Você está na página 1de 1

Teoria e Análise

Regional e Urbana II
Jurunas Profª Drª Ana Claudia Cardoso
D
Anderson da Silva Tavares
ESPAÇO CONCEBIDO
Localização Estruturação Urbana
1 Sub-região produzida pelo setor imobiliário 5 Sub-região onde há mistura de meio de produção e cidade
O bairro do Jurunas está localizado na periferia da área central de Belém faz divisa a bairros “nobres” de Belém como a informal
• Espaço modificado por interesses privados.
Batista Campos e Cidade Velha e ao bairro da Condor. Também é limitado pelo rio Guamá. Por ser uma área alagada de • Área portuária, porém há também nesse espaço, áreas
• É a região do bairro mais verticalizada
Belém, o bairro foi ocupado por segmentos sociais de menor poder aquisitivo, que começaram a se adensar por volta da residenciais produzidas de maneira informal
• Possui um traçado regular
década de 1960, quando muitas pessoas de baixa renda vindas do interior e de outros estados, chegaram a cidade • Comércio ocasionado pelo porto
• Área de maior valorização do bairro
procurando melhor qualidade de vida. O terreno alagado e as condições socioeconômicas explicam a pouca • Ocupações informais
• Boa infraestrutura urbana
verticalização da área. Até a década de 1940, o bairro, por ser uma área de baixada, era utilizado para fins agropastoris • sistema viário quase inexistente
• Possui maior quantidade de usos e serviços
no qual se encontravam várias áreas de vacarias. • residências de tipologia de palafita
• Comercio formal
• inexistência de saneamento básico e de serviços
2 Sub-região incorporada pela cidade formal
• Espaço produzido pelo loteamento de antigas vacarias 6 Sub-região alterada pelo poder público
• Espaço onde vivem uma população mais tradicional do bairro • Contempla a construção do Portal da Amazônia
• Alguns pontos de verticalização • Alterações pontuais de infraestrutura no bairro
• Sofreu algumas alterações do poder público ocasionados. • Espaço construído através de uma série de desapropriações e
• Traçado regular e continuo das vias, porém é perceptível a remanejamentos
diminuição da caixa viária • Possui um sistema viário e uma infraestrutura urbana
• Possui menor quantidade de usos diferenciada das demais sub-regiões do bairro
• Problemas de saneamento • Atrai o interesse de mercado imobiliário e inflaciona o preço da
• Pontos de acumulo de lixo terra

Sub-regiões de cidade informal


3
• Produzidas a partir de ocupação informal do espaço
• Possui o maior adensamento do bairro sem que haja
verticalização
• Traçado viário irregular com caixas viárias mínimas e desconexo
• Sensação de insegurança 1
Evolução Urbana • Áreas apresentam o menor valor da terra no bairro
A partir de 1950, a cidade começa a se modernizar mais com a industrialização, não • Áreas próximas aos portos com construções residenciais de
havendo a necessidade de ter vacarias nas áreas baixas, o que gerou vários palafita
3
espaços vazios no bairro e o loteamento dessas áreas. Com a busca de uma • Maior precarização da infraestrutura urbana
2
população ribeirinha de uma vida melhor a cidade sofreu um aumento populacional • Inexistência de serviços e equipamentos públicos
considerável, o que obrigava a capital a ter novos locais de expansão fazendo com • Áreas de maior interação da população com a rua
que esses espaços de baixada passassem a ser ocupados. Com o passar das • Comercio informal
décadas, o Jurunas tornou-se extremamente populoso, e praticamente todos os
espaços disponíveis possíveis foram rigorosamente ocupados, em sua maioria de 4 Sub-região de meios de produção
6 3
forma irregular e sem planejamento, fazendo com que a carência de infraestrutura • Região portuária do Juruna 5
se transformasse uma característica do bairro. Com o mapeamento do bairro do é • Intenso fluxo de mercadoria
possível notar pelo menos dois tipos de formas de ocupação: uma mais • Comercio informal e comercio formal
espacialmente definida e parecida com os bairros de cotas mais altas, com ruas e • Nessa região está também localizada a feira do bairro
traçados retilíneos em quadriculado e outra com maior irregularidade, com ruas mais • Estrutura comercial baseada na comercialização dos produtos 4
estreitas e sem ordenação prévia. que chegam pelos portos
• Esta área apresenta uma estruturação urbana precária
• Focos de acumulo de lixos
• Saneamento básico precário.
ESPAÇO PERCEBIDO Paróquia de Santa Teresinha
Lugar de encontros
Praça Amazonas
Lugar bonito e agradável
Imagem Urbana

Rancho não posso me amofinar Tv. Bom Jardins


Lugar de encontros Lugar perigoso

Ponto Nodal

Marco Visual

Limites

Caminhos de Maior Importância

Caminho de Menor Importância


Portal da Amazônia Tv. Quintino Bocaiuva
Lugar bonito e agradável Lugar perigoso

ESPAÇO VIVIDO

P. H., 24 anos C. T., 48 anos N. M., 75 anos


“Quando criança eu vivia mais o bairros, “Eu conheço quase todo mundo da rua, tenho “Bom, eu sou de Moaná e vim para Belém para
brincava de bola na rua, andava pelos becos amigos aqui desde a minha infância, nós vimos trabalhar na casa de uma família que morava no
não tinha tanto medo da violência, atravessava uns aos outros crescer e constituir suas famílias” bairro do Nazaré”
o bairro quase todos os dias para ir a escola.” “[...] agente costumava frequentar o grupo de “[...] Quando eu me casei foi o momento em que
“[...] Hoje a minha relação com o jurunas é jovens da igreja de santa Teresinha, estavam fazendo essa invasão, e como eu não
menos intimo, porque eu tenho muito mais medo organizávamos as festas, foi lá que eu conheci tínhamos onde morar nós participamos dela [...]”
da violência do que tinha antigamente [...]” algumas das minhas namoradas [...]” “[...] quase todos que vivem aqui na rua são
“[...] Como eu trabalho e estudo em outro bairro “[...] na minha juventude eu costumava parentes [...]”
e chego tarde em casa acabo não tendo tempo frequentar todos os clubes do bairro, ia muito no “[...] aqui era tudo alagado, nós fomos aterrando
nem energia para viver o bairro [...]” Subsar, no São Domingos e fui algumas vezes de pouquinho em pouquinho [...]”
“[...] Ainda gosto muito do jurunas porque ele é no Florentina [...]” “[...] a gente foi construindo a casa de pouquinho
um bairro que é perto de tudo e a gente “[...] na minha infância as ruas eram a pouquinho, conseguimos criar e formar nossos
consegue comprar as coisas a um preço bem pavimentadas com caroço de açaí [...]” filhos e estamos lutando para formar nossos
mais baixo do que em outros bairros [...]” “[...] me lembro muito bem de passar pela frente netos agora [...]”
do antigo presidio e os presidiários ficavam “[...] até hoje meu marido tralha nesses portos
chamando a gente e ameaçando [...]” da Estrada Nova [...]”

REFERÊNCIAS
LYNCH, Kevin; CAMARGO, Jefferson Luiz. A imagem da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 1997.
FARRET, R. Paradigmas de Estruturação do Espaço Residencial Intra-Urbano. In: FARRET, R. et al. O Espaço da Cidade: contribuição à análise urbana. São Paulo: Projeto, 1985, p. 73 –
90.
CORREA, R. Os agentes produtores do espaço urbano. In: ____. O Espaço da Cidade. São Paulo: Ática, 2004. D
SANTOS, M. A especificidade do espaço nos países subdesenvolvidos. In: SANTOS, Milton. O Trabalho do Geógrafo no Terceiro Mundo. São Paulo: Edusp, 2013.]
BECKER, Bertha. A Urbe Amazônica.São Paulo: Garamon, 2013.
BASTOS, Erick. A valorização do bairro do jurunas em belém/pa pela sua centralidade histórica-cultural e geográfica tendo como marco predominante a construção do portal da Amazônia.
2015. 91 f. Monografia (Bacharel em Geografia) - Instituto de Ciências Humanas, Universidade de Brasília, Brasília, 2015.
ARAÚJO, Flávia. Entre portais do espetáculo e portas do cotidiano sobre as águas do guamá: Cartografando processos construtivos de subjetivação no jurunas, Belém-Pa. 2008. 168 f.
Dissertação (Mestrado em Arquitetura em Urbanismo) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2008.
RODRIGUES, Carmem. Vem do bairro do jurunas: Sociabilidade e construção de identidades entre ribeirinhos em Belém-Pa. 2006. 360 f. Tese (Doutorado em Antropologia) – Centro de
Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2006.