Você está na página 1de 11

Escola: _______________________________________________________________________

Aluno:_______________________________________________Ano/Turma:_______________
Professor:___________________________________________ Data: _____________________

A LEITEIRA E O BALDE DE LEITE

Joana carregando na cabeça um balde de leite dirigia-se rapidamente para a aldeia. A fim de andar mais

depressa, tinha posto uma roupinha ligeira e sapatos bem cômodos. Ia leve como o vento. Em seu pensamento, já estava
vendendo o leite e empregando o dinheiro.

- Compro cem ovos e ponho a chocar. Posso muito bem criar pintos ao redor da casa. Quando crescerem, vendo
todos e tenho um bom lucro. Com esse dinheiro, compro um leitãozinho. Em pouco tempo, terei um porco bem gordo, pois
só comprarei se o leitão já for gordinho. Cobro um bom preço pelo porco e compro uma vaca

. Terá que vir acompanhada de seu bezerrinho. Será uma graça vê-lo saltar pelo quintal.

Joana entusiasmada saltou também. O balde caiu da sua cabeça, e o leite derramou-se no chão. Adeus bezerro, vaca,
porco, leitão, ninhada de pintos!

A pobre Joana voltou para casa, com medo que o marido brigasse com ela.

– É fácil fazer castelos no ar, pensava. Nada mais gostoso. Na minha imaginação posso virar rainha, usar uma coroa
de diamantes e ter súditos que me adorem. Nada disso dura muito: uma coisa à-toa acontece, e volto a ser Joana Leiteira.

(GÄRTNER, Hans & ZWERGER, Lisbeth. 12 fábulas de Esopo. Trad. ALMEIDA, Fernanda Lopes de. 7. ed. Rio de Janeiro: Ática, 2003).

01. Em “Será uma graça vê-lo saltar pelo todo o leite no chão.
quintal”, o termo sublinhado refere-se ao (D) ao carregar o balde de leite, ela se deu
conta do trabalho que teria.
(A) bezerro.
(B) porco.
04. Ao planejar o seu futuro, a imaginação de
(C) pinto.
Joana é marcada
(D) leitão.
(A) pela ousadia.
(B) pelo pessimismo.
02. Em “ – Compro cem ovos e ponho para (C) pela timidez.
chocar”, o travessão indica (D) pelo otimismo.
(A) o fim da expressão do pensamento de
Joana.
05. Em “Adeus bezerro, vaca, porco, leitão,
(B) o início da expressão do pensamento da
ninhada de pintos!”, a pontuação que
leiteira.
encerra essa frase indica uma
(C) a continuidade do pensamento da
(A) triste constatação.
mulher.
(B) extrema satisfação.
(D) a interrupção do pensamento da
(C) reflexão duvidosa.
personagem.
(D) lembrança desagradável.

03. Os sonhos de Joana se desfazem quando,


06. Para Joana, “fazer castelos no ar...”
(A) ao planejar a venda do leite, ela apressou
significa o mesmo que fazer
muito o passo.
(A) planos com base concreta.
(B) ao voltar para casa, o marido brigou
(B) projetos sem base na realidade.
muito com ela.
(C) suposições com dados comprováveis.
(C) ao saltar, ela deixa o balde cair e derrama
(D) propostas sem dados comprováveis.
O LEÃO E O RATO

Estava um rato prestes a ser devorado por um gato faminto quando um leão que passava por
perto, comovido com seu desespero, espantou o gato pra longe. Refeito do susto, o ratinho
agradeceu:

– Muito obrigado por salvar minha vida, majestade. O senhor é o rei da floresta e não precisaria se
incomodar com um ser tão insignificante como eu. Mas um dia eu hei de lhe retribuir este favor.

O leão, que não havia feito aquilo pensando em recompensa, seguiu o seu caminho:

– Pobre ratinho, como poderia ele retribuir um favor ao rei dos animais?

No dia seguinte, o leão estava andando distraído quando pisou numa rede estendida para
aprisioná-lo. Assim que pôs a pata na armadilha, a rede se fechou sobre o seu corpo.

– Ai de mim. Ficarei aqui a noite inteira até que cheguem os caçadores e me matem sem dó nem
piedade.

Eis que pela estrada vem passando o ratinho seu amigo. Ao ver o leão naquela situação,
prontificou-se no mesmo instante:

– É já que vou retribuir o favor que você me fez.

E pôs-se a roer as cordas até livrar o leão da rede dos caçadores.

Fábulas de Esopo. Adapt. de Ivana Arruda Leite. São Paulo: Escala Educacional. 2004.

ASSINALE COM UM X AS RESPOSTAS b) piedade pelo rato.


CORRETAS
c) desprezo pelo rato.
01.A fábula recebeu esse título porque:
d) egoísmo por ser mais forte.
a) indica que o leão é o rei dos animais.
03. O sentimento do rato em relação à
b) indica quem são os personagens atitude do leão indica:
principais.
a) astúcia.
c) indica que o leão e o rato são os
personagens secundários. b) vaidade.

d) nega os fatos importantes acontecidos c) gratidão.


com todos os personagens. d) liberdade.

02.A atitude do leão para salvar o rato


04. O leão foi aprisionado por causa:
demonstra:
a) da sua distração.
a) inveja do gato.
b) da mata fechada. c) motivo de orgulho.

c) do desejo de vingança do gato. d) digno de compaixão.

d) do seu desconhecimento do ambiente.

08. No texto, a palavra que significa próximo


de acontecer é:
05. O ensinamento coerente com os fatos
dessa fábula é: a) prestes.

a) O orgulho leva à morte. b) retribuir.

b) É melhor confiar desconfiando. c) comovido.

c) Quando a sorte muda, os fortes d) prontificou-se.


necessitam dos fracos.

d) Aos poderosos, tudo se desculpa; aos


miseráveis, nada se perdoa. 09.O verbo refazer foi empregado no texto
como sinônimo de:

a) reparar, arrumar.
06. O trecho “[...] quando pisou numa rede
estendida para aprisioná-lo” comprova que b) reorganizar, reformar.

os caçadores pretendiam: c) fazer de novo, corrigir.

d) restaurar as forças, revigorar-se.

a) caçar o leão.

b) ajudar o rato. 10. A fala do leão preso na armadilha


confirma o sentimento de:
c) testar a armadilha.
a) falta de esperança em ser salvo.
d) caçar qualquer animal.
b) surpresa com a atitude dos caçadores.

c) esperança de chegar um amigo e salvá-lo.


07. O adjetivo pobre, empregado no 4º
parágrafo, expressa: d) certeza de que ia livrar-se sozinho da
armadilha.
a) posição social.

b) falta de dinheiro.

O lobo e a cabra
Um lobo, tendo visto uma cabra pastando numa montanha escarpada, e como não pudesse
chegar até lá, pediu-lhe que descesse, pois, sem perceber, ela poderia cair de lá de cima. Disse
ainda que o pasto onde ele estava era melhor, que a relva estava florida. Mas a cabra lhe
respondeu : “ Não é em meu benefício que me chamas para o pasto, mas porque tu próprio
estás sem alimento”.

Esopo: Fábulas completas. Tradução, introdução e notas de Neide Cupertino de Castro Smolka. São Paulo: Moderna,
1994, p. 125.

01. De acordo com o texto, em relação ao 02. A cabra não atendeu a sugestão do
lobo, pode-se afirmar que: lobo porque:

( A ) podia chegar até a montanha. ( A ) fingiu que não ouviu o lobo.


( B ) queria acompanhar a cabra. ( B ) não concordou que o pasto era
( C ) estava sem alimento. melhor.
( D ) queria ajudar a cabra. ( C ) percebeu que o lobo falava de uma
coisa, mas queria outra.
( D ) ela não conseguiu descer do monte.

O cão e seu reflexo

Um cão estava se sentindo muito orgulhoso de si mesmo. Achara um enorme pedaço de carne e a
levava na boca, pretendendo devorá-lo em paz em algum lugar.
Ele chegou a um rio e começou a cruzar a estreita ponte que o levava para o outro lado. De
repente, parou e olhou para baixo. Na superfície da água, viu seu próprio reflexo brilhando.
O cão não se deu conta que estava olhando para si mesmo. Julgou estar vendo outro cão com um
pedaço de carne na boca.
Opa! Aquele pedaço de carne é maior que o meu, pensou ele. Vou pegá-lo e correr. Dito e feito.
Largou seu pedaço de carne para pegar o que estava na boca do outro cão.
Naturalmente, seu pedaço caiu na água e foi parar bem no fundo, deixando-o sem nada.
MORAL: Quem tudo quer tudo perde.

01. O texto acima é: ( C ) transmitir ensinamento.


( D ) mostrar pesquisa.
( A ) Fábula
( B ) Conto de fadas 03. O texto trata principalmente da:
( C ) Propaganda
( D ) Notícia ( A ) coragem do cão.
( B ) fome do cão.
02. O texto foi escrito com o objetivo ( C ) ambição do cão.
principal : ( D ) sabedoria do cão.

( A ) anunciar um produto. 04. O fato que deu início a narrativa foi:


( B ) dar instruções.
( A ) a grande fome do cão. ( A ) atravessou um rio procurando alguma
( B ) o sentimento de orgulho do cão. coisa.
( C ) a sombra que o cão viu no rio. ( B ) deixou que o pedaço menor fosse levado
( D ) a ponte que o cão atravessou. pelo rio.
( C ) ficou privado dos dois pedaços de carne.
05. O cão largou seu pedaço de carne ( D ) julgou que o outro cão tinha um pedaço
porque: maior.

A galinha dos ovos de ouro

Certa manhã, um fazendeiro descobriu que sua galinha tinha posto um ovo de ouro .
Apanhou o ovo , correu para casa , mostrou-o à mulher , dizendo:
___ Veja! Estamos ricos!
Levou o ovo ao mercado e vendeu-o por um bom preço.
Na manhã seguinte, a galinha tinha posto outro ovo de ouro ,
que o fazendeiro vendeu a um melhor preço.
E assim aconteceu durante muitos dias.
Mas quanto mais rico ficava o fazendeiro , mais dinheiro queria. e pensou
:"Se esta galinha põe ovos de ouro , dentro dela deve haver um tesouro!"
Matou a galinha e por dentro , ela era igual a qualquer outra.

Moral: Quem tudo quer , tudo perde.

01. Este texto é:


( ) uma tirinha
( ) uma poesia
( ) uma fábula
( ) uma notícia

02. A fonte de renda do fazendeiro terminou quando ele:


( ) resolveu vender os ovos de ouro.
( ) tentou descobrir o que havia dentro da galinha.
( ) pensou ter encontrado um tesouro.
( ) vendeu a galinha.

03. O texto "A GALINHA DOS OVOS DE OURO" ensina ao leitor que:
( ) deve-se ser curioso.
( ) não se deve acreditar nas pessoas.
( ) não se deve ferir os animais.
( ) não se deve ser ambicioso.

04. O trecho em que a expressão sublinhada expressa uma ideia de tempo é:


( ) "___Veja! Estamos ricos!"
( ) "Certa manhã , um fazendeiro..."
( ) "Levou o ovo ao mercado..."
( ) "....a galinha tinha posto outro ovo."

05. Na frase ;"Matou a galinha e por dentro , ela era igual a qualquer outra."
A palavra destacada refere-se a:
( ) a uma galinha
( ) a uma pessoa
( ) à riqueza
( ) a um ovo

A formiga e a Pomba

Uma Formiga foi à margem do rio para beber água e, sendo arrastada pela forte correnteza,
estava prestes a se afogar. Uma Pomba que estava numa árvore sobre a água, arrancou uma
folha e a deixou cair na correnteza perto dela. A Formiga subiu na folha e flutuou em
segurança até a margem. Pouco tempo depois, um caçador de pássaros veio por baixo da
árvore e se preparava para colocar varas com visgo perto da Pomba que repousava nos galhos
alheia ao perigo. A Formiga, percebendo sua intenção, deu-lhe uma ferroada no pé. Ele
repentinamente deixou cair sua armadilha e, isso deu chance para que a Pomba voasse para
longe a salvo.

Autor: Esopo

Moral da História: Quem é grato de coração sempre encontrará oportunidades para mostrar
sua gratidão.

01. Este texto é uma fábula porque apresenta características como

(A) humor e seres encantados.

(B) instruções e imagens.

(C) tabelas e informações científicas.

(D) animais como personagens e moral da história.

02. O texto começa dizendo Uma formiga sedenta veio à margem do rio para beber água.
Para alcançá-la devia descer por uma folha de grama. A palavra sublinhada refere-se a

(A) grama.

(B) água.

(C) folha.

(D) formiga.
03. A formiga se salvou da correnteza porque

(A) o rio parou de correr.

(B) o caçador a tirou de dentro do rio.

(C) caiu um galho de árvore em que ela se apoiou.

(D) ela subiu numa folha de árvore jogada ao rio pela pomba.

04. A formiga viu o caçador preparado para caçar a pomba no momento em que

(A) se debatia na correnteza.

(B) alcançou a terra.

(C) se escondia atrás de uma árvore.

(D) foi presa pela rede do caçador.

05. No início do texto, diz-se que a formiga estava sedenta. Isto significa que a formiga
estava com

(A) fome.

(B) frio.

(C) sede.

(D) calor.

6. “Uma boa ação se paga com outra”. A frase, escrita entre aspas e em letras maiores que as
do texto, indica

(A) a moral da história.

(B) que a história acabou.

(C) a amizade que se formou entre a pomba e a formiga.

(D) que foi o caçador de pássaros quem falou.

O galo que logrou a raposa

Um velho galo matreiro, percebendo a aproximação da raposa, empoleirou-se numa árvore. A


raposa, desapontada, murmurou consigo: “…Deixa estar, seu malandro, que já te curo!…” E em
voz alta:
-Amigo, venho contar uma grande novidade: acabou-se a guerra entre os animais. Lobo e
cordeiro, gavião e pinto, onça e veado, raposa e galinha, todos os bichos andam agora aos
beijos, como namorados. Desça desses poleiros e venha receber o meu abraço de paz e amor.
-Muito bem! –exclamou o galo. Não imagina como tal notícia me alegra! Que beleza vai ficar o
mundo, limpo de guerras, crueldades e traições! Vou já descer para abraçar a amiga raposa,
mas… como lá vem vindo três cachorros, acho bom esperá-los, para que eles também tomem
parte da confraternização.
Ao ouvir falar em cachorros, dona raposa não quis saber de histórias, e tratou de pôr-se a
fresco, dizendo:
- Infelizmente, amigos Có-ri-có-có, tenho pressa e não posso esperar pelos amigos cães. Fica
para outra vez a festa, sim? Até logo.
E rapou-se.
Com esperteza, – esperteza e meia.

Interpretação

1-Em “Um velho galo matreiro, percebendo...” – a palavra sublinhada significa:


A( ) notando
B( ) adivinhando
C( ) supondo
D( ) prevenindo

2- Em …”percebendo a aproximação da raposa…” – apalavra sublinhada pode ser substituída


por:
A( ) proposta
B( ) intenção
C( ) voz
D( ) chegada

3- E “empoleirou-se numa arvore” – a palavra sublinhada pode ser substituída por:


A( ) escondeu-se
B( ) subiu
C( ) pulou
D( ) encolheu-se

4- Em “a raposa, desapontada, murmurou consigo” – a palavra sublinhada significa:


A( ) disse em voz baixa
B( ) falou disfarçadamente
C( ) resmungou
D( ) pensou

5- Em “Muito bem! – exclamou o galo.”- a palavra sublinhada significa:


A( )falar em voz alta e com admiração.
B( ) falar em tom de censura.
C( ) falar demonstrando aprovação.
D( ) falar em tom autoritário.

6- Em “Que beleza vai ficar o mundo, limpo de guerras” – a expressão sublinhada equivale a:
A( ) entre as
B( ) apesar das
C( ) longe das
D( ) sem as

7- Em “… e tratou de por a fresco”, a expressão sublinhada quer dizer:


A( ) ir para um lugar que não faça tanto calor.
B( ) sair para o ar livre.
C( ) ir saindo.
D( ) colocar-se a salvo.

8- Em “E raspou-se” significa:
A( ) saiu calmamente.
B( ) saiu precipitadamente.
C( ) escondeu-se.
D( ) feriu-se.

9- Quando o galo se empoleirou na arvore, a raposa ficou:


A( ) zangada.
B( ) decepcionada.
C( ) indiferente.
D( ) contente.

10-A respeito da atitude do galo, a raposa pensou consigo mesma – “Deixe estar, seu
malandro, que já te curo!” – Isso significa que ela pensou em:
A( ) aliviar o sofrimento do galo.
B( ) dar uma lição no galo.
C( ) cozinhar o galo.
D( ) fazer amizade com o galo.

11- Ao dizer “Que beleza vai ficar o mundo, limpo de guerras, crueldades e traições!” – o galo
se refere às:
A( ) desavenças ocorridas entre os homens.
B( ) brigas entre ele e a raposa.
C( ) crueldade cometida pela raposa em relação a seus amigos.
D( ) desavenças que houve no reino animal.

12- A raposa é tida como um animal muito assustado, esperto. Nessa fábula, a raposa
mostrou-se:
A( ) mais esperta do que o galo.
B( ) menos esperta do que o galo.
C( ) tão esperta quanto o galo.
D( ) muito esperta, alem de corajosa e brincalhona.

13- O nome Co-ri-có-có, usado pela raposa em referencia ao galo, relaciona-se:


A( ) ao canto do galo.
B( ) à raça do galo.
C( ) à cor do galo.
D( ) ao físico do galo.
O pulo do gato

A raposa andava maluca para pegar o gato. Mas ela sabia como todo mundo sabe, que o gato
é o maior mestre pulador e nem adiantava tentar agarrá-lo. Com um salto de banda, o danado
sempre se safava. Decidiu então a raposa usar da esperteza. Chegou-se para o gato e propôs a
paz: – Chega de correr atrás um do outro, mestre gato. Vamos agora viver em paz! – Não é
bem assim, comadre raposa – corrigiu o gato. – Não é um que corre atrás do outro, é uma que
corre atrás do outro,é a “uma”, que é a senhora, que corre atrás do “outro”, que sou eu… –
Bom, de qualquer forma, vamos fazer as pazes, amigo gato. Como o senhor é mestre em pulos,
proponho que, para celebrar nosso acordo de amizade, o senhor me dê um curso de pulos,
para eu ficar tão puladora como o senhor. Pago-lhe cada lição com os mais saborosos filés de
rato que o senhor já experimentou! O gato aceitou e começaram as lições no mesmo dia. A
raposa era aluna dedicada e o gato ótimo professor. Ensinou o salto de banda, o salto em
espiral, a cambalhota simples, a cambalhota-com-pirueta, o duplo-mortal, o triplo-mortal e até
o saca-rolha-composta. A raposa todos eles aprendia, praticava depois das aulas e, logo, já
estava tão mestre em pulos quanto o gato. Decidiu então que já era chegada a hora de colocar
em prática seu plano sinistro. No começo de outra aula, esgueirou-se por trás do gato e deu
um bote, caprichando no salto mais certeiro que o mestre lhe tinha ensinado! E o gato? Deu
um volteio de banda, rolou no ar, e a raposa passou chispando por ele, indo esborrachar-se
num toco de aroeira. Ainda tonta da queda, a raposa voltou-se para o gato e protestou: – Mas
mestre gato, esse pulo o senhor não me ensinou!
-Não ensinei, nem ensino! -riu-se o gato. -Esse é o segredo que me salva de malandros como a
senhora, comadre raposa. Esse é o pulo do gato!

BANDEIRA,Pedro. Nova Escola,nº48.

Interpretação
1-“com um salto de banda, o danado sempre se safava.”

A palavra abaixo que tem o mesmo significado da expressão sublinhada é:


A( ) exibia B( ) livrava.
C( ) prejudicava. D( ) esborrachava.

2- De acordo com o texto, a raposa fez ao gato a seguinte proposta:


A( ) viver em paz.
B( ) brigar para sempre.
C( ) dividir os filés de rato.
D( ) viver cada um no seu canto.

3- O texto mostra que tanto a raposa, quanto o rato sempre demonstraram ser:
A( ) lentos.
B( ) amigos.
C( ) espertos.
D( ) medrosos.
4- A raposa tornou-se aluna do gato para:
A( ) distrair-se com ele.
B( ) fazer as pazes com ele.
C( ) brincar, pois se sentia sozinho.
D( ) conseguir uma chance de devora-lo.

5- O plano da raposa fracassou porque ela:


A( ) confiou demais em sua esperteza.
B( ) era uma aluna desatenciosa.
C( ) errou os pulos ensinados.
D( ) agiu sem pensar