Você está na página 1de 46

Introdução à Engenharia de Segurança do Trabalho

PNSST / PLANSAT
Adrielle Maíze da Paciência
Danilo Diniz
eSocial
Fernanda Pacheco da Silva
Gilmar Ferreira Silva
Jesuino Vieira da Silva
Juliana Stephanie Salles
Matheus Delphini
Rodrigo Gottschall Criscuolo
Valéria Ap Fernandess PROF. ENG. Octavio Alberto Franco
Principais entidades mundiais (governamentais) relacionadas à
promoção à Saúde do Trabalhador

Organização Mundial da Saúde (OMS) Organização Internacional do Trabalho (OIT) Controle


Especialista em questões de saúde e emissão de normas referentes ao trabalho no cenário
mundial. Atua em diversas áreas da internacional. Objetiva regulamentar as relações de
sociedade visando cumprir seus objetivos. trabalho por meio das convenções, recomendações e
• Estabelecer e promover normas; resoluções, protegendo relações entre empregados e
• Articular políticas éticas; empregadores.
• Prestar apoio técnico promovendo • Atua na política visando assegurar bases sólidas para
capacitação institucional sustentável; a paz mundial;
• Acompanhar e avaliar a situação da • Atua na economia visando garantir a concorrência
saúde e sua tendência mundial. mundial; e
• Atua com ações humanitárias denunciando abusos e
irregularidades relativas às condições de trabalho.
Histórico

• Convenção nº 155 da Organização Internacional do Trabalho - OIT


Dispõe sobre Segurança e Saúde dos Trabalhadores e o meio Ambiente do Trabalho, foi
publicada em 22/06/1981, sendo aprovada pelo Congresso Nacional em 18/05/1992 e
incorporada através do decreto n.º 1.254, de 29/09/1994.
Estabelece a necessidade de formular, implementar e rever periodicamente uma
Política Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho.

Fonte: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1990-1994/D1254.htm
Histórico
• Grupo Executivo Interministerial de Saúde do Trabalhador (GEISAT)
• Portaria Interministerial MT/MS/MPAS nº 7, de 25/07/1997, institui o GEISAT com o
objetivo de analisar medidas e propor ações integradas e sinérgicas que contribuam
para aprimorar as condições de saúde e segurança do trabalhador.
• Portaria Interministerial MT/MS/MPAS nº 153, de 13/02/2004, com atribuição de
reavaliar o GEISAT e cita em seu item c:

“c)elaborar proposta de Política Nacional de Segurança e Saúde do


Trabalhador, observando as interfaces existentes e ações comuns entre os
diversos setores do Governo”.

• Portaria Interministerial MT/MS/MPAS nº 800, de 03/05/2005, consulta pública para o


documento base da Política Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho.
Fonte: Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador
Histórico

• Convenção nº 187 da OIT (2006)


Expõe sobre a estrutura de promoção da segurança e saúde no trabalho, preconizando o
desenvolvimento, implantação e revisão periódica, em consulta tripartite.
Ainda não foi incorporada pelo Brasil.

• Plano de Ação Global para Saúde dos Trabalhadores – OMS (2007)


Reforça a necessidade da formulação de política de saúde do trabalhador.

Fonte: Advocacia-Geral da União


Fundacentro
Histórico

• Portaria Interministerial nº 152 de 13/05/2008

Foi instituída Comissão Tripartite de Saúde e Segurança no Trabalho – CTSST, composta


paritariamente por representações de governo, trabalhadores e empregadores, no
sentido de definir diretrizes para uma atuação coerente e sistemática do Estado na
promoção do trabalho seguro e saudável e na prevenção dos acidentes e doenças
relacionados ao trabalho.
Revisar e ampliar a proposta da Política Nacional de Segurança e Saúde do Trabalhador
– PNSST, assim como elaborar o Programa Nacional de Saúde e Segurança no Trabalho.

Fonte: Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador


PNSST - Política Nacional de Saúde e Segurança no Trabalho

DECRETO Nº 7.602, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011.

PRINCÍPIOS:

• Universalidade;
• Prevenção;
• Precedência das ações de promoção, proteção e prevenção sobre de assistência,
reabilitação e reparação;
• Diálogo social;
• Integralidade.

Fonte: Política Nacional de Saúde e Segurança no Trabalho


PNSST - Política Nacional de Saúde e Segurança no Trabalho

DIRETRIZES:
• Inclusão de todos os trabalhadores brasileiros no sistema nacional de promoção e
proteção da saúde;
• Harmonização da legislação e a articulação das ações de promoção, proteção,
prevenção, assistência, reabilitação e reparação da saúde do trabalhador;
• Adoção de medidas especiais para atividades laborais de alto risco;
• Estruturação de rede integrada de informações em saúde do trabalhador;
• Promoção da implantação de sistemas e programas de gestão da segurança e saúde
nos locais de trabalho;
• Reestruturação da formação em saúde do trabalhador e em segurança do trabalho e o
estímulo à capacitação e a educação continuada de trabalhadores;
• Promoção de agenda integrada de estudos e pesquisas em segurança e saúde no
trabalho.
Fonte: Política Nacional de Saúde e Segurança no Trabalho
PNSST - Política Nacional de Saúde e Segurança no Trabalho

OBJETIVOS:
• Promover a saúde e a melhoria da qualidade de vida do trabalhador;
• Promover a prevenção de acidentes e de danos à saúde advindos, relacionados ao
trabalho ou que ocorram no curso dele, por meio da eliminação ou redução de riscos
nos ambientes de trabalho.

Para seu alcance a PNSST deverá ser implementada por meio da articulação continuada
das ações de governo no campo das relações de trabalho, produção, consumo,
ambiente e saúde, com a participação voluntária das organizações representativas de
trabalhadores e empregadores.

Fonte: Política Nacional de Saúde e Segurança no Trabalho


PNSST - Política Nacional de Saúde e Segurança no Trabalho

GESTÃO

• Participativa; e

• Executiva
PNSST - Política Nacional de Saúde e Segurança no Trabalho

GESTÃO
Participativa cabe à Comissão Tripartite de Saúde e Segurança no Trabalho (CTSST):
• Acompanhar a implementação e propor a revisão periódica da PNSST, em processo de
melhoria contínua;
• Estabelecer os mecanismos de validação e de controle social da PNSST;
• Elaborar, acompanhar e rever periodicamente o Plano Nacional de Segurança e Saúde
no Trabalho;
• Definir e implantar formas de divulgação da PNSST e do Plano Nacional de Segurança e
Saúde no Trabalho, dando publicidade aos avanços e resultados obtidos;
• Articular a rede de informações sobre SST.
Fonte: Política Nacional de Saúde e Segurança no Trabalho
PNSST - Política Nacional de Saúde e Segurança no Trabalhado
GESTÃO
Executiva será conduzida pelo Comitê Executivo constituído pelos Ministérios do Trabalho e
Emprego, da Saúde e da Previdência Social:
• Coordenar e supervisionar a execução da PNSST e do Plano Nacional de Segurança e Saúde no
Trabalho;
• Atuar junto ao Ministério do Planejamento, orçamento e Gestão para que as propostas
orçamentárias de saúde e segurança no trabalho sejam concebidas de forma integrada e
articulada a partir de cada programa e respectivas ações, de modo a garantir a implementação
da Política;
• Elaborar relatório anual das atividades desenvolvidas no âmbito da PNSST encaminhando-o à
CTSST e a Presidência da República;
• Disponibilizar periodicamente informações sobre as ações de saúde e segurança no trabalho
para conhecimento da sociedade;
• Propor campanhas sobre Saúde e Segurança no Trabalho.
Fonte: Política Nacional de Saúde e Segurança no Trabalho
PLANSAT – Plano Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho

Objetivos
1 - Inclusão de todos trabalhadores brasileiros no sistema
nacional de promoção e proteção da SST
2 - Harmonização da legislação trabalhista, sanitária,
previdenciária e outras que se relacionem com SST
3 - Integração das ações de SST
4 - Adoção de medidas especiais para atividades laborais
submetidas a alto risco de doenças e acidentes de
trabalho
5 - Estruturação de uma rede integrada de informações
em SST
Teve origem na Política Nacional de 6 - Implementação de sistemas de gestão de SST nos
Segurança e Saúde do Trabalho. setores público e privado
Foi elaborado pelo CTSST e lançado dia 27 7 - Capacitação e educação continuada em SST
de abril de 2012. 8 - Criação de uma agenda integrada de estudos e
pesquisas em SST
Fonte: Plano Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho
PLANSAT – Plano Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho
PRAZOS

Definição dos prazos

Curto: 6 a 18 meses
Médio: 19 a 48 meses
Longo: 49 a 96 meses
Permanente

Fonte: Plano Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho


Entidades Certificadoras e os Processos de Certificação

É uma norma de Sistema de Gestão A ISO 45001 é uma norma internacional


de Segurança e Saúde Ocupacional para o Sistema de Gestão de Saúde e
(SGSSO) que visa proteger e assegurar Segurança Ocupacional (SGSSO), a qual traz
que os colaboradores de uma como foco a melhoria do desempenho de
organização tenham um ambiente de qualquer empresa em termos de Saúde e
trabalho saudável e seguro. Segurança do Trabalho (SST).

Fonte: Associação Brasileira de Normas Técnicas


ISO 45001

A ISO 45001 – Sistemas de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional é a Norma que


irá substituir a OHSAS 18001, sendo a primeira Norma ISO sobre o tema e traz ao
mercado seu reconhecimento e credibilidade.

A Norma está adequado ao Anexo SL, layout comum para todas as Normas de
Sistemas de Gestão da ISO, assim como a ISO 9001 e a ISO 14001, facilitando o já
famoso Sistema de Gestão Integrado.

● Locais de trabalho seguros e saudáveis;


● Gestão da SST aliada com a direção e estratégias da organização;
● Melhorar a integração com outras normas;
● Aumentar o envolvimento da liderança na SST;
Diferenças entre a ISO 45001 e a OHSAS 18001

Responsabilidades
Organização Algumas organizações que utilizam a OHSAS
Na 45001, há um foco mais forte no 18001 delegam responsabilidades de
“contexto da organização”. As segurança a um gerente de segurança, em
vez de integrar o sistema nas operações da
organizações terão que olhar além de
organização. A ISO 45001 requer a
seus próprios problemas de saúde e incorporação de aspectos de saúde e
segurança e considerar o que a segurança no sistema geral de gerenciamento
sociedade espera deles, em relação aos da organização, levando a alta administração
problemas de saúde e segurança. a desempenhar um papel de liderança mais
forte no que diz respeito ao sistema de
gerenciamento de SSO.

Fonte: CM Center
Diferenças entre a ISO 45001 e a OHSAS 18001

Gestão de risco
A ISO 45001 concentra-se na identificação
e controle de riscos ao invés de perigos,
como é exigido na OHSAS 18001. Essa Gestão de fornecedores
mudança é bastante significativa, pois A ISO 45001 exige que as organizações
requer da organização uma análise muito tenham em conta como os fornecedores
mais detalhada das hipóteses de risco e e os contratantes estão gerenciando
não somente daquilo que já se tornou seus riscos. Não basta mais apenas
perigoso. auditar os fornecedores ou monitorar
seus acidentes. A organização precisará
acompanhar a gestão de seus riscos.

Fonte: CM Center
Diferenças entre a ISO 45001 e a OHSAS 18001

Conceitos
Na ISO 45001 alguns conceitos
fundamentais são alterados, como risco, Documentação
trabalhador e local de trabalho. Há Na ISO 45001, os termos “documento” e
também novas definições de termos, tais “registro” foram ambos substituídos
pelo termo “informações
como: monitoramento, medição, eficácia,
documentadas”. A ISO 45001 também
desempenho e processo de SSO. afirma que a informação documentada
deve ser mantida na medida necessária
para ter confiança de que os processos
foram realizados conforme planejado.

Fonte: CM Center
Questões que afetam o SG de SST

Externas Internas
● Introdução de novos concorrentes, ● Estrutura organizacional;
fornecedores ou parceiros; ● Mudança nas Políticas, Objetivos e
● Surgimento de novas tecnologias; Estratégias da organização;
● Novas legislações e seu atendimento; ● Novos produtos, materiais;
● Novos conhecimentos sobre o produto ● Relacionamento com os trabalhadores;
e seu efeitos na SST; ● Reorganização dos horários internos;
● Relacionamento com as partes ● Condições de trabalho.
interessadas.

Fonte: CM Center
Implementação da ISO 45001
● Avaliar os “gaps” no Sistema de Gestão de SST;
● Elaborar um plano de ação compatível com as suas necessidades;
● Treinar e conscientizar a liderança e os colaboradores;
● Desenvolver/atualizar os necessários levantamentos, documentação, critérios,
regras e práticas, conforme o plano de ação, e implementar os novos requisitos e
mudanças;
● Realizar a auditoria interna;
● Realizar a análise crítica pela Alta Direção;
● Tratar eventuais não conformidades, observações ou oportunidades de melhoria,
oriundas do processo de auditoria e análise crítica;
● Acordar com o órgão certificador o processo de certificação/migração para a nova
norma (inclusive o momento de realização e a duração/método da auditoria).

Fonte: Protege medicina e engenharia do trabalho


Auditoria e Certificação

Para uma organização obter a certificação, ela precisa passar por uma auditoria de
certificação. Este processo cabe aos organismos de certificação (ou certificadores), que
são reconhecidas pelo IAF (International Accreditation Forum).

No Brasil, o representante do IAF é o Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia,


Normalização e Qualidade Industrial).

NOTA: as regras para a auditoria de certificação e competências dos profissionais que as realizarão conforme a ISO 45001:2018 estão
sendo elaboradas pelo ISO/CASCO (ISO/IEC TS 17021-parte 10) e pelo IAF.

Fonte: Templum
Decreto nº 8.373, de 11 de dezembro de 2014

Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais,


Previdenciárias e Trabalhista
O que é?

Por meio desse sistema, os empregadores passarão a comunicar ao Governo, de forma


unificada, as informações relativas aos trabalhadores.

Objetivos:
- Garantir os direitos previdenciários e
trabalhistas;
- Racionalizar e simplificar o
cumprimento de obrigações;
- Eliminar a redundância nas informações
prestadas pelas pessoas físicas e
jurídicas;
- Aprimorar a qualidade das informações
das relações de trabalho,
previdenciárias e tributárias.
Fonte: Governo federal – portal eSocial
Imagem: TOTVS
Entes participantes

Fonte: Governo federal – portal eSocial


Imagem: Portal do SESMT
Transmissão da informação

Fonte: Governo federal – portal eSocial


Imagem: Portal do SESMT
Faseamento
Implementação progressiva do eSocial - Envio de informações em fases
sucessivas.

Fonte: Governo federal – portal eSocial


Imagem: Zenaide Carvalho
SST - Segurança e Saúde do Trabalho

✔Fase de maior complexidade;


✔Envolve a exposição de cada ambiente organizacional;
✔Riscos de cada atividade;
✔Monitoramento dos riscos e saúde do trabalhador;
✔Comprovações sobre treinamentos e capacitações para o
desenvolvimento de cada atividade;
Eventos de Segurança e Saúde no eSocial

São definidos como eventos de Segurança e Saúde no Trabalho – SST os abaixo


elencados:
• S-1060 - Tabela de Ambientes de Trabalho;
• S-2210 - Comunicação de Acidente de Trabalho;
• S-2220 - Monitoramento da Saúde do Trabalhador;
• S-2240 - Condições Ambientais do Trabalho - Fatores de Risco;
• S-2245 – Treinamentos, Capacitações, Exercícios Simulados e Outras Anotações

* O evento S-2221 – Exame Toxicológico do Motorista Profissional não é um evento de Segurança e


Saúde no Trabalho. Entretanto, apenas para definição do início da obrigatoriedade e do faseamento,
esse evento será tratado em conjunto com os eventos de Segurança e Saúde no Trabalho.

Fonte: Manual de orientação do eSocial – versão 2.5.01 – Janeiro de 2019


Eventos e tabelas de Segurança e Saúde no eSocial

• S-1060 - Tabela de Ambientes de Trabalho

Serão descritos os ambientes existentes na empresa, atribuindo-se um código a


cada ambiente. Neste momento, não haverá vinculação de qualquer trabalhador
aos ambientes, sendo esta uma informação geral, que será utilizada quando da
prestação das informações do evento S2240. A atribuição de um código para cada
ambiente evitará a redundância das informações, evitando que seja exigida a
descrição do ambiente para cada trabalhador.

Fonte: Manual de orientação do eSocial – versão 2.5.01 – Janeiro de 2019


Eventos e tabelas de Segurança e Saúde no eSocial

• S-2220 - Monitoramento da Saúde do Trabalhador

Neste evento será feito o acompanhamento da saúde do trabalhador durante o


seu contrato de trabalho, com as informações relativas aos atestados de saúde
ocupacional (ASO) e seus exames complementares. Tais informações
correspondem àquelas exigidas no Perfil Profissiográfico Previdenciário – PPP e no
Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional (PCMSO).

Fonte: Manual de orientação do eSocial – versão 2.5.01 – Janeiro de 2019


Eventos e tabelas de Segurança e Saúde no eSocial

• S-2240 - Condições Ambientais do Trabalho - Fatores de Risco

Serão prestadas as informações da exposição do trabalhador aos fatores de risco,


conforme Tabela 23. A empresa deverá vincular os trabalhadores a cada ambiente
em que exercem atividades (códigos do evento S-1060) e identificar os fatores de
risco aos quais o trabalhador está exposto. Deverá também ser declarada a
existência de Equipamentos de Proteção Coletiva (EPCs) instalados, bem como os
Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) disponibilizados.
Para cada fator de risco informado deve ser declarado se as exposições acarretam
a obrigação de pagamento dos adicionais de insalubridade, periculosidade e/ou
ensejam o pagamento do adicional previsto na legislação para o custeio da
aposentadoria especial.

Fonte: Manual de orientação do eSocial – versão 2.5.01 – Janeiro de 2019


Eventos e tabelas de Segurança e Saúde no eSocial

• S-2245 – Treinamentos, Capacitações, Exercícios Simulados e Outras Anotações

Serão prestadas informações sobre os treinamentos, capacitações e exercícios


simulados realizados, bem como informações dos trabalhadores autorizados a
realizar intervenções em instalações elétricas e em máquinas e equipamentos,
conforme Tabela 29. Para facilitar a identificação da referência normativa, os dois
primeiros dígitos do código correspondente se referem à Norma Regulamentadora
que dispõe sobre a realização do treinamento, capacitação, exercício simulado ou
informações relativas a trabalhadores autorizados.

Fonte: Manual de orientação do eSocial – versão 2.5.01 – Janeiro de 2019


Eventos e tabelas de Segurança e Saúde no eSocial
Tabela 23: Fatores de Risco do Meio
Acidentes de Ambiente de Trabalho
Tabela criada Fatores de risco e
Trabalho e Tabela 27: Procedimentos Diagnósticos
pelo monitoramento da
Afastamentos Tabela 28: Atividades Perigosas, Insalubres
empregador saúde do trabalhador
temporários e/ou especiais
Tabela 29: Treinamentos, Capacitações e
S-2240 S-2210
Condições Ambientais do Exercícios Simulados
Trabalho - Fatores de risco Comunicação de
(Utilizar tabela 23 e 28) Acidente de Preenchimento da CAT
Trabalho
Tabela 13: Parte do corpo atingida
S-2220 (Utilizar tabelas 13,
S-1060 14, 15, 16, 17 e 24) Tabela 14: Agente causador do acidente
Monitoramento da saúde do
Tabela de trabalhador de trabalho
Ambientes de (Utilizar tabela 27) Tabela 15: Agente causador/Situação
Trabalho geradora da doença profissional
S-2245 S-2230 Tabela 16: Situação geradora de acidente
Treinamentos, Capacitações, Afastamento de trabalho
Exercícios Simulados e Temporário
Outras Anotações Tabela 17: Descrição da natureza da lesão
(Utilizar tabela 29) Tabela 24: Codificação de acidente de
trabalho

Fonte: Manual de orientação do eSocial – versão 2.5.01 – Janeiro de 2019


Tabela 23 – Fatores de Riscos do meio Ambiente do Trabalho

Fatores de Risco
- Físicos
- Químicos
- Biológicos
- Mecânicos / Acidentes
- Perigosos
- Associação de fatores de risco
- Outros fatores de risco (Umidade)
- Ergonômicos
- Ausência de fatores de risco

Fonte: Manual de orientação do eSocial – versão 2.5.01 – Janeiro de 2019


Tabela 28 – Atividades Perigosas, Insalubres e/ou Especiais

Atividades Perigosas, Insalubres e/ou Especiais


- Atividades com exposição a riscos biológicos
- Atividades com exposição a riscos químicos
- Atividades e Operações perigosas com explosivos
- Atividades e Operações perigosas com inflamáveis
- Atividades e Operações perigosas com radiações
ionizantes ou substâncias radioativas
- Atividades e Operações perigosas com exposição a
roubos ou outras espécies de violência física nas
atividades profissionais de segurança pessoal ou
patrimonial
- Atividades e Operações perigosas com energia
elétrica
- Atividades e Operações perigosas em motocicleta
- Atividades especiais por exposição a agentes físicos
- Outras atividades (operações em atmosfera IPVS)
- Atividades por associação de agentes
- Ausência de correspondência
Fonte: Manual de orientação do eSocial – versão 2.5.01 – Janeiro de 2019
Tabela 27 – Procedimentos Diagnósticos

Os procedimentos listados
codificam diversos tipos de
procedimentos diagnósticos, como
exame clínico e exames
complementares (imagem,
audiometria, capacidade
respiratória, sangue, urina, fezes,
entre outros)

Fonte: Manual de orientação do eSocial – versão 2.5.01 – Janeiro de 2019


Tabelas – Preenchimento da CAT
Tabela 29 – Treinamentos, Capacitações, Exercícios Simulados
e Outras Anotações

São listados treinamentos


obrigatório para o desempenho de
atividades específicas (como
trabalho em altura, eletricidade,
caldeiras, entre outros),
treinamentos quanto ao uso de
EPI, membros da CIPA,
salvamento, brigada de incêndio,
entre outros.

Fonte: Manual de orientação do eSocial – versão 2.5.01 – Janeiro de 2019


Documentos básicos de SST

PPRA

ASO PCMSO

eSocial
Laudo
LTCAT
periculosidade

Laudo
AET
insalubridade
Obrigações substituídas
✔Livro de registros de empregados (LRE) – Opcional;
✔Cadastro Geral de Empregados (CAGED);
✔Perfil Profissiográfico Previdenciário (PPP);
✔Comunicação de acidente de trabalho (CAT), quando emitida pelo empregador. Os demais emitentes legais deverão
usar o CATweb.
Exemplos de cruzamento

Mudança de função no registro do empregado e a não realização do ASO (S-


2200 x S-2220);
Excesso de jornada de trabalho em atividade insalubre (S-1050 x S-2240);
Fornecimento de EPI tecnicamente inadequado aos riscos identificados (S-
2240);
Riscos identificados no PPRA e não realização do controle biológico
correspondente (S-2240 x S-2220).
Webservices
Webservices
Impactos na SST

O eSocial não cria, não altera, não suprime nenhuma obrigação trabalhista ou
previdenciária, apenas racionaliza o envio das informações.

Informatização dos Padronização dos


Gestão da
dados de SST e dados de SST e
Segurança e Saúde
alinhamento com RH leiaute
do Trabalho
e demais setores. preestabelecido.

Impor que as
Facilidade em detectar
empresas cumpram
“erros” da empresa -
as obrigações já
fiscalização e multas.
previstas em lei.
Uma nova era nas relações entre empregadores, empregados e governo

Obrigado!

“Não é o mais forte que sobrevive, nem o mais inteligente, mas o que
melhor se adapta às mudanças”.
Charles Darwin