Você está na página 1de 60

CURSO SWAT 2019

O SWAT é dividido em dois tipos de dados:

ANALISAR OS DADOS ANUAIS (2005-2010):


- Precipitação
- Escoamento superficial
- Produção de sedimentos
ANALISAR ESSAS VARIÁVEIS EM CONJUNTO
ANALISAR O BALANÇO HÍDRICO (SWAT – CHECK)
Formato do trabalho: breve introdução sobre o modelo e a modelagem +
materiais e métodos (área de estudo e método) + resultados + considerações
finais  6 páginas mínimo;
Objetivo  analisar a simulação anual da precipitação, escoamento e produção
de sedimentos.

ESPACIALIZADOS

1. NÃO ESPACIALIZADOS

Podem ser utilizadas duas extensões:

ArcSWAT ou QSWAT

Os dados especializados podem ser divididos em:

USO DO SOLO

SOLO

RELEVO

Os dados não-espacializados podem ser divididos em:

USO DO SOLO (são dados intrínsecos de solo)

TIPO DE SOLO

CLIMA (pode ser utilizado o WGS, gerador climático | são dados em txt
divididos em dois tipos de arquivos: FORKS e dados de P, UR, TMP...)

RESERVATÓRIOS (são necessárias 6 informações: localização,


volume, área, cota, vazão).
Esses dados são em formato de texto (entrada através do arcSWAT e
QSWAT)

 Escala temporal: anual, mensal, diária, sub-diária.


 Escala espacial: bacia, subbacia, HRUS (As HRUS são as menores
unidades do SWAT, formadas a partir da sobreposição de mapas:
USO+SOLO+RELEVO. Representam áreas homogêneas.)

As entradas podem ser shapes ou raster.

As bases de dados mais utilizadas:

 BDMEP, INMET, ANA (hidroweb), APAC, estações convencionais...


Importante analisar os erros das séries, que pode ser feito por
preenchimento de falhas ou INTERADOR CLIMÁTICO.

O SWAT une as informações dos dados espaciais e não espaciais através do


LOOKUPtable

OBTENÇÃO DE DADOS

1. Dados de relevo

Os dados de relevo podem ser baixados através do Banco de Dados


Geomorfométricos do Brasil (TOPODATA), que disponibiliza arquivos
SRTM.

Em ACESSO pode ser identificado o conjunto de formato GeoTiff:

Em Planos de Informação em GeoTiff (32 bits, extensão .tif) deve ser


observado a variável (neste caso ltitude) e o tipo do arquivo (_ZN).
2. Uso do solo (ESPACILIZADOS)
Os dados de uso do solo podem ser baixados do IBGE (mapas
padronizados para todo o Brasil) ou MapBiomas

O IBGE também
disponibiliza mapas de
uso do solo para os
anos de 2000, 2010,
2012 e 2014.

O ano de 2016 ainda


está sendo concluído.

É possível utilizar vários


mapas no SWAT ao
longo do período da
modelagem.

Outra fonte para obtenção de dados de uso do solo é o ZAPE, mais indicado
para dissertações e teses.
3. Mapa de solos (NÃO ESPACILIZADOS) (Mais informações no final do
tutorial)

Para obtenção de dados de solo não especializados é utilizado o SISTEMA DE


INFORMAÇÃO DE SOLOS BRASILEIROS _
EMBRAPA:(https://www.bdsolos.cnptia.embrapa.br/consulta_publica.html)
4. Dados climáticos.

Os dados climáticos podem ser adquiridos por:

 BDMEP - Banco de Dados Meteorológicos para Ensino e Pesquisa


5. Dados de reservatórios (NÃO ESPACIALIZADOS)

Os dados de reservatórios podem ser adquiridos do site da APAC.

Monitoramento hidrológico – FICHA TÉCNICA

Modelagem com o SWAT

Instalar a extensão do SWAT para o ArcGIS


Configurações e ajustes no pc antes de iniciar modelagem com o SWAT:

- Painel de Controle – Região –

(Inglês/Estados Unidos)

Administrativo

– Alterar localização do
sistema...

(Inglês _Estados Unidos)

Informações importantes durante a utilização do SWAT

 Sistema de projeção UTM


 Sempre utilizar a barra de ferramenta do ArcSWAT (para salvar, novo
projeto...)
 Permissão de controle total na PASTA


 Para abrir um projeto que não tenha sido feito no PC, é preciso mudar
o caminho no acess mdb em MasterProgress:
Novo projeto
Criar pasta (C)
Diminui as chances de ocorrerem erros

Novo projeto
Não

Criar pasta e selecionar diretório

Dados espacializados

Arquivos rasters

Com isso o SWAT acrescenta alguns arquivos na pasta do projeto

Selecionar SRTM:
- Watershed Delineator
- Automatic Watershed Delineator

Selecionar na pasta

TUDO DEVE ESTAR EM UTM!


DEN Project setup e selecionar a unidade Z em metros.

Mask (opção para delimitar espaços menores, mapas maiores)

DEN-based (mais preciso)

Com o SRTM aberto pode ser utilizado o MASK para redefinir o limite da área,
facilitando o processamento. O BURN IN é utilizado caso já tenha uma rede de
drenagem, como a da ANA ou IBGE. A rede de drenagem do ZAPE não é confiável.

Flow direction and accumulation

Após, definir qual área em Ha para

trabalhar (recomendado 10.000ha) .


Criar redes de drenagem (create streams and outlets)

O procedimento cria pontos para cada


subbacia:

É possível inserir ou
remover exutórios

Neste caso, devem ser removidos os exutórios (pontos) localizados no limite da


bacia:

É necessário também remover um exutório gerado para um rio de grande


contribuição na bacia, pois pode influenciar no processamento das subbacias. Isso
pode ser observado pela tonalidade (mais escura) do leito do rio, que neste caso é o
rio São Francisco.
Os comandos Outlet and Inlet permitem inserir ou remover pontos com ou sem
informações na bacia.

Insere exutório|estações

Despejo de efluentes
Adiciona pontos prédefinidos em tabela\Ideal para grandes
trabalhos (tese)

Adiciona/remove manualmente pontos

Inlet of draining eh usado para iniciar um ponto de entrada de agua em uma bacia\
quando trabalhado com bacias que tem contribui;ao inicial de outros reservatorios
/

Selecionar o exutorio principal_1_Whole watershed_Selecionar com a seta

_2_Delineate watershed
Op;oes para agiliar o procedimento (n’ao indicado)

Informa;’oes sobre todas


as subbacias

Adicionar reservatório
Todas as shapes criadas pelo arcSWAT são geradas na pasta do projeto (Watershed-
shapes) e podem ser usadas em outros projetos

Inserindo reservatórios com dados vetoriais apenas para localizar e inserir os


pontos (nesse exemplo foram feitos 4 pontos)
Remover os arquivos (reservatórios e corpos hídricos) e localizar o exutorio para
calcular os parâmetros das subbacias

DELIMITANDO COM NOVO PROCEDIMENTO CASO VOCÊ QUEIRA DELIMITAR A


BACIA MANUALMENTE

MASK
O arcSWAT cria uma máscara

Eh possível adicionar pontos para gerar mais subbacias

As informações da delimitação da bacia e subbacias estarão em

Watershade delineator- Watershade report -


BURN IN

Entra com a delimitação do rio

DEN projection setup – Burn in (seleciona o arquivo) – Flow direction and


accumulation – stream network – subbasin outlet (adicionar mais pontos) – exit

Salvar projeto
Passando o projeto para outro PC

Copiar e Colar a pasta do projeto no mesmo local (_COPIA)

Modificar o arquivo access do projeto, editando o nome do local em WorKDr e


SwatGDB
Inserindo Mapas de uso e tipo do solo

Uso do solo

Tipo de solo

Definição de HRU’s
Reclassify

Soil date
- Seleciona UserSoil em Soil Database options
LookUp Table

Reclassify
Slope

Selecionadas 5 classes de declividade de acordo com a EMBRAPA


Adicionar os valores das classes

Reclassify
Ok e criar HRU’s e clicar em Overlay
Analises
HRU definition
Possibilidade de refinar as classes, criar abas para diminuir incertezas

Op;’ao para modificar usos do solo


Banda de elevação utilizada apenas para áreas com presença de neve

O SWAT permite criar HRU de quatro maneiras diferentes

Target (inserir manualmente o numero de HRUs)

Miltiple (mais usado, ele cria automaticamente as HRUs)


Possibilidade de excluir algumas HRUs selecionando a porcentagem das áreas de
cada tipo de entrada (ideal para evitar erros, excluindo HRUs pequenas, n’ao
desejáveis)

O manual do SWAT sugere algumas configura;’oes dessas porcentagens


Modifica;’ao das áreas das HRUs
Fixar usos para que não sejam modificados

Criar relatório de HRUs

Relatório das HRUs


Editando dados de clima

Necessários dois tipos de dados

WGN (dados estatísticos, fica na tabela SWAT2012mdb, em WGN_user)

OBS (dados txt para cinco variáveis /vento, temperatura, umidade, radiação,
precipitação) – cada arquivo é trabalhado um FOLK

Input_climate

Arquivos FOLKs

DEW/PCP/SOL/TEMP/VENTO

O formato deve estar exatamente dessa forma:

ID,Name, LAT, LONG, ELEVATION

Formato da estação (AAAAMMDD):

-99 é um valor que pode ser colocado em qualquer espaço que não tenha dados, os
espaços DEVEM ser todos preenchidos/ Caso não tenha, substituir por -99
Para temperatura, deve conter dados de mínimo e máximo

Para umidade, os dados podem estar em porcentagem (entre 0 e 1), ou em graus ºC


(temperatura de orvalho)
Tabela com dados da estação (WGEN_user)

Alguns parâmetros devem ser preenchidos com dados mensais

NOME/Latitude/Longitude(graus decimais)/Elevação (m)/Rain_yrs

TMPMX# (ºC)

TMPMN# (ºC)

TMPSTDMX# (ºC)

TMPSTDMN# (ºC)

PR_WI

PR_W2

PCPD (média histórica dos dias em que houve precipitação)

RAINHHMX (media histórica mensal da precipitação máxima, pode ser inserida a


precipitação diária divida por 3)

SOLARAV (média histórica mensal do acumulado de radiação, em MJm-² dia-¹)

DEWPT (média histórica mensal da umidade relativa do ar, pode ser em ºC ou em %,


de 0 a 1)

WNDAV (média histórica mensal da velocidade do vento, em m/s)

No site do SWAT tem alguns programas para calcular as informações estatísticas das
variáveis climáticas/ O mais rápido é o que trabalha no access (SWAT
weatherdatabse)

pcpSTAT/WGEN-excel/swat-weatherdatabase(acccess)
Exemplo (usando o swat-weatherdatabase)

- Editar os dados da planilha stations (do excel), aqui foi copiado do txt de dados de
entrada
- Editar os dados da planilha hmd (do excel), aqui foi copiado do txt de dados de
entrada de umidade

- Precisam ser deletados todas as linhas abaixo das células preenchidas, pois
pode conter espaços que influenciam nas simulações
Inserir a tabela no SWAT

Após selecionar a tabela:

Rodar SWAT

SWAT Simulation

Run SWAT (teste)


Leitura dos dados do SWAT:
- Run SwatCheck
Para observar/checar alguns valores simulados

- Edit SWAT input - Databases

- Salvar simulação:

Salva na pasta do projeto:


Selecionar saídas de interesse:

Editando o tipo de modelos dentro do SWAT

PET:
SWAT Editor (08/03/2018) – software utilizado para fazer algumas edições a partir do
write input table.

Edit SWAT Input – Databases:


Selecionar o IDC Warm season anual para os projetos no Brasil

- O SWAT deixa em Perene, o que diminui a atividade vegetal durante as menores


temperaturas

- Valores de umidade devem ser em números decimais

Edit SWAT Input – Subbasin Data

Mais usados Management(mgt) e HRU(Hru)


Management(mgt)
Informações mais importantes

As edições reliadas nesta parte não modificam os txts (arquivos de entrada), ficam
salvas em uma memoria

Permite que todas as informações


sejam editáveis
Estender modificações para todas
as bacias

SWAT Check

Todos os valores
do Check são
valores médios
anuais
Mensagens com
possíveis erros
detectados pelo
programa, não é
necessariamente
erro real
Média mensal
histórica
SWAT Output View (Software)- utilizado para observar e analisar os dados
gerados pelo SWAT

Abre a pasta do projeto, seleciona o projeto, seleciona SWAT 664, Run Monthly.
RESERVATORIOS

Quatro opções de manejo de reservatórios:


Implementando as novas modificações do reservatório: