Você está na página 1de 54

Princípios Básicos da Movimentação de Ar e Gases

HSA HOWDEN SOUTH AMERICA 2018

© Howden Group 2013


GRUPO HOWDEN
Apresentação

Colfax Manipulação de Fluídos ESAB HOWDEN

• Sistemas e bombas de • Equipamentos de solda e • Ventiladores, trocadores de


precisão corte calor e compressores

© Howden Group 2013 2


Visão Estratégica

Ser líder mundial


Ser o número um nos segmentos
escolhidos para operar

Em engenharia de aplicação
Onde nosso conhecimento dos
produtos façam a diferença

Provendo soluções Desde a concepção do projeto


duradouras até o o limite da vida útil

Em movimentação de ar e Performar produtos críticos que


movimentam, tratam, limpam
gases aqyecem e resfriam ar e gases

© Howden Group 2013


HISTÓRIA DA HOWDEN
Origem da empresa e Desenvolvimento

Fundada em 1854 por James


Howden (1832 – 1913) em Glasgow
como uma empresa de engenharia marinha,
projeto e construção de caldeiras.

Migrou para outro campo de processo de indústria


````` pesada, fornecendo ventiladores e trocadores de
calor.
Aumento da presença internacional na década de
1988-1997 através de aquisições.
Tornou-se parte da Colfax em janeiro de 2012.
Agora, é líder mundial da indústria de
equipamentos de manipulação de ar e gás.
© Howden Group 2013 4
História
Linha do Tempo das Aquisições

TLT-Babcock
Alphair
KWCA / Howden ČKD
Ventiladores Kompresory
Turbowerke Thomassen
Meissen (TMH) Burton Compression Fläkt Woods
Airscrew (1898) Corblin (1884) Aeolus (Brazil) Systems GII Division

JAMES
HOWDEN

1854 1971 1974 1988 1991 1993 1995 1997 2008 2010 2011 2012 2013 2015 2017

Carter Stork Buffalo Forge Joy Green AustCold Covent Fans Roots Blowers Siemens Turbo
(1878) (New Philadephia) Equipment
Canadian Blower Simsmart
Voith Novenco (1904) Technologies Chasm
Ventilateurs Neu
Aerex Bryan Donkin Consulting
American Blower
(1803)
Engart
Berry
Sheldon
Westinghouse
Nordisk Ventilator
Davidson ‘Sirocco’
‘Variax’ (1947)
(1898)
Sturtevant
(1860)

© Howden Group 2013


ORGANIZAÇÃO HOWDEN
Escritórios em Itatiba - SP

© Howden Group 2013 15


ORGANIZAÇÃO HOWDEN
Unidade Fabril em Itatiba - SP

© Howden Group 2013 15


Organização
Presença Global

Howden emprega hoje mais de 6000 pessoas em 27 países.

Australia – Belgium – Brazil – Canada – Chile – China – Czech Republic – Denmark – Dubai – Finland – France – Germany –
Hungary – India – Mexico – Netherlands – Russia - Singapore – South Africa – South Korea – Spain – Sweden – Taiwan –
Thailand – UK – USA – Vietnam
© Howden Group 2013 8
PRODUTOS

Ventiladores de alta integridade, trocadores de calor e compressores para indústrias-


chave que exigem os mais altos níveis de eficiência, confiabilidade e disponibilidade.

Ventilador centrífugo Ventilador axial Trocador de calor rotativo

Ventilador de resfriamento Produtos especiais e locais Sobressalentes e Retrofit

© Howden Group 2013 9


SERVIÇOS

Serviços de instalação, manutenção, supervisão e assistência técnica

Construção Peças de Reposição Adaptação

Comissionamento Manutenção Modernização

© Howden Group 2013 10


Produtos e Serviços
Aquisições

Com o passar dos anos a Howden tem adquirido muitas tecnologiase


marcas e empresas no ramos de movimentação de ar e gases.
Brand/Company Main country Brand/Company Main country
Aerodyne Fans Australia Majax Fans South Africa
Fantecnic Fans Australia Safanco Fans South Africa
AustCold Australia Tallares Sanchez Luengo (TSL) Spain
Pitstock Fans Australia Stork Fans The Netherlands
Phoenix Fans Australia Ventilatoren Sirocco Howden The Netherlands
Powermax Fans Australia Thomassen Compressors The Netherlands
Wolf Fans Australia Aerex Fans United Kingdom
Wheeler Fans Australia Airscrew United Kingdom
Aeolus Brazil Carter Fans United Kingdom
Canadian Blower Canada Davidson Fans United Kingdom
Sheldon Fans Canada Donkin Blowers United Kingdom
Covent Fans Canada Engart Fans United Kingdom
Simsmart Technlogies Canada Godfrey Blowers United Kingdom
ČKD Kompresory Czech Republic Howden Sirocco Fans & Heaters United Kingdom
Nordisk Fans Denmark James Howden United Kingdom
Variax Fans Denmark Reavell Centrifugal United Kingdom
ExVel Turbo Fans Finland Sirocco United Kingdom
Berry Fans France Waller United Kingdom
Burton Corblin Compressors France American Blower USA
Periflow® Compressors France Buffalo Forge USA
Sofrair Blowers France Joy Green Fans USA
Solyvent France Sturtevant Fans USA
Technopal France Westinghouse Fans USA
Ventec France TLT-Babcock USA
Ventilateurs Neu France Alphair USA
Turbowerke Meissen Germany American Fan Company USA
Voith Fans Germany Garden City Fans USA
Airtech Fans South Africa Roots Blowers & Compressors USA
Donkin Fans South Africa
© Howden Group 2013 11
BASE INSTALADA

© Howden Group 2013 12


MERCADOS DA HOWDEN

Geração de energia Petroquímicas de Óleo/Gás Siderúrgia

Aplicação: Aplicação: Aplicação:

• Caldeiras • Plataformas • Sinterização


•FGD •Refinarias •Pelotização
•DeNOx Plant •Tratamento de Gases •Convertedor
•Etanol •Alto Forno
•Despoeiramento

© Howden Group 2013 13


MERCADOS DA HOWDEN

Cimento Mineração Industrial

Aplicação: Aplicação: Aplicação:

• Forno • Ventilação Principal • Fertilizantes


•Resfriador de Clinquer • Ventilação Auxiliar • Vidros
•Exaustor de Moinhos • Captação de Pó • Etanol
•Exaustor do Filtro Principal • Refrigeração • Alimentos
• Controle de temperatura • Automobilistica

© Howden Group 2013 14


© Howden Group 2013 15
FLUXOGRAMA DE PROCESSO DE
VENTILADORES PARA CIMENTO

© Howden Group 2013 16


FLUXOGRAMA DE PROCESSO DE
VENTILADORES PARA CALDEIRA

© Howden Group 2013 17


O QUE É VENTILADOR?

Ventilador é uma máquina


rotativa que fornece
continuamente energia para um
gás passando por ela.
O processo de transferência de
energia induz um escoamento e
aumenta a pressão do gás.
A energia transferida é utilizada
pelo gás para vencer a
resistência ( perda de carga )
existente na instalação ao
escoamento.
P = Pressão . Vazão
P = m³/s . Pa (N/m²)
P = Nm/s = W
Eficiência?
© Howden Group 2013 18
TIPOS DE VENTILADORES

Ventilador Centrífugo

Ventilador Axial com pás


fixas

Ventilador Axial com pás


variáveis em
funcionamento

Ventilador de Escoamento Misto


© Howden Group 2013 19
COMPONENTES DE UM VENTILADOR CENTRIFUGO

Rotor

© Howden Group 2013 20


COMPONENTES DE UM VENTILADOR CENTRIFUGO
Carcaça

Funções da Carcaça:
- Coletar o ar / gás que
sai do rotor e direcioná-lo
para a descarga

- Transformar grande
parte da pressão
dinâmica do ar na saída
do rotor em pressão
estática na descarga do
ventilador

Obs.: As setas azuis representam


o escoamento nas Caixas de
Entrada e as setas vermelhas o
escoamento na Carcaça

© Howden Group 2013 21


COMPONENTES DE UM VENTILADOR CENTRIFUGO
Cone Aspirante ou Cone de Entrada

Cone de
entrada

O projeto do cone de entrada deve ser tal


que o escoamento na entrada da roda seja
tão uniforme e livre de turbulência quanto
possível.

© Howden Group 2013 22


COMPONENTES DE UM VENTILADOR CENTRIFUGO
Cone de Entrada

Disco frontal

Anel Entrada

Escoamento na
recirculação Escoamento na
recirculação

Escoamento
na roda

Pás da rotor

Escoamento na
entrada do cone

Gap entre cone


e roda
© Howden Group 2013 23
COMO TRABALHA UM VENTILADOR

1 2
A Pressão Dinâmica é dada por Pdinamica  v
2
ρ é a densidade e v é a velocidade do ar

A Pressão Total é dada por:


Ptotal  Pestatica  Pdinamica

Assumindo perdas mínimas na carcaça, a Pressão Total


permanece constante. Assim um decréscimo na Pdinamica
corresponderá a um aumento na Pestática

Valores aproximados:
a) 45% da Pestatica do Ventilador é devido à elevação de Pestática no rotor;
b) 55% da Pestatica do Ventilador é devido à conversão de Pdinâmica em Pestática na
carcaça
c) 90% da Pdinâmica na saída da roda é recuperável em termos de Pestática na carcaça
© Howden Group 2013 24
COMO TRABALHA UM VENTILADOR

Pás Pás radiais Pás “radial Pás planas Pás Pás Airfoil
curvadas tip” inclinadas curvadas
para frente para trás para trás

Eficiência Eficiência Eficiência Eficiência Eficiência Eficiência


máx aprox. máx aprox. máx aprox. máx aprox. máx aprox. máx pode
70% 60% 75% 80% 85% chegar a 90%

Usados (cada Para Para Para serviços Para serviços Para serviços
vez menos) aplicações aplicações leves e leves e leves e
em Ar industriais. industriais. aplicações aplicações aplicações
Condicionado industriais. industriais. industriais.
© Howden Group 2013 25
25
CURVA DE PERFORMACE OU CARACTERISTICA

do ventilador (kW)
Potência no eixo
Curva de Performance
típica para um ventilador
Ponto de máxima
centrífugo eficiência

Elevação de Pressão

Eficiência (%)
Faixa normal de
operação
Estática (kPa)

Vazão em volume (m3/s)


© Howden Group 2013 26
26
CURVA DE PERFORMACE OU CARACTERISTICA

- Curva característica teórica


é uma reta.

Eficiência real
Pico de eficiência

Elevação de Pressão Estática


- A pressão desenvolvida é

Elevação de Pressão Estática


reduzida pelas seguintes Perdas

perdas no escoamento:
Perdas
a) Atrito
b) Incidência
Obs: Incidência é a
diferença entre os ângulos
Perdas
do escoamento e das pás
na entrada do rotor

Vazão em volume

© Howden Group 2013 27


27
CURVA DE PERFORMANCE OU CARACTERISTICA

PERFORMANCE CURVE
MP6 1292.06.00 SOV4T, Constant Speed at 1180 rpm
200.0

150.0

Fan Shaft Power (kW)


Design Duty @ 1.2000 kg/m³ 0°
-10°
100.0 -20°
-30°
-40°
-50°
-60°
50.0 -70°
-90° -80°

0.0
0 10000 20000 30000 40000 50000 60000 70000 80000 90000
22.0
PLOTTED AT A DENSITY OF 1.2000 kg/m³
Ad =1.202 m²
20.0

18.0

16.0 Design Duty @ 1.2000 kg/m³

14.0
Fan Static Pressure (inwg)

12.0

10.0

8.0

6.0

4.0

2.0 -80° -70°


-60°
-90°
-50°
-40°
0.0 -30°
-20°
0 10000 20000 30000 40000 50000 60000 70000 -10° 80000 90000

Volume (cfm)
© Howden Group 2013 28
28
CURVA DE TORQUE X ROTAÇÃO

SPEED TORQUE CURVE


MP6 1292.06.00 SOV4T @ 1180 rpm
1000.0

Vane Position Open Closed

Full Load Torque 979 303 Nm

Fluid Temperature 20.0 20.0 °C


900.0
Starting Torque 60 Nm

Fan Speed 1180 r.p.m.

Fan Inertia - WR² 93 kg.m²

800.0 - GD² 371 kg.m²

PRELIMINARY
700.0
FOR TENDER PURPOSES ONLY.

600.0
NOT TO BE USED FOR MOTOR ORDER.

INFORMATION MAY CHANGE


Torque (Nm)

500.0
AT CONTRACT ENGINEERING.
Vanes Fully Open @ 20.0 °C @ 1180 rpm

400.0

300.0

200.0

100.0

Vanes Closed @ 20.0 °C @ 1180 rpm


0.0
0.0 100.0 200.0 300.0 400.0 500.0 600.0 700.0 800.0 900.0 1000.0 1100.0 1200.0

Speed (r.p.m.)

© Howden Group 2013 29


29
CURVA DE PERFORMANCE OU CARACTERISTICA
Campos de Operação
Campo de Trabalho de Ventiladores

Pressão Tipos de ventilador – campos de trabalho


kPa

100

50
Centrífugo

Axial

10

Escoamento misto
5

1
10 100 1000
Vazão m 3/s

© Howden Group 2013 30


LEIS DOS VENTILADORES

São usadas em casos práticos para prever mudanças na performance de


ventiladores para as seguintes condições:
a) Ventiladores geometricamente semelhantes;
b) Mesmo ponto de operação na curva característica.
3
n  D 
Mudança na vazão Q2  Q1   2    2 
 n1   D1 
Q – Vazão em volume
2 2 p – Pressão do ventilador
 n2   D2    2 
Mudança na pressão p2  p1          W – Potência
 n1   D1   1  n – Rotação do ventilador

3 5
D – Diâmetro da roda
 n2   D2    2  ρ - densidade do gás
Mudança na potência W2  W1         

 n1   D1   1 
Obs.: Para maior precisão é necessário se considerar outros efeitos tais como efeito de escala, efeito
de compressibilidade do gás durante o escoamento no rotor, etc.
© Howden Group 2013 31
MÉTODOS DE CONTROLE DO VENTILADOR

-Os métodos utilizados normalmente são os seguintes:

- Registro/Damper/Gelosia na descarga do ventilador

- Registro/Damper/Gelosia na caixa de entrada do ventilador

- Registro radial na entrada do ventilador

- Variação de rotação

- Ajuste de ângulo das pás (em ventilador axial)

© Howden Group 2013 32


MÉTODOS DE CONTROLE DO VENTILADOR
Registro (Damper/Gelosia) na Descarga do Ventilador

Curva do ventilador Ponto de vazão reduzida

Ponto de vazão de projeto


PRESSÃO

Perda de carga introduzida


pelo registro na descarga,
causando um desperdício
de energia
Curva do sistema com
registro parcialmente
fechado

Perda de carga da
Curva do sistema
original
instalação (sistema)

VAZÃO
© Howden Group 2013 33
MÉTODOS DE CONTROLE DO VENTILADOR
Howden
Registro (Damper/Gelosia) retangular na caixa de entrada
Inlet damper fan control
Comparison of Control Methods

O registro induz uma pré rotação do gás, no mesmo sentido de rotação do


ventilador, causando uma mudança na curva do ventilador.

© Howden Group 2013 34


MÉTODOS DE CONTROLE DO VENTILADOR
Registro (Damper/Gelosia) retangular na caixa de entrada

- Curva do ventilador se altera com o


fechamento do registro na entrada.
Controle com registro na - Eficiência cai com o fechamento do
caixa de entrada
registro
PRESSÃO

= 85% Resistência do sistema


(instalação)

h = 81%

= 69%

= 53%

= 35%

VAZÃO
© Howden Group 2013 35
CONTROLE DA VAZÃO PELA VARIAÇÃO DE ROTAÇÃO

- Curva do ventilador se altera conforme leis de semelhança


- Eficiência praticamente se mantém com a variação de
rotação. (No exemplo, se mantém em 85%)
PRESSÃO

Resistência do sistema
(instalação)
= 85%

h = 85%

Controle com
variação de rotação
= 85%

= 85%

= 85%

VAZÃO
© Howden Group 2013 36
COMPARAÇÃO DOS MÉTODOS DE CONTROLE
Registro/Damper/Gelosia na caixa de entrada x e variação de rotação

Eficiência com registro na caixa de entrada

Controle com registro na Eficiência com variação de rotação


caixa de entrada
PRESSÃO

= 85%
= 85%

Resistência do sistema
h = 81% (instalação)
= 85%

Controle com
variação de rotação
= 69%
= 85%
= 53%
= 85%
= 35%
= 85%

VAZÃO
© Howden Group 2013 37
COMPARAÇÃO DOS MÉTODOS DE CONTROLE

100
Potência absorvida ( % )

90

80

70

60

50

40

30

20 Variação do Variação de
ângulo da pá em rotação
10 vent. axial

0 10
10 2020 30 30 40 40 50 5060 60
70 80
70 9080 100 90 100
© Howden Group 2013 Vazão ( % ) 38
EFEITO SISTEMA NA PERFORMANCE DO VENTILADOR

Efeito do sistema (ou instalação):

Efeito negativo na performance aerodinâmica


do ventilador devido à perturbações no
escoamento próximo a entrada e/ou saída do
ventilador.

© Howden Group 2013 39


EFEITO SISTEMA NA PERFORMANCE DO VENTILADOR
Causas mais comuns da deficiência da performance do ventilador/sistema:

- Distribuiçãonão uniforme da velocidade na entrada


do ventilador.

- Pré-rotação do ar na entrada do ventilador.

- Geometria inadequada do duto na saída do


ventilador.

© Howden Group 2013 40


EFEITO SISTEMA NA PERFORMANCE DO VENTILADOR

Distribuição de velocidades não uniforme na entrada

Recirculação no
escoamento
Carcaça

Escoamento
não uniforme

© Howden Group 2013 41


EFEITO SISTEMA NA PERFORMANCE DO VENTILADOR

Pré-rotação do ar contrária à rotação do ventilador

Rotação do
rotor
Escoamento
inadequado
na entrada do
ventilador

Pré-rotação do
ar

© Howden Group 2013 42


EFEITO SISTEMA NA PERFORMANCE DO VENTILADOR
Prováveis consequências do Efeito de Sistema:

- Redução da performance do ventilador.

- Possibilidade de excesso de vibração.


- Aumento do ruído.
- Pode requerer mais energia para atingir o ponto de
performance originalmente projetado.
- Pode exigir muito tempo de investigação e análise do
problema.
A Howden pode oferecer medições de campo e análise
para investigação de oportunidades de melhorias

© Howden Group 2013 43


Projeto Estrutural do Rotor
Resistência do Material do Rotor x Tensões

Prováveis causas da falha ?

1. Temperatura elevada
causando redução da
resistência do material ao
escoamento

2. Rotação elevada causando


tensões acima da resistência
do material ao escoamento.

3. Material inadequado, com


resistência ao escoamento
menor .do que as tensões
geradas pela rotação.

4. Combinação dos itens acima

© Howden Group 2013 44


Projeto Estrutural do Rotor
Resistência do Material do Rotor x Tensões

Exemplo onde a tensão no rotor foi maior que o Limite de Escoamento do material:
rotação acima do projeto

Exemplo:

Tensão máxima no rotor = 220 N/mm2


para 650 rpm

Para 880 rpm a tensão será

2
 880 
  * 220  403
 650 

As tensões no rotor variam com o quadrado


da rotação
© Howden Group 2013 45
RETROFIT
O QUE É UM RETROFIT?

Retrofit é a substituição de partes e/ou um ventilador completo com a

finalidade de modernizar, repontencializar que

possibilitem eventualmente proporcionar maior vida útil contra desgaste,

dentre outros fatores. Porém com as mesmas características

operacionais do existente, isto é, vazão, pressão, etc ou até mesmo

alterando as condições de operação. E também sem qualquer alteração

nos mancais, rolamentos, etc. Simplesmente um rotor com uma

concepção de projeto e detalhes de fabricação ligeiramente diferenciada

do modelo que está em operação.

© Howden Group 2013 46


RETROFIT
O que geralmente se troca em um Retrofit?

1. Rotor;

2. Cone aspirante;

3. Eixo;

4. Mancais;

5. Acoplamento.

© Howden Group 2013 47


RETROFIT
O que geralmente se mantém em um Retrofit?

1. Carcaça

2. Base Civil

3. Motor

4. Dutos de entrada e saída

© Howden Group 2013 48


RETROFIT
VANTAGENS DE UM RETROFIT

MODERNIZAR
A modernização se faz necessária todas as vezes que temos equipamentos de outros
fornecedores que podem estar com aplicação inadequada, muito antigo com desgaste
excessivo ou acentuado, com menor investimento.
REPOTENCIAR
A repotencialização é feita toda vez que o cliente necessita de alterar os dados do projeto
original, sendo necessidade de mais vazão, pressão ou temperatura em equipamentos
existentes.
ECONOMIZAR ENERGIA
Cada kW é dinheiro. Isso significa que ao economizarmos kW estamos economizando
dinheiro. Realizamos um estudo aprofundado para tentar diminuir o consumo dos
ventiladores existentes, substituindo partes ou o ventilador inteiro.
Utilizando equipamentos com maior eficiência isso é menor consumo de energia elétrica e
com a mesma capacidade necessária para o sistema.

© Howden Group 2013 49


RETROFIT
Estudo de Caso

© Howden Group 2013 50


RETROFIT
Dados necessários para elaborar um Retrofit?

© Howden Group 2013 51


RETROFIT
Dimensional necessário para elaborar um Retrofit?

© Howden Group 2013 52


RETROFIT
Dimensional necessário para elaborar um Retrofit?

© Howden Group 2013 53


OBRIGADO PELA ATENÇÃO DÚVIDAS?
ANTONIO DE FREITAS
Gerente de Aftermarket
antonio.freitas@howden.com.br
11 4487 6173 / 9 8411 4689

© Howden Group 2013