Você está na página 1de 6

REGULAMENTO DE APROVEITAMENTO

DO PROGRAMA RESIDÊNCIA PEDAGÓGICA (RP) PARA O ESTÁGIO


E DE COMPONENTE CURRICULAR PARA O PIBID

O aproveitamento do Programa de Residência Pedagógica (doravante RP),


especificamente, como Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Letras e do
Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (doravante PIBID) como
outros componentes curriculares, ou seja, atividades complementares que estão pautadas
no regulamento aprovado pelo Colegiado no dia (data). O regulamento fundamenta-se
nos termos da LDB 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e na Lei 11.788, de 25 de
setembro de 2008, que revoga o artigo 82 da LDB, estabelecendo que os sistemas de
ensino devam propor as normas para realização dos estágios dos alunos regularmente
matriculados no ensino médio e superior em sua jurisdição. Fundamenta-se, ainda, na
Resolução Nº 08/2016 – CEPE da UVA que normatiza os Estágios Curriculares
Supervisionados no âmbito da UVA e na Resolução Nº 26/2018 – CEPE da UVA que
dispõe sobre o aproveitamento de atividades dos programas institucionais da CAPES
referentes à formação inicial de alunos dos cursos de licenciatura da UVA, neste caso,
RP e PIBID.

1 Do Programa de Residência Pedagógica (RP)

As atividades de RP abrangem três etapas – preparação e ambientação da escola-


campo, imersão na escola-campo e relatório de socialização das atividades – que
resultam na carga horária de 440 horas no mínimo distribuídas em até dezoito (18)
meses, podendo ser concluídas na escola-campo antes do prazo sem quaisquer prejuízos
para o residente. Há, conforme cada etapa, carga horária específica, pois a preparação e
a ambientação da escola-campo devem ser realizadas em 60 horas, enquanto que a
imersão na escola-campo deve ser realizada em 320 horas e o relatório de socialização
das atividades em 60 horas.

Após a conclusão do Programa de Residência Pedagógica, o aproveitamento


para as disciplinas de Estágio Curricular Supervisionado do curso de Letras poderá ser
em até 200 horas, desde que a experiência tenha sido desenvolvida dentro do período
correspondente às disciplinas de estágio, a saber: Ensino Fundamental Anos Finais e/ou
Ensino Médio, e nas respectivas habilitações dos discentes.

O aluno-residente será avaliado por meio de três (03) notas, sendo duas (02)
delas atribuídas pelo professor coordenador1 do Programa RP e a terceira nota atribuída
pelo professor orientador2 do estágio. As atividades avaliadas pelo professor
coordenador do Programa RP, devem estar relacionadas às etapas do Programa RP, a
saber:

I. Preparação e ambientação da escola-campo – observação de atividades de


classe e extraclasse, produção de um plano de atividades, resenha de textos para a
formação linguística e pedagógica do residente, perfazendo no mínimo 60 horas;

II. Imersão na escola-campo – Aplicação do plano de atividades, produção de


planos de aula, confecção de instrumentos de apoio, correção de atividades – orientadas
pelo professor preceptor3 ou aplicadas pelo residente4 conforme o plano de atividades –,
intervenções pedagógicas, entrevista e análise do livro didático, perfazendo no mínimo
320 horas;

III. Elaboração de um memorial descritivo acadêmico, informando a trajetória


acadêmica e a experiência de um residente na Educação Básica seja no Fundamental –
Anos Finais ou Ensino Médio. O aproveitamento se dará através da produção desse
memorial que corresponde ao estágio de regência nas etapas de ensino da Educação
Básica, perfazendo no mínimo 60 horas.

As atividades avaliadas pelo professor orientador da disciplina de Estágio


Curricular Supervisionado devem estar relacionadas às atividades desenvolvidas durante
a disciplina, e podem compreender, entre outras possibilidades elencadas pelos
professores responsáveis:

I. Apresentação para a turma da disciplina um seminário sobre a experiência


docente no Programa RP;

1
Função designada ao professor responsável pelo Programa de Residência Pedagógico do curso de
licenciatura em Letras.
2
Função designada ao professor responsável pela disciplina de estágio.
3
Função designada ao professor de Educação Básica da escola-campo.
4
Bolsistas do Programa de Residência Pedagógica (RP).
II. Produção de um ensaio ou artigo acadêmico sobre a experiência docente no
Programa RP.

2 Do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID)

As atividades do PIBID – Inglês e Português – abrangem três etapas: a formação


pedagógica baseada em encontros presenciais e de EaD; a formação de área – Inglês e
Português, incluindo estudo de textos, encontros presenciais e participação em
conferências, congressos, fóruns, seminários, encontros etc. e as intervenções nas
escolas, resultando em uma carga horária mínima mensal de 32 horas, podendo o
bolsista participar do programa em até dezoito (18) meses, perfazendo um total de 576
horas. Apesar desse total de horas, não há a obrigatoriedade do cumprimento dessa
carga horária de 576 horas como na RP que é de 440h no mínimo. O bolsista pode
permanecer no programa até o final ou se desligar antes dos dezoitos (18) meses sem
prejuízos para si, desde que cumpra com a carga horária mensal exigida de 32 horas no
mínimo. O cálculo base para o aproveitamento é: cada 128 horas de atividades de
PIBID equivalem a um (01) crédito por disciplina, ou seja, 15 horas de aula, tomando
por base o cálculo de uma disciplina de 60 horas.

Após a participação no PIBID, o aproveitamento das horas de atividade será em


forma de integralização da carga horária em atividades complementares no componente
curricular Atividades de Ensino do curso de Letras – Inglês e Português. O bolsista
receberá a declaração da quantidade de horas cumpridas durante o programa,
respeitando a carga horária de 32 horas mensais, e anexará essa carga horária nas
Atividades de Ensino do curso.

As atividades do PIBID – Inglês – preocupam-se com a valorização da docência


de Línguas Estrangeiras na Educação Básica e com a atratividade deste componente
curricular tanto entre os jovens das escolas públicas de Sobral como entre os professores
em formação. Para tanto, o subprojeto do PIBID – Inglês leva em consideração não
apenas a natureza didático-metodológica do ensino de inglês, mas também, as questões
políticas e culturais que compreendem a língua inglesa como língua internacional
(CRYSTAL, 2010), de acordo com as competências e habilidades propostas pela BNCC
(BRASIL, 2017). Isso implica em aprender (e ensinar) inglês no mundo globalizado.
Significa mais do que trabalhar atividades gramaticais ou atividades estruturais para a
compreensão de textos escritos ou imagéticos. Ou seja, trata-se de priorizar a
comunicabilidade linguística em sua concepção mais ampla, fazendo dos gêneros
discursivos (BAKHTIN, 2011) uma prática social que deve ser exercitada a partir de
contextos de uso reais desta língua estrangeira.

As atividades do PIBID – Português – compõem-se de uma formação específica


de estudos relacionados aos conhecimentos da área do curso de Letras. A formação do
futuro professor de Português, que dá continuidade ao processo iniciado nos anos
iniciais da Educação Básica, precisa ser também significativa e desafiadora. Logo, é
importante propiciar aos alunos de Letras, que estão adquirindo conhecimentos de
natureza linguística – textual e discursiva – nesses primeiros semestres, a compreensão
de que esse embasamento teórico deve culminar numa prática reflexiva, pautada no
tripé USO → REFLEXÃO → USO, presente na BNCC (BRASIL, 2017). Para isso,
esses alunos devem desenvolver, na prática de letramento, a leitura de gêneros textuais e
a produção textual, ambos orais e escritos, com atividades significativas numa
perspectiva do Interacionismo Sociodiscursivo (BRONCKART, 2007). Essa dimensão
de estudo que envolve teoria e prática contribui para uma futura docência que desperte o
interesse de aprender tanto no discente como no docente, motivando à pesquisa-ação.

Como o semestre letivo do PIBID corresponde a quatro (04) meses de atividades


na escola-campo, entendemos que este período deva corresponder a um (01) crédito das
disciplinas de caráter teórico-prático citadas abaixo. No que diz respeito ao
aproveitamento de horas para a complementação de outros componentes curriculares, há
de se perceber que estas podem ser contabilizadas como atividades complementares, a
fim de totalizar as horas exigidas no currículo do curso, ou para aproveitamento de
créditos em disciplinas de caráter teórico-prático durante a formação, o que necessita
atenção por parte do colegiado para que não haja dupla utilização das mesmas horas.

No primeiro caso, os alunos apresentaram a certificação quando da contagem


das horas complementares para o cumprimento da carga horária do curso. No segundo
caso, o colegiado deve decidir: (1) sobre quais disciplinas podem ser disponibilizadas
para o aproveitamento de carga horária, e (2) como se dará tal aproveitamento. Algumas
das inquietações levantadas por essas questões foram (a) quantas horas podem ser
aproveitas por disciplina, (b) como o professor da disciplina deve proceder com o aluno
que solicita aproveitamento de horas e quais atribuições da disciplina competem aos
alunos que solicitarem esse aproveitamento, e (c) como evitar o duplo aproveitamento
de carga horária que já foi aproveitada em disciplinas do componente curricular por
bolsistas PIBID e RP, e em atividades complementares, ao final do curso.
Apresentamos, a seguir, uma sugestão de resposta para cada questionamento:

Quadro de disciplinas ofertadas para aproveitamento de horas para alunos


bolsistas do PIBID, levando em consideração as atividades desenvolvidas no PIBID e o
cumprimento satisfatório das horas práticas das disciplinas do componente curricular, de
acordo com a experiência formativa dos bolsistas:

Letras – Inglês Letras – Português


Prática de Ensino III: metodologia, projeto Prática de Ensino II: metodologia do
de ensino e habilidades linguísticas de LI ansino de LP
Prática de Ensino IV: princípios e Prática de Ensino IV: metodologia do
abordagens do ensino de línguas ensino de Literatura
Prática de Ensino V: planejamento e Prática de Ensino V: metodologia do
elaboração de material didático ensino de leitura e de escrita
Princípios de Estágio Curricular Princípios de Estágio Curricular
Supervisionado II Supervisionado II
Princípios de Estágio Curricular Princípios de Estágio Curricular
Supervisionado III Supervisionado III

Deve ficar claro que o aproveitamento depende de uma solicitação protocolada


na coordenação do curso, informando a relação entre as atividades desenvolvidas e o
conteúdo da disciplina cujo aproveitamento de horas é solicitado, constando de pequeno
relatório de atividades e assinado pelo coordenador de área do PIBID. Quanto à
computação das horas de aproveitamento:

I. Devido ao caráter de encontros semanais na escola-campo por um período de


quatro (04) meses, e dado o caráter rotativo dessas atividades, o aluno pode solicitar 15
horas de aproveitamento nas disciplinas de 60h e 80h, o que representa um (01) crédito
por disciplina. Para tanto, o aluno deverá na matricular normalmente nesta disciplina.

II. Mostrou-se complicado para o professor da disciplina, pensar como seriam


divididas e distribuídas as tarefas para o aluno que solicitasse o aproveitamento de horas
em relação aos demais alunos matriculados na disciplina, assim, optou-se, como no
modelo proposto para os alunos do Programa RP, que a nota de duas (02) avaliações
sejam atribuídas pelo professor coordenador do PIBID, a partir das ações previstas neste
programa, a saber: (a) planejamento de aulas, (b) elaboração de materiais de ensino
(atividades, jogos, dinâmicas, etc.), (c) regências e intervenções e (d) reuniões semanais
com os professores supervisores, a fim de refletir e discutir sobre as ações realizadas e a
se realizarem. Dessa forma, o aluno cumpre o aproveitamento das horas da disciplina,
ficando responsável pela participação nas aulas e obrigação de uma avaliação
determinada pelo professor da disciplina, podendo a mesma ser realizada como previsto
na programação da disciplina ou em caráter de seminário, com exposição das atividades
desenvolvidas no PIBID.

III. Para que não haja ambiguidade do aproveitamento da mesma quantidade de


‘horas PIBID’ para atividades complementares e componentes curriculares por um
mesmo bolsista, a coordenação do curso deve elaborar e manter atualizado um cadastro
de todos os alunos bolsistas dos programas de formação docente que possam ser
aproveitados para o aproveitamento de horas. No momento de contabilização das horas
complementares, é possível saber, do total de horas realizadas, quantas já foram
aproveitadas por cada bolsista em componentes curriculares (disciplinas de Estágio,
para o Programa RP e disciplinas compatíveis com as atividades PIBID) e quantas ainda
podem ser aproveitadas para as atividades complementares.