Você está na página 1de 10

Superfonte 12 V x 20 A (ART359)

Equipamentos de uso móvel, alimentados por baterias de carro ou mesmo veículos mais pesados,
podem ter consumos altos o bastante para dificultar sua alimentação por fontes comuns. Para usar
tais equipamentos com alimentação a partir da rede de energia podem ser necessárias fontes
potentes cujo projeto nem sempre é fácil de obter. Neste artigo damos o projeto de uma fonte de
20A o que, com uma alimentação de 12V, significa uma potência da ordem de 240 watts.
Muitos leitores possuem equipamentos de som superpotentes em seus carros, o que dificulta o seu
uso com fontes de alimentação quando em casa. Da mesma forma, muitos transceptores para a faixa
de VHF e outras podem ter potências suficientemente elevadas para exigir correntes acima de 10 A,
o que também significa a necessidade de fontes especiais quando alimentados a partir da rede de
energia.
Neste artigo damos o projeto de uma potente fonte para aparelhos de 12V a 14V, que normalmente
sejam usados com baterias de carro ou veículos mais pesados.
Esta fonte possibilita ao técnico trabalhar com tais equipamentos em sua bancada e ao usuário,
operar o equipamento em casa ou em outro local a partir da rede de energia.
Evidentemente, como correntes elevadas estão presentes em alguns pontos do circuito será preciso
tomar cuidado com a fiação, utilizando-se fios de espessura apropriada nos casos em que eles sejam
exigidos.
Por outro lado, o uso do transformador na entrada torna a fonte totalmente segura, sem qualquer
perigo de choques em caso de contactos nos equipamentos alimentados.
Lembramos que, como tais equipamentos se destinam ao uso em veículos onde o chassi é ao mesmo
tempo terra, suas carcaças ou caixas fazem parte do circuito.

COMO FUNCIONA
A redução da tensão da rede de energia e isolamento é feito por meio de um transformador. dada a
corrente exigida neste transformador, seu tamanho é razoável, consistindo na principal peça de
nossa fonte.
A retificação é feita por quatro diodos ou uma ponte que tenha capacidade de pelo menos 15
ampères. Eventualmente podem ser usados apenas dois diodos se o transformador for dotado de
tomada central.
Também é possível usar um transformador com menor corrente, caso em que as características da
fonte ficarão então reduzidas à capacidade deste componente. Neste caso também é possível
diminuir o número de transistores de potência de forma proporcional.
Por exemplo, se o transformador que o leitor conseguir for de 15 ampères, podem ser usados apenas
três transistores. Evidentemente, a capacidade máxima da fonte passará também a 15 ampères,
mantendo-se os 12V.
A referência de tensão é dada por um circuito integrado 7812 que pode fornecer em sua saída 1A.
Essa corrente vai controlar os quatro transistores de potência que fazem o "serviço pesado"
controlando a corrente principal.
Como cada transistor apresenta uma queda de tensão entre o emissor e a base de 0,6 volts
aproximadamente, se o circuito integrado 7812 fosse ligado diretamente a eles, a tensão de saída
ficaria reduzida a aproximadamente 11,4 volts, o que não é interessante.
Uma maneira de se obter uma tensão maior no circuito integrado e compensar estas perdas,
elevando a tensão na saída para uns 13 Volts (que é a tensão normal de uma bateria de carro
carregada), o que fazemos é ligar o terminal de controle a uma bateria de diodos.
Cada diodo mais o trimpot P1 somam aproximadamente 0,6 volts à tensão de saída do integrado,
conforme mostra a figura 1.

Mudando a saída de tensão do 7812.

Assim, pela posição de S1 e pelo ajuste de P1 podemos somar alguns volts a saída do circuito
obtendo-se assim algo entre 12 e 14 volts ou mesmo um pouco mais.
Para que a corrente total da fonte seja dividida de forma igual entre os transistores precisamos ter
meios de compensar suas diferenças de características.
Isso é feito com a ligação de resistores de 0,22 ? nos emissores dos transistores de potência. Com
eles, a divisão dos 20A de forma que a corrente em cada transistor fique o mais próximo possível de
5 ampères é conseguida.
Veja que os transistores 2N3055, na verdade podem operar com uma corrente máxima maior. No
entanto, a corrente máxima do 2N3055 é especificada para uma tensão coletor/emissor menor do
que a aparece no circuito (e na maioria das aplicações). Assim, o projetista deve estar atento para os
limites SOAR que mostram que a corrente máxima com que um transistor trabalha varia com a
tensão de coletor.
Finalmente, para uma proteção final da fonte temos um fusível na saída que queimará se ocorrer
algum problema de curto no aparelho alimentado.

MONTAGEM
Na figura 2 temos o diagrama completo da fonte de alimentação.
Diagrama completo da superfonte.

A disposição real dos componentes é mostrada na figura 3.


Placa de circuito impresso da superfonte.

Obs: sugerimos utilizar fios ou trilhas mais largas do que neste desenho para os percursos de
correntes mais intensas.

Observe que os transistores de potência devem ser montados em excelentes radiadores de calor. A
caixa para a montagem pode ser projetada de tal forma que estes transistores com os seus radiadores
fiquem do lado de fora. Em funcionamento, deve-se posicionar a caixa de modo a facilitar a
ventilação desses componentes.
Com uma corrente tão elevada na saída os transistores aquecem bastante e esse calor precisa ser
dissipado.
O circuito integrado regulador de tensão também aquece quando em funcionamento, precisando de
um radiador de calor. No entanto, o radiador de calor deste componente pode ser bem menos.
O valor do conjunto de capacitores eletrolíticos usados na filtragem depende da intensidade da
corrente. Nos projetos é comum que, para fontes de 12 Volts sejam usados 1 000 µF por cada
ampère. Assim, com 20 ampères de saída precisamos de pelo menos 20 000 µF para uma boa
filtragem que não introduza roncos nos equipamentos de áudio. Isso pode ser obtido com dois
capacitores de 10 000 µF ligados em paralelo, mas na dificuldade de sua obtenção podem ser
ligados quatro capacitores de 4 700 µF em paralelo ou mesmo cinco deles.
Os resistores de R2 a R5 são de fio com pelo menos 5 watts de dissipação. Neste caso também, em
caso de dificuldade de obtenção podem ser ligados dois resistores de 0,47 ? em paralelo.
A chave seletora de tensões pode ser rotativa ou mesmo de teclas e não precisa ter capacidade
elevada de corrente, pois neste ponto do circuito a intensidade é muito pequena.
Para as saídas podem ser usados bornes capazes de suportar a corrente da fonte.

PROVA E USO
Para provar a fonte ligue em sua saída uma carga de boa corrente, com pelos menos 3 ou 4 ampères
(um farol de carro, por exemplo) e um multímetro na escala de tensões.
Ajuste a chave S1 para verificar a sua atuação no sentido de selecionar as tensões de saída.
Anote os valores obtidos ou ajuste-os por meio de P1 conforme o desejado para as cargas
alimentadas.
Comprovado o funcionamento, basta usar a fonte. Tome cuidado com as conexões que devem ser
bem isoladas. Esta fonte tem como única proteção os fusíveis.
Mantenha alguns fusíveis disponíveis. Se os fusíveis tenderem a se queimar com muita frequência,
ou ainda notar muito aquecimento dos transistores com queda de tensão na saída, verifique se o
equipamento alimentado realmente exige menos de 20 ampères.

LISTA DE MATERIAL

Semicondutores:
CI-1 - 7812 - circuito integrado regulador de tensão
Q1 à Q4 - 2N3055 - transistores NPN de potência
D1 a D4 - Diodos de 15A x 50V ou ponte retificadora
D5 à D8 - 1N4002 ou equivalentes - diodos de silício
LED - LED vermelho comum

Resistores:
R1 - 4,7 k ? x 1/2W
R2, R3, R4, R5 - 0,22 ? x 5W - fio
R6 - 1,5 k ? x 1/2W
P1 - 470 ? - trimpot
Capacitores:
C1, C2 - 10 000 µF/25V - eletrolíticos
C3 - 100 µF/16V - eletrolítico
C4 - 10 µF/16V - eletrolítico

Diversos:
S1 - Interruptor simples
F1 - 25A - fusível
F2 - 5A - fusível
T1 - Transformador com primário de acordo com a rede de energia e secundário de 12V com 20A.
S1 - Chave comutadora de 1 pólo 4 posições
Placa de circuito impresso, radiadores de calor para os transistores de potência, suporte para os
fusíveis, cabo de força, bornes de saída, radiador de calor para o circuito integrado, fios, solda, etc.

Como Transformar Fonte de Computador em 13.8V por 20A

Mais um artigo antigo que vale apena trazer para o Nova Eletrônica. Apesar de estar ultrapassado,
o artigo ainda recebe um numero grande de visitas, já estar sendo muito buscado, ele deve ainda
ajudar muitas pessoas. Abaixo o artigo na integra.

Imagine uma fonte de 13.8V/20A para sua estação pelo mesmo preço de uma fonte de PC! Talvez
você já tenha conversado com algum colega que estivesse transmitindo com uma fonte dessas,
talvez até conheça quem tem uma. Mas já experimentou perguntar para quem sabe como modificar?
Provavelmente a resposta será muito complexa. Não sei por que certos colegas radioamadores
gostam de guardar tantos segredos! Temos que compartilhas essas informações, assim todos saem
ganhando.

Primeiro passo Como Transformar Fonte de Computador em 13.8V por 20A

Bom, primeiro passo é conseguir uma fonte dessas. Ela deve ser de boa qualidade e ser de pelo
menos 300W. A que eu mostro nas fotos eu comprei numa das lojinhas da rua Sta Efigênia em São
Paulo. Talvez estejamos inflacionando o mercado com tanta procura por essas fontes. Eu mesmo
comprei 6! Depois uns amigos compraram mais 10! A marca dessa fonte comprada é Troni. Na
realidade, quem fabrica deve ser outra empresa e a Troni apenas coloca o nome, por que eu já vi
outra fonte idêntica mas de outra marca. Mas tente achar da Troni, pois essa é garantido que
funciona bem.

Segundo passo – Parte pratica da fonte

Abra a fonte, desolde todos os fios de: +12V, +5V, GND, PG, -5V e -12V. Depois retire o L2. Tem
dois indutores na saída da fonte, um grande e um pequeno, o L2 é o pequeno. Na foto 2 você verá a
fonte antes da retirada dos fios e do indutor, na foto 3 já sem os fios e o indutor. Se a sua fonte não
tiver o indutor L2, retire o jumper que está no lugar dele. E se sua fonte for de outra marca e não
tiver nada parecido com o indutor L2, simplesmente corte a trilha de saída dos 5V do transformador.
A retirada desse indutor é apenas para tirar a referência de 5V do circuito regulador.

Fonte após retirar o indutor e os fios

Terceiro passo, solde um diodo zener de 8.2V com o catodo (lista) ligado ao +12V. O anodo do
zener você solda no anodo de um diodo retificador qualquer (ex:1N4001, 1N4004, 1N4007…). O
catodo (lista) do diodo retificador você liga ao +5V. Ligue também um capacitor de 100uF/16V ou
220uF/16V em paralelo com os diodos, com o negativo ligado ao +5V.

Agora é só ligar juntos uns 2 ou 3 daqueles fios que você retirou dos +12V a um borne vermelho, e
o mesmo do GND a um borne preto. Está pronta sua fonte chaveada de 13.8V/20A.
Fonte Já com os diodos e o capacitor

Parte teórica da fonte

Na realidade o que fizemos foi “enganar” o circuito que regula a tensão de saída da fonte. O circuito
regulador recebe +/- 5V da saída do transformador, tendo esse valor como referência, se a tensão de
entrada da rede elétrica subir ou descer, o regulador trata de corrigir isso na saída. Então o que
fizemos foi tirar essa referência com a retirada do L2. O circuito de regulagem ficou sem referência.

Colocando o diodo zener de 8.2V mais o retificador comum, tivemos uma diferença de 8.2V + 0.7V,
totalizando 8.9V, some os 5V você terá 13.9V, bem próximo dos 13.8V. Se você quiser ter
exatamente os 13.8V, consiga uma combinação de zener com diodo retificador, ou mesmo com led
(1.7V) até a tensão desejada.

O capacitor em paralelo é para eliminar um zumbido que aparece em algumas fontes, esse zumbido
aparece apenas numa certa faixa de consumo de corrente. No meu caso ele apareceu entre 500mA e
3A. Esse capacitor eliminou completamente o zumbido.
Essas fontes chaveadas tem proteção de sobrecorrente, curto e temperatura. Consegui 20A sem que
ela se desarme. Se você colocar a saída em curto, ela se desarma. Para rearma-la basta desligar a
fonte, esperar uns 5s (a ventoinha dá uma girada), e liga-la novamente.
Só pra terem uma idéia, coloquei essa fonte que alterei na 145.230 e ela agüentou por 7:30h
ininterruptamente alimentando todo o repetidor que consome 15A. Depois ela se desarmou por
excesso de temperatura. Foi só desliga-la e liga-la novamente que voltou normal. Mas para
operação de uma estação normal, ela agüenta sem problemas, já que ninguém transmite por mais de
5 minutos direto.

Outra detalhe, estivemos pensando sobre os possíveis defeitos que poderiam ocorrer com a
conversão. Se os diodos entrarem em curto, a fonte desarma, mas se um deles abrir, ela eleva a
saída para 28V. Bom, eu nunca peguei um diodo aberto, só em curto, mas como proteção nesse
caso, não custa colocar um varistor de 15V ou 20V em paralelo com a saída da fonte (+12V e
GND). Se por algum motivo os diodos entrarem em curto, o varistor colocará a saída da fonte em
curto e ela desarmará.

Como Transformar Fonte de Computador ATX

Hoje em dias as fontes são do tipo ATX, a única diferença que eu percebi, pelo menos na ATX da
Troni, é que você terá que aterrar o fio verde para que ela funcione do mesmo jeito que as
anteriores.

Responsabilidade

Esse modificação é fornecida apenas a título de experiência, não nos responsabilizamos pelo
funcionamento ou não da modificação. Esperamos que a pessoa que vai fazer a modificação tenha
algum tipo de experiência com eletrônica. Se você não sabe qual a função de um diodo ou mesmo
de um resistor, peça a alguém com conhecimentos em eletrônica para efetuar a modificação para
você.

Outra maneira de modificar fonte de PC

Acima você viu uma maneira de alterar a fonte de PC, aqui apresento uma outro, se fosse você
seguiria essa maneira, pois, dá até para fazer regulagem de voltagem na mesma:

Fio vermelho = +5 Volts


Fio Preto = Negativo
Fio Azul = -12 Volts
Fio Branco = -5 Volts
Fio Verde = (Controle) Aterrar ao Negativo
Fio Amarelo = +12 Volts
1º Passo: identifique todos as saídas de tensão.
2º Passo: Retire todos os fios.
3º Passo: Solte os fios do toroide do +5V e coloque em paralelo com o fio de +12V (o +5V vai ficar
desconectado).
4º Passo: Substitua o capacitor do -12V por um outro capacitor de 220uF x 25V.
5º Passo: Ligue o circuito abaixo entre a saída de +5V e a de 12V.
6º Passo: Coloque um filtro de RF na saída da fonte.

7º Passo: Colocar um filtro de linha na entrada da fonte, figura abaixo:

ATENÇÃO

O dissipador de alumínio é ligado diretamente a fase da rede elétrica, não tente tocá-lo para
verificar se a fonte está esquentando, pois como existe um dobrador de tensão na entrada, poderá
levar um choque de mais de 200V! Não manusear a fonte descalço. Fonte do projeto.