Você está na página 1de 29

Manual da Formação em Terapia Menstrual©:

O que é a Terapia Menstrual© ?

É um conjunto de saberes ancestrais femininos que foram compilados, recriados e


reforçados com técnicas de cura energética. A terapia menstrual busca guiar a mulher
em um reconhecimento mais profundo de seu ciclo menstrual e de sua vida como ser
feminino, um contato mais consciente com seu sangue menstrual, recuperar a
importância dos ritos de passagem para conectar uma etapa da vida com a outra. Tudo
isso, permite capitalizar suas energias, recuperar a autonomia do seu corpo; é uma
medicina física, mental e espiritual para si mesma, elevar sua auto-estima, ter segurança
em si mesma, entre outros benefícios pessoais e de acordo com o interesse de cada
mulher.

Formação de terapeutas menstruais

É um treinamento intensivo para mulheres que desejam ser guias de outras mulheres
para recuperar os conhecimentos do ciclo menstrual. Podem ser guias de círculos da lua
menstrual madretierra ou através de trabalho independente.
Dirigida a docentes do ensino médio, ginecologistas, pisicólogas, terapeutas, assistentes
sociais, respiradoras ováricas, guias de círculos, doulas e parteiras, e a qualquer mulher
que deseje ser guia de outras mulheres no autoconhecimento de seu ciclo menstrual,
suas mudanças e suas manifestações, assim também como a medicina física, mental e
espiritual deste dom feminino.

Objetivos da formação das terapeutas: 


- conscientizar as terapeutas menstruais no reconhecimento e respeito pelo sagrado


ancestral do sangue lunar (usos e leitura do sangue menstrual).
- conscientizar as terapeutas menstruais sobre a importância de sustentar um eco-
sangramento-sagrado entrando em comunhão e ciclicidade com a natureza.
- Preparar essas mulheres na confecção de um relógio lunar pessoal e em absorventes
ecológicos femininos;
- formar terapeutas menstruais que possam reconhecer em seu próprio corpo o ciclo
completo do sangramento menstrual, suas diferenças, seus cambios, suas
potencialidades;
- formar terapeutas menstruais que possam interpretar os ciclos completos da vida de
uma mulher e a importância de seus portais e o envolvimento de cada um deles na vida
de uma mulhere;
- capacitar as terapeutas menstruais a guiar outras mulheres em seus processos de auto-
conhecimento;
- facilitar ferramentas de trabalho às terapeutas menstruais para guiar e sustentar um
circulo sagrado feminino;
- facilitar ferramentas de trabalho às terapeutas menstruais para guiar de forma
individual as mulheres que atendam em seu processo de auto-conhecimento, como
curadoras do sagrado feminino.

Para o trabalho com circulo sagrado feminino Madretierra:

Cada dia mais e mais mulheres sentem o chamado a circular junto a outras mulheres,
curando, reciclando, aprendendo umas com as outras, encontrando-se nas dores e atos
heróicos de cada uma da manada. O circulo de mulheres é um espaço curador, de
reencontro com nós mesmas e com outras....um lugar onde derrubamos os preconceitos
da competitividade feminina, um lugar onde nos reconstruímos como irmãs.

No entanto, um círculo de sagrado menstrual é ainda mais, porque nele conseguimos
encontrar-nos com nosso verdadeiro poder feminino, a ciclicidade, e nela o sangue
menstrual, transitá-lo em círculo é ver que aquilo que me acontece, acontece com todas,
e ter a possibilidade de resignificar nossa capacidade feminina.
E assim também, muitas mulheres sentem o chamado a criar círculos, e para isso é
importante preparar-se, porque no sistema que vivemos temos o costume de trasmitir o
saber e conhecimento através de uma única pessoa, mas no círculo o saber passa por
todas. Ao ser criadora de círculos temos que fugir desse lugar para nos integrar, mas
saber sustentar e criar uma temática real, progressiva e consciente não é tarefa fácil. Por
isso disponibilizo meus anos de experiência com círculos de mulheres e principalmente
com o Círculo Sagrado Feminino (Minhas Luas) da Madretierra. Através da experiência
que trago a terapeuta pode se fortalecer e se apoiar em uma rede já constituída e
trabalhada, com muitas mulheres de diferentes lugares que já se curaram e passaram por
essa instância. Através da Formação e Certificação de Terapia Menstrual© poderá guiar
um Círculo Sagrado Feminino da Madretierra de maneira sustentável e em rede.

Certificação e programa:

Para poder receber o certificado e trabalhar com consulta, como curadora do sagrado
feminino e no desenvolvimento de Círculos Sagrados Femininos da madritierra é
necessário ter 100% das horas de treinamento realizadas, além da entrega de um
Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). O treinamento tem um total de 40 horas
práticas.

Programa:


- apresentação
- exposição teórica dos órgãos envolvidos no sangramento menstrual
- exposição teórica e prática do ciclo do sangramento menstrual, estágio por estágio,
características, mudanças e potencialidades de cada um assim como a forma de
capitalizar a energia ativa de cada estágio.
-o sangue menstrual como ferramenta oracular e de cura.
- pontos de ação e massagens no corpo assim como movimentos físicos para a cura.
- preparação de tinturas e unguentos (pomadas0 com o sangue menstrual.
- confecção do relógio lunar pessoal e absorventes ecológicos femininos.
- ervas e pedras para o tratamento femininos.
- vizualizações.
- exercícios de limpeza e harmonização energética.
- integração de possíveis exercícios de autoconhecimento e cura.
- intervenção e mediação de grupos.
- arte menstrual.
- contos infantis e mitos.
- desenvolvimento de arquétipos femininos.

Facilitadora: Zulma Moreyra de Madretierra 


Zulma Moreyra
Taróloga, Sacerdotisa da Lua e Temazcalera, leitora de Registros Akáshicos,
Gemoterapeuta, Sahumadora, Herbóloga, professora Respiración Ovárica, massagista
Chamánica. Guía de círculos. Especializada en Espiritualidade Feminina, Colunista na
revista de Mujeres Divinas. Guardiã Madretierra e criadora da Formação de Terapia
Menstrual©.

Seu primeiro contato com as cartas foi aos 11 anos de idade, graças a sua tia Mari que
lhe ensinou manuseio das cartas espanholas, desta maneira come çou a desenvolver o
que já se via como um dom natural, já maior de idade começou a aprimorar este dom
aprendendo o significado das cartas de tarot. 


Zulma vive em Entre Ríos, Argentina, atende diariamente a diferentes pessoas
orientando-as a resolver seus problemas. Facilita oficinas de cura feminina,onde ensina
capitalizar a energia dos ciclos da mulher, utilizando a arte como meio de expressão.
Da cursos de tarot entre outros, cordena cerimônias e sabbats (festas sagradas de cada
estação do ano).
atiende diariamente a distintas personas orientándolas para resolver sus problemas.
Facilita talleres de sanación femenina, donde enseña a capitalizar la energía de los
ciclos de la mujer, utilizando el arte como medio de expresión.

Da cursos de tarot entre otros, coordina ceremonias lunares y sabbats (fiestas sagradas
de cada estación del año).
Na busca do desenvolvimento da espiritualidade feminina, Zulma cria e forma parte de
círculos de mulheres, onde celebra o sagrado feminino. Gestou a formação de Terapia
Menstrual© como produto de longos anos de investigação e desenvolvimento do
Sagrado Menstrual, através da integração de diferentes ferramentas com que pode
contar como terapeuta, entre ellas ervas, massagens, visualizações, experiência em
campo com as mulheres, conseguindo assim um conjunto completo para o tratamento de
problemas femininos, tanto espirituais, como psicológicos e físicos.

Se nutriu de muitas professoras ao longo do caminho, Elisa Martines, Luz Clara Camus,
Vicki Noble, Sajeeva Hurtado, Pachi Franco, Jerusha, Instituto naturópata Isen, abuela
Emma, entre outras irmãs e como ela mesma diz, suas grandes professoras, as mulheres
circulantes da Madretierra.

Em 2010 e 2011 criou com outras duas amigas o "Encuentro de Sanación Femenina" no
Paraná, onde estiveram como professoras convidadas Luzclara y Vicki Noble
oferecendo oficinas junto com mulheres como Mayra Fariña, Saajeva Hurtado, Chaska
Furfaro, Pachi Franco, entre outras mulheres sabias desta Terra.

Zulma difunde os mistérios da Antiga Religião por meio da rate da palabra e cura
espiritual.

Depoimentos

* Meninas, eu não sou boa com as palavras, eu quase não consigo expressar meus
sentimentos, mas tentarei contar o quão especial foi para mim a experiência do círculo.
Primeiro, eu cheguei por acaso, sem ter idéia de nada, porque não só não conhecia estes
grupos de mulheres, como também não conhecia a mim mesma! Desconhecia o enorme
potencial com o qual a Mãe nos abençoou!
Permitiu-me curar principalmente a mulher amante e a mãe que cada uma leva consigo.
Bani de mim esse sentimento de que o sangramento era um fardo a cada mês; pelo
contrário, agora espero ansiosa o dia para recolher minha lua, já que nela coloco todas
as minhas intenções. Realmente é uma experiência muito forte, não só te conecta com
você mesma e com a Mãe Terra, como cria laços fortes com outras mulheres que
passam por situações diferentes, que nos reatrolimentam e nutrem. De coração lhes
recomendo que se animem e se permitam viver a experiência q é MARAVILHOSA!

Saudações e muita luz a todas, aproveitem que têm a MELHOR facilitadora do grupo,
não duvidem por um instante e entreguem-se em suas mãos. Betiana

* Para mim, o círculo foi um começo, nele aprendi a sentir a outras mulheres como
irmãs, a me alegrar e me emocionar até as lágrimas por elas, sentir empatia, me unire
com a alma inteira a outra mulher. Eu!! que antes de começar o círculo achava que mais
de 2 ou 3 mulheres não podiam estar juntas. Algo se quebrou em mim, uma estrutura
que trazia desde tempos antigos, e surgiu tanto amor, a mudança em mim foi de dentro,
do fundo do meu coração e perdura até hoje intensificando-se cada dia mais. Hoje
transito este caminho que escolhi e em minha vida passam mulheres que choram de dor
e lá estou, dando um abraço, umas palavras, minha mão, porque hoje posso entendê-las,
e não sei se ajudá-las, mas estar com elas, porque aprendi que quando uma mulher
desperta, deve ajudar o resto. Isso a energia do círculo me ensinou. Sei que caminho
pelas vias e por aí, e nesses lugares sempre vão estar minhas irmãs do círculo para me
apoiarem. Em cada momento da minha vida apareceu a lembrança do que aprendi no
círculo, tive a experiência de ver minha mãe partir por uma doença, mas a despedida foi
amorosa e em paz, não fiquei com nada guardado, no círculo trabalhei a relação com
ela, mãe-filha, e concretizei quando chegou o momento, tudo foi perdoado e a única
coisa que existiu foi muita gratidão e amor. Hoje eu o transmito para minhas
filhas.Viver a experiência de um círculo me trouxe muitas mudanças, fiz amizade com
meu lado feminino, lhe dei o valor que em algum momento havia esquecido, hoje sou
forte como antes, mas feminina. Tenho muitas amigas, irmãs da vida, para quem
transmito a sacralidade do nosso corpo, o poder de nosso sangue, o templo que é nosso
útero. E volto ao princípio, o círculo é para mim o não quando nasci, mas quando
despertei!! Ingrid

* Para mim teve um antes e depois da formação. Comecei a encontrar cura e aceitação
do meu ser mulher em cada encontro. Me mostrou a mulher que estava dentro e que eu
não reconhecia. Me ajudou a amar e a compreender meu ciclo menstrual. Até aquele
momento para mim a menstruação tinha sido um problema, um revés. Tinha dores
fortes que se foram quando comecei a ciclar com a lua. Desde então, e já faz 3 anos,
trilho o caminho do amor pelo meu corpo e minha mente aproveitando todos os dias os
ensinamentos que Zulma nos transmitiu. Até hoje, embora não nos encontremos com
frequencia, o círculo que soubemos formar naquele momento segue em nossos orações
e cada vez que precisamos nos juntamos. Obrigada. Ceci

* Olá!!!.... minha experiência com o círculo de luas teve vários momentos..... no


começo, foi um pouco estranho, diferente e eu preconceituosa.... aos poucos, fui me
encontrando com um espaço muito especial, onde compartilhei com outras mulheres
experiências impressionantes de amorosidade... um lugar que me inspirava confiança,
onde me senti realmente com semelhantes .....tão iguais….. e tão diferentes que de
todas eu podia ir reconhecendo aquela característica que me ensinava, me enriquecia,
e passaram a ser uma referência cada uma de sua virtude… por isso hoje são minhas
irmãs .......depois fui me encontrando com as dores, as angústias, as dúvidas, as
renúncias, as impotências, asviolências, os sonhos, as ilusões, os amores
frustrados......... e, muito maravilhosamente, com um novo jeito de experimentar o
PERDÃO, o que tem sido altamente curativo………
Materiais para os 4 días da formação:

Dia 1
* Foto de vocês de crianças
• Folhas brancas, lápis de cor, uma tinta cor vermelho sangue, tesoura e cola em bastão.
• 1 fita ou cordão, aproximadamente de 1,50 mt de cor vermelha.
• Um tecido vermelho leve (chiffon-tul-tafeta, se não, qualquer tipo de tecido) o maior
tamanho possível. Imagine uma capa que chega até seus pés (vamos fazer a nossa capa-
tenda vermelha!)
• Coleta de seu sangue menstrual em um frasco de vidro (se você puder. O sangue pode
ser mantido na geladeira)

Dia 2
* O sangue menstrual ou tinta vermelha
* Foto onde se sentam muito lindas
* Um espelho de bolso
* Uma pena
* Capa vermelha (a mesma do dia anterior)
* Para os absorventes: 2 pedaços de tecido de algodão 20 x 20 cm (os que você mais
goste) sacolas de arroz ou de leite vazias
* Um pedaço de 30 x 20 centímetros de toalha, pode ser alguma velha. Velcro ou botão
de metal pequeno. Agulha, linha, tesoura, canetão. Um absorvente feminino dos que vcs
geralmente usam

Dia 3
* Fotos da Mãe
* Um cobertor
* Bowl ou tigelas para fazer a alquimia
* Óleo de amêndoas.
* Pedras: cornelina, jaspe vermelho, granate, ametista, quartzo, pedra da lua, quartzo
rosa, hematita, ágata, jade, malaquita, esmeralda, obsidiana, epidote. (3 é suficiente)
* Ervas secas ou tintura, um frasco de cada uma. (Artemisia, cavalinha, hortelã)
Día 4

*folhas de tabaco.
*lãs coloridas e dois palitos. (olhos de Deus)
*fotos da avó materna.
*Uma vela vermelha.
*Folhas, flores e sementes para fazer uma mandala uterina
*2 círculos de tela do tamanho de um prato de sobremesa (DINA verificar o prato)
*100gr sementes de linhaça e erva seca Artemísia.
Temas:

1- Apresentação

2- Exposição teórica dos orgãos envolvidos no periodo menstrual, na gravidez e


plenitude.

3- Esposição teórica e prática do ciclo menstrual, etapa por etapa, características,


mudanças e potencialidades de cada um, assim como a forma de captar a energia ativa
de cada estágio.

a) o sangue menstrual como ferramenta oracular (arte menstrual) e de cura.


b) entrega do relógio lunar pessoal e absorventes ecológicos femininas.

Absorventes ecológicos:

Porque usá-las? Por 2 razões simples:


Por saúde: porque os absorventes comuns são de plástico, o plástico é um derivado do
petróleo, tem variados processos químicos, entre perfumes, gels, branqueadores,
pesticidas.
Por ecologia: cada mujer em sua vida fértil usa em média 15.000 absorventes, os quais
são jogados no lixo. O plástico não é biodegradável e os produtos químicos ficam na
terra contaminando-o. A ecologia também é economia. Calcule, quanto você gasta de
absorvetes por período menstrual?

Materiais:
- Tecidos de algodão que você goste.
- Nailon reciclado de pacotes de arroz ou sachês de leite.
- Tecido de toalha
- velcro ou clips
- agulha- linha –tesoura, canetinha.
- um absorvente de uso habitual.

Absorventes: confecção: dobre o tecido em dois e marque com uma canetinha o


contorno do absorvente comum, recorte deixando o espaço de um cm para a costura.
Faça o mesmo com o nailon reciclado (isso é opcional) o nailon não ficará em contato
com a pele, a funçã dele é não permitir manchar na roupa inteior.
Costure as três partes, as duas telas e o nailon e em terceiro deixe uma parte sem
costurar para dar volta ao tecido de maneira que fique tecido, nailon e tecido. Terminei
de costurar e coloque o velcro na parte superior e os clips nas abas para segurar a
calcinha. (DINA verificar o processo)

Absorventes (parte interior): confecção: Com um tecido de toalha, meça


aproximadamente um quadrado de 20 x 20, recorte e costure as bordas.
Existe distintas formas de absorventes, você pode verificar e escolher a que mais goste.
4- Exposição teórica e prática de cada estágio feminino dq vida de uma mulher: suas
mudanças, implicancias e o portal que casa uma atravessa. (rituais de passagem).
a) preparacão de tinturas e pomadas com o sangue menstrual.
b) contos infantils e mitos.
c) desenvolvimento dos arquetipos femininos.

5- Herbolaria ancestral femenina (DINA Não sei traduzir herbolaria)


a) doenças físicas que podem acompanhar o desequilibrio emocional.
b) pontos de acão e masagens no corpo assim como movimentos físicos, para a
cura.
c) ervas e pedras para o tratamento do feminino.
d) visualizações e exercícios de limpeza e harmonização energética

o ponto 6- continua mais para frente…


Para falar de herbolaria vamos ter que levar em conta alguns pontos:

Os orgãos envolvidos no ciclo menstrual além do útero são:

Fígado
Este é encarregado de mover o sangue em todas as direções. Um mau funcionamento do
fígado pode gerar dor menstrual. Genitais inchados, dor no peito, sangue da
menstruação escuro. Mas quando o corpo esta em repouso o sangue se armazena no
fígado. Um mau funcionamento do fígado leva a problema de tendões e musculos. A
emoção alterada é a raiva. Por isso é necessário comer com alegria e serenidade.

!
Baço
Transforma o alimento que comemos em sangue e energia, o conduz para todo o corpo.
Se o baço está desequilibrado não absorve os nutrientes do alimento que ingerimos.
Pode produzir hemorragia uterina entre outros tipos de sangramentos, hematomas,
vômitos com sangue, leucorrea amarela... Se está exaltado e se está sob leucorrea branca
e parasita.
A emoção que afeta o baço é a preocupação, ideias fixas, ciúmes, voltar ao passado. O
baço está envolvido no útero e na fecundação, nos testículos e na formação de
espermatozoides. Muitas vezes é o maior responsável em casos de infertilidade.

Rins
Regulam o nascimento e maduração, pelo que são importantes no aspecto da
fecundação e da gravidez. É o órgão encarregado de mover e transformar a água. A
emoção que afeta ao rim é o medo. Um rim afetado pode gerar impotência ou excesso
de desejo sexual, infertilidade, amenorreia, menstruação irregular, ejaculação precoce,
frigidez.
!

Os pontos no corpo que sugiro trabalhar são:

Auxilia em:

Físico: obstrução e estancamento do sangue


Problemas de tireoides e obesidade
Flatulências, retenção de líquido (problemas de rin), retenção de placenta, metrorragias
coceira na vulva, vulvitis, endometritis prolapso uterino, espasmos vaginais, leucorrea,
infertilidade, dismenorrea, amenorreia, aborto natural, calores na menopausa.
Nos homens dor e inchaço do pênis ou do escroto, uretritis, impotência, espermatorrea,
prostatitis.

Energético: Aqui se trabalha a falta de aceitação a si mesmo, as estruturas mentais que


nos formam e sustentam, assim como também a incapacidade de ser autentico consigo
mesmo. Não seguir nosso próprio caminho, o reter ou preencher para existir de alguma
maneira, não importa como. O equilíbrio entre o feminino e o masculino, em todo o
sentido da vida.

Zona azul (ren mai – canal da linha média frontal):


Vai desde os rins, a zona genital, o umbigo, abdômen e tórax, garganta, mandíbula,
bochechas (passa pelos lábios e gengiva)
Trabalha em relação ao útero, rins, fígado e baço.

Auxilia em:

Físico: suor noturno, insônia, enjoo, calor na menopausa


Para o desenvolvimento sexual e a matriz, para o ciclo menstrual e o climatério, para a
nutrição do feto durante a gravidez.
Esterilidade masculina, leucorrea, problemas durante a gravidez e o parto, dores no
peito, dificuldade para liberar a placenta. Atrasos menstruais, menorreia, amenorreia,
dismenorrea, hemorragia uterina, prolapso del útero, dor genital, coceira na vulva,
deficiência de leite.

Psicológico: na melancolia e na tristeza.

Energético: esta zona está relacionada à criatividade e a nutrição, o sentir-se


merecedora, o dar e o receber, o considerar-se capaz de dar vida. Incapacidade para
sentir prazer, incômodos com o(a) parceiro(a) ou ira por abusos, criações frustradas.

Massagens para a terapia menstrual

Inicialmente se segura a cabeça da mulher massageando suavemente o coro cabeludo e


a nuca, movimentando a cabeça com as mãos em movimentos como de berço. Quando a
mulher está relaxada, comece a trabalhar com os óleos e ervas. Primeiro a parte de trás
dos rins, logo o canal da frente e finalmente pressionar pontos nos pés e pernas. Lembre
que não é uma massagem relaxante, mas sim estimulante dos órgãos femininos e neles a
memória de sua vida como mulher.
É possível usar distintos condutores para a massagem, óleo de amêndoas, o melhor e
mais limpo, aloe vera ou barro, o mais natural. Enquanto para às ervas é bom que vá
estudando e aplicando segundo cada situação, pode usa-las por etapas (exemplo; as
ervas da menina na sessão da menina ou da mulher criativa no 4º encontro), ou pode
usar segundo o que deseja ativas o segunda a problemática do cliente, tente ter as
tinturas das que mais use e também as ervas secas.
Para trabalhar melhor com as plantas nos posicionaremos nos possíveis desequilíbrios
gerados por etapas da vida da mulher

Infância e pré-adolescência
Entre os 8 e os 13 anos de idade o corpo gera os hormônios: estrógeno e progesterona,
eles influenciam no crescimento físico e nas mudanças emocionais, é um trabalho lento
e silencioso. Quando os órgãos reprodutores estão maduros e tudo trabalha em conjunto,
chega o primeiro sangramento, a menarca.

Os possíveis desequilíbrios nesse tempo e as plantas que se podem usar são:


Erupções (acne no rosto e costas): lavanda, hamamelis, llantén, salvia, equinacea,
calendula.
Amenorreia (ausência de menstruação): Artemisa, orégano
Leucorrea (fluxo esbranquiçado): malva, tomilho
Hipermenorreia (sangramento abundante) e dismenorrea (sagramento doloroso)
sangramento acíclico e metorragía (sangramento de muitos dias) são alterações do
fluxo menstrual: milenrama
Retenção de líquido: barba de choclo, parietaria, perejil

Etapa Sexual:
Uma mulher sexual é sinônimo de saúde e alegria, e isso é, sinônimo de uma mulher
pensante e atuante.
Não ser sexualmente ativo pode gerar doenças nervosas como a histeria, a obsessão,
doenças físicas como endometrioses ou ovários policísticos.

Os possíveis desequilíbrios nesse tempo e as plantas que podem ser usadas são:

As plantas que elevam o calor e ativam o apetite sexual: gengibre, cúrcuma, amendoim,
amêndoas, cravo da índia, a artemisa porque gera oxitocina.

Frigidez e impotência: ajedra


Infecções ou vírus vaginais: tomilho, alho, aloe vera, cúrcuma e leite
Ativação do sangue: ginko biloba
Para diminuir a libido, que pode ser por calor no fígado: sauzgatillo, sauce.
Pólipos: são tumores não cancerígenos que se formam no endométrio causando dor e
sangramento irregular e intenso.
Hiperplasia endometrial (câncer de útero)
Aumento da espessura do endométrio é por excesso de estrógeno e falta/diminuição de
progesterona, por tanto, deve-se consumir menos sementes.
Aumentar a progesterona: abacate
Para nutrir e fortalecer o fígado: carqueja e cardo mariano
Reconstruir o sangue por anemia: artemisa, milenrama
Ejaculação precoce: ginko biloba, ginseng. Pode ter relação com problemas de
ansiedade: pasiflora, que acalma a mente, porém da vitalidade.
Para elevar a libido: gengibre, cravo da índia, pimenta negra, cúrcuma, alecrim e canela
são especiarias estimulantes sexuais.

Gravidez e pós parto


Na atualidade há muitas questões pela complexidade que pode ter esta etapa, algumas já
falamos anteriormente, a rejeição da mulher de ser mãe por medo de perder sua
independência, ou por conceitos sociais errôneos, ou por desejos e decisões de sustentar
outra forma de maternidade como a que temos falado de criação de filhos.

Mas também expus anteriormente alguns possíveis motivos psíquicos e energéticos de


porque um casal pode ter problemas de infertilidade.

A terapia menstrual aponta claramente uma forma de concepção consciente, onde não
somente se prepara o útero para a gravidez, mas também o corpo, a alma e o espírito.
Ser um verdadeiro canal para abrigar a gestação de uma criança livre, de espírito natural
e saudável.

Tanto a gravidez quanto o pós-parto são etapas muito sensíveis e de muita conexão da
mulher com ela mesma e o bebê.

Laura Gutman diz sobre: “De fato, o bebê e sua mãe seguem fundidos no mundo
emocional. Este recém nascido, saído das entranhas físicas e espirituais de sua mãe,
forma ainda parte do entorno emocional que ele está submergindo. Por não ter
começado ainda o desenvolvimento do intelecto, conserva suas capacidades intuitivas,
telepáticas, sutis, que estão absolutamente conectadas com a alma de sua mãe. Por tanto,
este bebê se constrói no sistema de representação da alma de sua mãe. Dizendo de outra
maneira, tudo o que a mãe sente, lembra, o que a preocupa, o que rejeita... O bebê vive
como próprio. Porque nesse sentido são dois seres em um.”

Os possíveis desequilíbrios nesse tempo e as plantas que se podem usar são:


É muito importante para conseguir na gravidez os níveis de estrógeno e progesterona,
como dissemos antes estes hormônios são secretados pelos ovários desde a puberdade e
nas distintas etapas do ciclo reprodutor feminino, irregularidades no ciclo menstrual,
fadiga, mudanças de humor, dor nas articulações, perda de cabelo, suor noturno, secura
vaginal e diminuição do desejo sexual são alguns dos efeitos secundários comuns dos
níveis baixos de estrogênios nas mulheres. Em casos mais graves, uma deficiência de
estrogênio também pode contribuir para a infertilidade.

* As ervas como a alfafa, cohosh negro, dong quai, enedo, ginkgo, biloba e o tomilho
são regulares de estrógeno.
* Endometrioses: o tecido se forma fora do útero, pode ser sem sintomas, doloroso ou
de sangramento abundante. Pode causar infertilidade. Deve-se trabalhar o sistema
imunológico e regular a progesterona
* Parto atrasado ou para liberar a placenta: Artemisa
* Vaginites e parto atrasado: malva
A Artemisa possui ação estrogênica e luteotrópica (importante para ficar grávida)
* Para leite nas mamas, cardo mariano fortalece o fígado.
* Estrias e assaduras do bebê: calendula, llanten
* Para recuperar o sangue perdido no parto e ter mais leite, dente de leão

Menopausa (perda do sangramento) velhice:

Se há endometrioses perto da menopausa, o tecido que cresce fora do útero desaparece


*insônia, calores, depressão: melisa, manzanilla
* memória fraca: ginseng, ginko biloba
* osso: cola de caballo, amaranto, dente de leão
* secura vaginal: deve-se proporcionar vitamina E (aumenta a umidade e elastina no
corpo) e vitamina C (restitui a flora vaginal) óleo de gergelim
* calor: (aumentar o estrógeno) aipo, alfafa, sementes de linho, abobrinha, soja, salvia,
hamamelis

Referencias de plantas sugeridas:


A maioria das plantas se encontram na América do Sul, podem variar sua qualidade
devido a nutrição do solo da região cultivada.
Há plantas de livre acesso e plantas de restrito acesso: se trata de transmitir somente as
de livre venda para evitar os problemas para adquiri-las

Ajedrea (Satureia Montana): ajuda na esterilidade, insuficiência testicular, frigidez,


impotência, trabalhando sobre o baço e o pâncreas estimula a atividade dos testículos e
ovários.
Albahaca (ocinum basilium): parto atrasado

Angélica (archangelica): é relaxante e equilibra o sistema nervoso (sua ação é


semelhante a valium), digestiva e carminativa, tônica e estimulante das funções
digestivas, aumenta o apetite e facilita a digestão. É usada em casos de amenorrea e
dismenorrea, de ação estrogênica.
Artemisa (Artemisia Vulgaris): tem propriedade digestiva, aperitiva e emenagogas (que
estimula a menstruação). Uso medicinal: epilepsia, oxiúros, hipersecreção digestiva,
hipossecreção biliar, anorexia, enxaqueca, hipomenorreia, amenorreia,
hipoestrogenismo, é abortiva. Chamada “Tonico da primavera” pelos antigos, estimula a
secreção da bílis, abre o apetite. Ação microbiana, ação estrogênica e luteotrópico,
zumbido nos ouvidos.

Bolsa de pastor (capsella bursa pastoria): tonifica o músculo uterino

Calêndula , Maravilha (calendula officinalis): ação anti-inflamatória, antisséptica e


cicatrizante, também é emenagoga, sudorífica. Uso medicinal: dismenorreia,
inflamações do aparelho genital feminino, infecções, escassa formação de bílis, asma,
tosse, palpitações, angustia, feridas, úlceras, calos, verrugas, furúnculos, acne, ação
oxitosa.

Cardo mariano (silybum marianum): é protetora e anti-inflamatória para o fígado, mas


também atua contra a gripe, catarro, cistite, dores de cabeça, fadiga, enjoos, asma, etc.
Elimina toxinas do fígado e é o mais potente regenerador.

Cavalinha (equisetum) na menopausa. Problemas de osteoporose, retenção de liquido.


Prostatite. Etc.
Dente de leão (taraxacum officinale): Tonico para o fígado. É depurativa do sangue e
tem muito ferro, vitamina A, C e B.

Hamamelis (hamamelis virginiana): Uso medicinal: flebite, varizes, hemorroidas,


distúrbios da menopausa como ondas de calor, hemorragia renal, intestinal e genital,
congestão pélvica, urticária.

Ginko Biloba: ajuda em varizes e hemorroidas, flebite. Insuficiência circulatória


cerebral, fazendo que seja bom para a memória e rendimento intelectural, fragilidade
capilar, previne aterosclerose múltipla.

Helenio (inula helenium): ajuda na anemia, em caso de parasitas intestinais,


hipoestrogenismo, insuficiência de corpo lúteo, leucorrea, insuficiência imunológica.
Malva (malva svlvestris): ação emoliente, antitussígeno e laxante suave para prisão de
ventre, peitoral (emoliente), contra distúrbios digestivos e urinários, vaginites, parto
atrasado, dermatose, bronquite crônica, tosse. A raiz forma parte das espécies calmantes
e as flores entram na composição das espécies peitorais. Nos dentes do bebe se aplica
friccionando suavemente a gengiva com a mucilagem da raiz. As infusões são diuréticas
e emolientes pra o trato urinário em irritações, infecções, etc.

Achillea (achilea follium): possui propriedades anti-inflamatória, favorece a digestão,


colerético (ativa a produção de bílis por parte da vesícula biliar), hipoglicemiante suave
e antimicrobiano, tem um efeito hemostático (detêm o fluxo de sangue) e cicatrizante.

Tanchagem (plantago major): propriedade cicatrizante, anti-hemorrágica, expectorante,


adstringente e purificadora do sangue.

Sálvia (salvia officinalis): anti-inflamatória, é rica em antioxidantes. Rejuvenesce os


óvulos. Melhora a memória, é antissudorífica, antisséptica, ajuda nos distúrbios
menstruais, reguladora menstrual, geradora de estrógenos.

Salgueiro-branco (Salix Alba): acalma a excitação sexual, a febre elevada, a angustia,


agitação, reumatismo, artrites. Atua sobre o rim.

Vitex (bytes agnus castus): neutraliza o excesso de estrógeno e aumenta os níveis do


hormônio luteinizante.
Ações: diaforética, antipirética, reguladora, tonica uterina.

Preparação de tintura madre de plantas:


É importante saber que algumas plantas e remédios apesar de naturais, podem gerar
contraindicações. Portanto sua receita não é mais conveniente sem o consentimento ou a
guia de um médico. Para elaborar uma tintura madre de ervas é necessário limpeza e
esterilização da área e dos elementos que vão ser utilizados.
200g de planta seca + 70ml de álcool de cereal e 30% de água destilada. Para preparar
uma tinta madre a 96%.

Se coloca a planta seca em um recipiente de vidro, com a boca larga, preferivelmente


escura, e adiciona-se álcool e logo água, se tampa, coloque uma etiqueta com os dados
pertinentes e guarde em um lugar fresco e escuro.

Deixe descansar 28 dias, agitando um pouco diariamente. Ao finalizar coar com um


pano ou filtro de café e está pronto para ser consumido.
A dose sugerida é de uma gota por cada kg da pessoa dividido em 2 does diárias, se
toma com água.

Na terapia menstrual usaremos a tintura de maneira externa, em massagens combinada


com óleos, barros, sementes de linho ou simplesmente com panos.

6- como abordar uma consulta individual


* antes de tudo, informar a pessoa de que se trata o tratamento, cada pessoa é um
universo em si mesmo, e não há uma receite de exercícios e elementos para todos, mas
sim deve haver um plano e trabalho para cada cliente.
* é importante esclarecer que a cura é energética e além de ter conhecimento do corpo
físico, que em função da cura energética o corpo físico e mental também se cura, pois
somos uma unidade; corpo mente e espírito.
* ter bem claro o envolvimento de ambas as partes, a pessoa atendida não é uma
paciente, a terapia se realiza em conjunta e nada pode avançar sem a participação ativa
da pessoa atendida.
A terapeuta menstrual é uma guia, que possui conhecimentos e exercícios para que a
cliente realize seu próprio caminho até a cura.

Conversa inicial
É importante estar atento a gestos e palavras da cliente, esta sempre tem a prioridade no
dialogo.
É necessário uma pequena conversa onde trataremos temas como: por quê está em
consulta, em que tempo está seu desenvolvimento como mulher (menarca, sexual, mãe,
pós-parto, menopausa, velhice), idade, quantas gestações, cesárea, parto normal, vinculo
materno. Desde aqui surge a analise para continuar trabalhando.

Todos os dados requeridos sobre seu fluxo menstrual, data da última menstruação, cor,
fluidez, cheiro, dor, quantidade, método anticoncepcional, que tipo de proteção
menstrual usa; paninho, tampão, copo menstrual, absorventes descartáveis.

Se deve conhecer seu tempo de ovulação, como ovula, que sensações tem, tudo
referente ao ciclo feminino que transita: cada ciclo tem suas particularidades, na
menarca consultaremos idade, alimentação, a que idade menstruou sua mãe, etc.
Na etapa sexual, tudo o que foi descrito anteriormente, mais o ritmo sexual que leva a
cliente. Se a etapa materna, dados relacionados a gestação, se pós-parto, dados
relacionados a como se sente, como da de mamar, com que frequência, relação com o
bebê e o pai, dores, se já veio sua primeira menstruação, como foi...
Se está na menopausa, quando se retirou, se segue sentindo mudanças hormonais, calor,
dor, como vive sua menopausa, e se na velhice, consultamos tudo referido a seu tempo,
como por exemplo, como lembra da sua menstruação, como viveu sua etapa, sua
atividade sexual, etc.

Em todos os casos consultar, filhos vivos, desencarnados, doenças importantes,


perguntamos sobre o(a) companheiro(a), consultamos se necessário dados uteis sobre a
linhagem feminina.

Se estimulará a interagente a usar paninhos (absorventes ecológicos) e fazer oráculos


com seu sangue menstrual, assim como também fazer uma limpeza para preparar sua
tintura de sangue, sem obrigação e com muito respeito. É parte de nosso trabalho como
educadoras da terapia menstrual.
Mesmo que desde o principio possamos ver onde está a ferida portal para transitar e
curar, sempre se faz o trabalho completo, ou seja, se trabalha em todos os 4 estágios,
porque as vezes o que se vê é simplesmente um sintoma de algo mais profundo que
ainda não foi ainda trazido a consciência.Além disso, não é somente uma ferida, mas
várias que vão sendo trabalhadas.

Toma-se notas de tudo. Pode fazer uma lista de perguntas possíveis e uma ficha já
pronta.
Se entrega um relógio menstrual ou a forma de fazê-lo, se explicará como usa-lo e
pediremos que tome nota em seu caderno sobre tudo que se refira a seu ciclo feminino,
assim como sonhos ou coisas que sejam relevantas para o tema.

Se faz um exercício de reconhecimento de campo com a interagente e se estabelece uma


quantidade de encontros, não devem ser mais de 6, se necessário, se descansa após o 6º
encontro e depois se retomam as sessões. Devemos sempre lembrar que tudo tem um
começo e um final.

A partir de todos os dados, começamos a elaborar uma planificação dos encontros com
exercícios que se referem ao trabalho no primeiro encontro, mas deixando tempo e
espaço para dar lugar aos que irão surgir no caminho...

As sessões possuem 3 partes:


Consultar de que tomou notas, como evoluiu desde a última consulta.
Trabalho com o ciclo a desenvolver
Massagem especial com referencia do trabalho em consulta

Se podem dar tarefas de casa:


Cada terapeuta poderá abordar a terapia desde a terapia mesma, mas com o
desenvolvimento poderá completa-lo com seus saberes pessoais. Para algumas será mais
fácil desenvolve-lo desde a conversa, a outras desde o oráculo, desde a respiração, tudo
depende dos saberes que a terapeuta tenha incorporado.
Sempre tenderá a sustentar os 4 ciclos femininos da interagente, sua realização como
criança, sua sexualidade, seu vínculo com sua criação e linhagem.
Também pede-se a ela para ter um caderno vermelho, um caderno de anotações onde na
primeira folha desenhará um relógio lunar e a partir daí tomar nota de cada uma de suas
mudanças assim, como sonhos e experiências significativas para a raiz do trabalho
terapêutico.
Marcando datas do sangramento e ovulação, textura, cor, cheiro do sangue do fluxo
cervical, mudanças de emocionais, sonhos, energias lunares eternas. Desenhará um
relógio cada ciclo tomando nota de tudo referente ao trabalho.
É muito importante o acompanhamento da interagente, sem interferir nem dar respostas.
A mesma interagente deve chegar a suas próprias conclusões, a terapeuta somente
acompanha, guia, NÃO DETERMINA.

Sugestões para elaborar a etapa da criança: jogos, contos, busca do nome, visualizações
da etapa de criança, do que gostava de brincar, que desenhava, livros, filmes, que
gostaria de ser quando crescesse, etc.
Sugestões para elaborar a etapa da sexualidade: desenvolvimento da sensibilidade,
gostos, paixões, identificação do masculino e feminino através de jogos de movimentos,
danças, trabalhos com texturas, reconhecimento do meu eu e a outra parte do meu eu,
através do espelho, visualização. Se a interagente permitir, a sugestão é o
reconhecimento vaginal em intimidade, com um espelho, etc.
Sugestões para elaborar a etapa criativa:
exercícios e visualizações que conectem com a própria etapa uterina. A nutrição, a
identificação das características que a fazem única e especial. Exercícios que permitem
o reconhecimento do dar e receber. O equilíbrio do dar e receber. A gestação de nossos
filhos criativos através de semear nosso sangue menstrual.

Sugestões para elaborar a etapa da linhagem:


Exercícios e visualizações que levem ao encontro com a mãe e o pai e ascendentes.
Devolver a cada um o que lhe pertence. Que marca deixou o ancestral na interagente. Se
for possível, desenvolver uma arvore genealógica, tendo em conta repetições, dados
coincidentes ou referencias ao trabalho. Massagens uterinas com gotas de Artemisa.
Nomeando ancestrais e tendo em conta o corpo quando cada ancestral vem ao
consciente.
Em cada etapa ter em conta as ervas e pedras nas zonas corpóreas de referencia a
interagente depois do trabalho, sempre perguntamos se sente, que parte do corpo sente
com mais presença.... E apontamos ali. Se a interagente permitir, terminar cada etapa
com um desenho oracular, encontrando mensagens nele.
Ao terminar os encontros é necessário fechar com algum exercício integrativo, onde a
mulher possa decorrer os 4 estágios em 1. Seja através do movimento, da arte ou da
reflexão. Além de tomar nota da conclusão da interagente sobre o tratamento.

7- círculos de mulheres mãe terra


a) integração de possíveis exercícios de autoconhecimento e cura
b) intervenção e manejo do grupo

Círculo sagrado feminino mãe terra

A tribo
O lugar de pertencimento elegido,
Onde compartilhamos gostos
Falamos o mesmo idioma
Onde o silencio é parte do mesmo idioma
Onde recuperar forças
Onde me ajudam a lamber as feridas
Onde somos muitas mas sigo sendo eu mesma
Onde a mulher selvagem se espelha e aprende
A tribo MÃE TERRA

“Os círculos de mulheres se formam de uma a uma, e cada uma consegue que a
experiência de ter estado em um círculo se expanda a outras mulheres, já que cada
mulher, a que um círculos tem ajudado a mudar, leva consigo mesma essa experiência
ao mundo de suas relações e será assim até que, finalmente, um dia nasça um novo
circulo que será o milionésimo circulo, o decisivo, que iniciará para a humanidade a era
pós-patriarcal.”

Levo algo mais de uma década criando círculos, de fato, minha forma natural de
transmitir conhecimentos sempre é em círculos, onde todos compartilhamos nossos
saberes, nos vemos os rostos de umas às outras e escutamos atentamente o sentir/dizer
de todos. Onde nossos corpos perdem suas formas para fundir-se no da outra e onde
nossos brilhos tomam forma a partir do mesmo olhar e agradecimento de outros.
Tenho visto como minhas próprias circulantes tem crescido e tomado seus rumos e
como outras com a necessidade de pertencer simplesmente a um espaço de contenção
ou como dizemos, onde falamos o mesmo idioma, ficam anos atrás, girando em
distintos círculos
Existem diferentes círculos, em Madretierra existem círculos de bruxas, círculo de
ervas, círculo de tarot e Círculo Sagrado Feminino “Minhas Luas”, estes são os que eu
mantenho mas existem outros, infinitos, círculos de danças, círculos de homens,
círculos de luas, de tecelãs, de costureiras... e cada um trabalha temas diferentes, mas o
que a Terapia Menstrual propõe é preparar guias de CSF. Nesses círculos se trabalha
exclusivamente o sangramento menstrual e os ciclos femininos, por isso se chama
“Circulo sagrado do Feminino”
A Terapia Menstural tem como objetivo formar mulheres em consciência feminina para
que possam manter se assim desejam um Círculo Sagrado Feminino nos seus espaços,
suas terras, seus lugares, o CSF ambulantes, e de viagens, acompanhando a outras
mulheres nesse caminho ao lar, nesse regresso a si mesmas. Mulheres preparadas para
gerar, manter, conter e acompanhar em amorosidade, sem interferir no processo de cura
de cada uma. E que simultaneamente e quase fundamentalmente essas mulheres guias
também se encontrem mantidas por uma grande rede, por uma tribo que vá pulsando no
mesmo ritmo, compartilhando preocupações e acompanhando o processo da guia e
integrante de cada círculo. É por isso que através da Formação em Terapia Menstrual
coloco ao serviço de todas as terapeutas minha experiência em círculos e a linhagem a
que pertenço, a Tribo Mãe Terra. Uma tribo formada por circulantes de todos esses
círculos que tive a honra de gerar e guiar.

A tribo Mãe Terra é um tecido fraternal onde a urdidura que o mantém é a busca da
restauração da mulher no seu potencial feminino, da mulher como guardiã dos ciclos, da
mulher selvagem, em si mesma e dentro do seu entorno. E a trama desse tecido, está
formada por cada um dos fios que a tecem, é dizer cada uma das mulheres que o
integram com seus próprios saberes, dores, amores, feridas, riquezas, comas mulheres
que integram o circulo que guia e as mulheres da sua linhagem. Cada uma em si mesma
com tudo que ela é e pode ser.
_____________________________________
¹ O milionésimo círculo, Jean Shinoda Bolen
¹Termo retirado de “mulheres que correm com lobos”, diz repeito a autora Clarissa
Pinkolas Estes “A natureza selvagem traz consigo os fardos da cura, leva todo o que
uma mulher precisa para ser e saber. Leva a medicina para todas as coisas. Leva relatos
e sonhos, palavras, cantos, signos e símbolos. É ao mesmo tempo o veículo e o destino.”
O trabalho em círculo
Eu lhes explicarei a minha forma como sugestão, mas cada um adotará a própria. O
único que peço manter como compromisso é o nome CSF “...” Tribo Mãe Terra, os
objetivos e a temática.
Meus círculos lunares tem uma duração de 6 encontros distribuídos uma vez ao mes,
com uma durabilidade de 7hrs da seguinte maneira:
1º Encontro: Oráculo Lunar
Esta é a apresentação do círculo, muitas vezes acontece que as mulheres chegam mas
não sabem porque nem a que...

- Então fazemos uma breve introdução da temática do círculo. Do porque é


necessário devolver nosso sangue à terra e porque recuperar nosso ciclo.
- Faço uma apresentação das mulheres, suas expectativas, algo de sua história, se
tem alguma problemática feminina física, mental ou espiritual.
- Começamos cada uma montando seu relógio lunar e anotando a última data de
sangramento. As indicações para anotar no caderno vermelho: Proponho semear nosso
sangramento menstrual.

Semeio meu ciclo


Te propongo que a partir del día 1 del ciclo es decir el primer día de sangrado fluido,
hagas una siembra personal, es decir, que te conectes con algo que desees trabajar a
nivel personal, y puedas ir viendo en cada fase de tu ciclo como utilizar potencialmente
esas energías para un mejor resultado.
Te proponho que à partir do dia 1 do ciclo ou seja o primeiro dia de sangramento fluído,
que você semeie de maneira pessoal, quer dizer, que você se conecte com algo que
deseje trabalhar a nível pessoal, e possa ir observando em cada fase do seu ciclo como
usar potencialmente essas energias para um melhor resultado.
Exemplo:
1º dia do ciclo
Fase menstrual: 8/4 outono
Semeadura: Semeio a mobilidade na minha vida, a possibilidade de mover-me
rapidamente física e mentalmente (podem ser desejos materiais, profissionais,
amorosos, de aspectos internos pessoais etc.)
Puedo hacerlo vertiendo mi sangre en una apacheta directamente en la tierra o
recolectando mi sangre y vertiéndola sobre un cuarzo, sembrado en la tierra, en general
las insto a que tengan un espacio en su jardín donde sea su altar natural y puedan allí
sangrar directamente la tierra.
Posso fazer derramando meu sangue em uma Apacheta, diretamente na terra ou
coletando outra vez meu sangue e derramando sobre um quartzo, semeando na terra, em
geral animo a ter um espaço no jardim onde seja seu altar natural e possam ali sangrar a
terra diretamente.
Fase estrogênica: (desde o fim do sangramento até o dia 12 do ciclo aprox. ) me sinto
com energia, saio a caminhar, me inscrevo em uma oficina de dança, começo a dieta,
coloco roupa cômoda e colorida, como comida fresca e leve...Libero minhas idéias e eu
as acredito possíveis, não as limito.
Fase ovulatória: (desde o dia 13 a 16 do ciclo tempo de ovulação) me permito ir à
massagista, consulto um profissional pelas dores musculares, sigo caminhando mas
antes consumo um saudável e abundante café da manhã, escolho comida nutritiva,
observo meu corpo mais cuidadosamente. Me movimento de situações dolorosas
familiares, converso amorosamente, pude sair do papel de vítima, para dar lugar à
protetora, defensora. Me deu muita alegria e renovou minha confiança observar-me
desde outro papel...
Fase lútea: (depois da ovulação e antes do sangramento) Uso roupa mais apertada, me
movimento de maneira mais harmoniosa, meu corpo parece mais leve, minha mente
flutua, sentindo-me em outro tempo ou espaço, vejo nos sonhos como flutuo pela copa
das árvores, me sinto mais satisfeita com as minhas formas. Me permito dizer o que
penso, sem agressividade mas com firmeza sincera. Não me julgo se agi
condescendente ou não. Resolvo instantáneamente.
Fase menstrual: (sangrado nuevamente, fin del ciclo y comienzo de uno nuevo) Dejo ir
lo que aún no logré, dejo ir las limitaciones de mi cuerpo y mi mente. Dejo ir las
estructuras familiares que aún me atan.
Fase menstrual: (sangramento novamente, fim do ciclo e começo de um novo) Deixo ir
estruturas familiares que ainda me vinculam. Faço uma nova semeadura para o ciclo
seguinte

-Falamos das energias menstruais das etapas e o processo cíclico dos 28 dias.
Preparamos folhas, tinta vermelha (simulando o sangue)
Acendemos a vela vermelha
-E começamos uma viagem cíclica através de uma visualização para conectar-se com o
útero:
Respiramos profundo, com os olhos abertos…
Observamos a chama da vela, inspiramos profundo e absorvemos a luz, fechamos os
olhos e vemos a luz na nossa mente, a sustentamos em nosso interior à altura do terceiro
olho, sentimos como a intensidade da luz cresce e se faz mais pessoal. A luz trás em si
algum brilho, algum formigamento, alguma alegria, respiro e a mobilizo pelo canal
central do corpo, baixa até a garganta, à laringe, respiro e abro a boca, dou vida e forma
à minha luz, respiro suavemente e cada vez percebo mais clara a imagem, respiro e a
levo ao coração, a envolvo em emoção, a abraço e a nutro de amor. Respiro e a levo ao
meu plexo, um calor o envolve e volta a mudar de forma, a mantenho até que vejo claro
a nova imagem, respiro e a levo ao meu útero e ali a embalo, a deposito, a solto, levo as
mãos ao útero, respiro suavemente e começo a balançar a pélvis, em movimentos
giratórios suaves, muito suaves, todo meu ser habita meu útero, eu sou útero, entro em
uma conversa íntima com ele. Como você esta? O que sente? Você está bem? Existe
alguma coisa que precisa me contar? Te machuquei? Te peço perdão? Me perdôo?
Respira profundamente e agradece todo o que seu útero, por tudo o que ele te deu.
Respira profundo e solta, sente como o calor se expande e abre caminho pela vagina
suavemente. Respiro e libero, solto...solto até o centro da terra onde é tomada e mantida
universalmente em amor.
Abro delicadamente e no meu tempo os olhos, pego a tinta vermelha e com os dedos
deixo que caia, desenho e dou forma à mensagem do meu útero. Deixo que surja sem
mente. Somente o que vem...
-Fazemos absorventes ecológicos
-Proponho à vocês fazer a limpeza para depois juntar o sangue menstrual
2º Encontro: Minha primeira Lua
Sempre ao começar levamos meia hora, ou o que consideramos para contar-nos como
foi desde o último encontro, se puderam fazer a semeadura, esta parte é muito
importante, porque aí se junta lua com lua e se podem tirar algumas dúvidas, além de
poder ver se estão coletando seu sangue, se conseguiram montar o altar, etc.
1. Introdução ao ciclo
2. -Visualização: me relaxo no aqui e agora, sinto meu corpo, me lembro de
quem sou, inspiro, expiro, solto a mente, me disponho a viajar no tempo, inspiro e
expiro, em cada inspiração e expiração, solto um pouco mais a mente, libero minhas
cargas, me sinto mais leve, inspiro, expiro, me sinto tão leve como uma pena, me
permito voar empurrada pelo vento, viajo no tempo, vou aos meus 20 anos, me vejo,
vejo a imagem, minha roupa, aonde estou, inspiro, expiro, sigo viajando, sigo
retrocedendo no tempo, e vou aos meus 15 anos, observo meu corpo, meu rosto, como
foi minha iniciação na sociedade? Não me detenho, sigo, volto a viajar, viajo no tempo,
vou ao dia do meu primeiro sangramento, quando me chegou pela primeira vez, quando
senti correr meu sangue pela primeira vez, me lembro aonde foi? Minhas sensações?
Com quem compartilhei primeiro? Inspiro, expiro, guardo a imagem e vou um pouco
mais atrás, inspiro, expiro, mais atrás, quando tinha 10 ou 7 anos, e observo....vejo o
que estou fazendo, a que jogo ou com quem compartilho meu jogo, do que gosta essa
menina, o que vejo nessa menina, se lê o se gosta de ler, qual é meu conto favorito,
talvez que me leiam, talvez uma séria de televisão ou um filme, qual é? Como me vejo?
Sou feliz? Ou sou uma menina triste? Zangada? Quais são meus sonhos de menina? O
que sonhava essa menina? Inspiro, expiro, inspiro, expiro. Guardo a recordação como
uma fotografia, me disponho a empreender minha viagem de volta. Inspiro, expiro,
inspiro, expiro, novamente estou no momento da minha menarca, vejo tudo como um
retrato, vejo as imagens mas não me detenho, vou aos meus 15 anos, inspiro, expiro.
Inspiro, expiro, 20 años, inspiro, expiro, inspiro, expiro. Me relaxo e volto ao aquí e
agora. SINTO MEU CORPO, HABITO MEU CORPO, MOVO AS MÃOS, MOVO OS
PÉS. Inspiro, expiro. Recordo quem sou e onde estou....Abro os olhos. Apalpo meu
corpo. E delicadamente, mas consciente vou retornando.
- Começamos a elaborar as bonecas de pano, as vestimos e preparamos como se
fossemos esas meninas que vemos na viagem….enquanto compartilhamos a experiência
da visualização. É muito importante enfatizar e fazer que anotem dos detalhes da
viagem, sobretudo se não se conversa.
- Podemos contar um conto de iniciação e analisar-lo.
- Uma vez pronta as meninas (bonecas), visualizamos.
Me deito, coloco minha menina no coração, fecho os olhos, inspiro expiro. Sinto como
que ao redor da minha menina e de mim se forma um círculo protetor que nos envolve,
nos envolve, nos mantém, inspiro profundamente, vou soltando todas as palavras que
habitam na minha mente, inspiro, expiro, libero, sinto meu coração palpitar, sinto a
força do meu coração ampliando-se. Sinto o amor no meu coração se estendendo por
todo meu corpo, inspiro, expiro, sinto essa imensidão me abraçando e abraçando
menina, me vejo caminhando sozinha até um portal, uma praça, um parque, um lugar de
jogos, vejo crianças, as vejo brincar, rir, compartilhar, e distante distingo a minha
menina em seu jogo preferido, observo seu rosto, vejo o que ela faz. Compartilha com
as outras crianças? Se encontra em solidão? Me aproximo, ela me olha, me ajoelho para
chegar na sua altura.Nos olhamos nos olhos e pergunto a ela: sou quem eu desejava ser?
Está orgulhosa de mim? Existe algo que queira me dizer? Minha menina me acaricia
com sua mãozinha fria, dá a volta e vai embora, mas volta, e do bolso me da um
presente, e novamente com um sorriso da a volta e vai brincar com as outras crianças,
ou sozinha com a areia, com as folhas. Observo meu presente e o levo como um
tesouro. Como a lembrança de quem sou, de quem queria ser e de quem serei. Inspiro
largamente, expiro. Volto por esse portal até o aqui e o agora. Inspiro e expiro.
-Ao voltar tomo uns minutos e escrevemos em um papel a mensagem da menina. E o
deixamos embaixo de uma maçã vermelha.
-Fazemos a apresentação da menina em um círculo, contando particularidades dela. Se
desejam podem contar alguma coisa da viagem, do encontro recente e que te deixou de
presente a menina. As iniciamos com um ponto vermelho na zona vaginal.
-Logo todas fazemos uma dança, cantamos e dançamos. E quando se passe o tempo
tomamos a maçã e a mensagem que nos tocou no lugar que ficamos. E esse é a
verdadeira mensagem de nossas meninas.
- A ordem em casa é brincar, voltar a fazer coisas de meninas, de divertir-nos, montar
um altar com nossas fotos de pequenas, colocar flores, e levar a menina a todas as
partes. Muitas delas fazem uma pasta para pendurar entre a roupa.

3º Encontro: A mulher desejo, a sexual, a feiticeira


-Novamente tomamos um tempo para contar nossas experiências com o sangue
menstrual desde o ultimo encontro e como foi com nossa menina, que coisas fizemos e
onde a levamos a passear.
-Para atravessar o portal da sexualidade precisa se renunciar a nossa menina. Pelo que
trazemos nossas meninas ao círculo (bonecas).
-Se acende o fogo e todas com nossas meninas cantamos uma canção. E caminhamos
até ela e entregamos nossas meninas ao fogo cada uma por vez. O fogo é a alquimia, a
queimo toda, deixamos que passe a outra e assim até que terminamos. Voltamos ao
círculo cantando.
-Introdução ao ciclo
-Se fala da saúde sexual, de posições sexuais, do clitóris. Dos prazeres sexuais.
- Se puede romper el hielo contando chistes, o cuentos sexuales, o alguna lectura
candente o erótica.
-Pode-se romper o gelo contando piadas, ou contos sexuais, ou alguma leitura quente e
erótica.
-A roda passa contando sua primeira experiência sexual, se se lembram quando foi,
aonde, se existe alguma coisa que queira compartilhar com respeito a sua sexualidade.
-Respiramos paradas em vibração corporal. Ativando a kundalini
-Visualização
Geralmente para ese círculo peço comidas muito gostosas, chocolates, amendoas, nozes,
maçãs, bananas e lenços de seda de chiffon, muito suaves e sutis. Uso perfumes e
aromas.
E musica sensual.
Se reclinam em posição confortável. Fecho os olhos, respiro profundamente. Solto. Me
encontro em uma embarcação entra a névoa, a água a move delicadamente e eu me
deixo levar. Chego a um templo antigo, parece abandonado, inspiro tranqüilo. Posso
distinguir os símbolos na frente, observo uma grande porta, com minhas mãos percorro
os detalhes nela.
Abro a pesada porta e caminho pelos corredores, me dirijo até o centro de um grande
quarto, onde existe um fogo acesso, e sobre um grande tapete existem almofadas,
inspiro e expiro, o aroma almíscar doce, mirra, canela me envolve, me penetra, as luzes
são tênues e me reclino nas almofadas e tudo se vê como um sonho, me deixo ir, pelo
espaço, pelo aroma, o som musical, pego um tecido e me acaricio, abro meus sentidos,
respiro o tecido, a movimento, primeiro no meu rosto, logo nas minhas mãos, A levo ao
meu corpo. Me movimento suave no meu lugar. Sinto que meu corpo se abre como a
flor ao orvalho, aos prazeres dos sentidos, abro a boca e tomo o que a vida me
presenteia (ali dou delicadamente alguma fruta ou chocolate) a desfruto, a saboreio.
Permito que o sabor percorra meu corpo, desfrutando a cada instante de todos os
sentidos. Meus poros se abrem para me sentir amada, querida, sentida...inspiro, expiro.
Delicadamente e no meu tempo vou fazendo um bolinho, deixando que meu corpo vibre
em êxtase íntimo, me cubro com o tecido e relaxo. Sigo escutando os sons e os aromas
mas já vou aliviando a percepção. Me entrego ao descanso e ao relaxamento.
-O tempo de descanso é longo, porque existe um tempo importante de intimidade e de
voltar à si mesmas.
-Se convida a desenhar em silêncio.
-Pode haver uma leitura de encerramento.
4º Encontro: a criadora, a mãe, a nutridora
- Damos um tempo para repassar nossas experiências desde nosso último
encontro.
- Introdução ao ciclo.
- Trazemos as fotos das nossas mães.
- Visualização: Fazemos de duas em duas, uma cuida e recebe a outra. Me reclino
em posição fetal, pego a foto da minha mãe, me cubro, me conecto profundamente com
a respiração, inspiro, expiro, com os olhos abertos observo o rosto da minha mãe, a
vejo, a percebo, a sinto, a escuto, inspiro expiro , como é minha mãe, como é meu
vínculo com ela? A permito ser mãe, mudo minha relação com ela, este último tempo
por alguma razão escuto minha voz interna, inspiro expiro, me deixo levar por estas
perguntas, busco no meu interior a resposta, deixo que o corpo e a alma me levem em
frente à minha mãe, me permito ter um encontro com ela, sinto seu cheiro, acaricio seu
cabelo, sinto como se na sua presença vou me tornando mais pequena, mais, mais, mais,
um pouco mais, a imagem da minha mãe se dissolve e sou tão pequenina que me
encontro em seu útero no ventre da minha mãe, no tempo antes de nascer, me lembro
como me sentia nesse lugar, seu calor, sua penumbra, a calma, me lembro quem era e a
que vinha nesse mundo, lembro o que sentia pela minha mãe, o que desejava dela, me
lembro seus mimos dentro da barriga, sua voz, se me cantava, como me esperava, me
permito falar desde ali...mãe quero te dizer, mãe te conto....quem sou e o que eu quero.

Sinto o impulso da vida que me arrasta, que me empurra para fora, atravesso o túnel do
canal do parto, tenho medo mas continuo, escuto, percebo mas ainda não vejo, existem
movimentos, saio à luz, uma luz enceguecedora e volto a sentir o batimento do coração
da mina mãe, inspiro expiro, mergulho nos seus braços, volto a me sentir segura,
quentinha, confortável, descanso, inspiro profundo e expiro.
Sinto um raio de prata que circula palpitando pelo cordão umbilical desde o interior da
minha mãe até mim, se apagando no mesmo instante em que sinto que o ar entre pelo
meu nariz como uma torrente de vida direto aos meus pulmões, inspiro expiro, sinto
desejo, o vazio, a fome, e me prendo em seu peito, bebo a água, o doce néctar, a leite da
minha mãe, me nutro, me alimento, satisfaço meu desejo e sinto como essa água doce e
agradável se transforma em uma luz líquida que me nutre, me acalma, me preenche. E
descanso nos brazos da minha mãe.
-Escrevo uma carta a minha mãe, me expresso, conto coisas que preciso expressar e
nunca disse
-Montamos a toda de palavra onde contamos como somos mães de nós mesmas, de que
forma nos nutrimos ou nos valorizamos, que realizações eu tive, me dou tempo para
desfrutá-los. E qual é meu objetivo nesse tempo. Meu desejo. – O desenhamos com tinta
vermelha ou sangue se o temos.
-nos levantamos e com uma música de tambores, dançamos ficando grávidas do nosso
desenho, o levando ao útero. Gerando alquimia no útero. Pegando tudo que o universo
dispõe para a realização do nosso filho desejo.
-Fechamos o círculo com um exercício de mimos e cuidados entre todas, formamos uma
roda onde uma passa ao centro e todas a acariciam , tocam o cabelo, a nutrem com
cremes ou perfumes...e segue a próxima.
5º Encontro: A anciã, a tecelã. Morte e renascimento
- Ronda de palavras
- Introdução ao ciclo
- Trazemos as fotos de nossas ancestrais. As apresentamos no círculo e contamos
algumas histórias delas.
- Fazemos um trabalho de cura da linhagem, todas em círculo, uma entra no centro
e escolhe a outra que representa a sua avó,através do som do tambor fazemos uma
viagem de olhos abertos onde me nomeio e digo de quem sou filha. Colocando
energeticamente a nossa mãe atrás de nós para que nos sustente, respiro profundo, sinto
meu corpo e quando posso abro os olhos e digo à minha avó, “avó herdei da senhora....”
Lembrar de tudo, não somente o bom mas também o ruim, colocar atenção nas doenças,
abro uma caixa que tem várias fitas, pego 3 e entrego à minha avó, dizendo te devolvo o
que não me serve, te devolvo o que não me pertence, isso não é meu, e com isso me
libero e libero minha descendência...te peço restaure nossa linhagem feminina. E a
representante da avó diz: “O recebo e estou disposta a te ajudar a curar” e faz uma
trança no cabelo na neta. Dando bons conselhos enquanto está trançando o cabelo. E
assim continua passando por todas até que o círculo se termina.
- Uma vez restaurado o círculo se faz uma limpezas com defumação entre todas ou
se compartilha uma infusão. Geralmente aqui aproveito para falar de algumas ervas.
-
6º encontró: A mulher cíclica
- Ronda de palavras
- Preparação de tinta madre de sangue menstrual.
- O grupo prepara algo que representa cada ciclo.
- Fechamos com cantos de mulheres e danças.

Hay muchos ejercicios más, en la vivencia misma de la formación verás la variación,


pero la idea es que también puedas crear los ejercicios que más se adapten a tu estilo o
que sumen el bagaje de experiencias que traes. Estas aquí transcritas son sólo
sugerencias.
Existem muitos exercícios mais, na própria vivência da formação verá a variação, mas a
idéia é que também possa criar os exercícios que mais se adaptem ao seu estilo ou que
somem a bagagem de experiências que traz. Aqui estão escritas apenas sugestões.
Entrega da tese
Para poder ser certificada e estar aprovada por Madretierra é necessário entregar uma
tese.
A tese consiste em atender a uma paciente, de maneira gratuita e em pleno
conhecimento da mulher que é para tal finalidade.
A tese deve ser da seguinte forma.
(Não interessa o formato senão o conteúdo)
Anamnese da paciente
Expectativas da mesma.
Desarrollo del 1er encuentro: ejercicios realizados y su incidencia en la paciente
Desenvolvimento do primeiro encontro: exercícios realizados e sua incidência na
paciente
Idem nos 6 encontros: Me interessa a criação de exercícios e como evolui a paciente.
Conclusão da TM e da paciente.
Nome completo da paciente
Currículo breve e endereço ou região aonde atende e modo de contato
Uma foto.
Será integrada na rede de Terapeutas Menstruais aprovada pela Madretierra.

Obrigada por ter participado, te esperamos para o 2º nível da Terapia Menstrual. Para
fazer o 2º nível não é necessário ter entregado a tese.
Onde se aprofundarão conhecimentos e se completará com o ciclo masculino e a
sinergia de ambos, para trabalhar com gravidezes conscientes, cura de vínculos com o
masculino, relações de casais, mãe-filho, pai-filha. Vínculos de trabalho e habitacionais.
Este estará aberto à homens e mulheres. 


Você também pode gostar