Você está na página 1de 120

Língua Portuguesa

Prof. Patrick Meneghetti


PROFESSOR PATRICK MENEGHETTI
patrick@dialoghi.com.br
opatrickmeneghetti
opatrickmeneghetti

_ Licenciado em Letras Português


_ Especialista em Língua Portuguesa
_ Professor de preparatório para concursos e
ENEM há mais de 12 anos
1
LÍNGUA PORTUGUESA

2
CONOTAÇÃO E DENOTAÇÃO

3
4
5
As palavras substituem-se em seus
sentidos, irradiam uns para os outros,
encadeiam-se, penetram-se, usurpam
os sentidos uns dos outros, auxiliam-
se, fundem-se e confundem-se, às
vezes, na variedade de suas
significações.
6
DICA!

Cuidar o contexto em que a


palavra está inserida.

7
O QUE É LINGUAGEM?
• Origem da linguagem: pré-história
(linguagem de “sinais”/sons);
• A linguagem nasce quando o
homem decide dialogar com o seu
“eu” e com o mundo;
• A necessidade de se comunicar
parece ter uma profunda relação
de sinonímia com a vontade de
viver;
• Direito humano à comunicação;
• Sistema de comunicação e
8
expressão.
DIREITO HUMANO À COMUNICAÇÃO
O direito humano à comunicação significa que todas as pessoas
devem poder e ter condições para se expressar livremente, ser
produtoras de informação, fazer circular essas manifestações,
sejam elas opiniões ou produções culturais. Portanto, não basta
ter liberdade de expressão ou acesso a uma vasta gama de fontes
de informações. É preciso que Estado e sociedade adotem
medidas para garantir que todos e todas possam exercer esse
direito plenamente.

9
DIREITO HUMANO À COMUNICAÇÃO
Mesmo o Brasil já possui uma lei que se refere à comunicação
como direito: o Estatuto da Juventude, em seu artigo 26,
estabelece que “o jovem tem direito à comunicação e à livre
expressão, à produção de conteúdo, individual e colaborativo e ao
acesso às tecnologias de informação e comunicação”.

10
DISTINGUINDO CONCEITOS
 Linguagem: faculdade de expressão e de comunicação que
faz uso de um sistema de signos convencionados.
 Língua: forma particular de linguagem. É um sistema de
signos, que podem ser transcritos graficamente, comum a um
povo, a uma nação, a uma cultura e que constitui o seu
instrumento de comunicação.
 Signo: elementos simbólicos usados na comunicação e
expressão. Ex.: Pintura, gestos, corporal, publicidade.
(Contexto/Processo de Comunicação).
 Significante (material): som/letra.
 Significado: ideia/conceito.
11
ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO/
FUNÇÕES DA LINGUAGEM

12
ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO/
FUNÇÕES DA LINGUAGEM

13
14
ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO/
FUNÇÕES DA LINGUAGEM
 Emissor = emite (função Emotiva). Ex.: Diários.
 Receptor = recebe (função conativa). Ex.: Publicidades.
 Mensagem = conteúdo (poética). Ex.: Poemas.
 Código = signos (metalinguística). Ex.: Dicionários.
 Canal = meio (fática). Ex.: Conversa de elevador.
 Referente = contexto (referencial). Ex.: Jornais.

15
LINGUAGEM NÃO-VERBAL

A linguagem não verbal é aquela que não se realiza por meio da


fala nem da escrita, mas por símbolos gráficos, logotipos, sinais
de trânsito, gestos, cores e formas. Pela combinação desses
elementos visuais, é possível inferir ideias e conceitos e perceber
que o grau de conhecimento de cada pessoa é que determina
qual sua capacidade de interpretação da linguagem não verbal.

16
17
LIBRAS = visual

18
LINGUAGEM CORPORAL

19
“São visíveis durante o interrogatório os
sinais de tensão, na face, nas mãos e
no corpo de Lula, o que é natural em
qualquer interrogatório”, avaliou o
professor Paulo Sérgio de Camargo.

Já Wandy Casalecchi, fundador e


presidente da Sociedade Brasileira de
Leitura Corporal, frisou que a postura
de enfrentamento de Lula para o
interrogatório já começou na escolha do
“figurino” de Lula: “A gravata grossa,
estendendo-se abaixo do cinto e com
listras coloridas, gerava um grande
contraste no centro do tronco e
chamava demasiada atenção.” 20
LINGUAGEM FOTOGRÁFICA
 Ponto de vista;
 Planos;
 Perspectiva;
 Luz, forma e tom;
 Textura;
 Foco ou profundidade de campo;
 Movimento.

21
22
LINGUAGEM VERBAL

É a palavra quem ocupa o cerne da visão de mundo (...). É a


linguagem verbal quem delineia a construção das mensagens dos
escritores.
Quando as pessoas leem poemas, torpedos, letras musicais, e-
mails e tuítes, estão utilizando a palavra como código.

23
LÍNGUA ESCRITA LÍNGUA ORAL
 Representação do ato de  Espontaneidade;
fala;  Utilização de recursos
 Valorização da paralinguísticos;
uniformidade;
 Mais exigente;
 Utilização de recursos
como pontuação e
acentuação;
24
LINGUAGEM VERBAL
“A linguagem escrita é repressora”
“O conteúdo não pode estar a serviço da forma, e sim a forma deve
estar a serviço do conteúdo”

25
“A mulher não respondeu logo, olhava-o, por sua vez, como se o
avaliasse, a pessoa que era, que de dinheiros bem se via que não
estava provido o pobre moço, e por fim disse, Guarda-me na tua
lembrança, nada mais, e Jesus, Não esquecerei a tua bondade, e
depois, enchendo-se de ânimo, Nem te esquecerei a ti, Porquê, sorriu a
mulher, Porque és bela, Não me conheceste no tempo da minha beleza,
Conheço-te na beleza desta hora. O sorriso dela esmoreceu, extinguiu-
se, Sabes quem sou, o que faço, de que vivo, Sei, Não tiveste mais que
olhar para mim e ficaste a saber tudo, Não sei nada, Que sou prostituta,
Isso sei, Que me deito com homens por dinheiro, Sim, Então é o que eu
digo, sabes tudo de mim, Sei só isso.”

O Evangelho Segundo Jesus Cristo


Saramago
26
CONOTAÇÃO E DENOTAÇÃO

27
As palavras de uma língua sempre operam em dois eixos:

O eixo DENOTATIVO e o eixo CONOTATIVO.

Esses eixos estão diretamente relacionados com a


significação na língua.

28
29
30
DENOTAÇÃO CONOTAÇÃO
Palavra com significação restrita. Palavra com significação ampla,
criada pelo contexto.
Palavra com sentido comum, Palavra com sentidos que
aquele encontrado no dicionário. carregam valores sociais,
afetivos, ideológicos, etc.
Palavra utilizada de modo Palavra utilizada de modo
objetivo. criativo, artístico.
Linguagem exata e precisa. Linguagem expressiva, rica em
sentidos.

31
DENOTAÇÃO

32
Uma palavra é usada no sentido denotativo (próprio ou literal)
quando apresenta seu significado original, independentemente do
contexto frásico em que aparece. Quando se refere ao seu
significado mais objetivo e comum, aquele imediatamente
reconhecido e muitas vezes associado ao primeiro significado que
aparece nos dicionários, sendo o significado mais literal da palavra.

33
A denotação tem como finalidade informar o receptor da mensagem
de forma clara e objetiva, assumindo assim um caráter prático e
utilitário. É utilizada em textos informativos, como jornais,
regulamentos, manuais de instrução, bulas de medicamentos, textos
científicos, entre outros.

34
As palavras denotativas são
comumente utilizadas em
gêneros informativos, como os
da esfera jornalística: editoriais,
reportagens, classificados,
artigos etc.

35
Também em gêneros da esfera jurídica, como as sentenças
dos tribunais, as palavras são utilizadas no sentido denotativo.
Ou seja, utilizamos as palavras em sentido denotativo quando
queremos que o receptor compreenda as palavras que
proferimos de acordo com a primeira significação atribuída às
palavras nos dicionários da língua.

36
37
CONOTAÇÃO

38
Uma palavra é usada no sentido conotativo (figurado) quando
apresenta diferentes significados, sujeitos a diferentes
interpretações, dependendo do contexto frásico em que aparece.
Quando se refere a sentidos, associações e ideias que vão além do
sentido original da palavra, ampliando sua significação mediante a
circunstância em que a mesma é utilizada, assumindo um sentido
figurado e simbólico.

39
A conotação tem como finalidade provocar sentimentos no receptor
da mensagem, através da expressividade e afetividade que
transmite. É utilizada principalmente numa linguagem poética e na
literatura, mas também ocorre em conversas cotidianas, em letras
de música, em anúncios publicitários, entre outros.

40
41
42
43
44
45
EXERCÍCIOS

46
Coloque D para denotação ou C para conotação.

(_________)
C Meu coração está triste.
(_________)
D O coração do doente parou de bater.
(_________)
C O dia hoje foi pesado.
(_________)
D O dia hoje está quente.
C
(_________) Meu irmão é meu espelho.
(_________)
D O espelho está quebrado.
C
(_________) Minha mãe tem um grande coração.
D
(_________) O dia tem 24 horas.

47
PROVÉRBIOS

48
49
50
LÍNGUA PORTUGUESA, 6º Ano do Ensino Fundamental
Relação de denotação e conotação

51
COMO CAI!

52
LÍNGUA PORTUGUESA, 6º Ano do Ensino Fundamental
Relação de denotação e conotação

Observe a imagem
ao lado: a palavra
‘impressão’ pode ser
tomada no sentido
http://static.imagensengracadas.com.
conotativo ou br/images/2012/01/papo-de-
denotativo? impressora.jpg

Explique. →

53
54
FIGURAS DE LINGUAGEM

55
FIGURAS DE LINGUAGEM, também chamadas de FIGURAS DE
ESTILO, são recursos estilísticos usados para dar maior ênfase à
comunicação e torná-la mais bonita.

56
57
FIGURAS DE PALAVRAS OU SEMÂNTICAS: estão associadas ao
significado das palavras. Exemplos: metáfora, comparação,
metonímia, catacrese, sinestesia e perífrase.

FIGURAS DE PENSAMENTO: trabalham com a combinação de


ideias e pensamentos. Exemplos: hipérbole, eufemismo, litote,
ironia, personificação, antítese, paradoxo, gradação e apóstrofe.

58
FIGURAS DE SINTAXE OU CONSTRUÇÃO: interferem na estrutura
gramatical da frase. Exemplos: elipse, zeugma, hipérbato,
polissíndeto, assíndeto, anacoluto, pleonasmo, silepse e anáfora.

FIGURAS DE SOM OU HARMONIA: estão associadas à sonoridade


das palavras. Exemplos: aliteração, paronomásia, assonância e
onomatopeia.

59
FIGURAS DE PALAVRAS

60
METÁFORA
A metáfora representa uma comparação de palavras com
significados diferentes e cujo termo comparativo fica subentendido
na frase.
EX.: A vida é uma nuvem que voa. (A vida é como uma nuvem que
voa.)

61
62
63
“Meu verso é sangue. Volúpia ardente...
Tristeza esparsa... remorso vão...
Dói-me nas veias. Amargo e quente,
Cai, gota a gota, do coração.”

MANUEL BANDEIRA

64
65
COMPARAÇÃO
Chamada de comparação explícita, ao contrário da metáfora, neste
caso são utilizados conectivos de comparação (como, assim, tal
qual).
EX.: Seus olhos são como jabuticabas.

66
67
“Eu faço versos como quem chora
De desalento...de desencanto...
Fecha o meu livro, se por agora
Não tens motivo nenhum de pranto.”

MANUEL BANDEIRA

68
METONÍMIA
A metonímia é a transposição de significados considerando parte
pelo todo, autor pela obra.
EX.: Costumava ler Shakespeare. (Costumava ler as obras
de Shakespeare.)

69
70
CATACRESE
A catacrese representa o emprego impróprio de uma palavra por
não existir outra mais específica.
Exemplo: Embarcou há pouco no avião.
Embarcar é colocar-se a bordo de um barco, mas como não há um
termo específico para o avião, embarcar é o utilizado.

71
SINESTESIA
A sinestesia acontece pela associação de sensações por órgãos de
sentidos diferentes.
EX.: Com aquele olhos frios, disse que não gostava mais da
namorada.
A frieza está associada ao tato e não à visão.

72
PERÍFRASE
A perífrase, também chamada de antonomásia, é a substituição de
uma ou mais palavras por outra que a identifique.
EX.: O rugido do rei das selvas é ouvido a uma distância de 8
quilômetros. (O rugido do leão é ouvido a uma distância de 8
quilômetros.)

73
FIGURAS DE PENSAMENTO

74
HIPÉRBOLE
A hipérbole corresponde ao exagero intencional na expressão.
EX.: Quase morri de estudar.

75
EUFEMISMO
O eufemismo é utilizado para suavizar o discurso.
EX.: Entregou a alma a Deus.
Acima, a frase informa a morte de alguém.

76
77
LITOTE
O lilote representa uma forma de suavizar uma ideia. Neste sentido,
assemelha-se ao eufemismo, bem como é a oposição da hipérbole.
EX.: — Não é que sejam más companhias… — disse o filho à mãe.
Pelo discurso, percebemos que apesar de as suas companhias não
serem más, também não são boas.

78
IRONIA
A ironia é a representação do contrário daquilo que se afirma.
EX.: É tão inteligente que não acerta nada.

79
80
PERSONIFICAÇÃO
A personificação ou prosopopeia é a atribuição de qualidades e
sentimentos humanos aos seres irracionais.
EX.: O jardim olhava as crianças sem dizer nada.

81
ANTÍTESE
A antítese é o uso de termos que têm sentidos opostos.
EX.: Toda guerra finaliza por onde devia ter começado: a paz.

82
PARADOXO
O paradoxo representa o uso de ideias que têm sentidos opostos,
não apenas de termos (tal como no caso da antítese).
EX.: Estou cego de amor e vejo o quanto isso é bom.
Como é possível alguém estar cego e ver?

83
GRADAÇÃO
A gradação é a apresentação de ideias que progridem de forma
crescente (clímax) ou decrescente (anticlímax).
EX.: Inicialmente calma, depois apenas controlada, até o ponto de
total nervosismo.
No exemplo acima, acompanhamos a progressão da tranquilidade
até o nervosismo.

84
APÓSTROFE
A apóstrofe é a interpelação feita com ênfase.
EX.: Ó céus, é preciso chover mais?

85
FIGURAS DE SINTAXE

86
ELIPSE
A elipse é a omissão de uma palavra que se identifica de forma fácil.
EX.: Tomara você me entenda (Tomara que você me entenda).

87
ZEUGMA
A zeugma é a omissão de uma palavra pelo fato de ela já ter sido
usada antes.
EX.: Fiz a introdução, ele a conclusão. (Fiz a introdução, ele fez a
conclusão.)

88
HIPÉRBATO
O hipérbato é a alteração da ordem direta da oração.
EX.: São como uns anjos os seus alunos. (Os seus alunos são como
uns anjos.)

89
POLISSÍNDETO
O polissíndeto é o uso repetido de conectivos.
EX.: As crianças falavam e cantavam e riam felizes.

90
ASSÍNDETO
O assíndeto representa a omissão de conectivos, sendo o contrário
do polissíndeto.
EX.: Não sopra o vento; não gemem as vagas; não murmuram os
rios.

91
ANACOLUTO
A anacoluto é a mudança repentina na estrutura da frase.
EX.: Eu, parece que estou ficando zonzo. (Parece que eu
estou ficando zonzo.)

92
PLEONASMO
Pleonasmo é a repetição da palavra ou da ideia contida nela para
intensificar o significado.
EX.: A mim me parece que isso está errado. (Parece-me que isto
está errado.)

93
SILEPSE
A silepse é a concordância com o que se entende e não com o que
está implícito. Ela é classificada em: silepse de gênero, de número e
de pessoa.
EX.: Vivemos na bonita e agitada São Paulo. (silepse de gênero:
Vivemos na bonita e agitada cidade de São Paulo.)
A maioria dos clientes ficaram insatisfeitas com o produto. (silepse
de número: A maioria dos clientes ficou insatisfeita com o produto.)
Todos terminamos os exercícios. (silepse de pessoa: neste caso
concordância com nós, em vez de eles: Todos terminaram os
exercícios)

94
95
ANÁFORA
A anáfora é a repetição de uma ou mais palavras de forma regular.
EX.: Se você sair, se você ficar, se você quiser esperar. Se
você “qualquer coisa”, eu estarei aqui sempre para você.

96
FIGURAS DE SOM

97
ALITERAÇÃO
A aliteração é a repetição de sons consonantais.
EX.: O rato roeu a roupa do rei de Roma.

98
PARONOMÁSIA
Paronomásia é a repetição de palavras cujos sons são parecidos.
EX.: O cavaleiro, muito cavalheiro, conquistou a donzela. (cavaleiro
= homem que anda a cavalo, cavalheiro = homem gentil)

99
ASSONÂNCIA
A assonância é a repetição de sons vocálicos.
Ex.: "O que o vago e incógnito desejo
de ser eu mesmo de meu ser me deu." (Fernando Pessoa)

100
ONOMATOPEIA
Onomatopeia é a inserção de palavras no discurso que imitam sons.
EX.: Não aguento o tic-tac desse relógio.

101
DICA DE MÚSICA
https://www.youtube.com/watch?v=4ncqb0dnQcY

102
COMO CAI!

103
104
105
EXERCÍCIOS

106
Relacione as colunas de acordo com o tipo de figura de linguagem
utilizado na construção de sentido das frases a seguir:
1. Eufemismo.
2. Prosopopeia.
3. Antítese.
4. Ironia.
5. Elipse.
6. Pleonasmo.
7. Hipérbole.
8. Metáfora.

107
a) Estou rindo para não chorar.
b) Eu nasci em Minas; meu irmão, em Goiás.
c) Não se deve faltar com a verdade.
d) Chorei rios de lágrimas.
e) Quem foi o educado que estacionou onde não devia?
f) Seus olhos são dois topázios.
g) O sol beijava o alto das montanhas.
h) “Sorri um sorriso pontual” - Chico Buarque

108
GABARITO

109
a) 3
b) 5
c) 1
d) 7
e) 4
f) 8
g) 2
h) 6

110
REVISÃO

111
112
113
114
115
116
117
FONTE:
https://www.todamateria.com.br/figuras-de-linguagem/
https://aprovadonovestibular.com/resumo-figuras-linguagem-
exemplos-exercicios.html

118
PROFESSOR PATRICK MENEGHETTI
patrick@dialoghi.com.br
opatrickmeneghetti
opatrickmeneghetti

119