Você está na página 1de 6

[Recensão a] Alessandro Manzoni, Os noivos, trad.

José Colaço Barreiros


Autor(es): Marnoto, Rita
Publicado por: Imprensa da Universidade de Coimbra
URL URI:http://hdl.handle.net/10316.2/42402
persistente:
DOI: DOI:https://doi.org/10.14195/0870-8584_10_15

Accessed : 17-May-2019 09:18:35

A navegação consulta e descarregamento dos títulos inseridos nas Bibliotecas Digitais UC Digitalis,
UC Pombalina e UC Impactum, pressupõem a aceitação plena e sem reservas dos Termos e
Condições de Uso destas Bibliotecas Digitais, disponíveis em https://digitalis.uc.pt/pt-pt/termos.

Conforme exposto nos referidos Termos e Condições de Uso, o descarregamento de títulos de


acesso restrito requer uma licença válida de autorização devendo o utilizador aceder ao(s)
documento(s) a partir de um endereço de IP da instituição detentora da supramencionada licença.

Ao utilizador é apenas permitido o descarregamento para uso pessoal, pelo que o emprego do(s)
título(s) descarregado(s) para outro fim, designadamente comercial, carece de autorização do
respetivo autor ou editor da obra.

Na medida em que todas as obras da UC Digitalis se encontram protegidas pelo Código do Direito
de Autor e Direitos Conexos e demais legislação aplicável, toda a cópia, parcial ou total, deste
documento, nos casos em que é legalmente admitida, deverá conter ou fazer-se acompanhar por
este aviso.

impactum.uc.pt
digitalis.uc.pt
10
2015
174 Estudos Italianos em Portugal

quello patriottico di All’Italia che com um prefácio de José María


infervorò la generazione di Ca- Poirier e termina com uma biogra-
stilho. Tuttavia, sottolinea Tabuc- fia de Manzoni de autoria do tra-
chi, l’interpretazione operata da dutor, José Colaço Barreiros. Além
Pessoa si dirige in direzione del disso, é enriquecido por uma selec-
conflitto tra natura e ragione, con- ção das xilogravuras que Frances-
centrandosi sull’immaginazione, co Gonin realizou para a primeira
sull’essere altro e, soprattutto, sulla edição, que saiu em fascículos de
contemplazione dell’infinito come 1840 a 1842.
“universo che si riproduce sempre A tradução molda-se ao original
uguale a se stesso”, che accoglie in italiano com fluidez, de modo a
sé anche il tedio “esoterico” di cui acompanhar o estilo de cada mo-
l’eteronimia è intrisa. Il commos- mento do livro, entre os ouropéis
so Canto a Leopardi pessoano altro barrocos da introdução, a pureza
non è, in fin dei conti, che una linguística do italiano toscanizado
lunga serie di interrogativi diret- de Manzoni, as inflexões específi-
ti (“Se è falsa l’idea, chi mi mette cas de cada diálogo e toda aquela
l’idea?”), i quali sembrano parteci- variedade de tons e emoções que
pare – suggerisce l’autore – di una são a seiva das suas páginas. José
“epistolografia virtuale” che anche Colaço Barreiros apoia o seu tra-
Borges, probabilmente, avrebbe balho no paralelismo entre a sin-
condiviso di buon grado. taxe italiana e a portuguesa, sem se
ANDREA RAGUSA deixar deslumbrar por práticas de
transformação que a filologia mos-
Alessandro Manzoni, Os noivos, tra dispensáveis. Na verdade, na
trad. José Colaço Barreiros, Prior passagem do latim para o italiano e
Velho, Paulinas Editora [Colecção do latim para o português, a evolu-
Biblioteca Indispensável], 2015, ção destas duas línguas neolatinas
727 pp. seguiu vias paralelas no campo da
sintaxe, o que isenta o tradutor de
Sob o título de Os noivos, publica- profundas restruturações frásicas.
-se a tradução do romance de Ales- O apreço do público português
sandro Manzoni I promessi sposi pelo romance de Manzoni não é de
numa edição nos seus vários aspec- hoje e foi imediato. Logo em 1841,
tos muito cuidada. O volume abre Castilho dedica-lhe uma nota nas
Recensões 175

páginas da Revista Universal (11, entre Adda, o Lago de Como e


9-12-1841) e no ano seguinte sai a Milão. Em 1821, Manzoni come-
sua primeira tradução portuguesa, ça a compilar um dossiê a partir
assinada por um acrónimo, MPC- de crónicas e documentos sobre a
CDA. Por sua vez, em 1863-1864 história de Milão no século XVII.
surge nova tradução de Matos de Dois anos depois, está pronta uma
Gusmão, Os desposados, feita a primeira redacção do romance que
partir do francês, e nova edição se costuma designar como Fermo
sairá ainda em folhetim no Correio e Lucia. É ainda um esboço, com
Nacional. Seguem-se, já no século digressões, cenas soltas e contrastes
XX, as traduções da Editorial In- entre o bem e o mal, escrito numa
quérito e de Os Amigos do Livro. linguagem compósita que agluti-
Mas nenhuma delas resistiu ao na palavras toscanas, lombardas
tempo. Era pois absolutamente ne- e galicismos. Acrescenta-se-lhe a
cessária uma versão que trouxesse Appendice storica sulla colonna in-
I promessi sposi para o uso do por- fame, com os processos instruídos
tuguês do século XXI, em confor- aquando da epidemia de peste de
midade com os requisitos linguísti- 1630. Sucessivamente, é objecto
cos e culturais da actualidade e de de uma profunda restruturação.
modo a acompanhar o desenvolvi- Ganha carácter orgânico, um tom
mento que a prática e os estudos de harmonioso e, sem o apêndice,
tradução têm vindo a sofrer. é pela primeira vez editado em 3
A inserção do romance de Man- volumes que saem em 1827, a cha-
zoni na “Colecção Biblioteca In- mada edição “Ventisettana”.
dispensável”, dirigida por José To- Mas Manzoni estava ainda in-
lentino de Mendonça, mostra, por satisfeito e queria pesar e filtrar a
si só, o valor da obra agora de novo língua que tinha usado. Faz então
apresentada em língua portuguesa. uma estadia em Florença, “per ris-
I promessi sposi / Os noivos inse- ciaquar si i panni in Arno” (‘enxa-
re-se no filão do romance histórico, guar a roupa no Arno’), citando a
possuindo porém características célebre imagem através da qual se
muito específicas que o individu- lhe refere. Assim tem ocasião de
alizam e o distinguem como obra- conhecer melhor a linguagem fala-
-prima da narrativa oitocentista. da pelos grupos cultos de Florença,
A acção decorre de 1628 a 1630, para a usar na nova redacção, a de-
176 Estudos Italianos em Portugal

finitiva, que é resultado de uma re- fio racional que Deus derrama na
visão predominantemente linguís- história, com a certeza de que o so-
tica. A edição, a expensas do autor frimento injustamente vivido Lhe
(1840-1842), prima pela elegân- pode ser oferecido como remissão
cia. É acompanhada pelas gravuras dos pecados da humanidade.
que a Paulinas Editora agora nos Da mesma feita, este intento re-
apresenta, e também por uma ver- clama estratégias que levam as po-
são mais alargada da Appendice, que pulações de uma Itália linguística e
em 1991 foi traduzida para portu- politicamente dividida a fazerem-
guês por José Colaço Barreiros. -no seu. Manzoni usa uma língua
São vários os factores que fazem tanto quanto possível englobante e
deste romance uma obra-prima. A desenvolve uma matéria capaz de
procura de uma síntese autêntica tocar todos os italianos, contando
entre estética, razão, história e fé, a sua verdade. Identifica essa língua
nos termos em que é levada a cabo nos termos acima descritos e esco-
nas suas páginas, é uma das mais lhe um período de caos político e
acutilantes questões que se coloca social para situar a acção, a Milão
ao homem dos nossos dias. Man- do século XVII em tempos de pes-
zoni acredita que rigor histórico te e desgoverno, o que se presta a
e criatividade autoral podem coe- contar a vida de pessoas humildes,
xistir na obra narrativa, de forma talvez sugerindo um paralelo com
a desvelar o sentido profundo do a Milão do seu tempo, ocupada
humano e os fundamentos da ra- pelos austríacos. Não recua, pois,
zão e da fé. Um dos contributos es- à Idade Média, como tantos dos
senciais para alcançar esse patamar cultores do romance histórico (de
é o respeito pela verdade histórica Walter Scott a Alexandre Hercula-
na sua completude, de forma a no). Tratar a Idade Média requeria
captar e compreender os proble- o alargamento do espaço do ima-
mas dos que sofrem, dos que são ginário narrativo, por se tratar de
vítimas de prepotência, enfim, da- uma época menos documentada, e
queles de que a história oficial não Manzoni perseguia uma estética da
fala. O mal não é, para o escritor, verdade, da razão e da fé.
um facto metafísico, mas respon- Se fosse necessário atestar a efi-
sabilidade do comportamento do cácia desses propósitos, bastaria
homem, o qual torna ilegível o evocar as frases, as tiradas e as si-
Recensões 177

tuações do romance que, nos tem- uma obra dotada de uma extraor-
pos que correm, são correntemen- dinária densidade conceptual, que
te usadas na interacção quotidiana é um marco fundamental da narra-
dos italianos. tiva do século XIX e que continua
Graças a esta edição, fica assim a atrair o leitor dos nossos dias.
disponível, em língua portuguesa, Rita Marnoto