Você está na página 1de 22

ACIONAMENTOS DE

FLUÍDOS MECÂNICOS
DOCENTE: Eng. Selemane Assuba
2014

1
Introdução a hidráulica industrial
 Com a evolução tecnológica há no mercado
uma intensa necessidade de se desenvolver
técnicas de trabalho que possibilitem ao
homem o aprimoramento nos processos
produtivos e a busca de qualidade.
 Para buscar a otimização de sistemas nos
processos industriais, faz-se o uso da junção
dos meios de transmissão de energia (
Mecânica, elétrica, Eletrônica, Pneumática e
Hidráulica.
2
 A hidráulica vem se descando e ganhando espaço
como um meio de transmissão de energia nos
mais variados segmentos do mercado, sendo a
hidráulica industrial e mobil as que apresentam
um maior crescimento.
 O termo hidráulica derivou-se da raiz grega
“hidro”, que significa água, por essa razão
entende-se por hidráulica todas as leis e
comportamentos relativos à água ou outro fluído,
ou seja, hidráulica é o estudo das características e
uso dos fluídos sob pressão.

3
Características da hidraulica:
 Fácil instalação dos diversos elementos;
 Rápida parada e inversão de movimentos;
 Variações micrométricas na velocidade
 Sistemas autolubrificantes;
 Pequeno tamanho e peso em relação a
potência consumida;
 Sistemas seguros contra sobrecargas;
 Alta potência (força).

4
Evolução dos sistemas hirdráulicos:
 Incorporam pressões operacionais mais
elevadas.
Objectivo: menor tamanho e peso operacional.
 Acinamento elétrico, eletrônico e eletrônico
computarizado.
Objetivo: operações mais precisa e eficientes.
 Sistemas de controle de carga, velocidade e de
demanda de potência.
Objetivo: operações mais precisas com menor
consumo de potência.
5
Evolução dos sistemas hirdráulicos:
Recursos utilizados:
 Materiais com maior resistência mecânica;
 Tolerâncias dimensionais, de forma e de
precisão mais apertadas;
 Melhor acabamento superficial;
 Utilização de novos materiais e de novas
tecnologias.
Resultados: folgas menores; menor vazamento
interno; maior precisão; maior velocidade dos
movimentos.
6
Evolucão dos sistemas hidráulicos:
Equipamentos mais:
 Produtivos
 Eficientes;
 Duráveis;
 Confiáveis.
Aliando:
 Melhor condições de trabalho;
 Melhor relação de potência x peso;
 Melhor relação custo x beneficio.

7
Sistema hidráulico

8
Sistema hidráulico
 Fonte de energia: motor elétrico ou a
combustão.
 Sistema hidráulico: gera, controla e aplica
potência hidráulica.
 Grupo de geração: transforma potência
mecânica em hidráulica. BOMBAS HIDRAULICAS.
 Grupo de controle: controla a potência
hidraulica. COMANDOS E VALVULAS.
 Grupo de atuação: transforma potência
hidráulica em mecânica. CILINDROS E MOTORES
 Grupo de ligação: conexões, tubos e mangueiras.

9
Circuíto hidráulico básico

10
Unidade hidráulica- reservatório e filtros

11
Fluidos e filtros hidráulicos
 Fluido hidráulico é o elemento vital de um
sistema hidráulico industrial. Ele é um meio
de transmissão de energia, um lubrificante,
um vedador e um veículo de transferência de
calor. O fluido hidráulico a base de petróleo
é o mais comum.
 O fluido a base de petróleo é mais do que um
óleo comum. Os aditivos são ingredientes
importantes na sua composição. Os aditivos
dao ao óleo características que o tornam
apropriado para uso em sistemas hidráulicos.
12
Fluidos hidráulicos
Aditivos protetores do óleo prolongam a vida
útil do óleo.
 Inibidores de oxidação- a oxidação do oleo ocorre
por causa de uma reação entre o óleo e o oxigênio
do ar.
A oxidação resulta em baixa capacidade de
lubrificação na formação de ácido e na geração de
particulas de carbono e aumento da viscosidade do
fluido. A oxidação do óleo é aumentada por três
fatores:
 Alta temperatura;
 Catalisadores metálicos, tais como cobre, ferro ou
chumbo
 O aumento no fornecimento de oxigênio.

13
Aditivos antiespumantes- os aditivos
antiespumantes não permitem que as
bolhas de ar sejam recolhidas pelo óleo, o
que resulta numa falha do sistema de
lubrificação.
Estes inibidores operam combinando as
pequenas bolhas de ar em bolhas grandes
que se desprendem da superfície do
fluido e estouram.

14
Aditivos protetores de superfície
 Inibidores de corrosão- os inibidores de corrosão
protegem as superficies de metal do ataque por ácidos
e metal oxidante. Este inibidor forma um filme protetor
sobre as superfícies do metal e neutraliza o material
corrosivo.
 Aditivos de extrema pressão ou antidesgaste -são
usados em aplicações de alta temperatura e alta
pressão.
 Em pontos localizados onde ocorrem temperaturas ou
pressões alta (exemplo: extremidades das palhetas numa
bomba ou motor de palheta).

15
Fluidos resistentes ao fogo
Uma característica inconveniente do fluido proveniente
do petróleo é que ele é inflamável. Não é seguro usá-lo
perto de superficies quentes ou de chama. Por esta razão,
foram desenvolvidos vários tipos de fluidos resistentes
ao fogo.
 Emulsão de óleo em água
A emulsão de óleo em água resulta em fluido resistente
ao fogo que consiste em uma mistura de óleo numa
quantidade de água.
A mistura pode variar em torno de 1% de óleo e 99% de
água a 40% de óleo e 60% de água. A água é sempre o
elemento dominante.

16
Fluidos resistentes ao fogo
 Emulsão de água em óleo
A emulsão de água em óleo é um fluido
resistente ao fogo, também conhecido
como emulsão invertida. A mistura é
geralmente de 40% de água e 60% de
óleo.
O óleo é dominante. Este tipo de fluido
tem características de lubrificação
melhores do que as emulsões de óleo em
água.
17
Fluidos resistentes ao fogo
 Fluido de água-glicol
O fluido de água-glicol resistente ao fogo é uma
solução de glicol (anticongelante) e água. A
mistura é geralmente de 60% de glicol e de 40%
de água.
 Fluido sintético
Os fluidos sintéticos, resistentes ao fogo,
consistem geralmente em ésteres de fosfato,
hidrocarbonos clorados ou uma mistura dos dois
com frações de petróleo. Este é o mais caro de
fluido resistente ao fogo.
18
Filtros hidráulicos
 Todos os fluidos hidráulicos contem uma certa
quantidade de contaminantes. A necessidade do
filtro, no entanto, não é reconhecida na maioria
das vezes, pois o acrescimo deste componente
particular não aumenta, de forma aparente, a
ação da máquina.
 Mais de 75% das falhas em sistemas hidráulicos
e de lubrificação são devido ao excesso de
contaminação.
 As partículas de sujeira podem fazer com que
máquinas caras e grandes falhem.
19
Filtros hidráulicos
Excesso de contaminação causa:
 Perda de produção;
 Custo de reposição de componentes;
 Trocas constantes de fluido;
 Custo no descarte do fluido;
 Aumento geral dos custos de
manutenção.

20
Filtros hidraulicos
 A função de um filtro é remover impurezas do
fluido hidráulico. Isto é feito forcando o fluxo
do fluido a passar por um elemento filtrante que
retem a contaminação.
 Os elementos filtrantes são divididos em tipos
de profundidade e de superficie.
 Elementos do filtro de profundidade
Os elementos do filtro de profundidade forçam o
fluido a passar através de uma espessura
apreciável de várias camadas de material.

21
Filtros hidráulicos
 A contaminação é retida por causa do
entrelaçamento das fibras e a consequente
trajetória irregular que o fluido deve tomar.
 Elementos do tipo de superficie
Em um filtro do tipo de superficie, um fluxo de
fluido tem uma trajetoria direita de fluxo através
de uma camada de material.
A sujeira é retida na superficie do elemento que
esta voltada para fluxo. Tela de arame ou metal
perfurado são tipos comuns de material usados
como elemento de filtro de superficie.
22

Você também pode gostar