Você está na página 1de 238

~1~

Lauren Blakely
Well Hung

Série Standalone Novels

Tradução Mecânica: Nath

Revisão Inicial: Lu

Revisão Final: Mari

Leitura Final: Anne Pimenta

Data: 02/2017

Well Hung Copyright © 2016 Lauren Blakely

~2~
SINOPSE
Aqui está o que você precisa saber sobre mim - eu sou bem
sucedido, bem dotado e rápido com uma piada. Mulheres gostam de um
cara que as faça rir - e não me refiro ao tamanho do pau dele. Não, elas
querem alguém engraçado com um rosto de sucesso... sem mencionar
leal. Eu tenho tudo isso, além de uma grande conta bancária, graças à
expansão da minha empresa de construção. Sim. Eu sei como usar
todas as minhas ferramentas.

Entra Natalie. Gostosa, sexy, inteligente e minha nova assistente.


O que a torna totalmente fora dos limites... ei, eu sou um bom rapaz.
Sério. Eu faço o meu melhor para ficar longe desse tipo de tentação que
ela traz para o trabalho.

Até uma noite em Vegas... sim, você já ouviu essa antes. Más
notícias nos negócios, afogamos nossas tristezas em muito Harvey
Wallbangers1, e então, eu estou transando com ela. No meu quarto de
hotel. No quarto de hotel dela. Atrás da máquina caça-níqueis Titanic
no Flamingo (não pergunte). E antes que eu possa fazê-la dizer ‘Oh
Deus bem aí, SIM!’ mais uma vez, nós dois estamos dizendo sim - o
grande sim - em uma capela de beira de estrada, na frente de um cara
com costeletas postiças e em um leisure suit2 dourado brilhante.

Mas acabou que o que aconteceu em Vegas não ficou em Vegas. E


agora o meu pau não fica em minhas calças quando ela está por perto.
Eu tento resistir. Honestamente. Mas quanto mais nós tentamos
manter nossas mãos para nós mesmos, mais acabamos nus novamente,
e mais tempo eu quero passar com ela completamente vestida também.

A questão agora é... eu aceito esta mulher como a minha ex


esposa?

1 É um coquetel feito de vodca, suco de laranja, licor Galliano e gelo.


2É um terno "casual", usado na moda dos anos 70, com calça boca de sino e jaqueta,
ou um macacão semelhante aos usados por Elvis Presley.

~3~
Prólogo
Era uma vez, havia um cara, havia uma garota, e alguma merda
louca aconteceu.

Fim.

Estou apenas zoando com você.

Eu sou o tipo de cara de serviço completo, e eu nunca pularia a


parte boa. Quando eu contar um tipo de história você-nunca-
acreditará-no-que-aconteceu, eu a carimbarei com a minha garantia
pessoal de que você está recebendo o Oreo todo, das deliciosas bolachas
de chocolate ao recheio cremoso e doce. E por favor, eu te encorajo a
devorar tudo, cada pedaço de dar água na boca dessa história.

Como aquela vez na montanha-russa, quando aprendemos


exatamente por que algumas pessoas berravam com o máximo de seus
pulmões na descida.

Ou o conto da rapidinha atrás do caça-níquel da sorte, quando


alguém cravava três cerejas enquanto eu cravava dentro dela.

No entanto, não tenho certeza também se estas vezes superaram


a tarde com a escada.

~4~
O quê? Você não tem nenhuma fantasia envolvendo escadas?
Você terá em breve, e você nunca pensará no degrau mais alto de uma
escada do mesmo jeito novamente.

Mas, dentre todas estas coisas tão-insanas-que-deveriam-ser-


ilegais, eu nunca poderia ter previsto na minha imaginação mais
selvagem - e olha, é sem lei lá em cima entre os meus ouvidos - que
havia seriamente alguma merda real também.

O tipo de real que fode seu coração com uma motosserra.

Perto de arrancá-lo do seu peito.

Isso foi o que aconteceu comigo.

Então agora, depois de quase sessenta e nove dias com ela - e a


ironia deste número decididamente não passou despercebido por mim -
eu estou aqui.

Nos degraus do tribunal. Ela está subindo. Eu estou descendo.

Estendo a mão para alcançar o seu braço. Enrolo a minha mão


em torno dele.

— É assim que termina?

Minha voz mal soando como a minha própria.

A dela é um sussurro também.

— Você que me diz.

Eu poderia dizer a você que eu sou um jogador. Eu poderia dizer


a você que eu tenho um pau grande, um corpo forte e um coração de
ouro. Mas você não está aqui pelo meu currículo. Além disso, você tem
ouvido histórias de jogadores domados antes.

Você não ouviu esta.

Aviso: Eu não dou spoilers, então você só precisará apertar o


cinto e desfrutar o passeio.

A única coisa que eu direi a você é o seguinte: o nosso final é um


que você nunca irá imaginar.

~5~
Um
Eu vou te deixar saber de um pequeno segredo sobre rapazes.
Quando vemos uma garota que nós gostamos, todos nós dizemos que
ela é gostosa. Não importa quem é a mulher, qual a situação em que ela
possa estar, ou se nós nem temos uma pista se isso é verdade ou não.
Nós apenas dizemos.

Como agora.

Floyd, o camarada ruivo que estava os últimos três dias


entregando as dobradiças para esta cobertura pomposa no Upper East
Side, estacionou um cotovelo no balcão e está tagarelando ao longe.
Acho que ele precisa de uma pausa do trabalho duro de perder um
prazo. Contudo, eu estou determinado a cumprir o prazo, então eu
continuo trabalhando, parafusando as dobradiças dentro da porta do
armário para um dos meus clientes.

Uma cliente que Floyd acredita que é quente para sua salsicha.

Palavras dele. Não minhas.

— Wyatt, você viu o jeito que Lila olhou para mim quando eu
entrei? — ele diz quando agarra sua bebida energética preta e verde,
soca-a na boca, então golpeia a mão sobre sua boca deixando um rastro
de gotas manchando o seu cavanhaque vermelho.

— Hum. Devo ter perdido este momento, — eu digo, e estou


contente que Lila esteja no andar de baixo, na academia de ginástica do
edifício neste momento, e não pode ouvi-lo.

— Eu estou te dizendo, as minas simplesmente fazem fila para


mim em todo trabalho, — diz Floyd, estufando o peito.

Eu arqueio uma sobrancelha enquanto torço a chave de fenda e


dou a ele a minha melhor réplica inexpressiva. — Esta fila de mulheres
- você diria que se estende para além da porta e pelo corredor da casa
de cada cliente?

~6~
Ele assente, como se ele comprasse a sua própria besteira.
Evidentemente, o sarcasmo é perdido pelo Rei da Salsicha Quente.

— Absolutamente. Eu poderia pegá-las durante todo o dia. Uma


após a outra. É por isso que nós estamos neste negócio, certo mano?

Ele levanta o punho para bater, mas as minhas mãos estão


ocupadas, então eu apenas digo, — Por um rabo de saia?

Ele assente. — Melhor rabo de saia que eu já tive. Nada como um


martelo na mão para apanhar as periquitas.

Eu rio dessa inacreditável quantidade de bobagens. Por que rabo


de saia é exatamente o porquê de eu ter entrado no negócio de
construção civil. Não. — Você provavelmente nunca se cansa também?
Você tem uma resistência constante? — eu pergunto, incitando-o
quando eu passo para a próxima dobradiça, espaçando-a
uniformemente ao longo da parte de trás da porta.

— Ah sim. Mas aí está a coisa. Esta é a regra de ouro do nosso


negócio, — ele acrescenta, então pressiona o dedo nos lábios.

Ah, sorte minha. Ele vai me deixar entrar no segredo dele.

— Eu amo regras. Me conta, me conta, — eu digo, como um


discípulo ansioso.

— A regra de ouro é esta - você pode transar com as clientes, mas


você não pode foder a sua assistente.

— Mesmo? — eu digo com uma voz completamente séria, como se


ele estivesse fornecido a sabedoria do Monte Olimpo.

Floyd balança a cabeça sabiamente. — Confie em mim. Aprenda


com os meus erros. Eu perdi a melhor assistente no universo quando
eu não consegui manter as minhas mãos longe do traseiro perfeito dela,
— diz ele, depois suspira melancolicamente quando seu olhar desvia
para o teto. Ele deve estar se lembrando das nádegas doces dela. —
Uma boa assistente vale seu peso em ouro. — ele bate no peito. — É por
isso que a minha nova é uma avó de cabelos grisalhos. Isso
simplesmente remove completamente a tentação.

Eu termino de parafusar as dobradiças da porta, e tiro a furadeira


do meu cinto de ferramentas. Apontando-a para ele, eu encontro seus
olhos. — Mas considere isso... — eu deixo minha voz ir diminuindo,
tomo uma longa pausa, então digo: — E se eu estivesse a fim de
gostosas grisalhas?

~7~
Seus olhos se arregalam, e suas palavras saem secas e inseguras.
— Você está?

— Absolutamente. Eu sou um homem de oportunidades iguais. —


eu não consigo resistir em provocá-lo, então eu continuo dando uma
grande porção de besteira de volta para ele. — Elas me fazem feliz, e me
deixe dizer a você, as GILFs3 são gostosas para mim. Fale sobre uma fila
de gatas. Aposentadas até perder de vista. Eu não consigo manter
minhas mãos longe delas.

— Você sabe. Ainda bem que você não tem uma GILF cuidando
dos seus telefones então, ou você estaria majestosamente fodido.

— Trocadilhos, certo? — eu pouso a furadeira, coloco a porta no


balcão e abaixo minha voz. — Mas você sabe Floyd, há outra opção. —
eu digo, e agora é a minha vez de me inclinar, abaixar a minha voz e
transmitir o meu brilhantismo.

— Sim? — ele está praticamente salivando para o que ele, sem


dúvida, acha que será uma dica de uma agência de sexo.

Eu endireito toda a minha altura. Eu tenho um e noventa, e eu


sobressaio sobre ele. — Você poderia, — eu mantenho meu tom
uniforme e leve, — por exemplo, — eu faço um último movimento, —
manter o seu pau em suas calças no trabalho.

Toda a cobertura fica em silêncio. Floyd coça a cabeça. Ele franze


a testa e diz: — Hã?

Aparentemente, o meu conselho é tão estranho que eu poderia


muito bem estar falando turco. — De qualquer forma, é hora de ir,
Floyd. Eu preciso terminar este trabalho em tempo para Lila, que não é
nem quente para a sua salsicha, nem para a sua bobagem.

Eu bato nas costas dele, agradeço a ele pelo atraso na entrega das
dobradiças e o envio em seu caminho.

Algumas horas mais tarde, eu tenho o meu trabalho terminado


para o dia, justo quando uma Lila enérgica chega na casa de sua sessão
de ginástica, saltando em sua calça leggings e tênis. Eu mostro a ela no
que eu trabalhei nesta tarde, na remodelação da sua cozinha, e a
atualizo sobre o que precisa ser feito amanhã quando eu entro na reta
final do trabalho.

3Grandmothers I'd Like to Fuck - literalmente 'Vovós que Eu Gostaria de Transar'.


Mulheres da terceira idade que ainda são atraentes.

~8~
— Está realmente tudo se convergindo tão bem, — diz ela em seu
jeito alegre. — Você faz um trabalho incrível. E eu estou tão feliz que
Natalie foi capaz de encaixar este trabalho de remodelação em sua
programação. Eu sei que foi um encaixe apertado, mas você veio tão
altamente recomendado, e eu tinha que ter o melhor para a minha casa.

Eu assinto e digo obrigado, então dou crédito onde é devido. —


Natalie é a mágica do agendamento. Ela pode muito bem fazer qualquer
coisa funcionar.

— Ótimo, porque eu poderia ter outro projeto para você. Me deixe


falar com meu marido Craig, quando ele chegar em casa hoje à noite da
sua reunião do conselho, e depois nós marcaremos alguma coisa?

— Soa como um plano. Te vejo amanhã para terminar os


armários.

Logo eu estou de volta em nosso escritório na West 50s, deixando


as ferramentas e materiais, e ninguém menos do que a Senhora do
Agendamento em pessoa, também conhecida como a mulher que deu
rumo a este navio, me cumprimenta.

— Ei Wyatt, — Natalie chama de sua mesa enquanto eu entro.

Tá vendo, eu quase quero ligar para Floyd e dizer a ele que seguir
o meu conselho fica fácil. Eu administro isso todos os dias. Que milagre.
Especialmente considerando que eu tenho uma assistente esperta como
uma raposa, que é bonita, inteligente, fantástica em seu trabalho e tem
um sorriso que me mata. Me chame de antiquado. Eu adoro uma
mulher com um grande sorriso, e Natalie, com seus brilhantes olhos
azuis e cabelos loiros de líder de torcida, vence no sorriso. Ela é a
perfeita garota tipicamente americana, como uma torta de maçã, e eu só
quero comê-la.

Quer dizer, eu não quero isso.

Porra, isso saiu errado.

Eu absolutamente não quero comer minha assistente. Ou transar


com minha assistente. Ou dobrar minha assistente sobre a mesa.

Tá vendo? Eu estive seguindo o meu próprio conselho. Meu pau


está a salvo nas minhas calças.

Além disso, Natalie é ótima em seu trabalho, e é simplesmente


errado pensar nela desse jeito. Sem mencionar perigoso. A última vez
que eu fiz festinha com alguém com quem trabalhei, meu negócio

~9~
poderia ter despencado. Essa experiência me ensinou uma lição que eu
deveria ter aprendido há muito tempo atrás - não misture negócios com
prazer. Você conseguirá um cocktail desagradável com um sabor
amargo. Então, mesmo que Natalie tenha o rosto mais bonito que já vi
em muito tempo e o coração mais generoso, e ainda um lado
completamente bobão, e mesmo que uma vez eu achei que ela me
queria, eu não posso ir lá com ela.

Eu mantenho tudo na diversão e brincadeira quando ela me pisca


aquele sorriso matador e pergunta, — Como está indo o trabalho da
Mayweather?

Eu gesticulo do meu torso e todo o caminho até as minhas


pernas, então farejo o ar para o efeito. — Ótimo, mas você tem alguma
coisa para tirar esse cheiro de babaca de mim?

Ela aponta para as prateleiras mais distantes na parede do nosso


escritório e faz uma cara impassível. — Prateleira superior. Lado
esquerdo. Eu consegui um novo spray anti bundão na semana passada.
Mas às vezes precisa de algumas borrifadas para realmente funcionar.
Então use direito, ok?

Dou a ela um polegar para cima, fingindo pegar uma lata de


aerossol e me encharcando com ela, em seguida, colocando-a de volta.
— Pronto. Muito melhor.

Eu pego a cadeira esfarrapada cor de mostarda em frente a sua


mesa e me afundo nela. Os clientes não vêm aqui; o escritório é apenas
para nós, então nós podemos poupar em mobiliário.

Ela gira a caneta na mão. — Então, quem causou a contaminação


hoje? Foi Floyd ou Kevin, o eletricista oleoso que você tentou
estrangular?

— Kevin oleoso precisava de um estrangulamento. Concorda ou


discorda?

Ela assente. — Totalmente de acordo. Há tanta concordância em


mim, que eu não posso imaginar o quanto mais eu poderia
possivelmente concordar.

— O estrangulamento era cem por cento comprovadamente


necessário, — eu acrescento, já que Kevin tinha dado em cima dela
quando ele passou por aqui algumas semanas atrás. Aqui está a coisa -
Natalie poderia dar cabo nele num piscar de olhos. Ela poderia derrubá-
lo no chão ela mesma. Mas aquela merda que ele puxou com o olhar

~ 10 ~
lascivo e os comentários obscenos não colam comigo. Eu teria feito o
mesmo se um cara tentasse ser safado com minha irmã mais nova,
Josie, na padaria onde ela trabalha. Então, eu deixei cair uma mão no
ombro de Kevin, estilo Vulcano4, e prontamente o escoltei para fora do
meu escritório. Ninguém, e eu quero dizer ninguém, dá encima dos
meus funcionários.

— Foi Floyd hoje, — eu digo, então dou a ela a versão segura-


para-o-trabalho da história - aquela sobre as conquistas das clientes de
Floyd, não os seus comentários sobre transar com assistentes. Não há
necessidade de ter isso se pendurando no ar entre nós. Não posso
plantar essa ideia proibida na cabeça dela.

Essa arriscada, perigosa, suja, imunda ideia completamente


sedutora do caralho. Meus olhos percorrem o escritório brevemente, e
eu catalogo todos os lugares que estão gritando para serem batizados.
Sua mesa, sua cadeira, o chão...

Sem mais nem menos, minha cabeça é uma balbúrdia selvagem


de ideias inadequadas. Exatamente o que não deveria ser. É como se
alienígenas com tesão tivessem invadido minha mente.

Mas eu não sou Floyd. Eu posso fazer melhor do que isso, então
eu imagino um torno, enfio as imagens dentro dele e as esmago para
fora da minha mente. As imagens sujas e os alienígenas com tesão
também.

— E então eu o escoltei para fora da casa de Lila e disse, te vejo


mais tarde, — eu digo a ela, terminando a história quando eu arrasto a
mão pelo meu cabelo castanho escuro. — Tipo, mais tarde em outra
vida.

— Hum... — ela diz.

— Hum, isso é ótimo, ou hum, por que eu dei a um dos nossos


fornecedores um chute no traseiro?

— Hum, como a sua história me dá uma boa ideia. Algo que eu


queria fazer há muito tempo.

— O que é?

4Os vulcanos são uma espécie humanoide do seriado Star Trek. Conhecidos pelo seu
comportamento frio e racional devido à repressão de emoções.

~ 11 ~
Seus olhos brilham. Os dela são um tom mais claro do que os
meus azuis escuros. — Quer que eu encontre um novo fornecedor de
dobradiça?

A ideia é além de perfeita. Eu bato a palma da mão contra a borda


da mesa dela com entusiasmo. — Sim. E para registrar, você é brilhante
e boni- — eu corto a última palavra, então soa como um som baixo e
grave. Nota para mim: Não chamá-la de bonita quando você está
brigando com outros homens por dar em cima dela no trabalho.

Ela está me observando, esperando que eu termine a minha frase,


e de algum jeito eu torço as palavras para um novo elogio, quando eu
digo, — Brilhante e... abundante.

Abundante? Sério? Que diabos foi isso? Talvez ela não notará.

Não tive essa sorte.

— Abundante? — ela pergunta, o ceticismo pesado em seu tom.


Como deveria ser, merda. — Eu sou abundante?

Eu assinto, indo na onda, confessando. — Seu cérebro. É como


uma profusão de ideias. É uma recompensa de Ação de Graças. É
abundante, — eu digo, porque eu tenho que vender este disfarce.

Ela endireita os ombros. — Se você diz, Hammer. E este cérebro


abundante estava a dois passos à frente hoje. Eu já encontrei um novo
fornecedor. Eu liguei por aí, conversei com alguns dos nossos colegas e
consegui algumas boas recomendações. Já tenho um novo cara de
dobradiça arranjado.

Meu sorriso se espalha rapidamente. — Caramba. Você está a


três passos na minha frente.

— Uma boa assistente estaria.

— E você é uma ótima. O que você diz de irmos comemorar os


seus seis meses na WH Carpintaria e Construção fazendo um negócio
muito melhor do que era antes?

WH vem do meu nome, Wyatt Hammer.

Mas WH também pode vir de alguma coisa mais. Você verá. Não
se preocupe. O Oreo inteiro, lembra? Eu darei isso a você.

~ 12 ~
Dois
Ela escolhe o bibimbap 5 vegetariano estilo picante, em um
restaurante coreano na Nona Avenida, não muito longe do escritório.

— Bibimbap, — diz ela, como se estivesse pesando a palavra. — É


um desafio de pronunciar e sai geralmente como ‘bippity-bop’, algo que
uma fada madrinha de um filme da Disney diz. Mas na verdade,
bibimbap não tem um sabor como um filme da Disney.

— Ou como uma fada madrinha, — eu acrescento, esticando meu


pescoço para o lado para liberar as tensões dele do trabalho de hoje.
Oito horas de pé, parafusando, batendo e perfurando. Nada como um
dia de trabalho duro, mas cara, eu poderia gostar de uma massagem.

Ela me lança um olhar. — E você sabe como é o sabor de uma


fada madrinha?

Eu percebo como meu comentário saiu, mas eu vou na onda. —


Como se todos os seus sonhos se tornassem realidade.

— Você está me dizendo que você já namorou fadas madrinhas?

— Talvez eu tenha.

— Eu já namorei gênios, então, — diz ela, brincando como uma


competição quando a nossa garçonete chega. Natalie diz a ela o que
quer, e eu peço o bibimbap de carne para mim, tão apimentado que
chamusca o cabelo, e adiciono um aperitivo e algumas cervejas.

Nós estamos aqui porque Natalie adora comida apimentada.


Quanto mais quente melhor. Na verdade, ela me desafiou a me
aventurar em algumas comidas ao longo dos últimos seis meses.
Felizmente, eu nasci com papilas gustativas à prova de fogo e uma
vontade competitiva de ferro, então eu normalmente a derroto, mas eu

5 Prato coreano que consiste de arroz misturado com carne e vários legumes.

~ 13 ~
tenho que dar o braço a torcer para a mulher. Ela pode mandar para
baixo uma pimenta habanero6 como eu nunca vi.

Não vou mentir. Foi um enorme tesão olhar ela comer algumas
daquelas bad boys em um hambúrguer uma noite, algumas semanas
atrás, quando pedimos um rango depois do trabalho. Simplesmente há
uma coisa sobre mulheres que conseguem lidar com os seus temperos.

Ou seja, isso teria sido um tesão se eu estivesse pensando nela


desse jeito. E eu não estava, então eu não estava excitado.

Caso encerrado.

Um minuto depois, a garçonete retorna com duas cervejas e eu


levanto um copo para brindar com Natalie. — Pelos seis meses de sua
magia. Você é melhor do que uma fada madrinha.

— Pelos seis meses de emprego contínuo, enfim, — ela brinca.


Natalie estava pulando de um bico em outro antes que eu a contratasse.
Ela precisava do trabalho, e ela foi contundente sobre isso. Na verdade,
a noite em que ela me abordou em sua busca de emprego, reforça
perfeitamente meu ponto sobre caras dizendo que mulheres são
gostosas para nós.

Porque não temos nenhuma pista se elas realmente são. Estamos


todos nos atrapalhando e gaguejando por aí, cegos para o que as
mulheres realmente querem. Mulheres são basicamente as criaturas
mais complicadas já inventadas, e cerca de vinte mil vezes mais
complexas do que o computador mais inteligente do mundo. No
casamento do meu amigo Spencer no outono passado, com a irmã de
Natalie, Charlotte, Natalie fez seu caminho até mim com um olhar
determinado em seus olhos, e eu brinquei com meu irmão gêmeo Nick,
— Ela me quer.

Errado. Morto-e-enterrado de tão errado.

Descobri que ela estava fazendo um caminho mais curto por


outra razão. Quando nós conversamos na noite anterior, eu tinha
mencionado algumas das questões que a minha empresa estava
enfrentando - a principal questão sendo a minha completa
desorganização - e ela concebeu um plano de como melhorar as
operações e colocar minha empresa em uma posição para expandir e
ganhar trabalhos ainda maiores. Ela tinha apresentado isso para mim
ao longo de um jogo de bilhar no hotel do casamento. A proposta dela

6 É um tipo de pimenta mexicana extremamente forte.

~ 14 ~
tinha sido incontestável e exatamente o que eu logo percebi que
precisava.

Eu a tinha contratado duas semanas depois.

Agora, após meio ano juntos, eu não posso imaginar a WH


Carpintaria e Construção sem ela administrando o lado comercial das
coisas. A esperteza dela me deixa livre para eu me concentrar no que eu
sou bom - construir, criar e trabalhar.

Ela cutuca meu braço com o seu cotovelo. — Lembra do dia em


que eu comecei? E você foi para um compromisso que estava, na
verdade, em sua programação de um ano antes?

Eu gemo. — Não me lembre.

Ela balança a cabeça com diversão. — Mas eu te salvei! Eu


chamei você literalmente quando você chegou ao prédio do apartamento
do cliente, a ponto de entrar e dar um orçamento sobre uma cozinha
que você tinha já refeito.

Concordo com a cabeça quando a memória vem até mim. — Sim.


Bom com ferramentas, ruim com compromissos.

— E agora você é bom com ambos, — diz ela, seus lábios


curvados naquele sorriso vencedor dela. Eu olho para longe por alguns
instantes. Eu não posso olhar para o sorriso dela. Ele provavelmente me
hipnotizaria. Iria me obrigar a cumprir as ordens dele.

— E o negócio não poderia estar melhor, — eu digo. — Devemos


ser capazes de expandir agora, do jeito que nós conversamos sobre isso
pela primeira vez. Contratar mais caras - funcionários regulares, de
modo que não estaremos apenas contando com diaristas para cada
trabalho.

— Exatamente. Com o novo trabalho, nós temos tudo em ordem


para o verão, podemos trazer alguns funcionários em tempo integral,
cobrir os seus planos de saúde e todas essas coisas boas. — ela recita
alguns dos projetos que ela tinha marcado - uma série de remodelações
de cozinhas de luxo. Visto que isto é Manhattan, esses trabalhos podem
nos render seis dígitos ou mais.

— A propósito, eu estive querendo perguntar. Como você


consegue ser sempre tão organizada? Você tem pastas de arquivo na

~ 15 ~
sua cabeça? Admita. É como a The Container Store7 aí em cima, — eu
digo, batendo no sua cabecinha.

Ela finge ofegar, sua língua pendurada para fora da boca como
um cachorro no verão. — Não me entusiasme. The Container Store é o
meu lugar favorito no universo, e estou convencida de que eu viveria
felicíssima lá.

— Então essa é a resposta? — eu pergunto quando a garçonete


chega com um aperitivo de frango quente 8 que está praticamente
enrolando por causa da fumaça. Este vai estar pelando no estômago.
Excelente. — Sua afeição pela loja é como você se tornou tão
organizada?

Natalie endireita seus ombros. — Eu já mencionei que as minhas


roupas são penduradas por cor no armário? Que todos os meus livros
são organizados em ordem alfabética e que eu nunca perdi um dia de
aula na minha vida?

— E suas calcinhas provavelmente estão dispostas por- — eu bato


os freios sobre o assunto da sua lingerie. Merda. Onde está a porra do
filtro no meu cérebro? Juro que Floyd mexeu com a minha cabeça hoje.
Talvez suas dobradiças estivessem defeituosas.

— Por cor, — ela responde com um pequeno som alegre, como se


ela soubesse que eu fui lá. Ela sabe que eu deslizei em uma zona onde
eu não deveria ir.

Mas ainda assim, aqui estou eu, perguntando mais, — E a cor


mais popular é?

Uma sobrancelha sobe, e o canto dos seus lábios se levantam. É


como se ela apenas deslizasse para o rosto perfeito da garota
provocadora, e agora eu tenho um apêndice muito-pronto-para-
negócios.

Paus do caralho. Às vezes é injusto que temos esses fodidos para


combater o dia todo. E acredite em mim, é uma batalha épica. Homem
contra o pau duro.

O homem raramente ganha.

Ereções são muito poderosas.

7 É uma loja nos Estados Unidos que vende todos os itens imagináveis para se
organizar uma casa.
8 Em inglês Fire chicken, é um prato coreano feito com frango picante, onde são

usados vários tipos de pimentas.

~ 16 ~
Uma resposta cai dos seus lábios cor de rosa brilhantes. Natalie
usa algum tipo de gloss rosa brilhante. Não batom. Sim, eu sei o que é
gloss. Eu beijei um monte de mulheres, e eu não sou um Neanderthal
com uma caixa de ferramentas que não sabe a diferença entre gloss e
batom. Um é liso e tem sabor incrível saindo dos lábios de uma garota
quando eu a beijo; o outro é mais espesso e tem um sabor incrível
saindo os lábios de uma garota quando eu a beijo.

— Branco, — diz ela, e a situação ao sul da fronteira se


intensifica.

Eu pego um garfo e mergulho no frango quente. Talvez isso será a


cura para a madeira. — E agora eu sei de onde todas as suas
habilidades de negócios vêm. Organização da gaveta de roupas íntimas.

— O rosa é uma cor popular também.

E nós estamos falando de aço no momento. Calcinha rosa da


Senhorita Tipicamnete Americana é praticamente uma receita para um
Pau de Viagra - constantemente ereto.

— Rosa. Branco. Enquanto elas estão codificadas por cores, isso é


o que importa. — ela aponta para o frango. — Hora de explodir nossos
cérebros.

Nós estamos nos superando em comer um prato de frango que


tem gosto de um fósforo aceso indo para baixo da sua garganta, então
apago as chamas com cerveja e passo para o prato principal.

No final da refeição, o meu telefone vibra duas vezes.

Natalie aponta na direção do meu bolso. — Mensagem de


trabalho, — diz ela rapidamente, me lembrando que ela acertou o meu
telefone para dois zumbidos quando mensagens para o número de
trabalho são encaminhados para o meu telefone pessoal.

Enquanto Natalie se ocupa de verificar seu próprio telefone, eu


pego o meu e abro uma mensagem de Lila Mayweather.

Eu consegui a luz verde! Mal posso esperar para discutir o novo


projeto com você. Amaria começar o mais cedo possível! Quando você vier
amanhã, você pode trazer Natalie junto?

Eu sorrio. Meio que me deixa orgulhoso que meus clientes a


amam tanto. Estou prestes a mostrar a ela a mensagem, mas ela ainda
está ocupada em seu telefone, digitando. Eu não posso evitar em me
perguntar para quem ela está mandando mensagens de texto. Estou

~ 17 ~
tentado espreitá-la, mas eu me contenho. Porém, quando ela para e
afasta seu telefone, eu pego um flash de uma palavra - tortura.

Interessante. Mas eu não estou interessado em brincar de


Sherlock esta noite, então em vez disso, eu mostro para ela o texto de
Lila. — Você é procurada, ao que parece.

Ela sorri. — Eu me pergunto o que poderia ser. Você tem alguma


ideia?

Eu balanço minha cabeça. — Nenhuma pista. Mas nós


descobriremos amanhã. Acha que podemos encaixar isso?

— O próximo trabalho não começa por um tempo. Vamos obter os


detalhes, mas eu acho que nós podemos fazer isso.

— Tenho certeza que você merece um aumento, — eu digo.

Ela sorri. — Estou muito feliz por ter sido capaz de ajudá-lo,
Wyatt.

— Eu também, — eu digo, porque mesmo que eu ache que ela é


uma gostosona, mesmo que ela seja maravilhosa em mais maneiras do
que eu consigo contar, e mesmo se ela não fosse minha assistente, eu
seria um filho da puta persistente para levá-la para casa comigo, ela
também é incrível pra caralho no que ela faz.

Ela abaixa o guardanapo, olha para o seu relógio e me lança um


sorriso triste. — Eu deveria ir. Eu tenho aula esta noite. O único tempo
que eu poderia ficar no dojo9 esta semana.

— Entendo totalmente, — eu digo, e quando ela vai embora, eu


meio que me pergunto se ela realmente está indo para a aula, ou se
algum cara estava mandando mensagem para ela quando ela estava
verificando seu telefone. Talvez sair comigo era uma tortura? Não. Eu
sou divertido. Além disso, eu lembro a mim mesmo, não é da minha
conta saber sobre sua vida além do trabalho.

É exatamente por isso que eu não penso nela quando eu vou para
o meu apartamento mais tarde. Ou quando eu tomo um banho. Ou
quando eu caio na cama e folheio através de canais sobre fatos
interessantes sobre animais, incluindo aqueles golfinhos que nunca
entram em sono profundo. Seus cérebros são muito ativos.

Esta é uma das coisas agradáveis sobre ser eu. Eu posso desligar
meu cérebro.

9 É o local onde se treinam artes marciais japonesas.

~ 18 ~
Mulheres são complicadas, mas a situação com Natalie é simples.
Eu mantenho as minhas mãos para mim mesmo.

E eu juro que isso não se torna mais complicado na manhã


seguinte quando Lila nos apresenta o plano dela.

~ 19 ~
Três
Lila Mayweather nos serve café em xícaras de porcelana delicada
com um desenho rosa em torno da borda. Só pra registrar, eu não sou o
tipo de cara de xícara delicada. Mas quando em Roma...

Sentado em uma cadeira de encosto alto em sua sala de jantar,


Lila está usando uma saia de jogar tênis, e seu cabelo castanho balança
no alto em um rabo de cavalo bem feito. Tudo nela é impecável, até o
fato de que ela nos oferece o creme em uma dessas coisinhas especiais
com o bico e que possui pegadores de estanho para os cubos de açúcar.

— Eu estou bem, — eu digo. Não me lembro a última vez em que


bebi café de alguma coisa que não fosse um copo de papel ou uma
caneca com uma alça quebrada.

Mas a casa de Lila exala classe, e sua remodelação é uma das


mais elegantes que eu já fiz. Tenho a sensação de que isso vai abrir
muito mais portas para o negócio. Ela e Natalie tinham se dado bem
desde o início, e agora elas estão discutindo as habilidades das artes
marciais de Natalie.

Lila deixa cair uma mão no braço de Natalie, descoberto em sua


blusa branca de manga curta. — Eu adoraria ter uma de suas aulas um
dia desses. Adoro experimentar novos exercícios.

— Eu prometo que farei você suar, — Natalie diz brincalhona


quando ela cruza as pernas.

Você pode me fazer suar.

Que porra é essa? Os alienígenas com tesão estão de volta,


tomando conta do meu cérebro novamente.

— Eu tenho vontade de aprender autodefesa. Há quanto tempo


você está ensinando caratê?

Natalie é uma campeã de caratê do ensino médio. Sim, como se


isso não fosse um grande tesão. Não a parte do ensino médio - o caratê.

~ 20 ~
Mas se eu me deixar demorar no fato de que ela sabe como lutar, a
bandeira estará voando em mastro total durante todo o dia.

Em vez disso, eu penso sobre cubos de açúcar. E pétalas de rosa


nas xícaras. E porcelana combinando. Porque eu não sou Floyd.

Elas conversam por mais alguns minutos e eu dreno o café,


porque xícara fresca ou não, eu sou uma puta do café, e eu posso bater
essa deliciosa substância de manhã, de tarde ou de noite. Lila abaixa
sua caneca, cruza as mãos no colo, e diz, — A razão pela qual eu pedi
que vocês dois estivessem aqui hoje é que eu tenho um novo projeto
emocionante. Craig está investindo em uma propriedade, um belo
edifício novo, e eu tenho carta branca para refazer a cobertura do jeito
que eu achar melhor. — contentamento parece irradiar para fora da
mulher, enquanto ela compartilha mais. — Naturalmente eu pensei na
WH Carpintaria e Construção em primeiro lugar, e eu adoraria ver se
você consideraria fazer a remodelação da cozinha. Eu estou
simplesmente apaixonada com o que você esteve fazendo aqui, e eu não
posso imaginar deixando alguém mais pôr as mãos nos meus
aparelhos.

Eu nem sequer tento conter o meu sorriso, e não apenas por


causa da sugestão inesperada, mas porque o trabalho poderia ajudar a
financiar as novas contratações. E o sorriso simplesmente se estende
por todo o meu rosto, porque isso seria a definição de um acéfalo. Eu
realmente não estou certo por que ela queria preparar um café para me
pedir para fazer mais trabalho. Claro, eu estou interessado. Eu gosto do
trabalho. Eu gosto de construção. Eu gosto de clientes felizes.

— Parece fantástico, — eu digo.

— Onde está este lindo apartamento? — pergunta Natalie.

— Está no vigésimo segundo andar. É absolutamente


maravilhoso, e tem uma vista deslumbrante.

— Parece incrível. O que você tem em mente para uma data de


início?

— Eu pensei que primeiro eu poderia mostrar a vocês, então


vocês conheceriam com o que vocês estão trabalhando, — Lila sugere.

Eu concordo. — Definitivamente. Quer ir ver agora?

Ela ri levemente e balança a cabeça. — Ah não, desculpe, eu não


deixei isso claro. Você precisará pegar o meu jato particular para chegar
lá.

~ 21 ~
Eu engulo em seco e olho para Natalie. Ela pisca para mim.
Palavras não ditas passam entre nós. Tenho certeza de que todas elas
são do tipo puta merda.

Você não tem que dizer jato particular mais do que uma vez para
eu dizer quando vamos decolar? Então eu digo. Eu dou de ombros
alegremente. — Quando vamos decolar?

— Neste fim de semana é cedo demais? É na Strip10. O edifício é


perto do Bellagio. — ela traz uma mão ao peito. O diamante do tamanho
de um ovo em seu dedo quase me cega quando ela diz arrependida, —
Ah Deus, eu deveria ter perguntado. Você estaria disposto a trabalhar
em Las Vegas? Eu ficaria feliz em pagar a você vinte por cento a mais do
que suas taxas de Nova York pelo inconveniente de trabalhar fora da
cidade, e a necessidade para encontrar a equipe e os trabalhadores
certos e assim por diante.

Eu acho que esta mulher poderia ser uma fada madrinha.

— Eu ficaria encantado em dar uma olhada, Lila, — eu digo. —


Eu tenho certeza de que podemos descobrir como tornar tudo isso
possível.

Lila abre um sorriso para mim, então levanta sua testa para
Natalie. — É por isso que eu pensei em ambos. Eu sei que Natalie é vital
para fazer tudo isso acontecer, — diz ela, acenando com a mão na
direção da cozinha, — e pareceu fazer sentido vocês irem juntos.

A última palavra ecoa.

Juntos. Juntos. Juntos.

Ninguém diz uma palavra no começo, então o silêncio se espalha.


Cresce com mais força. Mais profundo.

Eu lembro a mim mesmo que tivemos jantar a dois. Qual é o


problema em viajarmos juntos?

Eu limpo minha garganta e encontro o olhar dos olhos azuis de


Natalie. Juro que vejo emoção em seus olhos. — Natalie, isso
funcionaria para você? Para a sua programação no dojo?

Ela assente na velocidade da luz. — Sim. E uma vez que


soubermos qual o escopo do trabalho, eu farei tudo o que puder para
fazer isso se encaixar no trabalho do Wyatt.

10 Principal avenida de Las Vegas, onde estão os cassinos e hotéis.

~ 22 ~
Lila quase salta em seu assento. — Maravilhoso. Eu posso até
organizar para vocês ficarem em uma suíte no Bellagio. Aquelas
acomodações seriam adequadas?

Ela está falando sério? Essa é a parte mais incrível de toda a sua
solicitação. Que ela acha que há uma chance de que nós iríamos achar
o Bellagio inadequado. — Sim, eu acredito que isso nos adequaria muito
bem, — eu digo em um tom sério. — Natalie, Bellagio atende às suas
normas?

— Considerando que eu estou mais acostumada com um nível de


Motel, acho que as acomodações no Bellagio me fariam sair dando
cambalhotas, — diz ela para Lila, que sorri docemente.

Cambalhotas. Eu não me importaria de ver Natalie girando de


cabeça para baixo. De preferência, enquanto veste uma saia curta.

— Vocês precisam de um quarto juntos ou separados? — Lila


pergunta, seus olhos desviando entre nós.

E é quase como se nós fossemos filhotes caindo em cima um do


outro, correndo para responder separados, no mesmo tom firme de voz.
Então, para não haver confusão, nós dois repetimos: — Separados.

Nós conversamos um pouco mais e quando Lila pede desculpas


para fazer algumas ligações, o telefone de Natalie dá sinal de uma
mensagem. Quando ela a lê, sua expressão cai. — Porcaria. Hector não
vai poder vir. Disse que não dormiu o suficiente na noite passada.

Hector é o cara com quem eu estava contando para me ajudar


com os detalhes finais da instalação dos armários hoje.

— Poooooorra, — eu digo, como se a palavra tivesse dez sílabas.


Eu dou um suspiro. — É por isso que precisamos contratar algumas
pessoas em tempo integral.

Ela assente. — Nós precisamos de alguma responsabilidade.


Regularidade. No entanto, ele diz que pode estar aqui amanhã.

Eu balanço minha cabeça. — Não serve. Além disso, e se a Bela


Adormecida não ficar de olhos fechados o suficiente de novo?

Ela envolve a mão em volta do meu antebraço. — Me deixe dar


uns telefonemas e ver se eu posso reunir alguns outros caras de última
hora.

~ 23 ~
Terminar um trabalho no prazo é sempre o meu objetivo, e eu não
posso decepcionar Lila. — Não se preocupe com isso. Eu farei tudo. Eu
só ficarei até mais tarde para terminar.

Natalie sacode o dedo para mim. — Você não fará tal coisa.
Trabalhar muitas horas seguidas é perigoso. Eu vou te ajudar.

Eu dou a ela um olhar. — Agradeço, mas Hector não ia estar


fazendo esquemas ou agendamento. Ele usa uma furadeira e uma serra
circular.

Ela arqueia a sobrancelha, em seguida, bate no peito. — Espere.


Após seis meses juntos, você acha que não consigo operar uma serra
circular? Ou martelar um prego?

— Eu sei que você é capaz o suficiente para martelar um prego-

Ela me corta e levanta três dedos. — Eu posso consertar uma


torneira pingando. — dois dedos. — Eu posso nocautear um homem
adulto para o chão com minhas próprias mãos. — último dedo. — E não
só eu posso ingerir pimentas habanero, como eu posso apertar 11
qualquer coisa.

Meu queixo cai. Eu não consigo nem responder. Eu não consigo


nem falar, e eu não acho que ela esteja ciente do duplo sentido, porque
ela está focada em arremessar suas mãos na minha cintura, e puta
merda, este poderia ser um agradável local para elas. Se ela pudesse
movê-las apenas um pouco mais para baixo, minhas fantasias poderiam
se tornar realidade.

Tudo bem, eu estive sonhando em trepar com ela com força.


Como se isso fosse uma fodida surpresa.

Ela desata meu cinto de ferramentas, o desliza em torno da sua


cintura, aperta a fivela, e passa a ficar gostosa pra caralho.

Jeans. Blusa branca. Meu cinto de ferramentas de couro


desgastado posicionado nos quadris dela.

Pelo resto do dia eu estarei trabalhando ao lado dela.

Por favor, por favor, por favor, deixe os alienígenas com tesão
habitarem o planeta da mente de outro homem hoje.

Tentação, seu nome é Natalie.

11 No texto em inglês está screw, que também significa transar.

~ 24 ~
— Onde você aprendeu a brincar com ferramentas assim? — eu
pergunto enquanto nós trabalhamos lado a lado.

Ela revira os olhos para mim, então mostra a língua. Isso não tem
o efeito pretendido. Ela fica fofa. Assim como quando as meninas
abaixam suas calças para mostrar suas bundas como uma espécie de
insulto. Não é um insulto. É uma vitória. Não que quaisquer meninas
tenham feito isso ultimamente. Agora que penso nisso, ninguém mostra
a bunda para mim em anos. Seria legal se Natalie quebrasse a minha
maré de azar de não-mostração-de-bunda.

— No mesmo lugar que você aprendeu a brincar com bonecas, —


ela atira de volta.

— Ah, tiros disparados, — eu digo.

Enquanto ela mergulha sua mão no cinto de ferramentas para um


parafuso, ela diz, — Você acha que só porque eu sou uma mulher, eu
não sou útil?

Eu bufo. — Essa é a última coisa com a qual você pode me


incriminar, querida, — eu digo, e então eu paro. Querida? Eu não
costumo chamá-la assim. Mas, você sabe, isso se encaixa nela.

Ela alinha o parafuso na madeira, então diz, — Para sua


informação, eu aprendi com a minha mãe.

— Sua mãe, a cirurgiã?

— Sim. O engraçado é que os cirurgiões brincam com ferramentas


também. Bisturis, tesouras, inclusive, veja isso, — ela pausa e seus
olhos brilham com um bom humor perverso, — furadeiras.

Eu finjo tremer. — De qualquer forma, estou impressionado. Eu


sabia que você poderia fazer o básico, mas você esteve mantendo a
dimensão das suas habilidades de mulher faz tudo um segredo. Então
novamente, você não me disse, por meses, que você era uma ninja.

Ela ri. — Não uma ninja. Apenas uma faixa preta, terceiro nível. E
além disso, eu não estou tentando fingir que eu sou um mestre
carpinteiro como você. Posso dar um jeito, mas não posso martelar
como Wyatt Hammer. Você é um mestre em martelar, certo?

Eu mexo as sobrancelhas. — Como se eu tivesse qualquer outra


escolha de uma carreira. — eu agarro uma broca da caixa de
ferramentas no chão. — De qualquer forma, você está bem com isso de
ir para Vegas?

~ 25 ~
Ela acena. — Absolutamente. Como eu nunca estive. Parece como
diversão, — diz ela, então rapidamente acrescenta, — Quero dizer, não
que nós estejamos indo para passear. Temos trabalho a fazer.

— Ei, eu tenho certeza que podemos encontrar tempo para andar


de montanha-russa ou roda-gigante, ou qualquer coisa que você quiser.
Jogar roleta, ver um show. A propósito, eu falei sério na outra noite
quando eu disse que você merece um aumento. Se este novo trabalho
acontecer, eu vou te dar um aumento salarial de dez por cento. — eu
alinho a porta do armário. Ela está fazendo o mesmo com a outra
próxima a mim, quando, com o canto do meu olho, eu vejo a porta
começar a escorregar.

Vindo rapidamente para o rosto dela.

Em um instante, eu estou atrás dela, minhas mãos se atirando


em cada lado dela, pegando a porta antes que ela balance
descontroladamente fora das dobradiças.

— Eu te peguei, — eu digo, segurando a porta do armário no


lugar.

— Merda. Isso quase atingiu-

— Sua cabeça, — eu digo suavemente.

Ela acena, seus cabelos roçando contra a minha bochecha. Que


tem uma sensação melhor do que deveria. Tipo, bom demais. — Isso
teria sido uma droga, ter meu rosto achatado por um armário, — diz ela
tentando minimizar isso, mas ela toma uma respiração profunda, e sua
voz trêmula a entrega.

— Mas você está bem, — eu digo, já que agora não é o momento


para piadas.

— Graças à você. Você se moveu rápido.

— Eu não queria que nada acontecesse com você.

Meu peito está selado nas costas dela. Minha virilha pressiona
contra seu traseiro. Meu rosto está em seu pescoço, e quando eu
respiro, o cheiro de Natalie inunda meu cérebro. Eu nunca estive tão
perto dela, e ela cheira exatamente como eu esperava que ela cheirasse.
Refrescante. Limpa. Como um raio do sol.

Como se eu estivesse deitado numa rede no quintal, a grama


recém cortada, e ela vagueia por lá quando a luz dourada do fim de

~ 26 ~
tarde faz uma auréola em seu rosto. Ela desliza para dentro da rede,
tira a blusa, abaixa o meu zíper e nós fodemos. Uma foda da tarde sem
pressa, preguiçosa, com esta mulher que cheira a raio de sol.

Eu a inspiro uma última vez, e sua respiração trava.

Ela faz um pequeno som, um suave ah, e este som faz algo em
mim. Me faz começar a pensar. Começar a imaginar. Começar a
tropeçar pela trilha perigosa de talvez Natalie seja quente para mim,
também. Talvez eu não seja o único que nutre alguma luxúria. Eu juro
que eu sinto um movimento de estremecimento através do corpo dela,
como uma ondulação em um lago.

— Tenha cuidado, — eu sussurro, e eu não tenho certeza se a


instrução é para ela ou para mim.

— Eu terei.

— Sem rosto de panqueca no trabalho, ok? — eu digo, e agora eu


sou aquele tentando minimizar as coisas.

Eu abaixo a porta do armário para o balcão e me afasto. Ela se


vira, olha para baixo, afasta uma mecha de cabelo de sua testa.

Nenhum de nós diz mais nada enquanto terminamos.

Eu raciocino, se eu posso sobreviver a um dia com ela


trabalhando ao meu lado, eu posso lidar com uma viagem de fim de
semana.

O que poderia possivelmente dar errado em uma viagem de


negócios para Vegas?

~ 27 ~
Quatro
Estou contando os dias até nós irmos, mas eu tenho o suficiente
para me manter ocupado. Como ver a minha irmã mais nova e meu
irmão no caminho para o meu turno voluntário no resgate de cachorros,
na manhã seguinte.

— É hora de rejeitar Elizabeth Lecter, — eu digo à Josie quando


eu mordo a barra de sete camadas12 que ela me dá.

Os olhos verdes de Josie se ampliam, e ela golpeia suas mãos no


ar. — Isso significa que você está pronto? Tipo, totalmente pronto? —
ela toma um assento na minha frente em uma mesa amarelo-limão na
Sunshine Bakery. Esta é a padaria da nossa mãe, mas Josie
praticamente a administra agora.

Eu aponto para a barra. — Esta merda é boa, — eu digo a ela.

Ela entrega uma para Nick, meu irmão gêmeo, e dá de ombros


alegremente. — Eu sei. Eu arraso na panificação.

— Você pode até ser melhor do que a mamãe, — Nick diz com o
canto da boca, como se ele estivesse sussurrando. — Mas não diga isso
a ela.

Josie faz uma mímica fechando os lábios, então aponta para o


meu telefone. O perfil no Facebook de uma falsa ‘Elizabeth Lecter’ está
na tela. — Você está realmente pronto para se livrar da nossa amiga de
mentira? Mesmo considerando o que ela realizou após o episódio de
domingo à noite?

Eu corto um dedo pela minha garganta. — É hora de matá-la, e


todos os outros também.

— Saia por cima, — Nick diz, concordando, enquanto ele arranca


um bocado da prova do talento incomparável de Josie na cozinha.

12É um doce assado feito com uma base de bolacha triturada, castanha, chocolate
branco e preto, caramelo, leite condensado e coco.

~ 28 ~
— Isto nunca vai ficar melhor do que está. Olhe para isso. — eu
aponto para o telefone. Eu aperto meu rosto e solto minha mandíbula
aberta, como Edvard Munch em O Grito 13 . — É como a minha ex
derretendo por causa da dor.

Josie lê em voz alta a resposta que a minha ex, Katrina, escreveu


no início da semana em sua página. ‘Nada é sagrado? Alguém sabe o
quanto spoilers machucam? Poderiam muito bem pegar uma faca e
rasgar através do meu peito’.

Nick faz mímica limpando as lágrimas de seus olhos. — Buáá,


buá, buá.

Eu me inclino para trás na cadeira e estico as pernas na minha


frente. — Este pode ter sido o nosso maior feito de todos os tempos.
Estou muito orgulhoso da nossa fábrica de perfis falsos no Facebook.
Mas eu tenho que dar reconhecimento para a pequena Senhorita
Elizabeth. Ela realmente era a dona disso, quando veio até ela o spoiler
do episódio final de Game of Thrones.

Josie levanta um dedo. — Mas não vamos esquecer o spoiler da


nossa amiga inventada Emma Krueger. Lembra quando ela postou
sobre a morte de Hold the Door14? As lágrimas da Katrina estavam por
toda sua parede naquela noite. — Josie me dá um, toca aqui, por isso.

— Apenas para ser superada pela mensagem épica de Elinor


Bates, de que Jon Snow estava vivo, — eu acrescento, orgulho me
inundando com a lembrança deste excelente golpe. — Mas, mesmo
assim, é hora de dizer adeus. Nosso trabalho está feito.

Josie passa a mão pelo cabelo manchado de rosa. — Devemos


abraçar um momento de silêncio antes de matá-los?

Eu fixo uma expressão séria na minha cara, e nós três fazemos


reverência com nossas cabeças. Alguns segundos depois, eu olho para
cima e apago os perfis que choveram a doce vingança sobre Katrina.

Elizabeth Lecter, Elinor Bates e Emma Krueger são todos falsos,


arrancados a partir dos nomes das heroínas de Jane Austen, indicação
de Josie, do seu curso de literatura, então combinado com sobrenomes
de alguns dos maiores vilões de filmes de todos os tempos.

13Quadro onde o pintor simboliza o sentimento de angústia do ser humano.


14Hold the Door, literalmente 'Segure a Porta', é uma referência ao quinto episódio da
sexta temporada de Game of Trones, que se refere ao personagem Hodor.

~ 29 ~
Alguns podem se perguntar por que eu zoei a Katrina, uma ex-
namorada aparentemente inofensiva que também é a antiga criadora da
minha página na internet. Tipo, realmente antiga. Eu não a namorei
enquanto nós estávamos trabalhando juntos, eu juro por tudo. Claro,
eu achava ela bonita, e ela claramente sentia o mesmo por mim, desde
que ela tinha me pedido para sair algumas vezes enquanto ainda estava
no emprego. Mas eu já tinha aprendido minha lição para não me
envolver com alguém ligada ao meu negócio, no entanto, a primeira vez
que isso aconteceu, foi com a minha namorada da faculdade, Roxy, ela
nem estava propriamente ligada ao meu negócio. Ela só queria estar.

De qualquer forma, uma vez que o trabalho da página na inernet


estava feito, a senha de acesso mudou pelas razões é melhor-prevenir-
do-que-remediar - graças à lembrança do meu amigo Chase para trocar
as senhas tão frequentemente quanto você muda a roupa de baixo -
Katrina e eu namoramos por meio ano.

Agora, me permita explicar como seis meses agradáveis de


namoro podem levar a esse tipo de rompimento de relação. Lembre-se,
durante aqueles seis meses ninguém tinha traído, e nós até mesmo
curtíamos piqueniques no maldito parque, e se há uma coisa que não é
a minha praia, é piquenique, mas ela gostava deles e eu fui na onda
para fazê-la feliz. Infelizmente eu não queria mais de Katrina, e eu juro
que não tinha nada a ver com a tortura do piquenique, então eu tinha
terminado as coisas. Amigavelmente. Como um cara legal.

Então Katrina foi uma maluca psíquica completa pra cima de


mim e usou suas habilidades na internet para cortar o site da minha
empresa e excluir todos os meus arquivos.

Sem mais nem menos.

Mesmo depois que as senhas foram alteradas.

Como uma lunática total.

Sim, isto foi uma merda. Isto me custou o negócio. Eu ainda tive
que contratar um advogado para lidar com a bagunça deixada para
trás. Os problemas que isto causou estavam entre as razões do porquê
eu precisava da ajuda de alguém para estar organizado novamente.

Então eu zoei Katrina, uma inimiga declarada de livros e amante


de todas as coisas de Game of Thrones, exatamente onde a tinha
machucado mais. Josie e eu tínhamos feito perfis falsos de mulheres
que poderiam potencialmente ser clientes para os serviços de internet
da Katrina, adicionando-a no Facebook, e então postamos spoilers todo

~ 30 ~
domingo à noite no mural da Katrina, ao vivo e em tempo real à medida
que cada episódio ia ao ar. Nossa brincadeira só funcionou porque
Katrina tem estado em um trabalho fora do país, desde que a
temporada começou, e ela não consegue encontrar uma transmissão de
Internet para assistir o quanto antes a sua série favorita no universo.

É praticamente a trollagem mais trolladora de todas, e um dos


trocos mais merecidos também. Quero dizer, a garota fodeu o meu
negócio com uma chave de fenda Phillips não lubrificada, sem motivo, o
que poderia, apenas poderia, ser por isso que eu estou um pouco
cauteloso em me envolver com alguém relacionada com o trabalho.

Mas todos os bons trotes chegam ao fim, e é hora de dizer adeus a


este. Eu fecho meu aplicativo do Facebook, então eu fecho a mão sobre
a da Josie.

— Mamãe e papai ficariam orgulhosos de você aprendendo com o


melhor. Certo, mano? — eu digo a Nick, já que nós dois somos os reis
dos trotes, e nós passamos algumas das nossas principais dicas para
Josie.

— É realmente impressionante o que fizemos com os cérebros que


nos deram, — diz Nick. — Nós definitivamente os usamos, não é?

— Completamente. — eu coloco o resto da barra de sete camadas


em minha boca, então me levanto e esfrego uma mão contra a outra. —
Nós precisamos ir para o Little Friends para passear com os cachorros.
Ah merda, o que me lembra. Nick, você pode lidar com os cachorros na
sexta-feira? Eu tenho que ir para Vegas para um trabalho.

Ele levanta uma sobrancelha. — Você trabalha em Vegas agora?

— Eu poderei estar. Uma cliente está me levando para lá. Soa


como um trabalho impressionante. Realmente espero que aconteça.

— Isso é ótimo. Bom para você, — diz Nick com um tapinha nas
costas.

— Sim, deve ser uma boa viagem.

Eu estou indo para a porta laranja clara - a padaria é uma


homenagem a todas as coisas brilhantes e animadoras - quando Josie
diz, — Engraçado.

Eu me viro para encará-la. — O que é engraçado?

~ 31 ~
Ela me lança um olhar compreensivo. — Que você não mencionou
que Natalie está indo junto.

— Por que é engraçado? — eu não preciso perguntar como ela


sabe. Josie é colega de quarto de Natalie, e ambas vivem no antigo lugar
da irmã de Natalie. Quando Charlotte se mudou e se casou com
Spencer, ela alugou sua antiga casa para sua irmã, dando a ela um
desconto no aluguel, de modo que Natalie poderia viver na cidade e dar
aulas à noite em um estúdio de caratê aqui. Há alguns meses atrás o
contrato de Josie acabou, então ela se mudou também.

Não é estranho para mim que minha irmã mais nova viva com ela.

Eu juro que não é estranho para mim, de jeito nenhum.

— Eu só acho estranho que você não mencionou que estava indo


com ela, — Josie observa.

Nick balança a cabeça, rindo. — Cara, isso é uma receita para


problemas, se é que eu já vi uma.

— Você deve saber, — eu atiro de volta.

— É por isso que eu disse isso.

Eu pressiono as palmas das mãos para baixo contra o ar, o sinal


para relaxar. — É um trabalho, companheiros.

Josie aperta o nó em seu avental, um número azul claro com


cerejas sobre ele. — De qualquer jeito, Natalie parece animada para a
viagem e para ver Vegas pela primeira vez.

Meus ouvidos picam. — Ela está? — porra, a minha voz


simplesmente aumentou no final, como um aluno do nono ano aturdido
ao redor da puberdade. Eu minimizo isso com um casual, — Quero
dizer, legal.

Meu blefe não passa despercebido. Josie levanta uma sobrancelha


em entendimento, mas simplesmente diz, — Certifique-se de que ela
veja os pontos turísticos, ok?

— Eu irei. O letreiro de Vegas. Um passeio de gôndola. A fonte do


Bellagio.

— O que está debaixo do seu zíper, — Nick sussurra em meu


ouvido, e eu cotovelo o filho da puta.

~ 32 ~
— Basta ser um bom rapaz. Como você sempre me disse que uma
menina merece, — diz Josie quando ela retorna para o balcão, e suas
palavras puxam algo dentro de mim. No desejo mais profundo do meu
coração - ser um bom rapaz. Porque eu nem sempre fui. Mas se eu sou
agora, é por causa de Josie. Eu amo pra caralho essa menina como
ninguém.

Ela aponta para nós dois. — Isso se aplica a vocês dois como uma
regra geral. Eu sei exatamente como vocês dois são. Eu cresci com
vocês, seus encrenqueiros, lembra?

Eu a saúdo e junto meus calcanhares em posição de sentido. —


Eu sempre sou um bom rapaz, Josie.

Nick e eu saímos, indo para o resgate de cachorros Little Friends,


onde nós somos voluntários.

— Você ainda sabe como ser um bom rapaz? — ele pergunta


enquanto nós caminhamos até a Columbus, o ar quente da primavera
nos rodeando.

Eu pego os meus óculos escuros da gola da minha camiseta e os


deixo cair sobre meus olhos. — Sim. Eu faço o oposto de você.

— Você vai estar tão fodido, — diz ele, balançando a cabeça


enquanto ri de mim. Nós contornamos uma corredora com leggings rosa
neon enquanto os táxis e carros seguem adiante na avenida. — Você
tem tido essa paixonite por Natalie desde o casamento de Spencer.
Lembra?

Eu aceno uma mão com desdém. — Nem, isso não é verdade.

— Cara, você me disse que ela queria você quando ela veio para
dançar comigo no casamento.

— Ela me queria.

— Exatamente meu ponto. Você só diz isso quando você quer


uma garota.

Eu olho para o céu azul. — Com certeza eu digo isso o tempo


todo. Eu sou um bastardo arrogante, certo? — eu pisco, então bato no
seu ombro quando nós chegamos à faixa de pedestres. — Relaxa,
cowboy. Mesmo se uma vez eu a quis, eu sou um mestre em
autocontrole.

~ 33 ~
Ele zomba. — Autocontrole. Palavras nunca usadas antes para
descrever o meu irmãozinho.

Eu finjo rir. — Talvez você não me conheça muito bem.

— Eu acho que te conheço melhor do que ninguém.

— Então me diga isso, oh sábio - como mais eu poderia ter


conseguido a façanha do século em ficar longe dela por todos esses
meses? — eu arqueio uma sobrancelha desafiadora para Nick,
esperando por ele dar isso de volta para mim.

Ele empurra os óculos para cima e acena com a cabeça


ligeiramente. — Certo, certo. Você tem algum autocontrole. — ele
balança a cabeça como se ele não acreditasse nisso.

Mas eu acredito.

Eu tenho que acreditar.

Especialmente quando daqui a três dias, eu vou entrar em um


jato particular com Natalie Rhodes, tentação em carne e osso, a faixa-
preta tipicamente americana com uma língua inteligente.

Assim que ela se acomoda no assento de couro bege e cruza as


pernas, ela me lança um sorriso.

Esse sorriso sexy e doce.

Porra, ser um bom rapaz é muito superestimado. Eu quero ser


mau com ela.

~ 34 ~
Cinco
Eu poderia me acostumar com isso. Os assentos de couro que
reclinam ao máximo. O serviço impecável, incluindo um almoço de três
pratos. Um passeio tranquilo de luxo ao lado de Natalie.

Lila tira uma soneca em seu assento do outro lado do corredor.


Ela tomou um Xanax. Voar a deixa ansiosa, ela disse, então ela está na
terra do sono, uma máscara de cetim preto confortável em seu rosto.

— Posso trazer mais alguma coisa? — a aeromoça nos pergunta.

Eu dou uma segunda olhada. Por uma fração de segundo,


percebo que ela é bonita. Ela esteve nos servindo todo o voo, mas isso
apenas me atingiu - a sua aparência. Cabelo sedoso vermelho, lábios
carnudos e olhos castanhos sensuais, juntamente com uma aparência
elegante e firme. Mas então, todos os pensamentos dela saem da minha
cabeça. E isso não é só porque seria rude dar em cima da aeromoça no
avião de Lila, mas também seria sem classe dar em cima dela na frente
de um empregado. Mas a realidade é que eu não quero realmente
conhecê-la mais. Eu estou meio que interessado em conversar com
Natalie neste voo. Mesmo que provoquemos um ao outro no escritório, e
mesmo que nós fomos jantar algumas vezes, nós conversamos
principalmente sobre trabalho. Há muita coisa que eu não sei sobre ela.

A atendente limpa nossos pratos de atum do almoço e pergunta


se nós gostaríamos de assistir a um filme. Eu mudo meu foco para
Natalie, deixando-a decidir. Ela balança a cabeça e diz, — Eu acho que
vou ler.

Mas ela não lê. Ela não tirou seu Kindle ou um livro de bolso. Em
vez disso, ela me cutuca com o cotovelo e diz, — Eu nunca imaginei que
trabalhar para uma empresa de construção significaria que eu voaria
para Vegas assim. Eu deveria ter localizado você há muito tempo. Eu
nunca teria enfrentado todos os trabalhos medíocres que eu tive antes.

Eu sorrio. — Diga-me mais sobre sua história de trabalho


obscuro. — na verdade, eu não sei muito sobre o que ela fez antes de

~ 35 ~
trabalhar para mim. Seu currículo não a qualificava para o trabalho.
Seu bom senso sim.

Ela arqueia uma sobrancelha. — Como o tempo que eu trabalhei


para uma operadora de sexo por telefone?

Meus olhos quase saltam da minha cabeça. Então eu corrijo


minha expressão e faço o meu máximo para agir inabalado. — Ah é?

Ela assente. — Foi meio que impressionante. Nós fazíamos de


tudo, mas nós nos especializamos em furries15 e pés.

Eu faço o meu melhor para manter uma cara séria, quando


imagens e sons de Natalie enrolando um fio de telefone enquanto ela
ronrona com voz rouca sobre os saltos altos em seus pés minúsculos,
brilham como um quadro de avisos neon diante dos meus olhos. Eu
engulo seco, então seguro a secura. — Sério?

Eu não tenho certeza se estou excitado ou passado. Talvez ambos.


Embora, principalmente excitado.

Ela acena a cabeça várias vezes. — Você não tem ideia quantos
homens têm fetiches por pé até que você faça sexo por telefone. Eles
querem te ouvir andando nos saltos. Eles gostam do som que eles fazem
na madeira dura - fazendo um trocadilho - do piso.

Porra, eu amo trocadilhos. Eu sou um filho da puta louco por


eles. Mas eu não tenho nenhuma ideia de como reagir a isso. Eu esfrego
a mão na minha mandíbula. Este é um lado totalmente novo de Natalie.
E eu não posso evitar imaginá-la desfilando pelo chão em saltos altos.
Ela já é uma combinação inebriante com aparência de líder de torcida e
um pouco de menina levada - adicione saltos nisso, e eu seria um caso
perdido. Para que fique claro, eu não sou um fetichista por pé, de forma
alguma, mas eu aposto que ela ficaria pecaminosamente sexy em
scarpins de dez centímetros. Uns vermelhos. Com suas pernas em volta
da minha cintura enquanto eu fodo com ela contra a parede.

— E furries? — eu pergunto, fazendo o meu melhor para ficar


enraizado na parte do fetiche bizarro da conversa, não a parte da
fantasia pessoal nojenta.

— Pessoas que usam fantasias completas de roupa de pele, — ela


explica.

15 No singular furry (peludo) é uma subcultura relacionada a personagens


antropomórficos, ou seja, animais apresentando personalidade e características
humanas.

~ 36 ~
— Eu entendo o que é isso. — eu franzo a testa em confusão. — O
que eu não entendo é que esses furries parecem ser mais uma coisa da
vida real.

Ela balança a cabeça exageradamente. — Ah, essa coisa é enorme


em sexo por telefone. Você finge estar vestindo uma roupa de raposa
completa. Ou às vezes uma roupa de esquilo. Guaxinins também eram
populares. Mas principalmente, um esquilo sexy. Esse era o favorito.

Eu estou tentando. Eu juro que eu estou tentando. Mas imaginar


Natalie sussurrando palavras sujas como, esfregue o seu rabo peludo
contra mim enquanto eu armazeno castanhas nas minhas bochechas,
não faz sentido. — Os homens ligavam querendo transar com uma
garota em uma roupa de esquilo?

Ela assente. — É chamado yiffing16. Louco, né?

Eu corro a mão pelo meu cabelo grosso, um pouco ondulado hoje.


— Um pouco, mas seja o que for que te deixa feliz.

Ela arqueia uma sobrancelha. — Admita. Você está chocado.

— Nada, — eu digo, agindo todo descontraído. Então eu penso


foda-se. — Certo, tudo bem. Talvez um pouco.

Um sorriso enorme ilumina o rosto dela. — Peguei você. — ela


aponta para mim, e vitória brilha em seus olhos azuis claros.

— Pegou-me no quê?

— Eu ouvi que você que gosta de trotes. Josie me disse.

Eu desato de rir e balanço a cabeça em apreciação. — Muito bem,


— eu digo, então lentamente bato palmas. — Você ganha por me fazer
de bobo17.

Eu endireito a minha perna esquerda, e ela faz a sua melhor farsa


para arrancá-la. Eu finjo que ela a capturou, e ela dá puxões fortes para
o ar, minha perna como um peixe grande que ela capturou.

Ela resmunga enquanto ela a bobina, então eu coloco meus pés


no chão e bato os punhos com ela. — Sinceramente. O jantar é por
minha conta esta noite.

16Termo usado para indicar atividade sexual ou material sexual entre os furries.
17A expressão em inglês escrita é pulling my leg - literalmente 'puxando a minha
perna'.

~ 37 ~
— É sempre melhor ser mesmo, — diz ela, em seguida, adiciona
para dar ênfase, — Chefe.

Ah, lá está esse lembrete.

— De qualquer forma, — ela continua, — Eu podia estar fazendo


você de bobo. Mas tudo o que eu disse é verdade. Eu nunca disse que
eu fiz as chamadas. E eu sei de tudo isso porque eu trabalhei para uma
empresa de sexo por telefone. Eu só não era uma operadora eu mesma.
Eu analisava as meninas que queriam trabalhar para nós, fazia os
horários, certificava-me de que elas eram pagas, registrava todas as
chamadas. Era estranhamente divertido.

— E eu estou estranhamente impressionado. — eu nunca teria


atrelado o negócio de sexo por telefone como parte do histórico de
trabalho de Natalie, mas o jeito como ela descreve isso, encaixa-se
completamente em suas habilidades organizacionais.

Ela dá um soco no meu bíceps de brincadeira. — E eu não estava


tecnicamente mentindo.

— Você estava tecnicamente me entretendo pra caramba, apesar


de tudo.

— Ótimo, — diz ela com um sorriso brilhante. — Quer saber sobre


mais dos meus trabalhos anteriores? Eu tive alguns dos mais
interessantes.

— Claro, — eu digo, estendendo minhas longas pernas e


aproveitando completamente o espaço para as pernas, para não
mencionar a conversa.

— Depois da empresa de sexo por telefone, eu trabalhei como


pedicure de animal de estimação.

— Isso é um trabalho?

Ela assente, o olhar em seus olhos intenso. — Claro que é. E não


é uma má maneira de ganhar a vida. Você não tem ideia do que os
burgueses ricos de Manhattan irão pagar para ter alguém indo até a
casa deles e cortar as garras do chihuahua.

— Por que não ficou com esse, então?

— Surpreendentemente, eu não queria passar a minha vida


inteira trabalhando em pés de cachorro. Não me interprete mal. Eu amo

~ 38 ~
cachorros, e patas são impressionantes, mas quando começou a entrar
em conflito com a minha agenda no dojo à noite, eu tive que desistir.

Eu bato no seu joelho. — O que nos leva à sua verdadeira paixão.


Administrando um chute lateral na cabeça.

Ela finge me dar um soco no peito, chegando perto. — Ou no


coração.

Seus olhos brilham. Por um segundo eu vejo algo neles. Ou talvez


sejam apenas estas palavras dela que parecem como um aviso, como se
ela realmente pudesse desferir um golpe no meu coração.

Então, eu pisco para longe.

Ela abaixa seu braço, colocando as mãos no colo. — No entanto,


eu amo isso. — seu tom é mais calmo agora, mais sério do que quando
ela falava em yiffing e pés, em patas e garras. — Sempre amei.

— Desde que você era pequena?

— Meus pais me enviaram para aulas de caratê quando eu tinha


seis anos. Eu tinha um monte de energia, e era um ótimo lugar para eu
queimá-la. Eu cresci amando isso. As técnicas, as habilidades, e acima
de tudo, o fato de que você sempre pode melhorar. — ela levanta os
olhos, encontrando os meus. Neste momento, ela parece estar
desfolhando uma camada que estava entre nós - a camada chefe-
assistente talvez - como se ela se aventurasse em um território mais
pessoal. — Eu também adoro ensinar isso. O meu favorito é a parte de
autodefesa. Eu realmente quero continuar ensinando autodefesa para
mulheres e usando artes marciais para isso. Eu sinto como se fosse
uma coisa especial que eu posso fazer, sabe?

Sua voz é vulnerável, como se ela quisesse a garantia de que sua


admissão significa algo para mim. Que eu tratarei isso com cuidado. E
eu irei. — Eu sei totalmente o que você quer dizer, e eu suspeito que
você seja fantástica nisso.

— Não me interprete mal. Eu amo trabalhar para sua empresa


também, e meu trabalho na WH é fantástico, — diz ela. Em seguida, um
sorriso suave curva seus lábios, espalhando-se até que ele se
transforma em um bocejo. Um enorme bocejo de boca aberta. Ela traz a
mão à boca. — Eu acho que ouvi um cochilo chamando meu nome.

Poucos minutos depois, ela está dormindo em seu assento. Um


pouco depois disso, sua cabeça desliza para o meu ombro. Então,
quando ela está em um sono profundo, a parte superior do seu corpo

~ 39 ~
vai se curvando para baixo, para baixo, para baixo... sua cabeça
batendo no meu colo.

E é assim que eu passo o resto do voo, com Natalie enrolada no


meu colo.

Sim, isso me deixa excitado. Sim, eu estou excitado pra caralho. E


sim, a minha mente está cheia com um filme de imagens onde a cabeça
dela poderia estar se ela acordasse, mudasse alguns centímetros e
abrisse a sua boca largamente.

Eu vou uma polegada para trás no assento, tentando dar ao rosto


de Natalie alguma distância das joias da família.

Logo nós começamos a descida para Las Vegas. Ela acorda


quando nós aterrissamos e se levanta rápido, seus olhos correndo ao
redor como se ela estivesse registrando onde ela está, quando ela volta a
si.

— Eu...?

Ela aponta para as minhas pernas.

— Dormiu no meu colo?

Ela acena. — Sim.

Seus olhos se alargam do tamanho de um pires. — Eu fiz isso? —


ela aponta freneticamente para a minha virilha.

Ah, porra. Ela notou a banana no meu bolso. Eu repito através de


uma ladainha de potenciais desculpas por ostentar um pau duro
durante sua soneca da tarde no colo, quando meus olhos seguem seu
dedo. Não é meu pau que ela está apontando. É a mancha molhada na
minha calça jeans. A enorme mancha úmida que só poderia ser
causada por-

Ela traz uma mão ao peito. — Eu sinto muito, eu babei em você.

Eu sorrio. — Querida, você pode babar em mim a qualquer


momento.

Ela pisca um sorriso de desculpas, então alcança dentro do seu


bolso de trás pelo seu telefone, eu presumo. Quando ela aparece vazia,
eu investigo ao redor, localizando-o no chão perto dos meus pés, onde
ele deve ter caído enquanto ela dormia.

~ 40 ~
Eu desço para pegá-lo para ela, e eu faço o meu melhor para
desviar o olhar, mas não consigo evitar em notar o fim de uma
mensagem de sua irmã que aparece na tela.

Eu sabia que você se sentiria deste jeito!

Que jeito, eu me pergunto?

~ 41 ~
Seis
A Torre Eiffel é uma anã. A roda gigante gira como um brinquedo
em miniatura, e a montanha-russa, que o hotel New York-New York
envolve em torno desse cassino, como uma maquete de um arquiteto.
Aqui em cima, no vigésimo segundo andar do novo palácio do marido de
Lila, nós somos reis e rainhas de uma cidade da realeza.

Este edifício é um dos mais altos da cidade. Certamente ele será


uma casa para outdoors em breve, tão altos como a torre inteira,
convidando turistas para extravagâncias brilhantes para os sentidos.
Por agora, é potencialmente o lugar do meu próximo trabalho.

Eu ainda não estou inteiramente certo do por que Lila me quer ao


invés de alguém local, então eu pergunto a ela. Eu construí uma
reputação na honestidade - não há necessidade de mudar isso agora.
Ela para ao meu lado, seus braços cruzados, um olhar de orgulho em
seus olhos enquanto ela olha para a ampla vista da cidade do pecado,
pelas janelas do chão ao teto em sua sala de estar.

— Você gosta disso? O lugar é adorável, mas a cozinha é uma


bagunça, não é? — Lila agita seu braço em direção ao fogão vermelho, o
armário preto e a bancada verde esmeralda. — Você consegue mudar
tudo?

— Absolutamente. Vamos juntar tudo e torná-la a peça central da


casa que você quer. Mas eu tenho que perguntar, Sra. Mayweather - por
que não encontrar alguém local? Qualquer empreiteiro ficaria feliz em
trabalhar neste espaço deslumbrante.

Ela vira para mim, encontra meus olhos e ri educadamente. —


Você é doce em dizer isso. Mas você sabe o quão difícil é encontrar
alguém que você confia? Deixá-los em sua casa? Especialmente em uma
nova cidade? — seu tom sobe, e ela mexe com seu colar de pérolas. De
suas palavras não ditas, tenho a sensação que Lila encontrou algumas
maçãs podres anteriormente. — Há tantos empreiteiros predatórios
disfarçados de seu amigo.

~ 42 ~
Eu quase quero bater os punhos em solidariedade, porque eu
sempre conheci maçãs podres. A minha namorada da faculdade, Roxy,
foi a mais podre de todas, mas eu nunca tive conhecimento disso
naquela época. Após a formatura, ela me incentivou a começar um
negócio tipo faz-tudo, tornou-se a minha maior líder de torcida, e
ajudou a debater um plano de negócios. Quando ela se afastou por
algum cara em Wall Street, para fazer uma conta bancária maior, ela fez
tudo o que ela possivelmente poderia, ao sair pela porta, para arrancar
uma parte da WH Carpintaria e Construção com seus próprios dentes, e
ficar com a empresa para ela. Ela era como um urso coala que acabou
por se transformar em um jacaré.

Eu concordo com Lila, já que não me interessa as maçãs podres,


jacarés ou ex-namoradas que escondem a sua loucura muito bem. —
Eu sei. Agradeço você dizendo que você pode confiar em mim, e eu
estou feliz por você se sentir assim. Significa muito.

— Além disso, você terminou no prazo, e em Manhattan nenhum


dos meus amigos têm encontrado um único empreiteiro que termine. —
ela corta sua mão através do ar e levanta o queixo, como se ela estivesse
ofendida com as indignidades que seus amigos têm sofrido a este
respeito. — Você é uma raça rara Wyatt, e a coisa que eu mais preciso é
terminar no prazo, já que eu quero ter este lugar pronto para sediar
uma festa de gala para uma das minhas caridades favoritas. Uma
filantropa local, Sophie Winston, vai me ajudar a organizá-la. Será
muito difícil administrar o trabalho de longe?

Eu me viro e absorvo o layout mais uma vez. É um piso plano,


aberto, com espaço abundante, uma sala de estar rebaixada e lindos
quartos. O estilo é moderno e limpo. Paredes brancas, móveis simples e
pisos de madeira clara. A cozinha, por outro lado, é uma bagunça
incompatível, como se um macaco bêbado tivesse projetado enquanto
comia uma banana drogada.

Natalie dá passos largos para fora da cozinha, onde ela esteve


pegando medidas. Ela sai com um propósito, seu laptop fechado em
suas mãos, escrevendo em um bloco de notas na parte superior do
computador.

— Ei Natalie, — eu chamo. — Acha que podemos gerenciar este


trabalho? Nós precisaremos de um eletricista, e nós precisaremos
encontrar alguns fornecedores locais para as peças.

~ 43 ~
— Na verdade, — diz Lila, levantando um dedo para dialogar, —
Você não vai nem ter de fazer isso. Você pode usar todos os seus
fornecedores regulares em Nova York e trazer tudo no meu avião.

Eu controlo um sorriso. Jesus fodido Cristo. Ela é uma fada


madrinha. Ela está tentando fazer com que todos os meus sonhos de
trabalho se tornem realidade.

Natalie para ao meu lado. — E quando se trata de um eletricista,


eu já tenho um. Eu conversei com um amigo que dirige o Edge, uma
casa noturna aqui. Ele nos arranjará o seu homem para a parte
elétrica, bem como qualquer pessoa que precisarmos para outros
trabalhos especializados. Você apenas precisaria estar aqui para fazer o
trabalho. — Natalie diz para mim, então ela vira para Lila. — Nós
podemos fazer isso. Eu posso controlar tudo à distância, e Wyatt pode
estar no local para fazer o trabalho. Nós vamos fazer isso acontecer.

— Maravilhoso! Estou tão emocionada, — diz Lila, seu sorriso tão


largo quanto a Strip. — Este fundo beneficente é tão importante para
mim, e eu quero minha casa brilhando. Você tem uma noção se você
consegue cumprir o orçamento? — ela pergunta, então me diz o que ela
está disposta a gastar. O número tem tantos zeros e quase desloca
minha mandíbula.

— Eu não acho que isso seria um problema. Por que não


trabalhamos com uma estimativa, eu a envio para você, e então-

Lila salta. — E então eu posso aprovar isso esta noite!

Bibbidi-Bobbidi-Boo, sem dúvida.

Uma vez dentro do elevador, somos apenas Natalie e eu enquanto


Lila fica para trás. As portas se fecham com um whoosh suave, e eu me
viro para a minha assistente. — Eu posso apenas dizer isso agora?

— A parte onde você está me dando um aumento de vinte por


cento? — ela pergunta, brincando.

Eu rio. — Com certeza eu disse dez por cento.

— Dez por cento. Vinte por cento. Qual é a diferença?

O elevador desce suavemente. — Falando sério. Eu precisarei


pagar a você um extra por isso. É uma tonelada de trabalho.

— Torça meu braço, — diz ela e me entrega o braço dela.

Eu finjo torcê-lo como um saca-rolhas.

~ 44 ~
— Ai, ai, ai, — diz ela, contorcendo o rosto.

Eu solto. — Mas oficialmente, a resposta é sim. O aumento


começa hoje. Graças a Lila.

— Mesmo que ela não tenha aprovado oficialmente?

Eu aceno uma mão no ar. — É tão bom quanto um negócio


fechado.

Eu ofereço a ela um aperto de mão, e em vez disso, ela joga seus


braços em volta de mim. — Muito obrigada, — diz ela no tom mais
sincero, seus lábios perto do meu pescoço, seus seios confortáveis no
meu peito, seus dedos se fecham no meu cabelo.

— Você vale a pena, — eu digo.

E você tem um cheiro incrível pra caralho. E você parece


espetacular. E eu sou um maldito mestre do autocontrole, porque tudo
que eu quero fazer é apertar o botão para parar, engatar sua perna em
volta do meu quadril, e te foder com força.

— Eu posso fazer meus vídeos agora. — ela agita seu punho em


vitória quando nós nos separamos.

— Vídeos?

Seu rosto inteiro está animado. Seus olhos estão iluminados


como estrelinhas. — Eu comecei agora a trabalhar em uma série de
vídeos de autodefesa. Como o tipo que você vê no YouTube. Eu quero
que eles sejam bem produzidos, e acho que se eles forem, eu posso
atrair novas alunas para as minhas aulas.

Eu sorrio. — Nunca soube disso. Isso é fantástico. Você já está


filmando ou ainda está no processo de planejamento?

— Eu filmei um pouco, mas eu preciso que eles sejam de melhor


qualidade. Está faltando alguma coisa neles. Eu acho que sei o que é,
mas eu não tinha os recursos para continuar fazendo no nível que eu
preciso, — diz ela rapidamente, então seu tom muda, como se ela
estivesse se desculpando por sua esperança. — Provavelmente soa bobo
- meus sonhos de autodefesa. — ela dá um aceno desdenhoso.

Eu agarro o braço dela. — Não. Isto não parece bobo de forma


alguma. Sonhos nunca são. Agora você pode ir atrás deles do jeito que
quiser.

~ 45 ~
Ela me lança aquele sorriso que sempre me desarma, que conecta
em meu coração e corre o risco de causar estragos com a minha vida. É
um sorriso tão honesto; ele diz que ela é esta pessoa totalmente sincera
que põe tudo à vista. Aquela que distribui elogios, aquela que
compartilha em emoção, aquela que não esconde quem ela é ou o que
ela quer. Tudo isso a partir da curva de seus lábios, o jeito como seus
olhos azuis se iluminam, como todo o seu rosto brilha... porra, eu estou
ficando perdido nesta parte dela, e eu tenho que me recompor. Para
lembrar os jacarés... os jacarés loucos, mesmo que eu possivelmente
não consiga colocar Natalie nessa categoria réptil.

Ainda assim, gato escaldado tem medo de água fria, então é hora
de deixar esses pensamentos dela irem. Eu começo por soltar seu
braço.

Assim que atingimos o piso térreo e saímos para o saguão, ela diz,
— Eu tenho que admitir, eu meio que sentirei falta de ver você pelo
escritório quando você estiver aqui por algumas semanas trabalhando
na casa de Lila.

E inferno, se este comentário não fisga dentro de mim ainda mais.


Antes que eu possa mostrar o meu domínio de autocontrole, a parte
sem filtro do meu cérebro arranca o controle. — E sabe de uma coisa?
Eu sentirei sua falta também, — eu digo, e não é que sejam os
alienígenas com tesão. Sou apenas eu.

Nós alcançamos a porta giratória e vamos para o sol da tarde de


Vegas, para a rápida caminhada até o Bellagio.

Natalie aponta na direção que nós viemos. — Eu acho que eu


cortei você mais cedo. Quando nós entramos no elevador e você disse
que eu posso apenas dizer isso?

Eu rio enquanto ela nos leva de volta para o que eu estive


pensando quando saímos da cobertura. — Só... puta merda. Lila é a
pessoa mais generosa que eu já conheci.

— Ela é generosa. Mas você ouviu o que ela disse. Você tem
ganhado o direito à sua generosidade. — não há nenhuma provocação
agora na voz de Natalie, e seu elogio me lembra o que importa - ser um
bom rapaz. No trabalho. Na vida. Com mulheres.

Eu preciso parar de pensar em foder Natalie em elevadores, e,


nesse mesmo lembrete, de sentir falta dela. Isso é coisa de nível
namorada. Natalie é apenas uma empregada. Nada mais.

~ 46 ~
Eu olho para o meu relógio. — São quase quatro. Acha que há
alguma chance de que possamos encontrar um boteco disposto a nos
servir tão cedo? — eu brinco, já que é Vegas e beber o dia inteiro não só
é possível como é incentivado.

— Absolutamente. Vamos pegar alguma coisa no Bellagio.

— Parece bom. Que tal um jantar mais cedo, algumas bebidas e


um orçamento? — tá vendo? Eu estou todo trabalho.

— E então, talvez, possamos comemorar mais tarde e andar de


montanha-russa?

Eu digo sim, porque só trabalho e nenhuma brincadeira, faz de


Wyatt um menino maçante.

~ 47 ~
Sete
Cinco horas depois, Natalie me mostra exatamente onde ela quer
pousar uma faca num ataque à minha garganta.

— E, em seguida, apenas para ter certeza que você vá para baixo,


eu giro assim, — diz ela rapidamente, e executa um rápido chute baixo
nas imediações do meu joelho. — Mas, eu chutaria você mais forte, e
você cairia no chão. — ela pisca. — Isso foi apenas o meu chute de bar.

Eu tremo. — Eu odiaria cruzar com você em um beco escuro,


Sensei Natalie, quer você esteja trazendo o seu chute de bar ou o seu
golpe de caratê no meu pescoço.

Estamos em um bar barulhento com música de rock no New


York-New York, já que a montanha-russa está aqui. Natalie já tomou
duas bebidas - mojitos são a escolha dela esta noite. Ela esteve
detalhando exatamente o que ela quer fazer em seus vídeos de
autodefesa. Na maioria das vezes, ela demonstra os movimentos em
mim. Bem, não como demonstração total onde estou de bunda no chão,
mas ela esteve fingindo me dar um soco.

Talvez eu seja um masoquista, mas eu adoro isso. Ou talvez eu


seja simplesmente nutrido pela atenção desta mulher. Seja qual for o
motivo, o resultado é todo ótimo para mim - suas mãos em mim. Mas
então, tudo está bom neste momento, porque o trabalho está com um
grande sinal verde, e nós estamos comemorando.

Nós trabalhamos em um orçamento quando voltamos para o


Bellagio. Natalie enviou um e-mail disso para Lila. Trinta minutos mais
tarde, Lila respondeu com: ‘Maravilhoso! O primeiro cheque será
depositado na segunda-feira’.

O que significa um aumento para Natalie, e o caminho para uma


expansão para mim. Significa também que Natalie está correndo ao
longo dessa estrada, e eu não estou muito longe atrás dela. Ela trocou
as suas roupas de trabalho. Ela veste uma saia vermelha com algum
tipo de desenho de flor surrealista, saltos pretos e um top preto de seda.

~ 48 ~
Os saltos são sensuais, mas chinelo de dedo teriam dado conta do
recado também.

Tá vendo, eu sou um cara de todas. Eu não tenho um tipo


particular quando se trata de mulheres. Alguns homens preferem loiras,
alguns curtem ruivas, e alguns ficam doidos por mulheres com
aparências exóticas. Eu? Eu sou um onívoro quando se trata de damas,
e eu tenho um grande e farto apetite.

Porém, neste momento com Natalie irradiando energia e emoção,


eu estou pensando que loira, com um lado de dar surras, é a minha
favorita. Talvez um aperitivo de beijos famintos quentes, um prato
principal de transa da pesada, e para a sobremesa, nós iríamos fazer
tudo de novo.

Merda.

Eu fui lá de novo.

Eu pisco para longe os pensamentos não-seguros-para-trabalho e


tento vir com um tema genérico para me repreender, para ter a minha
mente de volta para a zona de bom-rapaz. Algo que não irá deixar
minhas fantasias pegando fogo. Talvez aquelas faturas que precisamos
arquivar. Ou novas ferramentas para pedir. Possivelmente, até mesmo
qual o próximo na agenda após este novo trabalho em Vegas.

Mas eu não estou com disposição para discutir o trabalho, então


eu apareço com algo que li no início da semana. Quando eu estou
prestes a dizer a ela o meu fato estranho favorito, que eu aprendi
recentemente - gatos não têm clavículas como nós temos, o que explica
por que eles podem se espremer dentro de pequenas aberturas do
tamanho de suas cabeças - ela se move para perto de mim enquanto
Bon Jovi toca no sistema de som.

— Olha lá, — diz ela em um sussurro. — Ela está dizendo a ele


todas as suas fantasias furry.

Eu sigo o olhar dela para um casal do outro lado do bar. O cara é


Brooks Brothers 18 da cabeça aos pés, do terno azul-marinho até a
gravata vermelha solta. A mulher parece ser uma colega, a julgar pela
blusa branca engomada, ou talvez ela seja alguém com quem ele
acabou de fechar um negócio. Mas com o braço dele sobre o ombro dela,
com certeza parece que ele está chegando perto com algum outro tipo
de negócio.

18 Fabricante mais antigo de roupas masculinas nos EUA.

~ 49 ~
— A roupa de guaxinim dele está em seu quarto, — eu digo, já
que o jogo de Natalie parece mais divertido do que o fato dos gatos. Eu
inclino minha cabeça para uma mulher de aparência gótica com fone de
ouvido e o cara tatuado ao lado dela, bebendo as doses em um gole. —
Ela se veste como a pequena Little Bo Peep 19 , para que ele possa
espancá-la com um... porra, do que eles são chamados?

Ela revira os olhos. — Wyatt, — diz ela, num tom falso de


censura, — eles são chamados de cajados.

Eu estalo os dedos. — É isso aí. Ele estapeia a bunda dela com


um cajado.

Por uma fração de segundo, a respiração de Natalie parece correr


de seus lábios. — Meio que parece divertido, — diz ela em um tom
picante, como se talvez ela gostasse de brincar desse tipo de jogo. — E
se eu perder minhas ovelhas?

E evidentemente, ela brinca.

— Quer que eu a ajude a encontrá-las?

O olhar em seus olhos é convidativo. — Sim. Mas para encontrá-


las eu preciso de outra bebida. Eu quero uma vodca com tônica desta
vez, — ela diz, e já que o bartender está circulando, eu peço duas.

Quando ele começa a trabalhar na preparação da bebida, ela


coloca o queixo na sua mão, olhando diretamente para mim. — Eu amo
vodca com tônica. Quer saber por quê?

— Pode apostar que sim.

Mas antes que ela possa revelar a raiz de seu amor por esta
bebida, o seu telefone dá sinal da sua bolsa, berrando alto o suficiente
para chamar nossa atenção. Ela procura ao redor por ele e o agarra
perto de seu peito como uma coisa preciosa. — É Lila. A este ritmo, ela
provavelmente está ligando para dizer que ela quer nos pagar ainda
mais.

— Porra, sim. E eu darei a você todo o extra. — eu estufo o peito.


— Porque eu sou um cara generoso.

Tá vendo? Eu consigo tratá-la bem, e eu não estou nem pensando


em comê-la.

19É a heroína de uma música para crianças, onde ela é uma pastora e perde sua
ovelha. A personagem Betty (a pastora) do filme Toy Story foi baseada nesta musica.

~ 50 ~
Isto é, neste segundo. Dez segundos atrás eu estava
completamente.

— Eu acho que eu poderia amar você, — diz ela, e me sopra um


beijo quando o bartender entrega a nossa rodada.

Ela desliza para abrir a tela, e sua expressão se transforma. Seus


lábios se curvam para baixo, e ela deixa escapar um longo e
interminável, — Ah, porra.

Seus olhos se fecham e ela engole, e então toma uma respiração.


— Porra, — ela diz, mas isso não soa atraente ou divertido. Ela soa
frustrada.

Meu coração bate contra a minha caixa torácica, e a preocupação


se aprofunda. — O que é, Natalie? — eu pergunto, pegando o braço
dela.

Ela abre os olhos e fala em um tom monótono. — O trabalho está


cancelado.

Toda a excitação vaza para fora de mim. — Sério?

Isso simplesmente não faz sentido.

Ela assente.

— Você está brincando comigo? — eu pergunto novamente,


porque isso faz sentido zero.

— Eu gostaria. — diz ela sem rodeios, em seguida, lê a tela em voz


alta. — Cara Natalie: Eu sinto muito estar enviando isto, mas o Sr.
Mayweather teve um negócio em outra propriedade que simplesmente foi
por água abaixo. Infelizmente, eu tenho que colocar a remodelação de
Vegas em espera. Estou esperançosa de voltar a ela em breve, e por
favor, saiba que eu mal posso esperar para trabalhar com WH
Carpintaria e Construção nela.

P.S. Eu estou tomando o jato para casa agora para confortá-lo. Eu


sei que não é nem de longe o mesmo, mas eu fiz arranjos por bilhetes da
primeira classe em um avião comercial para você e Wyatt, saindo
amanhã à tarde. Os bilhetes estão em seu e-mail. Espero que o serviço
seja suficiente. Meus cumprimentos, e vamos nos encontrar em breve.

Natalie deixa cair o telefone no bar com um grasnido abatido, o


som ressoando em meus ossos.

Porque...

~ 51 ~
Puta que pariu. Isto dói.

Pego a vodca com tônica e mando metade para baixo em um


grande gole. Ela faz o mesmo com a dela.

— Estou triste, Wyatt, — diz ela, quando aqueles lábios bonitos se


inclinam mais uma vez.

E é o suficiente para mim. Eu não posso suportar o pensamento


desta garota estar triste. Eu quero aquele sorriso de volta no rosto dela,
e eu vou encontrar um jeito de fazer isso. Eu não me importo sobre
como a perda deste trabalho me faz sentir. Eu preciso fazer Natalie feliz
novamente, e isto também me fará esquecer esta merda de notícia. —
Ei, — eu digo, agarrando seu ombro. — Nós estamos em Vegas. Vamos
aproveitar o melhor possível. Ok?

Ela suspira abatida.

Eu coloco minhas mãos nos dois ombros dela. — Sério. Nós


resolveremos isso. Nós faremos com que isto dê certo. Eu te darei o
aumento mesmo assim. Mas neste momento, bem aqui, vamos nos
divertir. Entendeu?

Ela balança a cabeça. — Você é doce por dizer isso, mas você não
tem que me dar o aumento. Eu sei que ele estava condicionado ao
trabalho Mayweather.

— Não, — eu digo, corrigindo-a, segurando seu olhar. — Estava


condicionado por você ser incrível no que faz. E isso não mudou. Nós
não vamos deixar que uma reviravolta nos derrube. Você nunca esteve
em Vegas antes, e eu prometi mostrar a você os pontos turísticos. Você
escolhe. Esta cidade é sua, e nós estamos fazendo o que você quiser
esta noite.

Ela encolhe os ombros, em seguida, acena uma mão com desdém.


— Eu deveria saber melhor. Era um trabalho doido, ridículo e pagando
demais. Era bom demais para ser verdade. Não há tal coisa como o
chocolate livre de calorias, ou um cara que é engraçado, bem dotado e
doce. — eu quero protestar, mas ela está certa, desde que eu, de jeito
nenhum sou doce, — E o mesmo é verdade para um cliente disposto a
pagar vinte por cento a mais por este trabalho. Eles são todos
unicórnios.

— Natalie, não é ridículo. É razoável. Você disse mais cedo. Nós


somos bons no que fazemos. Lila sabe disso. Este é apenas um
obstáculo. Ofertas se desfazem. Eu tenho visto isso acontecer várias

~ 52 ~
vezes neste negócio. Inferno, Nick passa por isso com o trabalho dele.
Tenho certeza que sua irmã diria o mesmo. Aposto que ela e Spencer
tiveram ofertas de fornecedores que foram por água abaixo - é apenas
como as coisas são. Nós queríamos isso, isso não aconteceu, nós
seguimos em frente. — desde que ela ainda não concordou com a minha
proposta faça-o-melhor-pela-noite, eu continuo, o filho da mãe
determinado em mim governando o navio. — E seja o que for, você
ainda terá um aumento para que você possa fazer os seus vídeos. E
hoje à noite? Nós estamos tendo o melhor momento das nossas vidas.
Combinado?

Seus lábios tremem, e essa é a dica que eu preciso para


pressionar mais. Eu não darei a ela uma chance para ficar chateada.
Eu passos os olhos rapidamente pelo bar, e eles pousam em um homem
de meia-idade com uma camisa tropical turquesa, e uma mulher
usando uma combinando. Eu largo minha mão do ombro de Natalie,
mas me inclino para ficar perto e sussurro, — Algemas para a dupla de
camisa havaiana. Hoje à noite, ele está algemando-a. E ele vai fazer isso
forte e duro contra a cabeceira da cama de Flamingo.

— Sim, — ela sussurra em conspiração, pegando o fio da meada,


como se ela não pudesse resistir a este jogo. — Eles estão casados há
vinte anos, e eles ainda fazem isso todas as noites.

Esta é uma adição interessante. Eu arqueio uma sobrancelha. —


Isso soa como algo que você gostaria, querida?

Ela assente. — Algum dia. Especialmente desde que o meu último


namorado não foi- — ela se para. — Eu não deveria dizer isso.

Minha curiosidade é aguçada. — Não, você deve dizer isso. Eu


quero saber.

Ela pega o copo e toma mais um gole.

— Diga-me, Natalie. Ele não era como o quê?

Ela corre a ponta do dedo ao longo da borda do copo, evitando


responder.

Eu dou a ela um olhar aguçado. — Confesse. Ele não queria


algemar você? Espancar você com um cajado? Fazer isso todas as
noites?

Porque eu a algemaria. Eu a amarraria. Eu a espancaria. Eu a


foderia em todos os cantos. Em um carro. Em um avião. Em qualquer

~ 53 ~
lugar e em toda a parte, e todas as noites. Sem preconceitos para esse
cara.

— Está bem. Ele não era muito... interessante na cama.

E eu estou duro. Sem mais nem menos. Não por causa de seu ex,
mas por causa do que isto implica - que ela é interessante na cama, e
eu estou muito interessado em coisas interessantes acontecendo entre
os lençóis com ela.

— E você prefere interessante, eu presumo?

— Estranho, que eu, — diz ela com um meneio de suas


sobrancelhas, — pelo menos, prefiro dar uma trepadinha regularmente.
E eu acho que algemas, estilo cachorrinho, sexo em público e
espancamento são simplesmente ótimos. — ela bate uma mão à boca e
se encolhe. — Merda. Eu não disse isso em voz alta, não é?

— Cada deliciosa palavra. — eu sorrio. — Então, nós temos um


acordo? Nada da Natalie triste esta noite?

Ela exala, mordendo o canto dos seus lábios, então sorri


alegremente. — Contanto que eu possa andar de montanha-russa, é um
acordo.

— Você terá a sua montanha-russa, e você terá a experiência de


Vegas completa. Nada menos, — eu digo, levantando a minha mão.

Ela a pega e nós apertamos as mãos. — Experiência de Vegas


completa.

— Uma noite. Nós vamos encaixar tudo.

— Nós vamos fazer o máximo. — ela abre seus braço


solenemente.

— Vamos nos perder.

— Jogar a precaução ao vento, — diz ela com um sorriso na


potência total. Ela alcança a sua vodca com tônica, seu cotovelo
batendo o seu telefone para mais perto de mim. Com o canto do meu
olho eu vejo suas mensagens de texto. A de Lila é a mais recente. Mas
por baixo há uma de Charlotte que ela deve ter aberto depois de fechar
a de Lila, e as palavras brilham em tentação para mim, como uma linha
que eu não deveria cruzar mas cruzarei de qualquer maneira.

Eu o quero pra caramba.

~ 54 ~
E isso é tudo o que eu preciso saber. As palavras me animam, e
eu volto para o que eu tenho certeza que ela estava insinuando antes da
mensagem de Lila chegar. Eu bato no seu copo. — Diga-me, por que
você gosta de vodca com tônica?

— Adivinha, — diz ela, avançando mais perto, seu comando um


convite sedutor.

— Por causa do sabor dela em seus lábios quando eu te beijar? —


eu pergunto, tentando isso para experimentar.

Ela diz uma palavra. Sim.

E antes que eu perceba, eu estou beijando Natalie.

~ 55 ~
Oito
Vamos voltar.

Como nós fomos de não beijar a beijar? Qual foi o ponto da


transformação? Ela se inclinou para mim? Eu me aproximei dela?
Detalhes são importantes. Eu, com prazer os compartilharei.

Comece com seis meses de tensão sexual. Adicione dois mojitos


para ela, duas cervejas para mim, e duas vodcas com tônicas. Agite isso
com algumas más notícias sobre a frente dos negócios, e cobrimos com
a cereja do comentário bata-me-na-cabeça-com-uma-vara de Natalie,
que não deixava dúvida quanto ao que ela queria... e aqui estou eu.

Nós não nos inclinamos um para o outro. Não há uma arrancada


centímetro-por-centímetro-lentamente-sensual. Não é uma combustão
lenta.

É um acidente flamejante. Nós somos dois carros em alta


velocidade na estrada desta noite, e nós batemos um no outro,
rastejamos através do capô, e beijamos como loucos.

Nada é hesitante sobre isso. Vamos de não beijar a beijar em


menos de sessenta nano segundos. Sim, eu realmente não sei o que é
um nano segundo, também. Mas isso acontece em um instante.

E agora minha mão está em seu cabelo, puxando-a para perto,


enquanto nós esmagamos nossos lábios juntos. Nós nos beijamos forte
e asperamente, alimentados pelo desejo reprimido e mais do que vodca
e rum suficientes para tornar isto inevitável.

Seus dentes me arranham, e eu rosno, amando sua aspereza. Eu


chupo forte o seu lábio inferior, e eu sou recompensado com quase o
mesmo som dela. Ela é como um tigre, e juntos nós somos animais.

Eu agarro sua cabeça mais apertado, e suas mãos estão todas


sobre mim - no meu cabelo, então descendo para o meu peito, então ao
longo de meus braços. Nós nos beijamos tão profundamente, é como se
nós estivéssemos tentando escalar um ao outro.

~ 56 ~
Em algum momento, ela interrompe, exala forte, então sussurra
em meu ouvido: — Eu queria fazer isso há tanto tempo.

— Não tanto quanto eu. Agora traga esses lábios de volta nos
meus. — eu digo a ela, e ela atende.

Minhas mãos seguram suas bochechas, mas eu não sou gentil, e


ela não me quer deste jeito. Ela não é uma menina delicada. Ela é
durona e resistente, e ela quer o que eu quero. Eu seguro seu rosto
apertado em minhas mãos, e ela praticamente se arrasta no meu colo,
em uma corrida para chegar mais perto, então, mais perto ainda
quando ela aperta seus seios contra o meu peito.

Estou sentado em um banquinho no bar, e estamos encenando


algum tipo de show. Mas eu não me importo.

Minha língua procura e caça, querendo o gosto de cada canto de


sua boca, saboreando a vodca e a tônica e, acima de tudo, a Natalie. Ela
choraminga e geme, e eu engulo cada som sexy que ela faz.

Esse banquinho é nosso. Este bar é nosso. A noite pertence a esse


beijo, porque não é um beijo de entrada. Ele contém todas as pistas
necessárias para montar o quebra-cabeça de onde esta noite terminará.

Com certeza inabalável, eu sei qual o tipo de beijo que é.

Enquanto eu exploro sua boca, e ela reivindica a minha com igual


urgência, eu sei que eu estarei fodendo Natalie esta noite.

De alguma forma, nós conseguimos sair do bar. Eu pago a conta,


ela pega sua bolsa e telefone, e nós tropeçamos dentro da grande boca
do New York-New York.

— Então, toda esta experiência de Vegas. — seus olhos são


provocantes, sua voz é atrevida, e seus quadris balançam quando ela
anda. — A montanha-russa vem20 a seguir?

Agora isto é um convite se eu já ouvi um. Eu confirmo presença


para ele. — Vamos andar nela agora. Estamos aproveitando o máximo
de cada segundo nesta cidade.

Eu não digo a próxima parte - que na segunda-feira vamos voltar


ao normal. Trabalhar. Qualquer coisa mais do que esta noite é muito
arriscado, mas eu não quero estabelecer as regras do jogo agora. Eu
quero aproveitar o momento esta noite. Além disso, a vodca já está

20No texto em inglês está come - que também significa gozar. Ela faz um jogo com as
palavras.

~ 57 ~
dizendo ao meu cérebro, quem dá a mínima para a segunda-feira? —
Podemos fazer tudo, — eu digo em vez disso, porque isso faz
extremamente mais sentido agora do que pensar nas consequências.

— Ótimo. — ela agarra a gola da minha camiseta preta quando


nós paramos em frente ao Famoso Hot Dog do Nathan, onde os clientes
se empanturram com sanduíches super grandes de carne com queijo
em suas bocas. — Porque eu amo montanhas-russas. — ela diz,
moendo contra mim na luz brilhante do corredor do cassino, o plink-
plink-plink do pagamento do caça-níqueis próximo e o rodopio das
roletas, pairando pelo ar.

Eu agarro seus quadris em minhas mãos para que ela possa


sentir o meu comprimento duro contra ela. Ela ofega quando ela entra
em contato com o meu pau duro, então um gemido sexy e doce desliza
de seus lábios. Sua reação é impagável e perfeita. — O quanto você ama
montanhas-russas? — eu pergunto.

— Apenas espere até você me ouvir gritar na descida. Então você


saberá o quanto.

Eu levanto uma sobrancelha. — Querida, eu vou levá-la para um


passeio e tanto.

De alguma forma, nós nos separamos.

Nós caminhamos e nos beijamos. Nós seguimos as indicações


para o passeio, e paramos para dar uns amassos pelo caminho. Eu a
pressiono contra a parede e beijo seu pescoço, minha barba por fazer
arrastando contra sua pele macia. Ela geme quando eu faço isso, e seus
sons me deixam louco. Eu quero ouvir todos os seus murmúrios e gritos
sensuais, ser o motivo dela fazê-los, e então fazê-la grunhir e gemer
novamente.

Conseguimos atravessar trinta metros mais ou menos, em


seguida, subimos a escada rolante onde a entrada para a sala de jogos e
a montanha-russa fica mais próxima.

Mas eu preciso tocá-la novamente, então eu a rodopio, apoio-a


contra a parede, e fixo seus pulsos em seus lados, pressionando meu
corpo ao dela e esmagando seus lábios mais uma vez com os meus.
Quando eu consigo me afastar, eu arrasto minha boca para sua orelha
e mordo. Ela solta um grito suave. — Eu te quero tanto, — eu digo a
ela.

~ 58 ~
— Deus, você não tem ideia. Estar perto de você é tortura. Eu
estive morrendo de vontade de tocá-lo. Eu disse à minha irmã quando
eu cheguei naquele avião que não havia jeito de que eu poderia vir aqui
com você e não te querer. — ela diz em uma corrida ofegante, sua
admissão talvez alimentada pelo álcool, e isso está legal para mim,
porque eu estou tonto também. Porém, não tão tonto que o pedaço da
mensagens de texto que eu avistei trava tudo no devido lugar.

Isto me atinge - ela esteve mandando mensagens de texto para a


sua irmã sobre mim. Dizendo à Charlotte que estar perto de mim é uma
tortura. Então Charlotte respondeu que ela sabia que Natalie iria querer
fazer isso comigo em Vegas. E porra se isso não me excita mais.

Todas as minhas razões para resistir a ela desapareceram. Todas


as minhas regras separando trabalho e prazer viraram pó. Isto é
temporário, um tipo de escapada de uma-noite-apenas, à medida que
aproveitamos ao máximo desta noite.

Espero que as coisas não fiquem estranhas de manhã, mas


inferno, só posso pensar no agora. Amanhã é para amanhã.

Nós nos enfiamos através das luzes brilhantes e telas que piscam
no fliperama e encontramos o nosso caminho para a fila da montanha-
russa. Há apenas algumas pessoas à frente de nós. Nós não
esperaremos muito tempo, mas eu quero que a espera seja preliminar
para ela. Eu a puxo contra mim, suas costas com a minha frente,
puxando a sua bunda bem contra o contorno do meu pau duro.

Ela inclina a cabeça no meu ombro, vira a boca para meu


pescoço, e diz o meu nome em um ronronar.

Eu sussurro o dela em seu ouvido, e do jeito como eu digo essas


três sílabas, parece detoná-la. Ela empurra de volta para mim, sua
bundinha sexy esfregando para cima e para baixo ao longo do meu
comprimento. Nós somos a porra de definição de PDA 21 agora. Nós
somos as pessoas vão-para-o-quarto, mas surpreendentemente,
ninguém diz nada.

Vegas, baby. Eu amo esta cidade.

Meus dedos brincam no topo da saia dela.

— Diga-me o quanto você quer isso. Eu quero ouvir você dizer.

— O quanto eu quero andar na montanha-russa?

21 "Public Display of Affection" ou Demonstração Pública de Afeto.

~ 59 ~
Minhas mãos escavam em seus quadris. — Não. O quanto você
quer que eu te foda esta noite.

Ela dá um giro, seus olhos azuis encontrando os meus. Ela não


diz nada num primeiro momento, apenas me estuda. Seus olhos
escurecem com o desejo, e ela nunca afasta o olhar. O ar voa dos meus
pulmões da intensidade do olhar dela. — Wyatt Hammer, você não
sabe?

— Não sei o quê? — eu digo, minha voz rouca e áspera.

Cada palavra sai da boca dela pingando de desejo. — Eu sofro por


você.

Nunca existiram quatro palavras que soaram tão sensuais


quando conectadas. Mesmo que nós não estejamos sozinhos,
poderíamos muito bem estar. Eu deixo cair meus lábios nos dela, e pela
primeira vez durante toda a noite, eu a beijo suavemente. Tem a
duração de um segundo ou dois, então eu sussurro, — Você está me
matando aqui, Nat.

Então é a nossa vez, e nós nos desembaraçamos um do outro,


quando o nosso grupo se dirige para a estação com a série de vagões
amarelos projetados para parecerem como táxis.

Eu não me arrisco. Eu agarro a mão dela e a guio


propositadamente para o último vagão. Ela desliza primeiro, a saia indo
para cima uma ou duas polegadas em suas coxas, revelando mais da
sua pele lisa.

Eu me junto a ela, e assim que nós estamos no lugar, minha mão


está em uma missão. Quando o vagão na nossa frente enche, meus
dedos viajam para a barra de sua saia e para baixo, em seguida, eles
sobem até suas coxas, entre suas pernas para o pano úmido da sua
calcinha.

Então dentro.

— Oh Deus, — ela suspira.

E eu tenho dois minutos e quarenta e cinco segundos para fazê-la


dizer isso novamente. E mais alto.

~ 60 ~
Nove
Ela abre as pernas para mim, tanto quanto ela pode, o que não é
muito, dadas as instalações apertadas do vagão e a barra no colo que
nos prende firmemente no lugar.

Mas, na medida que eu preciso.

Ela está lisa e suave, e tão malditamente sedosa. Minha boca


enche de água, porque eu aposto que ela tem um gosto incrível. O vagão
geme o seu caminho para fora da estação, e eu deslizo meus dedos por
toda essa umidade fantástica do caralho. Estamos virados para a frente,
e não há muito espaço para se mover, mas tudo que eu preciso são
mãos e palavras. Mesmo com o dispositivo no ombro, eu posso virar o
rosto para ela, minha boca perto da orelha dela enquanto nós
começamos a subida. — Você não estava mentindo, querida, — eu digo
quando eu deslizo o dedo sobre a deliciosa elevação de seu clitóris.

— Mentindo, — diz ela em um ofegar quebrado, — Sobre o quê?

— Sobre a doce tortura de estarmos perto um do outro. Esta é


uma doce tortura, de fato.

Ela balança a cabeça, e uma respiração dura cai de seus lábios.


— Não estou mentindo. Apenas realmente excitada.

— Eu posso dizer. Meus dedos estão revestidos pra caralho de


evidência, — eu digo, quando eu movo mais rápido sobre seu clitóris.
Ele praticamente pulsa sob a almofada do meu dedo.

O ar da noite fresco nos cumprimenta com as mudanças de


ângulo, e começamos a subida. Engrenagens moendo, e metal grita
contra metal, enquanto o longo vagão sobe lentamente. Parece como se
estivéssemos em um ângulo de quarenta e cinco graus. Inferno, talvez
nós estejamos. De alguma forma, isso funciona para nós. Natalie se
contorce e se empurra contra meus dedos à medida que subimos.

Eu movo mais rápido, enquanto nós trepidamos lentamente mais


alto. Estou acariciando sua buceta, deslizando firmemente para cima e

~ 61 ~
para baixo de seu clitóris, seguindo suas deixas. O meu olhar desvia
para a barra acolchoada no colo. Ela a agarra ferozmente, como se sua
vida dependesse disso, ou talvez apenas o seu prazer. Mesmo neste
espaço confinado, seus quadris sobem para encontrar meus dedos com
urgência. Eu os arrasto para cima e para baixo, e ela fica mais quente,
mais lisa com cada golpe.

Em algum lugar na nossa frente, vozes rasgam através do ar.


Palavras selvagens de antecipação. A expectativa da primeira grande
queda.

Mas aqui, minhas únicas palavras são só para ela, quando eu falo
áspero em seu ouvido, — Eu quero fazer você gozar forte pra caralho.

— Oh Deus, por favor. Sim. Eu quero isso. — ela geme quando ela
se empurra em meus dedos.

Nós nos aproximamos do cume, e eu enfio dois dedos dentro dela.


Ela é apertada e quente, e ela agarra contra mim. Sua cabeça cai - para
esconder seus gemidos, eu acho, mas isso praticamente não é
necessário. Nós estamos a sessenta metros no ar, e seus gemidos fazem
parte de um coro de sons - opas, gritos e o som mais alto de todos, o
giro das rodas contra os trilhos.

Nós pairamos no topo, toda a Vegas se espalha diante de nós.


Então a terra cai de nós, e nós despencamos.

Ela grita. Um grito emocionante, alto e selvagem, — Ah meu


Deus, sim, — ela grita, — Assim!

— Puta merda! — minha voz se junta à dela enquanto o vagão se


arremessa através da noite à velocidade da luz, e Natalie fode meus
dedos. Ela está energizada, e eu sei que ela está quase lá, e que nada
em todo o mundo vai me impedir de fazê-la gozar neste momento.

Desejo e determinação me agarram em igual medida quando eu


trabalho meus dedos dentro dela e acaricio seu clitóris necessitado com
o outro. Coisa selvagem que ela é, ela consegue balançar seus quadris
em mim, moendo e empurrando no pequeno espaço. Ela está tão
determinada quanto eu. A necessidade urgente de gozar está escrito em
seu rosto, em suas pálpebras bem fechadas. Concentração fanática está
gravada em suas feições.

Eu centro meus golpes em seu clitóris, enquanto ela me implora


com choramingos e gemidos para continuar. Como se eu fosse mesmo
considerar parar agora.

~ 62 ~
Os berros dos outros passageiros enchem o ar enquanto corremos
ao longo de uma parte espiralada dos trilhos, até explodir dentro do
looping. Eu sou um bastardo com tesão, mas um sortudo também, e eu
estou enviando-a para uma explosão em segundos, a julgar pelo jeito
como sua boca está um perfeito O, quando ela mói sua pélvis na minha
mão. Então ela está aos gritos, e não é apenas um encorajando você
está quase lá, continue fazendo isso. É um clímax completo enquanto
nós viramos de cabeça para baixo.

— Oh meu maldito Deus, oh meu maldito Deus, oh meu maldito


Deus! — sSua buceta me agarra apertado, quando ela goza nos meus
dedos.

Ela grita descontroladamente enquanto nós voamos através do


resto do passeio. Logo seus gritos se transformam do orgasmo para a
alegria, com a emoção da montanha russa. Assim que o passeio fica
mais lento, ela mergulha a cabeça e abre um caminho de beijos até meu
pescoço enquanto nós chacoalhamos até a estação, terminando-os com
uma mordida na minha orelha, e um sussurro apenas para mim: — Eu
não posso acreditar que nós fizemos isso. Isso foi louco. Mas uma
loucura boa.

— Boa pra caralho, — eu digo.

Sim, ser mau é muito melhor.

Quando o vagão para e as barras sobem, eu ofereço a ela uma


mão e a ajudo. O casal na nossa frente se vira, e são o homem e a
mulher com as camisas havaianas combinando. A mulher dá uma
piscadela para Natalie, em seguida, um polegar para cima para mim.

Natalie enterra o rosto no meu ombro, mas eu acompanho, dando


a eles um aceno rápido. — Eles não chamam isso de um passeio da
alegria por nada. — eu grito.

— Disso você pode ter a maldita certeza, — o homem diz, com


uma nota de orgulho em sua voz, como se ele tivesse batizado o último
vagão em um passeio no parque de diversões em algum momento ou
outro.

Assim que estamos dentro, Natalie me puxa para perto e envolve


seus braços em volta do meu pescoço. Ela não diz nada. Ela apenas
sorri toda pateta para mim. — Oi.

— Olá.

~ 63 ~
— Aquilo foi... — sua voz diminui. Talvez ela não consiga
encontrar as palavras, mas o brilho rosado em suas bochechas e o
reflexo satisfeito em seus olhos azuis é suficiente para mim.

— Interessante? — eu sugiro.

— Foi muito interessante.

— Eu aposto que ele fica ainda mais interessante.

Retomamos o nosso trajeto, então ela para em seu caminho e


aponta. — Olha!

Eu sigo o seu dedo, e um sorriso se espalha quando eu localizo a


nossa imagem na tela atrás do balcão. — Então isso é o que nós
chamaríamos de seu rosto O.

Ela dá um tapa no meu ombro. Eu pego minha carteira do bolso


de trás, retiro uma nota de vinte e aponto para a tela para a mulher d
balcão. — O número dezesseis, por favor, — eu digo, então pisco para
Natalie. Sua testa está na palma da mão. — Dezesseis é o número mais
doce.

A morena alegre com tranças e óculos vermelhos sorri do balcão


de fotos. — Com certeza é. E seu doce dezesseis estará pronto num
instante. A impressão leva apenas 45 segundos e vem com uma
moldura adorável de papelão. Gostaria de plastificá-la também?

Eu finjo considerar isso. — Hum. O que você acha, Nat? Devemos


plastificar o momento-

Ela levanta o rosto. Seus olhos estão em chamas. — Não,


obrigada, — diz ela para a garota alegre. — Uma moldura de papelão
está ótimo.

A garota me entrega um saco e dois closes de cinco por sete de


Natalie e eu gritando, quando nós voamos para baixo nos trilhos.
Enquanto nós vagueamos, eu os estudo. — Eu suponho que
tecnicamente não podemos estar certos de que este é o momento exato
em que você gozou, — eu divago quando eu mostro a ela a foto.

Ela me lança um olhar. — Está perto o suficiente.

— Perto só é bom em ferraduras. Não orgasmos. Quero dizer, nós


sabemos com certeza que este é o momento do triunfo? Devemos fazer
novamente para estarmos seguros?

~ 64 ~
Ela revira os olhos. — Você realmente precisou comprar isso para
zombar de mim?

Eu a paro, agarrando seu braço. — Eu nunca zombo de


orgasmos. Eu levo o seu prazer a sério.

— Eu sei, — ela sussurra.

— Você quer que eu as jogue fora? Eu jogarei.

Ela suaviza. — Eu estou apenas te dando um tempo duro22.

— Ah, sim. Eu diria que sim. — meus olhos oscilam para baixo,
na direção à minha virilha. — Você tem estado me dando um tempo
duro durante muito tempo, querida.

— Você é o rei dos trocadilhos.

— E você é a rainha do rosto O da montanha-russa O. Mas,


falando sério, eu não mostrarei isso para ninguém se você não quiser
que eu mostre.

— Mesmo que eu não estivesse prestes a decolar para a


estratosfera de felicidade constrangedora, você honestamente iria
mostrar esta foto por aí? Nós dois parecemos como idiotas gritando. —
ela a agarra e a levanta para mim, então imita nossas expressões -
olhos arregalados, boca aberta, aos berros, quando os vagões voaram ao
longo dos trilhos.

Eu dou de ombros. — Chame-me de louco, mas eu gosto disso.


Eu vou ficar com elas.

Então eu agarro o cós da sua saia, e a puxo de volta para mim


quando nós passamos por um jogo de fliperama acerte-neles. —
Falando de felicidade constrangedora, eu preciso te dizer que você fica
linda quando está gozando, e você é linda quando não está gozando.
Então, você é praticamente linda o tempo todo, ok?

Ela sorri, e o olhar em seu rosto - absoluto deleite - faz coisas


engraçadas no meu peito. O mesmo acontece com a sua voz, quando ela
responde com um simples, — Obrigada. — então, ela acrescenta, — Eu
acho que esse seria um bom momento para que você saiba que eu
trouxe um presente para você. Só que eu o comprei antes mesmo de
deixarmos Manhattan.

Isto me deixou intrigado.

22 A tradução mais correta seria zombar, zoar, mas aí não faria sentido ao trocadilho.

~ 65 ~
Ela mergulha a mão na bolsa, busca por ali, e pega algo que ela
pressiona dentro da minha mão. A embalagem de alumínio e o anel de
borracha enviam um raio de calor através de mim.

— Você é presunçosa.

Ela encolhe um ombro. — Mas eu estou errada?

~ 66 ~
Dez
Eu sou um homem com uma ideia fixa no momento.

Uma vez que não nos hospedamos neste hotel, e desde que eu
preciso desta mulher como eu preciso da minha próxima respiração...
eu caço.

Com a sua mão na minha, eu ando com um objetivo através do


fliperama, digitalizando, procurando. Talvez haja um banheiro nas
proximidades. Ou um recanto tranquilo. Possivelmente uma cabine de
foto. Eu sempre pensei que estas são subestimadas preciosidades
escondidas, perfeitas para um pouco de ação pública. E você tira uma
foto de lembrança também.

Então eu localizo uma cortina de veludo preto perto da saída do


fliperama, que me dá uma ideia. Você nunca sabe o que se esconde
atrás de uma cortina.

Possivelmente, privacidade suficiente.

Eu a levanto, e - sorte ser uma cortina esta noite - há algum tipo


de área de armazenamento por trás dela. Está preenchida com jogos de
fliperama fora de circulação e máquinas de pinball.

Eu deixo o material pesado cair atrás de nós. — Você não está


errada, — eu digo, e eu a beijo novamente. A vodca com tônica está
mais fraca agora em seus lábios, mas o sabor residual está lá,
lembrando-me que sua ousadia está alimentada por Bacardi e
Belvedere.

Mas está tudo bem. Se não fosse pela coragem líquida, eu não
estaria aqui também, levantando a minha assistente sexy-pra-caralho
em uma máquina quebrada de pinball do Metallica.

Suas mãos levantam a minha camisa em segundos. — Eu quis


isso por tanto tempo.

~ 67 ~
— É? — eu pergunto, convidando para mais, porque suas
palavras são o maior afrodisíaco da minha vida.

Seus dedos brincam com os sulcos no meu abdômen. Eu tremo


quando ela me toca.

— Às vezes, quando você entra no escritório, eu te examino, — diz


ela com a voz baixa e sexy.

— Como o meu cabelo? — eu brinco. — Você examina o meu


cabelo, você quer dizer?

Ela se move mais para perto e morde minha mandíbula. — Seu


pau, Wyatt.

Minha pele chia enquanto eu abro suas pernas. — Sua


pervertida.

— Eu olho para os seus braços e sua cintura, então eu não


consigo evitar. Eu examino o seu pau. Você sabe que você fica duro no
trabalho?

Eu rio alto. — Nossa, eu me pergunto porquê? Poderia ser a


causa? Talvez a gostosona na recepção?

Ela dá um risinho também. — Eu sabia que você estava olhando


para mim como se você quisesse me foder. Eu olhei para você do mesmo
jeito, e tudo que eu conseguia pensar era quão... bem dotado você é. —
ela mexe as sobrancelhas depois ri mais alto. — Isso soa tão pornografia
dos anos setenta, não é?

— Você não sabia que eu costumava estrelar em pornô estilo anos


setenta?

Ela arrasta o dedo indicador ao longo do meu lábio superior. —


Você tinha um ‘bigode’?

Eu assinto. — Um respeitável bigode pornô. Eu usava jeans boca


de sino. Especialmente quando eu atuava como o cara da piscina ou o
homem da entrega de pizza.

Ela cantarola sua aprovação. — Talvez você possa trazer sua


coleção de VHS alguma noite, e nós vamos recuperar os seus maiores
sucessos. Eles te chamavam de Bem Dotado?

— Não apenas eles me chamavam de Bem Dotado, mas eu tinha


toda uma série sob esse nome. — eu deixo cair a minha voz a um
sussurro de censura. — Mas honestamente, Natalie, você não sabe?

~ 68 ~
Elas eram todas fitas Beta. Verifique se você tem uma máquina de
Betamax para o nosso filme e pipoca para a nossa noite bow-chicka-
wow-wow23 .

Eu a puxo para a borda da máquina de pinball e trago suas mãos


para o cós da minha calça jeans. Agora eu estou sério. Sem
brincadeiras. — Isso é o que você estava fazendo todas aquelas vezes?
Imaginando como seria a sensação de enrolar as mãos em volta do meu
pau?

Ela acena, seus olhos brilhando com desejo. — Às vezes eu ia


para casa e apenas pensava sobre como seria desabotoar sua calça
jeans, deslizar minhas mãos dentro da sua boxer, e senti-lo em minha
mão.

Jesus Cristo. Fogo selvagem faísca em minhas veias, espalha


através de meu sangue e simplesmente me inflama pra caralho, com
mais desejo do que eu já senti na minha vida.

— Então descubra, — eu digo, arrastando suas mãos ao longo do


botão, abrindo-o, e guiando seus dedos para baixo no zíper. — Faça
isso. Toque meu pau.

Seus olhos estão famintos, como se ela estivesse prestes a ter a


sua maior fantasia se tornando realidade. O mesmo para mim. Estou
prestes a foder minha Natalie.

Eu abaixo minha cueca, e quando meu pau salta livre, os olhos


de Natalie se alargam. Sua boca abre. — Eu estava certa, — ela
sussurra, e então abre mais as pernas, quando ela envolve uma mão
macia em torno de meu pau.

Eu assobio do delicioso fogo do seu toque. Ela esfrega para cima e


para baixo, sua mão deslizando ao longo do meu comprimento grosso,
duro e longo. Eu empurro suas pernas mais abertas enquanto ela
brinca. O olhar em seus olhos é bom o suficiente para fotografar. Eu
quero me lembrar dele por um longo tempo. Suas íris estão nebulosas
com luxúria, e ela olha para o meu pau enquanto ela acaricia.

Ela me toca como se o estivesse medindo, pesando meu pau em


sua mão, e eu sei que ela está satisfeita. Talvez isso soe arrogante, mas
eu não quero dizer isso deste jeito. Se ela está contente, é porque nós
acabamos de admitir que queremos um ao outro com o mesmo
abandono selvagem, que nós dois estivemos ansiando o outro do mesmo

23É um meio verbal de referência a um encontro, ato ou ação sexual. Termo oriundo
da musica Bow Chicka Wow Wow de Mike Posner de 2010.

~ 69 ~
jeito sujo. E isso é o que é tão gratificante sobre finalmente tocar a
pessoa que você deseja - está em saber que vocês dois estão no jogo,
apostas iguais.

Ela aperta meu pau forte, então esfrega na ponta, rodando a


ponta do dedo sobre a cabeça. Eu estico o pescoço para trás, e um
estrondo faz o seu caminho até meu peito.

— Porra, Natalie. Eu preciso estar dentro de você. E eu preciso


disso nesta porra de momento.

Ela abre a embalagem e entrega o preservativo para mim, e dez


segundos depois, eu estou enluvado e pronto para o negócio. Eu a puxo
uma ou duas polegadas mais perto, posiciono meu pau em sua entrada,
e então empurro. Meu cérebro desliga no segundo que meu pau entra
em contato com seu centro quente e úmido. Eu estou apenas sentindo.

É um catálogo de sensações crepitando na espinha. O aperto


quente. A umidade escorregadia da sua excitação que torna tão fácil
deslizar para dentro dela. O ajuste confortável do meu pau na sua
buceta. Como se parecesse que meu corpo inteiro estivesse ligado, como
se eu estivesse empolgado e sobrecarregado, porque é assim que uma
primeira vez com alguém deveria ser.

Absolutamente alucinante.

Quando bloqueamos os olhos, o prazer sobe para outro nível de


fora-deste-mundo. É intenso pra caralho, o jeito como olhamos um para
o outro, a conexão que crepita entre nós.

— Você é... — eu nem sei o que estou tentando dizer.

— Você também...

Minha pele chia da cabeça ao dedão do pé. O cabelo em meus


braços estão em pé. Porra, meus mamilos estão duros também. Eu
estou excitado em toda parte. Ela envolve suas pernas ao redor minha
bunda, enganchando juntos seus tornozelos, puxando-me mais fundo.
Eu a encho completamente, meu eixo revestido por ela, em todo o
caminho até a base, e eu não acho que meu pau já esteve em um lugar
mais feliz. Seus braços dão a volta em meu pescoço, e eu seguro seus
quadris apertado. Então, eu fodo com ela.

Não é uma sessão de fazer amor prolongada e lenta. É uma foda


forte e apressada. Nós poderíamos ser pegos. Nós poderíamos ser
presos. Nós poderíamos ser vistos. Urgência enche o ar.

~ 70 ~
Num segundo, estou profundamente dentro dela. No próximo, eu
recuo. Então eu empurro nela novamente, e seus gemidos e seus
grunhidos me dizem que ela gosta desse ritmo. Ela gosta da corrida. Ela
gosta da emoção. E quando ela levanta os quadris para me chamar de
volta para dentro ela, ela simplesmente gosta do jeito que nos
encaixamos.

Deus, eu também. Eu gostaria de poder dividir isso em detalhes,


dizer que é o jeito que eu soco meus quadris, ou como ela mói sua
pequena buceta doce contra o meu pau. Mas não. É fora-deste-mundo
de bom, porque eu a quero pra caralho, e agora eu a tenho. E é melhor
do que eu sonhei que seria.

— É tão bom, — eu digo.

— É incrível.

— Você está molhada pra caralho.

— Você está duro pra caralho.

Eu rio levemente quando eu empurro. — Acho que nós temos o


básico.

Ela ri também, e, incrivelmente, isso me excita mais, o quão fácil


a conversa ainda é. Como as brincadeiras não mudaram nada entre
nós. Nós ainda somos as mesmas pessoas.

— Acha que você pode gozar de novo? — eu não quero ser


presunçoso. Talvez ela seja de uma-e-terminado.

— Deus, eu espero que sim, — diz ela, em um ofegar quebrado. —


Acha que você pode me fazer chegar lá?

Eu adoro um bom desafio. — Eu sei que sim. — eu respondo, em


seguida, deslizo o polegar entre nós, esfregando seu clitóris doce,
enquanto eu soco dentro e fora.

— Oh Deus, — ela suspira. Ela deixa cair as mãos na minha


cintura e desliza os dedos nas minhas costas, sob a minha camiseta. —
Sim, sim, sim, — diz ela no meu ouvido, incitando-me.

Eu fodo, e eu esfrego, e eu foco nela. Ela é o centro do meu


mundo.

Uma gota de suor cai pela minha testa. Ela levanta o rosto,
escova seus lábios sobre minha sobrancelha, e a beija. Esse gesto envia
uma carga elétrica através de mim. Ela geme, e eu estou tão excitado

~ 71 ~
que eu estarei gozando em breve, e será épico. Um choque de foguetes
de prazer na minha espinha, em seguida, ondulações em todos os meus
ossos.

— Preciso te fazer gozar, — eu gemo, esfregando seu clitóris,


sentindo sua suavidade no meu polegar e toda a porra sobre meu pau.

— Tão perto, Wyatt. Estou tão perto. Continue fazendo isso. Por
favor, — ela implora, sua voz rouca, como se ela estivesse gritando em
um concerto de rock ou numa montanha-russa.

E eu percebo que é o que somos esta noite. Nós fodemos como


uma canção de rock. Nós transamos como um passeio selvagem que dá
voltas e mais voltas. Nós somos amantes no limite-do-assento.

Eu espeto dentro dela com golpes rápidos e poderosos.

— Assim, — ela geme, enquanto o meu polegar esfrega círculos


furiosos em seu clitóris e meu pau começa a conhecer o seu interior
ainda melhor, atingindo o seu ponto G.

Ela arrasta as unhas nas minhas costas. Puta merda. Ela está
cavando. Ela está me arranhando. Eu mal consigo controlar o quanto
eu quero deixar ir.

Mas ela vai primeiro, e ela simplesmente detona. Ela explode com
um estrondo, se contorcendo e se contorcendo, e caindo aos pedaços
com um sonoro: — Oh Deus, oh Deus, oh Deus. — ela deixa cair o rosto
no meu ombro, abafando seus gemidos.

Mas eu consigo ouvi-la - seus murmúrios sensuais, seus gritos


incessantes de prazer, e seus gemidos do meu nome, de novo e de novo.

Como o refrão desta música de rock.

É simplesmente um oh Deus, mais e mais e mais, mas é mais do


que o suficiente para me fazer decolar também. Minhas bolas apertam,
meu pescoço fica tenso, e eu gemo. Eu sou mais barulhento do que eu
quero ser, mas eu não posso controlar o estrondo que cai dos meus
lábios. — Vou gozar, — eu aviso, e essas palavras se transformam em
grunhidos e maldições, quando eu impulsiono profundo uma última
vez, gozando forte dentro dela, em uma máquina de pinball, em algum
lugar na sala de armazenamento de um fliperama, em um hotel de
Vegas.

Eu ofego e expiro com dificuldade. Ela circula os braços em volta


do meu pescoço. As sequelas do prazer épico cantarolam em meus

~ 72 ~
ossos. Maldição, esta é uma noite impressionante do caralho. E está
apenas começando.

— Você é um barulhento, — diz ela, sorrindo para mim.

Eu dou de ombros. — Barulhento é bom.

Ela assente, — É. — ela suspira contentemente e brinca com as


pontas do meu cabelo. — Nós somos bons juntos, — ela diz
suavemente, e suas palavras se enraízam profundamente dentro de
mim. Elas parecem certas. Elas parecem verdadeiras.

— Sim, nós somos, — eu sussurro. — E há mais de onde isso


veio, esta noite.

— Bem, eu certamente espero que sim, — diz ela, em seguida,


seus lábios se curvam para cima. — Qual é o próximo na ordem do dia
na Excelente Aventura em Vegas de Wyatt e Natalie?

Eu afago meu queixo, pensando. Então isto me ocorre. — Eu


simplesmente tenho a coisa perfeita para mostrar a você.

~ 73 ~
Onze
Nós bebemos na saída do hotel. Uma rodada dupla de doses para
nós dois mantermos a noite cintilante em um manto perfeito de uma
bebedeira, que simplesmente-fica-melhor-e-melhor.

Porém, não é só o sabor suave da Casa Noble24 indo para baixo


que me faz sentir bem pra caralho. É a mão de Natalie no meu bolso de
trás, enquanto deixamos o New York-New York. É o jeito como ela
aperta minha bunda quando nós caminhamos ao longo da Strip. É
como ela corre a sua outra mão pelo meu cabelo enquanto nós
conversamos.

Ela não consegue parar de me tocar, e é fantástico. — Você está


bastante levada com estas mãos, — eu digo a ela, quando nós paramos
em uma faixa de pedestres cheia, esperando na multidão de turistas
acolhendo a cidade do pecado.

Correndo seus dedos na frente da minha camiseta, ela diz: — E


tenho a impressão de que você gosta de mim assim... tocando.

— Culpado da acusação. — eu cubro seus dedos com os meus e


os arrasto para baixo no meu abdômen até o topo da minha calça jeans.

No momento em que chegamos à fonte no Bellagio, eu já


ultrapassei todos os níveis normais de excitado para o ponto em que eu
estou levemente grato por nós termos algo para fazer além de tocar. Se
ela se mantiver neste ritmo, eu não sei como eu não serei preso por
fornicação pública em poucos minutos.

Decência pública é tão superestimada.

Eu gesticulo grandiosamente para o lago. — Acredito que este


estava em sua lista, Lugares para Ver em Vegas.

24 Marca de tequila.

~ 74 ~
Ela deixa as palmas das mãos sobre o corrimão, saltando na
ponta dos pés, enquanto ela aguarda pela extravagância de água
começar. — Eu queria ver o show de água aqui desde que eu li um livro
que tem uma cena onde o herói recebe a heroína na frente da grade.

Bem, isso não está ajudando a minha situação ao sul da


fronteira. — É esse o seu jeito de me dizer alguma coisa, Mãos Levadas?

Ela ri mais alto do que o habitual e levanta dois dedos. — Eu já


tenho dois na bolsa. Eu pegarei o meu terceiro um pouco mais tarde. —
ela parece perdida em pensamentos por um momento. — Agora que
penso sobre isso, esta escritora tem um monte de livros com cenas
passadas aqui.

— Talvez ela tenha uma queda pelas fontes do Bellagio, — eu digo


quando as luzes tocam em toda a superfície plácida e o lago começa seu
ballet noturno.

Natalie olha para o show quando jatos de água dançam alto no ar.
Ela suspira feliz e encara a cena à sua frente com o contentamento que
apenas álcool pode adicionar a uma noite. — Eu posso ver porque ela
gosta disto. — ela se vira para mim, e seu tom é provocador e curioso.
— Do que você realmente gosta?

— Como o suficiente para escrever sobre isso em alguns livros?

— Claro.

— Hambúrgueres. Cerveja. Comida apimentada. Mas você sabia


de tudo isso, — eu digo quando eu belisco a bunda dela, só porque eu
posso. Ela mexe uma sobrancelha, e eu continuo, — Eu gosto de
esportes e assistir os Yankees. Eu gosto de passear com cães para o
abrigo, ajudando-os a encontrar lares. Gosto de fatos aleatórios sobre o
mundo. E eu gosto de cozinhar tantas vezes quanto eu consiga.

Um enorme sorriso salpica no rosto dela, e ela enfia a mão no


meu peito. — Você cozinha?

Eu empurro a cabeça para trás. — Por que você parece tão


chocada? Eu sou um homem de muitos talentos. Eu vou te deixar saber
que eu posso fazer maravilhas com uma grelha e uma frigideira.

— Apenas surpresa. Eu estou tão acostumada a você com o seu


martelo e furadeira, e aquele cinto de ferramentas sexy-como-o-pecado
que você usa. — diz ela, vagando os olhos para cima e para baixo no
meu corpo, bebendo-me de um jeito que me intoxica mais. — Agora eu
estou imaginando você cozinhando uma deliciosa comida picante em

~ 75 ~
sua cozinha, e já que é a minha fantasia, eu decidi que você está sem
camisa com uma espátula.

— Na minha fantasia, você está usando calcinha vermelha, saltos,


e nada mais quando eu sirvo para você esta comida picante.

Ela se desloca mais perto, sua voz toda rouca e sexy quando ela
diz: — Eu aposto que é delicioso.

— Assim como você, — eu digo, passando a mão em torno do


quadril dela e puxando-a para perto de mim. Nós viramos de volta para
a água e olhamos para a coreografia da fonte. — E você, Mãos Levadas?
Do que você gosta tanto que você iria escrever sobre isso em um monte
de livros?

— Além das canções de Ed Sheeran?

Eu tremo. — Eu vou fingir que você não disse isso. — ela sabe
que eu não suporto o cara, mas eu posso apreciar o que ele fez por
dezenas de homens, fornecendo lubrificante musical sob a forma de
suas canções.

Ela cantarola algumas notas da sua música mais popular, em


seguida, me responde. — Eu gosto de ser ousada. Eu gosto de explorar
novos lugares e explorar lugares que eu já conheço. Eu gosto de ser
uma bobona algumas vezes, e ser séria em outras. Eu também amo
fazer pedicure, e ter minhas unhas dos pés pintadas em cores
alternadas. E eu gosto de, finalmente, ser capaz de viver em Manhattan,
porque me faz sentir como se tudo fosse possível, se eu continuar
tentando.

— Esse é um jeito perfeito para descrever Nova York.

— E Vegas, — ela acrescenta, encontrando meus olhos mais uma


vez. — Acontece que eu gosto de Las Vegas. — ela coloca a mão no meu
peito, mais suave desta vez, menos Mãos Levadas, e mais Natalie Doce.
— Bastante, — ela acrescenta. — Eu gosto muito.

Uma corrente elétrica desce através de mim, enviando calor e


desejo por todo o meu corpo. — Eu também. — eu mergulho minha
boca na dela, roçando seus lábios com os meus. Sua respiração suave
paira sobre mim, quando eu a afasto do beijo delicado. — Eu realmente
estou me divertindo muito com você.

Pelo mais breve dos momentos, eu posso nos ver tendo mais
conversas como esta. Eu estou imaginando competições de comida
picante, explorando novos cantos de Manhattan, conferindo todas as

~ 76 ~
montanhas-russas na área metropolitana de Nova York e assinalando
quantos passeios nós conseguimos ir à bordo. Não porque nós
estaríamos tentando acumular marcas na cabeceira da cama, mas
porque seria divertido. Natalie e eu temos isso em comum - a constante
procura por diversão. Nós dois gostamos de aproveitar o máximo de
cada segundo.

Mas este pequeno detalhe não conta nas minhas cartas como a
razão que me fez empregá-la.

Uma consciência bruxuleante do que poderia acontecer na


segunda-feira de manhã, quando estaremos de volta ao trabalho, pisca
no meu cérebro, mas depois desaparece tão rapidamente quanto chegou
- porque esta noite existe em sua própria bolha, e eu estou tendo muita
diversão para pensar sobre qualquer coisa a mais do que o aqui e agora.

Diante de nós, o show aquático deslizou para o seu final, os jatos


voando alto no céu.

— Ei, vamos fazer uma selfie deste momento, — diz ela, em


seguida, saca seu telefone, balançando-o loucamente em posição de
fotografar. Eu me amontoo mais perto e envolvo um braço em torno
dela. Nós sorrimos para a câmera, enquadrando no plano de fundo uma
das mais belas vistas de toda a Vegas.

— Agora, vamos levar você ao Venetian, e pegar a próxima


gôndola. — eu bato na bunda dela.

Ela sacode a sobrancelha. — Eu gosto disso.

— Você é interessante pra caralho, Little Bo Peep.

— Espere até você ver o meu cajado.

Conforme caminhamos para o Venetian, ela posta a imagem de


nós dois juntos em sua página do Facebook. Um grupo de mulheres na
cidade caminha na nossa direção. Uma delas dá um gole em uma
bebida gigantesca, no que se parece com um béquer de tamanho grande
de uma aula de química. Natalie olha para isso ansiosamente, depois
que ela guarda seu telefone.

— Já tomou um daqueles em Vegas? — eu digo a ela.

Ela acotovela minhas costelas. — Você sabe que não.

— Então precisamos deflorar você no departamento ‘cocktail


gigantesco, parecendo delicioso, que você bebe na rua’. — à medida que

~ 77 ~
o grupo se aproxima, eu grito, — Olá. Apenas querendo saber onde nós
podemos pegar uma dessas misturas fantásticas.

A mulher aponta para um carrinho de rua na próxima quadra,


onde nós pedimos um. E acontece que este béquer é cheio de porcaria
boa.

Natalie tamborila o recipiente de plástico rosa em forma de um


cachimbo. — Isto é como uma via rápida para uma super bebedeira.

— Sim, praticamente vai direto para o cérebro. Provavelmente o


centro do julgamento, — eu brinco, então cantarolo uma linha da
música de Sheeran que ela cantou mais cedo. — Definitivamente o
centro do julgamento.

À medida que caminhamos ao longo das lojas do canal, o meu


braço envolve seus ombros, nós contamos piadas sujas, cantamos
trechos de músicas favoritas, e rimos tão forte que eu não tenho certeza
se podemos parar.

— Ei, quer ouvir uma coisa engraçada?

— Dãã. Claro que quero.

— Quando eu estava no ensino médio, havia um boato


circulando, que se você risse durante vinte e quatro horas seguidas,
você conseguia uma barriga tanquinho. Assim, era uma coisa de uma
só vez. Se você pudesse conseguir isso por um dia inteiro, você estaria
preparado para a vida, todo esculpido e essa merda, — eu digo,
apontando para minha barriga.

Ela desata a rir, então desliza os dedos sobre o tecido da minha


camisa. — Você fez uma risada de uma tonelada para obter estes?

— Não, mas nós tentamos isso em casa, — eu admito,


timidamente.

Ela aperta sua barriga, rindo. — Ah meu Deus, você é ridículo.

— Nós decidimos assistir os shows mais engraçados na TV, e Nick


e eu achamos esses desenhos que ele estava totalmente por dentro.
Alguma coisa de animação japonesa que era hilário pra caralho.
Conseguimos ficar cerca de quinze minutos sem parar de rir. — então
eu a puxo mais perto. — Mas eu ri muito esta noite, talvez por isso, eu
finalmente esteja ganhando uma barriga super tanquinho.

Ela balança a cabeça. — Não vai acontecer.

~ 78 ~
Eu faço beicinho. — Por que não?

— Porque em breve, você vai parar de rir.

— Você vai me dizer algo triste?

Outra balançada. — Não. Mas eu tenho certeza que você não


estará rindo quando nós estivermos nus mais tarde. Você estará
gemendo e grunhindo, e fazendo aqueles sons sexy que você faz quando
você perde o controle para mim.

E a temperatura em mim dispara até o teto. Eu gemo quando eu


dou um puxão nela para mais perto.

— Simplesmente. Deste. Jeito, — diz ela em um ronronar sexy.

Eu seguro a parte de trás de sua cabeça e a beijo como um louco.


Nós dois parecemos como se não conseguimos ter o suficiente um do
outro.

Quando conseguimos nos desembaraçar, eu a guio para o passeio


de gôndola. Nós nos acomodamos no banco, quando um homem em
uma camisa listrada e uma boina vermelha empurra um remo gigante
como um mastro através da água. Eu envolvo meu braço em torno de
Natalie, e do nada, eu começo a cantarolar aquela mesma música
novamente. E isso me atinge - eu nunca cantaria essa sóbrio. Eu nunca
cantaria isso tonto.

O que significa, eu não estou tonto.

Eu estou no limite de bêbado.

E o mundo é minha ostra.

Evidentemente, é a ostra de todos esta noite, porque há aplausos


e torcidas das outras gôndolas. Eu balanço meus olhos ao redor para o
barco em frente de nós. Um camarada, em calças apertadas e uma
camisa branca de botão caiu em um joelho, e uma morena tem seus
braços em volta do pescoço dele e está chorando lágrimas de alegria
enquanto ela olha para um anel novo em seu dedo. Eu assisto quando o
brilho de uma proposta se desenrola em torno de nós. Todo mundo está
torcendo por eles, também. Espectadores das margens dos canais
oferecem suas vaias e gritos, e assim faz Natalie.

Ela segura suas mãos ao redor de sua boca. — Uhuuuuu!

~ 79 ~
Ela me cutuca, e isso é a minha deixa para dizer algo também,
então eu agito um punho e grito: — Parabéns! Case com ela hoje à
noite!

O cara ri, e me lança um polegar para cima. Sua futura esposa


acena para nós. Alguém caminhando ao longo das lojas segue a minha
ideia. — Vá para A Little White Wedding Chapel!

Na gôndola deles, o cara com camisa de botão e sua senhora


bloqueiam os olhos e parecem estar ponderando a ideia, sussurrando
um para o outro. Alguns segundos depois, ele segura os braços dela
bem abertos. — Nós vamos nos casar hoje à noite!

As comemorações explodem, desta vez como se o seu batedor


favorito acabasse de bater no final do jogo, um home run25 vencedor. Os
gritos de Natalie são o mais altos, e ela agarra meu braço enquanto ela
grita ruidosamente, — Eles estão indo para a capela, e eles vão se
casar... — ela desliza seu braço apertado em volta da minha cintura. —
Porque você os convenceu a se amarrarem esta noite.

— O que acontece em Vegas... — eu digo, e minha voz diminui


quando nossos olhos se encontram.

Essas três palavras ecoam.

Os olhos dela brilham, e é como se nós estivéssemos pensando a


mesma maldita coisa.

Eu gosto de ser ousado.

— Exatamente quão ousada que você gosta de ser? — eu


pergunto.

Um canto dos seus lábios curvam para cima. — Exatamente tão


ousada quanto eu posso ser. Por que você pergunta?

— Por causa do nosso acordo para esta noite. Fazer tudo. Apenas
uma noite. — eu aponto a minha testa para o casal, e eu juro que eu
nunca tive uma ideia melhor na história das ideias, do que a que eu
tenho neste momento. É genial pra caralho. — Você está pensando no
que eu estou pensando?

Sua boca abre, então ela acena a cabeça, seus olhos selvagens
com excitação. — Eu tenho certeza que eu poderia estar. Quer me dizer
o que você está pensando?

25No beisebol, esta é uma tacada que permite que o batedor faça um circuito completo
das bases, fazendo a maior pontuação.

~ 80 ~
Eu levanto uma sobrancelha. — Eu estou pensando que há mais
uma coisa que tornaria isso a experiência de Vegas completa.

Ela aperta a mão na boca, então larga. — Oh meu Deus. Será que
estamos realmente indo fazer o que eles estão fazendo?

— Eu não acho que nós temos uma escolha, tendo em conta o


acordo que fizemos lá trás no bar do New York-New York. Pensar grande
ou ir para casa.

Por um momento, não há nada além do silêncio. Eu não tenho de


esperar muito tempo por uma resposta, apesar de tudo.

— Pensar grande, Wyatt, — diz ela, sua voz suave, mas sua
intenção grita. Claramente, ela acha que a minha ideia é brilhante,
também. Como ela não acharia?

Caindo em um dos joelhos, eu agarro a mão dela. — Mãos


Levadas, quer ir para uma capela vinte-e-quatro-horas e se amarrar?

Ela soluça, depois ri e me puxa para um beijo molhado que tem


gosto de tequila e uma mistura de frutas. — O que acontece em Vegas...

~ 81 ~
Doze
Uma costeleta desliza para fora do rosto do homem.

É levemente perturbador. Mas longe de ser tão perturbador


quanto ao terno dourado do sacerdote. A roupa de uma única peça tem
um colarinho que poderia dobrar como asas, e é a própria definição de
colado no corpo. Ela abraça cada polegada do corpo dele, e sim, eu
quero dizer cada polegada.

Desculpe, tenho que falar. Ele está vestindo a porra de um


macacão. Difícil não notar essa merda.

— Ele é um Leisure Suit Larry 26 ou Elvis? — eu assobio para


Natalie. Quando o local tem um nome como Larry, Lana e Casamentos
Rápidos de Serviço Completo do Rei, ele poderia ser qualquer um.

Ela acena para o cara que tem um permanente completo feito,


elevando cachos encarapinhados a um novo patamar, e sussurra para
mim: — Ou Richard Simmons27 tem um novo show.

Só que não é verdadeiramente um sussurro. É um sussurro


bêbado. Então ela não está nem um pouco silenciosa, mas eu duvido
que o dublê fanático por exercício se importe, visto que eu tenho certeza
que ele está drogado. Parece que sim, quando ele gagueja ao redor pelas
alianças do casamento, enquanto nós estamos na frente da pequena
capela. Isso é parte do serviço total - duas alianças de ouro por
cinquenta e sete dólares. Que roubo.

Ele fede a maconha, e a julgar pela música de Bob Marley


tocando como nossa música de casamento neste segundo, eu estou
supondo que ele estava fumando um até a limusine nos deixar há
poucos minutos atrás, logo após nós pegarmos uma licença de
casamento antes destes escritórios fecharem à meia-noite. A limusine

26Aqueles ternos cafonas.


27 Um fitness guru, ator e comediante nos Estados Unidos, que tem cabelo
encaracolado e aparece sempre com roupas de ginástica.

~ 82 ~
enorme preta e chique espera por nós no estacionamento. Eu gastei
pelo melhor na minha noite de núpcias. Este é exatamente o tipo de
companheiro bacana que eu sou.

Revistando no bolso da sua roupa, o cara pega os anéis e os


levanta. — Eu os tenho. — um desliza de seus dedos. — Opa.

Isto deixa Natalie dando gargalhadas, e ela agarra meus braços,


agarrando-me enquanto ela se segura. Eu rio também, porque tudo é
engraçado esta noite. E tudo é incrível, como se minha vida estivesse
balançando em uma balsa, em uma piscina infinita sob o sol quente,
bebendo uma piña colada sem uma preocupação no mundo.

Natalie corre as mãos para cima e para baixo nos meus braços, e
eu mexo as sobrancelhas. Nós não conseguimos parar de flertar, tocar,
sorrir.

O camarada se inclina para pegar o anel quando eu ouço o sinal


revelador de uma costura se desfazendo. Eu não tenho certeza qual
parte do leisure suit se abriu, mas eu decido manter meus olhos fixos
firmemente na futura esposa, apenas no caso do Sacerdote Larry Elvis
ser um cara da moda ao natural.

— Esse é o verdadeiro opa, — Natalie diz, e agora eu sou o único


a gargalhar, agarrando a pequena cintura esbelta dela em minhas
mãos. Nada igual a rir como uma hiena em suas próprias núpcias.

— Tudo pronto agora, — o cara diz, e então ele coloca a mão no


lado de sua boca e grita: — Ei Lana! Podemos ter alguma música grand
finale?

Uma mulher em uma roupa branca de Elvis, seus seios


derramando para fora do zíper, na maior parte aberto, aparece e dá um
grande polegar para cima. — Ah, olhe para o casal feliz, — ela
murmura, em seguida, aponta por cima de nós. Talvez para o sistema
de som na capela, o qual agora toca flauta nos compassos de abertura
de uma canção que eu reconheço assim que eu ouço a primeira linha,
sobre o que dizem os homens sábios.

Uma coisa estranha acontece com o meu peito de novo, quando


eu me viro para Natalie em meus braços. É como se meu coração
estivesse sendo espremido. Eu pisco, tentando me concentrar, mas é
difícil quando ela está olhando para mim, quando Leisure Suit Larry
limpa a garganta, e o Rei sussurra nesta canção mais romântica sobre
tolos se entregando. Eu meio que sinto como se estivesse flutuando.
Deve ser todo o álcool fazendo truques comigo, fazendo-me sorrir como

~ 83 ~
um idiota, quando Natalie olha para mim, com seus olhos grandes e
cheios.

O sacerdote me entrega a aliança dela, e Natalie e eu nos


afastamos momentaneamente enquanto ele corre com os votos
familiares. Nós trocamos os anéis, e assim que eu olho para o meu dedo
recém adornado, algo desconhecido borbulha dentro de mim. Eu dou
um passo para mais perto de Natalie mais uma vez, aperto suas mãos
nas minhas, e palavras saem apressadas. Eu estou lhe dizendo como
ela é maravilhosa, e quanto eu tenho amado trabalhar com ela, e quão
ridiculamente divertida esta noite está sendo e então eu estou dizendo
todo tipo de coisas sobre o que o futuro nos reserva, e não reserva, e eu
mal consigo manter o controle de tudo o que eu estou dizendo. Estou
apenas me servindo de que tudo isso parece verdadeiro, passado,
presente e futuro. Ela acena vigorosamente o tempo todo, e eu amo isso
sobre ela - ela me entende pra cacete. Então, essa coisa desconhecida
em mim se transforma, e agora ela aperta, ajustando-se para
preocupação. Antes que eu perceba, eu digo a ela a coisa mais
importante que eu jamais lhe disse. E eu me encontro fazendo-a
prometer a me prender a isso.

— Só me prometa, Nat. Prometa-me, prometa-me, prometa-me, —


eu digo, engolindo duro, e então eu espero.

Mas não por muito tempo.

— Eu prometo, Wyatt. Eu prometo. Eu prometo. E eu entendo. Eu


entendo. Eu realmente entendo.

A tensão momentânea dentro de mim desaparece em um instante,


e meu mundo está todo nebuloso e sexy, embriagando-se de amor mais
uma vez.

Eu coloco minhas mãos em seu rosto e beijo minha esposa pela


primeira vez - um ardente, profundo e apaixonado beijo, que é um
lembrete de quão totalmente incrível pra caralho esta noite tem sido.
Ela balança levemente enquanto eu a beijo, e eu oscilo até encontrar o
meu apoio, e nós enfim nos separamos, sorridentes como tolos se
entregando.

O sacerdote pigarreia. — Não há mais morada no Hotel Coração


Partido para Natalie e Wyatt, e agora os dois estão presos um ao outro.
Pelos poderes investidos em mim, pelo grande estado de Nevada, e pelo
próprio Rei, eu agora declaro Natalie e Wyatt, marido e mulher. Mas
lembrem-se, não há retorno ao remetente. Então, é hora de vocês
ficarem abalados. Vocês estão casados! — ele empurra seus braços

~ 84 ~
cobertos de cetim dourado no ar e assovia. — Eu gostaria de dizer a
você para beijar a noiva, filho, mas você já beijou, e eu aposto que você
já fez muito mais. Então, siga o seu caminho, e faça um pouco mais
disto!

Poucos minutos depois, nós deslizamos para dentro da limusine.


Eu abro o champanhe e brindo à minha mulher enquanto nós dirigimos
ao redor da cidade, após a meia-noite, ficando na horizontal novamente.
Logo em seguida, nós paramos no Flamingo para a roleta. Quando nós
ganhamos uma rodada, um cara bêbado na nossa mesa que diz que
trabalha para um rapper, convida-nos para uma festa na suíte da
cobertura.

— Vocês são legais. Vocês têm que vir conferir a festança do


Secretariado, — diz ele, passando a grande palma da mão sobre a
cabeça raspada.

Nós trocamos as fichas e vamos, porque, por que não porra?

Especialmente depois que o rapper se chamou de um vencedor da


Tríplice Coroa28.

No último andar do hotel, a festa se enfurece. Música pulsa tão


alto que vibra nos meus ossos, e as mulheres, com pouca roupa, moem
contra os homens vestidos escassamente, e outro grupo de festeiros
montam cavalinhos de pau enquanto eles engolem suas bebidas.
Natalie e eu assimilamos tudo isso, então olhamos para a vista da Strip,
e aproveitamos o champanhe correndo de graça.

Natalie envolve sua mão ao redor da minha orelha. — Preciso


encontrar o lugar das meninas.

Isso soa como uma ideia ótima para mim também, e quando nós
já respondemos o chamado da natureza, ela espia pelo corredor, para o
final da suíte e aponta.

Puta merda.

— Há uma fodida máquina caça-níqueis Titanic na cobertura. —


eu digo, indo direto para ela, parando ao lado de uma máquina caça-
níqueis típica de Las Vegas, com frutas na tela.

— Quer jogar? Ela recebe notas, — diz ela.

28Em inglês Triple Crown, é um título quando um artista conquista três prêmios para
uma mesma música em um programa musical. É ainda mais louvável quando
acontece de forma consecutiva.

~ 85 ~
Nós deslizamos alguns dólares em sua entrada, e prosseguimos
para perder todos os nossos ganhos da roleta. Mas dificilmente isso
parece como perder, quando Natalie se instala no meu colo e envolve
seus braços em volta de mim, enquanto Jack, Rose, e um Coração do
Oceano rodopiam à vista.

Parece muito como ganhar, quando seus lábios esmagam os meus


e suas mãos deslizam para baixo no meu peito. Todo o senso de decoro
se esgueira ao virar da esquina, enquanto eu verifico se a barra está
limpa, puxo-a para trás da máquina, e faço um bom uso de outro
daqueles preservativos que ela tão atenciosamente embalou para a
nossa viagem. Ela deve ter trazido uma caixa.

Enquanto eu levanto sua perna em volta do meu quadril e dirijo


mais fundo, eu sussurro em seu ouvido. — Você é ousada pra caralho.

— E você é interessante pra caralho, — diz ela, com um gemido.

Assim que ela fica mais barulhenta, chegando ao limite, eu cubro


sua boca, pois alguém está agora no corredor com a gente, puxando a
outra máquina caça-níqueis. Quem quer que seja, cravou três cerejas,
bem quando Natalie chega ao seu terceiro clímax da noite.

Acho que todos nós estamos tendo sorte esta noite.

Nós dizemos adeus ao Secretariado e ao cara careca, agradecendo


a eles profusamente por sua hospitalidade, bem como a altura
maravilhosamente conveniente das máquinas caça-níqueis. Ainda bem
que elas eram tão altas e nos deram cobertura o suficiente. Assim que
nós saímos, nós passeamos, descendo a Strip e tiramos uma selfie no
famoso letreiro de Vegas. Natalie posta isso no Facebook, também. E
nós dançamos indecentemente na boate Egde, em um hotel mais novo.
Alguma hora depois das quatro e meia, nós voltamos para o quarto
dela. Ou talvez seja o meu. Eu honestamente não sei. A noite é um
borrão. Uma série de divertimento louco, selvagem, risadas e sexo.

Tudo o que sei ao certo, quando tropeçamos para dentro da suíte


com uma cama king size, é que esta noite está longe de terminar. Não
quando ela olha para mim com olhos sensuais, enquanto seus dedos
ocupados fazem o trabalho rápido na sua blusa e saia.

Minhas mãos cobrem as dela, detendo-a.

— Eu vou tirar a partir daqui. Está na hora de eu foder minha


esposa.

~ 86 ~
Será a primeira vez que eu a verei nua, e eu estou como uma
criança na manhã de Natal. Não há nada que eu queira mais do que o
presente da nudez da Sra. Hammer.

~ 87 ~
Treze
Falando de um modo geral, todo sexo é um bom sexo.

É uma coisa de homens. Honestamente, é apenas


anatomicamente difícil para nós termos sexo ruim. Atrito suficiente,
juntamente com algo um pouco molhado no equipamento, e as chances
são boas de que alcançaremos o big bang. Essa é a coisa agradável
sobre ser um cara.

Mas alguns sexos são melhores do que outros, e no auge está o


sexo de hotel. A escuridão da noite, o tamanho da cama, a fuga da
realidade... quartos de hotel são projetados para ótimos sexos.

Nada poderia ser mais verdadeiro para Natalie e eu neste


momento, aqui na última parada da nossa grande fuga.

O néon da noite de Las Vegas lança uma luz fraca, iluminando


seu rosto, a silhueta de seu corpo. Ela está sentada na ponta da cama.

Uma parte de mim quer despi-la lentamente, saborear cada


camada de seda e renda ao longo de sua pele lisa e macia. Mas uma
parte mais forte de mim sabe que agora não é o momento para
preliminares descontraídas, lentas e nós-temos-toda-a-noite. As luzes
vermelhas no rádio do hotel me lembram que não falta muito para o sol
nascer, para que eu guarde todas as imagens dos beijos lentos ao longo
de sua panturrilha, e carícias demoradas em toda a sua barriga que me
enlouquecem.

Além disso, seus peitos estão praticamente chamando meu nome.


Seu sutiã decotado de renda preta expõe a carne pálida, suculenta,
para morder e beijar. Em poucos segundos eles estarão livres, e eu não
tenho certeza se serei capaz de tirar as minhas mãos deles. Eu acho que
já estou apaixonado por eles.

— Não posso acreditar que eu ainda não cheguei a me familiarizar


com estas belezas esta noite, — eu digo quando eu desengancho o sutiã

~ 88 ~
com um estalo rápido. — Mas não há tempo como o presente para
corrigir isso.

Quando eu jogo o sutiã atrás de mim, a renda cai em algum


lugar, mas eu não noto ou me importo, porque os peitos dela estão
agora liberados, e eu estava certo.

É a porra do amor à primeira vista. Minhas mãos se lançam para


segurar seus peitos, e sim, é amor ao primeiro toque também, porque
maldição. Eles são espetaculares. Evidentemente, é bom para ela
também, já que ela engasga quando eu aperto e amasso. Eu esfrego
meus dedos calejados sobre os mamilos e belisco. Suas mãos disparam
para o meu cabelo. Ela enfia os dedos entre os fios e me agarra
apertado, dizendo meu nome como um gemido baixo e longo. — Isso me
excita tanto, — ela murmura.

Santo inferno, Natalie tem mamilos insanamente sensíveis, e eu


adoro seus peitos. Quem poderia prever uma união mais perfeita?
Talvez minhas mãos devessem se casar com seus peitos.

— Você não vai se importar se eu simplesmente verificar com


precisão o quanto excitada você está? — eu provoco.

— Por favor, fique à vontade para realizar um teste adequado e


completo... inspetor Hammer, — diz ela com um sorriso.

Eu sorrio e desço uma mão para sua barriga, então, quando eu


deslizo minha mão entre suas coxas, eu paro de rir. Nem mesmo eu não
consigo fazer uma piada sobre este tipo de umidade, porque é
simplesmente fantástica pra caralho. Ela está embebida através da sua
calcinha.

Lindamente encharcada.

Eu me empurro contra ela, meu grande corpo empurrando o dela


para baixo na cama. Ela se arrasta para trás e se apoia em seus
cotovelos. Eu passo por cima dela, minhas roupas ainda vestidas.

Eu abaixo minha cabeça contra seu peito, puxo um mamilo em


minha boca e chupo forte. Ela vem contra mim quando eu lambo, e
chupo e beijo seus mamilos. Este é o verdadeiro prêmio - aprendendo
como minha mulher gosta de ter seus mamilos tocados.

Ela geme e grunhe, e pega a minha cabeça novamente.

Ela me dá uma chave de pescoço, e acredite em mim, esta garota


sabe como executar esse movimento, mas não há nenhuma maneira

~ 89 ~
que eu esteja largando deste belo peito em minha boca. Nada com que
se preocupar. Você não teria que me arrancar desse pequeno pedaço do
céu. Ela abre suas pernas e se balança para cima de mim, enquanto eu
puxo o mamilo mais profundo, sacudindo minha língua contra ele,
então mordendo. Ela deixa escapar um gritinho.

— Isso me deixa louca, — ela geme, sem largar de mim, e eu me


pergunto momentaneamente se ela realmente poderia gozar a partir
deste tipo de jogo. Parece uma fantasia improvável, mas eu estaria
disposto a ir até o fim e descobrir. Enquanto eu devoro seu peito, minha
mão aperta o outro peito, amassando, beliscando, e puxando até que
Natalie se debate debaixo de mim.

Jesus Cristo, esta mulher é mais do que interessante na cama.


Ela é elétrica. Ela é selvagem. Ela é tão malditamente sensual e em
sintonia com seu corpo. É viciante, o jeito que ela quer o que eu quero.
Ela empurra a minha cabeça e me olha. Seus olhos estão
enlouquecidos, famintos, quando ela enfia as mãos entre nós, à caça do
meu jeans e apalpando pelo zíper. — Agora, Wyatt. Eu preciso de você
agora. Eu preciso de você dentro de mim.

Simplesmente há certas palavras que causam ação instantânea


em um homem. Não importa o que mais você esteja fazendo, quando
uma mulher diz, ‘eu preciso de você dentro de mim’, você para, desiste,
e atende ao chamado.

Em segundos, Natalie está tirando sua calcinha, e eu estou nu


também, esfregando a cabeça do meu pau contra o paraíso escorregadio
da sua buceta. Ela agarra minha bunda. Suas mãos em mim faz minha
cabeça girar. Porra, eu a quero tanto. Esta noite não será suficiente
para saciar esse desejo.

Eu começo a empurrar para dentro dela, quando eu me dou conta


que o meu pau está nu em pelo.

— Merda, — eu amaldiçoo, pendendo minha cabeça para baixo.

— O que é?

— Camisinha. Preciso conseguir uma.

Mas suas mãos me agarram mais forte. — Estou tomando pílula.


Você está limpo?

Eu concordo. — Limpo como nunca.

~ 90 ~
— O mesmo aqui. — ela levanta o rosto e traz seus lábios ao meu
ouvido. — Eu acho que o meu marido pode transar comigo sem
camisinha.

E é o suficiente. Algo sobre o jeito que essas palavras caem de sua


boca em tal ronronar convidativo, se torna impossível resistir.

Eu afundo dentro dela, e é impressionante. Ela é quente e


apertada, e a umidade é infinitamente mais maravilhosa, porque eu a
sinto sem barreiras. Pele contra pele. Dureza contra o calor. Ela e eu.
Ela levanta os joelhos e os tornozelos se engancham contra a parte de
baixo das minhas costas, e eu bombeio. Eu meto dentro e fora dela.
Observando seu rosto. Estudando sua reação. Amando o jeito que ela
respira forte e geme.

Ela é tão barulhenta, e seus sons são uma droga. Eu amo que ela
não consegue se segurar. Que ela é uma gemedora, e um ‘oh Deus’, e
um ‘sim, assim’. Torna o meu trabalho muito mais fácil saber o que a
senhora gosta.

E para todos os efeitos, a senhora gosta quando eu a fodo.


Quando eu cravo bem fundo. Quando eu golpeio para trás, quase
puxando para fora dela. E quando eu deixo cair o meu rosto na Terra
dos Doces de seus seios de novo, chupando cada mamilo até que ela
gema.

Quando eu solto, eu movo minha boca para seu pescoço,


mordendo-a. Minha recompensa é ela levantando seus quadris mais
rápido e mais selvagem, enquanto seus ruídos entram em curto
circuito.

Eu a levo com golpes profundos e rápidos. — Eu amo isso. Eu


amo sua buceta quente e molhada, — eu falo com a voz áspera. — Amo
pra caralho foder você.

— Amo isso, também, — diz ela em um ofego quebrado.

Suor desliza pelos nossos peitos, e o quarto enche com os sons de


nós. Carne se batendo, grunhidos selvagens, gritos guturais, e a cama
batendo na parede. Este é um sexo de hotel. Esta é a corrida furiosa ao
longo da via rápida para uma liberação ardente.

Ela se remexe e se contorce, então ela arrasta as unhas nas


minhas costas.

— Deixe marcas, — eu digo a ela, como um comando.

~ 91 ~
— Eu vou deixar, — diz ela, cavando mais fundo e arranhando
minha carne de um jeito que envia uma espiral de calor em todos os
cantos do meu corpo. Eu gosto disso áspero. Eu gosto da evidência de
sexo violento também.

Ela levanta a cabeça e me beija, um beijo duro e faminto, cheio de


dentes e necessidade. Nós agarramos na boca um do outro, enquanto
eu soco dentro dela, e ela me incita com impulsos que encontram os
meus, e unhas que cavam na minha bunda.

Quando nossos lábios perdem contato, os olhos azuis dela


bloqueiam com os meus, e eles são tão honestos, tão cheios de desejo.

E eles me desarmam. Eles me despem de todas as minhas


defesas. Eles ameaçam desfazer todas as razões que eu conheço pelo
qual não podemos fazer isso durar para além desta noite. Eles fazem
meu coração bater mais forte, e eu vou mais devagar.

Eu alivio o ritmo.

Eu dou um tempo do nosso amor implacável. O mesmo acontece


com ela, enquanto suas mãos deixam de arranhar. Em vez disso, elas
viajam ao longo das minhas costas, para cima até o meu pescoço, e no
meu cabelo, fazendo-me tremer.

Os ruídos entre nós desaparecem para apenas respiração, apenas


gemidos roucos. Minha mão chega até seu quadril, e eu levanto sua
perna mais alto enquanto eu a fodo lentamente. Eu abaixo meus
cotovelos, e eu olho dentro dos seus olhos. Ela treme. Todo o seu corpo
estremece.

— Oh Deus, Wyatt, — ela sussurra.

Ela não está barulhenta e descontrolada. Ela simplesmente está


crua e real agora, e eu me sinto do mesmo jeito. Nu, totalmente nu do
caralho, e não apenas porque eu estou como vim ao mundo.

Mas porque isso me atinge forte - não importa o que o amanhã


traga, hoje a noite eu estou transando com minha esposa. Eu trago
minha boca para seu ouvido, e murmuro: — Eu amo foder minha
esposa. Deus, eu amo foder minha esposa, muito.

É a verdade. Nada além da verdade.

E ela grita.

~ 92 ~
Ela desmorona, tremendo debaixo de mim, enquanto uma série,
que quase não dá para compreender, de ‘oh Deus’, e ‘eu estou gozando’,
e ‘eu estou gozando tão forte’, caem de seus lábios. Eu amo que ela não
consegue controlar sua boca, que palavras de prazer derramam para
fora quando ela se desfaz sob mim, como um orgasmo categoria cinco
que varre através de seu corpo, desencadeando onda após onda
colidindo em êxtase. Sua libertação aciona o interruptor em mim. Meus
quadris apertam. Minhas bolas comprimem. E prazer surge como uma
tempestade no meu corpo, espalhando-se por toda parte, os meus
próprios gemidos agora altos o suficiente para acordar os vizinhos.

— Porra, Natalie, — eu gemo, quando eu gozo dentro dela. —


Jesus. Fodido. Cristo.

Cada palavra pontua a intensidade que me acende enquanto meu


corpo sacode, e eu não consigo parar de gemer, ou grunhir, ou falar
palavrões.

— Puta que pariu, — eu digo em um longo ofego quando eu


desabo sobre ela.

Seus braços enrolam em volta de mim. — Você é tão barulhento,


— diz ela. — Você tem alguma ideia de como é sexy quando você goza
assim?

Eu rio levemente. — Que bom que você gosta do que você faz
comigo.

— Nada é mais sexy do que saber que eu te faço gemer.

— Exceto você. Você é mais sexy, — eu digo, e então eu levanto


meu rosto para escovar meus lábios levemente contra os dela, quando
algo me ocorre.

Sim, todo o sexo é bom, mas nem todas as relações sexuais são
criadas igualmente. Eu não estou falando apenas de sexo de hotel.
Porque eu acabei de aprender que sexo com Natalie tem uma
classificação própria. Está além do sexo de hotel. É mais do que
incrível. É melhor do que o melhor dos sexos.

É magnífico de parar o coração.

E eu não sou o tipo de cara que usa essa palavra.

Mas sexo com ela é realmente magnífico.

~ 93 ~
Eu estou suando e ofegante, e totalmente gasto, e eu tenho
certeza que você pode torcer o álcool dos meus poros, mas esta tem sido
uma noite para entrar para a história. Eu a puxo junto, tiro o cabelo de
sua bochecha, e digo a ela:

— Ninguém na história de Vegas curtiu esta cidade tão bem


quanto nós curtimos.

Ela sorri.

— E ninguém nunca irá.

E eu tenho certeza que quando eu olhar para trás nesta noite, eu


vou saborear cada delicioso detalhe.

~ 94 ~
Catorze
Natalie: Lembra de Se Beber não Case? Aquela cena da manhã
seguinte?

Charlotte: Este é o seu jeito de me dizer que você perdeu um


dente? Porque eu não estou bem com isso. Você tem dentes muito
bonitos, brancos e retos.

Natalie: Ah, ha. As presas estão bem. Minha cabeça ainda dói,
mas minha garganta ficou intimamente familiarizada com alguma
aspirina e um café fraco, então eu estou sobrevivendo às
consequências. Agora, tente novamente.

Charlotte: Ah, espere! Bradley Cooper está sem camisa em sua


suíte?

Natalie: Não. Mas uma menina pode sonhar :)

Charlotte: Hum, Zach Galifianikas está... sem calças?

Natalie: Mais um palpite.

Charlotte: Há um tigre na sua banheira?

Natalie: Eu estou tirando seu cartão de filme. Continuando...

Charlotte: *insira virada de olhos épica* Você usou todos, alguns


ou nenhum dos seis pacotes de capas de chuva que você levou com
você? Você ficou bêbada com seu chefe? Beijou seu chefe? Dormiu com
seu chefe? Passou a noite com seu chefe?

Natalie: Nós usamos quase todas. O que significa sim para todos
os itens acima. E há uma coisa que eu tenho que te dizer.

Charlotte: !!!!!!!! Conte-me tudo agora. Comece com as coisas


boas. COMO FOI A AÇÃO?

~ 95 ~
Natalie: Foi incrível. Olha, tudo foi incrível. Bem, uma coisa não
foi. Mas eu vou chegar a isso.

Charlotte: O quê??? Ele tem bafo? Dedos feios? Ele peida


enquanto dorme?

Natalie: NÃO!!!!! NÃO!!!! NÃO!!!

Charlotte: Então o que seria ruim?

Natalie: Em primeiro lugar, as coisas boas. O beijo, a conversa, a


risada. Nós nos damos tão bem. Ele me enlouquece. Ele se preocupa
comigo. Ele é bom para mim. E ele me beija como... bem, como eu
sempre quis ser beijada.

Charlotte: Desmaiei... como se o mundo fosse acabar e nada


mais importa, a não ser o beijo?

Natalie: Sim. E o sexo. Oh querido Deus, o sexo. Além de


qualquer coisa que eu poderia imaginar.

Charlotte: E você tem uma boa imaginação.

Natalie: Eu tenho, eu tenho, eu tenho. Foi tudo tão bom. Mas há


algo que eu tenho que te dizer.

Charlotte: Você não gozou?

Natalie: Não, eu não parava de gozar. Perdi a noção. Eu tive vinte


orgasmos. Talvez seis. Mas parecia como vinte. Ou duzentos.

Charlotte: Então, qual é o problema? Bem, além do pequeno


problema dele ser o seu chefe e você ser sua empregada e eu, portanto,
sendo uma irmã muito ruim por encorajar você a perseguir o homem
pelo qual você está totalmente querendo? Desde que todos sabem que
relações patrão-empregado são um monumental simplesmente-não, e
sempre termina em coração partido. Mas, se alguém quebrar seu
coração, eu vou chutá-lo nas bolas vinte vezes porque eu te amo como
louca. Resumindo - eu estou chutando-o nas bolas?

Natalie: eu *talvez* tenha casado com ele na noite passada. (Olá?


Você não se lembra de Ed Helms acordando casado?)

~ 96 ~
.

Natalie: Hum. Olá? Você está aí? Bueller29?

Charlotte: &*$#% ^

Charlotte: DIGA-ME QUE VOCÊ ESTÁ BRINCANDO.

Charlotte: Diga-me que é uma das suas patenteadas piadas


Natalie-está-me-gozando???

Natalie: Não grite comigo! Isso faz minha cabeça doer!

Charlotte: Raios, eu vou gritar com você por algo assim! E porque
você não me contou antes?

Natalie: Eu estava tentando, mas depois chegamos às questões


sexuais. De qualquer forma, relaxe. Eu entrei em pânico um pouco
quando acordei, mas depois que a cafeína e a aspirina me ajudaram a
recuperar algumas das minhas células cerebrais perdidas, eu já tenho
um plano para corrigir isso.

Charlotte: Eu não posso acreditar que você se casou com ele. Eu


sei que você é louca por ele. Mas você está louca, porra????

Natalie: Nós estávamos realmente bêbados.

Charlotte: Bem, descase dele. Tipo, agora.

Natalie: Eu irei. Obviamente.

Charlotte: Como isso aconteceu?

Natalie: O sacerdote disse ‘Eu agora os declaro cão de caça e


mulher’. Ou algo assim.

Charlotte: Não a cerimônia real. EU SEI como os votos


acontecem. Eu quero dizer TUDO O QUE ANTECEDEU AO
CASAMENTO.

29Baseado no filme Curtindo a Vida Adoidado (Ferris Bueller's Day Off ) de 1986; onde
o professor na sala de aula chama o personagem principal Bueller várias vezes na
chamada, mas ele não responde porque não está.

~ 97 ~
Natalie: Nós estávamos na gôndola. Outra pessoa fez a proposta.
Nós decidimos fazer isso também. Parecia como uma ideia brilhante,
divertida e incrível naquele momento, como todas as ideias parecem
quando você tomou uma meia dúzia de bebidas. Então, nós nos
casamos. Em seguida, fizemos mais sexo. Na limusine. Atrás de uma
máquina caça-níqueis. Mas antes disso foi em uma máquina de pinball.
E mais ou menos em uma montanha-russa, também.

Charlotte: Tudo bem, você ganha uma medalha para


Surpreendente Desempenho em Sexo Público. E eu entendo que foi o
melhor sexo da sua vida, mas você não pode deixar isso fritar seu
cérebro, querida. Quero dizer, namorar com ele, talvez, Nat. Mas não se
casar com ele.

Natalie: Não se preocupe. Nós não ficaremos casados muito mais


tempo. E nós não estaremos namorando, também.

Charlotte: Por quê??? Esqueça tudo o que eu disse acima sobre


isso sendo uma má ideia. Você disse que ele é bom para você. Por que
não namorar?

Natalie: Droga. Ele está acordando. Eu direi a você quando eu


voltar para Nova York.

Charlotte: Morrendo aqui esperando...

~ 98 ~
Quinze
O grande astro no céu ressoa furiosamente através da janela,
atirando raios brilhantes de luz que agridem meus olhos. Eu aperto
minhas pálpebras, esfregando-as, tentando querer afastar o ataque do
sol implacável.

Mas minha cabeça...

Quando a minha cabeça começou a dar a impressão de uma bala


de canhão? Espere. Não, isso parece mais como uma zona de
construção, e um exército de pequenos homens irritados estão
perfurando dentro do meu crânio. Eu gemo e arremesso um braço sobre
meus olhos.

Uma pequena voz fala suavemente. — Ei, hora de levantar.

Eu me encolho, não da voz, mas da realidade. Realidade é um


saco. Minha boca está uma serragem. Minhas veias labutam com lama.
Minha cabeça pesa cinquenta toneladas.

Ressacas são divertidas, disse quem nunca teve.

— Bela Adormecida, — a voz sussurra, acompanhada por uma


chacoalhada suave no meu ombro.

Eu sento na cama, arrasto a mão pelo meu cabelo bagunçado,


então cubro a minha boca enquanto eu bocejo e... que porra é essa na
minha mão esquerda???

Eu sento completamente ereto, cérebro bala de canhão que se


dane.

Eu levanto a minha mão como se tivesse sido costurada por


extraterrestres em meu sono. Porque há uma porra de uma aliança de
ouro no meu dedo.

~ 99 ~
Sim. Aliens. UFOs. Marcianos. Essa é a única explicação razoável.
Homenzinhos verdes me visitaram ontem à noite e enfiaram um anel de
casamento no meu dedo.

Eu viro a cabeça levemente e vejo uma loira na minha cama. Ela


deve ser a dona da voz macia. Ou talvez ela seja um anjo. Parece com
um. O sol brilha intensamente, e eu cerro os olhos, mas eu posso ver
que ela está sorrindo, um pouco melancólica. Porra, ela é bonita, e seus
olhos são o tom mais quente de azul que eu já vi. Eu cubro minha boca,
porque o meu hálito deve estar a níveis lata de lixo agora, e infectando
uma linda como ela com a boca da manhã é um crime.

Eu pisco.

Puta merda.

Esta é a minha assistente na minha cama, vestida com uma


blusa cinza e calça jeans, com o cabelo molhado torcido em um coque
no alto da cabeça.

E eu estou vestido como se eu estivesse prestes a ir nadar nu.

Eu coço a cabeça. Talvez eu liguei para ela na noite passada.


Implorei a ela para vir me resgatar de seja quais foram as travessuras
que eu tenha me metido, com seja lá quem estiver usando a outra
metade deste par de anéis. Cara, eu não tenho nenhuma ideia com
quem eu me casei ontem à noite, ou quando Natalie, sempre eficiente e
super organizada, chegou para salvar a minha bunda. Talvez eu ainda
esteja bêbado.

Nota para mim: Exibir um pouco mais de decoro com os


funcionários no futuro.

— Preciso escovar os dentes, — eu digo, e me embaralho para fora


da cama.

Embaralhar pode ser um exagero. Mais como arrastar a minha


bunda de ressaca lamentável para fora da cama. Ah. Certo. Bunda nua,
também. Eu realmente preciso trabalhar no decoro, urgente.

Mas a natureza chama. No banheiro, eu dou uma mijada épica


que dura tanto tempo que eu poderia precisar chamar o Guinness e
entrar na Mais Longa Mijada de Todos os Tempos. Enquanto eu estou
nisso, eu gostaria de fazer campanha para mudar a frase dar uma
mijada para deixar uma mijada porque ninguém realmente dá xixi.

~ 100 ~
Eu dou descarga, lavo as mãos e escovo o hálito de fedor da
manhã seguinte da minha boca.

Melhor. Estou semi-humano agora.

Nada, isso é muito generoso. Mais como um quarto humano. Eu


abro a torneira, jogo água fria no meu rosto e nos meus olhos, e olho no
espelho. Então, o meu anel. Então de volta no espelho.

— Que porra você fez na noite passada, Hammer? — eu


murmuro.

Os olhos de Natalie brilham de volta para mim no espelho. Eu


giro ao redor e estremeço, gemendo quando a perfuração na minha
cabeça recomeça.

Ela segura uma xícara de café em uma mão e aponta para o


balcão de mármore com a outra. — Há aspirina. Eu enfileirei algumas
para você quando me levantei e tomei as minhas. Parece que você
precisa.

Eu pego os dois comprimidos brancos, atiro-os na minha língua, e


os mando goela abaixo, em uma missão de misericórdia para tirar a dor.
Ela empurra o café para mim. — Já que você é uma puta do café, — diz
ela com uma piscadela astuta.

Eu o pego e agradeço a ela. Ela é parte-anjo, depois de tudo. Eu


bebo um pouco da substância de sustentação-da-vida, e seus poderes
restauradores começam a chutar. Talvez eu esteja me aproximando da
metade do caminho humano agora.

— Você está bem? — sua voz é suave e carinhosa. — Eu não me


senti tão atraente quando eu acordei, também. Mas eu estou
administrando melhor agora.

Eu dou de ombros, tentando levar isso numa boa, o que não é


ajudado pelo fato de que eu estou balançando livremente esta manhã.
Embora, ela não parece perturbada pela falta da minha calça. Devo
realmente dar a esta mulher um aumento. Ela é imperturbável. Ela
esteve acima e além da chamada do dever. — Sim, claro. E desculpe por
tudo isso. — eu gesticulo para a minha virilha, que está indo para o
território da ereção matinal.

Ela me lança um pequeno sorriso.

Jesus Cristo.

~ 101 ~
Eu poderia possivelmente atravessar mais algumas linhas de
comportamento inapropriado com ela? Meus olhos pousam em sua mão
esquerda, e o anel combinando.

Meu coração para de bombear. Minha respiração gagueja. O chão


desaba.

Eu fecho meus olhos. De jeito nenhum. De jeito nenhum. De jeito


nenhum. Isto é apenas um sonho. Um sonho muito vívido. Eu realmente
não cruzei essa linha. Mas quando eu abro meus olhos, ela está aqui,
eu estou aqui, e também estão os anéis. Meu coração galopa longe do
meu peito e rouba a minha sanidade mental com ele.

Eu aponto.

Embasbaco.

Tento falar.

— Que po...?

Ela estaciona a mão em seus quadris.

— O quê? Existe um tigre na banheira?

— Hã?

— Você perdeu um dente?

Minha mão vai para a minha boca. Não, por favor, Deus, não - eu
tenho pesadelos sobre isso. Eu amo meus dentes. Anos de aparelho
para deixá-los retos, e agora eles são um fantástico conjunto de dentes
reluzentes. Correndo os dedos sobre eles, eu solto um suspiro de alívio.
Ufa. Eles são todos bem. — Os dentes estão bem.

— Ou isso é a coisa que está aterrorizando você? — ela levanta


sua mão, brandindo a aliança correspondente mais uma vez. — Você se
casou comigo ontem à noite, bobo. — ela revira os olhos. Eles estão um
pouco vermelhos, como se ela não tivesse dormido muito, assim como
eu. — Eu não posso acreditar que você não se lembra.

— Nããão, — eu digo friamente, mentindo pra cacete. — Eu me


lembro de tudo. Está tudo claro como cristal.

Ela ergue a cabeça, estudando-me. — Está?

Eu arrasto uma mão ao longo da parte de trás do meu pescoço,


determinado a obter uma ajuda sobre este grande espaço em branco

~ 102 ~
gigante dentro da minha mente. — Sim. Está em Technicolor aqui em
cima, — eu digo, dando um tapinha na minha cabeça.

— Isso é ótimo, então. Você não será surpreendido quando os


policiais aparecem em breve para tomar um depoimento sobre como
você se despiu e ficou como veio ao mundo, saltou dentro da fonte do
Bellagio e gritou, ‘Junte-se a mim, Mãos Levadas’.

Dim-dom, dim-dom, dim-dom.

É isso. Com essas palavras, fragmentos da última noite vêm à


superfície. Lembro-me de uma costeleta, uma montanha-russa, suas
mãos brincalhonas, uma bebida gigantesca, uma proposta louca e
então a minha cabeça gira. Eu balanço, agarrando a pia. Mais entra em
foco. A transa e os beijos e a conversa e, então a brilhante ideia, como
se nós nunca tivéssemos tido uma melhor do mundo, para nos
casarmos.

E assim fizemos.

Porque... estávamos bêbados em Vegas.

Puta merda.

Eu beijei minha assistente.

Eu transei com minha assistente.

Eu me casei com minha assistente.

Eu quebrei a minha regra de ouro. Porque eu não, como em


nunca, misturo negócios e prazer. Mas, pelo que consta, na noite
passada eu pisei nesta regra de forma espetacular.

— Ah, e aparentemente há um vídeo viral circulando de você


escalando o letreiro de Vegas. — ela acrescenta. — Como um macaco na
árvore.

Ela está brincando comigo, mas, em vez de deixar transparecer


que eu estou tropeçando, adoto o meu melhor sorriso brincalhão. — Eu
sou ágil, mas eu não sou tão ágil, querida. Eu precisaria de ventosas em
minhas mãos para fazer aquilo. — em um esforço para recuperar
alguma memória de credibilidade com ela, eu disparo: — Talvez se você
dissesse que eu escalei uma montanha-russa, eu acreditaria em você.
Ou uma máquina de pinball.

Eu simplesmente não consigo compreender que aquele festival de


transas levou a uma proposta, e eu não consigo parar de olhar para o

~ 103 ~
meu dedo, ou, quanto mais tempo eu olho, maior a chance de que ele
desaparecerá. Mas não está levando a um ato de desaparecimento,
embora os detalhes do casamento em si são apenas um borrão, como
um raio de neon através da noite. Eu consigo me lembrar de um cara
em um leisure suit dourado apertado, algumas músicas do Elvis, rindo
como um louco com Natalie, então um rápido ‘Aceito’. Em seguida, um
passeio em uma limusine, brindando, metendo nossas cabeças para
fora da janela, o ar da noite explodindo em nossos rostos e nos
refrescando do calor de tudo isso... transando.

A memória dos sons que ela fez quando ela gozou explode através
do meu cérebro, como um coro do seu prazer, agitando meu pau para
saudação total.

Por que, ah por que, se o sexo com ela teve que ser tão
ridiculamente sublime?

Ela dá um tapinha no pulso dela. — Nosso voo sai em duas horas,


Bela Adormecida. Eu fiz uma pequena pesquisa antes de você sair da
cama, e parece que há tempo suficiente para você tomar banho e para
nós obtermos uma anulação, pegar um carro para o aeroporto e fazer a
nossa partida. Eu já fiz o check-in no nosso voo, e nós simplesmente
podemos ir à triagem do TSA30 já que somos da primeira classe. — diz
ela, esfregando uma palma contra a outra.

Minha mente gira com ruídos de chicotadas. Nós nos casamos


ontem à noite, e Natalie já preparou a fuga desta má decisão? Como ela
faz isso? Ela boceja, a única evidência de que a noite passada teve um
efeito sobre ela também, mas então, ela volta ao normal em um piscar
de olhos. Maldição, ela tem habilidades de recuperação de ressaca
impressionantes.

— Você já encontrou alguém? — eu não deveria estar surpreso.


Isto é o que ela faz. Ela é impecavelmente organizada e uma planejadora
mestre. Ainda assim, este é um novo nível de eficiência, mesmo para
ela.

— Eu encontrei. Nós estaremos solteiros antes que você perceba,


— diz ela, em seguida, faz um gesto de enxotar. — Mexa-se.

— Você reservou a anulação antes mesmo da gente se amarrar?


— eu digo, tentando fazer uma piada. — Admita - você me trouxe aqui

30
Transportation Security Administration, órgão que foi criado após o atentado terrorista às
Torres Gêmeas de 11/9, para reforçar a segurança nos aeroportos.

~ 104 ~
planejando me levar até ao altar e se aproveitar perversamente de mim.
Você me enganou, não foi?

Mas, a julgar do sulco de suas sobrancelhas, eu falhei


miseravelmente no departamento de humor. — Enganei você?

— Sim. Então, você poderia me ter toda a noite.

Ela suspira pesadamente. — Isso implicaria que eu pretendia me


casar com você na noite passada.

— Espere. De quem foi a ideia, então?

Ela olha para mim como se as palavras que saem da minha boca
fossem estranhas. Talvez elas sejam. Quando ela fala, seu tom é atado
com frustração. — Ambos. Nós nos casamos porque estávamos bêbados
e ousando e nos divertindo, não porque eu planejei isso. — diz ela,
tocando seu peito. — Nós dois acordamos de ressaca. Nós dois
acordamos chocados. Eu sou simplesmente aquela a tentar desenrolar
a bagunça que ambos fizemos para ter certeza de que nós ainda
chegaremos em casa a tempo. Graças às minhas incríveis habilidades
de pesquisar no Google, bem como a minha capacidade surpreendente
de acordar antes de você, eu consegui isso. Não através de alguma
façanha de um truque supremo. Enfim, eu localizei um assistente
jurídico que não está muito fora do caminho quando nós formos para o
aeroporto. O serviço de carro estará aqui em trinta minutos. Agora, se
você me der licença, eu preciso secar o meu cabelo.

Ela se vira nos calcanhares. Mas antes que ela saia, ela encaixa
seu olhar de volta para mim, então percorre seus olhos pelo meu corpo.
— A propósito, bela ereção. No caso de você ter esquecido esta parte da
noite passada, nós transamos quatro vezes, e você gozou mais forte e
mais alto do que eu tenho certeza que você nunca gozou antes.

Ela sai, e os meus pés estão colados aos ladrilhos do banheiro, e


meu pau aponta na direção dela, querendo uma repetição.

— Para baixo, menino, — eu murmuro, mas o meu pau não ouve,


porque o que ela acabou de dizer foi sexy pra caralho. Assim como todos
os orgasmos na noite passada.

— Você era barulhenta também, — eu grito, quando eu marcho


para o chuveiro, ligo-o alto, e tento lavar o remorso. Porque tão gostoso
quanto o sexo foi, eu tinha certeza que eu seguiria em frente da minha
passagem de más escolhas com mulheres. Eu tinha estado em

~ 105 ~
reabilitação, mas eu tinha aprendido minha lição, e eu tinha seguido
minhas próprias diretrizes.

Até a noite passada.

Quando eu tive uma recaída com sucesso.

Eu dobro minha cabeça sob o fluxo, deixando a água quente


escaldar meu pescoço e correr pelas minhas costas. Enquanto eu me
ensaboo, uma explosão de memórias lutam o seu caminho até a minha
cabeça, lembrando-me dos dois grandes erros em meu passado quando
se trata de mulheres. Imagino Roxy, seu sorriso sexy que me ganhou,
então a carta dela anos mais tarde tentando me rasgar em pedaços.
Dada a forma como toda a merda aconteceu com ela, eu estava
cauteloso e cuidadoso com Katrina. De pouca coisa isso serviu. A cadela
me hackeou de qualquer maneira.

Meu peito aperta dolorosamente enquanto eu imagino esta doce,


beleza loira na outra sala fazendo o mesmo. Natalie poderia me pôr no
espeto e ter o meu negócio para o almoço. Ela é a senhora Hammer
agora. Ela tem acesso ao que é meu, e eu não consigo parar de imaginá-
la pegando os números do meu cartão de crédito, roubando minhas
coisas, cavando suas garras.

Mas é loucura pensar isso.

— Controle-se, — eu murmuro, porque Natalie nunca me ferraria.


Ela não é como aquelas outras. Ela não é um tipo de mulher chute-o-
nas-bolas.

Exceto... você só a conhece a seis meses, camarada.

Eu esfrego minha pele mais forte e tento me convencer a sair do


precipício. Eu estou sendo ridículo. Natalie e eu passamos uma noite
juntos, e ela já organizou a anulação para corrigir o nosso erro. Só
porque eu tive algumas garotas malucas atrás de mim, não significa
que a garota que eu comi na noite passada vai pirar também.

Mas, chamando-a de a garota que eu comi parece errado,


especialmente quando o metal no meu dedo brilha para mim,
lembrando-me do quanto muito mais do que comer isso foi com ela.
Fragmentos de risadas e leveza colidem no meu cérebro, juntamente
com uma memória de beijos carinhosos e doces, de uma conexão que
parecia mais profunda.

Eu não simplesmente a comi a noite passada. Estou certo disso.


O que aconteceu entre nós dois foi muito mais do que isso.

~ 106 ~
Eu estou igualmente certo de que não pode acontecer novamente.

~ 107 ~
Dezesseis
Trinta minutos mais tarde, meus óculos escuros estão colocados,
minha dor de cabeça tem diminuído para maçante, graças à aspirina, e
eu deslizo em um carro legal com ar-condicionado que nos leva a um
centro comercial. Nós não nos falamos toda a viagem. Eu nem sei o que
dizer. Ela não parece querer se envolver, tampouco. Talvez eu a irritei
com o meu comentário me enganou. Ou talvez ela só conseguiu a mãe
da ressaca das dores de cabeça também.

Nós estacionamos em frente ao Easy Out Divorce.

Um homem de trinta e poucos anos com um brinco de diamante e


uma camisa roxa listrada caminha para fora para nos cumprimentar.
Ele aperta as mãos sociavelmente e nos conduz para o seu escritório
simples com uma mesa de metal, e nos explica sobre o processo com
um comportamento alegre.

— E isso é tudo que vocês precisam fazer, — diz ele, dando um


sorriso. — Será $199 para a preparação da papelada, e então vocês
precisariam registrá-la no tribunal vocês mesmos, e a taxa de depósito é
de $269. Vocês podem fazer isso na segunda-feira. Nós vamos dar as
instruções.

Natalie balança a cabeça. — Precisamos do pacote de serviço


completo. Nós estamos voando de volta agora.

Ele estala seus dedos, sua percepção despertando. — Certo, certo.


Nós conversamos sobre isso no telefone esta manhã. Vocês são os nova-
iorquinos. — ele bate suas grandes mãos juntas. — Nós precisaremos
protestar para acelerar isto, e faremos tudo para vocês. Vamos preparar
a anulação conjunta, registrá-la e pagar as custas judiciais. — ele faz
um gesto se abatendo com sua mão. — Então, nós pegaremos o decreto
da anulação assinado pelo juiz. — agora, ele faz a mímica de assinar
um papel. — E tudo isso por apenas $799. Você pode fazer um depósito
ou pagar tudo agora. O que soa bom para você?

~ 108 ~
— Depósito — Natalie diz, ao mesmo tempo que eu declaro: —
Pagar tudo agora.

Os olhos do cara se arregalam e ele ergue as mãos como se


dissesse me mantenha fora disso.

— Eu prefiro fazer um depósito, — Natalie diz em voz baixa, mas


firme.

— Eu resolvo isso. — eu pego meu cartão de crédito da minha


carteira.

Ela range os dentes, em seguida, fala em um silvo baixo para


mim, — Eu acho que nós dois podemos pagar o custo da anulação,
Wyatt.

— Não há necessidade. Eu cuidarei disso.

— Eu quero dividir a taxa. — cada palavra sua é uma mordida. —


E se nós continuarmos a brigar sobre isso, isso vai fazer a minha dor de
cabeça retornar.

Idem, então eu não vou insistir neste ponto. Nem vou ceder a sua
postura ‘vamos dividir a conta em um divórcio’. — Nós só precisamos
fazer isso logo, Nat. Pare de discutir e poderemos lidar com isso mais
tarde.

Ela cruza os braços quando eu entrego o meu cartão para o cara e


digo a ele: — O serviço completo.

Ele faz o pagamento, nos diz onde assinar na linha pontilhada, e


diz que vai nos manter informados. — Parabéns em recuperar a
solteirice, — diz ele com um sorriso e um aceno.

Ao sairmos, Natalie me dá uma encarada. — O que foi tudo


aquilo? Por que você quer pagar por isso?

— Porque foi o meu erro.

— Ah. Certo. Claro. — ela paira sobre essas palavras, em seguida,


me lança um olhar fixo de aço. — Então, voltando ao hotel, eu poderia
ter te enganado? Mas agora é o seu erro? — eu começo a responder,
mas ela não me dá espaço para falar, quando ela se aproxima, ficando
na minha cara. — Talvez eu quisesse pagar para desfazer isso também.
Você não é o único que cometeu um erro.

— Não foi isso que eu quis dizer, — eu digo, quando eu abro a


porta para ela.

~ 109 ~
— Bem, o que você quis dizer?

— Olha, — eu digo enquanto eu a sigo para dentro do carro e o


motorista arranca. — Eu sinto muito. Eu sinto muito que as coisas
ficaram loucas na noite passada. Eu sinto muito que eu sugeri nos
casarmos. Eu sinto muito que a noite inteira foi uma bagunça.
Desculpe-me por tudo. Então, o mínimo que eu posso fazer é pagar por
isso.

Ela fecha os olhos como se isso doesse nela. — Agora, eu


realmente sinto muito. — sua voz é calma, derrotada.

Eu não tenho nenhuma ideia de como fomos de, ter a noite de


nossas vidas, para pirraçar como um velho casal. Ah, certo. Nós
casamos. Isso foi o como. Fizemos algo insuportavelmente estúpido.
Mas pelo menos podemos desvendar esse grande erro. — Olha, quanto
mais cedo isso acabar, melhor, certo?

— Absolutamente.

— E acabará em breve. Como o cara disse. — enquanto o carro


roda ao longo da rodovia, eu tento aliviar o clima. — Ei, eu acho que o
ditado é realmente verdade. O que acontece em Vegas, fica em Vegas.
Nós voltaremos para Nova York com uma página limpa. Será como se a
noite passada nunca tivesse acontecido.

— Com certeza será, — diz ela com os lábios apertados, quando


ela se vira para olhar pela janela pelo resto da viagem.

Nós não dissemos muito no voo para casa. Ou no caminho para


Manhattan. Quando chegamos ao seu apartamento, eu limpo a minha
garganta.

Mas o que eu deveria dizer? Obrigado pelas adoráveis memórias


de uma noite linda que eu nunca esquecerei?

Eu não posso dizer isso, apesar de tudo. As coisas estão tensas


entre nós, mas é para o melhor, porque nós não podemos estar juntos.

Em vez disso, eu uso a minha melhor voz profissional. — Vejo


você no escritório.

Ela dá um aceno superficial de adeus, e eu vou para casa e


durmo para curar o resto das minhas más decisões, até que segunda-
feira de manhã chega e eu tenho que encará-la novamente.

~ 110 ~
Dezessete
Por agora deve ser evidente que eu nem sempre faço as melhores
escolhas com mulheres. Não sei por que. Talvez eu tenha um sinal na
minha testa que diz, ‘Louca? Considere-me. Eu formo um bom par com
as mulheres insanas. Como um bom vinho e queijo’.

Eu não culpo as mulheres porque eu sou um homem que assume


a responsabilidade por sua merda. Eu sei que eu sou o único com o
problema, e isso começou com Roxy. Ela chamou minha atenção
durante a minha aula eletiva de astronomia do último ano. Fomos
morar juntos depois da faculdade, e ela trabalhava até tarde em
relações públicas em uma grande firma de Nova York. Eu virava a noite
também, tentando ganhar minhas categorias como um mestre
carpinteiro. Roxy era ótima, totalmente solidária, e tudo o que um
jovem rapaz trabalhando o seu caminho em Manhattan poderia querer -
divertida, que te apoia e otimista, bem como selvagem na cama. Mas
esse não é o ponto. O ponto é que ela foi a única que me estimulou para
eu começar por conta própria e construir o meu negócio de carpintaria.
Ela até forneceu algumas dicas e orientações sobre a incorporação.

Você pode dizer onde isso vai dar?

Sim, eu também posso.

Ela foi fundamental me encorajando para começar a minha


oficina, mas depois que ela abriu as pernas para o banqueiro, eu a
encorajei a abrir as asas da minha vida, e dar o fora do meu
apartamento.

Ela fez as malas e se amigou com ele. Pena que não foi a última
vez que eu ouvi sobre ela. Um mês depois, ela tentou cavar suas garras
em meu negócio, alegando em sua petição legal que ela forneceu o
‘capital intelectual’ para me ajudar a começar. Que suas noites até
tarde, arquitetando e planejando comigo significava que ela merecia um

~ 111 ~
pedaço de WH Carpintaria e Construção. Tudo aquilo de líder de torcida
tinha que ter algum ganho para ela, ela afirmou.

Ela queria uma porcentagem do rendimento perpetuamente, e ela


estava pronta para lutar comigo por isso.

Foi uma bagunça, e meu amigão Chase me colocou em contato


com o seu primo, que é um tubarão total como advogado. Ele me
ajudou a sair, e eu devo a eles dois pra caramba.

Eu gostaria que eu pudesse ver esse tipo de coisa vindo. Eu


gostaria que eu soubesse quando eu estava indo me envolver com
alguém que tentaria me chutar nas bolas com o meu negócio. Eu tenho
me perguntado se eu sou muito crédulo, mas honestamente, eu não
acho que esse é o problema. Eu não sou um tipo de cara que apaixona-
se-primeiro-e-faz-perguntas-mais-tarde.

Pegue Katrina. Eu era cauteloso com ela, esperei até o nosso


contrato do website terminar. Eu mudei as senhas apenas como uma
medida de precaução antes de eu pedir a ela para sair. Ela parecia um
amor, e até mesmo a minha irmã gostava dela. E, inferno, não é fácil
obter o selo Josie Hammer de aprovação.

Basta dizer que todos nós ficamos chocados quando Katrina saiu
dos trilhos.

Josie declarou que era apenas a minha marca particular de má


sorte. Além disso, todo mundo tem aquele amigo que namora as loucas.
Acho que eu preencho essa quota por todos os meus amigos. Mas não é
como se houvesse um teste indicador para loucura. Essa é outra razão
pela qual eu preciso ficar longe da tentação que Natalie traz para o
trabalho.

Embora minha assistente pareça perfeitamente deliciosa na


segunda-feira de manhã, sentada à sua mesa fazendo a papelada, eu
não deixo minha mente permanecer em suas pernas nuas ou em seu
longo pescoço. Nem eu dou uma espiada naqueles seios absolutamente
fantásticos que ela adora serem mordidos. E eu certamente não passo
nem um segundo imaginando ela engatar suas pernas sobre a minha
bunda e cavar suas unhas em minha carne.

Minha mente está clara como água, porque eu paguei a conta


antes neste fim de semana em Vegas, obtendo aquela anulação ajuizada
na hora certa. Espero que isso signifique que a minha veia de má sorte
esteja terminando, e eu esteja seguro e garantido do outro lado do
problema. Julgando pelo sorriso brilhante estampado no rosto de

~ 112 ~
Natalie, ela está perfeitamente contente por seguir em frente também.
Como se isso nem sequer aconteceu.

— Boas notícias. Temos uma chamada para um orçamento para


remodelar em uma cozinha, na Park Avenue, — diz ela, em seguida,
lista os detalhes e me diz que eu preciso estar lá às quatro.

Eu remexo com uma caixa de clipes de papel em sua mesa. —


Ótimo. Você vai fazer o esquema?

— Claro. Esse é o meu trabalho.

Quando eu pego minhas ferramentas e faço meu caminho para


sair, eu digo adeus, e ela dá um aceno rápido. Eu olho duas vezes,
quando eu vejo sua mão esquerda. Seus dedos estão nus. Seu anel se
foi.

O meu ainda está colocado, e eu honestamente não tenho certeza


do porquê eu não o tirei quando voltei, ou mesmo notei que eu ainda
estava usando.

Uma pontada momentânea de tristeza se instala rapidamente no


meu peito, mas isso é inútil, então eu empurro a sensação para longe e
foco no trabalho para as próximas horas.

Mais tarde naquele dia, Natalie se junta a mim no compromisso


marcado, seu laptop na mão. Ela é profissional com perfeição, responde
as perguntas do cliente, e me faz parecer como uma estrela do rock.

Na saída do edifício, eu a agradeço, então, pergunto como ela está


indo hoje. — Tudo bem com você?

Ela bate seu pulso. — Tudo está ótimo, mas eu preciso correr.
Aula de caratê. Tchau.

Em um minuto, ela desaparece da minha vista, virando ao norte


na Park e se misturando no mar de nova-iorquinos. Ainda sem anel.

De volta ao meu apartamento, eu brinco com a aliança. Eu corro


o meu polegar e o indicador sobre o metal, mas eu ainda não a tiro.

Enquanto eu preparo um omelete para o jantar, eu me pergunto


como Natalie prefere seus ovos, se ela gostaria dos meus omeletes.
Quando eu sento e como, eu deslizo o anel para fora e o giro
distraidamente em círculos na mesa da cozinha.

Quando eu termino de comer, eu coloco um Oreo na minha boca


e clico para abrir o meu e-reader, para o meu mais recente livro de fatos

~ 113 ~
fascinantes. Enquanto eu leio, eu deixo cair o anel de um dedo para o
outro, para trás e para frente, para trás e para frente. Abaixo o meu e-
reader e perambulo no meu quarto, pegando a foto emoldurada em
papelão de nós dois no topo da montanha-russa. Mas olhando para
isso, faz-me ansiar pelo o que eu não posso ter, então eu a guardo.

Mais tarde, eu seguro a aliança do casamento sob a luz do


banheiro, então a solto no armário de remédios, imaginando o que
Natalie fez com a dela.

Mas isso não importa, porque uma semana depois, quando eu


ligo para o Easy Out Divorce, o cara tagarela me diz: — Está tudo em
processo. A papelada foi apresentada. Você será um homem livre em
pouco tempo.

— Ótimo, — eu digo.

E isso é ótimo. É verdadeiramente ótimo como rapidamente você


consegue desfazer um erro enorme. Eu digo à Natalie quando eu dou
uma passada pelo escritório, no caminho para casa do trabalho novo,
que nós marcamos na semana passada.

Seu sorriso frio, juntamente com um rápido ‘ótima notícia’, é a


sua única resposta. Ela reúne sua bolsa, empurra-a em seu ombro e vai
embora.

É assim que nós continuamos pelas próximas duas semanas. Nós


saímos para orçamentos; planejamos novos projetos. Eu construo; ela
administra. Nós marcamos alguns novos trabalhos, incluindo um para
uma amiga de Lila. O nome dela é Violet, e ela nos diz que ela estava
tão inspirada pela nova cozinha de Lila que ela quer um estilo e textura
similar. Dou à Natalie um grande polegar para cima quando ela me
mostra o contrato para esse trabalho, já que ele vai nos colocar de volta
no caminho de expansão.

— Nós começaremos com ele em mais algumas semanas. Nós


temos uma brecha, então encaixaremos este, — Natalie diz em uma voz
profissional. — E Lila parecia feliz em nos conectar com Violet. Ela disse
que quando ela veio à minha aula de auto defesa novamente, o quão
terrível se sentia sobre o trabalho de Vegas ter fracassado.

— Ela foi para uma das suas aulas?

Natalie concorda. — Sim. Que engraçado. Eu estava tão


acostumada a vê-la no contexto de trabalho com você, e então, de
repente, lá estava ela. Ela disse que ela quer aprender autodefesa.

~ 114 ~
— Isso é bem legal.

— Ela é uma aprendiz rápida. E estou muito feliz que ela disse a
uma amiga sobre você. Isso praticamente nos leva de volta aos trilhos
após o desastre de Vegas.

No começo eu não tenho certeza sobre qual desastre ela está se


referindo - o casamento ou o cancelamento do trabalho - mas então eu
percebo que ela quer dizer o negócio. E tudo bem para mim, uma vez
que nós estamos mostrando o quão bem nós trabalhamos juntos como
futuros divorciados. Nós somos uma espécie serena, na boa,
profissional. Como se nós estivéssemos provando com cada maldita
interação, como completamente indiferentes nós estamos por aquela
noite em Vegas.

Por que deveríamos agir de outro jeito? Afinal de contas, nós


entramos naquele planejamento da noite para aproveitarmos o máximo,
e nós fizemos o que pretendíamos. Nós curtimos a experiência de Vegas
completa, e deixamos tudo isso para trás quando o sol apareceu.

Hoje a noite, eu vou continuar esquecendo isso, já que eu estou


saindo para um jogo dos Yankees. Primeiro, eu dou uma passada na
Bakery Sunshine, onde Josie está fechando. Ela varre o chão quando
entro e se ilumina quando me vê.

Eu sorrio também. — Você não esqueceu, não é?

Ela ri e balança a cabeça. — Você só me disse cinco vezes.

Eu ergo um dedo. — Uma vez. Eu te disse uma vez. Porque eu


disse a Chase que eu diria a você uma vez. É constrangedor o
suficiente.

— Você deve realmente deve a ele pra caramba, então.

— Ele está cobrando de anos atrás.

Josie coloca a vassoura contra a parede e vai atrás do balcão. Ela


pega uma caixa de padaria amarela pequena. A etiqueta de coração está
afixada na caixa para mantê-la fechada. Ela a empurra para mim. —
Um cupcake recheado de morango para Chase Summers.

— Não posso acreditar que eu estou levando a porra de um


cupcake todo o caminho até o Bronx para aquele bastardo. — eu cheiro
a caixa. — Por favor, diga-me que há uma barra de sete camadas aqui
para mim como uma recompensa?

~ 115 ~
— Está sem sorte. — ela aponta para a etiqueta de coração. — É
apenas para ele.

Eu leio sua escrita: O cupcake mais másculo no mundo. Não :) Mas


fico feliz que você goste, e fico feliz que você sentiu falta. Venha visitar em
breve! Já faz um longo tempo!

— Eu juro, Josie. Isso foi tudo sobre o que ele falou quando
fizemos planos. Você vai me trazer um cupcake? Você vai me trazer um
cupcake? Eu estava tipo, Cara, consiga você mesmo. Mas ele teve turnos
diurnos toda a semana, então não tem sido capaz de vir. E eu tinha que
ter piedade dele vendo como, bem, você sabe... — eu faço um gesto de
rolamento com a minha mão.

— Ele salvou vidas na África devastada pela guerra durante o ano


passado. — Josie completa. — O homem merece um cupcake.
Certifique-se de dizer ao Doutor McGostoso para dar uma passada para
ganhar outro.

Eu atiro a ela um olhar. — Não o chame assim.

Seus olhos se alargam em uma expressão quem, eu. — Assim é


como você costumava chamá-lo.

Eu balanço minha cabeça. — Confie em mim. Eu nunca o chamei


assim.

— Então quem chamava?

— Todas. As. Damas.

Ela aponta para si mesma. — Eu sou uma dama.

— E ele é um cão.

Ela ri. — Soa como um elogio então, já que você gosta de cães.

Considero isso brevemente. — Você me pegou com essa, — eu


digo, em seguida, faço o meu caminho até a porta. Mas eu paro no meio
do caminho e bato os meus nós dos dedos sobre uma mesa amarela,
enquanto eu considero se eu estou perdendo uma chance de
bisbilhotar. Quero dizer, ver como está Natalie. — Ei, Josie, — eu digo,
todo indiferente.

— Sim?

— Tudo bem com Natalie?

~ 116 ~
Josie inclina a cabeça para o lado. — Claro. Por que você
pergunta?

Eu dou de ombros. — Nada. Apenas me certificando.

Josie me encara, e eu sei que eu falei demais. Esta é a minha


irmã, e ela lê emoções como se elas estivessem tatuadas em sua testa.
— Alguma coisa deu errado em Vegas?

Eu bufo. — Não. Deus não, eu digo, dando uma negação de nível


campeão. Em seguida, a preocupação ataca. — Por quê? Ela mencionou
alguma coisa?

— Não. Eu só estava curiosa. Ela tem estado um pouco mais


quieta ultimamente, apesar de tudo. Você disse algo estúpido para ela?

Cerca de um milhão de coisas estúpidas.

— Não mais do que o habitual, — eu digo com um grande sorriso


falso, dando um suspiro de alívio.

— Falando sério. Você foi um bom rapaz? — ela pergunta, seus


grandes olhos verdes me prendendo. Desafiando-me. Fazendo eu me
perguntar a mesma questão. Casando com Natalie por um capricho e
anulando-o, me deixa ficar no campo do bom rapaz? Passeando durante
aquele tempo em Vegas com Natalie, eu decidi que eu era um bom
rapaz. Talvez não um cara brilhante. Talvez não um cara cauteloso. Mas
pelo menos eu a tratava bem, e eu tenho sido um bom chefe desde que
nós retornamos.

— Eu fui muito bom. Tão bom que eu mereço uma barra de sete
camadas, — eu digo, piscando meus olhos.

Ela ri e pega uma barra de trás do balcão. — Você sabe que eu


sempre te dou uma.

— Você é a melhor irmã em todo o mundo, mundo, mundo, — eu


grito, fazendo o eco da minha voz, como se eu estivesse falando em um
microfone.

— Eu sei, eu sei, eu sei. Dê uma abraço em Chase por mim.

— Nunca. Isso nunca acontecerá.

~ 117 ~
Dezoito
No Yankee Stadium, eu encontro o meu colega de faculdade na
terceira fila na linha da primeira base, escutando de longe no seu
telefone. — E aí. Todas as mulheres rejeitando você? — eu bato nas
costas dele. — É duro ser a última escolha de todo mundo no Tinder.

— Você não sabe disso, cara, — diz ele, então, bate os punhos
comigo. — Bom te ver.

— Você também. — eu olho sua pele, uma tonalidade marrom


dourada agora. — Acho que um ano trabalhando do lado de fora faz isso
com você.

Ele estende um braço. — O meu bronzeado? Eu realmente sou o


menino de ouro agora, — diz ele, depois pisca e agarra a caixa de
cupcake. — Vamos lá. Eu senti falta dos meus doces quando eu fui
embora.

Chase acabou de retornar de um ano trabalhando com os


Médicos Sem Fronteiras. Ele serviu logo depois que ele terminou sua
residência em medicina, e agora ele está de volta em Nova York,
trabalhando em um hospital de trauma.

— Não há cupcakes na África?

— Surpreendentemente, não, — diz ele, enquanto ele lê a etiqueta,


sorri e abre a caixa. Ele morde um pedaço do deleite de morango na sua
boca. Ele revira os olhos de prazer e aponta. — Este é o sentido da vida.
Bem aqui. Este cupcake.

— Josie é praticamente uma deusa dos produtos assados.

— Ela é, — diz ele, adoração profunda em seu tom. — E isso


simplesmente deixa o todo o meu dia melhor. Confie em mim, foi uma
tarde de merda. Bem, para outras pessoas.

~ 118 ~
— Deixe-me adivinhar. Você teve cinco facadas, — eu digo,
quando uma recapitulação do homerun vencedor do jogo da noite
passada passa no telão.

Ele passa a mão pelo seu - você adivinhou - cabelo castanho


dourado e ri profundamente. — Quatro, na verdade. Juntamente com
três tiros e um frasco de mostarda dentro de uma cavidade do corpo, —
diz ele, então me diz exatamente onde o frasco foi encontrado enquanto
ele devorava a cobertura rosa.

Eu tremo. — Cara, como você consegue comer enquanto você


conta essa história?

Ele dá de ombros. — Eu nasci desprovido de qualquer aparência


de melindre. Acho que é uma razão do porquê eu sou tão incrível no
meu trabalho, — ele fala impassível, como o filho da puta arrogante que
eu o tenho conhecido ser. No entanto, ele é um grande cara. Ele sempre
me protegeu, e eu faço o mesmo com ele.

Ele termina o cupcake, enfia a etiqueta no bolso, e diz: — Diga a


Josie que ela ainda é a melhor padeira por aqui.

— Você deveria aparecer. Dizer a ela você mesmo.

Eu digo, já que Josie e Chase conhecem um ao outro. Ele veio


para casa por alguns feriados durante a faculdade e ficou com a gente,
e eles se tornaram amigos. Eu paro, recordando o comentário
McGostoso. — Espere. Não vá. Não a veja.

Ele franze a testa e levanta as mãos como se ponderando algo. —


Vê-la, não vê-la? Qual deles é, Hammer?

— Vê-la, Summers. Mas não dê em cima dela. — eu advirto.

Suas sobrancelhas se contorcem. — Ela ainda é um bebê total,


certo?

Eu faço uma carranca. — Cara. Não diga isso. Ela é minha irmã,
sem mencionar a minha pessoa favorita no universo.

— Empiricamente, porém, ela é linda. É um fato médico.

— Você não pode simplesmente dizer essa merda por conta do


seu diploma. Você não pode. Não é permitido, — eu digo quando os
Yankees correm para fora do abrigo e a multidão aplaude.

~ 119 ~
— Relaxe, cara. Eu tenho sido amigo dela quase tanto tempo
quanto eu tenho sido seu amigo. E eu não dei em cima dela nem uma
vez.

— Ótimo. Podemos falar sobre outra coisa além da minha irmã?

— Claro, — ele diz, casualmente. — Como, por exemplo, como é a


vida como um homem casado?

Eu empurro minha cabeça. Dou uma olhada no meu dedo anelar.


Está nu. — Como você soube?

Ele ri profundamente. — Cara, você me mandou uma mensagem


às três da manhã de Vegas e disse que você se amarrou. Eu achei que
você estava me gozando. Era de verdade? — ele pergunta quando o
locutor compartilha a escalação, e os nomes e imagens dos jogadores
brilham no telão.

Eu dou de ombros, aceno e digo sim.

— Qual é a história?

Eu dou a ele a versão resumida sobre o incrível momento que


Natalie e eu tivemos em Vegas, em seguida, compramos um par de
cervejas do homem da cerveja nas arquibancadas. E já que eu não
tenho soprado uma palavra a ninguém, realmente pareceu bom dizer a
Chase o que se passou.

— Então você ainda não corrigiu esse pequeno problema? — ele


pergunta quando eu entrego a ele um copo. — Eu te disse, há um
comprimido para isso. Você devia tê-lo tomado naquela noite.

— Qual é o nome deste comprimido? — eu pergunto, mordendo a


isca.

Ele dá um tapinha no seu queixo. — Vamos ver. Qual era o nome


dele? Um representante farmacêutico levou um para lá outro dia. Ah,
certo. É chamado de Fazer a Merda do Oposto de Cada Instinto que
Você Tem Quando se Trata de Mulheres.

— Então, é um comprimido do oposto que você está prescrevendo


após o fato.

— Falando sério, cara, — diz ele, apertando meu ombro. — É uma


situação que, se não há danos, não há problemas. Você teve tudo
resolvido, e agora você segue em frente.

~ 120 ~
— Sim, totalmente, — eu digo, tomando um gole, mas as palavras
parecem estranhamente vazias.

— Inferno, todo mundo faz merdas estúpidas em Vegas.

— É a terra da merda estúpida.

— É como um rito de passagem.

— Exceto você. Você nunca faz coisas estúpidas, — eu esclareço,


e é verdade. Chase é o menino de ouro do princípio ao fim. Ele pulou
duas séries na escola, pontuou uma bolsa integral para a faculdade e se
formou no topo da sua classe. Embarcou na faculdade de medicina,
pegou uma ótima residência, em seguida, decidiu tirar um ano para
ajudar em uma das regiões mais devastadas pela guerra no mundo. Ah,
e ele pode salvar vidas. Então é isso. Ele não tem absolutamente
nenhum problema quando se trata de senhoras.

— Não, eu não. Mas se eu estivesse em Vegas, eu provavelmente


teria feito o mesmo, — diz ele. — Especialmente se eu tivesse uma
queda por minha assistente como você tem.

Eu chicoteio minha cabeça em sua direção, mesmo que as bases


estejam completas agora. — O quê? Por que diabos você diz isso? Você
só esteve de volta à cidade por duas semanas. Como você saberia?

Ele levanta uma sobrancelha. — Parece-me que o senhor protesta


demais.

— Tanto faz. Responda a pergunta, cara.

Chase toma um gole abundante da cerveja. — Pelo jeito como


você simplesmente falou sobre ela. Você gosta dessa mulher.

Eu abro meus lábios para falar, mas o que há para dizer? Ele está
certo. Eu gosto de Natalie. Eu gosto desde o primeiro dia. Mas isso não
importa. Meus sentimentos não são o problema. A situação, no entanto,
é a questão, e ela não vai mudar tão cedo.

— Além disso, — ele continua, — você não é o tipo de cara que só


transa e cai fora.

— Eu tenho uma conta no Tinder, — eu digo na defensiva,


enquanto o lançador entrega um ataque.

— E você a usou, o que, uma vez?

~ 121 ~
Eu dou de ombros timidamente. Ele tem razão. Tinder não é a
minha paria. — Uma vez. Sim.

— Boa sorte, então, trabalhando com ela todos os dias. Isso é


realmente uma droga.

Outro ataque voa sobre o painel. — Obrigado. Muito obrigado.


Esta conversa para animar foi incrível. Agora estou empolgado para a
rotina das nove às cinco.

— A vida poderia ser pior, — diz ele, com um sorriso maligno. —


Você poderia estar na sala de emergência com um frasco de mostarda
na sua bunda.

~ 122 ~
Dezenove
Na escala de coisas horríveis, trabalhar com Natalie não é tão
ruim quanto, digamos, bater o seu polegar com um martelo. Também
não causa dor tão forte quanto golpear o seu joelho no centro de
entretenimento que você acabou de instalar em um loft Tribeca recém
renovado para um diretor famoso e sua esposa atriz superstar.

Claro, batidas e golpes são um risco ocupacional, mas a última


vez que eu me peguei duas vezes em um dia... espere, isso soa
realmente sujo. De qualquer forma, basta dizer, a era glacial que eu não
estou curtindo com Natalie, está me atrapalhando em minha estratégia
no trabalho. Mas eu faço o meu melhor para empurrar todos os
pensamentos dela da minha mente, para que eu possa terminar o
trabalho Tribeca.

Não é fácil. Natalie parece ocupar uma irritantemente grande


parte do meu real estado mental nos dias de hoje, e eu gostaria de
despejá-la.

No mínimo, eu gostaria de transferi-la para a parte apenas


colegas de trabalho do meu cérebro.

Quando eu retorno para o escritório, para deixar as ferramentas,


Natalie está conversando no telefone.

— Perfeito. Eu estarei lá esta noite. Sessenta e quatro com a Lex.


Eu realmente aprecio você pensando em mim para a aula extra.

Eu levanto uma sobrancelha e dou a ela um polegar para cima.


Chame-me de Enciclopédia Brown, mas eu estou supondo que ela
marcou mais um trabalho de caratê. Quando ela desliga, eu mantenho
meus braços bem abertos. — Dando porrada e anotando os nomes?

Ela sorri, e está tudo certo com o mundo. Em seu sorriso, eu


posso sentir a tensão que tem estado amarrada entre nós desde Vegas
se afastar. Estamos de volta a quem éramos antes. Nós somos os

~ 123 ~
colegas de trabalho que apoiam um ao outro. Nós somos os colegas que
comem comida picante juntos. Está tudo bem. — Sim. Outro dojo me
tem em sua lista para substituição. Estou emocionada.

Eu estreito minha testa. — Lista para substituição? Você deveria


estar fazendo suas próprias aulas.

Ela encolhe os ombros. — Tudo bem. Isto funciona para mim.

— Mas como isso está te ajudando com seus vídeos e construindo


sua reputação como uma professora? As pessoas devem querer vir para
suas aulas, e não tropeçar em cima de você quando você está
substituindo para algum panaca que não pode fazer a sua própria
sessão.

— Isto funciona para mim, Wyatt, — diz ela secamente, e talvez


eu não esteja de volta em suas boas graças, afinal.

— Eu só acho que você está se vendendo baixo.

— Não se preocupe com isso. De verdade, eu estou bem. — ela


bate a pilha de cheques em sua mesa. — Algumas contas precisam ser
pagas. Eu preenchi os cheques. Se você puder apenas assiná-los, eu
posso levá-los no correio quando sair.

Ela me dá uma caneta, e eu sinto como se tivesse sido


repreendido e mandado para a cama sem jantar. Talvez eu tenha
passado dos limites. Eu não consigo lê-la mais. Eu me inclino mais
para assinar, e eu estou tão perto que posso sentir o cheiro dela. Eu
engulo em seco, lembrando de como era correr o meu nariz ao longo do
seu cabelo, arrastar os meus lábios sobre sua pele, respirá-la. Eu me
amaldiçoo por nunca fazer sexo oral nela naquela noite. O que eu
estava pensando? Minha boca enche de água enquanto eu assino os
cheques, e sonho em me ajoelhar sob a mesa entre suas pernas e
enterrar meu rosto sob essa saia. Provando seu calor doce. Lambendo-
a, chupando-a, engolindo-a.

— Porra, — eu murmuro.

— O que está errado?

Meu pau é um espeto de ferro e meu cérebro é um carrossel de


imagens de seu corpo nu extremamente tentador, isso é o que há de
errado. Mas podemos resolver isso facilmente se você abrisse suas
pernas e me deixasse comer você agora mesmo, porra.

~ 124 ~
— Nada está errado. Tudo bem. — eu aceno uma mão com
desdém, e tento me posicionar de modo que meu pau duro não seja
visível. Uma memória cintila, de Natalie me dizendo na máquina de
pinball que ela costumava me dar uma olhada no trabalho. Eu me
pergunto se ela ainda faz. Se seus olhos estão em minha virilha, mais
uma vez, e se ela está satisfeita com o efeito que ela causou. Se ela
gostaria de fazer alguma coisa para aliviar a dor que eu sinto agora. E
acima de tudo, gostaria de saber se ela sente o mesmo.

— Último cheque, — diz ela, deslizando o último na minha frente,


suas mãos perigosamente perto de meu pau. — É o meu salário.

Eu levanto a caneta sobre a linha de assinatura e começo a dar o


meu John Hancock31, quando eu recuo. O montante está errado.

— O que é isso? — eu aponto para o cheque. Eu não estou mais


pensando sobre o que está entre suas pernas. Eu estou pensando sobre
o que ela está fazendo com o meu negócio.

— Nós chamamos isso de um cheque. É como uma promessa


para o dinheiro. Você o leva para o banco e eles te dão dinheiro nesse
montante, — diz ela, e seu tom é meio lúdico, como se talvez, nós
tivéssemos voltado a nos dar bem.

Mas a minha pergunta não era tão profunda. — Eu falo sério, por
que é este o valor? Está errado, — eu digo, batendo na tinta preta na
qual ela o preencheu mais cedo.

— Esse é o meu salário normal.

Eu dou um suspiro quando uma raiva estranha percorre através


de mim. Eu não sou um cara com mau humor. Eu não fico chateado.
Mas se ela está fazendo o que eu acho que ela está fazendo, isso me
deixa louco pra caralho. — Eu te dei um aumento, Natalie. — minha voz
está tensa e firme. — Você esqueceu?

Ela levanta seu rosto. Seus olhos parecem culpados, mas suas
palavras parecem determinadas. — Eu não esqueci. Eu apenas achei
que não se aplicava mais.

Eu pressiono minhas mãos sobre a mesa e a encaro. — Nós


anulamos o casamento, não o emprego.

— Eu apenas pensei que era uma daquelas coisas.

31Ele é lembrado por sua assinatura na Declaração de Independência dos Estados


Unidos, o nome dele virou sinônimo de assinatura.

~ 125 ~
— Uma das quais coisas?

— Umas daquelas coisas que você diz quando você está bêbado,
— ela dispara de volta.

Eu cerro os dentes e respiro duro através de minhas narinas. —


Mas ainda assim eu falei sério.

Ela se empurra para trás em sua cadeira. — Olha, eu não quero


ser presunçosa e pressupor que o aumento continua a ser válido. Eu
não queria te colocar em uma posição em que você se sentisse obrigado,
— diz ela, enunciando esta última palavra com precisão, e quase parece
como se ela estivesse jogando isso de volta para mim, por alguma razão.

E isso me enfurece ainda mais. Estas últimas semanas não têm


sido nada mais do que nós dois pisando em ovos um com o outro, e
agora aqui, ela está tomando malditas decisões para o meu negócio que
ela não está autorizada a fazer.

— Esta é a minha empresa. Eu decido o que pagar para você. —


eu não levanto a minha voz. Ela entende o meu significado pela frieza
do meu tom, e do jeito que eu seguro o cheque e o rasgo ao meio.

Eu pego um novo e escrevo a quantidade correta. Uma


quantidade maior. Eu entrego para ela. — Eu disse a você que eu estava
te dando um aumento de dez por cento, e eu falava sério. Eu te fiz uma
promessa, e eu tenho a maldita intenção de cumpri-la, mesmo se eu
bebi algumas cervejas ou não. Eu sou um homem de palavra, e eu com
certeza, espero que as pessoas com quem eu trabalho me tratem igual e
ajam da mesma maneira.

— Obrigada. — com as mãos trêmulas, ela pega o cheque, abaixa


o rosto, pega a bolsa e sai correndo para longe de mim. Eu afundo na
sua cadeira, raiva fervendo através de mim, e eu largo minha cabeça em
minhas mãos.

— Porra, porra, porra.

Eu não deveria estar tão chateado. Eu sei disso. Mas diga isso
para a fúria que está correndo através de mim agora. Eu odeio me
sentir assim. Eu me orgulho de ser um cara descontraído, e eu sou o
oposto disso agora. Eu vou para casa, coloco uma bermuda, e malho no
ginásio do meu prédio, levantando mais peso do que deveria, correndo
mais rápido do que eu costumo fazer, e, geralmente, empurrando-me
para a zona cara-estúpido, porque eu estou chateado.

E eu mal sei o porquê.

~ 126 ~
Mas depois de um banho quente em casa, os pensamentos
emaranhados começam a desembaraçar. Logo, eu sei porque eu estou
louco.

Não é porque ela tentou me sabotar, pagando a ela mesma menos.


Isso é ridículo.

Não é porque nós estávamos bêbados e partes da noite são ainda


uma névoa para mim. É porque nós não somos os mesmos. Nós não
voltamos a ser Natalie e Wyatt. Nós entramos no modo chefe-assistente
hipócrita, e eu gostava muito quando nós tínhamos um bom momento
juntos no trabalho, até o trabalho se tornar tão agradável quanto um
tratamento de canal.

Eu visto jeans e uma camiseta, arrasto os dedos pelo meu cabelo,


na maior parte seco, e deixo meu prédio na West Fifties. Eu caminho
através da cidade e espero que ela ainda esteja no dojo na Sixty-Fourth.
À medida que o relógio avança em direção às nove, as luzes do estúdio
brilham intensamente, e eu localizo Natalie lá dentro, fechando o lugar.
Enfio meus polegares nos bolsos da minha calça jeans, eu espero.

Poucos minutos depois, as luzes piscam e desligam. A porta abre,


e Natalie a trava, então se vira.

— Ah. — seus olhos se arregalam.

— Ei, — eu digo suavemente.

— Ei. — o tom dela corresponde ao meu, e esta gentileza


instantânea é como uma carícia.

— Eu fui um idiota. Eu sinto muito.

Ela sorri. — Está tudo bem. Eu não deveria ter-

Eu a corto. Isto é por minha causa. — Não. Eu teria feito o mesmo


se eu fosse você. Eu nunca deveria ter colocado você na posição de
duvidar o que eu te pagaria. É por isso que você pegou o trabalho de
substituta? Por que você não tinha certeza se o aumento era pra valer?

Ela balança a cabeça, se sentindo culpada. — Eu precisava de


dinheiro extra.

Meu coração cai. — Sinto muito, Nat. De verdade. Eu não quero


que você duvide do seu valor ou das minhas palavras, ou o que eu
prometo a você. Eu preciso fazer melhor do que isso. Eu quero fazer

~ 127 ~
melhor do que isso. E eu quero te pagar o que você merece pelo
trabalho incrível que você faz.

— Obrigada.

— Eu não conseguiria administrar o negócio sem você. É por isso


que você teve um aumento. Nenhuma outra razão.

— Obrigada. Eu realmente aprecio isso.

— Você realmente merece. — eu faço uma pausa. — Então, nós


estamos bem?

— Nós estamos bem, — diz ela, e pela primeira vez desde que eu
acordei com uma ressaca, eu sinto que isso pode ser verdade.

Seu estômago ronca, e eu sorrio. — No entanto, eu acho que você


pode querer algo mais. Jantar? Eu estou pagando. Hambúrgueres e
cerveja?

O sorriso que se estende por todo o rosto dela, é o primeiro desde


que voltamos de Vegas, que parece como ela. Como a mulher que eu
conheço.

— Estou dentro.

O sorriso me tranquiliza também - me diz que voltar atrás, para


quem fomos antes, vai ser tão fácil.

Eu apenas sei.

~ 128 ~
Vinte
Natalie aponta para o meu queixo. — Ketchup, — diz ela. Eu pego
o guardanapo e limpo, em seguida, termino a minha história.

— Então, houve uma vez que nós pegamos a cópia dela de E o


Vento Levou, cortamos as últimas dez páginas, e escrevemos Rhett vai
embora. Ele é um idiota.

Ela bate na minha coxa. — Vocês eram tão cruéis.

Eu aceno em concordância enquanto eu tomo um gole da minha


cerveja. Estamos sentados no balcão no The Best Burger Joint in the City
na Lexington, e nós encontramos o nosso caminho através das
mordidas no hambúrguer com molho de pimenta jalapeño. — Nós
éramos o pior. Josie esteve morrendo de vontade de lê-lo. Ela passou
por uma fase Scarlett O'Hara, e se vestiu como uma bela do sul para o
Halloween, completa com uma sombrinha.

— Ah, isso é adorável. Vou ter que perguntar se ela ainda tem
fotos. Mas você e Nick eram terríveis. Cortando o livro e então dando
spoiler da história. — ela balança a cabeça em diversão enquanto ela
devora um mini hambúrguer encharcado de pimenta.

— Minha mãe, as vezes, dizia que achava que nós éramos gêmeos
idênticos, não fraternos, desde que ambos éramos possuídos por DNA
brincalhão do mal. De qualquer jeito, Josie estava devastada. Ela foi
para a nossa mãe e perguntou: ‘Isso é verdade?’. Minha mãe marchou
para o nosso quarto, empurrou o livro para nós dois, e disse que
éramos obrigados a usar as nossas mesadas e comprar não só uma
nova cópia, mas quaisquer outros livros que Josie quisesse naquele
ano.

Natalie sorri. — Excelente punição. Eu acho que Josie ganhou


esta depois de tudo.

— Ela ganhou. Pergunte a ela o que financiou a coleção dela de


Jane Austen, e fomos nós sendo pequenos idiotas. — eu dou uma

~ 129 ~
mordida no hambúrguer. Uma musica do Spoon 32 explode acima de
nossas cabeças. Quando eu termino de mastigar, eu aponto para cima.
— Agora sim, isso é música. Não aquelas coisas que você gosta, Katy
Perry, Justin Bieber, Taylor Swift.

Ela bate no meu ombro. — Katy Perry arrasa. Taylor Swift é


incrível. E nem sequer finja que eu gosto do Biebs. Eu tenho padrões,
seu esnobe musical.

— Graças a Deus. — eu digo sob a minha respiração, provocando-


a.

— Mas eu ainda quero saber - Josie alguma vez deu o troco em


você por estragar o livro?

Eu aceno. — Claro que deu. Ela exigiu sua vingança de outras


maneiras.

Natalie levanta a garrafa de cerveja e derruba de volta. — Diga-


me, diga-me, diga-me.

— Ela ensopou todas as nossas camisetas em algum perfume de


menina em uma manhã, no nosso primeiro ano do ensino médio. Não
havia mais nada para vestir. Nós fomos para a escola assim.

Natalie ergue um punho. — Excelente. Eu darei os parabéns a ela


eu mesma quando eu vê-la mais tarde. Deixando você e Nick cheirando
como princesas é a definição de uma doce vingança.

— Eu cheirava maravilhosamente. — eu digo com voz efeminada,


e isso a mata de rir. Então meu tom escurece. — Mas eu não conseguia
parar de zoar com ela. Eu era um idiota total.

Ela franze a testa. — Sério? Verdade?

Eu assinto, confessando os meus delitos. — Eu substitui o xampu


dela por óleo vegetal.

Os olhos de Natalie aumentar. — Você era Satanás.

— O diabo encarnado. Eu fiz piada com ela no dia seguinte,


também. Eu não poderia deixar isso pra lá. Disse que ela cheirava como
uma salada gordurosa, que é uma coisa simples, mas uma coisa terrível
para dizer a uma menina de doze anos de idade.

32 É uma banda dos Estados Unidos, de indie rock formada em 1994.

~ 130 ~
— Wyatt, — ela repreende, seus olhos azuis me envergonhando.
— Isso é terrível.

Eu ergo minhas mãos em sinal de rendição. — Eu sei. Confie em


mim, eu sei. Ela estava tão chateada, mas ela tentou muito não deixar
transparecer, — eu digo, lembrando como o lábio de Josie tremeu e ela
se escondeu em seu quarto, tentando descobrir por que seu cabelo era
uma bagunça oleosa. — Eu não podia nem culpar Nick porque ele
estava na casa de um amigo. Minha mãe me deu uma dura naquela
noite.

Natalie alcança uma batata frita no meu prato e a arrasta através


do molho apimentado. Ela coloca em sua boca, sem vacilar, e mais uma
vez eu estou impressionado com a sua tolerância à pimenta. — Você
ficou em apuros?

Eu suspiro profundamente, lembrando da genialidade do castigo


da minha mãe. — De certa forma. Eu não estava de castigo, mas eu tive
uma conversa na frente de uma menina. Eu tinha quinze anos e tinha
minha primeira namorada, e ela tinha acabado de assistir a um filme
comigo. Minha mãe entrou na sala de estar, desligou a TV, e explicou o
que tinha acontecido, bem em frente da garota que eu gostava.

O queixo de Natalie cai. — O que ela disse?

— Minha namorada estava brava comigo, e ela concordou com a


minha mãe. Minha mãe disse que como um menino trata sua irmã
importa por muitas razões, não menos importante porque isso ensinará
a ela o que esperar de rapazes e homens. Ela disse: ‘Trate-a com amor,
bondade e respeito, e dê um bom exemplo para ela. Se você e Nick
fizerem isso, ela continuará crescendo para ser uma mulher forte e
confiante, que não deixará um homem passar sobre ela’.

Natalie sorri suavemente. — Eu não tenho um irmão, mas eu


acho que isso é verdade. Eu acho que todos nós somos modelos um
para o outro.

— Nós somos, né? Talvez seja o psicólogo em mim, mas eu tenho


uma teoria que nós aprendemos como nós queremos ser tratados e
podemos esperar sermos tratados, não apenas por nossos pais, mas
nossas irmãs e nossos irmãos, também. Tudo isso importa. Tudo o que
nós fazemos importa.

Seus lábios se contorcem em um sorriso. — Você era um


psicólogo?

~ 131 ~
Eu rio. — Estranho, né? — eu ergo minhas mãos. — Você achou
que eu tinha me formado em carpintaria?

Ela balança a cabeça. — Não, mas cheguei a pensar nisso,


psicologia meio que se encaixa em você.

— É? Como assim?

— Você age como se tudo fosse tão simples, mas no fundo, você é
mais perspicaz do que você deixa transparecer. A maior parte das vezes.
— ela pisca. — A conversa da sua mãe funcionou imediatamente?

— Funcionou. Eu precisava endireitar. Tratá-la melhor. Parar


com as piadas e humilhações desnecessárias. E a minha mãe realmente
colocou isso em perspectiva. Dizendo tudo isso na frente de uma garota
que eu gostava, apenas enfatizou seu ponto. Meu objetivo a partir de
então, era ser um bom rapaz, e mostrar a Josie como um cara poderia
ser, e o que ela merecia.

— E olhe para ela agora, — diz Natalie. — Ela é forte,


independente e extremamente gentil. Ela também não é capacho, então
parece que você teve um impacto duradouro sobre ela, mudando o seu
comportamento. — Natalie limpa a mão no guardanapo, em seguida,
esfrega meu ombro enquanto ela fala. Ocorre-me que esta mulher é
tátil. Ela gosta de tocar. Ela gosta de colocar suas mãos em mim. Ela
sempre fez isso, e ela está assim mais uma vez. Eu não estou
inteiramente certo porque isso me faz feliz, além do óbvio - eu realmente
curto pra caralho suas mãos em mim. Mas talvez também, porque é um
sinal de que estamos de volta ao normal. Que a desavença Vegas está
terminada.

— Isso é o que um irmão deve fazer. Mostrar à sua irmã que ela
merece o mundo. Deixá-la saber que ela deve esperar o melhor, — eu
digo, uma explosão de orgulho no meu peito. — Eu poderia ter sido um
espertinho, mas por causa do cabelo gorduroso de salada, eu trabalhei
mais duro para me tornar um cara melhor. Um bom rapaz. Ela é a
razão pela qual é tão importante para mim ser esse tipo de homem.

Natalie respira fundo. Por um momento, seus olhos parecem


molhados, quase como se ela estivesse segurando as lágrimas. No
entanto, ela não derrama nenhuma, talvez seja o tempero. — Pimenta
malagueta ardida? — eu pergunto.

Ela acena e pega um copo de água gelada, engolindo um pouco.


Mas ela não diz mais nada, então eu mantenho a conversa com uma
pergunta. — É estranho ouvir isso, já que você vive com ela?

~ 132 ~
Ela balança a cabeça. — Não. Eu acho que é maravilhoso. — ela
vira para mim, seus olhos encontrando os meus, o olhar neles genuíno.
— Eu a amo, e eu amo saber o quanto você se preocupa com ela.

Sua voz mexe comigo. Aquece-me. Aperta meu coração. — E


quanto a Charlotte? Vocês estão super próximas agora. Vocês sempre se
deram bem?

Ela faz um gesto ‘mais ou menos’, então responde: — Na maioria


das vezes, mas quando éramos mais jovens, nós brigávamos como
quaisquer irmãos. Eu queria usar uma de suas saias. Ela não iria
querer que eu usasse. Esse tipo de coisa. — Natalie abaixa a voz a uma
confissão sussurrada: — Eu zoava com ela, também.

— Sua menina malcriada. — eu mexo meus dedos, um sinal para


ela dar com a língua nos dentes. — O que você fez?

— Ela era uma louca focada na escola, então uma manhã eu


programei o seu despertador errado. Cara, ela ficou chateada. Ela quase
perdeu um teste. Ela não estava feliz comigo. Mas isso não importava,
porque eu tinha tanto ciúmes dela.

Eu inclino minha cabeça. — Por quê?

— A escola vinha fácil para ela. Ela passou suavemente através


do ensino médio e entrou em Yale como se fosse a coisa mais fácil do
mundo. — ela se vira para mexer com sua garrafa de cerveja.

— E você? Escola não era a sua praia?

— Eu estava mais interessada em coisas físicas. Gastei tanto


tempo e energia em artes marciais, sabe? Mas isso ainda me tornava a
maluca, porque a escola era mais importante para os meus pais, e isso
é no que ela arrasava. No entanto, eu acho que eles estavam certos. Ela
dirige um negócio rentável, e eu estou apenas substituindo aulas de
caratê, — diz ela, afastando o cabelo de seu ombro.

— Ei, — eu digo, minha voz macia. — Você não é apenas uma


substituta. Você está se construindo. Você está aumentando a sua
reputação. E eu tenho completa fé que a sua série de vídeos vai ser
incrível. Falando nisso, você vai mostrá-los para mim?

— Deixe-me terminar a edição, então eu posso enviá-los para


você, — ela sugere, uma nota de esperança em sua voz. — Se você
realmente quiser vê-los.

~ 133 ~
— Eu quero. Eu adoraria vê-los e ajudá-la de qualquer maneira
que eu puder.

Seus olhos se iluminam. — Eu realmente adoraria alguma


opinião.

— Conte com isso. Eu ajudarei você a torná-los incríveis. E ei, eu


também acho que você é incrível na WH Carpintaria e Construção. Você
é muito mais do que uma assistente, Nat. Você gerencia a loja. Você a
faz funcionar.

E agora seu sorriso se espalha amplo em seu rosto. — Sério?

Ela parece tão feliz com o elogio, e a reação dela me emociona. —


Você é fantástica no que faz. Você é inestimável.

— É divertido. Eu meio que sinto como se cada dia fosse esse


quebra-cabeça, e eu tenho que fazer todas as peças se encaixam.

— O quebra-cabeça WH é melhor do que ser uma gerente de sexo


por telefone? — eu provoco.

— Muito melhor do que furries e pés, — ela diz com uma risada.
Ela se torna mais séria, colocando a mão no meu antebraço. — Eu
realmente gosto do meu trabalho, Wyatt, então eu não quero que você
pense que eu estou procurando abandonar esse trabalho para ensinar
caratê. Eu gosto de fazer ambos, o trabalho e as artes marciais se
encaixam na minha vida.

Eu limpo a mão na minha testa. — Ufa. Porque você sabe que eu


seria uma bagunça sem você.

— Eu não estou pensando em ir a lugar nenhum. Portanto você


me terá, — diz ela. Em seguida, ela parece perceber o duplo sentido e
rapidamente corrige a si mesma. — Contanto que você esteja feliz com o
meu trabalho.

— Eu estou muito feliz com o seu trabalho. — eu pego minha


cerveja quando eu percebo que ela nunca terminou sua história. —
Você não me disse qual foi sua punição para o despertador.

— Eu tive que lavar a roupa dela e levar louça por uma semana.

Eu desato de rir. — Aposto que você nunca fez isso de novo.

Natalie dá de ombros alegremente. — Não foi um castigo. Eu


gosto de lavar roupa.

~ 134 ~
— Ninguém gosta de lavar roupa.

— Eu sou a exceção, então. Eu gosto de espaços limpos. Eu gosto


de uma casa organizada. Eu não me importo com o trabalho para
chegar lá.

— Você é uma bela planejadora. Eu fiquei impressionado que você


levasse camisinhas para Vegas. — eu pego outro hambúrguer, mas
antes de mordê-lo, eu percebo o que acabou de sair da minha boca. —
Hum, podemos fingir que eu não disse isso?

Ela ri. — Ouça, nós não precisamos pisar em ovos um com o


outro. Nós não temos que fingir que não aconteceu, tampouco. Vamos
apenas ser felizes que estamos seguindo em frente. Tivemos nossa
diversão, nós a deixamos para trás, e nós ainda podemos sair como
fazíamos antes, como colegas de trabalho.

Ela pega um pedaço de hambúrguer do prato e o levanta para um


brinde e nós batemos... hambúrgueres. — Eu vou brindar a isso com
certeza. Como colegas de trabalho.

Nós limpamos o prato, em seguida, pedimos mais um,


extinguindo o fogo com cerveja e retornando para quem nós éramos.
Mas isso não é inteiramente verdade. Porque quando eu a levei para
casa e ficamos sob o toldo verde que leva para dentro do seu prédio, a
realidade bate em mim mais uma vez.

Aqui está a coisa - mesmo se você concorde em voltar aos dias


pré-sexo, mesmo se você tem um tempo maravilhoso apenas estando
juntos, quando você para na frente do prédio dela, e tudo que você
consegue pensar sobre isso, é por que você não pode ir lá pra cima com
ela e foder com ela contra a parede, então beijá-la até que ela esteja se
contorcendo, e se contorcendo, e te implorando para ficar a noite e fazer
tudo de novo, você percebe que colocar o gênio de volta na garrafa é
malditamente quase impossível.

— Então é isso, — diz ela e sua voz é leve.

Eu assinto, mudando para frente e para trás com os meus pés. —


É isso.

Eu engulo, e minha garganta está seca. Ressecada mesmo. Eu


lambo meus lábios. Ela separa os dela um pouco, e eu tenho a maldita
certeza que nenhum de nós está tonto neste momento. Nós quase não
bebemos esta noite, mas mesmo assim, parecemos nos inclinar mais
perto. Talvez haja apenas um impulso invisível entre nós, puxando-nos

~ 135 ~
mais para perto um do outro. Nós estamos em sua calçada, do lado de
fora do seu apartamento, e ainda assim eu simplesmente estou
verdadeiramente consciente dela. Como a brisa sopra algumas mechas
loiras suaves por seu rosto. Como ela aperta suas mãos juntas, como se
ela estivesse tentando descobrir o que fazer com elas. Como sua
respiração paira sobre seus lábios.

Nem um de nós faz um movimento.

Então, ela me abraça. — Eu estou realmente feliz que passamos


um tempo juntos esta noite, — ela sussurra, sua boca perto da minha
orelha. Um tremor se move através de mim.

— Eu também, — eu digo suavemente, mas eu não a solto. Parece


muito bom tê-la em meus braços. Em vez disso, eu a seguro com mais
força. Eu a respiro. Eu posso até mesmo agarrá-la mais para perto, e
ela me permite. Ela se aconchega em mim, e bem aqui, parece que
estamos malditamente prontos para deixar o gênio voar todo o caminho
livre esta noite.

Um carro buzina. Minha deixa para me afastar. Nós dizemos


adeus, e eu digo a mim mesmo que amanhã vai ficar mais fácil estar
perto dela.

Mas amanhã de manhã, as coisas ficam muito mais complicadas.

~ 136 ~
Vinte e um
Eu cavo meus polegares e indicadores nos cantos das minhas
pálpebras. Se eu puder pressionar forte o suficiente, talvez o que a
mulher do outro lado do telefone está me dizendo vá mudar. Mas não
importa quantas vezes eu pergunto se ela tem certeza, as três coisas
que ela diz permanecem as mesmas: o tribunal de Las Vegas não tem
nenhum registro da nossa anulação. O Easy Divorce nunca a
apresentou. O Easy Divorce fechou o negócio e levou nosso dinheiro.

— Mas você deve se certificar de ligar para a empresa de cartão de


crédito e obter os seus $799 de volta, — a senhora prestativa sugere,
como se fosse o dinheiro que me interessa.

— Ótimo. Eu precisarei dele para outra anulação, — eu digo, em


seguida, bato o telefone. Benefício de telefones de escritório? Você ainda
pode ficar bravo com eles de um jeito que você não pode com celulares.
Impressionante.

Quando eu me viro, Natalie está de pé na porta. Seus olhos estão


arregalados de preocupação. — O que você acabou de dizer? — cada
palavra está empolada.

— Eles nunca a registraram. Fomos enganados. — eu afundo na


cadeira descolorida do escritório, arrastando a mão pelo meu cabelo.

Ela agarra o batente da porta. — O que vamos fazer agora?

— Eu realmente não sei, — eu digo, tensão pesada em minhas


veias, porque tudo estava ido bem novamente, e agora acontece que o
que aconteceu em Vegas não ficou em Vegas, porra. Isto nos seguiu.
Este casamento é como uma infecção que não vai embora. Parece que a
minha maré de azar continua.

Os olhos dela oscilam para o relógio na parede. — É melhor você


ir, Wyatt. Você não quer se atrasar para o trabalho. Vamos pegar as
portas do armário e tirá-lo daqui. Eu cuidarei disso hoje. Eu prometo.
Eu vou darei um jeito.

~ 137 ~
— Ok, — eu digo com um suspiro, e eu estou feliz que ela esteja
em cima da agenda de trabalho, porque eu já esqueci onde eu estava
indo esta manhã.

Ela me ajuda a reunir os materiais de madeira que eu preciso,


entrega-os para mim, então agarra meu cinto de ferramentas da
cadeira, onde eu o deixei na noite passada. Seus olhos registram que as
minhas mãos estão cheias, e antes mesmo de eu perceber isso, as dela
são em volta dos meus quadris e ela está afivelando o cinto de
ferramentas no lugar.

— Pronto, — ela declara, em seguida, me leva para a caminhonete


na garagem que eu uso junto ao nosso escritório.

— Hector está vindo hoje para te ajudar. Basta se concentrar no


trabalho. Sério, eu trato disso, — diz ela, envolvendo sua mão macia em
torno de meu braço, como as Mãos Levadas que ela é. Eu pisco para
longe o pensamento. Não é possível pensar nela assim.

Ela me dá algo embrulhado em papel pardo.

— O que é isso?

— Apenas um jeito de dizer obrigada pela noite passada. Eu fiz


um sanduíche para você, para o seu almoço. Sriracha 33 extra. E um
Oreo está aí dentro também. Seu favorito, — diz ela, com um sorrisinho
doce, um gesto que me diz que ela quer que eu goste disso.

Eu gosto disso. — Obrigado, — eu digo, e quando eu entro na


caminhonete e vou embora, atinge-me como toda essa troca foi
conjugal. A fixação do cinto de ferramentas. Acompanhando-me para o
veículo. Entregando-me um almoço que ela fez.

Apenas como se ela fosse a Sra. Hammer.

E ela é.

Mas quando eu clico na seta para virar na 10th Avenue, uma


ideia, do nada, pousa na minha cabeça. Ela nunca me fez um
sanduíche antes. E se ela espalhou arsênio no sriracha? E se esta é
toda a sua tática secreta como a Sra. Hammer para assumir o meu
negócio? Ela é a única que encontrou a empresa para a anulação. E se
ela sabia que era um serviço falso? E se ela está me enganando para
que ela possa ter tudo o que é meu, enquanto eu viro comida de peixe,
graças a este sanduíche?

33 Molho de pimenta tailandês.

~ 138 ~
Um táxi toca sua buzina estridente em meus ouvidos, e eu piso
no freio.

Puta merda. Eu quase passei um sinal vermelho. Meu pulso salta


fora de controle, enquanto espero na intersecção.

Recomponha-se, Hammer. Ninguém está tentando te matar. Você


está sendo paranoico. Você precisa relaxar.

Eu respiro fundo várias vezes, limpo a minha mente, e me


concentro na condução. Depois que eu estaciono e sigo para o prédio do
cliente, eu lanço o sanduíche na lata de lixo na esquina.

Melhor prevenir do que seis pés debaixo da terra.

Poucos minutos depois, da janela do quarto andar do trabalho de


hoje, vejo um cara sem-teto fuçando na lata de lixo, agarrando-o.

Ótimo. Agora o seu sono eterno estará em minhas mãos.

***

Natalie: O que eu faço agora???

Charlotte: Eu liguei para uma amiga que é advogada. Ela me


orientou para isso. Não é honestamente um grande negócio. Existem
basicamente duas rotas. A primeira é que você poderia ir refazer a
papelada por Nevada e registrar por correio, mas há uma chance de um
juiz poder querer ver vocês em pessoa para uma audiência.

Natalie: Qual é a segunda?

Charlotte: A outra opção, e esta é provavelmente a aposta mais


segura, apenas para ter certeza que tudo seja feito corretamente, é obter
um divórcio em NY.

Natalie: Ai, eu não quero ser divorciada. Eu queria não ser


casada.

Charlotte: Eu entendo, mas esta parece como uma solução


decente. É fácil também. No seu caso, você faria o que é chamado um
divórcio incontestado. E estes são diferentes daqueles divórcios de NY
demorados e longos, que todos nós ouvimos falar.

~ 139 ~
Natalie: Por que não podemos apenas conseguir o casamento
anulado em NY?

Charlotte: Bem, vamos ver se você se qualifica. Qualquer um de


vocês era casado com outra pessoa?

Natalie: Hum. Não.

Charlotte: Portanto nenhum caso de bigamia pode ser feito


então. Risque isso. Qualquer um de vocês era incapaz de ter relações
sexuais no momento do casamento?

Natalie: Muito engraçado. Nós éramos o oposto. Aparentemente,


isso é tudo que nós éramos capazes de fazer.

Charlotte: Eu achei que sim :) E qualquer um de vocês era


incuravelmente insano por cinco ou mais anos?

Natalie: Definitivamente por toda a noite. Isso conta?

Charlotte: Não o bastante para adicionar até cinco anos, eu


receio. Então, como você pode ver, Nova York é um pouquinho
complicado quando se trata de concessão de anulações.
Estranhamente, o divórcio é mais fácil em NY. Pelo menos, um divórcio
incontestado é. Eu voto por este.

Natalie: Ótimo. Agora eu serei uma mulher divorciada. Eu estarei


com esta marca negra.

Charlotte: Eles não marcam pessoas divorciadas, Nat. Ou


obrigam você a fazer uma tatuagem.

Natalie: Eu sei que não há vergonha em se divorciar de verdade.


Mas este não é um verdadeiro divórcio. É um divórcio idiota, nascido de
vodca, hormônios e estupidez. Eu fui uma idiota.

Charlotte: Você estava apenas se divertindo.

Natalie: No meu caso, diversão = idiotice

Charlotte: Pare de se bater. Basta fazer o que você precisa fazer.

Natalie: Eu vou... eu estou tão... eu não consigo me concentrar...


meus vídeos estão uma porcaria... roda esta situação está me deixando
para baixo.

Charlotte: Por quê?

Natalie: Você sabe por quê.

~ 140 ~
Charlotte: Por causa de como você se sente?

Natalie: EU ODEIO SENTIMENTOS. FAÇA-OS PARAR.

Charlotte: Puuf. Feito.

Natalie: Eu te amo. Obrigada. Estou melhor agora.

Charlotte: Venha mais tarde, e nós nos abraçaremos. Por agora,


estou te enviando todos os detalhes do que fazer a seguir.

***

Às quatro horas, eu atravesso a calçada para a minha


caminhonete, carregando as ferramentas na cabine. Um cara com uma
barba desgrenhada e um casaco sujo vagueia por mim. Ele para, vira, e
me dá um polegar para cima. — Ei, cara, não sei por que você jogou
fora esse sanduíche esta manhã, mas eu fiquei feliz que você fez. Estava
incrível.

Meu rosto está em branco por alguns segundos, então me dou


conta. Ele sobreviveu à emboscada do peru. O que significa que não só
eu não me tornei um cúmplice de assassinato, como Natalie não tentou
me apagar com uma ciabatta.

É claro que ela não fez, seu idiota. Você saltou para conclusões.
Você presumiu o pior. Você a juntou com todos os outros. Você deveria
saber melhor do que isso.

Quando eu volto para o escritório, ela está colocando as páginas


que ela acabou de imprimir em sua mesa. Eu desembarco as
ferramentas, ando até ela, e instalo minhas mãos em seus ombros.

Ela pisca, surpresa que eu esteja tão perto.

O conselho de Chase ressoa.

Faça o oposto.

~ 141 ~
Vinte e dois
Se meu instinto tem sido presumir que ela me queria terminado
através do peru, eu estou fazendo o oposto. — O sanduíche era de
morrer, — eu digo a ela, secretamente desfrutando da minha piada
interna. Eu envolvo meus braços em torno dela em um abraço.

Eu posso sentir seu sorriso contra o meu ombro. — Foi apenas


um sanduíche, mas não tem de quê.

Quando nos separamos, nossos olhos se encontram, e minha


gratidão desaparece. O mesmo acontece com a minha estupidez. Em
seu lugar há apenas desejo. Eu afasto o cabelo da sua bochecha, corro
meu polegar ao longo de sua mandíbula, e trago a minha testa na dela.
— Eu te quero pra caralho, — eu digo a ela, porque não é apenas a
verdade - é o oposto do que eu queria dizer para ela esta manhã.

Ela agarra minha camisa e seus olhos escurecem. — Eu quero


tanto você que me deixa louca.

Uma espécie de alívio forte me inunda. Segurando o rosto dela, eu


olho em seus olhos, e o fogo dentro de mim se intensifica. O que cintilou
mais cedo, está agora em chamas. Eu inclino minha boca para a dela, e
no segundo em que nossos lábios se tocam, todas essas emoções em
conflito se resolvem, substituídas apenas pela retidão absoluta do que
eu sinto por ela.

Seus lábios se separam, e eu deslizo minha língua dentro da sua


boca. Minha cabeça rodopia, e o meu coração bate com força contra o
meu peito. Eu sentia falta disso. Eu ansiava por isso. Eu precisava
disso. Eu a beijo, como se não houvesse mais nada no mundo que eu
preferia fazer. Meu corpo se alinha com ela, minha ereção contra seu
quadril, e ela geme levemente, puxando-me para mais perto, enquanto
ela recua. Sua bunda atinge a mesa de metal, então ela salta em cima
dela. Meus olhos se abrem para ver documentos deslizando atrás dela,
em seguida, para o chão. Ela se empoleira em cima da mesa, abrindo
suas pernas para me aproximar contra ela.

~ 142 ~
Eu estou lá, encravado entre as coxas dela, minha ereção
latejante fortemente pressionada contra sua pele. Onde ele pertence.
Jesus Cristo. Aqui é onde eu quero estar. Aqui com ela. Pronta para
mim.

Eu quebro o beijo, arrastando minhas mãos ásperas pelos seus


braços nus. Ela estremece enquanto eu a toco, e envolve suas pernas
mais firmemente em torno de mim.

— Eu não consigo parar de pensar em transar com você de novo,


Nat. Em tocar em você de novo, — eu digo, trazendo a minha boca para
sua orelha. — E degustar você.

Ela treme e um suspiro fraco cai de seus lábios.

— Você gostaria disso, não é? — eu puxo sua orelha entre os


meus dentes e belisco a carne. — Eu aposto que você gostaria do meu
rosto entre suas pernas.

Sua resposta soa descontrolada quando ela geme sim.

E é assim que eu me encontro empurrando-a para baixo sobre a


mesa, subindo seus joelhos para que seus saltos altos enganchem sobre
a borda, e abrindo suas pernas torneadas e fortes. Eu empurro a saia
até a cintura, puxo sua calcinha para o lado, e beijo sua buceta
molhada e quente.

Ela tem sabor de céu na minha língua, e um estrondo faz o seu


caminho até meu peito. Ela está tão lisa, e não há nada melhor do que
saber que a mulher que você quer está quente para você. O homem das
cavernas em mim quer ir selvagem sobre ela, beijar sua buceta como
um devorador implacável. Mas eu tenho que levá-la lá em primeiro
lugar. Não posso simplesmente começar a cem quilômetros por hora.
Eu diminuo o ritmo, sacudindo minha língua sobre seu clitóris.

— Oh meu Deus, — ela geme, e eu sorrio quando todas as


memórias de seus sons sensuais voltam. Eu amo como ela é
barulhenta, os ruídos que ela faz, as coisas que ela diz. — Eu estive
fantasiando... seus lábios são tão... — suas palavras são quebradas por
suas respirações ofegantes, enquanto eu chupo seu clitóris em minha
boca de um jeito que a faz se contorcer.

— É? Você esteve querendo que eu comesse você? — eu levanto a


minha cara e agarro sua calcinha cor de rosa, puxando-as para fora em
um movimento suave.

~ 143 ~
— Muito, muito, — diz ela, levantando seus quadris como a porra
de um convite, como se ela precisasse disso tão desesperadamente
quanto eu.

Eu beijo o topo de seu monte, e sussurro: — Mostre-me que isto é


tudo sobre o que você esteve pensando.

Eu volto para a terra gloriosa entre suas pernas. Sua buceta


cintila com sua excitação, tão molhada e brilhante que metade de mim
quer admirar a vista de sua carne lisa rosa, mas eu quero consumir e
ser consumido completamente por ela. Pressionando minhas mãos em
suas pernas, eu as abro novamente e lambo, um ataque luxuriante e
longo, em todo o caminho para cima, espetando minha língua contra o
clitóris latejante no topo.

Ela grita meu nome.

Minha língua vai em sentido inverso, arrastando para baixo.

Ela geme o nome de Deus.

E eu vou para o centro, lambendo sua umidade. Sugando sua


doçura. Devorando-a até ela estar ofegante, e se contorcendo, e dizendo
o nome de Jesus desta vez. Talvez eu possa fazê-la a gritar todos os
santos, também.

Suas mãos procuram o meu cabelo, agarrando, apertando para


baixo. Seus quadris levantam, combinando com meus movimentos
quando eu beijo sua buceta do jeito que eu beijei seus lábios.
Esfomeadamente. Como se eu não conseguisse ter o suficiente para
comer.

— É tão bom, é tão bom, é tão bom, — ela geme, puxando meu
cabelo, puxando meu rosto mais perto, ainda que, acredite, eu esteja
enterrado nela agora. Não há nenhum lugar que eu preferiria estar. Meu
pau duro trava uma batalha para escapar do meu jeans. Eu a quero
mais do que eu jamais quis qualquer outra mulher.

Seus quadris moem contra o meu rosto, suas unhas cavam no


meu crânio, e ela balança em minha boca, impulsionada por uma
necessidade que, eu tenho certeza, apenas eu posso saciar. Eu lambo
mais rápido, beijo-a mais avidamente, passo rapidamente a minha
língua contra o seu doce clitóris até que ela tranca suas pernas em volta
da minha cabeça. — Oh Deus, não pare, eu estou gozando, não pare, eu
estou gozando, — ela grita.

~ 144 ~
Eu quero dizer a ela que eu nunca pararia, mas eu mal posso
respirar, porque ela está gozando em tudo, os meus lábios, meu queixo,
meu rosto. Ela canta meu nome quando seu orgasmo explode através
dela, até ela estremecer e balançar, ofegando ‘Oh Deus’ em uma voz
mais suave quando ela desce do êxtase.

Enquanto eu me endireito e esfrego a minha mão sobre a minha


boca, eu olho para a vista na minha frente. Natalie está em sua mesa,
com as pernas bem abertas, seu belo rosto colorido com pura
satisfação, seu cabelo loiro em uma desordem selvagem.

Felicidade. A porra da felicidade.

Ela pisca seus olhos abertos, e é como se ela estivesse acordando


depois de um sonho. Quando seu olhar encontra o meu, ela sorri, e é
um novo - um sorriso pateta que de alguma forma me excita ainda
mais.

Incrivelmente, a faísca em mim dispara mais alto quando ela


levanta o braço, chegando até mim. Eu pego sua mão, puxo-a para mais
perto, e a ajudo a sair da mesa. Eu imagino que ela alisará sua saia,
ajeitará o seu cabelo, algo assim.

Em vez disso, ela se vira, inclina-se e coloca as mãos sobre a


mesa.

Uma oferta.

Ela não precisa pedir duas vezes. Eu abro o meu jeans, abaixo a
minha cueca, e esfrego a cabeça do meu pau contra toda essa umidade.
Orgulho surge em mim. Ela está encharcada por causa de mim. Ela
está pingando, porque eu a fiz gozar forte pra caralho.

Então sanidade vem se instalar. — Eu deveria pegar uma


camisinha, — eu murmuro.

Ela balança a cabeça. — Estamos bem. Contanto que você não


esteve com ninguém desde-

— Porra, não.

— Então me dê o seu pau, Wyatt, — diz ela com uma piscadela


suja.

— Pegue-o, querida. Pegue-o porra, — eu rosno e eu esfrego a


cabeça entre suas pernas e empurro para dentro.

~ 145 ~
Ela ofega, e sem mais nem menos, eu estou completamente
aninhado na mulher que ainda é minha esposa. Embora algo esteja
terrivelmente errado sobre essa pequena situação, parece
estranhamente certo neste momento, também. Mas eu não posso me
debruçar sobre títulos ou rótulos quando eu tenho a minha mulher
para transar. Minhas mãos apertam seus quadris, e eu levanto sua
bunda para cima um pouco, encontrando o ângulo perfeito.

É bom pra caralho quando eu a preencho, quando eu puxo para


trás, quando eu me movo profundamente dentro. Ela está comigo a
cada segundo, e nós nos movemos em uma espécie de uníssono febril.
Golpes duros e rápidos. Impulsos profundos e poderosos. Gemidos e
grunhidos que vem em camadas em cima um do outro. Eu rolo meus
quadris e dou um impulso pra dentro, e ela balança comigo, dando-me
o seu corpo para o nosso prazer.

Dentro de minutos, ela voltou para o limite. Ela agarra os lados


da mesa e grita meu nome. — Oh Deus, Wyatt. Oh meu Deus, — ela
grita, e o som do meu nome em seus lábios faz minhas bolas apertarem.
Prazer sobe em mim, atingindo um pico quando eu fodo com ela através
do seu segundo clímax, seu orgasmo cobrindo o meu pau.

Enquanto ela estremece debaixo de mim, eu entro em erupção. —


Porra, Nat. Vou gozar tão forte.

— Sim, — ela encoraja, e eu movo minhas mãos para os seus


ombros, segurando-a no lugar.

— Tão. Forte, — eu gemo enquanto dou um impulso. Meu corpo


arde incandescente, e um orgasmo vem rápido através de mim, me
incendiando com um prazer carnal e puro, enquanto eu gozo dentro
dela com um alto, — Porra, amo isso.

— Eu também. Oh Deus, eu também.

Eu colapso sobre ela, meu peito em suas costas, esmagando-a.


Ela murmura baixinho, um zumbido doce que me diz que ela gosta do
meu corpo sobre o dela, então eu fico. Eu beijo sua bochecha e roço
uma carícia suave nos seus lábios. — Eu queria fazer isso de novo
desde que eu acordei em Las Vegas com você.

Ela soa surpresa quando ela diz, — Você queria?

Eu aceno contra ela. — Muito. É ridículo o quanto.

— O mesmo aqui. Toda vez que você está perto de mim, eu quero
te tocar, te beijar, te sentir de novo.

~ 146 ~
Eu sorrio contra o meu melhor julgamento. — Eu juro que é
ainda muito melhor sóbrio do que bêbado.

— É inebriante de uma forma totalmente nova, — diz ela.

— Não poderia estar mais de acordo. — eu espano um beijo em


sua bochecha, e suspiro alegremente. Porque eu estou feliz. Eu estou
drogado em endorfinas no momento. Eu corro o meu nariz através de
seu cabelo. Inalando-a. Eu não consigo ter o suficiente. — Como foi o
seu dia?

— Foi bom. No entanto, está muito melhor agora.

— Tudo bem no escritório? — eu pergunto brincando.

— Tudo está ótimo no escritório, especialmente depois do


expediente.

Eu bato os nós dos dedos contra sua mesa. — Esta é uma


excelente mesa. Certifique-se de dizer ao seu chefe que ele fez um
trabalho fantástico escolhendo-a.

Ela enfia o cotovelo de volta para o meu peito. — Eu a escolhi.

— Hum. Bem, neste caso, — eu digo, deixando cair um beijo em


sua testa. — Você tem excelente gosto em mobiliário de escritório.

Mas, depois que a conversa de quarto termina e nós nos


limpamos, eu não tenho certeza para onde vamos a partir daqui. O
assunto está resolvido para mim, quando Natalie diz em sua melhor voz
estilo profissional, — Quer ouvir como conseguir um divórcio
incontestado em Nova York?

E cara, nada deixa você sóbrio mais rápido do que isso.

~ 147 ~
Vinte e três
Uma sirene ressoa.

Quando o caminhão de bombeiros vermelho se move em alta


velocidade até o Central Park West na manhã de sábado, o Chihuahua
castanho que eu estou andando ao longo do caminho interno aponta
seu focinho no ar.

Eu levanto uma mão na minha testa como um rebatedor


esperando ver se a bola dispara para fora do campo de baseball. — E
está indo para as arquibancadas! Quase lá!

A boca do cachorro está fechada, mas seu nariz está preparado, e


antecipação sopra através de mim com a possibilidade de que eu
poderia ganhar a caça no bingo de cachorro que nós jogamos. Porque
quando um cachorro com o qual você está andando irrompe em um
uivo, você recebe todos os pontos.

Eu encaro para o trotador de três quilos ao meu lado, esperando,


esperando, esperando pelo cachorro gritar.

Nick está ao meu lado, sua mão enrolada em volta da coleira de


couro de um Jack Russell Terrier, que está ganhando um lar temporário
no Little Friends Rescue, onde somos voluntários. Ele sorri quando o
seu cachorro emite um gemido suave. — Talvez você ganhará, ou talvez
eu ensinarei você, — diz ele, pouco antes que seu cão desencadear o
uivo mais épico que eu já ouvi.

Sua besta branca e marrom passa a imitar um animal selvagem


pelos próximos trinta segundos, soando absolutamente adorável até a
sirene do carro de bombeiros começar a desaparecer na distância.

— Cara, — eu digo abatido, quando os cães retomam o seu


habitual ritmo cheiro-e-trote. — Eu estou tendo a pior sorte esta
semana.

Primeiro, houve a pancada no joelho, então minha eliminação


idiota de um sanduíche delicioso, e no topo disso está o zumbi do meu

~ 148 ~
casamento. Eu simplesmente não consigo matar a união de mortos-
vivos com armas comuns. Eu vou ter que ir no estilo The Walking Dead
e abatê-lo no tronco cerebral com um ataque de divórcio em grande
escala.

É como uma ressaca que não vai parar.

Mas a verdadeira má sorte é a virada de 180 graus de Natalie


depois das nossas gloriosas aventuras sexuais no escritório. Sem mais
gostosa no local de trabalho. Em vez disso, ela é a Senhorita Certinha e
Adequada, cercada pela coisa mais monótona que rouba a alma desde
sempre... papelada.

— Semana difícil? — Nick pergunta, dando um tapinha nas


minhas costas. — Você entrou na zona da amizade por uma prostituta
de novo?

— Sim. A que eu estou levando para o seu casamento, — eu digo,


devolvendo isso para ele.

— Ai. — quando estamos perto do Little Friends, Nick limpa a


garganta. — Falando das minhas núpcias...

— Deixe-me adivinhar. Você quer que eu me torne um sacerdote


para que eu possa declarar vocês marido e mulher.

— Uau, não, — diz ele, sacudindo a cabeça com firmeza. — Tipo


nunca, jamais.

— Você que sabe. Eu seria bom com isso, — eu digo, então minha
mente corre de volta para Vegas, agarrando pedaços do meu casamento
verdadeiramente sem sorte. Ainda são apenas Elvis, costeletas, e aceito.

— Na verdade, eu estava esperando que você fosse o meu


padrinho.

Eu paro no meu caminho, estranhamente surpreso que Nick me


pediu. — Eu pensei que você iria querer Spencer para ser o seu
padrinho.

Meu irmão gêmeo dá de ombros. — Sim, mas você está preso,


partilhando DNA comigo, então é isso.

Eu limpo uma lágrima inexistente do meu olho. — Uau, isso foi


sincero. Tão comovente.

— Sinceramente. Eu falei sério, Wyatt. Sem brincadeiras agora.


Você me ajudou a perceber o quanto Harper significava para mim. Você

~ 149 ~
disse isso para mim diretamente e me ajudou a ver que meus
sentimentos por ela eram reais. Inferno, você é meu irmão apesar de
tudo. Mas você também me deu um pontapé na bunda quando eu
precisei de um.

Eu levanto o meu pé e finjo golpear a sua bunda do lado de fora


do Central Park. — Eu sou excelente em administrar chutes na bunda.

— Eu não tenho ideia como isso aconteceu, mas você dá


estranhamente um bom conselho quando se trata de mulheres. E eu
quero que você seja o único em pé comigo lá quando eu me amarrar.

Eu dou um tapinha nas costas dele. — Ei, dar conselhos sobre


você e Harper foi fácil. Vocês são duas ervilhas em uma vagem. Vocês
são como gibões.

Ele arqueia uma sobrancelha questionando. — Você sabia que,


juntamente com os cupins, águias, cisnes e castores, eles são um dos
raros pares de animais que acasalam por toda a vida?

— Eu não sabia isso sobre os gibões. Mas agora o meu cérebro foi
expandido.

— Eu poderia dizer que logo que eu vi o jeito que você olhou para
ela que ela era a sua gibão, — eu digo e levanto um punho para bater.
— Melhor do que um cupim.

Ele ri. — Harper é definitivamente a minha gibão. E muito mais


legal do que um cupim.

— Além disso, deixe-me acrescentar que eu fico realmente bem


pra cacete em um smoking. — eu faço como se eu estivesse ajustando
uma gravata enquanto esperamos na faixa de pedestres.

Nick gesticula dele para mim e para trás. — Nós dois somos
demônios consideráveis, mesmo que eu seja mais bonitíssimo.

— Ei, Rei das Palavras, você sabia que mais bonitíssimo não é
uma palavra que as pessoas usam?

— Mas elas deveriam, quando se trata de você e de mim, — diz ele


quando nós atravessamos a rua, eu reflito sobre o comentário de Nick
sobre bons conselhos. Eu consigo me lembrar exatamente o que eu
disse a ele sobre Harper - como ele precisava ganhar coragem e
enfrentar seus sentimentos por ela. A questão oscila diante de mim -
desde que eu dei ao meu irmão este sábio conselho, o que eu diria a

~ 150 ~
mim mesmo? Como eu me aconselharia para lidar com a minha
situação com Natalie? Mas eu não chego a lugar nenhum.

— Seria uma honra ser seu padrinho, — eu digo a Nick, já que


pelo menos eu tenho uma resposta para o seu pedido. — Especialmente
já que você está definitivamente preso comigo. Eu sou como um uivo de
cachorro. Eu sou contagioso. — isso me dá uma ideia. — Ei, e se eu
uivasse? Há pontos para isso? — eu levanto meu queixo para o céu e
faço a minha melhor chamada de lobo.

E o meu Chihuahua fica maluco.

— Antes tarde do que nunca, — eu digo para o vira-lata.

No Little Friends, devolvemos os cachorros para a gerente do


resgate, uma morena bonita chamada Penny. Seu cabelo está puxado
em um rabo de cavalo alto, e ela tem uma tatuagem de algum tipo de
flor na parte superior de seu ombro, que eu não tenha visto nela antes.

— Bela tattoo, — eu digo, quando ela se vira.

Distraidamente ela passa sua mão pelo pescoço e abre um sorriso


brilhante. — Obrigada, acabei de fazê-la. E como estão os meus rapazes
favoritos?

— Ah, nós estamos magníficos, — Nick diz, batendo a mão sobre


o balcão.

Penny ri e balança a cabeça. — Eu quis dizer Turbo e Charger. —


diz ela, apontando para os cachorros que nós passeamos, que agora
estão brincando em uma área de lazer aberta atrás dela. Tem que se
amar um abrigo que dá nomes de durões para pequenos camaradas.

— Esses caras são radicais. Eles vivem totalmente de acordo com


seus nomes, — eu digo.

— Bom ouvir. Alguém está vindo mais tarde para dar uma olhada
em Charger, — diz ela, apontando para o cachorro que Nick passeou.
Ela cruza seu indicador e o dedo médio. — Eu estou esperando que isso
dê certo. O cara que está vindo só queria ter certeza que ele não seja
muito de latir ou uivar. Preocupações de apartamentos e tudo. Ele
estava barulhento quando você andou com ele? Porque ele é bom aqui.

Minha coluna se endireita, e então Nick engole rapidamente e


intervém. — Ele só uiva para caminhões de bombeiros.

~ 151 ~
O nariz de Penny enruga. Uma pequena constelação de sardas é
salpicada através dele. — Talvez Turbo seja o melhor para ele, então.

Eu dou de ombros feliz e aceno. — Sim, e aquele pequeno


Chihuahua é um canino legal, então vamos esperar que isso dê certo.

Ela levanta a palma da mão e bate as palmas comigo e depois


com Nick. — Mais uma vez obrigada, rapazes. Vejo vocês na sexta?

— Nós estaremos aqui, — eu digo, então aponto para o seu


iPhone. Ele está ligado em uma base atrás dela, e está tocando uma
música legal. — Amo esta banda. Eu os ouvi pela primeira vez outra
semana.

— Eu também, — diz ela, seus olhos castanhos brilhando com


emoção. — Eu adoro encontrar música nova.

Nick limpa a garganta e chega junto, — Ei Penny, você sabia que


Wyatt pode uivar?

Penny levanta uma sobrancelha. — Não me diga?

— Ele é um homem de muitos talentos. Ele pode construir uma


casa para você, ele pode cozinhar um omelete matador, ele pode
descobrir novas músicas impressionantes, e ele pode latir para a lua.
Ele também está livre na sexta à noite, se você-

E a minha mão se lança para cobrir a boca de Nick. — Eu estava


livre na sexta-feira. Mas eu já marquei um trabalho para sexta à noite.

Penny ri das nossas travessuras. — Obrigada por caminhar com


os cães, caras.

Quando nós saímos, Nick aponta sua testa para o resgate. —


Qual é o problema? Você esteve entusiasmado pela Penny durante
meses. E você não a convida para sair? Eu estava afofando-a para você.

Eu dou de ombros. — Apenas algumas coisas acontecendo.

— Você quer dizer que virou celibatário?

Eu bufo. — Não celibatário. Eu te asseguro.

Nick me encara por vários longos segundos. Ele aperta os olhos


como se ele estivesse pensando muito sobre algo, então levanta uma
sobrancelha. — Aconteceu alguma coisa em Vegas?

Eu paro na calçada. — O que isso tem a ver com alguma coisa?

~ 152 ~
— Você tem agido diferente desde então.

— Não faço ideia do que você está falando, — eu digo, mesmo que
por dentro eu esteja me perguntando como diabos meu irmão se tornou
tão observador.

— Parece que há alguns meses você teria alegremente agarrado a


oportunidade para conversar com Penny. Ela é perfeita para você.
Portanto, tudo o que eu posso imaginar é que algo aconteceu em Vegas
com Natalie, e é por isso que você não está perseguindo as coisas com
Penny. — Nick para no meu rosto e me encara com grandes olhos
esbugalhados. — Quem está dando bons conselhos agora?

Eu empurro seu peito suavemente. — Qual foi o conselho nisso?


Soou mais como uma observação, e nem mesmo um precisa. — Não é
que eu não confie em meu irmão e não que eu não queira falar sobre
isso com ele.

O grande problema é que eu não tenho ideia do que fazer com


Natalie, e eu não estou pronto para começar a tagarelar sobre a nossa
pequena união fodida a todo mundo. Isso não é justo com ela. — E dito
isso, eu tenho um lugar para estar.

Eu estou me encontrando com Natalie em breve.

Quando eu pego o metrô em direção ao centro, eu meio que


desejaria ter pedido a Penny para sair. Principalmente, porém, eu
desejaria que eu quisesse. Eu desejaria que eu quisesse pedir a
qualquer outra pessoa para ir a um encontro, metade do quanto eu
quero tomar um café com uma mulher que está no seu caminho de se
tornar minha ex-mulher.

~ 153 ~
Vinte e quatro
Antes de eu ver Natalie, eu faço uma parada planejada em
Greenwich Village para ver Chase.

Eu levanto a ferramenta magnética amarela e preta até a parede


no apartamento, examinando a superfície de gesso. — O problema é,
este localizador de parafuso de vigas praticamente dispara
constantemente quando eu estou por perto, — eu falo impassível.

— Har, har, har34, — Chase diz enquanto eu procuro os parafusos


na parede da sala de estar de um apartamento de um quarto que ele
está considerando alugar. — Acho que você nunca aposentará essa
piada?

Eu balanço minha cabeça enquanto eu bato os nós dos dedos


contra a parede. — Algumas piadas nunca envelhecem. De qualquer
forma, aqui estão os parafusos, assim nós podemos instalar as
prateleiras sem nenhum problema. Eu sei que você quer muitas delas
para mostrar às damas todos os grandes livros que você leu. Mas você
provavelmente nem mesmo conseguirá qualquer periquitinha de volta
para o seu apartamento, em razão de você ser tão feio.

Ele suspira profundamente. — Você está certo. Eu não vou trazê-


las aqui. Porque elas não serão capazes de esperar para me escalar
como uma árvore. Elas estarão todas em cima de mim no elevador.

Eu abaixo o localizador de parafuso para o meu bolso de trás, em


seguida, ele faz um ruído de apito persistente. — Ah cara, isso não vai
parar de disparar comigo aqui.

— Isso está me encontrando, obviamente, — diz ele, inclinando-se


contra o batente da porta da sua potencial de sala de estar.

34São palavras de um mantra, onde har significa a energia com que Deus criou todas
as coisas.

~ 154 ~
Eu aponto o dedo para ele. — Tá vendo? Nem você não consegue
resistir. Você não pode negar o poder da piada do localizador de
parafuso.

Ele move o seu olhar em volta do apartamento vazio. A corretora


de imóveis o deixou dar uma olhada final antes dele assinar. Ele me
pediu para acompanhá-lo para garantir que o lugar não tinha quaisquer
problemas estruturais escondidos. Não que ele estaria em risco por eles,
mas nós dois ouvimos histórias de horror de inquilinos que se
mudaram para apartamentos desmoronando e, então entraram em
guerra contra os proprietários para reparos. Melhor garantir que a casa
esteja em condição sólida de antemão, e este parece bom. Isso é ainda
mais notável já que é um edifício antigo, e está em um ótimo quarteirão
com uma calçada de paralelepípedos e restaurantes legais.

Chase gesticula para os pisos e paredes nus. — Este lugar é um


achado, hein?

— Sim, encaixa-se com certeza.

— Incrível. Eu acho que vou ver a corretora de imóveis agora.


Quando lhe pedi pelas chaves para examiná-lo, tudo o que eu tive que
fazer foi mostrar o meu sorriso matador e ela as entregou. Ela está
entusiasmada comigo. — ele bate seus olhos castanhos quando ele
sorri. — Ela me deu um desconto em razão de eu ser tão bonito.

Eu rolo meus olhos. — Cara, ela não te deu um desconto. Um,


você não é Henry Cavill ou joga baseball para o New York Yankees. Você
não tem esse tipo de atração. Em segundo lugar, é Nova York. Ninguém
ganha um desconto em um apartamento.

— Você só está com ciúmes da minha incrível capacidade de


conseguir as mulheres assim. — ele estala os dedos. Então, em um
instante, seu tom de voz se reduz à um sério. — Então, qual é o acordo
com a sua esposa?

Eu encosto contra a porta da cozinha e suspiro pesadamente. Nós


dois esquecemos as piadas. — Droga cara, eu não sei. Eu não consigo
descobrir o que diabos fazer. — eu conto a ele a última, para que ele
saiba o resultado - nossa anulação ficou sem autorização, nós
transamos como coelhos na mesa dela, e depois ela se tornou a Rainha
do Divórcio-Faça-Você-Mesmo.

Com uma carranca, Chase coça a cabeça. — Você me pegou.


Estou perplexo.

~ 155 ~
— Vamos, Doutor Cérebro. Você nunca está perplexo.

— Não, quero dizer, eu não entendo qual é o problema. — ele bate


um punho contra a palma da outra mão. — Você poderia simplesmente
foder com ela.

Eu me encolho. — Isso é um pouco grosseiro. Além disso, não é


assim.

— Não. Isto é assim.

Eu balanço minha cabeça. — É difícil separar todas as coisas.

— Você quer dizer que você nunca fez sexo sem sentimentos?

— Claro que sim. Eu quis dizer que é difícil separar todos os


outros... embaraços. Como o fato de que eu sou seu empregador.

Ele bate no lado direito de seu crânio. — Você coloca o sexo na


parte de sexo da sua cabeça. — ele bate do lado esquerdo. — Você
coloca o trabalho na parte de trabalho. — ele limpa a palma da mão
contra a outra. — Feito.

Eu balanço a cabeça, divertido. — E a minha irmã se pergunta


por que eu te chamo de cachorro.

Seus olhos se iluminam, e sua expressão se transforma de


playboy cínico para entusiasmado. — Sua irmã pergunta sobre mim?

Eu rolo meus olhos. — Não venha com ideias. Além disso, depois
do que você disse sobre as diferentes partes de seu cérebro, você pode
ficar longe da minha irmã.

— Eu estou apenas te zoando. Sobre tudo isso, incluindo a foda.


— agora ele está com sua postura profissional em pleno andamento.
Sem provocação, sem fazer merda. — Você sabe o que você precisa
fazer. Você se preocupa com essa mulher, como eu disse antes. Quando
isso acontece, não há partes separadas, de modo que você tem que
encerrar isso. — ele corta as mãos no ar. — Ela é sua empregada, então
você simplesmente não pode ir lá.

Isso é o que eu amo sobre Chase. Metade da merda que ele diz é
para chamar a minha atenção, e eu respeito pra caramba este tipo de
empenho com algumas provocações. Mas no final das contas, o homem
entende que existem regras a serem seguidas, e eu preciso segui-las.

— Você está certo. Eu tenho que manter o pau nas calças.

~ 156 ~
Ele faz mímica abrindo uma caixa de presente em sua cintura, e
eu aceno em concordância, em seguida, aponto para o piso de madeira.
— E você e suas partes diferentes do cérebro devem ficar
definitivamente com este apartamento. É um bom negócio.

— Eu acho que vou. Obrigado pela verificação. E ei, se você quiser


uma pequena sessão prática sobre como se comportar em torno de
Natalie, ambos devem vir para o próximo fim de semana de Max. Ele
quis jogar em mim uma pequena coisa-de-jantar de bem-vindo-de-volta-
à-cidade, — diz Chase, mencionando seu irmão.

— Estou dentro. E eu perguntarei à Natalie, também.

Ele bate na testa. — Ah. Esqueci de te dizer. Ela estará lá. Josie
está planejando isso com Max, então ela convidou Natalie.

Eu rolo meus olhos. — Você está sempre aprontando alguma


coisa.

— Isso praticamente me descreve perfeitamente. Ah, e boa sorte


com esse pequeno problema de não ser capaz de separar sexo e
sentimentos, — diz ele com uma sobrancelha arqueada, enquanto
vamos embora.

— Você tem uma pílula para isso também, Doutor Pau?

Ele aponta para sua virilha. — Sim, ele é chamado Localizador de


Parafuso. — ele empurra a pélvis uma vez. — E tudo aqui aponta para
as damas.

A coisa é que com Chase é tudo conversa. Ele estava loucamente


apaixonado por uma garota durante a sua residência, e bem, vamos
apenas dizer que isso não funcionou do jeito que ele queria.

No entanto, ele está certo. Há mais em jogo com Natalie do que o


meu desejo incandescente para foder os miolos dela dia e noite. Ou o
meu desejo de levá-la para Coney Island e andar na montanha-russa,
ou levá-la para um churrasco, ou tê-la como a única ao meu lado no
casamento de Nick.

O que está em jogo é ela.

Natalie tem um trabalho que importa para ela. Quanto mais nós
fizermos besteiras, mais corro o risco de colocá-la em uma situação
estranha no trabalho. Obviamente, eu nunca a demitiria por causa
disso, mas eu quero que ela se sinta confortável no trabalho. Eu tenho
que respeitar a capacidade da mulher para pagar suas próprias contas,

~ 157 ~
e já que eu sou o único que assina seus cheques, eu não posso deixar o
meu pau, o sacana fiel que ele é, dar as ordens.

Esse não é o tipo de homem que eu quero ser.

Se eu continuar transando com ela, onde isso a levará quando


tudo for pro buraco? E irá para o buraco. É inevitável. Relacionamentos
sempre vão, especialmente quando eles começam no escritório.

~ 158 ~
Vinte e cinco
Natalie espera por mim em um carrinho de café no Union Square
Farmer's Market, com um saco de morangos em uma mão e uma bebida
na outra. Ela acena olá, então me dá a bebida. — Do jeito que você
gosta, — diz ela, e seu comentário puxa algo em meu peito.

Sabendo que pedir café para alguém não é um grande negócio no


grande esquema da vida, mas fazer o esforço para conseguir o copo de
café na medida certa, é uma daquelas pequenas coisas que podem fazer
você sorrir.

No entanto, sorrir parece terrivelmente fora de lugar neste


momento. Nós pegamos uma das mesinhas verdes colocadas no fundo
do mercado, rodeado por descolados mastigando falafels e bebendo
ginger sodas35. Eu giro uma cadeira e me instalo nela, descansando os
antebraços sobre o encosto. Eu dou um gole no café e agradeço a ela
novamente.

Natalie enfia uma mecha de seu cabelo loiro atrás da orelha e


pisca um sorriso rápido quando ela coloca os morangos sobre a mesa.
Mergulhando a mão em sua bolsa, ela agarra alguns papéis. — Eu
baixei o pacote ontem para um divórcio incontestado em Nova York. Há
uma tonelada de formulários, e a maioria não se aplica na verdade, mas
devemos passar por eles de qualquer maneira. Pelo que entendi, todo o
processo pode levar de seis semanas a alguns meses.

— Uau. Por que tão demorado?

— Nova York faz você passar por alguns obstáculos.

Ela se embaralha através dos formulários sobre a divisão de bens


do casal, a responsabilidade pelas dívidas conjuntas, a guarda e o
sustento dos filhos, manutenção do cônjuge, benefícios de seguro, e
uma tonelada de outros detalhes legais que fazem minha cabeça girar
no estilo O Exorcista. Ah, sim - eles também me lembram que eu sou

35 Falafel é um salgadinho originário do Oriente médio, que são bolinhos fritos de


grão-de-bico. Ginger soda ou ginger ale é um refrigerante a base de gengibre.

~ 159 ~
um babaca completo por sugerir que nos casássemos naquela noite. O
que era combinado para ser divertido e ousado se transformou em um
nó dos diabos para desembaraçar.

Eu balanço minha cabeça. — Droga, isso realmente me faz sentir


como um idiota de primeira classe por propor casamento, em primeiro
lugar. Eu não tinha ideia que se transformaria em tal desastre, — eu
digo através de um suspiro pesado.

— Nem eu. Mas o que você pode fazer a não ser arregaçar as
mangas? — ela coloca um sorriso, e eu tenho que dizer, estou
impressionado que ela esteja requebrando com a bagunça que fizemos
sendo adultos. Em seguida, ela sussurra conspiratoriamente, — É como
se nós fossemos as crianças levadas que escaparam tarde com o carro.
Mas ao invés de desfrutar da emoção de uma escapulida a meia-noite,
nós derrubamos a caixa de correio de nosso vizinho, e agora estamos
fazendo tarefas extras para pagar por isso.

Eu desato a rir. — Por que tenho a sensação de que você está


falando por experiência?

Ela aponta um dedo para si mesma. — Esta menina fez isso.

— Não me diga?

— Dezesseis e perigosa demais para o seu próprio bem.

— Já que estamos brincando de confessionário, — eu começo com


uma voz arrastada, — você está olhando no espelho.

Seu queixo cai. — Você também?

— Nós fomos para a casa do meu tio durante o verão, e eu tirei o


seu Cadillac e acidentalmente passei por cima das roseiras do vizinho.
Ele não estava feliz. Eu tive que pegar um trem para Jersey todo sábado
aquele verão para cortar o gramado e aparar os arbustos para
compensar o custo das rosas.

Ela levanta a mão e bate palmas. — Isso faz de nós a ovelha negra
da nossa família?

— Béé... — eu digo, imitando o animal.

Os olhos dela se iluminam. — Você consegue fazer ruídos de


animais?

— Você quer mais?

~ 160 ~
Ela balança a cabeça, excitada. — Cavalo, por favor.

Balanço a cabeça rapidamente e faço um som de relinchar.

Levantando um dedo, ela pede por mais um. Eu decido libertar a


minha marca de latir, com um gutural arf, arf, arf , que a faz rachar de
rir.

— Bis, bis!

Eu balanço minha cabeça. — Isso é tudo o que você consegue de


O Mundo de Wyatt de Sons de Animais por agora. Se você for uma boa
menina, eu vou te mostrar o leão no meu repertório mais tarde.

— Eu mal posso esperar.

Eu esfrego as palmas das mãos juntas. — De volta à Terra dos


Adultos.

Nós voltamos aos papéis, revendo-os. Um que me chama a


atenção como uma casa em chamas é a divisão de bens do casal.
Estreitando os olhos, eu esfaqueio as páginas com o dedo. — O que é
isso? Isso é como o meu apartamento ou o negócio, ou algo assim?

Ela dá um tapinha na minha mão suavemente. — Não se


preocupe. Eu não vou fazer uma reclamação sobre o seu negócio.

Eu me endireito. — Não achei que você iria, — eu digo em um tom


irritado e pego o café, mas aparentemente, trazer o copo aos meus
lábios é um processo muito assustador, e eu consigo derramar um
pouco no meu jeans. — Porra, — eu amaldiçoo e Natalie agarra alguns
guardanapos da sua bolsa e os entrega para mim.

— Está tudo bem? — ela pergunta enquanto eu limpe o jeans.

— Sim. — eu encontro os olhos dela. — Minha ex de muito tempo


atrás tentou se apossar do meu negócio. Ver este papel apenas meio
que...

— Tocou em um nervo? — ela fornece suavemente.

Eu concordo. — Estúpido, eu sei.

— Não é estúpido. É como você se sente. Eu provavelmente


sentiria o mesmo.

Eu arrasto a mão pelo meu cabelo. — Você não é assim. Eu nem


deveria estar pensando isso.

~ 161 ~
Ela esfrega o meu braço. — Você está certo. Eu não sou assim.
Mas eu entendo. Eu juro que eu entendo.

— Você entende?

— Faz sentido que você se sinta assim. E olha, eu estaria um


pouco assustada, também, se eu fosse você. Você construiu um negócio
bem sucedido. Mas você tem a minha palavra, Wyatt. Eu não estou
tentando conseguir um pedaço dele. Nós não temos um casamento real.
Nós simplesmente tivemos uma diversão ridícula, uma que era
combinada apenas para durar por vinte e quatro horas. Eu quero que
este processo vá tão bem quanto possível, também.

— Obrigado pela compreensão. Foi apenas uma daquelas coisas


que eu nunca vi chegando, — eu digo, em seguida, compartilho mais
alguns detalhes da Roxy.

— Isso é loucura, — diz ela, balançando a cabeça. — Não admira-

Eu inclino minha cabeça quando ela interrompe. — Não admira o


quê?

Ela acena uma mão na frente das páginas. — Não admira que iria
tocar em um nervo, isso é tudo. Se você deseja obter um advogado para
lidar com isso, eu entendo.

Eu zombo e levanto as minhas mãos. — Não. Eu juro que não


quero. Eu tive mais do que o suficiente de advogados com as
palhaçadas de Roxy. O mesmo com alguém que cortou meu site vários
meses atrás. Tive que ter um advogado envolvido nisso, também. Eu
não entendo por que é tão difícil apenas manter o plano. Certeza que o
contratado para o website não ligou para ela mais tarde, por invadir o
site. — eu digo, sarcasticamente. — Eu só quero colocar isso tudo atrás
de nós.

Ela abre um sorriso muito brilhante. — Concordo. Nenhum


tubarão é necessário. Vamos seguir em frente.

Nós passamos os próximos vinte minutos analisando papelada e


assinando documentos. Quando nós terminamos e ela afasta os papéis,
eu levanto o meu copo. — Diga-me algo divertido. Algo para tirar o
sabor do divórcio da minha boca.

Ela pega um morango, arranca as folhas do topo, e coloca entre


os seus lábios. — Morangos tem um gosto bom. Mas eles não são
realmente frutas. Você sabia disso?

~ 162 ~
— Não. Mas eu gosto para onde isso está indo. Continue.

— Pensei que você poderia gostar desta pequena pepita, já que


você é um colecionador de fatos excêntricos.

— O que eles estão, se não bagas? Apenas uma fruta normal?

Ela balança a cabeça e pega outro, passando em seus lábios


muito vermelhos. Depois que ela come, ela responde: — Um receptáculo
carnoso para as sementes.

Eu enrugo meu nariz. — Isso é meio nojento. Onde você aprendeu


isso?

— Eu consultei outro dia. Eu acho que fatos excêntricos estavam


na minha mente por causa de você. — ela me entrega uma baga
vermelha. Quando eu a como, não posso evitar em sorrir de algo tão
simples como ela pesquisando esquisitices da vida por esse motivo. —
Sua vez, — diz ela. — Diga-me algo da Enciclopédia do Wyatt de Fatos
de Animais Excêntricos.

— Você sabe por que os gatos podem deslizar sob um armário da


pia no banheiro como se estivessem desossados? — eu começo, e não
há nada como o antigo factoide gatos-não-têm-clavículas, para tirar o
ferrão de se divorciar da mulher que você fodeu na mesa dela na
semana passada. Na verdade, os gatos sem clavículas são ouro puro
quando você precisa de um lubrificante de conversa. Eu também
trabalho em um pequeno detalhe sobre perus domesticados (eles não
podem voar), fatos sobre elefantes (com quarenta mil músculos em seus
troncos, eles podem usá-los para pegar objetos pequenos, incluindo
uma pequena moeda), e um pouco de conhecimento em peixes (eles
bebem água por osmose, em vez de suas bocas).

Natalie sorri e dá risada com a minha lição, como ela a chama. —


Seu fascínio com fato de animais - de onde veio isso?

— Eu costumava ler National Geographic quando criança. O que


provavelmente soa estranho, já que todo mundo acha que Nick e Josie
são os mais espertos.

Ela me lança um olhar interrogativo. — Quem acha isso?

Eu dou de ombros. — Não sei. Mas provavelmente todos, eu acho,


uma vez que eles são os mais inteligentes. Josie é ótima com livros, e
Nick é simplesmente... bem, ele é Nick. A velha cachola funciona muito
bem com ele. Eles foram melhores na escola do que eu.

~ 163 ~
— Você já sabe onde eu estou nessa frente, — diz ela, e levanta
um punho. — Ovelha negra unida.

Eu bato seus dedos curvados. — Parece que temos algumas


coisas em comum, quase-ex-Sra. Hammer.

— Uma pena, já que é um divertido sobrenome.

— É. A propósito, eu estou supondo que o fato de que estamos


reunidos no mercado do agricultor, e não no escritório, significa que
estamos tentando não foder como coelhos de novo? — eu pergunto, com
o objetivo de fazer parecer mais fácil a situação.

Ela desata a rir e gesticula para as tendas vendendo aspargos,


rúcula e alcachofras. — O quê? Você acha que eu não puxarei você para
trás de uma das bancas de vegetais para nós podemos transar atrás de
uma caixa de champignon?

Imediatamente, eu digitalizo o mercado. — Onde estão os


malditos cogumelos?

Ela me esmaga, e nós fazemos o nosso caminho para fora do


mercado. — Eu acho que devemos tentar ser bons meninos e meninas,
— diz ela, seu tom de voz com um toque mais sério. — Isso funciona
para você?

Eu envolvo um braço por cima do ombro dela. — Funciona para


mim. E parece que sobrevivemos mantendo nossas mãos longe um do
outro, graças à sua estratégia de cogumelo. Não ache que passou
despercebido que não há banca de cogumelo aqui hoje.

Ela estala os dedos em um gesto ‘ah, droga’. — Você me


descobriu. — os olhos dela desviam para a minha mão em seu ombro,
como se quisesse dizer que ela me pegou.

Eu estendo a mão, admitindo minha culpa. — Eu estou tentando,


mulher. Eu estou tentando ser um bom rapaz.

E eu estou. Estou tentando duramente não levantá-la por cima do


meu ombro, carregá-la entre a multidão, e beijá-la pra caralho em cima
das caixas de frutas, caixas de aspargos ou atrás dos cachos de
bananas.

Porque realmente, transar com ela em uma banca de banana


seria absolutamente o nosso estilo.

~ 164 ~
— Dê uma olhada naquela banca de banana, — eu digo
apontando com a minha testa e um oscilar das minhas sobrancelhas.

Ela me esmaga. — Você é mau. Estamos tentando ser amigos.

Eu me endireito e adoto um tom sério. — Eu quis dizer como


amigos, é claro. Eu quero ser amigável com você atrás da banca de
banana.

Ela revira os olhos. — Falando em sermos amigos, eu vou te


enviar aqueles vídeos mais tarde. Eu estou pronta para mostrá-los a
você.

Quando clico no e-mail naquela noite, eu me comprometo em me


concentrar em ajudá-la, não transar com ela.

Porque ela precisa da ajuda.

Estes vídeos estão uma droga.

~ 165 ~
Vinte e seis
Quando Natalie chuta de primeira o cara magro na roupa de
treino preta, ele cai no chão em um amontoado gracioso.

Como se ele estivesse praticado o movimento antes.

— Tá vendo? — eu digo, apontando para a reprodução do vídeo


em seu telefone na segunda-feira à noite, no dojo McKeon Karate. — É
como se ele tivesse feito isso antes. Isso parece como um anúncio, em
vez de uma situação da vida real.

Nós sentamos de pernas cruzadas sobre os tatames azuis. Ela


terminou suas aulas da noite e me pediu para encontrá-la aqui para
rever os vídeos, já que eu trabalhei até tarde na remodelação da cozinha
de Violet. Esta é a única chance que tivemos durante todo o dia para
nos conectar.

Ela aperta seu rabo de cavalo, puxando os fios. Usando seu


uniforme de caratê, ela parece durona e prática nas calças brancas e
camisa combinando, bem como a faixa-preta. Seus pés, porém, são
adoravelmente bonitos. Eles estão nus, e suas unhas estão pintadas em
tons alternando de verde menta e roxo brilhante. Assim como ela me
disse em Vegas que ela gostava de fazer.

— É muito jeitoso, você quer dizer? — ela pergunta.

Eu bato no meu nariz. — Bingo.

— Você acha que ele precisa parecer mais autêntico?

— Você está tentando atingir um público mais amplo com esses


vídeos. Inspirar mulheres a aprender a autodefesa. Você precisa que os
vídeos pareçam mais naturais, na minha opinião. Como se isso pudesse
acontecer e você seria capaz de espancar e golpear algum filho da puta
em seus joelhos.

~ 166 ~
Ela se estende para a frente e pousa seu rosto sobre o tapete. —
Graças a Deus, — diz ela em um longo suspiro. — Eu pensei que você ia
dizer que eles eram chatos.

— Não, — eu digo, brandindo o telefone. — Esse cara é


simplesmente tão Karate Kid. Eu assisto isso e eu não penso em
autodefesa. Eu penso em dois peritos de caratê fazendo algo que eu
nunca poderei fazer. É muito... coreografado.

Ela senta em linha reta, vira para mim e agarra meu braço. — Eu
posso fazer isso, Wyatt. Eu posso corrigi-los. Eu os mostrei para as
pessoas aqui, e todos eles dizem que estão ótimos, mas eu sabia que no
fundo eles não estavam. — ela cutuca meu ombro. — Obrigada por ser
honesto comigo. Eu precisava de alguém de fora do mundo das artes
marciais.

Eu decido oficialmente que Natalie é uma das pessoas mais legais


que eu conheço. Eu nunca vi alguém receber críticas tão bem como ela.
Ela não fica na defensiva; ela não fica aborrecida. Ela verdadeiramente
quer fazer seus vídeos o melhor que eles podem ser.

Além disso, olhe para nós arrasando no departamento da


amizade.

Nota para mim: ter o foco em ajudar a sua empregada a perseguir


sua paixão, é um uso muito mais nobre do seu tempo do que planejar
como comê-la sem sentido novamente.

Sim. Isto é como eu posso ser um bom rapaz. Este é Wyatt da


salada pós-gordurosa.

Ela se levanta e anda em volta do estúdio. Somos apenas nós


agora. Ele está trancado para a noite. — Ok, então nós queremos que
isto pareça real. Como se um cara simplesmente viesse até mim na rua.

— Exatamente.

— Eu estou caminhando, ele tenta me agarrar... — ela pega meu


braço e me puxa para cima do chão. — Faça isso.

Eu pisco. — O quê?

— Ataque-me.

— Tá maluca?

— Não. — seus olhos azuis estão selvagens. — Eu tenho uma


ideia. — ela corre para seu telefone, coloca-o em uma cadeira de

~ 167 ~
madeira na borda do tatame, e dá um tapinha na tela. — Vamos fazer
isso.

— Espere, — eu digo, quando me atinge exatamente qual é o seu


plano. Eu aponto para o meu peito. — Eu estou fazendo isso com você?

— Os vídeos eram muito jeitosos. Você nunca fez caratê antes,


certo?

— Certo.

— E você quer me ajudar?

— Eu quero.

— Vamos torná-lo autêntico, — diz ela, então se move para mais


perto de mim e estabelece as mãos nos meus ombros. — Seja minha
cobaia.

E não há nenhuma maneira que eu possa dizer não para ela. De


jeito nenhum, e meu sim não tem nada a ver com querê-la debaixo de
mim e tudo a ver com querer ajudá-la a perseguir seus sonhos. — Ok,
garota ninja. Faça-me o seu boneco de testes.

Ela pega meu braço, afasta de mim, e o envolve em torno da sua


garganta. — Você vai me sufocar.

— Nat, eu não estou nesse tipo de jogo, — eu repreendo.

Por cima do seu ombro, ela estreita os olhos, e eles são de um


azul férreo agora. — Apenas faça, Hammer.

Eu aperto o meu agarre, então em uma fração de segundo, a


respiração é nocauteada de mim enquanto ela enfia um cotovelo no meu
estômago e me joga no chão.

— Vigor.

Esticado no chão do estúdio de caratê, eu encaro fixamente


Natalie como um personagem de desenho animado atordoado. Seu pé
descalço está parado na minha barriga, triunfante, um líder militar
conquistando o inimigo.

— Bem, sim. Assim, — eu digo secamente.

— Devemos ver como isso ficou?

~ 168 ~
Ela pega o telefone, se ajoelha ao meu lado, e reproduz o vídeo. E
caramba. A mulher é uma fera. — Você está impressionante pra
caralho.

— Nós somos uma boa equipe, — diz ela, empurrando-me de


brincadeira. — Você não sabe esses movimentos, o que faz isso parecer
mais natural. Como se isso é o que realmente poderia acontecer se eu
estivesse me defendendo. Eu não farei um ataque completo em você,
mas eu farei os movimentos e apenas segurar um pouco. Você vai fazer
mais comigo?

— Todos eles têm de ser ataques surpresa?

Ela faz beicinho. — Machucou?

Eu tento ser durão. — Na verdade não.

— Então eu tenho fé que você pode lidar com isso. — ela levanta,
e eu a sigo, sem saber qual será o próximo passo. Mas esse é o ponto.
— Vamos fazer isso. Vamos tornar isso tão real quanto ele pode ser.

Eu dou de ombros alegremente. — Prometa-me uma coisa.

Ela se encolhe momentaneamente quando digo prometa-me, mas


depois simplesmente acena. — O que é?

Eu seguro meu pau. — Não me chute nas bolas.

Com um movimento rápido, ela chega para as joias, mas não


chega a tocar - apenas arremessa a mão perto o suficiente para me
tentar. Uma polegada de distância, talvez. Ela traz o seu rosto perto do
meu e sussurra sensualmente, — Eu prometo que não machucarei suas
belas bolas.

Um raio de luxúria carrega através de mim. E enquanto eu estou


feliz que ela não as machucará, eu não posso negar que eu realmente
gostaria dela brincando com elas... agora mesmo. Mergulhe sua mão na
minha calça jeans, para baixo, dentro da minha cueca boxer, e porra,
direto sobre a mercadoria. Eu quase gemo quando minha imaginação se
solta na imagem simples, mas a ponto de entrar em erupção. No
entanto, ela está empolgada pelo caratê, então eu digo ‘corta’, no filme
pornô que a câmara cinematográfica em minha mente quer filmar.

Saltando na ponta dos seus pés, Natalie me diz como ir atrás dela
depois. Ela atravessa o tatame, de costas para mim, e eu me desloco
por trás e tento arrastá-la para longe.

~ 169 ~
Ela é rápida e furiosa, movendo-se em um borrão enquanto ela
me chuta e me envia em colapso até o chão. Eu estou em minhas mãos
e joelhos. Eu não estou ferido; eu só estou sem fôlego porque eu estou
surpreso. Ela veio para mim tão rápido, como uma tempestade de areia.

— Não gostaria de te encontrar em uma garagem. — eu recupero


o fôlego.

Quando eu levanto meu rosto, ela sorri para mim. — Pronto para
mais?

— Atinja-me com seu melhor tiro, Mãos Levadas.

E assim ela faz. Ela me dá uma orientação simples, então me


derruba. Então, ela faz isso de novo de uma forma totalmente nova.
Depois de vinte minutos de abuso, estou deitado sobre o tatame azul,
exausto desse raio de treino. Ela poderia me ganhar em qualquer
batalha. — Você ganha, — eu digo, respirando com dificuldade.

— Isso foi incrível. — depois que ela desliga a câmera, ela se senta
ao meu lado e se vira de lado.

— Mas de verdade. Você está bem? — ela passa a mão pelo meu
braço.

Eu tremo do seu toque, mas faço o meu melhor para esconder a


reação. — Agora a mulher pergunta se eu estou bem, — eu digo para o
teto.

— Mas você está, certo?

Eu rio e me viro para olhar para ela. — Eu juro, eu estou bem.

Ela agarra meu braço em emoção. — Você é o melhor. Você me


ajudou muito. Significa muito para mim que você tenha feito isso. Você
não precisava, mas você fez de qualquer maneira.

Missão cumprida. Eu me dou um tapinha mental nas costas por


minha total concentração em animá-la, não transando com ela por todo
lado. — Eu estou feliz que eu pude fazer isso. Eu também poderia ser
um glutão por punição.

— Seja meu glutão, — diz ela. Seu rosto brilha, e ela parece
saudável, radiante, energizada. Ela está totalmente em seu elemento.
Isso é também incrivelmente sexy, o que é extremamente perigoso.

Então eu não digo nada.

~ 170 ~
O silêncio desce sobre nós, o tipo de calma que é rica em
possibilidades. De alguma forma, dizer nada parece sugerir alguma
coisa mais - as outras coisas que poderíamos fazer agora mesmo. Seu
sorriso desaparece, mas não é substituído por tristeza. Em vez disso,
ela me estuda atentamente, e eu faço o mesmo com ela. Percebo o jeito
com o seu cabelo cai do elástico do rabo de cavalo. Registrando como
seu peito sobe a cada respiração. Observando como seus olhos azuis
são mais escuros quando ela olha para mim deste jeito.

É um olhar que eu reconheço. Que eu quero desesperadamente. É


como ela fica antes dela me beijar. Ela mordisca no canto dos seus
lábios e de mansinho passa os dedos em cima do meu ombro, então os
arranca. — Desculpa. Eu estou tentando ser boa.

— Eu também, — eu digo, minha voz seca.

A dela é um suave sussurro. — É difícil.

Eu suspiro. — Muito difícil às vezes.

— Está funcionando? Ser bom?

— Eu quero ser um cara bom, Natalie.

— Você é um cara bom, Wyatt. Você está aqui.

Eu coloco minhas mãos debaixo da minha cabeça, como se eu


estivesse algemando-as. — E isso prova que estou conseguindo?

Ela assente. — Eu acho que sim.

— Você me dá mais crédito do que eu mereço, — eu digo, e deixo


o meu olhar desviar para o teto. Se eu olhar para ela, eu vou tentar
tocá-la. Se eu olhar dentro daqueles olhos mais um segundo, eu estarei
perdido em todo este desejo.

— Você merece mais crédito do que você dá a si mesmo. — seu


tom é sério e firme, e fisga dentro de mim.

— Eu não teria tanta certeza de que eu mereço qualquer crédito.


Você não tem ideia...

Ela se empurra mais para cima em seu cotovelo. Eu posso ver seu
rosto agora quando ela fala. — Não tenho ideia do quê? Como é
trabalhar ao lado de alguém que você quer? Como é estar a polegadas
longe dele ou dela? Como é ter essa pessoa e depois lutar como o diabo
para resistir a essa pessoa?

~ 171 ~
Vinte e sete
Arrastando a mão pelo meu cabelo, eu tento estabelecer uma
respiração completa de sanidade, mas a única coisa que eu estou
inalando agora é o perfume dela. Do quanto eu a quero.

— Eu tenho todas essas ideias, também. — eu digo asperamente.


— Porque eu fico muito excitado por estar perto de você. Então você diz
tudo isso, e o que eu deveria fazer a não ser querer você ainda mais?

Um pequeno sorriso aparece no rosto dela. — Bem, nós estamos


quites, então.

Eu rio levemente. — Quites.

Ela mexe as sobrancelhas. — Olhe pelo lado bom. Eu disse que


não iria prejudicar suas belas bolas.

— As bolas e eu agradeço.

Ela lambe os lábios, e suas próximas palavras saem como uma


música sensual. — Como posso te agradecer por esta noite? — os olhos
dela derivam para baixo do meu rosto, e ela está olhando em meu peito,
minha cintura, e, finalmente, a protuberância em minha calça jeans
que ela causou.

Estou perdendo essa batalha - perdendo feio. Todos os meus


planos para ser um bom rapaz são disparados para o inferno quando
sua mão segue seus olhos. — Elas estão realmente ok? — ela pergunta,
toda inocente e preocupada, a palma da mão dela pairando a milímetros
do pacote.

Eu dou de ombros levemente e jogo a toalha. — Não vai doer dar


uma checada.

Ela me pega através do meu jeans, sua palma embalando em


volta do meu pau, em seguida, deslizando entre minhas pernas, sobre o
tecido da minha calça jeans.

Eu assobio.

~ 172 ~
Em uma lufada, ela se escarrancha em mim, agarra meus pulsos,
e os prende atrás da minha cabeça, enquanto ela dança para cima e
para baixo no meu pau duro.

— Nat, — eu gemo, como um aviso. — O que estamos fazendo?

Ela balança a cabeça. — Eu não sei. Mas quando eu chego perto


de você assim, meu corpo assume o controle. Eu só quero tocar em você
em todos os lugares. — ela corre as unhas no meu peito. — Moer contra
seu pau, — diz ela, e demonstra como ela gosta disso também.

Eu gemo ruidosamente. — Você me mata quando você diz essas


coisas. Sua boca suja é o meu prazer culpado.

— Nunca se sinta culpado sobre o prazer. — ela abaixa o rosto, o


cabelo macio do seu rabo de cavalo balançando contra o meu pescoço e
sua boca perto da minha orelha. — Há algo que eu não fiz com você.

Meus músculos se contraem em antecipação. — O que é?

— Eu quero saber como é o seu gosto. Você quer isso?

Em um segundo, eu escapo livre de seu aperto em meus pulsos


para agarrar seus quadris, fazendo-a me montar. — Muito, porra.

— Tem certeza?

Eu não me importo de implorar. — Por favor, chupe meu pau.

Seus olhos se alargam de desejo enquanto ela se esfrega contra


mim. Provocando. Deliberadamente brincando comigo.

Eu agarro seu rosto e começo a empurrar sua cabeça para baixo.


— Preciso da sua boca em mim, baby.

— Excita-me te ouvir implorar por isso, — diz ela em um ronronar


sexy. — Você pode dizer, por favor outra vez?

Eu balanço nela, deixando-a sentir o aço no meu jeans. — Nat, —


eu rosno. — Eu estou te implorando. Por favor, chupe-me.

Ela fecha os olhos, a expressão em seu rosto como se ela estivesse


em um sonho sujo. — Eu quero provar você gozando em minha
garganta.

Um tremor de luxúria chacoalha pelo meu corpo. Eu tenho que


tê-la agora. Eu a empurro para fora da minha virilha e aponto para o
meu pau duro. — Abra minha calça e tenha esses lábios sensuais
enrolados no meu pau. Pare de falar e comece a chupar.

~ 173 ~
Ela arqueia uma sobrancelha e abre meu zíper. Eu a ajudo,
levantando minha bunda, e empurrando para baixo o meu jeans e
cueca para minhas coxas. Em um segundo, sua cabeça está entre as
minhas pernas, e a provocação continua. É o mais fantástico tipo de
tortura vindo de sua língua enquanto ela dá pequenos toques sobre a
cabeça, deixando-me querendo muito mais.

— Vamos, Nat.

— Vamos o quê? — ela levanta o rosto e mexe uma sobrancelha.


— Eu quero brincar.

— Então beija a ponta, — eu ordeno e agarro a parte de trás da


sua cabeça, puxando-a para baixo.

Ela geme quando ela traça a cabeça do meu pau entre seus lábios
quentes. Eu quero cantar de prazer. Do calor doce e puro da sua língua
molhada no meu pau.

— Tão bom, — eu digo asperamente, esfregando meu pau contra


seus lábios. Ela se move comigo, circulando a língua sobre a ponta
quando eu o deslizo em seus lábios. Desejo corre em minhas veias
enquanto eu sinto seu hálito quente no meu pau.

— Lamba o eixo agora, — eu digo a ela, e seus olhos dançam


lascivamente enquanto ela corre a língua da cabeça, e por todo o
caminho até a base.

Eu gemo mais alto quando ela olha para mim e ela mergulha a
mão entre minhas pernas. Segurando minhas bolas, ela brinca,
arrastando as unhas sobre elas. Com os olhos em mim, ela sussurra: —
Quer que eu as lamba?

— Porra, sim, — eu dou um grunhido, empurrando-me em sua


mão, encorajando-a para vir mais perto.

Ela se abaixa, escovando a língua sobre mim, então por baixo,


lambendo minhas bolas, rodando sua língua por toda parte nelas,
atraindo-as dentro da sua boca. Deixando-me um filho da puta louco.
Eu aperto sua cabeça mais forte. — Bom pra caralho, — eu gemo.

Ela solta e se arrasta até mim, aquele olhar sujo e insinuante em


seus olhos. — Então me diga o quanto você quer toda a minha boca.

Eu corro o meu dedo indicador sobre seus lábios atrevidos. — Eu


quero foder sua linda boquinha pra caralho.

~ 174 ~
Prazer atira através de mim quando ela abaixa lentamente para o
meu corpo, empurrando a minha camisa para que ela possa beijar meu
peito, meu abdômen, minha cintura, então o caminho da felicidade, até
ela estar cara a cara com meu pau de novo, onde eu a quero. — Jesus,
Nat. Você fica tão boa ao lado do meu pau.

— Eu acredito que o seu pau e minha boca vão se dar muito bem,
— diz ela com uma piscadela, então ela abre largamente e me traga
completamente para dentro. Puta merda. Eu nunca tinha explodido
assim antes. Ela é feroz e frenética, e é simplesmente uma coisa
deliciosa e esfomeada, chupando meu pau com a fricção mais
surpreendente que eu já senti. Ela é rápida, determinada e tem um
reflexo de asfixia magnífico porque ela leva tudo de mim, e isso não é
fácil.

Seus lábios estão agradavelmente envolvidos e apertados em volta


da minha ereção dolorosa. Com cada golpe de sua língua, cada
movimento dos seus lábios, meus quadris se atiram mais alto, e tudo
que me importa é gozar e gozar forte. Ela me colocou em uma via
rápida, e considerando quão excitado eu estou para ela, não vou
demorar muito tempo.

Não com a minha linda Natalie no controle, sua boca má sugando


meu eixo e seus dedos talentosos brincando com as minhas bolas. Ela
me envia em sobrecarga sensorial, tocando, e brincando e lambendo e
chupando, até que tudo abaixo da cintura vive na terra do prazer
ardente intoxicante.

Meu pau assobia uma melodia feliz, e minhas bolas pulam de


alegria conseguindo esse tipo de atenção. Enfiando minhas mãos mais
apertado em seu cabelo, eu fodo e fodo e fodo, empurrando forte em sua
boca. Ela engole e suga ruidosamente, mas não abranda. Ela leva meu
pau tão profundo quanto ela consegue ir, e desculpe se isso me faz um
filho da puta grosseiro, mas há simplesmente algo sobre uma mulher
com esta determinação em dar um boquete dos meus sonhos que me
faz querê-la ainda mais.

E eu quero. Eu almejo tudo sobre ela.

Eu quero acordar com isso. Encontrá-la no chuveiro, mãos na


parede, pronta para mim. Eu quero ficar de joelhos para ela e ir lá em
baixo na minha mulher. Senti-la pingar sobre toda na minha cara
enquanto eu a como, e puta merda... um orgasmo acumula através de
mim enquanto eu me imagino excitando-a.

— Vou gozar tão forte.

~ 175 ~
E então eu estou disparando jatos dentro da sua boca, e ela suga.
Eu ofego, e gemo, e me contorço, e acho que nunca serei são
novamente.

Mas de repente, eu estou no meu juízo perfeito, porque eu sei,


com perfeita clareza, o que precisa acontecer em seguida. — Venha no
meu rosto, menina bonita, — eu digo. Em segundos, ela empurrou para
fora suas calças de caratê e calcinha, e ela me atravessa, abaixando-se
na minha boca.

Isto.

Seu prazer. Sua doçura. Sua excitação intensa. Com minhas


mãos segurando seus quadris, eu a movimento sobre a minha boca,
minha língua, meus lábios, guiando-a enquanto ela fode meu rosto. Ela
me cobre, e eu juro que estou em outra esfera. Ela é o paraíso para
mim, com sua deliciosa e maravilhosa buceta fantástica, que tem um
gosto bom pra caralho, parada no meu rosto.

— Oh Deus, eu vou gozar em você, — ela grita.

E com o seu alerta do orgasmo, ela está lá, toda molhada, e


quente e selvagem. Suas mãos se firmam no tatame acima da minha
cabeça enquanto ela me monta em seu doce abandono, fodendo meu
rosto como se ele fosse colocado na Terra para o seu prazer.

Não demorou muito tempo, mas isso foi apenas um tempo de


descanso suficiente para a segunda rodada. Depois que ela desce do
seu êxtase, eu me mudo para cima dela. Ela é a única presa, e é assim
que eu a quero.

— Agora quem está deitada de costas? — eu mexo uma


sobrancelha quando eu pego seus joelhos, levanto-os até seu peito, e
deslizo dentro da sua buceta quente e apertada.

— Ah porra, — ela geme, arqueando sua coluna quando eu


empurro profundo dentro dela, apoiando-me em meus braços, minhas
mãos ao lado dos seus ombros. Assim, eu tomo as rédeas. Ela tem sido
a estrela do show, chupando meu pau e montando meu rosto, e agora
eu quero ser o homem no topo. Fodendo-a. Tomando-a. Tendo-a. Tendo
a certeza de que ela saiba o quanto prazer eu posso trazer à ela.

Quando eu afundo em seu centro quente, ela levanta os quadris,


balançando seu pequeno corpo sexy contra mim.

— Abra suas pernas para mim, — eu digo a ela. — Lindas e bem


abertas. Eu quero assistir enquanto eu te fodo.

~ 176 ~
Com um gemido carnal, ela abre suas coxas ainda mais para
mim. Eu vejo onde nossos corpos se encontram, apenas encaro
enquanto meu pau a preenche. — Olhe para nós, — eu digo com voz
rouca.

Ela segue o meu olhar e treme quando ela olha para o meu pau,
deslizando dentro e fora dela. — Nós somos sexy, Wyatt.

Eu trago o meu polegar para seu clitóris inchado, esfregando-o


enquanto ela me olha bater dentro e fora da sua buceta. Ela se torna
ainda mais lisa conforme ela olha. Eu me abaixo mais, meu peito
pressionado no seu lindo corpo enquanto eu esfrego seu clitóris. — Eu
não consigo suportar isso, — eu aperto os dentes. — Eu não consigo
aguentar o quanto eu quero você.

Então ela estremece e cava as unhas na minha bunda. Sua


cabeça cai para trás, seu pescoço exposto, e ela se despedaça. Ela se
desfaz debaixo de mim, gozando, e gritando e gritando: — Oh Deus, oh
Deus, oh Deus, oh Deus.

Uma série interminável de oh deus rasga o ar, e eu a sigo lá,


perseguindo minha própria libertação, grunhindo, e gemendo, e
amando como bons pra caralho nós somos juntos.

Então passos soam no corredor, o estalar de solas no chão.

Os olhos de Natalie se arregalam, e eu me embaralho para fora


dela, meu pau ainda duro e coberto de nós. Ela dá um salto, e eu nunca
vi alguém se vestir tão rápido como esta mulher.

O clique da porta desbloqueando pousa em meus ouvidos


enquanto eu puxo para cima minha cueca e calça jeans, então fecho o
zíper. Eu nem sequer tenho tempo para abotoar o botão de cima. Eu só
aliso com a mão a minha camiseta, eu me contorço e gemo quando
Natalie aterra uma em minhas costelas.

— Eu não sabia que você estava fazendo a coisa do chute aéreo


no meu estômago, — eu murmuro quando a porta se abre e uma ruiva
com um cabelo curto entra.

— Ah. Eu não sabia que você ainda estaria aqui, Natalie. Como
está indo? Eu esqueci minha escova de cabelo.

Escova de cabelo? Você voltou por uma fodida escova de cabelo?


Aprenda como fazer o pente com o dedo, querida.

~ 177 ~
— Olá, Sra. McKeon. Eu não vi nenhuma, — Natalie diz, seu tom
ainda ofegante.

Sra. McKeon arqueia a sobrancelha. — Parece que você poderia


usar uma, no entanto, — a mulher diz, apontando para o cabelo
bagunçado de Natalie.

Meu coração fisga com preocupação dela ter sido apanhada. Esta
mulher a deixa usar o estúdio, e agora ela vai dar o golpe de caratê em
Natalie por transformá-lo em um tatame bow-chicka-wow-wow. O rosto
de Natalie imita uma beterraba enquanto ela passa a mão pelo cabelo
despenteado do sexo. — Ah eu...

— Ela é feroz, — eu digo, interferindo. — Ela estava me


entusiasmando em algo de bom com seus movimentos de faixa-preta.

A ruiva cruza os braços. — Eu mal posso esperar para ver a série


de vídeos quando estiver feito, então. Quais movimentos vocês
trabalharam hoje à noite?

— Chaves de braço, na maioria, — eu digo, com uma cara séria.


— Muitas e muitas chaves de braço.

~ 178 ~
Vinte e oito
Natalie: Eu não posso continuar arriscando meu trabalho assim.
Meu outro trabalho. As aulas de caratê.

Wyatt: Eu sinto muito, Nat. Eu me sinto horrível.

Natalie: Não é culpa sua.

Wyatt: Toda minha. Eu deveria ter sido mais esperto. Levado você
para a minha casa ou algo assim.

Natalie: É minha culpa, também. Isto pode te surpreender (não!),


mas eu meio que amo o sexo de risco.

Wyatt: Chocado. Chocado, eu te digo.

Natalie: Com você, eu devo acrescentar. Eu gosto disso com você.


Isso simplesmente faz alguma coisa comigo. O perigo. A chance de ser
pega.

Wyatt: Hum. Sim! É sexy pra caralho.

Natalie: Mas é tão arriscado.

Wyatt: Definitivamente muito perigoso...

Natalie: Realmente é. Eu sei que você tentou, mas quando a Sra.


McKeon me pediu para ficar depois que você saiu... bem, vamos apenas
dizer que tenho a impressão de que ela não está muito feliz comigo.

Wyatt: Ah, merda. Nat. Eu me sinto horrível. O que posso fazer


para ajudar?

Natalie: Torne-se feio. Aja como um idiota. Pare de ser tão


malditamente carinhoso.

Wyatt: Do mesmo jeito, você poderia começar a agir como uma


cadela de coração frio que vai me apunhalar pelas costas? Isso tornaria
muito mais fácil manter minhas mãos longe de você.

~ 179 ~
Natalie: Se você pudesse ter uma inversão no seu senso de
humor, então eu não iria rir tanto ao seu redor, isso também ajudaria.

Wyatt: Enquanto estamos no assunto, por favor, maldição, pare


de ter tanto em comum comigo.

Natalie: E outra coisa. Talvez você possa parar de tentar me


ajudar a ter sucesso na minha paixão.

Wyatt: E quanto a você, corte a porcaria de me fazer sanduíches?


Isso estava cruzando uma linha.

Natalie: Eu estou contente você gostou do sanduíche :)

Wyatt: Hum, eu deveria confessar que dei a um sem-teto.

Natalie: Isso é tão doce. Tá vendo? É o que eu quero dizer. Você


simplesmente faz essas coisas...

Wyatt: Espere. Antes que você pense que eu sou doce, deixe-me
ser honesto. Eu estava com medo de que você estivesse me
envenenando.

Natalie: ENTÃO VOCÊ TENTOU ENVENENAR UMA PESSOA


DESABRIGADA EM VEZ DISSO???

Wyatt: Não! Eu surtei. Minha mente ficou descontrolada. Eu te


contei sobre minha ex, e o que ela tentou fazer com o meu negócio. Às
vezes, achando que uma mulher quer me pegar, é a minha configuração
padrão. Foi estúpido e errado pensar isso sobre você, mas mesmo assim
eu fiz, imaginando que você estava tramando algo. Joguei o sanduíche,
e mais tarde eu descobri que um cara sem-teto tinha adorado o
sanduíche, e bem, eu me senti como um idiota.

Natalie: Isso é um pouco idiota.

Wyatt: Um idiota de primeira classe, devo acrescentar. Você me


perdoa?

Natalie: Sim, porque você já tem sido punido o suficiente por


perder o meu almoço espetacular. Eu arraso no departamento de
sanduíche.

Wyatt: Talvez eu possa compensar você com um refogado. Ou


uma sopa de camarão do sudoeste. Ou esta nova fajita de bagre
enegrecido, que é incrível.

~ 180 ~
Natalie: Minha resposta a todos os três é sim. E também, eu
quero que você saiba... entendi. Eu realmente entendi. Nós todos temos
medos. Você tem medo de ser tomado. E ei, meu último namorado era
chato, então eu tenho medo de ser chata.

Wyatt: Como uma mulher como você sempre acaba com um cara
maçante? Você é o oposto. Você é a mulher mais fascinante,
interessante e emocionante que eu já conheci.

Natalie: Naquela época, eu pensei que eu precisava ser mais


séria. Menos aventureira.

Wyatt: Seu senso de aventura é uma das minhas coisas favoritas


sobre você, Nat.

Natalie: Idem.

Natalie: Além disso, eu estava errada.

Wyatt: Errada? Sobre o quê? Seu senso de aventura?

Natalie: Não. Lembra em Vegas, quando eu disse que não há tal


coisa como um chocolate sem calorias... ou um cara que é engraçado,
bem dotado e doce?

Wyatt: VOCÊ ENCONTROU CHOCOLATE SEM CALORIAS?? Eu


estou indo até aí.

Natalie: Quem me dera!!! Mas eu me deparei com um cara que é


engraçado, bem dotado e doce.

Wyatt: De jeito nenhum. Ele soa como um unicórnio.

Natalie: Eu gosto de unicórnios.

Wyatt: Eu aposto em unicórnios como você, também. Ouvi dizer


que eles são aventureiros, sexy, quentes, amáveis, carinhosos,
organizados, e completamente impressionantes pra caramba.

Natalie: Só há um problema com este unicórnio.

Wyatt: Qual é?

Natalie: Ele é meu chefe.

Wyatt: Sim, eu me encontro em uma situação muito parecida


com uma funcionária.

Natalie: O que estamos fazendo, Wyatt?

~ 181 ~
Wyatt: Eu gostaria de saber, Nat. Eu gostaria de saber. Tudo o
que eu sei é que eu não consigo parar de pensar em você, mas eu não
quero estragar as coisas para você. Em qualquer um dos seus
trabalhos.

Natalie: Este é o verdadeiro unicórnio. Tendo tudo isso.

~ 182 ~
Vinte e nove
Charlotte me entrega uma margarita quando eu entro na sala de
estar de Max, em seu apê em Battery Park City.

— É a minha receita secreta. Feito com Gummi Bears36, — diz ela


com um grande sorriso.

Eu pego o copo e dou um gole. Está frio, delicioso e levemente


doce. — Nem tanto segredo já que você abriu o bico, não é?

Ela ri e dá um tapinha nas almofadas, então eu tomo o assento ao


lado dela no grande sofá marrom-chocolate em forma de L, de frente
para as janelas. A gangue está toda aqui. Nick está instalado no canto
do sofá, com Harper enrolada ao lado dele. Chase está na outra
extremidade, e eu pego um vislumbre de Natalie e Josie na cozinha com
Max. Spencer está ao lado de Charlotte, e ele levanta um copo para
mim.

— Fico feliz em ouvir que você ganhou a disputa do padrinho. Só


não dê em cima da dama de honra, — ele brinca, apertando o ombro de
Charlotte.

Eu ergo minha mão. — Não se preocupe, cara. Com certeza sua


esposa não é a única dama de honra que está fora dos limites, — eu
digo, já que Harper pediu a Charlotte e Josie para serem damas de
honra, bem como algumas outras amigas.

— Falando de damas de honra, — Harper diz, estendendo-se


através de Nick para tocar meu joelho. — Minha amiga Abby conhece
alguém que precisa de seus serviços de carpintaria. Você se lembra
dela? Vocês dois são ambos enciclopédias de fatos de animais. Vou
colocá-la em contato com Natalie.

— Excelente. Aprecio você espalhando notícia boa de nós,


especialmente para alguém que possa transformar isso em conversa de

36 Como uma jujuba, são ursinhos de goma feitos de gelatina.

~ 183 ~
bar também, — eu digo, e Harper ri. Então eu levanto o meu queixo em
direção à vista da ponta de Manhattan, e falo sem emitir som, legal.

Eu não estive no novo lugar de Max, mas porra, este apê é de


primeira classe. Aqui de cima, no vigésimo quinto andar, há uma vista
da Estátua da Liberdade e do Rio Hudson. O sol do início da noite
brilha nas janelas do chão ao teto.

— Ei, Max, — eu chamo, virando minha cabeça para a cozinha. —


Você constrói carros para Seinfeld e Leno agora ou algo assim? Este
lugar é de outro planeta.

Ele sai da cozinha com uma cerveja em uma mão e uma


margarita na outra, e ri em um barítono profundo. — Eu não posso
divulgar todos os meus clientes celebridades.

— Ah sim, é informação privilegiada, — Chase diz, esboçando


aspas no ar.

— Como vão os negócios? Bem, eu acredito? — eu pergunto a


Max.

Ele coloca a margarita em um porta-copos em cima de uma mesa


de centro de madeira clara que parece ser artesanal, e toma um gole da
sua cerveja. — Você sabe, eu realmente não posso reclamar.

— Eu tenho certeza que é o eufemismo do ano, — Chase diz, uma


nota de orgulho em sua voz. — Ele está arrasando.

Eu ergo a minha taça para Max. — Para a continuação da boa


sorte à frente dos negócios, — eu digo, e aponto para muitos de nós. Os
bares de Charlotte e Spencer são autênticos sucessos, com três locais
prósperos e um quarto abrindo em breve. Nick acaba de lançar um
segundo desenho animado malicioso de fim de noite em uma rede
premium, e ambos os seus shows estão arrasando nas audiências,
enquanto Harper continua a ser um dos mais populares mágicos de
crianças em Nova York. Josie é uma estrela no mundo da farinha, e
Max é o rei do negócio do carro personalizado em Manhattan,
construindo veículos belos e potentes a partir do zero. Enquanto Chase
é o menino de ouro, Max é o cavaleiro das trevas, como eu gosto de
chamá-lo. Cabelo escuro, olhos escuros, estrutura grande, e ele dirige
um carro elegante da cor da meia-noite que deixaria Batman com
ciúmes.

~ 184 ~
Max bate sua garrafa com o meu copo, então acena para seu
irmão. — Eu vou beber a isso. E ao fato de que meu irmão mais novo
está de volta na cidade.

— Ohhh, você sentiu minha falta, — Chase diz com um sorriso


pateta.

Max dá um tapa nas costas dele. — Eu apenas senti falta do


atendimento médico gratuito.

— Família, — Chase fica inexpressivo. — Não se pode viver com


eles, não se pode fazer uma lobotomia neles sem permissão.

— Onde está Mia? — eu pergunto, já que sua irmã é a única que


não está aqui esta noite.

— Mia teve que sair da cidade em uma viagem de negócios. —


Max aponta seu polegar na direção da cozinha. — É melhor eu ir
conferir o frango.

Eu olho para Chase e franzo a testa. Max não é conhecido por


suas proezas no fogão. — Ele cozinhou para você?

Chase ri e balança a cabeça. — Nada. Josie e Natalie cozinharam.


Você sabia que sua esposa faz o melhor frango grelhado?

Toda a conversa cessa num piscar de olhos.

Spencer se endireita. — O quê?

A mandíbula de meu irmão cai. — De jeito nenhum.

Harper lança um travesseiro em mim. — Você não fez.

Da cozinha, Josie guincha. — Quando eu disse a você para


mostrar a ela os pontos turísticos, eu não quis dizer a Little White
Wedding Chapel.

Minha irmã dá passos largos através de todo o piso azulejado,


bufando e soprando, seus saltos clicando propositadamente, e me
empurra com força no peito.

— Ai. — eu estico meu pescoço e encontro o olhar de Natalie da


cozinha. — Eu mencionei que o meu camarada tem a maior boca de
Manhattan?

Natalie dá de ombros com um sorriso o-que-você-pode-fazer. —


Acho que é porque os gatos não têm clavículas. Então é mais fácil para
eles saírem do saco.

~ 185 ~
E por um breve momento, somos só eu e minha quase ex esposa,
cujo senso de humor me faz querer me juntar a ela na cozinha, beijá-la
pra caralho, em seguida, ajudá-la a fazer o resto da refeição. Inferno, eu
ficaria feliz em lavar os pratos com ela, também.

— Isso é verdade? — os olhos verdes de Josie estão arregalados,


enquanto ela dirige sua pergunta para Natalie. — E você não me
contou?

— Obrigado, Chase, por compartilhar este pequeno petisco, — eu


murmuro, ao mesmo tempo.

Mas antes que Natalie consiga responder, Spencer está com


explosões de gargalhada. — Ah sim. Eu apoiarei isso. — ele levanta seu
copo de margarita. — Eu não posso agradecer o suficiente, Chase. Você
acaba de me alimentar pelos próximos anos. — Spencer me encara com
um sorriso do gato-comendo-o-canário. — Agora, eu acredito que todos
nós queremos ouvir a linda história de como Wyatt propôs para a irmã
da minha esposa.

Nick sorri para mim e balança a cabeça. — Cara. Eu te disse que


Vegas era uma receita para problema. Eu sabia que você estava
tramando alguma coisa.

Josie bate no meu cotovelo. — Eu te perguntei se você disse algo


estúpido para ela em Vegas. Eu estava certa.

— Eu disse ‘vamos nos casar’. Ok? Viu. Todos estão felizes? — eu


gesticulo para o grupo e todos os sete estão tendo uma grande
gargalhada às minhas custas.

— Espere. — a voz firme de Natalie corta através do apartamento.


Todo mundo se vira para a loira de olhos azuis na porta da cozinha. —
Por que ninguém está ficando no meu pé? Por que todo mundo está no
pé de Wyatt? Vocês acham que eu não estava envolvida? Que foi apenas
uma de suas grandes ideias loucas? Eu desempenhei um papel,
pessoal. Eu disse sim. Um monte de sins, para falar a verdade, — diz
ela, e as sobrancelhas de Josie disparam para a raiz do cabelo naquela
insinuação mal disfarçada. — Então eu disse o grande sim.

Harper balança a cabeça, sua longa camada de cabelo vermelho


se movendo com ela. — Isto são vocês gozando com a gente?

— Eu lhe asseguro, não há gozação. — Natalie marcha sobre


mim, instala-se no meu colo, segura meu rosto, e planta um beijo em
meus lábios. Mais uma vez, todos os meus pensamentos desvanecem

~ 186 ~
em apenas nós dois. Seus lábios macios. Sua respiração doce. Seu
gosto inebriante. Meus olhos se fecham, e embora este seja o beijo mais
curto na história do tempo, ele ainda tira o ar dos meus pulmões.
Quando ela se afasta, sinto-me tonto.

Todo mundo está mudo. Eles estão apenas nos encarando.

Natalie termina o silêncio. — Vocês todos simplesmente terão que


aceitar que Wyatt Hammer me beija como se fosse a única coisa que ele
quer fazer no mundo todo, e eu não pude resistir a ele. Mas não se
preocupem. Estamos nos divorciando, e ponto final. Agora, podemos
comer, por favor?

— Espere, — Spencer diz, limpando a garganta. Ele aponta dela


para mim e para trás. — Vocês não estão juntos agora? Por que, com
certeza, parecia que vocês estavam.

Em seguida, ele recua e deixa cair uma mão na sua coxa onde
Charlotte está apertando sua perna. — Quero dizer, — Spencer diz,
corrigindo-se, — vamos comer.

Quando se registra o que acabou de acontecer - Charlotte o


beliscou para ele se calar - eu não posso evitar, mas imagino o que
Natalie esteve contando para sua irmã.

Porque Charlotte claramente sabe tudo o que eu faço, e talvez


ainda mais.

***

O bolo de recheio de coco de Josie está divino.

Chase revira os olhos pela vigésima vez. — Eu só quero entrar em


uma banheira e me banhar neste bolo.

Eu arqueio uma sobrancelha. — Uma banheira de bolo?

Chase assente. — Com certeza. Basta preenchê-la até o topo.

Josie ri então pergunta: — Será que devemos preenchê-la com


massa de bolo ou bolo assado?

— Bolo assado. Depois cobertura, — ele responde.

~ 187 ~
Ela abaixa o garfo. — Isso quer dizer que você quer ter cobertura
nesta banheira de bolo, também, Chase?

Ele dá outra mordida. — Com este bolo, sim, por favor. — ele
inclina a cabeça para o lado, olhando-a através da mesa. — A propósito,
eu gosto do novo penteado, — diz ele, apontando para seu cabelo. Josie
é morena, mas ela tingiu vários fios de rosa.

Ela gira um fio rosa. — Obrigada. Eu fiz isso enquanto você


estava fora.

— Porque você sentiu a minha falta?

Ela contorce uma sobrancelha. — Ha, ha. Sim, quando penso em


você, eu penso em rosa.

Logo, é hora de limpar os nossos pratos, e enquanto nós


limpamos, Natalie e eu acabamos sozinhos na pia da cozinha. — Aquilo
foi... estranho, — eu digo.

— O jeito como Chase flerta com a sua irmã?

Eu rio. — Bem, sim. Mas a coisa toda com a gente, também.

— Você sentiu como se eles estivessem olhando para nós durante


todo o jantar? — ela pergunta enquanto ela enxagua um prato de
sobremesa.

— Como se estivéssemos em um zoológico.

— Eu acho que eles queriam que beijássemos de novo.

— Eles não eram os únicos, — eu digo suavemente, então pego o


prato da mão dela e o deslizo no escorredor de pratos.

Ela encontra o meu olhar enquanto a água corre. Sua voz é


suave, apenas para mim. — Eles definitivamente não eram os únicos.

Eu corro um dedo suavemente ao longo de seu pescoço, do lóbulo


da orelha para baixo, até sua clavícula. — Bem aqui. Eu quero te beijar
bem aqui.

Eu demonstro, roçando meus lábios muito levemente contra a


deliciosa pele de seu pescoço, inspirando-a.

Ela estremece. — Quando você me beija assim, isso me faz


esquecer de respirar, — ela sussurra, então vira seu rosto e nossos
lábios se roçam suavemente.

~ 188 ~
E eu sou aquele a tremer.

Quando nós vamos embora, nós nos amontoamos junto com o


grupo no elevador, Spencer com o braço em torno de Charlotte, Nick de
mãos dadas com Harper, Chase contando a Josie uma história da bola
de gude que ele retirou ontem do nariz de uma criança, e Natalie ao
meu lado. Ela está tão perto, eu poderia segurar a mão dela, envolver
um braço por cima do seu ombro e beijar seu cabelo.

Todas as coisas que eu quero fazer.

E eu quero que ela vá para casa comigo esta noite, também.

Mas ela não vai. Quando chegamos à rua, vamos para os nossos
caminhos separados.

~ 189 ~
Trinta
Outro dilema nos confronta vários dias mais tarde, quando Hector
dorme até tarde novamente e perde o trabalho.

Natalie tenta alguns outros caras, mas eles estão todos ocupados.
Desde que eu não expandi ainda, ou contratei alguém regularmente
depois que falhou o trabalho de Vegas, sou apenas eu mais uma vez, e o
tique-taque do relógio. Eu me dirijo para a cidade, para a casa de Violet,
ansioso para terminar sua reforma em tempo.

Com uma concentração obstinada, eu não faço nada além de


trabalhar toda a manhã. Perfurar dobradiças. Ajustar portas. Pendurar
armários. Para refazer a cozinha ultra moderna do apartamento de
cobertura dela no Upper East Side, Violet pediu uma madeira exótica
que fica impressionante em sua casa e deve ser tratada com cuidado
extra. Então é exatamente como eu a trato, certificando-me que cada
única parte se alinhe perfeitamente sem uma marca, arranhão ou
amassado.

Mas também, é o meu trabalho, e isso é o que pretendo fazer


sempre para cada cliente.

Mas no meio da manhã, terminar em tempo parece extremamente


improvável. Há simplesmente muita coisa a fazer. Eu mal tenho tempo
para uma pausa para o almoço, mas meu estômago ronca, e uma gota
de suor desliza pelo meu peito de todo o levantamento e marteladas. Eu
preciso de combustível na minha linha de trabalho, assim eu vou para
fora do prédio de Violet, para a multidão do meio-dia e o sol brilhante,
eu sigo meu estômago na direção da mercearia mais próxima. Enquanto
eu ando ao longo do quarteirão arborizado, repleto de prédios baixos
com fachada marrom, eu ligo para Natalie.

— Ei, — eu digo, e eu posso sentir um sorriso puxando os cantos


da minha boca.

~ 190 ~
— Ei, você. — o doce som da voz dela faz com que o sorriso se
espalhe de um lado ao outro no meu rosto, faz meu coração dar uma
reviravolta.

Nós somos colegas de trabalho, mas neste momento nós não


parecemos assim. Nós parecemos amantes. Como um namorado e uma
namorada. Como se isso fosse como falamos um com o outro quando
ligamos, sem nenhuma razão. E diabos nem sequer sei por que eu liguei
para ela. Talvez apenas para ouvi-la dizer ei você.

Parece motivo suficiente, e isso é o que eu quero - ser capaz de


falar com ela assim, ligar para ela a qualquer momento e conversar
sobre nossos dias sem todas as outras coisas pairando sobre nós.

Eu solto os óculos de sol nos meus olhos e ando à pé para a loja


na esquina, para pegar um sanduíche. — Como está indo na sede?

— Está tudo bem aqui na Bat Caverna, — diz ela, então ela me
diz o que está pegando, e é mais um dia dela gerenciando minha
empresa como uma campeã. Esta mulher é inestimável para mim. — E
eu chequei com os tribunais. Tudo está no caminho certo com o
divórcio também, — ela me diz, mas eu não me sinto conversando sobre
o fim da nossa união, e afinal parece que eu não tenho que falar, já que
ela segue para o próximo item. — Recebi um telefonema hoje da amiga
de Harper, Abby. O cara para quem ela trabalha está investindo em um
novo restaurante, e ele quer falar com você sobre fazer alguns dos
armários.

— Interessante, — eu digo já que eu não costumo lidar com o


trabalho comercial. Mas ela me diz mais sobre o trabalho e parece
viável. — Você pode dar uma passada lá depois de Violet, para fazer um
orçamento? Eu posso te encontrar lá. É no Village.

Meu peito dá aquele baque selvagem novamente, sabendo que eu


a verei mais tarde. O que é ridículo, já que eu a vejo quase todos os
dias. Mas eu gosto de vê-la tanto assim. — Sim, parece ótimo, — eu
digo quando eu me viro para a mercearia, pego um saco de batatas
fritas e um refrigerante diet, e entro na fila do caixa da loja de
conveniência.

— Então. — ela dá um tempo. — Você ligou. Está tudo bem?

Certo. A razão para a minha chamada. Que diabos foi isso? Eu


fico olhando para a caixa de vidro do balcão, esperando encontrar a
resposta no presunto. Mas, honestamente, eu nunca me importei com
presunto, de modo que isso não ajuda. Então eu me lembro porque eu

~ 191 ~
estou em uma parada rapidinha para o almoço. — Eu não acho que eu
consigo terminar o trabalho de Violet hoje. Alguma chance que você
possa localizar alguém para a tarde? Eu só preciso de um outro
conjunto de mãos por algumas horas.

— Por que eu não vou me juntar a você?

— Tem certeza? — eu tento não parecer muito entusiasmado.

— Nós fizemos isso antes na Lila. Nós podemos fazer novamente.


Eu estarei aí em vinte minutos.

— Você é uma ninja, e uma deusa, e a mestre extraordinária do


negócio de carpintaria de Manhattan. Posso te arranjar um sanduíche?
O peru aqui parece bom.

— Obrigada, mas eu já comi. Um ciabatta envenenado. Eu deverei


estar morta em breve.

Um pouco mais tarde ela se junta a mim, e começamos a


trabalhar. Olhando para ela, cuidadosamente martelando um prego, eu
estou impressionado mais uma vez com a realização de tudo o que ela
faz para o meu negócio - ela salva o dia.

À medida que nós trabalhamos, ela está calma e focada, assim


como eu. Por volta das cinco horas, ela dá uma pequena pausa para o
banheiro e retorna rapidamente. Eu abaixo as ferramentas para beber
um copo de água. Natalie está trabalhando na escada na cozinha,
limpando a madeira em um armário acima do fogão, certificando-se de
que ele brilhe. Mas os ombros dela tremem como se algo estivesse
terrivelmente errado.

— Ei, o que está acontecendo?

— Nada, — ela murmura com um gole enquanto ela se move para


baixo um degrau.

— Você tem certeza?

— Estou bem.

Eu coloco a mão na sua parte inferior das costas dela. — Ei, me


diga. O que está errado?

Ela suga uma respiração profunda e encontra o meu olhar.


Palavras derramam de sua boca como gotas de chuva caindo. — Sra.
McKeon disse que ela não precisa das minhas aulas mais.

~ 192 ~
Meu queixo cai. — O quê?

— Ela me mandou uma mensagem mais cedo. Eu só vi quando eu


estava no banheiro. — sua voz trava. — Ela disse que os tatames não
estavam em boa forma depois daquela noite. Eu acho que ela sabe o
que fizemos lá. Eu estou tão envergonhada.

Ela desce a escada, deixa cair o seu rosto em suas mãos, e


permite que as lágrimas caiam. Eu envolvo meus braços em torno dela.
Eu não sei o que dizer, já que é minha culpa também, então eu só a
seguro em meus braços enquanto ela chora em silêncio. Eu afasto seu
cabelo da sua bochecha, enquanto outra lágrima desliza para baixo. Ela
é uma chorona quieta. Sem soluços - apenas um gotejamento constante
desce pelo seu rosto. Mesmo assim, eu posso sentir toda a tristeza nela,
e toda a vergonha que ela não deveria ter que sentir.

— Eu não quero ser a ovelha negra, — ela sussurra em minha


camisa.

— Você não é, baby, — eu digo, suavemente. — Eu juro que não


é.

— Mas eu sou. Eu era a criança selvagem no ensino médio. E


então eu estava pegando o carro do meu pai para um passeio pela noite
afora, mas olhe para mim. Eu estou fazendo isso de novo. — ela se
empurra no meu peito sem entusiasmo. — Levando você para um
passeio pela noite afora.

Eu controlo uma pequena risada em seu esforço para tirar sarro


de si mesma. — Ei. O sujo falando do mal lavado. Além disso, nem um
de seus chamados pecados são tão ruins.

— Eu sei, mas eu amava aquele dojo. Eu estava começando a


construir uma reputação lá.

Eu acaricio seu cabelo. — E a sua reputação permanece intacta,


porque você é incrível no que você faz. Nós encontraremos outro dojo.
Você ainda tem suas aulas de auto defesa no outro estúdio, certo?

Ela acena contra mim. — É apenas uma aula por semana. Aquela
que Lila está tendo.

Eu descanso meu queixo no topo de sua cabeça. — É legal que


Lila esteja em sua aula.

~ 193 ~
— Ela é uma doce. Toda vez que a vejo ela diz que está
trabalhando em conseguir o trabalho de Vegas reiniciado. Ela disse que
está indo bem. Mas Wyatt, eu me sinto como uma fracassada.

Eu me afasto dela e dobro um dedo sob seu queixo. — Você não é.


Eu sou igualmente culpado.

Ela me acerta de leve. — Eu deveria te demitir, então.

— Quem me dera poder passar por isso por você. Eu faria. Eu


juro que eu faria. Eu odeio que isso aconteceu.

Ela engole e respira fundo. Isto parece centrá-la. — Precisamos


descobrir o que nós estamos fazendo.

— Eu sei, — eu digo, desespero colorindo o meu tom, porque eu


gostaria de ter a resposta para tudo. Quero continuar trabalhando com
ela, e eu quero estar com ela, e eu quero apagar o nosso erro de Vegas e
apenas seguir em frente como um homem e uma mulher normais
namorando em Manhattan fariam. Mas sempre que damos um passo,
encontramos um obstáculo.

Tudo o que sei é quando ela inclina seu queixo e olha para mim,
tê-la em meus braços parece tão certo. Mas tudo dá errado quando eu a
toco. A anulação, nossa briga e agora ela perdendo um trabalho no
caratê.

— Wyatt, — ela sussurra, — Eu quero te beijar agora, mas cada


vez que eu faço, eu sinto que algo tolo acontece.

— Adicione leitora de mentes para o seu conjunto de habilidades,


porque eu estava pensando a mesma coisa, — eu digo, e eu a recolho
em meus braços mais uma vez. Suas costas estão pressionadas contra
a escada quando eu deixo um beijo suave na testa dela. — Sem ficar
aos beijos, então, — eu sussurro, com um roçar suave dos meus lábios
em suas pálpebras. — Apenas isso.

Ela acena contra mim, um suspiro suave escapando da sua boca.


Eu roço meus lábios sobre suas faces, seu queixo, seu maxilar, então
pairo, ah, tão tentadoramente perto de seus lábios.

— Nós ficaremos bem, — eu digo a ela em uma voz tênue. —


Sério. Vamos conseguir o nosso divórcio, e se ainda nos sentirmos deste
jeito, então podemos descobrir como diabos um ex marido pode
namorar sua ex esposa.

~ 194 ~
— Que também é empregada dele, — ela acrescenta com um
sorriso, e eu sou uma marionete em suas mãos. Porque... esse sorriso...
esses lábios...

Ela.

— Nós vamos resolver tudo, — eu digo, embora a perspectiva de


como, parece como um cálculo avançado. Mas vamos atravessar essa
ponte quando chegarmos a ela. Eu só espero que as próximas poucas
semanas até que ela seja minha ex voem. Nunca teria pensado que eu
iria querer namorar minha ex mulher tão desesperadamente. Mas eu
quero. Eu realmente quero muito. Talvez isso pareça loucura. Talvez
seja. Mas eu quero começar de novo com ela de um jeito normal. Uma
ficha limpa com esta mulher por quem eu sou louco? Isto parece como
um jeito perfeito para começar de novo.

Eu aperto seu rosto e solto mais um rápido beijo na testa dela.

Ela estaciona uma mão no meu peito e empurra levemente. — Se


você continuar me beijando desse jeito, vamos acabar fazendo isso
nesta escada, e Deus sabe que com a minha sorte, eu quebrarei uma
perna.

Eu acaricio o meu queixo. — A escada, você diz?

— Não tenha nenhuma ideia engraçada.

— Agora eu tenho uma, — eu digo, e caio de joelhos e a pressiono


contra a madeira, a minha mão em seu estômago. — Eu adoraria fazer
isso com você agora. — eu corro minhas mãos para cima em suas
pernas, beijando-a sobre o jeans. — Mas eu vou mostrar a você o quão
bom eu posso ser. — eu envolvo minhas mãos em torno da sua bunda,
aperto, e pressiono um beijo entre suas pernas, mesmo que ela esteja
totalmente vestida. — Eu posso ser tão bom, — eu gemo, enquanto eu a
beijo mais uma vez através do tecido das suas roupas.

Ela suspira, entrelaçando suas mãos no meu cabelo. Eu fico


assim. Em meus joelhos. Meus lábios sobre seu jeans. Provocando-a.
Deixando-a com instruções muito claras sobre o que eu estarei fazendo
quando esta moratória terminar.

— Wyatt, — ela murmura, seu controle no meu cabelo apertando.

Eu empurro o meu rosto mais perto, inalando o cheiro dela, então


mordo o jeans antes de eu ficar em pé e plantar um rápido beijo em sua
testa. — Tá vendo? Eu não fui doce?

~ 195 ~
Seus lábios se curvam em um sorriso. — Você é um unicórnio.

Eu olho para baixo na tenda em meu jeans. — Eu sou


absolutamente um unicórnio no momento.

Ela ri, e me puxa para perto, para um abraço apertado. Quando


nos separamos, nós retomamos a nossa atividade e terminamos o
trabalho. Um pouco mais tarde, Violet destranca a porta, caminha para
dentro e sorri. Seu cabelo preto lustroso está torcido no alto da cabeça,
e uma camada de batom pêssego cobre sua boca.

— A cozinha está ótima.

— E terminada a tempo, — declara Natalie.

Violet balança a cabeça com espanto. — Estou emocionada.


Completamente emocionada. — ela muda seu olhar de mim para
Natalie, então volta. — Vocês dois são um time e tanto. Estou tão
impressionada com tudo o que vocês fizeram.

Quando vamos embora para carregar as ferramentas e a escada


na minha caminhonete, ocorre-me que há algo terrivelmente injusto
sobre o que aconteceu. Natalie estava presa no estúdio de caratê. Eu
escapei ileso da casa de um cliente. Tudo bem, não estávamos nus e
indo em frente na casa de Violet, mas estávamos totalmente íntimos de
outro jeito. O que nós compartilhamos na escada é tão mais ‘seguro’ do
que o que fizemos no tatame? Talvez. Ao mesmo tempo, porém, eu não
posso evitar mas me sinto ainda mais perto de Natalie agora, e eu
gostaria de poder protegê-la. Impedi-la de se machucar. Salvá-la de
qualquer tipo de tristeza.

Independentemente do que estávamos fazendo, a verdade é que


ela está levando a culpa pelo o que está acontecendo entre nós, e eu
não. Eu não sei como mudar o jogo, ou se eu consigo. Tudo o que sei é
que eu quero, e eu preciso descobrir como.

Mas neste momento, temos mais um trabalho, então nós nos


dirigimos ao Village, para o lugar do restaurante, para o orçamento.
Natalie me apresenta a um grande cara robusto com braços enormes.
Ele é o investidor do restaurante, e se parece com um dos irmãos
Hemsworth.

— Simon Travers, — ele diz, e estende a mão. Ele tem uma voz
profunda, também.

— Hammer Wyatt. Prazer em conhecê-lo.

~ 196 ~
— Igualmente. Ouvi ótimas coisas sobre o seu trabalho.

Ele nos explica sobre os planos para o restaurante, enquanto


Natalie toma notas no computador. Quando nós paramos em um dos
balcões inacabados, ela mostra o esquema para ele em seu laptop, e
tudo sobre este momento é perfeitamente normal, nada de especial,
nada de estranho até que uma loira bonita abre a porta e entra. A
amiga de Harper, Abby. Ela está segurando a mão de uma garota que
esteja talvez no jardim de infância. Abby trabalha para Simon; ela é a
babá de sua filha, Harper me disse.

A pequena corre até Simon e joga os braços em volta dele. —


Papai! Minha lição foi tão divertida.

Ele a apanha em seus braços e sorri, simplesmente se ilumina


para a criança dele. — Isso é ótimo, florzinha. Você vai me contar tudo
sobre isso no momento em que eu estiver terminado?

Ela acena e estala seus lábios no rosto dele, e repousa sua cabeça
contra a dele, feliz em seus braços.

Eu dou uma olhada para Abby e digo um oi. Ela diz oi para mim.
Nós saímos algumas vezes, com Harper e Nick. Abby tem cabelos loiros
encaracolados e olhos cor de mel, e ela é mais jovem do que Simon por
talvez oito ou dez anos. Por alguma razão eu não consigo tirar os olhos
deles. Talvez porque Natalie os observa também. Há simplesmente algo
sobre este homem e esta mulher. Difícil dizer o que é, e eles não estão
sequer se tocando.

— Ei, Abby, — Simon diz, e sua voz me lembra alguém.

Ela não consegue parar de sorrir quando ela encontra o olhar


dele. — Oi, Simon.

— Como foi tudo hoje?

— Hayden foi ótima. Nos divertimos muito no museu, e depois


com a lição dela. Eu vou contar tudo sobre isso amanhã. Vejo você pela
manhã. Mesmo horário?

— Mesmo horário.

Abby caminha até a garotinha e bagunça seu cabelo. — Tchau,


coisinha doce. — então ela diz adeus a Natalie e a mim antes de sair.
Meu potencial cliente a observa o tempo todo. Enquanto ela caminha
até a porta. Enquanto ela a empurra para abrir. Enquanto ela pisa lá
fora. Enquanto ela acena uma última vez.

~ 197 ~
E eu sei o que está nos olhos dele. Na voz dele. Mas eu não tenho
espaço na minha cabeça para enfrentar isso agora, então eu faço o meu
melhor para me cercar de trabalho, só trabalho, enquanto nós revemos
os planos.

Quando nós saímos, Natalie e eu passeamos no crepúsculo do


início de uma noite de junho em Nova York. Estamos ambos em silêncio
por meio quarteirão ou mais, até que ela quebra o silêncio.

— Engraçado, não é?

— O que é engraçado?

— Como você pode dizer só de olhar, como ele se sente sobre ela.

Eu tropeço, perdendo o meu equilíbrio em uma rachadura na


calçada. Agarro nos degraus da entrada de um prédio.

— Você está bem? — ela pergunta, alarmada.

Eu aceno e escovo a mão sobre a minha camisa como se eu


estivesse ah-tudo-legal. — Sim. Tudo bem.

— Tem certeza?

— Absoluta.

— Pergunto-me, no entanto, — diz ela, como se ela estivesse


refletindo sobre alguma coisa.

— Pergunta-se o quê?

— Como ele vai lidar com o fato de que ele está se apaixonando
pela babá de sua filha.

Eu me viro para ela, encontro os seus olhos, e dou de ombros,


impotente. Porque eu sei o motivo que o tom dele pareceu tão familiar.
Porque o olhar dele me deu uma sensação de déjà vu. Era como estar
olhando em um espelho, vendo-me.

Eu falo com o lado mais honesto de mim.

— Eu não tenho a menor ideia.

~ 198 ~
Trinta e um
Eu acordei na manhã seguinte com várias mensagens no meu
celular.

A primeira é do banco. Um enorme depósito foi feito em minha


conta empresarial. Eu gosto de cifrões, e este tem um monte de zeros
nele. Eu coço a minha cabeça, eu não estou muito certo do que fazer
com isso até que eu vejo a próxima mensagem.

De Lila.

Eu não quero ser presunçosa, mas o trabalho está de volta, então


eu tomei a liberdade de te pagar o depósito. Deixe-me saber quando você
pode voltar para Vegas para trabalhar na cobertura.

Meus olhos se arregalam quando eu começo a processar o que


isso significa.

Então, eu encontro uma mensagem de Natalie.

Natalie: Você viu? Você está pensando o que eu estou pensando?

Wyatt: Você é a leitora de mente. Não eu. Por que você


simplesmente não me conta?

Natalie: Com o trabalho de Vegas de volta, significa que podemos


conseguir...VOCÊ SABE!

Wyatt: Dar uma de novo na montanha-russa? Adicionar a roda-


gigante ao nosso repertório?

Bem, um homem pode sonhar. Eu rolo para o meu aplicativo de


notícias enquanto eu espero, mas antes que eu consiga abri-lo, sua
resposta chega. Esperança cresce em mim. Esperança que ela sinta o
mesmo.

Natalie: Nós podemos conseguir uma anulação apropriadamente.

Ah.

~ 199 ~
Acontece que ela não está na mesma página que eu estou.

De modo nenhum.

Nem um pouco.

Eu sou um balão furado, todo o ar vazando para fora de mim.


Meus telefone dá sinal com outra mensagem dela.

Natalie: Isso é bom, Wyatt. Nós não precisamos nos preocupar


com toda a papelada e detalhes de um divórcio em Nova York. Nova
York é complicado. Nós deveríamos ter pensado nisso antes - deste jeito
é fácil.

Wyatt: Por que é fácil?

Natalie: Quando voarmos de volta para Vegas para iniciar o


trabalho, eu precisarei estar lá por um ou dois dias para ajudar com a
instalação, então nós podemos obter a nossa anulação pessoalmente. Ir
para o tribunal, apresentá-la nós mesmos, e nós estaremos fora dos
registros. Se o juiz precisar nos ver, nós ainda estaremos lá por causa
do trabalho. Mas o ponto principal é que será feito. Assim como você
queria.

Eu engulo e esfrego uma mão sobre o meu maxilar. Sentado na


cama, eu atiro as cobertas e balanço os pés no chão.

Isso é bom, certo?

É o que nós dois queríamos. Inferno, é o que eu praticamente


exigi a partir do segundo que eu acordei em Vegas. Mas agora parece
como se nós quiséssemos coisas diferentes. Ela está incrivelmente
animada para se separar, enquanto a perspectiva disso parece como
algum tipo de animal raivoso que está roendo um buraco no meu peito.

***

Esse buraco se aprofunda ao longo dos próximos dias enquanto


eu cuido de algumas coisas pendentes para os clientes. Ele persiste
enquanto eu malho na academia, enquanto eu tomo uma cerveja com
Chase e ele me diz que a corretora de imóveis está agora obrigando-o a
fazer mais algumas coisas pelo apartamento, enquanto eu sou
voluntário com Nick no resgate, e especialmente enquanto Natalie e eu
nos preparamos para o trabalho de Lila na cidade do pecado.

~ 200 ~
Rescindimos a papelada do divórcio em Nova York, já que será mais
fácil lidar com a nossa anulação em Vegas, e nós não queremos que os
dois conjuntos de papelada causem confusão.

Quando nós embarcamos no avião, num fim de tarde para


voarmos para a cidade na qual nós fomos casados - o mesmo maldito
lugar onde nós deveríamos desatar esse nó - aquela dor escava através
do meu peito, deixando meus órgãos em carne viva e desfeitos.

Mesmo com a minha parceira-na-diversão-e-trabalho no assento


ao meu lado, eu não quero contar piadas ou compartilhar histórias. Eu
não quero rir. Tudo que eu quero é que essa sensação de merda acabe.

No entanto, Natalie está animada a cada segundo. Em algum


lugar sobre o centro do país, ela me lembra o plano para o primeiro dia
de trabalho.

— Ok, — eu digo, sem entusiasmo.

Então ela me deixa saber quais os materiais que estarão


esperando por mim.

— Tudo bem.

E ela menciona o horário mais uma vez, incluindo uma pausa


para o almoço no tribunal no primeiro dia.

— Parece factível, — eu digo, meu tom sem brilho.

Ela bate o dedo em seu queixo, olhando-me do seu assento de


couro ao lado do meu. — Você está bem, Hammer?

Eu assinto. — Sim. Estou ótimo.

Ela estreita os olhos e dá um tapinha na minha perna. — Você


tem certeza? Porque parece frustrado.

Eu aceno uma mão no ar, como isso não fosse nada.

Do nada, Natalie abre a boca largamente e mugi como uma vaca


louca - um longo ruído persistente que me faz sentir como se eu tivesse
desembarcado em uma fazenda.

Assustado, eu encaro com os olhos esbugalhados. — O que...?

Ela estabelece um sorriso doce e inocente e diz com uma cara


séria, mesmo quando os outros passageiros dão uma olhada em sua
direção. — Eu tenho trabalhado em meu repertório. Você gosta da
minha vaca?

~ 201 ~
E me atinge o que ela fez e o porquê. Um riso vem através de
mim, e pela primeira vez em dias, esse sentimento ulceroso desaparece
momentaneamente. Por causa dela. Tentando me tirar da minha
frustração. Com um som de animal de fazenda.

Porra, eu acho que estou me...

— Mas não se esqueça, eu ainda estou esperando ouvir o rugido


que você me prometeu, — diz ela com uma piscadela.

E eu sei exatamente porque eu me sinto tão péssimo. Porque


quanto mais nos aproximamos de Vegas, mais perto eu estou de perdê-
la. Ela está deslizando através dos meus dedos, esta mulher envolvida
comigo no emaranhado que fizemos em uma noite louca. Agora, eu
quero todos esses envolvimentos. Eu os almejo. A julgar por esse vazio
no meu peito, eu preciso deles, porque este momento com ela - sua
doçura, sua gozação, seu senso de humor de cabeça para baixo que
combina com o meu - é o único bálsamo para aquela dor.

Eu não acho mais.

Eu sei.

Eu estou apaixonado por minha esposa.

E o pensamento dela se tornando minha ex-mulher parece


terrivelmente errado. Como cupins mulherengos. Ou um gato que não
vai miar. Isto vai contra a natureza.

A mulher que eu quero é a mulher com quem eu me casei.


Apenas alguns dias atrás, eu achava que não estaríamos ligados assim,
que nós teríamos um novo começo. Mas agora que eu estou certo de
como me sinto, eu não quero que nenhum de nós dois termine. Eu
quero seguir em frente.

O único problema é que ela quer desesperadamente que eu seja


seu ex-marido até amanhã ao meio-dia.

~ 202 ~
Trinta e dois
Eu posso consertar uma pia quebrada. Eu posso pendurar um
lindo conjunto de armários de cozinha. Eu posso construir uma maldita
casa.

Estas são as minhas habilidades.

Mas saber como lidar com situações difíceis envolvendo o sexo


oposto? Vamos simplesmente dizer que nunca foi o meu negócio.

Isso é para não dizer o pior, ok?

Eu não presto para fazer as escolhas certas quando se trata de


mulheres.

Depois de uma noite no Bellagio - durante a qual eu me reviro na


cama e avalio um milhão de opções, alguma das quais inclui bater à
porta do quarto de Natalie sem dizer nada, e apenas foder com ela em
vez disso - eu ainda estou no mesmo lugar irritante que eu estava no
dia anterior.

Eu não estou mais perto de saber as palavras certas para dizer,


na ordem certa, no momento certo. Palavras que não me ajudarão em
acabar em um ensopado de caldo de má-sorte.

Depois que eu tomo banho, eu empurro um jeans e uma camisa


social. Eu normalmente não me visto bem na minha linha de trabalho, e
isso é o quão chique eu consigo ser. No entanto, eu acho que um
homem deve se vestir com respeito quando ele vai para o tribunal
durante a sua pausa para o almoço.

Eu imagino uma estrutura de concreto ameaçadora com homens


e mulheres em vestes negras distribuindo o seu destino, e eu estremeço.
Se tudo continua na mesma, eu prefiro evitar os tribunais. E se eu
puder descobrir o que dizer a Natalie, talvez nós não tenhamos que ir.

Ei, Nat. Que tal você namorar comigo agora?

~ 203 ~
Querida, eu sei que isso pode parecer loucura, mas há alguma
chance de que você estaria disposta a permanecer casada?

Entããão, eu estava pensando... o que você diria se apenas


déssemos uma voltinha? Jantar hoje à noite, juntar os trapos comigo, e
ser a minha mulher?

Sim, como eu disse, as minhas ideias todas não prestam.

Nota para mim: Tente encontrar clareza nas próximas poucas


horas.

Essa tarefa seria muito mais fácil se eu pudesse confiar em meu


instinto quando se trata de mulheres. Tudo o que eu sei é que eu amo
Natalie, e eu preciso descobrir como ficar com ela. Acabar este
casamento parece ser o caminho errado de fazer as coisas.

Eu ligo para a única mulher em quem eu sempre confiei - minha


irmã. Ela atende ao segundo toque, e fala como uma leiloeira - com
extrema velocidade. — Eu estou até os meus cotovelos com massa de
cupcake de morango, mas eu sempre tenho tempo para você. Apenas,
você sabe, faça isso rápido. — eu posso ouvir os sons familiares de sua
padaria nos fundos.

Andando pelo tapete de pelúcia, eu descarrego meu coração. Mas,


você sabe, rapidamente. — Aqui está a coisa. Eu estou apaixonado por
Natalie, e eu não sei o que fazer sobre nada.

Josie não perde nada. — Você disse a ela?

— Não. E se ela não se sente da mesma maneira?

— Esse é um risco que você precisa correr.

— Mas e se-

Não há necessidade de terminar - Josie sabe o que eu estou


pensando. — E se ela vai te ferrar de novo? Apunhalá-lo pelas costas?
Estragar com o seu negócio?

Eu faço uma careta e estou prestes a negar que todas essas


possibilidades muito assustadoras e muito reais entraram minha
mente, quando há um alto estatelar molhado na linha do telefone. Ouço
a voz abafada da minha irmã, depois o silêncio reina.

Eu tenho a nítida sensação que o telefone de Josie está tomando


banho em uma banheira de bolo neste momento.

~ 204 ~
***

Natalie: Lembre-me de que esta é a decisão certa.

Charlotte: Ah, querida. Eu sei que não é fácil.

Natalie: Mas esta é a decisão certa, certo?

Charlotte: Eu não posso fazer essa escolha por você. Parte de


mim acha que você está louca. Mas eu a apoio, mesmo se eu não
concordar com você.

Natalie: Eu sei. Eu aprecio isso. Mas e se eu estragar as coisas


para pior?

Charlotte: Você está se arriscando. Um grande risco. Você tem


que considerar todos os riscos. Pergunte a si mesma se você considera.

Natalie: Eu acho que eu considero. Eu tenho que fazer isso,


Charlotte. Eu tenho que fazer.

***

Eu bato na porta de Natalie com alguma coisa que não é bem


como borboletas batendo no meu peito. Não exatamente beija-flores
voando ao redor, também. É mais como corvos negros enlouquecidos
me bombeando de dentro para fora.

Eu inspiro, tentando me concentrar, mas a respiração foge dos


meus pulmões quando ela responde.

Jesus Cristo, por que ela tem que ser tão maravilhosa?

Ela usa um vestido de verão laranja com tiras finas, um desses


pequenos suéteres curtos e um par de sandálias de tiras bege. É vivo,
alegre e bonito sem ser provocante.

É tão ela. Raio de sol e sonhos de torta de maçã tipicamente


americanos.

Ela aponta para a sua roupa de verão. — É o meu vestido da


anulação. O que você acha?

~ 205 ~
Eu o odeio.

Eu odeio que ela tenha um, que ela o chame assim e, acima de
tudo, que ela esteja tão extremamente animada para cortar os laços.
Mas ela está impressionante pra caralho, quando ela olha para mim
com um sorriso que me mata, e tudo que eu consigo dizer é a verdade
dura e fria. — Eu o amo. Você está linda.

Ela bate seu dedo contra um botão na minha camisa branca. — E


você está bonito. — ela levanta sua bolsa no ombro e diz em um tom
brincalhão, — O que você acha de irmos para o trabalho, damos uma
pausa para o almoço para nos divorciarmos, e talvez, se você se
comportar bem, nós podemos jantar hoje à noite?

Essa foi uma das minhas opções, mas agora que ela está dando
voz a isso, mal parece suficiente. Nós estamos além disso. Nós já somos
mais. Eu só preciso convencê-la.

Mas eu não sou tão teimoso que eu esteja recusando um encontro


com Natalie, então eu digo sim.

Radiante, ela dá um tapinha em seu relógio. — Precisamos estar


na Lila em trinta minutos, e eu aposto que nós chegaremos cedo se
sairmos agora. Nós temos tempo para parar para uma xícara de café no
caminho. Como um aperitivo para o encontro, talvez, — diz ela,
projetando para cima seu ombro e parecendo completamente adorável
enquanto ela flerta comigo.

E é isso. Eu estalo. Eu não posso simplesmente sair com ela. Eu


não posso flertar com ela agora.

— Eu não quero café, — eu digo asperamente.

— O que você quer então?

— Você.

Um sorriso travesso puxa seus lábios. — Pelos velhos tempos?

— Não. — meu tom é sério. — Pelos novos tempos, Natalie. —


meu coração dispara como uma chita. Eu engulo e deixo para trás os
nervos e os corvos selvagens. — Eu quero você. Eu quero estar com
você. Eu sou louco por você, — eu digo, começando com o que está no
meu coração, ainda que haja muito mais a dizer.

Mas antes que eu consiga lhe dizer mais, ela engole seco, e
lágrimas nascem nos olhos dela. Ela aperta os dedos em meus lábios.

~ 206 ~
— Shh. Não diga isso.

Eu franzo a testa. — Não diga o quê?

— Não diga nada. Não agora. — a voz dela falha. — Por favor.

Ela balança a cabeça enquanto uma lágrima desliza pelo seu


rosto, e talvez seja por isso que eu não entendo as mulheres. Porque eu
estou completamente confuso, porra. Ela estava sedutora e doce alguns
minutos atrás, e eu tinha certeza que ela queria fazer uma tentativa em
um relacionamento. Agora, ela está triste depois que eu disse a ela que
sou louco por ela. Eu não tenho ideia do que fazer a seguir, mas tudo o
que eu sei é que não sou o tipo de homem que consegue ficar parado e
assistindo uma mulher chorar. — O que posso fazer para te fazer feliz?

Ela dá um passo mais perto e sussurra, — Faça amor comigo.

Bem, isso... isso eu posso fazer.

Eu seguro seu rosto em minhas mãos, empurro-a contra a parede


ao lado da porta, e rastreio o meu olhar sobre ela, da cabeça aos pés,
memorizando cada curva, cada músculo, cada declive e vale. Eu não sei
o esquema de como nós nos uniremos. Eu não sei o que acontece em
seguida. Mas eu sou louco por ela.

Passando as minhas mãos dos seus ombros para os seus braços,


sua cintura, eu imprimo a sensação dela. Ela é minha, e ela é a única
que eu não posso deixar escapar.

Mesmo que eu não tenha respostas, neste momento, estou certo


que Natalie e eu estamos na mesma página. Este é o lugar onde nós
nunca tivemos quaisquer dúvidas. Eu beijo o lóbulo da sua orelha,
puxando-o entre os dentes. Ela envolve seus braços em volta do meu
pescoço, puxando-me para mais perto. — Você parece ser minha, — eu
sussurro.

Ela morde o lábio, como se ela estivesse se segurando em suas


palavras. Eu me aconchego em seu pescoço, beijando a coluna de sua
garganta, enrolando-me nela. Seus gemidos se tornam mais altos, mais
fortes, e eu levanto sua saia enquanto suas mãos ocupadas puxam para
baixo o meu jeans. Isto é tudo o que eu preciso neste segundo - nada
mais, nada menos do que esta conexão.

Ela enrola as mãos em volta do meu pau, e eu tremo. Deus, ela é


boa pra caralho. Ela me acaricia, e eu fecho meus olhos, balançando
meus quadris em sua mão macia. — Nat, — eu gemo, mas não digo

~ 207 ~
mais nada. A mulher tinha pedido. Ela me quer sem palavras, e ela
pode me ter sem palavras.

Enquanto ela me quiser.

Suas mãos ágeis apertam em torno do meu eixo, e ela me traz


para mais perto dela. Eu puxo sua calcinha e deslizo os dedos através
de seu calor escorregadio. Ela está pronta para mim. Molhada e
exuberante pra caralho. — Olha como você está excitada, — eu gemo,
porque é muito difícil ficar em silêncio.

— Wyatt. Você precisa parar de falar e começar a fo- — mas ela


própria para, trazendo seu rosto para perto, sua testa tocando a minha,
e ela sussurra uma vez mais, — Faça amor comigo.

Aí está novamente. Essas duas palavras. Ela nunca as disse para


mim antes de hoje - fazer amor - e elas me deixam acreditar que ela
deve sentir o mesmo.

Eu esfrego a cabeça do meu pau contra ela, e em um movimento


rápido, eu empurro para dentro. Ela está tão molhada, e apertada, e
confortável, e eu amo o jeito que nos encaixamos. Como se estivéssemos
destinados a ser. Como se tudo o que aconteceu antes tem levado a isto.

Eu quero contar tudo para ela, como me sinto, e o que eu quero -


ela em minha vida e muito mais.

— Querida, — eu sussurro em seu ouvido, e ela estremece.

— Ah, Wyatt. — sua voz doce é uma lamúria simples, e esse som
aterrissa fundo no meu coração.

Ela agarra meus ombros enquanto eu faço amor com ela. Mesmo
que o relógio esteja correndo, mesmo que isso não vá durar muito
tempo, eu levo o meu tempo do meu próprio jeito. Eu saboreio cada som
que ela faz, cada ruído sexy e doce, cada murmúrio e cada suspiro. Eu
levanto sua perna mais alto na minha cintura e giro meus quadris mais
profundamente dentro dela. Com o meu toque, eu quero apagar
qualquer tristeza que ela sinta.

Eu posso ter feito algumas escolhas erradas. Eu posso ter


cometido alguns erros. Mas este não é um deles. Ela não vai ser o meu
passado duvidoso. Ela é o meu presente, e ela é o meu futuro, eu sei
disso. Eu acredito nisso.

Porque há sexo, há foda, há desejo.

~ 208 ~
E então, há isto. Neste momento. E isso é tudo, porque eu estou
muito apaixonado por ela.

Em poucos segundos, ela agarra minha bunda e chama meu


nome, e eu estou lá com ela. Nossos sons são ruídos ardentes, gemidos
selvagens e gritos intensos de prazer enquanto ela goza, e eu me junto a
ela no que eu espero ser o começo de algo novo.

***

Enquanto ela está no banheiro se limpando, eu afundo em sua


cama, manuseando meu telefone, e vejo que a minha irmã me mandou
uma mensagem.

Josie: Desculpe. Telefone deu um mergulho de cisne na massa.


De qualquer jeito, ouça... o amor é tudo sobre correr risco. Não um
bicho de sete cabeças. Basta falar com o coração, e dizer a ela que ela é
a única.

Eu sorrio, e uma sensação de calma inunda meu corpo.

Wyatt: Eu posso fazer isso. Eu posso definitivamente fazer isso.

Josie: Claro que você pode. Basta confiar em você mesmo. Seus
novos instintos com ela, não os antigos.

Wyatt: Prometo. Eu sou um novo homem.

Eu coloco meu telefone no bolso, tomo uma respiração profunda e


espero pela mulher que eu amo. A pia está em funcionamento, então ela
ainda está no banheiro. Assim que eu me levanto, eu passo pelo console
da TV. O telefone dela vibra sobre a madeira. Dando uma olhada para
baixo, eu vejo um número 917 em sua tela. Alguém de Nova York está
ligando. Não é o meu trabalho atender, então eu o deixo sozinho e o
zumbido para.

Em seguida, ele se agita, como se a pessoa tivesse deixado uma


mensagem de voz. O som chama minha atenção de volta para a tela, por
uma fração de segundo.

Isso é tempo suficiente para a mensagem piscar. Ela foi


transformada de voz em texto. Eu deveria desviar o olhar. Eu realmente
deveria. Mas eu não desvio.

~ 209 ~
— ...Rhonda Hafner de Hafner e Hickscomb, dando sequencia à
nossa reunião. Revi as informações que você enviou, e sim, você tem uma
reivindicação razoável...

Eu agarro a parede quando o chão cede. Que diabos? Minha


cabeça nada, e uma nova náusea estranha chicoteia através de mim.
Eu ainda fico mais doente quando eu clico no meu celular, faço uma
pesquisa rápida no Google e descubro que Hafner e Hickscomb é uma
agencia de empregos e de direitos trabalhistas na cidade de Nova York.

Enquanto o pânico engrossa em minhas veias, eu reciclo nossas


conversas sobre advogados. Quando o serviço da Easy Out desmoronou,
Natalie mencionou ter falado com uma amiga advogada de Charlotte,
alguém especializada em direito familiar. Ela disse que a mulher lhe
deu orientações úteis sobre a anulação versus um divórcio em Nova
York. Nós ainda falamos sobre não precisarmos de advogados, e nós
concordamos em manter nosso divórcio livre de tubarões.

Para todos os efeitos, nós não precisamos de um advogado hoje.

E é quando a frieza em minhas veias se transforma em pavor.


Minha memória trava na festa do jantar, em Charlotte mandando
Spencer se calar, eu percebendo que Natalie e sua irmã têm segredos.

Grandes segredos. Talvez a advogada com quem elas conversaram


nunca foi uma de direito familiar. Talvez Natalie esteja montando um
caso para outra coisa.

Eu esfaqueio a seção quem somos no site, e é quando a faca corta


através das minhas costas. A empresa é especializada em casos de
emprego sobre ação coletiva, discriminação, delatores e assédio sexual.

Natalie não contratou uma advogada para se divorciar de mim.


Ela contratou uma advogada para me processar.

— Ah merda, — eu murmuro, com um medo palpável na minha


voz quando eu coloco dois mais dois juntos, uma vez que eu posso
apenas juntá-los para resultar nisso - assédio sexual. É por isso que ela
contratou um advogado trabalhista para fazer uma reivindicação.

Uma reivindicação razoável.

Ela terá as mensagens de texto também, toda a troca sobre um


chefe se apaixonando por sua empregada. E esta mesma empregada
perdeu outro trabalho devido a esse chefe. Ela não pode estar
processando o dojo. Ela não tem um contrato com o dojo. Ela tem um
contrato comigo.

~ 210 ~
Meu estômago despenca, e eu silenciosamente me amaldiçoo.

Eu fiz de novo. Eu misturei negócios com prazer. E desta vez, os


resultados podem ser desastrosos. Desta vez, não é a minha má sorte
com mulheres. A culpa é cem por cento minha, e isso é muito pior do
que um sanduíche envenenado.

Eu deveria ter ficado em abstinência com Natalie há muito tempo


atrás.

~ 211 ~
Trinta e três
Eu faço o meu melhor para esconder o medo desenfreado que
corre através de mim quando nós paramos na Lila, no caminho para o
tribunal. Eu tenho tentado evitar Lila e Natalie, mas depois do problema
que tivemos com este trabalho antes, eu não posso ser um ausente.
Além disso, eu devo precisar do dinheiro de Lila agora mais do que
nunca. Eu não poderia estar mais feliz que Natalie e eu estaremos
fazendo o arquivamento em três horas. Eu gostaria de poder acelerar o
processo.

O relógio faz tique-taque ruidosamente no meu ouvido a cada


segundo que passa enquanto revemos os planos para a remodelação da
cozinha.

Estou focado enquanto conversamos, limitando-me ao trabalho, e


não na mulher que eu acabei de foder e que vai tentar me foder. Eu não
vou deixá-la. Mandei uma mensagem para Chase, que eu preciso falar
com seu primo de novo, e eu tenho certeza que assim que o meu amigo
terminar a remoção uma escova de cabelo de um tímpano ou de um
dedal de um umbigo, ele vai me ligar.

— Devemos acabar em poucas semanas, — eu digo secamente.


Tensão soprando em mim tão malditamente forte que eu devo quebrar a
qualquer segundo.

— Eu estou tão emocionada que isso deu certo, — diz Lila, e deixa
cair uma mão no ombro de Natalie. — E essa mulher merece todo o
crédito. Conhecê-la durante a aula de auto defesa me ajudou a perceber
que eu queria que essa remodelação acontecesse, e como poderíamos
fazê-la dar certo. Eu estava com medo, mas ela me incentivou.

Meus olhos se arregalam do tamanho do oceano. — Ela


incentivou, é?

Lila acena. — Ela te protege.

~ 212 ~
— Aposto que ela protege, — eu digo, e a imagem entra em foco
ainda mais clara. Natalie deve ter trabalhado pra caramba para
conseguir este trabalho para nós, talvez para tentar reivindicar que ela
está administrando meu negócio, também.

Merda, merda, merda. Que pequena gatinha sorrateira ela é.


Esgueirando-se em tudo. Saltando para dentro de cada maldito saco.

— Ah, Natalie. Não me deixe esquecer de te mostrar o closet, —


Lila diz com um sorriso brilhante.

Natalie coloca a mão no meu braço. — Lila estava delirante sobre


o closet aqui durante uma aula de auto defesa na semana passada, e eu
estive morrendo de vontade de vê-lo.

Quando Lila se apressa com ela para o closet, tudo o que posso
pensar é que eu estou uma hora mais perto de acabar com essa porra
de união com a mulher que eu acabei de foder.

***

O escrivão, de bigode com óculos de aros de arame, leva os


papéis, grampeia-os juntos e os carimba com a data.

— Isso será registrado hoje, e nós notificaremos vocês dentro de


algumas semanas quando a anulação estiver sido concedida, — diz ele,
sem levantar o rosto. Sua voz monótona deveria irritar meus ouvidos,
mas parece como uma música doce, porque eu estou a um passo mais
perto de cortar esta mulher da minha vida.

Natalie salta na ponta dos pés. — Muito obrigada, — diz ela, e


ninguém, nem mesmo o próprio Sr. Clean37, poderia tirar o sorriso do
seu rosto. Ela está tão feliz por estar se separando, e é irritante.
Suspeito. Outra parte da evidência contra ela.

Eu bato meus dedos contra a madeira desgastada de balcão do


escrivão. — Quanto tempo isso vai levar? — eu pergunto ao Homem
Maçante.

— Algumas semanas, — ele murmura.

37Referência a uma marca de produto de limpeza que faz propaganda de remover


qualquer mancha ou sujeira.

~ 213 ~
— Mas em média algumas semanas é, uma semana, duas
semanas, três semanas, quatro?

Lentamente, como se lhe custasse algo levantar o queixo, ele olha


para cima. — Algumas semanas, — ele repete, que vagamente se traduz
em cale a boca.

— Mas o que é isto, falando de um modo geral?

Ele me dá uma encarada você-deve-estar-brincando-comigo. —


Isto é mais do que um dia e menos do que muitos dias.

Eu suspiro, mas como um cachorro com um osso, não vou


abrandar. — Você pode estimar, por favor?

Natalie agarra meu bíceps. — Wyatt, — diz ela, gentilmente. —


Ele disse algumas semanas.

— Mas eu gostaria de saber o que algumas semanas significa, —


eu digo a ela. Ela engole seco e olha para longe de mim. Eu me viro de
volta para o cara, tentando ser mais agradável do que rude. — Eu
ficaria muito grato se você pudesse nos dar uma estimativa
aproximada? Apenas reduza isso um pouquinho mais, por gentileza?

Eu cruzo os mãos juntas, como em uma prece, esperando que ele


entenda que eu estou implorando, e que ele mostrará misericórdia.

Ele abre seus lábios rachados mais uma vez. — Aqui está uma
estimativa aproximada, — diz ele, fixando um sorriso afetado. —
Algumas semanas.

Ele empurra uma cópia dos papéis para nós, toca o sino de prata
em seu balcão, e grita ‘próximo’.

Nós caminhamos ao longo do corredor do tribunal, indo para a


saída. — Ei. Quer me dizer o que foi tudo aquilo? — pergunta Natalie.

Arrastando a mão pelo meu cabelo, eu murmuro, — Apenas quero


toda esta maldita coisa terminada.

— Bem, sim, — diz ela, revirando os olhos. — Isso é óbvio.

— Não tente agir como se você não sentisse o mesmo, — eu cuspo


fora assim que nós alcançamos a saída.

Abro a porta, segurando para ela. Boas maneiras ainda importam,


mesmo quando tudo mais desmorona.

~ 214 ~
Ela caminha na luz do sol brilhante da tarde de Vegas, colocando
a mão sobre os olhos para protegê-los. — Você queria isso, — ela diz
friamente. — Você queria isso.

Eu franzo a testa. — O quê?

— Você deixou claro desde o início o quanto você queria isso,


Wyatt, — diz ela, e agora seu tom é exasperado. Comigo. Ela joga as
mãos. — Eu achei que você estaria feliz. Eu pensei que isto era o que
você queria. Por que você não está feliz?

— Você acha que eu deveria estar feliz? — eu lanço de volta para


ela, frustração borbulhando, subindo para a superfície. Eu estou
esperando ela atacar. Eu preciso estar pronto para a emboscada dela.

— Eu pensei que íamos namorar?

— Você gostaria disso, não gostaria? — há um jeito mais ácido no


meu tom do que eu pretendia.

Ela se afasta de mim. Levanta as duas palmas das mãos em um


claro ‘não me toque’. Olha para mim como se eu fosse alguém que ela
nem sequer conhece.

Seus olhos azuis me estudam antes dela falar. Neles, vejo horror
refletido para mim. Ela está horrorizada comigo. — Por que você está
sendo tão horrível? — sua voz falha. — Eu fiz isso porque você queria.
Você me fez pro-

Em seguida, ela aperta a mão nos lábios.

Suas palavras comicham algo no fundo da minha mente. Palavras


débeis, e eu me esforço para ouvi-las. Fragmentos brincam na minha
cabeça, e eles se parecem meus. Como coisas que eu disse a ela na
noite que nos casamos. Como uma música tocada. Nossa música.

Prometa-me, prometa-me, prometa-me.

O que diabos eu pedi a ela para fazer?

E agora é a minha vez de procurar o seu rosto. O lábio dela treme


e seus olhos estão molhados, como se ela estivesse segurando as
lágrimas. Aquela dor que eu senti por dias retorna, penetra dentro de
mim como se o animal que esculpiu esse buraco estivesse tentando me
dizer algo. Que talvez Natalie não seja a causa da minha dúvida. Talvez
ela seja o fim dela.

~ 215 ~
Esfregando uma mão sobre meu pescoço, eu tento descobrir o que
significa este momento. E mais importante, o que eu acredito ser
verdade. Vendo seus olhos sinceros e seu rosto honesto, eu não sei
como ela poderia possivelmente estar planejando me ferrar. Eu não sei
como ela poderia estar me apunhalando pelas costas. Esta mulher - ela
não é assim.

Chame de instinto.

Chame de sentimento.

É a verdade.

A questão agora é, eu posso dar ouvidos à isto? Se eu fui


queimado antes, isso significa que eu serei queimado de novo?

Um filme de imagens cintila em minha mente - todos os nossos


momentos juntos, incluindo aquele mugido no avião. Apesar de que a
mensagem de correio de voz comprometedora me fez querer correr, meu
coração está me dizendo que eu comecei tudo errado. Meu coração está
me dizendo para ficar.

Só porque eu não confio facilmente não significa que eu não


deveria acreditar nesta mulher. Se há alguém em quem eu deveria
confiar, é Natalie. E se eu não tentar corrigir isso agora, vou perdê-la.
Esse é um risco que eu não posso correr, com evidência ou não.

Eu vou me arriscar.

— Nat, desculpe-me, — eu digo suavemente, estendendo a mão


para ela. — Eu estou uma bagunça agora. Mas eu sou louco por você, e
eu não quero que isso acabe, — eu digo, e é um começo. É o único
começo que eu consigo administrar neste momento.

— Eu não queria também.

Não queria.

— Mas você quer agora? — eu pergunto, minha voz vacilando.

— Eu não gosto do jeito que você acabou de falar comigo.

Meu coração afunda. Aqui nos degraus do tribunal, ela vai para
cima, eu estou indo para baixo. Estendo a mão para o seu braço,
embrulhando a minha mão em torno dele.

— É assim que termina?

Minha voz mal soando como a minha própria.

~ 216 ~
A dela é um sussurro também. — Você que me diz.

Eu quero perguntar sobre o correio de voz, a chamada, a


advogada. Eu quero perguntar o que eu prometi a ela. Eu quero saber
se eu ferrei isso além do reparo. Acima de tudo, eu quero saber se há
uma chance de corrigir isso.

Mas antes que eu possa falar de novo, ela levanta uma mão. —
Eu não consigo falar com você agora. Podemos falar mais tarde, se você
decidir que você pode me tratar do jeito que você sempre tratou, não do
jeito que você simplesmente agiu. E eu realmente espero que você possa
fazer isso. Mas neste momento, eu preciso de um tempo. Eu fiz uma
coisa louca e provavelmente tola. Então, eu vou ver Lila sobre seu
closet, porque isso tirará a minha mente do e-mail que você está prestes
a receber.

Ela marcha escada abaixo e chama um táxi que a leva para longe
de mim.

~ 217 ~
Trinta e quatro
Não há nenhum e-mail.

Eu continuo verificando pelo o que for que ela esteja me enviando,


entre solicitando um Uber e chamando Lila para perguntar se ela quer
que eu vá até o trabalho agora.

Sua voz é doce, mas firme. — Por que você não tira a tarde de
folga? Eu estou com Natalie, e nós temos algumas coisas para fazer.

No fundo, eu juro que eu posso ouvir Natalie chorar. O som disto


torce meu peito. Eu gostaria de poder consolá-la, mas eu não sou a
pessoa com quem ela quer estar neste momento.

— Ok. Cuide bem dela, por favor.

— Claro. E volte mais tarde, — Lila acrescenta, então mais


suavemente, — Às vezes uma mulher só precisa de alguns minutos a
sós.

— Obrigado. — mesmo que meu coração esteja dilacerado por


minha própria estupidez, uma breve calma desce em mim, graças ao
conselho de Lila. A mulher sempre foi boa para nós. Ela cuidará de
Natalie enquanto eu descubro como resolver a confusão que eu fiz. Eu
desligo e verifico meu e-mail novamente. Nada.

A tarde inteira paira à minha frente como um buraco negro


gigante. Eu quero trabalhar, martelar, pendurar e perfurar, não vagar
sem rumo em torno de uma cidade que eu mal conheço, tudo porque eu
sou um idiota teimoso.

Mas quando o motorista vira na Strip, no seu caminho para o


Bellagio, eu percebo que esta não é apenas uma cidade que mal
conheço. Esta é a cidade onde eu comecei este caso de amor com
Natalie, e é a cidade onde eu não quero que nós cheguemos ao fim.

Eu inclino para a frente e peço ao motorista se podemos mudar o


destino.

~ 218 ~
— Com certeza. Para onde?

— Dê-me um minuto para encontrar o endereço, — eu digo,


fazendo uma rápida pesquisa no meu telefone.

Eu o encontro, e ele entra no GPS dele.

Dez minutos mais tarde, eu entro em uma pequena capela, à


procura de um cara em um leisure suit dourado. Eu quero perguntar a
Larry se ele se lembra do meu casamento. Se ele pode me ajudar a
descobrir onde eu ferrei tudo. É uma gota d'água, mas é no que eu
estou me agarrando.

No entanto, assim que eu entro na capela e ouço a música, eu


sou chicoteado de volta ao momento da minha noite de núpcias,
quando Elvis cantou como ele não pudesse evitar se apaixonar.

E quando a mais romântica das canções românticas toca mais


uma vez, as notas, de alguma forma, desbloqueiam as palavras tênues
que estavam comichando no fundo da minha mente apenas uma hora
atrás. O borrão de embriaguez da minha cerimônia de casamento não é
mais uma névoa. Está claro, e eu posso ouvir tudo o que eu disse após
os votos.

Eu tropeço em um banco quando a memória bate em mim como


um tsunami.

Eu estou em pé no altar, juntando as mãos dela, olhando em seus


olhos, enquanto Elvis faz a trilha sonora em nossa cerimônia.

— Você é linda, Nat, e todos os dias quando eu a vejo no trabalho,


penso o quanto eu amo vir para o escritório e trabalhar com você. Mas
não é só porque você é linda. Você deixa meu negócio melhor. — eu
aperto suas mãos com mais força, segurando firme, certificando-me de
que ela saiba que mesmo em meu estado intoxicado, que tudo que eu digo
vem do meu coração. — Você deixa o negócio divertido, mas você também
o torna realmente muito bom. Sem você, ele não é nada.

Ela balança a cabeça, mas ela não consegue parar de sorrir. —


Isso não é verdade. Você é muito talentoso.

Elvis canta sobre os tolos se entregando, e essa palavra - tolos -


fica comigo. Eu não quero ser enganado novamente. Eu não posso correr
esse risco.

~ 219 ~
— Não. É verdade. Você transformou a WH, e eu não consigo
agradecer o suficiente. E eu sou tão sortudo que nós podemos continuar
trabalhando juntos. Você quer isso, certo?

Ela acena, rindo. — Claro. Por quê? Você não vai me demitir hoje à
noite, não é?

Eu me aproximo, planto um beijo molhado em sua boca, e digo a


ela que não. — Não. Não. Não. De maneira nenhuma vou despedir você.
Mas você tem que saber que o trabalho é o porquê de não podermos ficar
casados. Eu me diverti muito com você, e eu quero muito mais, mas temos
que conseguir uma anulação de manhã.

Seus olhos estão intensamente sérios, mesmo quando ela soluça.


— Dãã. Claro.

Então, eu enfio meus dedos com mais força através dos dela. —
Esta noite tem sido incrível, e uma parte de mim se sente simplesmente
como essa música, porque eu meio que não consigo evitar em me
apaixonar por você. — seus olhos se arregalam em surpresa, e talvez até
mesmo esperança, mas eu encontro forças para continuar com o resto dos
pensamentos não planejados que eu simplesmente tenho que
compartilhar agora. — Mas quando isso acontece, Nat, eu cometo erros e
fracasso, e eu me ferro por ser tolo e muito confiante. Eu acabei
queimado. Portanto, não deixe que isso aconteça comigo. Eu quero que
nós continuemos a trabalhar juntos. Você não quer?

— Sim, Deus, sim.

— Então me prometa uma coisa.

— O que é?

— Prometa-me que terminaremos com isso amanhã. Que você vai


se divorciar de mim. Eu provavelmente pedirei a você para ficar comigo
porque eu já sou louco por você. Eu provavelmente pedirei a você uma
tonelada de vezes. Eu tentarei de tudo para convencer você, mas eu
preciso que você me prometa, não importa o quão convincente eu seja,
que terminaremos o casamento. Por que eu não posso misturar negócios e
prazer. É o meu calcanhar de Aquiles, e eu preciso de você para me
ajudar. Prometa-me, prometa-me, me prometa-me, — eu digo, engolindo
duro, e então eu espero.

Mas não por muito tempo.

Os olhos dela estão cheios de verdade quando ela responde


solenemente.

~ 220 ~
— Eu prometo, Wyatt. Eu prometo. Eu prometo. E eu entendo. Eu
entendo. Eu realmente entendo.

Eu deixo cair minha testa na palma da minha mão quando tudo


se encaixa na retrospectiva perfeita. É por isso que ela não arredou o
pé. Porque eu pedi a ela para fazer. Inferno, eu implorei a ela para me
proteger. Eu a fiz jurar que ela iria manter o plano. Eu ainda disse o
mesmo para ela mais uma vez, no dia em que eu rasguei o cheque.

Eu lhe fiz uma promessa, e eu tenho a maldita intenção de cumpri-


la, mesmo se eu bebi algumas cervejas ou não. Eu sou um homem de
palavra, e eu, com certeza, espero que as pessoas com quem eu trabalho
me tratem igual e ajam da mesma maneira.

Ela manteve a promessa que eu pedi a ela para manter. Ela me


protegeu de mim. Mas agora eu sou o único quebrando outras
promessas para ela. Aquelas não ditas que vieram do jeito que nos
beijamos, nos momentos que compartilhamos, do jeito como nós
éramos tão bons juntos.

Agarrando o banco na minha frente, eu me levanto, quase


batendo em um homem em um macacão dourado.

— Olá. Você está querendo se casar hoje, filho?

Eu não lhe respondo, porque meu telefone vibra e, finalmente, o


e-mail dela faz o desembarque. É de seu advogado, mas ela copiou
sobre ele, e as palavras são dela. Com o golpe mais rápido na história
da humanidade, eu abro a nota e leio a última coisa que eu esperava
ver.

Caro Wyatt,

Por favor, aceite isso como a minha carta de demissão. Eu tenho


amado cada momento de trabalho com você. Tem sido divertido,
desafiador e descontroladamente produtivo. Mas eu não posso trabalhar
com você, se eu quero ficar com você. E eu quero. Eu realmente quero ser
sua. Então, eu estou correndo um risco e fazendo a escolha que nos
permitirá ficarmos juntos. Eu verifiquei com uma advogada trabalhista
para ter certeza de que eu não estava quebrando meu contrato com você,
e ela disse que em determinadas circunstâncias, quando você tem uma
reivindicação razoável, você pode rescindir o trabalho sem aviso prévio de
duas semanas. Vendo como eu estou apaixonada por você, por favor,
aceite isso como minha reivindicação razoável para deixar o meu cargo
na WH. Com efeito imediato.

~ 221 ~
Com amor,

Natalie

Cara, eu sempre ferrei tudo.

Quando eu olho para cima da tela e encontro o olhar expectante


de Larry, a questão que ele acabou de perguntar se registra plenamente.

E eu sei como tentar consertar essa bagunça que eu fiz.

Às vezes você simplesmente tem que apostar tudo.

~ 222 ~
Trinta e cinco
Na minha linha de trabalho, eu desenvolvi uma especialidade: a
remodelação.

Dar a uma cozinha uma transformação completa é a minha


habilidade chave. Eu sei quais materiais eu preciso e as ferramentas
certas para usar, e eu me tornei um mestre em cumprir um prazo.

No entanto, esta poderia ser a remodelação mais difícil que eu já


tentei, dada a bola de demolição que eu usei na nossa união mais cedo
hoje. Mas eu rapidamente monto uma lista de materiais e, em seguida,
reúno-os, começando pelo hotel New York-New York.

Uma vez no interior das portas, eu corro.

Ok. Não é verdade.

Se eu correr, a segurança provavelmente me atacaria.

Mas eu definitivamente corro devagar. Através do cassino, ao


longo das lojas, até a escada rolante, e passo o fliperama, olhando
ansiosamente para a cortina preta que esconde a máquina de pinball.
Eu não vou para a entrada. Em vez disso, eu me direciono para a saída.

Um grupo de passageiros da montanha-russa extravasa ao vento


e drogados pela adrenalina de uma viagem de cabeça para baixo no
looping.

Este é o lugar onde Natalie e eu tivemos a nossa primeira


aventura, e quando eu chego no balcão de fotos, eu estou pronto e
determinado a encontrar a prova disso. O original está seguro e perfeito
na minha casa. Felizmente, a mesma mulher que trabalhava naquela
noite está aqui hoje - a morena alegre com tranças e óculos vermelhos,
só que hoje seu cabelo está puxado em um rabo de cavalo alto.

— O que posso fazer por você? — ela abre um sorriso amigável.

~ 223 ~
Eu sigo o conselho de Chase mais uma vez - fazer o oposto do que
eu fiz antes. Em vez de eu espalhar minha frustração sobre ela, como
eu fiz com o escrivão, eu polvilho açúcar no meu pedido.

— Olá. Cerca de dois meses eu estava aqui com a mulher que eu


acabei de perceber que eu estou loucamente apaixonado.

Os olhos da morena acendem, e eu continuo, dando a ela a data e


a hora aproximada. — Nós tivemos a nossa foto tirada e nosso número
era dezesseis. Se houver alguma chance que você possa encontrá-la e
imprimir uma cópia para mim, eu ficaria extremamente grato e
alegremente pagaria o dobro, triplo. Você escolhe. No entanto, eu
preciso desta fotografia para mostrar a ela o quão bom nós podemos ser
juntos.

A morena aperta as duas mãos sobre o coração. — Eu amo essa


cidade. Vegas está cheia de histórias de amor. — ela se endireita e
adota uma atitude séria. — Eu absolutamente, positivamente a
encontrarei para você.

Dez minutos mais tarde, eu saio do New York-New York com uma
cópia de Natalie e eu no topo da montanha-russa, andando no alto da
nossa euforia um com o outro.

Em seguida, eu entro em uma loja na esquina, uso o meu telefone


para procurar uma foto on-line, envio um e-mail para mim mesmo, e a
imprimo. Eu compro duas molduras. Então eu paro no Wynn, e vinte
minutos mais tarde, eu tenho todos os materiais que eu preciso para
uma reelaboração dos diabos.

A única coisa que falta é ela.

Com toda uma nova frota de nervos atracando dentro de mim, eu


ligo para Natalie.

Seu telefone toca, e toca, e toca, então seu correio de voz entra.
Um ataque momentâneo de preocupação aterrissa e eu me pergunto se
ela está me evitando. Mas eu ignoro isso e ligo para Lila.

— Oi, Wyatt.

— Ei, eu estou procurando Natalie. Ela está por aí?

— Ela está, mas estamos ocupadas nas compras. Dê-nos mais


algum tempo, e eu acho que ela estará pronta.

— Onde vocês estão?

~ 224 ~
Ela ri. — Ah, Wyatt. Natalie está apenas me ajudando com alguns
itens que eu preciso ter organizados, e ela está tendo um ótimo
momento aqui. Não se preocupe. Nós te veremos em breve.

E eu sorrio quando eu desligo.

Sim, vocês irão.

Eu tenho a sensação que eu sei onde está a mulher que eu quero.


Porque eu a conheço. Eu sei o que ela ama.

***

Ela me disse que ela poderia viver feliz aqui. Que este é o lugar
favorito dela no universo.

E já que ela está ajudando Lila com o closet dela, chame-me de


Sherlock, mas estou bastante certo que vou encontrar Natalie dentro
desta caixa grande, não muito longe da Strip.

Quando o táxi me deixa, eu faço uma oração rápida para o


universo, para que eu possa encontrá-la e dar não só um passo, mas
todos os passos para nos consertar. Quando as portas se abrem, eu
faço a varredura no The Container Store, na esperança de um vislumbre
de cabelos loiros, um indício de pernas fortes, um flash de um vestido
de verão laranja.

Aquele vestido. Meu Deus, aquele vestido. Minha boca enche de


água quando eu penso sobre como ela estava nele e por que ela estava
tão feliz hoje no tribunal. Porque ela estava me dando tudo o que ela
pensava que eu queria. Porque ela me ama.

Ela me ama, porra.

Eu vou para o corredor, balançando meu olhar de lado a lado no


mar de Tupperware, caixas de chapéus, arquivos de tecido, recipientes
de comida de gato, suportes de enfeite, suportes de chuveiro, cestos de
lavanderia, porta-pílula em todos os tamanhos imagináveis, cabides e
sacos para roupa e, por último, eu aterrisso na terra dos organizadores
do closet.

Laranja.

Eu vejo laranja.

~ 225 ~
E isso parece como felicidade para mim. Como todas as minhas
memórias favoritas e tudo o que eu quero para o meu futuro.

Ela está de costas para mim, e ela segura uma gaveta de sapatos,
mostrando-a para Lila. — E então você usa este na prateleira do meio e
ajuda a organizar todos os seus sapatos, — diz Natalie, e sua voz me
enche de esperança.

Espero não tê-la perdido. Espero que eu consiga fazer isso.


Espero que ela não pense que eu estou louco.

Lila encontra meus olhos, os dela se iluminam, mas ela


rapidamente ajieta a sua expressão. Porém, Natalie deve sentir que eu
estou aqui, porque ela gira em um piscar de olhos, obviamente
surpresa.

E eu paro de pensar, e espero, e imagino. Eu apenas faço.

Eu ando até ela e falo com o coração. Não é um bicho de sete


cabeças dizer a ela que ela é a única. — Eu deveria ter feito um monte
de coisas de forma diferente, Nat. Eu deveria ter dito a você que eu te
amo antes de tudo. Porque eu amo. Eu te amo como um louco, e talvez,
às vezes, isso me deixa louco. — um canto dos lábios dela se levanta,
como se ela estivesse tentando controlar um sorriso. — Eu não deveria
ter registrado a anulação hoje. Eu não deveria ter sido um babaca com
você nos degraus do lado de fora do tribunal, quando você estava
simplesmente fazendo a coisa mais ridícula que eu já te pedi para fazer.
E acima de tudo, eu nunca deveria ter pedido a você para manter uma
promessa tão injusta, na noite que nos casamos.

— Está tudo bem, Wyatt, — diz ela, e sua voz é leve e suave. —
Eu a mantive porque ela era importante para você.

Balanço a cabeça, irritado comigo mesmo novamente, mas ainda


mais apaixonado por esta mulher. Lila dá alguns passos para trás,
dando-nos espaço quando eu continuo. — Eu mal me lembrava da
nossa cerimônia, e muito menos todas aquelas coisas que eu disse a
você. E isso não é desculpa, mas é verdade. Eu me lembro delas agora,
porque eu voltei para a capela esta tarde, e aquela música estava
tocando. Can't Help Falling in Love. Eu sei que eu senti isso aquela
noite, e eu sinto isso um milhão de vezes mais agora. — ela se move
mais perto de mim e isso me encoraja. O mesmo acontece com a
expressão no rosto dela - suave e gentil, então ela articula os lábios. Eu
também. Eu quero beijá-la, mas eu tenho muito mais a dizer. — Eu não
estou bêbado agora. Eu estou completamente, totalmente sóbrio, e eu
estou te pedindo uma segunda chance. Eu estou loucamente,

~ 226 ~
perdidamente, insanamente apaixonado por você, e eu trouxe essa foto
para lembrá-la do quão incrível nós somos juntos.

Seus olhos brilham quando eu entrego a ela a foto. — Não, você


não trouxe o meu rosto O, — diz ela, zangada, mas não zangada. Ela
está brincalhona de novo, e eu amo esse tom em sua voz.

Eu não consigo deixar de sorrir. — É muito mais do que o seu


rosto O, querida. Isto, — eu digo, apontando para a imagem no quadro
de papelão, — isto somos você e eu. Isto é como somos juntos. Eu
trouxe isto para te lembrar que isto é onde começamos. Aquela noite.
Naquele passeio. E eu quero que isso seja nós. — seus lábios tremem, e
seus olhos brilham com o início das lágrimas. — Eu quero que nós
continuemos a andar de montanha-russa. Subir nela muitas e muitas
vezes. Continuar subindo, e caindo, e virar de cabeça para baixo,
mesmo que isso nos deixe doentes ou loucos. Eu quero sentir toda a
alegria e euforia com você. Os altos e baixos. Porque amar você é um
tipo de passeio selvagem, e eu não quero que ele pare.

Ela aperta as mãos em meu peito, juntando o tecido da minha


camisa. Sua voz está atada com emoção, e ela está à beira das lágrimas.
— Wyatt, eu só empurrei a anulação porque eu prometi que faria. Eu fiz
isso porque eu te amo. Porque eu pensei que você queria. Porque eu sei
o quanto promessas importam para você. É por isso que eu estava
chorando no quarto do hotel antes. Porque eu sabia que eu tinha que
fazer isso, mas eu não queria. E eu te amo. Eu te amo tanto que eu não
consigo ficar brava.

Eu corro minha mão em seu braço nu, incapaz de resistir tocá-la.


Arrepio cresce no meu despertar. Eu dou um suspiro de alívio. — Mas
eu preciso confessar uma coisa. Antes de sairmos do seu quarto esta
manhã, eu vi aquele nome de escritório de advocacia piscando em sua
tela. A pessoa que enviou a sua carta mais tarde.

Seu olhar se torna interrogativo. — Você viu?

Eu aceno, tomo coragem e confesso. — Eu me assustei e achei


que significava outra coisa. Algo ruim. E é por isso que eu fui um
babaca no tribunal. Mas então eu percebi o quão ridículo isso era bem
antes de você sequer ter enviado seu e-mail. Só que desta vez, eu não
precisei ver o cara sem-teto comer o sanduíche para saber que era
seguro. Porque eu conheço você, e eu conheço seu coração. Eu apenas
espero que eu não tenha estragado muito as coisas por causa do jeito
frio que eu estava.

~ 227 ~
A agarrada dela na minha camisa aperta. Seu olhar é feroz e
amoroso. — Você não estragou. De modo nenhum. Eu juro. — então ela
diz, com uma gargalhada brincalhona, — Mas eu realmente pretendo
pregar uma peça em você com um sanduíche um dia.

Eu rio levemente. — É melhor. Mas mesmo que eu estraguei as


coisas um pouco, quero deixá-las muito certas. Porque isso pode ser
nós. — eu toco na foto mais uma vez. — E podemos ser este casal
também, — eu digo, puxando uma respiração para me abastecer
quando eu pego o saco da loja e tiro uma foto emoldurada de dois
gibões balançando em um galho de uma árvore.

Ela ri. — Você quer que sejamos... gibões?

Eu pego a sua mão. — Nat, você sabia que gibões são um dos
poucos animais que acasalam para a vida toda?

— Junto com cupins, castores e cisnes, — acrescenta ela, com


um encolher de ombros feliz. — Eu pesquisei. Isto parecia como algo
que você gostaria de saber.

Meu coração faz uma dança selvagem - porque ela queria saber, e
ela queria compartilhar. — Eu disse que estava pedindo uma segunda
chance, e eu estava falando sério, — eu digo, meu olhar segurando o
dela. — Mas não apenas uma chance de namoro. Não apenas uma
chance vamos-jantar. Eu não estou apostando uma ficha de cinco
dólares no vermelho.

Eu me abaixo em um joelho, e seus olhos se arregalam. Eu estava


nervoso antes mas eu não estou mais. Eu nunca estive tão certo do que
eu quero e do que eu preciso. — Eu estou indo com tudo incluído, e eu
estou te pedindo uma segunda chance no casamento. Eu quero ir para
casa em Nova York e viver com você, e compartilhar uma vida com você,
e eu quero que você seja minha esposa. Vamos ficar casados. Inferno,
vamos nos casar novamente. Vamos renovar nossos votos. Case comigo
de novo e de novo. Todo ano. Vamos fazer disto a nossa tradição.

Seus olhos se transformam em luas, e seu queixo cai. — Oh meu


Deus, — ela suspira.

Eu tiro o presente que eu comprei na Wynn - na loja de joias


elegantes no hotel mais elegante. Abro a caixa de veludo azul e mostro a
ela um solitário de dois quilates em forma de esmeralda.

— Seja a minha gibão, — eu digo com esperança desenfreada.

~ 228 ~
Ela cai de joelhos, joga seus braços em volta de mim, e me beija
como se ela quisesse todas as mesmas coisas. Tem sido apenas
algumas horas sem beijá-la, mas inferno, é tão bom fazer isso
novamente e sentir seus lábios nos meus, onde eles pertencem. Quando
ela quebra o beijo, ela encontra meu olhar e diz suavemente,
docemente.

— Eu serei sua gibão. Mas você não sabe que eu já sou?

O sorriso que é a minha maior alegria se espalha por seu rosto


bonito, e eu não posso acreditar como eu tenho sorte. — Ah, e sobre
aquela carta de demissão que você me enviou, — eu começo, batendo o
queixo. — Eu tive outra ideia.

— Diga-me, — diz ela, praticamente pulando. Mas então ela para,


e seu sorriso desaparece quando ela olha para o relógio.

— Wyatt, — ela sussurra, nesse tipo de voz suave que prenuncia


problemas. Meu coração acelera.

— O que é?

— Nós precisamos ir. O tribunal está fechando. Eles estão


registrando a nossa papelada da anulação.

Eu agarro sua mão e a puxo para cima. — Eu não quero que esse
casamento seja anulado.

— Eu também não.

Lila entra na conversa. — Vamos pegar o meu carro. Isto parece


como algo que uma fada madrinha faria.

E, você sabe, isto descreve muito bem o papel dela nesta história.
Nós nos apressamos para fora da loja, deslizamos em seu carro preto
lustroso e caímos fora.

~ 229 ~
Trinta e seis
— Ahhhhhhhhh.

O escrivão dá de ombros. — Eu lamento muito. — seu tom me diz


que ele não se lamenta em nada.

— Você vê, — diz ele, inclinando a cabeça, — já que você estava


com tanta pressa, eu verifiquei novamente a sua papelada. Você foi
muito atencioso em deixar uma nota explicando que você tinha tentado
registrar com o Easy Out Divorce. E, — ele limpa a garganta como se ele
estivesse se preparando para entregar um final de uma história — já
que o Easy Out Divorce é agora um golpista conhecido, os tribunais têm
uma oferta temporária que qualquer um que foi enganado pelo Easy
Out, pode obter uma anulação especial rápida. Então eu acelerei isso
para você. Isto não é fantástico?

— Você fez? — eu pergunto, quando o meus ombros cedem.

O escrivão aperta as mãos juntas. — É com grande prazer que


digo a vocês, que a sua anulação foi concedida hoje, e este casamento
foi dissolvido.

Meu coração afunda.

Mas apenas por um segundo. Porque onde há uma vontade, há


um jeito. — Não há problema, — eu digo com um sorriso. Desta vez, eu
estou praticando ser um bom rapaz. Porque bons rapazes vencem. E
este bom rapaz sabe que há mais do que uma ferramenta para
consertar algo quebrado.

Eu viro para Natalie. — Quer apostar que há um cartório ou


algum lugar como este onde poderíamos nos casar novamente? Vamos
fazer isso direito. Fazer isso agora.

As sobrancelhas dela sobem, e ela pergunta ao escrivão onde


cerimônias civis são executadas.

~ 230 ~
Ele aponta para cima. — Sexto andar. Repartição de Uniões de
Casamento Civil. — ele nos entrega os papéis e grita, próximo.

Depois que nós pegamos rapidamente uma licença de casamento,


pedimos à Lila para ser a nossa testemunha e confirmamos o nosso
compromisso urgente no início da noite, Natalie e eu ficamos em pé na
frente de um juiz, nas câmaras da sua repartição e nós nos casamos
novamente.

Desta vez é mais simples.

Desta vez nós estamos sóbrios.

Não há nenhuma capela vinte e quatro horas, ou uma espécie de


um imitador de Elvis. Apenas minha esposa e eu, selando o nosso amor
mais uma vez. Eu não pedirei a ela para desfazê-lo amanhã, porque eu
quero estar enredado com ela para sempre, quando nós dizemos aceito.

Então, eu beijo a minha noiva em nosso segundo casamento,


mesmo que seja o nosso primeiro legalmente. Mas quem se preocupa
com detalhes técnicos, quando meus lábios estão nos dela? Ela tem um
gosto tão adorável e eu nunca me cansarei de beijá-la. Minha cabeça
gira da doçura de sua boca, e meu corpo acende dessa conexão que
compartilhamos. — Você está presa comigo agora, — eu digo quando
nossos lábios se separam.

Com as mãos dela enroladas em volta do meu pescoço, ela


murmura: — É onde eu quero estar.

Quando nós descemos os degraus do tribunal, entrando no pôr do


sol desta cidade e deixando Lila por conta própria, eu recordo o
momento aqui, hoje mais cedo, quando estávamos caindo aos pedaços.
Estendo a mão para o seu braço. Enrolo a minha mão em torno dele.

— Ei, vamos fazer disto o fim do nosso final. O quê você diz disto?

Ela agarra minha mão. — É melhor que seja o fim do


rompimento.

Eu corro os meus dedos ao longo da parte de trás do seu vestido.


— Eu acho que não é o seu vestido de anulação mais.

Ela aponta para o tecido laranja. — É o meu vestido de noiva. E


verdade seja dita, eu o usei hoje esperando que algo como isso pudesse
acontecer.

— Você é uma planejadora.

~ 231 ~
— É por isso que você precisa de mim.

— Eu realmente preciso de você. E é por isso que eu quero dizer a


você o meu plano para rejeitar a sua demissão.

Ela circula seus braços em volta do meu pescoço e diz: — Diga-


me. Mas faça isso rápido, porque eu realmente gostaria de consumar o
nosso casamento.

É seguro dizer que a minha proposta a derrubou. Ela chora


novamente, e elas são lágrimas de felicidade. Quando nós conseguimos
voltar ao meu quarto, eu as beijo para longe, retiro todas as suas
roupas e depois as minhas também.

Ela está nua diante de mim, e me ocorre que nós fizemos amor
apenas uma vez antes sem nossas roupas. Nós sempre estivemos
correndo, nos arriscando, desafiando o destino. A última vez que
estivemos peito-a-peito, pele com pele, foi em nossa primeira noite de
núpcias há alguns meses atrás

E eu não me importo com o que os tribunais dizem sobre


casamentos sendo dissolvidos. Não existindo. Nunca acontecendo.

Nós acontecemos e nós estamos acontecendo novamente, então


eu me junto a ela na cama. Quando eu entro nela, ambos gememos.
Eletricidade atira através de mim. Parece como puro êxtase quando eu
afundo dentro dela, saboreando a forma como nos encaixamos. Ela
geme feliz e encontra o meu olhar. É intenso o jeito como olhamos um
para o outro. O jeito que nós queremos olhar dentro dos olhos um do
outro.

— Podemos fazer isso todas as noites? — ela pergunta em um


ronronar sexy enquanto ela envolve aquelas pernas maravilhosas ao
redor da minha bunda.

— Todas as manhãs, também, — eu digo com um impulso, e nos


movemos juntos. — Quer saber por quê?

— Por quê? — ela pergunta, e arqueia sua coluna, seus lábios se


abrindo.

— Porque eu amo foder a minha esposa, — eu digo com um


gemido gutural. — E eu amo minha esposa pra caralho.

Eu sou recompensado com um grito selvagem de prazer, depois


outro e não demora muito para ela voar alto. Logo, estou fazendo aquela
coisa que ela ama - gozando alto e profundamente. Eu poderia até rugir.

~ 232 ~
Eu gostaria de dizer que passamos a noite andando de montanha-
russa ou de roda-gigante. Mas não. Nós ficamos na horizontal
novamente. A noite toda. É tão perfeito quanto uma noite de núpcias
pode ser. E eu não estou dizendo isso só porque nós encomendamos um
sundae de Oreo, do serviço de quarto, em algum momento no meio da
noite.

Mas isso é bom também. E eu realmente gosto de Oreos.

~ 233 ~
Epílogo
A escada está encostada na parede branca brilhante em nossa
casa. Natalie se equilibra cuidadosamente no degrau mais alto,
pendurado uma placa. Acho que eu poderia fazer isso por ela, mas ela
insistiu, e a mulher realmente ama colocar suas mãos nas ferramentas.

Ela é boa com todas elas, mas ela é particularmente boa com uma
das minhas, se você me entende.

De qualquer maneira, aqui está a escada. Vê o que eu disse lá?


Eu não deixei você pendurado. Eu prometi uma história suja na escada,
e eu vou entregar.

Ela está na escada porque ela sabe que eu gosto desta vista.
Quem eu estou enganando? Eu amo esta vista. Empoleirado na beira do
sofá em nossa sala de estar, eu saboreio a visão na minha frente -
minha Natalie, em uma pequena saia rosa que balança em torno de
suas coxas.

— Está se divertindo?

— Está duro me afastar.

Ela ri, então levanta o martelo e bate, bate, bate até que a nova
placa esteja em cima da parede. Nós temos uma igual em nosso
escritório. Ela diz Hammer & Hammer Carpintaria e Construção.
Mudamos o nome. Sim, nós. Porque é nossa. Tudo é nosso.

Eu tenho aprendido que você precisa dar um pouco em um


relacionamento. Ou, devo dizer, dar um monte. Natalie estava disposta
a desistir de seu ganha-pão por mim. Eu não podia deixá-la fazer isso.
Em vez disso, eu encontrei outra solução. Ela ficou, e nós
administramos o negócio juntos como marido e mulher. Eu ainda faço a
obra; eu sou o carpinteiro, afinal de contas. Mas ela é a mágica. Ela é a
cola. Ela fez este negócio prosperar. E é dela, tanto quanto é meu. Nós
possuímos isto juntos. Às vezes, ela se atira em um cinto de

~ 234 ~
ferramentas e ajuda a terminar um trabalho, mas nós finalmente temos
expandido, e nós temos funcionários que são de confiança e aparecem
para o trabalho.

Natalie gerencia tudo isso. Ela faz isso acontecer todos os dias. —
Eu sempre amei este trabalho. Eu nunca pensei em mim como apenas
uma assistente, — ela disse quando eu apresentei a ela minha proposta
após o nosso casamento oficial em Vegas.

— Você sempre foi muito mais. Você fez tudo na nossa empresa
melhor.

— E eu continuarei fazendo isso. Mas eu ainda estou dando


minhas aulas à noite, — ela disse.

— Eu não esperaria nada menos da mulher que pode chutar a


minha bunda.

Agora, ela se vira de frente para mim, uma mão segurando o


degrau mais alto quando ela me mostra a placa - nosso negócio, nosso
casamento, nós. — Como está?

— Como ela foi concebida para ser. Eu amo tudo sobre ela,
especialmente a forma como esses dois nomes ficam juntos.

Ela tem meu coração, meu corpo, meu negócio, minha casa.
Compartilhando o negócio com ela mal arranha a superfície de tudo o
que ela tem me dado - este amor incondicional. Ah, e obviamente,
Natalie mora comigo agora, o que significa que Josie está procurando
por uma companheira de quarto, mas esta é uma história para outra
hora.

Por agora, eu tenho a minha mulher para cuidar. Eu vou até a


escada, subo um degrau, levanto a sua saia, e puxo a calcinha para o
lado.

Eu a beijo e a lambo e a saboreio, até que ela está gemendo e


grunhindo e suspirando de um jeito sexy.

Essa é a minha deixa para mantê-la segura. — Venha. Pegue a


minha mão, — eu digo suavemente, e eu a guio para baixo da escada e
a prendo, e coloco-a no sofá, onde ela abre suas pernas e eu devoro sua
doçura.

Olha, escadas são divertidas para as preliminares, mas quando


você estiver em um sexo de risco, você tem que saber quais os riscos a

~ 235 ~
tomar. Não posso ter minha esposa caindo de uma escada porque eu a
fiz gozar profundamente.

E isso é precisamente o que eu faço quando ela enlouquece no


sofá contra a minha boca. Então eu faço amor com ela.

Quando acaba, ela sorri embriagada para mim e diz, — Devemos


ir nos preparar para o nosso casamento?

Sim, nós somos essas pessoas. Nós somos os que se casaram em


Vegas, voltaram para casa, e se jogaram em outra festa de casamento
para os nossos amigos e familiares. Nós gostamos de casar um com o
outro.

Muito.

Então, vamos fazer tudo isso de novo. Verdade seja dita, nós
provavelmente renovaremos nossos votos no próximo ano, e no próximo
e no próximo.

~ 236 ~
Outro epílogo
Alguns meses depois

Era uma vez havia um homem, havia uma mulher, e havia uns
redutores de velocidade selvagens na estrada no felizes para sempre
deles.

Mas nós navegamos todos eles.

Ao longo do caminho, eu descobri que confiança não é sobre


prova. Não se trata de ser enganado ou não ser enganado. É uma
escolha. Uma que você faz com seu coração. Natalie tem o meu, e eu
tive que aprender que era seguro e sólido aos cuidados dela. Sempre.

O coração dela está seguro comigo, também, mesmo que ela goste
de me bater em seus vídeos.

Sua série de auto defesa tem se tornado bastante popular online.


Novos alunos têm a encontrado através deles e começaram fazendo as
aulas que ela dá algumas noites por semana. Isto a faz feliz, e quando
ela está feliz, eu estou feliz também.

Embora, ela talvez tenha que reduzir em breve. As coisas estão


mudando por aqui. Sua barriga está um pouco mais redonda.

Não, não foi um opa bebê. Isso não aconteceu em uma noite de
bebedeira. Por favor. Minha esposa é uma planejadora. E nós
planejamos isso. Na verdade, o pão poderia muito bem ter ido para seu
forno na nossa terceira noite de núpcias. Uma bem aqui em Nova York.

Nós dois somos os primeiros de nossos amigos a engravidar, mas


isso combina conosco. Nós parecemos ter duas velocidades - ou parados
ou em movimento a cem quilômetros por hora. Nós não estamos
parados mais, então neste caso, nós quebramos todos os limites e em
alguns meses nós seremos uma família.

~ 237 ~
Porém, neste momento, estou saindo com Natalie para o mercado.
Nós não vamos comprar espargos ou rúcula. Nós sempre gostamos
disto arriscado, e hoje vamos nos arriscar.

Nós temos um encontro atrás da banca de banana.

FIM

~ 238 ~