Você está na página 1de 2

Discórdias, Dissensões, Facções

por Karl Diestelkamp

Que dor! Que sofrimento! Que tristeza! Tudo porque alguns na igreja estão inclinados a
seguir por um caminho com "discórdias, dissensões, facções" (Gálatas 5:20). Geralmente são
coisas que se associam para causar tristeza para o cristão e grande prejuízo ao corpo de Cristo.
Quem nunca viu essas "obras da carne" trabalhando e se intrometendo nas várias igrejas de
Cristo?

A discórdia é "vã ambição" com o objetivo de ganhar seguidores. Uma pessoa com o espírito
de discórdia está tão tomada de seus desejos pessoais e ambições que para ela a pureza, a paz
e a santidade da igreja podem ser sacrificadas. A discórdia exige uma "divisão" dos irmãos, e é
improvável que alguém tomado desse espírito esteja disposto a ficar sozinho. Ele buscará
outras pessoas para acompanhá-lo na separação, apoiando sua "posição" e criando facções
sectaristas. O padrão é progressivo. A pessoa facciosa permanece em meio à igreja
enumerando os seus seguidores. Essa postura, levada à conclusão lógica, traz divisão, a qual
leva às facções estabelecidas, que buscam outras pessoas para integrar a sua "causa".

Nada há mais feio ou mais prejudicial do que aquele que professa ser um seguidor do Príncipe
da Paz ao mesmo tempo que demonstra uma agressão voluntariosa contra os irmãos. Os que
sectarizam a igreja como em "Eu sou de Paulo, e eu, de Apolo, e eu, de Cefas, e eu, de Cristo" (1
Coríntios 1:12) são advertidos: "Se alguém destruir o santuário de Deus, Deus o destruirá" (1
Coríntios 3:17). O cristão que se envolve com qualquer uma das obras da carne não apenas se
fere, mas prejudica a igreja. As brigas levam à discórdia, as discórdias levam às dissensões e as
dissensões levam às facções. O resultado é trágico. O avanço do evangelho é impedido, os
fiéis são desencorajados, o irmão fraco é prejudicado e a desconfiança geral, a intranqüilidade
e dúvida predominam. Mas, o que é mais triste, quase sempre, perdem-se almas!

Quando o homem vai aprender que a palavra de Deus não reserva nada de bom para aqueles
que têm em mente a "preeminência", os seguidores pessoais, a divisão entre os irmãos ou a
formação de facções no corpo de Cristo? O Espírito Santo é inequívoco sobre esse assunto.
"Evita o homem faccioso, depois de admoestá-lo primeira e segunda vez" (Tito 3:10). "Noteis
bem aqueles que provocam divisões e escândalos . . . afastai-vos deles" (Romanos 16:17).

Seria bom que ficássemos avisados sobre algumas das coisas que podem levar à participação
nessas impiedades. Nenhum de nós está imune contra a tentação de transformar a
popularidade em orgulho, os elogios em transigência, o talento em tirania, as habilidades em
vantagem e as aptidões em suposta superioridade. Alguns desejam ser mestres, "não
compreendendo, todavia, nem o que dizem, nem os assuntos sobre os quais fazem ousadas
asseverações" (1 Timóteo 1:7). Outras deviam ter crescido espiritualmente, mas não
cresceram (1 Coríntios 3:1-3; Hebreus 5:12-14), permanecendo como crianças, carnais e sem
desenvolvimento. Essa paralisia infantil cria um material ideal para o faccioso buscar um
adepto. Outros, com falta de coragem ou de convicções, dobram-se aos presbíteros teimosos,
"dominadores dos que vos foram confiados" (1 Pedro 5:3), ou a algum Diótrofes autodesignado
e servidor de si mesmo, a quem temem que vá expulsá-los da igreja (3 João 9-10).
"De onde me virá o socorro." Um apelo forte, firme e insistente para um "assim diz o Senhor" e
para um compromisso pessoal com um ato autorizado, cada um de nós fazendo a nossa parte,
fará muito para impedir a destruição da força e da unidade do corpo. A indiferença, a
frouxidão e a transigência da verdade contribuem para um sementeiro fértil para esses e
outros erros ao passo que a vigilância, o zelo junto com a convicção e a firmeza impedirão
bastante o avanço deles em qualquer igreja ou indivíduo. Não é provável que qualquer pessoa
que verdadeiramente busque em primeiro lugar o reino de Deus (Mateus 6:33), que ame os
santos, seus irmãos, "de coração . . . ardentemente" (1 Pedro 1:22) e que estime outros
cristãos melhor do que ela (Filipenses 2:3) seja facilmente tomada pela dissensão, pela
discórdia e pelas facções. Isso seria incoerente!

Usando o plano de Deus, podemos acabar com tal iniqüidade. "Se há, pois, alguma exortação
em Cristo, alguma consolação de amor . . . se há entranhados afetos e misericórdias . . . penseis
a mesma cousa . . . nada façais por partidarismo ou vanglória, mas por humildade,
considerando cada um os outros superiores a si mesmo" (Filipenses 2:1-4). A discórdia, a
dissensão e as facções não podem ter sucesso num ambiente desse. Seja forte!

Você também pode gostar