Você está na página 1de 36

EVAPORAÇÃO

Operações Unitárias I
Prof.: Morgana Vasconcelos
Equipe: Amanda Borges
Joana Cordeiro
Laryssa Alves
Marina Pimentel
Poliana Costa
Evaporação

Processo físico que consiste na remoção de


um solvente, usualmente água, de uma
solução contendo um soluto não volátil.

Calor adicionado a solução 🡪 evaporação do solvente


(Condensação de vapor d’água)

- Aplicações:
Industria de alimentos; indústria de papel e indústria de
processos inorgânicos.
Evaporador
Objetivo do Processo: Aumenta a concentração de sólidos em
uma solução contendo uma soluto e uma solvente.

Equipamentos: O equipamento consiste em uma câmara, dentro


da qual existe um trocador de calor com aquecimento indireto
que proporciona o meio de transmissão de calor ao produto por
meio de vapor à baixa pressão, e um dispositivo para separar a
fase vapor do líquido

Vapor direcionado ao
P1
condensador
T1
Alimentação
Vapor de água saturado

Condensado

Produto concentrado
Evaporador

Trocador de calor projetado especialmente para


fornecer ao fluido o seu calor latente de
vaporização.

Partes essenciais:

- Câmara de aquecimento
- Câmara de evaporação
Alguns fatores importantes...
• Concentração: Com o aumento da concentração de
sólidos, a densidade e a viscosidade da solução aumentam.

• Sensibilidade a temperatura: É necessário reduzir o tempo e


a temperatura de permanência de determinadas soluções
nos evaporadores.

• Espumas: Pode causar a perda da solução que será


arrastada para fase vapor.

• Incrustações: Algumas soluções podem provocar o


aparecimento de incrustações nas superfícies de
aquecimento.
Alguns fatores importantes...
• Materiais de construção: Os evaporadores devem ser
feitos de materiais que evitem o seu desgaste.

• Solubilidade: A concentração da solução vai crescendo


até atingir o ponto de solubilidade.

Para cada temperatura temos uma quantidade de soluto


que o solvente pode dissolver.

• Pressão: Quanto maior a pressão de operação do


evaporador, maior será a temperatura de ebulição.

• Temperatura: Com a evaporação, a solução se


concentra mais o seu ponto de ebulição vai ser elevado.
Tipos de Evaporadores

Dentre os diversos tipos de evaporadores existentes no


mercado, citamos dois:
Evaporadores de tubos horizontais
- Vantagens
o Baixo custo;
o Fácil instalação
- Desvantagens
o Baixa eficiência;
o Líquidos poucos viscosos, sem formação de
espuma nem incrustações;
o Líquidos com altos coeficientes de troca térmica
Tipos de Evaporadores
Evaporador de tubos vertical
- Vantagens:
o Boa relação custo⁄eficiência

- Desvantagens:
o Não é aplicada para fluidos muito viscosos.
Fundamentos

 
Elevação do ponto de ebulição
(EPE)

Com aumento da concentração do soluto na


solução a temperatura de ebulição pode aumentar.
Este fenômeno é chamado “elevação do ponto de
ebulição” (EPE).

A EPE da solução é a diferença entro o ponto de


ebulição da solução (Te) e o ponto de ebulição do
solvente puro (Tsolv) na mesma pressão:

Epe = Te - Tsolv (2)


Diagrama de Duhring

Regra de Duhring: o
ponto de ebulição de
determinada solução
é uma função linear
do ponto de ebulição
do solvente puro.

Determina a
Temperatura de
Ebulição no
Evaporador.
Diagrama de Duhring

Exemplo 1:
A pressão na câmara de evaporação de um
evaporador é de 25,6 kPa e uma solução de 30 %
de NaOH está sendo evaporada. Determine a
temperatura de ebulição desta solução e a
elevação do ponto de ebulição (EPE) na pressão
da câmara.
Dado:
Temperatura de ebulição da água à 25,6 kPa =
65,6 ºC
(tabelas de vapor saturado)
Resolução:

~ 79,5 ºC

Epe = Te - Tsolv
Epe= 79,5 – 65,6
Epe ~ 13,9ºC
Balanços de Massa e Energia

Saída de vapor (V)


Tv, hv , mv, xv
P1
Endrata da solução (F)
T F, H F, m F, X F
T1

Entrada do vapor de
aquecimento (SI) (S)
(mS, HS,TS1, HS2) mS, hS2,TS2

Saída da solução concentrada


(L)
mL, hL ,TL, XS
Diagrama entalpia-concentração
• A dissolução de NaOH
em H2O libera
quantidade de calor
de solução. Se diluir
mais essa solução, ira
ser liberado o calor de
diluição, mas se
queremos concertar a
solução devemos
fornecer calor.

• Determinação da
Entalpia das soluções
Desempenho do Evaporador

Exemplo 2:

Um evaporador opera com vapor de aquecimento saturado de


2,45bar, um vácuo de 0,87bar no espaço-vapor, e supõe-se que a
solução que esta sendo concentrada se comportar como água pura.
Qual valor esperado para economia do vapor ?
Diferença de temperatura
no evaporador
Considere um evaporador com diferença de
temperatura (∆T) representada no diagrama a seguir:
Condições de pressão
Pressão do vapor de aquecimento
Uma alta pressão do vapor de aquecimento tem como vantagens:
• Aumento na temperatura do vapor;
• Aumento ∆T
• Diminuição da área de troca térmica necessária.
Pressão no especo-vapor do evaporador ]
Com o espaço-vapor operando no vácuo temos as
seguintes condições:
• Redução do ponto de ebulição;
• Aumento do DT
• Redução da área de troca térmica.
Balanço de entalpia quando o
calor de diluição é desprezível
Calor transferido no evaporador (q)
q = q f + qv
Onde: qf = calor para aquecer a solução de TF à TL
(calor sensível)

qv = calor para evaporar a agua da solução em TL


(calor latente)

Se o calor especifico da solução diluída (cpf) for constante


em TF e TL :
q = qf + qv = ṁF qpF ( TL – TF) + ṁv γv
γ
Onde: v é o calor latente de vaporização da agua na solução concentrada
Balanço de entalpia quando o
calor de diluição é desprezível

Como : q= ṁs (hs1 – hs2)


Temos : ṁs (hs1 – hs2) = ṁF qpF ( TL – TF) + ṁv ʎv
Considere TL como a temperatura de referência:
hF = cpF ( TF – TL)
hL = cpL ( TL – TLsat)
O hv não pode obtido diretamente das tabelas
termodinâmicas, pois a referencia não é mais liquida a 0ºC.
Então:
hv = 0 – cp(epe)+ ʎ + cpv (epe) = -1(epe) + ʎ + 0,46(epe) = 0,54(epe) + ʎ
Evaporadores de Simples
e Múltiplo Efeito.
Evaporação de Simples Efeito:
Este é o processo onde se utiliza somente 1 evaporador, o
vapor do líquido em ebulição é condensado e descartado. Este
método recebe o nome de evaporação.
Evaporação de Múltiplo efeito:

O vapor de um dos evaporadores é utilizado como


alimentação no aquecedor de um segundo evaporador,
e o vapor procedente deste é condensado, essa
operação recebe o nome de duplo efeito. Ao utilizar
uma série de evaporadores o processo recebe o nome
de evaporação de múltiplo efeito.
O múltiplo efeito, além de promover economia de vapor de
aquecimento, gera vapor (chamado vapor vegetal) para uso no
aquecimento de caldo e no aquecimento dos cozedores a vácuo.

Para que o vapor gerado pelo primeiro evaporador possa ser


utilizador como vapor de aquecimento no segundo efeito é
necessário que a pressão no primeiro efeito seja maior. De modo
que a temperatura de ebulição da solução mais concentrada seja
inferior que a solução menos concentrada.
Triplo efeito com a corrente de
alimentação concorrente ou
paralela com a corrente de
vapor.
Triplo efeito com a corrente de
alimentação contracorrente a
corrente de vapor
Considerando a evaporação de
múltiplos efeitos contracorrente:
A quantidade de calor transferido por hora no primeiro efeito
pode ser dada pela seguinte expressão:
q1 = U1A1ΔT1 o q1 = U1A1(TS – T1)
u
ΔT1 - diferença entre a temperatura do vapor de aquecimento e a
temperatura de ebulição do líquido na câmara de evaporação no 1º
efeito.

Supondo que:
• a solução não sofre aumento na T de ebulição
• o vapor não perde P ao passar de um efeito a outro
• o calor sensível utilizado para aquecer a alimentação
até o ponto de ebulição pode ser desprezado.
A quantidade de calor transferido por hora no segundo
efeito pode ser dada pela seguinte expressão:
q2 = U2A2ΔT2 o q2 = U2A2(T1 – T2)
u
ΔT2 - diferença entre a temperatura do vapor produzido no 1º
efeito e a temperatura de ebulição do líquido na câmara de
evaporação no 2º efeito.
Do mesmo modo...
q3 = U3A3ΔT3 o q3 = U3A3(T2 – T3)
u

ΔT3 - diferença entre a temperatura do vapor de produzido


no 2º efeito e a temperatura de ebulição do líquido na
câmara de evaporação no 3º efeito.
Visto que q1 ~ q2 ~ q3:
U1A1ΔT1 = U2A2ΔT2 =
U3A3ΔT3

Geralmente,na prática as áreas em cada efeito


são iguais. Nessa situação :

U1ΔT1 = U2ΔT2 = U3ΔT3

Balanço de massa e energia

Considerando um evaporador de três efeitos, operando em


regime permanente. Para o soluto temos:

ṁF X F = ṁ 3 X 3
Banlanço global de massa:
ṁF = ṁL + ṁv1 + ṁv2 + ṁv3
Onde:
ṁF é a vazão mássica da solução diluída
ṁL é a vazão mássica da solução concentrada
final
ṁv1 + ṁv2 + ṁv3 é a vazão mássica do total de vapor
que sai nos três efeitos
Capacidade de um evaporador a três
efeitos
O calor total pode ser dado por:

Considerando que os valores de U e de A são os mesmos em cada


efeito:

Ond
e:

Mesma taxa de calor que seria obtida em um único efeito


operando entre os mesmos níveis extremos de temperatura
Capacidade de um evaporador a três
efeitos
• A evaporação múltiplo efeito aumenta a
economia de vapor mas diminui o fluxo térmico
em relação a uma operação em um só efeito
entre as mesmas temperaturas terminais;
• Não se têm aumento de capacidade em um
múltiplo efeito;
• O aumento na economia do vapor deve ser
equilibrado com o aumento no custo do
equipamento.

• A evaporação com mais de 5 efeitos raramente


é econômica.
Tipos de Evaporadores
Tacho Evaporador
Circulação Natural:
tubos curtos verticais

U = 1000 - 1500 w/m2K

L = 1,5 - 3,5 m; DItubos = 33 - 46 mm


Filme ascendente: tubos longos verticais

L = 3 - 12 m
DItubos = 3/4 - 2”
U = 1800 w/m2K
Filme descendente: tubos
longos verticais

L = 3,5 - 12 m
DItubos = 25 - 50 mm
U = 1000-2500 w/m2K
OBRIGADA!!!!!!!