Você está na página 1de 2

DIRIEITO PENAL I

TEMA: CLASSIFICAÇÃO DE NORMAS PENAIS

THAÍS DA SILVA COSTA

Definição.

Bitencourt confere uma distinção entre lei e norma. A primeira seria a fonte da norma penal
enquanto a segunda seria o seu conteúdo.

 Podemos dizer ainda que a norma penal seria o “espírito da lei”, o que ela de fato
quis dizer.
 A lei penal, portanto, contém uma norma.

Normas penais: incriminadoras x não incriminadoras.

As normas penais incriminadoras (proibitivas) têm a função de definir as infrações penais,


proibindo (crimes comissivos¹) ou impondo (crimes omissivos²) a prática de condutas, sob a
ameaça expressa e específica da pena e, por isso, são consideradas normas penais em sentido
estrito. É composta de dois preceitos:

 Preceito primário – Descreve a infração penal. Ex: Art. 121 – Matar alguém.
 Preceito secundário – Sanção penal. Ex: Art. 121 – Pena: reclusão de 6 a 20 anos.

As normas penais não incriminadoras (ex: arts. 1º ao 120 do CP) estabelecem regras gerais de
interpretação e aplicação das normas penais em sentido estrito. São divididas em:

 Normas permissivas – Opõem-se ao preceito primário da norma incriminadora,


autorizando a realização de uma conduta proibida em abstrato. São exceções. Podem
ser exculpantes (eliminam a culpabilidade; salva-se bem jurídico próprio) ou
justificantes (afastam a ilicitude ou antijuricidade).
 Normas explicativas – Proposições que esclarecem, elucidam determinado conceito.
 Normas complementares – Complementa uma lei, descrevendo algo. Fornecem
princípios gerais para a aplicação da lei penal (Rogério Greco).

Normas penais em branco

São aquelas incompletas, com preceitos genéricos ou indeterminados, que precisam da


complementação de outras normas. Podem ser dividam em:

 Norma penal em branco em sentido estrito (heteróloga): norma e complemento vêm


de fontes diferentes. Ex: o Congresso Nacional e uma portaria do Ministério da Saúde.
 Norma penal em branco em sentido amplo (homóloga): norma e complemento vêm
de uma mesma fonte.

Normas penais: temporárias x excepcionais

¹ É aquele cometido por uma ação proibida pelo tipo penal.


² É aquele que consiste na omissão de uma ação que um agente poderia e deveria ter feito.
As normas penais temporárias são aquelas cujo período de vigência encontra-se expresso em
seu texto ou em outro texto legal. Vigência determinada (expressa pelo legislador).

As normas penais excepcionais vigem em situações de emergência, referem-se


expressamente ao caso contido nela. Vigência condicional (até que termine a situação que a
trouxe a vigorar).

Têm em comum duas características:

 1) São autorrevogáveis por não precisarem de outra lei para revogá-las.


 2) São ultrativas porque os atos feitos dentro de seu período de vigência produzem
efeitos mesmo após seu término.

¹ É aquele cometido por uma ação proibida pelo tipo penal.


² É aquele que consiste na omissão de uma ação que um agente poderia e deveria ter feito.