Você está na página 1de 47

Donald Michael Kraig

O grande libro dos rituais mágicos

Onze lições de Alta Magia

Traduzido do espanhol por Infinitum

Este livro está dedicado a todos meus mestres, com a esperança de que tudo aquilo que compartilharam comigo possa eu agora coMpartilhar com outros. Estes mestres são: meus pais, o irmão A.M.A.G., a irmã S.L.A.A., o irmão D.D.C.E., o irmão P. e outros cujos nomes não vou citar; a Scott Cunningham e a Raven, por seus belos ensinamentos; a Rabbis Meriminsky e a Haas; a mikael Turk e a Sifu Douglas Wong; e a tantos outros. Este livro também está

Dedicado,

em comovente lembrança

do que poderia ter sido,

a

AEGIS

NOTA DO AUTOR

A seguinte série de lições progressivas de magia inclui um estudo de fácil compeensão da Cabala. Em consonância com a tradição cabalística, optei por me referir à Divindade Última como Deus. Nem os cabalistas nem eu mesmo consideramos a Deus uma figura masculina, apesar de que e algumas ocasiões o tenha descrito antropormoficamente como masculino. Assim fiz por pura conveniência.

Segundo a Cabala, a Origem última do Todo é unitário, já que reunia todas as dualidades – acima e abaixo, esquerda e direita, positivo e negativo, masculino e feminino – na Essência Divina. Costuma crer-se que, como seres humanos, divididos pela dualidade de ser masculinos ou femininos, não somos capazes de imaginar dem de compreender a grandiosidade de uma divindade unitária. Apesar disso, Deus não pode limitar-se a ser somente masculino ou feminino. Esta ideia discutiremos mais adiante, neste mesmo livro.

Pessoalmente, estou absolutamente de acordo com este ponto de vista. Quando utilizo a palavra “Deus” como representante da Origem Divina Única do Todo, não pretendo dar a entender que a Deidade deva ser limitada a características masculinas ou femininas. A utilização da palavra “Deus” para representar à Divindade está em consonância com a tradição e representa uma maior comodidade linguística.

Algumas pessoas notaram também um ortografia pouco habitual do hebraico, ao ser transcrito ao português. Como não há um acordo unânime e único sobre o modo de transcrever os sons do hebraico ao português, optei por representar a língua hebraica segundo seus sons e não segundo representações ortográficas arcaicas. Assim, verão que “Sefirot” é a forma adequada de pronunciar a palavra “Sephiroth”.

Esperamos que este método de representação do hebraico não seja ofensivo para ninguém. Igualmente confiamos que o uso do termo “Deus” para fazer referência à Divindade ùltima não resulte ofensivo para aquelas pessoas que, como eu mesmo, valorizam a importância do aspecto feminino do Divino, tal como se descreve nas páginas seguintes.

INTRODUÇÃO

Há vinte anos me encontrava em um período de excitação incrível. Em questão de dias obteria meu “Bar Mitsvá”. Um dos rabinos do pessoal de eu templo me chamou a sua oficina. Este rabino aparentava uns 90 anos de idade… e se comporta como se estivesse a ponto de completar os 18. Inclusive calçava tênis sob seu hábito de rabino!

Para mim, o judaísmo havia sido algo muito reconfortante: nada de inferno nem do fogo do inferno, nada de “crer ou ser condenado eternamente”. Somente havia que amar a Deus e obedecer a “Regra de Ouro Negativa”:

Não faças aos demais aquilo que não desejarias que te fizessem a ti.

Para uma pessoa de orientação científica como eu, se tratava de uma religião agradável, segura, quase secular, até que aquele rabino me chamou a seu escritório.

De repente, me vi cheio por uma informação estranha que constituía uma parte desconhecida de minha religião. Se supunha que as pontas do Talit (o xale para a oração) devia ter um número determinado de fios de uma cor e de outra, que deveriam atar-se com um número determinado de nós. Se supunha que o Tefilín (filactérios) para o braço deveria ter a correa de pele enrolada sete vezes (por que sete?) ao redor do mesmo (veja o esquema abaixo) e que logo deveria enrolar-se ao redor da mão para poder pronunciar o nome “Sadai”, um dos nomes de Deus (eu acreditava que o nome de Deus era aquela palavra de quatro letras que não devia pronunciar jamais). De repente, minha religião segura e lógica se convertia em ilógica e deixava de ser segura. Era necessário encontrar as raízes de minha religião e descubrir qual era a base do que aparentavam ser somente besteiras. Assim começou uma busca e um estudo que até agora me tem ocupado durante mais de vinte anos, que me conduziram à Cabala e à Magia Ritual, e que culminaram nestas onze lições que vocês se dispoem a estudar.

Ilustração 1: O Tefilín Durante estes anos, tenho lido milhares de libros e investigado nos

Ilustração 1: O Tefilín

Durante estes anos, tenho lido milhares de libros e investigado nos Estados Unidos e na Europa ocidental. Colaborei em revistas e diários ocultistas e da Nova Era. Me foi outorgado uma licenciatura em Filosofia pela Universidade de UCLA, sou um Mestre Autorizado em Tarot e tenho um doutorado honorário em Metafísica.

As lições que vocês estudarão aqui não são simplesmente um produto de meus sonhos. Apliquei este mesmo curso dezenas de vezes na zona sul da Califórnia a centenas de estudantes. Cada vez que dava o curso, buscava melhorá-lo e depurá-lo e, finalmente, publiquei pela primeira vez como um curso a distância. Agora, aquelas lições aparecem em formato de livro para dar-lhes uma maior difusão. Vocês têm a grande vantagem de dispor do curso completo, que foi escrito com muito mais detalhes que as anotações dos estudantes. Ademais, agora posso oferecer muito mais informações que antes.

Gostaria de explicar um pouco os aspectos que este curso abarca. O tema é, naturalmente, a Magia Ritual e a Cabala, a filosofia subjacente à magia (e também de toda religião). A Cabala se encontra basicamente na tradição da Ordem Hermética da Aurora Dourada. Entretanto, tem incorporado partes de outros sistemas, incluindo vários sistemas orientais, pagãos e crowleyanos. Alguns dos temas que abarca o livro são: o Tarot, a adivinhação, a história do Tarot, o Ritual menor de Banimento do Pentagrama, o Ritual de Banimento do Hexagrama, o Ritual do Pilar do Meio, a Circulação do Corpo de Luz, o Ritual da Atalaya, a meditação, a Árvore da Vida, os Três Pilares, os Quatro Mundos Cabalísticos, a história da Cabala, Gematria, Notaricon, Temurá, a interpretação da Bíblia, os talismãs, as viagens astrais, o Trabalho do Caminho, a cura, as Clavículas de Salomão, alguns rituais mágicos que vocês podem criar para qualquer propósito, a magia sexual e muitas outras coisas.

Evidentemente, tudo isso é muito mais do que se pode explicar nas poucas centenas de poucas centenas de páginas seguintes. No final, há duas coisas que deveriam estar muito presentes:

1. A lei de Sturgeon Esta lei afirma que 90% de todas as coisas são supérfluas. Dentre milhares de livros, uma grande parte são repetições e outra suposições inúteis de pessoas que sequer tentaram levar a cabo o ritual mais simples. Este curso lhes oferece o mais substancial de milhares de livros, além de mais de vinte anos de investigação e prática pessoais.

2. Este livro não se propõe explicar completamente todos esses temas. O propósito dessas páginas é o de oferecer uma introdução a essas ideias, para que possam orientar-se vocês mesmos eu seu estudo do oculto, um estudo que pode durar toda a vida (recordo: oculto significa secreto, como no termo sabedoria secreta. Não significa mal). Este curso lhes oferecerá uma informação sobre a Cabala e a Magia Ritual muito mais correta e aproveitável que qualquer outro livro e qualquer outro curso publicado até agora. Ainda que vocês não leiam nunca mais nenhum tratado sobre magia, o conteúdo deste livro lhe oferecerá todo o necessário para converter-se em um mago poderoso e com êxito.

Ostaria de falar agora da Aurora Dourada. No momento em que se criou essa loja mágica, ao final da década de 1880, se dispunha de muito poucos livros realmente bons sobre magia e sobre a Cabala. A maioria dos livros realmente bons que existem hoje em dia sobre esses temas o foram escritos por membros da Aurora Dourada, pessoas relacionados com esses membros ou pessoas que, sabendo-o sem saber, foram influenciadas por este grupo. Entre essas pessoas se encontram MacGregor Mathers, Aleister Crowley, o doutor F. I. Regardie, A.E. Waite, H.P. Blavatsy, Dio Fortune, P.F. Casse e muitos outros. A maior partes deste curso deriva de seus escritos se trata de milhoes de palavras que se apresentam aqui pela primeira vez em um sistema de sabedoria, aperfeiçoamente e magia prático e fácil de seguir.

Nestas lições encontraram muitos rituais mágicos para praticar; estes rituais deveriam ajudar-lhes no desenvolvimento de suas capacidades mágicas e psíquicas. Apesar de que muilhares de pessoas ao longo da história tenham demonstrado com êxito seu domínio das técnicas mágicas, sinceramente não posso garantir a vocês o êxito. Isso deve-se a que a habilidade de executar a magia com êxito depende de suas próprias características. Muitas pessoas confidenciaram a mim o grande êxito que tem alcançado utilizando as técnicas tradicionais que aprenderam destas páginas.

A melhor maneira de utilizar este livro consiste em lê-lo, página por página, estudando cada uma das ideias e praticando cada uma das técnicas a medida que vão aparecendo. Quero deixar muito claro desde o princípio que este curso não vai ensinar-lhes “Magia Negra”. Não será requerido que façam nada contrário a seus valores morais ou éticos. Vocês não vão “invocar” demônios, diabos nem entidades malvadas.

Algumas pessoas pagãs, como os seguidores da Wicca e as bruxas, geralmente criticam aqueles que apresentam como magos cerimoniais, dizendo que a única coisa

que fazem é falar e ler. Afirmam que “os magos não fazem muita magia”. Desgraçadamente, tenho que dizer que estou totalmente de acordo com eles. Porém, se vocês seguem as instruções das páginas seguintes, passo a passo, se converterão em um desses indivíduos escassos e singulares: um mago ritual praticante.

LIÇÃO 1

PARA COMEÇAR

Gostaria de começar dizendo que todas as histórias e os “contos de fadas” sobre os poderes dos feiticeiros, as bruxas e os magos estão corretos, ainda que, desgraçadamente, somemente em parte. De fato, é possível creiar sortilégios para ganhar dinheiro, amor, sabedoria, satisfação e muitas coisas mais.

Devem compreender, apesar de tudo, que contrariamente ao que ocorre na magis dos contos de fadas e dos filmes, a maior parte da magia real não temtem efeito de forma instantânea. Por exemplo, se você realiza um ritual para conseguir dinheiro, este dinheiro poderia demorar uma semana ou duas para chegar e, quando chegar, seria por meios naturais. Porém, se o ritual foi realizado da forma adequada, o dinheiro “aparecerá”.

Ninguém pode outorgar-lhe poderes mágicos. Você mesmo deve ganh-a-los. Há somente um modo de consegui-lo: Pratique, pratique, pratique!

Ademais, deverá anotar todas suas pŕáticas, experiências, pensamentos e sonhos; o deverá fazer em dois registros separados, ou diários.

DIÁRIO DOS SONHOS

Deveria começar agora mesmo, hoje mesmo, a escrever um diário de seus sonhos. Quando sonhamos (e todo mundo sonha), pode ocorrer uma das seguintes quatro circunstâncias seguintes:

1. Trabalho astral: Ao realizaro trabalho astral, são aprendidas lições acerca do desenvolvimento espiritual, mágico e psíquico simutaneamente à prática dessas lições. Isso acontece no chamado “plano astral”. Em lições posteriores aprenderá mais coisas sobre a interpretação mágica e cabalística do plano astral.

2. Mensagens psicológicas: Muitas vezes o subconsciente necessita comunicar aogo ao consciente, porém o consciente nega-se a escutá-lo! Em alguns sonhos o subconsciente envia uma mensagem, em símbolos, ao consciente. Este é uma das bases da psicanálise freudiana.

3. Jogo: Ao descansar, a mente pode vagar sem rumo ou sentido e enviar ao consciente qualquer tipo de imagem bela ou estranha.

4. Uma combinação de todas as anteriores.

Se nunca manteve um diário de sonhos, descubrirá que se trata de algo muito fácil. Simplesmente tome um bloco de papel e um lápis ou uma caneta e os deixe próximos

à cama. Enquanto desperta pela manhã, escreva tudo quanto recorde. Se não recorda nada, deverá escrever no diário “Não consigo recordar meus sonhos” e isso será suficiente. No princípio talvez somente lembrará um pequeno fragmento, talvez somente um fato ou um sentimento. Ao cabo de um mês de prática regular terá dificuldades para conseguir que as entradas do diário caibam em uma página.

Ademais, procure um caderno em branco ou um fichario com papel em branco para transferir as breves notas que tenha tomado junto à cama. Ao menos que sua escrita seja muito legível, escreva com letras de forma no novo livro o que havia anotado no bloco de papel. Isto pode levar mais tempo, porém no futuro será muito mais fácil de ler. Assegure-se de por a data em cada entrada.

No parágrafo anterior você observou que eu falei em ler o diário no futuro. Essa atitude de revisão é muito importante. Não tente, neste ponto, analisar cada sonho. O mais provável é que não seja capaz nesse momento de decidir a qual dos quatro tipos mencionados anteriormente corresponde seu sonho. Em lugar disso, busque as imagens repetidas ou as transformações que tenha observado em seus sonhos recorrentes. Por favor, fuja de todos esses ridículos manuais sobre o “significado dos sonhos”!

Vou oferecer-lhe um exemplo da importância que pode ter esse diário para você. Uma de minhas alunas tinha frequentemente sonhos nos quais era perseguida por soldades, corria e se escondia. Tinha sonhos desse tipo várias vezes ao mês e despertava molhada em suor frio, aterrorizada. Para ela, esse sonho era uma versão de algo que havia acontecido realmente quando era pequena. Depois de praticar alguns dos rituais de proteção que aparecem nas presentes lições seus sonhos, segundo me contou, começaram a mudar. Já não se escondia nem era quase descoberta ou violentada, mas conseguia escapar. Havia desaparecido nela um antigo bloqueio mental que se manifestava como medo aos homens e ao sexo. A relação com seu noivo melhorou muito, já que se sentia mais segura. Isso estava representado pela mudança que experimentou seu sonho recorrente. De forma parecida, você poderia ver as mudanças positivas em sua vida ao ser capaz de observar as alterações que sofrem seus sonhos ao longo do tempo.

DIÁRIO DOS RITUAIS

Mais adiante, nesta mesma lição, encontrará rituais para serem realizados pelo menos uma vez ao dia. Enquanto esteja aprendendo-os, não deveria tardarmais de meia hora em levá-los a cabo, e muito menos tempo uma vez que os tenha memorizado. Em outro caderno, deveria cultivar um diário dos rituais. Na próxima página lhe oferecemos uma sugestão de formato para seu diário; poderia ser-lhe útil fazer cópias desta página e guarda-las em uma pasta, de modo que cada dia poderia simplesmente preencher uma delas.

Data

Dia da semana

Hora

Fase da lua

 

Condições

   

meteorológicas

Emoçṍes

   

Condição física

   

Execução

   

Resultados

   

Todos os dados que aparecem são importantes e deveriam incluir todos os aspectos em cada uma das entradas. No futuro, poderá descobrir que condições lhe proporcionam mais êxito ao praticar magia. Algumaspessoas tem mais sucesso quando estão contestes e a noite é quente; outras obtem melhores resultados quando estão deprimidas e o tempo é chuvoso. Conjuntamente, seu diário de senhos e seu diário dos rituais constituem um texto mágico secreto e pessoal que somente podem ser realmente úteis para você.

Por fase da lua quero dizer se ela está cheia, minguante ou crescente. Esta informação pode ser localizada em qualquer calendário local ou astrológico. Por condições meteorológicas me refiro a se o tempo está chuvoso, nublado, abafado, morno, quente, frio, etc. Por emoções, se está alegre, triste, deprimido, etc. Por execução, seo o reitual foi bem executado, conscientemente, descuidadamente, etc. Por resultados me refiro a como se sente e o que experimentou. Também é possível que você deseje tecer comentários a esse respeito em uma data posterior; neste caso deverá indicar a data do comentário referido.

Devo dizer uma coisa mais sobre os rituais:: Não se pode realizar o ritual sete vezes um mesmo dia e se esquecer dele o resto da semana! Pode realizá-los com uma maior frequência que a diária, porém deve fazê-los no mínimo uma vez ao dia.

Como consequência de ter ensinado essas lições muitas vezes, me dei conta de que alguns de vocês se limitam a ler o livro e nada mais. São muitas mais as pessoas que estudam ocultismo que as que praticam. Se você está realmente interessado em aprender a praticar magia, sugiro muito seriamente que, antes de chegar às lições sétima ou oitava, leia ao menos outro livro. Na bibliografia que aparece ao final de cada lição são sugeridos muitos livros. Pode escolher algum deles ou qualquer outro relacionado com Cabala, Tarô ou Magia. O objetivo que se busca com isso é duplo:

1. Oferecer-lhe um pouco de vista distinto do tema. Eu não pretendo ser um guru nem um mestre divino. O estudo dos mesmos temas a partir de distintos pontos de vista pode ser muito benéfico para você.

2. Oferecer-lhe um estudo mais profundo de um tema particular que possa interessar-lhe.

Não é necessário que compre os livros. Pode consegui-los na biblioteca, pedi-los emprestados de um amigo ou até escolher algum de sua biblioteca particular. De fato, poderia ser um livro que já tivesse lido. Ademais, também seria uma boa ideia que fizesse uma relação de suas leituras. Anote em uma lista o título e o autor do livro, a data que o terminou e qualquer comentário que lhe tenha sugerido.

Agora, antes de apresentar-lhe o primeiro ritual, gostaria de falar de uma coisa que você deveria ter para obter o máximo proveito desse livro: um baralho de Tarô.

Apesar deste não ser exatamente um curso sobre Tarô, o Tarô tem um importante papel no estudo, um papel que não se limita a “oferecer leituras”.

Os melhores baralhos para utilizar neste curso são: O Tarô da Aurora Dourada, O Tarô B.O.T.A. e o Tarô Hermético.

Alguns baralhos adequados para este curso são: o Tarô Rider-Waite (ou Albano Waite), os baseados no de Rider-Waite (como o Tarô Aquariano, o Tarô Morgan- Greer, o Tarô Marroquino de Fez Real e muitos outros), e baralhos antigos de taro (como o baralho suiço IJJ) que são baralhos “padrão” e tem 22 cartas de Arcanos Maiores e 56 cartas dos Arcanos Menores, num total de 78 cartas.

Os baralhos inadequados para este curso são: o baralho de Crowley, Thot, que é um excelente baralho, porém apresenta um simbolismo bastante complexo para os principiantes. Se você gosta realmente do baralho de Thot e não é um principiante no trabalho com o Tarô, pode utilizá-lo. Se não está familiarizado com este baralho, evite utilizá-lo por enquanto.

Sob nenhuma circunstância deve utilizar um baralho “não padrão”, quero dizer, um baralho com um número de cartas superior ou inferior a 78, conforme escrevi ateriormente. Entre esses baralhos figuram o Oráculo Daini Secreto, as cartas I Ching, o baralho cigano de tirar a sorte e muitos outros. Isto não quer dizer que esses baralhos sejam ruins ou estejam equivocados, mas que não funcionam com essas lições.

Os baralhos de Tarô podem ser adquiridos na maioria das grandes livraria, entretanto sugiro que frequentem as livrarias especializadas nesses temas ou as lojas de produtos ocultistas. As pessoas que trabalham nesses estabelecimentos possuem geralmente um conhecimento maior, são mais agradáveis e serviçais que aquelas que trabalham nas livrarias gerais.

Abaixo encontrará o primeiro ritual. Lembre que deve pratica-lo pelo menos uma vez ao dia. É possível que já tenha aprendido esse ritual em algum outro lugar. Há muitos grupos, organizações e inclusive médicos e terapeutas que ensinam alguma de suas modalidades. Porém, apesar de se tratar de um ritual simples, não subestime sua importância. Caminhar lhe parece hoje algo muito simples, porém foi muito difícil aprender a fazê-lo, e precisou aprender antes de começar a correr. Este ritual será utilizado para preparar-se antes de levar a cabo qualquer dos rituais mágicos de todo este curso.

RITUAL DE RELAXAMENTO

Primeiro passo. Sente-se ou deite-se em algum lugar no qual não possam te atrapalhar durante pelo menos cinco minutos. Lembre de desligar o telefone. Fique confortável. Se está sentado, mantenha a coluna reta. Seja sentado ou deitado, não deve cruzar os braços nem as pernas. Se está sentado, apoie as

mãos com as palmas para baixo sobre seu colo. Deverá manter os olhos fechados.

Segundo passo. Visualize uma esfera dourada, de uma luminosidade bela e quente, ao redor de seus pés. É normal que não seja capaz de “ver” a esfera luminosa quando a visualize. Simplesmente saiba que está ali. Seja consciente de que se seus poderes de visualização fossem desenvolvidos, seria capaz de vâ-la. A esfera de luz dourada e quente sempre proporciona paz e relaxamente completos. Ali onde está a esfera dourada desaparece a tensão. Deixe ela envolver-te e, enquanto isso, sinta que seus pés ficam quentes, de um brilho dourado de paz e de um relaxamento total.

Terceiro passo. Agora deixe que esta esfera luminosa suba por suas pernas e seu dorso. Depois, deixe que desça por seus braços até os dedos das mãos e que, finalmente, suba por seu peito e se introduza em sua cabeça, até que se encontre totlmente envolto pelo brilho dourado e quente de paz e relaxação totais. Note que a tensão desapareceu. Se detecta tensão em qualquer ponto, coloque ali a esfera luminosa e toda a tensão desaparecerá.

Quarto passo. Permaneça neste estado de relaxamento profundo durante alguns momentos. Saiba que pode voltar a este estado sempre que deseje, realizando simplesmente o ritual de relaxamento. Se tem problemas para dormir, tente executar este ritual quando se deitar à noite em lugar de sofrer ou tomar perigosos remédios. Seja consequente consigo mesmo.

Quinto passo. Quanto esteja pronto para abandonar este estado de relaxamento total, faça três inspirações profundas e sinta como, com cada uma, são introduzidos em seu corpo vitalidade e energia renovadas. Assegure-se de anotar sua experiência no diário dos rituais.

Agora, antes de continuar, dedique uns dias para se acostumar a anotar os diários, a fazer o ritual e a conseguir um baralho de Tarô se não dispõe de nenhum. Alguns de meus alunos me contaram que alguém lhes havia dito que a única maneira possível de conseguir um baralho de Tarô é como presente de um amigo. Isso é uma grande besteira! Busque um baralho que seja de seu agrado e compre, se não tem nenhum atualmente.

O QUE É MAGIA?

Nas primeiras páginas tratamos de grande parte da matéria. Temos falados dos sonhos, do trabalho ritual, apresentamos um ritual para ser realizado diariamente e ensinamos a fazer um registro de seu trabalho. Tudo isso serve para iniciá-lo no trabalho prático, em contraposição ao conhecimento teórico. Parto da suposição de que você já tinha uma ideia básica do que é magia. Pode ser que seua definição não seja a mesma que a minha, de modo que vamos tentar encontrar uma definição de magia que seja manejável.

Segundo o famoso ocultista Aleister Crowley, magia é “a ciência e a arte de conseguir que se produza uma mudança como resultado da vontade”. Crowley era membro da famosa Ordem Hermética da Aurora Dourada, mencionada anteriormente. Outra membra da Aurora Dourada foi Dion Fortune. Sua definição de magia coincidia com a de Crowley, exceto que ela considerava que a “mudança” era uma mudança na consciência (nota: Fortune era uma psicóloga laica, com diversos livros de psicologia publicados sob seu nome real, Violet Firth).

Mas o que significam realmente estas definições? Imaginemos que você realiza um ritual mágico para conseguir cinquenta dólares. Assim, sua “vontade” é conseguir dinheiro. Sai para caminhar e, apesar de ter o costume de virar para a direita em uma determinada esquina, algo te faz decidir virar à esquerda. Um pouco mais à frente, na mesma calçada, você encontra um antigo amigo que lhe devolve os cinquenta dólares que você lhe tinha emprestado alguns meses antes.

O que te obrigou a virar à esquerda? Segundo a definição de Crowley, seu ritual mágico provocou alguma mudança no mundo físico, com o resultado de te fazer virar numa direção pouco habitual. Pode ser que tenha sido um aroma, ou uma mensagem telepática de seu amigo ou de uma entidade superior que lhe disse “Vire à esquerda”. Se adotada a definição de Dion Fortune, então será dito que o ritual tenha provocado uma mudança em sua consciência que te forneceu a informação de virar à esquer em lugar de fazê-lo à direita.

De qualquer forma, há três coisas que são evidentes;

1. Seja qual for a definição utilizada, o resultado real é o mesmo.

2. O resultado acontece como se realmente tivesse sido produzido uma mudança no mundo físico, independentemente se tenha produzido uma mudança no mundo físico ou somente uma mudança em sua consciência.

3. A magia funciona.

Infelizmente, qualquer das duas definições é bastante ampla. Se você provoca uma mudança segundo sua vontade e chama a isso magia, então quase tudo o que se pode fazer é um ato mágico. Assim, se sua vontade é abrir uma porta, basta girar a maçaneta e ela abre e, segundo as definições anteriores, terá realizado um ato mágico. De fato, Crowley (cujo nome pronunciado em inglês rima com holy, “bendito, santo” em português) afirma que “todo ato intencional é um ato mágico”. Se você desenvolve o raciocínio, descobrirá que existe muita verdade nessa afirmação, ainda que não seja isso o que buscamos neste momento. É necessário que ampliemos um pouco a definição de magia: Magia é a ciência e a arte de conseguir que sejam produzidas mudanças (na consciência) de acordo com a vontade, utilizando meios não compreendidos atualmente pela ciência ocidental tradicional.

Acrescentamos a ideia de que a magia é obtida utilizando meios desconhecidos pela ciência moderna. Que um ritual provoque algo não faz sentido para o pensamento ocidental atual. Consequentemente, os cientistas tendem a pensar que a magia autêntica, ao não amoldar-se ao ponto de vista que têm do mundo, não é mais que uma bobagem sobrenatural. Porém a magia não é sobrenatural.

Seja o universo resultado da criação de um ser ou de vários seres inteligentes, ou ainda de acontecimentos casuais, chegamos à mesma conclusão: tudo o que existe no

universo é natural. Algumas culturas antigas consideravam que o aparente nascimento

e pôr do Sol era um acontecimento sobrenatural. Com o passar do tempo, descobriu- se que o aparente nascer e pôr do Sol era, na verdade, um acontecimento natural provocado pela rotação da Terra.

Estou plenamente convencido que um dia a magia poderá ser compreendida em termos da ciência ocidental. A história o demonstra. A leitura, a escrita, a matemática,

a astronomia, a química, a medicina, a física e muitas outras disciplinas foram em seu

tempo profundos segredos ocultos. Na atualidade, muitas dessas coisas são explicadas às crianças antes de começar a escolarização. O ocultismo do passado será

a ciência do futuro. Arthur C. Clare, o famoso escritor de ficção científica e autor de 2001: uma odisseia do espaço, disse que qualquer tipo de tecnologia avançada parecerá magia para aqueles que tenham tecnologias inferiores. Eu estou totalmente de acordo.

De certo modo, você é agora um cientista do futuro, É por isso que deveria seguir o chamado método científico. Este método busca controlar todas as variáveis dos experimentos e realizar registros muito precisos dos mesmos. Por isso é tão importante seu diário, pois este lhe permitirá verificar de que modo afetam as variáveis (clima, emoções, etc.) em seus experimentos (rituais). Não é demais insistir na importância de manter o diário dos sonhos e o diário mágico.

Agora temos uma definição de magia muito mais específica que a de Crowley ou a de Fortune. Certamente, como os resultados são os mesmos, descartarei a alocução “na consciência” da definição de Fortune. Porém a definição que adotamos segue sem ser suficientemente precisa para nossos propósitos. Devemosacrescentar a nossa definição o objetivo ou o resultada da magia.

Eu divido a magia em três categorias. É importante observar que neste livro se utilizam essas categorias. Há pessoas que não estão de acordo com a definição dos diferentes tipos de magia. Algumas utilizam menos categorias, outras mais. Segue uma descrição de cada uma das categorias.

Magia branca: Nas culturas orientais, a Magia Branca é conhecida como yoga. A maioria das pessoas quando fala de yoga se refere concretamente ao Hatha Yoga. O Hatha Yoga está relacionado com o treinamento do corpo, como preparação para o autêntico yoga. A palabra yoga vem da raiz do sânscrito yug que significa “jugo” ou

“união”. Esta “união” do yoga autêntico é obtida quando nos unimos com nosso eu superior ou com Deus, ou nos aproximamos dele. A Magia Branca, chamada as vezes misticismo, é o yoga do Ocidente. Apresenta uma variedade de nomes, entre os quais temos o de Consciência Cósmica, Conhecimento e Conversação com o Sagrado Anjo Guardião, Realização do Eu e muitos outros. Aqui utilizaremos a expressão que usava a Aurora Dourada e que nos oferece a seguinte definição de Magia Branca

A Magia Branca é a ciência e a arte de conseguir que se produza uma mudança de

acordo com a vontade, utilizando meios não compreendidos atualmente pela ciência ocidental tradicional, com o propósito de obter o Conhecimento e a Conversação com o Sagrado Anjo Guardião.

Magia negra Esta categoria de magia tem uma definição fácil que necessita poucas explicações, ou nenhuma:

A Magia Negra é a ciência e a arte de conseguir que sejam produzidas mudanças de

acordo com a vontade, utilizando meios não compreendidos atualmente pela ciência ocidental tradicional, com o propósito de provocar danos físicos ou não físicos aos demais ou a si mesmo, e pode ser realizada de forma consciente ou inconsciente.

Falarei da Magia negra somente do ponto de vista de como evitar converter-se de forma acidental (ou premeditada) em praticante desse tipo de magia.

Magia cinza: o cinza é uma mistura do branco e do negro. A Magia Cinza pode converter-se em Branca ou em Negra (ou continuar sendo cinza), tal como veremos. Eis aqui a definição:

A Magia Cinza é a ciência e a arte de conseguir que sejam produzidas mudanças de

acordo com a vontade, utilizando meios não compreendidos atualmente pela ciência ocidental tradicional, com o propósito de provocar bem estar físico ou não físico a sim mesmo ou nos outros, de forma consciente ou inconsciente.

Imaginemos que você realiza um sortilégio para ajudar uma amiga a recuperar a saúde. Por definição, se trataria de um caso de Magia Cinza, já que está fazendo algo para o bem estar físico de outra pessoa. Dessa forma, como praticou a Magia Cinza para ajudar a outro, ao final sentirá que se aproximou da Divindade e do Conhecimento e Conversação com o Sagrado Anjo Guardião. Portanto, se trata também de Magia Branca.

Por outro lado imaginemos que faz um ritual para conseguir mil dólares, Contrariamente ao que ocorre com outras filosofias, as tradições da magia sustentam que não há mal algum em utilizar as habilidades mágicas para o progresso de si mesmo neste mundo. Sim, é perfeitamente lícito que utilize suas habilidades e seus conhecimentos mágico spara progredir neste plano físico, para conseguir dinheiro, amigos, amor e fama, Porém, suponhamos que, após ter realizado o ritual para conseguir os mil dólares, seu tio morre em um acidente de carro e te deixa

precisamente mil dólares em seu testamento, Sim, você terá alcançado seu objetivo, porém através de Magia Negra: terá matado indiretamente (ou talvez devessemos dizer diretamente) uma pessoa.

Alguns de vocês poderiam estar pensando: “Bom, e daí? Consegui o dinheiro que queria”. Seim, de fato. Porém sempre se paga algum preço, “Aquilo que semear, colherá”. Se você provocou algum dano, tudo isso provavelmente se voltará contra você. Em muitas tradições da Wicca se cre que tudo aquilo que fazemos volta a nós triplicado, Aqueles que praticam a Magia Negra sempre pagam um preço muito elevado.

Tenho uma amiga chamada Robin que era seguidora de Satã e praticante de Magia Negra. Um dia me contou que sempre sabia se uma maldição ou um sortilégio de Magia Negra havia funcionado quando lhe ocorria alguma desgraça! Isto não pretende ser uma lição para dizer-lhes que não pratiquem jamais a Magia Negra, Minha intenção é mostrar o que podem esperar se têm a intenção de pratic-a-la. Do mesmo modo que existe uma lei da gravidade, existe uma lei que no oriente se denomina Karma e que os cabalistas chamam Ticun. Faça o bem o receberá o bem. Faça o mal, ainda que de forma não intencional, e será o mal que obterá, Esta é a lei.

Assim, como pode ser evitado cair no abismo do praticante da Magia Negra? Em primeiro lugar, praticando a Magia Branca, É por esse motivo que a primeira parte deste curso está dedicada unicamente a ensinar Magia Branca. Não omita esse trabalho, já que o curso é progressivo. Seu desenvolvimento como mago (cinza) poderoso e o que ocorrerá neste curso dependem do que faça agora. Em segundo lugar, antes de praticar algum tipo de Magia Cinza, deveria realizar sempre uma adivinhação para determinar o efeito e os resultados de sua magia, Daí a importância de aprender o Tarô, ou qualquer outro sistema divinatório.

Nas páginas seguintes descubrirá o significado das 22 cartas do Arcanos Maiores do Tarô. A letra “I” que figura entre parênteses precede ao significado da carta quando está apareceu invertida (o desenho está de cabeça para baixo) diante de você. Não existem “significados autênticos” das cartas. Os significados estão baseados nos ensinamentos dos ocultistas e cabalistas A. E. Waite e S. L. MacGregor Mathers.

Durante os seguintes dias deveria familiarizar-se com o baralho e com as definições que oferecemos aqui para os Arcanos Maiores, Por enquanto, esqueça qualquer livro de instruções do Tarô que tenha ou que esteja incluído na compra do baralho. Mais adiante poderá incorporar ao sistema apresentado aqui a informação que tenha aprendido em outros lugares, A utilização das cartas para fins divinatórios será explicada na parte seguinte desta lição.

De momento, siga com seus diários e com o ritual de relaxamento, porém, após este ritual, acrescente o que é descrito a seguir.

RITUAL DE CONTEMPLAÇÃO DO TARÔ

Primeiro passo: Tome as 22 cartas do Arcanos Maiores. Elimine dessas 22 cartas (que devem estar numeradas de 0 a 21) as cartas com os números 6, 7, 10, 13, 15 e 18. Estas não serão utilizadas no momento e podem ser guardadas com o resto do baralho. Tenha com você as demais Arcanos Maiores enquanto realiza o Ritual de Relaxamento.

Segundo passo: Imediatamente depois de terminar o ritual do relaxamente, tome as 16 cartas dos Arcanos Maiores e embarálhe-as da maneira que deseje, até que sinte que deva parar.

Terceiro passo: Selecione qualquer das cartas e olhe o desenho que aparece nela por até três minutos.

Quarto passo: Realize três inspirações profundas e terá terminado o ritual de contemplação do Tarô.

Quinto passo: Anote o nome da carta e o número em seu diário mágico, Anote também qualquer sentimento, sensação ou ideia que lhe tenha ocorrido enquanto contemplava a carta.

SIGNIFICADOS DIVINATÓRIOS DO TARÔ: OS ARCANOS MAIORES

0 O LOUCO: Loucura, insensatez, extravagância. (I) Dúvida, descuido, problemas por ter ignorado a insensatez.

1 O MAGO: Destreza, força de vontade, segurança. (I) Mal uso das mesmas, vaidade, falta de destreza.

2

conhecimento superficial

A

SACERDOTISA:

Ciência,

educação,

conhecimento.

(I)

Ignorância,

3 A IMPERATRIZ: Fertilidade, ação, criatividade. (I) Falta de ação provocada pela vacilação, poder derrotado.

4 O IMPERADOR: Poder, eficácia, razão. (I)_ Emoções imaturas, obstáculos aos planos.

5 O SUMO SACERDOTE: Caridade e bondade, uma pessoa que mostra essas qualidades. (I) Amabilidade excessiva, debilidade.

6 OS AMANTES: Uma prova que será superada, um novo amor. (I) Uma prova não superada, um amor perdido.

8

A FORÇA: Poder espiritual. (I) Poder físico.

9 O HERMITÃO: Precaução ou progresso espiritual. (I) Temor, precaução excessiva, atos insensatos.

10 A RODA DA FORTUNA: Boa sorte, êxito, sorte. (I) Má sorte, má fortuna.

11 A JUSTIÇA: Balança, justiça, equilíbrio. (I)_ Falta de equilíbrio, intolerância, prejuízos.

12 O

Egoísmo, intento de se adaptar à multidão.

ENFORCADO:

Sabedoria

como

consequência

do

próprio

sacrifício.

(I)

13 A MORTE: Mudança ou transformação progressivos. (I) Estancamento.

14 A TEMPERANÇA: Combinação ou união de coisas aparentemente distintas, moderação. (I) Conflito de interesses.

15 O DIABO: Vai acontecer algo, porém a longo prazo será benéfico. (I) Vai

acontecer algo que será prejudicial.

16 A TORRE: Ruína, catástrofe, ruptura. (I) O anterior, porém em menor grau.

17 A ESTRELA: Esperança e

esterilidade.

um futuro brilhante. (I) Esperanças

frustradas,

18 A LUA: Enganom, inimigos ocultos. (I) Pequenos equívocos.

19 O SOL: Alegria e satisfação. (I) O anterior, porém em menos grau.

20 O JUÍZO: Renovação, renascimentos. (I) Impedimentos e atrasos.

21 O UNIVERSO: Êxito garantido, realização. (I) Fracasso, inércia, maus resultados.

SEGUNDA PARTE

Nesta parte exporei a história do Tarô e ensinarei a fazer adivinhações utilizando-o. Recorde que é necessário dominar algum sistema divinatório para evitar que a Magia Cinza possa se converter em Magia Negra, Por isso é tão importante este estudo.

Em primeiro lugar, poderia perguntar-se por que estudar o Tarô e não qualquer outro sistema, Talvez já conheça o Yi King (I Ching) ou a contemplação de bolas de cristal ou ainda a predição astrológica. De fato, todos esses sistemas são excelentes. Aleister Crowley utilizava o Yi ing muito mais que o Tarô. Prém, como verá, neste livro utilizaremos o Tarô por outros motivos que não são os simplesmente adivinhatórios.

Portanto, sou da opinião de que quanto mais utilizar o Tarô em qualquer sentido, tanto mais fácil lhe será dominar seu uso em todos seus aspectos.

Talvez tenha ouvido alguma vez a expressão “visão de mundo”. Esta expressa a ideia que que podemos ter um pounto de vista subjacente que nos proporciona um modo de entender como funcionam e se relacionam as pessoas, nosso mundo e o universo. Algumas pessoas têm uma visão de mundo baseadas na política, na religião ou várias doutrinas psicológicas. Os praticantes da magia ritual normalmente têm uma visão de mundo baseada na Cabala e no Tarô. Por esse motivo, o Tarô aparece já num dos primeiros rituais apresentados aqui. A medida que este livro avance, verá que este sistema tem um papel mais importante, inclusive na magia ritual.

Na verdade existem duas histórias do Tarô. Uma baseada em fatos, outra inventada a partir de teorias não demonstradas e as vezes absurdas. Uma dessas teorias não demonstradas atribui um patrimônio egípcio Tarô.

não demonstradas atribui um patrimônio egípcio Tarô. Uma história da teoria egípcia é que Thot, o

Uma história da teoria egípcia é que Thot, o deus que atuava como escrita dos demais deuses egípcios, ofereceu 22 desenhos que ilustravam a grande sabedoria, ao culto misterioso do antigo templo do Egito. Esses desenhos foram colocados nas colunas de um templo que se encontrava sob as pernas da famosa Esfinge, prósimo à Grande Pirâmide de Keops (hufu). O mestre conduzia os iniciados nos mistérios entre as colunas e lhes explicava o significado dos desenhos. Dali, o iniciado atravessava uma passagem subterrâneo que lhe conduzia à Grande pirâmide, aonde recebia a iniciação completa. Desgraçadamente não há nenhuma prova de que esse tipo de iniciação foi produzida alguma vez.

Outra história conta que um grupo de sábios, sabendo que a famosa biblioteca de Alexandria aria ser destruída, se reuniram na cidade de Fez, no Marrocos, para decidir o que fazer. Algumas versões dessa história asseguram que a reunião aconteceu depois da destruição. Uma das versões prossegue afirmando que esses eruditos procediam de muitas terras distantes e não tinham uma língua comum. Os eruditos artistas criaram uma linguagem simbólica com a qual poderiam comunicar- se. O Tarô seria um descendente daquela obra de arte. Outra versão sustenta que os sábios decidiram elaborar um grande livro que contivesse toda a sabedoria importante do mundo que, de outro modo, se perderia com a destruição da biblioteca. Para que esse livro também não fosse destruído, decidiram escondê-lo em forma de jogo de cartas, sabendo que, ainda que a busca da sabedoria por parte da humanidade pudesse acabar, nunca desapareceriam suas ânsias de obter benefícios rápidos nem seus instintos mais baixos. Desse modo, segundo essas histórias, nasceu o Tarô.

Novamente, não existe nenhuma prova da veracidade dessas histórias.

Existem muitas outras histórias sobre a procedência das cartas do Tarô. Algumas versões afirmam que os ciganos o obtiveram no Egito. Observe que a palabra gitano deriva da palavra egípcio. Outras histórias, que apresentam alguma possibilidade de serem certas, contam que o Tarô evolucionou a partir de outros sistemas de adivinhação da Índia e da China. Entretanto, nada demonstra que isso seja certo.

Dispomos de registros históricos dos seguintes fatos:

1. A primeira menção do Tarô aparece em 1335, quando Alfonso Xi, rei de Castilla e León, o proíbe junto com outros jogos.

2. Em 1337, Johannes, um monge alemão, escreveu que “poderia ser utilizado para ensinar moralidade”.

3. Em 1392, Carlos VI da França comprou três jogos dos Arcanos Maiores de um homem chamado Grigonneur.

4. Por volta do ano de 1400 a versão italiana, conhecida como o Tarocchino contava com mais de 100 cartas e incluia o Zodíaco e as chamadas Virtudes cristãs.

Assim, o mais distante que podemos datar com precisão sobre a origem do Tarô é o início do século XIV. Naquele tempo, como agora, havia muitos baralhos fora do padrão. Pelo menos uma delas tinha mais de 140 cartas! Os baralhos de Tarô eram utilizados para jogar cartas e para instruir os jovens (principalmente os analfabetos), mas no ano de 180-0- o tarô já era utilizado exclusivamente para adivinhar a sorte. A maioria dos baralhos utilizados naquela época se baseavam no de Carlos VI, conhecido atualmente como o baralho de Grigonneur. Uma das variantes desse baralho é o jogo de Visconti; outra é o Tarô de Marselha.

A Aurora Dourada fez grande uso do Tarô e, como já foi comentado acima, mais

adiante aprenderemos alguns dos usos mais esotéricos do Tarô. A. E. Waite e Pamela Coleman Smith, ambos membros da Aurora Dourada, criaram o que atualmente é o baralho de Tarô mais popular: o chamado Tarô de Rider-Waite. Quando veio à luz pela primeira vez em 1910, teve grande acolhida pois nunca antes havia sido impresso um baralho de Tarô com um livro que explicava como utilizá-lo. Nesse caso

se tratava do livro de Waite, Pictorial ey to the Tarot 1 . De todos os densos volumes de Waite, este é o de mais fácil leitura.

A Aurora Dourada considerava um segredo muito importante a versão “correta” do

Tarô (sua própria versão). Waitem, que havia jurado solenemente não revelar os segredos internos da Aurora Dourada, manteve sua palavra. Muitas das cartas de seu baralho contém simbolismos incorretos (comparados com a versão da Aurora Dourada) com a intenção de enganar ao não iniciado.

Atualmente existem mjitos baralhos baseados nos desenhos de Waite. Quase todos os dias aparecem novos “baralhos originais” (que na verdade estão baseados nos desenhos de Waite e Smith). Porém todos esses baralhos, segundo a tradição da Aurora Dourada, contém simbolismos incorretos. Mesmo assim, devedo a seu uso massivo e popularidade, têm uma validade própria, ainda que esta não coincida com a tradição da Aurora Dourada.

Outros membros da Aurora Dourada que desenharam baralhos de Tarô fora Aleister Crowley (o baralho de Thot), que misturou as ideias da Aurora Dourada com seu próprio sistem a de ocultismo egípcio, sumério e tântrico (além de acrescentar uma boa dose de humor perverso) e Paul Foster Case. O baralho de Case (tarô B.O.T.A.), uma versão a meio caminho entre o da Aurora Dourada e o de Waite, constituiu a primeira revelação pública das atribuições que a Aurora Dourada estabelecia entre o alfabeto hebraico e as cartas dos Arcanos Maiores.

A alguns anos apareceu um baralho nomeado de “baralho da Aurora Dourada”. Apesar de ser um dos recomendados para este curso, gostaria de destacar que o desenhista, Wang, incorreu em alguns erros flagrantes e algumas omissões. Aqui não dispomos de espaço suficiente para indic-a-los, porém se vocês está interessado em conhecer os erros, sugiro que compare os desenhos de Wang com as descrições que aparecem no livro de Regardiel, A Aurora Dourada. Apesar disso, segue sendo um baralho simbolicamente mais correta (no sentido da Aurora Dourada) que existe atualmente no mercado.

Conheço algumas pessoas que asseguram ser ocultistas e colecionam baralhos de Tarô. Sua coleção, na realidade, é o único argumento que têm para dizer que conhecem o oculto. Mas alguns dos baralhos que colecionam estão tão distantes de tudo quanto possa ser considerado “metafísica” que me pergunto a que ramo do ocultismo devem pertencer. Um baralho que vi uma vez tinha cada carta desenhada

por um autor diferente. A pesar de baseada no baralho de Waite, era tão absurda até o ponto de representar personagens populares dos desenhos animados em algumas cartas! Existe outro baralho, chamado Taro das Bruxas (certamente um insulto para muitas bruxas, ou para todas elas) que foi criada para um filme de James Bond.

Em resumo, nada demonstra que o Tarô provenha de uma única fonte antiga, seja o Egito, A Índia, China ou qualquer outro lugar. É conhecido que foi introduzido na Europa no início do século XIV, porém sua procedência original constitui um dos grandes mistérios do universo impossíveis de demonstrar (no momento).

Em continuação gostaria de oferecer minhas suposições, também indemonstráveis, sobre a evolução das cartas. É sabido que tanto a Índia como a China possuiam jogos que, em menor grau, se pareciam com baralhos de cartas. Ainda que indemonstrável, sustento que poderia ter ocorrido que um viajante procedente daqueles países e se dirigido ao Oriente Médio, ou talvez algum comerciante do Oriente Médio que tivesse ido à Índia ou à China, deixara de algum modo um desses sistemas, ou uma versão dos mesmos, em um dos países do Oriente Médio. Posteriormente, durante as Cruzadas, um cavaleiro poderia ter levado um desses protótipos de baralho para oferecê-lo a seu senhor ou seu rei.

Mais tarde, o senhor ou o rei, dando mostras de uma egoísta vaidade (“Tenho algo que vós não possuis”) mostrou o jogo a um semelhante, outro senhor ou outro rei. Esta segunda pessoa decidiu ter um igual. Ou melhor, de forma semelhante, o desenhista de algum senhor mostrou o jogo ao desenhista de outro senhor, o qual realizou uma cópia direta ou elaborou uma versão de memória. Transladando-se de senhor a senhor, de rei a rei, o Tarô foi evoluindo.

Naquele tempo havia agremiações de artistas que, como os maçons, poderiam ter incorporado alguma forma de conhecimento místico. É certo que muitos artistas da época, de épocas anteriores e da atualidade têm se interessado pela relação entre o humano e o divino. Um desses artistas poderia ter acrescentado algum tipo de misticismo aos desenhos do Tarô, e outro artista poderia ter acrescentado mais. Esse processo teria seguido até dar forma ao Tarô tal como o conhecemos atualmente.

Porém a pergunta básica é a seguinte: é realmente importante saber de onde procede e como evoluiu o Tarô? A única resposta deve ser um sonoro NÃO, já que a utilidade do Tarô como poderoso instrumento místico e mágico tem sido demonstrada ao longo dos últimos séculos.

É importante entender a diferença que há entre tirar a sorte e praticar a adivinhação. Quando se tira a sorte se diz que algo vai acontecer. Quando se pratica a divinação, como ocorre com as cartas do Tarô, nunca se diz o que vai acontecer, mas se indica o que nos pode acontecer se seguimos pelo caminho que levamos atualmente.

Segundo essa visão, temos liberdade para assegurarmos de que algo ocorra ou para impedir que se produza. Dispomos de livre arbítrio e a escolha sempre depende de

nós. Por exemplo, se lhe tiram a sorte poderia lhe dizer que vai ter um acidente de barco em uma data concreta. A divinação lhe indicaria, ao contrário, que uma viagem de barco em tal data poderia provocar-lhe problemas e lhe aconselharia manter-se distante dos barcos. Você poderia então cancelar a viagem ou ser extremamente cuidadoso enquanto estivesse à bordo. A sorte lhe diz que não tem escolha: se encontrará a bordo de um barco naquele momento e terá um acidente. A divinação diz que dispõe de livre arbítrio; pode ir ao deserto ou, pelo menos, manter-se longe dos barcos. Neste livro defendemos absolutamente o livre arbítrio, não a predestinação.

Existe outra razão, uma razão prática, para praticar a divinação em lugar de tirar a sorte. Em muitos estados, condados e cidades é ilegal tirar a sorte em troca de dinheiro. Se você está pensando em oferecer leituras às pessoas e cobrar po isso, aconselho que chame sua ocupação de “assessoramento psicológico”, “divinação” ou,

se tem um certificado ministerial, “assessoramento espiritual ou religioso”.

Nas páginas seguintes apresentarei um método para praticar a divinação utilizando unicamente os Arcanos Maiores. Gostaria de destacar aqui que é possível realizar

uma boa leitura utilizando somente estas 22 cartas. Elas representam forças mutáveis, enquanto as forças estáticas são representadas pelos Arcanos Menores. A utilização dos Arcanos Menores pode proporcionar mais detalhes, porém o uso exclusivo dos Arcanos Maiores oferece mais informações sobre como estão mudando ou mudarão

as coisas em sua vida. Esquema do hexagrama partido O esquema representa dois triângulos (o
as
coisas em sua vida.
Esquema do hexagrama partido
O
esquema representa dois triângulos (o “hexagrama partido”) com uma carta extra

entre eles. O triângulo superior representa as forças espirituais que descendem até o plano físico. O triângulo inferior mostra os desejos conscientes e inconscientes e aquilo que realmente desejamos ou necessitamos. A carta do centro representa o resultado final da pergunta que foi formulada. Abaixo seguem instruções passo a passo sobre como utilizar essa “tiragem” (distribuição) do Tarô para determinar o resultado da Magia Cinza. Esta leitura pode ser utilizada para muitos propósitos.

1.

Faça uma pilha com os Arcanos Maiores, de modo que estejam todas na mesma direção e sigam a ordem numérica. Se estão de boca para baixo, a carta chamado O Louco deveria encontrar-se em cima do baralho. A carta número 21, O Universo (ou Mundo) deveria estar embaixo.

2. Agora, formule a pergunta. Deveria ser uma pergunta do tipo: “Qual será o

Não pergunte às cartas: “Deveria fazer

isto ou aquilo?”, já que isso faria que as cartas fossem responsáveis por seus atos, em seu lugar. Trata-se de buscar conselho, não de pedir instruções a uma pseudo-mãe.

resultado se utilizo a magia para

?”.

3. Enquanto se concentra na pergunta, embaralhe as cartas da forma que deseje. Siga embaralhando-as até que tenha o “sentimento” de que chegou o momento de parar. Assegure-se também de que algumas das cartas estejam invertidas.

4. Corte as cartas em três pilhas a partir de sua esquerda. Recolha as pilhas da direita para a esquerda.

5. Distribua as cartas viradas para baixo sobre a mesa, segundo a ordem que mostra o esquema. As primeiras três cartas formam o triângulo superior que aponta para baixo. As cartas 4, 5 e 6 formam o triângulo inferior que aponta para cima. A sétima carta será colocada no centro, entre os dois triângulos.

6. Vire as cartas que ocupam as posições 1 e 2. Ambas representam influência espirituais desconhecidas. A carta 2 terá um maior efeito sobre você que a carta 1. interprete essas duas cartas.

7. Vire a carta que ocupa a posição 3. Esta representa conselho espiritual sobre o tema. Interprete esta carta.

8. Vire a carta número 4. Esta representa seus desejos inconscientes sobre o tema. Pode descobrir que sua verdadeira razão interna não tem nenhuma relação com a razão externa. Interprete esta carta.

9. Vire a carta número 5. Esta carta representa seus desejos conscientes sobre o tema. Interprete esta carta.

10.Agora, vire a carta número 6. Esta carta dará conselhos práticos sobre o tema. Pode surgerir que mude seu enfoque para conseguir o que realmente deseja. Pode aconselhar que siga adiante ou que abandone o projeto. Evidentemente, continuar ou não o projeto depende de você.;

11.Vire a carta número 7. Esta carta é o resultado final, supondo que siga adiante nesse momento. Ainda que a leitura até esse ponto tenha sido positiva, o resultado poderia ser negativo. Isso acontece pois poderia ter outras considerações que este breve leitura não dá conta. A tiragem do hexagrama

partido é um método rápido e fácil, porém não pretende ser completo. Deveria ser suficiente, entretanto, para conduzir o restante das lições desse livro.

Vejamos um exemplo prático de leitura:

Enquanto vou embaralhando as cartas, penso: “Qual será o resultado se utilizo a magia para atrair um novo amor para minha vida?” Depois de cortar as cartas e distribui-las, aparece a seguinte configuração:

O Mago (I)

O Imperador O Universo
O
Imperador
O
Universo

O Sumo Sacerdote

A Força

( I ) O Imperador O Universo O Sumo Sacerdote A Força Minha interpretação é a

Minha interpretação é a seguinte

A Imperatriz

Os Enamorados

As cartas 1 e 2 indicam que este ato me conduzirá a uma grande criatividade (A Imperatriz)apesar de que poderia ser consideerado um uso equivocado das habilidades mágicas (O Mago invertido).

A carta 3 indica que poderia proporcionar poder e eficácia (O Imperador).

A carta 4 indica que, interiormente, eu busco mais o poder espiritual que a companhia

sexual (Os Enamorados).

A carta 6 me oferece o conselho prático de que a magia sozinha não será suficiente

para manter uma boa relação e que devo ser caridoso e bondoso (O Sumo Sacerdote).

O resultado finalm segundo a carta 7, será que se sigo os conselhos que me foram dados, sobre tudo na carta 6, meu êxito nesse assunto está garantido (O Universo).

Fostaria de acrescentar a essa interpretação que, como a carta 6 indica, não necessito simplesmente de qualquer mulher, mas de alguém que contribua para melhorar minhas práticas espirituais.

A única maneira de aprender Tarô é utilizá-lo constantemente, Tente memorizar os significados das cartas, uma carta por dia. Entretanto, não espere que suas leituras sejam precisas antes de transcorrido um mês, no mínimo. Seguramente não foi você muito “preciso” quando aprendeu a montar numa bicicleta ou conduzir um veículo pela primeira vez. Recorde também que deve seguir praticando o Ritual de Contemplação do Tarô. O fato de fazer uma leitura ou de praticar um ritual não exclui a necessidade de fazer ambas as coisas.

Para os propósitos deste curso somente são importantes os Arcanos Maiores. Mais adiante, conhecerá algo mais sobre a importância destes. Porém é necessário dizer aqui algumas palavras sobre os Arcanos Menores. Se deseja realizar leituras gerais, para você ou para outras pessoas, deveriam ser introduzidos os Arcanos Menores, especialmente para leituras em profundidade. Como os Arcanos Menores não têm um papel intrínseco no estudo da magia apresentado neste livro, os deixaremos para outros autores.

Quando tenha estudado e praticado o sistema exposto aqui por pelo menos dois meses, sita-se com total liberdade para estudar o Tarô por você mesmo. Gostaria de acrescentar que diferentes autores podem apresentar significados distintos para uma mesma carta. Some as ideias desses outros autores a tudo o que tenha aprendido aqui. Na bibliografia desta lição encontrará algumas sugestões de livros sobre Tarô.

TERCEIRA PARTE

A Arte da Alta Magia é por natureza distinta de certos aspectos de outras formas de magia chamadas primitivas, praticadas pelos seguidores da Feitiçaria, da Wicca, do Vudú, Bruxaria, etc. A palavra primitiva não pretende insultar aos seguidores desse tipo de tradições ou de outras parecidas, ao menos não mais que o fato de chamar “artista primitiva” a alguém como Abuela Moises, mas que faz referência a estilos antigos e métodos mais simples. Muitas pessoas que conheço e praticam a Wicca e a Bruxaria estão muito orgulhosas de que sua tradição seja antiga e simples.

Porém a mesma simplicidade de estilos de magia tem dado lugar a numerosos livros sobre sortilégios e conjuros, destinados às massas, que são em boa parte inúteis. O número de livros desse tipo dedicados à Arte da Magia Cerimonal Cabalística é muito pequeno.

Uma das principais diferenças é que, para muitas das técnicas “primitivas” , basta que se pronuncie um breve conjuro e seguir o ritual de manipulação de uns poucos objetos: acender uma vela, realizar o vévé do Vudú, etc. Algumas vezes os sortilégios vão sendo mutilados com o passar do tempo, de tal modo que os sgnificados das palavras originais são perdidos, e o sortilégio se converte em nada mais que alguns sons sem sentido. Ainda que isso tenha ocorrido também até certo ponto na magia cerimonial, um mago autêntico conhece o significado exato de cada palavra e cada

ato do ritual. Isso explica a necessidade de tanta formação, tanto estudo e tanta prática para converter-se em mago.

As autênticas instruções para realizar o ritual que aprenderá a seguir, o Ritual Menor de Banimento do Pentagrama, serão encontradas na seguinte lição. Agora, nesse ponto, possivelmente algum de vocês se queixará e pensará: “Mas já aprendi este ritual faz anos; é tão simples!”. Pois bem, se alguém cre que é simples, é que nunca o realizou corretamente e com pleno conhecimento do mesmo. Trata-se de um ritual básico, porém não é simples. É curto e fácil e memorizar, porém não é simples.

Segundo meu dicionário, a palavra básico significa “algo que constitui a base, como um ingrediente; algo que é fundamental”. Nunca será bastante repetir que a natureza fundamental deste ritual e em como a prática do mesmo nudará sua vida e melhorará suas habilidades mágicas e psíquicas. Eu o pratica pelo menos uma vez por dia durante quase dez anos e não tenho nenhum desejo de abandoná-lo. Se trata de um ritual báxico e breve, necessário para seu desenvolvimento como mago cerimonial.

Existem três motivos para praticar este ritual. O mais importante, ainda que também o mais etéreo, é para conhecer a si mesmo. Se tem a força de vontade de perseverar na prática de um ritual desse tipo, diariamente, aprenderá. Desenvolverá uma percepção nova sobre si mesmo e sobre a relação com os demais e com o mundo que o rodeia. Isso te afetará positivamente em muitos aspectos, porém sutis.

Em segundo lugar, purificará sua aura. Isso fará que os demais o tenham em maior estima, que te respeitem amis e que busquem você procurando consolo. Se dará conta de que isso ocorre quando as pessoas comecem a te fazer perguntas do tipo: É nova esta roupa? Você emagreceu? Cortou o cabelo?, quando na verdade está com uma roupa velha, seu cabelo está igual e não perdeu nenhuma grama. A maioria das pessoas pode detectar a aura com o subconsciente e será capaz de sentir esta mudança em você. Porém não sabem que é a aura o que mudou, de modo que comentam com algo que lhes é familiar, algo do plano físico como a roupa, o cabelo ou o peso. A medida que sua aura cresça e brilhe mais, também se encontrará espiritual e psicoligicamente mais forte que nunca.

Em terceiro lugar, este ritual (RMPB, para abreviar) vai eliminar (banir) de sua área imediata qualquer influência indesejada. Isso inclui tanto as influências físicas como as que não o são, entre as quais encontramos as forças astrais e elementais. Representa uma das maiores defesas que existem contra o ataque psíquico. Quanto mais pratique o RMPB, tanto mais seguro e em paz estará.

A atitude a ser adotada para a realização deste ritual é importante. As pessoas que trabalham com computadores falam em “colocar lixo, tirar lixo”. De modo parecido, obterá do ritual exatamente o mesmo que tenha colocado nele. Inicie este ritual fadigado e sairá mais cansado ainda. Deveria adotar uma atitude bela e alegre. A

prática do ritual de relaxamento imediatamente antes de iniciar o RMPB te ajudará a conseguir o estado de consciência desejado.

Deveria adotar uma atitude muito positiva esteja seguro de que, quando chame aos arcanjos, estes virão esteja seguro de que os pentagramas encontram-se realmente ali, esteja convencido de que está fazendo o melhor que pode fazer.

Ainda assim, não deve estar “ansioso pelos resultados”. Centre sua atenção no ritual, não naquilo que espera que este produza. Se realiza o ritual com absoluta concentração, terá êxito. Se a concentração paira em alguma outra coisa, por exemplo, no que espera experimentar ou no que espera como resultado do ritual, dividirá suas energias e o ritual perderá eficácia.

Quando realizar o ritual deve compreender que já não se encontra em sua casa, em seu piso ou em seu edifício. Nem tampouco se encontra, simplesmente, fora. Encontra-se no templo dos deuses. Está também na presença da divindade. Esteja aonde esteja, quando realizar este ritual a zona converter-se-á num lugar sagrado. Deverá tratá-lo como tal.

Recorde também que você é um principiante, um estudante, um mago em treinamento. Não é um mago nem um feiticeiro de alta categoria. Assim, seja modesto, especialmente na presença do divino.

Há diversos elementos físicos que poderia desejar utilizar para a realização do RMPB. Entretanto, somente uma coisa deve ter um lugar aonde possa estar só e não ser atrapalhado. A prática deste ritual não demanda mais de dez minutos e, uma vez memoriza, até menos. Assegure-se de que não será molestado durante este breve período de tempo. Este não é um ritual para os olhos do público.

Em segundo lugar, é tradicional ter um altar. Pode ser uma mesa pequena coberta com um pedaço de tecido preto, ou o altar tradicional de “duplo cubo”. O tamanho adequado para o altar tradicional é que meça 90cm de altura por 45cm de largura e 45cm de profundidade. Deste modo, pode dispor de um altar que é como dois cubos quadrados de 45cm, um sobre o outro (o que está acima, tabém estará embaixo). Também representa o plano da Terra porque o número de faces externas deste altar (superior, inferior, as quatro faces do cubo superior e as quatro do cubo inferior) somam 10, o número da Terra segundo a Cabala.

Eu construi meu próprio altar de um modo muito simples. Nos armazéns de madeira bruta vendem cubos de tábuas prensadas (também chamadas tábuas de aglomerado) que medem 45cm x 45cm e têm uma cara aberta. O que fiz foi pregar os dois cubos juntos e acrescentar um pedaço de madeira aglomerada de 90 cm (e 12mm de grossura) para tampar as facesabertas dos cubos. Na sequência dei diversas mãos de pintura (inclusive com uma cobertura de verniz, pois este tipo de madeira parece absorver a pintura) e coloquei rodas para que tivesse mais mobilidade, o trabalho estava terminado. Tradicionalmente o altar é pintado de cor negra para representar o

fato de nos encontrarmos distantes da luz espiritual que emanda de cima, mas também que é aqui realmente aonde devemos iniciar nossa brilhante ascensão. Meu primeiro altar, entretanto, estava pintado de branco e tinha uma bela figura da Árvore da Vida (da qual falaremos mais adiante) e também do Pentagrama protetor de Salomão, procedente do livro The Goetia. Se decidir construir um altar que não seja o duplo cubo negro tradicional, avalie muito atentamente o significado de qualquer simbolismo que deseje utilizar, incluindo a cor.

Em terceiro lugar, para o trabalho ritual são muito melhores as velas que a luz elétrica. Poderia ter uma vela para o altar e outras tantas para o local, se vai realizar o ritual em ambiente interno. Por enquanto, utilize velas brancas. Estas podem representar a pureza (branco) da energia espiritual (fogo). O incenso dá também um belo toque e sempre contribui para o trabalho ritual. Se diz que o incenso representa as orações que se elevam até Deus. Neste ponto, não tem importância o tipo de incenso utilizado. Busque simplesmente um aroma que aprove e utilize-o.

Existem quatro instrumentos tradicionais, ou “armas”, utilizadas pelos magos cerimoniais. Em capítulos posteriores indicaremos os detalhes de sua construção. Esses instrumentos são a vara, o cálice, a espada/adaga e o pantáculo. Também pode utilizar um copo de papel para representar o elemento Água, sal (no lugar de um pantáculo) para representar o elemento Terra, um palito de fósforo (no lugar da vara) para representar o elemento Fogo e uma pena (no lugar de uma espada) para representar o elemento Ar.

No altar, tenha um símbolo para cada um dos elementos ou não tenha nenhum. Não deve ter nenhum desequilíbrio nas energias que os elementos representam. Se dispõe das armas, o símbolo do Ar deveria situar-se no ponto do altar correspondente ao Leste, o símbolo do Fogo no Sul, o símbolo da Água no Oeste e o da Terra no Norte. Se dispõe dos instrumentos, estes devem estar envoltos num pedaço de tecido de seda ou de algodão enquanto não sejam utilizados a vara em cor vermelha, o cálice em cor azul, a espada em cor amarela e o pantáculo em cor negra. As lojas de artigos de magia e prestidigitação normalmente têm esses panos de seda e de outras cores e formas.

Também é possível que deseje utilizar uma campainha. Pode utilizar para marcar o início e o fim do ritual, assim como para separar as diversas partes de cerimonias mais complexas.

Outro artigo que deve ter é a roupa adequada. Enquanto que algumas tradições espirituais utilizam a nudez ritual, a Magia Cerimonial tempre utilizou roupas especiais. Tradicionalmente, são as túnicas “Tau”, brancas ou pretas, assim chamadas porque quando se extendem os braços a figura se parece à letra grega Tau. É uma túnica muito parecida às que vestem as pessoas que cantam em coros ou os anjos que aparecem nos filmes. Entretanto, não é necessário usar túnica. O objetivo de vestir uma túnica é o de demonstrar fisicamente tanto ao consciente como ao subconsciente

que já não estamos com nossas roupas habituais. É uma forma muito clara de demonstrar que nos dispusemos a realizar algo muito especial e espiritual. Se você não tem acesso aos elementos necessários para elaborar ou obter uma túnica, simplesmente busque em seu armário alguma roupa não usada há muito tempo ou compre uma roupa nova. Lave-a conscientemente. A partir de agora, vista esta roupa somente quando esteja disposto a realizar o trabalho ritual e nunca por nenhum outro motivo. Deste modo, ainda que se trate de roupas normais, se transformarão em algo mágico, e você quando a colocar que está preparado para realizar algo especial.

Desejaria que ficasse muito claro uma coisa: não deve esperar ter todos os instrumentos para começar a trabalhar no RMPB. Deve começar a praticá-lo tão logo quanto comece a estudá-lo na seguinte lição. Eu ofereci algumas instruções sobre os instrumentos que poderia querer ter, para que você possa começar a buscá-los a partir de agora. Porém, uma vez que esteja instruído acerca do uso do ritual, deve começar a praticá-lo imediatamente. O único elemento necessário para realizar o ritual é um espaço aonde possa estar só e não ser incomodado. Pode consegui-lo trancando-se no banheiro, se for necessário! E lembre: quanto mais pratique o ritual, melhor o fará.

E lembre: quanto mais pratique o ritual, melhor o fará. No RMPB desenhará grandes estrelas de

No RMPB desenhará grandes estrelas de cinco pontas, pentagramas, no ar, de uma determinada forma. Sua mão esquerda deve permanecer ao lado do corpo. Se tem um punhal (não a adaga do Ar; utilize outra para o RMPB), sustente-o com a mão direita. Se não o possui, feche a mão e estique o dedo indicador. Aponte a parte externa de seu quadril esquerdo. Trace uma linha por cima de sua cabeça, logo dirija a ponta da adaga para a parte externa de seu quadril direito. Em seguida, mova a ponta e a situe na parte externa de seu ombro esquerdo e logo dirija horizontalmente através de si, de modo que fique situada na parte externa do ombro direito. Finalmente, volte a situa-la no quadril esquerdo para finalizar exatamente no mesmo ponto em que começou. Seu

dedo ou a ponta da adaga deve estar apontado sempre para frente, longe de você. Veja o esquema que aparece abaixo:

Início
Início

Acima da cabeça

Ombro esquerdo

Ombro direito

Quadril esquerdo

Quadril direito

Fim

O Pentagrama de Banimento (Terra)

Enquanto desenha os pentagramas, deveria visualizá-los como se fosse de uma cor azul brilhante e puro. É a mêsma cor que produzem as descargas elétricas, a chama de um forgão a gás ou que aparece quando se acende um pequeno prato cheio de álcool líquido. Se não consegue visualisá-lo suficientemente bem como para “ver” realmente o pentagrama em chamas enquanto o desenha, simplesmente saiba, sem nenhuma dúvida, que se houvesse desenvolvido melhor a visão psíquica seria capaz de vâ-lo. Saiba que está ali. “Veja” como a chama segue a ponta da adaga ou dedo a medida que desenha o pentagrama no ar e saiba que a chama está ali.

Ainda que a visão geral que oferece este livro te proporcione uma ideia nítida, quando você se dispor realmente a fazer o trabalho pratique os rituais apresentados até este ponto e estudo todo o material por pelo menos um mês antes de prosseguir com a lição seguinte.

REVISÃO

As seguintes perguntas foram pensadas para ajudá-lo a determinar se aprendeu bem a informação da “Lição 1”. Por favor, tente respondê-las sem consultar o texto. As respostas estão no “Apêndice 2”.

1. Quais são as quatro possibilidades que podem acontecer quando sonhamos?

2. Que é seu texto pessoal, secreto e mágico?

4.

Que comparação estabelece Arthur C. Clare entre a magia e a tecnologia?

5. Defina a Magia Branca, a Magia Negra e a Magia Cinza.

6. Como é possível evitar a possibilidade de cair acidentalmente na Magia Negra?

7. Qual é a primeira menção do Tarô na história?

8. Que diferença existe entre tirar a sorte e praticar a adivinhação?

9. Cite três motivos para realizar o Ritual Menor de Banimento do Pentagrama.

As seguintes perguntas somente você pode responder:

1. Mantém o diário dos sonhos e o dos rituais?

2. Pratica regularmente o Ritual de Relaxamento?

3. Trabalho com o Tarô?

4. Por que deseja estudar magia?

5. Acredita que compreendeu realmente esta lição?

BIBLIOGRAFIA

BONEWITZ, P.E.I.: Real Magick (ed. revisada), Creative Arts,

BUTLER, Bili: Dictionary of the Tarot, Schocken, 1975.

CONWAY, David: Ritual Magick, E.P. Dutton, 1978.

CROWLEY, Aleister: Book 4, Sangreal, 1972.

— Magick in Theory and Practice, Dover, 1976. (Trad. esp.: Magia. Teoría y práctica,

Madrid, L. Cárcamo, 1986.)

GETTINGS, Fred: The Book of Tarot, Triune, 1973.

KING, Francis: Ritual Magick in England, N.E.L, 1972.

— y SKNNER, Stephen: Techniques of High Magic, Warner Destiny, 1976. (Trad. Esp.: Técnicas de alta magia, Madrid, L. Cárcamo, 1990.)

REGARDIE, Israel: Foundations of Practical Magic, Aquarian, 1979.

WANG, Robert: The Qabalistic Tarot, Weiser, 1983.

— The Secret Temple, Weiser, 1980

LIÇÃO 2

PRIMEIRA PARTE

Nesta parte você receberá instruções exatas para realizar o Ritual Menor de Banimento do Pentagrama. Antes de seguir com esta lição, volte a repassar a terceira parte da “Lição 1”. Assegure-se de estar familiarizado completamente com todas as ideias daquela parte antes de seguir com esta.

RITUAL MENOR DO PENTAGRAMA DE BANIMENTO

PREPARATIVOS

Para começar, vá até a superfície aonde vai realizar o ritual. Se tem um altar como os que foram descritos na lição anterior, coloque-o no centro exato da superfície. É recomendado tomar um banho purificador antes do ritual. Este tipo de banho não pretende apenas limpar sua pele da sujeira, mas também limpar seu espírito da negatividade e das preocupações do dia. Em primeiro lugar, tome uma ducha para lavar a sujeira. Logo, encha a banheira de água quente. Acrescente à água algum tipo de sal de banho ou de magnésio que contenha algum óleo aromático ou algum tipo de perfume. Na sequência, submerja-se na banheira por alguns minutos. Sinto como todos seus problemas, suas preocupações e sua negatividade passa para a água. Logo, retire a tampa e deixe que a água escorra, enquanto você permanece nela. Na medida que a banheira se esvazia, sentirá que todas as coisas negativas que o preocupavam vão com a água. Quando toda a água tenha escorrido, saia e seque-se com uma toalha limpa e fresca. Finalmente, vista-se com a túnica ou com roupas mágicas especiais.

Se os possui, coloque os quatro instrumentos que representam os elementos mágicos em cima do altar (ou em cima da mesa, da cadeira ou do chão). Recorde que devem estar todos presentes ou não utilize nenhum. Coloque também as cartas dos Arcanos Maiores em uma pilha, em cima do altar. Aproxime uma cadeira ao local do ritual para poder sentar-se. Como pode ver no esquema abaixo, você estará voltado para o Leste. Se tem velas, acenda-as e apague qualquer tipo de luz eétrica que estiver acesa. Se é dia, evidentemente poderá fechar as cortinas. O objetivo que deve perseguir é que o local esteja iluminada somente pela luz das velas. Ademais, acenda também neste momento qualquer tipo de incenso que deseje utilizar.

Leste Você Norte Altar Sul Cadeira Oeste
Leste
Você
Norte
Altar
Sul
Cadeira
Oeste

Sente-se na cadeira, olhando para o Leste e realize o Ritual de Relaxamento. Toma a adaga (não a adaga do Ar) com a mão direita, ou estenda o dedo, segundo foi indicado na lição anterior. Esteja consciente de que se encontra na presença de Deus. O ritual começou!

PRIMEIRA PARTE: A CRUZ CABALÍSTICA

Primeiro passo: Visualize a si mesmo ficando maior e mais alto, até que se eleve acima da habitação na qual se encontra. Siga com esta visualização de crescimento até que a cidade na qual vive seja muito pequena sob seus pés. Veja o continente como algo muito pequeno comparado com seu corpo majestoso. Agora, inclusive a Terra é muito pequena. Entretanto, por menor que seja a Terra, segue firme e sólida sob seus pés, fixando-o ao solo. Não vá sair flutuando.

Na sequência, visualize-se crescendo tanto que os planetas de nosso sistema solar sejam como pequenas bolas de chiclete, girando a seus pés. Logo começa a ser tão difíceis de ver até mesmo a Via Láctea, que se converte em um pequeno ponto de luz a seus pés. Agora, visualize um ponto luminoso que aparece de muito longe, por cima de sua cabeça. Saiba que este ponto é somente uma pequena parte da luz que desprende a fonte original e que pudesse ver toda a claridade desta luz, imediatamente ficaria cego e, possivelmente, louco. Esta pequena porção da luz ilimitada e infinita forma uma esfera branca e brilhante de luz pulsanta sobre sua cabeça. Tem um diâmetro de 22cm, o tamanho aproximado de um prato. É mais luminosa que dez mil sóis, porém segue sendo somente uma pequena porção desta fonte de luz branca, divina e espiritual. Aponte esta esfera acima de sua cabeça com a adaga ou com o dedo e “faça que descenda” (apontando) até sua frente, bem acima dos olhos e no meio deles. Logo, visualize como este brilho enche sua cabeça de luz divina. Apontando sua frente, pronuncie com voz brilhante: A-TÁ (a sílaba em caixa alta indica ênfase).

Segundo passo: Faça descender a ponta da adaga (ou seu dedo) firmemente pelo seu corpo até chegar a apontar para o solo. A mão que sustenta a bainha da adaga deve cobrir a virilha. Enquanto faz isso, visualize a luz de sua cabeça descendo com a lâmina (ou com o dedo) ao longo de todo seu corpo e além de seus pés, até a eternidade. Pronuncie com voz vibrante: Mal-KuT.

Terceiro passo: Agora traga a lâmina até seu ombro direito. Enquanto o faz, visuzlize como a luz branca que parte do centro do seu corpo forma um raio desde a região de seu coração até sua direita, mais além da lâmina situada em seu ombro direito. Veja como este raio de luz se extende até o final do universo, e mais além. Concentre-se nesse raio e pronuncie com voz vibrante: Vi-guebu-rÁ.

Quarto passo:: Deslize a ponta da lâmina horizontalmente até seu ombro esquerdo. Enquanto faz isso, visualize o raio de luz branca se extendendo agora através do

espaço infinito, a sua esquerda. Concentre-se neste raio de luz, pronuncie com voz vibrante: Ve-guedu-lá.

Quinto passo: Junte as mãos a frente de seu peito, como em oração. Se tem utilizado uma adaga, a ponta deve estar voltada para cima, não para fora, nem para os lados ou para baixo. Visualize no interior de seu peito, no ponto coberto pelas suas mãos fechadas, um resplendor dourado e brilhante. Pronuncie com voz vibrante: Le-o- LAM, A-MÉN.

O significado desta primeira parte do Ritual Menor do Pentagrama para Banimento é

o seguinte: Atá significa “teu” em hebraico. A visualização descrita anteriormente em

conjunto com a sinalização adequada da adaga (ou do dedo) serve para indicar que você está unindo seu Eu Superior com o divino. Malkut significa “reino” e, segundo a Cabala, faz referência à Terra. É por este motivo que deve apontar para baixo. Ve- guebu-rá significa “e o poder”, enquanto Ve-guedu-lá é “a glória”. Leolam significa “para sempre” e Amém, por óbvio, “amém” (numa lição posterior, aprenderá o significado secreto da palavra Amém).

Assim pois, a primeira parte deste ritual se traduz por “Teu é o reino, o poder e a glória para sempre, Amém”. Lhe são familiares estas palavras? Formam parte da oração do Senhor e, apesar de terem aprendido a oração tal como aparece nos Evangelhos, parecenm demonstrar que pelo menos alguns dos primeiros cristãos conheciam os segredos da Cabala. Várias das palávras utilizadas aqui fazem referência direta ao símbolo de maior importância da Cabala: a Árvore da Vida.

Existem diversas variações desta parte do ritual. A Aurora Dourada, no segundo passo, apontava até o peito. Os telemitas, aqueles que seguem os ensinamentos de Aleister Crowley, apontam até o peito entre os passos um e dois, enquanto pronunciam Aiwass. Crowley acreditava que Aiwass era o nome de seu Sagrado Anjo Guardião (o de Crowley), e que se tratava de uma inteligência extraterrestre. Alex Sanders, fundador do sistema de Wicca alexandrino, pronuncia Keter no primeiro passo e aponta para o estômago no segundo. No lugar do AMÉM, muitas pessoas preferem dizer AUM ou AUMGN ou ainda uma combinação como AUM-ÉM.

Como comentário final a esta parte, acaso ainda não o tenha deduzido, indicarei que é necessário visualizar-se a si mesmo como centro do universo acompanhado somente pela luz divina que recorre. Se o desejar, pode seguir nesta posição por alguns minutos para sentir seu poder.

Segunda parte: a formulação dos Pentagramas

Primeiro passo: Dirigindo-se a sua esquerda, de a vlta para frente do altar, até o limite do espaço de seu círculo, de modo que se encontre no extremo Leste do mesmo

e olhando para o lado contrário ao centro do círculo, aonde se encontra o altar. Em

outras palavras, es encontra no Leste e olhando para o Leste. Daí, desenhe um pentagrama segundo foi explicado na lição anterior. Asegure-se, enquanto desenha,

de visualizar a figura como se tratasse de um pentagrama da cor azul da chama de gás.

Segundo passo: Inale pelo nariz. Enquanto o faz, sinta que a energia flui desde os confins do universo através de seu nariz e seu corpo e desce pela ponta de seus pés até o centro da Terra. (Agora já não se encontra no centro do círculo mágico e, portato, já não ocupa o centro do universo que ocupava na primeira parte desse ritual.) Enquanto inala, deve ter as mãos levantadas a ambos os lados da cabeça, junto às orelhas. A adaga (ou o dedo indicador da mão direita) deve apontar para frente. Sua mão esquerda (que deveria ter permanecido a seu lado até este momento) adota uma posição similar junto a sua orelha esquerda, com o dedo indicador apontando para frente e o resto dos dedos cerrados em um punho.

Terceiro passo: Dê um passo para frente frente como o pé esquerdo. Ao mesmo tempo, dirija os braços para frente, de modo que apontem o centro exato do pentagrama azul incandescente que está diante de você (esta posição é conhecida como uma “Forma Deus” e é a forma de Deus chamada O Que Entra). Enquanto faz isso, deve exalar e sentir que a energia sai de seu corpo, por seus braços e suas mãos, atravessa o pentagrama e se dirige aos confins do universo. Deve utilizar toda a exalação para pronunciar o nome de Deus: Yod-he-vav-he.

Quarto passo: Volte a por as mao junto às orelhas enquanto devolve o pé esquerdo a sua posição original. Baixe a mão esquerda e a coloque junto a você. Aponte para o centro do pentagrama com o dedo indicador da mão direita (ou com a adaga). Agora trace uma linha no ar à altura do centro do pentagrama enquanto anda no sentido dos ponteiros do relógio ao redor dos limites de seu espaço circular. Deve deslocar-se 90 graus para finalizar no Sul. Enquanto traça a linha no ar, deve visualizar uma luz branca brilhante que emana da ponta de seu dedo ou da adaga. No Sul, repita o terceiro passo, porém ao final pronuncie com voz vibrante A-do-NAY.

Quinto passo: Repita o anterior, mas deslocando-se para o Oeste e pronuncie com voz vibrante: E-hy-É.

Sexto passo: Repita o anterior porém se deslocando para o Norte e pronuncie com voz vibrante: A-glá.

Sétimo passo: Complete o círculo conectando uma linha branca do Norte até o Leste, aonde começou. Logo, caminhando na mesma direção das agulhas do relógio, situe- se novamente detrás do altar e diante da cadeira, como quando começou o ritual. Deve estar de novo voltado para o Leste. (Veja o esquema que aparece abaixo.) Se não dispõe de espaço suficiente para descrevero círculo, gire simplesmente desde onde se encontra, detrás do altar.

Oitavo passo : Agora visualize como o círculo branco e brilhante se estende para cima

Oitavo passo: Agora visualize como o círculo branco e brilhante se estende para cima e para baixo até formar uma esfera que passa por cima de você, por debaixo e ao seu redor. O que fez foi criar uma esfera de uma brancura brilhante a seu redor com pentagramas de azul elétrico nos quartos que foram carregados e selados com nomes de Deus.

Na maioria das cidades importantes dos Estados Unidos existem periódicos de distribuição gratuita (a publicidade paga os gastos) que costuma conter listas dos acontecimentos que são celebrados na comunidade. Como resultado de consultar estas listas, tenho visto algumas vezes “eruditos” judeus, que pretendiam ser rabinos e que falavam sobre a Cabala. Nessas ocasiões isto me resultou uma perda de tempo e demonstrou que estes homens não sabiam nada de Cabala, ou ao menos que tinham pouca consideração por seu pṕublico e não desejavam com eles compartilhar seus conhecimentos. Um deles chegou inclusive tão longe que disse a seu público, majoritariamente judeu, que duvidava da Cabala pois os judeus somente deveriam crer em um Deus e que enquanto os “cristãos nos deram três deuses [fazendo referência à trindade cristã de Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo], os cabalistas nos deram dez [fazendo referência aos dez nomes de Deus que aparecem na Árvore da Vida]”. Isto demonstra um absoluto desconhecimento que deve ser esclarecido agora mesmo. Qualquer desses “eruditos” deveria poder explicar por que os mais famosos e importantes rabinos da história, como Isaac Luria e Baal Shem Tov, eram cabalistas “politeístas”.

A Cabala é uma tradição monoteísta. Na Cabala, a origem divina última está além da compreensão de nossas mentes mortais. Porém podemos adquirir conhecimento e conseguir a harmonia com partes ou aspectos do todo. Estes diversos aspectos estão

representados pelos diferentes nomes de Deus. Comparemos esta ideia do Divino com uma pessoa normal e corrente, a qual chamaremos John Smith.

uma pessoa normal e corrente, a qual chamaremos John Smith. 1. Sua mãe o chama “filho”

1. Sua mãe o chama “filho”

2. Sua esposa o chama “amor”

3. Sua filha o chama “paizinho”

4. Seu filho o chama “papai”

5. Seu chefe o chama “Smith”

6. Seus amigos o chamam “Smitt”

7. Seus companheiros de trabalho o chamam “John”

8. Os velhos amigos o chamam por seu apelido de infância, “Binkey”

9. Sua amante o chama “Cielito”

10.Seus clientes o chamam “senhor Smith”

Assim, temos um só homem com dez nomes. Mais ainda, os nomes representam o tipo de relações que as pessoas mantém com ele. Imaginemos o que pensaria se sua mulher começasse a chamá-lo “Cielito” Certamente extranharia se seu filho, no lugar de chamá-lo “papai” disesse: “pai, gostaria de falar com você sobre uma coisa”. Da mesma forma, há muitos nomes para referir-se a Deus, porém somente há uma única

origem de tudo. Podemos aprender mais coisas sobre a origem divina estudando aqueles aspectos de Deus que nos são acessíveis, sintonizando com o que representam os nomes de Deus.

Yod-He-Vav-He é considerado o nome sagrado, último e impronunciável de Deus. A pronúncia correta é desconhecida. Pareceria que está formado pelas letras Y-H-V-H. Os judeus nunca pronunciam o nome, e em seu lugar dizem: Adonay. Colocando as vogais hebraicas de Adonay (que significa “meu senhor”) ao lado das quatro letras que conhecemos como Tetragrammaton, são formados os nomes Yahovah ou Jehovah. Assim, o fato de utilizar estes “nomes” mostra uma absoluta confusão deste nome sagrado. Yahovah ou Jehovah são também nomes inapropriados, tentativas de pronunciar uma palavra que não tem vogais. Como pode ver, YHVH poderia ser simplesmente a abreviação de um nome maior ou um código para outras letras. É possível que algumas das letras deste nome estejam dobradas. Ninguém sabe com segurança. Yod-He-Vav-He é a transcrição portuguesa da pronúncia das letras hebraicas representadas por YHVH. Sobre o Y, ou yod, se diz que representa a masculinidade arquetípica (o Yang taoísta ou o Animus de Jung), e a primeira H, chamada a He superior, representa a feminilidade arquetípica (o Pan taoísta ou o Anima de Jung). O V, chamada vav em hebraico, parece ser um Yod ampliada e representa a masculinidade física, enquanto que o último H, o He inferior, representa a feminilidade física. Assim, este nome último de Deus, o Tetragrammaton, a palavra YHVH, diz que Deus é a unidade última, uma mescla perfeita de todas as dualidades (representadas pelo simbolismo masculino-feminino) em todos os planos. Certamente, não se trata de um mal conceito da essência da Divindade.

Ehyé significa “eu sou” ou “eu serei”. Se trata do nome que Deus revelou a Moisés no arbusto ardente. Na história, Deus ordena a Moisés que vá ao Egito e liberte o povo judeu, ao que Moisés pergunta: “Quem digo que me envia?”, A resposta de Deus é Ehyé aser Ehyér, que significa “Eu sou o que sou” ou “Eu serei o que serei”.

A-glá é a pronúncia do seguinte nome de Deus, porém normalmente é escrito AGLÁ. Isto é devido a tratar-se de uma abreviação das palavras A-tá Gue-bur Le-o-lam A-do- nay. Significa “Sois grande para sempre, meu senhor” e forma parta de uma oração hebraica. Estes quatro nomes de Deus estão associados com as direções e os elementos mágicos dos quatro quadrantes.

Terceira parte: A evocação dos Arcanjos

Primeiro passo: Estenda seus braços retos para os lados, de modo que seu corpo forme uma cruz. Se tem uma adaga, a ponta deve apontar para cima. Espere um segundo ou dois para sentir de novo que as energias fluem através de você e o convertem em uma cruz brilhante de luz no centro do universo. A cruz representa também os quatro elementos arquetípicos: Ar. Terra, Fogo e Água (mais adiante falaremos deles).

Segundo passo: visualize uma figura acima de uma colina, diante de você. A figura veste roupas amarelas com alguns toques de cor púrpura. A figura sustenta uma vara em forma de caduceu (o símbolo utilizado pelos médicos: uma vara com serpentes enroladas que representa a força da vida) e as roupas da figura balançam ao vento. Deve “sentir” uma brisa procedente da figura. Diga, “Diante de mim, Ra-fa-EL” (pronuncie com voz vibrante o nome do arcanjo).

Terceiro passo: Visualize uma figura atrás de você, vestida de azul com toques de cor laranja. A figura sustenta uma taça e está rodeada de quedas d’água. Tente sentir a umidade no ar. Diga, “Atrás de mim, Ga-bri_EL” (pronuncie o nome com voz vibrante).

Quarto passo: Visualize a sua direita uma figura vestida de escarlate com toques verdes. A figura sustenta uma espada em chamas e deveria você sentir o calor procedente daquela direção. Diga “A minha mão direita, Mi-ka-EL” (pronuncie o nome com voz vibrante).

Quinto passo: Visualize a sua esquerda uma figura vestida de tons verdes e marrons sobre uma paisagem fértil. A figura sustenta alguns ramos de trigo. Diga: “E a minha mão esquerda U-ri-EL” (pronuncie o nome com voz vibrante).

Sexto passo: Separa seu pé esquerdo para a esquerda e visualize outro pentagrama azul ao redor de você, , desenhando seu corpo. Diga, “A meu redor arde o pentagrama ”

Sétimo passo: Visualize um hexagrama dourado, uma estrela de seis pontas, chamada às vezes estrela judaica, em seu interior, exatamente no ponto em que se encontra o coração. Diga: “… E em meu interior brilha a estrela de seis pontas.”

Quarta parte: Repita a primeira parte, a Cruz Cabalística.

Novamente, há pessoas que realizam versões distintas da parte da evocação dos Arcanjos. Segundo uma destas versões, você deveria dizer: “A meu redor arde o pentagrama, sobre mim brilh a estrela de seis pontas”. Em outra versão se dia “Diante de mim está o pentagrama, e atrás a estrela de seis pontas”. Se tratam de insignificantes diferenças, porém pode experimentá-las e ver como te afetam.

Uma vez terminado o RMP, sente-se na cadeira e realize o Ritual de Contemplação do Tarô. Assim, a ordem que deve seguir seu trabalho prático diário é o seguinte:

-Ritual de Relaxamento

-Ritual de banimento Menor do Pentagrama

-Ritual de Contemplação do Tarô.

Abaixo, encontrará um resumo que lhe oferece um esquema do RMP sem nenhuma das explicações. Utilize-o enquanto aprende o ritual, porém não esqueça que este ritual deve ser memorizado!

Ritual Menor de Banimento do Pentagramas

1. Toque sua testa, pronuncie com voz vibrante: A-tá.

2. Aponte para baixo, cobrindo sua virilha, e pronuncie com voz vibrante: Mal- kut.

3. Toque seu ombro direito, pronuncie com voz vibrante: Ve-guebu-rá.

4. Toque seu ombro esquerdo, pronuncie com voz vibrante: Ve-guedu-lá.

5. Feche as mãos diante do peito, pronucie com voz vibrante: Le-olam, A-mém.

6. Vá para o Leste, desenhe um pentagrama, aponte para o centro, pronuncie com voz vibrante: Yod-he-vav-he.

7. Leve uma linha até o Sul, sesenhe o pentagrama, aponte para o centro, pronuncie com voz vibrante: A-do-nay.

8. Repita o anterior, porém leve a linha até o Oeste, pronuncie com voz vibrate:

E-Hy-e.

9. Repita o anterior, porém leve a linha até o Norte, pronuncie com voz vibrante:

A-glá.

10.Leve a linha até o Leste, completando o círculo, e volte ao centro.

11.Com as mãos para fora, diga: Diante de mim, Ra-fa-el; Atrás de mim, Ga-bri- el; A minha mão direita, Mi-ka-el; e a minhja mão esquerda, Uri-el; A meu redor arde o pentagrama, E em meu interior brilha a estrela de seis pontas.

12.Repita os passos de 1 a 5.

FÓRMULAS VIBRATÓRIAS

No RMP, há palavras que devem ser pronunciadas de forma contundente e com autoridade, por exemplo, “A meu redor arde o pentagrama”. Porém também há nomes em hebraico que devem ser pronunciados com “voz vibrante”. Deve ter encontrado esta expressão durante a leitura e agora explicarei o que significa.

Durante muito tempo, existiu um segredo oculto o fato de que a matéria é formada de vibração. Atualmente, muitos cientista se baseiam na realidade desta informação para suas investigações. Se assumirmos o fato de que toda a matéria é energia vibratória, então a magia se converte em um tipo de ciência que permite que uma pessoa altere as vibrações. Será muito importante para nós aprendermos a controlar a energia vibratória.

Existe um fenômeno físico conhecido como “ressonância harmônica”. Isto significa, simplificadamente, que se um objeto vibra com a força suficiente, outro objeto próximo começará a vibrar (ou ressoar) com o primeiro. Por exemplo, se é tocada a nota de um violino próximo de um piano, as cordas do piano que têm certa relação harmônica com a nota do violino soarão, começarão a ressoar. Do mesmo movo, se você é capaz de controlar a cadência de vibração de um objeto, por exemplo, de você mesmo, poderá provocar determinadas reações em outros objetos, por exemplo, naqueles que habitam em outros planos de existência. Consequentemente, é muito importante para um mago saber pronunciar as palavras com voz vibrante.

Há dois métodos de fazer vibrar as palavras, conhecidos popularmente como “as fórmulas vibratórias”. A primeira é uma fórmula interna (invocatória). Nesta fórmula, provocamos que vibre uma determinada parte de nosso corpo (na realidade, parte de nosso corpo astral). Isto está exemplificado na parte da Cruz Cabalística do RMP, Tomemos a palavra A-tá. O que deve fazer aqui é inalar completamente, até que não sobre espaço para sequer mais uma gota de ar. Logo, utilizará toda a exalação para pronunciar a palavra com voz vibrante. Deste modo, a palavra se alarga:

AAAAAAA-TÁÁÁÁÁÁÁ. Deve pronunciar-se em voz alta, com um tom de voz parecido ao de um canto. O tom será normalmente superior ao de eu tom normal de voz. Se trata quase de um grito, O mais importante é que note que a palavra vibra ou ressoa no interior de sua cabeça. De igual modo, Mal-kut deve sentir na virilha, Ve- gebu-rá na zona do ombro direito, etc.

O segundo método vibratório é a fórmula externa (evocatória). O que se pretende com esta fórmula é excitar a atmosfera (na realidade, o chamado Plano Astral) que nos rodeia. Isto está exemplificado na parte da “Formulação dos pentagramas” do RMP. O método é bastante parecido ao da fórmula invocatória. Se trata de inalar completamente e, enquanto exalamos, devemos pronunciar com voz alta e vibrante as palavras adequadas, neste caso os nomes de Deus. Aqui, os nomes de Deus se alargam até converterem-se em: AAAAAAA-GLÁÁÁÁÁÁÁ. Devemos utilizar toda a exalação na pronúncia do nome de Deus ou das palavras quando realizamos a fórmula evocatória. A diferença principal entre as duas fórmulas é que na evocatória deve você sentir que todo o universo que tem ante si ressoa em harmonia com sua vibração. Deve sentir como todo seu corpo e todo o universo vibram com sua chamada.

Existem variações menores destas duas fórmulas básicas, como a de ver arder ante nós as palavras due desejamos fazer vibrar e fazer que a vibração recarregue e aviva

as chamas. Outra forma consiste em soletrar a palavra segundo um método determinado no interior de nosso corpo. Estas variações não são tão importantes como as instruções indicadas aqui.

Alguns estudantes de magia não podem permitir-se o luxo de dispor de um espaço aonde possam pronunciar com voz vibrante, forte, firme e autoritária os nomes de Deus e as palavras de poder. De fato, necessitam manter seu trabalho em segredo, Se você se encontra nesta situação, pode utilizar o que se chama, para disfarçá-la, a “Grande Voz”. Quer dizer, pode realizar as fórmulas vibratórias em silêncio ou em voz muito baixa, quiçá ao nível de um sussurro ou de uma conversa tranquila. Entretanto, ainda que o faça assim, deve experimentar igualmente o fenômeno vibratório. Deve notar como vibram as diversas partes de seu corpo ao praticar a fórmula invocatória. Deve sentir que o universo inteiro ressoa em harmonia quando utiliza a fórmula evocatória. Em outras palavras, deve obter os mesmos resultados tanto se pronuncia as palavras em voz alta e vibrante como se utilizar a Grande Voz.

Se pretende utilizar a Grande Voz regularmente, lhe sugiro que busque um lugar aonde possa praticar usando a voz alta e forte algumas vezes. Quando tudo a seu redor parecer mudar ligeiramente, saberá que está pronunciando as palavras com a vibração correta. Estas mudanças não são físicas, mas sentirá que o lugar ficou diferente. Se pratica utilizando o RMP (uma ótima ideia) sentirá que o lugar é mais limpo e mais fresco. Também é possível que descubra que deve adaptar o tom de sua voz, aumentando ou diminuindo, para conseguir que tudo vibre da forma adequada. Quando encontrar o tom correto para você, saberá! Sua voz soará mais forte e mais autoritária, e o ar parecerá estar cheio de energia crepitante. Então, saberá a que nos referimos quando dizemos que “a voz de um mago autêntico é algo impressionante de escutar”.

Como nota final do RMP, lembre de incluir tudo o que realize em seu diário mágico e, o mais importante:

“Pratique o RMP com sentimento!

Pratique-o muitas vezes!

Inflame-se com a oração!”

SEGUNDA PARTE

Um dos principais medos de muitos ocultistas é o “ataque psíquico”. Entretanto, a verdade é que os autênticos ataques psíquicos são muito escassos. O motivo de que sejam tão escassos é que quando uma pessoa tem a habilidade e o talento suficientes para atacar psiquicamente, tem também o suficiente conhecimento místico para saber como não atacar. Nos últimos dez anos, ao menos uma centena de pessoas me tem pedido ajuda porque acreditavam ser vítimas do ataque psíquico. Também conheço a muitos professores de metafísica é a muitos psicólogos que me contaram suas

experiências com gente que buscava a eles assegurando ser vítimas do ataque psíquico, Das centenas de afirmações que ouvi de gente que se cria vítima do ataque psíquico, quiçá cinco casos eram reais, os outros eram produto da imaginação.

Seja como for, a sensação de encontrar-se sob um ataque psíquico pode chegar a ser muito real. Ademais, nossas psiques estão submetidas constantemente ao ataque da sociedade: os vendedores nos ordenam que compremos; os anúncios de televisão nos ordenam que compremos; os amigos, a família e os estranhos, conscientemente ou não, intentam manipularmos psicologicamente e influenciar-nos. Assim, pois, necessitamos estar alertas ante à lavagem cerebral diária a que somos submetidos, e devemos saber o que podemos fazer se é realizado um autêntico ataque psíquico.

Normalmente, os ataques psíquicos autêntico não são provocados por uma pessoa que tenha feito algum sortilégio para prejudicar-lhe. Normalmente são provocados por uma ou várias pessoas que por algum motivo estão enojadas de você. O enfado provoca que lhe enviem, sem sabê-lo, uma corrente de energia carregada de ira. O mais prováveis, entretanto, é que você simplesmente acredite que está recebendo certa negatividade. Em qualquer caso, se sentirá como se fosse vítima de um ataque e ambas as circunstâncias pode ser tratadas da mesma forma.

Como fazer frente ao ataque psíquico

Este excelente método para defender-se do ataque psíquico deriva do manual de Dennin e Phillips, Guia prático para a autodefesa e o bem estar psíquicos. Feche os olhos e gire em um círculo até que possa sentir a direção da qual procede a corrente real ou imaginária de energia negativa. Uma vez que tenha sentido a direção, encare com valentia! O caminho do mago não é um caminho de covardes. Mantenha-se ereto, com orgulho, e visualize cm sua frente um pentagrama azul elétrico brilhante com uma das pontas para cima. Logo, levante as mãos até a frente para circular a estrela brilhante. As maos deve estar retas, os dedos polegares devem tocar-se à alturas das sobrancelhas, as palmas devem estar voltadas para fora,. Deste modo terá um triângulo, o chamado Triângulo da Manifestação, margeando o pentagrama com os polegares como linha de base do triângulo (veja a figura a seguir).

da Manifestação , margeando o pentagrama com os polegares como linha de base do triângulo (veja

Agora realize uma inspiração profunda e, quando exalar, dê um passo para frente com

o

pé esquerdo e atire as mãos para frente enquanto, ao mesmo tempo, visualiza como

o

pentagrama de sua frente sai voando na direção até a qual você encara. Com Isto

enviará para fora a negatividade do ataque real ou imaginário. Para evitar que volte,

deve realizar imediatamente o RMP completo.

Poder fazer frente aos ataques diários que recebe sua psiquê, procedentes de múltiplos lugares, já é outra questão,., A prática do RMP pode ajudar, porém, o problema é realmente de dimensões impressionantes. O fato é que a maioria de nós passamos virtualmente inconscientes, adormecidos, o 95% do dia! Despertar aos adormecidos era um dos objetivos principais do trabalho de Georges Gurdjieff. Lhes incentivo também a ler tantos livros quanto possam sobre psicologia, já que isto lhes permitirá conhecer o funcionamento da mente e o modo como algumas pessoas manipulam a outras.

Magicamente falando, outra das formas de estar mais desperto ao mundo que nos rodeia se baseia em sintonizar mais com o universo. Uma maneira de fazê-lo é escrever no diário mágico o dia, a data e a fase da Lua. Também existem quatro

breves rituais (de menos de 30 segundos cada um) que nos ajudarão a sintonizar com

o Sol em sua corrida diária pelo céu.

As quatro adorações

(Baseadas no Libre Resh vel Helios de Crowley)

Última parte traduzida em 03/02/2019

fl. 48
fl. 48