Você está na página 1de 4

Página 1 de 5

Inserir o nome do Procedimento Operacional Padrão


POPBIO 062
Laboratório PROTEÍNA C REATIVA (PCR)
Revisão: 00

PCR - LÁTEX
PRINCÍPIO DO TESTE
O teste baseia-se na aglutinação das partículas de látex sensibilizadas com anticorpos anti-PCR
humana (antígeno), quando misturadas com soro de pacientes contendo Proteína C Reativa (PCR), que
é uma proteína de fase aguda.

APLICAÇÃO CLÍNICA
A quantificação da Proteína C Reativa (PCR) no soro é empregada para monitorar processos
inflamatórios diversos. É utilizada também para diferenciar:
1- Infecções virais das bacterianas (PCR mais elevada nas infecções bacterianas).
2- Artrite reumatóide (PCR elevada) do Lupus eritematoso sistêmico sem complicações (PCR baixa).
3- Doença de Crohn (PCR elevada) da Retocolite ulcerativa (PCR baixa).
Recentemente, tem-se demonstrado importante correlação da PCR na patogênese da Doença arterial
coronariana (DAC).

AMOSTRA
Preparo do Paciente
Colher sangue pela manhã após jejum de 8 horas, salvo orientações médicas.
Amostras utilizadas
Soro.
Estabilidade e armazenamento da amostra
O analito é estável por 7 dias entre 2-8C.
Volume ideal utilizado para análise
(Definir o volume ideal a ser encaminhado para análise).
Volume mínimo utilizado para análise
(Definir o volume mínimo a ser encaminhado para análise).
Critérios para rejeição da amostra
Não usar amostra hemolisada ou lipêmica.
Fazer referência ao manual ou POP de coleta, separação e distribuição de material.

REAGENTE UTILIZADO
PCR - LÁTEX CAT. 543 MS 80022230179
PCR - LÁTEX CAT. 543L MS 80022230180

GOLD ANALISA DIAGNÓSTICA LTDA


CNPJ – 03.142.794/0001-16
Av. Nossa Senhora de Fátima, 2363
Belo Horizonte – MG – Brasil
Farmacêutico Responsável: José Gilmar Pereira Berto CRF – MG – 13.421
Componentes do kit
Conservar entre 2-8C.
1- Látex-PCR: suspensão de látex revestida com anticorpo monoclonal anti-PCR, estabilizada em
tampão glicina pH 8,2. Contém azida sódica 0,1%.
P- Controle Positivo: soro humano com concentração de PCR maior ou igual a 10 mg/L. Contém
azida sódica 0,1%.
N- Controle Negativo: soro animal contendo menos de 6 mg/L de PCR. Contém azida sódica 0,1%.

MATERIAIS AUXILIARES
Placa de reação e palitos misturadores.
Cuidados e Precauções Especiais
 Aplicar os cuidados habituais de segurança na manipulação dos reagentes e amostra biológica.
 Recomendamos seguir as Boas Práticas de Laboratório Clínico (BPLC) para a execução do
teste e para conservação, manuseio e descarte dos materiais.
 O Látex PCR contém azida sódica como conservante. Evitar contato com os olhos, pele e
mucosa. Não aspirar ou ingerir. Embora, o reagente contenha azida sódica como conservante,
todo cuidado deve ser tomado para evitar contaminação bacteriana.
Página 2 de 5
Inserir o nome do Procedimento Operacional Padrão
POPBIO 062
Laboratório PROTEÍNA C REATIVA (PCR)
Revisão: 00

 Todos os reagentes derivados do sangue humano foram testados para anticorpos anti-HCV,
anti-HIV e antígeno HBsAg e apresentaram resultados negativos. No entanto, devem ser
tratados com precaução, como potencialmente infectantes. Manusear e descartar segundo as
normas de biossegurança.
 Todo o material contaminado deve ser autoclavado por 1 hora a 120 ºC ou deixado em solução
de hipoclorito de sódio a 10% por 1 hora.
 De acordo com as instruções de biossegurança, todas as amostras devem ser manuseadas
como materiais potencialmente infectantes.

EQUIPAMENTOS
Procedimento Técnico Manual
 Pipetas para medir amostras e realizar diluições
 NaCl 0,9 g%
 Cronômetro
 Agitador mecânico rotatório de velocidade regulável a 100 rpm
PROCEDIMENTO
Ver Notas 1, 2, 3, e 4.
Técnica
1- Antes da realização do teste, deixar os reagentes e amostras atingirem a temperatura ambiente.
2- Em uma área da placa de reação, colocar 50 L da amostra de soro a ser analisada.
3- Em outras áreas colocar uma gota dos Controles P e N.
4- Homogeneizar o Látex-PCR (antígeno) com suavidade antes do ensaio. Adicionar a cada círculo uma
gota de Látex-PCR próxima da amostra a analisar.
5- Misturar com ajuda de um palito descartável, procurando estender a mistura por toda a superfície
interior do círculo. Empregar palitos distintos para cada amostra.
6- Agitar a placa a 100 rpm durante 2 minutos (Nota 2) ou inclinar a lâmina para frente e para trás, com
movimentos oscilatórios em planos diferentes, por 2 minutos e imediatamente verificar a presença ou
não de aglutinação macroscópica, comparando o resultado da amostra com os padrões obtidos com os
controles.
NOTAS
1- A sensibilidade do ensaio diminui em temperaturas baixas. Recomenda-se trabalhar acima de 10ºC.
2- Atrasos nas leituras podem ocasionar uma super valorização da taxa de Proteína C Reativa (PCR)
3- A intensidade da aglutinação não é indicativa da concentração de PCR nas amostras analisadas.
4- Reações falso-negativas podem ocorrer quando a concentração de PCR no soro estiver muito
elevada (Efeito Prozona). Nesses casos, recomenda-se repetir o teste usando amostra de diluída.
LEITURA DA REAÇÃO
Examinar macroscopicamente a presença ou ausência de aglutinação logo após os 2 minutos (Nota 2).

RESULTADOS
Negativo
Ausência de aglutinação. Suspensão homogênea semelhante ao padrão obtido com o controle
negativo.
Positivo
Presença de aglutinação. Visualiza-se uma aglutinação macroscópica que varia desde a formação de
grumos finos até grumos grosseiros, caracterizando uma concentração de PCR no soro analisado igual
ou maior que 6 mg/L (Nota 3 e 4).
Atenção: Todo teste positivo deverá ser titulado utilizando o Método Semi-Quantitativo.

MÉTODO SEMI-QUANTITATIVO
Ver Notas 1 e 2 do Método Qualitativo.
Técnica
1- Tomar 6 tubos 12 x 75 e colocar 0,2 mL de NaCI 0,9 g% em cada tubo. Adicionar ao primeiro tubo,
0,2 mL da amostra, que apresentou teste qualitativo positivo. Misturar, transferir 0,2 mL do 1  para o 2
tubo, misturar, transferir 0,2 mL do 2 tubo para o 3 tubo e assim sucessivamente até o 6 tubo. As
diluições obtidas são 1/2, 1/4, 1/8, 1/16, 1/32 e 1/64, respectivamente
2- Nas áreas da placa, colocar 50 L de cada diluição da amostra, previamente preparada como em 1.
Página 3 de 5
Inserir o nome do Procedimento Operacional Padrão
POPBIO 062
Laboratório PROTEÍNA C REATIVA (PCR)
Revisão: 00

3- Homogeneizar o Látex-PCR (Antígeno) com suavidade antes do ensaio. Adicionar a cada círculo
contendo as diluições da amostra, uma gota do Látex-PCR.
4- Misturar com ajuda de um palito descartável, procurando estender a mistura por toda a superfície
interior do círculo. Empregar palitos distintos para cada diluição.
5- Agitar a placa a 100 rpm durante 2 minutos (Nota 2) ou inclinar a lâmina para frente e para trás, com
movimentos oscilatórios em planos diferentes, por 2 minutos e imediatamente verificar a presença ou
não de aglutinação macroscópica.
6- Se a aglutinação estiver presente até 1/64, continuar as diluições a partir do 6° tubo e prosseguir com
o teste.
LEITURA DA REAÇÃO
Examinar macroscopicamente a presença ou ausência de aglutinação logo após os 2 minutos.
Será considerado como título da reação, a maior diluição que apresentou resultado positivo.
RESULTADOS
Multiplicar a taxa de sensibilidade do teste (6 mg/L) pelo título da maior diluição que apresentou
resultado positivo.
SENSIBILIDADE
O sistema PCR-PP apresenta uma sensibilidade de 6 mg/L.
Exemplo: Maior diluição com resultado positivo = 8 Sensibilidade do teste = 6 mg/L
Resultado do teste = 6 x 8 = 48 mg/L
INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS
Teste Negativo
Expressar o resultado como menor 6 mg/L.
Teste Positivo
Expressar o resultado em mg/L.
mg/L = sensibilidade x recíproca do título encontrado no Método Semi-Quantitativo.
Exemplo: Maior diluição com resultado positivo = 1/8 UI/mL = 6 x 8 = 48 mg/L
CONTROLE DA QUALIDADE
Materiais
Identificar os materiais de controle interno e externo da qualidade, citando fabricante e número de
catálogo.
Referenciar POP para limpeza e secagem dos materiais utilizados.

Controle Interno
Descrever a calibração periódica de pipetas, equipamentos utilizados, controle de temperatura
ambiente e geladeiras para armazenamento dos kits.
Citar a utilização de soros controles (nível normal –código --------- e patológico –código -------) nas
análises realizadas juntamente com a freqüência da utilização dos mesmos. Descrever o procedimento
de verificação de novos lotes de controles e reagentes.
Citar POP para controle interno.
Controle Externo
Descrever os procedimentos utilizados nas avaliações de qualidade feitas por programas de
comparação entre laboratórios ou outros controles de qualidade : PNCQ-SBAC e/ou PELM-SBPC
Gerenciamento dos dados obtidos no Controle Interno e Externo
Definir como os dados de controle são arquivados e gerenciados.
Fazer referência ao manual ou POP de garantia da qualidade.

VALORES DE REFERÊNCIA
Menor que 6mg/L.

SIGNIFICADO CLÍNICO
A Proteína C-Reativa (PCR) é uma proteína de fase aguda, cujos níveis aumentam desde 0,07 mg/L até
150 mg/L dentro dos cinco primeiros dias de um processo inflamatório. Por outro lado sua vida média é
suficientemente curta, permitindo que os níveis caiam rapidamente quando o processo inflamatório
diminui.
Página 4 de 5
Inserir o nome do Procedimento Operacional Padrão
POPBIO 062
Laboratório PROTEÍNA C REATIVA (PCR)
Revisão: 00

As proteínas da fase aguda são especialmente valiosas na determinação da atividade da enfermidade


assim como no prosseguimento da resposta frente ao tratamento. Assim, os níveis elevados de PCR
têm valor diagnóstico para a confirmação e prosseguimento dos processos reumáticos como artrite
reumatóide, poliartrite, vasculite sistêmica, polimialgia reumática. Além disso, é possível realizar um
diagnóstico diferencial nos processos com sintomas similares, porém que originam respostas bastante
diferentes sob o ponto de vista das proteínas da fase aguda. Por exemplo, os níveis de PCR na doença
de Crohn são significativamente menores que no processo de colite ulcerosa, para uma mesma
intensidade inflamatória. Isso também ocorre quando se comparam os níveis de PCR de pacientes com
lúpus eritematoso sistêmico com os de pacientes com artrite reumatóide.
Outros processos em que se obtém uma ativação das proteínas da fase aguda são todos aqueles em
que ocorre dano tissular ou infecção. Isto é especialmente útil no acompanhamento pós-operatório do
paciente, já que permite avaliar tanto a recuperação do mesmo, como detectar de forma prematura
uma possível infecção.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
1. Hokama Y, Nakamura RM. C-reactive protein: current status and future perspectives. J Clin Anal
1987;1: 15-27
2. Singer JM, Plotz CM, Pader E, Elster SK. The latex fixation test. III Agglutination test for c-reactive
protein and coparison with the capillary precioitin method.. Am J Clin Pathol1957; 28:611..
3. Young DS. Effects of drugs on clinical laboratory tests, 3ª Ed. AACC Press, 1997.
4. GOLD ANALISA: Informe Técnico do Produto.

Nome Assinatura Data


Elaborado por: ___/___/___
Aprovado por: ___/___/___
Implantado por: ___/___/___
Substitui POP:
Revisado por: ___/___/___
Revisado por: ___/___/___
Revisado por: ___/___/___
Desativado por: ___/___/___
Razão:

Número Destino
Cópias
Revisão: 05/16

Você também pode gostar