Você está na página 1de 12

Reparo do conversor de torque:

peculiaridades e dicas úteis.


De fato, a essência do reparo de qualquer mecanismo é a mesma
e inclui os seguintes estágios: Desmontagem, detecção de
falhas, procedimentos de reparo e remontagem da unidade. O
último passo é a verificação de desempenho. Vamos considerar
as principais dificuldades e peculiaridades do reparo do
conversor de torque.

Se aplicarmos o algoritmo acima mencionado ao conversor de torque, obteremos o seguinte:

 Corte do conversor de torque;


 Lavagem de todas as partes internas;
 Detecção de falha;
 Reconstrução e substituição de peças desgastadas;
 Soldagem do corpo do conversor de torque;
 Verificação de aperto de solda;
 Verificação de folga interna entre as peças do conversor de torque;
 Ajuste de balanceamento.

Corte do conversor de torque


Primeiro de tudo, é necessário cortar o conversor de torque. Para este
propósito, os especialistas em reparo de transmissão normalmente usam um
torno mecânico, cuja altura dos centros permite instalar e cortar o conversor de
torque no torno mecânico. Para carros de passageiros, a altura dos centros
deve ser de pelo menos 200 mm. O layout de instalação mais comum do
conversor de torque na máquina do torno é o seguinte:

A placa está travada no mandril do torno. O conversor de torque é montado no


painel frontal. O conversor de torque é centralizado com a ajuda de um anel
adaptador e é pressionado na placa frontal pelo centro do contraponto por meio
do eixo de pressão. O parafuso transmite a rotação da placa frontal para o
conversor de torque. Antes de abrir o conversor de torque, é necessário
examinar cuidadosamente o seu hub e, se necessário, limpá-lo com papel
abrasivo fino.
O próximo passo é o próprio corte do conversor. Em princípio, este
procedimento é o mesmo para todos os tipos de conversores de torque. A
única diferença pode estar na localização da solda: ela pode ser soldada do
lado do cubo ou do lado do piloto. Em alguns modelos de conversor de torque,
existe um bujão de drenagem de óleo, que pode ser desparafusado para
drenar o ATF antes de abrir o conversor de torque. A operação de corte pode
ser realizada por diferentes ferramentas e com a ajuda de vários
métodos. Tudo depende das habilidades e preferências da pessoa que realiza
a operação.

No esquema apresentado podemos ver que é possível cortar o conversor de


torque com alimentação longitudinal e transversal para cortar a costura de
soldagem e sua raiz.

Freqüentemente, no processo de corte do conversor de torque, você pode notar


o aparecimento de fumaça por causa do ATF, que começa a vazar através das
folgas entre as metades do conversor de torque que está sendo cortado. Graças
a esse fenômeno, você pode descobrir que o conversor de torque está quase
aberto.
Lavagem de todas as partes internas

Depois que o conversor de torque é cortado e a quantidade principal de ATF


vazou, é necessário lavar completamente todos os seus elementos. É possível
lavar as peças do conversor usando máquinas de lavar especializadas ou
manualmente com ajuda de querosene e uma escova. Se a lavagem for feita
com soluções de água, é necessário tomar medidas para evitar a corrosão das
peças do conversor de torque. A lavagem do conversor de torque em solventes
à base de petróleo é bastante prejudicial à sua saúde e pode ser perigosa contra
incêndio. Portanto, ao trabalhar com solventes, é essencial garantir boas
condições de ventilação e segurança contra incêndios. O processo de lavagem
das peças do conversor de torque implica na completa desmontagem da
unidade. Se você não tem experiência suficiente em trabalhar com conversores
de torque, então é melhor limpar as peças uma a uma,

Detecção de falhas e reconstrução do conversor de torque


Outras etapas no reparo do conversor de torque podem variar dependendo do
modelo específico do conversor de torque. Neste artigo, examinaremos as
soluções de design de conversor de torque mais populares e descreveremos
as peculiaridades de seu reparo em exemplos específicos. A principal diferença
nos projetos de conversor de torque está no mecanismo de travamento.

Transmissão automática 5L40


Em primeiro lugar, vamos considerar o conversor de torque instalado
na transmissão 5L40 que é freqüentemente instalado em modelos BMW. Depois
de abrir o conversor de torque, podemos ver que não há material de fricção na
placa de travamento. Devido à falta de material de fricção, a placa de travamento
tem sido esfregada contra o corpo do conversor de torque, levando ao desgaste
mecânico desses elementos.
Para resolver este problema, é necessário recondicionar as superfícies do corpo
e da placa de travamento e substituir o material de fricção na placa.

O recondicionamento da superfície do alojamento do conversor de torque é


realizado na máquina do torno, formando a superfície na qual o revestimento de
fricção opera. É necessário obter o parâmetro máximo de rugosidade superficial
para reduzir o desgaste do material de atrito no processo de operação do
conversor de torque. A montagem do corpo do conversor de torque na máquina
do torno é semelhante à montagem de todo o conversor de torque.

O recondicionamento da superfície da placa de travamento também é realizado


no torno mecânico; no entanto, é bastante difícil montar a placa de travamento
na máquina separadamente, uma vez que o cubo se projeta acima do plano da
placa de travamento em ambos os lados. A maneira mais fácil de realizar essa
tarefa é instalar um conversor de torque de pequeno diâmetro no painel frontal
do torno. Depois disso, pressione a placa de travamento para o corpo do
conversor de torque como mostrado na imagem abaixo.
Quando estamos falando das superfícies da placa de travamento e do corpo do
conversor, é necessário realizar sua modelagem sem a ocorrência do desvio
axial desses planos. A saída axial levará ao espaçamento entre o travamento e
o corpo, resultando em menor eficiência do conversor de torque.

Superfície recondicionada

Instalação de revestimento de fricção


Ligação de revestimento de fricção

Na maioria dos casos, os revestimentos de fricção são feitos com um composto


adesivo espalhado em um de seus lados. É desejável receber recomendações
sobre como executar o procedimento de colagem corretamente do fornecedor
desses revestimentos de fricção. Basicamente, para colagem, é necessário
aquecer o material do corpo até a temperatura de 170 ... 200 ° С e criar pressão
na área de colagem. Sob a influência da temperatura, o composto adesivo fica
fluido, enchendo a aspereza do metal e depois o adesivo polimeriza.

Resultado
Se o anel fluoro plástico estiver gasto, é necessário substituir este anel por um
novo. No nosso caso, o especialista em reparos decidiu deixar o anel antigo.

Há também uma folga no cubo da turbina. Para corrigir esse problema, você
pode reprimir os rebites que mantêm o hub fixo.

Devido ao fato de que o conversor de torque considerado operou sem o


revestimento de fricção, especialistas em reparos encontraram lascas de metal
dentro. Essas aparas podem encontrar o caminho para todos os elementos de
transmissão por meio de fluido de transmissão e causar o desgaste desses
elementos. Portanto, é necessário inspecionar os internos do conversor de
torque e remover aparas de metal, que ficaram nas pás da turbina e do impulsor,
e também verificar a embreagem unidirecional quanto à presença de aparas
metálicas.
Após a eliminação de todos os defeitos mencionados acima, é possível
prosseguir com a soldagem do conversor de torque.

Transmissão automática 722.9


O próximo conversor de torque considerado é a unidade instalada na
transmissão automática 722.9 produzida pela Mercedes. Depois que o
conversor de torque foi aberto e lavado, os especialistas descobriram que o
material de fricção nos discos começou a desmoronar. Muito provavelmente,
esse processo foi causado pela mistura de liquido de arrefecimento agua e o
oleo ATF. Os discos de fricção danificados devem ser substituídos.

Em geral, os conversores de torque, produzidos pela Mercedes, são fáceis de


consertar, pois não exigem operações mecânicas na modelagem de
embreagens de travamento, etc. Em muitos casos, há uma folga da pista externa
da embreagem unidirecional; portanto, é necessário verificar a presença desse
problema em cada caso de reparo específico. Para este propósito, é necessário
remover a tampa da embreagem unidirecional e remover a pista interna e a
gaiola com roletes e elementos de mola.

O próximo passo é descobrir se há uma folga entre a gaiola e o estator do


conversor de torque.
Se não houver folga na pista externa da embreagem unidirecional, é necessário
lavar os elementos internos e montar o estator. Se houver folga, você terá que
pressionar a pista externa da embreagem unidirecional e examinar como ela se
encaixa. Se houver uma folga leve e desgaste insignificante de estrias no estator,
você poderá lubrificar o assento da pista externa com um composto hermético /
vedante. Se as ranhuras estiverem quebradas, você deverá substituir todo o
estator do conversor de torque. As superfícies dos anéis de aço operando em
pares com discos de fricção devem ser limpas com papel abrasivo fino.

No processo de operação do conversor de torque, os anéis de vedação de


borracha perdem sua elasticidade. Isso tem um impacto negativo na aderência
dos selos às contrapartes.
Portanto, é essencial substituir todos os anéis de vedação, se você tiver alguma
dúvida sobre sua elasticidade.
O próximo passo é instalar o pistão no corpo do conversor de torque.

Após a instalação do pacote de fricção, implica montagem sucessiva de anéis


de metal e discos de fricção.
Então, é necessário instalar o freio

O parâmetro de folga para todo o pacote de fricção pode ser calculado da


seguinte forma: a folga para cada anel de fricção deve estar dentro da faixa de
0,25 a 0,4 mm. Assim, este parâmetro para o pacote de 3 discos de fricção é
0,75 ... 1,2 mm.

O parâmetro recomendado pode ser obtido com a instalação de discos de fricção


de diferentes espessuras, fornecidos pelos fabricantes de peças de
reposição. Agora é necessário realizar a verificação de espaço no pacote de
fricção.

Soldagem do corpo do conversor de torque


O próximo passo é a soldagem do conversor de torque
No processo de soldagem, a tampa é pressionada para o corpo do conversor de
torque pela solda, portanto, antes da soldagem, é necessário levantar levemente
(geralmente a 0,3 mm, mas este parâmetro também depende das configurações
de soldagem). A fim impedir o bloqueio dos internals do conversor de torque
durante o processo de soldadura.

Verificação de folga interna entre as peças do conversor de


torque
Agora vamos considerar o parâmetro de folga de expansão. A reparação do
conversor de binário é realizada à temperatura ambiente, e a temperatura de
aquecimento do conversor de binário no processo de operação é approx.100
° С. No processo de aquecimento, as peças do conversor de torque são
expandidas. Portanto, é necessário deixar algumas folgas entre as partes
internas do conversor de torque. O valor da folga deve ser de aproximadamente
0,15 mm para cada rolamento (independentemente de se tratar de um rolamento
ou mancal de deslizamento). Como resultado, o parâmetro de folga geral no
conversor de torque soldado com 3 rolamentos deve ser de aprox. 0,45 mm.

Verificação do aperto da solda


A verificação da estanqueidade ao ar é normalmente executada da seguinte
forma:
Uma pressão excessiva é criada no conversor de torque soldado e a unidade é
imersa em água ou a costura de solda é borrifada com espuma de sabão. Uma
queda na pressão no conversor de torque indicará um vazamento na junta
soldada, e bolhas na costura especificarão a localização do vazamento.

Câmbio Automático do Brasil

C.A.B