Você está na página 1de 260

0

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS


ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO AMBIENTAL

JEFFERSON RODRIGUES DE QUADROS

OS DESAFIOS NA GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS E OS COMITÊS DE


BACIAS HIDROGRÁFICAS NO ESTADO DO AMAZONAS

MANAUS, AM
2015
1

JEFFERSON RODRIGUES DE QUADROS

OS DESAFIOS NA GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS E OS COMITÊS DE


BACIAS HIDROGRÁFICAS NO ESTADO DO AMAZONAS

Dissertação de Mestrado apresentada perante


Comissão Julgadora do Programa de Pós-
Graduação em Direito Ambiental da
Universidade do Estado do Amazonas
(PPGDA/UEA) como requisito para a
obtenção do título de Mestre em Direito
Ambiental.

Orientador: Prof. Dr. Erivaldo Cavalcanti e Silva Filho

Coorientadora: Profa. Dra. Izaura Rodrigues Nascimento

MANAUS, AM
2015
2
3

Catalogação na fonte
Elaborada pela Universidade do Estado do Amazonas/UEA
Q1d Quadros, Jefferson Rodrigues de
Os desafios na gestão dos recursos hídricos e os comitês de bacias
hidrográficas no Estado do Amazonas /Jefferson Rodrigues de Quadros.
– Manaus: Universidade do Estado Amazonas, 2015.
257 fls.: Il; 30 cm

Dissertação apresentada ao Programa de Pós-graduação em Direito


Ambiental da Universidade do Estado do Amazonas – UEA.

Orientador: Prof. Dr. Erivaldo Cavalcanti e Silva Filho

1. Direito de Águas. 2. Recursos Hídricos. 3. Bacias Hidrográficas. I.


Título.
CDU 556.18(043.3)

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS


Rua Ajuricaba, 687 – Cachoeirinha – Programa de Pós-graduação em Direito Ambiental.
Cep. 69010-973 – Manaus-Am.
4

TERMO DE APROVAÇÃO

JEFFERSON RODRIGUES DE QUADROS

OS DESAFIOS NA GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS E OS COMITÊS DE


BACIAS HIDROGRÁFICAS NO ESTADO DO AMAZONAS

Dissertação aprovada pelo Programa de Pós-graduação em Direito Ambiental da


Universidade do Estado do Amazonas, pela Comissão Julgadora composta pelos membros
abaixo identificados.

Manaus, 25 de novembro de 2015

Prof. Dr. Erivaldo Cavalcanti e Silva Filho


Orientador Presidente
Universidade do Estado do Amazonas - UEA

Prof. Dr. Paulo Fernando Feitoza


Universidade do Estado do Amazonas - UEA

Profa. Dra. Mônica Nazaré Picanço Dias (membro externo)


Universidade Federal do Amazonas - UFAM
5

Dedico a Deus e à minha família. À minha amada mãe,


Maria de Lourdes dos Santos Rodrigues, exemplo de sabedoria,
dignidade, solidariedade, respeito e coragem para o
enfrentamento das adversidades que se apresentam ao longo da
vida, e que sempre dispensou apoio incondicional aos meus
projetos de vida.
A minha amada Helen Rita M. Coutinho pelo incentivo,
apoio técnico e afetivo, compreensão e companheirismo nos
diversos momentos de insegurança e dificuldades que
ocorreram ao longo desta jornada acadêmica, e cuja
participação foi determinante para a realização deste projeto de
vida.
À minha filha Manuela: amor incondicional.
6

AGRADECIMENTOS

Escrever uma Dissertação sobre gestão de recursos hídricos é um desafio


proporcional à dimensão da bacia hidrográfica amazônica: exige-se que seja feita uma longa e
cansativa viagem com um olhar holístico para conhecer as suas peculiaridades. Caracterizada
por sentimentos paradoxais, como tristezas, alegrias, preocupações, angústias, renúncias e
exílio, escrever uma Dissertação é uma experiência ímpar que desloca o pesquisador da sua
zona de conhecimento para o campo do desconhecido. É como navegar na imensidão da bacia
hidrográfica amazônica, pautada por um mosaico de peculiaridades pouco exploradas pela
ciência. Todavia, essa viagem não seria possível sem o apoio de muitas pessoas que me
ajudaram a escolher este rumo, e por tal razão, enquanto merecedores de toda a minha
gratidão, desejo agradecer:
À Deus, que me ofereceu a oportunidade de estudar e sempre me acolheu nos
momentos de dificuldades enfrentados ao longo desta jornada acadêmica.
À minha companheira, amiga e amante Helen Rita M. Coutinho, que mesmo cansada
e desgastada com os seus compromissos, sempre dispensou apoio incondicional, esteve ao
meu lado, e cujo ingresso na minha vida foi determinante para esta conquista. Obrigado, meu
amor.
À minha mãe, Maria de Lourdes dos Santos Rodrigues, minha referência, meu porto
seguro e minha inspiração para conhecer lugares diferentes, pessoas diferentes e sempre
descobrir novos valores humanitários. À minha amada filha Manuela Carvalho Rodrigues de
Quadros, pelo tempo que tive de renunciar a sua companhia e de acompanhar o seu
crescimento em sua tenra etapa da vida, visando a concretização deste projeto cuja relevância
temática não diz respeito apenas aos desafios impostos pelo cenário hídrico que terão de ser
enfrentados por ela enquanto ser humano em desenvolvimento, mas também por todas as
crianças do mundo que constituem às presentes e futuras gerações, uma vez que caberá a elas
o enfrentamento deste perverso legado hídrico deixado pela sociedade contemporânea. Você é
uma das razões do porquê de tudo isso, minha filha.
À minha irmã, Silvia Maria Rodrigues de Quadros, pelo zelo e cuidados dispensados
à minha mãe e filha no período em que me distanciei da companhia das mesmas para dedicar-
me à academia. Da mesma forma e pelas mesmas razões, rendo os meus agradecimentos à
minha irmã Carina Rodrigues de Quadros e aos meus cunhados Jonatan Kratz e Márcio
Teixeira.
7

Ao meu primo-irmão (e irmão de coração para a eternidade), Gustavo Pessota, cujos


atributos de amizade, respeito e admiração, renderam um lugar muito especial na minha
hierarquia axiológica, uma vez que não apenas constituí um dos pilares de união da nossa
família no Rio Grande do Sul, mas também por ter me confiado e presenteado com a honra de
ser padrinho do seu filho. Pedrinho, o dindo te ama.
Ao meu cão da raça Chow-Chow, Urso (in memoriam), meu filho, fiel amigo e
confidente, com quem tive a honra de compartilhar a sua trajetória de vida no decurso de oito
anos, e que embora dotado de personalidade forte, sobretudo, com pitadas de ferocidade,
loucura e amor, me ensinou muito para descobrir um pouco sobre o meu lado animal, cujos
traços permearam as razões que balizaram a Dissertação.
Ao meu orientador, Prof. Dr. Erivaldo Cavalcanti e Silva Filho, minha referência de
docência, exemplo de humildade nas relações interpessoais e compromisso com a qualidade
do ensino superior, pelo carinho, compreensão, sabedoria compartilhada, críticas e conselhos
que serão levados para toda a vida. Muito obrigado, Maestro ! À minha co-orientadora, Profa.
Dra. Izaura Rodrigues Nascimento, pesquisadora vocacionada ao estudo da antropologia da
Amazônia, pela paciência, dedicação, qualidade dos ensinamentos compartilhados e,
sobretudo, pelas críticas e orientações que me fizeram pensar a Amazônia de uma forma
diferente.
Aos meus professores do Mestrado, Prof. Dr. Paulo Fernando Feitoza, Maria
Nazareth Vasquez Mota e Valmir Cezar Pozzetti, pesquisadores e cientistas vocacionados à
qualidade da docência superior, não apenas pelos conhecimentos compartilhados, mas
também pela paciência quanto às não raras intervenções que eu fazia nas suas aulas.
Aos meus colegas de academia no Mestrado em Direito Ambiental da Universidade
do Estado do Amazonas, em especial, aos colegas que constituem o Grupo de Pesquisas de
Direito de Águas (GEDA), pela amizade, apoio, carinho, respeito e pelos conhecimentos
compartilhados no decurso desta trajetória.
Ao Programa de Pós-Graduação em Direito Ambiental (PPGDA), representado pela
Secretaria Sra. Raimunda Albuquerque, a qual, sempre de forma carinhosa, respeitosa e
dedicada, atuou para ajudar nas necessidades dos discentes.
Agradeço à CAPES pelo apoio financeiro através da bolsa que auxiliou para custear
parte do curso de Mestrado.
À banca de defesa, Prof. Dr. Paulo Fernando Feitoza que em muito contribuiu para o
desenvolvimento da Dissertação, através dos ensinamentos interdisciplinares acerca dos
8

olhares entre o direito e as ciências naturais, sobretudo, no plano empírico e socioambiental


da região amazônica.
À Profa. Dra. Mônica Nazaré Picanço Dias, pesquisadora vocacionada e
comprometida com a qualidade da docência, que em face do acometimento de enfermidade ao
estimado Prof. Dr. Ozório Fonseca, o qual ficou impossibilitado de participar na defesa final,
prontamente, aceitou o convite em substituí-lo no sentido de participar da Comissão
Julgadora, enquanto membro externo, compartilhando o seu conhecimento e contribuindo
com esta Dissertação da mesma forma dos demais relevantes préstimos científicos que
emprestou ao PPGDA/UEA ao longo dos anos.
A todos, de coração, muito obrigado.
9

“O mundo não será destruído por aqueles que fazem o mal, mas por
aqueles que os olham e não fazem nada.”

(Albert Eisten)
10

RESUMO

Os múltiplos usos e interesses sobre as águas têm revelado um contexto preocupante de


escassez e poluição hídrica. A distribuição desigual e o uso inadequado têm produzido
conflitos e colocado em xeque a garantia deste recurso para as gerações presentes e futuras.
Modificar este contexto e estabelecer acordos entre os diversos usos demandam arranjos
institucionais capazes de conciliar os diferentes interesses e a produção coletiva de soluções, o
que necessariamente perpassa pelo direito ambiental, enquanto ciência humana dotada de
capacidade interdisciplinar para dialogar com outros ramos da ciência. Neste sentido, e com o
propósito de contribuir para a resolução desta problemática, foram concebidos diplomas
internacionais e realizadas Conferências que culminaram em produzir as diretrizes políticas
que orientaram a legislação brasileira sobre a gestão das águas, mormente, por meio da Lei
9.433/97. Dentre as ferramentas de gestão hídrica empregadas pela norma brasileira foram
concebidos os Comitês de Bacia Hidrográfica, como expressão do princípio da participação e
enquanto instrumento jurídico para auxiliar nos programas de gestão dos recursos hídricos,
sendo um órgão colegiado de participação e integração entre o Poder Público, os usuários e a
sociedade civil para a deliberação de decisões quanto à forma de condução da gestão dos
recursos hídricos. E aqui encontra-se o foco da pesquisa: os Comitês de Bacia Hidrográfica e
o desafio da implementação das suas atribuições legais. Considerando que a constituição de
Comitês de Bacia Hidrográficas dotados de robustez institucional e autonomia financeira para
o cumprimento das suas atribuições representam o embrião para a efetivação de uma política
de gestão hídrica participativa e eficiente, e convergindo tal concepção ao contexto fático
existente no Estado do Amazonas em relação à gestão dos seus recursos hídricos, surgiu a
temática desta pesquisa. Assim, o tema pontual da dissertação trata sobre o Direito de Águas,
especificamente em relação aos desafios para a gestão dos recursos hídricos no Estado do
Amazonas, com ênfase, em relação aos Comitês de Bacia Hidrográfica do Rio Tarumã-Açu e
o do Rio Puraquequara, situados no entorno da cidade de Manaus, a partir das dificuldades
encontradas na implementação das suas gestões. Desta forma, o objetivo geral do estudo é
analisar os desafios a serem enfrentados para que os Comitês, enquanto instrumentos
fundamentais para a gestão dos recursos hídricos, venham a cumprir com as suas atribuições
legais no Estado do Amazonas, visando a construção de proposições a partir das dificuldades
encontradas na implementação das suas gestões. Com o escopo de orientar o estudo,
empregou-se o método, qualitativo, descritivo, aplicativo e dedutivo, extraído de fontes
públicas oficiais, da legislação em vigor, de material científico e doutrinário especializado,
bem como de pesquisa de campo desenvolvida.

PALAVRAS-CHAVE: Direito de Águas. Gestão dos Recursos Hídricos. Comitês de Bacias


Hidrográficas. Estado do Amazonas.
11

ABSTRACT

The multiple uses and interests on waters have revealed a worrying context of scarcity and
water pollution. The unequal distribution and inadequate use have produced conflicts and put
into question the guarantee of this resource for present and future generations. Modify this
context and establish agreements between the various uses require institutional arrangements
capable of reconciling the various interests and the collective production of solutions, which
necessarily passes through the enviromental law, while human science endowed with
interdisciplinary capacity to dialogue with other branches of science. In this sense, and in
order to contribute to solving this problem, international law were establishing and
conferences were held that culminated in producing policy guidelines that guided the
Brazilian legislation on water management , in particular, by law 9.433 / 97. Among the water
management tools employed by the Brazilian standard the creation the Hydrographic Basin
Committees as an expression of the principle of participation and as a legal instrument to
assist in the management of water resources programs, being a collegiate body of
participation and integration between government , users and society to the decision-making
on how to conduct the management of water resources. And here lies the core of the research:
the Hydrographic Basin Committees and the challenge of implementation of its statutory
duties. Considered that the creation of Hydrographic Basin Committees endowed with
institutional strength and financial autonomy to fulfill their duties represent the embryo for
the realization of a participatory and efficient water management policy, and converging such
a design/ concept to the existing factual context in Amazonas State for the management of its
water resources, the theme of this research came. Thus, the timely topic of the dissertation
deals with the Water Law, specifically in relation to the challenges for the management of
water resources in the State of Amazonas, especially in relation to the Committees of Basin
Tarumã-Açu River and the Rio Puraquequara, located around the city of Manaus, from the
difficulties encountered in the implementation of their management. Thus, the overall
objective of the study is to analyze the challenges to be faced to the Committees as essential
instrument for the management of water resources, will fulfill its legal duties in the state of
Amazonas, for the construction of proposals from the difficulties encountered in the
implementation of their management. With the aim of guiding the study, we used the method,
qualitative, descriptive, application, deductive, extract from official public sources, from
legislation, from scientific and doctrinal papers and developed field research.

KEYWORDS: Amazon. Hydrographic Basin Committees. Water right. State of Amazonas.


Management of Water Resources.
12

LISTA DE FIGURAS

Figura 01 - Poluição hídrica decorrente da falta de saneamento básico no igarapé da


Cachoerinha, em Manaus. 148
Figura 02 - Jacaré agonizando dentro do parque do Mindú (Manaus). 149
Figura 03 - Mapa ranking do saneamento básico no Brasil. 151
Figura 04 - Mapa das Regiões Hidrográficas do Estado do Amazonas. 155
Figura 05 – Igarapé na BH-T. 179
Figura 06 – Entardecer na BH-P. 179
Figura 07 - Localização da Bacia Hidrográfica do Rio Tarumã-Açu. 180
Figura 08 – Carta da rede viária da BH-T. 181
Figura 09 – Moradias populares de programas habitacionais construídos na BH-T. 182
Figura 10 – Devastação e loteamentos irregulares avançando sobre a floresta na BH-T. 182
Figura 11 – Bares flutuantes na BH-T. 183
Figura 12 – Marinas e atividades de turismo e lazer na na BH-T. 183
Figura 13 – Hotelaria na BH-T. 184
Figura 14 – Hotéis e marinas na BH-T. 184
Figura 15 - Praia particular na BH-T. 185
Figura 16 - Carta de uso e cobertura do solo na BH-T para o ano de 2008. 186
Figura 17 – Resíduos sólidos flutuando na BH-T. 187
Figura 18 – Resíduos sólidos flutuando na BH-T. 188
Figura 19 - Margens do Rio Tarumâ-Açu em período de vazante. 188
Figura 20 – Entardecer no rio Tarumã-Açu. 189
Figura 21 – Rede hidrográfica urbana de Manaus. 191
Figura 22 – Mutirão ecológico de limpeza do rio. 195
Figura 23 – Folder de atividade organizada pelo GEDA. 197
Figura 24 – Mutirão de limpeza. 197
Figura 25 – Mutirão de limpeza. 198
Figura 26 – Participação do Exército no mutirão. 198
Figura 27 – Logística de transporte dos resíduos coletados. 199
13

LISTA DE ANEXOS

ANEXO A – Decreto Estadual nº 28.349 de 19 de outubro de 2009, que dispõe sobre a


constituição do Comitê de Bacia Hidrográfica do Rio Tarumã-Açu

ANEXO B – Ata de reunião de constituição do Comitê de Bacia Hidrográfica do Rio Tarumã-


Açu

ANEXO C – Regimento Interno do Comitê de Bacia Hidrográfica do Rio Tarumã-Açu

ANEXO D – Ata de reunião do CERH/AM que dispõe sobre a divisão da bacia hidrográfica
no Estado do Amazonas

ANEXO E - Entrevistas realizadas no COMITESINOS e CBH-P


14

LISTA DE SIGLAS

ADS – Agência de desenvolvimento sustentável do Estado do Amazonas


ANA – Agência Nacional de Águas
ANEEL – Agência Nacional de Energia Elétrica
APA – Área de Proteção Ambiental
BH´s – Bacias Hidrográficas
BH-P – Bacia Hidrográfica do Puraquequara
BH-T – Bacia Hidrográfica do Tarumã
CBH – Comitê de Bacia Hidrográfica
CBH´s – Comitês de Bacias Hidrográficas
CBH-P – Comitê de Bacia Hidrográfica do Rio Puraquequara
CBH-T – Comitê de Bacia Hidrográfica do Rio Tarumã-Açu
CERH – Conselho Estadual de Recursos Hídricos
CF – Constituição Federal da República Federativa do Brasil
CIC - Comité Intergovernamental del Cuenca
CNRH – Conselho Nacional de Recursos Hídricos
COMITESINOS – Comitê de Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos
CONAMA – Conselho Nacional do Meio Ambiente
CPRM – Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais
EIA/RIMA – Estudo de Impacto Ambiental/Relatório de Impacto Ambiental
GEDA – Grupo de Estudos de Direito de Águas do Mestrado em Direito Ambiental da
Universidade do Estado do Amazonas
IPAAM – Instituto de Proteção Ambiental do Estado do Amazonas
INPA – Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia
LI – Licença de Instalação
LO – Licença de Operação
MPF – Ministério Público Federal
OIT – Organização Internacional do Trabalho
ONG´s – Organizações Não Governamentais
ONU – Organização das Nações Unidas
OTCA – Organização do Tratado de Cooperação Amazônica
PERH – Política Estadual de Recursos Hídricos
15

PNRH – Política Nacional de Recursos Hídricos


PPGDA – Programa de Pós-Graduação em Direito Ambiental da Universidade do Estado do
Amazonas
SAG – Sistema Aquífero Guarani
SDS – Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável do Estado do Amazonas
SERH – Secretaria Estadual de Recursos Hídricos do Estado do Amazonas
SNGRH – Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos
TCA – Tratado de Cooperação Amazônica
UEA – Universidade do Estado do Amazonas
UFAM – Universidade Federal do Estado do Amazonas
UFPA – Universidade Federal do Pará
UFRGS – Universidade Federal do Rio Grande do Sul
UNISINOS – Universidade do Vale dos Sinos
16

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ................................................................................................................... 20
2.1 ENTENDENDO O DIREITO DE ÁGUAS .................................................................... 31
2.1.1 Classificação dos usos e interesses sobre os Recursos Hídricos ......................... 34
2.1.1.1 Abastecimento humano ......................................................................................... 35
2.1.1.2 Energia hidrelétrica ............................................................................................... 35
2.1.1.3 Irrigação e agropecuária ........................................................................................ 37
2.1.1.4 Indústria................................................................................................................. 38
2.1.1.5 Mineração .............................................................................................................. 39
2.1.1.6 Navegação e hidrovias .......................................................................................... 40
2.1.1.7 Pesca ...................................................................................................................... 42
2.1.1.8 Proteção ambiental ................................................................................................ 43
2.1.1.9 Turismo e lazer ...................................................................................................... 45
2.1.2 Conflitos pelas Águas ............................................................................................. 47
2.1.3 Direito à água e o direito de águas ........................................................................ 49
2.1.4 Fontes do direito de águas ..................................................................................... 51
2.2 MARCOS HISTÓRICOS E PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE PROTEÇÃO LEGAL
DAS ÁGUAS ........................................................................................................................ 53
2.2.1 Carta Européia da Água/1968............................................................................... 55
2.2.2 Tratado da Bacia do Prata/1969 ........................................................................... 56
2.2.3 Conferência de Estocolmo/1972 ............................................................................ 59
2.2.4 Conferência de Mar del Plata (ONU)/1977 .......................................................... 60
2.2.5 Tratado de Cooperação Amazônica/1977 ............................................................ 61
2.2.6 Conferência sobre Água e Meio Ambiente de Dublin/1992................................ 62
2.2.7 Declaração Universal dos Direitos das Águas...................................................... 64
2.2.8 Declaração do Rio/1992 - Agenda 21 .................................................................... 65
2.2.9 Convenção de Helsink/1992 ................................................................................... 68
2.2.10 Convenção sobre o direito relativo à utilização dos cursos de águas
internacionais para fins diversos dos de navegação/1997 ............................................ 69
2.2.11 Conferência Internacional da Água e Desenvolvimento Sustentável –
Paris/1998 ......................................................................................................................... 71
2.2.12 Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento
Sustentável (Rio+20)/2012 .............................................................................................. 71
2.3 ORGANISMOS INTERNACIONAIS SOBRE RECURSOS HÍDRICOS ..................... 75
2.3.1 Conselho Mundial da Água ................................................................................... 75
2.3.2 Comissão das Nações Unidas sobre águas............................................................ 78
3 PRINCÍPIOS INFORMADORES DO DIREITO DE ÁGUAS ...................................... 80
3.1 PRINCÍPIO DO DIREITO À ÁGUA COMO DIREITO FUNDAMENTAL DA
PESSOA HUMANA ............................................................................................................. 80
3.2 PRINCÍPIO DA SOLIDARIEDADE INTERGERACIONAL ....................................... 84
3.3 PRINCÍPIO DA COOPERAÇÃO INTERNACIONAL ................................................. 88
17

3.4 PRINCÍPIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ......................................... 92


3.5 PRINCÍPIO DO VALOR ECONÔMICO DA ÁGUA .................................................... 96
3.5.1 Princípio do poluidor-pagador.............................................................................. 97
3.5.2 Princípio do usuário-pagador ............................................................................. 100
3.5.3 Princípio do protetor-recebedor ......................................................................... 101
3.5.3.1 Pagamento por serviços ambientais (PSA) ......................................................... 102
3.6 PRINCÍPIO DA INFORMAÇÃO ................................................................................. 104
3.7 PRINCÍPIO DA PARTICIPAÇÃO ............................................................................... 106
3.8 PRINCÍPIO DA PRECAUÇÃO.................................................................................... 110
3.9 PRINCÍPIO DA PREVENÇÃO .................................................................................... 112
4 GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS ....................................................................... 115
4.1 ENTENDENDO A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS ..................................... 115
4.1.1 Gestão dos recursos hídricos na França e a influência sobre a norma brasileira
......................................................................................................................................... 115
4.2. GESTÃO DAS ÁGUAS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL ....................................... 117
4.2.1 Competência legislativa privativa da União ...................................................... 118
4.2.2 Competências legislativas concorrentes ............................................................. 119
4.2.3 Competências materiais ....................................................................................... 120
4.2.3.1 Competências comuns ......................................................................................... 120
4.2.4 Domínio dos recursos hídricos ............................................................................ 121
4.2.4.1 Domínio da União ............................................................................................... 122
4.2.4.2 Domínio dos Estados........................................................................................... 124
4.3 POLÍTICA NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS ............................................... 124
4.3.1 Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos (SNGRH) ........... 125
4.3.2 Conselho Nacional de Recursos Hídricos ........................................................... 126
4.3.3 Conselhos Estaduais de Recursos Hídricos ........................................................ 127
4.3.4 Gestão Descentralizada e Participativa .............................................................. 128
4.3.5 Agências de Água ................................................................................................. 129
4.3.6 Agência Nacional de Águas (ANA) ..................................................................... 130
4.4 INSTRUMENTOS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS ............................... 131
4.4.1 Planos de Recursos Hídricos ............................................................................... 131
4.4.2 Enquadramento dos corpos de água e suas classes ........................................... 132
4.4.3 Sistema de Informações sobre Recursos Hídricos ............................................. 134
4.4.4 Outorga de direito de uso dos Recursos Hídricos ............................................. 135
4.4.5 Cobrança pela utilização dos Recursos Hídricos .............................................. 136
5 COMITÊS DE BACIA HIDROGRÁFICAS .................................................................. 137
5.1 ENTENDENDO OS COMITÊS DE BACIAS HIDROGRÁFICAS (CBH´S) .............. 137
5.2 ESTRUTURAS LEGAIS DOS COMITÊS DE BACIA ............................................... 138
5.2.1 Comitês de Bacia Hidrográfica na Política Nacional de Recursos Hídricos ... 138
5.2.2 Comitês nas bacias dos rios transfronteiriços: Resolução nº 05 do CNRH .... 140
5.3 PRINCÍPIO DA PARTICIPAÇÃO E INTEGRAÇÃO ................................................. 141
5.4 O MODELO DO COMITESINOS ................................................................................ 142
18

6 A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS E OS COMITÊS DE BACIA


HIDROGRÁFICAS NO ESTADO DO AMAZONAS ...................................................... 145
6.1 CONTEXTO HIDROSSOCIAL NO ESTADO DO AMAZONAS .............................. 145
6.1.1 Socioambientalismo e diversidade cultural........................................................ 146
6.1.2 Água potável e saneamento básico ...................................................................... 149
6.2 GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO AMAZONAS ................ 157
6.2.1 Política Estadual de Recursos Hídricos .............................................................. 157
6.2.1.1 Fundamentos da PERH ....................................................................................... 159
6.2.1.2 Objetivos da PERH ............................................................................................. 160
6.2.2 Instrumentos da PERH........................................................................................ 160
6.2.2.1 Plano Estadual de Recursos Hídricos .................................................................. 161
6.2.2 Enquadramento dos corpos de água em classes ................................................ 162
6.2.2.3 Outorga ................................................................................................................ 164
6.2.2.4 Cobrança.............................................................................................................. 165
6.2.2.5 Sistema Estadual de Informações sobre Recursos Hídricos................................ 166
6.2.2.6 Fundo Estadual de Recursos Hídricos (FERH) ................................................... 167
6.2.3 Sistema Estadual de Gerenciamento dos Recursos Hídricos (SEGRH).......... 168
6.2.3.1 Conselho Estadual de Recursos Hídricos ............................................................ 169
6.2.3.2 Secretaria Estadual de Recursos Hídricos ........................................................... 170
6.2.3.3 Comitês de Bacias Hidrográficas ........................................................................ 171
6.2.3.4 Agência de Águas................................................................................................ 174
6.2.4 O Ministério Público e a judicialização da gestão hídrica ................................ 175
6.3 OS COMITÊS DE BACIA HIDROGRÁFICA NO ESTADO DO AMAZONAS ........ 181
6.3.1 Bacia Hidrográfica do Tarumã: aspectos hidrossociais ................................... 182
6.3.2 Comitê de Bacia Hidrográfica do Rio Tarumã-Açu (CBH-T) ......................... 192
6.3.3 Bacia Hidrográfica do Puraquequara (BH-P): aspectos hidrossociais ........... 194
6.3.4 Comitê de Bacia Hidrográfica do Rio Puraquequara (CBH-P) ...................... 195
6.4 PROPOSTAS PARA A EFETIVAÇÃO DOS OBJETIVOS DOS COMITÊS ............. 197
6.4.1 Educação ambiental ............................................................................................. 197
6.4.2 Engajamento das instituições de ensino ............................................................. 199
6.4.3 Fortalecimento da participação e diálogo entre o Estado, usuários e sociedade
civil .................................................................................................................................. 202
6.4.4 Articulação com o Ministério Público ................................................................ 203
6.4.5 Incremento da atuação dos órgãos públicos na gestão dos recursos hídricos 204
6.4.6 Engajamento das ONG´s e redes ambientais. .................................................... 204
6.4.7 Pagamento por serviços ambientais (PSA) ........................................................ 205
6.4.8 Mudanças no ordenamento hidrojurídico estadual .......................................... 206
7 CONSIDERAÇÕES FINAIS ............................................................................................ 209
REFERÊNCIAS ................................................................................................................... 218
ANEXO A – DECRETO DE RECONHECIMENTO....................................................... 226
ANEXO B – ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DA BACIA DO TARUMÃ-AÇU ...... 227
19

ANEXO C – REGIMENTOINTERNO DO COMITÊ DA BACIA DO TARUMÃ-AÇU


................................................................................................................................................ 230
ANEXO D - ATA DA 25ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO ESTADUAL DE
RECURSOS HÍDRICOS DO AMAZONAS – CERH/AM. ............................................. 243
ANEXO E - ENTREVISTAS .............................................................................................. 249
20

1 INTRODUÇÃO

A gestão dos recursos hídricos representa tema latente e de viés interdisciplinar em


face da complexidade dos múltiplos fatores e interesses que influenciam na sua construção.
Quando se ingressa na órbita do estudo sobre a gestão de recursos hídricos, se está
ingressando em uma área turva, pautada por mistérios e questionamentos que na medida em
que são aprofundados alimentam os desafios propostos ao pesquisador devido à complexidade
da sua abrangência. O ramo do direito que se debruça sobre a gestão dos recursos hídricos é o
direito de águas, que é uma espécie do gênero do direito ambiental. A amplitude do direito de
águas é elástica e extrapola os limites jurídicos, abordando outras temáticas cujos objetos
dizem respeito a outras áreas do conhecimento, como a política, economia, sociologia,
antropologia, geografia, química, biologia, hidrologia, geologia, e assim por diante. O direito
de águas, na mesma estirpe do direito ambiental, teve a sua origem no direito internacional.
Os estudos e as discussões que foram objeto das Convenções e Tratados internacionais
celebrados, sobretudo, após a segunda metade do Século XX, contribuíram para a formação
dos fundamentos e princípios que balizam o direito de águas.
Nesta esteira, a dimensão continental do território brasileiro, caracterizado por
diferentes biomas e acentuadas assimetrias hídricas e socioeconômicas, tem revelado um
contexto preocupante em relação à gestão dos recursos hídricos, o que justifica a maior
intervenção do direito de águas nos últimos anos.
Com fulcro no art. 21, inciso XIX, da Constituição Federal de 1988, foi concebida a
Lei Federal nº 9.433/97, a qual foi inspirada no modelo da sistemática francesa, resultando na
instituição do Sistema Nacional de Gerenciamento dos Recursos Hídricos (SNGRH) cujo
objetivo principal consiste em coordenar a gestão das águas e implementar a Política Nacional
de Recursos Hídricos (PNRH). Para efeito de composição do SNGRH, a aludida norma
federal, em observância às premissas participativas de gestão democrática e integrada das
águas, concebeu a criação dos Comitês de Bacias Hidrográficas (CBH´s) como um dos
integrantes do referido sistema.
Neste espectro, os Comitês de Bacia Hidrográficas, enquanto expressão do princípio
da participação e integração, e inspirado por uma política de descentralização estatal quanto à
gestão hídrica, consiste em um organismo colegiado composto por diferentes atores públicos e
privados, que visa orientar as políticas hídricas nas suas respectivas bacias hidrográficas,
tendo importante papel, quiçá o mais importante, para uma gestão hídrica participativa,
integrada e, sobretudo, eficiente.
21

Em decorrência das premissas normativas estabelecidas pela Lei 9.433/97, o Estado do


Amazonas instituiu a sua Política Estadual de Recursos Hídricos representada pela Lei nº
2.712 de 28 de dezembro de 2001, a qual foi posteriormente revogada pela Lei nº 3.167 de 27
de agosto de 2007, sendo regulamentada pelo Decreto Estadual nº 28.678/09.
Na mesma formatação jurídico-administrativa preconizada pela norma federal, a Lei
Estadual nº 3.167/07, do Estado do Amazonas, promoveu a constituição de um Sistema
Estadual de Recursos Hídricos (SERH), bem como estabeleceu a criação de Comitês de Bacia
Hidrográficas (CBH´s) para figurarem como integrantes do SERH. Disto decorreu o
surgimento, em julho de 2006, do primeiro Comitê de Bacia Hidrográfica na Amazônia Legal,
criado por força do Decreto nº 29.249 de 19 de outubro de 2009, denominado Comitê de
Bacia Hidrográfica do Rio Tarumã-Açu (CBH-T), tendo como área de abrangência a Bacia
Hidrográfica do Rio Tarumã-Açu, conforme pode ser observado no Anexo A, situada na
região metropolitana de Manaus. No ano de 2014, foi constituído o segundo CBH do Estado
do Amazonas, denominado de Comitê de Bacia Hidrográfica do Rio Puraquequara (CBH-P),
o qual ainda está pendente de formalização por meio de Decreto Estadual, encontrando-se
atualmente em processo de organização e os seus membros vêm se mobilizando no sentido de
viabilizá-lo, todavia, ainda não apresentando resultados quanto à efetivação das suas
atribuições institucionais, o que, neste momento, se justifica pelo fato de recém ter sido
criado.
Considerando as peculiaridades hídricas e socioeconômicas que constituem as
diferentes regiões do Brasil, a gestão eficaz dos recursos hídricos não vem se concretizando
de forma harmônica no território brasileiro, o que pode ser identificado pelas disparidades
relacionadas à quantidade de Comitês de Bacias existentes nas regiões sul, sudeste, centro-
oeste e nordeste, em comparação com as existentes na região norte do país, o que é paradoxal,
uma vez que é nesta última região, sobretudo, na Amazônia, em que se encontram os maiores
volumes de água doce no território nacional e significativa parte existente no mundo.
A delimitação hidrográfica decorrente do recorte territorial de uma bacia hidrográfica
torna a análise jurídica relevante no contexto ambiental contemporâneo, haja vista a crise
hídrica que assola muitas regiões do mundo e do Brasil, não ocorrendo diferente no Estado do
Amazonas.
E aqui se encontra o ponto nevrálgico da pesquisa, pois considerando o
distanciamento incomensurável entre os planos da existência do Comitê de Bacia do Tarumã-
Açu (CBH-T) e da efetividade das suas atribuições legais, e ainda o fato do Comitê de Bacia
do Rio Puraquequara (CBH-P) se encontrar em estágio de organização, permite-se conceber
22

que o Estado do Amazonas, enquanto guardião de grande parte da maior bacia hidrográfica do
mundo, atualmente, não dispõe de nenhum Comitê de Bacia Hidrográfica em pleno
funcionamento, o que está a revelar um quadro, extremamente preocupante.
O perímetro urbano da cidade de Manaus tem em seu âmbito de abrangência quatro
micro-bacias hidrográficas, as quais contribuem para a formação da Bacia do Rio Negro, a
saber: as micro-bacias do Rio São Raimundo e do Rio Educandos, alocadas dentro da cidade;
e as micro-bacias do Rio do Tarumã-Açu e do Rio Puraquequara, localizadas na área urbana.
Estas duas últimas micro-bacias hidrográficas, as quais constituem o cenário da pesquisa,
albergam significativo mosaico ambiental que atuam diretamente sobre a qualidade de vida da
sociedade manauara, bem como de outras comunidades tradicionais ribeirinhas, indígenas e
quilombolas que ocupam o seu entorno.
Albergando uma das maiores coberturas vegetais de floresta amazônica situada no
entorno de Manaus, bem como sendo habitat de espécies silvestres e nativas da fauna da
região, a biodiversidade existente nos ecossistemas das bacias hidrográficas do Tarumã-Açu e
Puraquequara se encontram comprometidas devido à ameaça do desordenado e avassalador
avanço demográfico na zona urbana da cidade.
Assim, a temática abordada na pesquisa está adstrita à análise da gestão dos recursos
hídricos e a efetividade das atribuições legais dos Comitês de Bacia Hidrográficas do Rio
Tarumã-Açu (CBH-T) e Puraquequara (CBH-P), ambos afluentes do Rio Negro, localizados
na região metropolitana de Manaus, com base nas suas experiências vivenciadas, enquanto
ferramentas para a gestão dos recursos hídricos no Estado do Amazonas.
Portanto, o epicentro jurídico da pesquisa encontra-se sob o cenário do processo de
gestão dos recursos hídricos nas bacias hidrográficas do Rio Tarumã-Açu e Puraquequara,
especificamente, no que tange à atuação dos seus respectivos Comitês e os desafios quanto ao
cumprimento das suas atribuições, conforme a formatação concebida pelos diplomas
normativos internacionais, nacional e estadual.
Em decorrência da relevância desta problemática, justificada pelo desejo de produzir
uma contribuição para a gestão dos recursos hídricos, a partir de 2014, enquanto discente do
Programa de Pós-Graduação do Mestrado em Direito Ambiental da Universidade do Estado
do Amazonas (PPGDA/UEA), passou-se a desenvolver esta pesquisa visando realizar uma
análise da experiência de Gestão dos Recursos Hídricos no Estado do Amazonas, sobretudo,
em relação aos Comitês de Bacias Hidrográficas (CBH´s), para a produção de subsídios
voltados a compreender os obstáculos que comprometem a efetividade das atribuições destes
23

órgãos, e sob o viés propositivo produzir alternativas a partir das dificuldades encontradas na
implementação das suas gestões.
Diante da dimensão desse contexto e considerando as experiências de gestão
vivenciadas pelo Comitê de Bacia do Rio Tarumã-Açu (CBH-T), atualmente, estagnado,
deixando de cumprir com as suas atribuições, e o recém-constituído Comitê do Rio
Puraquequara (CBH-P), o qual se encontra em processo de organização, consoante apontado
anteriormente, verificou-se que o Estado do Amazonas, embora albergue parte significativa da
maior bacia hidrográfica do mundo, atualmente, não dispõe de nenhum CBH em pleno
funcionamento e cumprindo, efetivamente, com as atribuições definidas pelos ordenamentos
jurídicos, razão pela qual elaborou-se a seguinte pergunta problema:
Quais são os desafios a serem enfrentados para que os Comitês (CBH-T e CBH-P),
enquanto ferramentas fundamentais para a gestão dos recursos hídricos venham a cumprir
com as suas atribuições legais no Estado do Amazonas?
Com o intuito de responder à problemática levantada, o objetivo geral da pesquisa foi
analisar a gestão dos recursos hídricos no Estado do Amazonas e os desafios a serem
enfrentados para que os CBH´s venham a cumprir com as suas atribuições legais no sentido
de serem construídas proposições a partir das dificuldades encontradas na implementação das
suas respectivas gestões.
Para atingir tal objetivo geral foram fixados alguns objetivos específicos que
orientaram a própria execução da pesquisa, a saber:
a) contextualizar juridicamente os modelos de gestão dos recursos hídricos no
mundo, no Brasil e no Estado do Amazonas;
b) identificar a efetivação (ou não) do cumprimento dos princípios de Direito de
Águas na conjuntura da política hídrica do Estado do Amazonas;
c) verificar como se constituem os atuais processos de gestão dos recursos hídricos
no Estado do Amazonas com enfoque aos desafios para o cumprimento das
atribuições dos Comitês das Bacia Hidrográfica do Rio Tarumã-Açu (CBH-T) e
Puraquequara (CBH-P);
d) realizar uma análise entre às experiências vivenciadas pelos CBH-T e CBH-P;
e) compreender o princípio da participação em relação à gestão dos recursos hídricos,
bem como entender os fundamentos para a constituição dos CBH´s;
f) conhecer os modos de participação no CBH-T e no CBH-P;
g) identificar os principais desafios em relação à gestão do CBH-T e do CBH-P;
24

h) investigar o modelo de gestão do COMITESINOS, por ser o mais antigo CBH do


Brasil, para que se possa buscar estratégias e exemplos suscetíveis de
aplicabilidade na gestão dos CBH´s no Estado do Amazonas;
i) apresentar alternativas, sob um viés propositivo, a partir das experiências
vivenciadas e dificuldades encontradas na implementação da gestão do CBH-T e
do CBH-P;
j) analisar se o atual modelo de gestão dos recursos hídricos preconizado pela Lei
9.433/97 quanto aos CBH´s é compatível ao contexto sociocultural amazônico
diante da dimensão da bacia hidrográfica amazônica.
Segundo Dencker (2000, p. 90), “a hipótese é uma suposição que se faz na tentativa de
responder ao problema. É uma antecipação da resposta que deve ser testada e comprovada no
decorrer da pesquisa”. Nesse sentido, conforme uma análise preliminar em relação à
problemática que propôs-se a enfrentar na pesquisa foram construídas as seguintes hipóteses
(H) no sentido de que:
H1- A raiz do problema estaria na falta de transparência das políticas públicas quanto
à gestão dos recursos hídricos no Estado;
H2- Os CBH´s teriam dificuldades de cumprir com as suas atribuições legais em
decorrência da falta de recursos financeiros para prover as suas subsistências;
H3- As dificuldades encontradas pelos CBH´s decorreriam da conflitância de
interesses entre os seus membros e a falta de capacitação técnica e articulação política;
H4- As disparidades entre a atuação dos Comitês se justificaria pelo grau de
comprometimento entre os membros de um e de outro;
H5- Os modelos de gestão dos recursos hídricos preconizados pela Lei Federal nº
9.433/97 e pela Lei Estadual 3.137/2009, cujas origens têm esteio no modelo francês e
simetricamente aplicáveis nos demais Estados do Brasil, não estariam aptas para o contexto
demográfico e sociocultural amazônico diante da dimensão da bacia hidrográfica amazônica.
Com fundamento nos conhecimentos teórico-empíricos construídos, resultou
habilitado o momento da apresentação da metodologia através da qual a investigação foi
realizada. Segundo Andrade (2001), as várias finalidades de uma pesquisa podem ser
classificadas em dois grupos: a) de ordem intelectual, também denominada de “fundamental”
e “pura” que são as pesquisas que tem o objetivo alcançar o saber, sendo realizadas por
cientistas e que contribuem para o progresso das ciências; b) as de ordem aplicada, que visam
às aplicações práticas, com objetivo de atender às exigências da vida moderna.
25

A metodologia empregada para efeito de estruturar a pesquisa parte de uma


abordagem qualitativa e aplicada, representada por entrevistas direcionadas e coleta de dados
em campo, realizadas sobre a área de abrangência da Bacia Hidrográfica do Rio Tarumã-Açu
e Puraquequara. Este método de abordagem apresenta-se fundamental para uma aproximação
da intimidade entre os atores e o objeto da investigação. Para Granger (1992), a realidade
social é qualitativa e os acontecimentos são dados, primeiramente, como qualidades em dois
níveis: em primeiro lugar, como um vivido absoluto e único, incapaz de ser captado pela
ciência; e, em segundo lugar, como experiência vivida no âmbito da forma, sobretudo, da
linguagem, que a prática científica visa transformar em conceitos. Outrossim, para efeito de
consubstanciar a natureza jurídica, porém, interdisciplinar, que diz respeito o presente
trabalho, foram empregadas as metodologias de pesquisa descritiva, explicativa e indutiva,
sob o viés exploratório, para a imersão na causa do fenômeno mediante pesquisas
bibliográficas e documentais, uma vez que o tema proposto tem uma cariz transdisciplinar,
não podendo ser explicado apenas por uma área do conhecimento; neste caso, o direito.
O procedimento técnico adotado para balizar a pesquisa proposta consistiu na
apresentação de dados primários coletados em campo, e através da descrição de condições e
características mediante os seguintes procedimentos:
a) entrevistas qualitativas direcionadas com os agentes da gestão dos recursos
hídricos no Estado do Amazonas (autoridades públicas representantes do Estado,
bem como dos representantes do CBH-P e COMITESINOS) e registros
fotográficos coletados em campo;
b) obtenção de dados oficiais e documentais disponibilizados pelos órgãos (ou
organismos) (inter)estatais;
c) produções científicas disponibilizadas pela da Internet;
d) revisão legislativa, bibliográfica e doutrinária, com o emprego de revistas
especializadas, livros e periódicos; sendo os dados técnicos, científicos e
estatísticos delimitados nos últimos 5 anos.
O método foi a ordem empregada para a imposição dos diferentes processos
necessários para atingir um fim dado ou um resultado desejado. Bervian e Cervo (1996)
distinguem o “método” de “processo”: o método serve como um dispositivo ordenado e o
procedimento sistemático em plano geral; e o processo como meio para a aplicação do plano
metodológico e a forma especial de executá-lo. Assim, pode-se dizer que, hierarquicamente, o
processo está subordinado ao método, sendo seu auxiliar imprescindível, e nesta ordem foi
orientada a pesquisa.
26

Deste modo, relevante reiterar que a pesquisa desenvolvida é classificada como


“aplicada”, uma vez que tem como objetivo contribuir para fins práticos, pela busca de
soluções para problemas concretos; ou seja, espera-se contribuir para o entendimento e a
melhoria da gestão dos recursos hídricos e das atribuições dos Comitês de Bacias
Hidrográficas do Estado do Amazonas visando a apresentação de alternativas propositivas
concebidas a partir das experiências vivenciadas e os desafios encontrados para a
implementação da gestão do CBH-T e do CBH-P.
Com o intuito de facilitar o entendimento e processo de investigação, o trabalho de
pesquisa que orientou a Dissertação teve as seguintes questões norteadoras que se buscou a
investigar:
a) Como funciona o modelo de gestão do CBH-T e o CBH-P ?
b) Quais foram as atividades desenvolvidas pelo CBH-T e pelo CBH – P ?
c) Como são financiadas as atividades do CBH-T e o CBH-P?
d) O porquê o CBH-T não está a cumprir com as suas atribuições institucionais?
e) Quais são os entraves que obstruem o cumprimento das atribuições dos CBH-T e
o CBH-P ?
f) Quais as peculiaridades encontradas entre os CBH´s no Estado?
g) Em que fase do processo de organização se encontra o CBH-P ?
Quanto à pesquisa, Lakatos e Marconi (2001) classificam-na sob o ponto-de-vista dos
fins, a dividindo em pesquisa exploratória, explicativa e descritiva. No estudo que fomentou
esta Dissertação foi empregado, em primeiro momento, uma pesquisa exploratória, onde se
buscou, por meio de obras doutrinárias e científicas, periódicos, e outras informações
disponibilizadas pela Administração Pública dados e elementos sobre os Comitês de Bacia
Hidrográficas para contextualizar historicamente os seus modelos de gestão no mundo, no
Brasil e no Estado do Amazonas, e também para que fosse viabilizada uma comparação entre
às experiências vivenciadas entre os CBH-T e CBH-P.
Em segundo momento, a pesquisa desenvolvida teve caráter descritivo. Barros e
Lehfeld (2000) identificam a pesquisa descritiva como sendo aquela em que, não há a
interferência do pesquisador, isto é: ele descreve o objeto de pesquisa, procura descobrir a
frequência com que um fenômeno ocorre, sua natureza, características, causas, relações e
conexões com outros fenômenos. Neste contexto, Triviños (1987) relata que na pesquisa
descritiva a interpretação dos resultados surge como a totalidade de uma especulação que tem
como base a percepção de um fenômeno num contexto, e em decorrência da produção de
resultados a pesquisa não é vazia, mas coerente, lógica e consistente.
27

Para efeito de fomentar a pesquisa descritiva desenvolvida, foi observada, registrada e


analisada a gestão e os modos de participação no CBH-T e CBH-P, bem como descritos os
principais problemas em relação às suas respectivas gestões.
Dencker (2000, p. 152) afirma que a pesquisa explicativa procura identificar os fatores
que determinam ou contribuem para a ocorrência dos fenômenos. Caracteriza-se pela
utilização do “método experimental (nas ciências físicas) e observacional (nas ciências
sociais)”. Sendo assim, o estudo desenvolvido também se classifica como pesquisa
explicativa, uma vez que produziram-se alternativas propositivas a partir das experiências
vivenciadas e dificuldades encontradas na implementação da gestão dos CBH´s e realizou-se
uma análise do atual modelo de gestão dos recursos hídricos preconizado pela Lei 9.433/97
entre os dois comitês.
Quanto aos procedimentos, como método foi utilizada a pesquisa bibliográfica para
fundamentar teoricamente o trabalho, através das fontes secundárias, ou seja, obras
doutrinárias, artigos científicos, periódicos, revistas especializadas, dissertações e teses, e por
meio da internet.
E por derradeiro, a pesquisa classifica-se como qualitativa. Richardson et al. (1999)
esclarece que o método qualitativo difere, em princípio, do quantitativo à medida que não
emprega um instrumento estatístico como base do processo de análise de um problema. Não
pretende numerar ou medir unidades ou categorias homogêneas. Na pesquisa de campo, foi
realizada uma investigação empírica junto às órbitas territoriais das bacias hidrográficas
investigadas com intuito de coletar dados para fomentar os resultados, bem como sobre a
gestão do COMITESINOS. Convergindo tais elementos ao propósito da presente pesquisa,
buscou-se descrever os modelos de gestão dos CBH´s- T/P e COMITESINOS mediante
entrevistas estruturadas aos agentes institucionais com o fito de produzir o caráter qualitativo
da pesquisa.
Barbabetta (1999) afirma que um passo importante no delineamento da pesquisa
consiste na decisão de quem se vai pesquisar. Segundo Ruter e Abreu (1988), população ou
universo é o público a ser avaliado. Amostra é a parte da população a ser investigada, da qual
se obtém dados representativos.
Devido a quantidade de Comitês existentes no Estado do Amazonas (apenas dois),
entendeu-se fazer o censo, ou seja, 100% do universo de pesquisa.
A coleta de dados segundo Dencker (2000) é a fase do método de pesquisa que tem
por objetivo obter informações sobre a realidade. Conforme as informações necessárias,
existem diversos instrumentos e formas de operá-los. Nas ciências humanas, o questionário e
28

a entrevista são as técnicas mais frequentes e possuem em comum o fato de serem


constituídos de uma lista de indagações que, se respondidas, dão ao pesquisador a informação
necessária.
De acordo com Richardson et al. (1999), a melhor situação para participar na mente de
outro ser humano é a interação face-a-face, pois proporciona maior proximidade entre as
pessoas. E, esse tipo de interação entre as pessoas só é possível através da entrevista.
Richardson et al. (1999) explicam que na entrevista guiada o pesquisador conhece
previamente os aspectos que deseja pesquisar e, com base neles, formula alguns pontos a
tratar na entrevista. As perguntas dependem do entrevistador e o entrevistado tem a liberdade
de expressar-se como ele quiser, guiado pelo entrevistador. A esse respeito, Lakatos e
Marconi (2001) caracterizam a entrevista como sendo um encontro entre duas pessoas
(entrevistador e entrevistado) cuja finalidade consiste em obter informações face-a-face, por
parte do entrevistado.
O instrumento de coleta de dados utilizado nesta pesquisa foi a técnica da entrevista
semi-estruturada, com o objetivo de investigar a partir das experiências vivenciadas pelos
atores as dificuldades encontradas na implementação da gestão do CBH-T e do CBH-P , bem
como do COMITESINOS com o fito de realizar uma análise do atual modelo de gestão dos
recursos hídricos entre os comitês, considerando-se para esse trabalho os agentes que
participam na gestão dos aludidos comitês, sendo utilizado um roteiro para entrevista, com os
principais tópicos relativos ao tema em questão e tomado como base o principio da
participação. Os dados foram coletados entre os meses de abril e setembro de 2015, onde as
entrevistas tiveram duração média de uma horas, cada.
A análise dos dados ocorreu de forma qualitativa, para que fosse possível descrever os
desafios enfrentados pelos CBH´s no sentido de que viessem a cumprir com as suas
atribuições legais no Estado do Amazonas. Inicialmente, foram apresentadas a transcrição
literal das respostas, buscando as categorias definidas dessas entrevistas. Esse procedimento
procurou verificar as similaridades e diferenças entre as respostas, para maior riqueza quanto
à análise.
Na coleta de dados foram realizadas entrevistas estruturadas com os gestores dos
Comitês de Bacia Hidrográfica do Rio Tarumã-Açu e Puraquequara (um representante do
Poder Público e outro de alguma entidade da sociedade civil que figura como membro), com a
Secretaria de Estado de Recursos Hídricos e Mineração do Estado do Amazonas (SERHM) e
com o Presidente da Comissão do Meio Ambiente da Assembleia Legislativa do Estado do
29

Amazonas (ALEAM), os quais tiveram a oportunidade de expressar os seus pensamentos,


bem como descrever as dificuldades quanto ao processo de gestão dos CBH´s.
Devidamente explicitada a mecânica que fomentou a metodologia desse estudo que
resultou na presente Dissertação, pôde-se buscar e analisar os desafios a serem enfrentados
para que os CBH´s, enquanto instrumentos fundamentais para a gestão dos recursos hídricos,
venham a cumprir com as suas atribuições legais no Estado do Amazonas, bem como algumas
experiências vivenciadas pelo COMITESINOS, visando a produção de proposições que
pudessem auxiliar na estruturação dos comitês no Estado, a partir das dificuldades
encontradas na implementação das suas gestões.
Assim, a metodologia empregada viabilizou a produção desta Dissertação cujo
sumário está divido em seis seções. Após esta introdução, a pesquisa percorreu cinco
momentos distintos, partindo do contexto geral para o específico: do geral, através da
apresentação dos fundamentos e fontes do direito de águas, seu embasamento principiológico,
suas balizas constitucionais e a sistemática da gestão dos recursos hídricos preconizado pela
Política Nacional de Recursos Hídricos (PNRH); ingressando-se no específico por meio da
análise dos Comitês de Bacias Hidrográficas, e depois convergindo para uma investigação
detalhada sobre a gestão dos recursos hídricos e a efetividade dos Comitês de Bacia
Hidrográficas no Estado do Amazonas; sendo, derradeiramente, apresentadas propostas com o
fim de orientar os desafios a serem enfrentados pelos do CBH-T e CBH-P visando o
cumprimento das suas atribuições institucionais.
Para melhor compreensão, explica-se que o trabalho foi estruturado em seis seções,
seguindo esta divisão:
Nesta seção 1, apresentou-se a contextualização do tema, a situação problema, os
objetivos, a justificativa e a apresentação da metodologia;
Na seção 2 são apresentados os conceitos e fundamentos do direito de águas, a
classificação sobre os múltiplos interesses envolvidos e conflitos quanto aos usos da água, as
diferenças entre o „direito de águas‟ e o „direito de água‟, as fontes, sendo realizada uma
incursão sobre os principais diplomas internacionais que tratam sobre a gestão dos recursos
hídricos e que influenciaram na construção dos princípios direito de águas.
Na seção 3 são abordados os princípios que constituem os fundamentos articuladores
do direito de águas.
A seção 4 trata sobre a gestão dos recursos hídricos no mundo, na França e no Brasil,
e ainda demonstra a mecânica constitucional brasileira quanto à distribuição das competências
30

e domínios dos recursos hídricos, com destaque à Política Nacional de Recursos Hídricos, os
seus objetivos, órgãos e instrumentos de regulação quanto aos usos da água.
A seção 5 tem como enfoque os Comitês de Bacias Hidrográficas com destaque ao
princípio da participação para a compreensão da sua extensão, enquanto instrumento de
integração e participação entre o Estado e a sociedade civil no sistema de gerenciamento dos
recursos, bem como outros aspectos inerentes à sua constituição, formação, objetivos, entre
outros temas relevantes.
A seção 6 ingressa na temática específica sobre a gestão dos recursos hídricos no
Estado do Amazonas, realizando uma análise sobre o contexto hídrico e sociocultural
regional, a Política Estadual de Recursos Hídricos, os instrumentos de regulação, bem como
oferece destaque minucioso sobre os Comitês de Bacia Hidrográficas dos rios Tarumã-Açu e
Puraquequara, os seus modelos de gestão, suas atividades, seus problemas estruturais,
dificuldades e desafios, sendo, por fim, apresentadas alternativas propositivas para cada um
deles visando à remoção dos entraves que obstruem a consecução dos seus objetivos
institucionais;
Na seção 7 são apresentas as considerações finais, onde se buscou sintetizar os
resultados e demonstrar como as hipóteses foram confirmadas para que, com o viés
propositivo, pudessem ser produzidas alternativas e ferramentas para a construção de um
modelo de gestão hídrica eficiente e economicamente viável para o Estado do Amazonas, e
suscetível de aplicação para os demais Estados da Amazônia brasileira.
31

2 DIREITO DE ÁGUAS: FONTES, CRONOLOGIA E PRINCIPAIS


INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS

A crise da água constitui um fenômeno global, razão pela qual é preciso repensar os
seus usos múltiplos, interesses envolvidos, bem como a forma de gestão dos recursos hídricos.
Apresentadas as noções introdutórias que balizam o estudo proposto, nesta seção,
preliminarmente, discorre-se sobre os múltiplos interesses envolvidos em relação aos usos da
água, os seus fundamentos, as fontes e os principais institutos legais internacionais que
constituem o direito de águas. Em outro momento, apresenta-se os contornos conceituais
sobre o “direito à água” e “direito de águas” para efeito de orientar o decurso do trabalho.
Posteriormente, são abordadas as fontes do direito de águas. E por derradeiro, pelo fato do
direito de águas ter como um das suas fontes principais os Tratados, Convenções,
Conferências e Declarações Internacionais, é realizada uma incursão sobre os principais
diplomas internacionais que fomentaram a constituição do direito de águas enquanto
ferramenta para a gestão dos recursos hídricos.

2.1 ENTENDENDO O DIREITO DE ÁGUAS

A água está na pauta da vida, seja enquanto necessidade fisiológica de qualquer ser
vivo, seja em qualquer agenda socioeconômica. Nos dias atuais, ao se assistir a televisão, ler o
jornal ou ouvir o rádio, de uma coisa pode-se ter a certeza: em algum momento, direta ou
indiretamente, algo será dito em relação à água. Arrefecida a cultura de que a água trata-se de
um recurso natural inesgotável, a questão da água ganha maior relevo diante de quadros
climáticos caóticos que comprometem as necessidades humanas, a qualidade de vida e o
equilíbrio do ecossistema. Água de mais, ou água de menos, é uma das principais causas dos
conflitos geopolíticos que tendem a se acentuar no decurso do Século XXI, razão pela qual a
água figura presente na agenda das mais diversas pautas socioeconômicas da pós-
modernidade. A matéria, antes restrita às discussões ambientalistas e técnicas, foi ganhando
espaço e hoje ocupa lugar de destaque, uma vez que na medida em que aumentaram as
demandas pelos usos das águas, também se intensificaram os interesses por parte de diversos
setores sociais e econômicos, sendo neste contexto que se insere o direito de águas,
especificamente, no âmbito da gestão dos recursos hídricos cujo objeto diz respeito ao
equacionamento entre a oferta e demanda de água por meio da utilização de ferramentas de
gestão.
32

Se apresenta oportuno, neste momento preliminar, um esclarecimento, pois, não


raramente, as pessoas utilizam-se das expressões “direito à água” e “direito de águas” como
sinônimas, o que é equivocado. Para efeito de repelir tais equívocos, esclarece-se que
enquanto o direito à água é um direito humano universal e expressão do sobre princípio da
dignidade da pessoa humana, o direito de águas constitui-se em ramo do direito, sendo
subespécie do gênero do direito ambiental.
Para Pompeu (2006, p. 677), o direito de águas constitui ramo híbrido da ciência do
direito pelo fato de conter tanto normas de direito público, como de privado. Neste sentido, o
aludido doutrinador averba o seguinte conceito quanto ao direito de águas, afirmando que:

O conjunto de princípios e normas jurídicas que disciplinam o domínio, o uso, o


aproveitamento, a conservação e a preservação das águas, assim como a defesa
contra suas danosas consequências. De início, denominava-se Direito Hidráulico. A
estreita vinculação das normas jurídicas relativas às águas com o ciclo hidrológico,
que praticamente desconhece limites no seu percurso, faz com que o Direito de
Águas contenha normas tradicionalmente colocadas tanto no Direito Privado como
no Público.

Granziera (2014, p. 12), por sua vez, tomando emprestado parte do conceito
formulado por Pompeu (2006), define o direito de águas como sendo:

O conjunto de princípios e normas jurídicas que disciplinam o domínio, as


competências e o gerenciamento das águas, visando ao planejamento dos usos, à
conservação e à preservação, assim como a defesa de seus efeitos danosos,
provocados ou não pela ação humana.

A confluência entre os conceitos apresentados pelos aludidos doutrinadores permite a


construção de um entendimento jurídico acerca do que representa o direito de águas. Todavia,
para efeito de melhor compreensão sobre o âmbito da abrangência do direito de águas,
relevante se apresenta o conhecimento sobre o sentido das expressões “recursos hídricos” e
bacia hidrográfica, pois elas permeiam todas as estruturas da gestão hídrica.
Embora as expressões “água” e “recursos hídricos” tenham íntima relação e,
eventualmente, sejam empregadas como sinônimas, ambas têm conceito diferente. A água
constitui elemento natural, enquanto os recursos hídricos representam uma construção
artificial dotada de fundamentos e princípios que atribuem carga socioeconômica para regular
o uso racional da água.
No mesmo diapasão, muitas pessoas desconhecem o conceito de bacia hidrográfica, a
qual representa a unidade territorial de aplicação da gestão hídrica. O conceito de bacia
hidrográfica surgiu com a necessidade da gestão dos recursos hídricos. Destaca Machado
33

(2014, p. 512) que “a bacia hidrográfica abrange cursos de água, que são catalogados como
´principal´ e/ou tributário” e que “ não está necessariamente abrangendo os aquíferos, ou seja,
a bacia hidrogeológica”, a qual para existir deve conter pelo menos um aquífero de extensão
significativa.
Tal conceito deve ser interpretado sob um viés híbrido, sobretudo de natureza
normativa e científica. O conceito de bacia hidrográfica foi apresentado pela Lei de Política
Agrícola – Lei 8.171/91, produzida antes da Lei 9.433/97, que em seu art. 20, já dispusera
sobre o conceito, e que ainda continua em vigor: “As bacias hidrográficas constituem-se em
unidades básicas de planejamento do uso, da conservação e da recuperação dos recursos
naturais”.
Oportunamente, com o advento da Lei 9.433/97, no seu artigo 1º, inciso V, restou
apresentado um conceito limitado de bacia hidrográfica estabelecendo que “a bacia
hidrográfica é a unidade territorial para implementação da Política Nacional de Recursos
Hídricos e atuação do Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos.”
Na seara da engenharia ambiental, apresentam-se relevantes as afirmações e
particularidades quanto as bacias hidrográficas averbadas por Rodrigues e Mediondo (2013,
p.48). Estes autores afirmam que:

A bacia hidrográfica pode ser conceituada como sendo uma área delimitada por
divisores topográficos e drenada por um curso de água e seus afluentes, que
conduzem as águas superficiais para uma seção fluvial de saída, denominada
exutório. Os divisores topográficos ou divisores de água, por sua vez, são compostos
pela ligação entre os pontos mais elevados do terreno, separando o recolhimento da
precipitação por duas bacias adjacentes.
A vertente da bacia hidrográfica abrange diversos processo hidrológicos, ecológicos
e uma crescente antropização, na forma de atividades agrícolas, industriais e
comerciais, bem como a expansão de núcleos urbanos. Parte das consequências
dessa ocupação é refletida, de modo significativo, na quantidade e qualidade da rede
de drenagem da bacia. A bacia hidrográfica proporciona uma visão abrangente e
sistêmica, que analisa e leva em conta tanto as imposições climáticas naturais como
o resultado das alterações da paisagem causadas pelo Homem.
Entretanto, a adoção de bacia hidrográfica como unidade de gestão possui alguns
aspectos negativos, um dos quais reside no fato de que esta não controla o fluxo de
águas subterrâneas, importante fonte de recursos hídricos. Além disso, os campos de
atuação dos aspectos econômicos e políticos não coincidem com os limites da bacia
hidrográfica. Portanto, existem certas dificuldades para se lidar com esse recorte
geográfico, uma vez que os resultados hídricos exigem a gestão compartilhada com
a administração pública. Desse modo, o principal desafio ocorre no sentido de que o
Brasil ainda necessita aprimorar sua base territorial de unidades de planejamento e
gestão de recursos hídricos, bem como tipologias e gerenciamento, que poderão não
coincidir, em sua totalidade, com as bacias hidrográficas predefinidas. Assim, é
imprescindível que a tomada de decisão nos níveis regional e municipal seja
coerente às necessidades e ao próprio planejamento das bacias hidrográficas.
34

Perfazendo uma articulação entre os conceitos normativos e uma análise holística,


pode-se conceber que a bacia hidrográfica constitui uma área drenada, delimitada
territorialmente, composta não apenas por características hidrogeológicas, mas também
marcada por características demográficas e socioeconômicas, que são objeto de estudos para
efeito de conduzir um processo de gestão hídrica voltada à consecução das políticas hídricas
numa determinada bacia.
Portanto, quando se fala em “recursos hídricos” e “ bacia hidrográfica”, se está na
área da gestão de recursos hídricos que, por sua vez, tem o direito de águas como o ramo do
direito que se dedica à gestão dos recursos hídricos voltados à consecução dos fundamentos
estabelecidos por uma política hídrica.
De outra sorte, diferentemente do direito de águas, o direito à água tem outra
fundamentação: axiológica, pois o direito à água, por si só, guarda significativa carga
humanitária. Isto é o que justifica a razão da existência do direito de águas, uma vez que
enquanto àquele é portador de carga axiológica humanitária decorrente de direitos
fundamentais, este traz consigo fundamentos e ferramentas capazes de promover a execução
da gestão dos recursos hídricos. Com o propósito de oportunizar maior aprofundamento que
este tema merece, no tópico próprio do direito à água e direito de águas, sobretudo, na seção
2.1.3, será revistada tal matéria, pormenorizadamente.

2.1.1 Classificação dos usos e interesses sobre os Recursos Hídricos

Segundo a hidrologia, os usos dos recursos hídricos podem ser classificados como
“consuntivos” e “não consuntivos”. Os usos consuntivos são aqueles em que existe perda de
água entre o que é derivado e o que retorna ao curso natural, servindo como exemplo o
abastecimento público, os usos de água pelas indústrias, a irrigação, etc. Os usos não
consuntivos, por seu turno, são aqueles em que a perda de água é quase nula, tendo como
exemplos a geração de energia elétrica, a navegação, a pesca e a preservação, entre outros.
Embora a água seja considerada bem de domínio público e de uso comum do povo,
tal como previsto na Constituição Federal, sendo preconizado, portanto, um tratamento
equânime para todos os usuários, os usos múltiplos da água determinam interesses
multifacetados que não raras vezes se colidem, provocando tensões sociais.
Para melhor análise quanto ao espectro dos usos e interesses envolvidos quanto à
água, passamos a abordar alguns deles.
35

2.1.1.1 Abastecimento humano

Enquanto elemento imprescindível para a manutenção da vida humana, sobretudo,


para suprir as necessidades humanas como a hidratação, o preparo da alimentação, a
higienização, entre tantas outras funções cotidianas, a água precisa se encontrar dentro de
parâmetros quali-quantitativos compatíveis com as demandas e peculiaridades demográficas.
Normalmente, esta água provém de mananciais superficiais (rios ou lagos) ou
subterrâneos (aquíferos) que apresentam disponibilidade. As águas superficiais nem sempre se
encontram em condições qualitativas para o consumo, sobretudo, nas regiões mais
urbanizadas, devido à intensidade das atividades antrópicas. As águas subterrâneas, por sua
vez, representam uma alternativa mais adequada, embora mais sensíveis na comparação com
as águas superficiais. A poluição pode ser controlada preventivamente com mais facilidade
nos aquíferos do que nas águas superficiais, todavia o seu processo de remediação demanda
maior complexidade, investimentos econômicos e é bem mais demorado. O uso da água
produz efluentes que são conduzidos até a destinação final por projetos de esgotamento
sanitário, e quando o tratamento não é realizado da maneira correta, inúmeros problemas
decorrem disto: poluição hídrica, aumento do custo do abastecimento, necessidades de
tratamentos mais complexos, investimentos em obras de captação de água em mananciais não
poluídos e redes de distribuição mais distantes, problemas de saúde decorrentes de doenças
veiculadas pelas águas, bem como o comprometimento da qualidade de vida da população.
Destarte, como resta permitido interpretar, os custos sociais e financeiros em relação
aos usos urbanos das águas são diretamente proporcionais às deficiências de gestão: quanto
mais deficiente a gestão dos recursos hídricos, maior são os custos sociais, financeiros, bem
como o tempo demandado para a remediação de tais problemas, sendo esta a perversa lógica
da gestão hídrica urbana, a qual pode ser sintetizada no verso de autoria de Carlos Drumound
de Andrade: “A natureza não faz milagres, faz revelações”.

2.1.1.2 Energia hidrelétrica

A relação existente entre a produção de energia, o desenvolvimento das nações, e as


transformações sociais, é uma realidade. Enquanto condição fundamental para prover o
modelo de vida hodierno, a importância do setor energético para o desenvolvimento
econômico e social é patente.
36

No contexto global, a produção de energia representa capacidade de


desenvolvimento econômico com reflexos na geração de empregos, na educação, na saúde, na
cultura, bem como em outros direitos sociais. Assim, a produção de energia constitui
necessidade não apenas para melhorar a qualidade de vida, mas também requisito para o
aprimoramento do processo produtivo, enquanto instrumento provedor de riquezas em um
mundo pautado pela competição de mercados.
Todavia, justificada pelo crescente aumento da demanda global por energia e em
razão da sua importância econômica e social hodierna, a expansão da sua produção requer
compromisso com a preservação e recuperação dos recursos naturais e, em especial, no
cenário brasileiro, os hídricos, haja vista que a matriz energética brasileira é basicamente
fomentada por hidrelétricas, razão pela qual pode-se dizer que a nossa matriz enérgica é
considera limpa, diversamente do que ocorre em outros países que não dispõem de grande
quantidade de água, tendo de recorrer a outras fontes mais poluentes, como as termelétricas
que empregam carvão ou combustíveis fósseis, ou as nucleares, as quais são iminentemente
perigosas em face da sua capacidade destrutiva, caso ocorra algum erro operacional.
Discorrendo sobre a energia elétrica no Brasil, Kelman (2006, p. 510) afirma:

A energia elétrica é o serviço público de mais amplo alcance social no País,


atendendo a cerca de 92% dos domicílios. Há quatro grandes sistemas interligados
por linhas de transmissão, integrados pelas empresas concessionárias das Regiões
Sul, Sudeste e Centro-Oeste e por concessionárias da Região Nordeste e parte da
Região Norte. Esses sistemas atendem a 98% do consumo nacional. Além disso há
um conjunto de aproximadamente trezentos sistemas isolados, em sua maioria de
pequeno porte e localizados na Região Norte (Amazônia), cobrindo, contudo, cerca
de 45% do território nacional.

Neste sentido, a natureza foi muito generosa com o Brasil, pois além de oferecer
água doce em abundância, as condições geológicas propícias de grande parte do território
nacional, sobretudo, nas regiões sul e sudeste, também contribuem significativamente para a
produção desta modalidade de energia.
A relação existente entre a água e a produção de energia é tamanha que o derrogado
Código de Águas representado pelo Decreto 24.643/34, inspirado por políticas públicas
privacionistas decorrentes do Código Civil de 1916, foi concebido no sentido de dedicar
especial atenção ao segmento hidrelétrico, enquanto ferramenta para o desenvolvimento
econômico nacional.
Na região norte do Brasil, especificamente, na região da Amazônia legal, existe água
doce em abundância, todavia, diversamente do que ocorre nas regiões sul e sudeste, as
37

características geológicas não permitem a produção de energia hidrelétrica, sendo que quando
construídas hidrelétricas os seus impactos ambientais são significativos em decorrência das
inundações de grandes áreas pelas barragens que alagam parte expressiva da floresta que,
diga-se de passagem, é tropical úmida, provocando não somente uma modificação substancial
na fauna e flora da região, nas terras ocupadas tradicionalmente por populações indígenas,
quilombolas e ribeirinhas, mas também sobre a quantidade e a qualidade do pescado, o que
acaba comprometendo a qualidade de vida destas populações e, em especial, as pessoas
menos favorecidas economicamente.
Um dos exemplos mais enfáticos em relação à insanidade deste modelo de produção
de energia na região amazônica pode ser verificado na hidrelétrica de Balbina/AM, a qual o
impacto ambiental e econômico aos pescadores e ribeirinhos desta região foi em muito
superior à quantidade de energia produzida.
A título ilustrativo quanto às nefastas consequências decorrentes da construção de
hidrelétricas na região amazônica, pode-se observar a dimensão das discussões políticas,
sociais, econômicas e ambientais que vem sendo debatidas em torno da usina de Belo Monte,
a qual inundará uma extensão territorial maior do que muitos países da Europa.
Desta forma, o âmago da discussão diz respeito à análise comparativa axiológica que
se encontra em jogo e que, necessariamente, perpassa por uma decisão antropológica: por um
lado, a capacidade de desenvolvimento econômico e melhor qualidade de vida dos habitantes
da região norte mediante a produção em grande escala de energia hidrelétrica; e de outro, os
efeitos negativos decorrentes deste modelo energético, uma vez que não somente a fauna e
flora de parte da região amazônica serão afetadas, mas, sobretudo, as comunidades
tradicionais e indígenas que têm o pescado como principal fonte de subsistência.

2.1.1.3 Irrigação e agropecuária

Em face da grande extensão territorial e abundância de recursos naturais, no decurso


dos anos, a economia brasileira se pautou por um modelo de produção primário mediante a
exploração dos recursos naturais, ou seja, ela foi direcionada estratégica e politicamente para
a produção de bens de base, sendo que somente em meados do século passado o Estado
dispensou maior atenção à produção industrial.
Enquanto setor significativo na balança comercial brasileira, a agroindústria
representa segmento de relevante inserção política e econômica, sendo que o setor da
38

agricultura irrigada tem interesse na garantia de água, em quantidade e qualidade, para o


desenvolvimento de suas culturas.
Todavia, a agricultura irrigada e a pecuária representam os setores de maior consumo
de água no Brasil. Com o avanço da biotecnologia, diferentes métodos vem sendo
empregados pela agroindústria mediante a utilização de defensivos agrícolas, sementes
transgênicas e outros mecanismos para otimizar o processo produtivo.
Enquanto resultados da cadeia produtiva destes setores, são explotadas quantidades
expressivas de água e lançados efluentes. Estes dejetos, quando não tratados corretamente, são
suscetíveis de serem lançados diretamente nos corpos hídricos superficiais ou infiltram-se no
solo de modo a afetar as águas subterrâneas, as comprometendo quali-quantitavimente.
Dependendo da composição dos insumos empregados pelo setor da agricultura, os
efluentes lançados culminam em produzir uma poluição hídrica que não se limita na órbita da
região do foco da produção da poluição, razão pela qual os seus efeitos podem perpassar a
área originária da poluição e, quanto ao aspecto temporal, podem demorar longos anos para
serem recuperados, sendo importante destacar que a contaminação das águas subterrâneas
demandam mais tempo para remediação do que as águas superficiais.
A poluição hídrica não provoca danos somente à flora e à fauna, mas também afeta a
qualidade da água captada pelos demais usuários, inclusive, comprometendo a saúde e a
economia destes em razão da contaminação do pescado e da própria água reutilizada para
outras culturas.
Desta forma, o uso da água para a agricultura irrigada e pecuária, da mesma forma
que os demais usos narrados anteriormente, também estão a ocasionar tensões sociais, pois
enquanto a agroindústria representa importante setor da economia brasileira, as consequências
ambientais decorrentes da demanda por água pode culminar em consequências negativas em
outros setores, alimentando a discussão de diversos interesses em torno da disputa pela água,
e produzindo embates decorrentes dos interesses e valores em conflito, uma vez que este é o
setor da economia, dotado de características consuntivas, que mais consome água.

2.1.1.4 Indústria

A água representa insumo imprescindível para o setor industrial, uma vez que em
razão das suas diferentes propriedades está presente em todo o processo da cadeia produtiva.
Discorrendo sobre tal temática, conforme acentua Kulay (2006, p. 367), “a água é o único
líquido inorgânico encontrado na natureza e é também o único composto químico que ocorre
39

naturalmente nos três estados físicos: sólido, líquido e vapor a utilização da água”. Outrossim,
Kulay (2006, p. 367) afirma que a água tem uma diversificada gama de aplicações na
indústria, tais como:

*Matéria-prima e como reagente: obtenção de hidrogênio, de ácido sulfúrico, de


ácido nítrico, de soda e em inúmeras reações de hidratação e de hidrólise; Como
solvente de substâncias sólidas, líquidas e gasosas; Na lavagem de gases e sólidos
para retenção de materiais contidos em misturas nesses estados; Como veículo de
suspensão de materiais em fase sólida; Em operações envolvendo transmissão de
calor: como agente de resfriamento de massas reagentes que se aqueceram por
reações exotérmicas, agente de aquecimento, na forma de água quente ou vapor
d´água, e mesmo como fonte de energia, por meio da geração de vapor d´água.

A importância da água no setor industrial é patente. Sem a água, a indústria não


dispõe de condições para viabilizar qualquer produção, uma vez que tudo depende do acesso à
água. Não bastasse ela participar de várias fases do processo produtivo, tudo o que se
consome contém água, as denominadas “águas virtuais”, que são as águas que não se vêem na
aquisição de um produto, porém, se encontram inseridas na logística hídrica de produção
deste produto considerando desde a origem da extração da matéria-prima, perpassando por
toda a cadeia produtiva, até chegar ao consumidor final.
Desta forma, sendo o uso da água pela indústria classificado como consuntivo, ou
seja, a água não retorna ao meio nas mesmas condições de quantidade e qualidade em fora
extraída, a responsabilidade do setor industrial com o uso racional das águas deve ser pautado
por um pacto de responsabilidade ambiental, o que justifica a intervenção e controle pelo
Estado mediante o emprego dos instrumentos de outorga e cobrança pela água, bem como da
sociedade civil por meio dos instrumentos da ação civil pública e ação popular.

2.1.1.5 Mineração

A indústria da mineração está diretamente relacionada com o desenvolvimento


econômico das regiões onde ela atua. Isto ocorre em todo o mundo, e no Brasil não é
diferente. Tem reflexos diretos no desenvolvimento humano das regiões, uma vez que
alimenta a indústria ofertando mais empregos e, consequentemente, impulsiona a economia
regional.
Com a finalidade de produzir bens minerais comercializáveis, as atividades da
indústria da metalurgia não se limitam à extração, mas também ao beneficiamento de
minérios. A água está presente em quase todas as etapas da cadeia produtiva de minérios,
40

demandando um uso intensivo que ocasiona impactos ambientais, sobretudo, quando


empregada na lavra, no beneficiamento de minérios e na metalurgia extrativa, bem como
quando no tratamento dos efluentes que culminam por serem lançados nos corpos hídricos.
O cumprimento da legislação ambiental constitui-se o principal desafio ao setor da
mineração, uma vez que complexo o processo de licenciamento ambiental para as atividades
desta natureza devido ao seu alto potencial de impacto ambiental.
Neste sentido, conforme afirma Ciminelli (et. all., 2006, p. 433) ao comentar sobre a
relação entre a água, a mineração e a legislação ambiental: “[...] as questões relacionadas ao
meio ambiente, em especial no que se refere à água e aos recursos hídricos, são, com
frequência, um dos pontos de conflito mais óbvios na interface mineração-sociedade”.
Não bastassem os custos elevados a serem investidos para fomentar o seu processo
produtivo desde a pesquisa de viabilidade técnica e econômica, até o preparo do minério para
atender os critérios comerciais, o potencial impacto ambiental devido à demanda intensiva do
uso da água justificam a complexidade para o licenciamento ambiental que envolve múltiplos
fatores para efeito de concessão – o que torna ainda mais desafiador o cumprimento da lei
pelo setor de minerais.
Dessa forma, pode-se concluir que em que pese inegável a importância do setor da
mineração para o desenvolvimento socioeconômico regional e nacional, as suas atividades
produzem significativo impacto ambiental e, sobretudo, nas águas, razão pela qual se justifica
a intervenção do poder público por meio de instrumentos de outorga, licenciamento e
classificação dos corpos de água em categorias para que os danos produzidos sejam
minimizados por meio de adoção de tecnologias menos poluentes, bem como equacionados
através de medidas compensatórias em benefício, efetivo, da sociedade que ocupa o entorno
da região explorada, haja vista os efeitos predatórios da atividade.

2.1.1.6 Navegação e hidrovias

Segundo preconizou Fernando Pessoa (1888-1935): “navegar é preciso; viver não é


preciso”. E de fato é mesmo. Quando o ilustre pensador português trata sobre a navegação, a
expressão “precisar” tem duplo sentido: uma, enquanto verbo que acusa uma necessidade para
o desenvolvimento; e outra, na forma do substantivo “precisão”, que tem como base uma
ciência exata que não aceita o erro quanto ao destino final do navegador. Entretanto, quando
Fernando Pessoa se refere à “vida”, o poeta aborda a razão do mistério dela: emprega a
expressão “precisar”, enquanto verbo, no sentido de que a “vida” não é “necessária” quando
41

desprovida de valores ou sem propósitos, mas sim para a construção de algo produtivo e que
venha a ser útil para a humanidade; por sua vez, quando o autor emprega o termo “precisar”
na função de substantivo, o emprega para explicar que não existem certezas nesta vida, a qual
é possível saber-se onde, com quem, como e quando começa, porém, não se sabe onde, como,
quando e na companhia de quem se termina.
Nas margens dos rios desenvolveram-se as grandes civilizações. A história demonstra
que o principal uso dos rios sempre foi a extração de água para o abastecimento das atividades
humanas, para a dessedentação de animais e irrigação, todavia, também ilustra que desde os
tempos mais remotos, na época das primeiras civilizações, se utilizavam de embarcações a
remo ou à vela para o transporte de carga e passageiros. Neste período longínquo já se
realizavam obras para melhorar as condições de navegação.
A dinâmica socioeconômica hodierna, sobretudo, acrescida após o advento da
sociedade tecnológica e da informação, resultou no encurtamento das distâncias de
comunicação, porém, não geográficas. Devido a este fenômeno, o transporte de bens e
pessoas se intensifica cada vez mais, demandando a construção de logísticas alternativas. Tão
importante quanto à produção de energia, o setor de transportes consiste em critério
imprescindível para o desenvolvimento econômico e social.
Em um país com a extensão territorial como o Brasil, a logística para o trânsito de
bens e pessoas é algo complexo, resultando imprescindível o uso da navegação que além de
ser o principal responsável pelo escoamento da produção nacional para o exterior, também
atinge regiões longínquas desprovidas de rodovias, como é o caso de inúmeras cidades da
região amazônica.
A extensão hidrográfica existente no território brasileiro dá o tom da sua vocação
hidroviária, no entanto, o país precisa enfrentar problemas estruturais significativos de
logística de transportes, uma vez que carece de corredores ferroviários e de navegação fluvial,
o que não apenas limita o escoamento da produção agrícola, mineral e industrial, mas,
também, enquanto consectário lógico, torna-se uma barreira intransponível para o
desenvolvimento socioeconômico. E isto tem uma explicação pela própria história do Brasil: a
sua ocupação começou pela costa, com pouca inserção para o seu interior, desprezando os rios
porque eles não apresentavam condições de navegabilidade compatíveis com as embarcações
daquela época.
Neste diapasão, merece destaque o enfrentamento destas adversidades naturais
ocorridas no início do século passado, sobretudo, no período do ciclo da borracha, na bacia
42

amazônica, em face do desafio para o transporte e logística desde a produção até o consumo
final.
Atualmente, perpassado quase um século daquele contexto, e embora a indústria da
navegação tenha evoluído significativamente em decorrência da tecnologia das embarcações,
ainda existem complexidades inerentes à navegação fluvial.
As condições de navegação representam o ponto nevrálgico: largura mínima dos
canais de navegação, profundidades mínimas navegáveis, velocidades da água e, ainda, os
seus impactos ambientais que, em que pesem mínimos na comparação com outros meios de
logística e usos da água, produzem danos ambientais não apenas devido a movimentação de
terras no fundo dos rios, comprometendo o ambiente aquático, mas também pelo potencial
poluidor das cargas transportadas em caso de eventual acidente hidroviário; isso, sem
considerar o fenômeno que vem ocorrendo em relação aos crustáceos e algas alojados nas
embarcações que culminam em comprometer a biodiversidade aquática de outras regiões mais
sensíveis a estes predadores, dentre outros danos qualitativos em relação às águas. Nesta
esteira, Santos (2006, p. 557) arrola alguns impactos advindos da navegação:

*a regularização e o aumento de profundidade em leitos naturais;


*dragagens, derrocamentos, cortes de meandros e outras obras mais localizadas cuja
evolução futura é de difícil previsão;
*dragagens de materiais poluentes ou potencialmente contaminantes e,
principalmente, seu destino;
*e a degradação da qualidade da água nos terminais fluviais de crescimento e
movimento muito intenso.

Diante de todo exte contexto, enquanto segmento pautado por objetivos e interesses
econômicos, pode-se, suscinta e o objetivamente, dizer que, atualmente, a preocupação do
setor de navegação e hidrovias reside nas condições das hidrovias, especificamente, em
relação ao nível de água, condições de navegação e dimensão do calado dos rios para efeito de
viabilizar melhores condições logísticas.

2.1.1.7 Pesca

Desde os tempos mais remotos, a pesca sempre foi uma das principais fontes para a
satisfação das necessidades alimentares humanas, também servindo como elemento para a
cadeia alimentar dos demais seres vivos da espécie animal.
43

Contudo, no decurso do processo civilizatório, as características em relação à


exploração dos recursos pesqueiros evoluiu expressivamente, tendo relação direta com a
formatação econômica e cultural de diversas regiões.
Atualmente, a pesca se divide em diversas matizes:
a) a pesca industrial por meio das sofisticadas técnicas de aquiculturas;
b)a pesca artesanal, realizada pelos pescadores e ribeirinhos para proverem a sua
alimentação e como fonte de renda;
c) a pesca medicinal, empregada como insumo para a produção de medicamentos,
a pesca científica visando a pesquisa; e
d)a pesca enquanto atividade turística e desportiva organizadas.
O grande objetivo de pauta das atividades pesqueiras diz respeito à qualidade das
águas, pois isto compromete sobremaneira não apenas a qualidade do pescado, mas também a
quantidade e, consequentemente, fomentando a economia.
As atividades antrópicas, sobretudo, da mineração, da hidroeletricidade, do
esgotamento sanitário, entre outras, influenciam diretamente neste critério quali-quantitativo
do pescado, uma vez que não raramente o pescado pode se encontrar contaminado em
decorrência da poluição hídrica e, consectariamente, produzindo danos que não se limitam à
economia, mas também na saúde das pessoas e outros animais que formam a cadeia alimentar
que se alimentam de tais espécies contaminadas, constituindo um círculo vicioso cujo
resultado de degradação é difuso e não se limita à órbita geográfica em que foi produzida.
Nesse contexto, o setor pesqueiro, como o mais tradicional de todos os segmentos
econômicos das regiões banhadas pelos rios, no sentido de manter as espécies de peixes
adequadas para a pesca, basilarmente, preocupa-se com as interferências de outras atividades
que possam modificar os critérios quali-quantitativos da água e, consequentemente,
comprometer a qualidade e a quantidade do pescado.

2.1.1.8 Proteção ambiental

Pode-se afirmar que a legislação ambiental brasileira representa um dos arcabouços


legiferantes mais avançados do mundo. A preocupação quanto à proteção ambiental no Brasil
tem a sua origem desde a colonização portuguesa, quando então na época do Império
Português algumas espécies da flora brasileira foram protegidas e vedadas as suas extrações
predatórias. O próprio nome do país decorreu da espécie nativa da flora existente na região e
que hoje há poucos exemplares existentes: o Pau-Brasil.
44

Entretanto, o que ocorre no Brasil é um expressivo distanciamento entre o plano da


validade e vigência das normas ambientais em relação ao plano da efetividade, uma vez que
significativo o déficit quanto ao seu cumprimento, ocorrendo isso por diversas razões, sendo o
Estado, não raras vezes, conivente, por ação ou omissão, com o descumprimento da sua
própria ordem jurídica, o que não é diferente no que toca à proteção das águas.
Na forma preconizada pelo art. 225 da Constituição Federal, a defesa e a proteção do
meio ambiente, enquanto bem jurídico difuso, incluindo, portanto, as águas, constitui “dever
de todos”, o que quer dizer que a órbita protetiva extrapola uma obrigação exclusiva do
Estado, mas também recaí sobre toda a sociedade.
Assim, não somente o Estado, instrumentalizado pelo seu aparato jurídico, técnico e
administrativo, goza de capacidade de intervenção sobre as atividades públicas e privadas que
de alguma forma afetem ou possam agredir o meio ambiente, inclusive, as águas, mas também
a própria sociedade, através de organizações associativas ou representada pelos seus cidadãos.
Na forma concebida pela Carta Constitucional, diversos agentes são dotados de
legitimidade para atuar na proteção do meio ambiente, inclusive, quanto às águas: o Estado
representado pelas suas esferas de governo, o Ministério Público, a sociedade civil e os
cidadãos, merecendo especial destaque o papel das ONG´s e redes ambientais.
Nesta esteira, oportunos se apresentam os comentários tecidos por Nascimento
(2014, p. 67), ao discorrer sobre a importância do papel das redes e ONG´s no cenário
ambiental enquanto novos atores dotados de características capazes de promover a difusão de
informações e costurar arranjos institucionais tomando como base as pesquisas realizadas em
campo:

Os atores não estatais se tornaram recursos alternativos de informação e a utilizam


de modo estratégico buscando oferecer dados estatísticos e testemunhos em suas
campanhas (política de informação). Utilizam-se de eventos simbólicos, articulando-
os a questão em foco ou criando eventos simbólicos (política simbólica). Identificam
atores, possíveis aliados, poderosos (atores privados, organizações internacionais,
agências financiadoras de determinados projetos), mobilizando-os a partir de
questões morais, valores, compromisso social (política de alavancagem). Investem
na mudança de posições políticas dos Estados em relação ao tema de seu interesse,
e, posteriormente, exigem a coerência de sua prática política com o discurso
(política de responsabilização).

Para efeito de instrumentalizar esta legitimidade e com o propósito de descentralizar


a esfera de proteção mediante políticas de fomento à participação social, a legislação
brasileira disponibilizou ferramentas como a ação popular, a ação civil pública, as audiências
públicas e, no caso das águas, os Comitês de Bacias Hidrográficas. Nesta esteira, destaque
45

relevante merece a atuação do Ministério Público e das ONG´s ambientais, uma vez que
dispõem de estrutura organizada para atacar os eventuais e não raros cometimentos de
agressões ambientais que muitas das vezes são protagonizados pelas próprias políticas
governamentais justificadas pelo objetivo do crescimento econômico.
No contexto hodierno, diante da complexa dimensão dos bens ambientais suscetíveis
de proteção e da tamanha ineficácia - para não dizer conivência - dos órgãos públicos na
proteção do meio ambiente, sobretudo, quanto às águas, o que se está a assistir no Brasil é um
fenômeno crescente da judicialização da proteção ambiental, quando então a intervenção do
Poder Judiciário compele os infratores, sejam quem eles forem (públicos ou privados), a
adotarem as medidas preconizadas pelo ordenamento jurídico.
Desta forma, estes múltiplos atores, independentemente da sua conotação ideológica
como antropocentrista, biocentrista ou ecocentrista, enquanto agentes comprometidos com a
proteção ambiental, inclusive, no que tange aos critérios quali-quantitativos de proteção das
águas, desempenham relevante papel na orientação, condução e fiscalização da política
hídrica, a qual deve se pautar por critérios de descentralização e participação, na forma
concebida pela base principiológica que reveste o direito de águas.

2.1.1.9 Turismo e lazer

Enquanto o turismo representa importante setor da economia, o lazer e a recreação


constituem direitos sociais assegurados pela Carta Constitucional. Muito além de agregar
valor aos recursos e belezas naturais, o turismo e o lazer, sobretudo, quando interagem com a
natureza, atuam de forma positiva na formação anímica das pessoas para a construção de um
sentimento de cidadania e responsabilidade com o meio ambiente. Neste sentido, averbando
sobre a influência das atividades do ecoturismo sobre a consciência das pessoas em relação à
causa ambiental, Bruna (2006, p. 476) justifica:

[...] há uma valorização dos recursos naturais como nichos de mercado estruturando
distintos projetos, despertando a população para o conhecimento das questões
ambientais e atuação em prol da qualidade do ambiente, à medida que
prazerosamente aprende com o divertimento e sorvem a cultura transmitida pelas
atividades de ecoturismo.

No Brasil, ecoturismo e água são elementos indissociáveis. Diante das exuberantes


belezas naturais encontradas no âmbito do seu território, o país é vocacionado à exploração
46

das atividades turísticas aquáticas, pois além de margeado pela costa do Oceano Atlântico,
também dispõe de diversos rios e lagos que compõem as suas bacias hidrográficas.
A história do Brasil começou pela sua margem costeira através das expedições e
navegações, e daí se expandiu para o resto do território nacional. A maioria da população
brasileira reside próximo às margens do oceano Atlântico ou de rios e lagos, e quando não
residentes, frequentam tais regiões a lazer, turismo ou negócios, o que culminou em elevar
significativamente a densidade demografia nestas regiões e, consequentemente, provocar
danos ambientais, sobretudo, nas águas.
Pode-se citar diversos exemplos, porém, o mais enfático e atual constitui o que está
acontecendo no Rio de Janeiro, especificamente, na Baía de Guanabara: a cidade está prestes
a receber as Olimpíadas no ano de 2016, todavia, as águas da Baía de Guanabara, onde estão
marcadas as competições náuticas estão poluídas em face do despejo de rejeitos pelas
indústrias, destinação incorreta de resíduos sólidos e lançamentos do esgotamento sanitário
sem tratamento.
Embora avençado o compromisso com a despoluição hídrica da Baía de Guanabara
como condição para a realização das Olímpiadas no Rio de Janeiro, o elevado custo para o
tratamento destas águas é expressivo e o Estado do Rio de Janeiro, nem o Brasil, dispõem de
tempo hábil e sequer recursos financeiras para remediar os danos ambientais decorrentes de
muitos anos de descaso para com a qualidade das águas. Sendo as Olimpíadas um megaevento
de proporções mundiais, tal fato, inevitavelmente, compromete não somente a integridade
física dos atletas que terão de enfrentar as águas contaminadas da Bacía de Guanabara para
competirem, mas também macula a imagem do Brasil, enquanto país sede e descomprometido
com a qualidade das suas águas.
O Brasil tem grande potencial turístico hídrico e precisa fortalecer cada vez mais a
qualidade deste setor de serviços para dispor de melhores condições para competir com outros
países. Tendo uma orla maravilhosa banhada pelo Atlântico, bem como diversos rios e lagos
que ilustram a diversidade dos seus biomas, a riqueza gerada pelo ecoturismo hídrico é
significativa no âmbito brasileiro e representa parte significativa da receita de muitas cidades
e regiões com esta vocação, razão pela qual esta temática se encontra disciplinada não apenas
na legislação federal, mas também nas leis estaduais e municipais, sobretudo, nos Planos
Diretores dos Municípios, enquanto instrumentos de políticas ambientais e de
desenvolvimento sustentável.
Nesse contexto, discorrendo sobre as atividades do ecoturismo, Bruna (2006, p. 462)
explica:
47

[...] o ecoturismo mostra-se como uma atividade com poder de atrair população para
pontos de interesse do meio ambiente e merece atenção, pois, para receber os
ecoturistas, acaba precisando de atividades de apoio, como acomodações, com um
mínimo de oferta de comércio e serviços. É preciso assim conciliar essa ocupação de
apoio com o uso sustentável do território, tanto em relação à conservação dos
recursos naturais, quanto com a preservação do patrimônio histórico e cultural.

Diante deste contexto, o setor do ecoturismo tem interesse direto no sentido de


proteger a qualidade e quantidade das águas, uma vez que tais condições representam critério
lógico para melhor aproveitamento destes recursos naturais para fomentar as economias
locais, sobretudo, na busca de um desenvolvimento, efetivamente, sustentável.

2.1.2 Conflitos pelas Águas

Conforme pôde-se depreender, os interesses em relação às águas são múltiplos e


dizem respeito a diversos setores da economia. Nem sempre a quantidade ou a qualidade de
água presentes são adequadas ou suficientes para atender simultânea e satisfatoriamente todas
as demandas dos diferentes usos. Nessas oportunidades, o conjunto complexo e os múltiplos
interesses de usos e usuários pode produzir litígios entre os agentes interessados, defendendo,
cada qual, diferentes pontos-de-vista sobre o uso da água, resultando disso a instauração de
conflitos. Em face da importância socioeconômica de todos estes setores, como resolver esses
conflitos?
A solução desses conflitos perpassa, necessariamente, pela elaboração de estudos
técnicos, financeiros, econômicos e socioambientais, os quais devem orientar alternativas,
discutidas entre os envolvidos interessados, que podem resultar na priorização de
determinados usos em sacrifício de outros, mediante decisões colegiadas com a participação
da sociedade – e não somente pelos órgãos de Estado - transparentes, devidamente
fundamentadas e, sobretudo, pautadas por critérios dotados de razoabilidade.
Os critérios de razoabilidade deverão comportar vários aspectos, sobretudo, quanto à
dimensão do projeto, conforme ensina Dourado Júnior (2014, p. 41):

Com o avanço do desenvolvimento econômico, existe a cobrança de que o projeto


atenda a múltiplas funções. Por exemplo, no caso de uma região com necessidade de
implantação de sistema de irrigação, nada impede que no mesmo projeto haja
previsão de uma via navegável para o escoamento da produção; uma pequena
hidrelétrica para fornecimento de energia para as bombas de recalque; um parque
industrial para processar a produção agrícola e, ainda, a previsão do abastecimento
de água e de energia elétrica aos agricultores.
48

Diferenciados dos conflitos clássicos quanto ao uso da água, outros conflitos em


gestão de bacias podem ocorrer, conforme é definido por Campos (2003, apud, DOURADO
JÚNIOR, 2014, p. 42) como:

uma disputa entre diferentes atores sociais usuários de água, sobre o acesso, o uso ou
a forma de administrar o recurso água. Por sua vez, o conflito entre os usos das
águas, como na abordagem clássica, seriam disputas entre diferentes setores de uso
da água, como irrigação, navegação, geração hidrelétrica, pela mesma
disponibilidade.

Discorrendo sobre os conflitos das águas, Dourado Júnior (2014, p 42) os classifica
como: “conflitos de destinação de uso”, que ocorre, por exemplo, quando da retirada de água
de uma reserva ecológica para irrigação; “conflitos de disponibilidade qualitativa”, que
constitui a situação típica do uso em corpos de água poluídos; e os “conflitos de
disponibilidade quantitativa”, que decorre do esgotamento da disponibilidade quantitativa,
devido ao uso intensivo, citando, por exemplo, quando o uso intensivo da água para irrigação
impede outro usuário de captá-la.
Além destes conflitos citados, ainda é possível pensar nos conflitos decorrentes do
crescimento das demandas hídricas devido ao aumento demográfico, bem como as
consequências dos usos em relação ao assoreamento dos cursos de água e a urbanização não
planejada em relação ao controle de inundações e desastres climáticos oriundos da força das
águas.
No Brasil, na Amazônia e no Estado do Amazonas tal contexto não é diferente:
todavia quem sofre mais com a contaminação hídrica são os pobres, que pelo fato de não
disporem de recursos financeiros para se engajar no microssistema social e mercantilista da
água, estão assistindo a contaminação das águas superficiais e subterrâneas, donde satisfazem
as suas necessidades básicas enquanto seres humanos. Neste sentido, discorrendo sobre a
questão da água, os nefastos efeitos da atual política hídrica sobre os pobres, e ainda acerca do
desperdício, merece destaque a colocação feita na Carta Encíclica do Sumo Pontífice
Francisco (2015, p. 25):

Enquanto a qualidade da água disponível piora constantemente, em alguns lugares


cresce a tendência para se privatizar esse recurso escasso, tornando-se uma
mercadoria sujeita às leis do mercado. Na realidade, o acesso à água potável e
segura é um direito humano essencial, fundamental e universal, porque determina a
sobrevivência das pessoas e, portanto, é condição para o exercício dos outros
direitos humanos. Este mundo tem uma grave dívida social para com os pobres que
não têm acesso à água potável, porque isto é negar-lhes o direito à vida radicado na
sua dignidade inalienável. Essa dívida é parcialmente saldada com maiores
contribuições econômicas para prover de água limpa e saneamento as populações
49

mais pobres. Entretanto, nota-se um desperdício de água não só nos países


desenvolvidos, mas também naqueles em vias de desenvolvimento que possuem
grandes reservas. Isso mostra que o problema da água é, em parte, uma questão
educativa e cultural, porque não há consciência da gravidade desses comportamentos
num contexto de grande desigualdade.

Com efeito, os conflitos pela água vão se acentuar ainda mais no decurso do tempo e
as suas nefastas consequências vão recair, sobretudo, aos pobres, como já ocorre em relação a
outros fenômenos como as mudanças climáticas, uma vez que muitas comunidades estão
vulneráveis e despreparadas para enfrentar este perverso contexto.
Assim, permite-se compreender que os conflitos pelas águas constituem uma
realidade do nosso tempo que irá se acentuar muito mais em um curto espaço de tempo, o que
justifica a adoção de medidas preventivas pelos atores políticos no sentido de evitar que estas
disputas venham a “derramar sangue” ou provocar a migração de refugiados ambientais para
as regiões com água em abundância.

2.1.3 Direito à água e o direito de águas

Não raramente, as pessoas utilizam as expressões “direito à água” e “direito de águas”


como sinônimas, o que é equivocado. Para efeito de orientar a exposição é importante que
seja apresentada tal distinção conceitual .
A água é fonte de vida. Enquanto meio de subsistência para todos os seres vivos
constitui bem jurídico supraindividual representando a essência do direito à água. Dotado do
direito fundamental de manutenção da vida, o direito à água se justifica por meio de uma
acentuada carga axiológica sobre o direito de acesso humanitário à água em quantidade e
qualidades mínimas, o que surte reflexos em outros direitos, sobretudo, nos de primeira
geração.
Segundo um olhar antropocentrista, D´lsep (2010, p. 58) fundamenta que o direito à
água reflete-se em todo o sistema jurídico ao se manifestar como princípio universal de direito
humano fundamental à água-vida, o que quer dizer que:

O direito à vida é o precursor de todos os direitos, daí o direito à existência, de


primeira geração, ser de caráter universal e revelar uma série de corolários,
responsável pela sua efetividade. O direito à água é um deles.
50

Sob outro ângulo, pelo viés biocentrista, Shiva (2006, p. 52) apresenta nove princípios
em relação à democracia das águas, dentre os quais destacamos dois, os quais exteriorizam os
seus fundamentos em relação ao direito à água:

1. A água é um presente da natureza. Recebemos a água livremente da natureza.


Devemos à natureza a utilização dessa dádiva de acordo com as nossas necessidades
de sobrevivência, mantê-la limpa e em quantidade adequada. Desvios que criam
regiões áridas ou inundadas violam os princípios da democracia ecológica. 2. A água
é essencial à vida. A água é a fonte da vida para todas as espécies. Todas as espécies
e ecossistemas têm direito a sua cota de água no planeta.

Na mesma linha de Shiva, e lastreando tal entendimento biocentrista, Machado (2002,


p. 13) aponta os fundamentos do direito à água como pressuposto basilar para a consecução
de outros direitos:

O direito à vida é anterior aos outros direitos. “A relação que existe entre o homem e
a água antecede o direito. É elemento intrínseco à sua sobrevivência” (in, Granziera,
2001, p. 232). A Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 reafirma a
garantia à inviolabilidade do “direito à vida” (art. 5º, caput). As expressões
“necessária disponibilidade de água” e “efetivo exercício do direito de acesso à
água” estão presentes na Lei 9.433/1997. Destaque-se que essa lei quer – e não
poderia deixar de querer – que todos tenham água.

Logo, pode-se conceber que, pela essencialidade da sua carga axiológica para a
existência de vida, o “direito à água” goza de natureza supralegal, enquanto direito universal
de primeira geração, representando o fundamento que justifica a gestão das águas,
especificamente, pelo “direito de águas”.
Desta forma, o “direito de águas” tem relação com a gestão dos recursos hídricos
enquanto sistema complexo e multidisciplinar de gestão hídrica normatizada pelo
ordenamento jurídico, tendo como objetivo de fundo a efetivação do direito universal à água,
ou seja, da razão da sua própria existência que é o “direito à água”.
Mais uma vez, emprestados os conceitos concebidos por D´lsep (2010, p. 65), a
doutrinadora explica que:

O direito de águas tem por finalidade garantir a proteção das águas, a fim de
assegurar o desempenho e desenvolvimento de suas diversas funções (ambiental,
social, econômica, hidrológica, etc.), sintetizadas na função hídrica responsável pela
dignidade hídrica.
51

Portanto, o direito de águas constitui-se em um microssistema de natureza jurídica que


observa critérios interdisciplinares de gestão das águas por meio do reconhecimento da água
como bem público, de uso comum do povo e dotado de valor econômico, tendo em vista à
racionalização do uso dos recursos hídricos e visando o direito universal à água às presentes e
futuras gerações.
Considerando as proposições conceituais apresentadas, resulta possível conceber que
enquanto o “direito à água” é um direito humano fundamental reconhecido
internacionalmente e expressão do sobreprincípio da dignidade da pessoa humana, o “direito
de águas”, concebido e justificado pelo “direito à água”, constitui-se em subespécie do gênero
do direito ambiental, pois embora sirva como instrumento materializador de direitos humanos
fundamentais, qual seja, do direito à água propriamente dito, os seus fundamentos e princípios
são inspirados no direito ambiental.
Assim, os fundamentos e princípios que orientam o direito de águas têm nas suas
essências os mesmos modelos jurisfilosóficos e socioculturais que alimentam o direito
ambiental, enquanto ciência jurídica fundada em complexo sistema interdisciplinar
disseminada em diversas áreas do conhecimento que não, necessariamente, tratam sobre águas
como objeto de fundo.
Feitas estas considerações, apresentadas as distinções conceituais entre “direito à
água” e “direito de águas” e, sobretudo, explicitado o sentido teleológico que orienta a
condução deste trabalho, fundado no direito de águas como subespécie do direito ambiental,
possível se apresenta o ingresso com maior segurança no estudo sobre as suas fontes.

2.1.4 Fontes do direito de águas

Tomando-se por emprestados os fundamentos conceituais apresentados pelos


doutrinadores referidos e salientando que o direito de águas não constitui ramo autônomo do
direito, mas sim uma subespécie do gênero direito ambiental, apressadamente, poder-se-ia
pensar que o direito ambiental é a única fonte do direito de águas. Entretanto, não é bem
assim: o direito ambiental é apenas uma das fontes do direito de águas.
Para Pompeu (2006, p. 677), as fontes do direito de águas são “a legislação, a doutrina,
a jurisprudência e os costumes”.
Em que pese acertada a afirmação de Pompeu, ousa-se a discordar acerca da limitação
das fontes do direito de águas que ele elencou. Da mesma forma que o direito ambiental, o
direito internacional representado pelos Tratados e Convenções também constitui fonte do
52

direito de águas, pois foram os arranjos internacionais decorrentes da preocupação da


comunidade internacional com o meio ambiente, incluindo, o recurso natural água, distribuído
de forma desigual nas diversas regiões do planeta, que engendraram a construção de
instrumentos e organismos plurinacionais para a formação de uma política hidrossocial, na
forma conceitual apresentada por D´lsep (2010, p.37).
O direito ambiental, enquanto ciência jurídica constituída por diversos ramos do
direito (direitos humanos fundamentais, direito constitucional, direito administrativo, direito
civil, direito penal, etc.) e outras áreas do conhecimento (sociologia, economia, filosofia,
antropologia, engenharia, hidrologia, climatologia, biologia, ecologia, etc.), representa gênero
da espécie direito de águas, razão pela qual os princípios de direito ambiental permeiam o
direito de águas, constituindo-se, também, como uma das suas fontes.
Da mesma forma que os demais ramos do direito, a doutrina, a jurisprudência e os
costumes também constituem fontes que orientam o direito de águas.
Em que pese limitada em quantidade, justificada pela especificidade e exigência
interdisciplinar com outras áreas do conhecimento, a doutrina nacional vem produzindo
relevantes obras relativas ao direito de águas, todavia, é a doutrina internacional a que mais se
destaca, sobretudo, porque as discussões e problemas decorrentes da racionalização quanto ao
uso da água se iniciaram na Europa, a qual há muitos anos vem se adaptando cultural,
geopolítica e tecnologicamente quanto ao contexto hídrico, da mesma forma que o faz em
relação a outros recursos naturais.
Pautada pela cultura hídrica da abundância, no Brasil, até meados dos anos 1980, os
litígios judiciais em relação às águas se limitavam a interesses privacionistas, econômicos e
energéticos (hidrelétricas), inspirados pela cultura da proteção da propriedade privada
decorrente do derrogado Código de Águas. Foi somente após o advento da Política Nacional
do Meio Ambiente (Lei 6.980/81), da novel Constituição Federal de 1988, da Agenda 21 e,
em especial, da Política Nacional de Recursos Hídricos (Lei 9.433/97) que passaram a se
acentuar os litígios judiciais e, consequentemente, produzindo acervos jurisprudenciais.
Atualmente, o que se observa é que nas regiões onde existe água em abundância, muito
pouco, senão insignificante, é o interesse da sociedade em relação à temática da sua proteção
e uso racional, razão pela qual uma vez mitigadas as iniciativas individuais, o que se está a
assistir é um fenômeno de jurisdicialização das águas, em que os atores públicos, sobretudo, o
Ministério Público, bem como organizações da sociedade civil protetoras dos recursos
hídricos e meio ambiente, vêm desempenhando relevante papel protetivo ao meio ambiente,
incluindo, as águas, por meio de ações civis públicas. A jurisprudência brasileira quanto à
53

temática da água ainda é muito incipiente, porém, relevante para a construção das fontes do
direito de águas.
A grande dimensão do território brasileiro, composto por climas, biomas,
geomorfologias e características etnográficas diferenciadas, tem influência direta na formação
hidrossocial, razão pela qual os costumes (sobretudo das regiões que dispõem de água a mais
ou água a menos), também, constituem-se em fontes do direito de águas – o que
posteriormente será verificado tomando-se, por exemplo, a comparação da quantidade de
Comitês de Bacia Hidrográficas entre os Estados do Norte que dispõem de água em
abundância, do Nordeste que por se encontrarem em regiões áridas ou semi-áridas, sofrem
com a escassez de água e, finalmente, os do Sul e Sudeste que por força da alta densidade
demográfica demandam por maior quantidade de águas.
Portanto, diante de tudo isso, resulta permitido conceber que diferentemente do que
ocorre com outros ramos do direito, a complexidade de interesses que envolvem o direito de
águas, as suas fontes são constituídas por um mosaico de fatores que não podem ser
explicados por apenas uma área do conhecimento, mas sim por um conhecimento
interdisciplinar a ser produzido sob um viés local e global.

2.2 MARCOS HISTÓRICOS E PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE PROTEÇÃO LEGAL


DAS ÁGUAS

A partir da segunda metade da década de 1960, a comunidade internacional passou a


dedicar uma crescente preocupação com as questões relacionadas ao meio ambiente, uma vez
que o contexto internacional já vinha sinalizando a necessidade de adoção de uma nova
política em relação ao ambiente por parte dos governos e da sociedade. Enquanto fonte, o
direito internacional fundou toda a base principiológica que reveste o direito ambiental, por
meio de Tratados, Declarações e Convenções internacionais.
Na linha histórica, um dos eventos mais emblemáticos tendo como pauta a agenda
ambiental constituiu o Clube de Roma. Composto por políticos, cientistas e industriais, o
Clube de Roma lançou, em 1972, o relatório “Os limites do crescimento”, o qual apontava
sobre a necessidade de arrefecer o crescimento populacional, bem como a cultura predatória
capitalista. O relatório teve repercussão internacional e foi extensamente debatido durante a
Conferência de Estocolmo sobre o Meio Ambiente, realizada também em 1972, a qual iniciou
um processo mais incisivo de incorporação da consciência ecológica e proteção ambiental na
54

agenda política das nações. No que tange, especificamente, à água, vários eventos foram
realizados e documentos internacionais foram celebrados para orientar a temática hídrica.
Enquanto uma das fontes do direito de águas, tal como ocorre em relação ao direito
ambiental, as premissas aplicáveis às águas tem a sua origem no direito internacional, seja por
meio de Tratados, seja através de Conferências Internacionais em decorrência da preocupação
da comunidade internacional em relação à escassez, à poluição e ao uso racional das águas
doces, enquanto recurso natural finito e elemento vital para a manutenção da vida no planeta.
Dentre todos os instrumentos, destaque especial merecem a Carta Européia da Água de 1968,
o Tratado da Bacia do Prata de 1969, a Conferência de Estocolmo sobre Meio Ambiente de
1972, a Conferência das Águas de Mar del Plata de 1977, a Declaração de Dublin sobre Água
e Desenvolvimento Sustentável de 1992, a Conferência das Nações Unidas sobre Meio
Ambiente, realizada no Rio de Janeiro, em 1992, a qual produziu a Agenda 21, a Convenção
das Nações Unidas sobre o direito relativo à utilização dos cursos de água internacionais para
fins diversos dos de navegação de 1997, a Conferência Internacional sobre Água e
Desenvolvimento Sustentável, realizada em Paris, em 1998, e a Conferência das Nações
Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), realizada no Rio de Janeiro, em 2012.
Além destes diplomas e eventos internacionais, outros tantos foram realizados tendo a
água como objeto de pauta, sobretudo, quanto ao seu acesso, destacando-se: o Protocolo sobre
Água e Saúde de Londres, de 1999, que no seu art. 5º, inciso I, preconizou como princípio
que: “um acesso equitativo à água, adequado do ponto de vista tanto quantitativo como
qualitativo, deverá ser assegurado a todos os habitantes, especialmente às pessoas
desfavorecidas ou socialmente excluídas”; a Conferência de Berlim, de 2004, realizada pela
International Law Association (ILA), a qual no seu art. 17, reza que: “cada indivíduo tem o
direito de acesso à água, de forma suficiente, segura, aceitável, fisicamente acessível e
oferecida, para alcançar as necessidades humanas vitais”; e ainda a Convenção de Direitos
Econômicos, Sociais e Culturais, de 1996, a qual incorporou o direito à água entre outros
direitos humanos - o que fora, internacionalmente, reconhecido pela ONU, por meio do
Comentário Geral nº 15 de abril de 2011 e da Resolução 16/2 de novembro de 2002.
Muito embora celebrados Tratados e realizadas Conferências internacionais tendo a
política hídrica como objeto de discussão, atualmente, inexiste um instrumento jurídico
suscetível de plena efetividade e organismo internacional capaz de cobrar e aplicar sanções no
sentido de compelir os países a cumprirem com os compromissos ajustados, uma vez que para
a satisfação das suas necessidades hídricas tal decisão esbarra no poder soberano de cada país
55

que, dependendo do grau de comprometimento da sua demanda hídrica, pode tornar-se presa
fácil da cobiça e interesses geopolíticos, como o que já ocorre em setores da economia.
Neste sentido, discorrendo sobre a geopolítica da água, Ribeiro (2008, p. 75) aponta
sobre tal problemática e, ainda, faz um alerta:

Diferentemente de outras questões ambientais, a do acesso à água não conseguiu


mobilizar as camadas dirigentes de países para o estabelecimento de uma Convenção
internacional específica. Os acordos internacionais envolvendo a gestão dos recursos
hídricos são numerosos, mas poucos documentos foram ratificados a ponto de
entrarem em vigência.
[...]
No caso da água, a ausência de regulamentação deve despertar a atenção para países
que detêm grande estoque hídrico. Eles podem vir a ser alvo de cobiça internacional
e precisam preparar-se para enfrentar novos desafios.

Os diplomas e tratados internacionais que dispõem sobre águas não se limitam aos
anteriormente referidos, existem outros tantos celebrados bilateralmente ou em conjunto por
outros países, todavia, para efeito de fomentar o estudo ora proposto, passa-se a abordar
apenas os quais entende-se como os principais, que constituíram marcos históricos em relação
ao direito de águas e contribuíram para a construção do modelo hidrojurídico hodierno.

2.2.1 Carta Européia da Água/1968

A preocupação internacional em relação aos recursos hídricos não constitui tema


novo. No velho continente europeu, berço da civilização ocidental, muitas das antigas
civilizações já se conflitavam para expandir os seus territórios às margens dos corpos
hídricos. Em razão do processo de competição entre mercados internacionais, de expansão
socioeconômica e alta dispersão demográfica existentes no continente europeu, com
características hidrográficas dotadas de rios transfronteiriços e águas compartilhadas, os
problemas e conflitos geopolíticos relacionados ao uso dos recursos hídricos se apresentaram
inevitáveis, ocorrendo com maior ênfase após o advento da revolução industrial e o desfecho
da segunda guerra mundial, razão pela qual passaram-se a buscar alternativas no sentido de
que fosse produzida uma consciência hídrica européia.
Neste sentido, concebido com o propósito de orientar o princípio da cooperação
internacional, em 1968, o Conselho da Europa, em Estrasburgo, na França, proclamou a Carta
Européia da Água, a qual no seu art. 12 estabelece que “a água é um bem comum que impõe
uma cooperação internacional”, sendo este o marco histórico que culminou na difusão da
preocupação das águas transfronteiriças, sob o viés do direito internacional.
56

Discorrendo sobre os mecanismos de efetivação do princípio da cooperação


internacional e atuação conjunta quanto à gestão compartilhada dos recursos hídricos no
continente europeu, sobretudo, quanto à internalização das normas produzidas pelos diplomas
internacionais nos ordenamentos jurídicos internos, Granziera (2014, p.43) explica que: “Em
matéria de recursos hídricos compartilhados, essa cooperação deve ocorrer por meio de
tratados específicos, em que os Estados limítrofes estabelecem formas conjuntas de atuar.”
Dada a importância do princípio da cooperação no que tange ao avanço e
disseminação da preocupação internacional quanto à proteção dos recursos hídricos, ela
estabeleceu plataformas que resultaram na produção de inúmeros outros diplomas
internacionais.

2.2.2 Tratado da Bacia do Prata/1969

O contexto histórico do Tratado da Bacia do Prata refletiu o momento geopolítico


que o Brasil se inseria naquela época. Em um mundo bipolarizado em razão da “guerra fria”,
a América Latina se deparava em um momento caracterizado pela ditadura militar existente
nos países do continente. Assim, antes da celebração do Tratado da Bacia, sob a ameaça da
ideologia comunista existente em Cuba e no leste europeu, a cooperação já existia entre outros
setores, sobretudo, em relação às políticas dos militares inerentes à ditadura militar. Neste
momento, enquanto estratégia de inserção internacional, movida pelos fins do
desenvolvimento nacional, o Brasil buscou recursos financeiros, ciência e tecnologia, onde
não encontrou, no período, parceiros em condições materiais ou com vontade política para
tornar efetiva uma cooperação igualitária.
Desta forma, naquela época, a política externa da América Latina era conduzida em
três dimensões: ação nos órgãos multilaterais regionais para promover a cooperação dos
Estados Unidos ao desenvolvimento regional; as iniciativas de integração multilateral e
bilateral intrazonal; e o escalonamento da América Latina na estratégia de inserção mundial.
Em 1967, na época do Presidente Costa e Silva, percepções contraditórias
alimentavam as esperanças da integração regional e apontavam para suas dificuldades
concretas. Produzido esse diagnóstico, no ano de 1967, na reunião dos chefes de Estado da
Organização dos Estados Americanos (OEA), realizada em Montevidéu, foi concebida a
criação do Mercado Comum Latino-Americano, a ser implantado em 15 anos, a partir de
1980. Ainda, no ano de 1967, o Brasil passou a negociar com a Argentina, Paraguai, o
Uruguai e a Bolívia, o Tratado da Bacia do Prata, o firmando em 1969, com a finalidade de
57

promover o desenvolvimento harmônico e a integração física da Bacia do Prata e de suas


áreas de influência. Com natureza desenvolvimentista para a região, foram encaminhados
inúmeros projetos de ligação ferroviária e rodoviária, construção de pontes e ampliação de
outros meios de transporte, decorrendo disto a elaboração de grandes projetos de cooperação
com o Paraguai (Usina de Itaipu), a Bolívia (compra de gás e complementação industrial, pela
Ata de Cooperação de 1973), a Colômbia (estudos para a binacional de carvão), o Uruguai
(projeto de desenvolvimento das bacias da lagoa Mirim e do rio Jaguarão), entre outros.
Enquanto instrumento idealizado para o desenvolvimento da América Latina, o
Tratado da Bacia do Prata representou, sob um viés geopolítico internacional, a reafirmação
da soberania dos Estados que compõe a bacia do Prata, porquanto preconizou a formalização
de alguns dos princípios de direito ambiental na região, os quais já vinham sendo construídos
na Europa, por força da Carta Européia da Água de 1967: princípio da cooperação
internacional; princípio da comunicação/informação; e o princípio da vedação de provocar
danos ambientais nos Estados vizinhos.
Nesta senda, e embora tendo como objeto de fundo objetivos desenvolvimentistas e
de reafirmação das soberanias regionais, o Tratado da Bacia do Prata foi concebido tendo
dentre outros fundamentos, alguns ambientais: o “desenvolvimento harmônico e equilibrado
com a otimização dos recursos naturais”; e o de assegurar a preservação para as gerações
futuras através da “utilização racional dos recursos naturais”. Salientando, em sede de
justificativas preliminares, que: “as Partes devem conjugar esforços com o objetivo de
promover o desenvolvimento harmônico e a integração física da Bacia do Prata e suas áreas
de influência direta e ponderável”. Tudo isso, estrategicamente, visando a identificação de
áreas de interesse comum e a realização de estudos, programas e obras que permitissem: à
facilitação e assistência em matéria de navegação; à utilização racional do recurso água,
especialmente através da regularização dos cursos d'água e seu aproveitamento múltiplo e
equitativo; a preservação e o fomento da vida animal e vegetal; ao aperfeiçoamento das
interconexões rodoviárias, ferroviárias, fluviais, aéreas, elétricas de telecomunicações; à
complementação regional mediante a promoção e estabelecimento de indústrias de interesse
para o desenvolvimento da Bacia; à complementação econômica de áreas limítrofes; à
cooperação mútua em matéria de educação, saúde e luta contra enfermidades; à promoção de
outros projetos de interesse comum e em especial daqueles que se relacionem com o
inventário, avaliação e aproveitamento dos recursos naturais da área; ao conhecimento
integral da Bacia do Prata.
58

Para efeito de dar efetividade aos objetivos propostos, foi constituído o Comitê
Intergovernamental da Bacia, denominado Comité Intergovernamental del Cuenca (CIC),
enquanto organismo de execução do Tratado, composto por membros indicados pelos países
que compuseram o Tratado, sendo este organismo o responsável pelo cumprimento das
diretrizes fixadas e divido em áreas.
No que tange ao estudo ora proposto, especificamente, em relação à gestão dos
recursos hídricos, relevante salientar a formulação do “Programa Marco para a Gestão
Sustentável dos Recursos Hídricos da Bacia do Prata”. Esta ferramenta considera os efeitos
decorrentes da variabilidade e Mudanças Climáticas para informar e orientar os governos e os
demais atores sociais envolvidos na gestão dos recursos hídricos da Bacia do Prata. Através
desta plataforma é possível atualizar a “Análise de Diagnóstico Transfronteiriço” (ADT) e
formular o “Plano de Ações Estratégicas da Bacia do Prata”, o qual tem a função de servir de
marco legal e institucional como mecanismo de participação pública, comunicação e
educação, e ainda viabilizar o Plano de Monitoramento e Avaliação, o qual tem a função de
promover a gestão integrada de recursos hídricos, elaborar o balanço hídrico integrado, fazer a
avaliação e monitoramento de qualidade e quantidade de água, realizar a gestão integrada de
águas subterrâneas e dos ecossistemas aquáticos, promover estudos e pesquisas quanto à
avaliação de vulnerabilidades e gestão do risco, bem como adotar medidas de adaptação e
conscientização pública, segundo registrado no portal do Comité Intergovernamental del
Cuenca (CIC).
As consequências do Tratado da Bacia do Prata foram significativas para os países
que o celebraram, e representaram um marco institucional para o desenvolvimento da
América do Sul, que até então não dispunha de um instrumento desta magnitude política e
cooperativa na sua dimensão estrutural. Muitos projetos de infraestrutura tiveram neste
Tratado o seu embrião, podendo-se citar a usina hidrelétrica de Itaipú (Brasil-Paraguai), bem
como o projeto de proteção ambiental e desenvolvimento sustentável do Sistema Aquífero
Guarani (SAG), cujo objetivo foi conceber um modelo de gestão e uso sustentável do SAG no
sentido apoiar os quatro países na elaboração e implementação de um marco comum
institucional, legal e técnico para gerir e preservar o SAG para as gerações atuais e futuras,
sendo financiado com recursos oriundos de doações do Fundo para o Meio Ambiente Mundial
(GEF) e implementados pelo Banco Mundial.
59

2.2.3 Conferência de Estocolmo/1972

No auge da “guerra fria” e em mundo bipolarizado, amedrontado pela constante


ameaça de uma guerra nuclear e ainda estigmatizado pelas perversas sequelas deixadas pela
segunda grande guerra e o conflito bélico no Vietnam no final da década de 1960, a
Declaração de Estocolmo de 1972, deflagrada pelo ambiente produzido pela obra “Primavera
Silenciosa”, vazamentos de petróleo por embarcações cargueiras, chuvas ácidas, acumulação
de materiais pesados e pesticidas que poderiam conduzir a conflitos internacionais no
continente europeu, representou significativo marco histórico da causa ambiental, sobretudo,
ao destacar a relação homem-natureza, enfatizando o meio ambiente enquanto direito
humanitário. Neste sentido, em seu princípio primeiro, a Declaração de Estocolmo exterioriza
a relevância do direito fundamental a um meio ambiente com qualidade, enquanto critério
para uma vida com dignidade, preconizando que:

O homem tem o direito fundamental à liberdade, à igualdade e ao desfrute de


condições de vida adequadas, em um meio ambiente de qualidade tal que permita
levar uma vida digna, gozar de bem-estar e é portador solene de obrigação de
proteger e melhorar o meio ambiente, para as gerações presentes e futuras.

Os atores deste evento foram múltiplos, contando não apenas com os países
europeus, mas também de outros continentes e, ainda, de ONG´s. Entretanto, a Conferência
não foi universal, pois alguns países não participaram do evento em solidariedade à Alemanha
Oriental, que não era membro da ONU, e como medida de protesto a União Soviética e outros
países do leste europeu resolveram por boicotar.
As temáticas discutidas na Conferência não foram respaldadas pela unanimidade.
Pelo contrário, evidenciaram-se as divergências entre os países desenvolvidos e em
desenvolvimento, pois enquanto uns consideravam que o desenvolvimento era a causa dos
problemas ambientais, com ênfase à poluição decorrente dos processos de industrialização,
outros, sobretudo, os países em desenvolvimento, inclusive o Brasil, defendiam que o
desenvolvimento era a solução para a equalização das acentuadas desigualdades sociais e
econômicas, e apontavam para a necessidade de considerar os custos de medidas ambientais
para os países em desenvolvimento.
Neste diapasão, representa esclarecedor o apontamento feito por Silva (2010, p. 29)
quanto à participação do Brasil nesta discussão:
60

O Brasil assumiu uma postura favorável à tese desenvolvimentista e afirmava que


cabia aos países desenvolvidos a responsabilidade pela solução do problema
ambiental (poluição), já que esses países tinham criado essa problemática e que era
mais importante investimento em desenvolvimento do que em controle ambiental –
a transferência das indústrias mais poluentes era estimulada pela política econômica
brasileira.

O legado deixado pela Conferência de Estocolmo não apenas representou o embrião


para que as discussões sobre as causas ambientais se reproduzissem no resto do mundo e
constituiu uma nova forma de repensar a relação do homem com o meio ambiente - até ele ser
reconhecido como direito fundamental de terceira geração -, como também orientou a
formação de diretrizes para efeito da construção de mecanismos políticos visando à realização
de uma gestão ambiental integrada e dotada de mecanismos funcionais.

2.2.4 Conferência de Mar del Plata (ONU)/1977

A Conferência das Nações Unidas de Mar del Plata ocorreu em 1977, na cidade
argentina de Mar del Plata, situada às margens do Rio do Prata, sendo o primeiro grande
encontro internacional que envolveu inúmeros países para tratar temas significativos sobre a
gestão dos recursos hídricos no mundo, sobretudo, no sentido de estabelecer uma cooperação
internacional para a construção de mecanismos visando evitar uma crise de água.
Esta conferência teve ao menos dois resultados importantes: o Plano de Ação e a
idealização da Década Internacional da Água. O Plano de Ação produziu recomendações em
que se destacam a busca da eficiência no uso da água, o controle da poluição hídrica, as suas
consequências sobre a saúde humana, o planejamento da gestão dos recursos hídricos,
investimentos na educação e pesquisa sobre recursos hídricos e estímulo à cooperação
regional e internacional, sendo ajustado que os países membros deveriam promover políticas
públicas de acesso quanti-qualitativo à água e saneamento básico para as suas respectivas
populações, fixando até o ano 1990 o marco para o cumprimento de tais metas. As resoluções
produzidas, por seu turno, focaram particularidades regionais específicas que já sinalizavam
para um quadro de escassez e estresses hídricos.
Ela se destaca porque foi a primeira do ciclo de grandes conferências organizadas
pela ONU, as quais serão tratadas nos tópicos seguintes.
61

2.2.5 Tratado de Cooperação Amazônica/1977

Na esteira dos efeitos regionais desenvolvimentistas que estavam ocorrendo no


hemisfério sul, decorrentes do Tratado da Bacia do Prata, foi celebrado o Tratado de
Cooperação Amazônica (TCA), composto pela Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana,
Peru, Suriname e Venezuela, visando o desenvolvimento da região amazônica.
O TCA é oriundo de uma iniciativa brasileira pautada pela necessidade de
institucionalizar e orientar um processo de cooperação regional entre os países que
compartilham a bacia amazônica, permitindo a inclusão de várias temáticas inerentes às
peculiaridades da região. Foi reconhecido pelo Brasil, no ano seguinte a sua celebração, por
meio do Decreto Legislativo nº 69, de 18 de outubro de 1978, porém somente entrou em
vigor em 1980, através do Decreto nº 85.050, de 18 de agosto de 1980, após o depósito do
último instrumento de ratificação apresentado pela Venezuela.
Com propósito geopolítico, o TCA foi concebido como forma de reafirmação da
soberania dos países da região amazônica com o objetivo de buscar a cooperação regional
visando ao desenvolvimento, ao uso e preservação dos recursos naturais, bem como ao
estabelecimento de mecanismos institucionais para equilibrar o desenvolvimento com a
proteção ecológica em um ambiente democrático, com absoluta igualdade entre os países
parceiros.
A importância emprestada pelo TCA na bacia hidrográfica amazônica é significativa
pois aproximou os países amazônicos para deliberarem sobre diversos temas relevantes para a
região, sobretudo, sob os viéses econômicos e ambientais.
Dentre tantos temas abordados, no que tange ao uso das águas, o TCA exterioriza o
seu ideal de desenvolvimento com ênfase nas áreas de navegação e logística, autorizando
ampla liberdade de navegação comercial no âmbito da bacia hidrográfica amazônica, e
também preconizando o melhoramento das hidrovias visando à expansão econômica da
região.
Embora o TCA tenha deixado de empregar a expressão “desenvolvimento
sustentável”, as características e elementos que dispõe o Tratado deixam de forma clara e
transparente tal propósito, uma vez que expressamente destaca como um dos seus propósitos a
cooperação entre os países vizinhos na manutenção do equilíbrio ecológico da região por
meio de instrumentos que venham a intervir na exploração racional dos recursos naturais e na
utilização racional dos recursos hídricos.
62

Celebrado há mais de 30 anos, a estrutura normativa do TCA ainda é debilitada, uma


vez que o Tratado é regido apenas por diretrizes programáticas, carecendo, portanto, de uma
legislação detalhada, o que de certa forma pode justificar a sua falta de efetividade por tanto
tempo.
Todavia, após avanços e retrocessos de negociação entre os países membros, por
conta do contexto socioeconômico e ambiental, e na forma preconizada pela cooperação
regional, nas décadas de 1990 e 2000, passou a ocorrer maior aproximação entre os países que
ocupam a região amazônica, resultando na decisão quanto à necessidade da criação de uma
organização capaz de promover a efetivação dos objetivos do TCA. Desta forma, com o
objetivo de dotar de efetividade os propósitos do TCA, em 1998 foi concebida a Organização
do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA).
Atualmente, a OTCA representa o principal organismo regional de desenvolvimento
na região amazônica, sendo constituído por representantes dos países partes na atuação das
mais diferentes áreas de interesse na Amazônia. Pautada por significados econômicos,
políticos e ambientais, a OTCA constituí uma entidade dotada de nível operacional e
organizacional consolidada no cenário internacional, suscetível de dinamizar as atividades
conduzidas em suas diferentes áreas de atuação na busca do desenvolvimento da região
amazônica, sendo a ferramenta em que se deposita todas as esperanças para que venham a se
efetivar todas aquelas premissas de cooperação no sentido de promover o desenvolvimento
da região amazônica.

2.2.6 Conferência sobre Água e Meio Ambiente de Dublin/1992

A Conferência sobre água e meio ambiente, realizada em Dublin, em janeiro de


1992, enquanto pautada por um viés holístico, não se limitou a discutir as questões quanto à
escassez, uso racional e respeito às soberanias nacionais, mas também orientou a produção de
critérios científicos para a quantificação da disponibilidade hídrica no mundo, estabelecendo
princípios para a gestão da água, sobretudo, destacando a importância da conscientização
sobre a finitude deste recurso natural, essencial para a vida e o desenvolvimento sustentável,
preconizando, ainda, a efetivação do princípio da participação nas políticas de gestão hídrica,
como também a adoção de premissas voltadas a repensar o valor econômico da água.
Em que pese à relevância dos princípios erigidos da Convenção de Dublin, destaque
especial mereceram as discussões que dizem respeito à participação local para um nível mais
abrangente, sobretudo, quanto a necessidade de uma gestão internacional da água, o que
63

culminaria em um outro debate político no sentido de questionar acerca da flexibilização das


soberanias sobre os recursos dos países que compartilham as bacias hidrográficas
transnacionais em homenagem a um ideal holístico de gestão internacional integrada, uma vez
que a existência (ou não) de gestão hídrica dos países à montante poderia comprometer a
qualidade dos corpos hídricos dos países à jusante, pois a contaminação hídrica não respeita
fronteiras.
Ponto não menos importante que foi objeto de pauta da Convenção de Dublin
consistiu na polêmica, que permanece até os dias atuais, sobretudo, quanto ao reconhecimento
do valor econômico da água, visando coibir o uso inadequado para diminuir os desperdícios e
assim promover a sua conservação. Todavia, a crítica feita em relação à Convenção se
justifica porque embora tenha advogado pela cobrança da água, ela não explicou como
viabilizar esta cobrança por um preço acessível para os habitantes daqueles países em que
existe disparidade entre o consumo e a renda em comparação com outros, pois dotar a água de
valor econômico, enquanto elemento imprescindível para a existência humana, representaria
uma política perversa e de exclusão, o que infringe o princípio supralegal da dignidade da
pessoa humana.
Dentre tantos outros méritos da reunião de Dublin, representaram as discussões
quanto à cobrança pela água decorrente das atividades econômicas, em especial, pela
agricultura, pela indústria e pelos usos das atividades urbanas de tratamento da água e
saneamento básico, o que resultou em investimentos científicos e avanços tecnológicos de
gestão hídrica.
Outro ponto quanto à gestão hídrica que merece destaque, como resultado de Dublin,
foi a criação de bacias hidrográficas enquanto instrumentos de gestão das águas, sendo que tal
método foi difundido e é utilizado amplamente pelos países que dispensam atenção à gestão
dos seus recursos hídricos.
Não bastassem todos estes relevantes pontos supracitados relacionados à gestão dos
recursos hídricos, a Convenção de Dublin também deixou um legado político de
inquestionável importância, pois nela concebeu-se a idealização do Conselho Mundial da
Água, o qual melhor analisar-se-á no seu tópico particular.
Diante de tudo isso, permite-se conceber que a Convenção de Dublin, em razão do
seu viés holístico, representou um, senão o mais significativo, marco institucional
contemporâneo quanto à gestão internacional dos recursos hídricos, pois produziu resultados
concretos que culminaram não apenas por influenciar outras Convenções Internacionais, mas
também por se disseminar na política hídrica de muitos países, inclusive, na do Brasil.
64

2.2.7 Declaração Universal dos Direitos das Águas

Em decorrência do contexto hídrico discutido poucos meses antes em Dublin, bem


como da preocupação da comunidade internacional quanto à problemática relativa à
distribuição desigual e ao uso racional da água, em 22 de março de 1992, a ONU proclamou a
Declaração Universal dos Direitos da Água, razão pela qual tal dia é comemorado
internacionalmente como o dia internacional da água com a realização de eventos sobre a
conscientização relativa ao uso racional da água em diversos países do mundo.
Em que pese não gozar de força jurídica para ser internalizada no ordenamento
jurídico dos países, a importância desta Declaração se justifica não apenas porque destacou a
relevância de uma reflexão acerca da problemática da água no mundo, mas também porque
fomentou a discussão desta temática às vésperas da Conferência do Rio de Janeiro de 1992
que se realizaria poucos meses depois e que, por sua vez, originou a Agenda 21, a qual
dedicou profícuo estudo e apontou medidas a serem adotadas pelos diversos atores
internacionais, sendo que tais diretrizes acabaram por sendo internalizadas nas legislações de
diversos países, inclusive, no Brasil, representada por meio da Lei 9.433/97.
O âmbito temático abordado na Declaração Universal dos Direitos da Água perpassa
uma visão exclusivamente jurídica, pois o seu conteúdo interdisciplinar destaca a importância
da água desde enquanto elemento basilar para a existência da vida no passado, presente e
futuro, até a racionalidade hidroeconômica que deve pautar o seu uso, o que justifica a sua
transcrição:

Declaração Universal dos Direitos da Água


1 – A água faz parte do patrimônio do planeta. Cada continente, cada povo, cada
nação, cada região, cada cidadão, é plenamente responsável aos olhos de todos.
2 – A água é a seiva de nosso planeta. Ela é condição essencial de vida de todo o
vegetal, animal ou ser humano. Sem ela não poderíamos conceber como são a
atmosfera , o clima, a vegetação, a cultura ou a agricultura.
3 – Os recursos naturais de transformação da água em água potável são lentos,
frágeis e muito limitados. Assim sendo, a água deve ser manipulada com
racionalidade, precaução e parcimônia.
4 - O equilíbrio e o futuro de nosso planeta dependem da preservação da água e de
seus ciclos. Estes devem permanecer intactos e funcionando normalmente para
garantir a continuidade da vida sobre a Terra. Este equilíbrio depende em particular,
da preservação dos mares e oceanos, por onde os ciclos começam.
5 – A água não é somente herança de nossos predecessores; ela é, sobretudo, um
empréstimo aos nossos sucessores. Sua proteção constitui uma necessidade vital,
assim como a obrigação moral do homem para com as gerações presentes e futuras.
6 – A água não é uma doação gratuita da natureza; ela tem um valor econômico:
precisa-se saber que ela é, algumas vezes, rara e dispendiosa e que pode muito bem
escassear em qualquer região do mundo.
7 – A água não deve ser desperdiçada, nem poluída, nem envenenada. De maneira
geral, sua utilização deve ser feita com consciência e discernimento para que não se
65

chegue a uma situação de esgotamento ou de deterioração da qualidade das reservas


atualmente disponíveis.
8 – A utilização da água implica em respeito à lei. Sua proteção constitui uma
obrigação jurídica para todo homem ou grupo social que a utiliza. Esta questão não
deve ser ignorada nem pelo homem nem pelo Estado.
9 - A gestão da água impõe um equilíbrio entre os imperativos de sua proteção e as
necessidades de ordem econômica, sanitária e social.
10 – O planejamento da gestão da água deve levar em conta a solidariedade e o
consenso em razão de sua distribuição desigual sobre a Terra.

2.2.8 Declaração do Rio/1992 - Agenda 21

Ainda no ano 1992, foi realizada a Conferência das Nações Unidas para o Ambiente
e Desenvolvimento (CNUMAD), também conhecida como Rio-92 ou Eco-92. Nesse evento,
representantes de 170 nações referendaram os princípios de Dublin e aprovaram uma agenda
mínima de preservação e recuperação do meio ambiente – a Agenda 21.
Um dos textos internacionais mais completos sobre a temática da água constitui a
Agenda 21 global.
A Agenda 21 global, resultado da Declaração do Rio de Janeiro, oriunda Conferência
das Nações Unidas sobre Meio Ambiente, realizada em 1992, marco institucional para um
modelo desenvolvimento sustentável, reserva um capítulo inteiro para abordar a problemática
e diretrizes sobre a água.
No seu art. 18, a Agenda 21 global, firma sob um viés holístico e global a
preocupação da comunidade internacional sobre a água, especialmente, sobre a problemática
existente em relação ao abastecimento de água potável e saneamento básico, fixando,
expressamente, no seu título “D”, as diretrizes programáticas para a formatação de bases de
ação, objetivos, atividades e os meios de implementação que deve(ria)m ser observados pelos
atores internacionais, na forma dos seus tópicos 18.47 a 18.55.
Dando ênfase à problemática relacionada ao acesso à água e saneamento básico, o
tópico 18.47 da Agenda 21 global, apresenta rica fundamentação como instrumento de base
para a ação, in verbis:

18.47. Uma oferta de água confiável e o saneamento ambiental são vitais para
proteger o meio ambiente, melhorando a saúde e mitigando a pobreza. A água
salubre é também crucial para muitas atividades tradicionais e culturais. Estima-se
que 80 por cento de todas as moléstias e mais de um terço dos óbitos dos países em
desenvolvimento sejam causados pelo consumo de água contaminada e, em média,
até um décimo do tempo produtivo de cada pessoa se perde devido a doenças
relacionadas com a água.
66

Com o escopo de implementar o plano de ação, o tópico 18.50 da Agenda 21 global,


estabelece diretrizes quanto às atividades que devem ser adotadas pelos países signatários, in
verbis:

18.50. Todos os Estados, segundo sua capacidade e recursos disponíveis e por meio
de cooperação bilateral ou multilateral, inclusive as Nações Unidas e outras
organizações pertinentes, quando apropriado, podem implementar as seguintes
atividades:(a) Meio ambiente e saúde: (i) Estabelecimento de zonas protegidas para
as fontes de abastecimento de água potável; (ii) Eliminação sanitária dos
excrementos e do esgoto, usando sistemas adequados para tratar os resíduos líquidos
em zonas urbanas e rurais; (iv) Expansão do abastecimento hidráulico urbano e rural
e estabelecimento e ampliação de sistemas de captação de água da chuva,
particularmente em pequenas ilhas, acessórios à rede de abastecimento de água; (v)
Tratamento e reutilização segura dos resíduos líquidos domésticos e industriais em
zonas urbanas e rurais; (vi) Controle das moléstias relacionadas com a água; (b)
Pessoas e instituições: (i) Fortalecer o funcionamento dos Governos no manejo dos
recursos hídricos e, ao mesmo tempo, reconhecer plenamente o papel das
autoridades locais; (ii) Estimular o desenvolvimento e manejo da água com base em
uma abordagem participativa que envolva usuários, planejadores e formuladores de
políticas em todos os níveis; (iii) Aplicar o princípio de que as decisões devem ser
adotadas no nível mais baixo apropriado, com consultas ao público e participação
dos usuários no planejamento e execução dos projetos hídricos; (iv) Desenvolver os
recursos humanos em todos os níveis, incluindo programas especiais para a mulher;
(v) Criar programas educacionais amplos, com particular ênfase em higiene, manejo
local e redução de riscos; (vi) Introduzir mecanismos de apoio internacional para o
financiamento, a implementação e o acompanhamento dos programas; (c) Manejo
nacional e comunitário: (i) Apoiar e dar assistência às comunidades para que
administrem seus próprios sistemas sobre base sustentável; (ii) Estimular a
população local, especialmente as mulheres, os jovens, os populações indígenas e as
comunidades locais, a participar do manejo da água; (iii) Vincular os planos hídricos
nacionais ao manejo comunitário das águas locais; (iv) Integrar o manejo
comunitário da água no contexto do planejamento geral; (v) Promover a atenção
primária à saúde e ao meio ambiente no plano local, inclusive com o treinamento de
comunidades locais em técnicas adequadas de manejo da água e atenção primária à
saúde; (vi) Ajudar os organismos que prestam serviços para que se tornem mais
eficazes em relação aos custos e respondam melhor às necessidades dos
consumidores; (vii) Dar mais atenção às zonas rurais mal atendidas e às periferias
urbanas de baixa renda; (viii) Reabilitar os sistemas defeituosos, reduzir o
desperdício e reutilizar com segurança a água e os resíduos líquidos; (ix) Estabelecer
programas de uso racional da água e de garantia de operação e manutenção; (x)
Pesquisar e desenvolver soluções técnicas adequadas; (xi) Aumentar
substancialmente a capacidade de tratamento dos resíduos líquidos, de acordo com o
aumento de seu volume; (d) Criação de consciência e informação/participação
públicas: (i) Fortalecer o monitoramento de setor e o manejo de informação nos
planos subnacional e nacional; (ii) Processar, analisar e publicar anualmente os
resultados do monitoramento nos planos local e nacional, como instrumento para o
manejo do setor e criação de interesse e conscientização; (iii) Utilizar indicadores
setoriais limitados nos planos regional e global para promover o setor e levantar
fundos; (iv) Melhorar a coordenação, o planejamento e a implementação do setor,
com a ajuda de um manejo mais eficaz do monitoramento e da informação, a fim de
aumentar a capacidade de absorção do setor, em especial nos projetos comunitários
de auto- ajuda.

Com o fito de evitar a apresentação de propostas inviáveis, na forma preconizada


pelas diretrizes anteriormente transcritas, a carta foi além, também apontando a fonte de
67

recursos para efeito de implementação das medidas, mediante o financiamento e estimativas


de custos, bem como a adoção de meios científicos e tecnológicos por meio da capacitação de
recursos humanos e fortalecimento institucional, segundo os fundamentos acostados nos seus
tópicos 18.52 18.53 e 18.54.
Em decorrência da sua precisão sob o prisma holístico da problemática relacionada
ao acesso à água potável e saneamento básico, merecem destaques os diagnósticos
produzidos, bem como as propostas alocadas na Agenda 21 global.
Temática não menos importante sobre o acesso à água e saneamento básico consiste
o fenômeno da alta densidade demográfica nos principais centros urbanos, o que a Agenda 21
não se esquivou de abordar, perfazendo uma profunda análise sobre a crise da água no
contexto do desenvolvimento urbano no seu título “E”, sobretudo nos tópicos 18.56 a 18.64.
Na mesma linha metodológica empregada para elaboração de toda a estrutura programática,
neste título, a Agenda 21 apresentou fundamentação, objetivos, atividades e os modos de
implementação que merecem especial destaque, in verbis:

18.56. No início do próximo século, mais da metade da população mundial estará


vivendo em zonas urbanas. Até o ano 2025, essa proporção chegará aos 60 por
cento, compreendendo cerca de 5 bilhões de pessoas. O crescimento rápido da
população urbana e da industrialização está submetendo a graves pressões os
recursos hídricos e a capacidade de proteção ambiental de muitas cidades. É preciso
dedicar atenção especial aos efeitos crescentes da urbanização sobre a demanda e o
consumo de água e ao papel decisivo desempenhado pelas autoridades locais e
municipais na gestão do abastecimento, uso e tratamento geral da água, em
particular nos países em desenvolvimento, aos quais é necessário um apoio especial.
A escassez de recursos de água doce e os custos cada vez mais elevados de
desenvolver novos recursos têm um impacto considerável sobre o desenvolvimento
da indústria, da agricultura e dos estabelecimentos humanos nacionais, bem como
sobre o crescimento econômico dos países. Uma melhor gestão dos recursos hídricos
urbanos, incluindo a eliminação de padrões de consumo insustentáveis, pode dar
uma contribuição substancial à mitigação da pobreza e à melhora da saúde e da
qualidade de vida dos pobres das zonas urbanas e rurais. Uma alta proporção de
grandes aglomerações urbanas está localizada em torno de estuários e em zonas
costeiras. Essa situação leva à poluição pela descarga de resíduos municipais e
industriais, combinada com a exploração excessiva dos recursos hídricos
disponíveis, e ameaça o meio ambiente marinho e o abastecimento de água doce.

Em razão da precisão do diagnóstico produzido sobre o acesso à água potável e


saneamento básico, foram produzidas as propostas alocadas na seção 18.59 da Agenda 21
global, in verbis:

18.59. Todos os Estados, segundo sua capacidade e recursos disponíveis, e por meio
de cooperação bilateral ou multilateral, inclusive com as Nações Unidas e outras
organizações pertinentes, quando apropriado, podem implementar as seguintes
atividades: (a) proteção dos recursos hídricos contra o esgotamento, a poluição e a
68

degradação; (b) distribuição eficaz e equitativa dos recursos hídricos; (c) reformas
institucionais/jurídicas/administrativas; (d) promoção a participação pública; (e)
Apoio ao desenvolvimento da capacidade local; (f) e o acesso melhor aos serviços
de saneamento.

Conforme se verifica, na linha de efetivação dos direitos fundamentais, mormente,


do direito à água, sobretudo em relação ao acesso à água e saneamento básico, a formatação
minuciosamente diagnosticada pela Agenda 21 global identificou a extensão da problemática
e apontou soluções para serem adotadas pelos gestores públicos; todavia, o seu rico legado,
infelizmente, parece desprezado, consoante se observa no crítico contexto hídrico brasileiro e,
em especial, no da região amazônica.

2.2.9 Convenção de Helsink/1992

Em Helsink, na Finlândia, em 1992, foi realizada a Convenção Internacional dos


Cursos de Água Transfronteiriços e Lagos Internacionais, atendendo, sobretudo, as
expectativas dos países que constituem a União Européia.
Conforme teremos a oportunidade de verificar na seção 3.4., que diz respeito ao
princípio do desenvolvimento sustentável, para o qual remetemos o leitor a título de
complementação, a Convenção de Helsink revelou a preocupação dos membros da
Comunidade Européia quanto aos efeitos nocivos advindos dos impactos da poluição hídrica,
a qual não respeita fronteiras, em especial, no continente europeu, cujas características
geográficas permitem facilmente a difusão de eventual contaminação hídrica para os países
vizinhos.
Discorrendo sobre as repercussões internacionais quanto à modificação das
características físicas da água, Machado (2009, p. 41) averba que:

As consequências internacionais das características físicas das águas mostram que a


água não fica contida nas fronteiras políticas e que ela tem a propriedade de
transmitir a uma região as modificações ou as repercussões das modificações que se
produzem noutra região. Assim, é quase impossível impedir a repercussão de fatores
ocorridos num trecho de um curso de água (enchente, poluição ou estiagem, por
exemplo) no trecho sucessivo do mesmo curso de água, esteja ou não no mesmo
Estado.

A preocupação quanto aos critérios quanti-qualitativos das águas no continente


constituiu o âmago das discussões, uma vez que as consequências da ausência de políticas
públicas de gerenciamento dos recursos hídricos por alguns países estavam comprometendo
as águas dos demais.
69

Vários foram os focos de discussão, desde o tratamento dos efluentes por parte das
indústrias e os decorrentes dos usos urbanos, até o transporte de cargas perigosas suscetíveis
de contaminação das águas, inclusive, fomentando a difusão de políticas públicas quanto à
aplicação de tecnologias e métodos de produção e padrões de consumo com respeito ao meio
ambiente. Além disso, enquanto exteriorização do princípio da cooperação internacional,
preconizou o intercâmbio de informações, o monitoramento, assistência e sistema de alerta, e
a elaboração de regras e obrigações comuns entre os países que compartilham as águas.
Pautada por inúmeros princípios de direito ambiental, a Convenção de Helsink
dispensa destacada ênfase à gestão dos recursos hídricos internacionais por meio dos
princípios da prevenção e precaução, preconizando a utilização racional dos recursos hídricos,
o seu compromisso intergeracional e estabelecendo instrumentos para a efetivação do
princípio do poluidor-pagador.

2.2.10 Convenção sobre o direito relativo à utilização dos cursos de águas internacionais
para fins diversos dos de navegação/1997

Para efeito de dotar de melhor conhecimento este tópico relativo à Convenção sobre
o direito relativo à utilização dos cursos de águas internacionais para fins diversos dos de
navegação, antes de mais nada, importante se apresenta a definição do conceito do que são os
cursos de águas internacionais.
Tomando por emprestado o conceito de curso de água concebido por Jiuyong Shi,
Machado (2009, p. 39) explica que: “curso de água significa um sistema de águas de
superfície e subterrânea que, em virtude de sua relação física, constitui um conjunto unitário e
normalmente fluindo para uma desembocadura comum”.
Quanto ao conceito de rios internacionais, Rezek (2008, apud MACHADO, 2009,
p.38) afirma que:

Rio internacional é todo o curso de água que banha mais de um Estado soberano.
Uma distinção preliminar costuma fazer-se entre rios limítrofes (ou contíguos, ou de
fronteira) e os rios de cursos sucessivos. Contudo, os mais importantes rios
internacionais, em sua maioria, ostentam as duas características”.

E acrescenta:

Mesmo o Amazonas, que é predominantemente um rio de curso sucessivo, banhado


pelos dois flancos o território peruano e depois o território brasileiro, serve de rio-
70

limítrofe entre Peru e Colômbia – ainda sob o nome de Marañon – numa pequena
extensão da fronteira, antes de entrar definitivamente no Brasil.

Por fim, considerando os fundamentos propostos por Jiuyong Shi (1994, apud
MACHADO 2009, p. 38-39), Rezek afirma que:

As águas de um curso de água internacional são um fenômeno natural que não


conhece fronteiras e constitui uma unidade hidrológica natural. Essa unidade não
obedece senão às leis irredutíveis da natureza, independentemente da vontade
humana. Por isso, toda a utilização de uma parte de um curso de água internacional
afeta outras partes desse curso de água.

Esta Convenção foi o resultado de 20 anos de discussões entre juristas e


pesquisadores de diversos países no âmbito da Comissão de Direito Internacional da ONU
(CDI). Embora a Convenção tenha sido adotada pela Assembleia Geral das Nações Unidas
em 1997, foi somente em agosto de 2014 que a mesma entrou em vigor com a ratificação do
Vietnam, enquanto 35º país que a aderiu, conforme exigência elencada no seu art. 36.
Pautada pelo propósito da cooperação internacional na gestão dos recursos hídricos,
a Convenção preconiza como princípios uma utilização e participação equitativa e razoável
entre os Estados ribeirinhos, considerando fatores geográficos, hidrográficos, climáticos,
ecológicos, entre outros, destacando sobre as necessidades sociais e econômicas destes
Estados interessados, bem como solidificando o princípio da obrigação dos Estados de não
provocar dano significativo em outro Estado mediante o emprego de instrumentos de
prevenção e precaução.
Para efeito de dotar de efetividade os seus instrumentos de gestão, além das
premissas elencadas anteriormente, a Convenção também prega pela obrigação geral de
cooperação entre os países ribeirinhos, bem como a permuta de dados e informações quanto
aos recursos hídricos.
Muito inspirada pelos princípios que pautam o desenvolvimento sustentável, na
forma concebida pela Declaração do Rio de Janeiro de 1992, a expectativa com a entrada em
vigor desta Convenção é muito grande, pois é esperado que ela sirva também de inspiração
para outros países a ratificarem, pois irá facilitar acordos para a gestão conjunta de muitos
cursos de águas internacionais, sobretudo, no âmbito da América Latina e, em especial, na
Amazônia.
71

2.2.11 Conferência Internacional da Água e Desenvolvimento Sustentável – Paris/1998

A Conferência Internacional da Água e Desenvolvimento Sustentável foi promovida


pela Unesco e realizada em Paris, em 1998, resultando em uma Declaração Ministerial e um
Plano de Ação preconizando à sustentabilidade no uso da água, distribuído em três eixos de
ação, conforme destaca Ribeiro (2008, p. 102). A primeira diz respeito ao melhoramento do
conhecimento sobre recursos hídricos e seus usos na perspectiva de uma gestão sustentável,
visando monitorar as condições da água, identificando os pontos de poluição localizada e
difusa, dando ênfase a estudos em lagos, áreas úmidas, águas subterrâneas, rios e de eventos
climáticos. O outro eixo de ação tem como objeto o desenvolvimento de recursos humanos e
institucional para a gestão da água, mediante proposta de modificação da legislação dos países
para adequá-la à gestão integrada dos recursos hídricos, enfatizando a participação da
sociedade civil em todos os níveis de gestão. E no último eixo foram estabelecidas definição
de estratégias de gestão sustentável da água e suas fontes de financiamento por meio de
ingresso de capital privado na gestão da água, sendo esta a linha defendida pelo Conselho
Mundial da Água e consubstanciada na Declaração de Ministros e Chefes de Estado, a qual
destacou a importância para a constituição de parcerias entre os entes públicos e privados por
meio das organizações não governamentais na gestão das águas.
Embora a relevância desta Convenção, especificamente, sob o viés hidroeconômico e
de gestão hídrica que a revestiu, Ribeiro (2008, p. 104) entende que “o evento de Paris não
acrescentou nada de relevante ao debate internacional sobre os recursos hídricos. Apenas
manteve princípios conhecidos, como o do poluidor-pagador e do usuário-pagador.”

2.2.12 Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento


Sustentável (Rio+20)/2012

A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento


Sustentável de 2012, realizada no Rio de Janeiro, foi denominada de Rio+20 em homenagem
à Conferência realizada no ano de 1992, a qual representou um marco significativo para a
viabilização da política do desenvolvimento sustentável, sobretudo, em face da produção da
Declaração do Rio de Janeiro e da Agenda 21.
Embora pautada por temas de relevante importância, como a econômica verde e a
necessidade da implantação de uma governança sustentável entre todos os atores sociais, em
especial, os Estados, a sociedade civil e as organizações corporativas, os resultados obtidos da
72

Rio+20 sequer chegaram ao limiar da utopia do que se idealizava, ficando muito aquém das
conquistas que emergiram da Conferência de 1992.
Enquanto cientista e pesquisador na área ambiental, teve-se a oportunidade de
participar de alguns dos eventos realizados na Rio+20. O cenário que pairava no ar, nesta
ocasião, era sombrio, pois o contexto econômico internacional – não muito diferente dos dias
atuais – indicava para o retrocesso das conquistas de 1992, sobretudo, no sentido de mitigar
algumas premissas relativas ao desenvolvimento sustentável, agregadas ao fato de que alguns
dos países mais ricos e poluidores, citando-se como exemplo, os Estados Unidos, desde antes
e da mesma forma que se comportaram em relação ao Protocolo de Kyoto já afirmavam que
não iriam ratificar acordo algum, razão pela qual o papel dos juristas, pesquisadores e
ambientalistas consistiu na mobilização de pressionar os governantes para que não fossem
autorizadas políticas que viessem a comprometer o ideário do desenvolvimento sustentável,
ou seja, daquilo tudo que já fora conquistado em 1992.
O ambiente que se encontrava nos bastidores do evento, sobretudo, em relação ao
contexto brasileiro, era paradoxal e conflituoso, conforme restou evidenciado no encontro
realizado no Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, que contou com a presença de
membros do Poder Judiciário, Ministério Público, advogados, pesquisadores, cientistas
brasileiros renomados, autoridades públicas e parlamentares, e no qual teve-se a oportunidade
de participar. Poucos dias antes deste megaevento, o Congresso Nacional aprovara o novo
Código Florestal, representado pela Lei 12.651, de 25 de maio de 2012, o qual representou
um retrocesso quanto à proteção das florestas e dos corpos hídricos, uma vez que reduziu
significativamente a proteção das áreas de preservação permanente (APP´s), como nascentes e
encostas de morros.
Tal contexto não apenas invocou a irresignação de cientistas, pesquisadores das mais
diversas universidades do Brasil, juristas e ambientalistas que não foram consultados para
efeito da elaboração do novel diploma florestal, cuja essência no processo de elaboração foi
política, sobretudo, da bancada ruralista e da agroindústria (e não científica), como também
desvendava uma política internacional ambiental paradoxal, pois ao mesmo tempo que o país
estava dispensando significativos recursos financeiros naquele megaevento de repercussão
internacional no sentido de viabilizar o desenvolvimento sustentável, simultaneamente, no
âmbito nacional, os seus legisladores e a política federal estavam a desproteger os recursos
naturais.
Dentre tantos temas relevantes que foram abordados, merece ser ilustrado uma
situação inusitada que fora destacada, especificamente, quanto à incompatibilidade da
73

aplicação do novo Código Florestal ao contexto da Amazônia, pois em razão da região ter
características bem definidas com os fenômenos sazonais de enchentes e vazantes, impensável
a possibilidade de serem estabelecidas as áreas de preservação permanente no leito dos seus
corpos hídricos, como se fosse a natureza que tivesse de cumprir a lei, e não o contrário – o
que revelou, senão uma manobra de interesses econômicos representados pela classe política,
o vergonhoso despreparo científico do legislador brasileiro.
No encontro de juristas internacionais, realizado no Jardim Botânico do Rio de
Janeiro, no qual também teve-se a oportunidade de participar, foram apresentados inúmeros e
significativas palestras, seminários e painéis, contando com nomes importantes do direito
ambiental brasileiro e internacional. Dentre tantas significativas apresentações que assistimos,
chamou a atenção a palestra do Ministro do Superior Tribunal de Justiça, Min. Hermann
Benjamin, o qual iniciou o seu discurso fazendo a seguinte afirmação e questionando:

Todos que estão aqui já sabem do resultado deste grandioso e oneroso evento:
nenhum. Mas então pergunto: diante de tantos problemas ambientais existentes no
Brasil e, em especial, nos países mais pobres, os quais exigem investimentos para
atenuar tal problemática, por qual razão a ONU e o Brasil fizeram aportes de alguns
milhões de dólares para a realização de um evento desta magnitude que não
produzirá nada ?

Com efeito, compartilhamos do entendimento do nobre Ministro Hermann Benjamin,


uma vez que a postura adotada neste evento foi mais protetiva do que se conquistara em 1992,
do que propriamente expandir a efetivação de uma política internacional pautada pelo
desenvolvimento sustentável.
Diante deste contexto cabuloso, o máximo que a Rio+20 conseguiu produzir foi
estabelecer diretrizes programáticas para uma economia verde e para a erradicação da
pobreza. Neste sentido, Machado (2014, p. 80) aduz que para o alcance de tal desiderato
quanto o estabelecimento de uma economia verde e erradicação da pobreza, conforme a
tradução que fez da Carta da ONU relativa à Convenção Rio+20, restou preconizado pela
Carta que os entes internacionais deveriam:
a) adotar medidas coerentes com o direito internacional e respeitar as soberanias
dos Estados sobre os seus recursos naturais, dando ênfase às dimensões do
desenvolvimento sustentável;
b)dispensar atenção ao bom funcionamento das instituições com a participação
das partes interessadas, inclusive, a sociedade civil;
74

c) promover o crescimento econômico sustentável e inclusivo, fomentando a


inovação, oportunidades e capacitação;
d)considerar as necessidades dos países em desenvolvimento;
e) fortalecer a cooperação internacional por meio da provisão de recursos
financeiros e transferência de tecnologia aos países em desenvolvimento;
f) evitar a imposição de condições excessivas para o aporte de investimentos;
g)inibir enquanto meio de discriminação arbitrária uma restrição disfarçada ao
comércio internacional por meio de adoção de medidas unilaterais em relação
aos desafios ambientais fora da jurisdição do país importador, bem como
buscar um consenso internacional;
h)adotar medidas para preencher as lacunas tecnológicas entre os países
desenvolvidos e em desenvolvimento no sentido de reduzir a dependência
tecnológica dos países desenvolvidos; promover padrões de consumo e
produção sustentáveis; e
i) preservar nos esforços para um desenvolvimento equitativo e inclusive, através
de meios que superem a pobreza e a desigualdade.

Como é possível perceber, todos os pontos elencados na Carta produzida pela


Convenção Rio+20, segundo a tradução feita por Machado (2014, p. 80), se encontram
explícita ou implicitamente abordadas na Agenda 21, fruto da Conferência do Rio de 1992,
razão pela qual permite-se conceber que a Rio+20 além não produzir nada de diferente do que
antes já existia, revelou um cenário de estagnação da política ambiental internacional muito
influenciada pelas incertezas e inseguranças econômicas que afetam a pauta geopolítica
internacional.
No que tange à gestão dos recursos hídricos, na mesma esteira das temáticas
correlatas aos recursos naturais, a Convenção Rio+20 pouco ou quase nada avançou, pois
apenas reiterou os princípios inerentes à soberania dos Estados quanto à exploração dos seus
recursos naturais, invocou a necessidade do princípio da participação, dispensou ênfase ao
desenvolvimento sustentável, bem como deu, de forma genérica e inespecífica, atenção em
relação a padrões de consumo sustentáveis, o que diretamente tem relação ao uso racional dos
recursos hídricos, razão pela qual entendeu-se por oportuno tal destaque.
75

2.3 ORGANISMOS INTERNACIONAIS SOBRE RECURSOS HÍDRICOS

Considerando que, em regra, as águas que se encontram dentro da jurisdição


geopolítica de um Estado não são suscetíveis de intervenções externas, posto que a gestão das
águas representa uma forma de exteriorização da soberania estatal, resultou desencadeada a
necessidade da construção de uma política de flexibilização das soberanias estatais quanto à
gestão dos recursos hídricos, pois as águas desconhecem fronteiras ou o sentido de soberania.
O avanço das políticas internacionais quanto à gestão hídrica ocorridas nos últimos
anos, sobretudo, fruto das diversas Conferências e Tratados internacionais, culminou na
necessidade da constituição de organismos internacionais capacitados para promover
pesquisas científicas, fomentar arranjos institucionais entre interesses convergentes e orientar
a execução de políticas hídricas.
Para efeito de acompanhamento das políticas hídricas internacionais, no decurso dos
anos, foram construídos diversos organismos, sobretudo, no que diz respeito a regiões
específicas ou blocos regionais, podendo-se citar o existente na União Européia. Todavia, o
que interesse nesta fase da pesquisa diz respeito aos principais organismos que mais se
destacam e atuam no cenário internacional, sobretudo, o Conselho Mundial da Água e a UN-
WATER, os quais passam a ser melhor apreciados.

2.3.1 Conselho Mundial da Água

Enquanto idealizado pelo legado deixado pela Conferência de Dublin, a proposta


quanto à formação de um Conselho Mundial da Água foi fortalecida pela Convenção do Rio
de Janeiro, em 1992, que foi determinante para a sua criação.
O Conselho Mundial da Água foi concebido com o propósito de ser uma instituição
capaz de gozar de força política para orientar as diretrizes de gestão hídrica no mundo,
defendendo abertamente a política de que a água deve ser um bem dotado de valor
econômico, ou seja, suscetível de cobrança. Após realizadas rodas de eventos com inúmeras
discussões temáticas sobre a viabilidade do modelo de gestão hídrica global que estava sendo
preconizado, bem como autorizada a criação pela Comissão para o Desenvolvimento
Sustentável e da Assembleia Geral da ONU, em 1996 foi formalmente criado o Conselho
Mundial da Água.
Segundo prescreve Ribeiro (2008, p. 90), os objetivos do Conselho Mundial da
Água, são:
76

a) Fornecer uma plataforma para a visão estratégica comum sobre o manejo de


serviços e recursos hídricos de modo sustentável e promover, mundialmente, a
implementação de políticas efetivas e estratégicas;
b) Fornecer conselhos e informações relevantes para instituições e tomadores de
decisões sobre o desenvolvimento e implementação de políticas em prol de pobres,
estratégias para recursos aquíferos sustentáveis e para o manejo de serviços de água,
com o devido respeito ao meio ambiente, à equidade social e de gêneros;
c) Contribuir para a resolução de questões relacionadas às águas
transfronteiriças.

Outrossim, Ribeiro explica que entre as atribuições do Conselho está a realização do


Fórum Mundial da Água a cada três anos, desenvolvendo quatro linhas de ação vinculadas às
metas do milênio referentes aos recursos hídricos e saneamento básico:

a) água, direitos humanos e política;


b) água, instituições e capacidade financeira
c) água, serviços e infra-estrutura; e
d) água e meio ambiente.

O âmbito organizacional do Conselho é formado por Conselhos de Governadores que


tratam de áreas temáticas específicas quanto aos objetivos do Conselho. Os membros destes
Conselhos de Governadores são eleitos por triênios.
Segundo divulgado no site da internet oficial do Conselho Mundial da Água, a sua
missão é promover a conscientização, incrementar o compromisso político e disseminar ações
em temas críticos sobre a água em todos os níveis, a fim de facilitar a conservação, proteção,
desenvolvimento, planejamento, gestão e uso eficiente da água em todas as suas dimensões, e
sobre uma base ecologicamente sustentável em benefício de toda a vida no planeta. Sendo
uma plataforma para fomentar debates e trocar experiências, o Conselho tem como objetivo
chegar a uma visão comum estratégica sobre os recursos hídricos e a gestão dos serviços de
água entre todos os atores da comunidade hídrica.
Ainda, conforme apresentado na página oficial da internet do Conselho, o mesmo é
pautado por valores que contribuem para a execução dos seus objetivos, que são os seguintes:
a) transparência, estando aberto a qualquer organização que se comprometa com
os objetivos e as informações fluam livremente entre seus membros;
b)democracia, fundada nos princípios democráticos, um voto por membro, sendo
que as opiniões de todos os membros se distribuam livremente;
c) dignidade, tendo todos os membros a oportunidade de escutar e ser escutados;
d)independência, sendo que nenhum interesse particular deverá interferir em
trazer algum tema sobre a mesa quando este seja pertinentes a água;
77

e) participação, pois se considera que questões complexas tais como os problemas


de água somente podem ser abordados e resolvidos por meio da participação
de todos os atores nos debates.
Por fim, segundo veiculado na página oficial do Conselho, o mesmo tem como
estratégias prioritárias para a consecução dos seus objetivos para o último triênio, até 2015, a
união de pessoas através da hidrodiplomacia ativa, explorando novas idéias e conceitos,
debatendo e fomentando ao mesmo tempo e trocando contatos, situando-se em quatro áreas
específicas:
a) a água na agenda política;
b)exame dos assuntos de segurança hídrica; organização de foros mundiais de
água;
c) o fortalecimento da organização.
Através do grande número de organizações de todo o mundo que são membros do
Conselho, ele dissemina informações no âmbito político, científico e técnico, e ainda difunde
perspectivas e conhecimentos práticos através de uma ampla gama de atividades
supervisionadas por suas autoridades, diálogos com os múltiplos atores, tarefas, publicações e
plataformas de atividades.
Conforme veiculado pela página da internet oficial do Conselho Mundial da Água,
um dos mais importantes objetivos é aportar uma maior consciência sobre os assuntos globais
da água e contribuir para a mobilização política através de fóruns mundiais da água. Servindo
como mecanismo de colaboração global para discutir os problemas da água, o fórum é uma
plataforma onde a sociedade civil, os usuários e os Estados, estes últimos, enquanto
formadores das políticas hídricas e tomadores de decisões de todas as regiões do mundo
podem se encontrar, debater e tratar de encontrar soluções para alcançar a segurança hídrica.
As últimas edições do fórum produziram resultados, pois por meio de estudos prospectivos
sobre o futuro dos recursos hídricos globais culminaram em prever um contexto caótico de
escassez para o ano de 2025, razão pela qual tratou-se de estabelecer ações e compromissos
concretos.
O Conselho também tem desempenhado papel estratégico em fomentar e facilitar a
criação de diálogos sobre temas transversais que não se haviam abordados o suficiente a nível
local e nacional. Os diálogos chaves incluem aqueles sobre água para a alimentação e meio
ambiente e sobre o clima. Temas como financiamento e infraestrutura para a o uso racional da
água, bem como o estabelecimento de mecanismos de cooperação e coordenação para a
adoção de ações concretas também foram objeto dos fóruns.
78

A participação política por meio de representantes parlamentares, políticos,


diplomáticos tem aumentado substancialmente nos últimos anos e os esforços do Conselho
tem contribuído decisivamente para elevar o tema da água para as agendas políticas
internacionais.
A hidrodiplomacia brasileira está representada no Conselho Mundial da Água por
inúmeros atores das mais diversas áreas (entidades públicas, privadas, a ANA, universidades e
organizações), inclusive, tendo membros nos Comitês de Governadores. A participação
brasileira aumentou consideravelmente nos últimos anos, sobretudo, porque a pauta da
consciência hídrica passou a estar na agenda política nacional com maior ênfase em
decorrência dos problemas que o país vem vivenciando pela distribuição desigual da água e o
panorama de escassez que se apresenta em algumas regiões.
Embora ainda pairem divergências em relação ao valor econômico da água para
efeito de cobrança, o que vem sendo discutido desde a Convenção de Dublin, e que constitui
uma das principais bandeiras do Conselho Mundial da Água, não se pode olvidar que ele
representa uma instituição muito organizada, dotada de recursos financeiros, de reconhecida
importância no cenário hídrico e geopolítico internacional cujas atividades vem produzindo
resultados concretos, sobretudo, no âmbito dos países periféricos que precisam de recursos
financeiros e tecnológicos para a gestão dos seus recursos hídricos.
O fato da questão hídrica ter se tornado um tema relevante na agenda brasileira nos
últimos anos, e ainda considerando a importância geopolítica da hidrografia brasileira,
segundo foi deliberado no 7º e último Fórum Mundial da Água, realizado em abril de 2015,
em Daegu e Gyeongju, na Coréia do Sul, o 8º Fórum Mundial da Água, programado para
2018, acontecerá em Brasília, o que, sem dúvida, representa a oportunidade do Brasil engajar-
se com maior expressão no cenário hidropolítico internacional.

2.3.2 Comissão das Nações Unidas sobre águas

No âmbito da ONU, a problemática relativa ao uso racional e a gestão dos recursos


hídricos a nível global constituem objeto do seu organismo de coordenação denominado UN-
WATER, o qual representa o braço da ONU nos assuntos pertinentes à água. A UN-Water foi
constituída em 2003 pelo Comitê de Alto Nível das Nações Unidas visando a coordenação de
uma agenda política destinada à gestão hídrica internacional, com o propósito de implementar
a agenda definida na Declaração do Milênio pela Câmara Mundial sobre Desenvolvimento
79

Sustentável, tendo como objeto as águas doces, incluindo, as superficiais e subterrâneas, e as


suas interfaces com as águas do mar.
O espectro de abrangência da UN-WATER diz respeito não apenas em relação ao
aspecto quali-quantitativo da água, mas também quanto aos seus múltiplos usos econômicos,
efeitos ecossistêmicos, distribuição e saneamento básico, bem como quanto à prevenção de
desastres provocados pelas águas e a sua interface com as mudanças climáticas.
Desta forma, conforme veiculado na página oficial da internet da UN-WATER, o seu
principal objetivo consiste em complementar e agregar valor aos programas e projetos
existentes, facilitando as sinergias e esforços conjuntos, de modo a maximizar a ação e prestar
apoio efetivo aos Estados membros no sentido de atingir as metas com prazos, tal como
acordado pela ONU, na forma dos objetivos do programa de Desenvolvimento do Milênio
deliberado pela Câmara Mundial de Desenvolvimento Sustentável.
80

3 PRINCÍPIOS INFORMADORES DO DIREITO DE ÁGUAS

Neste segundo capítulo, vamos discorrer sobre os princípios de Direito Ambiental


aplicáveis, especificamente, à gestão dos recursos hídricos e que orientam o direito de águas.
Como não é possível desenvolver um trabalho agasalhando todos os princípios, resolvemos
limitar a abordagem aos princípios de direito material denominados de estruturantes, uma vez
que são eles que constituem as premissas basilares norteadoras do direito de águas.

3.1 PRINCÍPIO DO DIREITO À ÁGUA COMO DIREITO FUNDAMENTAL DA PESSOA


HUMANA

Na exegese do art. 5º, caput, da Carta Constitucional, o direito à vida está


preconizado no ordenamento jurídico como um vetor consagrado como direito fundamental,
sendo o mais básico de todos os direitos, assegurando o direito de existência com uma
qualidade mínima de vida preconizada enquanto reflexo do princípio da dignidade humana.
A vida é o bem jurídico vetor e de maior relevo na formatação concebida pelos
direitos fundamentais. No que toca à função precípua dos direitos fundamentais, Canotilho
(2003, p. 407) destaca que: “A primeira função dos direitos fundamentais – sobretudo dos
direitos, liberdades e garantias – é a defesa da pessoa humana e da sua dignidade perante os
poderes do Estado (e de outros esquemas políticos coactivos)”.
Levando em consideração a essencialidade da água para a existência de todos os
seres vivos, ela constitui bem jurídico supraindividual, suscetível de proteção pelo
ordenamento jurídico, sobretudo, porque o direito fundamental de manutenção da vida, ou
seja, o direito à água, representa expressiva carga axiológica humanitária que surte reflexos
em outros direitos individuais, sociais e difusos.
Muito embora a Constituição Federal não arrolar, explicitamente, quais são os
direitos fundamentais, inequívoco é que os direitos à vida e à saúde representam direitos
humanos fundamentais, e assim os destinatários da norma constitucional não têm direito a
qualquer vida, pois o sobreprincípio da dignidade da pessoa humana orienta que a vida deve
ser dotada de um mínimo de dignidade.
Neste sentido, especial destaque merece os apontamentos feitos por Viegas (2012, p.
16) em relação ao acesso à água enquanto condição para a efetivação do princípio
constitucional da dignidade da pessoa humana:
81

O direito subjetivo à água não é apenas o bastante para sobreviver. O direito vai
além quando resguarda o mínimo existencial. Esse mínimo deve proporcionar uma
vida com dignidade. É por isso que o direito humano fundamental abrange o acesso
à água em quantidade e qualidade adequadas para uma vida digna.

Desta forma, sendo a água um componente basilar para a existência da vida com um
mínimo de dignidade, não apenas o seu acesso em quantidade e qualidade, mas também o seu
tratamento por meio de políticas de saneamento básico, constituem um direito humano
fundamental, consagrado não apenas pela Constituição Federal, mas também por outros
instrumentos internacionais que reafirmam tal direito humanitário e que servem de fontes para
a construção do Direito de Águas.
Neste sentido, para justificar que o direito à água constitui um direito fundamental
decorrente da solidariedade hídrica, D´lsep (2010, p. 60) afirma:

O direito à água tem naturezas jurídicas diferenciadas, que se alteram sob a ótica em
que ele é analisado. Tem natureza jurídica de direito fundamental, se observado sob
o ponto de vista do direito do homem à vida, logo legítima, em seu socorro sendo
usado o sistema procedimental dos direitos humanos. O que se percebe ao longo da
história é a jurisdicionalização dos direitos do homem, em que pese a sua
dificuldade de instrumentalização. [...].
A consequência da solidariedade hídrica pretendida com a Carta Social da Água é
um exemplo dos efeitos jurídicos decorrentes da natureza de direito fundamental.
Isto é, os direitos fundamentais revelam uma concepção social universalista, que
teve por efeito jurisdicionalizar a solidariedade pelo desenvolvimento do gênero
humano. É, portanto, um direito que, por sua natureza de direito fundamental,
pressupõe e impõe a solidariedade.

Discorrendo sobre a incorporação do direito à água e a universalização do seu acesso


enquanto direito fundamental, sob o prisma internacional, por força da Convenção de Direitos
Econômicos, Sociais e Culturais, acentua Ribeiro (2008, p. 111):

A água passou a ser reconhecida internacionalmente como uma substância que


integra elementos imprescindíveis à reprodução da vida humana, ampliando a série
de tratados que regulamentam o uso da água na ordem ambiental internacional. A
universalização do acesso à água entrou na pauta internacional.

Esta relação entre o acesso à água enquanto condição para a consecução do direito à
dignidade da pessoa humana foi destacado por Petrella (2002), idealizador da construção de
um Contrato Mundial da Água.
Para Petrella (2002, p. 131), o Contrato Mundial da Água é constituído por dois
objetivos principais, sendo que um deles é o acesso básico à água para todos os seres
humanos enquanto corolário de dignidade, preconizando que a comunidade pode consumir a
quantidade de água necessária e indispensável para as necessidades da economia e do
82

desenvolvimento social local, usando os recursos disponíveis localmente ou os


compartilhando com base na solidariedade, sendo que o acesso básico deve ser reconhecido
como um direito político, econômico, social, fundamental e inalienável que, simultaneamente,
é individual e coletivo, justificando que:

O acesso básico para todos os seres humanos significa que ele ou ela pode desfrutar
da quantidade mínima de água doce potável que a sociedade considera necessária e
indispensável para uma vida digna, e que a qualidade dessa água está de acordo com
as normas mundiais de saúde.

Cumpre destacar que, embora o Brasil seja signatário de inúmeros protocolos e


tratados internacionais, o direito fundamental de acesso físico à água e o saneamento básico
não se encontram inseridos expressamente no direito positivo brasileiro, porém, estão
assegurados por força da hermenêutica constitucional.
Nesse sentido, discorrendo sobre o sentido cogente acerca da aplicabilidade imediata
dos direitos fundamentais, sobretudo, visando à eficácia dos mesmos, merecem destaque as
afirmações feitas por Sarlet (2007, p. 285):

Se, portanto, todas as normas constitucionais sempre são dotadas de um mínimo de


eficácia, no caso dos direitos fundamentais, à luz do significado outorgado ao art. 5º,
§ 1º, de nossa Lei Fundamental, pode afirmar-se que aos poderes públicos
incumbem a tarefa e o dever de extrair das normas que os consagram (os direitos
fundamentais) a maior eficácia possível, outorgando-lhes, neste sentido, efeitos
reforçados relativamente às demais normas constitucionais, já que não há como
desconsiderar a circunstância de que a presunção da aplicabilidade imediata e plena
eficácia que milita em favor dos direitos fundamentais constitui, em verdade, um dos
esteios de sua fundamentalidade formal no âmbito da Constituição.

Desta forma, sendo a água um componente basilar para a existência da vida com um
mínimo de dignidade, não apenas o seu acesso em quantidade e qualidade, mas também o seu
tratamento por meio de políticas de saneamento básico constituem direitos humanos
fundamentais consagrados pela Constituição Federal e por outros instrumentos internacionais
que reafirmam tal direito humanitário. Neste sentido, o art. 5º, inciso I, do Protocolo sobre
Água e Saúde de Londres, de 1999, preconizou como princípio que “um acesso equitativo à
água, adequado do ponto de vista tanto quantitativo como qualitativo, deverá ser assegurado a
todos os habitantes, especialmente às pessoas desfavorecidas ou socialmente excluídas”.
Sob o viés humanitário, a Conferência de Berlim de 2004, por sua vez, estabeleceu
no seu art. 17 que “cada indivíduo tem o direito de acesso à água, de forma suficiente, segura,
aceitável, fisicamente acessível e oferecida, para alcançar as necessidades humanas vitais”.
83

Não obstante o direito à água constituir um direito fundamental, tal direito somente
foi reconhecido, internacionalmente, em novembro de 2002, por meio da Convenção de
Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, de 1996, a qual incorporou o direito à água entre
outros direitos humanos.
Quanto ao saneamento básico, foi somente em 2010, que o mesmo restou
reconhecido, internacionalmente, como direito fundamental. A Organização das Nações
Unidas (ONU), por meio da Resolução nº 64/292, de 3 de agosto de 2010, firmada pela
Assembléia Geral das Nações Unidas, reconheceu, expressamente, o direito humano à água e
ao saneamento básico, reafirmando que a água potável e o saneamento básico são essenciais
para a realização de todos os direitos humanos.
Os diplomas e eventos internacionais que deliberaram sobre as águas, inspirados
pelas obras científicas produzidas pelas mais diversas áreas do conhecimento humano que
alertavam para os perigos decorrentes dos movimentos de privatização das águas, culminaram
por influenciar a sistemática de gestão adotada pelo Brasil, sobretudo, após a promulgação da
Constituição Federal de 1988, a qual publicizou e extinguiu a propriedade privada dos
recursos hídricos que até então vinham sendo orientados pelos preceitos privacionistas
decorrentes do Código Civil de 1916, bem como pelo derrogado Decreto nº 24.643/34 que
dispunha sobre o Código de Águas.
Nesta esteira, após afirmar que o acesso à água em quantidade e qualidade adequadas
para uma vida digna constitui direito humano fundamental para efeito de justificar a
desprivatização da água no Brasil, Viegas (2012, p. 17) questiona e conclui:

Como efetivar esse direito ? Eis um dos problemas mais relevantes! Cabe também
ao legislador essa tarefa. O primeiro passo foi dado com a própria Constituição de
1988, que extinguiu a propriedade privada dos recursos hídricos no Brasil,
publicizando-os integralmente. Qual foi finalidade dessa mudança radical ? Ora, se
há escassez de água, e sendo esta um bem fundamental para o desenvolvimento das
atividades mais essenciais do ser humano, é adequado que o Estado, a quem
incumbe a satisfação do bem-estar social, passe a gerenciar a água como forma de
estabilizar ou reduzir a crise e promover a justiça social (art. 3º da CF). A
regulamentação da administração da água deu-se com a Lei 9.433/97, que
estabeleceu a gestão descentralizada e participativa (art. 1º, VI).

Imbuído de uma política cultural baseada na falsa crença da inesgotabilidade dos


recursos hídricos, haja vista a abundância de água doce existente no seu território, até o final
do Sec. XX a água, no Brasil, não representava bem jurídico digno de significativa
valorização, salvo nas regiões áridas e semiáridas do nordeste brasileiro em face das suas
particularidades climáticas, em especial, pela seca; sendo que os usos principais das águas
84

destinavam à produção de energia (hidrelétricas), irrigação, agricultura, pecuária, indústria,


navegação, consumo humano e saneamento básico, na forma preconizada pelas políticas
governamentais cujas diretrizes tinham como objetivo principal o desenvolvimento
econômico da região.
Muito embora as políticas de desenvolvimento econômico brasileiras não tenham
alterado em muito nos últimos 50 anos, a relação entre o Brasil e às águas modificou-se
substancialmente – ao menos na esfera jurídica - , pois os fundamentos internacionais de
proteção às águas e o direito humano fundamental quanto ao seu acesso têm como vetor o
princípio da dignidade da pessoa humana, expressamente, consignado na Carta
Constitucional.
No contexto da efetivação dos direitos fundamentais, em especial, em relação ao
direito à água representado pelo acesso à água e saneamento básico, a lógica da formatação
apresentada pelos instrumentos internacionais diagnosticou a extensão da problemática e
apontou as diretrizes de gestão de recursos hídricos a serem perseguidas; todavia,
infelizmente, a adoção quanto às suas premissas restam desprezadas, consoante se observa no
crítico contexto hídrico e urbano da região norte do Brasil e, em especial, na região urbana do
Estado do Amazonas.

3.2 PRINCÍPIO DA SOLIDARIEDADE INTERGERACIONAL

Não raramente, verifica-se nos diplomas normativos ambientais o emprego da


expressão “futuras gerações”. Todavia, a lei não define o quê ou quem são as “futuras
gerações”, ficando tal tarefa a cargo do intérprete da norma jurídica, o qual nem sempre tem
condições de depreender tal complexo conceito cuja formatação perpassa a órbita jurídica,
também sendo objeto de estudo de outras áreas do conhecimento como a antropologia,
sociologia, astrofísica, dentre outras. Logo, para efeito de evolução da pesquisa, antes de mais
nada, imprescindível seja construído um conceito de “futuras gerações” para então delimitar
quem são os destinatários que as normas ambientais estão a proteger.
Neste sentido, relevantes se apresentam os estudos desenvolvidos por Ramos Jr.
(2012) em que trata o conceito jurídico de futuras gerações que, pela importância qualitativa
da pesquisa sobre o tema, emprega-se como referencial para efeito de abordagem sobre tal
temática.
Discorrendo sobre a formação do conceito de futuras gerações na pós-modernidade,
Ramos Jr. (2012, p.60) realiza brilhante reflexão sob o viés econômico e, simultaneamente,
85

cronológico, perfazendo uma incursão sobre o reflexo de tais fenômenos entre as fronteiras
que demarcam a soberania dos Estados para efeito de delimitação dos denominados “locais
geracionais”, os quais constituem critérios para a construção do conceito, razão pela qual tal
metodologia é merecedora de especial destaque:

[...] fazendo-se o seu cotejo com as teorias econômicas que tratam do capitalismo,
pode-se deduzir que na pós-modernidade as várias fases da vida de um indivíduo
foram rigidamente estruturadas em torno de uma ordem, ao mesmo tempo
econômica, mas também cronológica, em que destacam-se as etapas: 1) vida escolar,
2) vida profissional, 3) vida política, 4) vida contemplativa (fase de quietude,
quando o indivíduo retira-se de sua ocupação cotidiana, período que é sinônimo de
aposentadoria). A passagem do indivíduo por essas fases econômico-cronológicas
irá determinar a sua posição geracional, fazendo aqui uma analogia ao termo “locais
geracionais” de Mannheim. Foi falado anteriormente que uma das subjetividades
coletivas que mais decisivamente contribuem, hoje, para demarcar as fronteiras de
uma geração é o Estado moderno nacional, por meio de sua produção legislativa e
de suas intervenções judiciais na vida social. Acoplando-se esse modelo de
ordenação social instaurado pelo capitalismo, de fundo econômico, com a ordenação
jurídica que o Estado oferece à sociedade, de fundo político, ter-se-á assim um
critério jurídico para definir de forma objetiva o que é uma geração passada, o que é
uma geração presente e o que é uma geração futura.

Perfazendo uma relação entre as colocações apresentadas por Ramos Jr. e à gestão
dos recursos hídricos, verifica-se que o elemento “água” se encontra como condição
imprescindível, independentemente do “local geracional”, para a formação do conceito
gerações, sejam os econômicos e cronológicos, sejam através dos critérios jurídicos
constituídos pela ordenação jurídica da soberania de cada Estado.
Neste sentido transnacional, sobretudo, no continente da América do Sul, a primeira
vez que o tema sobre as “futuras gerações” foi objeto de um diploma normativo internacional,
foi através do Tratado da Bacia do Prata de 1969, assinado pela Argentina, Bolívia, Brasil,
Paraguai e Uruguai, que preconiza entre os seus objetivos assegurar a preservação dos
recursos naturais para as futuras gerações através da utilização racional dos aludidos recursos,
conforme se percebe, in verbis:

Tratado da Bacia do Prata de 23 de abril de 1969, recepcionado pelo Brasil por meio
do Decreto nº 67.084 de 20 de agosto de 1970:
Objetivo:
Permitir o desenvolvimento harmônico e equilibrado, assim como o ótimo
aproveitamento dos grandes recursos naturais da região, e assegurar sua preservação
para as gerações futuras através da utilização racional dos aludidos recursos.

A par deste dispositivo normativo, produzido há mais de 45 anos, permite-se


conceber que o tema “futuras gerações” não constitui uma novidade contemporânea, mas,
86

sim, na forma bem observada pela exposição de Ramos Jr., tem os seus traços demarcados
pela soberania dos Estados por meio da delimitação de fronteiras geracionais representadas
pela produção legislativa e intervenção na vida social.
Outrossim, dando continuidade aos estudos para a construção do conceito jurídico de
futuras gerações, Ramos, Jr. (2012, p. 147) enfatiza a responsabilidade da geração presente
para com as futuras, afirmando que:

[...], após a análise dos diversos significados de gerações, tanto na sociologia como
também na antropologia, na economia e na filosofia, chegou-se à conclusão de que
no capitalismo pós-moderno a definição das fronteiras entre gerações vem sendo
estabelecida por mecanismos de desencaixe e reencaixe, associados às diferentes
fases da vida política e econômica de uma pessoa, sem que isso signifique o
abandono dos critérios biológico, cronológico, genealógico e cultural. Nesse sentido,
o termo geração presente será usado para designar uma subjetividade coletiva
formada pelo conjunto de indivíduos política e economicamente ativos, ou seja, tais
indivíduos são considerados os que possuem a mais alta capacidade de impactar as
vidas das futuras gerações, pois são eles que podem efetivamente decidir, no campo
político e agir no campo econômico de uma tal maneira que das suas decisões
presentes dependerão a qualidade de vida, a dignidade e o bem-estar das futuras
gerações ou a ruína irreversível dos seus destinos. Portanto, quando a Constituição
Federal brasileira estabelece, no seu art. 225, o dever das gerações presentes de
defender e preservar o meio ambiente ecologicamente equilibrado para as futuras
gerações, é a esse grupo que o Texto Constitucional impõe referido dever: os
política e economicamente ativos.

A lucidez do pensamento formatado por Ramos Jr. (2012, p. 74) teve como premissa
a Declaração da Unesco de 12 de novembro de 1997, aprovada pela 29ª Conferência Geral
cujo objeto de pauta foi Declaração sobre Responsabilidades das Gerações Presentes para as
Futuras Gerações. Conforme referido pelo aludido pesquisador, tal documento se destaca das
outras declarações e tratados internacionais porque todo seu conteúdo é dedicado ao tema da
justiça intergeracional.
Em que pese não gozar de força vinculante, o referido documento representa uma
sintetização de medidas e providências a serem adotadas pela presente geração com o objetivo
de preservar as necessidades e os interesses das futuras gerações, de modo que a perpetuação
da espécie humana acaba sendo o objetivo de fundo da Declaração.
O âmago da Declaração está desenhado diretamente no seu preâmbulo. Um dos
motivos justificados para a proteção das futuras gerações é a consciência de que “no atual
ponto da história, a própria existência da espécie humana e do seu meio ambiente estão
ameaçados”, sendo destacado que “o respeito pleno pelos direitos humanos e pelos ideais da
democracia constituem uma base essencial para a proteção das necessidades e dos interesses
das futuras gerações” (UNESCO, 1997, p. 69-72,). Outrossim, no seu preâmbulo, tal
87

documento registra a “necessidade de estabelecer laços globais, equitativos e novos de


solidariedade intrageracional, para promover a solidariedade intergeracional em prol da
perpetuação da espécie humana”.
Consoante acentuado pelo pesquisador (2012, p. 74), o Preâmbulo da Declaração
reconhece que a tarefa de proteger as necessidades e os interesses das futuras gerações será
cumprida especialmente pela educação e destaca que:

O destino das futuras gerações depende em grande extensão das decisões e ações
que forem tomadas hoje, e que os problemas dos dias atuais, incluindo a pobreza, o
subdesenvolvimento material e tecnológico, o desemprego, a exclusão, a
discriminação e as ameaças ao meio ambiente, devem ser solucionados no mútuo
interesse das presentes e futuras gerações.

Disto tudo, derivou o que Ramos Jr. (2012, p.368) chamou de “dignidade
geracional”, dispensando a atenção ao “dever das gerações presentes de não expor as futuras
gerações à poluição que possa colocar em risco sua saúde e sua própria existência”, pois
segundo ele “as gerações presentes devem preservar para as futuras gerações recursos naturais
suficientes para garantir a vida humana e o desenvolvimento sustentável”.
Outrossim, conforme acentuado por Ramos, Jr. (2012, p.367), “o princípio da
dignidade geracional busca proteger as futuras gerações contra o poder apocalíptico da
geração presente de arruinar irreversivelmente a vida dos que ainda virão, isto é, contra o
risco de extinção da humanidade”. Explica, ainda, que “a dignidade” é um atributo de todas as
gerações, inclusive da presente, ressaltando “especial preocupação ao art. 225 da Constituição
Federal que, ao incorporar as necessidades e os interesses das coletividades vindouras, faz do
futuro um novo e revolucionário fundamento de validade do direito infraconstitucional”, bem
como “das decisões judiciais tomadas no presente”. Para ele, “o princípio da dignidade das
futuras gerações funciona como um mecanismo de freios e contrapesos intergeracionais, uma
espécie de muralha jurídica que serve de referência normativa para o juiz promover a
ponderação de valores em um contexto intertemporal”. Segundo o autor, "esse princípio é o
escudo protetor das futuras gerações contra as decisões da geração presente, que nem sempre
são tomadas com o olhar voltado para o futuro”.
Desta forma, considerando a robustez dos argumentos apresentados por Ramos, Jr.,
resulta possível fazer-se uma incursão do princípio da dignidade geracional sobre o direito de
águas, uma vez que os problemas de gestão dos recursos hídricos representam um problema
atual que, inexoravelmente, produzirá sequelas sobre o direito à água das futuras gerações.
88

3.3 PRINCÍPIO DA COOPERAÇÃO INTERNACIONAL

A Carta Constitucional brasileira, no seu art. 4º, inciso IX, estabelece como princípio
nas relações internacionais a “cooperação entre os povos para o progresso da humanidade”.
Nesta esteira, afirma Milaré (2013, p. 278):

[...] uma das áreas de interdependência entre as nações é a relacionada com a


proteção do ambiente, uma vez que as agressões a ele infligidas nem sempre se
circunscrevem aos limites territoriais de um único país, espraiando-se também, não
raramente, a outros vizinhos (por exemplo, a chuva ácida produzida pela indústria
do norte dos Estados Unidos afeta rios e lagos no Canadá; a poluição do mar em
certo ponto, levada pelas correntes marinhas, pode afetar as cadeias da vida muito
longe dali) ou ao ambiente global do Planeta (por exemplo, emissão indiscriminada
de poluentes atmosféricos, provocadores do conhecido ´efeito estufa´). O meio
ambiente não conhece fronteiras, embora a gestão de recursos naturais possa – e, às
vezes, deva – ser objeto de tratados e acordos bilaterais e multilaterais.

No direito constitucional brasileiro, a cooperação em matéria ambiental transparece


no art. 225 da Constituição Federal, o qual estabelece implicitamente a cooperação, à medida
que impõe ao “Poder Público e à coletividade o dever de defender e proteger o meio ambiente
para as presentes e futuras gerações”. No que se refere ao gerenciamento dos recursos
hídricos, a cooperação se traduz nos esforços conjuntos, dos entes governamentais e da
sociedade civil para tornar eficazes as disposições da lei nº 9.433/97 e as ações dela
decorrentes, por força das competências materiais e comuns.
Para Granziera (2014, p. 42) “cooperar é agir conjuntamente. É somar esforços”.
Segundo a referida autora, “cooperação surge como uma palavra-chave quando há um inimigo
a combater, seja a pobreza, seja a poluição, a seca ou ainda a reconstrução de um Estado ou
região, em período de pós-guerra”.
Conforme observa Derani (1997, p. 157), “o princípio da cooperação não é
exclusividade do direito ambiental. Esse princípio faz parte do Estado Social, que informa
uma ação conjunta do Estado e sociedade, na escolha dos processos de decisão.” De fato, é
acertado o posicionamento de Derani (1997), pois o princípio da cooperação é uma diretriz
que deve balizar os processos decisórios de política internacional visando o fortalecimento
das forças sociais para a busca de um objetivo em comum.
Com o escopo investigatório do qual trata esta pesquisa, imprescindível se apresenta
perfazer-se uma incursão sobre os principais instrumentos internacionais que abordam a
temática para efeito de melhor compreensão quanto à evolução histórica do princípio da
cooperação no que tange aos recursos hídricos.
89

Conforme aduzido anteriormente na seção 2.2.1, na Europa, em 1968, a Carta


Européia da Água, destacou expressamente o princípio da cooperação, estabelecendo, em seu
art. 12, que “a água é um bem comum que impõe uma cooperação internacional”, destacando
que em matéria de recursos hídricos compartilhados, tal cooperação deve ocorrer por meio de
tratados específicos, em que os Estados limítrofes estabelecem formas conjuntas de atuar.
Seguindo tal premissa, Estados europeus celebraram tratados de cooperação para
compartilharem a gestão dos recursos hídricos.
Na mesma esteira da cooperação, em 1969, na América do Sul, restou celebrado o
Tratado da Bacia do Prata, sendo que um dos seus objetivos consiste em assegurar a
preservação dos recursos hídricos “para as futuras gerações, através da utilização racional
desses recursos”. O Tratado da Bacia do Prata serviu de inspiração para a celebração do
Tratado de Cooperação Amazônica (TCA), celebrado em 1978, cuja proposta tinha como
âmago a cooperação entre os países que compartilham a bacia hidrográfica amazônica.
A Conferência de Estocolmo, realizada em 1972, seguindo a mesma trilha dos
diplomas anteriores, ofereceu destaque ao princípio da cooperação, estabelecendo dois
dispositivos sobre a temática: um tratando da cooperação na efetivação da responsabilidade
por danos, e outro que enfatiza a necessidade de cooperação para ações conjuntas. Nesta
esteira, merece destaque o teor do princípio 22 da Conferência de Estocolmo, in verbis:

Os Estados devem cooperar no progressivo desenvolvimento do Direito


Internacional no que concerne à responsabilidade e à indenização das vítimas da
poluição e de outros prejuízos ecológicos que as atividades exercidas nos limites da
jurisdição destes Estados ou sob seu controle causem às regiões situadas fora dos
limites da sua jurisdição.

Nota-se, segundo esse princípio, a obrigação de criar regras de direito internacional


visando facilitar a responsabilização e a efetividade das indenizações por danos que um
Estado venha a causar a outro.
Outra premissa que merece ênfase em relação à cooperação diz respeito ao elencado
como princípio 24, tal dispositivo cuida das ações conjuntas, a serem desenvolvidas pelos
Estados, consoante transcrito abaixo, in verbis:

Os assuntos internacionais relativos à proteção e melhoria do meio ambiente devem


ser tratados por todos os países grandes ou pequenos, com espírito de cooperação,
em pé de igualdade. É essencial a cooperação mediante providências multilaterais,
bilaterais e outros meios apropriados, para eficazmente limitar, evitar, reduzir, e
eliminar as agressões ao ambiente resultantes de atividades exercidas em todos os
domínios, tomando todavia na devida consideração a soberania e os interesses de
outros Estados.
90

Conforme apresentado na seção 2.2, foi somente com a realização da Conferência


das Nações Unidas sobre a Água, realizada em Mar del Plata, em 1977 – a primeira de um
ciclo - que restaram tomadas medidas sobre a dimensão da problemática dos recursos
hídricos, o que resultou na adoção de um plano de ação, inclusive mediante a adoção da
denominação de “década internacional do fornecimento de água potável e saneamento”.
Dentre as diretrizes estabelecidas pelo plano de ação de Mar del Plata, destaque especial
quanto à cooperação merece o seu tópico 85, o qual consigna que:

Os países que compartilham os recursos hídricos deveriam examinar, com a


assistência adequada de organismos internacionais e outros órgãos de apoio, a
pedido dos países interessados, as técnicas existentes e disponíveis para a ordenação
dos rios compartilhados e cooperar com o estabelecimento de programas,
mecanismos e instituições necessárias para o desenvolvimento coordenado de tais
recursos. As esferas de cooperação com o acordo das partes interessadas, podem
incluir o planejamento, o desenvolvimento, a regulação, a ordenação, a proteção
ambiental, a utilização e a conservação, os prognósticos. Tal cooperação deve
constituir um elemento fundamental em um esforço destinado a superar as
dificuldades mais graves, como a falta de capital e mão de obra capacitada, assim
como as exigências do desenvolvimento dos recursos naturais.

Em decorrência do contexto político internacional daquela época, os propósitos


construídos pela Conferência da Organização das Nações Unidas de Mar del Plata não
produziram os efeitos almejados, porém, relevante destacar que aquele embrião, então
concebido, culminou na construção do direito fundamental de acesso à água, incorporado pela
hermenêutica constitucional das Cartas Constitucionais vindouras, promulgadas por todos os
países, e ainda semeou o campo para a construção da plataforma de discussão internacional
mais avançada até hoje concebida quanto à gestão dos recursos hídricos: a Conferência do Rio
sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (RIO 92).
Muitos dos princípios da Conferência Rio 92 sobre Meio Ambiente e
Desenvolvimento Sustentável tratam da cooperação. O princípio de número 5 menciona que
“todos os Estados e todos os indivíduos devem cooperar visando a erradicação da pobreza
para reduzir as assimetrias sociais”. O princípio 7 trata da cooperação entre os Estados, em
espírito de parceria global, para conservação, proteção e restauração da saúde e da integridade
do ecossistema terrestre. Segundo o princípio 9, devem os Estados cooperar com vista o
fortalecimento da capacitação endógena para o desenvolvimento sustentável no que se refere
à tecnologia e a sua transferência para os países mais vulneráveis. O princípio 14 tem por
objeto a cooperação voltada à prevenção, à transferência de substâncias ou atividades para
outros Estados que causem degradação ao ambiente ou prejudiquem a saúde. Por derradeiro, o
91

princípio 27 estabelece que os Estados e os povos devem cooperar de boa-fé e imbuídos de


espírito de parceria para observar as regras da declaração e realizar o desenvolvimento do
direito internacional no campo de desenvolvimento sustentável.
A Conferência de Paris, de 1998, por sua vez, também destacou o princípio da
cooperação, estabelecendo que a água é um recurso natural fundamental para a prosperidade e
estabilidade futuras, e deve ser reconhecida como um elemento catalizador de cooperação
intrarregional.
A cooperação também foi tema abordado no Fórum Mundial da Água, realizado em
Marselha, França, em 2012, tendo em vista que a ONU declarou como direito humano o
acesso à água potável e ao saneamento básico. Para a efetivação das suas premissas, a
Declaração Ministerial estabeleceu que a elaboração e a implementação nas respectivas ações
necessárias a garantir esses direitos dependem de estruturas políticas intersetoriais integradas
e coerentes, e também da cooperação entre todas as autoridades e das partes interessadas.
Dentre os atores de cooperação no âmbito da bacia hidrográfica amazônica, especial
destaque merece a Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA), criada em
1998, composta pelos seguintes países: Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana Francesa,
Peru, Suriname e Venezuela. Conforme versado na seção 2.2.5., a OTCA é dotada de
personalidade jurídica, competente para celebrar acordos com as Partes Contratantes e com
Estados não membros, bem como outras organizações internacionais e foi estabelecida para
fortalecer e implementar os objetivos do Tratado de Cooperação Amazônica (TCA), assinado
em 1978; e segundo Silva (2009, p. 74), a intervenção da OTCA “deve ter como fundamento
a participação de todos os atores no uso das águas para a gestão integrada de bacias
hidrográficas em razão da pressão antrópica, desmatamento e perda da cobertura vegetal, bem
como contaminação dos corpos de água”.
Com efeito, a cooperação é fundamental na gestão de bacias hidrográficas
transnacionais, sobretudo quando nelas se encontram corpos hídricos estratégicos não apenas
estratégicos para o desenvolvimento econômico dos Estados que a compartilham, mas
importantes para a comunidade internacional como um todo, a qual está vivenciando os
problemas decorrentes da escassez e contaminação hídrica cuja tendência é se agravar. Os
órgãos e entidades de gestão devem convolar esforços para trocar o máximo de informações,
buscando compatibilizar os procedimentos administrativos, a fiscalização e a implementação
de instrumentos econômicos indutores de comportamentos ambientalmente desejáveis, como
a conservação do solo, a manutenção da cobertura vegetal no entorno das nascentes, entre
outras ações protetivas às águas. Neste momento crítico, os atores políticos que compartilham
92

a bacia hidrográfica amazônica precisam voltar os seus olhos com mais atenção à gestão dos
seus recursos hídricos, pois uma gestão eficiente representa o passaporte para uma maior
inserção política no cenário internacional.
Todavia, na realidade e, em especial, no contexto da bacia hidrográfica amazônica,
apresenta-se acentuado o distanciamento existente entre o dever de cooperação e a efetiva
cooperação internacional. E isto ocorre porque o dever de cooperar, na forma exposta, não
possui exequibilidade: os acordos e declarações internacionais são manifestações de vontades
genéricas, cabendo às políticas públicas dos Estados soberanos a internalização jurídica das
obrigações e responsabilidades relacionadas ao compartilhamento da gestão cooperativa dos
recursos hídricos.

3.4 PRINCÍPIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Para entender o que constitui o princípio do desenvolvimento sustentável, antes de


mais nada, importante compreender o conceito do que é “desenvolvimento sustentável”. Tal
expressão parte da confluência de dois termos que merecem ser apreciados individualmente:
desenvolvimento e sustentabilidade.
Até poucos anos atrás era impossível pensar em um modelo de desenvolvimento
dotado de sustentabilidade, isto porque desenvolvimento e sustentabilidade constituíam
expressões incompatíveis entre si. O modelo tradicional de desenvolvimento sempre teve uma
relação muito próxima com o conceito de crescimento, no sentido de que era necessário
crescer para se desenvolver. No decurso dos últimos anos, sobretudo, no final da década de
1960, quando eclodiram os primeiros marcos ambientalistas decorrentes da revisão daquele
modelo econômico que vinha (e ainda vem) sendo adotado por meio de uma exploração
desenfreada dos recursos naturais e da degradação ambiental, houve o início da construção de
uma nova cultura global pautada pela racionalidade na relação entre o homem com a natureza.
Nesta esteira, merece registro, por oportuno, o conceito de “crescimento” emprestado
pelas ciências econômicas, o qual significa um modelo econômico descomprometido com a
racionalização da exploração dos recursos naturais e com aqueles que de alguma forma
participam no processo. Ele está pautado pela produção em quantidade, isto é, caracterizado
pela pujança quantitativa enquanto instrumento ensejador de riqueza.
O desenvolvimento, por seu turno, diversamente do sentido de crescimento, se pauta
pela melhora qualitativa, ou seja, tem como alicerce a qualidade enquanto característica de um
processo evolutivo e racional.
93

Para efeito de compreensão sobre o sentido de desenvolvimento sustentável,


Machado (2014, p. 70), empregando como referência a posição dos diplomatas brasileiros
Barbara Stark e Herman Daly, afirma que:

De longa data, os aspectos ambientais foram desatendidos nos processos de


decisões, dando-se um peso muito maior aos processos econômicos. A
harmonização dos interesses em jogo não pode ser feita ao preço da desvalorização
do meio ambiente ou da desconsideração de fatores que possibilitam o equilíbrio
ambiental.
A mudança de visão envolve a substituição da norma econômica de expansão
quantitativa (crescimento) por aquela de melhoria qualitativa (desenvolvimento)
como caminho para um futuro progresso. Esta mudança encontra resistência da
maioria das instituições econômicas e políticas, que estão alicerçadas no tradicional
crescimento quantitativo.
Parece-nos, contudo, que o desenvolvimento sustentável, tal como formulado é mais
importante para os países desenvolvidos do que para os países em desenvolvimento.
Graças a uma política de degradação ambiental, os países desenvolvidos puderam
elevar o nível de vida de suas populações, provocando com isso um grau de poluição
global que faz com que a adoção agora, pelos países em desenvolvimento, de uma
política semelhante tornaria o mundo quase inabitável. A adição do conceito de
sustentabilidade ao desenvolvimento lhe dá duas características novas, primeiro,
pela primeira vez ela se universaliza, pois não há qualquer país que não seja sócio da
idéia de desenvolvimento sustentável, mesmo e sobretudo os ricos. Em segundo
lugar, de certa maneira esse casamento entre o desenvolvimento e o meio ambiente
tirou do meio ambiente talvez o seu pecado mais terrível que é um ingrediente
desumano que ele contém, a ídéia de que o homem é apenas uma espécie entre
milhares de outras espécies [...].

Com efeito, na forma explicitada por Machado, o desenvolvimento sustentável


representa um movimento que demanda reflexões não apenas quanto à revisão do modelo de
vida pautado pelo consumismo exacerbado, e sob os viéses econômico e ambiental, mas sim
holísticas que, necessariamente, perpassam por uma mudança de visão e de cultura para o fim
de deixar um legado ambiental mínimo para as futuras gerações.
Merece destaque a lição de Sachs (2002) quando preconiza a existência de oito
dimensões da sustentabilidade que devem ser levadas em consideração para que,
efetivamente, se possa pensar em desenvolvimento sustentável. Segundo Sachs (2002, p. 85-
89), estas dimensões são:

1 - Social: que se refere ao alcance de um patamar razoável de homogeneidade


social, com distribuição de renda justa, emprego pelo e/ou autônomo com qualidade
de vida decente e igualdade no acesso aos recursos e serviços sociais. 2 – Cultural:
referente a mudanças no interior da continuidade (equilíbrio entre respeito à tradição
e inovação), capacidade de autonomia para elaboração de um projeto nacional
integrado e endógeno (em oposição às cópias servis dos modelos alienígenas) e auto
confiança, combinada com abertura para o mundo. 3 – Ecológico: relacionado à
preservação do potencial do capital natural na sua produção de recursos renováveis e
à limitação do usos dos recursos não renováveis. 4 – Ambiental: por trata-se de
respeitar e realçar a capacidade de autodepuração dos ecossistemas naturais. 5 –
94

Territorial: enquanto refere-se às configurações urbanas e rurais balanceadas


(eliminação das inclinações urbanas nas alocações do investimento público),
melhoria do ambiente urbano, superação das disparidades inter-regionais e
estratégicas de desenvolvimento ambientalmente segura para áreas ecologicamente
frágeis. 6 – Econômico: por meio do desenvolvimento econômico intersetorial
equilibrado, com segurança alimentar, capacidade de modernização contínua dos
instrumentos de produção, razoável nível de autonomia na pesquisa científica e
tecnológica e inserção soberana na economia internacional. 7- Político Nacional:
sendo a democracia definida em termos de apropriação universal dos direitos
humanos, desenvolvimento da capacidade do Estado para implementar o projeto
nacional, em parceria com todos os empreendedores e um nível razoável de coesão
social. 8 – Político Internacional: baseado na eficácia do sistema de prevenção de
guerras da ONU, na garantia da paz e na promoção da cooperação internacional,
Pacote Norte-Sul de co-desenvolvimento, baseado no princípio da igualdade (regras
do jogo e compartilhamento da responsabilidade de favorecimento do parceiro mais
fraco), controle institucional efetivo do sistema internacional financeiro e de
negócios, controle institucional efetivo da aplicação do Princípio da Precaução na
gestão do meio ambiente e dos recursos naturais, prevenção das mudanças globais
negativas, proteção da diversidade biológica (e cultural), gestão do patrimônio
global, como herança comum da humanidade, sistema efetivo de cooperação
científica e tecnológica internacional e eliminação parcial do caráter commodity da
ciência e tecnologia, também como propriedade da herança comum da humanidade.

Na forma concebida pelas referidas dimensões, Sachs enfatiza o critério


socioambiental para o alcance do desiderato da sustentabilidade, preconizando que é preciso,
antes de mais nada, que as pessoas sejam valorizadas, os seus costumes, seus saberes, suas
tradições e culturas, ou seja, sob um viés holístico, os problemas sociais e econômicos devem
ser enfrentados para além de uma análise limitada à gestão dos recursos naturais, pois o
conceito de meio ambiente tem um espectro global, abrangendo o natural, o artificial e os
bens culturais, compreendendo além do solo, a água, o ar, a flora, a fauna, as belezas naturais,
o patrimônio histórico, artístico, turístico, paisagístico e arqueológico, sendo que
equacionamento do conjunto de todos estes elementos (social, econômico e ambiental) é que
viabilizará o desenvolvimento equilibrado da vida em todas as suas formas.
Importante salientar que o pensamento de Sachs sobre a constituição do conceito de
sustentabilidade tem uma conotação socioeconômica, porém o critério embrionário da
evolução do conceito de desenvolvimento sustentável tem na sua origem o direito
internacional, uma vez que no decurso dos anos inúmeros Tratados, Convenções e
Declarações internacionais vêm enfatizando sobre a importância de um modelo de
desenvolvimento que seja sustentável.
A Conferência de Estocolmo de 1972, enquanto marco internacional ambiental,
discorreu em vários dos seus princípios (1, 2, 9, 13 e 16) sobre a importância da construção de
uma nova forma de desenvolvimento, sobretudo, compatibilização entre os interesses
econômicos e os seus reflexos na sociedade com a racionalidade quanto à exploração dos
95

recursos naturais. No mesmo sentido, a Convenção para a proteção e utilização dos Cursos de
Água transfronteiriços e dos Lagos Internacionais, realizada em Helsink, em 1992, fomentou
a realização da cooperação internacional para a conservação e despoluição dos cursos de água
transfronteiriços e dos lagos internacionais, sendo que no seu art. 3º, alínea “i” preconizou que
tendo por finalidade a prevenção, o controle e a redução do impacto transfronteiriço, os países
partes devem desenvolver, adotar, aplicar e, sempre que possível, compatibilizar medidas
jurídicas, administrativas, econômicas, financeiras e técnicas relevantes de modo a assegurar
“a gestão sustentada dos recursos hídricos, incluindo uma abordagem ecossistêmica, seja
encorajada”.
Em que pese a relevância dos resultados da Conferência de Estocolmo e a
Convenção de Helsink, o marco institucional quanto a um modelo de desenvolvimento
sustentável consistiu a Declaração do Rio de Janeiro de 1992, a qual já contava com os
expressivos avanços oriundos das discussões conduzidas por aqueles outros eventos. A
Declaração do Rio de Janeiro tem 27 princípios, sendo que em 11 deles (princípios 1, 4, 5, 7,
8, 9, 12, 20, 21, 22 e 27) menciona, expressamente, o vocábulo “desenvolvimento
sustentável”, e ainda no princípio 3, embora não empregada a expressão “desenvolvimento
sustentável”, reitera a responsabilidade intergeracional enquanto instrumento de
desenvolvimento.
Não obstante, permitir-se conceber que a Declaração do Rio de 1992, constitui o
instrumento mais completo em relação ao princípio do desenvolvimento sustentável, outros
tantos diplomas internacionais reafirmaram tal compromisso, podendo-se citar a Convenção
da Diversidade Biológica de 1992, o Acordo de Implementação de Livre Comércio Norte-
Americano de 1993, a Conferência de Copenhage sobre Desenvolvimento Social de 1995, a
Declaração de Nova Dehli de Princípios de Direito Internacional relativo ao Desenvolvimento
Sustentável de 2002, a Conferência Africana sobre Recursos Naturais, Meio Ambiente e
Desenvolvimento de 2003, a Conferência de Berlim sobre Cursos de Águas Internacionais de
2004, e a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável de 2012, no
Rio de Janeiro (Rio+20).
Com fundamento neste robusto arcabouço jurídico de direito internacional, pode-se
depreender que o princípio do desenvolvimento sustentável representa não apenas mais um
princípio de direito internacional, mas muito mais do que isso, reproduz a preocupação da
comunidade internacional no sentido de orientar uma forma de repensar o modelo
insustentável de vida que vem se adotando na modernidade.
96

3.5 PRINCÍPIO DO VALOR ECONÔMICO DA ÁGUA

Revelada a crise hídrica que assola a sociedade hodierna, restou desmistificada a


cultura de que a água constitui um recurso infinito. Estabelecida a situação de escassez não se
pode mais considerar a água como um bem inesgotável. É preciso equacionar a
disponibilidade de água com as suas demandas.
Barros (2005, 70) analisa estes fatores que interferem na questão da limitação da
disponibilidade hídrica, nos seguintes termos:

Até pouco tempo sustentava-se que a água era um recurso natural inesgotável devido
a sua condição cíclica. Entretanto, embora seja um recurso natural renovável, a água
é um recurso natural finito, uma vez que vários fatores interferem na sua
disponibilidade.

Discorrendo sobre a classificação dos bens econômicos, Troste e Mochon (apud,


2005, p. 71) dizem que eles podem ser classificados em: bens econômicos, que se
caracterizam-se pela utilidade e pela escassez; e os bens livres, que são aqueles cuja
quantidade é suficiente para satisfazer a todo o mundo.
Segundo preconiza o artigo 1º, inciso II, da Lei 9.433/97, a água é um recurso natural
limitado e dotado de valor econômico.
Conforme pode-se verificar no tópico em que foram abordadas as particularidades
que revestiram a Conferência de Dubin, realizada em 1992, a água, uma vez dotada de valor
econômico, pode representar avanços quanto ao seu uso racional e conservação, todavia,
paradoxalmente, também pode produzir consequências nefastas à humanidade, pois sendo ela
bem vital para a manutenção da vida, as pessoas que não dispuserem de condições de pagar
pela água serão excluídas do seio social do mesmo modo com o que já ocorre na economia
capitalista sob o viés da globalização.
Os principais organismos internacionais que intervêm na formação das geopolíticas
hídricas, a saber, o Conselho Mundial da Água e a UN-WATER têm um discurso muito
semelhante quanto à premissa da água ser um bem dotado de valor econômico, conforme foi
possível verificar nas seções 2.3.1 e 2.3.2, razão pela qual tal fundamento foi alçado como
princípio que, por sua vez, passou a integrar as mais diversas Convenções, Declarações e
Tratados internacionais e, inclusive, influenciando a legislação brasileira, consoante se
observa no art. 1º, inciso II, da Lei 9.433/97.
97

A amplitude do princípio da água ser bem dotado de valor econômico não está
limitado à cobrança pelo uso da água ou decorrente de poluição hídrica, mas também pelo
pagamento a título de serviços ambientais àqueles que protegerem os recursos hídricos,
conforme doravante restará demonstrado com mais detalhes.

3.5.1 Princípio do poluidor-pagador

Enquanto lógica capitalista, o cerne do princípio do poluidor pagador está


representado pela internalização das exterioridades negativas por meio da transferência dos
seus custos para dentro do processo produtivo e econômico.
Conforme ensinamento de Viegas (2012, p. 153):

O princípio do poluidor pagador impõe ao agente econômico que inclua entre seus
custos de produção a poluição ambiental por ele gerada. Esse valor integrará o preço
da externalidade positiva (produto), e quem o suportará, ao final, serão os
beneficiários de coisa gerada. Não pretende, contudo, que a poluição seja tolerada
mediante um preço. Seu fim é a prevenção do dano, não a compensação econômica
pela degradação da natureza.

Antes mesmo da atual ordem constitucional, a noção de poluidor-pagador já havia


sido introduzida no ordenamento jurídico pelo Decreto nº 24.643/34, o qual disciplina o
derrogado Código de Águas, estabelecendo no seu artigo 109 que “a ninguém é lícito
conspurcar ou contaminar as águas que não consome, com prejuízo a terceiros”, bem como no
seu artigo 110 que “os trabalhos para a salubridade das águas serão executadas à custa dos
infratores que além da responsabilidade criminal, responderão também pelas perdas e danos
que causarem e pelas multas que lhes forem impostas nos regulamentos administrativos”.
O princípio do poluidor-pagador tem previsão na Lei 6.938/81, a qual regula a
Política Nacional do Meio Ambiente, conforme previsão estampada no seu artigo 4º, inciso
VII, que estabelece como uma das suas finalidades „a imposição, ao poluidor e ao predador,
da obrigação de recuperar e/ou indenizar os danos causados‟. Tal dispositivo foi recepcionado
pelo advento da novel ordem constitucional elencada no artigo 225, § 3º, cujo teor estabelece
que “as condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infratores,
pessoas físicas ou jurídicas, a sanções penais e administrativas, independentemente da
obrigação de reparar os danos causados”.
Orientado pelas diretrizes econômicas acerca dos custos sociais externos que
acompanham o processo produtivo, sobretudo, os custos decorrentes dos danos ambientais, o
98

princípio do poluidor pagador tem como fundamento a premissa de que tais encargos
precisam ser internalizados, razão pela qual os agentes econômicos devem leva-los em conta
ao elaborar os custos de produção. Desta forma, busca-se atribuir ao poluidor o custo social da
produção por ele gerada enquanto mecanismo de responsabilidade por dano ecológico,
abrangente dos efeitos da poluição não apenas sobre os bens e pessoas, mas também sobre
toda a natureza, o que na seara da economia ambiental se denomina de internalização dos
custos externos.
Segundo afirma Machado (2014, p. 90), “este princípio tem por objetivo fazer com
que estes custos não sejam suportados nem pelos Poderes Públicos, nem por terceiros, mas
pelo utilizador”. Para o referido autor (2014, p. 91):

O uso gratuito dos recursos naturais tem representado um enriquecimento ilegítimo


do usuário, pois a comunidade que não usa do recursos ou que o utiliza em menor
escala fica onerada. O poluidor que usa gratuitamente o meio ambiente para nele
lançar os poluentes invade a propriedade pessoal de todos os outros que não poluem,
confiscando o direito de propriedade alheia.

A Declaração de Canela, de 1992, subscrita pelos quatro signatários do Tratado de


Assunção, mais o Chile, representou um marco para efeito da construção de uma política de
internalização dos custos ambientais no âmbito do Mercosul, preconizando que “as transações
comerciais devem incluir os custos ambientais causados nas etapas produtivas sem transferi-
los às gerações futuras”. Os fundamentos de economia ambiental concebidos pela Declaração
de Canela influenciaram diretamente acerca da construção do princípio do poluidor-pagador
produzido na Declaração do Rio-92, a qual o abordou em seu Princípio 16, disciplinando que:
“as autoridades nacionais devem procurar promover a internalização dos custos ambientais e
o uso de instrumentos econômicos, tendo em vista a abordagem segundo a qual o poluidor
deve, em principio, arcar com o custo da poluição”.
Discorrendo sobre as externalidades em sede de economia ambiental, com
propriedade, acentua Derani (1997, p. 142):

Durante o processo produtivo, além do produto a ser comercializado, são produzidas


„externalidades negativas‟. São chamadas externalidades porque, embora resultante
da produção, são recebidas pela coletividade, ao contrário do lucro, que é percebido
pelo produtor privado. Daí a expressão „privatização de lucros e socialização das
perdas‟, quando identificadas as externalidades negativas. Com a aplicação do
princípio do poluidor pagador, procura-se corrigir este custo adicionado à sociedade,
impondo-se a sua internalização.
99

O princípio não tem por finalidade tolerar a poluição mediante um preço, nem se
restringe a compensar os danos causado, mas sim, evitar o dano ao ambiente. Nesta esteira, o
pagamento pelo lançamento de efluentes, por exemplo, não alforria condutas inconsequentes,
de modo a ensejar o descarte de resíduos fora dos padrões e das normas ambientais. A
cobrança só pode ser efetuada sobre o que tenha respaldo na lei, sob pena de se admitir o
direito de poluir.
Para efeito de melhor compreensão acerca da interpretação do princípio do poluidor-
pagador e dizimar a confusão com o “pagador-poluidor”, merece destaque a simplicidade
gramatical com que Milaré (2013, 268) destaca o seu fundamento, enfatizando que “trata-se
do princípio do poluidor-pagador (poluiu, paga os danos), e não pagador-poluidor (pagou,
então pode poluir)”.
Não diferente dos demais recursos naturais, no que tange à água, o princípio do
poluidor-pagador é aplicável e merece ser objeto de efetivação pelos gestores públicos, pois
se em outrora a água poderia ser utilizada indiscriminadamente, o atual contexto hídrico de
degradação e escassez vem revelando a necessidade de reprimir o desperdício e o uso
irracional.
Discorrendo sobre a gestão dos recursos hídricos e a sua interface em relação ao
princípio do poluidor-pagador, Granziera (2014, p. 48), enfatiza que:

Os instrumentos econômico-financeiros de execução das políticas ambientais,


incluindo-se como recurso ambiental a água, têm sido objeto de discussões e de
incorporação nos ordenamentos jurídicos internos, como mecanismo indireto de
controle de uso das águas (com base na justiça e equidade) e também como fonte de
recursos para obras e serviços de despoluição, saneamento e outros, voltados à
proteção ambiental das bacias hidrográficas.

Outrossim, em abordagem sobre a mecânica de funcionamento do princípio do


poluidor-pagador, Granziera (2014, p. 49) afirma que:

[...], no princípio do poluidor-pagador, os custos sociais externos que acompanham a


atividade econômica devem ser internalizados, isto é, devem ser suportados pelo
empreendedor. É o caso da construção de estações de tratamento de efluentes
industriais, da adoção de tecnologias limpas, de reuso da água, da disposição de
efluentes industriais em aterros licenciados, especialmente construídos e dotados de
níveis de segurança que impeçam a contaminação do solo e dos recursos hídricos.
Ainda assim, ocorrendo poluição, ficam os poluidores sujeitos às sanções fixadas na
legislação.
O princípio do poluidor-pagador, então, incide em duas órbitas: no conjunto de
ações voltadas à prevenção do dano, a cargo do empreendedor, e na
responsabilidade pela ocorrência de dano, conforme o §3º do artigo 225 da
Constituição Federal e legislação infraconstitucional.
100

3.5.2 Princípio do usuário-pagador

Embora concebido com contornos análogos aos do princípio do poluidor-pagador, o


princípio do usuário-pagador possui características e objetivos diferentes que não raras vezes
complementam o primeiro. Não é apenas o lançamento de efluentes e outros descartes na
natureza que agride o homem e o ambiente.
Como os recursos hídricos são escassos quali-quantitativamente, permite-se conceber
que seu uso por alguns pode produzir sequelas quanto a sua utilização por outras pessoas,
provocando um prejuízo social, real ou potencial, sendo, portanto, justo e correto cobrar do
usuário um pagamento pelo aproveitamento.
Desde a Política Nacional do Meio Ambiente, instituída pela Lei 6.938/81, vem
sendo preconizado no artigo 4º, inciso III, para efeito de sujeitar o usuário uma contribuição
pela utilização de recursos ambientais com fins econômicos.
O fundamento deste princípio reside no fato de os bens e recursos ambientais
constituem patrimônio da coletividade, o que justifica a intervenção do Estado sobre a função
social da propriedade estabelecendo limitações administrativas, pois recursos como, por
exemplo, o ar e a água não podem ser apropriados, sobretudo, após o advento da Carta
Constitucional de 1988 que, por sua vez, derrogou muitos dos fundamentos do Código de
Águas (Decreto 24.643/34), inspirado na concepção privacionista do Código Civil de 1916, e
que definiu pela extinção da propriedade privada sobre a água, pois constitui bem jurídico de
uso comum do povo, na forma do artigo 225 da CF.
Embora aparentemente invisível, o princípio do usuário pagador aparece no dia-a-dia
dimensionado pela pegada hídrica de cada individuo.
Neste sentido, merece destaque o que é afirmado por Milaré (2013, p. 270):

É importantíssimo criar uma mentalidade objetiva a respeito deste princípio do


usuário-pagador, porquanto o uso dos elementos naturais e o usufruto do patrimônio
ambiental (nacional, estadual, municipal) podem afetar o interesse social maior, que
é o grande referencial do bem trazido para o uso dos interessados. Seria supérfluo
dizer que, em caso de uso de bens ambientais para fins econômicos geradores de
lucro para empreendedores privados, o pagamento não é apenas justo, é necessário e
impositivo.

O artigo 1º, inciso II, da Lei 9.433/97, afirma que os recursos hídricos são bens
dotados de valor econômico, decorrendo disto o fundamento para a cobrança pelo uso da água
que está sendo objeto de pauta e provocando conflitos entre os setores usuários, cada um
representando interesses particulares às suas áreas de atuação, como os pescadores, as
101

empresas de navegação e hidrovias, mineradores, organismos de proteção ambiental, entre


outros.
Parece importante relembrar que muitos bens e serviços são, seja por lei ou pelo
próprio sistema produtivo, onerados financeiramente, seja pelo Poder Público ou seja pelo
próprio custo que deve ser internalizado no processo produtivo pelo empreendedor que, se por
ventura vier a poluir, será onerado, e aqui a se encontra a relação entre os princípios do
usuário-pagador e do poluidor-pagador.
O poluidor que paga não paga para comprar o direito de poluir. Este pagamento
representa muito mais uma punição e tem como fundamento a reparação do dano ambiental.
O fato de pagar não representa direito ao poluidor.
De outra sorte, o usuário que paga, paga naturalmente por um direito que lhe é
outorgado pelo Poder Público em decorrência de um ato administrativo, sendo que este
pagamento não tem sentido de punição, a menos que sejam violadas as limitações
administrativas.
Enfim, permite-se conceber que é justo os usuários diretos ou indiretos dos recursos
hídricos pagarem, na medida da sua capacidade econômica, sempre pelo uso destes recursos
ou pelos seus serviços.

3.5.3 Princípio do protetor-recebedor

Enquanto corolário dos princípios do poluidor-pagador e do usuário-pagador, o


princípio do protetor-recebedor resulta instrumentalizado pelo mecanismo denominado
Pagamento por Serviços Ambientais (PSA), mediante o aporte de incentivos e recursos
públicos e/ou privados para aqueles que garantem a produção e a oferta do serviço e/ou
produto obtido direta ou indiretamente da natureza, tendo fulcro na concepção de que não
basta punir as condutas ambientalmente lesivas para preservar com eficácia o meio ambiente,
sendo mais produtivo recompensar as virtudes. Assim, ao invés de coibir a geração de
externalidades negativas no processo produtivo, incentivar-se-iam as positivas por meio de
normas promocionais. Seria como uma consequência do poluidor-pagador, ou melhor, do
usuário-pagador: aquele que preserva ou recupera os serviços ambientais, geralmente de
modo mais oneroso aos próprios interesses, tornar-se-ia credor de uma retribuição por parte
dos beneficiários desses mesmos serviços, sejam pessoas físicas ou jurídicas, seja o Estado ou
a sociedade como um todo.
102

Trata de uma consequência da lógica capitalista, enquanto mecanismo criado para


evitar que a degradação do meio ambiente e a escassez dos recursos naturais acarretem
prejuízos econômicos e, até mesmo, inviabilizem alguns processos produtivos.
Milaré (2013, p. 271) ilustra a explicação deste princípio, citando como exemplo o
caso de uma empresa de serviços de águas de Nova York, que passou a remunerar os
proprietários ribeirinhos dos mananciais que abastecem a cidade – a mais de 200 km de
distância dos consumidores – por práticas ecológicas tendentes a perpetuar a disponibilidade e
a qualidade daquele recurso. Neste caso, a relação contratual, voluntária, se dá diretamente
entre o proprietário rural e a empresa que custeia o benefício auferido com a economia nos
custos de depuração da água bruta – muito menor quando a limpidez dos mananciais é
preservada. Com adesão de 95% dos proprietários ribeirinhos, a cidade prescinde de uma
estação de tratamento de água.

3.5.3.1 Pagamento por serviços ambientais (PSA)

Justificada pela manutenção dos serviços ecossistêmicos, isto é, da capacidade dos


ecossistemas em manter as condições ambientais apropriadas, verificou-se a necessidade de
serem criados incentivos para a implementação de práticas humanas que minimizem os
impactos negativos, sendo essas práticas conhecidas como serviços ambientais. Portanto,
todas as atividades que visam a preservação do meio ambiente são consideradas serviços
ambientais. Dentre as mais comuns podemos citar o plantio de árvores nativas, a preservação
de florestas e as atividades relacionadas ao abatimento da erosão.
Conforme ilustrado no portal da ANA, o pagamento por serviços ambientais (PSA) é
uma política inovadora que tem como principal objetivo transferir recursos, monetários ou
não monetários, para aqueles que ajudam a conservar ou produzir tais serviços mediante a
adoção de práticas agrícolas ou no meio urbano.
A criação de mercados específicos para serviços ambientais, como o de crédito de
carbono, é um fenômeno relativamente recente. No entanto, já indica o reconhecimento da
importância da valoração econômica desses serviços como forma de evitar a exploração
indiscriminada dos recursos naturais, e ainda estimula a adoção de práticas ecologicamente
corretas por parte da sociedade.
É importante ressaltar que os benefícios gerados pela prestação de serviços
ambientais são usufruídos por toda a sociedade, mas seus custos recaem apenas sobre os
103

donos da terra. É justo, portanto, que tais pessoas recebam incentivos da parte que se
beneficia.
No Brasil, sobretudo, no que toca à gestão da água, existe caso análogo ao exemplo
que ocorre nos Estados Unidos. Em território brasileiro, o princípio do protetor recebedor de
águas está consubstanciado no “Projeto Produtor de Água” desenvolvido pela ANA, o qual é
um programa que visa remunerar os proprietários rurais ribeirinhos que venham a adotar
práticas preservacionistas dos mananciais.
Conforme veiculado no sítio oficial da Agência Nacional de Águas (ANA), o
Programa Produtor de Água tem como foco o estímulo à política de Pagamento por Serviços
Ambientais (PSA) voltados à proteção hídrica no Brasil. Para tanto, o programa apoia, orienta
e certifica projetos que visem a redução da erosão e do assoreamento de mananciais no meio
rural, propiciando a melhoria da qualidade, a ampliação e a regularização da oferta de água
em bacias hidrográficas de importância estratégica para o país.
Esses projetos, de adesão voluntária, são voltados a produtores rurais que se
proponham a adotar práticas e manejos conservacionistas em suas terras com vistas à
conservação de solo e água. Como os benefícios advindos das práticas implementadas
ultrapassam as fronteiras das propriedades rurais, beneficiando os demais usuários da bacia,
os projetos preveem a remuneração dos produtores participantes com base nos benefícios
gerados em sua propriedade.
Trata-se de um programa moderno, alinhado com a tendência mundial de pagamento
por serviços ambientais e perfeitamente ajustado ao princípio do provedor-recebedor,
largamente adotado na gestão de recursos hídricos, que prevê bonificação aos usuários que
geram externalidades positivas em bacias hidrográficas.
O referido programa prevê o apoio técnico e financeiro para o estabelecimento de
arranjos que viabilizem o pagamento por serviços ambientais e a execução de ações em
diversos projetos espalhados por vários estados brasileiros. Entre as ações elegíveis estão a
construção de terraços e de bacias de infiltração, readequação de estradas vicinais,
recuperação e proteção de nascentes, reflorestamento das áreas de proteção permanente e
reserva legal, saneamento ambiental, entre outros.
A remuneração aos produtores rurais será sempre proporcional ao serviço ambiental
prestado e dependerá de prévia inspeção na propriedade. Além disso, para serem
contemplados com a marca “Produtor de Água”, todos os projetos de PSA devem obedecer a
uma série de condicionantes e diretrizes estabelecidas pela ANA, segundo fixado no seu
portal oficial, a saber: sistema de monitoramento dos resultados, que visa quantificar os
104

benefícios obtidos com sua implementação; estabelecimento de parcerias; assistência técnica


aos produtores rurais e participantes; práticas sustentáveis de produção e bacia hidrográfica
como unidade de planejamento.
Entretanto, em que pese os inegáveis méritos dos programas que estimulam o
pagamento por serviços ambientais, este mecanismo não pode induzir à prática de
comportamentos pautados exclusivamente pela obtenção de vantagem econômica, levando-se
a proteger os recursos naturais somente quando se recebe imediatamente uma recompensa,
pois tal premissa se enquadraria na mesma linha adotada pelo homem quanto ao
apoderamento dos bens da natureza, buscando uma satisfação individual, despreocupada com
as necessidades dos demais homens, nem com a consciência sobre tais recursos, de modo a
deturpar o princípio, o qual tem como objetivo evitar o custo zero dos serviços e recursos
naturais e repelir um sistema de mercado à hiperexploração do meio ambiente.
O pagamento por serviços ambientais (PSA) constitui uma ferramenta inovadora e
compatível para a efetivação do princípio do recebedor protetor, pois é idôneo para levar as
retribuições ou compensações econômicas quando a sociedade e o poder público estiverem
em condições econômicas e ideológicas de fazê-lo, uma vez que o princípio tem como
objetivo premiar as condutas ambientais virtuosas para reverter os processos de destruição e
utilização desenfreados dos bens da natureza, tendo natureza compensatória.

3.6 PRINCÍPIO DA INFORMAÇÃO

O direito à informação, expressamente, consignado no artigo 5º, incisos XIV e


XXXIII da Constituição Federal, representa um dos pilares mais significativos que constituem
o paradigma de Estado Democrático de Direito, razão pela qual se torna imperiosa a análise e
os reflexos dessa temática sob o enfoque político-jurídico, especificamente, no que tange às
suas consequências em um regime democrático, ou seja, tendo como baliza a noção de
“Estado da Informação Democrática de Direito” (MACHADO, 2006, p. 51), a qual o direito à
informação insere-se como requisito fundamental para o exercício de uma cidadania
participativa na defesa do próprio regime democrático.
Em corolário ao princípio da publicidade, o qual exige a transparência dos atos
administrativos, o direito à informação restou materializado no ordenamento jurídico nacional
e internacional como instrumento de controle pela sociedade, sobretudo no que toca aos
direitos difusos e coletivos, destacando-se os direitos consumeristas, ambientais e, inclusive,
quanto ao direito de águas na gestão dos recursos hídricos.
105

Desta forma, o direito à informação tem o seu espectro de abrangência não apenas
quanto às temáticas ambientais como também ao direito de águas exteriorizado por meio da
gestão dos recursos hídricos, e sob este viés merece especial atenção à problemática em
relação à precariedade quanto à disponibilidade das informações sobre a gestão dos recursos
hídricos, embora a exigência da informação esteja prevista como instrumento da PNRH, na
forma do seu art. 5º, inciso VI, da Lei 9.433/97, no art. 4, inciso V e art. 9º, inciso VII, ambos
da Lei 6.938/81 (Política Nacional do Meio Ambiente), art. 2º, inciso VIII, da Lei
10.650/2003 (Lei de acesso público aos dados e informações existentes nos órgãos e entidades
integrantes do SISNAMA), art. 40 da Lei 11.105/2005 (Lei de Biossegurança), bem como no
Princípio 10 da Declaração do Rio de Janeiro de 1992 e no Capítulo 40 da Agenda 21.
Enquanto premissa basilar do Estado de regime democrático, o princípio da
informação visa assegurar aos cidadãos o acesso às informações cujas relevâncias temáticas
poderão orientar as suas posições culturais, políticas e ideológicas, bem como se pronunciar
sobre a matéria informada.
Para Canotilho (1993, p. 225), o direito à informação integra três níveis: direito de
informar, o qual consiste na “liberdade de transmitir ou comunicar informações a outrem, de
acesso às mesmas, bem como de as difundir sem impedimentos”; direito de se informar, que
constitui-se na “liberdade de recolha de informação”; e o direito a ser informado, que
representa a “versão positiva do direito de se informar e se manter informado pelos meios de
comunicações disponíveis e pelos poderes públicos”.
Conforme foi visto anteriormente, o princípio da informação na seara ambiental
decorreu de avanços consubstanciados em Convenções e Tratados internacionais que foram
celebrados ao longo dos anos e após a ocorrência de alguns eventos que produziram
consequências nos territórios dos países vizinhos. Esse princípio está elencado na Declaração
do Rio de Janeiro de 1992, sob nº 10, cujo teor é o seguinte: “no nível nacional, cada
indivíduo deve ter acesso adequado a informações relativas ao meio ambiente de que
disponham as autoridades públicas, inclusive informações sobre materiais e atividades
perigosas em suas comunidades”. O Tratado da Bacia do Prata contempla expressamente a
troca de informações entre os países membros, sendo o CIC o agente executivo responsável
para tais atribuições. O Tratado de Cooperação Amazônica (TCA), no seu art. VII, faz
referência que a troca de informações deve estar inserida em “um sistema regular” em que
haja a apresentação de um relatório. Outros tantos diplomas internacionais também
contemplam o princípio da informação, porém entendendo-se justificado pelo âmbito do
106

estudo proposto, destacou-se apenas os Tratados da Bacia do Prata e o Tratado de Cooperação


Amazônica.
Com o fito de instrumentalizar o princípio da informação no Brasil, sobretudo,
quanto à gestão dos recursos hídricos, o Conselho Nacional de Recursos Hídricos editou a
Resolução nº 98, de 26 de março de 2009, com o propósito de instrumentalizar o princípio da
informação na difusão de dados relativos aos recursos hídricos.
A água, enquanto direito difuso e bem de uso comum do povo, exige a adoção de
providencias institucionais de natureza jurídico-administrativas para os agentes públicos
envolvidos com a gestão dos recursos hídricos, sobretudo, quanto a transparência das suas
ações e informações sobre as particularidades quali-quantitativas das suas respectivas bacias
hidrográficas.
Dessa forma, resta oportuno concluir que a transparência e a acessibilidade na
comunicação de informações em recursos hídricos representa ferramenta relevante para a
democracia, pois somente mediante o acesso das pessoas quanto às informações fidedignas
que será possível constituir a formação de uma política de gestão hídrica, efetivamente,
participativa, na forma da lógica democrática concebida pelo sistema hidrojurídico, por meio
da participação da sociedade na orientação das políticas de gestão sobre os recursos hídricos,
conforme melhor será apreciado doravante.

3.7 PRINCÍPIO DA PARTICIPAÇÃO

O princípio da participação constitui uma das premissas mais importantes na gestão


dos recursos recursos hídricos. Este princípio, expressamente, elencado no ordenamento
jurídico internacional, mas também na ordem infraconstitucional, permeia não somente a
gestão dos recursos hídricos, mas também a política ambiental brasileira, consoante acusa a
Lei 6938/81 que trata sobre a Política Nacional do Meio Ambiente. Todavia, antes de mais
nada, perquire-se : o que é participação ?; o que é participar ?; como participar ?; quais as
modalidades de participação ? ; quais os efeitos da participação ?; como se exterioriza a
participação na gestão dos recursos hídricos ?
Segundo define o Dicionário da Língua Portuguesa da Academia Brasileira de Letras
(2008, p. 954), a expressão participar pode ser interpretada sob três sentidos: “ter parte ou
tomar parte em; fazer saber, anunciar, comunicar; e compartilhar, compartir.”
Ao estabelecer que é dever do poder público e de toda a coletividade defender e
preservar o meio ambiente para as presentes e futuras gerações, o art. 225 da CF inseriu,
107

implicitamente, o princípio da participação, dotando a norma de direitos e obrigações difusas


e coletivas, os dirigindo ao Poder Público e à toda coletividade.
A participação torna mais eficaz a proteção aos direitos difusos e coletivos. Além
disso, também, contribui para atenuar o descrédito da sociedade em relação às instituições
políticas, aproximando o cidadão aos órgãos de decisão. São disponibilizados instrumentos de
participação ao cidadão, seja por meio da sua intervenção em organismos não governamentais
(ONG´s, OSCIP´s e REDES), seja através de ações judiciais ambientais (ação civil pública,
ação popular), ou por meio de intervenções nas decisões administrativas, por meio dos
Conselhos, Audiências Públicas e Comitês.
Discorrendo sobre o dinamismo da Democracia Participativa, Canotilho (2003, p.
288) averba que:

O princípio democrático não se compadece com uma compreensão estática de


democracia. Antes de mais, é um processo de continuidade transpessoal, irredutível
a qualquer vinculação do processo político a determinadas pessoas. Por outro lado, a
democracia é um processo dinâmico inerente a uma sociedade aberta e activa,
oferecendo aos cidadãos a possibilidade de desenvolvimento integral e de liberdade
de participação crítica no processo político em condições de igualdade económica,
política e social (cfr. CRP, art. 9º/d).

O princípio da participação promove o oferecimento de oportunidade ao cidadão para


exercer a liberdade de participação crítica nos processos de decisão. A sua importância nas
questões ambientais encontrou destaque na Declaração do Rio de Janeiro de 1992:

PRINCÍPIO 10 - A melhor maneira de tratar questões ambientais é assegurar a


participação, no nível apropriado, de todos os cidadãos interessados. No nível
nacional, cada indivíduo deve ter acesso adequado a informações relativas ao meio
ambiente de que disponham as autoridades públicas, inclusive informações materiais
e atividades perigosas em suas comunidades, bem como a oportunidade de participar
de processos decisórios. Os Estados irão facilitar e estimular a conscientização e a
participação pública, colocando a informação à disposição de todos. Deve ser
proporcionado acesso efetivo a mecanismos judiciais e administrativos, inclusive no
que se refere à compensação e reparação de danos.

As experiências de participação social na gestão pública brasileira tornaram-se mais


frequentes a partir do final da década de 1980, principalmente, na década de 1990 por conta
do processo de redemocratização ocorrido no país. A estratégia de inclusão de setores sociais
em processos participativos de gestão pública pode ser considerada tanto uma conquista
desses setores quanto uma alternativa de uma gestão mais eficiente.
De tal movimento resultou a criação de estruturas institucionais que permitiram essa
maior participação, sobretudo, após a Constituinte, quando foram criados diversos Conselhos
108

de Políticas Públicas nas áreas da saúde, assistência social e de forma mais recente na área de
meio ambiente. Trata-se de espaços privilegiados de negociação entre os atores interessados
em determinada política.
Como exemplo, pode-se citar o orçamento participativo, iniciado em 1989, em Porto
Alegre, e em 1993 em Belo Horizonte, o qual permitiu a participação direta dos moradores
das aludidas cidades no estabelecimento do direcionamento de parte do orçamento municipal,
destinando a aplicação de parte dos recursos públicos. Outro exemplo de participação direta
dos cidadãos representam os Planos Diretores Municipais, denominados de Planos
Participativos Diretores Urbanos, que passaram a ser elaborados a partir da década de 1990.
O grande mérito desta mecânica participativa é representado pela redução do
distanciamento entre o poder público e o cidadão, que é o efetivo destinatário de todas as
políticas públicas, representando a exteriorização dos mais lídimos princípios preconizados
pela democracia, mitigando o amplo poder discricionário adotado pelo Governo na orientação
das políticas públicas, e constituindo relevante ferramenta para a construção de uma
sociedade, efetivamente, democrática, justa e solidária, com poder de intervenção nas
decisões governamentais.
Segundo versa o princípio da gestão descentralizada, consignado no art. 1º, inciso VI,
da Lei 9.433/97, a gestão requer a efetivação do princípio da participação, pois expressamente
estabelece que a gestão deve ser orientada com a participação do Poder Público, dos usuários
e das comunidades. Conforme acentua Milaré (2013, p. 902) ao discorrer sobre o modelo de
funcionamento do princípio da participação na gestão dos recursos hídricos:

O modelo de gestão proposto pressupõe a institucionalização dos Comitês de Bacia,


das Agências de Água e, ainda, dos Conselhos Nacional e Estaduais de Recursos
Hídricos, nos quais se prevê a participação efetiva dos diversos usuários das águas,
do Poder Público e da sociedade civil de uma bacia hidrográfica no processo
decisório. O sucesso desse inovador modelo vai depender, portanto, do
entendimento e da capacidade da sociedade de se articular através desses órgãos
colegiados, onde terá vez e voz.

Eis a diferença: a gestão de recursos hídricos, adotando como exemplo o que


preconiza a lei quanto à organização dos CBH´s, diferem de outras formas de participação
previstas nas demais políticas públicas, pois tem como atribuição legal deliberar e orientar a
gestão da água no âmbito de uma bacia, fazendo isto de forma compartilhada e integrada com
o Poder Público.
A política de recursos hídricos apresenta, assim, uma nova concepção para a gestão
da água: participativa.
109

Exige a mudança de mentalidade, comportamentos e atitudes. Trata-se de


democratizar a gestão dos recursos hídricos , de compartilhar o poder de decidir, e isto requer
do poder público: determinação para dividir o poder, e dos usuários e da sociedade civil, a
determinação para compartilhar responsabilidades.
E isso se chama poder de Estado, tomar decisões sobre um bem público e que devem
ser cumpridas. O CBH passa então a definir as regras a serem seguidas com relação ao uso
das águas. Aos órgãos gestores de recursos hídricos cabe fazer com que essas regras sejam
postas em prática através do seu poder de regulação.
Discorrendo sobre gestão descentralizada e participativa dos recursos hídricos,
Machado (2014, p. 515) averba que:

A gestão poderá ser totalmente pública ou mista (publica e privada), dependendo da


escolha da União, dos Estados, dos Municípios, dos usuários e das organizações
cívicas. A gestão dos recursos hídricos, entretanto, não poderá ser totalmente
privada, pois os Poderes Públicos Federal e dos Estados, conforme for o domínio
desses recursos, deverão exercer o controle dos usos das águas através da outorga
dos direitos de uso (arts. 11, 29, II, e 30, I, todos da Lei 9.433/97).

Outra particularidade que merece especial atenção diz respeito a evitar interpretações
errôneas quanto às competências ou atribuições para a gestão das águas com a competência
para legislar sobre águas. Debruçando-se sobre tal tema, Machado (2014, p 516) explica que:

Não é de ser confundida a gestão das águas com a competência para legislar sobre
águas. A descentralização recomendada e instaurada pela Lei 9.433/97 foi no
domínio da gestão, pois a competência para legislar sobre as águas é matéria
concernente à Constituição Federal e continua centralizada nas mãos da União,
conforme o art. 22, IV. Lei complementar poderá autorizar os Estados a legislar
sobre águas (art. 22, parágrafo único, da CF), sendo que até agora não existe tal lei.

As diversas formas de participação são importantes para a construção de uma


sociedade democrática. Entretanto, algumas formas de participação são apenas consultivas, ou
seja, funcionam como uma instância de consulta, e outras têm natureza deliberativa, isto é,
suscetíveis de afetar o plano empírico por meio da eficácia das suas decisões.
Como corolário do principio da Democracia Participativa, a participação consultiva
funciona como uma instância de consulta à sociedade quanto à orientação das políticas
públicas, podendo as suas decisões serem ou não implementadas. Trata de uma ferramenta de
consulta que pode ou não ser implementada para efeito de tomada de decisão.
A participação deliberativa, por seu turno, representa a mais lídima expressão da
democracia participativa e ocorre quando o cidadão, enquanto membro de um colegiado
110

dotado de natureza pública, dispõe de capacidade para externar a sua liberdade crítica e
influenciar na tomada de decisão administrativa que deverá orientar a política de Estado.
Dito isso, pode-se conceber que o princípio da participação representa um dos mais
destacados expoentes que devem orientar as políticas hídricas, pois na gestão dos recursos
hídricos ele representa um vetor que, dotado de capacidade deliberativa em face do princípio
da descentralização da gestão hídrica, serve de instrumento para orientar as políticas hídricas.

3.8 PRINCÍPIO DA PRECAUÇÃO

A expressão precaução significa o que se faz por prevenção, ou seja, trata-se de uma
medida antecipada que visa prevenir um mal. Este princípio constitui o âmago do direito
ambiental e está expressamente contemplado no princípio 15 da Declaração do Rio de Janeiro
de 1992, o qual estabelece:

Para proteger o meio ambiente, o princípio da precaução deve ser amplamente


observado pelos Estados, de acordo com suas capacidades. Em caso de risco de
danos graves e irreversíveis, a ausência de certeza científica absoluta não deve servir
de pretexto para procrastinar a adoção de medidas visando prevenir a degradação do
meio ambiente.

O risco existe em todas as atividades, todavia, o que oscila é a probabilidade de


ocorrência do dano e a dimensão do impacto. Assim, em razão da incerteza ou da controvérsia
científica, devem ser adotadas medidas de proteção rigorosas do que a omissão e,
consequentemente, autorizar o risco de dano irreversível.
Com o fito de evitar danos ambientais irreversíveis, o princípio da precaução, nas
palavras de Granziera (2014, p. 41), tem a função de determinar que, “na dúvida, é melhor
tomar providências drásticas, a fim de evitar danos futuros, por ingnorância das
consequências que certos empreendimentos, atividades e substâncias podem causar”.
A natureza antecipatória que fundamenta o princípio da precaução, sobretudo, contra
o risco, também é destacada por Derani (1997, p. 165):

Esse princípio indica uma atuação „racional‟ para com os bens ambientais, com a
mais cuidadosa apreensão possível dos recursos naturais, [...] que vai além das
simples medidas para afastar o perigo. Na verdade, é uma „precaução contra o risco‟,
que objetiva prevenir já uma suspeição de perigo ou garantir uma suficiente margem
de segurança da linha do perigo.
111

O paradigma social contemporâneo é pautado pelo risco. O problema mais delicado


da dinâmica social são os impactos coletivos dos efeitos decorrentes da sociedade do risco. Os
riscos atuais não estão localizados no tempo e no espaço; as suas consequências são
incalculáveis e indelimitáveis. A sociedade do risco pensada por Beck (2008) está
perfeitamente caracterizada no contexto ambiental; todavia, o modelo de dinâmica social
hodierna, cujo risco é uma das suas características mais marcantes, exige a convivência com
risco, o chamado “desenvolvimento de risco” nas mais diversas áreas da sociedade.
O princípio da precaução não tem por finalidade engessar a dinâmica social de
natureza antropocentrista. O ordenamento hidrojurídico admite atividades que modifiquem o
meio ambiente, porém, desde que respeitados os limites estabelecidos pela ciência no sentido
de que aquela atividade não venha a comprometer os demais direitos, sobretudo, a qualidade
de vida das gerações presentes e futuras.
Sobre tal temática, Machado (2014, p. 96) enfatiza que:

[...] o princípio da precaução não tem por finalidade imobilizar as


atividades humanas. Não se trata da precaução que tudo impede ou
que em tudo vê catástrofes ou males. O princípio da precaução visa à
durabilidade da sadia qualidade de vida das gerações humanas e à
continuidade da natureza existente no planeta.

No que toca aos recursos hídricos, o princípio da precaução tem ampla


aplicabilidade. Quanto mais degradada estiver a água superficial ou subterrânea, maior será o
tempo e o custo econômico para o seu tratamento em sacrifício de um elevado custo social. O
Brasil possui uma das maiores reservas hídricas superficiais e subterrâneas do mundo. Na
medida em que são degradados os mananciais superficiais, vem se ampliando as investidas
sobre os subterrâneos. Em tese, a água subterrânea é (ou deveria ser) de qualidade superior às
águas superficiais, uma vez que naturalmente mais protegida das ações degradatórias.
Todavia, a existência de lixões irregulares, cemitérios, usos de defensivos agrícolas, falta de
esgotamento sanitário, entre outras tantas formas de poluição acabam contaminando os
aquíferos em razão da infiltração. As pessoas abastecidas por poços normalmente fazem
poucas análises ao longo do tempo de utilização da água, e quando fazem, fazem apenas de
natureza bacteriológica, deixando de realizar outras que podem identificar metais pesados,
haja vista o custo elevado das análises laboratoriais. O princípio da precaução deveria estar
sendo aplicado, mas não é o que ocorre efetivamente em relação aos impactos ambientais da
perfuração de poços em larga escala. Um conjunto de perfurações acarreta um rebaixamento
112

do lençol freático, diminuindo o nível da água, podendo atingir até a umidade da terra. Não se
sabe qual o impacto ambiental do consumo excessivo de água de poços.
Os riscos pelo consumo de água de fontes alternativas são elevados , e abrangem a
saúde pública e o meio ambiente, razão pela qual deve ser combatido o uso de água
subterrânea quando o seu usuário for abastecido por rede geral de distribuição. Na esteira do
princípio da precaução a água de poço deveria ser vista como fonte de reserva, para o uso
quando necessário, uma vez que desconhecidos pela ciência os efeitos decorrentes de tais
atividades para às presentes e futuras gerações; todavia, isso não ocorre na prática.
Desta forma, permite-se conceber que é um colapso antropológico o que a sociedade
pós-industrial está presenciando. Na verdade, um período de transições acentuadas e de
incertezas científicas que serão reveladas mais cedo ou mais tarde, cujos contornos também
convergem para fundamentar o princípio da prevenção, doravante abordado.

3.9 PRINCÍPIO DA PREVENÇÃO

Certeza científica: esta é a condição para diferenciar o princípio da prevenção com o


da precaução. Enquanto no princípio da precaução esta certeza inexiste e mesmo assim
eventual empreendimento poderá ser inviabilizado em justificativa de risco de dano
insuscetível de reparação, no princípio da prevenção existe certeza científica dos efeitos que
determinada atividade antrópica vai provocar no meio ambiente.
A expressão prevenir diz respeito a dispor antecipadamente, no sentido de precaver,
acautelar. O direito ambiental tem dentre as suas prioridades a prevenção de danos, pois a
degradação ambiental, em regra, é de difícil reparação. Veja-se, por exemplo, o que ocorre em
relação ao tempo de poluição e descontaminação de um corpo hídrico superficial: a poluição
hídrica produzida em uma década pode levar um século para a recuperação. A
descontaminação de águas subterrâneas constitui um processo ainda mais complexo e
demorado. O princípio da prevenção se justifica, portanto, acerca da certeza científica que
determinada atividade antrópica vai influenciar no meio ambiente, o que legitima a atuação do
Estado e da sociedade, na forma preconizada pelo art. 225 caput, da CF/88, mediante a adoção
de medidas de intervenção.
Discorrendo sobre algumas características do princípio da prevenção, Viegas (2012,
p. 145) acentua que:
113

Na prevenção, a atividade já é conhecidamente perigosa. A técnica existe ou


acontecimentos passados semelhantes permitem afirmar que, praticada determinada
ação, acarretará como efeitos danos ao meio ambiente (lei newtoniana da ação e
reação). Então busca-se a evitar a prática de uma atividade cujos danos ambientais
são previsíveis.

Todavia, da mesma forma que o princípio da precaução, o princípio da prevenção


não tem por função impedir toda e qualquer atividade antrópica, sob a justificativa de que os
seus efeitos vão degradar o meio ambiente. Meio ambiente equilibrado não quer dizer meio
ambiente inalterado. Toda e qualquer atividade antrópica, direta ou indiretamente, provocam
algum dano ao meio ambiente. O sentido do princípio é estabelecer limitações às degradações
ambientais, seja por meio de adoção de técnicas que promovam um menor impacto ambiental,
seja por meio da adoção de medidas compensatórias ao dano ambiental. Nas palavras de
Viegas (2012, p. 143): “o ordenamento jurídico não impede a ocorrência de qualquer agressão
ambiental. [...] O que o Direito não ceita é a superação dos padrões de tolerância da
modificação do meio ambiente. [...] Prefere-se a prevenção à responsabilização do
degradador”.
A exteriorização mais visível do princípio da prevenção no ordenamento jurídico
pode ser identificada pela ferramenta de Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e o Relatório de
Impacto Ambiental (RIMA), que tem por fim estabelecer as condições “para a instalação de
obra ou atividade potencialmente causadora de significativa degradação do meio ambiente”,
cuja natureza é de ordem constitucional, segundo averba o art. 225, inciso IV, da CF/88.
A importância desta ferramentas de controle “reside no fato de que, por sua correta
realização, é possível antecipar as consequências e medir as alternativas apresentadas para
serem decididas pela sociedade”, conforme destaca Antunes (apud, Granziera, 2012, p. 41).
No que tange aos recursos hídricos, o princípio da prevenção se reflete de diversas
formas, sobretudo, em face dos aspectos holísticos que decorrem dos usos degradatório da
água. Medidas desta natureza podem ser confirmadas não apenas pelo EIA/RIMA, como
também pelo instrumento de outorga, expressamente, consignados pelo ordenamento
hidrojurídico. Este princípio está elencado no art. 2º, inciso III, da Lei 9.433/97, cujo teor reza
que é objetivo da PNRH “a prevenção e a defesa contra eventos hidrológicos críticos de
origem natural ou decorrentes do uso inadequado dos recursos naturais”.
Todos os anos, assiste-se fenômenos climatológicos como inundações de grandes
áreas habitadas e produzindo tragédias humanas; todavia, mesmo sabendo-se que tal
ocorrência não será a última e, possivelmente, acontecerá novamente em um futuro próximo,
114

a adoção de medidas preventivas são proteladas ou esquecidas nos arquivos da burocracia


estatal.
Como o paradigma social é caracterizado pela velocidade e dinamismo de
informações, isso contribuiu para a construção de uma cultura imediatista, ou seja, pensar o
hoje. Assim, a sociedade deixa de perceber o elevado custo social que paga em face da
omissão de medidas preventivas. Em um primeiro momento, a sociedade fica perplexa e se
comove quanto às causas dos desastres e tragédias humanas que ocorrem em face da escassez,
da abundância ou da poluição hídrica; todavia, refuta a idéia de que as águas apenas estão
retomando o seu lugar na lógica do ecossistema - e exteriorizando as agressões ela que sofreu
ao causador do desequilíbrio ambiental, e respondendo por meio do “efeito bumerangue” da
sociedade do risco concebida por Ulrich Beck (1988, p. 43)

los riesgos muestran em su difusión um efecto social de bumerang: tampoco los


ricos y los poderosos están seguros ante ellos. Los efectos secundários anteriormente
latentes golpean también a los centros de su producción. Los próprios actores de la
modernización caen de uma manera enfática y muy concreta em el remolino de los
peligros que desencadenan y de los que se benefician.
115

4 GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

Apresentadas as fontes e bases principiológicas que fundamentam o direito de águas,


ingressamos neste quarto capítulo, o qual tem por objetivo analisar a gestão dos recursos
hídricos, sendo o estudo direcionado ao espectro do contexto jurídico brasileiro. Para efeito de
desenvolvimento deste tópico, foram tecidas abordagens sobre o modelo de gestão hídrica
adotado pelo Brasil e a distribuição das competências constitucionais para então ingressar,
com segurança, na órbita da Política Nacional de Recursos Hídricos e o funcionamento do
respectivo Sistema Nacional de Gestão dos Recursos Hídricos (SINGRH).

4.1 ENTENDENDO A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

A gestão constitui uma ciência advinda da Administração emanada da concepção de


um planejamento dotado de fundamentos, instrumentos, metodologias e técnicas para o
alcance de metas e objetivos estabelecidos. Transportando este conceito para o âmbito
hídrico, pode-se dizer, portanto, que gestão de recursos hídricos é planejamento hídrico; e
neste sentido deve ser interpretada a essência do ordenamento hidrojurídico representado pela
Lei nº 9.433/97, a qual será investigada.

4.1.1 Gestão dos recursos hídricos na França e a influência sobre a norma brasileira

As estruturas que orientaram a elaboração da norma doméstica quanto à gestão dos


recursos hídricos são oriundas do modelo de gestão hídrica adotado na Europa, sobretudo, na
França, calcadas pelas premissa quanto à institucionalização do direito público à água, bem
como em relação à regulamentação das águas por um sistema complexo de leis, decretos e
portarias.
A Lei Francesa 64-1245, de 16 de dezembro de 1964, foi a norma que concebeu a
criação de bacias hidrográficas e agências de águas. Ela constitui o embrião formador do
modelo de gestão hídrica de diversos países.
No que tange aos princípios que constituem a política de água francesa, D´lsep
(2010, p. 115) explica que, segundo preconizado institucionalmente pela página oficial do
Ministério de Ecologia da França, eles são quatro:
116

uma abordagem global (ou integrada), levando em consideração os aspectos físicos,


químicos e biológicos dos ecossistemas; as águas superficiais e subterrâneas e a
qualidade e quantidade; um território adaptado à gestão hidrográfica; a bacia, a
participação de diversas categoriais de usuários e instrumentos econômicos de
incentivo do princípio do poluidor-pagador e usuário-pagador.

Discorrendo sobre órgãos que atuam na estrutura administrativa do modelo de gestão


hídrica adotado na França, mais uma vez, Dlsep (2010, p. 117), tece abordagens quanto às
atribuições de cada um deles:

Comitê Nacional de Água: [...] tem por missão deliberar sobre a circunscrição
geográfica da bacia e do grupo de bacias, projetos de gerenciamento e repartição de
águas e problemas que envolvam dois ou mais comitês de bacias ou agências de
águas.
Comitês de bacia: mais próximos do interesse local, por aplicação igualmente do
princípio da ´subsidiariedade`, são compostos por representantes das regiões e
coletividades locais, representantes dos usuários e representantes do Estado. São
órgãos consultivos que podem se manifestar a peido do presidente do conselho de
administração da agência de bacia sobre os problemas relativos a ela. Têm
competência financeira para se pronunciarem sobre a cobrança recebida pela agência
da bacia.
Agência de água: as agências são organismos públicos, dotados de personalidade
civil e de autonomia financeira. Contribuem com o fundo financeiro para a execução
de estudos, pesquisas e obras de interesse comum da bacia. São formadas por
Conselho de administração, presidente e um diretor. A organização e o
funcionamento das agências são regidos pelo Decreto 66-700, de 14.09.1966.
Comunidade local de água: é reconhecida à coletividade territorial, ou seus grupos,
no intuito de auxiliar a realização dos objetivos do SAGE, a possibilidade de se
associar numa comunidade ou comissão local da água, encarregada de promover
estudos ou medidas que representem caráter de interesse geral ou de urgência, tais
como luta contra a poluição, defesa contra inundações, abastecimento de água,
monitoramento da águas pluviais etc.
Podem-se identificar também estabelecimentos públicos evocados de maîtrise
d´ouvrage (MISE) que podem ser criados por decreto do Conselho do Estado, para a
defesa e gerenciamento das águas. Existe ainda o Fundo Nacional de Água, com a
missão de coordenar os financiamentos para a adução de água e atuar como fundo
nacional de solidariedade da água.”

Este modelo de estrutura administrativa quanto à gestão dos recursos hídricos na


França foi o adotado pelo sistema brasileiro e positivado por meio da Lei Federal nº 9.433/97,
quando então foi concebida a formação do Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos
Hídricos, composto pelo Conselho Nacional de Recursos Hídricos, Agência de Águas e os
Comitês de Bacia de Hidrográficas, entre outros, que serão melhor apreciados no decurso
desta seção.
117

4.2. GESTÃO DAS ÁGUAS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

Na forma da hermenêutica constitucional, “a água é bem público de domínio público


e de uso comum do povo.” O art. 225 da CF estabelece que “todos tem direito ao meio
ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo”. O art. 1º, inciso I, da Lei
9.433/97, por sua vez, reza que “a água é bem de domínio público”, não fazendo referência
alguma sobre qual água considerada: águas superficiais ou águas subterrâneas, águas fluentes
ou emergentes.
Qualquer resquício de conceito privacionista sobre a água foi definitivamente
extirpado por foça da nova ordem constitucional, o que influenciou na revogação de muitos
artigos, sobretudo, do Código de Águas, ainda inspirados pelos conceitos individualistas do
Código Civil de 1916, como também na formação de um novo conceito de domínio público
representado pelo zelo, cuidado e pela administração do bem público justificados por laços de
cooperação entre os entes políticos – a União, os Estados, o Distrito Federal e os Munícipios.
Para demonstrar a inalienabilidade sobre as águas, Machado (2014, p. 501) afirma
que a água não é bem dominical do Poder Público.

O bem dominical é aquele que „integra o patrimônio privado‟ do Poder Público. O


seu traço peculiar é a “alienabilidade”. Bem dominical difere, portanto, de bem
dominial. Indique-se o art. 18 da Lei 9.433/1997 para atestar que a água não faz
parte do patrimônio privado do Poder Público, ao dizer: „ A outorga não implica a
alienação parcial das águas que são inalienáveis, mas o simples direito de uso‟. A
inalienabilidade das águas marca uma de suas características como bem de domínio
público.
[...]
O Governo Federal e os Governos Estaduais, direta ou indiretamente, não podem
tornar-se comerciantes de águas. A Lei 9.433/1997 introduz o direito de cobrar pelo
uso das águas, mas não instaura o direito de vendas das águas.

No que tange às águas subterrâneas, para reafirmar o teor do art. 26, inciso I, da CF,
no sentido de que “as águas subterrâneas integram os bens dos Estados”, o art. 1º, inciso I, art.
12, inciso II, e art. 49, caput e inciso V, todos da Lei nº 9.433/97, estabelecem que as águas
subterrâneas passam a fazer parte do domínio público, pois está sujeita à outorga pelo Poder
Público a “extração da água de aquífero subterrâneo para consumo final ou insumo de
processo produtivo”, o que culminou em expandir significativamente o domínio dos recursos
hídricos estaduais e, consecutivamente, demandar a adoção de modelos de planejamento e
gestão hídrica pelos Estados, culminando na produção das normas que tratam sobre as
Políticas Estaduais de Recursos Hídricos (PERH´s).
118

A Constituição Federal estabelece as competências dos entes federados como


legislativas e materiais, encontrando-se nesta órbita os recursos hídricos e seus outros temas
correlatos. Enquanto as competências legislativas dizem respeito ao ente que tem a
competência para produzir o ordenamento jurídico, as materiais constituem normas de
execução administrativa das políticas públicas. Quanto às competências legislativas, elas se
desdobram em privativas da União e concorrentes. Para melhor compreensão sobre o que
consistem tais competências, passa-se a examiná-las, a seguir.

4.2.1 Competência legislativa privativa da União

O inciso IV do artigo 22 estabelece que compete à União legislar privativamente


sobre águas e energia, entre outros temas. Entretanto, a aludida competência não é
indelegável, uma vez que na forma do seu parágrafo único a Lei Complementar poderá
autorizar os Estados a legislar sobre questões específicas. Atualmente, não existe Lei
Complementar regulando a matéria, razão pela qual tal temática permanece, aparentemente,
como competência privativa da União.
Discorrendo sobre a competência privativa da União, Granziera (2014, p. 57)
entende que a mesma é aparente porque embora não havendo a autorização conferida aos
Estados:

Os Estados podem dispor sobre o aproveitamento de seus bens e a utilização dos


recursos hídricos sob o seu domínio, nos termos da competência que lhes conferem
o art. 25, § 1º (competência remanescente) e 26, incisos I e II. Além disso, o artigo
24, inciso VI, trata da competência concorrente para legislar sobre assuntos relativos
ao meio ambiente.

Com o fito de solucionar as discussões sobre a competência privativa da União para


legislar sobre águas e a capacidade da União, Estados, Distrito Federal e Municípios para
legislar sobre os bens públicos sob seu domínio, resultou concebido o entendimento,
conforme explica Granziera (2014, p. 59), de que:

A competência para legislar sobre águas, em sentido genérico e que pertence à


União, não deve ser confundida com a capacidade de cada ente político brasileiro
para estabelecer regras administrativas sobre os bens que se encontram sob seus
respectivo domínio, entendido este termo como guarda e administração.

Assim, embora os entes federados não disponham de competência para legislar sobre
águas, cuja produção das normas gerais compete à União, lhes está autorizado a legislar sobre
119

a administração dos bens públicos que se encontrem no seu domínio, ou seja, a gestão dos
mesmos, e aqui se inclui as águas enquanto bem jurídico desta natureza, uma vez que a
temática sobre “a criação, alteração e extinção de direitos sobre a água é bem diversa da
instituição de normas administrativas referentes à utilização, preservação e recuperação do
recurso hídrico na qualidade de bem público”, conforme acentuado por Cid Tomanik Pompeu
(apud, Granziera, 2010, p. 59).
A par destes fundamentos e com amparo no art. 26, inciso I, da CF, foram instituídas
as políticas hídricas estaduais que representam a exteriorização desta competência dos
Estados para, mediante a adoção de regras administrativas, promover o planejamento e a
gestão dos recursos hídricos.

4.2.2 Competências legislativas concorrentes

As competências concorrentes da União, dos Estados e do Distrito Federal se


encontram elencadas no art. 24 da CF, sendo firmado no § 1º do dispositivo que “a
competência da União limitar-se-á a estabelecer normas gerais”, o que representa que aos
Estados e Distrito Federal, dotados de competência suplementar, cabem o detalhadamento das
normas, de acordo com as características e peculiaridades locais, tendo por limite as regras
impostas pela União. Se não houver norma geral sobre determinado tema, cabe aos Estados e
Distrito Federal a competência plena, conforme estabelece o art. 24, § 3º da CF; sendo que
sobrevindo lei federal sobre normas gerais, fica suspensa a eficácia da norma estadual, no que
lhe for contrário, segundo fixado no art. 24, § 4º.
Segundo afirma Granziera (2014, p.62):

A competência concorrente fixada no art. 24 recai sobre os seguintes temas,


correlatos aos recursos hídricos: florestas, fauna, conservação da natureza, defesa do
solo e dos recursos naturais, proteção do meio ambiente e controle da poluição (VI);
proteção ao patrimônio histórico e cultural, turístico e paisagístico (VII);
responsabilidade por dano ao meio ambiente (VIII), defesa da saúde (XII). Essas
matérias, intrinsicamente relacionadas com as águas, também fundamentam a
competência dos Estados para legislar sobre recursos hídricos.

Portanto, por força do rol das competências legislativas concorrentes, sobretudo, no


que tange às matérias que convergem com as dos recursos hídricos, é que se fundamenta a
competência legiferante dos Estados e do Distrito Federal sobre as águas.
120

4.2.3 Competências materiais

As competências materiais dizem respeito às funções administrativas e de execução


correlatas aos deveres da Administração Pública. Dentre as competências administrativas da
União, na forma do art. 21, inciso XIX, está o de “instituir o sistema nacional de
gerenciamento dos recursos hídricos e definir critérios de outorga de direitos de seu uso”;
sendo que de tal competência constitucional resultou concebida a sua regulamentação por
meio da Lei Federal nº 9.433/97.
Outrossim, segundo preceitua o art. 21, inciso XII, alínea “b”, também constitui
competência da União “explorar, diretamente ou mediante autorização, concessão ou
permissão, os serviços e instalações de energia elétrica e o aproveitamento energético dos
cursos d´água, em articulação com os Estados nos quais se situam os potenciais
hidroenergéticos.”

4.2.3.1 Competências comuns

Enquanto complemento das competências materiais, as competências comuns


também constituem normas de execução, todavia, com a participação dos Municípios em
conjunto com os demais entes políticos (União, Estados e Distrito Federal) para a consecução
de objetivos comuns sob a forma de cooperação, conforme estabelece o parágrafo único do
art. 23 da CF.
O art. 225, § 1º, incisos I a VII, da CF, por sua vez, estabelece que cumpre ao Poder
Público, representado pelos entes políticos, as ações necessárias para assegurar a efetividade
do direito ao meio ambiente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia
qualidade de vida, orientando à construção de articulações cooperativas entre todos os entes
políticos.
Discorrendo sobre as competências comuns como plataformas de cooperação entre
os entes políticos, Granziera afirma que (2014, p. 66):

A cooperação é um instrumento necessário, na medida em que pode fornecer


subsídios e estabelecer diretrizes para o relacionamento e articulação entre União,
Estados-membros, Distrito Federal e Municípios, facilitando tratativas e acordos em
busca de soluções integradas, que, em matéria de recursos hídricos, possuem grande
relevância, uma vez que os limites dos aquíferos, rios, lagos e bacias hidrográficas
muitas vezes ultrapassam as fronteiras políticas, tornando-se necessário o diálogo
entre os entes federados para uma efetiva gestão desse recurso.
121

Havendo rios estaduais e federais, na mesma bacia hidrográfica, e considerando que


cabe à pessoa política detentora do respectivo domínio sua gestão, ou seja, União
para os rios federais, e Estados para os rios estaduais, com a participação dos
usuários e da sociedade civil, sem falar nos Municípios, há que haver além da
cooperação, em sentido genérico, uma articulação institucional sistemática entre os
órgãos responsáveis pelo controle da quantidade e qualidade das águas e o sistema
de gerenciamento instituído.

Segundo preconiza o art. 23 da CF, constituem competências comuns da União, dos


Estados, do Distrito Federal e dos Municípios na interface com a água: cuidar da saúde (II),
proteger o meio ambiente, combater a poluição em qualquer das suas formas (VI), preservar
as florestas, a fauna e a flora (VII), promover a melhoria das condições de saneamento básico
(IX) e registrar, acompanhar e fiscalizar as concessões de pesquisa e exploração de recursos
hídricos e minerais em seus territórios (XI).
Em que pese os Municípios não possuírem domínio sobre os recursos hídricos, cabe-
lhes organizar e prestar, diretamente ou sob regime de concessão ou permissão, os serviços
públicos de interesse local, conforme preceitua o art. 30, inciso V e promover o adequado
ordenamento territorial, mediante planejamento e controle do uso, do parcelamento e da
ocupação do solo urbano (VIII), o que repercute nos aspectos qualiquantitativos das águas; ou
seja, embora os Municípios não tenham domínio nem sejam dotados de competência
legislativa, eles devem participar na articulação da gestão hídrica por força da competência
comum.

4.2.4 Domínio dos recursos hídricos

Na linha da doutrina majoritária reafirmada por Medauer e Ribeiro (apud, Granziera


2010, p.67 e 69) quanto ao domínio dos recursos hídricos, abstrai-se da hermenêutica
constitucional que o conceito de domínio público é o mesmo de patrimônio público; porém,
diferente daquele clássico conceito de patrimônio, emanado de uma visão individualista com
características de livre uso e disposição, posto que não se refere à propriedade de um bem
imóvel, mas sim corpóreo – a água - em que os entes públicos tem a responsabilidade pela
guarda , administração e pela produção de normas de cooperação, sobretudo, quanto à gestão
dos recursos hídricos.
Com o advento da Carta Constitucional de 1988, o domínio sobre águas particulares
foi extinto, restando consolidado o entendimento de que as águas são públicas, transformando
o sentido de propriedade para o de encargos de gestão hídrica.
122

Neste sentido, especial destaque merece o diagnóstico feito por Granziera (2010, p.
67), a qual afirma que “o domínio dos recursos hídricos, dessa forma, está muito mais
próximo do dever de zelar do que de exercer o poder sobre algo. Esse poder, no sentido de
propriedade, dá lugar à responsabilidade pela condução do gerenciamento das águas.”
Desta forma, diante da natureza pública da água e extirpado o conceito privacionista,
seja de particular ou de qualquer dos entes federados, houve uma mudança substancial quanto
à lógica do domínio sobre as águas no Brasil, uma vez que inaugurado um novel conceito de
domínio, agora caracterizado pela adoção dos encargos de cuidado e de zelo,
instrumentalizados pelas políticas de planejamento e gestão dos recursos hídricos.
Não menos importante, merece especial destaque o acesso à água, que por força do
novel paradigma constitucional, estabeleceu a universalidade do seu acesso aos cidadãos,
mesmo quando que para se ter acesso ao corpo hídrico haja a necessidade de perpassar por
propriedades privadas, desautorizando, portanto, a existência de praias particulares.
Nesta senda, sobretudo, quanto ao acesso aos corpos hídricos, relevante se apresenta
a afirmação averbada por Machado (2014, p. 502):

O domínio hídrico público deve dar acesso à água àqueles que não sejam
proprietários dos terrenos em que as nascentes aflorem, àqueles que nãos estão em
prédios à jusante das nascentes e àqueles que não são ribeirinhos ou lindeiros dos
cursos d‟água.

Os teores do art. 20, inciso III, e do art. 26, iniciso I, ambos da CF, estabeleceram os
critérios quanto ao domínio hídrico para distinguir quando as águas são bens da União ou são
bens dos Estados, restando, portanto, excluído o domínio das águas pelos Municípios, razão
pela qual se justifica uma abordagem para analisar sobre quais são os bens de domínio da
União e os bens que são de domínio dos Estados, o que consiste tema das seções
subsequentes.

4.2.4.1 Domínio da União

Segundo inteligência firmada pelo disposto no inciso III, do art. 20, da CF,
constituem bens da União: “os lagos, rios e quaisquer correntes de água em terrenos do seu
domínio, ou que banhem mais de um Estado, sirvam de limites com outros países, se
estendam a territórios estrangeiro ou dele provenham, bem como os terrenos marginais e
praias fluvias.”
123

A dimensão continental do território hidrográfico brasileiro, composto por uma


diversidade de biomas dotados de rios interestaduais e transnacionais, peculiaridades
hidrossociais, e características físico-químicas entre as suas águas, dentre tantos outros
fatores, demonstra a complexidade sistêmica para a efetivação do domínio pela União, na
forma contemplada pela norma constitucional.
Discorrendo sobre a natureza jurídica dos rios interestaduais, sobretudo, aqueles que
delimitam a fronteira geográfica entre os Estados, e os outros que atravessam vários Estados
sucessivamente, para justificar a sua intervenção administrativa por meio do procedimento de
outorga, Granziera (2014, p. 69) afirma:

Na primeira hipótese, o rio delimita o território dos Estados ribeirinhos. Faz


fronteira. Sendo rio de domínio da União, a ela cabe outorgar o direito de uso da
água, para os empreendimentos em ambos Estados limítrofes. Não há, em princípio,
conflito sobre a quantidade do recurso, considerando que o ato administrativo da
outorga é editado por um único ente – União ou, mais precisamente, a Agência
Nacional de Águas (ANA).
Se não houver comunicação e interação entre os Estados limítrofes, e de ambos com
a União, cada órgão ambiental poderá licenciar empreendimentos que, isoladamente,
não causam dano à qualidade ou à quantidade das águas, mas que em conjunto,
podem causar sérios danos ambientais, embora haja licenciamentos legais.
A segunda possibilidade é o rio atravessar mais de um Estado. Nessa hipótese cada
Estado possui, em matéria de proteção ambiental, por exemplo, competência em
ambas as margens. Ocorre que todos os despejos e derivações, mesmo que
autorizados para determinado trecho, no território de um Estado, podem vir a
comprometer a utilização das águas no Estado a jusante.
Novamente é necessária a articulação entre os Estados cujos territórios são
atravessados pelo mesmo rio, por meio de órgãos e entidades componentes do
Sistema de Gerenciamento de Recursos Hídricos e do Sistema de Meio Ambiente,
considerando-se a disponibilidade hídrica em seus aspectos de qualidade e
quantidade.

Os corpos hídricos compartilhados, ou seja, aqueles que os lagos, rios e quaisquer


correntes que sirvam de limites com outros países, se estendam a território estrangeiro ou dele
provenham, o aproveitamento conjunto das águas e o sistema de responsabilidades pertencem
ao campo do direito internacional e são objetos de tratados específicos, ou seja, não são
regulados pelo direito interno. No entanto, o trecho do corpo hídrico compartilhado, situado
no território brasileiro estará regulado pelas normas internas, valendo isso para os rios que se
estendem a território estrangeiro ou dele provem, assim como para aqueles que formam
fronteira entre outros países.
No que tange às terras ocupadas pelos índios, o art. 231 da CF estabelece que os rios
e lagos nelas existentes destinam-se à posse permanente daqueles, cabendo-lhes o usufruto
exclusivo, sendo o aproveitamento dos recursos hídricos, incluídos os potenciais energéticos,
124

em terras indígenas, só podem ser efetuados com a autorização do Congresso Nacional,


ouvidas as comunidades afetadas.

4.2.4.2 Domínio dos Estados

Segundo estabelece o art. 26, inciso I, da CF, incluem-se entre os bens dos Estados e
do Distrito Federal “as águas superficiais e subterrâneas, fluentes, emergentes e em depósito,
ressalvadas, neste caso, na forma da lei, as decorrentes de obras da União”. Assim dispondo
quanto às águas pertencentes aos Estados, a Carta Constitucional adotou o princípio da
exclusão: as águas dos Estados são aquelas que não pertencem à União.
Se alguma dúvida existia antes do advento da nova ordem constitucional quanto ao
domínio das águas subterrâneas pela União ou pelos Estados, tal questão restou dizimada: as
águas subterrâneas são bens dos Estados. No entanto, o ordenamento constitucional não
apontou diretriz alguma para interpretar a questão relativa aos aquíferos que ultrapassam os
territórios dos Estados, uma vez que o uso indiscriminado desses mananciais por um Estado
pode afetar outro(s) que compartilham as mesmas águas subterrâneas.
Assim, enquanto de domínio dos Estados, o desafio quanto às águas subterrâneas
consiste na articulação institucional e na gestão integrada para garantir que esses importantes
mananciais não sofram superexplotação nem fiquem contaminados.

4.3 POLÍTICA NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS

Por força da competência material da União lastreada no artigo 21, inciso XIX, da
CF, cujo teor determina a “instituição do sistema nacional de gerenciamento de recursos
hídricos e a definição de critérios de outorga de direitos quanto aos seus usos”, foi instituída a
Política Nacional de Recursos Hídricos (PNRH), a qual tem por finalidade orientar o
planejamento hídrico nacional.
A Política Nacional de Recursos Hídricos (PNRH) constitui-se em uma plataforma
de gestão representada por uma norma de planejamento hídrico com essência similar a do
planejamento econômico visando atingir objetivos: ambos possuem metodologias de
planejamento dotadas de princípios e instrumentos para alcançar metas propostas.
Destacando a importância do estabelecimento de metas no planejamento hídrico e a
interface entre os campos econômicos e financeiros necessários para atender os objetivos
preconizados pela política hídrica, Granziera (2014, p. 114) afirma que:
125

No caso dos recursos hídricos, o planejamento opera-se por meio do estabelecimento


de metas de natureza física a serem alcançadas e que podem ser traduzidas em
melhoria dos aspectos de quantidade e qualidade das águas. Nessa sistemática, não
deixa de haver uma interface com os aspectos econômicos e financeiros, à medida
que são necessários recursos dessa natureza para atender aos objetivos propostos, de
melhoria dos recursos hídricos e manutenção dos usos, para as atuais e futuras
gerações.

Concebida mediante a adoção da sistemática empregada pela legislação francesa,


conforme apontado no tópico 4.1.1, a Política Nacional de Recursos Hídricos (PNRH),
representada pela Lei Federal nº 9.433 de 8 de janeiro de 1997, enquanto norma de
planejamento hídrico, estabelece o ordenamento de estratégias para alcançar os objetivos
decorrentes da competência material da União, fixada no art. 19, inciso XXI da CF,
sobretudo, em “instituir o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos”.

4.3.1 Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos (SNGRH)

Para efeito de gestão dos recursos hídricos, adotando o modelo da sistemática


francesa, conforme abordado no tópico 4.1.1, a Lei nº 9.433/97 preconizou a instituição do
Sistema Nacional de Gerenciamento dos Recursos Hídricos (SNGRH) cujo objetivo principal
consiste em coordenar a gestão das águas e implementar a Política Nacional de Recursos
Hídricos (PNRH), entre outras, segundo estabelece o seu artigo 32, in verbis:

I - coordenar a gestão integrada das águas;


II - arbitrar administrativamente os conflitos relacionados com os recursos hídricos;
III - implementar a Política Nacional de Recursos Hídricos;
IV - planejar, regular e controlar o uso, a preservação e a recuperação dos recursos
hídricos;
V - promover a cobrança pelo uso de recursos hídricos.

A composição do SNGRH está normatizada pelo disposto no art. 33, incisos I a V, da


Lei nº 9.433/97. Segundo preconizado pelo referido dispositivo, o SNGRH é composto pela
Agência Nacional de Águas (ANA), os Conselhos de Recursos Hídricos dos Estados e do
Distrito Federal, os Comitês de Bacia Hidrográfica, e os órgãos dos poderes públicos federal,
estaduais, do Distrito Federal e municipais cujas competências se relacionem com a gestão de
recursos hídricos, e as Agências de Água.
Para melhor compreensão sobre o que consistem e as atribuições destes órgãos,
passa-se a examiná-los mais detalhadamente:
126

4.3.2 Conselho Nacional de Recursos Hídricos

Enquanto órgão consultivo, deliberativo e normativo, a composição do CNRH se


encontra estabelecida nos incisos I a IV do artigo 34 da norma de gestão hídrica federal.
Segundo tal dispositivo legal, o CNRH é composto por representantes dos Ministérios e
Secretarias da Presidência da República com atuação no gerenciamento ou no uso de recursos
hídricos; por representantes indicados pelos Conselhos Estaduais de Recursos Hídricos; por
representantes dos usuários dos recursos hídricos; e por representantes das organizações civis
de recursos hídricos. Destaque merece o parágrafo único deste dispositivo, pois em
homenagem à descentralização do poder pela União, estabelece que para efeito de
composição “o número de representantes do Poder Executivo Federal não poderá exceder à
metade mais um do total dos membros do Conselho Nacional de Recursos Hídricos.”
As competências do Conselho Nacional de Recursos Hídricos estão elencadas no art.
35 da Lei nº 9.433/97. Dentre elas, segundo estabelecem os incisos I a X, constitui: promover
a articulação do planejamento de recursos hídricos com os planejamentos nacional, regional,
estaduais e dos setores usuários; deliberar sobre os projetos de aproveitamento de recursos
hídricos cujas repercussões extrapolem o âmbito dos Estados em que serão implantados;
deliberar sobre as questões que lhe tenham sido encaminhadas pelos Conselhos Estaduais de
Recursos Hídricos ou pelos Comitês de Bacia Hidrográfica; analisar propostas de alteração da
legislação pertinente a recursos hídricos e à Política Nacional de Recursos Hídricos;
estabelecer diretrizes complementares para implementação da Política Nacional de Recursos
Hídricos, aplicação de seus instrumentos e atuação do Sistema Nacional de Gerenciamento de
Recursos Hídricos; aprovar propostas de instituição dos Comitês de Bacia Hidrográfica e
estabelecer critérios gerais para a elaboração de seus regimentos; acompanhar a execução e
aprovar o Plano Nacional de Recursos Hídricos e determinar as providências necessárias ao
cumprimento de suas metas; estabelecer critérios gerais para a outorga de direitos de uso de
recursos hídricos e para a cobrança por seu uso.
Ainda que contando com a participação de representantes da sociedade nas decisões
em matéria de políticas hídricas, o Conselho é órgão da Administração Pública direta,
instituído no âmbito da Administração Pública Federal, sendo gerido pelo Ministro do Meio
Ambiente enquanto seu Presidente. Por tal razão, muitas decisões do Conselho, sejam estas
deliberativas ou consultivas, tem natureza política, ainda que tratem de questões de cunho
técnico ou jurídico, como o que por exemplo ocorre em relação à sua competência de “atribuir
127

os valores a serem cobrados pelo uso dos recursos hídricos”, conforme estabelece o art., 4º,
inciso VI da Lei 9.984/2000.
A composição do CNRH está prevista pelo Decreto nº 4.613, de 11 de março de
2003, estabelecendo a participação de 57 membros. Enquanto órgão da Administração Pública
direta, diferentemente do que ocorre em relação à composição dos Comitês de Bacia
Hidrográfica, no CNRH a representação do Poder Público predomina (51%). E essa
conotação política tem reflexo, não raras vezes, à desestruturação de projetos em face às
mudanças de governo. A articulação institucional entre as políticas hídricas federais e
estaduais é um desafio a ser enfrentado com maturidade pelos agentes públicos.
De acordo com Granziera (2014, p. 156),

O Brasil é pródigo na contratação de planos e projetos que demoram décadas para


serem implantados, ou são implantados sem considerar outros correlatos, ou são
esquecidos em prateleiras.
Uma das causas desse fenômeno é a busca do poder pelas eleições. Os novos
executivos tendem a não implantar os projetos ou, pior, desativam aqueles em
implementação. Outra causa a apontar é a falta de articulações entre os órgãos e
entidades publicas, sejam municipais, estaduais ou federais.
A articulação pode diminuir os custos de implantação dos projetos, na medida em
que racionaliza as ações a serem realizadas

Considerando que o planejamento hídrico constitui-se em um plano de longo prazo, e


CNRH é um órgão com representatividade técnica e política, os fenômenos sociopolíticos
tecidos por Granziera, sobretudo, projetos inacabados, cenários eleitorais e a ausência de
articulação interinstitucional, revelam a complexidade do contexto no Brasil, o que culmina
em comprometer a própria efetividade da política hídrica preconizada pelo ordenamento
jurídico.

4.3.3 Conselhos Estaduais de Recursos Hídricos

Os Conselhos Estaduais de Recursos Hídricos são formados seguindo a mesma linha


estrutural do CNRH, considerando as particularidades regionais de cada entre federado.
Segundo o ordenamento jurídico estadual, cada CERH dispõe de uma composição peculiar
em que é estabelecida a proporção da participação do Poder Público e da sociedade civil,
tendo atribuições assemelhadas às do CNRH, porém, no âmbito do território estadual.
128

4.3.4 Gestão Descentralizada e Participativa

O princípio da participação, abordado na seção 3.7, reforça toda a explanação


explicitada na presente seção, uma vez lá foram apresentadas as nuances sobre a integração e
as formas de participação, razão pela qual, para evitar tautologias, reitera-se o que lá foi
suscitado em sede de complementação.

O art. 1º, inciso VI, da Lei 9.433/97, estabelece que “a gestão dos recursos hídricos
deve ser descentralizada e contar com a participação do Poder Público, dos usuários e das
comunidades”. Por força do domínio hídrico ter natureza pública, as águas jamais poderão ter
uma gestão totalmente privada. Discorrendo sobre a forma de gestão (pública e/ou privada)
apta para a gestão dos recursos hídricos, Machado (2014, p. 516) averba:

A gestão poderá ser totalmente pública ou mista (pública e privada), dependendo da


escolha da União, dos Estados, dos Municípios, dos usuários e das organizações
civis. A gestão dos recursos hídricos, entretanto, não poderá ser totalmente privada,
pois os Poderes Públicos Federal e dos Estados, conforme for o domínio desses
recursos, deverão exercer o controle dos usos das águas através da outorga dos
direitos de uso (arts. 11, 29,II, e 30,I, todos da Lei 9.433/97)

Assistimos nas últimas décadas um estímulo à participação direta da sociedade nos


assuntos públicos, como por exemplo: a participação na elaboração de orçamentos
municipais, a criação de conselhos de saúde, de trânsito, de segurança, de educação, e também
para debater assuntos relativos ao meio ambiente.
De outro modo do que ocorre com outras diretrizes de políticas públicas como o
exemplo as de segurança pública, as de saúde, entre outras tantas, as políticas hídricas são
orientadas pela descentralização participativa quanto à produção de decisões para serem
implementadas pela Administração Pública, exigindo a construção de arranjos institucionais
que permitam a equalizar os diferentes conflitos e interesses na forma contemplada não
apenas pelos acordos internacionais que o Brasil aderiu, mas também pela própria ordem
jurídica brasileira preconizada pela Política Nacional do Meio Ambiente (Lei 6.938/81) e
Política Nacional de Recursos Hídricos (Lei 9.433/97).
Neste contexto, refletiu o esforço dos movimentos sociais e técnicos que foram
determinantes na criação de arranjos institucionais e possibilitaram uma maior participação de
setores da sociedade, representados por associações civis envolvidas na gestão de recursos
hídricos.
129

Segundo o art. 47, incisos I a V, da Lei 9.433/97, são consideradas organizações civis
de recursos hídricos: os consórcios e associações intermunicipais de bacias hidrográficas; as
associações regionais, locais ou setoriais de usuários de recursos hídricos; as organizações
técnicas e de ensino e pesquisa com interesse na área de recursos hídricos; as organizações
não-governamentais com objetivos de defesa de interesses difusos e coletivos da sociedade; e
outras organizações reconhecidas pelo Conselho Nacional ou pelos Conselhos Estaduais de
Recursos Hídricos.
Neste cenário, enquanto concebida como organização civil de recursos hídricos,
embora efetivamente seja órgão de Estado, foi concebida a figura do Comitê de Bacia
Hidrográfica, que representa a exteriorização do princípio da participação e a descentralização
na gestão dos recursos hídricos, sendo estruturado por um colegiado composto por órgãos do
Estado e da sociedade para deliberar sobre a política de gestão hídrica em determinada bacia
hidrográfica.
A seção 5 percorre minuciosa análise sobre os Comitês de Bacias, razão pela qual
maiores esclarecimentos podem ser obtidos mediante visitação a tal tópico.

4.3.5 Agências de Água

Conforme estabelece o art. 33, inciso V, da Lei 9.433/97, as Agências de Água


integram o Sistema Nacional de Recursos Hídricos, tendo por finalidade exercer a função de
secretaria executiva dos Comitês de Bacia.
Segundo preconiza o artigo 44 e incisos da lei, as Agências de Água gozam de
competência para: manter balanço atualizado da disponibilidade de recursos hídricos em sua
área de atuação; efetuar, mediante delegação do outorgante, a cobrança pelo uso de recursos
hídricos; analisar e emitir pareceres sobre os projetos e obras a serem financiados com
recursos gerados pela cobrança pelo uso de Recursos Hídricos e encaminhá-los à instituição
financeira responsável pela administração desses recursos; acompanhar a administração
financeira dos recursos arrecadados com a cobrança pelo uso de recursos hídricos em sua área
de atuação; gerir o Sistema de Informações sobre Recursos Hídricos em sua área de atuação;
celebrar convênios e contratar financiamentos e serviços para a execução de suas
competências; elaborar a sua proposta orçamentária e submetê-la à apreciação do respectivo
ou respectivos Comitês de Bacia Hidrográfica; promover os estudos necessários para a gestão
dos recursos hídricos em sua área de atuação; elaborar o Plano de Recursos Hídricos para
apreciação do respectivo Comitê de Bacia Hidrográfica; e ainda propor ao respectivo ou
130

respectivos Comitês de Bacia Hidrográfica o enquadramento dos corpos de água nas classes
de uso, os valores a serem cobrados pelo uso de recursos hídricos, o plano de aplicação dos
recursos arrecadados com a cobrança pelo uso de recursos hídricos e o rateio de custo das
obras de uso múltiplo, de interesse comum ou coletivo.
Na forma dos artigos 42 e 43 da Lei nº 9.433/97, a sua criação está condicionada à
autorização pelo CNRH, por meio de solicitação de um ou mais Comitês de Bacia, e desde
que atendidos alguns requisitos, sobretudo, a existência prévia de Comitês de Bacia
Hidrográfica, bem como a viabilidade financeira assegurada pela cobrança do uso dos
recursos hídricos na sua área de atuação.
Embora preconizadas neste ordenamento hidrojurídico, algumas particularidades
sobre as Agências de Água foram alterados ao longo dos anos, promovendo uma outra
roupagem. Conforme salienta Granziera (2010, p. 164): “as experiências vivenciadas na Bacia
do Rio Paraíba do Sul, pioneira na implantação da cobrança, apontaram para a possibilidade
de associações civis receberem delegação para atuarem como Agências de Água”.
Esta nova formatação culminou com a produção da Lei nº 10.881/04, que
instrumentalizou as entidades civis de recursos hídricos como de legatárias do CNRH para
atuarem como Agências de Bacia, salvo quanto à cobrança, que permanece como
competência da ANA.

4.3.6 Agência Nacional de Águas (ANA)

A Agência Nacional de Águas (ANA) foi instituída pela Lei nº 9.984 de 17 de julho
de 2000. A ANA constitui uma autarquia, com autonomia administrativa e financeira,
vinculada o Ministério do Meio Ambiente. A agência é comandada por uma diretoria
colegiada, composta de cinco membros e nomeada pelo Presidente da República.
Conforme firmado pela Lei nº 9.433/97, a articulação de planejamento nacional das
águas constitui atribuição do Conselho Nacional de Recursos Hídricos (CNRH), sendo a
ANA, enquanto autarquia, o órgão de execução das diretrizes do Conselho.
As atribuições da ANA podem ser divididas em dois eixos: competências relativas à
Política Nacional de Recursos Hídricos (PNRH); e atribuições sobre as águas de domínio da
União.
Segundo afirma Machado (2014, p. 563):
131

No campo das atribuições referentes à PNRH está a de supervisionar, controlar e


avaliar as condições e atividades decorrentes do cumprimento da legislação federal
pertinente aos recursos hídricos; a de disciplinar, em caráter normativo, a
implementação, a operacionalização, o controle e a avaliação dos instrumentos da
PNRH”; o planejamento e a promoção de ações destinadas a prevenir ou minimizar
os efeitos de secas e inundações, em articulação com o órgão central do Sistema
Nacional de Defesa Civil, em apoio aos Estados e Municípios; promoção e
coordenação das atividades desenvolvidas no âmbito da rede hidro meteorológica
nacional; organização, implantação e gestão do Sistema Nacional de Informações
sobre recursos hídricos; fomento da pesquisa e da capacitação de recursos humanos
para a gestão dos recursos hídricos; prestação de apoio aos Estados na criação de
órgãos gestores de recursos hídricos.

Esta norma hidro jurídica é decorrente da competência constitucional privativa da


União, prevista pelo art. 22, inciso IV, da CF, para legislar sobre a matéria de águas. Por força
legal, à ANA cumpre o encargo de supervisão e de controle do cumprimento da legislação
federal de águas.
Além desta missão, também cumpre à ANA a competência para “disciplinar, em
caráter normativo”, visando atender a Lei nº 9.433/97. Não menos relevante, representa a
atribuição de “cuidar das águas da União”, ou seja, “os rios ou quaisquer correntes de água
que banhem mais de um Estado, sirvam de limites com outros Países ou se estendam a
território estrangeiro ou dele provenham”, na forma do art. 20, inciso III, da CF. Tendo,
inclusive, a competência para, nas águas federais, realizar a outorga de uso, arrecadar e
distribuir as receitas das cobranças, e fiscalizar os usos dos recursos hídricos.

4.4 INSTRUMENTOS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

Os instrumentos da PNRH constituem ferramentas de gestão. Segundo preceitua o


art. 5º, incisos I a VII da Lei 9.433/97, a PNRH é constituída pelos seguintes instrumentos: os
Planos de Recursos Hídricos; o enquadramento dos corpos de água em classes, segundo os
usos preponderantes da água; a outorga dos direitos de uso dos recursos hídricos; a cobrança
pelo uso de recursos hídricos; a compensação a Municípios; e o Sistema de Informações sobre
Recursos Hídricos. Para melhor conhecer sobre as peculiaridades destes instrumentos, passa-
se doravante a analisar alguns dos seus aspectos, entendidos como mais relevantes.

4.4.1 Planos de Recursos Hídricos

Na forma expressa pelo art. 6º da PNRH, “os Planos de Recursos Hídricos são planos
diretores que visam a fundamentar e orientar a implementação da Política Nacional de
132

Recursos Hídricos e o gerenciamento dos recursos hídricos”. No plano devem ser definidas
metas de racionalização de uso, para o aumento de quantidade e a melhoria da qualidade dos
recursos hídricos disponíveis, bem como os programas e projetos destinados ao atendimento
dessas metas.
O art. 7º, por sua vez, estabelece que “Os Planos de Recursos Hídricos são planos de
longo prazo, com horizonte de planejamento compatível com o período de implantação de
seus programas e projetos. Os incisos I a X deste artigo estabelecem o seguinte conteúdo
mínimo para a formação do plano: diagnóstico da situação atual dos recursos hídricos; análise
de alternativas de crescimento demográfico, de evolução de atividades produtivas e de
modificações dos padrões de ocupação do solo; balanço entre disponibilidades e demandas
futuras dos recursos hídricos, em quantidade e qualidade, com identificação de conflitos
potenciais; metas de racionalização de uso, aumento da quantidade e melhoria da qualidade
dos recursos hídricos disponíveis; medidas a serem tomadas, programas a serem
desenvolvidos e projetos a serem implantados, para o atendimento das metas previstas;
prioridades para outorga de direitos de uso de recursos hídricos; diretrizes e critérios para a
cobrança pelo uso dos recursos hídricos; e propostas para a criação de áreas sujeitas a
restrição de uso, com vistas à proteção dos recursos hídricos.
No plano são definidas as prioridades para outorga de direito de uso da água,
estabelecidas as condições de operação dos reservatórios, além de orientações e regras a
serem implementadas pelo órgão gestor de recursos hídricos na concessão de outorgas, sendo
que no plano também estarão os critérios para a cobrança pelo uso dos recursos hídricos.
Enfim, o plano, como principal ferramenta técnica, reúne as informações estratégicas
para a gestão das águas na respectiva bacia hidrográfica, devendo os mesmos serem
elaborados por bacia hidrográfica, por Estado e para o país, consoante preceitua o art. 8º da
Lei nº 9.433/97; sendo que os Comitês de Bacia Hidrográficas, necessariamente, devem
participar do processo de elaboração.

4.4.2 Enquadramento dos corpos de água e suas classes

O enquadramento dos corpos de água em classes constitui um dos instrumentos mais


técnicos de gestão dos recursos hídricos. Esta classificação tem a função de definir os critérios
quanto aos usos das águas de um determinado corpo hídrico. O fundamento deste instrumento
regulador não almeja que a qualidade das águas ressuscite ao seu estado de pureza anterior à
intervenção antrópica, porém, em homenagem e exteriorização ao princípio da prevenção, tem
133

como objetivo zelar para que o resultado das atividades antrópicas não comprometam as
características de quantidade e qualidade das águas para atender às demandas das atuais e
futuras gerações, conforme inteligência do art. 9º da Lei nº 9.433/97.
Por se tratar de matéria inerente à ciência bioquímica que, portanto, foge do alcance
do conhecimento do legislador, este preferiu remeter para a legislação ambiental a produção
dos critérios para efeito da classificação das classes dos corpos de água, segundo preconizado
pelo art. 10 da Lei 9.433/97.
Desta forma, visando complementar a referida norma em branco, resultou concebida
a Resolução 357 do CONAMA, – Conselho Nacional do Meio Ambiente -, de 17 de março de
2005, a qual, na forma do seu art. 3º, dividiu as águas dos corpos hídricos em doces, salobras
e salinas para efeito de classifica-las em classes (especial, 1, 2, 3 e 4) quanto aos seus
respectivos usos e destinações, conforme preconiza o seu art. 4º.
A importância deste instrumento de enquadramento é significativa, pois mais do que
estabelecer a proteção do atual estado qualitativo dos corpos hídricos, em homenagem aos
princípios da precaução e prevenção, visa a estabelecer os níveis de qualidade pretendidos a
longo prazo, por meio de fixações de metas. Outrossim, além de constituir relevante
instrumento de gestão ambiental, o enquadramento tem reflexo no uso e ocupação do solo na
medida em que o estabelecimento do uso de um determinado corpo hídrico define a natureza
das atividades que poderão ser realizadas no seu entorno, na forma estabelecida pela
Resolução.
No entanto, na mesma linha que se apresenta o déficit de efetividade quanto à grande
parte das normas ambientais, este relevante instrumento de enquadramento dos corpos de
água também padece de aplicabilidade em muitas regiões do Brasil.
Nesta esteira, tentando entender sobre este vácuo de efetividade quanto à norma,
Granziera (2014, p. 147) explica que:

[...] em que pesem os inúmeros e estudos de propostas de enquadramento constantes


de planos de recursos hídricos, a realidade é que este instrumento de gestão não se
encontra implementado. Buscando entender as razões desse vazio normativo, cabe
ponderar que o enquadramento nos termos da Resolução CONAMA 357, é de
natureza obrigatória, o que significa que, uma vez estabelecida a classe de um
determinado corpo hídrico, seu atendimento seria exigível, inclusive pelos órgãos de
controle, como o Ministério Público.

Conforme ventilado pela referida doutrinadora, percebe-se que a ausência de


efetividade deste instrumento de gestão pode perpassar por interesses políticos de gestão
pública, os quais não necessariamente dizem respeito ao cumprimento da norma por
134

diferentes motivos, sobretudo, considerando que uma vez produzido o enquadramento em


classes, obrigatoriamente, ele deverá ser implementado, por força da própria lei.
Todavia, não é apenas isso, pois explicações existem várias: a dimensão da
complexidade em relação às diversas características das águas encontradas no território
brasileiro; a falta de conhecimento sobre as normas de gestão hídrica; a ausência de
investimentos financeiros e científicos para obtenção de dados técnicos de enquadramento; a
falta de transparência de uma política de gestão hídrica pelos poderes públicos; e a
ineficiência das atribuições de muitos Comitês de Bacias Hidrográficas.
Dito tudo isto, permite-se conceber que o enquadramento da classificação dos corpos
de água em classes constitui um significativo instrumento de gestão dos recursos hídricos,
porém, na forma que foi concebido pela Resolução CONAMA 357, a sua efetividade se
encontra comprometida por diversas razões políticas, econômicas, culturais, etc., sendo que
dentre delas, destaca-se, inclusive, a sua incompatibilidade de adaptação em algumas regiões
hidrográficas, como no caso da Amazônia, pois não parece cientificamente correto depreender
que a ausência de enquadramento de corpos hídricos venha a produzir um resultado
semelhante em todas as diferentes regiões do país, ou seja, colocando tudo no mesmo “saco”
sem considerar as peculiaridades ambientais, sociais, culturais, demográficas, econômicas e
hidrográficas de cada região.

4.4.3 Sistema de Informações sobre Recursos Hídricos

Segundo inteligência do art. 25 da Lei nº 9.433/97, o “Sistema de Informações sobre


Recursos Hídricos é um sistema de coleta, tratamento, armazenamento e recuperação de
informações sobre recursos hídricos e fatores intervenientes em sua gestão”, sendo que os
dados gerados pelos órgãos integrantes do Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos
Hídricos são incorporados ao Sistema Nacional de Informações sobre Recursos Hídricos.
Na esteira do princípio da informação, o art. 26, incisos I a III, da Lei nº 9.433/97,
estabelecem quais são os princípios básicos para o funcionamento do Sistema de Informações
sobre Recursos Hídricos, destacando: a descentralização da obtenção e produção de dados e
informações; a coordenação unificada do sistema; e o acesso aos dados e informações
garantido à toda a sociedade.
Os objetivos do Sistema Nacional de Informações sobre Recursos Hídricos estão
contemplados nos incisos I a III, do art. 27, sobretudo: reunir, dar consistência e divulgar os
dados e informações sobre a situação qualitativa e quantitativa dos recursos hídricos no
135

Brasil; atualizar permanentemente as informações sobre disponibilidade e demanda de


recursos hídricos em todo o território nacional; e fornecer subsídios para a elaboração dos
Planos de Recursos Hídricos.

4.4.4 Outorga de direito de uso dos Recursos Hídricos

Enquanto bem de domínio público de uso comum do povo, conforme previsão


constitucional, as águas são inalienáveis, sendo que o ato de outorga não implica a alienação
parcial das águas, mas o simples direito de seu uso.
Nesse sentido, o art. 11 da Lei nº 9.433/97 define que “O regime de outorga de
direitos de uso de recursos hídricos tem como objetivos assegurar o controle quantitativo e
qualitativo dos usos da água e o efetivo exercício dos direitos de acesso à água.” Conforme
inteligência do art. 14 da referida lei, “A outorga efetivar-se-á por ato da autoridade
competente do Poder Executivo Federal, dos Estados ou do Distrito Federal”, sendo que “o
Poder Executivo Federal poderá delegar aos Estados e ao Distrito Federal competência para
conceder outorga de direito de uso de recurso hídrico de domínio da União”, conforme
autoriza o seu § 1º.
Segundo preconiza o art. 12, incisos I a V, da Lei 9.433/97, estão sujeitos a outorga
pelo Poder Público os direitos dos seguintes usos de recursos hídricos: a derivação ou
captação de parcela da água existente em um corpo de água para consumo final, inclusive
abastecimento público, ou insumo de processo produtivo; a extração de água de aquífero
subterrâneo para consumo final ou insumo de processo produtivo; o lançamento em corpo de
água de esgotos e demais resíduos líquidos ou gasosos, tratados ou não, com o fim de sua
diluição, transporte ou disposição final; o aproveitamento dos potenciais hidrelétricos; e
outros usos que alterem o regime, a quantidade ou a qualidade da água existente em um corpo
de água.
Conforme estabelece o § 1º, incisos I a III, da Lei nº 9.433/97, não dependem de
outorga pelo Poder Público: o uso de recursos hídricos para a satisfação das necessidades de
pequenos núcleos populacionais, distribuídos no meio rural; as derivações, captações e
lançamentos considerados insignificantes; as acumulações de volumes de água consideradas
insignificantes.
Segundo estabelece o art. 13, “Toda outorga estará condicionada às prioridades de
uso estabelecidas nos Planos de Recursos Hídricos e deverá respeitar a classe em que o corpo
de água estiver enquadrado e a manutenção de condições adequadas ao transporte aquaviário,
136

quando for o caso”, sendo que o uso dos recursos hídricos deverá preservar o uso múltiplo
destes, na forma do seu parágrafo único.
Conforme o art. 16 e 17, incisos I a VI, da Lei nº 9.433/97, “toda outorga de direitos
de uso de recursos hídricos far-se-á por prazo não excedente a trinta e cinco anos, renovável”;
todavia poderá ser suspensa parcial ou totalmente, em definitivo ou por prazo determinado,
nas seguintes circunstâncias: não cumprimento pelo outorgado dos termos da outorga; a
ausência de uso por três anos consecutivos; por necessidade premente de água para atender a
situações de calamidade, inclusive as decorrentes de condições climáticas adversas; pela
necessidade de se prevenir ou reverter grave degradação ambiental; pela necessidade de se
atender a usos prioritários, de interesse coletivo, para os quais não se disponha de fontes
alternativas; ou pela necessidade de serem mantidas as características de navegabilidade do
corpo de água.

4.4.5 Cobrança pela utilização dos Recursos Hídricos

Segundo averba o art. 19, incisos I a III, da Lei 9.433/97, “A cobrança pelo uso de
recursos hídricos objetiva: reconhecer a água como bem econômico e dar ao usuário uma
indicação de seu real valor; incentivar a racionalização do uso da água; obter recursos
financeiros para o financiamento dos programas e intervenções contemplados nos planos de
recursos hídricos. O art. 20 da Lei 9.433/97, por sua vez, estabelece que serão cobrados os
usos de recursos hídricos sujeitos a outorga. Para a fixação dos valores a serem cobrados pelo
uso dos recursos hídricos, o art. 21, incisos I e II, fixa que devem ser observados, dentre
outros usos: nas derivações, captações e extrações de água, o volume retirado e seu regime de
variação; e nos lançamentos de esgotos e demais resíduos líquidos ou gasosos, o volume
lançado e seu regime de variação e as características físico-químicas, biológicas e de toxidade
do afluente.
O art. 22, incisos I e II, por seu turno, reza que os valores arrecadados com a
cobrança pelo uso de recursos hídricos deverão ser aplicados prioritariamente na bacia
hidrográfica em que foram gerados e serão utilizados no financiamento de estudos,
programas, projetos e obras incluídos nos Planos de Recursos Hídricos, e no pagamento de
despesas de implantação e custeio administrativo dos órgãos e entidades integrantes do
Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos.
137

5 COMITÊS DE BACIA HIDROGRÁFICAS

Discorridas as fontes, bases principiológicas, os modelos de gestão no âmbito


mundial e brasileiro, bem como sobre a repartição das competências e a Política Nacional de
Recursos Hídricos, inclusive, sobre o funcionamento do Sistema Nacional de Gerenciamento
de Recursos Hídricos, ingressamos neste quinto capítulo, o qual tem por objetivo analisar o
âmago do estudo que versa o presente trabalho: os Comitês de Bacia Hidrográfica (CBH).
Para efeito de desenvolvimento deste tópico, são tecidas abordagens sobre o conceito de
Comitê de Bacia Hidrográfica, como ele é constituído, como ele se engaja no Sistema de
Gestão dos Recursos Hídricos e quais são as suas principais atribuições.

5.1 ENTENDENDO OS COMITÊS DE BACIAS HIDROGRÁFICAS (CBH´s)

Os Comitês de Bacia Hidrográfica constituem instrumentos imprescindíveis para a


gestão dos recursos hídricos. Em uma linguagem bem simples, segundo os Cadernos de
Capacitação em Recursos Hídricos disponibilizado pela ANA (2011, p. 17): “o Comitê de
Bacia é o fórum onde um grupo de pessoas se reúnem para discutir sobre diferentes interesses
sobre o uso da água na bacia.”
Em homenagem ao princípio da participação, os Comitês de Bacia, compostos pelos
entes do Estado (Estado e Municípios), os usuários e organismos da sociedade civil,
constituem fóruns consultivos e deliberativos acerca da gestão hídrica nas suas respectivas
bacias hidrográficas.
Discorrendo sobre os Comitês de Bacia, Granziera (2014, p.161) enfatiza:

Criados com o intuito de prover a necessária gestão descentralizada entre todos os


órgãos e entidades atuantes na política do uso de recursos hídricos, os comitês atuam
como um órgão colegiado, com funções consultivas e deliberativas, sendo
consideradas a instância mais importante de participação e integração do
planejamento e das ações na área dos recursos hídricos, posto que se trata do fórum
de decisão sobre a utilização da água no âmbito das bacias hidrográficas.

Conforme demonstrado na seção 2.2., os interesses sobre o uso das águas são
múltiplos, representados por segmentos socioeconômicos que defendem interesses que, em
várias situações, são conflitantes. A diversidade de interesses sobre o uso da água, a
distribuição desigual e o uso inadequado têm gerado conflitos e ameaçado a garantia desse
138

recurso para as gerações presentes e futuras. Rever esse quadro e estabelecer acordos entre os
múltiplos usos demandam arranjos institucionais que permitam a conciliação dos diferentes
interesses e a construção coletiva das soluções. Conflitos como esses não deveriam ser
tratados ou solucionados em espaços confinados, orientados somente pelas diretrizes
governamentais ou soluções técnicas, sem um ambiente público que permitisse a
transparência do processo de negociação e a participação de todos os sujeitos envolvidos,
direta ou indiretamente, no problema. Nesse sentido, o Comitê se constitui num ambiente
favorável à resolução de tais conflitos. Uma das atribuições mais relevantes dos CBH´s é
estabelecer um conjunto de mecanismos e de regras, decididas coletivamente, de forma que os
diferentes interesses sobre os usos da água na bacia sejam discutidos e negociados
democraticamente em ambiente público, com transparência no processo decisório, buscando
prevenir e dirimir conflitos. Essas regras devem ser avaliadas sob o aspecto da bacia
hidrográfica, após considerados os aspectos técnicos e os diferentes pontos de vista dos
membros dos CBH.

5.2 ESTRUTURAS LEGAIS DOS COMITÊS DE BACIA

Enquanto organismo criado por força de lei e dotado de personalidade pública, as


estruturas jurídicas que balizam as atividades dos Comitês de Bacia decorrem do ordenamento
jurídico. A constituição, o funcionamento e as atribuições dos CBH´s tem assento nas leis
federais e estaduais. Para melhor compreensão sobre o arcabouço legal que normatiza os
CBH´s sob a órbita federal, passa-se a examiná-lo sob dois eixos: acerca das bacias que se
encontram no interior do território nacional; e das bacias que albergam rios transnacionais, ou
transfronteiriços.

5.2.1 Comitês de Bacia Hidrográfica na Política Nacional de Recursos Hídricos

Em homenagem ao princípio da participação e da gestão democrática das águas, para


efeito de composição do SNGRH, a PNRH concebeu a criação dos CBH´s como um dos
integrantes do referido sistema, segundo fixado no seu art. 33, inciso III.
As competências dos CBH´s são relevantes e, enquanto organismo de orientação de
políticas públicas, as suas deliberações gozam de capacidade de orientar as políticas públicas
no sentido de dotar de efetividade a gestão hídrica. Estas competências estão descritas nos
incisos I a IX do art. 38 da PNRH, in verbis:
139

Art. 38. Compete aos Comitês de Bacia Hidrográfica, no âmbito de sua área de
atuação:
I - promover o debate das questões relacionadas a recursos hídricos e articular a
atuação das entidades intervenientes;
II - arbitrar, em primeira instância administrativa, os conflitos relacionados aos
recursos hídricos;
III - aprovar o Plano de Recursos Hídricos da bacia;
IV - acompanhar a execução do Plano de Recursos Hídricos da bacia e sugerir as
providências necessárias ao cumprimento de suas metas;
V - propor ao Conselho Nacional e aos Conselhos Estaduais de Recursos Hídricos as
acumulações, derivações, captações e lançamentos de pouca expressão, para efeito
de isenção da obrigatoriedade de outorga de direitos de uso de recursos hídricos, de
acordo com os domínios destes;
VI - estabelecer os mecanismos de cobrança pelo uso de recursos hídricos e sugerir
os valores a serem cobrados;
IX - estabelecer critérios e promover o rateio de custo das obras de uso múltiplo, de
interesse comum ou coletivo.

Oportuno salientar que, na forma concebida pelo artigo 38 da Lei nº 9.433/97, dentre
outras atribuições, compete aos Comitês de Bacia Hidrográfica aprovar e executar o Plano de
Recursos Hídricos da bacia, propor ao Conselho de Recursos Hídricos os critérios de pouca
expressão para efeito de isenção de obrigatoriedade de outorga, bem como estabelecer
mecanismo de cobrança pelo uso de recursos hídricos e sugerir valores a serem cobrados:
Considerando que o Plano de Recursos Hídricos da bacia representa o instrumento
“âncora” para a gestão da bacia, tendo de ele ser, necessariamente, aprovado pelo respectivo
Comitê que lhe dará exequibilidade e estabelecerá os mecanismos de cobrança pelo uso dos
recursos hídricos, percebe-se que a constituição de CBH´s organizados e pautados por um
modelo de gestão com autonomia política, administrativa e financeira, representa condição
sine qua non para a viabilização econômica e implementação efetiva das políticas de recursos
hídricos.
A composição do Comitê de Bacia Hidrográfica, por sua vez, está prevista no art. 39
da PNRH, a qual delimita o número de participantes dos setores interessados no Comitê,
discorre sobre os Comitês em zona de fronteira, bem como estabelece critérios para a
formação dos Comitês em terras indígenas, in verbis:

Art. 39 - Os Comitês de Bacia Hidrográfica são compostos por representantes


I - da União;
II - dos Estados e do Distrito Federal cujos territórios se situem, ainda que
parcialmente, em suas respectivas áreas de atuação;
III - dos Municípios situados, no todo ou em parte, em sua área de atuação;
IV - dos usuários das águas de sua área de atuação;
V - das entidades civis de recursos hídricos com atuação comprovada na bacia.
§ 1º O número de representantes de cada setor mencionado neste artigo, bem como
os critérios para sua indicação, serão estabelecidos nos regimentos dos comitês,
limitada a representação dos poderes executivos da União, Estados, Distrito Federal
e Municípios à metade do total de membros.
140

§ 2º Nos Comitês de Bacia Hidrográfica de bacias de rios fronteiriços e


transfronteiriços de gestão compartilhada, a representação da União deverá incluir
um representante do Ministério das Relações Exteriores.
§ 3º Nos Comitês de Bacia Hidrográfica de bacias cujos territórios abranjam terras
indígenas devem ser incluídos representantes:
I - da Fundação Nacional do Índio - FUNAI, como parte da representação da União;
II - das comunidades indígenas ali residentes ou com interesses na bacia.
§ 4º A participação da União nos Comitês de Bacia Hidrográfica com área de
atuação restrita a bacias de rios sob domínio estadual, dar-se-á na forma estabelecida
nos respectivos regimentos.

Desta forma, sendo o CBH o parlamento das águas no âmbito de uma bacia
hidrográfica, ele constitui fórum participativo e de integração entre o Estado e a sociedade
civil na gestão dos recursos hídricos, razão pela qual as suas deliberações ostentam
significativa importância não apenas de ordem socioeconômica regional, mas também de
geopolítica hídrica, que por razões plausíveis, em certas situações, reservam a participação da
União e dos indígenas, conforme o art. 39, §§ 2º e 3º, incisos I e II, da Lei 9.433/97.

5.2.2 Comitês nas bacias dos rios transfronteiriços: Resolução nº 05 do CNRH

Esta Resolução do CNRH foi concebida para atender o disposto no parágrafo único
do art. 37, bem como o art. 39, inciso I, § 2º, da Lei 9.433/97. Quando da existência de rios
transfronteiriços, os Comitês de Bacia destas regiões hidrográficas demandam procedimento
especial para a sua formação, justificado por política de segurança nacional. O parágrafo
único do art. 37 estabelece que “a instituição de Comitês de Bacia Hidrográfica em rios de
domínio da União será efetivada por ato do Presidente da República”.
No mesmo sentido, e justificada por política de segurança nacional, esta Resolução
tem o fim de complementar o disposto no art. 39, inciso I, § 2º, o qual exige que a União
venha a compor os CBH´s, por um representante do Ministério das Relações Exteriores, nas
bacias de rios fronteiriços e transfronteiriços de gestão compartilhada.
Estes CBH´s devem contar com a participação da União Federal que atuará em
articulação com o Estado, conforme exige a Resolução nº 05, de 10 de abril de 2000, do
CNRH, o que torna mais complexo o processo, porém, necessário. Todavia, se por um lado tal
procedimento especial torna a constituição do CBH mais complexa, por outro pode agregar
mais força política, científica e tecnológica em face da intervenção da União, como
demonstrado pela elaboração do Plano Estratégico dos Afluentes da Margem Direita do Rio
Amazonas (MDA).
141

5.3 PRINCÍPIO DA PARTICIPAÇÃO E INTEGRAÇÃO

O princípio da participação emerge do direito de todos ao meio ambiente


ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo, impondo ao Poder Público e toda a
coletividade o dever de defender e preservar o meio ambiente para as presentes e futuras
gerações, conforme preconiza o art. 225 da Carta Constitucional.
A participação, premissa basilar de um Estado Democrático de Direito, não somente
foi adotada pela Constituição Federal, mas também incorporada como princípio de direito
ambiental por força da hermenêutica constitucional, conforme mais detalhadamente teve-se a
oportunidade de ver na seção 3.8.
O fenômeno de democratização ocorrido nos últimos transcendeu barreiras,
convergindo para um estímulo à participação direta da sociedade nos assuntos públicos, como
por exemplo: a participação na elaboração de orçamentos municipais, etc.
Nesta senda, defendendo a idealização de um Contrato Mundial da Água, enquanto
ferramenta de articulação entre os poderes públicos e a sociedade civil, Petrella (2002, p. 37)
pregava um modelo participativo no gerenciamento integrado dos recursos hídricos
constituído por comunidades locais, grupos de cidadãos e sociedades cooperativas:

Nos dias de hoje, a desestatização da água como foi definida antes envolve um novo
sistema de regulamentação e controle que, ao seguir os princípios, regulamentos e
estrutura do Contrato Mundial da Água, confia o gerenciamento integrado da água a
organismos públicos tais como comunidades locais, grupos de cidadãos, redes de
aldeias ou cidades e sociedades cooperativas.

Outrossim, dentre os meios de ação para a concretização dos propósitos idealizados


no Contrato Mundial da Água, Petrella (2002, p. 141) destaca a importância participativa e
comunitária das comunidades locais, justificando que:

O espírito que imbui a abordagem do Contrato Mundial da Água (...) é participativa


(acreditamos profundamente em uma busca cooperativa pelas melhores soluções no
interesse geral, não em uma competição que satisfaz os interesses do vencedor); é
comunitária (direitos e obrigações com relação à água são individuais e coletivos,
sendo as comunidades locais os sujeitos principais para o
gerenciamento/conservação do patrimônio comum em nome da comunidade
mundial e como seu depositário);[...].

No entanto, para alcançar os objetivos definidos no Contrato Mundial da Água,


Petrella (2002, p. 142) aponta como condição inarredável o apoio, o envolvimento e a
cooperação de quatro atores sociais: parlamentares; movimentos comunitários e organizações
142

da sociedade civil; cientistas, intelectuais e mídia; e sindicatos. Definindo que esses quatro
setores devem:

- pressionar governos e estruturas econômicas importantes (acima de tudo, as


grandes corporações);
- alertar e mobilizar a opinião pública (especialmente no setor da educação, nos
locais de trabalho, entre consumidores e na rede de pequenas empresas);
- estimular a inovação com relação à elaboração de leis, aos valores e às práticas
econômicas e sociais.

Nesse sentido, refletiu os esforços dos movimentos sociais que conceberam arranjos
institucionais e viabilizaram a participação de segmentos da sociedade comprometidos com a
gestão dos recursos hídricos, sendo o CBH o “motor” dessa nova forma de fazer política:
descentralizada por bacia hidrográfica e com a participação do Poder Público, das
organizações da sociedade civil e dos usuários.
Neste contexto, oportunos se apresentam as inferições produzidas pela ANA -
Agência Nacional de Águas (2011, p. 18) quanto às formas de participação (consultivas e
deliberativas) dos Comitês de Bacia na gestão dos recursos hídricos:

As diversas formas de participação são importantes para construção de uma


sociedade democrática. Entretanto, algumas formas de participação são apenas
consultivas, ou seja, funcionam como uma instância de consulta à sociedade
podendo suas decisões ser, ou não, implementadas. Eis a diferença: os comitês de
bacia hidrográfica diferem de outras formas de participação previstas nas demais
políticas públicas, pois tem como atribuição legal deliberar sobre a gestão da água
fazendo isso de forma compartilhada com o poder público. A isso se chama poder de
Estado, tomar decisões sobre um bem público e que devem ser cumpridas. O comitê
passa, então, a definir as regras a serem seguidas com relação ao uso das águas. Aos
órgãos gestores de recursos hídricos cabem fazer que estas regras sejam postas em
prática por meio do seu poder de regulação.

Portanto, composto por uma diversidade de atores públicos e privados, o Comitê de


Bacia representa a expressão máxima do Princípio da Participação na gestão democrática,
descentralizada e integrada dos recursos hídricos na área de abrangência de uma bacia para a
deliberação de medidas a serem adotadas pelos gestores públicos.

5.4 O MODELO DO COMITESINOS

Pelo fato de ser pioneiro no Brasil e referência em gestão integrada e participativa


quanto à gestão dos recursos hídricos, destaque especial merece o Comitê de Gerenciamento
da Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos (COMITESINOS), situado no Rio Grande do Sul, o
143

qual foi investigado para efeito de elaboração da pesquisa que consubstancia o presente
trabalho.
O COMITESINOS foi criado em 1988, pelo Decreto Estadual 32.774, antes da
promulgação da Lei Estadual de Recursos Hídricos (Lei nº 10.350/94); ou seja, o Comitê foi
concebido antes da Lei Federal nº 9.433/97.
Em entrevista realizada com a Secretaria Executiva do COMITESINOS, Profa. Dra.
Viviane Nabinger (ANEXO D), restou possível resgatar um pouco da história e das atividades
deste Comitê que tem 26 anos de experiência, sendo que ela, a entrevistada, participa há 25
anos.
Segundo a entrevistada, o COMITESINOS foi criado por força dos fortes
movimentos ambientalistas, associações e ONG´s existentes na região do Vale dos Sinos que,
na década de 1980, passaram a se insurgir contra a contaminação hídrica produzida pela
indústria calçadista e de cortumes que, tradicionalmente, exercem as suas atividades na região
do Rio dos Sinos.
A Universidade do Rio dos Sinos (UNISINOS), cujo campus se encontra a sede do
Comitê, é a sua grande parceira. Para orientar o Comitê, inicialmente, a UNISINOS promoveu
a capacitação de alguns professores para conhecer o modelo adotado na França – e assim
concebeu a sua estrutura organizacional. Além da sede do COMITESINOS, a UNISINOS
oferece estrutura mediante telefone, internet e computadores. O COMITESINOS é composto
por diversas instituições públicas e privadas e conta com um grupo técnico capacitado,
formado não apenas por pesquisadores, professores e alunos da UNISINOS, mas também de
outras instituições. A UNISINOS não remunera nenhum dos membros dos COMITESINOS.
As receitas auferidas pelo COMITESINOS são decorrentes de verbas do Governo do Estado
(R$100.000,00 no ano de 2015) e projetos ambientais que participa. Estes projetos ambientais
são a principal fonte de receita do COMITESINOS. Nestes projetos, o COMITESINOS
engaja alguns membros do corpo docente da UNISINOS, bem como os acadêmicos, os quais
somente passam a ser remunerados dependendo da extensão, complexidade e volume de
recursos oriundos dos projetos. Um exemplo destes projetos é o “VerdeSinos”, patrocinado
pelo programa Socioambiental da Petrobrás, cujo objetivo é o processo de recuperação da
mata ciliar para a conservação das áreas úmidas remanescentes na Bacia Hidrográfica do Rio
dos Sinos. Em outros projetos, com o apelo à educação ambiental, o COMITESINOS engaja a
própria comunidade para a coleta de dados visando à produção da pesquisa científica, como
por exemplo o Projeto Dourado, que visa capacitar agentes promotores da educação na região
144

sobre a bacia dos Sinos, seus aspectos ambientais e da gestão de recursos hídricos para que
tais informações possam ser difundidas para a população local dos Municípios.
Outro grande parceiro do COMITESINOS é o Ministério Público do Estado do Rio
Grande do Sul. Muitas das atividades desenvolvidas pelo Ministério Público na Bacia dos
Sinos são concatenadas com o COMITESINOS. Quando questionada sobre esta articulação
institucional entre o Ministério Público e o Comitê, a entrevistada foi taxativa: “qualquer
coisa em tema de águas na região da bacia dos sinos, o Ministério Público consulta o
COMITESINOS”.
O engajamento do COMITESINOS com a sociedade civil, as entidades da indústria
e as instituições públicas é de tal forma que atualmente está trabalhando em mais de 30
projetos simultâneos. As reuniões do Comitê que eram para se realizar bimestralmente,
ocorrem duas vezes por mês.
Em análise ao material de apoio dispensado pelo COMITESINOS para a elaboração
desta pesquisa, pode-se observar que a participação da sociedade permeia os mais diversos
setores. Existe, efetivamente, uma gestão participativa e integrada em relação aos recursos
hídricos, sem intervenções de natureza político-ideológica ou partidária.
Atualmente, o Presidente do COMITESINOS é representante da indústria dos
cortumes. Questionado à entrevistada se o fato do atual presidente do COMITESINOS ser
representante da indústria não compromete as atividades do Comitê, ela foi enfática:
“Absolutamente. Os empresários da região atingiram um grau de maturidade que eles mesmos
apoiam e tomam iniciativas quanto às atividades do Comitê. Não existe como o empresário
não se comover com a relevância das atividades desenvolvidas. Elas são muito importantes
para a comunidade. Durante um período, foi o empresariado da região, mediante
contribuições voluntárias, que sustentaram financeiramente o COMITESINOS.”
Em conclusão à pesquisa desenvolvida no COMITESINOS, permite-se conceber que
o mesmo constitui um modelo a ser seguido, haja vista o grau de maturidade política e
financeira que constituiu ao longo dos seus 26 anos de existência.
145

6 A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS E OS COMITÊS DE BACIA


HIDROGRÁFICAS NO ESTADO DO AMAZONAS

Após discorridas as fontes e bases principiológicas que fundamentam o direito de


águas, a gestão dos recursos hídricos no mundo e no Brasil, bem como em relação aos
Comitês de Bacia Hidrográficas, ingressa-se nesta última seção, a qual tem por objetivo
analisar a no ponto nevrálgico do estudo, especificamente, na temática relativa à gestão dos
recursos hídricos no Estado do Amazonas.
Para efeito de desenvolvimento deste tópico, foi realizada uma análise sobre o
contexto hídrico e sociocultural regional, a Política Estadual de Recursos Hídricos, os seus
instrumentos, bem como sobre os Comitês de Bacia Hidrográficas dos rios Tarumã-Açu
(CBH-T) e Puraquequara (CBH-P), os seus respectivos modelos de gestão, suas atividades,
seus problemas estruturais, dificuldades e desafios, sendo, por fim, apresentadas alternativas
propositivas visando a remoção dos entraves que obstruem a consecução dos seus objetivos
institucionais.
A pesquisa trata, sobretudo, acerca dos desafios à gestão dos recursos hídricos no
Estado do Amazonas e a atuação dos Comitês de Bacia Hidrográfica do Rio Tarumã-Açu
(CBH-T) e Puraquequara (CBH-P).

6.1 CONTEXTO HIDROSSOCIAL NO ESTADO DO AMAZONAS

Desde os tempos mais longínquos, por motivos geoestratégicos, as civilizações vêm


sendo constituídas próximas às águas. As cidades da Mesopotâmia, ocupadas pelos Sumérios
(2.000 a.C.), situavam-se na bacia dos rios Tigres e Eufrates, as cidades dos Incas (1.463-
1.532), localizavam-se próximas da bacia amazônica, e assim tantas outras. Hodiernamente,
não é diferente: Lisboa à margem do rio Tejo, o Rio de Janeiro, junto ao oceano Atlântico,
Londres, às margens do rio Tâmisa, Montevidéu junto ao Rio do Prata, e assim por diante; ou
seja, o processo civilizatório evoluiu às margens dos corpos hídricos, e com ele, também, a
desordenação demográfica.
Na região amazônica, tal contexto não foi diferente, todavia com um único
diferencial, nela, “o rio comanda a vida”, conforme o cenário literário desenhado por
Tocantins (2000) em sua consagrada obra cujo nome define com propriedade as
particularidades do contexto da região. Existem relatos que comunidades indígenas ocupavam
a região amazônica há muitos séculos, sendo que muitas tribos tinham os seus territórios às
146

margens dos corpos hídricos. A relação existente entre o homem da Amazônia e às águas é
umbilical, porquanto às águas se fizeram presentes em todo o processo sociocultural da região
desde os tempos mais remotos até os dias atuais, representando muito mais do que meros
vínculos geográficos circunstanciais, mas também uma identidade etnográfica que o
diferencia dos povos de outras regiões. Fazendo menção a tal fenômeno, Fonseca (2011, p.
173) justifica que:

Tanto os trabalhos científicos quanto as obras literárias mostram que a relação do


homem com o rio tem fundamento cultural. Nas outras regiões os homens são filhos
da terra (nasci em Alagoas, sou do oeste do Paraná, queijo de Minas, vinho da Serra
Gaúcha, praias de Santa Catarina, carne de São Paulo, etc.), mas na Amazônia todos
são filhos dos rios (nasci no Purus, sou do Madeira, borracha do Juruá, peixe do
Solimões, praias do Rio Negro, carne do baixo Amazonas etc.).

Na Amazônia as estradas são os rios. Na destacada obra de Tocantins (2000), o autor


desenha o contexto histórico da Amazônia e o seu processo civilizatório, sempre fazendo
referência aos rios: desde as expedições espanholas para demarcação do Tratado de
Tordesilhas; passando pelos índios e as lendas das mulheres guerreiras denominadas de
Amazonas; depois sobre os processo climatológicos da região e as enfermidades decorrentes
do ambiente; em seguida, aborda sobre o apogeu econômico decorrente da extração da
borracha e as dificuldades de logística; mais adiante discorre sobre os aspectos sociais
existentes entre os patrões, seringueiros e ribeirinhos, entre outros tantos temas socioculturais
da região amazônica; porém, sempre reverenciando às águas da bacia hidrográfica amazônica,
enquanto cenário e vetor do destino da sociedade da Amazônia.

6.1.1 Socioambientalismo e diversidade cultural

Não diferente da Amazônia, a grande extensão territorial do Estado do Amazonas se


encontra diretamente proporcional a sua complexidade sociocultural, caracterizada por
acentuadas diferenças, o que não pode ser explicado por apenas uma única concepção, mas
por um conjunto de fatores transdisciplinares, a iniciar pela análise do comportamento
humano em sua dimensão biológica com relação à sua adaptação ao clima de floresta tropical
úmida. A dinâmica da constituição do povo da Amazônia, que até meados do século XX era
composto por descendentes do processo de colonização europeu e da escravização do índio
combinados com a migração de nordestinos, e a partir de então passou a ser migrado por
brasileiros de outras regiões do Brasil, seguindo o mesmo processo ocorrido em outras regiões
147

do Brasil na formação da população brasileira. Neste sentido, revela-se oportuna a conclusão


de Batista (2006, p. 123) para efeito de esclarecer este fenômeno etnográfico:

Portanto, embora predominando o sangue índio, na população da Amazônia, podem


ser considerados presentes elementos das três etnias (caucasoide, mongoloide e
negróide) da mesma forma que na população brasileira, em geral.
E será isto um mal ? Decorrerá daí o atraso da Amazônia e a dificuldade de dominá-
la, pela fixação do homem ?
Excluindo a concepção da superioridade das raças, que já levou a superdesenvolvida
Alemanha a perder duas guerras, é preciso convir que há uma superioridade cultural
de raças. O branco da Europa e da América do Norte é civilizado não por causa do
pigmento da pele ou da conformação do crânio, e sim por ter atrás de si mais de um
milênio de cultura, a que se incorporaram as heranças oriental, da Grécia, do
Império Romano e do Cristianismo.

Desde o final do século XIX as teorias raciológicas tiveram influência na explicação


da sociedade brasileira e a Amazônia também sofreu o reflexo desse processo. A propalada
alegação de que a Amazônia era uma região atrasada em decorrência das características das
raças que constituem o seu povo é racista e expressão de um “darwinismo social”. A essência
étnica do povo da Amazônia é a mesma da formação mestiça brasileira.
Ainda nesta esteira, merece destaque a afirmação de Ortiz (2005, p. 13) quando
discorre sobre a formação de uma identidade nacional e as teorias raciais brasileiras do século
XIX: “A questão racial tal como foi colocada pelos precursores das Ciências Sociais no Brasil
adquire na verdade um contorno claramente racista, mas aponta, para além desta constatação,
um elemento que me parece significativo e constante na história da cultura brasileira: a
problemática da identidade nacional.” A questão da identidade sociocultural do homem da
Amazônia não pode ser concebida como unidade antropológica.
A essência etnográfica do povo da Amazônia é diferente do europeu ocidentalizado.
Embora sejam, não raras vezes, desprezados pela ciência, os conhecimentos tradicionais
produzidos são preciosos para se compreender diversos ciclos naturais de diversas áreas do
conhecimento. Além disso, a biodiviersidade existente Amazônia dispensa relevantes
contribuições no processo de sustentabilidade local, nacional e internacional. Discorrendo
sobre a biodiversdidade e destacando o entendimento de Sachs (2008) acerca da importância
dos etnoconhecimentos produzidos na Amazônia como legado para o mundo inteiro, todavia,
com elevado custo ao povo da Amazônia, sem a respectiva retribuição social, afirmam Lira,
Costa, Fraxe e Witkoski (Fraxe et all, 2011, p.65):

As suas características e propriedades, tais como ser a mais significativa fonte de


biomassa renovável do mundo, o que levou Sachs (2008) a propor a ´invenção de
uma moderna civilização da biomassa`, a mais importante bacia de água doce do
148

mundo, a mais expressiva de fonte de recursos ictiofaunístico, os seus incalculáveis


recursos florestais, biotecnológicos e, fundamentalmente, o etnoconhecimento de
suas populações tradicionais, entre outros atributos, é claro, representam riquezas
inestimáveis para esses povos, para o Brasil e para o mundo inteiro.
Os processos de desenvolvimento na região, entrementes, andam na contramão
dessa riqueza quando se trata de promoção de formas de desenvolvimento
socialmente justa, economicamente viável e ambientalmente correta.

Não se pode pensar um modelo de cultura para a Amazônia com traços,


exclusivamente, exploratórios. As políticas públicas para a Amazônia são construídas fora da
Amazônia. Este nefasto contexto precisa ser revisto. O Brasil e o mundo têm uma dívida
incomensurável de natureza ambiental, econômica e, sobretudo, social, com o povo da
Amazônia.
Muitas das políticas públicas e culturas concebidas para o continente europeu não
são suscetíveis de aplicabilidade na Amazônia. Compelir a região a um modelo social
“europeutizado” é um erro, haja vista a diferença de todo um contexto sociocultural e
climático característico entre as regiões. Dentro da Amazônia existem diversas Amazônias,
ocorrendo o mesmo fenômeno no Estado do Amazonas, pois a cultura, a política, a economia,
os costumes, o modelo de vida e os critérios axiológicos da sociodiversidade dos seus
habitantes são diferentes: o povo do centro urbano de Manaus é diferente do quilombola que é
diferente do ribeirinho que é diferente do caboclo que é diferente das comunidades indígenas.
Dito isto, e considerando as acentuadas diversidades etnográficas existentes entre a
Amazônia e o Estado do Amazonas, em relação às demais regiões do Brasil e do mundo, é
permitido questionar se o atual modelo de gestão dos recursos hídricos adotado pelo Estado é
compatível às diretrizes cominadas pela legislação federal brasileira cuja origem, diga-se de
passagem, é europeia, sobretudo, francesa; ou seja, concebida para atuar em regiões com
características hidrográficas e sociais em muito diferentes das encontradas na Amazônia e, em
especial, no Estado do Amazonas, onde existe baixa densidade demográfica e dificuldades de
logística em razão da sua imensidão hidrográfica e territorial.
Com o propósito de não fugir da delimitação que consiste o objeto da temática da
pesquisa, a qual recai sobre a gestão dos recursos hídricos no Estado do Amazonas, merecem
destaques outras peculiaridades, as quais doravante passarão a ser apreciadas.
149

6.1.2 Água potável e saneamento básico

Fazendo uma incursão sobre a obra citada de autoria de Tocantins, a qual se constitui
um clássico da cultura da Amazônia, merece destaque a sua descrição (2000, p.228) quanto ao
contexto histórico de Manaus de meados para o final do século XIX e início do século XX:

De uma aldeola dos índios manaus, o antigo lugar da Barra se transformara num dos
mais importantes centros do mundo tropical, graças à vitalidade econômica da
borracha, que lhe deu vida, riqueza e encantos, como na antiguidade o comércio
intenso no Mediterrâneo e no Adriático possibilitou a Roma, Florença e Veneza um
papel preponderante na economia, nas artes, nas letras e na arquitetura da Europa.
E não deixa de impressionar a obra urbanizadora da capital, creditada ao Governador
Eduardo Ribeiro, o “Pensador” (assim os amazonenses costumavam chamá-lo). A
topografia da cidade, antes de Eduardo Ribeiro, vislumbrava-se em cortes
hidrográficos: era o Igarapé do Salgado, o igarapé Castelhana, o igarapé da Bica, o
igarapé do Espírito Santo, o igarapé de Manaus, o igarapé da Cachoeirinha, o
igarapé de São Raimundo, o igarapé dos Educandos.
Se o “Pensador” quisesse teria transformado Manaus numa Veneza tropical, onde
não faltaria o tráfego intenso de embarcações, varando os quintais das casas,
abordando as fachadas e os jardins dos palacetes. Mas o Governador Eduardo
Ribeiro preferiu aterrar os caudais em benefício de um urbanismo funcional, que
lutou contra a natureza até fazer secar os pequenos cursos d‟água, transformados
agora, em amplas vias públicas.

Considerando essas sucintas abordagens etnográficas sobre o Estado do Amazonas,


resulta permitido concluir que as águas sempre se encontraram no centro de todas as
atividades que constituíram o processo evolutivo da região, e aquele cenário descrito por
Tocantins (2000, p. 75) talvez ajude a explicar o porquê a urbanização da cidade de Manaus,
empregada como cenário da problemática abordada, cresceu de uma forma desordenada, sem
planejamento urbano, desprovida de ruas e avenidas largas, com calçadas curtas e
desuniformes, sem um traçado quadriculado, sem esgotamento sanitário e, consecutivamente,
sem compromisso com a qualidade das águas existentes em abundância no seu entorno.
Perfazendo estudo sobre as águas urbanas e as suas interfaces no gerenciamento,
sobretudo, em relação aos impactos decorrentes do aumento da densidade demográfica, Tucci
(2005, p.381) afirma que:

O rápido processo de urbanização e a carência em infraestrutura, principalmente de


esgotamento sanitário e limpeza pública, contaminam o meio ambiente urbano e
comprometem a bacia hidrográfica em que estão inseridos. As principais causas
dessa contaminação envolvem: I) Despejo sem tratamento dos esgotos sanitários nos
rios que possuem capacidade limitada de diluição e autodepuração, contaminando-
os. Isso é consequência da falta de investimentos nos sistemas de esgotamento
sanitário e estações de tratamento e, mesmo quando existem, apresentam baixa
eficiência; II) O despejo das águas pluviais transporta grande quantidade de poluição
orgânica e de metais que atingem os rios nos períodos chuvosos. Representa
150

importante fonte de poluição difusa; III) Contaminação das águas subterrâneas por
despejos industriais e domésticos por meio dos tanques sépticos, e vazamentos dos
sistemas de esgoto sanitário e pluvial; IV) Depósitos de resíduos sólidos urbanos que
contaminam as águas superficiais e subterrâneas, funcionando como fonte
permanente de poluição; V) Ocupação do solo urbano sem controle adequado do seu
impacto sobre o sistema hídrico.

Analisando as afirmações de Tucci (2005), resulta possível sobrepô-las ao contexto


do Estado do Amazonas, onde constatam-se à flagrância todos aqueles problemas elencados.
Em estudo sobre o impacto do crescimento urbano na região da cidade de Manaus, empregada
enquanto amostra empírica para balizar a pesquisa deste estudo, Nozawa, Galuch, Aride e
Honda (2010, p. 135) acentuam:

Até a década de 60, o processo de colonização foi baseado no processo extrativista,


caracterizado pelo uso contínuo dos seus recursos naturais, vistos erroneamente,
como inesgotáveis. No ano de 1967 ocorreu a implementação do modelo econômico
da Zona Franca de Manaus (ZFM) visando à integração nacional através do processo
de industrialização, com um rápido crescimento populacional, que foi caracterizado
por um intenso processo migratório e uma nova dinâmica na área urbana, que foi
avançando em direção à floresta primária [...]. A partir da década de 70, o Estado
transformou a região amazônica em uma nova fronteira da política de
desenvolvimento, com incentivos que priorizavam o uso de recursos naturais, como
a madeira, a mineração, construção de hidrelétricas dentre outras atividades [...]. Na
cidade de Manaus vivem mais de 50% de toda a população do Estado do Amazonas.

Respeitando as particulares sociais, econômicas e demográficas de cada Estado que


constitui a região amazônica, o crescimento desordenado de Manaus não é muito diferente da
maioria das cidades da Amazônia, pois as políticas públicas quanto à distribuição de água
tratada e saneamento básico não acompanharam o crescimento demográfico. Nas maiores
aglomerações urbanas, habitualmente, se verifica esgotos a céu aberto, águas servidas
correndo pelas ruas e avenidas, bem como taludes, aquedutos e outras construções para
escoamento de águas atoladas de resíduos sólidos.
Para a identificação desta caótica situação, não é preciso pesquisar muito, basta
perambular pelas ruas e avenidas de algumas cidades para constatar in loco a dimensão de tal
problemática, conforme pode ser observado na Figura 1, a seguir.
151

Figura 1: Poluição hídrica decorrente da falta de saneamento básico no igarapé da


Cachoerinha, em Manaus

Fonte: o autor, mai. 2015.

O contexto climático singular do bioma amazônico quando conjugado à ausência de


saneamento básico representa outro grande problema. Enquanto floresta tropical úmida, os
fenômenos hidrológicos de vazantes e enchentes, em determinadas épocas do ano, culminam
em acentuar a gravidade da contaminação hídrica, uma vez que os esgotamentos domiciliares
e os resíduos descartados de forma indevida pelas comunidades, não só diminuem a
quantidade de oxigênio dissolvido e alteram a temperatura das águas, mas também atuam
como barreiras ao escoamento natural das águas, o que eleva as temperaturas dos centros
urbanos em decorrência da formação de ilhas de calor, modificando, substancialmente, os
microclimas das regiões com maior densidade demográfica, segundo pode ser observado, por
exemplo, na cidade de Manaus, onde são acentuadas as diferenças de temperatura. Além
disso, a conjugação destes fatores culminam em produzir outros efeitos perversos em relação
às cada vez mais raras espécimes da fauna nativa amazônica que ainda resistem em sobreviver
nas regiões urbanas, conforme pode ser observado na Figura 2, a seguir.
152

Figura 2: Jacaré agonizando dentro do parque do Mindú (Manaus)

Fonte: o autor, jun.2015.

Como bem ilustra a foto acima, nem mesmo os animais que se encontram no interior
das Unidades de Conservação, onde, em tese, deveriam estar protegidos, se encontram a salvo
da poluição hídrica dos igarapés.
Outro crasso problema existente na região diz respeito ao uso indiscriminado das
águas subterrâneas por meio da perfuração de poços para suprir o abastecimento público e
privado cada vez mais profundos em face da contaminação decorrente da ausência de
saneamento básico, o que está a rebaixar a camada hídrica em alguns pontos excessivamente
urbanizados.
No mesmo diapasão de preocupação quanto à gestão hídrica urbana de Manaus,
sobretudo, discorrendo sobre o uso indiscriminado das águas subterrâneas, a deficiência dos
serviços de saneamento básico e a poluição hídrica em Manaus, Nozawa (2010, p. 135)
descreve :

[...]. A partir do final da década de 70, a Companhia de Pesquisa de Recursos


Minerais (CPRM) iniciou o processo de perfuração de poços na cidade de Manaus,
atingindo profundidades máximas de 230 metros. Na cidade de Manaus, a água de
poços e fontes vem sendo amplamente utilizada para abastecimento humano,
irrigação e lazer [...]. Estudos sobre a química das águas na região da cidade de
Manaus demonstram que na década de 80 e 90, a água de Manaus apresentava
pureza compatível com a da água destilada. Apesar da abundância de água per capta,
há problemas de saneamento básico, o processo de urbanização desordenado,
associado à problemática dos resíduos urbanos e industriais estão modificando este
padrão de potabilidade das águas de escoamento [...]. Com a infra-estrutura urbana e
sanitária deficiente, os corpos de água têm sofrido cada vez mais com a pressão de
despejo de esgotamento doméstico e de deposição de lixo (resíduos sólidos)
provenientes das moradias. Além das moradias irregulares, o processo de
industrialização (ZFM) também introduziu uma nova realidade a questão poluidora,
com o lançamento contínuo de resíduos e emissões provenientes do processo
153

industrial, que devido a frágil fiscalização, estão sendo continuamente lançados no


ambiente terrestre, aquático e atmosférico.

Em que pese o crítico contexto hídrico existente no Estado do Amazonas, não se


pode olvidar a existência de alguns programas governamentais para a distribuição de água
potável em algumas localidades, sobretudo, no interior do Estado, para o apoio às famílias
ribeirinhas por meio de sistemas de captação de água de chuva, perfuração de poços, e
captação e tratamento de água dos rios. Embora positivas, tais iniciativas ainda são muito
incipientes, conforme restou referendado pela Comissão Econômica para a América Latina e
Caribe (CEPAL), órgão vinculado à Organização das Nações Unidas (ONU/CEPAL, 2007, p.
14) - a qual concluiu e recomendou em trabalho de análise ambiental e de sustentabilidade no
Estado do Amazonas a “incrementar os investimentos a fim de melhorar a saúde ambiental,
aumentando o acesso à água potável (principalmente no interior do estado) e ao saneamento e
diminuindo a ocupação desordenada do território, principalmente em zonas de risco”.
O diagnóstico elaborado pela ONU é preciso. O Estado do Amazonas sofre com
problemas crassos de distribuição de água tratada e saneamento básico. Considerando que o
Estado do Amazonas tem aproximadamente quatro milhões de habitantes, sendo que somente
a cidade de Manaus tem um pouco mais da metade, e também sofre com problemas crônicos
de ausência de distribuição de água potável e de saneamento básico, a cidade foi classificada
em 82º lugar entre as cem maiores cidades brasileiras no ranking do saneamento básico
elaborado pelo Instituto Trata Brasil (2013), conforme pode ser observado na Figura 3, a
seguir.
154

Figura 3: Mapa ranking do saneamento básico no Brasil

Fonte: Instituto Trata Brasil, 2013.

Muito embora a bacia amazônica tenha significativa parte das suas áreas protegidas
ambientalmente, a poluição hídrica urbana decorrente da inefetividade de políticas públicas de
saneamento básico e proteção dos recursos hídricos produzida pelo modelo econômico e
expansão demográfica desordenada está comprometendo a qualidade dos recursos hídricos de
grande parte das comunidades, sobretudo, as mais pobres, as alijando do acesso à água
potável e as deixando vulneráveis a doenças provenientes da contaminação hídrica.
Neste sentido, realizando uma incursão sobre os efeitos genéricos da contaminação
hídrica e explicando sobre as doenças infecciosas e tratamento de água, Hespanhol (2006, p.
273) apresenta classificação de acordo com os modos de propagação de doenças associadas à
água, englobando quatro categorias:

I) Com suporte na água – quando os organismos patogênicos são carreados


passivamente na água que é consumida por uma pessoa (ou animal), causando
infecção. Exemplos típicos são o cólera e a febre tifoide, que têm dose infectiva
155

bastante baixa e são facilmente transmitidas através de sistemas de distribuição de


água. II) Associadas à higiene – infecções causadas por falta de água e que podem
ser controladas com disponibilidade de água e melhoria de hábitos de higiene. São
características as doenças de pele, como a tinha e a sarna e as dos olhos tais como o
tracoma. Incluem-se, também, algumas doenças diarreicas, como a desinteira
bacilar. III) De contato com a água (ou com base na água) – infecções transmitidas
por um animal invertebrado aquático que vive na água ou que passa uma parte de
seu ciclo de vida em moluscos aquáticos ou outros animais aquáticos, podendo
causar infecção pelo contato com a pele. IV) Associadas a vetores desenvolvidos na
água – infecções transmitidas por organismos patogênicos, através de insetos
desenvolvidos na água ou que picam nas proximidades da água, como o caso da
malária, a febre amarela e a dengue.

Considerando que a Amazônia alberga a maior bacia hidrográfica do mundo e parte


expressiva dos seus habitantes ocupam áreas próximas a corpos hídricos, todos os aludidos
apontamentos descritos por Hespanhol (2006) condizem e se verificam no contexto regional,
sobrecarregando ainda mais os precários e onerosos serviços de saúde pública oferecidos à
população.
Quanto à dispersão dos efeitos difusos decorrentes da crise de gestão hídrica na
Amazônia, eles não se limitam ao território brasileiro, haja vista ela ser uma bacia
transnacional, sendo a floresta amazônica a principal responsável para a produção da “bomba
biótica” descrita por Nobre (2014). Para melhor compreensão sobre os efeitos da poluição
hídrica no equilíbrio climático, merecem relevo as descobertas científicas compartilhadas por
Nobre (2014), segundo a teoria dos “rios voadores. As águas da bacia amazônica contribuem
diretamente na regulação dos fenômenos climáticos e hidrológicos na região e, indiretamente,
no resto do continente sul americano. As suas águas não somente irrigam a floresta tropical
úmida para provocar o fenômeno da evapotranspiração, mas também se evaporam
constituindo com elas verdadeiros “oceanos verdes” que conjugados com os ventos e a massa
de ar úmida oriunda do oceano atlântico se chocam nas Cordilheiras dos Andes para
estabelecer as precipitações tão importantes para o equilíbrio climático e, consequente, ciclo
hidrológico no hemisfério sul do continente.
Feitas estas considerações sobre algumas das problemáticas e consequências
relacionadas à crise hídrica na Amazônia, inclusive, no Estado do Amazonas, sobretudo, o
fenômeno paradoxal existente diante da abundância de água, porém, insuscetível ao consumo
humano em decorrência da poluição hídrica, para efeito de investigação jurídica é
fundamental uma revisitação sobre o direito humano à água, com ênfase sobre o princípio da
dignidade da pessoa humana, conforme abordado na seção 3.1., a qual passa a ser reforçada.
O acesso à água potável e com qualidade constitui um direito fundamental de todo o
cidadão; e nesta esteira, para efeito de dotar de aplicabilidade este direito fundamental, o art.
156

21, inciso IV da Constituição Federal preconizou a competência material da União em


instituir um sistema de gerenciamento dos recursos hídricos, o que resultou na edição da Lei
nº 9.433, de 8 de janeiro de 1997, que instituiu a Política Nacional de Recursos Hídricos
(PNRH), bem como da Lei 11.445, de 5 de janeiro de 2007, que fundou as diretrizes nacionais
para o saneamento básico (PNSB). Estas leis têm uma íntima ligação por força dos seus
conteúdos normativos relacionados às águas, os quais não podem dissociarem-se em
decorrência da sintonia entre os seus fundamentos: a primeira, em relação à constituição de
um sistema de gerenciamento e gestão hídrica nacional; a segunda, no que tange às diretrizes
para a formação do sistema de saneamento básico brasileiro que tem no seu bojo aspectos
relacionados ao abastecimento de água potável e sobre o esgotamento sanitário, entre outras
temáticas não menos relevantes.
Seguindo o modelo da Lei Federal nº 9.433/97 (PNRH), o Estado do Amazonas,
também fundou a sua Política Estadual de Recursos Hídricos (PERH) e estabeleceu o seu
Sistema de Gerenciamento de Recursos Hídricos por meio da Lei Estadual nº 3.167, de 27 de
agosto de 2007, a qual preconiza dentre os seus objetivos “assegurar à atual e às futuras
gerações a necessária disponibilidade de água, em padrões de qualidade adequados aos usos”,
conforme se verifica no seu art. 2º, inciso I.
Com muito pesar, importante salientar que tais leis, seja a federal, seja a estadual,
embora denominadas de “políticas de recursos hídricos”, sequer beiram o limiar da utopia em
relação ao contexto existente na Amazônia e, em especial, no Estado do Amazonas,
expressando um sentimento de “letra de lei morta” devido à falta de efetividade pelas
deficientes políticas quanto à gestão dos recursos hídricos, o que representa flagrante atentado
socioambiental, porquanto segrega a presente geração, bem como as futuras gerações do
acesso a um direito humano fundamental, sobretudo, à dignidade hídrica.
A ausência do Poder Público em relação à adoção de medidas de fiscalização quanto
à poluição hídrica provocada pelas atividades antrópicas constitui outro fator que alimenta a
ineficácia do ordenamento jurídico. A ausência de intervenção do Estado mediante o uso do
seu aparato disciplinador, ou até mesmo pelo instrumento de outorga, contribui de forma
significativa para a inefetividade do ordenamento hidrojurídico.
Embora passados mais de dezessete anos de vigência da lei que dispõe sobre a
PNRH e sete da PERH, e mais de sete anos da lei federal de diretrizes de saneamento básico,
verifica-se as suas flagrantes ausências de efetividade, uma vez que os seus objetivos se
encontram oceanicamente distantes da realidade da região, porquanto as políticas públicas não
estão a observar o inciso I, do art. 2º das referidas normas, pois nem de longe estão a
157

assegurar a disponibilidade de água em padrões de qualidade para a atual e futuras gerações;


ou seja, a omissão do próprio Estado de assumir o seu papel de protagonista da implantação
de políticas públicas hídricas está, paradoxalmente, labutando à margem da lei, incorrendo no
descumprimento da norma, a tornando inefetiva e, consequentemente, jogando contra a
solução da problemática relativa à falta de gestão dos recursos hídricos em detrimento da
população.
Embora concebido para ser empregado como ferramenta de gestão, o arcabouço
legislativo infraconstitucional que disciplina a gestão dos recursos hídricos acabou se
tornando obsoleto, pouco ou nada intervindo no sentido de galgar um dos seus principais
objetivos, qual seja, assegurar o direito à água enquanto direito universal da atual e das futuras
gerações.
Esta ausência de prioridades políticas de gestão hídrica pelo Poder Público,
sobretudo, se omitindo quando ao dever de assumir o seu papel de ator principal neste
processo, deixando de intervir sobre questões relevantes acerca do acesso à água potável e
saneamento básico, não apenas se encarregou de inviabilizar o cumprimento deste direito
fundamental, mas também produziu um sentimento de desprezo e descredibilidade quanto ao
ordenamento hidrojurídico estadual, provocando a sua obsolescência.

6.2 GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO AMAZONAS

Conforme abordado no tópico 4.1, a gestão dos recursos hídricos representa


planejamento hídrico, dotado de fundamentos, instrumentos, metodologias e técnicas para o
alcance de metas e objetivos estabelecidos; e neste sentido deve ser interpretada a natureza do
ordenamento hidrojurídico representado pela Lei nº 3.137/2007, a qual será investigada.

6.2.1 Política Estadual de Recursos Hídricos

Na mesma linha da Política Nacional de Recursos Hídricos (PNRH), a Política


Estadual de Recursos Hídricos (PERH) constitui-se uma plataforma de planejamento
representada por uma norma de planejamento hídrico com essência similar ao planejamento
econômico: ambos possuem metodologias de planejamento dotadas de princípios e
instrumentos para alcançar metas propostas. Em observância ao artigo 21, inciso XIX, da
Constituição Federal, e em face ao advento da Lei 9.433/97, no ano de 2001, o Estado do
Amazonas passou a produzir o seu planejamento hídrico representado pela sua Política
158

Estadual de Recursos Hídricos (PERH), consubstanciada pela Lei Estadual nº 2.712 de 28 de


dezembro de 2001. Posteriormente, no ano de 2007, por força da Lei Estadual 3.167 de 27 de
agosto de 2007, aquela norma (Lei 2.712/ 2001) foi revogada; portanto, constitui-se esta
última a norma a que está em vigor e que orienta a política hídrica estadual. Para efeito de
regulamentar PERH representada pela Lei 3.167/2007, foi editado o Decreto nº 28.678 de 16
de junho de 2009. Desta forma, a Lei 3.167/2007 e o Decreto 28.678/2009 representam os
principais instrumentos normativos que dispõem sobre a gestão dos recursos hídricos no
Estado do Amazonas. A partir da necessidade de ordenar a gestão hídrica no Estado do
Amazonas, resultou concebida a delimitação das suas regiões hidrográficas, conforme pode
ser observado na Figura 4, a seguir.

Figura 4: Mapa das Regiões Hidrográficas do Estado do Amazonas

Fonte: Secretaria do CERH/AM, 2015

O mapa acima citado foi concebido por força 25ª reunião ordinária do Conselho
Estadual de Recursos Hídricos (CERH), conforme se observa no Anexo E. Segundo este
instrumento normativo, a bacia hidrográfica do Estado está dividida em nove regiões
hidrográficas, abrangendo as seguintes cidades:
159

1 – Rio Negro (São Gabriel da Cachoeira, Barcelos, Novo Airão); 2 – Japurá/Médio


Solimões (Japurá, Tefé, Coari, Codajas); 3 – Alto Solimões (Benjamin Constant,
Tabatinga, Amatura, Jutai); 4 – Juruá (Guajara, Jutai, Jurua); 5- Purus (Boca do
Acre, Labrea, Anori); 6 – Madeira (Manicore, Humaitá, Apui, Borba); 7 – Careiro –
Autazes (Careiro, Careiro da Várzea, Manaquiri, Autazes); 8 – Manaus (Manaus,
Itacoatira, Rio Preto da Eva, Presidente Figueiredo); 9 – Baixo Amazonas (Maues,
Urucara, Paritins).

Desta forma, como consectário da Política Nacional de Recursos Hídricos (PNRH), a


Política Estadual de Recursos Hídricos (PERH) constitui uma plataforma de planejamento
hídrico e instrumento normativo piloto para a gestão dos recursos hídricos na órbita estadual,
sendo nela fixados os fundamentos, objetivos, diretrizes e meios de atuação por meio da
estruturação do Sistema Estadual de Recursos Hídricos (SEGRH), os quais passam a ser
abordados.

6.2.1.1 Fundamentos da PERH

Enquanto constituídos por balizas principiológicas, os fundamentos representam os


pilares que orientam a essência de determinado ordenamento jurídico. Logo, os fundamentos
não apenas reproduzem os princípios e marcos estruturantes do ordenamento jurídico, mas
também o sentido teleológico e racional da norma.
O art. 1º da Lei nº 3.167/2007 preconiza os fundamentos que baseia-se a PERH,
estabelecendo as diretrizes quanto à natureza principiológica e o sentido da norma, seguindo o
mesmo modelo adotado pelo art. 1º da Lei 9.433/97 que trata sobre PNRH. Segundo observa-
se no teor do comando legal estadual, estes fundamentos orientam que a gestão hídrica
estadual deve ser pautada pela dominialidade pública da água, a racionalidade hídrica, a
gestão dos recursos hídricos e o uso múltiplo das águas, a bacia hidrográfica como objeto de
planejamento e implementação pela atuação do Sistema Estadual de Gerenciamento dos
Recursos Hídricos, a descentralizada e participativa entre o Poder Público, os usuários e a
sociedade civil.
Desta forma, os fundamentos da norma em apreço está revestida por parâmetros
principiológicos, em especial, aqueles correlatos ao direito de águas, em que são reafirmados
os princípios do domínio público da água, da racionalidade hídrica, da gestão hídrica, da
descentralização e da participação, os quais poderão ser identificados quando analisada a
estrutura da PERH.
160

6.2.1.2 Objetivos da PERH

Da mesma forma que estruturada a PNRH, a Lei nº 3.167/2007 em seu art. 2º


estabelece quais os principais objetivos da PERH, preconizando: a responsabilidade hídrica
intergeracional; a racionalidade hídrica e econômica; a prevenção e a defesa contra eventos
hidrológicos; a garantia a boa qualidade das águas; o estímulo à ciência e tecnologia para o
efetivo gerenciamento dos recursos hídricos; o desenvolvimento do setor hídrico com
respeitando aos ecossistemas originais, em conformidade com a legislação ambiental;
disciplinar a utilização racional das águas superficiais e subterrâneas; difundir a educação
ambiental e hídrica; viabilizar a articulação entre a União, o Estado, os Municípios, a
sociedade civil e o setor privado para implementação da proteção, conservação, preservação e
recuperação dos recursos hídricos; e compatibilizar o desenvolvimento econômico e social
com a proteção ao meio ambiente.
Diante deste extensivo rol de objetivos, é possível verificar que existem objetivos
programáticos e pragmáticos. Os programáticos, pela sua própria natureza, demandam
características diferentes dos pragmáticos, pois enquanto aqueles cuidam das bases
principiológicas e metas de médio a longo prazo, estes dizem respeito ao âmbito da validade,
existência e efetivação das normas, sobretudo, quanto aos aspectos práticos na gestão dos
recursos hídricos.
Portanto, tendo como cenário de pesquisa a análise da eficácia da gestão dos recursos
hídricos, a investigação diz respeito ao cumprimento dos objetivos pragmáticos, ou seja, no
âmbito prático e realista da gestão hídrica no Estado do Amazonas, sobretudo, quanto à
efetividade dos instrumentos elencados na PERH.

6.2.2 Instrumentos da PERH

Os instrumentos da PERH constituem ferramentas de gestão. Segundo preceitua o


art. 4º da Lei 3.167/2007, a PERH é constituída pelos seguintes instrumentos: o Plano
Estadual de Recursos Hídricos; os Planos de Bacia Hidrográfica; o enquadramento dos corpos
de água em classes, segundo os usos preponderantes da água; a outorga dos direitos de uso de
recursos hídricos; a cobrança pelo uso de recursos hídricos; o Fundo Estadual de Recursos
Hídricos; o Sistema Estadual de Informações sobre Recursos Hídricos; o Zoneamento
Ecológico-Econômico do Estado do Amazonas; e o Plano Ambiental do Estado do
Amazonas.
161

6.2.2.1 Plano Estadual de Recursos Hídricos

Enquanto instrumento da PERH, o Plano Estadual de Recursos Hídricos constitui


uma complexa ferramenta técnica de planejamento e operacionalização da gestão hídrica, cuja
construção exige o cumprimento de critérios e objetivos técnicos e científicos.
Na forma do art. 5º da PERH, “o Plano Estadual de Recursos Hídricos é um plano
diretor de longo prazo, com metas de curto, médio e longo prazos, que visa a fundamentar e
orientar a implementação da Política Estadual de Recursos Hídricos e o gerenciamento dos
recursos hídricos”.
Conforme preconiza o art. 6º, a elaboração do Plano Estadual de Recursos Hídricos
compete à Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável devendo
ser aprovado pelo Conselho Estadual de Recursos Hídricos, tendo por base os Planos das
Bacias Hidrográficas encaminhados pelos Comitês de Bacia Hidrográfica, devendo observar
diversos critérios jurídicos, técnicos e interdisciplinares.
Não obstante a lei reconheça a importância do Plano Estadual de Recursos Hídricos,
seja pela complexidade quanto à sua elaboração técnica na dimensão hidrográfica do Estado,
seja pela insuficiência de recursos financeiros, as políticas governamentais ao longo dos anos
não priorizaram a sua elaboração, razão pela qual o Estado do Amazonas ainda não dispõe de
Plano Estadual de Recursos Hídricos.
Todavia, isto não significa a total inexistência sobre dados técnicos quanto à Bacia
Hidrográfica do Estado. Com o propósito de estruturar a divisão hidrográfica do Brasil, o
Conselho Nacional de Recursos Hídricos (CNRH) produziu Planos Estratégicos de Recursos
Hídricos para diversas bacias hidrográficas, sendo um deles o dos afluentes da Margem
Direita do Rio Amazonas (MDA). O MDA se constitui em um documento técnico dotado de
pesquisas científicas de ordem interdisciplinar que produziu um melhor conhecimento sobre a
hidrografia da região em face das dificuldades encontradas pelos Estados que compartilham a
bacia. Desta forma, o MDA foi concebido com o objetivo de estabelecer diretrizes para a
gestão dos recursos hídricos na região visando produzir um instrumento aos gestores públicos
para orientar a gestão efetiva e sustentável dos recursos hídricos superficiais e subterrâneos,
de forma a garantir o seu uso múltiplo e racional em benefício das gerações presentes e
futuras.
Outros estudos e pesquisas sobre os recursos hídricos no Estado do Amazonas foram
desenvolvidos, sobretudo, pelos institutos de pesquisas e tecnológicos. Entretanto, as
informações obtidas por tais instituições não necessariamente representam que as mesmas
162

foram compartilhadas, ou seja, muitas informações se encontram disseminadas por diversos


organismos e são desconhecidas pelos gestores estaduais.
Atualmente, segundo informações prestadas pelo Departamento de Recursos
Hídricos do Estado, vinculado à Secretaria da Ciência e Tecnologia (SECTI), a elaboração do
Plano Estadual de Recursos Hídricos constitui uma prioridade. Diante da complexidade da
temática, os gestores hídricos do Estado do Amazonas vem recebendo apoio técnico e
financeiro da Agência Nacional de Águas (ANA) para a elaboração do Plano. Ainda, segundo
fontes oficiais, o Estado está prestes a fazer processo licitatório para a contratação de uma
empresa para a elaboração do plano que será complementado com as informações produzidas
pelo MDA e outros estudos desenvolvidos pelos institutos de pesquisas.

6.2.2 Enquadramento dos corpos de água em classes

O enquadramento dos corpos de água em classes é instrumento de gestão hídrica


contemplado tanto pela Lei Federal nº 9.433/97 quanto pelo art. 13 da Lei Estadual nº
3.167/2007.
No entanto, na mesma linha que se apresenta o déficit de efetividade quanto à grande
parte das normas ambientais, este relevante instrumento de enquadramento dos corpos de
água também padece de aplicabilidade em muitas regiões do Brasil, sobretudo, na Amazônia.
Conforme ventilado no decurso da fundamentação, percebe-se que a ausência de
efetividade deste instrumento de gestão pode perpassar por interesses políticos de gestão
pública, os quais não necessariamente dizem respeito ao cumprimento da norma por
diferentes motivos, sobretudo, considerando que uma vez produzido o enquadramento em
classes, obrigatoriamente, ele deverá ser implementado, por força da própria lei.
No cenário da dimensão da bacia hidrográfica amazônica, o contexto em relação ao
enquadramento dos corpos de água em classes constitui tarefa ainda mais complexa, pois uma
das características da região consiste na significativa diversidade de ambientes aquáticos
compostos por diferentes estruturas geológicas com propriedades físicas e químicas que as
tornam diferentes de outras águas das diversas regiões do país.
Relevante ferramenta de informação quanto à complexidade do cumprimento da
norma relativa ao enquadramento e classificação dos corpos hídricos no âmbito da bacia
hidrográfica amazônica, constitui o material científico publicado na Revista do “Ciência para
Todos”, editada pelo INPA– Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia - , de autoria da
pesquisadora Josiane Santos (2013, p. 33-41). Em pesquisa de campo realizada por
163

pesquisadores e cientistas do INPA, entre os anos de 2009 e 2011, foram coletadas 306
(trezentas e seis) amostras de águas em 49 (quarenta e nove) afluentes, nos períodos de cheia,
precipitações e estiagem, em 29 (vinte e nove) locais, com o propósito de identificar as
características das águas do Rio Amazonas e seus tributários para o fim de adaptação à
Resolução CONAMA 357.
Desenvolvida esta árdua pesquisa, composta por diversos pesquisadores e cientistas
altamente capacitados, o resultado do estudo concluiu que em decorrência das acentuadas
diferenças quanto à composição bioquímica (PH) das diferentes águas (pretas, claras e
brancas) e da baixa densidade demográfica, e ainda considerando que no Estado do Amazonas
não existe enquadramento dos corpos de água, classificando-se, portanto, em classe 2 como
referência, conforme estabelece o art. 44 da Resolução CONAMA 357, os critérios
estabelecidos pela referida norma são incondizentes às peculiaridades da região amazônica,
pois não obstante em alguns rios os valores de PH encontrem-se abaixo de 5,5 (águas ácidas),
ou seja, fora dos padrões para classe 2, inconcebível aceitar que nesta região não existam
ambientes aquáticos com condições melhores que a classe 2, a qual não admite dentre outras
tantas atividades, a pesca e as atividades de embarcações, o que é um contra-senso à vocação
cultural e econômica da Amazônia.
Em meio a esta discussão e, atualmente, inexistindo enquadramento de classes em
corpos de água no Estado do Amazonas, a parte que mais sofre com a omissão dos poderes
públicos são os corpos hídricos, uma vez que desprovidos de qualquer regulação protetiva em
relação aos efeitos das atividades antrópicas, o que, inegavelmente, mais cedo ou mais tarde,
certamente, produzirá nefastas consequências, seja à sociedade e aos diferentes atores que
usam as águas, seja ao próprio bioma da região.
A pesquisadora Maria do Socorro, em entrevista à Revista “Ciência para Todos” do
INPA (2013, p. 38), discorrendo sobre as conclusões da pesquisa, afirma:

A população ainda não está preparada para perceber as ameaças que podem
comprometer suas futuras gerações. São raras as vezes em que as comunidades se
organizam voluntariamente para se defender contra atividades que ameaçam ao seu
sustento (a guerra do peixe é a mais famosa). Normalmente, a população é induzida
a cuidar de sua máquina de produção (a natureza), até perceber que isto lhe traz
benefício – exemplo a Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá.
[...].
É necessário, portanto, uma intervenção do poder público para que seja iniciado um
processo visando obter enquadramento, ainda que provisório, de nossas águas, a fim
de poder controlar as atividades econômicas existentes ou que venham a se instalar
na região.
164

Por fim, a pesquisadora Josiane Santos, responsável pela matéria científica veiculada,
acentua que (2013, p. 39):

Segundo exemplos citados pela pesquisadora, atividades como mineração, extração


e refino de hidrocarboneto – têm sido mais vigiadas nos dias atuais, embora tenham
causado danos no passado. O enquadramento destas águas facilitaria bem mais a
vigilância destas e de outras atividades que venham a se instalar. Por isso a
pesquisadora afirma a urgência de começar a trabalhar para ter o mais breve possível
estas águas enquadradas, ainda que implique adequações ou até mesmo em
mudanças das legislações.

Dito tudo isto, permite-se conceber que o enquadramento da classificação dos corpos
de água em classes constitui um significativo instrumento de gestão dos recursos hídricos,
porém, na forma que foi concebido pela Resolução CONAMA 357, a sua efetividade se
encontra comprometida por diversas razões políticas, econômicas, culturais, etc., sendo que
dentre delas, destaca-se, inclusive, a sua incompatibilidade de adaptação em algumas regiões
hidrográficas, como no caso do Estado do Amazonas, pois não parece cientificamente correto
depreender que a ausência de enquadramento de corpos hídricos venha a produzir um
resultado semelhante em todas as diferentes regiões do país, ou seja, colocando tudo no
mesmo “pacote” sem considerar as peculiaridades ambientais, sociais, culturais,
demográficas, econômicas e hidrográficas de cada região, até mesmo porque inconcebível
exigir da natureza que ela venha a se adaptar à lei dos homens – mais fácil (e lógico) é o
homem se adaptar às leis da natureza - , o que exige repensar o modelo deste relevante
instrumento de gestão para compatibilizá-lo ao contexto da Amazônia.

6.2.2.3 Outorga

A água é um bem de domínio público de uso comum do povo, o que justifica a


intervenção estatal. Enquanto instrumento da gestão hídrica, a outorga do direito de uso da
água é a ferramenta pela qual o Poder Público atribui ao interessado, público ou privado, o
direito de utilizar privativamente o recurso hídrico. São inúmeras as atividades sujeitas à
outorga, desde a captação de água até o lançamento de efluentes nos corpos hídricos,
conforme preconiza o ordenamento hidrojurídico federal e estadual.
Embora o art. 14 da Lei nº 3.167/2007 estabelecer a outorga do Poder Público para
efeito do uso da água, atualmente, no Estado do Amazonas não existe processo de outorga. O
único mecanismo de controle existente no Estado diz respeito às licenças para perfuração de
poços no âmbito do IPAAM.
165

Com a reforma administrativa feita pelo Governo do Estado em 2015, o IPAAM não
mais exerce tal atribuição acerca do procedimento de outorga, na forma contemplada pelo art.
49 e seguintes do Decreto nº 28.678 de 16 de junho de 2009; portanto, inexistindo no Estado
do Amazonas qualquer controle qualitativo ou quantitativo acerca dos usos da água quanto à
derivação ou captação de água, lançamentos de esgotos ou efluentes líquidos, etc.

6.2.2.4 Cobrança

A cobrança pelo uso da água tem diversas funções, sobretudo, a de fomentar a


cultura quanto à racionalidade hídrica, em homenagem ao princípio de que a água constitui
um bem finito e dotado de valor econômico.
Embora previsto no art. 24 da Lei nº 3.167/2007, não existe cobrança pelo uso da
água no Estado, salientando que a cobrança existente pelo uso da água nos centros urbanos
diz respeito aos serviços de tratamento e distribuição. Nem mesmo as indústrias que
constituem os polos industriais, as quais utilizam quantidades expressivas de água para a
execução dos seus processos industriais, seja por meio da captação, seja pelo lançamentos de
efluentes, são cobradas por usarem tais recursos hídricos.
Muito embora a população do Estado padeça com a falta de serviços básicos de água
tratada e saneamento básico, as atividades industriais e econômicas que demandam pelo uso
intenso dos recursos hídricos não pagam pela água, o que descortina uma realidade hídrica
perversa na região, sobretudo, contra o povo do Estado do Amazonas que vive sobre a
constante ameaça da contaminação das águas subterrâneas, as quais são as mais usuais fontes
de acesso à água por meio da perfuração de poços.
Cumpre destacar que para ser viabilizada a cobrança pela água a lei exige que seja
observado todo um procedimento legal, a iniciar pelas deliberações dos Comitês de Bacia, os
quais deverão orientar os critérios para a cobrança.
Todavia, como os Comitês de Bacia não gozam de estrutura para exercerem as suas
atribuições no Estado, sobretudo, diante das suas dificuldades financeiras, a ausência de
cobrança pela água constitui uma das consequências mais perversas deste modelo de gestão: a
inviabilidade econômica do próprio sistema, pois obstruem a possibilidade da geração de
recursos financeiros por meio das receitas oriundas da cobrança, e assim tornando-se um
circulo vicioso que compromete a eficiência do sistema hidrojurídico.
166

6.2.2.5 Sistema Estadual de Informações sobre Recursos Hídricos

Pautado pelos princípios da participação e informação, a veiculação de informações


sobre o meio ambiente constitui premissa jurídica, não sendo diferente na órbita da gestão dos
recursos hídricos. Discorrendo sobre o princípio da participação e a sua relação com a
divulgação das informações acerca da gestão hídrica, oportuno se apresenta o entendimento
de Dourado Júnior (2014, p. 91), quando averba:

[...] a criação do Sistema de Informações sobre Recursos Hídricos reforça o


princípio da participação e, em especial, o princípio da informação, pois é a partir
deste instrumento que a sociedade poderá ter condições de conhecer as ações e
decisões relacionadas à gestão dos recursos hídricos.

Outrossim, discorrendo sobre os objetivos do sistema de informações, Braga (et. all.


REBOUÇAS, 2006, p. 649) explica que: “o ´sistema de informações` tem como objetivo
principal produzir, sistematizar e disponibilizar dados e informações que caracterizam as
condições hídricas da bacia em termos de quantidade e qualidade da água nos diversos usos”.
Conforme preceitua o art. 37 da Lei 3.137/2007, o Sistema Estadual de Informações
sobre Recursos Hídricos representa um instrumento que deverá ser integrado ao Sistema
Nacional de Informações sobre Recursos Hídricos previsto pela Lei 9.433/97, constituindo
uma base de dados informatizada formada pela coleta, tratamento, armazenamento,
recuperação e disseminação de informações sobre recursos hídricos, sendo a Secretaria de
Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SDS) o órgão gestor do sistema.
Ainda, conforme estabelece a norma, o Sistema Estadual de Informações sobre Recursos
Hídricos operará de modo descentralizado, sendo acessível a todos os interessados, sendo que
os dados gerados pelos órgãos integrantes do SEGRH deverão ser incorporados ao sistema de
informações, e que que no âmbito deste sistema deverão ser integradas todas as informações
dos diversos órgãos federais e estaduais. Os princípios da descentralização da obtenção e
produção de dados e informações, bem como o do acesso público às informações são
expressamente destacados pelo art. 39 da PERH.
Na forma do art. 40 da Lei 3.167/2007, o SEIRH tem como objetivos reunir, dar
consistência e divulgar os dados e informações sobre a situação qualitativa e quantitativa dos
recursos hídricos, atualizar informações, fornecer subsídios para a elaboração do Plano de
Recursos Hídricos e apoiar as atividades de gerenciamento de recursos hídricos.
167

Todavia, as informações sobre recursos hídricos no Estado do Amazonas são


inacessíveis. Não existe sistema unificado de informações. As informações são pulverizadas e
diluídas entre diversos órgãos.
A tímida intervenção do Poder Público não apenas no sentido de fomentar a
participação na gestão dos recursos hídricos, mas também em não divulgar por meio de
veiculação pública as informações acerca desta temática depõe contra o próprio ente público
ao produzir uma imagem com falta de transparência.
Por derradeiro, sobretudo, quanto à disponibilidade e acesso de informações sobre os
recursos hídricos no Estado do Amazonas, permite-se, categoricamente, afirmá-la como
deficiente e insatisfatória, devidamente comprovada pela dificuldade na obtenção pública de
tais informações através dos meios eletrônicos na forma experimentada pela presente
pesquisa, o que alimenta o sentimento de falta de transparência e ineficácia, em que pese o
sistema de informações de recursos hídricos esteja preconizado pelo ordenamento
hidrojurídico federal e estadual.

6.2.2.6 Fundo Estadual de Recursos Hídricos (FERH)

Enquanto instrumento para a efetivação da PERH, o Fundo Estadual de Recursos


Hídricos está previsto no art. 32 da Lei 3.167/2007, consistindo em mecanismo de fomento
econômico para as ações do SEGRH, sendo a Secretaria Estadual de Meio Ambiente e
Desenvolvimento Sustentável (SDS) o seu órgão gestor e que aplicará os recursos seguindo as
diretrizes fixadas no plano.
Segundo preconiza o art. 34, as receitas do FERH são oriundas das transferências dos
entes governamentais destinadas à execução dos planos e programas, das compensações
financeiras, da cobrança pelo uso, dos empréstimos e outras contribuições financeiras
nacionais e internacionais, da cooperação internacional, das multas cobradas dos infratores à
legislação hídrica, da compensação financeira que o Estado receber com relação aos
aproveitamentos energéticos, das contribuições de melhorias, das doações, e dos recursos para
financiamento e intervenções contempladas nos planos das bacias hidrográficas. Conforme
estabelece a norma, estes recursos deverão ser aplicados para a realização de serviços e obras
destinadas à gestão dos recursos hídricos, para a realização de programas de desenvolvimento,
estudos, pesquisas tecnológicas, capacitação de recursos humanos, execução de obras de
saneamento e tratamento de esgoto, e custeio de pessoal. Outrossim, a norma destaca algumas
condições quanto à destinação dos recursos do FERH, salientando que os valores da cobrança
168

deverão ser aplicados prioritariamente na bacia hidrográfica em que forem arrecadados, e


ainda em projetos e obras de interesse coletivo, sendo vedada a utilização dos recursos para
pagamento de salários aos servidores públicos e empregados, salvo aqueles que se dediquem
às atividades de monitoramento e fiscalização quanto ao uso dos recursos hídricos.
Ocorre que segundo o modelo adotado pelo Estado do Amazonas, os recursos
recebidos de fontes diversas, como o repassado pela ANEEL, que deveriam compor o FERH,
na verdade, quando recebidos pelo Estado, ingressam no caixa único e, não raramente, tomam
outro destino, ou seja, não são remetidos diretamente para a aplicação na gestão dos recursos
hídricos, conforme preconiza a lei, o que alimenta a falta de recursos públicos para serem
investidos na gestão hídrica.
A legislação hídrica do Estado do Amazonas é uma das mais avançadas do Brasil em
termos técnicos e jurídicos. Todavia existe um distanciamento abismal entre a legislação
hídrica e a sua efetividade prática. Não obstante o conteúdo detalhado quanto ao modelo de
gestão, a falta de cumprimento dos seus instrumentos está a obstruir o avanço da gestão
hídrica no Estado.
Em decorrência da ausência de aplicabilidade dos instrumentos legais, o Estado do
Amazonas não dispõe de recursos para fomentar as atividades de gestão, ou seja, os entraves
políticos e burocráticos no âmbito estadual impedem que sejam produzidos os investimentos
na gestão dos seus recursos hídricos. Atualmente, os recursos financeiros para a viabilização
das atividades de gestão dos recursos hídricos no Estado do Amazonas são fomentados pela
Agência Nacional de Águas (ANA), a qual repassa recursos federais que são condicionados
ao cumprimento de metas. Esta é a principal fonte de receitas para o manejo da gestão dos
recursos hídricos no Estado do Amazonas.

6.2.3 Sistema Estadual de Gerenciamento dos Recursos Hídricos (SEGRH)

Para efeito de dotar de efetividade os comandos normativos quanto à gestão dos


recursos hídricos no Estado do Amazonas foi concebida a criação do Sistema Estadual de
Gerenciamento de Recursos Hídricos.
Segundo estabelece o artigo 57 da PERH, o SEGRH é composto pelos seguintes
órgãos: pelo Conselho Estadual de Recursos Hídricos; os Comitês de Bacia Hidrográfica; a
Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável – SDS, na qualidade
de órgão gestor e coordenador; sendo o Instituto de Proteção Ambiental do Estado do
Amazonas - IPAAM, na condição de órgão executor; e as Agências de Água, ou, enquanto
169

estas não forem constituídos, pelas organizações civis de recursos hídricos legalmente
constituídas.
Diante da importância destes órgãos que compõe o SEGRH, justifica-se a
necessidade de conhecê-los um pouco mais, sobretudo, em relação às suas atribuições e
atividades para que se possa avaliar a eficiência dos instrumentos de gestão hídrica no Estado,
enquanto objetivo deste trabalho.

6.2.3.1 Conselho Estadual de Recursos Hídricos

O Conselho Estadual de Recursos Hídricos (CERH), na mesma linha do Conselho


Nacional de Recursos Hídricos (CNRH), constitui um organismo colegiado, consultivo e
deliberativo de políticas hídricas, composto por órgãos e entidades dos Poderes Públicos
estadual e federal, bem como representantes de diversos segmentos da sociedade civil, sendo
um órgão de articulação política e planejamento sobre os recursos hídricos, pautado pelo
principio da participação.
O Decreto Estadual nº 25.037 de 01 de junho de 2005 estabeleceu a composição do
CERH no Estado do Amazonas. Em que pese este Decreto ter como destinatária a lei
revogada (Lei Estadual nº 2.712/2001), uma vez que produzido antes da Lei 3.167/2007, ele
não foi inteiramente revogado.
Os integrantes do CERH são instituições representativas dos governos federal e
estadual, bem como outras da sociedade civil. Pelo fato de existir rios transnacionais,
transfronteiriços e interestaduais na bacia hidrográfica do Estado do Amazonas, a participação
da União Federal por seus órgãos e entidades na composição do CERH é compulsória e
imprescindível neste processo, uma vez que são as dotações financeiras remetidas pela União
Federal, sobretudo, pela Agência Nacional de Águas (ANA), bem como a estrutura dos entes
federais que, basicamente, fomentam a construção de uma agenda de gestão hídrica no
Estado.
No âmbito estrutural, cumpre destacar o papel realizado pela Secretaria do Conselho
Estadual de Recursos Hídricos, pois é nela que se encontram concentradas todas as atividades
no que tange à organização do Sistema Estadual de Gerenciamento dos Recursos Hídricos
(SEGRH). A Secretaria do CERH é responsável pela agenda da gestão hídrica no Estado e
tem como uma das suas atribuições dotar de efetividade as deliberações do Conselho e atuar
no cumprimento das metas estipuladas pela ANA. Os seus servidores são os que compunham
170

a extinta Secretaria de Mineração e Recursos Hídricos, a qual foi transferida para outra
Secretaria, hoje, sendo lotados em um departamento.
Neste diapasão, cumpre esclarecer que no ano de 2015 houve uma profunda reforma
administrativa pelo Governo do Estado do Amazonas em que algumas pastas e Secretarias
foram extintas e transferidas para outras, adotando a mesma práxis empregada por outros
Estados da Federação visando a contenção de gastos públicos. Dentre elas estava a Secretaria
da Mineração e Recursos Hídricos que hoje dispõe de estruturação técnica e financeira
totalmente incompatível e incondizente com as necessidades que são demandadas,
considerando a dimensão da bacia do Estado do Amazonas.

6.2.3.2 Secretaria Estadual de Recursos Hídricos

Segundo estabelece a política normativa hídrica do Estado, o Conselho Estadual de


Recursos Hídricos (CERH) é formado por órgãos da Administração Pública e da sociedade
civil. Nesta esteira, quanto aos órgãos da Administração Pública encontram-se inseridas a
Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Sustentabilidade (SDS) enquanto órgão
coordenador e o Instituto de Proteção Ambiental do Estado do Amazonas (IPAAM) com
atribuições executivas, sendo a Secretaria do CERH a plataforma instrumental da gestão
hídrica estadual cujas atribuições consistem em concatenar e dotar de efetividade as
deliberações do Conselho.
Até a reforma administrativa promovida pelo Governo do Estado, no mês de
fevereiro do ano 2015, quando então inúmeras Secretarias de Governo foram extintas e
transferidas para a competência de outras Secretarias, a gestão de recursos hídricos era da
competência da Secretaria de Recursos Hídricos e Mineração. Após tal reforma, a aludida
Secretaria foi extinta e as suas atribuições transferidas para a Secretaria de Ciência e
Tecnologia (SECTI); limitando-se, hoje, em um departamento da SECTI.
Assim, resulta permitido compreender que, hoje, toda a estrutura administrativa
relativa à gestão de recursos hídricos na órbita do Estado do Amazonas se resume à atuação
de departamento de Secretaria com dotação financeira escassa e dependente da transferência
de recursos federais.
Embora composto legalmente daquela forma, a atual estrutura administrativa dos
órgãos de Estado não permite que sejam cumpridos os objetivos do SEGRH, haja vista as
sucessivas reformas quanto às políticas hídricas adotadas pelo Governo do Estado ocorridas
no longo dos anos.
171

Desta forma, permite-se conceber que o modelo preconizado pela PERH não
representa o modelo da atual gestão que vem sendo adotada pelo Estado, o que justifica a
afirmativa de que não apenas a lei, ou seja, o planejamento hídrico do Estado precisa ser
revisto, mas, fundamentalmente, também as decisões de políticas de Governo no sentido de
dispensar investimentos políticos, estruturais e, principalmente, econômicos, na gestão dos
recursos hídricos.

6.2.3.3 Comitês de Bacias Hidrográficas

No âmbito estadual, sobretudo no Estado do Amazonas foi promulgada a Lei


Estadual nº 3.167, de 27 de agosto de 2007, a qual disciplina sobre a Política Estadual de
Recursos Hídricos, trazendo expressa referência quanto à constituição e composição do
Sistema Estadual de Gerenciamento dos Recursos Hídricos, fixando, dentre os membros,
segundo o inciso II do art. 57, os Comitês de Bacia Hidrográfica:

Art. 57. Integram o Sistema Estadual de Gerenciamento dos Recursos Hídricos:


I - o Conselho Estadual de Recursos Hídricos;
II - os Comitês de Bacia Hidrográfica;
III - a Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável –
SDS, na qualidade de órgão gestor e coordenador;
IV - o Instituto de Proteção Ambiental do Estado do Amazonas - IPAAM, na
condição de órgão executor;
V - as Agências de Água, ou, enquanto estas não forem constituídos, as
organizações civil de recursos hídricos legalmente constituídas.

Para efeito de dotar de instrumentalidade a Política Estadual de Recursos Hídricos, o


art. 64 da Lei 3.167/2007 definiu o conceito jurídico e as atribuições emprestadas aos Comitês
de Bacia Hidrográfica:

Art. 64. Os Comitês de Bacia Hidrográfica são colegiados consultivos e de


deliberação circunscrita à área de abrangência da bacia hidrográfica, conforme
delimitação aprovada por ato do Chefe do Poder Executivo, devendo exercer as
atribuições seguintes, além de outras estabelecidas em regulamento:
I - promover o debate das questões relacionadas a recursos hídricos e articular a
atuação das entidades intervenientes;
II - arbitrar, em primeira instância administrativa, os conflitos relacionados aos
recursos hídricos;
III - aprovar o Plano de Recursos Hídricos da bacia;
IV - acompanhar a execução do Plano de Recursos Hídricos da bacia e sugerir as
providências necessárias ao cumprimento de suas metas;
V - propor ao Conselho Nacional e ao Conselho Estadual de Recursos Hídricos as
acumulações, derivações, captações e lançamentos de pouca expressão, para efeito
de isenção da obrigatoriedade de outorga de direitos de uso de recursos hídricos, de
acordo com os domínios destes;
172

VI - estabelecer os mecanismos de cobrança pelo uso de recursos hídricos e sugerir


os valores a serem cobrados;
VII - estabelecer critérios e promover o rateio de custo das obras de uso múltiplo, de
interesse comum ou coletivo.
VIII - elaborar e aprovar o seu próprio Regimento Interno;
IX - aprovar o Plano de Bacia Hidrográfica respectivo, elaborado pela Secretaria de
Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, para integrar o Plano
Estadual de Recursos Hídricos, assim como o programa de ações imediatas, quando
ocorrerem situações críticas.

Como expressão do princípio da participação, os Comitês de Bacia Hidrográfica,


instituídos pela Política Estadual de Recursos Hídricos, na forma contemplada pelo art. 67 da
Lei Estadual nº 3.167/2007, do Estado do Amazonas, tem a seguinte composição:

Art. 67. Os Comitês de Bacia Hidrográfica serão compostos de membros indicados –


titular e suplente – pelas seguintes representações:
I -Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável – SDS;
II -Instituto de Proteção Ambiental do Estado do Amazonas – IPAAM;
III -Municípios situados no âmbito de influência da bacia hidrográfica
correspondente, beneficiados ou interessados diretos na gestão dos recursos hídricos
locais;
IV - usuários das águas, representados por entidades associativas comunitárias,
cooperativas ou empresariais;
V - organizações civis de recursos hídricos, entidades ambientalistas e organizações
não-governamentais legalmente constituídas, sediadas ou com atuação na bacia
hidrográfica.

Quanto à gestão dos Comitês de Bacia Hidrográfica do Estado do Amazonas,


especial destaque merece o parágrafo único do referido artigo, o qual traz robusta carga
normativa que confere autonomia política aos Comitês, enquanto órgão de participação
democrática, visando que ele não sirva de instrumento de manobras políticas:

Parágrafo único: Os Comitês de Bacia Hidrográfica aprovarão seus próprios


Regimentos, respeitados, sem prejuízo do disposto em legislação federal,
especialmente as disposições do artigo 39, §§ 2. º, 3. º e 4. º da Lei Federal n.◦ 9.433,
de 08 de janeiro de 1.997, os seguintes critérios:
I - a composição do Comitê garantirá a mais ampla representatividade dos
interessados nos recursos hídricos da bacia;
II - o número de representantes do Poder Executivo Estadual não poderá exceder à
metade do total dos membros;
III - os Comitês serão dirigidos por um Presidente, com o auxílio de um Secretário,
eleitos por maioria simples dentre seus membros;
IV - poderão participar e intervir, sem direito a voto, nas reuniões dos Comitês,
representantes credenciados de órgãos públicos federais de cujas atividades resulte
interesse na respectiva bacia.

Feitas estas considerações, permite-se conceber que o princípio da participação foi


contemplado nas leis federais e estaduais, tendo sido o instituto dos Comitês de Bacia
173

Hidrográfica a máxima expressão da integração e participação democrática quanto à gestão


dos recursos hídricos no Estado.
Todavia, embora o Estado tenha em seu território a maior bacia hidrográfica do
mundo, conforme explicitado preambularmente, em toda extensão territorial existem apenas
dois Comitês de Bacia Hidrográfica: o do Rio Tarumã-Açu e o do Puraquequara, ambos
localizados na região metropolitana de Manaus; sendo que nas demais regiões (longínquas da
Capital) não existe nenhum.
Em sentido comparativo, outros Estados do Brasil com área territorial em menores
proporções têm um número maior de Comitês. O Estado de Santa Catarina, por exemplo, que
tem área em muito inferior a do Estado do Amazonas, tem 17 Comitês de Bacia Hidrográfica,
segundo dados oficiais apresentados pela ANA em 2 de maio de 2012.
Diante deste quadro, uma ação conjunta entre o Estado do Amazonas e a coletividade
na gestão dos recursos hídricos é um norte a ser buscado com maturidade, pois a
implementação efetiva de um Estado socioambiental requer o fortalecimento do princípio da
obrigatoriedade de atuação estatal e do princípio democrático da participação da sociedade
nas questões ambientais, sobretudo, quanto à gestão dos recursos hídricos.
Enquanto instrumento de uma política de gestão participativa e descentralizada, na
forma preconizada pelo ordenamento hidrojurídico, os Comitês de Bacia são os organismos
responsáveis pela orientação das diretrizes e dos objetivos que formam o Plano de Recursos
Hídricos, sendo neste cenário que são discutidos temas polêmicos como a cobrança ou não
pela água da bacia.
Atualmente, o Estado do Amazonas dispõe de apenas um Comitê de Bacia
Hidrográfica formalmente reconhecido – o Comitê de Bacia do Rio Tarumã-Açu (CBH-T),
localizado no entorno da cidade de Manaus. Embora ainda não reconhecido formalmente, no
ano de 2014 foi constituído o segundo Comitê do Estado: o Comitê de Bacia do Puraquequara
(CBH-P), também situado no entorno de Manaus.
O CBH-T, embora constituído há quase dez anos e formalmente reconhecido pelo
Estado, encontra-se, atualmente, obsoleto e em estado de inação em relação ao cumprimento
das suas atribuições legais e, consectariamente, comprometendo – negativamente - na
ausência de efetividade do ordenamento jurídico relacionado à gestão dos recursos hídricos no
Estado. Para se ter uma ideia da dimensão do problema quanto ao CBH-T, atualmente, sequer
existe alguém legitimado para representá-lo, pois os seus dirigentes renunciaram à
representação no ano de 2011, e desde então encontra-se à revelia em relação às suas
atribuições institucionais.
174

O CBH-P, por sua vez, constituído há pouco mais de um ano, ainda está se
organizando. Todavia, indispõe de recursos financeiros para desempenhar com as suas
atribuições, cujas despesas estão sendo desembolsadas às custas dos seus representantes que
são moradores da Vila do Puraquequara.
Caso não modificado o contexto perverso que culminou na mais absoluta letargia do
Comitê de Bacia do Rio Tarumã-Açu, o Comitê de Bacia do Rio Puraquequara estará fadado
ao mesmo caminho: o da inefetividade.
A falência da representação das instâncias sociais quanto à participação na gestão
dos recursos hídricos no Estado pode ser explicada pela debilidade dos Comitês de Bacia
Hidrográficas que enquanto órgãos representativos da sociedade civil na gestão dos recursos
hídricos, não conseguem desempenhar as suas atribuições legais pela mais absoluta
impossibilidade técnica e financeira.
Uma dentre outras razões para explicar a tamanha falta de efetividade dos CBH´s no
Estado do Amazonas, pode ser respondida pela incapacidade de gestão financeira, pois uma
vez não sendo a água cobrada no Estado, os organismos carecem de recursos para o
cumprimento das suas atribuições, ficando reféns não apenas dos recursos financeiros que lhe
são destinados pelo Governo do Estado Amazonas, mas também subordinados às ingerências
políticas governamentais e, assim, desprovido de autonomia institucional.
Assim, tendo apenas dois Comitês de Bacia, um em estado letárgico (Tarumã-Açu) e
outro recém constituído (Puraquequara), atualmente, o Estado do Amazonas está totalmente
desprovido de Comitês de Bacias, o que, logicamente, compromete a gestão dos seus recursos
hídricos.

6.2.3.4 Agência de Águas

Em sede de referência ao modelo de Agência de Águas preconizado pela Lei


9.433/97 (PNRH), Granziera (2014, p. 163) explica que:

As Agências de Água integram o Sistema Nacional de Recursos Hídricos, nos


termos do art. 33, V, e tem por finalidade exercer a função de secretaria executiva
dos respectivos Comitês de Bacia Hidrográfica. O art. 42, em seu parágrafo único,
preconiza que sua criação será autorizada pelo Conselho Nacional de Recursos
Hídricos ou pelos Comitês Estaduais de Recursos Hídricos, mediante solicitação de
um ou mais Comitês de Bacia Hidrográfica, condicionada ao atendimento dos
seguintes requisitos, na forma fixada pelo art. 43.
175

Seguindo o modelo estabelecido pela Lei Federal, o Estado do Amazonas produziu a


sua norma doméstica. Na forma dos artigos 57, inciso V da Lei Estadual nº 3.167/2007, a
Agência integra SEGRH. Todavia, ocorre que justificado pela ausência de efetividade quanto
à prática da gestão hídrica e pela mais absoluta incapacidade estrutural dos Comitês de Bacia,
o Estado do Amazonas ainda não se ressentiu da necessidade de ter uma agência executiva,
razão pela qual inexiste Agência de Águas.
Este instrumento, embora inexista no plano prático, merece ser pensado pelos
agentes responsáveis pela condução da gestão hídrica no Estado, uma vez que ele goza de
capacidade para fixar marcos regulatórios, o que pode ser uma alternativa para atenuar a
tamanha ausência de efetividade do ordenamento hidrojurídico no Estado.

6.2.4 O Ministério Público e a judicialização da gestão hídrica

Enquanto bem jurídico difuso, o “direito ao meio ambiente ecologicamente


equilibrado” tem uma diversidade de destinatários e encarregados na sua proteção. O art. 23,
inciso VI da Carta Constitucional, é norma de competência comum, portanto, de natureza
executiva. Tal dispositivo estabelece que: “é a competência comum da União, dos Estados, do
Distrito Federal e dos Municípios proteger o meio ambiente e combater a poluição em
qualquer de suas formas”; ou seja, enquanto norma de execução, em regra, deveria ser dotada
de funcionalidade, sobretudo, pelos entes políticos. O art. 225 da CF, por sua vez, com seu
espectro difuso, estabelece que: “todos tem direito ao meio ambiente ecologicamente
equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao
Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras
gerações”. Desta forma, com respaldo nestas premissas constitucionais, os entes políticos e a
sociedade como um todo se encontram legitimados para atuar na proteção do meio ambiente
seja na esfera administrativa por meio dos órgãos políticos de controle, seja na área judicial,
através de Mandado de Segurança, Ação Civil Pública ou da Ação Popular.
Em razão da natureza difusa do bem jurídico ambiental, os seus atores são diversos e
multifacetados: desde o cidadão, passando pelas organizações civis e os entes políticos
representados por seus órgãos, e o Ministério Público. Cada um deles dispondo de
instrumentos processuais capazes de intervir na proteção do meio ambiente.
Dentre todos os atores legitimados pela lei para atuar na proteção ambiental, o que
mais se destaca é o Ministério Público. Forte no dever consignado pelo art. 127, caput, da CF,
em especial, acerca da “defesa da ordem jurídica e dos interesses sociais e individuais
176

indisponíveis”, bem como pela função institucional de “promover a ação civil pública para a
proteção do patrimônio público e social, do meio ambiente e de outros interesses difusos e
coletivos”, estabelecida pelo art. 129, inciso III, da CF, encontra-se constitucionalmente
legitimada a atuação do Ministério Público para atuar na defesa e proteção do meio ambiente.
Em defesa da ordem jurídica ambiental, não raras são as intervenções do Ministério
Público, seja no âmbito judicial por meio de Ação Civil Pública, seja no extrajudicial, como
órgão preventivo de controle ou através da celebração de Termo de Ajustamento de Conduta
– TAC, como ferramenta de compromisso com o infrator no sentido fazer ou não fazer algo,
ou então pagar determinado valor.
No âmbito do Estado do Amazonas, observa-se que a atuação do Ministério Público
Estadual em relação à proteção ao meio ambiente limita-se aos crimes e infrações ambientais
urbanas, intervindo quando, por exemplo, ocorre a poluição de um igarapé situado dentro de
uma cidade. Quanto à gestão dos recursos hídricos, ele pouco intervém, passando
desapercebidas as suas atuações pela sociedade por serem demasiadamente burocráticas.
No entanto, diversamente do que ocorre com o Ministério Público Estadual, a
atuação do Ministério Público Federal (MPF) do Estado do Amazonas, não muito
diferentemente do que ocorre em relação aos demais Estados da Amazônia, quanto à gestão
dos recursos hídricos é muito efetiva e dinâmica.
No mês de novembro de 2014, o Ministério Público Federal (MPF) de todos os
Estados que compõem a Amazônia ingressaram com ações civis públicas para exigir o
planejamento do uso dos rios e a proibição da ANA de emitir outorgas sem Planos de
Recursos Hídricos, conforme pode ser observado no material abaixo veiculado pela Secretaria
de Comunicação do Ministério Público Federal do Pará, cujo título é “Na Amazônia, onde
está a maior parte da água do país, a Agência Nacional de Águas nunca exigiu o planejamento
do uso dos rios e mesmo assim concede outorgas”, publicado na página institucional oficial
do MPF na internet, no dia 19 de novembro de 2014:

O Ministério Público Federal apresenta hoje à Justiça Federal em seis estados da


Amazônia um pacote de ações para proteger os recursos hídricos da região, até agora
usados sem nenhum planejamento. A Agência Nacional de Águas vem outorgando
direitos de uso de recursos hídricos de maneira ilegal, porque, em nenhum rio
amazônico, foram instalados os comitês de bacia são responsáveis por planejar o uso
das águas. Sem os comitês e sem planejamento, de acordo com a legislação
brasileira, a ANA não poderia emitir nenhuma outorga.
"Podemos chamar hoje de o dia D em defesa das bacias hidrográficas. As ações
foram impetradas com o propósito de assegurar que tenhamos água com suficiência
e qualidade para a população brasileira. Numa sociedade de risco é preciso
compartilhar decisões importantes com a sociedade. Esses comitês vêm satisfazer
essa necessidade de ter participação popular, compostos pelos usuários da bacia,
177

tanto que a lei prevê escutar populações indígenas e a Fundação Nacional do Índio",
disse em entrevista coletiva hoje a subprocuradora-geral da República Deborah
Duprat.
Nas ações, o MPF pede que a ANA seja proibida de emitir a chamada Declaração de
Reserva de Disponibilidade Hídrica para quaisquer empreendimentos que estejam
em licenciamento nas bacias dos rios Tapajós, Teles Pires, Madeira, Ji-Paraná,
Negro, Solimões, Branco, Oiapoque, Jari, Araguaia, Tocantins e Trombetas. A
necessidade de planejamento no uso dos recursos hídricos é uma preocupação
incluída na Constituição brasileira e, mesmo assim, nunca foi aplicada na Amazônia,
onde está o maior volume de águas do país, tanto em corpos subterrâneos (aquíferos)
quanto superficiais (rios).
O MPF cobra o cumprimento da Política Nacional de Recursos Hídricos, instituída
pela Lei das Águas (9.433/97). A Política trouxe, como principais fundamentos, a
convicção de que “a água é um recurso natural limitado” (art. 1º, II) e de que, “em
situações de escassez, o uso prioritário dos recursos hídricos é o consumo humano e
a dessedentação de animais (art. 1º, III)”. E tem, como objetivos, “assegurar à atual e
às futuras gerações a necessária disponibilidade de água, em padrões de qualidade
adequados aos respectivos usos”; “ a utilização racional e integrada dos recursos
hídricos”; e “a prevenção e a defesa contra eventos hidrológicos críticos de origem
natural ou decorrentes do uso inadequado dos recursos naturais”.
A Política Nacional também instituiu que a gestão dos recursos hídricos deve ser
descentralizada e contar com a participação do poder público, dos usuários e das
comunidades. Na Amazônia, onde boa parte da população tem a sobrevivência
baseada nos rios, essa participação se torna ainda mais relevante. Mas sem comitês
de bacia instalados, não há participação, nem planejamento, os principais pilares da
política. São os comitês de bacia, constituídos com participação social, que podem
fazer o plano de uso dos recursos hídricos.
O Conselho Nacional de Recursos Hídricos, ciente dos riscos com a intensificação
das atividades econômicas nos rios amazônicos, aprovou, em 2011, o que o MPF
classifica de “arremedo” de planejamento, o Plano Estratégico de Recursos Hídricos
dos Afluentes da Margem Direita do Rio Amazonas (PERH-MDA). O Plano previa
que fossem instalados os comitês de bacia para que planejamentos fossem
formulados para cada bacia. Mas até hoje, passados três anos, nenhum comitê foi
instalado.
Questionada pela organização International Rivers Network, a ANA admitiu, em
documento datado de setembro de 2014, que “não dispõe de acompanhamento
sistemático da implantação do PERH-MDA”. “De acordo com a Lei nº 9.437/97, em
seu art. 37, cabe ao Comitê de Bacia o acompanhamento da execução do Plano de
Recursos Hídricos da bacia e sugestão das providências necessárias ao cumprimento
de suas metas. Como inexiste tal colegiado com atuação que abranja toda a região da
MDA, foi criado pela Resolução CNRH nº 128/2011, um Colegiado Gestor com
responsabilidade de auxiliar na implementação do PERH-MDA. Destaca-se que tal
colegiado ainda não foi instalado.”, diz o documento.
Mesmo assim, a agência vêm concedendo normalmente outorgas para usinas
hidrelétricas, mineradoras e empreendimentos agropecuários, em flagrante violação
da legislação. “A consequência das omissões e do arremedo de Plano de Bacia é que
a ANA vem concedendo, no processo de licenciamento ambiental de
empreendimentos na Amazônia, Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica
(DRDH), e sua posterior outorga, sem levar em consideração a participação dos
usuários e das comunidades e o uso múltiplo das águas, fato de graves
repercussões”, diz o MPF nas ações.
Diz a Lei de Águas: “Toda outorga estará condicionada às prioridades de uso
estabelecidas nos Planos de Recursos Hídricos e deverá respeitar a classe em que o
corpo de água estiver enquadrado e a manutenção de condições adequadas ao
transporte aquaviário, quando for o caso. A outorga de uso dos recursos hídricos
deverá preservar o uso múltiplo destes.” Tudo vem sendo desrespeitado,
principalmente em empreendimentos hidrelétricos na Amazônia.
“A falta de comitês de bacia e de planos de recursos hídricos de cada bacia
hidrográfica na Amazônia faz com que a decisão administrativa seja centralizada,
sem qualquer controle social. As águas da bacia ficam asseguradas a apenas um uso:
178

para o setor elétrico. Todos os demais, como, por exemplo, transporte, turismo,
abastecimento, dessedentação, etc. ficam prejudicados. O prejuízo será sentido não
só por esta geração, mas compromete a utilização da água pelas futuras gerações”,
dizem os procuradores da República nas ações iniciadas hoje.
Para o MPF, o fato de vivermos atualmente uma crise de abastecimento de água de
graves proporções no sudeste do país, assim como o desaparecimento de trechos
inteiros do rio São Francisco, no nordeste, são alertas para o que pode ocorrer na
Amazônia, a maior bacia hidrográfica do país e do mundo, se for mantido o atual
padrão de total falta de planejamento e precaução.
“O que ocorre no sudeste e no nordeste é um vislumbre do risco que correm os rios
da bacia Amazônica, em pior situação por nem sequer se observar a precaução
obrigatória da gestão participativa dos recursos. E a Amazônia, como demonstra o
conhecimento científico mais recente, é um ecossistema que funciona como
regulador hidrológico para o continente sul-americano e principalmente, para as
regiões sul, sudeste e centro-oeste do Brasil, diretamente beneficiadas pela umidade
transportada da floresta”, dizem as ações judiciais.
O MPF cita o recente relatório do professor Antônio Donato Nobre, que posiciona o
ecossistema amazônico como o coração do ciclo hidrológico brasileiro, fornecendo
umidade sobretudo para as regiões sul, sudeste e centro-oeste, que poderiam ser
desérticas se não fosse a existência da floresta tropical ao norte. Para os
procuradores da República, beira a irresponsabilidade o comportamento do governo
brasileiro ao insistir em grandes empreendimentos nos rios amazônicos sem
nenhuma espécie de planejamento sobre o uso dos corpos d'água.
No caso da bacia do rio Madeira, o MPF lembra que estão previstos mais três usinas
hidrelétricas em um momento em que não se sabe ainda a influência das duas
barragens já existentes (Jirau e Santo Antônio) na trágica enchente de 2014, que está
sob investigação. “Se com apenas dois desses empreendimentos os desdobramentos
chegaram a patamares nunca antes observados e ainda não se tem certeza da exata
influência da construção das barragens nos acontecimentos, que dirá do impacto
sinérgico deles com mais outros três (um deles, inclusive, com porte semelhante)?
Qual o tamanho da irresponsabilidade governamental?”, diz a ação ajuizada em
Rondônia.
Além da ação em Porto Velho, sobre a bacia do rio Madeira, foram ajuizadas ações
em Manaus, sobre as bacias do Negro e do Solimões, em Boa Vista, sobre a bacia do
rio Branco, em Cuiabá, sobre a bacia dos rios Tapajós e Teles Pires, em Oiapoque e
Laranjal do Jari, sobre os rios Jari e Oiapoque, em Redenção, sobre a bacia
Araguaia-Tocantins e em Santarém, sobre o rio Trombetas.

Muitas destas ações resultaram na demonstração de irregularidades quanto ao


ordenamento hidrojurídico, sendo que muitas destas demandas judiciais culminaram por
proibir a ANA de emitir outorgas para uso de água nas bacias, conforme pode ser observado
no material abaixo, intitulado “Em um conjunto de ações coordenadas, MPF quer buscar o
planejamento do uso das águas em toda a Amazônia”, que trata sobre um conjunto de ações
coordenadas pelo MPF, publicado no dia 23 de março de 2015, veiculado no sitio oficial do
Ministério Público Federal do Estado do Amapá:

A Agência Nacional de Águas (Ana) está impedida de emitir autorizações para


utilização econômica de recursos hídricos na bacia do rio Oiapoque, no Amapá, sem
que antes seja aprovado o Plano de Recursos Hídricos, exigência da Lei de Águas
que deve ser cumprida antes de se licenciar qualquer empreendimento nos rios
brasileiros. A decisão liminar da Justiça Federal atendeu ao pedido do Ministério
Público Federal no Amapá (MPF/AP). O MPF que detectou que a obrigação nunca
179

foi exigida na região amazônica e entrou, no ano passado, com seis ações judiciais
cobrando o planejamento.
A chamada Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica, posteriormente
convertida em outorga, é o documento emitido pela Ana que autoriza
empreendimentos como usinas hidrelétricas, mineradoras e captação de água nas
bacias hidrográficas. Pela Lei 9.433/97, que estabelece a Política Nacional de
Recursos Hídricos, qualquer empreendimento em um rio só pode ser autorizado após
aprovação de um planejamento.
“É essencial a existência de Plano de Bacia Hidrográfica para a expedição de
outorga de uso de água, sendo tal determinação igualmente aplicada às declarações
de reserva de disponibilidade hídrica”, diz a decisão judicial assinada pelo juiz
federal Rodrigo Bentemuller. “Neste momento processual, não se avalia a
necessidade de instalação de Comitês de Bacias Hidrográficas, mas apenas a
imperiosa necessidade de discussão e efetivação do Plano da Bacia Hidrográfica do
Rio Oiapoque, antes de qualquer outorga de uso de água e/ou declaração de reserva
de disponibilidade hídrica a ser deferida na mencionada bacia hidrográfica”, ressalta
a decisão.
Essa é a segunda liminar concedida pela Justiça Federal na região amazônica em
resposta às ações do MPF que buscam assegurar o planejamento do uso dos recursos
hídricos da região, que estão entre os mais significativos do planeta. Nas ações, o
procuradores da República pediram a proibição de outorgas para quaisquer
empreendimentos que estejam em licenciamento nas bacias dos rios Tapajós, Teles
Pires, Madeira, Ji-Paraná, Negro, Solimões, Branco, Oiapoque, Jari, Araguaia,
Tocantins e Trombetas.
O MPF cobra o cumprimento da Política Nacional de Recursos Hídricos, que trouxe,
como principais fundamentos, a convicção de que “a água é um recurso natural
limitado” (art. 1º, II) e de que, “em situações de escassez, o uso prioritário dos
recursos hídricos é o consumo humano e a dessedentação de animais (art. 1º, III)”. E
tem, como objetivos, “assegurar à atual e às futuras gerações a necessária
disponibilidade de água, em padrões de qualidade adequados aos respectivos usos”;
“a utilização racional e integrada dos recursos hídricos”; e “a prevenção e a defesa
contra eventos hidrológicos críticos de origem natural ou decorrentes do uso
inadequado dos recursos naturais”.
A Política Nacional também instituiu que a gestão dos recursos hídricos deve ser
descentralizada e contar com a participação do poder público, dos usuários e das
comunidades. Na Amazônia, onde boa parte da população tem a sobrevivência
baseada nos rios, essa participação se torna ainda mais relevante. Mas sem comitês
de bacia instalados, não há participação, nem planejamento, os principais pilares da
política. São os comitês de bacia, constituídos com participação social, que podem
fazer o plano de uso dos recursos hídricos.
A ação tramita na Vara Única Federal do Oiapoque, sob o número 0000399-
79.2014.4.01.3102

No mesmo sentido, a ação civil pública nº 16399-54.2014.4.01.3200, que tramita


perante a 7ª Vara Federal do Amazonas, promovida pelo Ministério Público Federal do
Estado do Amazonas, resultou na demonstração de irregularidades quanto à legislação hídrica
culminando em proibir, em sede de antecipação de tutela, a ANA de emitir declaração ode
reserva de disponibilidade hídrica e outorgas para uso de água na bacia do Rio Amazonas,
segundo acusa o material abaixo, cujo título é “Justiça de Manaus proíbe outorgas para
empreendimentos na Bacia do Amazonas”, veiculado pela Assessoria de Comunicação do
MPF/AM, na página institucional oficial na Internet, em 13 de março de 2015, que tem o
seguinte teor:
180

Atendendo a pedido do MPF, juíza ordenou que a ANA se abstenha de emitir


Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica até a instituição do comitê da
bacia.
A Justiça Federal do Amazonas ordenou que a Agência Nacional de Águas (ANA)
se abstenha de emitir Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH)
para qualquer empreendimento que esteja sendo licenciado na bacia dos rios
Solimões e Amazonas enquanto não for instituído o Comitê de Bacia e aprovado o
Plano de Recursos Hídricos, exigências da Lei das Águas (9.433/97) que não estão
sendo cumpridas em nenhuma bacia hidrográfica na Amazônia.
Para a juíza Mara Elisa Andrade, responsável pela liminar, a ausência de
planejamento quanto ao uso dos recursos hídricos de determinada bacia
hidrográfica, por si só, evidencia o risco de dano irreparável ou de difícil reparação.
“A corroborar essa premissa, basta a leitura atenta dos noticiários dos últimos seis
meses, concernentes ao uso dos recursos hídricos do Reservatório Cantareira em São
Paulo”, diz na liminar.
“É possível concluir que a ANA está emitindo Declaração de Reserva de
Disponibilidade Hídrica e sua conversão em outorga, nos processos de
licenciamento ambiental de empreendimentos da bacia Solimões/Amazonas, com
inequívoca violação à lei 9.433/97, porquanto inexistentes o Comitê Gestor, o Plano
de Recurso Hídrico de Bacia Hidrográfica e, por consequência, qualquer fiscalização
de metas necessárias à salvaguarda dos interesses públicos indisponíveis quanto ao
uso equilibrado desses mesmos recursos”, diz a decisão.
A decisão do Amazonas é a primeira concedida em um pacote de seis ações judiciais
em que o MPF pede que a ANA seja proibida de emitir a chamada Declaração de
Reserva de Disponibilidade Hídrica para quaisquer empreendimentos que estejam
em licenciamento nas bacias dos rios Tapajós, Teles Pires, Madeira, Ji-Paraná,
Negro, Solimões, Branco, Oiapoque, Jari, Araguaia, Tocantins e Trombetas. A
necessidade de planejamento no uso dos recursos hídricos é uma preocupação
incluída na Constituição brasileira e, mesmo assim, nunca foi aplicada na Amazônia,
onde está o maior volume de águas do país, tanto em corpos subterrâneos (aquíferos)
quanto superficiais (rios).
O MPF cobra o cumprimento da Política Nacional de Recursos Hídricos, instituída
pela Lei das Águas (9.433/97). A Política trouxe, como principais fundamentos, a
convicção de que “a água é um recurso natural limitado” (art. 1º, II) e de que, “em
situações de escassez, o uso prioritário dos recursos hídricos é o consumo humano e
a dessedentação de animais (art. 1º, III)”. E tem, como objetivos, “assegurar à atual e
às futuras gerações a necessária disponibilidade de água, em padrões de qualidade
adequados aos respectivos usos”; “a utilização racional e integrada dos recursos
hídricos”; e “a prevenção e a defesa contra eventos hidrológicos críticos de origem
natural ou decorrentes do uso inadequado dos recursos naturais”.
A Política Nacional também instituiu que a gestão dos recursos hídricos deve ser
descentralizada e contar com a participação do poder público, dos usuários e das
comunidades. Na Amazônia, onde boa parte da população tem a sobrevivência
baseada nos rios, essa participação se torna ainda mais relevante. Mas sem comitês
de bacia instalados, não há participação, nem planejamento, os principais pilares da
política. São os comitês de bacia, constituídos com participação social, que podem
fazer o plano de uso dos recursos hídricos.

Portanto, conforme verificado na exposição, tamanha a complexidade da inoperância


do sistema hídrico não apenas no Estado do Amazonas, mas também nos demais Estados que
fazem parte da Amazônia, justificou o ocorrente fenômeno acerca da judicialização da gestão
dos recursos hídricos na região.
Dentre os pontos suscitados em todas as ações ajuizadas pelo Ministério Público
Federal (MPF), chama a atenção no que diz respeito ao descumprimento do ordenamento
jurídico em face da ausência de planos de recursos hídricos referendados por Comitês de
181

Bacias Hidrográficas dotados de capacidade deliberativa e na forma participativa preconizada


pelo ordenamento hidrojurídico, o que compromete a legalidade do ato administrativo relativo
à declaração de disponibilidade hídrica e outorga emitidas pela ANA.
Neste sentido, cumpre destacar que quando da oportunidade da realização da
pesquisa desenvolvida no Comitê do Puraquequara foi feita menção positiva sobre a atuação
do Ministério Público Federal do Estado do Amazonas junto à Associação Comunitária,
sendo a instituição considerada como a única parceira da entidade no sentido de apoiar as
medidas ambientais contra a poluição hídrica, o que pode ser melhor apreciado no Anexo F.
Para melhor compreensão sobre a realidade dos Comitês de Bacia Hidrográfica no
Estado do Amazonas, passa-se a examiná-los, a seguir.

6.3 OS COMITÊS DE BACIA HIDROGRÁFICA NO ESTADO DO AMAZONAS

Os Comitês de Bacia Hidrográfica no Estado do Amazonas são dois: o Comitê de


Bacia Hidrográfica do Rio Tarumã-Açu (CBH-T) e o Comitê de Bacia Hidrográfica do
Puraquequara (CBH-P) com território de abrangência nas respectivas bacias hidrográficas
(BH-T e BH-P). Estas denominadas bacias, na verdade, são sub-bacias hidrográficas e
localizam-se no entorno da cidade de Manaus. Todavia, para efeito do estudo proposto, as
denominaremos como BH-T e BH-P. Serão abordados alguns aspectos hidrossociais, o que
deve ser interpretado segundo o conceito de “água social” enquanto interação da água com a
realidade social, segundo o conceito apresentado por D´lsep (2010, p. 37), o que pode ser
vislumbrado de duas maneiras: uma, representa pela “água como vetor dos usos e costumes
sociais”, destacando a água histórica, a água e controle de natalidade, a água e paisagem, a
água e controle do êxito rural, e a água simbologia; e a outra, por meio “organização social
como fator de interação e gerenciador hídrico”, como a água educação e a água cultural como
patrimônio público. A opção por esta área territorial se justifica pela ameaça do desordenado
avanço demográfico decorrente das atividades antrópicas sobre à biodiversidade ainda existe
nestas bacias, sobretudo, porque elas e os seus igarapés albergam as maiores coberturas
vegetais nativas de floresta amazônica situadas no entorno da cidade de Manaus, conforme
ilustram as Figuras 5 e 6 abaixo:
182

Figura 5: Igarapé na BH-T Figura 6: Entardecer na BH-P

Fonte: o autor, 2015

Para melhor compreensão sobre os Comitês de Bacia Hidrográfica no Estado do


Amazonas, é de bom alvitre conhecer um pouco sobre algumas particularidades existentes nas
suas respectivas bacias, o que foi realizado por meio da pesquisa que faz parte deste trabalho.
Desta forma, com o objetivo de orientar a exposição, antes de se ingressar na órbita dos
Comitês de Bacia Hidrográfica (CBH´s) no Estado, primeiramente, são apresentadas algumas
particularidades hidrossociais da área de abrangência da Bacia do Rio Tarumã-Açu (BH-T)
para depois fazê-lo o mesmo quanto ao da Bacia Hidrográfica do Puraquequara (CBH-P).

6.3.1 Bacia Hidrográfica do Tarumã: aspectos hidrossociais

A área de estudo refere-se à sub-bacia hidrográfica de tributário do curso de água


principal da bacia do Rio Negro, denominada Bacia Hidrográfica do Rio Tarumã-Açu (BH-
T), situada na zona norte e oeste do Município de Manaus, sendo o principal curso d´água o
Rio Tarumã-Açu, conforme pode ser observado na Figura 7. Segundo estudo desenvolvido
por Costa (2011, p. 69), o Rio Tarumã-Açu “é um afluente da margem esquerda do Rio
Negro, possuindo uma área de 133.754,40 ha, representando 16% da área territorial da Capital
Amazonense”, sendo que nesta área concentra-se uma população urbana aproximada de
496.158 habitantes, o que representa uma densidade demográfica de 44 hab/ha.
183

Figura 7: Localização da Bacia Hidrográfica do Rio Tarumã-Açu

Fonte: IPAAM, 2006

Localizada muito próxima ao perímetro urbano da cidade de Manaus, nos últimos


anos eclodiu um processo de urbanização sobre a região do Tarumã, a qual passou a sofrer
uma forte tensão por ser ocupada para diversos fins. Para promover o acesso no Tarumã, a
floresta foi resgada para a construção de diversas estradas viscerais e ramais, conforme ilustra
a Figura 8, a seguir.
184

Figura 8 – Carta da rede viária da BH-T

Fonte: Prefeitura de Manaus, LABGEO. Laboratório de geotecnologias da UFAM (2008)

Devido ao crescimento urbano de Manaus, o Tarumã passou a ser alvo da


especulação imobiliária. Em pontos diferentes da região hidrográfica do Tarumã foram
construídos diversos empreendimentos imobiliários. Em determinada parte da região foram
construídas casas de programas habitacionais financiados pelo Poder Público, consoante
ilustra a Figura 9, a seguir:
185

Figura 9 – Moradias populares de programas habitacionais construídos na BH-T

Fonte: Costa, 2011

Além destas moradias populares, devido a expansão demográfica da cidade de


Manaus e a crise de moradias, o Tarumã, em outro ponto da região hidrográfica, também
passou a ser ocupado por invasões irregulares e clandestinas, formando bolsões de miséria
que estão avançando sobre a floresta, conforme demonstra a Figura 10, abaixo.

Figura 10 – Devastação e loteamentos irregulares avançando sobre a floresta na BH-T

Fonte: Clóvis Miranda – Jornal A Crítica (2015)


186

Em outra parte da região hidrográfica, com seus igarapés e praias fluviais, o Tarumã
também consiste em um espaço de entretenimento, turismo e lazer, onde se situam diversos
restaurantes, bares flutuantes e marinas, conforme acusam as ilustrações representadas pelas
Figura 11 e 12, abaixo:

Figura 11: Bares flutuantes na BH-T

Fonte: o autor, 2015

Figura 12: Marinas e atividades de turismo e lazer na BH-T

Fonte: o autor, 2015


187

Servindo de espaço para atividades de entretenimento e lazer, em outro ponto da BH


também existe empreendimentos de hotelaria e marinas, conforme acusam as Figuras 13 e 14,
abaixo.

Figura 13: Hotelaria na BH-T

Fonte: o autor, 2015

Além dos hotéis, dentre outros empreendimentos que existem no Tarumã, há uma
quantidade significativa de marinas náuticas que guardam embarcações e jet-skis, consoante
demonstra a Figura 14, abaixo:

Figura 14 – Hotéis e marinas na BH-T

Fonte: o autor, 2015


188

Em outros pontos da BH-T existem praias particulares cujos ingressos são vedados
ao público, uma vez que o acesso exige que se passe por propriedades particulares, as quais os
proprietários vedam o acesso de terceiros, ou exigem pagamento. Conforme pode ser
observado na Figura 15, a seguir.

Figura 15 - Praia particular na BH-T

Fonte: o autor, 2015

Não muito diferente do que ocorre em outros lugares Brasil à fora, a privatização das
praias é uma prática usual no Estado do Amazonas. Isto é uma prática que ocorre em quase a
totalidade da região hidrográfica do Tarumã, obstruindo o acesso das pessoas aos corpos
hídricos.
Conforme apreciado nas seções anteriores, a água é bem público de uso comum do
povo. Nada justifica a privatização dos corpos hídricos, haja vista a publicidade da água na
forma concebida pela CF. Todavia, tal como ocorre em outras atividades que não se assiste a
intervenção alguma pelo Estado, o controle e fiscalização sobre as construções e outras
atividades antrópicas nas águas da BH-T é praticamente inexistente.
Com tudo isso, é permitido dizer que devido à expansão demográfica da cidade de
Manaus, nos últimos anos, vem ocorrendo um aumento significativo na ocupação do solo do
Tarumã que, seguindo o mesmo modelo adotado para a cidade, cresceu de forma
desordenada, avançando sobre a floresta com diversos pontos de ocupação e urbanização,
conforme pode-se observar na Figura 16, abaixo:
189

Figura 16: Carta de uso e cobertura do solo na BH-T para o ano de 2008

Fonte: LABGEO. Laboratório de Geotecnologia da UFAM (2008)

Desta forma, pode-se interpretar que o mapa acima revela um contexto ainda mais
preocupante, pois ele diz respeito ao ano de 2008, ou seja, o cenário atual ocupação é ainda
maior.
Sendo, originariamente, uma área de floresta amazônica nativa, a qual foi desmatada,
a velocidade do processo de urbanização do Tarumã não apenas produziu um cenário de
carência mínima de infra-estrutura, como também de serviços de esgotamento sanitário e
limpeza pública que, consequentemente, resultam em contaminar as águas em determinados
pontos da BH-T.
Em razão da falta de investimentos e estações de tratamento, o despejo das águas
pluviais transporta grande quantidade de poluição orgânica e de metais que atingem o rio nos
períodos chuvosos. Em pontos da BH-T, depósitos de resíduos sólidos urbanos a céu aberto
são transportados para o rio pelas águas pluviais, quando não raro são despejados diretamente
no rio, pois segundo o jargão popular; “o rio leva tudo ..., até o lixo”. Embora não se tenha
190

feito algum estudo laboratorial sobre a qualidade das águas da BH-T, permite-se conceber que
em determinados pontos as águas subterrâneas e superficiais estão contaminadas por
esgotamento sanitário, despejos residenciais e domésticos.
Enquanto floresta tropical úmida, os fenômenos hidrológicos de vazantes
decorrentes da evaporação das águas devido às altas temperaturas na região que ocorrem em
determinadas épocas do ano, agravam o contexto que acomete a BH-T, ficando mais evidente
a contaminação hídrica pelos esgotamentos domiciliares e os resíduos descartados de forma
indevida pelas atividades antrópicas que ocupam o seu entorno, conforme acusam as Figuras
17 a 21, abaixo:

Figura 17: Resíduos sólidos flutuando na BH-T na vazante

Fonte: GEDA, nov. de 2014


191

Figura 18: Resíduos sólidos flutuando na BH-T

Fonte: GEDA, nov. 2014

Figura 19: Margens do Rio Tarumã-Açu em período de vazante

Fonte: GEDA, nov. 2014

O que ocorre no Tarumã não é muito diferente de outras regiões de Manaus em que
as políticas públicas quanto à distribuição de água tratada e saneamento básico não
acompanharam o crescimento demográfico. Em determinados pontos do Tarumã é possível
verificar esgotamento sanitário a céu aberto, águas servidas correndo, e alguns taludes para
escoamento das águas pluviais atolados de resíduos sólidos funcionando como fonte
192

permanente de poluição. As ilustrações colacionadas acimas podem retratar a triste e


preocupante realidade do Tarumã.
O perverso contexto demonstrado permite concluir que a região onde se localiza a
BH-T cresceu sem planejamento urbano e sem qualquer compromisso com as águas. Houve
uma ocupação do solo urbano sem controle adequado do seu impacto sobre o sistema hídrico,
o que está a comprometer de forma significativa a qualidade das águas existentes no entorno
da cidade de Manaus.
As águas do Tarumã banharam a história de Manaus e clamam por socorro. Para
permitir às futuras gerações a chance que se tem hoje de contemplar com outro “olhar” as
sagradas águas do rio Tarumã-Açu, conforme ilustra a Figura 20, este quadro de degradação
explicitado precisa ser revertido; e isso perpassa, necessariamente, pela reorganização do
CBH-T, o qual tem papel fundamental neste processo de mudança.

Figura 20: Entardecer no rio Tarumã-Açu

Fonte:o autor, 2015

6.3.2 Comitê de Bacia Hidrográfica do Rio Tarumã-Açu (CBH-T)

Segundo a investigação realizada, pode-se depreender que o Comitê de Bacia


Hidrográfica do Tarumã (CBH-T) foi concebido com lógica: por iniciativa do Governo do
Estado, iniciou próximo de onde poderia ser gerido com melhor acompanhamento, ou seja,
em Manaus, onde ocorrem severas tensões sociais e problemas quanto ao desordenado
193

crescimento demográfico e a consequente degradação das águas, conforme relatado na


entrevista realizada com Daniel Navas, Ex Secretário de Estado da Secretaria Estadual de
Recursos Hídricos, que acompanhou bem de perto todo este processo de constituição do
CBH-T. Da entrevista realizada, pode-se depreender que, inicialmente, houve uma
mobilização estratégica. O Estado tomou frente para as articulações. Foram pensadas
estratégias de gestão hídrica. Houve articulação até mesmo para a elaboração do Regimento
Interno do CBH-T, conforme se vislumbra no Anexo C. O Decreto nº 29.249, de 19 de
outubro de 2009, por sua vez, dotou de legalidade o CBH-T, por meio da criação e aprovação
o regimento interno, segundo aponta o Anexo D.
Todavia, não obstante o seu pioneirismo dentre os Estados que constituem a
Amazônia Legal, a criação do CBH-T partiu de uma iniciativa do Poder Público que na
medida que passou a se afastar do Comitê, deixando de intervir nas articulações políticas e na
estruturação da gestão, enfraqueceu demasiadamente o grau de interesse entre os seus
membros.
A falta de cooperação entre os membros do CBH-T ocasionou a sua inoperância
atual. Segundo depreendido do contexto pesquisado, também pode-se observar que outras das
razões para a atual obsolescência do CBH-T diz respeito a conflitos de interesses existentes
entre os seus membros. Tudo isso culminou no atual estado de amofinamento do CBH-T.
Segundo observado na pesquisa realizada, embora o CBH-T tenha sido composto por
inúmeras instituições que exercem atividades de destaque no desenvolvimento do Estado,
muitas das pessoas que ali estavam, se encontravam exercendo um papel formal, em
representação às suas instituições, e não porque no seu íntimo internalizavam uma consciência
em relação aos problemas existentes do Tarumã.
Conforme informações prestadas pela Secretaria Executiva do Conselho Estadual de
Recursos Hídricos, no ano de 2011, todos os gestores do CBH-T entregaram os seus cargos.
Ficando, desde então, o CBH-T sem representação. Tamanha a dificuldade para localizar
algum membro do CBH-T, que efeito de elaboração desta pesquisa sequer conseguiu-se
alguém interessado para ser entrevistado.
Assim, embora atualmente o CBH-T esteja reconhecido de direito, ele não existe de
fato. O problema quanto ao CBH-T é um símbolo do que ocorre em relação à gestão hídrica
no Estado do Amazonas: descaso não apenas do Poder Público, mas também da sociedade. A
ausência de conflitos sociais acentuados em razão da abundância de água é traduzido na falta
de mobilização e da participação social na articulação das políticas hídricas. A gestão das
194

águas não parece ser uma prioridade para a sociedade, razão pela qual tal fenômeno reproduz
a ausência de prioridade quanto às políticas governamentais.

6.3.3 Bacia Hidrográfica do Puraquequara (BH-P): aspectos hidrossociais

A região do Puraquequara está localizada na zona leste de Manaus, conforme pode


ser observado no mapa que ilustra a Figura 23, abaixo.

Figura 21: Rede hidrográfica urbana de Manaus

Fonte: IBAMA/DUMA sobre dados da Prefeitura, extraído de GEOMANAUS (2002, p. 69)

Relevante trabalho sobre a Bacia do Puraquequara, foi desenvolvido por Rocha


(2014), em sede de Dissertação de Mestrado em Geografia pela Universidade Federal do
Estado do Amazonas (UFAM). Segundo aduzido por Silva (apud, Rocha, 2014, p. 21), a título
de investigação sobre o bairro do Puraquequara, foi afirmado que:
195

Este bairro existe há aproximadamente 100 anos e surgiu na primeira metade do


século XX, fundado por 23 famílias ribeirinhas que se instalaram às margens do Rio
Amazonas. A primeira Vila da Comunidade do Puraquequara formou-se às margens
do rio. Após o declínio da Época Áurea da Borracha, em 1918, várias famílias de
ribeirinhos instalaram-se no local, em áreas alagadas, dando origem a uma
comunidade flutuante.
Com o crescimento da comunidade, a atividade econômica principal passou a ser a
produção de farinha de mandioca e carvão vegetal, além da pesca de subsistência.

Em relação às características demográficas, sociais e econômicas existentes no bairro


do Puraquequara, no decurso da pesquisa realizada por Rocha (2014, p. 29), foi levantado o
seguinte contexto:

A atividade de pesca gera renda no Puraquequara, por ali se encontrar uma Colônia
de pescadores e hoje tem aproximadamente 5.856 habitantes, segundo estimativa do
senso 2010, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE.
Atualmente, o lago é cenário de desenvolvimento de múltiplas atividades
econômicas, principalmente, as relacionadas ao lazer e a recreação. Na região
existem hotéis de “selva”, de padrão internacional, que oferecem pacotes com
agencias de turismo e movimentam a economia local. Todavia, as atividades de
entretenimento atendem as mais variadas classes sociais, pousadas e hotéis mais
modestos, garantem a diversão aos usuários do lago no fim de semana.
Uma parte da bacia do Puraquequara é ocupada para uso agrícola. Esta parte é o
limite oriental da Área Urbana de Manaus, e embora mantenha muitas de suas
características naturais, ali já se faz sentir os efeitos da expansão da cidade.
Nesta região localiza-se um cenário natural na Amazônia: “O encontro das águas”
que se origina quando o rio Negro, que banha a orla sul da cidade de Manaus e tem
suas nascentes localizadas na depressão do Orenoco, após percorrer 1.550km
deságua no Solimões, formando o rio Amazonas.

O resultado do estudo produzido por Rocha se assemelha em muito ao levantamento


coletado na pesquisa de campo realizada, por meio da entrevista realizada com o Presidente
do CBH-P (ANEXO F), em que pode-se observar muitas destas características, as quais
melhor serão analisadas em conjunto com o Comitê de Bacia do Puraquequara (CBH-), a
seguir.

6.3.4 Comitê de Bacia Hidrográfica do Rio Puraquequara (CBH-P)

Diversamente do que ocorre no CBH-T, o CBH-P existe de fato; mas não de direito.
A sede do CBH-P está estabelecida na mesma sede da Associação dos Moradores da Vila do
Puraquequara. O Presidente CBH-P, Sr. Elton de Jesus Correa de Souza, também é o
Presidente da Associação de Moradores. Em entrevista realizada no dia 04 de agosto de 2015
com o Presidente do Comitê da Bacia do Puraquequara, representante dos usuários,
196

capacitado em gestão ambiental, foram feitos diversos questionamentos, que constituem parte
do ANEXO D.
Pode se observar que o contexto do CBH-P foi concebido de forma semelhante ao do
CBH-T, em região com características de acentuadas tensões sociais e hídricas. Enquanto
depreendido da pesquisa realizada em trabalho de campo, mediante entrevistas direcionadas
com membros da Secretaria do Conselho Estadual de Recursos Hídricos, bem como com o
Presidente, restou possível verificar que existe participação, sobretudo, social, uma vez que a
comunidade, por meio da Associação dos Moradores da Vila do Puraquequara, “adotou” o
Comitê contando com o apoio burocrático dado pela Secretaria de Estado.
Ocorre que existe a ata de criação do CBH-P e mais nada. O CBH-P não tem estatuto
nem regimento. Por isso que ainda não tem Decreto expedido pelo Governador do Estado para
reconhecê-lo de direito. Existe a participação da comunidade, porém eles estão desamparados
política e financeiramente pelo Estado. Historicamente, o Poder Público não dispensa a
atenção merecida ao Puraquequara.
Na região existe o polo industrial e outras atividades nocivas à qualidade dos corpos
hídricos superficiais e subterrâneos. O fato de inexistir outorga e a ausência do Poder Público
na região fomentam as transgressões ambientais.
O CBH-P não tem estrutura alguma: não tem computador, não tem internet, etc. As
pessoas que conduzem o CBH-P são o Presidente e o vice, e eles arcam com todas as despesas
para impulsionar as atividades do CBH-P.
O fato do CBH-P não ser reconhecido de direito constituí um obstáculo para receber
qualquer aporte técnico ou financeiro do Estado. Na verdade, o CBH-P está sendo conduzido
em conjunto com a Associação dos Moradores da Vila do Puraquequara porque ele não tem
estrutura alguma. Segundo afirmado pelo Presidente do CBH-P, embora os empresários
tenham sido convidados a participar, nenhum demonstrou-se interessado.
São extremamente preocupantes as violações e danos provocados aos corpos
hídricos no Puraquequara. São diversos crimes ambientais que estão ocorrendo na BH-P:
açoreamento de nascentes, poluição hídrica industrial, devastação de mata, matadouro
clandestino, ocupações irregulares, lixão a céu aberto e lançamentos de águas servidas.
Também chama a atenção a mais completa falta de compromisso com o meio ambiente e os
recursos hídricos por parte das empresas do polo industrial que estão contaminados as águas
do Puraquequara. A ausência do Poder Público na região alimenta uma sensação de
impunidade e contribuindo para um cenário de degradação.
197

Este caótico quadro de degradação vai aumentar com o avanço da densidade


demográfica sobre a região em face da dispersão urbana de Manaus.
A região do Puraquequara não é abastecida com água e também não dispõe de
serviços de saneamento básico, e isto vai acentuar muito os conflitos sociais que já existem e
a tensão sobre os corpos hídricos superficiais e subterrâneos. É possível que este panorama de
tensões hídricas venha a repercutir na zona leste da cidade de Manaus.
A principal dificuldade que o CBH-P tem é financeira. O Comitê está completamente
desprovido de recursos financeiros. As pessoas que financiam as atividades do Comitê são o
seu Presidentes e alguns membros, todos pessoas físicas, que são pessoas simples e moradores
da Vila do Puraquequara. A última receita significativa que o CBH-P obteve foi em
decorrência da multa imposta por um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) junto ao
Ministério Público Federal que reverteu na melhoria da distribuição de água para a
comunidade. A ausência do Estado na região do Puraquequara é emblemática e alimenta a
ineficácia do sistema hídrico, que deveria começar pela estruturação do CBH-P.

6.4 PROPOSTAS PARA A EFETIVAÇÃO DOS OBJETIVOS DOS COMITÊS

Apresentadas tais peculiaridades que envolvem os CBH´s e a gestão dos recursos


hídricos no Estado do Amazonas, com o viés propositivo que baliza o estudo desenvolvido,
permite-se apresentar algumas propostas suscetíveis para a viabilização das atribuições que
cabem aos mesmos.

6.4.1 Educação ambiental

A educação ambiental constitui a base para repensar a formação de um novo modelo


de cidadania. Uma cidadania caracterizada por laços de solidariedade, uma vez que o meio
ambiente exige cooperação entre as instituições e, sobretudo, entre as pessoas.
Na órbita da gestão dos recursos hídricos do Estado, antes de mais nada, permite-se
compreender que é preciso mais investimentos não apenas no sentido de capacitar os
cidadãos, mas também os atores políticos e econômicos, a começar pela dimensão do
princípio da informação enquanto critério para a participação. O contexto da gestão hídrica
que acomete a região metropolitana de Manaus é muito preocupante e a sociedade não foi
informada sobre a dimensão dos impactos que sofrerá no futuro. Em atenção ao princípio da
informação, merece relevo a afirmação de Sirvinskas (2014, p. 144), pois segundo ele, este
198

princípio está fundamentado em dois pontos importantes: “a) informação; e b)


conscientização ambiental. Se o cidadão não tiver consciência ambiental, a informação não
lhe servirá para nada.”
Com efeito, o comentário tecido pelo referido doutrinador é digno de profunda
reflexão, uma vez que inócuo o acesso à informação sem a consciência da problemática
ambiental. Esta consciência ambiental, constituída através da educação e do conhecimento, é
o fio condutor que alimentará uma tomada de atitude proativa e participativa da sociedade
como expressão da cidadania.
No mesmo diapasão, discorrendo sobre tal temática, Milaré (2013, p. 275) destaca a
importância da informação como pressuposto à participação, invocando que:

O direito à participação pressupõe o direito de informação e está a ele intimamente


ligado. É que os cidadãos com acesso à informação têm melhores condições de atuar
sobre a sociedade, de articular mais eficazmente desejos e ideias e de tomar parte
ativa nas decisões que lhes interessam diretamente.

A educação ambiental, enquanto instrumento social, demanda a disseminação das


informações ambientais, uma vez que são estas informações que vão promover a construção
de novos valores sociais e que pautarão a formação de uma consciência que, por sua vez, será
exteriorizada por meio participação social, como as atividades de conscientização organizadas
pelo GEDA que, em parceria com o Exército e outras instituições, realizaram um mutirão
ecológico de limpeza em um igarapé contaminado situado na BH-T, conforme ilustra a Fig.
24:

Figura 22: Mutirão ecológico de limpeza do rio

Fonte: GEDA, nov. 2014


199

Na dimensão da gestão hídrica do Estado do Amazonas, a educação ambiental


consiste peça fundamental para que outras pessoas e instituições venham a se engajar nas
atividades dos CBH´s, o que demanda um esforço de políticas públicas direcionadas a tal
atribuição, a começar pela valorização da água e a desconstrução da cultura de desprezo em
razão da sua abundância na região.

6.4.2 Engajamento das instituições de ensino

Na esteira da educação ambiental, a articulação entre os CBH´s com as instituições


de ensino constituem critérios fundamentais para a formação de uma nova cultura hídrica
pautada com embasamento tecnológico e científico.
No âmbito do Estado do Amazonas, existem diversas instituições de ensino públicas
e particulares. Estas instituições de ensino gozam de aparato técnico e científico para cumprir
com a sua verdadeira função social: promover a disseminação do conhecimento. Mas é
preciso trazer isso para o plano da praticidade, ou seja, que o conhecimento produzido
transcenda às fronteiras dos bancos acadêmicos.
O exemplo do COMITESINOS é emblemático. A UNISINOS comprou a bandeira
do COMITESINOS. Conforme apurado pela pesquisa, esta articulação institucional entre o
COMITESINOS e a UNISINOS foi determinante para que ele viesse a se tornar um modelo
de gestão que foi perseguido por outros Estados que também tinham dificuldades quanto à
organização dos Comitês. Muito embora as peculiaridades socioambientais e econômicas que
caracterizaram a concepção dos COMITESINOS sejam diferentes do contexto que concebeu
os Comitês do Estado do Amazonas, muitas das suas experiências podem ser compartilhadas,
em especial, quanto à organização estrutural e de gestão. A articulação do COMITESINOS
com setores importantes da sociedade como o Ministério Público, ONG´s e outros organismos
de cooperação somente foram possíveis em razão da participação da UNISINOS, a qual não
apenas endossa as atividades do Comitê, mas também oferece o suporte de infra-estrutra e
com a participação do meio acadêmico no sentido de democratizar o debate sobre a gestão
hídrica na Bacia por meio de conhecimentos construídos no âmbito da academia.
Não devem ser desprezados os relevantes e onerosos estudos desenvolvidos pelas
instituições de ensino e pesquisa existentes no Estado do Amazonas para efeito de orientar as
atividades dos CBH´s. Em razão da falta de investimentos de recursos públicos estaduais na
gestão de recursos hídricos é preciso pensar um modelo diferente, sobretudo, com o
compartilhamento do conhecimento construído na academia. As instituições de ensino
200

públicas e privadas e, em especial, a Universidade Federal do Amazonas (UFAM), os


Institutos Federais e a Universidade Estadual do Amazonas (UEA) tem uma missão muito
importante na condução deste processo, como por exemplo na atividade de campo organizada
pelo GEDA, que em parceria com outras instituições públicas e privadas, organizou um
mutirão ecológico para a remoção de resíduos, visando chamar a atenção da sociedade para a
os problemas que ocorrem na BH-T, conforme pode-se observar nas Figuras 25 a 29, abaixo:

Figura 23: Folder de atividade organizada pelo GEDA

Fonte: GEDA, nov. 2014

Figura 24: Mutirão de limpeza

Fonte: GEDA, nov. 2014


201

Figura 25: Mutirão de limpeza

Fonte: GEDA, nov. 2014

Figura 26: Participação do Exército no mutirão

Fonte: GEDA, nov. 2014


202

Figura 27: Logística de transporte dos resíduos coletados

Fonte: GEDA, nov. 2014

6.4.3 Fortalecimento da participação e diálogo entre o Estado, usuários e sociedade civil

O princípio da participação constitui premissa basilar para o funcionamento de


qualquer modelo de gestão hídrica. É preciso mobilização social e investimentos pelo Poder
Público na forma preconizada pelos diplomas e Convenções Internacionais sobre Águas. Esta
simbiose entre o Poder Público e a sociedade civil é fundamental para o avanço do processo
de gestão hídrica. Existe o argumento de que os usuários da BH-T não tem uma cultura de
cooperação. Foi observado que não existe diálogo entre os usuários: as marinas, os
proprietários de flutuantes, os condomínios, etc., não se conversam. Os seus interesses se
limitam na órbita particular. A maioria desses usuários da BH-T sequer conhecem a existência
do CBH-T. Eles não participam e nem se interessam em participar, pois seus interesses se
limitam à órbita doméstica. Uma das razões da desativação do CBH-T foi a falta de
cooperação e entrega por por conta de uma consciência ideológica e hídrica que ocorreu entre
muitos dos seus membros, que estavam ali para representar as suas respectivas instituições, o
que passou a desinteressar a todos na medida que o Estado diminuiu a sua participação.
É preciso mobilização e participação social para dotar o CBH-T de efetividade.
Ocorre que não há nada mais sagrado que possa justificar uma cooperação pela água, que até
poderia ser aquela preconizada por Petrella e Shiva, conforme destacado na seção 3.1, a qual
trata sobre o direito à água. Repensar um modelo de representação por CBH´s diferente para o
203

Estado é fundamental. No âmbito das regiões urbanizadas e com maior densidade


demográfica é possível adotar os instrumentos preconizados pela PNRH; todavia,
considerando as peculiaridades da região amazônica, sobretudo, no seu interior, a adoção dos
instrumentos estabelecidos pelo ordenamento hidrojuríco federal e estadual são
incompatíveis. A articulação política e institucional entre os CBH´s com outras instituições
públicas e privadas é fundamental para o seu amadurecimento. A participação do Estado é
muito importante nestes processos. É preciso uma aproximação dos CBH´s com os mais
diferentes usuários da bacia. O fato de existirem empreendimentos que degradam o meio
ambiente nas respectivas regiões, entende-se que a participação do Ministério Público neste
processo é fundamental, pois caso contrário os degradadores sequer vão atender o
chamamento à participação. É preciso exigir que a responsabilidade ambiental e hídrica dos
usuários que usam e gozam das águas seja exteriorizada.

6.4.4 Articulação com o Ministério Público

Enquanto instituição concebida constitucionalmente com dever de zelar pela ordem


pública, o Ministério Público tanto no âmbito federal, como o Estadual, gozam de
legitimidade para agir na defesa do meio ambiente, inclusive, as águas. Conforme visto na
seção 6.2.4, a participação do Ministério Público tem revelado a sua importância na
judicialização das questões hídricas em face das não raras omissões dos agentes estatais em
relação ao cumprimento às normas hidrojurídicas. A ausência do apoio estatal nas atividades
dos CBH´s deve ser suprida com melhor articulação com o Ministério Público, inclusive, em
relação à obtenção de recursos financeiros por meio de multas pagas em sede de Termos de
Ajustamento de Conduta, como o exemplo que ocorreu no CBH-P. Além disso, os CBH´s
podem se articular junto ao Ministério Público no sentido de fomentar o órgão acerca dos
danos e crimes ambientais que vem ocorrendo nas suas respectivas bacias para o fim de serem
adotadas medidas judiciais. O exemplo do COMITESINOS é emblemático neste sentido, pois
o Ministério Público do Estado é parceiro efetivo da instituição. Ocorrendo o mesmo em
outras regiões do Estado, onde os Promotores e servidores estão sendo capacitados quanto à
gestão hídrica. Uma aproximação entre os CBH´s e o Ministério Público mediante o
compartilhamento de informações, uma vez que ambos têm afinidades e interesse em comum
na bacia, parece ser uma alternativa que pode ser melhor explorada.
204

6.4.5 Incremento da atuação dos órgãos públicos na gestão dos recursos hídricos

O Estado do Amazonas precisa assumir a sua responsabilidade na condução da


gestão dos recursos hídricos. O ordenamento hidrojurídico estadual foi concebido de forma
muito avançada, porém, totalmente incondizente com as peculiaridades da região amazônica.
A estruturação preconizada pelo ordenamento jurídico estadual não permite a efetividade da
norma porquanto demais complexa, insuscetível de aplicabilidade no âmbito socioeconômico
adotado pela política hídrica estadual.
Em razão da falta de prioridades políticas na gestão dos recursos hídricos no âmbito
estadual, são parcos os investimentos públicos nesta área. Por conta disso, a fiscalização
ambiental é precária, provocando um sentimento de impunidade às diversas agressões
ambientais que vem ocorrendo nas bacias hidrográficas do Tarumã e Puraquequara. É preciso
que o Estado participe deste processo e assuma o seu papel protagonizador no cumprimento
das políticas hídricas o mais rápido possível. Além disso, precisam ser pensados mecanismos
de incentivos fiscais e convênios com outras instituições como o Exército e a Marinha para
auxiliar no exercício de poder de polícia nas águas da região, uma vez que gozam de estrutura
superior aos órgãos de fiscalização ambiental do Estado.

6.4.6 Engajamento das ONG´s e redes ambientais.

Considerando este contexto desafiador, sobretudo, quanto às dificuldades


encontradas para o cumprimento das atribuições dos Comitês na região amazônica, uma
perspectiva oriunda da globalização ambiental não pode ser desprezada: o incremento da
participação das Organizações Não Governamentais (ONG´s) e redes ambientalistas.
Embora existam verdadeiras empresas travestidas de ONG´s concebidas com o
propósito de explorar as riquezas naturais sob o viés econômico, também existem outras
tantas muito comprometidas com a proteção ambiental. Muitas destas ONG´s e redes são
transnacionais e comprometidas ideologicamente com o meio ambiente. Dotadas de recursos
materiais e aparato profissional, técnico e científicos, estes organismos vêm desenvolvendo
trabalhos destacados e apresentando resultados significativos na região amazônica em razão
das dificuldades de implementação das políticas domésticas pelos agentes govenamentais nas
regiões mais longínquas dos centros urbanos, cujas distâncias e deslocamentos podem
demandar mais de semanas de viagem.
205

Destacando a importância do papel das ONG´s e redes no cenário amazônico,


Nascimento (2014, p. 306) assevera que:

As redes transnacionais são fundamentais para a explicação da densidade alcançada


pela atuação não governamental na Amazônia, particulamente no Amazonas, pois os
recursos materiais, a criação ou mudança de perfil de ONG´s e o aumento do
número de projetos, de atividades, de iniciativas de constituição de redes e em redes
têm ocorrido em função das articulações entre fundações provedoras de recursos
financeiros, grandes ONGs de atuação global e ONGs de atuação nacional ou pan-
amazônica.

Para efeito de viabilização das atividades dos CBH´s no Estado do Amazonas,


permite-se compreender que a articulação entre os CBH´s com as ONG´s e redes ambientais
constitui elemento fundamental, uma vez que podem auxiliar no processo de amadurecimento
político e estratégico dos Comitês, a exemplo do que já ocorre entre o COMITESINOS e a
WWF-BRASIL no que tange à elaboração de projetos em conjunto.

6.4.7 Pagamento por serviços ambientais (PSA)

O potencial hídrico existente no Estado do Amazonas permite a realização de


atividades suscetíveis de pagamento por serviços ambientais (PSA). No âmbito do Estado,
existem inúmeras atividades que podem se adaptar aos escopos das atividades estabelecidas
pelos critérios fixados pela ANA, conforme discorrido na seção 3.5.3.1.
Desde que bem articulados com outros órgãos e instituições dotadas de força política
e científica para a viabilização de projetos, os CBH´s podem desenvolver projetos sociais,
como o faz o COMITESINOS, que vem sendo mantido em razão dos projetos que realiza para
PETROBRÁS através do programa Petrobras Ambiental. Os alicerces dos projetos
desenvolvidos pelo COMITESINOS, sobretudo, com o efetivo apoio social e mediante o
emprego de três elos inseparáveis (de natureza ambiental, social e econômica), representam
fundamentos para o êxito de qualquer projeto ambiental viável economicamente. Este é um
caminho que merece ser pensado, porquanto suscetível de aplicação concreta no Estado do
Amazonas.
Em outra esteira, merece ser pensada a viabilidade quanto à obtenção de receitas
financeiras decorrentes dos serviços ambientais relativos ao vapor d´água produzidos.
Discorrendo sobre a hidrografia na Amazônia, Migueis (2011, p. 57) afirma que:
206

A pluviosidade da bacia amazônica, na forma de chuva, é da ordem de 12.000


trilhões de litros por ano com perda total de água pela rede fluvial de cerca de 5.500
trilhões de litros por ano, onde se conclui que o restante da água, 6,5 trilhões de
litros por ano, deve retornar à atmosfera na forma de vapor d´água.

Uma vez internalizando tal entendimento, resulta possível afirmar que diante deste
significativo potencial de vapor d´água produzido anualmente, não apenas o Estado do
Amazonas, mas também os demais Estados que compartilham a bacia amazônica, desde
sempre, prestam relevantes serviços ambientais. Não se pode mais olvidar o reconhecimento
dos serviços que as comunidades que habitam a região amazônica vem provendo para o
Brasil, para o continente sul americano e para o mundo, em face à significativa quantidade de
água em estado de vapor que produzem por força da “bomba biótica” representada não apenas
pela evaporação das águas superficiais e zonas úmidas, mas também pelos processos de
evapotranspiração, os quais contribuem, determinantemente, para a formação das chuvas no
continente da América do Sul, segundo preconizado pelas teoria dos “Rios Voadores”
concebida por Nobre (2014), reconhecida pela ciência ambiental e pelos órgãos de Estado.
Não diferente de outras áreas do conhecimento, o ordenamento jurídico está ultrapassado e
não acompanhou o avanço do conhecimento científico. Não raramente, ouve-se vozes acerca
da poluição e desmatamento na Amazônia, sendo a população amazônica reputada como
degradadora do meio ambiente. Todavia, a falência de políticas públicas despidas de
embasamento científico corrobora de forma significativa para este pernicioso contexto. Os
“Rios Voadores” são uma realidade, porém desprezados pelo ordenamento jurídico e político
que, mais uma vez, estão na contramão do desenvolvimento, efetivamente, sustentável, para a
região e em detrimento dos povos da Amazônia, que há longos anos vem contribuindo, sem
nada receber, para a preservação dos corpos hídricos e da floresta amazônica. Entende-se que
este é um caminho sem volta e chegou a hora do povo da Amazônia apresentar esta “fatura” a
título de pagamento pelos relevantes serviços ambientais que presta ao continente.

6.4.8 Mudanças no ordenamento hidrojurídico estadual

Modificações na Política Estadual de Recursos Hídricos do Estado do Amazonas não


apenas precisam ser feitas, mas também precisam ter quem as faça cumprir, o que justifica
uma maior transparência sobre as políticas hídricas almejadas pelo Estado. As políticas
hídricas para o Estado do Amazonas não são concebidas no Estado, ou seja, sem a
participação do povo do Amazonas. São estabelecidas pela União Federal, como o também o
207

faz em relação a outros setores socioeconômicos na região amazônica. A confusão sobre o


quê são águas de domínio federal e estadual na região também serve para explicar a tamanha
ausência de efetividade do Poder Público na gestão hídrica, sobretudo, na região urbana de
Manaus. Este contexto merece ser revisto urgentemente, a começar pela elaboração de uma lei
apropriada que aborde efetivamente as peculiaridades hídricas da região como, por exemplo,
em relação aos “esquecidos” igarapés, que não foram contemplados nem pela lei federal, nem
pela estadual. No âmbito da sua competência legislativa concorrente, o Poder Legislativo do
Estado do Amazonas tem legitimidade para fazer isso. Resgatando a competência legislativa
estadual, é possível uma alteração na lei para estabelecer critérios de gestão sobre os igarapés
e demais mananciais hídricos peculiares da região.
As características da região hidrográfica do Estado exigem a formatação de gestão
hídrica peculiar e compatível com o contexto. As particulares hidrossociais são diferenciadas
do modelo preconizado pela Lei Federal. O direito, enquanto ciência humana, é dinâmico e
suscetível de se adaptar aos avanços científicos, como ocorre quando converge com outras
áras da ciência, como a ecologia. Neste sentido, merecem destaques as afirmações de OST
(2005, p. 114):

A ciência ecológica é dotada de conhecimentos provisórios e constantemente


mutável; portanto, imprescinde de instrumentos jurídicos eficazes e flexíveis para
acompanhar a sua velocidade. Para o alcance do objetivo protetor, seria necessário
que a norma fosse continuamente retrabalhada com o desiderato de se adaptar aos
progressos do conhecimento e das técnicas científicas.

Em que pese a qualidade do ordenamento jurídico quanto à gestão hídrica do Estado


do Amazonas, as peculiaridades da região demandam a construção de um modelo jurídico
compatível às suas características em consonância com os avanços tecnológicos e científicos.
Embora o Estado guarneça parte significativa do aquífero Alter do Chão, a previsão legal é
sucinta e superficial, deixando de abordar temas relevantes quanto às águas subterrâneas. Da
mesma forma, inexiste previsão quanto aos fenômenos de vapor d´água e evapotranspiração.
Eles agem diretamente na formação dos “rios voadores” cujo fenômeno vai influenciar nas
precipitações de outras regiões do continente. No mesmo sentido, atenção deveria ser
dispensada às águas pluviais, haja vista que o Estado recebe grande quantidade de águas
pluviais em determinados períodos do ano e que culminam a provocar a enchente dos rios e
não raras tragédias com pesado custo social, o que também justifica a repensar o modelo
adotado quanto aos rios caudais na região norte, cujo contexto é em muito diferente de outras
regiões como a do sul, sudeste e nordeste.
208

Outrossim, cumpre destacar que as águas que banham o Estado do Amazonas não
podem ser classificadas segundo os critérios fixados pela CONAMA 357. É preciso o avanço
do legislador para regular tal questão. Da mesma forma, é preciso que sejam estabelecidos
critérios para delimitar as Áreas de Preservação Permante (APP´s). Os fenômenos
climatológicos da região que ocorrem anualmente e provocam a seca dos rios ou a cheia dos
mesmos afetam diretamente o que pode ser considerado APP. As definições fixadas no art. 4º,
incisos I a IV, da Lei 12.651/2012, são insuscetíveis de aplicação na região amazônica. Isso
precisa ser discutido entre o legislador infraconstitucional e o Governo do Estado para realizar
um diagnóstico acerca da viabilidade das medidas, ou seja, analisar o plano empírico e da
efetividade, sob pena de permanecer-se assistindo o fenômeno da inflação legislativa por meio
de mais uma lei desprezada e insuscetível de aplicação na prática.
Por derradeiro, alguns elementos técnicos merecem ser revistos e pensados, sobretudo,
acerca da funcionalidade do atual modelo de CBH´s no Estado. Diante do contexto hídrico do
Estado do Amazonas, estudos e levantamentos feitos por especialistas em recursos hídricos
acenaram para um mecanismo alternativo à atual concepção de CBH´s, sobretudo, por meio
do “método de representações por calhas”, o que seria o mais compatível ao contexto do
Estado do Amazonas. Tudo isso merece ser repensado pelo legislador infraconstitucional.
209

7 CONSIDERAÇÕES FINAIS

A dimensão da bacia hidrográfica amazônica é proporcional ao tamanho do desafio


para a gestão dos seus recursos hídricos. Considerando a sua extensão territorial, a
complexidade do mosaico ambiental que alberga a diversidade sociocultural dos seus
habitantes, enfrentar o desafio da gestão dos recursos hídricos no Estado do Amazonas
constitui-se uma tarefa complexa, senão inexequível, sem esforço integrado, articulação e
diálogo entre os diversos setores da sociedade. Estes desafios deverão começar pelo
reconhecimento pela sociedade e, sobretudo, pelo próprio Estado, acerca da falência do atual
sistema de gestão hídrica.
Ocorre que o fato de existir disponibilidade de água doce em abundância não
representa que o acesso à água é fácil para a população do Estado do Amazonas, sobretudo, as
comunidades mais carentes. Atualmente, não muito diferente dos demais Estados que formam
a Amazônia Legal, o Estado do Amazonas sofre com problemas crônicos em relação à
distribuição de água potável e prestação de serviços de saneamento básico. A região
metropolitana de Manaus, onde está concentrada, aproximadamente, a metade da população
de todo o Estado, sofre com tal problema. A precária prestação de serviços de saneamento
básico não apenas corrobora significativamente para a proliferação de doenças provenientes
da água contaminada, mas também compromete a qualidade das águas subterrâneas, as quais,
por meio de poços, abastecem a maior parte da população, como foi verificado no âmbito das
bacias do Tarumã e Puraquequara.
Apesar de albergar a maior reserva de água doce do planeta, o acesso ao
abastecimento de água potável e saneamento básico no Estado do Amazonas é crítico,
beirando ao colapso socioambiental, o que está a contribuir não apenas para a degradação dos
recursos hídricos e da biodiversidade do bioma, mas também comprometendo a saúde e a
qualidade de vida da população que reside no entorno dos rios.
A crise do acesso à água potável e do saneamento básico existente no Estado não é
um problema recente e tem na sua origem toda uma conjuntura socioambiental ímpar
relacionada à dinâmica demográfica e econômica.
Enquanto expressão do direito à água como direito fundamental, o acesso à água
potável e o saneamento básico constituem direitos à dignidade humana preconizados não
apenas pela hermenêutica constitucional, mas também pelo ordenamento jurídico
internacional.
210

A omissão do Poder Público em cumprir com o seu dever constitucional de efetivar o


cumprimento dos direitos fundamentais, sobretudo, em oferecer o acesso à água potável e
saneamento básico à comunidade do Estado do Amazonas, não pode ser objeto de resignação,
porquanto constitui um dever do Estado, na forma concebida pela Constituição Federal.
Com efeito, o tempo urge não apenas em relação às dificuldades de acesso à água
potável e a carência de saneamento básico que acometem a maior parte da população do
Estado do Amazonas, mas também à exposição nociva contra a biodiversidade amazônica
ainda existente na região, o que representa uma preocupação que extrapola os interesses
regionais, atingindo uma dimensão globalizada pela importância que os rios da bacia
hidrográfica amazônica representam para o mundo, pois os efeitos difusos da poluição hídrica
e o desmatamento na Amazônia desconhecem fronteiras. Embora celebrados Tratados e
realizadas Conferências internacionais abordando a temática hídrica, atualmente, inexiste um
instrumento jurídico capaz de exigir plena efetividade, ou organismo internacional legitimado,
para cobrar dos países o cumprimento dos compromissos ajustados, uma vez que tal decisão
se esbarra na soberania política de cada Estado
O contexto da crise hídrica, existente na região da Amazônia brasileira, constitui um
problema complexo e de difícil compreensão. Conceber tal crise de acesso à água potável e
saneamento básico em regiões desérticas, áridas e semiáridas é possível, porém, na região
amazônica brasileira, onde se encontra albergada a maior bacia hidrográfica do mundo, tal
tarefa é de difícil compreensão lógica, sobretudo, às pessoas que desconhecem “in loco” a
Amazônia. Embora tenha sido empregado como cenário empírico da pesquisa o Estado do
Amazonas, especificamente, a cidade de Manaus, verifica-se que os problemas que fomentam
o contexto da crise de gestão hídrica nos maiores centros urbanos dos demais Estados da
Amazônia brasileira são muito assemelhados, motivo pelos quais as soluções perpassam,
necessariamente, pela reconstrução de políticas hídricas, suscetíveis de adaptação ao modelo
hidrossocial da região amazônica, cujas características são diferentes das demais regiões do
Brasil.
Neste sentido, merece ser repensado o modelo de gestão preconizado pelas
legislações federal e estadual quanto à gestão dos recursos hídricos no Estado do Amazonas.
Tanto a Lei Federal nº 9.433/97, quanto a Lei Estadual 3.167/2007, foram inspiradas pelo
modelo adotado na França. Ocorre que tal modelo de gestão é perfeitamente aplicável em
regiões de alta densidade demográfica com extensões territoriais mais concisas,
diferentemente das características sociais e hidrográficas do Estado do Amazonas, em que as
distâncias entre as suas cidades são demasiadamente acentuadas, sendo o transporte fluvial o
211

único meio de acesso entre muitas delas, demandando em não raros casos mais de dias de
viagem.
Ocorre que as políticas hídricas para o Estado do Amazonas, não diferente do que
acontece nos demais Estados da Amazônia, são concebidas fora da região, ou seja, sem a
participação do povo da Amazônia. O fato da grande maioria dos rios da região serem
transfronteiriços e interestaduais eles constituem-se bens de domínio da União, na forma do
art. 20, inciso III da CF, justifica a competência da União Federal. A grande maioria dos rios
da região são caudais, o que por força da norma constitucional atrai a competência da União
para intervir como ocorre, por exemplo, em relação às outorgas de uso que são emitidas pela
ANA. Todavia, o âmbito de abrangência da norma também absorveu diversas peculiaridades
hidrográficas da região, mas deixou de regulamentá-las, como por exemplo ocorre com os
igarapés das BH-T e BH-P. A legislação federal nem a Estadual tratam sobre os igarapés. No
âmbito da sua competência legislativa concorrente, o Estado do Amazonas tem legitimidade
para fazer isso.
Desta forma, no plano empírico, verifica-se que o modelo preconizado pela
Legislação Federal apresenta-se compatível às características dos demais Estados da
Federação, porém, na região amazônica, o contexto é bem diferente, o que exige repensar a
construção de outras alternativas enquanto mecanismos de gestão hídrica.
Não bastasse a grandeza da sua extensão territorial, o Estado dispõe de uma baixa
densidade demográfica. A cultura de desvalor da água, justificada pela baixa taxa de uso dela
em relação à sua oferta, tem reflexo direto na despreocupação social perpassada por gerações
dos habitantes do Estado. Esta cultura da abundância de disponibilidade de água não apenas
culminou em resultar no desinteresse da comunidade em discutir questões concretas de gestão
hídrica, mas também reproduziu numa carência de políticas públicas direcionadas à
efetividade de uma correta gestão dos seus recursos hídricos. Ainda que inexistentes conflitos
acentuados, todos aqueles usos e interesses relativos às águas elencados na seção 2.1.1, com
maior ou menor intensidade, podem ser colocados na dimensão do Estado do Amazonas.
Conforme foi observado no decorrer do estudo desenvolvido, embora a PERH do
Estado do Amazonas constitua-se um instrumento avançado tecnicamente, no âmbito da
prática ressente-se da falta de efetividade, sobretudo, em relação aos seus instrumentos. Isto
porque muitos dos seus dispositivos são incondizentes com o contexto da gestão hídrica
estadual; por exemplo, a classificação dos corpos de água preconizados pela Resolução
Conama 357 são inaplicáveis na dimensão da bacia do Estado.
212

É preciso que seja atualizado o ordenamento hidrojurídico do Estado não apenas em


relação a elementos de gestão, mas científicos também, dispensando atenção às águas
subterrâneas, às águas pluviais, aos “rios voadores” e outros fenômenos hídricos
diagnosticados pela ciência. Talvez se na elaboração da futura legislação o Estado viesse a
oferecer incentivos tributários, enquanto mecanismo de incentivo à gestão dos recursos
hídricos, pudesse obter melhor aproveitamento das políticas hídricas, angariando maior
participação de outras instituições.
Permite-se conceber que o contexto da crise hídrica existente na Amazônia brasileira
revela uma crise de inefetividade de políticas de gestão hídrica. A omissão do Poder Público
em relação à adoção de medidas de fiscalização quanto à poluição hídrica provocada pelas
atividades antrópicas, como o que pode ser visto na BH-T e BH-P, constitui outro fator que
alimenta a ineficácia do ordenamento jurídico quanto à proteção dos recursos hídricos na
Amazônia. A ausência de intervenção do Estado, mediante o uso do seu aparato repressor e
disciplinador contribui de forma significativa para a inaplicabilidade das leis, autorizando,
tacitamente, a contaminação dos recursos hídricos do bioma amazônico.
Paradoxalmente, diante da grave crise hídrica que acomete o contexto brasileiro,
permite-se conceber que o Estado do Amazonas, enquanto guardião de parte da maior bacia
hidrográfica do mundo, não está aproveitando a oportunidade oferecida pela abundância de
água doce que lhe foi entregue por dádiva da natureza para obter uma maior inserção no
cenário geopolítico nacional e internacional, visando não apenas fortalecer a sua economia,
mas, sobretudo, em promover uma melhor qualidade de vida à sua população.
Ocorre que tal problema e solução perpassam, necessariamente, pela gestão dos
recursos hídricos, sobretudo, pelas dificuldades de gestão dos Comitês de Bacia
Hidrográficas, concebidos enquanto premissa máxima do princípio da participação e da
integração entre o Poder Público e a sociedade civil, e cujas atribuições tem o condão de
orientar as diretrizes a serem executadas pelo Estado na órbita das respectivas bacias
hidrográficas.
Em decorrência do direito universal ao acesso à água a todos os seres humanos,
enquanto premissa do sobreprincípio da dignidade da pessoa, a participação da sociedade na
gestão dos recursos hídricos representa um instrumento fundamental para a efetividade dos
objetivos relacionados às políticas hídricas, todavia, isto requer articulação política e social no
mais amplo sentido cooperativo, o que parece não constituir uma característica quanto à
cultura hídrica na região, como pode ser percebido no contexto dos Comitês de Bacia do
213

Tarumã e Puraquequara, portanto, demandando uma mudança cultural da sociedade que deve
ter como seu ponto de partida a educação ambiental.
Não se pode exigir de imediato do povo do Estado do Amazonas o mesmo grau de
valorização à água dispensado pelas regiões sul, sudeste e nordeste do Brasil, cujas culturas
estão sendo construídas com problemas relacionados à escassez da água. No Estado do
Amazonas, da mesma forma que nos demais Estados da Amazônia, o problema diz respeito à
abundância, e não à escassez, o que acaba produzindo outros efeitos.
Não é possível pensar o Estado do Amazonas, e a Amazônica como um todo, de
forma igual. Conforme pode ser identificado na pesquisa realizada, algumas peculiaridades
existentes na região, como a baixa densidade demográfica, conjugada à dimensão territorial
do Estado, provoca dificuldades na formação de vínculos cooperativos em torno da água,
enquanto requisito de participação social, influenciando negativamente na essência concebida
pelo ordenamento hidrojurídico.
Pôde ser observado pela pesquisa realizada as diferentes formas de uso das águas e
participação comunitária entre as bacias hidrográficas do Tarumã e Puraquequara (BH-T e
BH-P): enquanto a BH-T está ocupada e explorada pelos “novos ricos”, proprietários de
embarcações e empreendimentos vultuosos, com influências políticas e interesses econômicos
estratégicos sobre alguns pontos específicos da bacia, e compartilhada com a companhia dos
“novos pobres” que invadem a região devido à crise habitacional e a desordenada expansão
demográfica da cidade de Manaus, e que, portanto, não se interessam sobre os problemas
quanto à qualidade das águas na região; na BH-P, por sua vez, a comunidade “dos pobres” e
pescadores se interessa, uma vez que a poluição hídrica está produzindo impacto direto nas
suas vidas a um elevado custo social.
Neste sentido, cumpre enfatizar que a Lei Federal nº 9.433/97, a qual criou o sistema
de gestão dos recursos hídricos, adotou o modelo da sistemática liberal lei francesa,
concebendo a criação de Comitês de Bacias Hidrográficas como um dos integrantes do
referido sistema em homenagem ao princípio da participação e gestão democrática das águas.
Todavia, os CBH´s no âmbito do Estado do Amazonas constituem meras ilustrações
jurídicas, pois enquanto um existe de direito e não existe de fato (CBH-T), o outro existe de
fato, mas não existe de direito (CBH-P). As áreas de abrangência destes CBH´s estão sendo
diuturnamente atacadas e as águas superficiais e subterrâneas contaminadas à revelia da
intervenção do Poder Público e produzindo um elevado custo social e ambiental.
A ausência de CBH´s estruturados compromete a elaboração do Plano de Recursos
Hídricos, uma vez que a participação deles na elaboração constitui exigência legal, o que foi
214

determinante para que a Justiça Federal viesse a proibir a ANA em expedir licenças de
outorga, a pedido do MPF. Nesta senda, e corroborado com o que foi possível verificar na
pesqusisa realizada, o Brasil está assistindo o fenômeno de judicialização da gestão hídrica
em face às constantes violações ao ordenamento hidrojurídico. Na órbita do Estado do
Amazonas, pode-se observar uma atuação muito positiva do Ministério Público Federal
(MPF), todavia, no que tange ao Ministério Público Estadual, não se pode dizer o mesmo. Isto
pode ser explicado pelo fato de que a grande maioria dos rios que banham o Estado do
Amazonas sejam rios de domínio da União, o que atrai a competência do Ministério Público
Federal. No entanto, não justifica a paralisia da atuação do Ministério Público Estadual, uma
vez que também é atribuição sua zelar pela proteção do meio ambiente, sobretudo, em relação
às atividades antrópicas que comprometem a qualidade das águas urbanas superficiais e
subterrâneas e, consequentemente, a saúde da população. Outro exemplo de inércia do
Ministério Público Estadual diz respeito ao que ocorre em relação à privatização das águas
públicas na BH-T: a sociedade não está dispondo de acesso às águas públicas, enquanto “bem
público de uso comum do povo”, à revelia do órgão ministerial. Uma melhor articulação
entre os CBH´s e os Ministérios Públicos Federal e Estadual pode contribuir na produção de
resultados mais efetivos.
Segundo identificado pela pesquisa, o CBH-T está desativado desde 2011, ou seja,
encontra-se inoperante. A pesquisa realizada no CBH-P, por sua vez, demonstrou à flagrância
a sua total falta de estruturação material e econômica. O CBH-P é carente de articulações
institucionais que lhe permitam cumprir com as suas atribuições. A tramitação da
formalização do CBH-P está emperrada em face das modificações na estrutura administrativa
feita pelo Governo do Estado, o que desorientou o planejamento elaborado anteriormente e,
assim, inviabilizando o procedimento para o reconhecimento de direito do CBH-P por meio
de Decreto do Governador do Estado.
Não obstante os instrumentos concebidos pelo art. 4º da Lei Estadual nº 3.167/2007
padecerem de efetividade, o Estado carece de Comitês de Bacias Hidrográficas atuantes que
venham a cumprir com as atribuições legais – o que talvez possa conduzir na explicação de
muitos questionamentos acerca da tamanha inefetividade das políticas hídricas.
Portanto, insatisfeitas as competências legais atribuídas aos Comitês, seja pela sua
inexistência ou pelas dificuldades na sua gestão para cumprir com as suas atribuições
definidas pela norma, inalcançável serão os objetivos preconizados pela política de recursos
hídricos, o que autoriza a pensar em um outro modelo de gestão mais efetivo, em especial,
215

através do modelo de “representação por calhas”, conforme acenado pelos estudos


desenvolvidos pelos pesquisadores em gestão hídrica do Estado e da ANA.
O que de fato ocorre é que seja da atribuição da União Federal ou do Estado do
Amazonas, a gestão dos recursos hídricos na órbita hidrográfica da região requer maiores
cuidados, haja vista o distanciamento “amazônico” existente entre os planos de validade e
efetividade das normas.
Diante deste quadro, e empregado como cenário da amostra empírica de estudo o
Estado do Amazonas, verifica-se que uma ação conjunta entre os Estados que constituem a
Amazônia e a coletividade na gestão dos recursos hídricos é um norte a ser enfrentado com
maturidade e inteligência, pois a implementação efetiva de um Estado socioambiental requer
o fortalecimento do princípio da obrigatoriedade de atuação estatal e do princípio democrático
da participação integrada da sociedade nas questões ambientais, sobretudo, quanto à gestão
dos recursos hídricos. No plano da gestão hídrica estadual, a implementação dos instrumentos
de gestão dos recursos hídricos, na forma contemplada pelo art. 4º da Lei Estadual nº
3.167/2007 (PERH), parece ser um obstáculo intransponível no plano prático. A modificação
deste contexto perpassa, necessariamente, pelo amadurecimento hidropolítico na órbita
estadual, em que o Governo de Estado passe a efetivamente eleger a gestão dos recursos
hídricos como uma das suas prioridades.
A gestão dos recursos hídricos no Estado do Amazonas é um problema complexo,
insuscetível de ser solucionado por orientações meramente normativas. A tamanha ineficácia
dos instrumentos de gestão de recursos hídricos no Estado permite conceber que os
fundamentos que balizam o planejamento hídrico preconizado pela norma não representam
prioridades das políticas governamentais.
Dito tudo isto, e considerando o contexto da crise hídrica em relação à escassez de
água em quantidade e qualidade, permite-se depreender que resultado de muitos anos de
negligência quanto à gestão hídrica, o Estado do Amazonas, acometido por uma visão
deturpada relativa ao desvalor da água existente no seu território, lamentavelmente, não está a
aproveitar este oportuno momento para se inserir de forma mais aguda no cenário geopolítico
nacional e internacional, uma vez que não alberga, mas está albergado por um expressivo
recurso natural existente em abundância que não apenas é ostensivamente alvo da cobiça
internacional, mas também representa uma, ou quiçá a principal possibilidade de produção de
riquezas e a efetiva melhoria qualidade de vida para os seus habitantes, para o Brasil e o
futuro da humanidade.
216

Diante deste contexto, pode-se conceber que os desafios quanto à gestão hídrica no
Estado do Amazonas são “amazônicos” e requerem um esforço não apenas do Estado, no
sentido de descentralizar a orientação no comando das políticas hídricas, mas participativo e
integrado também por outras instituições públicas (Forças Armadas, autarquias federais de
pesquisa, fundações públicas, etc.) e privadas, bem como de toda a sociedade, sobretudo,
mediante a cooptação das instituições de ensino públicas e privadas, as quais dispõe de corpo
técnico, científico altamente capacitados para auxiliar neste complexo processo – e a
academia tem uma responsabilidade inarredável neste processo de mudança.
Como pode ser observado no decurso do estudo, a gestão dos recursos hídricos tem
um espectro de abrangência muito maior do que a lei, pois demanda uma articulação entre
diversas áreas do conhecimento como a biologia, ecologia, sociologia, antropologia,
geografia, geologia, entre outros, inclusive o direito.
Não é possível pensar o direito sem finalidade funcional. Por isso, para efeito de
elaboração de um novel ordenamento jurídico compatível ao contexto do Estado do
Amazonas, que é uma necessidade, é preciso diálogo entre as áreas do conhecimento,
sobretudo, por meio do aparato científico existente nos diversos órgãos federais e estaduais,
sob pena da falência de qualquer modelo de gestão que venha a ser idealizado.
Permite-se conceber que para efeito de uma gestão eficiente quanto aos recursos
hídricos no Estado do Amazonas, dadas as suas características hidrográficas e hidrossociais,
qualquer rumo a ser adotado deve perpassar, necessariamente, pela integração e participação
entre o Estado e os atores sociais, seja por meio do fortalecimento dos Comitês de Bacia
existentes e a criação de novos Comitês, articulados política e institucionalmente, seja através
do repensar outros mecanismos de gestão mais condizentes às peculiaridades sociais,
hidrográficas e demográficas da região da bacia.
Somente com a redefinição do modelo de gestão dos recursos hídricos para ser
implementado na Amazônia e no Estado do Amazonas, poderão ser alcançados os objetivos
da política de recursos hídricos que, na verdade, é o que justifica qualquer processo de gestão,
pois no contexto da hidrografia amazônica alguns mecanismos de gestão adotados em outras
regiões hidrográficas do Brasil e do mundo, não são compatíveis com a região.
Por derradeiro, considerando que todos estes aspectos diagnosticados pela pesquisa
quanto à gestão dos recursos hídricos no Estado do Amazonas perpassam pela eleição de
prioridades de políticas governamentais, o questionamento que se faz é o seguinte: como
equacionar os problemas de gestão hídrica?
217

A resposta é complexa e demanda uma profunda análise axiológica que deve


começar pela parte mais interessada e que, paradoxalmente, pouco intervém nos rumos da
política hídrica do Estado: o povo do Estado do Amazonas.
218

REFERÊNCIAS

ABL - Academia Brasileira de Letras. Dicionário escolar da língua portuguesa. São Paulo:
Companhia Editora Nacional, 2008.

AGENDA 21 GLOBAL. Declaração do Rio de Janeiro. Conferência das Nações Unidas


sobre Meio Ambiente, 1992.

AMAZONAS. Governo do Estado do. Lei Estadual nº 2.712, de 28 de dezembro de 2001.


Disciplina a Política Estadual de Recursos Hídricos, estabelece o Sistema Estadual de
Gerenciamento dos Recursos Hídricos, e dá outras providências. Poder Executivo do Estado
do Amazonas. Manaus, AM, 28 dez. 2001.

______. Lei Estadual nº 3.167, de 27 de agosto de 2007. Disciplina a Política Estadual de


Recursos Hídricos e o Sistema Estadual de Gerenciamento dos Recursos Hídricos. Poder
Executivo do Estado do Amazonas. Manaus, AM, 28 ago. 2007.

______ Decreto nº 28.678, de 16 de junho de 2009. Regulamenta a Lei n.º3.167, de 27 de


agosto de 2007, que reformula as normas disciplinadoras da Política Estadual de Recursos
Hídricos e do Sistema Estadual de Gerenciamento de Recursos Hídricos, e dá outras
providências. Poder Executivo do Estado do Amazonas. Manaus, AM, 17 jun. 2009.

______. Decreto nº 29.249, de 19 de outubro de 2009. Dispõe sobre a criação do Comitê de


Bacia Hidrográfica do Rio Tarumã-Açu, aprova o seu regimento interno, e dá outras
providências. Poder Executivo do Estado do Amazonas. Manaus, AM, 19 out. 2009.

______. Poder Executivo. Agência Amazonense de Desenvolvimento Econômico e Social.


Programa Água para Todos. Disponível em:
http://www.aades.am.gov.br//arquivos/download/arqeditor/APRESENTAO%20GUA%20PA
RA%20TODOS%2003%2001%2013.pdf. Acessado em 2 de abril de 2015.

ANA – Agência Nacional de Águas. O comitê de bacia hidrográfica: o que é e o que faz ?
Cadernos de Capacitação em Recursos Hídricos, vol. 1. Brasília: SAG, 2011. Disponível em:
<http://arquivos.ana.gov.br/institucional/sge/CEDOC/Catalogo/2012/CadernosDeCapacitacao
1.pdf>. Acessado em: 5 mar. 2015

______ . Pagamento por Serviços Ambientais (PSA). Programa Produtor de Água da Agência
Nacional de Águas. Disponível em
<http://produtordeagua.ana.gov.br/Oques%C3%A3oPSA.aspx>. Acessado em: 23 jun. 2015

______. Comitês de Bacias Hidrográficas no Brasil. Disponível em <


http://www.cbh.gov.br/>. Acessado em: 10 mar. 2015.

ANDRADE, M. M. de. Introdução à metodologia do trabalho científico. 5.ed. São Paulo:


Atlas, 2001.

ARIDE, Paulo Henrique Rocha; HONDA, Rubens Tomio; NOSAWA, Sergio Ricardo. O
impacto do crescimento urbano na região de Manaus, IN Impactos urbanos sobre a biologia
do ambiente amazônico: interações entre moléculas, organismos e ambientes. Nozawa,
Sergio Ricardo e Santos, André Luis Wendt dos. (Org.). Curitiba: Editora CRV, 2010.
219

BARBETTA, P. A. Estatística aplicada às ciências sociais. 3.ed. Florianópolis: UFSC,


1999.

BARROS, A. J.; LEHFELD, N. A. S. Fundamentos de metodologia científica: um guia


para iniciação científica. 2.ed. São Paulo: Markron Books, 2000.

BARROS, Wellington Pacheco. A água na visão do direito. Porto Alegre: Tribunal de Justiça
do Rio Grande do Sul (TJRS), 2005.

BATISTA, Djalma. Amazônia: Cultura e Sociedade. Manaus: Valer, 2006.

BECK, Ulrich. La Sociedad del Riesgo: hacia una nueva modernidad. Barcelona: Paiadós,
1988.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 5 out. 1988.

______. Decreto nº 24.643, de 10 de julho de 1934. Código de Águas. Diário Oficial da


União, Poder Executivo, Rio de Janeiro, RJ, 27 jul. 1934.

_______. Decreto nº 4.613, de 11 de março de 2003. Estabelece a composição do Conselho


Nacional de Recursos Hídricos. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 12
mar. 2003.

______. Lei nº 9.433, de 8 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos


Hídricos. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 9 jan. 1997.

______. Lei nº 9.984, de 17 de julho de 2000. Dispõe sobre a criação da Agência Nacional de
Águas (ANA). Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 18 jul. 2000.

______. Lei nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007. Estabelece diretrizes nacionais para o


saneamento básico. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 8 jan. 2007.

______ . Lei nº 10.881, de 9 de junho de 2004. Dispõe sobre os contratos de gestão entre a
Agência Nacional de Águas relativas à gestão dos recursos hídricos de domínio da União.
Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 10 jun. 2004.

______. Poder Executivo Federal. Ministério das Cidades. Secretaria Nacional de Saneamento
Ambiental. Programa de Modernização do Setor de Saneamento (PMSS). Disponível em:
<http://www.pmss.gov.br/pmss/PaginaCarrega.php?EWRErterterTERTer=227>. Acessado
em 20 de março de 2015.

______. Ministério do Meio Ambiente (MMA). Plano Nacional de Recursos Hídricos:


panorama e estado dos recursos hídricos do Brasil. Secretaria de Recursos Hídricos,
Brasília, DF, v. 1, 2006. Disponível em:
http://www.mma.gov.br/estruturas/161/_publicacao/161_publicacao03032011025312.pdf >.
Acesso em: 5 mar. 2015.

______. Conselho Nacional de Recursos Hídricos (CNRH). Resolução nº 5, de 10 de abril de


2000. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 11 abr. 2000.
220

______. Conselho Nacional de Recursos Hídricos (CNRH). Resolução nº 98, de 26 de março


de 2009. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 27 mar. 2009.

BRUNA, Gilda Collet. Água e ecoturismo. In: REBOUÇAS, Aldo da C.; BRAGA, Benedito;
TUNDISI, José Galízia (Orgs.). Águas doces no Brasil: capital ecológico, uso e conservação.
São Paulo: Escrituras Editora, 2006.

CANOTILHO, J.J. Gomes/ MOREIRA, Vital. Constituição da República Portuguesa


Anotada. Coimbra: Coimbra Editora, 1993.

CANOTILHO, J.J. Gomes. Direito Constitucional e teoria da Constituição. Coimbra:


Almedina, 2003.

(CIC) – Comité Intergubernamental Coordinador de los paises de la Cuenca del Plata –


Tratado da bacia do Prata. Disponível em <http://www.cicplata.org/?id=home>. Acessado em
24 de jun. 2015.

CIMINELLI, Virgínia S. T. et al. Água e mineração. In: REBOUÇAS, Aldo da C.; BRAGA,
Benedito; TUNDISI, José Galízia (orgs.). Águas doces no Brasil: capital ecológico, uso e
conservação. São Paulo: Escrituras Editora, 2006.

CONSELHO MUNDIAL DA ÁGUA. Visão, missão e estratégia. Disponível em:


<http://www.worldwatercouncil.org/es/quienes-somos/vision-mision-estrategia/>. Acessado
em 06 de junho de 2015.

______. CONSELHO MUNDIAL DA ÁGUA. Disponível em:


<http://www.worldwatercouncil.org/es/quienes-somos/logros/>. Acessado em 06 de junho de
2015.

CONVENÇÃO DE HELSINK. Filandia: 1992. Disponível em


<http://www.gddc.pt/siii/docs/dec22-1994.pdf>. Acesso em 29.mai 2015.

COSTA, Francisco Emerson Vale. Uma experiência amazônica de gestão dos recursos
hídricos: a criação do Comitê de Bacia Hidrográfica do Rio Tarumã-Açu, Manaus-AM
– Brasil. Belém: Dissertação de Mestrado pela Universidade Federal do Pará (UFPA),
Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Geografia, 2011.

D´LSEP, Clarissa F. Macedo. Água juridicamente sustentável. São Paulo: Revista dos
Tribunais, 2010.

DERANI, Cristiane. Direito ambiental econômico. São Paulo: Saraiva, 1997.

DENCKER, Ada de Freitas Maneti. Pesquisa em turismo: planejamento, métodos e técnicas.


São Paulo: Futura, 2000.

DOURADO JUNIOR, Octavio Cascaes. Águas na Amazônia: gestão de recursos hídricos


nos países da Bacia Amazônica. Curitiba: Juruá, 2014.

FONSECA, Ozorio. Pensando a Amazônia. Manaus: Valer, 2011.


221

FRANCISCO. Carta Encíclica do Sumo Pontífice. Laudato Si` Louvado sejas: sobre o
cuidado da casa comum. Libreria Editrice Vaticana. Trad. Paulus Editora. São Paulo: Paulus
Editora. Edições Loyola Jesuíticas, 2015.

FRAXE, Therezinha de Jesus Pinto et al. (Org.). Papel para a vida: estudo da cadeia produtiva
de embalagens de papelão no Polo Industrial de Manaus (PIM). Manaus: Fua, 2011.

GRANZIERA, Maria Luiza Machado. Direito de Águas: disciplina jurídica das águas doces.
São Paulo: Atlas, 2014.

HESPANHOL, Ivanildo. Água e saneamento básico. In: REBOUÇAS, Aldo da Cunha


(Org.) et. all. Águas doces no Brasil: capital ecológico, uso e conservação. 3ª ed. São
Paulo: Escrituras Editora, 2006.

ILA - International Law Association. Conferência de Berlim de 2004. Disponível em:


<http://www.ila-hq.org/en/committees/index.cfm/cid/32>. Acessado em 18 mar. 2015.

INPA – Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia. Revista “Ciência para Todos”, nº 11,
julho de 2013. Santos, Josiane. Zoom nas águas da região hidrográfica amazônica.
Manaus, 2013, p. 33-41.

INSTITUTO TRATA BRASIL. Ranking do Saneamento 2014. Resultado com base no


SNIS 2012. Disponível em: <http://www.tratabrasil.org.br/datafiles/estudos/ranking/tabela-
100-cidades2014.pdf> . Acessado em 28 de agosto de 2014.

KELMAN, Jerson. Hidreletricidade . In: REBOUÇAS, Aldo da Cunha (Org.) et. all. Águas
doces no Brasil: capital ecológico, uso e conservação. 3. ed. São Paulo: Escrituras Editora,
2006.

KULAY, Luiz Alexandre. Água na indústria. In: REBOUÇAS, Aldo da Cunha (Org.) et. all.
Águas doces no Brasil: capital ecológico, uso e conservação. 3. ed. São Paulo: Escrituras
Editora, 2006.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodologia científica. 5.ed.


São Paulo: Atlas, 2001.

MACHADO, Paulo Affonso Leme. Recursos Hídricos: Direito brasileiro e internacional.


São Paulo: Malheiros, 2002.

______. Direito à Informação e Meio Ambiente. São Paulo: Malheiros, 2006.

______. Direito dos Cursos de Água Internacionais. São Paulo: Malheiros, 2009.

______. Direito Ambiental Brasileiro. São Paulo: Malheiros, 2014.

MIGUEIS, Roberto. Geografia do Amazonas. Manaus: Valer, 2011.

MILARÉ, Édis. Direito do Ambiente. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2013.
222

MPF – Ministério Público Federal. MPF vai a justiça em 6 estados para obrigar o
planejamento do uso de recursos hídricos. Disponível em:
<http://www.prpa.mpf.mp.br/news/2014/mpf-vai-a-justica-em-6-estados-para-obrigar-o-
planejamento-do-uso-de-recursos-hidricos>19/11/2014. Acessado em: 17. set. 2015.

_______.Justiça atende pedido do MPF/AP e proíbe outorgas para o uso de água sem
planejamento no Oiapoque. Disponível em: <
http://noticias.pgr.mpf.mp.br/noticias/noticias-do-site/copy_of_meio-ambiente-e-patrimonio-
cultural/justica-proibe-outorgas-para-uso-de-agua-sem-planejamento-no-
oiapoque>20/03/2015. Acessado em: 17. set. 2015.

______. Justiça de Manaus proíbe outorgas para empreendimentos na Bacia do


Amazonas. Disponível em: < http://www.prpa.mpf.mp.br/news/2015/justica-de-manaus-
proibe-outorgas-para-empreendimentos-na-bacia-do-amazonas>13. mar. 2015. Acessado em:
17 set. 2015.

NASCIMENTO, Izaura Rodrigues do. Globalização ambiental: organizações não


governamentais e redes na Amazônia. Manaus: Valer e Fapeam, 2014.

NOBRE, Antônio Donato. O futuro climático da Amazônia: relatório de avaliação


científica. Articulación Regional Amazónica (ARA), 2014. Disponível em: <
http://araamazonia.org/arquivos/futuroclimaticodaamazonianovaversao.pdf>. Acessado em 28
de março de 2015.

NOZAWA, Sérgio Ricardo (org.) et. al. Impactos urbanos sobre a biologia do ambiente
amazônico: interações entre moléculas, organismos e ambientes. ARIDE, Paulo Henrique
Rocha; HONDA, Rubens Tomio; NOZAWA, Sérgio Ricardo. O impacto do crescimento
urbano na região de Manaus. Curitiba: Editora CRV, 2010.

ONU - Organização das Nações Unidas. Convenção de Regulamentação dos Usos Não-
navegáveis de cursos d’água Internacionais. Nova Iorque, 1997. Disponível em:
<http://www.internationalwaterlaw.org/documents/intldocs/watercourse_conv.html>. Acesso
em: 20 jun. 2014.

______. Organização das Nações Unidas. Resolução nº 64/292, aprovada pela Assembléia
Geral das Nações Unidas, em 28 de julho de 2010. Disponível em:
<http://www.un.org/ga/search/view_doc.asp?symbol=A/RES/64/292&Lang=S>. Acessado
em 5 mar. 2015.

______. Declaração da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente Humano.
Estocolmo, 1972. Disponível em:
<http://www.onu.org.br/rio20/img/2012/01/estocolmo1972.pdf>. Acesso em: 05 mar. 2015.

______. Declaração do Rio de Janeiro sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Rio de


Janeiro, 1992. Disponível em: <http://www.onu.org.br/rio20/img/2012/01/rio92.pdf>. Acesso
em: 5 mar 2015.

______. Declaração Universal dos Direitos da Água. Paris, 1992. Disponível em


<http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/Meio-Ambiente/declaracao-universal-dos-
direitos-da-agua.html>. Acesso em: 20 mar. 2015.
223

______. Declaração final da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento


Sustentável (Rio+20). Rio de Janeiro, 2012. Disponível em:
<http://riomais20sc.ufsc.br/files/2012/07/O-Futuro-que-queremos1.pdf>. Acesso em: 05 mar.
2015.

______. Escassez de água doce. ONUBR, [S.l], 23 maio 2013. Disponível em:
<http://www.onu.org.br/alertando-para-escassez-de-agua-doce-onu-pede-esforcos-globais-
para-proteger-recursos-naturais>. Acesso em: 5 mar. 2015.

______. Organização das Nações Unidas. Protocolo sobre água e saúde de Londres, de 18 de
outubro de 1999. Disponível em:
<http://www.unece.org/fileadmin/DAM/env/documents/2000/wat/mp.wat.2000.1.e.pdf>.
Acessado em 18 mar. 2015.

______.Direito ao acesso seguro à água potável e saneamento básico como direito humano:
direito à vida e à dignidade humana. Disponível em:
<http://www.un.org/spanish/waterforlifedecade/pdf/human_right_to_water_and_sanitation_m
edia_brief_spa.pdf>. Acessado em 18 mar. 2015.

______. Organização das Nações Unidas. Protocolo sobre água e saúde de Londres, de 18 de
outubro de 1999. Disponível em:
<http://www.unece.org/fileadmin/DAM/env/documents/2000/wat/mp.wat.2000.1.e.pdf>.
Acessado em 18 mar. 2015.

______. Organização das Nações Unidas. Direito ao acesso seguro à água potável e
saneamento básico como direito humano: direito à vida e à dignidade humana. Disponível em:
<http://www.un.org/spanish/waterforlifedecade/pdf/human_right_to_water_and_sanitation_m
edia_brief_spa.pdf>. Acessado em 18 mar. 2015.

______. Organização das Nações Unidas. Resolução nº 64/292, aprovada pela Assembléia
Geral das Nações Unidas, em 28 de julho de 2010. Disponível em:
<http://www.un.org/ga/search/view_doc.asp?symbol=A/RES/64/292&Lang=S >. Acessado
em 28 de agosto de 2014.

______. Organização das Nações Unidas. Resolução nº 64/292, aprovada pela Assembléia
Geral das Nações Unidas, em 28 de julho de 2010. Disponível em:
<http://www.un.org/ga/search/view_doc.asp?symbol=A/RES/64/292&Lang=S >. Acessado
em 28 de março de 2015.
______. Organização das Nações Unidas. Resolução 51/229, aprovada pela Assembléia Geral
das Nações Unidas, em 8 de julho de 1997. Convenção sobre o direito relativo à utilização
dos cursos de águas internacionais para fins diversos dos de navegação. Disponível em:
http://www.solidaritat.ub.edu/observatori/general/docugral/N9777296.pdf. Acessado em 30
de maio de 2015.

_____ Organização das Nações Unidas. CPAL – Comissão Econômica para a América Latina
e Caribe. Santiago do Chile, 2007. Disponível em:
<http://www.cepal.org/publicaciones/xml/1/29161/LC-W126.pdf >. Acessado em 12 de
agosto de 2014.

ORTIZ, Renato. Cultura brasileira e identidade nacional. São Paulo: Brasiliense, 2005.
224

OST, François. A Natureza à Margem da Lei. Ecologia à Prova do Direito. Lisboa: Instituto
Piaget, 1995.

PETRELLA, Ricardo. O manifesto da água: argumentos para um contrato mundial.


Petrópolis:Vozes, 2004.

POMPEO, Cid Tomanik. Águas doces no direito brasileiro. In: REBOUÇAS, Aldo da Cunha
(Org.) et. all. Águas doces no Brasil: capital ecológico, uso e conservação. 3. ed. São Paulo:
Escrituras Editora, 2006.

RAMOS JUNIOR., DEMPSEY PEREIRA. Meio Ambiente e conceito jurídico de futuras


gerações. Curitiba: Juruá, 2012.

REBOUÇAS, Aldo da Cunha. Água Doce no Mundo e no Brasil. In: REBOUÇAS, Aldo da
C.; BRAGA, Benedito; TUNDISI, José Galízia (Orgs.). Águas doces no Brasil: capital
ecológico, uso e conservação. São Paulo: Escrituras Editora, 2006.

RIBEIRO, Wagner Costa. Geografia Política da Água. São Paulo: Annablume, 2008.

RICHARDSON, R. J. et al. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3.ed. São Paulo: Atlas,
1999.

ROCHA, Alzilene Teixeira da. Gestão da água em Manaus: proposta de criação do comitê de
bacia hidrográfica do lago do Puraquequara. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-
Graduação em Geografia da Universidade Federal do Estado do Amazonas (UFAM). Manaus:
UFAM, 2014.

RODRIGUES, Dulce Buchala Bicca; MENDIONDO, Eduardo Mario. Bacias Hidrográficas:


caracterização e manejo sustentável. In: CALIJURI, Maria do Carmo.; CUNHA, Davi
Gasparini Fernandes. (orgs.) Engenharia Ambiental: conceitos, tecnologia e gestão. Rio de
Janeiro: Elsevier, 2013.

SACHS, Ignacy. Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro:


Garamond, 2002.

SARLET, Ingo Wolfgang. A eficácia dos direitos fundamentais. Porto Alegre: Livraria do
Advogado, 2007.

SANTOS, Sérgio Rocha. Navegação. In: REBOUÇAS, Aldo da C.; BRAGA, Benedito;
TUNDISI, José Galízia (Orgs.). Águas doces no Brasil: capital ecológico, uso e conservação.
São Paulo: Escrituras Editora, 2006.

SETTI, Arnaldo Augusto et al. Introdução ao Gerenciamento de Recursos Hídricos.


Brasília: Agência Nacional de Energia Elétrica; Agência Nacional de Águas, 2001.

SHIVA, Vandana. Guerras por água: privatização, poluição e lucro. São Paulo: Radical
Livros, 2006.

SILVA, Solange Teles da. Introdução ao Estudo do Direito Ambiental Internacional. Belo
Horizonte: Del Rey, 2010.
225

SIRVINSKAS, Luís Paulo. Manual de Direito Ambiental. São Paulo: Saraiva, 2014.

______. Tutela constitucional do meio ambiente: interpretação e aplicação das normas


constitucionais ambientais no âmbito dos direitos e garantias fundamentais. São Paulo:
Saraiva, 2010.

TOCANTINS, Leandro. O rio comanda a vida: uma interpretação da Amazônia, Manaus:


Valer, 2000.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em


educação. São Paulo: Atlas,1987

TUCCI, Carlos Eduardo Morelli. Águas urbanas: interfaces no gerenciamento, IN


Saneamento, saúde e ambiente: fundamentos para um desenvolvimento sustentável.
Arlindo Philippi Jr. Barueri, SP: Manole, 2005.

UNESCO – Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e à Cultura. 29ª
Conferência Geral da Unesco. Declaração sobre Responsabilidades das Gerações Presentes
para as Gerações Futuras. Washington, 12.11.1997

UN-WATER – Organização das Nações Unidas para a Água. Constituída pelo Comitê para o
Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente. http://www.unwater.org/about/en/

VIEGAS, Eduardo Coral. Gestão da água e princípios ambientais. Caxias do Sul/RS:


Educs, 2012.
226

ANEXO A – DECRETO DE RECONHECIMENTO


227

ANEXO B – ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DA BACIA DO TARUMÃ-AÇU

ATA DA I REUNIÃO DO COMITÊ DA BACIA DO TARUMÃ-AÇU

Aos quatro dias do mês de julho de dois mil e seis, às 09h00 horas, no Auditório Marly
Soares, do Instituto de Pesos e Medidas do Estado do Amazonas - IPEM, situado à Avenida
André Araújo, nº 242 – Aleixo, Manaus/AM, foi realizada a primeira reunião do Comitê da
Micro Bacia do Tarumã-Açu, para discutir a seguinte pauta: Constituição da Diretoria;
Aprovação do Estatuto; Definição das Ações Emergenciais para a Micro Bacia do Tarumã-
Açu; Outros assuntos. Em primeiro momento foi assinada a lista de freqüência, sendo
registrada a presença dos seguintes membros do Comitê e suas respectivas instituições:
FUNDAÇÃO ECOAMAZÔNIA (Maria Cristina Mendonça – Representante e Jaime
Avelino), CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA XIV REGIÃO (Sérgio Roberto Bulcão
Bringel), IAAN (Maria Raimunda Barbosa Lima), FEPI (Katheem Samira da Silva Machado),
MANAUS ENERGIA(Maria Dayse Magalhães Amaral), ABIH (Marilce Paula da Fonseca),
FFV (James Pereira), SEMMA (Marco Antônio Vaz de Lima), CEULM/ULBRA (Paulo
Rodrigues de Souza), SEARH (Solange Batista Andrade, Neliton Marques da Silva e Luciely
Nunes), INFRAERO (Hebert Jansen Trindade e Josinaldo Lima de Araújo), IAAN (Evandro
Batista Lima), CONSELHO NHÃA-BÉ (Pedro Ramaw e Sra. Kutera), IPAAM (Juscelino
Batista), UNINILTONLINS (Daniel Rocha), SOS RIO TARUMÃ-AÇU (Ana Maria
Scognamiglio e Paula Aliomar Ribeiro Beltrão), SEMMA (Maria do Socorro Monteiro da
Silva), SEDUC (Marlete Siqueira Tupinambá) e AFLORAM (Marisa Cristina Vasques). O
Secretário de Recursos Hídricos, Neliton Marques, deu as boas vindas a todos e declarou
abertos os trabalhos. A seguir, procedeu-se à análise do capitulo IV do Estatuto. Na
oportunidade foi franqueada a palavra para as discussões, onde a advogada Marisa Vasquez
explanou sobre o estatuto, exemplificando cada capítulo. Após ampla discussão deliberou-se
pelo encaminhamento da minuta do Estatuto a Secretaria de Recursos Hídricos, com as
devidas ressalvas e alterações até o dia 10/07/06, devendo o mesmo ser aprovado na próxima
reunião do Comitê marcado para o dia 14/07/06. Em seguida o Secretário Neliton sugeriu que
os trabalhos da próxima reunião do Comitê iniciasse com a elaboração do Plano de Gestão da
Bacia, e que se trabalhasse um cronograma de ações. Prosseguindo a reunião, foram abertas as
discussões para escolha da diretoria do Comitê, onde ficou estabelecido, por consenso, chapa
única, sendo então por aclamação os seguintes nomes: Presidente – Ana Maria Scognamiglio
- Associação de Moradores do Rio Tarumã Açu; Vice Presidente – Jaime Avelino -
228

Fundação Ecoamazônia; Secretário Executivo – James Martins Pereira - Fundação Floresta


Viva; Suplente – Solange Batista Andrade - Secretaria Executiva Adjunta de Recursos
Hídricos/SEARH. Dando prosseguimento ressaltou-se que algumas instituições ainda não
tinham enviado ofício indicando titular e suplente, como: Instituto Nacional de Colonização e
Reforma Agrária - INCRA, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN,
Fundação de Vigilância em Saúde – FVS, Defesa Civil Municipal, Associação dos Canoeiros
– ACANDAF, Associação dos Produtores Rurais do Assentamento do Pau Rosa, Associação
Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental – ABES, Associação Brasileira de Recursos
Hídricos – ABRH e Sindicato dos Armadores – SINDARMA. Assim, a composição do
Comitê está formada pelas seguintes Instituições: Secretaria Executiva Adjunta de Recursos
Hídricos – SEARH (Neliton Marques da Silva – Titular e Solange Batista Andrade –
Suplente), Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas – IPAAM (Rosa Marriete Oliveira
Geissler – Titular e Christina Fischer – Suplente), Fundação de Política Indigenista – FEPI
(Katheem Samira da Silva Machado – Titular e Cristiano Neves de Oliveira – Suplente),
Secretaria de Estado da Educação e Qualidade de Ensino – SEDUC (Marlete Tupinambá –
Titular e Cláudia Nascimento – Suplente), Secretaria Municipal de Desenvolvimento
Econômico Local – SEMDEL (André Cezar de Oliveira Lima – Titular e Raimundo Nonato
Pinheiro de Almeida – Suplente), Secretaria Municipal de Educação – SEMED (Luiza
Sacramento – Titular e Márcia Souza – Suplente), Secretaria Municipal de Meio Ambiente –
SEMMA (Luciana Montenegro Valente – Titular e Maria do Socorro Monteiro da Silva –
Suplente), Universidade Federal do Amazonas – UFAM (Francisco Evandro Oliveira –
Titular e Mírcia Ribeiro Fortes – Suplente), Universidade do Estado do Amazonas – UEA
(Walmir de Albuquerque Barbosa – Titular e Antônio dos Santos – Suplente), Instituto
Nacional de Pesquisas da Amazônia – INPA (Assad José Darwich – Titular e Ari de Oliveira
Marques Filho – Suplente), Conselho Regional de Química XIV Região - CRQ-AM (Sérgio
Roberto Bulcão Bringel – Titular e Maria do Socorro Rocha da Silva – Suplente), Fundação
Floresta Viva – FFV (James Martins Pereira – Titular e David Pinheiro Israel – Suplente),
Fundação Ecoamazônia (Jaime Avelino – Titular e Antônio dos Santos – Suplente),
Instituto Ambiental Amigos da Natureza – IAAN (Evandro Batista de Lima – Titular e Maria
Barbosa Lima – Suplente), Associação de Moradores do Rio Tarumã-Açu – SOS Tarumã-
Açu (Ana Maria Scognamiglio – Titular e Paula Aliomar Ribeiro Beltrão – Suplente),
Associação de Moradores da Comunidade Nova Esperança (Elielza Gil – Titular e
Francisco Guerra – Suplente), Associação Brasileira de Indústria Hoteleira – ABIH (Marilce
Paula S. da Fonseca – Titular e Maria Auxiliadora Martins da Costa – Suplente), Empresa
229

Concessionária de Serviços de Água e Esgoto – ÁGUAS DO AMAZONAS (Arlindo Sales


Pinto – Titular e Maria Elena Simonin –Suplente), Setor Energético – MANAUS
ENERGIA (Maria Dayse Magalhães Amaral – Titular e Roland Céspedes Arteaga –
Suplente), INFRAERO (Hebert Jansen Oliveira Trindade – Titular e Josinaldo Lourido de
Araújo – Suplente), Centro Universitário Luterano de Manaus – CEULM/ULBRA (Paulo
Rodrigues de Souza – Titular e José Adailton Alves – Suplente), UNINILTONLINS
(Daniel Rocha Filho – Titular e Edílson Albuquerque de Oliveira – Suplente). Encerrando a
reunião, o Secretário Neliton agradeceu a presença de todos, lembrando a próxima reunião
marcada para o dia 14 de julho de 2006. Eu, Luciely Nunes, lavrei a presente ATA que após
lida e aprovada será assinada por todos os presentes.
230

ANEXO C – REGIMENTOINTERNO DO COMITÊ DA BACIA DO TARUMÃ-AÇU

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO


TARUMÃ-AÇU

CAPÍTULO I
DA CONSTITUIÇÃO E NATUREZA

Art. 1.° O Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Tarumã-Açu, doravante designado


simplesmente Comitê, é órgão colegiado, de caráter consultivo e deliberativo, regido pela Lei
Federal n.º 9.433, de 08 de janeiro de 1997, com instituição prevista pela Lei n.º 3.167, de 28
de agosto de 2007, com atuação na Bacia Hidrográfica do Rio Tarumã-Açu, no Estado do
Amazonas, tendo sua competência, estrutura e forma de funcionamento regulados pelo
presente Regimento.
Art. 2.° A Bacia Hidrográfica do Rio Tarumã-Açu é uma unidade físico-territorial de
planejamento e gerenciamento, que reconhece o recurso hídrico como um bem público de
valor econômico, cuja utilização deve ser submetida à cobrança, mediante outorga,
observados os aspectos de quantidade, qualidade e peculiaridades.

CAPÍTULO II
DOS OBJETIVOS
Art. 3.º Em consonância com a Lei n.° 3.167, de 28 de agosto de 2007, o Comitê da Bacia
Hidrográfica do Rio Tarumã-Açu tem por objetivos:
X - promover o debate das questões relacionadas a recursos hídricos e articular a atuação das
entidades intervenientes;
XI - arbitrar, em primeira instância administrativa, os conflitos relacionados aos recursos
hídricos;
XII - aprovar o Plano de Recursos Hídricos da Bacia;
XIII - acompanhar a execução do Plano de Recursos Hídricos da Bacia e sugerir as
providências necessárias ao cumprimento de suas metas;
XIV - propor ao Conselho Nacional e ao Conselho Estadual de Recursos Hídricos as
acumulações, derivações, captações e lançamentos de pouca expressão, para efeito de isenção
da obrigatoriedade de outorga de direitos de uso de recursos hídricos, de acordo com os
domínios destes;
231

XV - estabelecer os mecanismos de cobrança pelo uso de recursos hídricos e sugerir os


valores a serem cobrados;
XVI - estabelecer critérios e promover o rateio de custo das obras de uso múltiplo, de
interesse comum ou coletivo;
XVII - elaborar e aprovar o seu próprio Regimento Interno;
XVIII - aprovar o Plano de Bacia Hidrográfica respectivo, sobre responsabilidade da
Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, para integrar o Plano
Estadual de Recursos Hídricos, assim como o programa de ações imediatas, quando
ocorrerem situações críticas.

CAPÍTULO III
DA COMPETÊNCIA
Art. 4.° Compete ao Comitê:
VII - promover o debate das questões relacionadas a recursos hídricos e articular a atuação
das entidades intervenientes;
VIII - arbitrar, em primeira instância administrativa, os conflitos relacionados aos recursos
hídricos;
IX - acompanhar a execução do Plano de Bacia Hidrográfica e tomar as providências
necessárias ao cumprimento de suas metas;
X - propor ao Conselho Estadual de Recursos Hídricos as acumulações, derivações, captações
e lançamentos considerados insignificantes, para efeito de isenção da obrigatoriedade de
outorga de direitos de uso de recursos hídricos;
XI - elaborar e aprovar o Plano de Bacia Hidrográfica e encaminhá-lo à Secretaria Executiva
de Geodiversidade e Recursos Hídricos, da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e
Desenvolvimento Sustentável;
XII - elaborar e manter disponível Relatório de Situação do Plano de Bacia Hidrográfica, com
periodicidade anual.

Parágrafo único. Das decisões dos Comitês de Bacia Hidrográfica caberá recurso ao
Conselho Estadual de Recursos Hídricos.

CAPÍTULO IV
DAS DIRETRIZES DA POLÍTICA ESTADUAL
232

Art. 5.° Por intermédio do Sistema Integrado de Gerenciamento de Recursos Hídricos –


SINGREH, o Comitê buscará, junto ao Estado, meios financeiros e institucionais para atender
ao disposto na Constituição Estadual, especialmente para:
I - Utilizar racionalmente os recursos hídricos, superficiais e subterrâneos, assegurando o uso
prioritário para o abastecimento das populações;
II - maximizar benefícios econômicos e sociais resultantes do aproveitamento múltiplo dos
recursos hídricos;
III - proteger as águas contra ações que possam comprometer o seu uso atual e futuro;
IV - promover a integração de ações, na defesa, contra eventos hidrológicos críticos que
ofereçam riscos à saúde e à segurança pública, evitando prejuízos econômicos e sociais;
V - fomentar e propor ações para o ordenamento do transporte hidroviário e seu
aproveitamento econômico e social;
VI - desenvolver programas permanentes de conservação das águas subterrâneas e
superficiais contra poluição e superexplotação;
VII - prevenir a erosão nas áreas urbanas e rurais, com vistas à proteção contra a poluição e
contaminação física e o assoreamento dos corpos d‟água;
VIII - aprovar os planos e programas a serem executados com recursos obtidos pela cobrança
da utilização dos recursos hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio Tarumã-Açu;
IX - promover entendimentos, cooperação e eventual conciliação entre os usuários dos
recursos hídricos, assim como a integração com os componentes do Comitê que atuam na
Bacia Hidrográfica do Rio Tarumã-Açu;
X - promover estudos, divulgação e debates sobre programas prioritários, pesquisas, projetos,
serviços e obras a serem realizados no interesse da coletividade;
XI - acompanhar a execução da Política Estadual de Recursos Hídricos, na área de atuação do
Comitê, formular sugestões e subsidiar os órgãos que compõem o Sistema Estadual de
Gerenciamento de Recursos Hídricos;
XII - incentivar convênios com instituições públicas e particulares promotoras de ações na
área de atuação do Comitê;
XIII - promover a articulação do Comitê com os Estados da Região Norte e a União, visando
à integração da Bacia Hidrográfica do Rio Tarumã-Açu.

CAPÍTULO V
DA COMPOSIÇÃO E DA ORGANIZAÇÃO DO COMITÊ
233

Art. 6.° O Comitê assegurará a paridade entre o Poder Público, o Setor de Usuários e a
Sociedade Civil e será composto pelas seguintes organizações:
I – representantes do Setor Público:
a) Órgãos e Entidades Federais:
1. Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA;
2. Sistema de Proteção da Amazônia - SIPAM;
3. Universidade Federal do Amazonas - UFAM;
4. Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia - INPA;
5. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA;
6. Confederação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira - COIAB.
b) Órgãos e Entidades Estaduais:
1. Secretaria Executiva de Geodiversidade e Recursos Hídricos - SEGEORH/SDS;
2. Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas - IPAAM;
3. Fundação Estadual dos Povos indígenas - FEPI;
4. Secretaria de Estado da Educação e Qualidade de Ensino - SEDUC;
5. Empresa Estadual de Turismo - AMAZONASTUR;
6. Universidade do Estado do Amazonas - UEA.
c) Órgãos e Entidades Municipais:
1. Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico Local - SEMDEL;
2. Secretaria Municipal de Educação - SEMED;
3. Secretaria Municipal de Meio Ambiente - SEMMA;
4. Fundação Municipal de Turismo - MANAUSTUR;
5. Secretaria Municipal de Assistência Social e Cidadania – SEMASC;
II – representantes do Setor de Usuários:
a) Empresa Concessionária de Serviços de Água e Esgoto - ÁGUAS DO AMAZONAS;
b) Setor Energético - MANAUS ENERGIA;
c) Empresa Brasileira de Infra-Estrutura.
III – representantes da Sociedade Civil:
a) Centro Universitário Luterano de Manaus - CEULM/ULBRA;
b) Centro Universitário Nilton Lins - UNINILTONLINS;
c) Faculdade Salesiana Dom Bosco - FSDB;
d) Recofarma Indústria do Amazonas Ltda;
e) Fundação Floresta Viva - FFV;
f) Fundação Ecoamazônia;
234

g) Instituto Ambiental Amigos da Natureza - IAAN;


h) Associação de Moradores do Rio Tarumã-Açu - SOS Tarumã-Açu;
i) Associação de Moradores da Comunidade Nova Esperança;
j) Associação Brasileira de Indústria Hoteleira - ABIH;
k) Instituto Internacional Amazônia Viva;
l) Fundação Rede Amazônica;
m) UNILASALLE;
n) AMAZON SAT;
o) Associação dos Produtores do Assentamento do Pau - Rosa;
p) Associação dos Canoeiros da Marina do Davi e Fátima - ACAMDAF;
q) Conselho Regional de Química XIV Região - CRQ XIV-AM.

Parágrafo único. Considera-se Usuário, pessoa física ou jurídica que efetivamente utiliza e
usufrui dos recursos naturais ou artificialmente modificados da Bacia Hidrográfica.
Art. 7.º Cada organização deverá indicar um representante titular e um suplente, escolhidos
por cada instituição dos segmentos, que terão direito a voz e voto durante as reuniões do
Comitê, na ausência do titular.
§ 1.° O mandato de cada representante será de dois (02) anos, com direito a uma (01) uma
recondução, por determinação expressa e formal do segmento representado.
§ 2.° As entidades que pleitearem representação deverão apresentar interesse por escrito
oficialmente à Secretaria Executiva do Comitê.
§ 3.° Os membros integrantes do Comitê devem exercer ações ou estar sediados dentro do
perímetro da Bacia Hidrográfica do Rio Tarumã-Açu.
§ 4.° Nas reuniões ordinárias do Comitê poderão ser acrescentadas novas substituições com a
aprovação de mais de 50% (cinquenta por cento) do Comitê.
Art. 8.° O Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Tarumã-Açu poderá propor ao Conselho
Estadual de Recursos Hídricos, alterações na sua composição.
Art. 9.° O Comitê, integrado por órgãos Federais, Estaduais, Municipais, Sociedade Civil e
Usuários, na forma do artigo 6.º deste Regimento, será estruturado da seguinte forma:
I - Plenário;
II - Diretoria Executiva formada por 01 (um) Presidente (a), 01 (um) Vice-Presidente (a), 01
(um) Secretário-Executivo (a) e 01 (um) Vice-Secretário Executivo (a).
III - Câmaras Técnicas.
235

Parágrafo único. O Plenário será constituído pelos membros do Comitê convidados e demais
interessados.

CAPÍTULO VI
DA INDICAÇÃO DOS MEMBROS
Art. 10. A indicação dos representantes e seus respectivos suplentes dar-se-á no prazo
máximo de 30 (trinta) dias, após o recebimento da solicitação da indicação encaminhada pelo
Presidente do Comitê aos órgãos e entidades representadas.
Parágrafo único. A indicação referida no caput deste artigo será comunicada por ofício
dirigido ao Presidente do Comitê, assinada pelos titulares dos órgãos e Presidentes das
Associações.
Art. 11. A aprovação das indicações das Entidades, bem como dos nomes dos respectivos
suplentes, para a composição do Comitê, será efetivada através de ato do Governador do
Estado, à vista de proposta do Presidente do Conselho Estadual de Recursos Hídricos do
Amazonas.

CAPÍTULO VII
DAS CÂMARAS TÉCNICAS
Art. 12. O Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Tarumã-Açu é composto pelas seguintes
Câmaras Técnicas:
I - Câmara Técnica para Acompanhamento de Projetos;
II - Câmara Técnica de Outorga e Cobrança pelo uso de Recursos Hídricos;
III - Câmara Técnica de Captação e Lançamento de Efluentes;
IV - Câmara Técnica de Educação Ambiental.
§ 1.° As Câmaras Técnicas terão sua composição, atribuição e duração definidas em
instrumento específico.
§ 2.° Os membros das Câmaras Técnicas que faltarem a mais de 02 (duas) reuniões
sequenciais ou 03 (três) intercaladas serão substituídos.
§ 3.° Os membros das Câmaras Técnicas serão indicados pelos seus respectivos
representantes no Comitê, com mandato de 02 (dois) anos, renovável por igual período.
Art. 13. Além das Câmaras Técnicas já especificadas poderão ser criadas, a qualquer tempo,
outras Câmaras permanentes ou temporárias, mediante deliberação do Plenário.
236

Art. 14. As Câmaras Técnicas têm por atribuição o exame de matérias específicas, do ponto
de vista técnico e científico, para subsidiar a tomada de decisões por parte dos membros do
Plenário, competindo-lhes:
I - elaborar propostas de normas de acordo com a legislação pertinente;
II - emitir parecer sobre assuntos que lhe forem encaminhados pelo Presidente do Comitê;
III - relatar e submeter à aprovação do plenário, assuntos a elas pertinentes;
IV - convidar especialistas para prestar informações sobre assuntos de sua competência.
Art. 15. Os membros da Câmara Técnica terão direito à voz e voto.
§ 1.° As decisões das Câmaras Técnicas serão tomadas por votação da maioria simples de
seus membros, cabendo o voto de desempate a sua Presidência.
§ 2.° No caso da impossibilidade de comparecimento do titular ou do suplente da Câmara
Técnica poderá ser dada a substituição, através de documento escrito pelo titular, que indicará
um outro representante do setor para representá-lo apenas naquele ato, ficando o mesmo com
direito a voz e voto.
Art. 16. As Câmaras Técnicas serão convocadas por suas respectivas presidências com, no
mínimo, 07 (sete) dias de antecedência.
Art. 17. As Câmaras Técnicas serão presididas por um de seus membros, eleito na primeira
reunião ordinária, por maioria simples dos votos dos seus integrantes.
§ 1.° Os Presidentes das Câmaras Técnicas Permanentes terão mandato de 01 (um) ano,
permitida uma única recondução subsequente, por igual período.
§ 2.° Os Presidentes das Câmaras Técnicas poderão relatar matérias ou designar um relator a
cada reunião.
Art. 18. A ausência não justificada de membros de Câmara Técnica, a 03 (três) reuniões
consecutivas ou a 05 (cinco) alternadas, no decorrer do ano, implicará na sua automática
exclusão.
Parágrafo único. A substituição de membro excluído, na hipótese prevista no caput deste
artigo, será proposta pelos demais membros da Câmara Técnica ou por membros do Comitê,
para aprovação pelo Plenário.
Art. 19. As reuniões das Câmaras Técnicas deverão ser registradas através de atas, aprovadas
pelos seus membros e assinadas pelo seu Presidente.
Art. 20. As questões omissas neste Regimento Interno, referentes às Câmaras Técnicas,
deverão ser resolvidas através de deliberação de seus membros.
237

CAPÍTULO VIII
DA DIRETORIA EXECUTIVA E DO PLENÁRIO
Art. 21. O Comitê será presidido por um de seus membros, eleito pelo Plenário, com mandato
de dois (02) anos, com direito a reeleição.
§ 1.° O Comitê elegerá seus dirigentes em assembléia, para mandato de 02 (dois) anos,
cabendo uma reeleição.
§ 2.° O Plenário do Comitê da Bacia Hidrográfica definirá qual segmento ocupará
determinado cargo, ficando vedada a ocupação de mais de 01 (um) cargo, por segmento.
§ 3.° Cada segmento indicará seu representante, pessoa física, dentre os membros do Comitê,
para o cargo definido pelo Plenário.
§ 4.° No caso de afastamento definitivo do Presidente e Vice-Presidente, por qualquer motivo,
assumirá a função, interinamente, o Secretário Executivo, tendo este o prazo máximo de 60
(sessenta) dias para convocar eleição e empossar o novo Presidente e Vice-Presidente, que
deverão assumir para concluir o mandato em vigência.
§ 5.° Havendo, também, o afastamento definitivo do Secretário Executivo, por qualquer
motivo, assumirá a função uma comissão provisória formada pelos Coordenadores das
Câmaras Técnicas, tendo o prazo máximo de 60 (sessenta) dias para empossar a nova
Diretoria Executiva, que deverá assumir a conclusão do mandato em vigência.
§ 6.° Ocorrendo o previsto nos parágrafos anteriores, e estendendo-se o mandato interino por
12 (doze) meses, o mesmo será considerado para fins de reeleição.
§ 7.° Caberá ao Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Tarumã-Açu deliberar pela destituição
do Presidente, Vice-Presidente e Secretário Executivo, no caso de improbidade e outros atos
assemelhados, com quorum mínimo de dois terços de seus membros.
Art. 22. Ao Presidente do Comitê, além das atribuições expressas neste Regimento ou que
decorram de suas funções, caberá:
I - representar o Comitê, ativa e passivamente;
II - presidir as reuniões do Plenário;
III - determinar a execução das deliberações do Plenário, através da Secretaria Executiva;
IV - tomar medidas de caráter urgente, submetendo-as, na reunião imediata, à homologação
do Plenário;
V - manter o Comitê informado sobre as discussões em pauta no Conselho Estadual de
Recursos Hídricos CERH/AM;
VI - representar o Comitê no Conselho Estadual de Recursos Hídricos - CERH/AM;
238

VII - propor a criação de novas Câmaras Técnicas, as quais deverão ser submetidas à
aprovação do Plenário.
Art. 23. O Comitê contará com um Vice-Presidente, eleito pelo Plenário, com mandato
coincidente ao da Presidência, cabendo uma reeleição.
Parágrafo único. Caberá ao Vice-Presidente substituir o Presidente em seus impedimentos.
Art. 24. O Comitê contará com uma Secretaria Executiva, coordenada por um Secretário
Executivo eleito pelo Plenário do Comitê, coincidente ao da Presidência.
Parágrafo único. Os membros do Comitê terão acesso a todas as informações de que
disponha sua Secretaria Executiva.
Art. 25. São atribuições da Secretaria Executiva, além daquelas expressas neste Regimento e
das funções atribuídas pelo Comitê:
I - promover a convocação das reuniões, organizar a pauta, secretariar e assessorar as reuniões
do Comitê;
II - adotar medidas necessárias para o funcionamento do Comitê e dar encaminhamento às
deliberações, sugestões e propostas;
III - publicar, no Diário Oficial do Estado e demais órgãos da imprensa local, as decisões do
Comitê;
IV - secretariar as reuniões do Comitê, preparar sua agenda, elaborar atas e preparar as suas
convocações;
V - exercer a fiscalização das normas técnicas aprovadas pelo Comitê;
VI - encaminhar e fazer cumprir as decisões e deliberações do Comitê;
VII - instruir os processos a serem submetidos aos membros do Comitê ou às Câmaras
Técnicas;
VIII - relatar os assuntos a serem levados aos exames do Comitê;
IX - organizar a documentação técnica e administrativa de interesse do Comitê;
X - organizar e manter os serviços de protocolo, distribuição, fichário e arquivo do Comitê;
XI - acompanhar e fiscalizar a execução de convênios, acordos, ajustes e termos de
responsabilidade;
XII - responsabilizar-se pela divulgação dos atos do Comitê;
XIII - manter balanço atualizado da disponibilidade de recursos hídricos;
XIV - manter o cadastro de usuários de recursos hídricos;
239

XV - efetuar, mediante delegação do Poder Outorgante a análise técnica dos pedidos de


outorga e a cobrança pelo uso dos recursos hídricos;
XVI - analisar e emitir pareceres sobre os projetos e obras a serem financiados com recursos
gerados pela cobrança de recursos hídricos e encaminhá-los à instituição financeira
responsável pela administração desses recursos;
XVII - exercer a administração dos recursos financeiros originários da cobrança pelo uso de
recursos hídricos e de outras fontes ou contratar serviços de instituições financeiras para essa
finalidade;
XVIII - gerir o Sistema de Informações sobre Recursos Hídricos na Bacia Hidrográfica do
Rio Tarumã-Açu;
XIX - celebrar convênios e contratar financiamentos e serviços para o cumprimento de suas
competências;
XX - elaborar a proposta orçamentária para a Bacia submetendo-a ao Comitê;
XXI - promover os estudos necessários à gestão dos recursos hídricos para a Bacia;
XXII - prestar apoio administrativo, técnico e financeiro ao Comitê;
XXIII - promover a elaboração da proposta do Plano da Bacia Hidrográfica do Rio Tarumã-
Açu, submetendo-a à audiência pública, mediante convocação publicada em Diário Oficial e
nos jornais de maior circulação localizados na área de atuação de cada Comitê, e por meio
eletrônico, quando viável;
XXIV - propor para o Comitê:
a) o reenquadramento dos corpos de água nas classes de uso, para encaminhamento ao
Conselho Estadual de Recursos Hídricos;
b) os valores a serem cobrados pelo uso dos recursos hídricos, produzidos por meio de
estudos técnicos;
c) o plano de aplicação dos recursos arrecadados com a cobrança pelo uso de recursos
hídricos;
d) o rateio de custo das obras de uso múltiplo, de interesse comum ou coletivo;
e) os mecanismos de cobrança.
XXV - publicar no Diário Oficial do Estado e por meio eletrônico, quando viável, a receita e a
despesa relativa ao período anterior de recolhimento e de pagamento da Bacia Hidrográfica,
discriminando a aplicação efetiva dos recursos, em periodicidade a ser estabelecida;
XXVI - contratar, rescindir contratos e aplicar penalidades a seus empregados;
XXVII - propor medida judicial para efetivação do pagamento pelo uso dos recursos hídricos;
XXVIII - elaborar o Relatório Anual das Atividades do Comitê;
240

XXIX - cumprir encargos outros que lhe forem atribuídos pelo Presidente ou pelo Plenário,
necessários ao desenvolvimento das atividades do Comitê.
Art. 26. Aos membros do Comitê, além das atribuições, já expressas, compete:
I - Apresentar proposta, pedir vista de documentos, discutir e votar as matérias submetidas ao
Comitê;
II - solicitar ao Presidente a convocação de reuniões extraordinárias, na forma prevista no
Regimento;
III - votar e ser votado para os cargos previstos neste Regimento;
IV - indicar, quando necessário, pessoas ou representantes de entidades, públicas ou privadas,
para participar de reuniões específicas do Comitê, que terão direito à voz, obedecidas as
condições previstas neste Regimento.
Art. 27. As funções de membro do Comitê não são remuneradas sendo, porém, consideradas
como de serviço público relevante.

CAPÍTULO IX
DAS REUNIÕES E DOS PROCEDIMENTOS
Art. 28. O Comitê reunir-se-á, ordinariamente, 04 (quatro) vezes por ano, sendo uma reunião
por trimestre, e extraordinariamente, quando convocado pelo seu Presidente, ou por número
equivalente à maioria simples do total de votos do Comitê.
Parágrafo único. Após 03 (três) faltas consecutivas ou 04 (quatro) alternadas, não
justificadas, a entidade perderá assento no Comitê.
Art. 29. As reuniões ordinárias e extraordinárias do Comitê serão públicas, tendo todos os
cidadãos presentes direito à voz, obedecendo-se o quorum mínimo de um terço de seus
membros.
Parágrafo único. O Presidente poderá estabelecer a quantidade de solicitações para uso da
palavra, bem como o tempo máximo de fala dos solicitantes, respeitando a ordem das
solicitações e priorizando os membros do Comitê com direito a voto.
Art. 30. As convocações para as reuniões ordinárias do Comitê serão feitas com antecedência
mínima de 15 (quinze) dias, e para as reuniões extraordinárias ou em caráter de urgência, com
antecedência mínima de 05 (cinco) dias.
§ 1.° O Edital de convocação indicará expressamente a data, hora e local em que será
realizada a reunião, pauta e normas de participação.
§ 2.° A divulgação do Edital será feita mediante a publicação no Diário Oficial do Estado e
outros meios de comunicação.
241

§ 3.° No caso de reforma do Regimento, a convocação deverá vir acompanhada da proposta


do projeto de reforma.
Art. 31. As reuniões plenárias do Comitê poderão ser realizadas em qualquer local, desde que
definido em plenário.
Art. 32. Abertos os trabalhos, haverá a leitura da ata da reunião anterior para apreciação,
retificações, quando necessárias, e sua aprovação.
Art. 33. Após a leitura da ata, seguidas às matérias constantes da pauta, a Presidência
transmitirá as comunicações e informações de interesse do Plenário.
Parágrafo único. A inclusão de assuntos de caráter urgente e relevante, não constante da
pauta, dependerá de aprovação da maioria simples dos votos dos membros presentes.
Art. 34. As questões de ordem versarão sobre a forma de encaminhamento de discussão e
votação da matéria em pauta, podendo ser levantadas a qualquer momento, desde que
formuladas com clareza e objetividade.
Art. 35. As deliberações do Comitê, salvo disposição em contrário, serão tomadas por maioria
simples dos votos presentes.
§ 1.° As votações deverão ser abertas, podendo ser nominais, se aprovadas pelo Plenário.
§ 2.° Qualquer membro do Comitê, com direito a voto, poderá solicitar o registro do seu voto
na ata dos trabalhos, podendo, ainda, abster-se de votar.
§ 3.° Havendo necessidade de alterações no Estatuto, o quorum para aprovação será de dois
terços do total de votos do Comitê.
§ 4.° Ao Presidente do Comitê caberá, além de seu voto como membro, o voto de qualidade.
Art. 36. O Comitê deverá realizar audiências públicas para discutir:
I - propostas do plano de utilização, conservação, proteção e recuperação dos recursos
hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio Tarumã-Açu;
II - propostas de enquadramento dos corpos d'água;
III - outros temas considerados relevantes e aprovados pelo Comitê.
Art. 37. O Comitê poderá requisitar informações e pareceres sobre ações que interfiram direta
ou indiretamente nos recursos naturais da Bacia Hidrográfica do Rio Tarumã-Açu.

CAPÍTULO X
DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS
Art. 38. Enquanto não estiver aprovado o Plano de Bacia Hidrográfica, caberá ao Comitê
propor ao Conselho Estadual de Recursos Hídricos, ações e medidas necessárias ao controle
do uso dos recursos hídricos na Bacia Hidrográfica do Rio Tarumã-Açu.
242

Art. 39. O Comitê deve aprovar seu Regimento, decidir sobre os casos omissos e deliberar
instruções normativas, quando necessário.
Art. 40. O Presente Regimento Interno poderá ser modificado por proposição de qualquer
membro do Comitê da Bacia Hidrográfica do Tarumã-Açu, necessitando para tal, de
aprovação por no mínimo dois terços dos seus membros.
Parágrafo único. A modificação do Regimento Interno poderá ocorrer somente em reunião
convocada para este fim.
243

ANEXO D - ATA DA 25ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO ESTADUAL DE


RECURSOS HÍDRICOS DO AMAZONAS – CERH/AM.

CERH/AM

ATA DA 25ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS


HÍDRICOS DO AMAZONAS – CERH/AM.

Ao vigésimo sexto (26) dia do mês de fevereiro de dois mil e quatorze (2014), de 9h00 as
12h00 horas, no Auditório Ernani Leão de Freitas (FIEAM), sito à Av. Joaquim Nabuco, n.
1919 – Centro, Manaus/AM, foi realizada a 25ª Reunião Ordinária do Conselho Estadual de
Recursos Hídricos, onde discutiu-se a seguinte pauta: 1. Aprovação da Ata da XXIV Reunião
Ordinária do CERH e da Ata da Reunião Extraordinária, de 03/12/13; 2. Leitura e
Deliberação da Resolução que trata sobre a definição das Regiões Hidrográficas do Estado do
Amazonas, após as propostas de alteração encaminhadas pelos Conselheiros; 3. Informes.
Estiveram presentes as seguintes Instituições e seus respectivos conselheiros: Jane Crespo
(SEMGRH), Kleber Renan Veríssimo (ALE/AM), Carlos Benedito Santana Soares (SIPAM),
Sissy Correa Santos (ARSAM), Paula Aliomar (CBHT), Odinelza Pinho (COSAMA), ?
(CPRM), Sérgio Bringel (CRQ XVI-AM), Gisely Pereira de Souza (DEFESA CIVIL
AMAZONAS), Cleodivan Menezes de Paula (DEFESA CIVIL MANAUS), Muni Lourenço
Silva Junior (FAEA), Alexandre Kadota (FIEAM), Renée Fagundes Veiga (FIEAM), Kelmer
Passos (FUNASA), Antonio dos Santos (FRA), Raquel Oliveira (FVS), Maria Socorro R.
Silva (INPA), Jose R. Rabello (IPAAM), Ivan Marquezini (PETROBRAS), Valdemir Ferreira
de Souza (SEDUC), Anderson Criston Nascimento (SEMMAS), Elton Correa (CBHP), Jose
Maria Junior (SDS), Mario Bessa (UEA). Estiveram ausentes as seguintes instituições: AAM,
CENTRAIS ELETRICAS, CRBIO06, FETAGRI, UNILaSalle, MANAUS AMBIENTAL,
UFAM, UNINORTE, SINDARMA, SINDNAVAL, SUFRAMA. Estiveram presentes como
convidados: Sergio Gonçalves (Instituto Amazônia), Joel Castro (SNPH), Carlos Roberto
Koch (SINDISUL-APUI), Tiago Nicolay Freitas (Marinha do Brasil-9ºDN), Marcelo Oro de
Carvalho (Marinha do Brasil-9ºDN). A Secretária Executiva de Estado de Mineração,
Geodiversidade e Recursos Hídricos, Jane Crespo, iniciou a 25ª Reunião Ordinária do
Conselho Estadual de Recursos Hídricos dando boas vindas a todos os conselheiros e
informando a ausência do Presidente Titular do CERH/AM, Daniel Borges Nava, por motivo
de férias. Em seguida, convidou os senhores conselheiros Antonio dos Santos (FRA), Marcelo
Oro de Carvalho (Marinha do Brasil-9ºDN) e Alexandre Kadota (FIEAM) para
acompanharem-na junto à mesa dos trabalhos. Colocou o primeiro ponto de pauta “Aprovação
da Ata da XXIV Reunião Ordinária do CERH e da Ata da Reunião Extraordinária, de
03/12/13” em discussão. Com a palavra, o Sr. Muni Lourenço (FAEA) solicitou em relação à
ordem do dia que a deliberação da pauta que trata sobre comitê de bacias fosse realizada na
próxima reunião e que hoje houvesse apenas as discussões para melhor compreensão da
Resolução, sob a justificativa de que, como representante 38 dos usuários da água, há
estabelecimento no referido texto de outorga e cobrança pelo uso da água, com a instalação de
hidrômetros, matéria delicada aos produtores rurais. Contudo, a presidente da mesa esclareceu
que, a discussão e deliberação da Resolução sobre cobrança não está prevista na pauta da
Reunião do dia de hoje e pediu desculpas aos conselheiros pelo envio equivocado do texto da
Resolução, destacando que por este motivo a Resolução sobre Regiões Hidrográficas ficará
para ser deliberada apenas na próxima reunião, sendo hoje apenas realizada a discussão. O Sr.
Muni compreendeu o ocorrido e agradeceu a atenção, destacando que o texto daquela
244

Resolução citava a deliberação da outorga e cobrança por comitês de bacias como urgentes,
motivo porque da sua preocupação em deter maior tempo para melhor analisar o seu
conteúdo. Ademais, acrescentou que não é desejável a instalação de comitês que
eventualmente não tenham estrutura de funcionamento, para que não venham apenas existir
como criação de condição para viabilizar a cobrança da água. Destacou que a agricultura no
Amazonas ainda está no inicio de seu desenvolvimento e que a cobrança pelo uso da água já
neste momento pode ser um fator inibidor do desenvolvimento do Estado, principalmente
com relação ao uso de técnicas como a irrigação. A presidente apontou que esta Resolução é
pauta prioritária de análise da Câmara Técnica própria do Conselho (CTOCC/CERH), estando
ainda esta sob estudos, inclusive no que diz respeito às condições necessárias dos comitês de
bacias para a implementação da cobrança, bem como às peculiaridades do setor primário no
Estado do Amazonas. Dando prosseguimento, a presidente passou para o primeiro assunto da
pauta da Reunião e após leitura dinâmica das Atas, aprovaram se ambas por unanimidade. A
seguir, a presidente da mesa passou para o segundo assunto da pauta “Leitura e Deliberação
da Resolução que trata sobre a definição das Regiões Hidrográficas do Estado do Amazonas,
após as propostas de alteração encaminhadas pelos Conselheiros”. Dada manifestação do
conselheiro Muni (FAEA), apresentou-se apenas o histórico dos estudos interinstitucional que
motivaram o texto da referida Resolução e discutiu-se. A presidente da mesa expôs que a
Resolução trata sobre a definição das 9 (nove) Regiões Hidrográficas do Estado do Amazonas
e que, no Amazonas, a delimitação de Regiões Hidrográficas é imprescindível para um
adequado gerenciamento do uso dos recursos hídricos e para a implementação da Política
Estadual de Recursos Hídricos, que se constitui em processo dinâmico e contínuo. Informou
que, em 02/06/2003, houve a primeira discussão pelos membros do Grupo de Trabalho
Interinstitucional na SDS para a construção de Proposta do Plano de Bacias Hidrográficas do
Estado do Amazonas. E, que foram formadas duas equipes de trabalho para tratar sobre: 1.
critérios a serem adotados para a subdivisão do território do Estado do Amazonas para fins de
gerenciamento administrativo das respectivas bacias, e 2. definição do traçado dos limites em
mapa. A presidente lembrou da importante participação dos Conselheiros Sergio Bringel
(CRQ) e Ivan Marquezini (PETROBRAS) nos estudos e na construção do texto e do mapa
ilustrativo da Resolução. O estudo realizado pelo grupo considerou, dentre outras questões, os
aspectos relacionados às peculiaridades Amazônicas e à disponibilidade de 75 infraestrutura e
recursos humanos para apoio a implantação de sistema de gestão estadual de recursos
hídricos; à situação privilegiada do Estado na relação tanto dos aspectos quantitativos quanto
qualitativos entre a abundância dos recursos hídricos e as pressões antrópicas locais; à
necessidade urgente de se estabelecer critério único de subdivisão estadual para o
gerenciamento dos recursos hídricos no Amazonas; bem como, à realidade do homem
amazônico, seu histórico de ocupação territorial e outros aspectos socioeconômicos e
ambientais. A presidente acrescentou que, nesta época, não estava bem definida a Lei
Estadual de Recursos Hídricos (L. 3167/2007), não havia um órgão gestor especifico, o
CERH ainda não estava bem consolidado, não havia apoio institucional do Governo Federal
para que se fortalecesse a gestão dos recursos hídricos, a prioridade da governança das águas
no Estado ainda não estava em pauta, de forma que aos poucos o tema foi evoluindo. Assim,
em 2009, o grupo concluiu pela necessidade de criação das seguintes Regiões Hidrográficas:
R.H. do Rio Negro, R.H. do Japurá/Médio Solimões, R.H. do Alto Solimões, R.H. do Juruá,
R.H. do Purus, R.H. do Madeira, R.H. de Careiro-Autazes, R.H. de Manaus, R.H. do Baixo
Amazonas. Chegou-se a este determinante, tendo em vista a observância pelo grupo de
estudos de que a codificação de Bacias Hidrográficas pelo método de Otto, nível 2 (método de
subdivisão e codificação de bacias hidrográficas, utilizando algarismos, diretamente
relacionados com a área de drenagem dos cursos d‟água, cuja aplicação uso é orientada pela
Resolução nº 30, de 11/12/2002, do CNRH), não se aplica de forma plena à gestão de recursos
245

hídricos no Estado do Amazonas dada suas peculiaridades. Assim, com a finalidade de


orientar, fundamentar e implantar o Plano Estadual de Recursos Hídricos, a adoção no Estado
do Amazonas da Divisão Hidrográfica em Regiões Hidrográficas como metodologia de gestão
administrativa complementar é de extrema relevância posto a necessidade de se considerar a
melhor forma de usos múltiplos dos recursos hídricos, diante da situação regional de
transporte e logística e, principalmente, da peculiar identidade que o homem amazonense tem
com a água. Some-se a isso o fato de que, a dinâmica no Estado do Amazonas se dá através
dos rios. Há municípios pertencentes a mais de uma bacia, pela definição de Otto, mas que
possuem toda sua dinâmica socioeconômica através das calhas, isto porque as atividades da
população local estão diretamente relacionadas com a calha do rio imediato, inclusive em
razão da sua ocupação. Foi a partir da identificação dessa realidade que a equipe de estudos
conseguiu definir em mapa (anexo à Resolução) quais as regiões hidrográficas que o Estado
deve tratar, visando contemplar o maior numero de populações que estejam às margens dos
rios. De 2009 até a presente data, a secretaria do Conselho recebeu várias propostas de
alteração da Resolução pelos conselheiros, com o fim de contribuir para a melhoria do texto
final, ora em discussão. Hoje a Resolução está bem evoluída, em razão das contribuições
oriundas de reuniões, de consultas a outros Conselhos, de novas ações a partir da criação da
SEMRGH, do maior discernimento jurídico-administrativo do que se necessita para a gestão
de recursos hídricos no Amazonas, da criação da Câmara técnica especifica para as Regiões
Hidrográficas no CERH. Tem-se clara, inclusive, a limitação ainda existente para se proceder
com a criação de estrutura dos Comitês de Bacias no interior do Estado, como por exemplo,
estabelecer um Comitê na Região do Juruá, em razão do difícil deslocamento, da necessidade
de capacitação técnica dos representantes, dentre outras situações. Contudo, as bacias devem
ser identificadas, os planos devem ser implantados, mediante a divisão de Otto. Assim, para
efeito de gestão, a divisão foi proposta em conformidade com a realidade do Amazonas, em
função da sua dimensão e da sua diversidade, sem desprezar a essência do método de divisão
de Otto, conforme orientação dos especialistas participantes do grupo de estudo. A presidente
da mesa acrescentou, ainda, que, após aprovada em reunião do CERH, a Resolução em
discussão será encaminhada para a Procuradoria Geral do Estado para fim de analise jurídica,
para que não se tenham problemas futuros. Na seqüência, deu inicio a leitura da Resolução e,
em seguida, abriu espaço para manifestação dos conselheiros presentes. Com a palavra, o
conselheiro Sergio Bringel (CRQ) expôs que suas considerações feitas por escrito foram
contempladas e questionou apenas quanto à necessidade dos recursos destinados às Regiões
Hidrográficas serem executados pelo Fundo Estadual de Recursos Hídricos - FERH. A
presidente esclareceu que esta é uma forma de melhor fiscalizar a aplicação do recurso pelo
fato de ser o CERH o principal órgão responsável por acompanhar a execução dos recursos do
FERH e aprová-la. É a forma mais transparente de administrar os recursos e mais pratica em
comparação ao encaminhamento dos recursos para fonte do tesouro estadual que necessita de
liberação da secretaria de fazenda. O conselheiro Bringel (CRQ) destacou que sua duvida está
relacionada ao fato de que alguns recursos de projetos são destinados diretamente ao
pesquisador ou a uma instituição de pesquisa/universidade. A presidente expôs que pode se
firmar convênios, parcerias e outras ações admitidas que possibilitem o repasse ao FERH para
aplicação na gestão de recursos hídricos para as Regiões Hidrográficas. Com a palavra, o
Conselheiro Mario Bessa (UEA) expôs que a indicação exclusiva do FERH como executor de
operações financeiras para fins de estudo de gestão para as Regiões Hidrográficas pode
inviabilizar a entrada de recursos, pelo fato de que há recursos advindos da esfera nacional e
oriundos de fundos internacionais para financiamento de pesquisas os quais podem não estar
vinculados ao FERH. O Conselheiro Bringel (CRQ) sugeriu a melhoria da redação do
parágrafo 7º, de forma a não amarrar apenas o FERH como administrador dos recursos. Com
a palavra, o Conselheiro Muni (FAEA) reiterou seu pedido de maior prazo para analisar a
246

Resolução, posto que esta subentende a criação futura, após a aprovação das Regiões
Hidrográficas, de Comitês de Bacias, os quais possuem competência para realizar cobrança
pelo uso de água. Este pedido também foi acompanhado pela conselheira Renné Fagundes
(FIEAM) e o conselheiro Antonio dos Santos (FRA). O Conselheiro Muni espera que não se
repita, no que diz respeito à recursos hídricos, o fato de se criar mais uma carga para o setor
produtivo, haja vista que gestão de recursos hídricos não se resume na outorga e cobrança
pelo uso da água. Disse ser importante que a Resolução já estabeleça a estrutura de
funcionamento para esses Comitês de Bacias, inclusive prazos, pois criar no papel e o Comitê
de fato não existir, visando apenas estabelecer a cobrança, é inadmissível. Atualmente, vive-
se uma escassez de alimentos e o Amazonas usa a técnica da irrigação na agricultura e na
pecuária, desta forma observa-se que a instalação de hidrômetros para cobrança do uso da
água é assunto delicado. Os EUA não cobra dos produtores rurais americanos pelo uso da
água, para eles é prioridade a gestão dos recursos hídricos, mas também é importante a
produção de alimentos, não só para a sua população, mas também para a estrutura saudável da
economia americana. Do ponto de vista ambiental, tem-se que, com a cobrança pelo uso da
água para atividade agricultura, a perspectiva de aumentar a produtividade em áreas já aberta
se inibe para uma pressão maior de abertura de novas áreas, o que não é desejável no nosso
Estado. Com a palavra, o Conselheiro Antonio dos Santos (FRA) expôs que é importante
fazer estudo de quantos hectares existem no Estado para as áreas irrigadas, bem como, se esta
irrigação ira impactar o volume de agua disponível para outros múltiplos usos. O Estado que
mais usa água para irrigação na Amazônia é Roraima, seria interessante o CERH estabelecer
contato para troca de informações. Com relação à cobrança de uso de água no Amazonas,
muito ainda há de ser feito no Estado antes de se dar inicio e que deve ser bastante discutida
na Câmara Técnica especifica antes de deliberação pelo Conselho. Com a palavra, o
Conselheiro Sergio Bringel (CRQ) lembrou que o assunto cobrança pelo uso de água já foi
discutido em alguma reunião anterior da CERH e que não se chegou a acordo porque se
queria introduzir uma Resolução de um Conselho do Nordeste, momento em que os
representantes da piscicultura se manifestaram não saber como definir o valor a ser pago por
eles ou cobrado pelo Comitê. Com a palavra, o conselheiro Muni (FAEA) expôs que no
Nordeste se cobra pelo uso da água dada a escassez. La o valor econômico da água é efetivo,
enquanto que aqui no Amazonas, dada a enorme disponibilidade, não se necessita de
estabelecimento de prioridades. Com a palavra, a presidente da mesa esclareceu que a
Resolução ora em analise trata exclusivamente da definição das Regiões Hidrográficas do
Amazonas que comporão planos e projetos de gerenciamento de recursos hídricos, não
abordando, portanto, sobre outorga e cobrança. Informou que, na região norte do Brasil, o
único Comitê de Bacia instituído legalmente e em operação é o do Taruma, pois ali se
identificou o atendimento à mínima estrutura, e o próximo será o do Puraquequara.
Certamente a definição das Regiões Hidrográficas servira como motivação para a criação de
novos Comitês de Bacias. O Amazonas possui muita água, mas a preocupação do Estado é
com a distribuição. Com a palavra, o conselheiro José Laune (SDS) questionou como se dará
a espacialização das Regiões Hidrográficas definidas, se já existe algum estudo, qual base será
usada e a escala. A presidente da mesa esclareceu que a abrangência e os limites serão
estabelecidos no Plano Estadual de Recursos Hídricos, considerando o mapa orientativo
elaborado pelo grupo de estudo e após discussão na Câmara Técnica especifica. Com a
palavra, o conselheiro Anderson Criston (SEMMAS) solicitou que lhe fosse enviado os
arquivos digitais das delimitações. A presidente da mesa informou que serão encaminhados,
inclusive a apresentação em ppt. Com relação ao prazo solicitado pelos Conselheiros para
análise da Resolução e consulta sobre o tema junto aos setores a que representam, definiu-se,
em consenso, a data final de 08/04/2014 (terça-feira) para apresentação de manifestação do
texto final da Resolução e a data de deliberação para a próxima reunião ordinária do CERH,
247

qual seja, 28/04/2014 (segunda-feira). Dando prosseguimento, colocou o terceiro ponto de


pauta “Informes” em discussão. Com a palavra, o Conselheiro Antonio dos Santos (FRA)
informou sobre a realização do próximo Show das Águas, no município de Manaquiri, após o
evento da Copa, afirmando ser este projeto de promoção da proteção ambiental e da cidadania
oriundo das discussões do Comitê das Águas e de Meio Ambiente da FRA e, na oportunidade,
convidou os presentes para participarem das próximas reuniões do Comitê para debater sobre
o sistema amazônico e sua sustentabilidade. Com a palavra, o conselheiro Sergio Bringel
(CRQ) solicitou a presidência do CERH a expedição de ofícios/convites aos representantes
dos consórcios Santo Antonio e Jirau para comparecerem a próxima reunião ordinária do
CERH, a fim de exporem sobre as hidrelétricas do Rio Madeira em execução, as quais estão
causando graves danos ao Estado do Amazonas, bem como, prestar informações e apresentar
documentos sobre o relatório de impacto ambiental e as consequências para o Amazonas
decorrentes da construção dessas barragens. O conselheiro expôs que o Rio Madeira esta com
quase 19m, a barragem já não suporta mais a água por estar completamente cheia e ate o
momento o Governo do Estado do Amazonas não se manifestou a respeito das barragens. Não
se sabe ainda como solucionar os impactos resultantes dessa cheia. Em resposta, a presidente
da mesa informou que na semana anterior esteve em Brasília, em reunião na ANA, onde se
encontrou com técnicos de Rondônia e do Acre, momento em que pôde conversar sobre o
tema e delinear uma visita deles ao CERH/AM para esclarecer questões sobre o tema, haja
vista que os consórcios têm se mostrado arredio. Desta forma, a presidente se comprometeu
em agendar com os técnicos a participação para a próxima reunião do CERH, com vistas a
compreender a posição institucional daqueles estados para que, assim, o CERH possa
oficialmente se manifestar. Com a palavra, o conselheiro Antonio dos Santos (FRA) exposto
que, a época da construção das barragens no Madeira, o Governo do Amazonas não foi
consultado ou, se recebeu depois este documento, não levou a publico a discussão. Sabe-se
que o RIMA não previu impactos ao Amazonas, o que é inacreditável posto que o rio passa
dentro do Estado. Acredita que, sendo um pedido formal do CERH/AM, os consórcios
apresentarão os documentos solicitados e demais informações. Com a palavra, o conselheiro
João Maria (SDS) frisa ser importante convocar também o órgão federal licenciador, IBAMA,
para que se manifeste sobre o tema na próxima reunião do CERH. Em resposta, a presidência
informou que também será providenciado convite para o IBAMA e, caso não seja atendido, o
CERH solicitara apoio do CNRH e de outros órgãos correlatos. Passo seguinte, apresentou o
primeiro informe da SEMGRH sobre o PROGESTAO, no que diz respeito à autorização da
ANA para a transferência da primeira parcela ao FERH, em razão do atingimento das metas
de gestão iniciais pelo Governo do Amazonas para gestão de recursos hídricos e à
parabenizarão da Agencia pela ativa participação dos membros do CERH/AM no êxito
alcançado. Após, abordou sobre a realização do Seminário “Água, Saneamento e Energia:
perspectivas para o Amazonas”, nos dias 19, 20, 21 e 22 de Marco, no auditório da FIEAM,
em homenagem a semana mundial da água, onde serão discutidas questões como: as matrizes
energéticas do Estado, as peculiaridades no Rio Uatuma, a necessidade de emissário
subfluvial em Manaus, a efetivação do esgotamento sanitário no Estado. Acrescentou ainda
que o lançamento do site institucional da SEMGRH, que conterá link para o CERH e Câmaras
Técnicas, se dará na abertura do Seminário. Em seguida, tratou sobre o Plano Estadual de
Recursos Hídricos informando que o Fundo Nacional de Meio Ambiente finalizou a operação
do Convenio para elaboração do PERH, o qual estabelece as metas, diretrizes, prazos, entre
outros; restando agora a operacionalização técnica que é a elaboração dos termos de
referencia para contratação da empresa que ira elaborar os estudos, após a realização da
licitação devida. Como ultimo informe, a presidente solicitou a colaboração de todos os
conselheiros para que atendam a convocação de participação como membros das Câmaras
Técnicas do Conselho, haja vista a necessidade de eleição da coordenação e da relatoria, bem
248

como o estabelecimento das prioridades para 2014 de cada Câmara Técnica. Por fim, com a
palavra, o conselheiro Elton de Jesus (CBHP) informou que no dia 28/02 (sexta-feira), na
PLAN, ocorrera importante reunião com a participação de várias entidades e órgãos, inclusive
a EMGRH, a qual proporcionara andamento nas deliberações sobre Pólo Naval, momento que
se fará presente. Passo seguinte, a presidente dos trabalhos retomou nova abertura de espaço
para os informes dos conselheiros presentes e não havendo mais nenhuma manifestação,
agradeceu e deu por encerrada a Reunião, e eu, Lana Elisa M. G. Barbosa, secretaria
executiva do CERH, lavrei a presente Ata, a qual segue com lista de presença assinada por
todos os Conselheiros presentes.

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS


249

ANEXO E - ENTREVISTAS

Este Apêndice A integra-se na dissertação de mestrado intitulada “OS DESAFIOS NA


GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS E OS COMITÊS DE BACIAS
HIDROGRÁFICAS NO ESTADO DO AMAZONAS”. Trata-se de entrevistas
direcionadas para fazer um estudo entre dois Comitês de Bacias Hidrograficas: o Comitê de
Bacia Hidrográfica do Puraquequara (CBH-P) e o Comite do rio dos Sinos (COMITESINOS),
cuja investigação se desenrolou em torno de quatro objetivos específicos: a) investigar o
funcionamento dos Comitês; b) investigar as atividades dos Comitês; c) investigar a
participação social nos Comitês; d) investigar os principais problemas ambientais que
ocorrem na área de abrangência dos Comitês; tendo, sempre, como objeto de análise as
declarações dos representantes dos Comitês, a partir de entrevistas presenciais, sobre o
funcionamento dos Comitês. As entrevistas foram realizadas nos dias 4 de agosto de 2015 no
CBH-P, em Manaus, e no dia 4 de setembro de 2015, no COMITESINOS, na UNISINOS,
em São Leopoldo, no Rio Grande do Sul, tendo sido todas gravadas com autorização expressa
dos inquiridos e transcritas à medida que se iam efetuando. Esta conduta fundamentou-se no
fato de permitir detectar eventuais lacunas ocorridas no decurso das conversas e,
consequentemente, aperfeiçoar nas entrevistas subsequentes a técnica usada. A transcrição
das entrevistas, de importância vital para futura análise dos dados, acabou por se revelar
bastante árdua pelo tempo consumido, mas também pela concentração exigida na anotação
fidedigna das declarações dos representantes, que eram registadas ao mesmo tempo que se
ouvia o registo áudio. Na passagem das entrevistas para a escrita, procurou-se respeitar,
dentro dos limites possíveis, as características próprias do registo oral. Todavia, foram
retificados certos aspectos próprios da oralidade, nomeadamente contrações e repetições de
palavras, eventuais incorreções ao nível dos processos de concordância em género e/ou
número, bem como se omitiram repetições redundantes de palavras. Também se uniformizou
o tratamento formal das entrevistas para evitar discrepâncias a este nível.
250

Entrevista 1

Comitê de Bacia Hidrográfica do Puraquequara (CBH-P)


Localização: Associação dos Moradores da Vila do Puraquequara, Manaus/AM
Criação:
Representante: Elton de Jesus
Função: Presidente do Comitê
Datada da entrevista: 04/08/2015
Duração: 2 horas

Como foi concebido o CBH-P?


Resposta: No ano de 2012 partiu da Secretaria de Recursos Hídricos do Governo do
Estado a iniciativa em procurar os membros da Associação da Vila do Puraquequara para a
constituição de um Comitê de Bacia Hidrográfica na região.
Como funciona e quais são os membros do CBH-P ?
Resposta: Embora exista de fato, o CBH-P não existe de direito, pois depende de
Decreto do Governador do Estado para ser reconhecido. O que legitima o CBH-P atualmente,
é apenas a ata de constituição, que tem como outros membros a SEMMAS (Secretaria
Municipal de Meio Ambiente), o IPAAM, a Marinha e a UFAM. Embora convidadas as
empresas do polo industrial para participarem do CBH-P, nenhuma demonstrou-se
interessada, inexistindo, portanto, a participação do setor industrial no Comitê. O CBH-P não
tem regimento interno, o que dificulta o direcionamento da organização. A Secretaria de
Recursos Hídricos do Estado foi extinta no ano de 2015, o que está comprometendo a
elaboração do regimento interno e consecutiva emissão do Decreto pelo Governador do
Estado. O CBH-P não se conforma com a extinção da Secretaria de Recurso Hídricos do
Estado, uma vez que era ela que vinha fazendo toda a articulação para a regularização do
Comitê, inclusive, pensando sobre projetos de „sub-bacias de calha‟.
Quais são os principais danos ambientais ocorrentes na BH-P ?
Resposta: As empresas do parque industrial estão açoreando nascentes. Existem
empresas que estão destruindo a margem direita do lago. Os lançamentos feitos pelas
empresas influenciam na qualidade e quantidade do pescado. Na BH-P existe atividade de
matadouro e eles jogam todos os dejetos no rio. As atividades das empresas estão
comprometendo a quantidade e qualidade do pescado em razão da contaminação. As
atividades de empresas do distrito do polo industrial estão aterrando e poluindo as nascentes.
251

As infrações ambientais são levadas ao conhecimento das autoridades públicas ?


Resposta: Sim. Mas as multas aplicadas às empresas pelo IPAAM são insignificantes.
Por exemplo, 4 nascentes que foram açoreadas e aplicada uma multa de R$ 5.000,00 (cinco
mil reais) à empresa infratora que passou a aterrar as outras nascentes que ali existiam. O fato
da Bacia do Puraquequara encontrar-se em área de domínio da União, a atribuição para
promover os processos criminais é do Ministério Público Federal (MPF), o qual participa de
algumas ações interventivas. Já foram feitas denúncias às autoridades públicas, porém
normalmente não existe resposta efetiva pelo Poder Público.
Como as pessoas tem acesso à água na Vila do Puraquequara ?
Resposta: Por meio de poços artesianos. Foi em razão de uma das intervenções do
MPF sobre crimes ambientais que uma determinada empresa foi multada e no âmbito de
Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) foi fixada uma multa cujo valor foi revertido em
benefício da comunidade da Vila do Puraquequara para melhorar o sistema de distribuição de
água, pois a comunidade não é abastecida pela empresa distribuidora de águas de Manaus. A
mairo parte da comunidade é abastecida por 3 poços artesianos que são controlados pela
Associação de Moradores da Vila do Puraquequara. O poço tem 150 m de profundidade. Não
é feita análise da água que a comunidade consome. Não existe controle de laboratório sobre a
água.
A Associação não cobra pela água, mas cobra o custo da energia elétrica para o
bombeamento da água dos moradores abastecidos pelo sistema de distribuição. Esta cobrança
pela água provoca conflitos entre os moradores usuários porque uns usam e desperdiçam água
mais do que outros. Se tivéssemos legitimidade, não deixaríamos cavar mais poços artesianos
porque tem conhecimento do rebaixamento do lençol freático e da contaminação das águas
subterrâneas. Mas existem outros poços que foram perfurados na região por moradores para a
distribuição de água. A distribuição dos dutos foi feita inicialmente pelo Governo do Estado.
Depois foi feita pela comunidade por meio do valor obtido pela TAC imposta pelo MPF
contra aquela empresa, o que revitalizou 1.800 m de rede pelo Instituto PORAQUE.
Qual é a população da Vila do Puraquequara ?
Resposta: Segundo a última estimativa que foi feita no ano 2013, a população da Vila
do Puraquequara tem aproximadamente 8.000 pessoas, todavia, este número vai elevar muito
em razão da invasão da região denominada “João Paulo”, o que acredita que vai aumentar
para umas 16.000 pessoas, em pouco tempo.
Como o CBH-P mantém financeiramente as suas atividades ?
252

Resposta: Quem age pelo CBH-P é ele e o vice. As despesas para a manutenção do
CBH-P são arcadas por mim e pelos próprios moradores que também constituem a
Associação da Vila do Puraquequara. Estes moradores são pessoas humildes, em sua maioria,
pescadores. Para a realização das atividades externas são usados os veículos particulares e
embarcações dos próprios membros da comunidade, e que as despesas de combustível são
desembolsadas com recursos próprios. O CBH-P não tem aparato técnico nem logística
alguma. Não conta com apoio financeiro do Governo do Estado nem com qualquer outro
órgão de governo. A sede do CBH-P é a mesma da Associação de Moradores da Vila do
Puraquequara, que fica na garagem da minha própria casa. Pela mais absoluta inviabilidade
financeira o CBH-P não tem como desempenhar as suas atribuições. Não recebemos nenhuma
verba do Estado, nenhum auxílio de ninguém.
Quais as características das pessoas que compõem o CBH-P ?
Resposta: Os membros da comunidade que participam do CBH-P tem uma forte
relação de afetividade com o Puraquequara. Os membros que participam do CBH-P tem uma
visão ambientalista. Desejam a preservação e a conservação da bacia. No CBH-P não existe
vaidade.
Quais as principais atividades econômicas da comunidade da Vila do
Puraquequara ?
Resposta: Pescado, comércio de alimentos, estiva, agricultura de farinha de mandioca
e hortaliças, não tem gado.
Existe desmatamento e invasões na BH-P ?
Resposta: Sim, existe desmatamento, direto. Também existem invasões, como a
invasão do Tiririca e do Giró que são dois igarapés que são afluentes. Ocorre que o CBH-P
não tem força política. Fizemos placas para não invadirem, tentamos interagir com os
invasores, mas tudo não resultou em nada positivo.
Existe tribos indígenas na BH-P ?
Resposta: Não tem tribo indígena, mas existe um sitio arqueológico.
Qual a periodicidade das reuniões dos membros do CBH-P ?
Resposta: O CBH-P não tem periodicidade para fazer reuniões. Os problemas que
provocaram a extinção da Secretaria de Recursos Hídricos estão provocando a falta de
formalização do CBH-P, que sequer regimento ou estatuto tem. O CBH-P somente tem a ata
de constituição.
Quais as instituições que participam do CBH-P ?
253

Resposta: Tem dois institutos: o IPASEAM e o PORAQUE. O IPASEAM desenvolve


projetos de capacitação e educação ambiental. O PORAQUE é um instituto da comunidade da
Vila do Puraquequara representada por usuários e moradores, e faz educação ambiental. A
UFAM só é membro do CBH-P, mas não participa das atividades do Comitê. As empresas
não participam.
Quais os principais desafios do CBH-P ?
Resposta: Conseguir operacionalizar o CBH-P. Falta apoio por parte do governo para
instrumentalizar o Comitê. Falta recursos financeiros para o Comitê desempenhar as suas
atividades.
Quantas nascentes e igarapés tem no Puraquequara ?
Resposta: Tem mais de 300 nascentes e mais de 100 igarapés, mas não tem estudo
técnico.
Como funciona o saneamento básico na BH-P ?
Resposta: Não tem saneamento básico. As casas tem fossas sépticas. Mas as águas
servidas são desaguadas na rua e vão todas para o rio. Não existe investimento do Poder
Público na distribuição de água tratada e saneamento básico.

Existe procura de imóveis para comprar e vender na região ?


Resposta: Sim. Houve uma valorização imobiliária no Puraquequara. Existe
comercialização de lotes. A orla da Vila do Puraquequara já foi toda vendida. As pessoas
adquiram a propriedade com fim comercial e de lazer. Não tem atividade turística. Não
recebem assistência técnica. Na maioria, as propriedades são adquridas para lazer, comércio e
restaurante.
Existe coleta de lixo na Vila do Puraquequara ?
Sim, existe. O lixo passa todos os dias. Mas a comunidade e, principalmente, os
visitantes, tem o hábito de colocar os lixos nos córregos. Mas também jogam lixo nos terrenos
abandonados. Existe lixão a céu aberto aqui no Puraquequara, sendo que ele fica próximo de
uma nascente. São lixões clandestinos. Um deles pegou fogo. Foram chamadas as
autoridades, mas ele continua funcionando.
Existe ambientes ciliares degradados ?
Resposta: Sim, existe. Mas a região mais atingida fica no distrito industrial 2, da
Suframa.
Existem conflitos ocasionados pelas águas na BH-P ?
254

Sim. Os conflitos na localidade em relação ao uso da água é pela exploração dos


poços. Esta ocorrendo um conflito entre os moradores, pois alguns não querem pagar. Muita
gente usa gato de energia e água e se recusa a pagar pela água para a associação. Não existe
como calcular o consumo. É um valor padrão para todos: uma taxa. Quem tem restaurante ou
piscina pagam R$ 60,00 independente da quantidade de água usada, porque não tem
condições de colocar hidrômetro. Conflitos são dos moradores por problemas de
conscientização em relação ao consumo. No caso de conflitos, a primeira instância a ser
procurada é a Associação. Quando há denúncias nós vamos no local e podemos até bloquear o
acesso à água. Foi firmado um termo de compromisso entre a Associação e os moradores
usuários.
255

Entrevista 2

Comitê de Bacia Hidrográfica do rio dos Sinos (COMITESINOS)


Localização: UNISINOS – Universidade do Vale dos Sinos, São Leopoldo/RS
Criação:
Representante: Vivivane Nabinger
Função: Secretária Executiva do COMITESINOS
Datada da entrevista: 10 de setembro de 2015.
Duração: 1 hora e 30 minutos

Como surgiu o COMITESINOS ?


Resposta: O surgimento COMITESINOS é emblemático porque surgiu de uma
mobilização da sociedade da bacia, em especial, dos movimentos ambientalistas que, em
razão da degradação das águas, passaram a se organizar na proteção das águas. A economia
da região foi fundamental para a construção deste processo, pois era visível que a degradação
das águas ocorriam em decorrência das atividades de determinados setores produtivos.
Existem muitas entidades ambientalistas e atuantes no Estado, o que ajudou para a formação
de um novo modelo de política ambiental. Também havia interesse da CORSAN –
Companhia de Abastecimento e distribuição da água e saneamento, bem como de outras
agências distribuidoras de água para as cidades da região, as quais já vinham fazendo
pesquisas sobre as águas na região com o objetivo de estudar os potenciais hídricos para efeito
de abastecimento da população. Portanto, a participação das ONG´s e das companhias de
distribuição de água e saneamento da região foram fundamentais no avanço deste processo.
Também, as instituições de ensino vinham realizando pesquisas sobre a bacia. Pesquisadores
das instituições de ensino foram enviados para estudar a experiência francesa. Logo depois,
houve o Decreto do Governador Pedro Simon que criou o Comitê do Sinos. Quando foi
criado, não havia muita organização no Comitê. Eram várias instituição que muitas delas não
sabiam nem o porquê estavam ali, mas que se encontravam sensibilizadas com a poluição das
águas. A Lei de Gestão dos Recursos Hidricos no Rio Grande do Sul é diferenciada, pois ela
destaca a participação democrática, sendo que na composição do COMITESINOS 80% dos
seus membros são da sociedade e apenas 20% dos entes de governo.
Qual a origem dos recursos financeiros que viabilizam as atividades do
COMITESINOS ?
256

Resposta: O COMITESINOS é financiado pelos projetos que está coordenando. Estes


recursos ingressam no COMITESINOS por conta da FUNDAÇÃO UNISINOS, a qual é o
suporte financeiro para operacionalizar as atividades. A UNISINOS recebe por meio da
Fundação as bolsas do pacote dos projetos apresentados que estão associados às linhas de
pesquisa do Comitê. A Fundação está sujeita a auditoria e na UNISINOS existe prestação de
contas. Não recebemos apoio das indústrias nem dos Municípios devido à burocracia de
prestar contas que demandavam mais tempo do que o valor dos recursos ofertados. O
Governo do Estado é ausente, historicamente, na participação das atividades do Comitê.
Anualmente, o Governo do Estado repassa recursos aos Comitês de Bacia no Estado. No ano
passado, o Governo do Estado repassou R$ 100.000,00 ao COMITESINOS. Até então ele
repassava R$ 50.000,00 por ano. Este valor recebido pelo Governo é insuficiente para manter
a estrutura administrativa do COMITESINOS funcionando. O COMITESINOS tem facilidade
porque está dentro da UNISINOS. O COMITESINOS recebe tudo da UNISINOS (sala,
computador, telefone, internet, material de escritório, etc.), menos os salários dos seus
gestores (Presidente e Vice, e das Secretárias, inclusive eu). O COMITESINOS vem sendo
custeado com os projetos desenvolvidos para a PETROBRAS/ Petrobras Socioambiental, por
meio dos Editais Públicos da Petrobras. Estes recursos que viabilizam as atividades do
COMITESINOS como o pagamento de prestadores de serviços e direcionamento de bolsas de
pesquisa aos participantes dos respectivos projetos. Todos os custos e direcionamento dos
recursos precisam ser colocados nos projetos, inclusive, a remuneração dos participantes, e só
vai ser feito o que está expresso no projeto. Tudo é submetido sob uma análise criteriosa pela
equipe da Petrobras Socioambiental.
Qual a natureza destes projetos desenvolvidos pelo COMITESINOS ?
Resposta: O COMITESINOS começou desenvolvendo projetos com educação
ambiental. Agora o COMITESINOS está dispensando mais ênfase com relação às áreas de
plano de inundação com risco às moradias das famílias ribeirinhas. O objetivo deste trabalho é
proibir construções de edificações (casas e moradias) em áreas de planícies de inundação, pois
existem construções em áreas, originariamente, de inundação, que foram soterradas e que
provocaram a degradação da mata ciliar. Estas construções são de casas de pessoas humildes e
financiadas por programas habitacionais que na medida que o rio sobe acaba provocando a
indundação das casas e muitas famílias que ainda estão pagando pelo imóvel financiado ficam
desabrigadas. Recursos públicos que são para resolver os problemas estão agravando o
problema social porque as pessoas não conseguem pagar e estão em casas inundadas. Isto tem
um grande custo financeiro a um custo social enorme. O patrocínio da PETROBRAS está
257

viabilizando os projetos para o mapeamento social desta área devido ao problema da falta de
ordenamento na ocupação do solo. A Caixa Econômica Federal não faz licenciamento de
áreas. A CEF é omissa em não fazer esta análise. A área é de risco ou não é área de risco ?
Alguém precisa definir isto. O Município autoriza as construções e a CEF não faz qualquer
análise sobre as características ambientais da região do empreendimento. É dinheiro público
que está sendo empregado na construção de moradias em áreas de risco. As áreas estão sendo
mapeadas e no dia 21 vai ser assinado um termo de cooperação com Caixa Econômica
Federal (CEF) com o Ministério Público Federal (MPF) para se comprometer a não financiar
empreendimentos na planície da inundação. O objetivo é criar ferramentas de controle. Estão
construindo nas áreas que são das águas. Vai repercutir no setor imobiliário e nas Prefeituras.
Isto tudo decorre de um conhecimento que foi construído no meio acadêmico e concebido
para fora: diversos trabalhos acadêmicos apontam sobre as consequências das construções nas
planícies de inundação, mas o que adiante apenas ficar teorizando sobre o problema ? É
preciso trabalhar para resolvê-lo. O COMITESINOS vem brigando com o Conselho Estadual
do Meio Ambiente (CONSEMA) em razão das expedições de licenciamento quando
degradadas a mata ciliar. O CONSEMA justifica a ocupação de mata ciliar com o argumento
na dimensão geopolítica e social. Na verdade, a mata ciliar tem a finalidade assegurar uma
qualidade de água. Não é proteger o curso da água. Não estamos aqui para fazer gestão, mas
para resolver os problemas das pessoas. Esta sendo desenvolvido um mapa solidário através
de fotos tiradas pela sociedade para demonstrar os problemas relacionados às inundações.
Vende-se a imagem de um programa social, de fazer habitação social em um lugar digno,
porém o que realmente ocorre são tragédias sociais. Não há como não se comover. O nosso
interesse principal é na proteção das áreas úmidas de banhado, agora, quando envolve
interesses sociais e recursos públicos envolvidos, o olhar do Ministério Público sobre o
problema é diferenciado, uma vez que tais temas constituem as suas atribuições
constitucionais. No COMITESINOS não acha nada. São feitas pesquisas sobre projetos
ambientais e analisadas as linhas de pesquisa do COMITE. Tem grupos técnicos para o
desenvolvimento dos projetos dependendo da finalidade de cada um deles. Estes grupos estão
associados a uma linha de pesquisa pré-definida dentro das linhas de atuação do Comitê. A
pesquisa é descrita no projeto e ele é avaliado pela equipe da Petrobrás Socioambiental que
faz publicar Editais Públicos.
Como funciona esta articulação entre o COMITESINOS e o Ministério Público
(MP/RS) ?
258

Resposta: O Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul (MP/RS) dividiu a


sua atuação na órbita das bacias. Capacitaram os servidores do MP sobre a gestão dos
recursos hídricos. Tudo que envolve águas no âmbito do MPE, ele consulta o Comitê.
Também foi feita relação com o MPF em razão da relação com o MP/RS. No contexto citado,
somente foi possível chamar a CEF porque o MPF a intimou. Existe um fundo que foi criado
junto com o MP/RS para recomposição de mata ciliar. Foi aberto uma conta em que o valor
das TAC´s (Termo de Ajustamento de Conduta) vão direto para este fundo. O fundo tem um
grupo gestor que elege as prioridades para aplicação dos recursos. Este fundo é gerido de
forma transparente e os recursos são destinados à recomposição de mata ciliar.
Como funciona a composição e a orientação institucional do COMITESINOS ?
Resposta: O que faz alguém ir para o comitê ? Em representação a uma instituição ou
pela paixão. A composição do COMITESINOS reproduz a lógica do sistema gaúcho de
política hídrica: o exercício da representação de setores de forma democrática. Não existe
qualquer membro efetivo. As estruturas diretoria são o presidente e vice, eleitos pelo
plenário. Existe também a Comissão Permanente de Assessoramento (CPA), composta por 14
pessoas que representam os setores por meio de Associações e entidades. Estas pessoas são
colaboradores que ajudam a pensar as pautas políticas e institucionais do COMITESINOS. O
Presidente e Vice não recebem nada. Nenhum dos membros do COMITESINOS recebe
algum salário ou vantagem. Nenhum dos membros do COMITESINOS recebe ressarcimento
de despesas, salvo quando autorizado no Estatuto, em situações peculiares. Influência política
não existe no COMITESINOS. A eleição são de dois anos para a renovação da diretoria.
Protege-se o COMITESINOS de influências políticas e ideológicas. Cuida-se para que o
COMITESINOS não serva de palanque político para ninguém. Respeitando a participação
democrática, o COMITESINOS sempre teve como Presidentes pessoas d setor da indústria e
vinculadas a ABES (Associação Brasileira de Engenharia e Saneamento) e o SENGE
(Sindicado dos Engenheiros).
Qual é a posição do COMITESINOS sobre a cobrança pela água ?
Resposta: O Estado do RS e o Brasil estão quebrados. A cobrança pela água somente
iria provocar maior custo ao setor produtivo. Este custo vai ser transferido para o cidadão. A
crise econômica sequer autoriza em pensar a cobrança pela água, pois isto poderia quebrar
alguns setores da bacia. Não se acredita que a cobrança é efetiva, pois onde ocorre não está
havendo a aplicação do recurso no sistema. O recurso está parado por questões burocráticas.
A lei não permite que seja feito o desembolso. Não se aceita o argumento que sem cobrança
não tem gestão. No COMITESINOS tem. Cada um tem que fazer a sua parte: as empresas
259

operadoras de água e saneamento tem que fazer distribuição de água e saneamento; o MP tem
que agir na forma das suas atribuições constitucionais.
Pelo que conhece do contexto hídrico na região do Estado do Amazonas quais os
aprendizados que o COMITESINOS poderia compartilhar para a estruturação das
atividades dos Comitês no Estado ?
Resposta: O contexto da bacia hidrográfica amazônica é diferente. Os aspectos sociais
e econômicos da bacia hidrográfica do Estado do Amazonas são diferentes. São universos
distintos. Por exemplo, no Amazonas os rios tem capacidade grande de diluição, nos Sinos
não tem. É preciso um modelo diferente. O sistema do Rio Grande do Sul não tem como
implantar no Amazonas. Algumas coisas similares podem ser compartilhadas, mas o contexto
é bem diverso. O COMITESINOS foi pioneiro porque houve conflitos. Se há abundância de
água não existe como ter conflitos. Não há problema. E quando não tem problema não é
preciso Comitê. Acredita-se que a articulação entre o Comitê e as instituições públicas e
privadas de diversos setores econômicos, sociais e ambientais foi determinante para o
COMITESINOS conseguir desempenhar as suas atribuições. No Estado do Amazonas é
preciso um olhar diferenciado sobre os grandes usuários, os quais poderiam devolver a
exploração da água por meio de serviços à sociedade como água potável. Para isso é preciso
semear uma política de recursos hídricos por meio de articulação institucional de negociações
e parcerias com as empresas, com o Ministério Público, trazer para dentro do Comitê
instituições de pesquisas e pessoas capacitadas que tenham base científica de conhecimento
para, por exemplo, desenvolver estudo comprovando a redução da pesca pela contaminação
hídrica com fundamentação científica. Estas medidas podem resultar na celebração de acordos
de cooperação com o MP para obter parte dos recursos das multas das TAC´s impostas e
reverter nas atividades do Comitê. É possível fazer parcerias com ONG´s. O COMITESINOS
teve ajuda da WWF. Está se analisando outra parceria com a WWF para desenvolver
atividades no sul: o observatório que está sendo organizado pela WWF para acompanhar a
evolução dos sistemas de recursos hídricos em todo o Brasil. Já participamos em experiências
para a formação de Comitês de Bacia do Ceará. O REBOB foi idealizado com base nas trocas
de experiências.