Você está na página 1de 37

INTRODUÇÃO À PESQUISA

CIENTÍFICA
Prof. Esp. Antonio Corrêa
Seminário de Pesquisa Interdisciplinar
“Para o espírito científico qualquer
conhecimento é uma resposta a uma
pergunta. Se não tem pergunta não pode ter
conhecimento científico. Nada se da tudo se
constrói”. (GastonBachelard)
CONHECIMENTO E CIÊNCIA

 Existem diferentes formas de conhecer e interpretar o

mundo. São exemplos destas diferentes formas de


conhecimento o senso comum, o conhecimento mítico,
religioso, filosófico e científico;
O conhecimento mítico
 O mito é uma história sagrada, ocorrida num tempo
primordial, que explica como uma realidade, total ou
parcial, passou a existir.
 Ele nasce do desejo de entender o mundo, para afugentar
o medo e a insegurança.
 O mito situa o ser humano no mundo, na natureza. É uma
verdade intuída, que não precisa de comprovação, onde a
afetividade e a imaginação exercem um importante papel.
 O mito é sempre coletivo e dogmático.
Conhecimento teológico
•É o conjunto de verdades que os homens chegaram mediante a
aceitação de dados da revelação divina, da fé. Não demonstra,
nem experimenta, é absoluta. Explica tudo pela fé e pela ação
divina.
•O principal argumento é o da autoridade, encontrada nos livros
sagrados.
•Características:
1. É inspiracional
2. É infalível
3.É sistemático
4.Não é verificável
O senso comum
• Também chamado de conhecimento popular, empírico
ou vulgar. É o conhecimento obtido ao acaso, na
vivência do homem na sociedade (Tradicional). Ele esta
veiculado a percepção e a ação.
• Características:
1. Superficial (alheio quanto a causa dos fenômenos)
2. Sensitivo
3. Subjetivo (experiência/Tradição)
4. Assistemático/fragmentário
5. Não se preocupa com a validade da informação
Conhecimento técnico
- Grau médio de sistematização
- Pragmatismo/preocupação imediata em
resolver problemas;
- Caráter pouco crítico;
- Geralmente preocupado com a
capacitação profissional;
Conhecimento Filosófico
• A filosofia atualmente está ligada a uma postura
crítica, de questionamento de si e da realidade.
• Busca-se constantemente o sentido, a justificação, as
possibilidades de interpretação a respeito do homem.
• Na filosofia as perguntas importam mais do que as
respostas.
• Filosofar é interrogar. É um contínuo questionar.

• Seu método é racional, baseado na razão e no trabalho


metal
Conhecimento científico
 Além do fenômeno, o conhecimento
científico permite conhecer as causas e as
leis que o regem.
 O método que garante a veracidade do
conhecimento. Só saber do fenômeno,
sem explicá-lo não é ciência.
CARACTERÍSTICAS DO CONHECIMENTO
CIENTÍFICO

a) Sistematização de produção e transmissão


- deve ser utilizado um método aceito pela comunidade
científica;

b) Possibilidade de verificação
- o enunciado afirmado deve se confirmar quando proposto
para circunstâncias iguais;

c) Contingência
- é passível de mudanças
- possui limitações espaciais e temporais
d) Antidogmatismo
- questionamento contínuo;
e) Racionalidade
- coerência interna entre proposições e conclusões;
f) Base fática
- nem sempre será empírico ou será um estudo de caso;
- todavia, deve poder ser demonstrável a partir da realidade
(ainda que seja somente uma análise bibliográfica)
Ciência
 Etimologia: Ciência vem da palavra latina
scientia, que significa conhecimento
 A Ciência é o conhecimento ou um sistema de
conhecimento que envolve verdades gerais ou a
operação de leis gerais especialmente obtidas e
testadas através do método científico.
Ciência
 Objetivos da Ciência Melhoria da qualidade de vida intelectual
 Melhoria da qualidade de vida material
Não é o objetivo da ciência responder todas as questões
Funções da Ciência
 Novas descobertas
 Novos produtos
 Melhoria da qualidade de vida
 LOCAIS DA CIÊNCIA

 Universidades e outras instituições de educação


superior e de pesquisa (acadêmicas/científicas)
 Exs.: ITA, IPT e NASA

 Indústrias
 Ex.: Indústria Farmacêutica, automobilística, têxtil, etc
Pesquisa
 Pesquisa é o conjunto de investigações, operações e trabalhos
intelectuais ou práticos que tenham como objetivo a descoberta
de novos conhecimentos, a invenção de novas técnicas e a
exploração ou a criação de novas realidades.
 A pesquisa é utilizada para: Gerar e adquirir novos
conhecimentos sobre si mesmo ou sobre o mundo em que vive
Obter e/ou sistematizar a realidade empírica (conhecimento
empírico) Responder a questionamentos (explicar e/ou
descrever) Resolver problemas Atender à necessidades de
mercado
Porque pesquisar?

 Duas motivações...
 Intelectual
 Melhorar a qualidade de vida, oportunizando aprendizado
 Econômica
 Desenvolver novas soluções para problemas existentes ou
que ainda estão por vir (produtos e/ou serviços)!
 Economias Baseadas no conhecimento!
Diferença entre Pesquisa e
Desenvolvimento

 Pesquisa
 Ferramenta para obtenção de Novos
conhecimentos
 Desenvolvimento
 Aplicação destes conhecimentos para
produção de artefatos
Pesquisa...
 Processo realizado para
 Responder a uma questão
 Resolver um ou vários problemas
 Satisfazer a uma necessidade, criar,
inventar.
 Em resumo...
 É um conjunto de investigações,
operações e trabalhos intelectuais ou
práticos, que objetiva descobrir novos
conhecimentos, inventar novas técnicas
e explorar ou criar novas realidades
Tipos de Pesquisa Científica
 Pesquisa Científica:
 Toda atividade de pesquisa que utilizar o método científico
 Podem gerar conhecimento
 Intelectual
 Em forma de novos produtos, processos e conhecimentos
resultantes
Pesquisa Científica

Quanto à natureza

Pesquisa Básica Pesquisa Aplicada

Quanto aos objetivos

Pesquisa Exploratória Pesquisa Descritiva Pesquisa Explicativa

Quanto aos procedimentos

Pesquisa Experimental Pesquisa Operacional Estudo de Caso

Pesquisa em Laboratório e/ou Pesquisa em Campo


Pesquisa Quanto à Natureza

Pesquisa Científica

Quanto à natureza
Pesquisa Básica ou Pesquisa Aplicada
Fundamental

Gera produtos, processos


Gera conhecimentos sem
finalidades imediatas +
Conhecimentos utilizados Conhecimentos com
em pesquisa aplicada finalidade imediata

Melhoria da Qualidade de Vida


Principais Características
 Pesquisa Básica  Pesquisa Tecnológica
 Visa entender ou descobrir  Visa aplicar conhecimentos
novos fenômenos básicos
 Gera conhecimentos básicos  Pode ou não ser reservada
 Não é reservada  Produz produtos, processos
 Requer a divulgação dos e patentes
conhecimentos  Gera novas tecnologias e
 Produz artigos científicos conhecimentos
Do ponto de vista da forma de abordagem
do problema:

 Pesquisa Quantitativa: considera que tudo pode ser quantificável, o que


significa traduzir em números opiniões e informações para classificá-las e
analisá-las. Requer o uso de recursos e de técnicas estatísticas (percentagem,
média, moda, mediana, desvio-padrão, coeficiente de correlação, análise de
regressão, etc.).

 Pesquisa Qualitativa: considera que há uma relação dinâmica entre o mundo real
e o sujeito, isto é, um vínculo indissociável entre o mundo objetivo e a subjetividade do
sujeito que não pode ser traduzido em números. A interpretação dos fenômenos e a
atribuição de significados são básicas no processo de pesquisa qualitativa. Não requer o
uso de métodos e técnicas estatísticas. O ambiente natural é a fonte direta para coleta de
dados e o pesquisador é o instrumento-chave. É descritiva. Os pesquisadores tendem a
analisar seus dados indutivamente. O processo e seu significado são os focos principais de
abordagem.
Quanto aos fins a pesquisa pode ser:
 A investigação exploratória é realizada em área na qual há pouco conhecimento
acumulado e sistematizado. Por sua natureza de sondagem, não comporta
hipóteses que, todavia, poderão surgir durante ou ao final da pesquisa. É,
normalmente, o primeiro passo para quem não conhece suficientemente o campo
que pretende abordar.

 A pesquisa descritiva expõe características de determinada população ou de


determinado fenômeno. Pode também estabelecer correlações entre variáveis e
definir sua natureza. Não tem compromisso de explicar os fenômenos que
descreve, embora sirva de base para tal explicação. Pesquisa de opinião insere-se
nessa classificação.

 A investigação explicativa tem como principal objetivo tornar algo inteligível,


justificar lhe os motivos. Visa, portanto, esclarecer quais fatores contribuem, de
alguma forma, para a ocorrência de determinado fenômeno. Por exemplo: as
raízes do sucesso de determinado empreendimento. Pressupõe pesquisa
descritiva como base para suas explicações.

Uma pesquisa pode ter mais de uma finalidade simultaneamente.
QUANTO AOS MEIOS DE INVESTIGAÇÃO
 Pesquisa de campo é investigação empírica realizada no local onde ocorre ou ocorreu
um fenômeno ou que dispõe de elementos para explicá-lo. Pode incluir entrevistas,
aplicação de questionários, testes e observação participante ou não. Exemplo:
levantar com os usuários do Banco X a percepção que têm sobre o atendimento ao
cliente.

 Pesquisa de laboratório é experiência realizada em local circunscrito, já que no


campo seria praticamente impossível realizá-la. Simulações em computador situam-se
nesta classificação.

 Investigação documental é a realizada em documentos conservados no interior de


órgãos públicos e privados de qualquer natureza, ou com pessoas: registros, anais,
regulamentos, circulares, ofícios, memorandos, balancetes, comunicações informais,
filmes, microfilmes, fotografias, video-tape, informações em disquete, diários, cartas
pessoais a outros. O livro editado pela Fundação Getúlio Vargas e pela Siciliano em
1995 sobre a vida de Getúlio Vargas é, basicamente, apoiado em pesquisa documental,
notadamente, o diário deVargas.
 Pesquisa bibliográfica é o estudo sistematizado desenvolvido com base em
material publicado em livros, revistas, jornais, redes eletrônicas, isto é, material
acessível ao público em geral.

 Fornece instrumental analítico para qualquer outro tipo de pesquisa, mas


também pode esgotar-se em si mesma. O material publicado pode ser fonte
primária ou secundária.

 Por exemplo: o livro Princípios de Administração Científica, de Frederick W.


Taylor, publicado pela Editora Atlas, é fonte primária se comparado com obras de
outros autores que descrevem ou analisam tais princípios.

 Estas, por suas vez, são fontes secundárias em relação ao primeiro por se
basearem nele para explicitar outras relações. O material publicado pode
também ser fonte de primeira ou de segunda mão.
Pesquisa experimental é investigação empírica na qual o pesquisador manipula e
controla variáveis independentes e observa as variações que tal manipulação e controle
produzem em variáveis dependentes.
 Variável é um valor que pode ser dado por quantidade, qualidade, característica,
magnitude, variando em cada caso individual.
 Exemplo: na expressão sociedade globalizada, globalizada é a variável do conceito
sociedade. Variável independente é aquela que influencia, determina ou afeta a
dependente. É conhecida, aparece antes, é o antecedente. Variável dependente é aquela
que vai ser afetada pela independente. É descoberta, é o consequente.
 A pesquisa experimental permite observar e analisar um fenômeno, sob condições
determinadas.Também se pode fazer investigação experimental no laboratório.

Investigação ex post facto refere-se a um fato já ocorrido.


 Aplica-se quando o pesquisador não pode controlar ou manipular variáveis, seja
porque suas manifestações já ocorreram, seja porque as variáveis não são controláveis.
 A impossibilidade de manipulação e controle das variáveis distingue, então, a pesquisa
experimental da ex post facto.
 A pesquisa participante não se esgota na figura do pesquisador. Dela
tomam parte pessoas implicadas no problema sob investigação, fazendo
que a fronteira pesquisador/pesquisado, ao contrário do que ocorre na
pesquisa tradicional, seja tênue.

 Pesquisa-ação é um tipo particular de pesquisa participante que supõe


intervenção participativa na realidade social. Quanto aos fins é, portanto,
intervencionista.

 Estudo de caso é o circunscrito a uma ou poucas unidades, entendidas


essas como uma pessoa, uma família, um produto, uma empresa, um
órgão público, uma comunidade ou mesmo um país. Tem caráter de
profundidade e detalhamento. Pode ou não ser realizado no campo.

 Os tipos de pesquisa não são mutuamente exclusivos. Por exemplo: uma


pesquisa pode ser, ao mesmo tempo, bibliográfica, documental, de campo
e estudo de caso.
O planejamento da pesquisa
 Pesquisa é a construção de conhecimento original de acordo
com certas exigências científicas.
 Para que seu estudo seja considerado científico você deve
obedecer aos critérios de coerência, consistência,
originalidade e objetivação.
 É desejável que uma pesquisa científica preencha os
seguintes requisitos:
a) a existência de uma pergunta que se deseja responder;
b) a elaboração de um conjunto de passos que permitam
chegar à resposta;
c) a indicação do grau de confiabilidade na resposta obtida”
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR10520: informação e documentação -
apresentação de citações em documentos. Rio de Janeiro, 2001.
 AZEVEDO, Israel Belo de. O prazer da produção científica: diretrizes para a elaboração de
trabalhos acadêmicos. Piracicaba: Ed. da UNIMEP, 1998.
 DEMO, Pedro. Pesquisa e construção de conhecimento. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro,
1996.
 GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1999.
 LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia
científica. São Paulo: Atlas, 1993.
 LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia do trabalho científico.
São Paulo: Atlas, 1991.
 MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento. São Paulo: Hucitec,1993.
 POPPER, Karl. A lógica da pesquisa científica. São Paulo: Cultrix, 1993.
 SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Cortez, 2000.
 TRIVIÑOS, Augusto N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em
educação. São Paulo: Atlas, 1992.