Você está na página 1de 4

DIREITO ADMINISTRATIVO

Licitações – Fases II
Viu algum erro neste material? Contate-nos em: degravacoes@grancursosonline.com.br

LICITAÇÕES – FASES II

Aspecto econômico-financeiro (art. 31)

• Comprova que o licitante possui capacidade de suportar eventual ônus


decorrente de uma futura contratação. Por vezes, a licitação envolve um
dispêndio inicial forte no começo, como em obras. O particular precisa mobi-
lizar um capital muito grande no início para poder fazer esse tipo de obra.

Atenção!
• Pode ser exigida garantia do licitante, de até 1% do valor estimado – art.
31, inc. III. Essa é a garantia de proposta, pois é feita na etapa da proposta.
• Garantia do contratado – percentual diferenciado – conforme art. 56. A
garantia do contratado é de, em regra, até 5% do valor estimado.

§ 2° A Administração, nas compras para entrega futura e na execução de obras e


serviços, poderá estabelecer, no instrumento convocatório da licitação, a exigência
de capital mínimo OU de patrimônio líquido mínimo, OU ainda as garantias previs-
tas no § 1° do art. 56 desta Lei, como dado objetivo de comprovação da qualifica-
ção econômico-financeira dos licitantes e para efeito de garantia ao adimplemento
do contrato a ser ulteriormente celebrado.

Acórdão 2099/2009 – Plenário – TCU

• É vedada a exigência, como requisito qualificação econômico-financeira,


de que as empresas licitantes apresentem, simultaneamente, comprovan-
tes de depósito de garantia da proposta e de capital mínimo integralizado.

§ 5° A comprovação de boa situação financeira da empresa será feita de forma


objetiva, através do cálculo de índices contábeis previstos no edital e devidamente
justificados no processo administrativo da licitação que tenha dado início ao certa-
me licitatório, vedada a exigência de índices e valores não usualmente adotados
ANOTAÇÕES

Produção: Equipe Pedagógica Gran Cursos Online


1
www.grancursosonline.com.br
DIREITO ADMINISTRATIVO
Licitações – Fases II
Viu algum erro neste material? Contate-nos em: degravacoes@grancursosonline.com.br

para correta avaliação de situação financeira suficiente ao cumprimento das obri-


gações decorrentes da licitação.

Acórdão n. 326/2010 – Plenário – TCU

“(…) índices devem estar devidamente justificados no processo administrativo


que tenha dado início ao procedimento licitatório, sendo vedada a exigência de
índices e valores não usualmente adotados para a correta avaliação da situação
financeira suficiente ao cumprimento das obrigações decorrentes da licitação.”

• Logo, são admitidos índices usuais, que são os índices de mercado.

Outras observações:

1° A inabilitação do licitante implica impossibilidade deste de participar de


fases posteriores da licitação.
2° Possibilidade de empresas em consórcio (o consórcio é fazer em conjunto,
o que, em tese, sozinho não é possível). Responsabilidade solidária das con-
sorciadas. É uma faculdade da administração (art. 33), ou seja, a administração
pública permite ou não a participação conforme achar conveniente.
3° Superada a habilitação, ocorre a impossibilidade de desistir das propostas,
salvo fatos supervenientes ou só conhecidos após o julgamento (art. 43, § 5º).
Caso o licitante desista sem nenhuma razão para tal, ele pode ser responsabili-
zado e receber punições por não ter honrado sua proposta.
4° Resumo: inabilitado: não participa de fases posteriores (art. 41, § 4º).

JULGAMENTO/CLASSIFICAÇÃO DAS PROPOSTAS

Propostas inexequíveis ou com preços manifestamente superiores aos de


mercado serão desconsideradas – desclassificadas (art. 48, inc. II).
ANOTAÇÕES

Produção: Equipe Pedagógica Gran Cursos Online


2
www.grancursosonline.com.br
DIREITO ADMINISTRATIVO
Licitações – Fases II
Viu algum erro neste material? Contate-nos em: degravacoes@grancursosonline.com.br

Atenção!
Propostas aparentemente inexequíveis não podem ser sumariamente
desclassificadas. É possível promover diligências posteriores para a
investigação.

Observações:

1ª – No caso de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, a legislação


considera empate (art. 44 da LC n. 123):
–– situações em que as propostas apresentadas pelas microempresas e
empresas de pequeno porte sejam iguais ou até 10% (dez por cento)
superiores à proposta mais bem classificada.
–– no pregão, o intervalo percentual será de até 5% (cinco por cento) supe-
rior ao melhor preço.

 Obs.: No pregão, o intervalo percentual será de até 5% (cinco por cento) supe-
rior ao melhor preço. Nesse caso, quem julga é o pregoeiro.

2° Regra geral, o julgamento é procedido por uma COMISSÃO (art. 51). Prin-
cipais observações quanto a estas:
I) Composta por 3 membros, no mínimo, sendo que, destes, também no
mínimo, 2 devem ser servidores dos quadros permanentes da Administração
(órgão/entidade) realizadora do certame.
3° Os membros são solidários pelas opiniões que produzam, resguardando-
-se a posição do divergente, desde que fundamentada e consignada em ata.
Com isso, é possível se resguardar de eventual responsabilização.
4° Mandato dos membros – Até 1 ano, vedando-se a recondução da totali-
dade dos membros no período subsequente para a mesma comissão.
ANOTAÇÕES

Produção: Equipe Pedagógica Gran Cursos Online


3
www.grancursosonline.com.br
DIREITO ADMINISTRATIVO
Licitações – Fases II
Viu algum erro neste material? Contate-nos em: degravacoes@grancursosonline.com.br

HOMOLOGAÇÃO E ADJUDICAÇÃO (ART. 43, VI)

Atos da autoridade, não da comissão. Quadro comparativo:

HOMOLOGAÇÃO – Ato de controle ADJUDICAÇÃO – Ato declaratório


Ratificação dos atos anteriormente produzidos Declaração oficial da administração pública
(é um “visto”). quanto ao vencedor do certame.
Na ordem, vem antes (1°). Na ordem, vem após (2°).
Gera ao recebedor “expectativa de direito”.

• Ambas podem vir contidas em um só despacho.

Atenção!
O processo licitatório pode ser anulado ou revogado, mesmo que já encerrado.
Contudo, no último caso (revogação), caso o contrato já tenha sido firmado,
deve haver a rescisão do pacto, conforme art. 79 da Lei n. 8.666.

• Na anulação, segundo o art. 49, a razão de ser é a ilegalidade. A lei dispõe


que a ilegalidade no procedimento leva à anulação.
• Na revogação, a lei estabelece que é preciso haver um fato superveniente,
pertinente, comprovado e que justifique a conduta. É uma revogação condi-
cionada.
• A revogação só pode ocorrer se ainda não houver contratação.
• Não se revoga instrumento bilateral, o contrato é rescindido.
• O art. 59 estabelece que, quando a ilegalidade ocorrer no processo, isso
induz à ilegalidade do contrato.

�Este material foi elaborado pela equipe pedagógica do Gran Cursos Online, de acordo com a
aula preparada e ministrada pelo professor Sandro Henrique.
A presente degravação tem como objetivo auxiliar no acompanhamento e na revisão do con-
teúdo ministrado na videoaula. Não recomendamos a substituição do estudo em vídeo pela
leitura exclusiva deste material.
ANOTAÇÕES

Produção: Equipe Pedagógica Gran Cursos Online


4
www.grancursosonline.com.br