópico, ou expor e aplicar o texto ao mesmo tempo (level hard). Aqui também você
apresentará DUAS atitudes que seus ouvintes devem colocar em prática em suas
vidas a partir do que foi exposto por você.

Ex.: Não por métodos mirabolantes, modismos, eventos grandiosos, convidados


renomados, ou ferramentas humanas que a igreja vive ou cresce, mas é pelo
poder do Espírito de Deus, se alimentando da palavra de Deus, conforme a
soberana vontade de Deus. Portanto:
ATITUDE 1: Seja cheio do Espírito Santo.
ATITUDE 2: Ame, pregue e viva o Evangelho

8. CONCLUSÃO
A conclusão do sermão é formada por três elementos combinados:

A. Uma retomada do assunto da introdução, de forma a encaixá-lo na perspectiva


apresentada no sermão.
B. Uma dedução das suas divisões. Não é a repetição delas, e nem um quarto
tópico, mas é o resultado da soma delas. A conclusão que pode ser tirada a partir de
tudo o que você disse.

C. A frase que irá fechar sua pregação, que é a cereja do bolo, aquilo que você quer
que eles fiquem pensando o resto da semana.

Ex.: Os homens do início do sermão, que levaram uma surra do endemoninhado,


tinham boa vontade, tinham um bom método, mas faltava a eles o Espírito Santo.
Eles eram fracos, sua mensagem baseada em elementos humanos, e o resultado foi
terrível. De igual modo somos nós, de igual modo é a igreja. O Espírito Santo é a
vida da igreja, é o que faz ela ser relevante e produzir frutos duradouros. Portanto,
se você esquecer tudo o que eu disse, lembre-se disso: Sem o Espírito Santo você
está morto e condenado ao inferno, mas com Ele você terá vida, e vida eterna.

--------------------------------------------------------------

ADENDOS
Existem ainda três coisas devem ter no seu sermão, que devem ser utilizadas por
entre as divisões. A primeira e a segunda são bastante relevantes, mas a última é
simplesmente vital.

• CITAÇÃO
É sempre bom você citar pelo menos uma frase de um autor proeminente. Mostra
que você não está inventando a roda, que pesquisou e tem subsídio histórico, além
de enriquecer sua mensagem.

Ex.: Comentando esse texto, Hernandes Dias Lopes destaca: a igreja tinha doutrina
e vida, ortodoxia e piedade, credo e conduta. Os crentes não negociavam a verdade
nem abriam mão da comunhão. A igreja era fiel à doutrina, mas também
perseverava nas orações. [...] Naquela igreja o poder de Deus não era apenas um
artigo de fé, mas uma experiência diária!
• ILUSTRAÇÃO
Não é totalmente obrigatório, mas é útil usar uma ilustração para deixar ainda mais
claro algo no texto, ou a ideia geral dele. Use a criatividade, mas cuidado pra não
viajar na maionese e deixar o povo ainda mais perdido.

Ex.: Meus irmãos, podemos comparar a igreja a uma locomotiva, e o Espírito Santo
ao vapor. Sem Ele, o trem é frio, parado e inútil. Assim como o vapor aquece a
locomotiva, faz ela se mover pelo mundo, seguindo seus trilhos, o Espírito Santo é
essencial à igreja para mantê-la viva, caminhando e relevante.

• APONTAMENTO CRISTOLÓGICO
Não importa se você vai falar de Jesus na exposição, na aplicação ou na conclusão,
mas você precisa apontar para a cruz em algum momento. Talvez exista entre seus
ouvintes alguém que não é convertido, eles precisam ouvir o evangelho. Não se
preocupe, você não precisará inventar o que falar, ou forçar algo no texto. Todas as
passagens da bíblia apontam de alguma forma para Jesus. Você precisa encontrar
isso na sua perícope e mostrar para o povo. Se não falar em Jesus, seu sermão está
incompleto e aleijado: Ele é a plenitude da revelação, e nEle tudo converge.

Ex.: A mensagem que apóstolo Pedro, cheio do Espírito Santo prega, não é outra
coisa senão O Evangelho de Jesus, que não é sobre outra coisa, se não sobre
Jesus. O centro da mensagem, da igreja, da criação, do UNIVERSO não é você,
seus sonhos, sua família, seu bem estar, seus interesses, é Jesus. Não é sobre nós,
nunca foi, é tudo sobre Jesus.

--------------------------------------------------------------

Não se preocupe, não se desespere, nem confie em si mesmo ou em


métodos, apenas cumpra a ordem do Senhor, com fidelidade e graça, na
dependência do divino Espírito, e o restante Ele fará.

“Contudo, quando prego o evangelho, não posso me orgulhar, pois me é imposta a


necessidade de pregar. Ai de mim se não pregar o evangelho!”
1 CORÍNTIOS 9.16

Você também pode gostar