Você está na página 1de 21

ArtCulturalBrasil

MESTRES DA
ArtCulturalBrasil - Todos os
POESIA
direitos reservados
Clique
para continuar
Vinícius de Moraes

MESTRES DA POESIA
Vicente de Carvalho
CLIQUE NO POETA
Ou clique na página para seguir seqüência Fernando Pessoa

Olavo Bilac
“...Descansem o meu leito solitário
Na floresta dos homens esquecida.
Carlos Drummond de Andrade
À sombra de uma cruz, e escrevam nela:
-Foi poeta – sonhou – e amou na vida.”
Álvares de Azevedo Raul de Leoni
Alceu Wamosy
Fagundes Varela

Augusto dos Anjos


Álvares de Azevedo
Proibida a divulgação para fins comerciais
Direitos de formatação ArtCulturalBrasil José Antonio Jacob
Reg: min.biblio.orgbr
Francisco Otaviano
Florbela Espanca SAIR
SONETO DE FIDELIDADE SONETO DE DESPEDIDA

De tudo, ao meu amor serei atento Uma lua no céu apareceu


Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto Cheia e branca; foi quando, emocionada
Que mesmo em face do maior encanto A mulher a meu lado estremeceu
Dele se encante mais meu pensamento E se entregou sem que eu dissesse nada.

Quero vivê-lo em cada vão momento Larguei-as pela jovem madrugada


E em seu louvor hei de espalhar meu canto Ambas cheias e brancas e sem véu
E rir meu riso e derramar meu pranto Perdida uma, a outra abandonada
Ao seu pesar ou seu contentamento Uma nua na terra, outra no céu.

E assim quando mais tarde me procure Mas não partira delas; a mais louca
Quem sabe a morte, angústia de quem vive Apaixonou-me o pensamento; dei-o
Quem sabe a solidão, fim de quem ama Feliz – eu de amor pouco e vida pouca

Eu possa lhe dizer do amor (que tive): Mas que tinha deixado em meu enleio
Que não seja imortal, posto que é chama Um sorriso de carne em sua boca
Mas que seja infinito enquanto dure Uma gota de leite no seu seio.

VOLTAR AOS POETAS


Vicente de Carvalho
VELHO TEMA
Só a leve esperança, em toda a vida,
Disfarça a pena de viver, mais nada;
Nem é mais a existência, resumida,
Que uma grande esperança malograda

O eterno sonho da alma desterrada,


Sonho que a traz ansiosa e embevecida,
É uma hora feliz, sempre adiada
E que não chega nunca em toda a
vida.
Essa felicidade que supomos,
Árvore milagrosa que sonhamos
Toda arreada de dourados pomos,

Existe, sim mas nós não a alcançamos


Porque está sempre apenas onde a pomos
E nunca a pomos onde nós estamos.
VOLTAR AOS POETAS
Fernando Pessoa
SÚBITA MÃO DE ALGUM FANTASMA OCULTO

Súbita mão de algum fantasma oculto


Entre as dobras da noite e do meu sono
Sacode-me e eu acordo, e no abandono
Da noite não enxergo gesto ou vulto.

Mas um terror antigo, que insepulto


Trago no coração, como de um trono
Desce e se afirma meu senhor e dono
Sem ordem, sem meneio e sem insulto.

E eu sinto a minha vida de repente


Presa por uma corda de Inconsciente
A qualquer mão noturna que me guia.

Sinto que sou ninguém salvo uma sombra


De um vulto que não vejo e que me assombra,
E em nada existo como a treva fria.
Clique na página para ler mais
Fernando Pessoa
Fernando Pessoa
PASSOS DA CRUZ
XI
Não sou eu quem descrevo. Eu sou a tela
E oculta mão colora alguém em mim.
Pus a alma no nexo de perdê-la
E o meu princípio floresceu sem Fim.

Que importa o tédio que dentro em mim gela,


E o leve Outono, e as galas, e o marfim,
E a congruência da alma que se vela
Como os sonhados pálios de cetim?

Disperso... E a hora como um leque fecha-se...


Minha alma é um arco tendo ao fundo o mar...
O tédio? A mágoa? A vida? O sonho? Deixa-se...

E, abrindo as asas sobre Renovar,


A erma sombra do vôo começado
VOLTAR AOS POETAS Pestaneja no campo abandonado...
Olavo Bilac
VELHAS ÁRVORES
MALDIÇÃO Olha estas velhas árvores, mais belas
Do que as árvores novas, mais amigas:
Se por vinte anos, nesta furna escura, Tanto mais belas quanto mais antigas,
Deixei dormir a minha maldição, Vencedoras da idade e das procelas...
Hoje, velha e cansada da amargura, O homem, a fera, e o inseto, à sombra delas
Minha alma se abrirá como um vulcão. Vivem, livres de fomes e fadigas;
E em seus galhos abrigam-se as cantigas
E, em torrentes de cólera e loucura, E os amores das aves tagarelas.
Sobre a tua cabeça ferverão
Vinte anos de silêncio e de tortura, Não choremos, amigo, a mocidade!
Vinte anos de agonia e solidão... Envelheçamos rindo! Envelheçamos
Como as árvores fortes envelhecem;
Maldita sejas pelo ideal perdido! Na glória da alegria e da bondade,
Pelo mal que fizeste sem querer! Agasalhando os pássaros nos ramos,
Pelo amor que morreu sem ter nascido! Dando sombra e consolo aos que
padecem!
Pelas horas vividas sem prazer!
Pela tristeza do que eu tenho sido!
Pelo esplendor do que eu deixei de ser!...
VOLTAR AOS POETAS
Carlos Drummond
de Andrade OFICINA IRRITADA
Eu quero compor um soneto duro
como poeta algum ousara escrever.
RETORNO Eu quero pintar um soneto escuro,
seco, abafado, difícil de ler.

Meu ser em mim palpita como fora Quero que meu soneto, no futuro,
do chumbo da atmosfera constritora.
năo desperte em ninguém nenhum prazer.
Meu ser palpita em mim tal qual se fora
a mesma hora de abril, tornada agora. E que, no seu maligno ar imaturo,
ao mesmo tempo saiba ser, năo ser.
Que face antiga já se năo descora
lendo a efígie do corvo na da aurora? Esse meu verbo antipático e impuro
Que aura mansa e feliz dança e redoura há de pungir, há de fazer sofrer,
meu existir, de morte imorredoura? tendăo de Vênus sob o pedicuro.
Sou eu nos meus vinte anos de lavoura
de sucos agressivos, que elabora Ninguém o lembrará: tiro no muro,
uma alquimia severa, a cada hora. căo mijando no caos, enquanto Arcturo,
claro enigma, se deixa surpreender.
Sou eu ardendo em mim, sou eu embora
năo me conheça mais na minha flora
que, fauna, me devora quanto é pura.
VOLTAR AOS POETAS
RAUL DE LEÔNI
INGRATIDÃO HISTÓRIA ANTIGA

Nunca mais me esqueci! ... Eu era criança No meu grande otimismo de inocente,
E em meu velho quintal, ao sol-nascente, Eu nunca soube por que foi... um dia,
Plantei, com a minha mão ingênua e mansa, Ela me olhou indiferentemente,
Uma linda amendoeira adolescente. Perguntei-lhe por que era... Não sabia...

Era a mais rútila e íntima esperança... Desde então transformou-se de repente


Cresceu... cresceu... e aos poucos, suavemente, A nossa intimidade correntia
Pendeu os ramos sobre um muro em frente Em saudações de simples cortesia
E foi frutificar na vizinhança... E a vida foi andando para a frente...

Daí por diante, pela vida inteira, Nunca mais nos falamos... vai distante...
Todas as grandes árvores que em minhas Mas, quando a vejo, há sempre um vago instante
Terras, num sonho esplêndido semeio, Em que seu mudo olhar no meu repousa,

Como aquela magnífica amendoeira, E eu sinto, sem no entanto compreendê-la,


E florescem nas chácaras vizinhas Que ela tenta dizer-me qualquer cousa,
E vão dar frutos no pomar alheio... Mas que é tarde demais para dizê-la...

VOLTAR AOS POETAS


FAGUNDES VARELA
SONETO VISÕES DA NOITE
Desponta a estrela d’alva, a noite morre, Passai tristes fantasmas! O que é feito
Pulam no mato alígeros cantores, Das mulheres que amei, gentis e puras?
E a doce brisa no arraial das flores, Umas devoram negras amarguras,
Lânguidas queixas murmurando, corre. Repousam outras em marmóreo leito!

Volúvel tribo a solidão percorre Outras no encalço de fatal proveito


Das borboletas de brilhantes cores; Buscam à noite as saturnais escuras,
Soluça o arroio; diz a rola amores Onde empenhando as murchas formosuras
Nas verdes balsas donde o orvalho escorre. Ao demônio do ouro rendem preito!

Tudo é luz e esplendor; tudo se esfuma Todas sem mais amor! Sem mais paixões!
Às carícias d’aurora, ao céu risonho, Mais uma fibra trêmula e sentida!
Ao flóreo bafo que o sertão perfuma! Mais um leve calor nos corações!

Porém minh’alma triste e sem um sonho Pálidas sombras de ilusão perdida,


Repete olhando o prado, o rio, a espuma: Minh’alma está deserta de emoções,
-Oh! Mundo encantador, tu és medonho! Passai, passai, não me poupeis a vida!

VOLTAR AOS POETAS


AUGUSTO DOS ANJOS VERSOS ÍNTIMOS

VANDALISMO
Vês ! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera.
Somente a Ingratidão - esta pantera -
Meu coração tem catedrais imensas, Foi tua companheira inseparável!
Templos de priscas e longínquas datas,
Onde um nume de amor, em serenatas, Acostuma-te à lama que te espera !
Canta a aleluia virginal das crenças. O Homem, que, nesta terra miserável,
Mora entre feras, sente inevitável
Na ogiva fúlgida e nas colunatas Necessidade de também ser fera
Vertem lustrais irradiações intensas
Cintilações de lâmpadas suspensas Toma um fósforo. Acende teu cigarro!
E as ametistas e os florões e as pratas. O beijo, amigo, é a véspera do escarro
A mão que afaga é a mesma que apedreja
Com os velhos Templários medievais
Entrei um dia nessas catedrais Se a alguém causa inda pena a tua chaga,
E nesses templos claros e risonhos... Apedreja essa mão vil que te afaga
Escarra nessa boca que te beija
E erguendo os gládios e brandindo as hastas,
No desespero dos iconoclastas
Quebrei a imagem dos meus próprios sonhos!
VOLTAR AOS POETAS
PARA VOCÊ

Álvares de Azevedo
Pálida, à luz da lâmpada sombria,
Sobre um leito de flores reclinada,
Como a lua por noite embalsamada,
Entre as nuvens do amor ela dormia!

Era a virgem do mar, na escuma fria,


Pela maré das águas embalada...
Era um anjo entre nuvens de alvorada,
Que em sonhos se banhava e se esquecia! “...Descansem o meu leito solitário
Na floresta dos homens esquecida.
À sombra de uma cruz, e escrevam nela:
Era mais bela! O seio palpitando... -Foi poeta – sonhou – e amou na vida.”
Negros olhos as pálpebras abrindo....
Formas nuas no leito resvalando...

Não te rias de mim, meu anjo lindo!


Por ti as noites eu velei chorando,
Por ti nos sonhos morrerei sorrindo!
VOLTAR AOS POETAS
José Antonio Jacob
O BEIJO DE JESUS ROSEIRAS DOLOROSAS

Eu era criança, mas já percebia, Estou sozinho em meu jardim sem cores,
O pouco pão que havia em nossa mesa E ainda que eu tenha mágoas, bem guardadas,
E a aparência acanhada da pobreza Cuido dessas roseiras desmaiadas
Que tinha a nossa casa tão vazia. Que em meu canteiro nunca abriram flores.

De noite, antes do sono, uma certeza: Tais quais receosas almas delicadas
Elas se encolhem, sobre seus temores,
A minha mãe rezava a Ave-Maria!
E abortam seus rebentos nas ramadas
E ao terminar a prece eu sempre via Enquanto vão morrendo em suas dores...
No seu olhar uma esperança acesa.

Após a reza desligava a luz, Quantas almas que por serem assim,
Como essas tristes plantas no jardim,
Beijava o crucifixo, e a fé era tanta
Calam-se a olhar o nada... tão descrentes...
Que adormecia perto de Jesus.

Depois que ela dormia (isso que encanta) Feito as minhas roseiras dolorosas
Nosso Senhor descia ali da cruz Que só olham para a vida, indiferentes,
Para beijar a sua face santa. E não me dão espinhos e nem rosas.

VOLTAR AOS POETAS


Alceu Wamosy
DUAS ALMAS

Ó tu, que vens de longe, ó tu, que vens cansada,


Entra, e, sob este teto encontrarás carinho:
Eu nunca fui amado, e vivo tão sozinho,
Vives sozinha sempre, e nunca foste amada...

A neve anda a branquear, lividamente, a estrada,


E a minha alcova tem a tepidez de um ninho.
Entra, ao menos até que as curvas do caminho
Se banhem no esplendor nascente da alvorada.

E amanhã, quando a luz do sol dourar, radiosa,


Essa estrada sem fim, deserta, imensa e nua,
Podes partir de novo, ó nômade formosa!

Já não serei tão só, nem irás sozinha.


Há de ficar comigo uma saudade tua...
Hás de levar contigo uma saudade minha...
VOLTAR AOS POETAS
Francisco Otaviano
ILUSÕES DA VIDA

Quem passou pela vida em branca nuvem


E em plácido repouso adormeceu;
Quem não sentiu o frio da desgraça,
Quem passou pela vida e não sofreu:
Foi espectro de homem, não foi homem,
Só passou pela vida, não viveu.

VOLTAR AOS POETAS


Mário Quintana XVI

A RUA DOS CATAVENTOS Triste encanto das tardes borralheiras


Que enchem de cinza o coração da gente!
VI
A tarde lembra um passarinho doente
Na minha rua há um menininho doente.
A pipilar os pingos das goteiras...
Enquanto os outros partem para a escola,
Junto à janela, sonhadoramente,
A tarde pobre fica, horas inteiras,
Ele ouve o sapateiro bater sola.
A espiar pelas vidraças, tristemente,
O crepitar das brasas na lareira...
Ouve também o carpinteiro, em frente,
Meu Deus... o frio que a pobrezinha sente!
Que uma canção napolitana engrola.
E pouco a pouco, gradativamente,
Por que é que esses Arcanjos neurastênicos
O sofrimento que ele tem se evola...
Só usam névoa em seus efeitos cênicos?
Nenhum azul para te distraíres...
Mas nesta rua há um operário triste:
Não canta nada na manhã sonora
Ah, se eu pudesse, tardezinha pobre,
E o menino nem sonha que ele existe.
Eu pintava trezentos arco-íris
Nesse tristonho céu que nos encobre!...
Ele trabalha silenciosamente
E está compondo este soneto agora,
Pra alminha boa do menino doente...
VOLTAR AOS POETAS
MADRIGAL MELANCÓLICA
O que eu adoro em ti
Manuel Bandeira
Não é tua beleza POEMA DE FINADOS
A beleza é em nós que existe
A beleza é um conceito Amanhã que é dia dos mortos
E a beleza é triste Vai ao cemitério. Vai
E procura entre as sepulturas
Não é triste em si
A sepultura de meu pai.
Mas pelo que há nela
Leva três rosas bem bonitas.
De fragilidade e incerteza Ajoelha e reza uma oração.
O que eu adoro em ti Não pelo pai, mas pelo filho:
Não é a tua inteligência O filho tem mais precisão.
Mas é o espírito sutil O que resta de mim na vida
Tão ágil e tão luminoso É a amargura do que sofri.
O que eu adoro em ti Pois nada quero, nada espero.
Ave solta no céu matinal da montanha Não é a mãe que já perdi E em verdade estou morto ali.
Nem é tua ciência E nem meu pai
Do coração dos homens e das coisas O que eu adoro em tua natureza
O que eu adoro em ti Não é o profundo instinto matinal
Não é a tua graça musical Em teu flanco aberto como uma ferida
Sucessiva e renovada a cada momento Nem a tua pureza. Nem a tua impureza
Graça aérea como teu próprio momento O que adoro em ti lastima-me e consola-me
Graça que perturba e que satisfaz O que eu adoro em ti é A VIDA !!!
VOLTAR AOS POETAS
Guilherme de
FELICIDADE
Almeida Ela veio bater à minha porta
E falou-me a sorrir, subindo a escada:
“Bom dia, árvore velha e desfolhada”
E eu respondi: “Bom dia, folha
morta”
Entrou: e nunca mais me disse nada...
Até que um dia (quando pouco importa!)
houve canções na ramaria torta
E houve bandos de noivos pela estrada...
Então chamou-me e disse:“Vou-me embora!
Sou a felicidade! Vive agora
Da lembrança do muito que te fiz”
E foi assim que em plena primavera,
Só quando ela partiu contou quem era...
VOLTAR AOS POETAS E nunca mais eu me senti feliz!
Mário QUARENTA ANOS

de Andrade
A vida é para mim, está se vendo,
uma felicidade sem repouso:
eu nem sei mais se gozo, pois que o gozo
só pode ser medido em se sofrendo.

Bem sei que tudo é engano, mas, sabendo


disso, persisto em me enganar... Eu ouso
dizer que a vida foi o bem precioso
que eu adorei. Foi meu pecado... Horrendo

seria, agora que a velhice avança,


que me sinto completo e além da sorte,
me agarrar a esta vida fementida.

Vou fazer do meu fim minha esperança,


ó sono, vem!... Que eu quero amar a morte
Com o mesmo engano com que amei a vida.
VOLTAR AOS POETAS
Castro Alves
3a SOMBRA - ESTER 8a SOMBRA - ÚLTIMO FANTASMA

Quem és tu, quem és tu, vulto gracioso,


Que te elevas da noite na orvalhada?
Vem! no teu peito cálido e brilhante Tens a face nas sombras mergulhada...
O nardo oriental melhor transpira! Sobre as névoas te libras vaporoso ...
Enrola-te na longa cachemira,
Como as judias moles do Levante, Baixas do céu num vôo harmonioso!...
Quem és tu, bela e branca desposada?
Alva a clâmide aos ventos - roçagante... Da laranjeira em flor a flor nevada
Túmido o lábio, onde o saltério gira... Cerca-te a fronte, ó ser misterioso! ...
Ó musa de Israel! pega da lira...
Canta os martírios de teu povo errante! Onde nos vimos nós? És doutra esfera ?
És o ser que eu busquei do sul ao norte. . .
Mas năo... brisa da pátria além revoa, Por quem meu peito em sonhos desespera?
E ao delamber-lhe o braço de alabastro,
Falou-lhe de partir... e parte... e voa. . . Quem és tu? Quem és tu? - És minha sorte!
És talvez o ideal que est'alma espera!
Qual nas algas marinhas desce um astro... És a glória talvez! Talvez a morte!
Linda Ester! teu perfil se esvai... s'escoa...
Só me resta um perfume... um canto... um rastro...
VOLTAR AOS POETAS
Florbela Espanca
VOZ QUE SE CALA EU
Amo as pedras, os astros e o luar Eu sou a que no mundo anda perdida,
Que beija as ervas do atalho escuro, Eu sou a que na vida não tem norte,
Amo as águas de anil e o doce olhar Sou a irmã do sonho, e desta sorte
Dos animais, divinamente puro. Sou a crucificada... a dolorida...

Amo a hera, que entende a voz do muro Sombra de névoa tênue e esvaecida,
E dos sapos, o brando tilintar E que o destino amargo, triste e forte,
De cristais que se afagam devagar, Impele brutalmente para a morte!
E da minha charneca o rosto duro. Alma de luto sempre incompreendida!...

Amo todos os sonhos que se calam Sou aquela que passa e ninguém vê...
De corações que sentem e não falam, Sou a que chamam triste sem o ser...
Tudo o que é Infinito e pequenino! Sou a que chora sem saber por quê...

Asa que nos protege a todos nós! Sou talvez a visão que alguém sonhou.
Soluço imenso, eterno, que é a voz Alguém que veio ao mundo pra me ver
Do nosso grande e mísero Destino!... E que nunca na vida me encontrou!

VOLTAR AOS POETAS

Interesses relacionados