Você está na página 1de 28

AULA 25B – 06/11/2017

CONT.: TUBULÕES – PROCEDIMENTOS GERAIS


DE PROJETO_DIMENSIONAMENTO

PROF. RAIMUNDO LEIDIMAR BEZERRA


DEC/CCTS/UEPB
leidimarbezerra@gmail.com
1
Tubulões
TUBULÕES: PROCEDIMENTOS GERAIS DE PROJETO

3
TUBULÕES: PROCEDIMENTOS GERAIS DE PROJETO

4
TUBULÕES: PROCEDIMENTOS GERAIS DE PROJETO

5
TUBULÕES: PROCEDIMENTOS GERAIS DE PROJETO

Não encamisados: γc = 1,8


Camisa-concreto: γc = 1,4
X Camisa-aço: γc = 1,5

X fck ≤ 20 MPa
6
TUBULÕES: PROCEDIMENTOS GERAIS DE PROJETO

7
TUBULÕES: PROCEDIMENTOS GERAIS DE PROJETO
Tubulões a ar comprimido
 Pretendendo-se executar tubulões em solo onde haja água e
não seja possível esgotá-la devido ao perigo de
desmoronamento das paredes, utilizam-se tubulões
pneumáticos com camisa de concreto ou aço.
 No caso da camisa ser de concreto, todo o processo de
cravação da camisa, abertura e concretagem da base é feito
sob ar comprimido, visto ser esse serviço feito manualmente,
com auxílio de operários.
 Se a camisa é de aço, a cravação é feita com auxílio de
equipamentos e, portanto, a céu aberto.
 Só os serviços de abertura e concretagem da base é que são
feitos sob ar comprimido, analogamente ao tubulão de
camisa de concreto. 8
TUBULÕES: PROCEDIMENTOS GERAIS DE PROJETO
Tubulões a ar comprimido (NBR 6122:2010)
 Em qualquer etapa de execução dos tubulões, deve-se
atender à legislação trabalhista em vigor para trabalho
em ambiente sob ar comprimido (Portaria 3214 do
Ministério do Trabalho e Emprego – NR 18).

9
TUBULÕES: PROCEDIMENTOS GERAIS DE PROJETO
Tubulões a ar comprimido (NBR 6122:2010)
 A pressão máxima de ar comprimido empregada é de
0,15 MPa (antes 0,30 MPa). Só se admitem trabalho
sob pressões superiores a 0,15 MPa quando as
seguintes providências forem tomadas:
 equipe permanente de socorro médico à disposição
na obra;
 câmara de descompressão equipada disponível na
obra;
 compressores e reservatórios de ar comprimido de
reserva;
 renovação de ar garantida, sendo o ar injetado em
10
condições satisfatórias para o trabalho humano.
TUBULÕES: PROCEDIMENTOS GERAIS DE PROJETO
Tubulões a ar comprimido (NBR 6122:2010)
 Neste tipo de tubulão, despreza-se a força de atrito
entre o fuste e o solo, sendo a carga do pilar
transmitida ao solo integralmente pela base.
 Por esta razão, o dimensionamento da base (área e
altura) segue as mesmas recomendações dos tubulões
a céu aberto.
 A diferença que existe está apenas no cálculo da seção
do fuste.

11
TUBULÕES: PROCEDIMENTOS GERAIS DE PROJETO
Tubulões a ar comprimido (NBR 6122:2010)
 Se o tubulão for de camisa de concreto, o
dimensionamento do fuste será feito de maneira
análoga ao cálculo para um pilar, dispensando-se a
verificação da flambagem quando o tubulão for
totalmente enterrado.
 Via de regra, a armadura necessária é colocada na
camisa de concreto.
 O valor do fck do concreto é limitado a 20 MPa.

12
TUBULÕES: PROCEDIMENTOS GERAIS DE PROJETO

13
TUBULÕES: PROCEDIMENTOS GERAIS DE PROJETO

14
TUBULÕES: PROCEDIMENTOS GERAIS DE PROJETO

15
TUBULÕES: PROCEDIMENTOS GERAIS DE PROJETO

16
TUBULÕES: PROCEDIMENTOS GERAIS DE PROJETO

17
TUBULÕES: PROCEDIMENTOS GERAIS DE PROJETO

18
TUBULÕES: PROCEDIMENTOS GERAIS DE PROJETO

19
TUBULÕES: PROCEDIMENTOS GERAIS DE PROJETO

20
TUBULÕES: PROCEDIMENTOS GERAIS DE PROJETO

21
TUBULÕES

22
TUBULÕES

23
TUBULÕES

24
TUBULÕES: CAPACIDADE DE CARGA
• TUBULÕES COM BASE ALARGADA

 MÉTODO SEMI-EMPÍRICO
adm = (N/30) (MPa) P/ 5  N  20
adm = (N/50) + q´ (MPa) P/ 5  N  20

 MÉTODO TEÓRICO
• FÓRMULA DE CAPACIDADE DE CARGA DE FUNDAÇÕES
SUPERFICIAIS, DESPREZANDO A CONTRIBUIÇÃO DO ATRITO
LATERAL.

 PROVA DE CARGA
• GERALMENTE MUITO CARO (POUCO REALIZADO).

TUBULÕES SEM BASE ALARGADA

• PROCEDER COMO SE FAZ PARA ESTACAS ISOLADAS. 25


TUBULÕES: CAPACIDADE DE CARGA-EFEITO DE GRUPO
 A CARGA ADMISSÍVEL NÃO PODE SER SUPERIOR À DE UMA
SAPATA DE MESMO CONTORNO QUE O DO GRUPO E ASSENTE A
UMA PROFUNDIDADE, ACIMA DA PONTA DOS TUBULÕES, IGUAL A
1/3 DO COMPRIMENTO DE PENETRAÇÃO (F) NA CAMADA DE
SUPORTE:(ADM)G  ADM DE UMA SAPATA DE MESMO CONTORNO
QUE O GRUPO.

26
TUBULÕES: CAPACIDADE DE CARGA-EFEITO DE GRUPO
 A DISTRIBUIÇÃO DE TENSÕES PODE SER CALCULADA POR UM
DOS MÉTODOS CONSAGRADOS DA MECÂNICA DOS SOLOS;

 DEVE SER FEITA UMA VERIFICAÇÃO DE RECALQUES,


SOBRETUDO QUANDO HOUVER UMA CAMADA COMPRESSÍVEL
ABAIXO DA CAMADA ONDE SE ASSENTAM OS TUBULÕES;

 ATENDIDAS ESSAS CONDIÇÕES, O ESPAÇAMENTO MÍNIMO ENTRE


TUBULÕES FICA CONDICIONADO APENAS A RAZÕES DE ORDEM
CONSTRUTIVAS;

 NO CASO PARTICULAR DE UM CONJUNTO DE TUBULÕES DE BASE


ALARGADA, A VERIFICAÇÃO DEVE SER FEITA EM RELAÇÃO A
UMA SAPATA QUE ENVOLVA AS BASES ALARGADAS E SEJA
APOIADA NA MESMA COTA DE APOIO DOS TUBULÕES.

27
Programa: “Site Engenharia”