Você está na página 1de 143

Seja bem Vindo!

Curso
Direito Penal
CursosOnlineSP.com.br
Carga horária: 60 hs
Conteúdo

Teoria Geral do Direito Penal ............................................................................... Pág. 8


Teoria Geral do Crime .......................................................................................... Pág. 21
Ilicitude (ou Antijuridicidade) ................................................................................ Pág. 32
Culpabilidade ....................................................................................................... Pág. 36
Concurso de Pessoas .......................................................................................... Pág. 41
Concurso de Crimes............................................................................................. Pág. 45
Penas ................................................................................................................... Pág. 47
Medida de Segurança .......................................................................................... Pág. 59
Suspensão Condicional da Pena – Sursis ........................................................... Pág. 60
Livramento Condicional ........................................................................................ Pág. 62
Efeitos da Condenação ........................................................................................ Pág. 63
Reabilitação ......................................................................................................... Pág. 64
Crimes em Espécie .............................................................................................. Pág. 71
Crimes contra a Pessoa ....................................................................................... Pág. 71
Crimes contra o Patrimônio .................................................................................. Pág. 81
Crimes contra a Propriedade Imaterial ................................................................. Pág. 93
Crimes contra a Organização do Trabalho........................................................... Pág. 94
Crimes contra o Sentimento Religioso e contra o Respeito aos Mortos .............. Pág. 95
Crimes contra a Dignidade Sexual ....................................................................... Pág. 96
Crimes contra a Família ....................................................................................... Pág. 102
Crimes contra a Incolumidade Pública ................................................................. Pág. 105
Crimes contra a Paz Pública ................................................................................ Pág. 113
Crimes contra a Administração Pública................................................................ Pág. 118
Lei de Contravenções Penais .............................................................................. Pág. 130
Lei de crimes contra a Economia Popular ............................................................ Pág. 131
Lei de crimes Hediondos ...................................................................................... Pág. 134
Lei sobre a Tortura ............................................................................................... Pág. 135
Código de Trânsito Brasileiro ............................................................................... Pág. 136
Lei de Drogas ....................................................................................................... Pág. 139
Lei Maria da Penha .............................................................................................. Pág. 143
1. Teoria geral do Direito Penal

O direito penal é ramo do direito público. Sua finalidade é tutelar os


mais relevantes bens da sociedade. Por meio de suas normas veda-se a
prática de condutas tendentes a lesionar a vida, as integridades física,
psicológica e sexual, o patrimônio, a Administração Pública (em sentido
amplo), entre tantos outros.
O direito penal elenca as condutas consideradas penalmente
reprováveis no convívio humano e fixa as penalidades pertinentes para cada
uma. Diversos são os crimes, uns de maior, outros de menor potencial
ofensivo. Outros, ainda, são sequer chamados de crimes, mas como não
são irrelevantes, são passíveis de punição sob o título de contravenções.
O direito penal é um dos ramos mais antigos do direito e evoluiu
juntamente com a sociedade. As penalidades, hoje, mais que apenas
remediar o ilícito, destinam-se à reinserção do ofensor ao convívio social. A
pena não deve apenas ter o objetivo punitivo, mas também o educativo.

1.1 Fontes do direito penal

As fontes do direito penal dividem-se em:


a) materiais; e
b) formais.
Fontes materiais são aquelas que criam a norma penal, ou seja,
aquelas donde emanam as leis (em sentido amplo) penais. No Brasil, a fonte
material do direito penal é, exclusivamente, o Estado. Conforme dispõe o
artigo 22, inciso I, da Constituição Federal de 1988:
Art. 22. Compete privativamente à União legislar sobre:
I - direito civil, comercial, penal, processual, eleitoral, agrário,
marítimo, aeronáutico, espacial e do trabalho;
[…]
Parágrafo único. Lei complementar poderá autorizar os Estados a
legislar sobre questões específicas das matérias relacionadas
neste artigo.
Dessa forma, a competência para legislar sobre direito penal é
privativa da União, isto é, a União, privativamente, figura como fonte material
do direito penal brasileiro. Entretanto, o parágrafo único do citado dispositivo
constitucional deixa claro que a União, mediante lei complementar, pode
conferir autorização para que os Estados legislem sobre questões
específicas de direito penal. São dois, portanto, os pontos de atenção em
relação à possibilidade dos Estados legislarem sobre direito penal:
a) autorização expressa em lei complementar; e
b) estipulação de pontos específicos sobre direito penal, vedada a
autorização genérica para legislar.

8
Já as fontes formais do direito penal subdividem-se em:
a) diretas; e
b) indiretas.
Só há uma fonte direta para o direito penal, e essa fonte é a lei, em
atenção ao princípio da reserva legal, de prisma constitucional (art. 5º,
XXXIX) e legal (art. 1º, do Código Penal).
Já as fontes indiretas do direito penal são os princípios gerais de
direito e os costumes, a teor da disposição contida no artigo 4º, da Lei de
Introdução ao Código Civil. No entanto, veja-se a redação do mencionado
artigo:
Art. 4º - Quando a lei for omissa, o juiz decidirá o caso de acordo
com a analogia, os costumes e os princípios gerais de direito.
Desta forma, o que dizer acerca da analogia? Conforme ensina Julio
Fabbrini Mirabete, a analogia não é fonte do direito penal, mas sim forma de
auto-integração da legislação penal. Quanto à analogia, há que se frisar,
ainda, que sua utilização jamais pode resultar na instituição de crimes ou de
sanções criminais, pois tal competência é exclusivamente legal. Nada
impede, porém, a utilização da analogia em benefício do réu, desde que
presente uma lacuna legal, naquilo que a doutrina chama de analogia in
bonam partem.
Quanto à equidade, também não configura fonte indireta do direito
penal, mas apenas método interpretativo da legislação, por meio do qual se
obtém a adequação de determinada norma em face de uma específica
situação concreta.
Por derradeiro, aos princípios gerais de direito e aos costumes deve-
se juntar, como fonte indireta do direito penal, o ato administrativo. Explica-
se através de um exemplo concreto. A Lei de Drogas (Lei n.º 11.343/06),
embora tipifique o tráfico de drogas, não elenca quais substâncias reputam-
se ilícitas, aptas, portanto, a ensejar a prática do ilícito que descreve. Nesse
caso, o legislador deixou a cargo do Poder Executivo (Ministério da Saúde),
por meio de ato administrativo (Portaria n.º 344/98), a integração do
conteúdo legal. O exemplo em tela expõe, nitidamente, como o ato
administrativo reveste-se do caráter de fonte indireta do direito penal quando
integra uma norma penal em branco.

1.2 Lei penal

A lei, como salientado, é a única fonte direta do direito penal. A


expressão “lei” pode ser usada em sentido estrito, caso em que se está a
tratar da norma penal incriminadora, isto é, dos tipos penais em si, mas
também pode ser usada em sentido amplo, caso em que se está a tratar da
norma penal não incriminadora, isto é, das normas que destinam-se a
explicar ou permitir algo.
A analogia, como salientado no tópico anterior, é forma de integração
da lei penal. Portanto, não há que se falar no emprego de analogia em

9
relação às normas penais incriminadoras, o que não ocorre em relação às
normais penais não incriminadoras que apresentam alguma espécie de
lacuna, situação em que pode ser utilizada a analogia in bonam partem.
A lei penal incriminadora é caracteristicamente composta por dois
elementos:
a) o preceito primário; e
b) o preceito secundário.
O preceito primário descreve a conduta criminosa em si, enquanto o
preceito secundário descreve a pena aplicável a esta conduta. Veja-se o
exemplo:
PRECEITO PRIMÁRIO:
Art. 155 - Subtrair, para si ou para outrem, coisa alheia móvel:
PRECEITO SECUNDÁRIO:
Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa.
Por derradeiro, cumpre frisar que são características da lei:
a) a generalidade, isto é, a aplicabilidade indistinta a todas as
pessoas;
b) a imperatividade, isto é, a obrigatoriedade de sua observância, sob
pena de sujeição às sanções nela descritas;
c) a impessoalidade, isto é, a não-vinculação a determinadas
pessoas;
d) a exclusividade, ante a vigência do princípio da reserva legal; e
e) a anterioridade, isto é, a impossibilidade de aplicação da lei penal
para fatos ocorridos em momento anterior ao início de sua vigência, salvo se
para benefício do réu.

1.3 Norma penal em branco

Via de regra, as normas penais são completas, isto é, não dependem


de nenhuma outra para serem imediatamente aplicadas. Há normas, no
entanto, que são incompletas, isto é, que dependem de outras para só então
serem aplicadas.
A norma penal que depende de outra para estar completa é chamada
de norma penal em branco. Essas normas existem diante da impossibilidade
de previsão imediata, pelo Poder Legislativo, de todas as situações
passíveis de configuração do ilícito.
Sempre que se fala em norma penal em branco, se está a falar de
uma norma principal e de uma norma complementadora. Enquanto a norma
principal a de estar prevista, obrigatoriamente, em lei, a norma
complementadora pode estar prevista em lei, assim como pode estar
prevista num decreto, portaria, regulamento etc.
Ademais, a norma complementadora incide sobre o preceito primário
da norma principal, e não sobre seu preceito secundário. O legislador pode

10
deixar a cargo de outra instância legislativa ou administrativa o
estabelecimento de critérios objetivos de complementação da norma, mas
não pode deixar de fixar as penas para o delito (preceito secundário). Se o
legislador deixasse para a instância administrativa a possibilidade de fixação
das penas, estar-se-ia ferindo o princípio da reserva legal, pois há que se
lembrar que não há crime sem lei anterior que o defina, assim como não há
pena sem prévia cominação legal.
Veja-se a ilustração:

___________________|_____________________|____________________
Norma penal em branco Norma complementadora Sanção
Art. 33, Lei n.º 11.343/06 Portaria n.º 344/98 MS Art. 33, Lei n.º 11.343/06
PRECEITO PRIMÁRIO PRECEITO SECUNDÁRIO

Como se vê, a norma penal em branco está no preceito primário da


norma penal, e é integrada pela norma complementadora. O preceito
secundário mantém-se inalterado. Isso ocorre, pois o legislador deve prever
o fato típico, e, como no caso da Lei de Drogas, faltando-lhe o conhecimento
técnico necessário, ele descreve a conduta com uma expressão genérica e
entrega à autoridade administrativa competente a incumbência de integrar
(complementar) a expressão, dando-lhe aplicabilidade.
Veja-se o artigo 33, da Lei n.º 33.343/06, onde a expressão “drogas”
representa o “espaço em branco” dessa norma penal:

PRECEITO PRIMÁRIO:
Art. 33. Importar, exportar, remeter, preparar, produzir, fabricar,
adquirir, vender, expor à venda, oferecer, ter em depósito, transportar, trazer
consigo, guardar, prescrever, ministrar, entregar a consumo ou fornecer
drogas, ainda que gratuitamente, sem autorização ou em desacordo com
determinação legal ou regulamentar:

PRECEITO SECUNDÁRIO:
Pena - reclusão de 5 (cinco) a 15 (quinze) anos e pagamento de 500
(quinhentos) a 1.500 (mil e quinhentos) dias-multa.

1.4 Aplicação da lei penal

1.4.1 Lei penal no tempo

Via de regra, a lei vigente à época da prática do fato é a sua lei de


regência, em consagração ao princípio tempus regit actum. No entanto, há
casos expressamente autorizados de retroação e de ultratividade da lei. A
Constituição Federal veda a punição por crime sem anterior previsão legal,
mas autoriza a retroação da lei para benefício do réu. O Código Penal, por
sua vez, dispõe sobre regras de ultratividade das leis temporária e
excepcional.

11
Diante de situações em que, aparentemente, incidem duas ou mais
leis sobre um mesmo fato, utilizam-se os seguintes instrumentos para
afastar o conflito entre normas:
a) novatio legis incriminadora;
b) abolitio criminis;
c) novatio legis in pejus; e
d) novatio legis in mellius.
Verifica-se a novatio legis incriminadora quando há a criação de um
tipo penal. Se fosse instituída uma lei que criminalizasse o aborto no caso de
estupro, se estaria diante de uma inovação legal incriminadora. Essa nova
lei, que criminaliza uma conduta que antes não era considerada delituosa,
não retroage, em atenção ao princípio da irretroatividade e anterioridade da
lei, segundo o qual: não há crime sem lei anterior que o defina.
Em sentido contrário, a abolitio criminis configura uma exclusão de um
tipo penal. Essa exclusão opera-se mediante a revogação, por meio de lei,
de um tipo penal vigente. Por exemplo, se uma lei revogar os artigos 124 e
126 do Código Penal, haverá uma abolição de conduta criminosa, donde
quem praticar o aborto não incorrerá mais em um fato típico. Nos casos de
abolitio criminis, a lei tem aplicação retroativa para beneficiar o réu que
esteja sendo processado ou que esteja cumprindo pena em razão dessa
conduta delituosa, pois segundo o artigo 2º, do Código Penal, ninguém pode
ser punido por fato que lei posterior deixa de considerar como criminoso,
cessando em virtude dela a execução e os efeitos penais da sentença
condenatória. A abolitio criminis aplica-se, inclusive, aos casos que tenham
sido decididos por sentença condenatória transitada em julgado.
A novatio legis in pejus é uma inovação legal que trás prejuízo ao réu,
pois agrava uma conduta criminosa em vigência. Quando há aumento de
pena para um determinado delito, por exemplo, há uma novatio legis in
pejus. A inovação legal que agrava a conduta delituosa aplica-se, tão
somente, aos fatos ocorridos após o início de sua vigência, sendo
irretroativa, portanto.
Em sentido oposto, a novatio legis in mellius é uma inovação legal
que trás benefício ao réu, pois torna menos grave uma conduta criminosa
em vigência. Quando há diminuição ou abrandamento do regime de
cumprimento de pena, por exemplo, há uma novatio legis in mellius. A
inovação legal que reduz a gravidade da conduta delituosa aplica-se
retroativamente, inclusive em relação aos casos já definitivamente julgados.
É mandamento constitucional, albergado no artigo 5º, inciso XL, que “a lei
penal não retroagirá, salvo para beneficiar o réu”.
Outra situação que não pode deixar de ser mencionada é a
possibilidade de ultratividade da lei benéfica ao réu. Como se viu, a lei penal
só pode retroagir quando tiver por objetivo beneficiar o réu, e, nesse sentido,
também pode a lei penal ser aplicada depois de sua revogação, pelo mesmo
objetivo. A ultratividade é, pois, a aplicação da lei penal em momento
posterior à sua revogação, o que se permite apenas quando ela for
beneficiar o réu. Por exemplo, se o réu comete um crime que, à época, era
apenado com detenção, e, posteriormente (durante o trâmite processual) é

12
publicada nova lei (novatio legis in pejus), que pune com reclusão a mesma
conduta, a ele deverá ser aplicada a lei da época dos fatos (lei revogada),
por lhe traduzir um benefício penal.
Conduto, note-se, a ultratividade e a retroatividade em benefício do
réu vigem apenas na seara penal, mas não na processual penal. As regras
de direito material tendem sempre a beneficiar o réu, o que não ocorre com
as normas processuais, que são aplicáveis imediatamente, tão logo se
tornem vigentes.
Para o processo penal impera o princípio tempus regit actum, e,
portanto, iniciada a vigência de uma lei processual durante o trâmite de um
processo, essa lei tem aplicação imediata, traga benefícios ou prejuízos ao
réu.

1.4.2 Leis temporárias e excepcionais

A lei penal pode ser ordinária, isto é, vigente em qualquer


circunstância, mas também pode ser excepcional ou temporária. Tanto a lei
excepcional como a temporária são auto-revogáveis, isto é, findo o motivo
ou o prazo motivo para o qual foram instituídas, elas são automaticamente
revogadas.
Lei temporária é aquela com prazo de vigência previamente
estipulado, ou seja, é uma lei por prazo determinado, o qual, uma vez
transcorrido, gera, automaticamente, a revogação da mesma.
Lei excepcional é aquela com vigência durante específicas e
determinadas situações emergenciais. Finda a situação de emergência,
revogada estará a lei excepcional.
No entanto, é importante estar atento para o fato de que tanto as leis
temporárias como as excepcionais são dotadas de ultratividade, isto é, elas
surtem efeitos mesmo depois de revogadas. Por exemplo, imagine-se uma
crise nacional no abastecimento de água, onde seja publicada uma lei
excepcional que tipifique a conduta de todos os que forem flagrados
desperdiçando água. Nesse caso, superada a situação emergencial, a lei
será automaticamente revogada, porém quem praticou aquela conduta que
ela descrevia como crime, na época de sua vigência, suportará os efeitos do
processo e da condenação criminal mesmo depois de sua revogação. A
revogação da lei excepcional, assim como da temporária, não gera uma
abolitio criminis para os que cometeram o ilícito quando elas eram vigentes,
o que evita que as pessoas, cientes dessa circunstância, descumpram
intencionalmente seus mandamentos à época de sua vigência.

1.5 Tempo do crime

Três são as teorias apontadas pela doutrina para identificar o


momento em que se considera praticada uma infração penal:
a) teoria da atividade;
b) teoria do resultado; e

13
c) teoria da ubiquidade.
Segundo a teoria da atividade, considera-se praticado o crime no
momento da ação ou omissão delituosa.
Segundo a teoria do resultado, considera-se praticado o crime no
momento da consumação do crime, sendo irrelevante o momento em que foi
praticada a ação ou omissão delituosa.
Por fim, segundo a teoria da ubiquidade, considera-se praticado o
crime no momento da ação ou omissão delituosa ou no momento da
consumação do crime, ou seja, considera-se como tempo do crime tanto o
momento da conduta como aquele em que ocorre o resultado.
O Código Penal brasileiro adotou, pois, a teoria da atividade,
conforme disposição do seu artigo 4º:
Art. 4º - Considera-se praticado o crime no momento da ação ou
omissão, ainda que outro seja o momento do resultado.
Por isso, nos crimes permanentes e nos continuados, caso
sobrevenha legislação mais grave para o ofensor (novatio legis in pejus), ela
será perfeitamente aplicável, não havendo que se falar em ultratividade da
lei mais benéfica. Tanto o crime permanente como o crime continuado tem
sua execução prolongada no tempo, ou seja, o momento da ação ou
omissão não é único, mas diferido, e, sobrevindo legislação durante o
período em que o crime (permanente ou continuado) está em atividade, a ele
se aplica a nova legislação, seja ela mais benéfica ou gravosa.
Por derradeiro, quanto à prescrição, é importante mencionar que o
Código Penal não adotou a teoria da atividade, mas sim a do resultado.
Portanto, quando se tratar de prescrição, esta tem início a partir da
consumação do crime, e não a partir da data em que o mesmo foi praticado,
haja visto expressa ressalva legal:
Art. 111 - A prescrição, antes de transitar em julgado a sentença
final, começa a correr:
I - do dia em que o crime se consumou;
II - no caso de tentativa, do dia em que cessou a atividade
criminosa;
III - nos crimes permanentes, do dia em que cessou a
permanência;
IV - nos de bigamia e nos de falsificação ou alteração de
assentamento do registro civil, da data em que o fato se tornou
conhecido.

1.6 Lei penal no espaço

1.6.1 Territorialidade

O Código Penal aplica-se ao território brasileiro. A afirmação óbvia


carece de esclarecimento para que se identifique, com exatidão, o que pode
ser considerado como território brasileiro.

14
Além do solo, considera-se território brasileiro:
a) o subsolo;
b) o espaço aéreo;
c) o mar territorial (faixa de 12 milhas, contadas da baixa maré);
d) as ilhas fluviais ou lacustres (ilhas de lagos ou rios nas faixas de
fronteiras);
e) as ilhas oceânicas (afastadas do continente, como a ilha de
Fernando de Noronha);
f) os navios e aeronaves de caráter público, onde quer que se
encontrem;
g) os navios e aeronaves brasileiros, mercantes ou particulares que
estejam em águas ou no espaço aéreo internacional;
h) as embaixadas, consulados ou representações diplomáticas
brasileiras; e
i) a estação brasileira no continente antártico.
Em qualquer destes locais, cometida uma infração penal, esta se
sujeita às leis brasileiras, leis que também são aplicáveis para os crimes
praticados a bordo de aeronaves ou embarcações estrangeiras de
propriedade privada, desde que elas estejam em pouso no território nacional
ou em voo no espaço aéreo correspondente, e estas em porto ou mar
territorial do Brasil (parágrafo segundo, do art. 5º, Código Penal).
Caso o Brasil tivesse admitido, com exclusividade, a aplicação da lei
penal brasileira para o crime cometido em qualquer dos locais considerados
como território brasileiro, estar-se-ia diante da adoção do critério da
territorialidade.
No entanto, o caput do artigo 5º do Código Penal é claro ao dispor
que “aplica-se a lei brasileira, sem prejuízo de convenções, tratados e regras
de direito internacional, ao crime cometido no território nacional”. Ao admitir
a aplicação da lei estrangeira no país, em algumas situações, o Brasil
adotou o critério da territorialidade temperada.

1.6.2 Lugar do crime

Assim como ocorre quanto ao tempo, também quanto ao lugar do


crime a doutrina apresenta 3 (três) teorias para identificar o local em que se
considera praticada uma infração penal:
a) teoria da atividade;
b) teoria do resultado; e
c) teoria da ubiquidade.
Segundo a teoria da atividade, considera-se praticado o crime no local
em que ocorre a ação ou omissão delituosa.
Segundo a teoria do resultado, considera-se praticado o crime no
local em que ocorre a consumação do crime.

15
Por fim, segundo a teoria da ubiquidade, considera-se praticado o
crime no local em que ocorre a ação ou omissão, ou, alternativamente, no
local em que ocorre a consumação. Em outras palavras, considera-se como
local do crime tanto o local da atividade como o do resultado do crime.
O Código Penal brasileiro adotou a teoria da ubiquidade, conforme se
extrai de seu artigo 6º:
Art. 6º - Considera-se praticado o crime no lugar em que ocorreu
a ação ou omissão, no todo ou em parte, bem como onde se
produziu ou deveria produzir-se o resultado.
Essa regra, no entanto, comporta exceções. Tanto a Lei dos Juizados
Especiais (Lei n.º 9.099/95) como o Estatuto da Criança e do Adolescente
(Lei n.º 8.069/90) adotam a teoria da atividade para determinação da
competência. O Código de Processo Penal, por sua vez, para determinação
da competência, adota a teoria do resultado, isto é, a persecução penal deve
tramitar perante o foro do local em que se consumar a infração (racione loci).

1.6.3 Extraterritorialidade

A extraterritorialidade é hipótese excepcional, que se subdivide em:


a) condicionada; e
b) incondicionada.
A extraterritorialidade condicionada se verifica naquelas situações em
que o Brasil se obrigou a reprimir, por Tratado ou Convenção, os crimes
praticados por brasileiros e os praticados em aeronaves ou navios
brasileiros, mercantes ou privados, quando estiverem em território
estrangeiro e ali não forem julgados.
Contudo, para aplicação da lei brasileira nos casos de
extraterritorialidade condicionada é necessário o preenchimento das
seguintes condições:
a) entrar o agente no território nacional;
b) ser o fato punível também no país em que foi praticado;
c) estar o crime incluído entre aqueles pelos quais a lei brasileira
autoriza a extradição;
d) não ter sido o agente absolvido no estrangeiro ou não ter aí
cumprido a pena;
e) não ter sido o agente perdoado no estrangeiro ou, por outro motivo,
não estar extinta a punibilidade, segundo a lei mais favorável.
Já a extraterritorialidade incondicionada se verifica quando forem
cometidos crimes contra a vida ou a liberdade do Presidente da República,
contra o patrimônio ou a fé pública da União, do Distrito Federal, de Estado,
de Território, de Município, de empresa pública, sociedade de economia
mista, autarquia ou fundação instituída pelo Poder Público, à Administração

16
Pública, por quem está a seu serviço, ou de genocídio, quando o agente for
brasileiro ou domiciliado no Brasil.
Em qualquer dos casos de extraterritorialidade incondicionada, a
punição segundo a lei brasileira será efetivada ainda que o agente seja
absolvido ou condenado no estrangeiro.
Por derradeiro, a teor do artigo 7º, parágrafo terceiro, do Código
Penal, também se aplica a lei brasileira ao crime cometido por estrangeiro
contra brasileiro fora do Brasil se, reunidas as condições de aplicabilidade da
lei brasileira nos casos de extraterritorialidade condicionada:
a) não foi pedida ou foi negada a extradição;
b) houve requisição do Ministro da Justiça.
Portanto, para finalizar:

EXTRATERRITORIALIDADE
Crimes cometidos no estrangeiro, mas sujeitos à lei brasileira
CONDICIONADA INCONDICIONADA
Exige o preenchimento de A aplicação da lei brasileira ocorre
determinadas condições (art. 7º, §2º, independentemente da absolvição ou
do CP) condenação no estrangeiro
1) Crimes que por tratado ou 1) Crime contra a vida ou a liberdade
convenção, o Brasil se obrigou a do Presidente da República;
reprimir;
2) Crimes praticados em aeronaves ou 2) Crime o patrimônio ou a fé pública
embarcações brasileiras, mercantes ou da União, do Distrito Federal, de
de propriedade privada, quando em Estado, de Território, de Município, de
território estrangeiro e aí não sejam empresa pública, sociedade de
julgados. economia mista, autarquia ou fundação
instituída pelo Poder Público;
3) Crimes praticados por brasileiro; 3) Crime contra a administração
pública, por quem está a seu serviço;
4) Crimes praticados por estrangeiro 4) Crime de genocídio, quando o
contra brasileiro fora do Brasil, se agente for brasileiro ou domiciliado no
reunidas as condições (art. 7º, §2º, do Brasil.
CP): a) não foi pedida ou foi negada a
extradição; b) houve requisição do
Ministro da Justiça.

1.6.4 Pena cumprida no estrangeiro

Quando houver o cumprimento de pena no estrangeiro, ela será


considerada pelo Poder Judiciário brasileiro, desde que relativa ao mesmo
crime. Se as penas forem diversas (reclusão e penalidade pecuniária), a
pena aplicada no estrangeiro atenuará a pena a ser cumprida no Brasil. E se

17
as penas forem idênticas (reclusão e reclusão), a pena aplicada no
estrangeiro será computada na pena a ser cumprida no Brasil.
Com isso, evita-se o bis in idem, ou seja, a aplicação da mesma
punição, pelo mesmo crime, por mais de uma vez.

1.6.5 Eficácia da sentença estrangeira

A sentença estrangeira só passa a produzir efeitos no Brasil após sua


homologação, pelo Superior Tribunal de Justiça (art. 105, I, “i”, da CRFB/88).
Dispõe o artigo 9º do Código Penal, que a sentença estrangeira,
quando a aplicação da lei brasileira produzir na espécie as mesmas
consequências, pode ser homologada no Brasil para:
a) obrigar o condenado à reparação do dano, a restituições e a outros
efeitos civis;
b) sujeitá-lo a medida de segurança.
E, essa homologação depende:
a) para obrigar o condenado à reparação do dano, a restituições e
outros efeitos civis, de pedido da parte interessada;
b) para os outros efeitos, da existência de tratado de extradição com o
país de cuja autoridade judiciária emanou a sentença, ou, na falta de tratado,
de requisição do Ministro da Justiça.

1.7 Princípios do direito penal

1.7.1 Princípio da intervenção mínima

O princípio da intervenção mínima é elementar e regente do Direito


Penal. Segundo ele, o Estado, através do Direito Penal, só deve se
preocupar com os bens mais relevantes para a sociedade, deixando de
limitar as atividades que não o sejam.
A evolução social mostra que condutas anteriormente consideradas
como penalmente relevantes, podem deixar de ser com o passar dos
tempos, como no caso do adultério, antes considerado crime e hoje não
mais.
É duplo, portanto, o sentido do princípio em análise, pois ao mesmo
tempo que dirige ao legislador o dever de selecionar quais bens jurídicos
possuem relevância penal, também dirige a ele o dever de retirar a
punibilidade daqueles bens que deixaram de ser considerados como
relevantes.

1.7.2 Princípio da lesividade

O princípio da lesividade complementa o princípio da intervenção


mínima. Enquanto o último estabelece quais bens são relevantes para o

18
Direito Penal, o primeiro determina qual o nível de lesão a esses bens deve
ser passível de punição.
É por isso que condutas que não excedem o âmbito do próprio autor,
sem lesão a bens de terceiros, não são passíveis de punição.
Portanto, se a conduta não possuir certa dose de lesividade, ela não
deve atrair a atenção do Direito Penal.

1.7.3 Princípio da fragmentariedade

Inobstante a divisão do Direito em ramos, como o Civil, o


Administrativo e o Tributário, cada um deles se subdivide, se fragmenta. A
fragmentariedade é indicativa das diferentes parcelas de bens que o Direito
Penal cuida.
Segundo a doutrina de Rogério Greco, a fragmentariedade é “uma
consequência da adoção dos princípios da intervenção mínima, da
lesividade e da adequação social, que serviram para orientar o legislador no
processo de criação dos tipos penais. Depois da escolha das condutas que
serão reprimidas, a fim de proteger os bens mais importantes e necessários
ao convívio em sociedade, uma vez criado o tipo penal, aquele bem por ele
protegido passará a fazer parte do pequeno mundo do Direito Penal”.

1.7.4 Princípio da insignificância

Determinadas condutas, tamanha a irrelevância para o Direito Penal,


devem ser consideradas insignificantes, não sendo passíveis de punição.
O princípio da insignificância, também conhecido como princípio da
bagatela, alinha-se ao princípio da intervenção mínima, e socorre aqueles
que cometeram lesão a determinado bem juridicamente tutelado pelo
ordenamento penal, mas que em razão da pequenez, não merece mover a
máquina estatal punitiva.

1.7.5 Princípio da legalidade

O princípio da legalidade está constitucional e legalmente


resguardado. Segundo ele, “ninguém será obrigado a fazer ou deixar de
fazer alguma coisa senão em virtude de lei” (art. 5º, inciso II, da CRFB/88), e
“não há crime sem lei anterior que o defina. Não há pena sem prévia
cominação legal” (art. 5º, XXXIX, da CRFB e art. 1º, do CP).
Em matéria penal, é reserva da lei a tipificação de condutas e
determinação das penas, portanto.

1.7.6 Princípio da retroatividade da lei mais benéfica

Em matéria penal, vige o princípio da irretroatividade, mas há


expressa ressalva quanto a lei mais benéfica ao réu. Nesse caso, admite-se

19
a retroatividade da lei, conforme expressa autorização do artigo 5º, inciso
XL, da CRFB/88.
Também o Código Penal, no caput de seu artigo 2º dispõe que
“ninguém pode ser punido por fato que lei posterior deixa de considerar
crime, cessando em virtude dela a execução e os efeitos penais da sentença
condenatória”, e no parágrafo primeiro que “a lei posterior, que de qualquer
modo favorecer o agente, aplica-se aos fatos anteriores, ainda que decididos
por sentença condenatória transitada em julgado”.

1.7.7 Princípio da presunção de inocência

Até condenação proferida em sentença transitada em julgada, todos


devem ser considerados inocentes. A determinação constitucional do artigo
5º, inciso LVII, dispõe: “ninguém será considerado culpado até o trânsito em
julgado de sentença penal condenatória”.
É com base nessa garantia que confere-se ao condenado em primeira
instância o direito de recorrer em liberdade, por exemplo.

1.7.8 Princípio da personalização da pena

Apenas aquele que incorreu no fato típico legalmente descrito pode


suportar as punições dele decorrentes. A Constituição da República de 1988
foi clara ao estipular que “nenhuma pena passará da pessoa do condenado,
podendo a obrigação de reparar o dano e a decretação do perdimento de
bens ser, nos termos da lei, estendidas aos sucessores e contra eles
executadas, até o limite do valor do patrimônio transferido” (art. 5º, XLV, da
CRFB/88).
Note-se que a obrigação de reparar o dano e pena de perdimento de
bens alcança, exclusivamente, os bens que eram do próprio condenado,
sem o que se haveria lesão ao princípio constitucional da personalização da
pena.

1.7.9 Princípio da individualização da pena

O condenado tem o direito de ter sua pena individualizadamente


determinada. Conforme estipulação do artigo 5º, inciso XLVI da Constituição
da República de 1988, “ a lei regulará a individualização da pena e adotará,
entre outras, as seguintes:
a) privação ou restrição da liberdade;
b) perda de bens;
c) multa;
d) prestação social alternativa;
e) suspensão ou interdição de direitos.”

20
Ademais, consoante inciso XLVII do dispositivo constitucional em
análise, ficam expressamente vedadas as penas:
a) de morte, salvo em caso de guerra declarada, nos termos do art.
84, XIX (guerra declarada);
b) de caráter perpétuo;
c) de trabalhos forçados;
d) de banimento;
e) cruéis;

1.7.10 Princípio do devido processo legal

Dispõe o artigo 5º, inciso LIV, da Constituição da República de 1988,


que “ninguém será privado da liberdade ou de seus bens sem o devido
processo legal”. A garantia em análise confere aos acusados o direito de
serem processados segundo as regras vigentes, sem a possibilidade de
serem submetidos à regras ou tribunais de exceção.
A observância do devido processo legal confere ao acusado a certeza
de respeito de seus direitos e exercício das faculdades legais
disponibilizadas à demonstração de sua participação na atividade criminosa
para a qual foi acusado.
Intimamente ligado ao princípio do devido processo legal estão os
princípios do contraditório e da ampla defesa. Conforme artigo 5º, inciso LV,
da Constituição da República, “aos litigantes, em processo judicial ou
administrativo, e aos acusados em geral são assegurados o contraditório e
ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes”.
O respeito dessas garantias confere ao acusado o direito de se
defender plenamente e consagram comandos básicos de um Estado
Democrático de Direito.

2. Teoria geral do crime

Crime é a conduta humana que fere a legislação penal. Praticado o


fato considerado típico pela lei penal, seu agente incorre nas sanções por
ele descritas. Via de regra, apenas o ser humano pode ser sujeito ativo de
uma conduta criminosa, embora a pessoa jurídica também o passa em
algumas situações.
Nem toda a conduta humana que fira a legislação penal, no entanto,
configura um crime. Dessa forma, a conduta também pode traduzir a prática
de uma contravenção penal. Enquanto crime é uma conduta mais grave,
contravenção é a conduta de menor potencial ofensivo, conhecida também
como “crime-anão”.
Segundo o artigo 1º da Lei de Introdução ao Código Penal, considera-
se crime a infração penal que a lei comina pena de reclusão ou de detenção,
quer isoladamente, quer alternativa ou cumulativamente com a pena de
multa, e, contravenção, a infração penal a que a lei comina, isoladamente,

21
pena de prisão simples ou de multa, ou ambas. alternativa ou
cumulativamente.
Em sentido formal, crime é a violação da lei penal. Em sentido
material, crime é todo fato humano que fere ou expõe a perigo bens que são
penalmente tutelados. Por fim, em sentido analítico, crime é um fato típico e
antijurídico, donde a culpabilidade é pressuposto da aplicação da pena, ao
passo que a periculosidade é pressuposto da aplicação da medida de
segurança.
Para a conceituação de crime existem duas teorias:
a) bipartida; e
b) tripartida.
Pela teoria tripartida, crime é toda ação ou omissão humana:
a) típica;
b) antijurídica; e
c) culpável.
Já a teoria bipartida considera que crime é toda ação ou omissão
humana:
a) típica; e
b) antijurídica.
Para essa teoria, a culpabilidade não é elemento autônomo do crime,
mas mero pressuposto da aplicação da pena.
Em todo caso, conduta típica é aquela ação ou omissão humana que
se enquadra à classificação estipulada em lei como criminosa.
Antijuridicidade é a contrariedade de uma conduta humana com o
ordenamento jurídico, conduta que causa dano ou perigo de dano a um bem
jurídico tutelado. Já a culpabilidade é o juízo de reprovabilidade da conduta
em relação ao fato típico praticado.

2.1 Classificação dos crimes

Acerca dos crimes, várias classificações são apresentadas, dentre as


quais merece destaque:
a) Crimes comuns, próprios e de mão-própria
a.1) crime comum: é aquele que pode ser cometido por qualquer
pessoa;
a.2) crime próprio: é aquele que só pode ser cometido pela pessoa
que ostente uma condição especial, isto é, exige-se um sujeito ativo
específico, como o funcionário público em relação ao peculato, por exemplo;
a.3) crime de mão-própria: é aquele que só pode ser cometido
mediante atuação pessoal do sujeito ativo, como o crime de falso
testemunho, por exemplo.
b) Crimes principais e acessórios

22
b.1) crime principal é aquele que independe da prática de qualquer
delito anterior; e
b.2) crime acessório é aquele pressupõe a existência de um crime
anterior, como o delito de receptação, que depende de um furto ou roubo
anteriormente realizado, por exemplo.
c) Crimes instantâneos, permanentes e instantâneos de efeitos
permanentes
c.1) crime instantâneo é aquele encerra-se de imediato, isto é, aquele
em que a consumação ocorre de plano, sem prolongamentos;
c.2) crime permanente é aquele que se consuma através de
prolongação no tempo, como no sequestro, por exemplo;
c.3) crime instantâneo de efeito permanente é aquele que, embora
consumado instantaneamente, seus efeitos permanecem
independentemente da vontade do sujeito ativo, como no caso de bigamia,
por exemplo.
d) Crimes comissivos, omissivos puros e omissivos impróprios
d.1) crime comissivo é aquele que depende de uma ação do sujeito
ativo, isto é, de uma conduta positiva destinada à prática do crime;
d.2) crime omissivo (ou omissivo puro) é aquele que depende de uma
omissão do sujeito ativo, isto é, de uma conduta negativa daquele que,
diante da verificação concreta de uma situação descrita em lei, que lhe dava
a incumbência de atuar, deixa de fazê-lo voluntariamente, como no caso de
omissão de socorro, por exemplo;
d.3) crime omissivo impróprio (ou comissivo por omissão) é aquele
que depende de uma omissão diante de uma situação que impõe ao sujeito
ativo o dever jurídico de impedir o resultado, como um médico que não
administra o medicamente necessário ao paciente, deixando com que o
mesmo morra.
e) Crimes transeuntes e não-transeuntes
e.1) crime transeunte é aquele que não deixa vestígios, como os
crimes contra a honra, por exemplo;
e.2) crime não-transeunte, em sentido oposto, é aquele que deixa
vestígios, caso em que deve ser realizado o exame de corpo de delito, como
no caso de lesão corporal, por exemplo.
f) Crimes unissubjetivos e plurissubjetivos
f.1) crime unissubjetivo é aquele que pode ser praticado por apenas
uma pessoa, embora nada impeça que seja praticado por duas ou mais;
f.2) crime plurissubjetivo é aquele que exige duas ou mais pessoas,
só com o que se poderá falar na específica prática criminosa, como na
quadrilha ou bando, ou na rixa, por exemplo.
g) Crimes unissubsistentes e plurissubsistentes
g.1) crime unissubsistente é aquele que só exige um ato executório
para que possa ocorrer a consumação do crime;

23
g.2) crime plurissubsistente é aquele que depende de dois ou mais
atos executórios, só com o que poderá ocorrer a consumação do crime.
h) Crimes simples, qualificados e privilegiados
h.1) crime simples ocorre quando o tipo penal é simples, básico, sem
qualquer causa que majore ou reduza sua gravidade, como furto simples ou
homicídio simples, por exemplo;
h.2) crime qualificado ocorre quando ao tipo penal básico é agregada
circunstância que majora a gravidade e, consequentemente, a pena do
crime, como o homicídio cometido por motivo fútil, por exemplo;
h.3) crime privilegiado ocorre quando ao tipo penal básico é agregada
circunstância que reduz a gravidade e, consequentemente, a pena do crime,
como o homicídio por motivo de relevante valor social, por exemplo.
i) Crime habitual
i.1) crime habitual é aquele que se consuma mediante a reiteração de
atos, que isoladamente, via de regra, não tem relevância penal. Por
exemplo, a prostituição, isoladamente, não tem relevância penal. No entanto,
comete crime habitual (rufianismo) aquele que tira proveito da prostituição
alheia, fazendo-se sustentar por quem a exerça.
j) Crime profissional
j.1) crime profissional é aquele praticado por alguém que exerce uma
profissão lícita, e dela se vale para cometer um delito, como no caso do
médico que realiza um aborto, por exemplo.
k) Crime exaurido
k.1) crime exaurido ocorre quando, após preenchidas as
circunstâncias verificadoras do tipo penal, o sujeito ativo o leva a
consequências mais graves.
l) Crimes materiais, formais e de mera conduta
l.1) crime material é aquele que exige um resultado externo em
relação a ação, como a morte, no caso do homicídio, por exemplo.
l.2) crime formal é aquele em que não se exige a realização daquilo
que era pretendido pelo sujeito ativo, como no caso da ameaça, em que o
delito se consuma com sua simples feitura, independentemente de sua
concretização.
l.3) crime de mera conduta é aquele que se consuma mediante mera
ação ou omissão do sujeito passivo, sendo irrelevante a produção de
qualquer resultado naturalístico, como a violação de domicílio ou a omissão
(pelo médico) de denúncia à autoridade pública sobre doença cuja
notificação é compulsória, por exemplo.
m) Crimes de dano e de perigo
m.1) crime de dano é aquele que exige a efetiva lesão de um bem
jurídico, só com o que se pode falar em consumação;

24
m.2) crime de perigo é aquele que se consuma mediante a simples
criação de uma situação de perigo em relação ao bem juridicamente
tutelado, donde extrai-se a seguinte subdivisão:
m.2.1) crime de perigo concreto, que exige a criação de uma
efetiva situação de perigo, como no caso de expor ou abandonar
recém-nascido, para ocultar desonra própria (art. 134, do CP); e
m.2.2) crime de perigo abstrato, que não exige a criação de uma
situação concreta de perigo, bastando que esta situação seja
presumível (presunção absoluta), como no crime de quadrilha ou
bando (art. 288, do CP).
n) Crimes complexos
n.1) crime complexo, em sentido estrito, é aquele que agrupa, em um
único tipo legal, duas ou mais condutas que, isoladamente, são
consideradas delituosas, como o roubo, que é a soma do crime de furto e
ameaça (ou lesão corporal); e
n.2) crime complexo, em sentido amplo, quando um tipo legal abrange
um tipo simples acrescido de circunstâncias que, isoladamente, não são
típicas, como o constrangimento ilegal, que é a soma do crime de ameaça
com a mera obrigatoriedade do sujeito passivo fazer algo que não deseja.
o) Crimes vagos
o.1) crime vago é aquele em que o sujeito passivo é uma coletividade,
como ocorre em relação ao crime de falsificação, corrupção, adulteração ou
alteração de produto destinado a fins medicinais ou terapêuticos (art. 273, do
CP).
Além destas, existem outras classificações atribuídas aos crimes, mas
conforme o contexto do exame da Ordem dos Advogados do Brasil, estas
são as que tem sido objeto de maior indagação dos candidatos.

2.2 Objeto do crime

O objeto do crime pode ser tanto jurídico como material. Não há como
se falar em crime sem se falar em objeto.
Objeto jurídico é aquele resguardado pela lei penal, como a honra, a
fé pública, a vida etc.
Objeto material, por sua vez, é a pessoa ou coisa sobre a qual se
manifesta a conduta delituosa, como a pessoa lesionada ou o bem furtado.

2.3 Sujeitos crime

O sujeito ativo do crime é aquele que pratica a conduta delituosa, ao


passo que o sujeito passivo é aquele contra quem essa conduta é praticada.
O sujeito ativo é o ofensor, ao passo que o sujeito passivo é o ofendido.
O sujeito passivo pode ser uma pessoa, física ou jurídica, mas não
pode ser um animal, nem uma pessoa morta. Nesse último caso, o sujeito

25
passivo do crime pode ser a família do de cujus, mas não ele que deixou de
ser sujeito de direitos.
Sempre que ocorre um crime, o Estado é sujeito passivo dele, pois é
dele que emana a legislação violada. O Estado, por ser sempre sujeito
passivo do crime, é chamado de sujeito passivo constante, ou formal.
Já aquele que sofre pontualmente a lesão a um bem jurídico é
chamado de sujeito passivo eventual ou material, como a pessoa que tem
um veículo furtado, por exemplo.

2.4 Fato típico

Um fato é típico quando a conduta do homem preenche com perfeição


uma descrição legalmente proibitiva. Quando alguém mata outrem, incorre
na proibição constante do artigo 121 do Código Penal, ou seja, pratica um
fato típico.
O fato típico é elemento do crime, ao lado da ilicitude e da
antijuridicidade. A culpabilidade mostra-se, pois, como mero pressuposto
para aplicação da pena.
Para que se fale em fato típico, há que se falar em:
a) conduta;
b) resultado;
c) relação causal; e
d) tipicidade.
Esses elementos são necessários quando o sujeito pratica crimes
materiais, assim como quando pratica crimes omissivos impróprios, pois no
caso dos crimes formais, de mera conduta e omissivos próprios, basta a
presença da conduta e da tipicidade, sendo irrelevante a presença do
resultado e do nexo de causalidade.

2.4.1 Conduta

Penalmente, conduta é a ação ou omissão criminosa, praticada de


forma culposa ou dolosa, tendente a causar lesão a algum bem
juridicamente tutelado.
Acerca da conduta, a doutrina apresenta três teorias:
a) teoria causalista;
b) teoria finalista; e
c) teoria social.
Segundo a teoria causalista, considera-se conduta qualquer ação ou
omissão humana que produza efeitos exteriores, sendo irrelevante que ela
tenha sido culposa ou dolosa. Por essa teoria o dolo e culpa devem ser
alocados como integrantes da culpabilidade.
Segundo a teoria finalista, considera-se conduta a ação ou omissão
humana que seja consciente e voluntariamente praticada, com a finalidade

26
de produzir determinado resultado. Portanto, só há que se falar em fato
típico quando presente o elemento subjetivo do injusto, isto é, a livre vontade
de praticar o fato criminoso. Essa teoria liga o dolo e a culpa à conduta,
diferentemente da teoria causalista.
Já para a teoria social, considera-se conduta apenas a ação ou
omissão que tenha relevância social e que seja dominada pela vontade
humana. Em razão da vagueza na expressão “relevância social”, a teoria
não encontrou maior espaço de difusão.
A conduta criminosa, ademais, pode ser comissiva ou omissiva. É
comissiva a conduta que traduz um agir do agente, enquanto é omissiva a
conduta que traduz um deixar de agir quando há o prévio dever jurídico para
tanto (crimes omissivos impróprios) ou quando não há esse prévio dever
(crimes omissivos próprios), como na omissão de socorro. E há, ainda, os
crimes comissivos por omissão, isto é, o agente deixa de praticar uma
conduta para garantir um resultado criminoso, como por exemplo, quando o
empregado deixa de trancar a caixa registradora para que outrem, em
conluio com ele, pratique um furto.

2.4.2 Resultado

O resultado do crime pode ser:


a) normativo; ou
b) naturalístico.
Resultado normativo é o dano ou perigo de dano ao bem
juridicamente tutelado pela norma penal. Praticado um delito, qualquer que
seja sua natureza, verifica-se o resultado normativo, portanto.
Já o resultado naturalístico é o dano causado no mundo dos fatos,
como ocorrência direta da conduta criminosa. Nem todos os delitos
produzem resultados naturalísticos, pois há crimes que independem deles,
tal como os crimes formais e os de mera conduta.

2.4.3 Relação de causalidade

A relação de causalidade é o vínculo que une a conduta ao resultado.


O Código Penal brasileiro adotou como regra, a teoria da conditio sine qua
non, segundo a qual considera-se como causa todo fato que tenha
concorrido para a produção do resultado criminoso, desde que o agente
responsável por essa causa tenha atuado volitivamente em relação à
produção desse resultado criminoso.
Excepcionalmente, no entanto, o Código Penal adotou a teoria da
causalidade adequada, conforme redação do parágrafo primeiro, do artigo
13, que dispõe que “a superveniência de causa relativamente independente
exclui a imputação quando, por si só, produziu o resultado; os fatos
anteriores, entretanto, imputam-se a quem os praticou”. Portanto, no caso de
causa relativamente independente, que seja superveniente, o agente não
será responsabilizado pelo resultado, mas apenas pela tentativa. No entanto,

27
se a causa relativamente independente for preexistente, o resultado será
imputado a quem o tenha praticado. Em qualquer caso, quando se tratar de
causa absolutamente independente, o agente só será responsabilizado
pelos atos até então praticados.

2.5 Crime culposo e doloso

Para que se fale em crime culposo, há que se falar em:


a) negligência;
b) imprudência; ou
c) imperícia.
A negligência é o não agir, ou o agir de maneira sabida ou
presumivelmente insuficiente. A imprudência é a o agir além do padrão
recomendado. E a imperícia é o agir sem a capacitação técnica ou
profissional suficiente para prática do ato.
O crime culposo é resultado de uma conduta voluntária, ao menos
inicialmente, que produz um resultado involuntário em razão da imprudência,
da negligência ou da imperícia. Para que se fale em punição do crime
culposo, há que se falar, obrigatoriamente, em previsibilidade do resultado,
em ausência de previsão pelo agente, e, em tipicidade da conduta culposa,
pois segundo o parágrafo único do artigo 18 do Código Penal, salvo os
casos expressos em lei, ninguém pode ser punido por fato previsto como
crime, senão quando o pratica dolosamente.
Segundo classificação doutrinária, a culpa pode ser:
a) consciente; ou
b) inconsciente.
Verifica-se a culpa consciente quando o agente prevê que o resultado
lesivo pode ocorrer, mas espera, sinceramente, que ele não aconteça. Já a
culpa inconsciente verifica-se quando o agente não prevê o resultado que
era objetivamente previsível.
A diferença básica entre culpa consciente e dolo eventual é que,
enquanto na primeira o agente não espera o acontecimento do resultado
lesivo, no segundo ele age indiferente em relação a produção ou não do
mesmo. Em ambos os casos há previsibilidade por parte do agente, falando-
se em dolo quando ele age com indiferença em relação a lesão ao bem
juridicamente tutelado, e em culpa quando ele acredita, sinceramente, que
não causará lesão a esse bem.
A conduta dolosa, por sua vez, é aquela intencionalmente dirigida à
prática de um ilícito. O dolo pode ser classificado em:
a) direto (ou propriamente dito);
b) indireto;
c) genérico; e
d) específico.

28
Dolo direito é aquele livremente direcionado à prática de um crime
tipificado na lei penal. Aquele que deseja furtar um veículo e o faz, age com
dolo direto em relação ao artigo 155 do Código Penal.
Dolo indireto é aquele que não se mostra clara e prontamente
identificável. O dolo indireto se subdivide em alternativo e eventual. Dolo
alternativo é aquele em que o agente pratica sua conduta ciente de que ela
pode causar resultados diversos, sendo que sua pretensão se dirige à
realização de qualquer deles. Já o dolo eventual é aquele em que o agente
prevê a possibilidade de um determinado resultado e, embora não o deseje
diretamente, assume o risco de produzi-lo.
Dolo genérico é a mera intenção de lesionar a norma penal,
incorrendo em uma conduta típica nela descrita.
Dolo específico é a somatória de, além de lesionar a norma penal,
obter uma vantagem excedente ou praticar um fim especial.
Por derradeiro, há o crime preterdoloso quando o agente pratica uma
ação ou omissão dolosa, mas produz um resultado mais grave do que
aquele que havia sido previsto em decorrência de um conduta excedente,
que é culposa. No crime preterdoloso, a conduta culposa (posterior) supera
a dolosa (primária).

2.6 Erro de tipo

Conforme redação do caput do artigo 20 do Código Penal, o erro


sobre elemento constitutivo do tipo legal exclui o dolo, mas permite a
punição por crime culposo, se previsto em lei.
Como mencionado, o dolo é elemento essencial do tipo penal.
Verificado, no entanto, que o agente praticou sua conduta pautada por erro
sobre elemento constitutivo do tipo penal, excluir-se-á o dolo.
O erro de tipo pode ser essencial, quando recair sobre as elementares
ou circunstâncias do crime, e pode ser acidental, quando recair sobre dados
acessórios do mesmo.
Quando o erro de tipo é essencial, o agente que pratica a conduta não
sabe que está incorrendo em um fato típico. Esse desconhecimento, dentre
outras causas, pode decorrer de simples ignorância. Quando o erro de tipo
essencial for invencível, não só o dolo, mas também a culpa será excluída,
com o que se considerará atípico o fato praticado. No entanto, se o erro de
tipo essencial for vencível, haverá mera exclusão do dolo, sendo o agente
responsabilizado pela conduta culposa, se houver previsão legal.
Quando o erro de tipo é acidental, em qualquer hipótese haverá
responsabilização do agente, pois ele possui ciência de estar praticando um
tipo penal, manifestando erro apenas em relação a elementos acessórios da
conduta, como o modo de execução, a causalidade ou o próprio objeto
material. Se “A”, pretendendo matar “B”, o confunde, atira e mata “C”,
responde como se tivesse praticado o crime contra “B”, tendo incorrido em
um erro de tipo acidental, erro que recaiu sobre o objeto material do crime.
Para casos como o do exemplo, dispõe o parágrafo terceiro do artigo 20 do
Código Penal, que o erro quanto à pessoa contra a qual o crime é praticado
não isenta de pena, e, neste caso, não se consideram as condições ou

29
qualidades da vítima, mas sim as da pessoa contra quem o agente queria
praticar o crime.
O erro sobre o modo de execução do crime pode se manifestar
mediante erro na execução (aberratio ictus), ou na produção de resultado
diverso do pretendido (aberratio criminis). Quando se tratar de erro na
execução (aberratio ictus), o agente responderá como se tivesse praticado
corretamente o delito, contra o objeto material que pretendia ofender.
Contudo, quando se tratar da produção de resultado diverso do pretendido
(aberratio criminis), o agente responderá apenas de forma culposa, se
houver previsão legal, pelo resultado efetivamente praticado.
O erro sobre a relação de causalidade, conhecido como aberratio
causae, ocorre quando o agente consegue praticar o resultado que
pretendia, mas não da forma como havia planejado.

2.7 Crime tentado e consumado

Basicamente, o crime se divide entre os momentos preparatórios e os


executórios. Os momentos preparatórios compreendem a mera e a efetiva
cogitação, e a preparação material, com a reunião dos instrumentos
necessários à prática delituosa. Os atos preparatórios não são passíveis de
punição, salvo se constituírem, autonomamente, infração penal, como em
relação ao porte ilegal de arma de fogo, por exemplo. Os atos executórios
são aqueles de efetiva prática criminosa.
Uma vez iniciada a prática dos atos executórios, o agente incorre na
conduta penalmente descrita. Se os atos executórios desenrolarem-se até o
final, o delito reputar-se-á consumado. No entanto, se por circunstâncias
alheias à vontade do agente, o delito não se consumar, reputar-se-á como
tentado o crime.
A tentativa é punível com a pena correspondente ao crime
consumado, diminuída de 1/3 (um terço) a 2/3 (dois terços), conforme
redação legal do parágrafo único, do artigo 14, do Código Penal.
A tentativa pode ser classificada em:
a) perfeita; ou
b) imperfeita.
É perfeita a tentativa quando o agente pratica todos os atos
executórios e o crime não se consuma por circunstâncias alheias à sua
vontade.
Em contrapartida, é imperfeita a tentativa quando o agente, também
por circunstâncias alheias à sua vontade, não consegue executar todos os
atos necessários à consumação.
Seja perfeita ou imperfeita, a punição da tentativa não varia.
Por derradeiro, frise-se que não há punição por tentativa em crimes
culposos, assim como não é punível a tentativa em relação às
contravenções penais (art. 4º, da Lei das Contravenções Penais).

30
2.8 Desistência voluntária e arrependimento eficaz

O agente que, voluntariamente, desiste de prosseguir na execução ou


impede que o resultado se produza, só responde pelos atos já praticados
(art. 15, do CP).
O Código Penal brasileiro cuidou de possibilitar ao agente várias
fórmulas de desestímulo à prática criminosa.
Todo aquele que desiste de prosseguir nos atos executórios que já
tenha dado início (desistência voluntária), só será responsabilizado pelo atos
já praticados, assim como aquele que, embora praticado todos os atos
executórios, impeça a produção do resultado criminoso (arrependimento
eficaz).
Note-se que o que a lei penal exige é a voluntariedade da conduta,
mas não a espontaneidade. Portanto, não há qualquer óbice na aplicação
dos institutos mencionados se o agente deixa de praticar os atos de
execução ou impede o resultado após acolher o conselho de alguém. Por
exemplo, se “A” danifica os freios do carro de “B” para que ele colida com
outrem, mas antes de “B” sair com o carro, “A” confessa (espontaneamente
ou seguindo o conselho de “C”, por exemplo) o que fez e impede o
resultado, ele será responsável apenas pelo dano que causou nos freios do
veículo de “B”, não respondendo por qualquer outro delito, consumado ou
tentado.

2.9 Arrependimento posterior

Situação diversa é o arrependimento posterior, tratado no artigo 16 do


Código Penal. Segundo aludido dispositivo, nos crimes cometidos sem
violência ou grave ameaça à pessoa, reparado o dano ou restituída a coisa,
até o recebimento da denúncia ou da queixa, por ato voluntário do agente, a
pena será reduzida de 1/3 (um terço) a 2/3 (dois terços).
Preenchidos os requisitos exigidos pelo artigo 16, há causa
obrigatória de redução de pena, causa esta que beneficia co-autores e
partícipes.

2.10 Crime impossível

O crime impossível é aquele que não é passível de punição, seja por


ineficácia absoluta do meio ou por absoluta impropriedade do objeto. Se “A”,
supondo que “B” (de cujus) está vivo, atira contra ele pretendendo matá-lo,
incorre em um crime impossível.
Como não há tipicidade, não há que se falar em responsabilidade
penal.
O crime impossível ocorre também nos casos de flagrante preparado
(ou provocado), hipótese em que a polícia torna impossível a consumação
do delito, conforme orientação do Supremo Tribunal Federal.

31
3. Ilicitude (ou antijuridicidade)

O conceito de ilicitude (ou antijuridicidade) se divide em:


a) formal; e
b) material.
Segundo o conceito formal, ilicitude é a contrariedade entre a conduta
e o ordenamento jurídico positivo.
Segundo o conceito material, ilicitude é a contrariedade da conduta
em relação a um bem jurídico tutelado.
Portanto, agregando os conceitos, conclui-se que ilicitude é a relação
de antagonismo entre uma conduta humana e o ordenamento positivo,
causando lesão ou expondo a perigo de lesão um bem jurídico tutelado
(DOTTI, p. 334, 2006).
Acerca da conduta humana, outras duas teorias devem ser
apresentadas, por meio das quais se avalia o caráter da ilicitude:
a) teoria subjetiva; e
b) teoria objetiva.
Segundo a teoria subjetiva, o fato típico só pode ser considerado
antijurídico se o agente possuir capacidade para entender e avaliar o caráter
criminoso de sua conduta. Segundo a teoria subjetiva, os inimputáveis,
portanto, não praticam crimes.
E segundo a teoria objetiva, o fato típico é antijurídico
independentemente de o sujeito ativo ser dotado de capacidade de avaliar o
critério criminoso de sua conduta. Portanto, pela teoria objetiva os
inimputáveis praticam crime, embora lhes seja ausente a culpabilidade.
Quanto às causas de exclusão da ilicitude, existem algumas de ordem
legal e outras de ordem supralegal. Presente alguma delas, não que se falar
em crime, pois elas excluem um de seus elementos fundamentais, que é a
ilicitude da conduta.
São causas legais de exclusão da ilicitude:
a) o estado de necessidade;
b) a legítima defesa; Art. 23, do CP
c) o estrito cumprimento do dever legal;
d) o exercício regular de direito;
e) outras, previstas na Parte Especial do Código Penal, como o aborto
praticado pelo médico para salvar a vida da gestante ou no caso de estupro.
Já as causas supralegais de exclusão da ilicitude decorrem,
basicamente, do mandamento constante do artigo 4º, da Lei de Introdução
ao Código Civil, que dispõe que em caso de omissão da lei, o juiz deve
decidir segundo a analogia, os costumes e os princípios gerais de direito.
Nesse contexto, a doutrina apresenta como causas supralegais de exclusão
da ilicitude:

32
a) ação socialmente adequada, isto é, aquela realizada dentro de um
âmbito de normalidade, como o corte de cabelo de calouros nos trotes
universitários, por exemplo;
b) princípio da insignificância, pois o direito penal deve se preocupar
apenas com condutas que sejam efetivamente relevantes;
c) consentimento do ofendido, quando o crime praticado estiver
relacionada à bens disponíveis.

3.1 Estado de necessidade

Em determinadas situações, o Estado não tem condições de tutelar as


pessoas de maneira imediata, motivo pelo qual transfere a elas o poder de
se auto-protegerem, desde que tenham sua atuação pautada pela
razoabilidade e pela proporcionalidade.
O artigo 24 do Código Penal dispõe que, considera-se em estado de
necessidade quem pratica o fato para salvar de perigo atual, que não
provocou por sua vontade, nem podia de outro modo evitar, direito próprio
ou alheio, cujo sacrifício, nas circunstâncias, não era razoável exigir-se.
O estado de necessidade não pode ser alegado por aquele que tenha
o dever legal de enfrentar o perigo (art. 24, §1º, do CP).
O Código Penal brasileiro trata de duas espécies de estado de
necessidade (classificação quanto ao bem sacrificado):
a) o justificante; e
b) o exculpante.
O estado de necessidade justificante é a regra, situação por meio do
qual se sacrifica um bem de menor valor para salvaguardar outro, de maior,
ou, ao menos, de igual valor.
Já o estado de necessidade exculpante é a exceção, situação por
meio do qual se sacrifica um bem de maior valor para salvaguardar outro, de
valor inferior, caso em que a justificativa pode advir da inexigibilidade de
conduta diversa e, nesse caso, excluir a culpabilidade, ou, em caso negativo,
ensejar apenas a redução da pena a ser aplicada. O parágrafo segundo do
artigo 24 do Código Penal, dispõe que embora seja razoável exigir-se o
sacrifício do direito ameaçado, a pena pode ser reduzida de 1/3 (um terço) a
2/3 (dois terços).
Segundo ao terceiro que sofre a ofensa, o estado de necessidade
pode ser classificado como:
a) defensivo; ou
b) agressivo.
O estado de necessidade defensivo ocorre quando o ato necessário à
salvaguarda do bem jurídico ameaçado é praticado em detrimento de um
bem jurídico pertencente ao responsável pela causação da situação de
perigo.
Já o estado de necessidade agressivo ocorre quando o ato
necessário à salvaguarda do bem jurídico ameaçado é praticado em

33
detrimento de um bem jurídico pertencente a terceiro inocente, hipótese em
que surge o dever de indenizar, na esfera cível.
Caso o agente cometa excesso em sua conduta e extrapole os meios
necessários no estado necessidade, responderá pelo ilícito, tenha ele agido
culposa ou dolosamente.
Por derradeiro, caso o agente suponha, erroneamente, estar em
situação de perigo, pode se verificar o estado de necessidade putativo. No
entanto, a suposição errônea feita pelo agente deve ser perfeitamente
justificável, caso em que ele se valerá da hipótese excludente de ilicitude em
estudo. E, ainda, caso a suposição feita pelo agente não seja justificável,
pode ele deixar de responder pelo crime praticado em razão de ausência de
culpabilidade, em decorrência do erro de proibição (MIRABETE, 2006, p.
177).

3.2 Legítima defesa

A legítima defesa é uma faculdade conferida pelo Estado para que o


particular que esteja sofrendo agressão injusta, atual ou iminente, possa
repeli-la através do uso moderado dos meios necessários.
Similar ao que ocorre no estado de necessidade, o Estado delega ao
particular a incumbência de defender seus próprios interesses, em razão
dele não poder fazê-lo de maneira imediata.
O artigo 25 do Código Penal dispõe que, entende-se por legítima
defesa quem, usando moderadamente dos meios necessários, repele injusta
agressão, atual ou iminente, a direito seu ou de outrem.
Enquanto o estado de necessidade pode ser dirigido em face de
terceiro, a legítima defesa só pode ser dirigida em face do agressor, e desde
que essa agressão seja injusta. Para o estado de necessidade é indiferente
se a agressão é justa ou injusta.
Cometido o excesso, ou seja, caso o agente extrapole o uso dos
meios necessários para repelir a injusta agressão, ele responderá pelo ilícito,
tenha atuado culposa ou dolosamente. Ademais, quando há excesso no uso
dos meios necessários surge para o agredido (antes agressor) o direito de
repelir tais excessos agressivos, naquilo que a doutrina chama de legítima
defesa sucessiva.
Assim como ocorre no estado de necessidade, no âmbito da legítima
defesa pode o agente, erroneamente, supor que está sendo agredido e
repelir essa suposta agressão. Nesse caso, estar-se-á diante da hipótese de
legítima defesa putativa. No entanto, não há exclusão da ilicitude nessa
hipótese, pois ausente um dos requisitos previstos no artigo 25 do Código
Penal, que é a agressão real, atual ou iminente, embora haja exclusão da
culpabilidade (MIRABETE, 2006, p. 183).
Por derradeiro, há que se frisar que inexiste a figura da legítima
defesa recíproca, isto é, não há que se alegar legítima defesa quando duas
pessoas entram em duelo, tendo uma provocado e a outra aceitado o
desafio.

34
3.3 Estrito cumprimento do dever legal

Todo aquele que está a desempenhar um dever legar não comete


crime quando atuar dentro dos limites legais que lhe são impostos no
exercício do seu dever. O artigo 23, inciso III, do Código Penal, dispõe que
não há crime quando o agente pratica o fato em estrito cumprimento do
dever legal.
Os agentes públicos, como os policiais, gozam dessa excludente de
ilicitude, com o que se viabiliza seu exercício profissional. Mas não apenas,
já que também os pais atuam no estrito cumprimento do dever legal quando
impõe limites ordinários aos filhos.
Não há que se falar em estrito cumprimento do dever legal em relação
aos crimes culposos, posto que lei nenhuma obriga ao cometimento de ato
negligente, imprudente ou imperito (MIRABETE, 2006, p. 185).
Assim como ocorre com o estado de necessidade e com a legítima
defesa, pode haver o estrito cumprimento do dever legal putativo, que se
verifica quando o agente acredita na existência de um dever legal
inexistente. Nesse caso, haverá um erro de proibição.

3.4 Exercício regular de direito

Conforme disposição do artigo 23, inciso III, do Código Penal, não há


que se falar em crime quando a conduta é pratica em exercício regular de
direito.
Quando um particular realiza a prisão em flagrante de um criminoso
estar-se-á diante de uma nítida hipótese de exercício regular de direito.
Caso haja excesso no exercício regular do direito, de modo a torná-lo
irregular, o agente responsabiliza-se pelo excesso. O artigo 187 do Código
Civil estipula que comete ato ilícito o titular de um direito que, ao exercê-lo,
excede manifestamente os limites impostos pelo seu fim econômico ou
social, pela boa-fé ou pelos bons costumes.
A principal diferença entre o estrito cumprimento do dever legal e o
exercício regular de direito é que no primeiro caso o agente age impelido por
um dever, enquanto que no segundo há uma faculdade, um direito.

3.5 Ofendículos

Ofendículos são objetos criados pelo homem para evitar atuações


criminosas. Esses objetos devem ser instalados de maneira proporcional,
sem excessos, sob pena do agente responder pelo delito culposo ou doloso
a que der causa.
Parte da doutrina entende que o ofendículo é maneira de legítima
defesa preordenada, enquanto outra parte entende tratar-se de exercício
regular de direito.

35
3.6 Excesso punível

Quando o agente intensifica sem necessidade sua conduta lícita, ele a


converte em ilícita, e por ela se responsabiliza. Nesse caso, autoriza-se que
a parte contrária se defenda em relação ao excesso, naquilo que a doutrina
chama de legítima defesa sucessiva.
O excesso punível apresenta-se mediante as seguintes modalidades:
a) excesso doloso: ocorre quando o sujeito ativo pretende um
resultado além do necessário. Nesse caso, ele responde pela prática de
crime doloso;
b) excesso culposo: ocorre quando o sujeito ativo quebra um dever
objetivo de cuidado mediante conduta negligente, imprudente ou imperita e
dá causa a um resultado não desejado. Nesse caso, ele responde por crime
culposo (quanto ao excesso), desde que essa conduta seja prevista como
crime culposo.
c) excesso exculpante: ocorre quando a intensificação desnecessária
resulta da alteração de ânimo pela surpresa ou pelo medo (DOTTI, p. 400,
2006). Nesse caso, o agente deverá ser absolvido por ausência de
culpabilidade em razão de inexigibilidade de conduta diversa.
E, ainda:
a) excesso intensivo: ocorre quando o sujeito atacado intensifica a
conduta, de forma dolosa ou culposa, pelo uso imoderado dos meios
necessários.
b) excesso extensivo: ocorre quando não há mais agressão atual e o
sujeito atacado pratica nova conduta contra o autor da agressão. Nesse
caso, essa nova conduta é considerada como crime autônomo, cuja
responsabilização também será autônoma.

4. Culpabilidade

A culpabilidade é o juízo de reprovabilidade da conduta praticada pelo


autor de um crime, isto é, pelo autor de um fato típico e antijurídico. No
direito penal vige a teoria subjetiva, por meio da qual é fundamental que se
verifique a existência de culpa do agente, sem o que não há que se falar na
possibilidade de sua punição.
Se adotada a teoria tripartida, ausente a culpabilidade não há que se
falar em crime, pois para esta, crime é a conduta típica, antijurídica e
culpável.
Em contrapartida, se adotada a teoria bipartida, para a qual crime é
uma conduta típica e antijurídica, a ausência de culpabilidade não excluirá o
crime, mais sim a punibilidade do mesmo. Para esta teoria, a culpabilidade é
mero pressuposto para aplicação da pena.
São 3 (três) as teorias sobre a culpabilidade:
a) teoria psicológica;
b) teoria psicológico-normativa; e

36
c) teoria normativa pura (adotada pelo Código Penal brasileiro).
Segundo a teoria psicológica, a culpabilidade é a ligação entre o
agente e o fato criminoso, ligação esta de ordem psíquica que pode decorrer
da intenção (dolo) ou da previsibilidade (culpa stricto sensu) do fato. No
entanto, a teoria psicológica foi criticada por não distinguir a simples
culpabilidade, ou seja, a vontade ou previsibilidade de qualquer conduta
humana, da específica culpabilidade penal, que só se verifica quando há
lesão a bens penalmente tutelados (MIRABETE, 2006, p. 192).
Consequentemente, entendeu-se que somente a culpa e o dolo não
bastavam à descrição da culpabilidade, com o que surgiu a teoria
psicológico-normativa. Segundo essa teoria, a culpa e o dolo, como
elementos de ligação entre o agente e a conduta, devem receber uma
valoração normativa, considerando a reprovabilidade da conduta, que só
pode ser reputada existente quando demonstrar-se que o agente possuía
consciência da sua ilicitude, ou que ao menos possuía condições para obter
esse conhecimento (MIRABETE, 2006, p. 192).
A teoria psicológico-normativa foi questionada, contudo, por
considerar que a culpa e o dolo não poderiam ser reputados como
elementos da culpabilidade, mas sim como elementos integrantes da
conduta do agente, com o que se criou a teoria normativa pura, teoria esta
adotada pelo Código Penal brasileiro. Segundo essa teoria, para que se fale
em culpabilidade, que é a reprovabilidade que liga o autor ao fato, exige-se a
imputabilidade, a potencial consciência da ilicitude e a exigibilidade de
conduta diversa.

4.1 Elementos da culpabilidade

Segundo a teoria adotada pelo Código Penal brasileiro (teoria


normativa pura), são elementos da culpabilidade:
a) a imputabilidade;
b) a potencial consciência da ilicitude; e
c) a exigibilidade de conduta diversa.

4.1.1 Imputabilidade

Só há que se falar em culpabilidade se o agente possuir capacidade


para entender o caráter ilícito de sua conduta. A imputabilidade penal
decorre da sanidade mental do agente, e reflete sua capacidade de se auto-
determinar.
Em sentido oposto, inimputável é aquele que não possui consciência
para se determinar. O artigo 26 do Código Penal dispõe que, é isento de
pena o agente que, por doença mental ou desenvolvimento mental
incompleto ou retardado era, ao tempo da ação ou omissão, inteiramente
incapaz de entender o caráter ilícito do fato ou de se determinar de acordo
com esse entendimento.

37
E há, ainda, os semi-imputáveis, que são aqueles dotados de parcial
consciência para se auto-determinar. Nesse caso, a pena pode ser reduzida
de um a dois terços, se o agente, em virtude da perturbação de saúde
mental ou por desenvolvimento mental incompleto ou retardado não era
inteiramente capaz de entender o caráter ilícito do fato ou de se determinar
de acordo com esse entendimento (art. 26, parágrafo único, do CP).
Dentre os critérios existentes para determinação da imputabilidade,
destacam-se:
a) o sistema biológico (adotado como exceção pelo Código Penal
brasileiro);
b) o sistema psicológico; e
c) o sistema biopsicológico (adotado como regra pelo Código Penal
brasileiro).
Segundo o sistema biológico, considera-se inimputável aquele que
apresenta alguma anomalia psíquica, tenha ela influenciado ou não a
vontade do agente no momento da ação ou omissão (MIRABETE, 2006, p.
207). O Código Penal brasileiro adota esse critério apenas em relação aos
menores de 18 anos, por sobre os quais pesa uma presunção absoluta de
inimputabilidade.
Pelo critério psicológico, basta a verificação da consciência sobre a
ilicitude no momento da ação ou omissão (o que gera uma grande
dificuldade prática), sendo indiferente se o agente possui ou não alguma
anomalia mental.
Já o critério biopsicológico é uma combinação dos critérios
anteriormente apresentados e é o critério adotado pelo Código Penal
brasileiro. Segundo ele:
1º) deve-se verificar se o agente possui alguma anomalia mental:
a) se não possuir, não será considerado inimputável; mas
b) se possuir, deve-se prosseguir na averiguação.
2º) possuindo anomalia mental, deve-se verificar se o agente possuía
capacidade para entender o caráter ilícito do fato:
a) se possuir (capacidade para entender o caráter ilícito do fato), não
será considerado inimputável; mas
b) se não possuir (capacidade para entender o caráter ilícito do fato)
deve-se prosseguir na averiguação.
3º) possuindo anomalia mental e não possuindo capacidade para
entender o caráter ilícito do fato, deve-se verificar se o agente era capaz de
se auto-determinar:
a) se era, não será considerado inimputável; mas
b) se não era, será considerado inimputável.
Segundo o Código Penal, portanto, adota-se como regra o critério
biopsicológico para determinação da inimputabilidade penal, e como
exceção o critério biológico, pois seu artigo 27 estipula que os menores de

38
18 (dezoito) anos são penalmente inimputáveis, sujeitando-se às normas
previstas em legislação especial.
Segundo o artigo 28 do Código Penal, não excluem a imputabilidade
penal:
a) a emoção ou a paixão; e
b) a embriaguez, voluntária ou culposa, pelo álcool ou substância de
efeitos análogos.
Note-se que em relação à embriaguez, o Código Penal menciona que
se ela for voluntária ou culposa não tem o condão de excluir a
imputabilidade. No entanto, o parágrafo primeiro do mesmo dispositivo
estipula que, se a embriaguez for completa e proveniente de caso fortuito ou
força maior, fazendo com o agente não fosse, ao tempo da ação ou
omissão, plenamente capaz de entender o caráter ilícito do fato ou de se
determinar de acordo com esse entendimento, ele será isento de pena.
Sobre a embriaguez, ela pode ser:
a) acidental, isto é, decorrente de caso fortuito ou de força maior;
b) não-acidental, isto é, causada pelo próprio agente de forma
intencional (dolo) ou em razão de imprudência (culpa);
c) preordenada, isto é, causada pelo próprio agente, que tem o
propósito de cometer um crime na sequência; ou
d) patológica, isto é, quando a embriaguez gera efeitos análogos à
uma doença mental.
Diferentemente do que ocorre quando se verifica a embriaguez
acidental, que tem o condão de excluir a imputabilidade penal, quando se
verifica a embriaguez não-acidental não há se falar em exclusão da
imputabilidade.
Ademais, conforme dispõe o parágrafo segundo do artigo 28 do
Código Penal, se a embriaguez proveniente de caso fortuito ou de força
maior não for completa, de modo que o agente apresente, ainda que
parcialmente, ao tempo da ação ou omissão, capacidade de entender o
caráter ilícito do fato ou de se determinar segundo esse entendimento, não
será isento de pena, tendo apenas uma redução de um a dois terços em
relação a ela.

4.1.2 Potencial consciência da ilicitude

Presente a imputabilidade, antes que se fale em culpabilidade há que


se falar em potencial consciência da ilicitude. Para que uma pessoa possa
ser penalmente punida, deve-se constatar se ela possuía, ao tempo da ação
ou omissão, consciência da ilicitude de sua conduta. Sem a consciência da
ilicitude, a aplicação da pena perde seu efeito, pois o agente não terá
consciência do motivo determinante à punição.
Se o agente não sabe ou está impossibilitado de saber que sua
conduta é ilícita, ele está diante de um erro de proibição. Se diz erro de
proibição pois o agente acredita que está agindo licitamente, ou seja,

39
acredita que sua conduta não seja proibida pela lei, com o que incide em
erro.
A primeira parte do artigo 21 do Código Penal, que dispõe que “o
desconhecimento da lei é inescusável” coloca-se em consonância com o
artigo 3º, da Lei de Introdução do Código Civil, que dispõe que “ninguém se
escusa de cumprir a lei, alegando que não a conhece”. De fato, o erro sobre
a ilicitude do fato não exclui o crime, porém, se inevitável, isenta de pena, e,
se evitável, pode diminuí-la de 1/6 (um sexto) a 1/3 (um terço).
Considera-se evitável o erro se o agente atua ou se omite sem a
consciência da ilicitude do fato, quando lhe era possível, nas circunstâncias,
ter ou atingir essa consciência (art. 21, parágrafo único, do Código Penal).
Portanto, o erro de proibição inevitável exclui a culpabilidade, o que
não ocorre com o erro de proibição evitável, que apenas gera uma redução
de pena.

4.1.3 Exigibilidade de conduta diversa

Comprovada a imputabilidade do agente, e que este possuía potencial


consciência da ilicitude sobre o fato praticado, é indispensável que se
demonstre a exigibilidade de conduta diversa, só com o que se poderá falar
em culpabilidade.
O agente só pode ser penalmente punido se ficar provado que, ao
tempo dos fatos, lhe era exigível adotar outra conduta, que não a ilícita. No
entanto, se não houver tal possibilidade, não há que se falar em
culpabilidade.
Dessa forma, são causas de inexigibilidade de conduta diversa:
a) a coação moral irresistível; e
b) a obediência hierárquica à ordem não manifestamente ilegal.
Há coação moral irresistível quando o agente não pode adotar outra
conduta que não àquela que lhe é determinada pelo agente coator. Por
exemplo, quando o coator manda que o coagido coloque veneno na comida
de um terceiro, sob ameaça de matar um familiar caso ele não faça o que
lhe foi exigido. O perigo, no entanto, deve ser comprovadamente sério, pois
se não for, a coação não será considerada irresistível, e, consequentemente,
não excluirá a culpabilidade de coagido.
Mediante coação moral resistível configura-se a culpabilidade do
coagido, que poderia ter adotado conduta diversa, caso em que ele será
beneficiado apenas pela atenuante do artigo 65, inciso III, alínea “c”, do
Código Penal.
Já quanto a coação física, ela tem o condão de excluir a
voluntariedade do agente, e, consequentemente, a conduta, que configura
elemento do crime. Sem conduta, não há crime, ao menos não em relação
ao coagido.
Portanto, quando se fala em coação moral irresistível, se fala em
exclusão da culpabilidade, ao passo que quando se fala em coação física
irresistível, se fala em exclusão do crime, em relação ao coagido.

40
Já no que tange à obediência hierárquica à ordem não
manifestamente ilegal, há que se estar atento aos requisitos da modalidade.
Primeiramente, obediência hierárquica abrange, tão somente, os atos
de Direito Administrativo, estando excluídos os atos de caráter privado,
como às ordens entre empregados e empregadores (privados) ou entre
familiares.
Ademais, exige-se que a ordem repute-se à pática de um ato
(aparentemente) legal. Se a ordem do superior hierárquico for para a prática
de um ato manifestamente ilegal, o agente não deve praticá-lo,
evidentemente, e, se o fizer, responderá pelo crime, gozando apenas da
atenuante prevista no artigo 65, inciso III, alínea “c”, do Código Penal.
Quando o agente pratica um ato em obediência à ordem hierárquica
que não seja manifestamente ilegal, lhe será excluída a culpabilidade, pois
não lhe era exigível adotar conduta diversa.
Por derradeiro, caso o agente dê cumprimento a ordem ilegal,
supondo que esta seja legal, desde que perante entendimento razoável, ele
terá incorrido em um erro de proibição evitável, o que lhe reduzirá a pena de
1/6 (um sexto) a 1/3 (um terço).

5. Concurso de pessoas

Há concurso de pessoas (ou de agentes) sempre que um crime for


praticado por mais de uma pessoa. A seguir serão analisadas as relações
que podem ligar esses agentes, assim como a consequência jurídica para
esses casos.
Conforme dispõe o artigo 29 do Código Penal, quem, de qualquer
modo, concorre para o crime incide nas penas a este cominadas, na medida
de sua culpabilidade. Com essa redação, o Código Penal brasileiro
demonstra que adotou a teoria da conditio sine qua non, segundo a qual
todos que concorram para a prática criminosa, em maior ou menor
intensidade, serão chamados a por ele responder.
Para que se possa falar em concurso de pessoas (ou de agentes) há
que estarem presentes os requisitos (MIRABETE, 2006, p. 227):
a) pluralidade de condutas;
b) relevância causal de cada uma das ações;
c) liame subjetivo entre os agentes; e
d) identidade de fato.
À relevância causal da conduta, como mencionado, aplica-se a teoria
da conditio sine qua non, só havendo que se falar em concurso em relação
às ações dos agentes que tenham relevância para as ações criminosas. Por
exemplo, não se pode pretender à punição do proprietário da indústria
armamentista, que produziu a arma utilizada no crime.
Outro requisito essencial ao concurso de pessoas é a presença de
liame subjetivo entre eles, isto é, os agentes devem agir em unidade de
desígnios, em co-autoria própria. No entanto, caso duas ou mais
pessoas atuem sem liame subjetivo, objetivando a mesma prática delituosa,

41
haverá co-autoria imprópria, ou autorial colateral, não havendo que se falar
em concurso de agentes. Nesse caso, cada agente responderá,
individualmente, pelos atos que tiver praticado.

5.1 Autoria

Autor é aquele que pratica o verbo descrito no tipo penal. Por


exemplo, no caso do artigo 121 do Código Penal, que tipifica: “matar
alguém”; será considerado autor aquele que praticar o verbo: matar.
Sobre o conceito de quem seja o autor do crime, 3 (três) são as
principais teorias apresentadas pela doutrina:
a) teoria material-objetiva (ou extensiva);
b) teoria formal-objetiva (ou restritiva); e
c) teoria normativa-objetiva (ou teoria do domínio do fato).
Segundo a teoria material-objetiva, autor do crime não é só quem
realiza o verbo do tipo penal, mas também quem concorre com qualquer
causa para a produção do resultado. Assim, não há que se distinguir entre
autor e partícipe.
Segundo a teoria formal-objetiva, autor do crime é apenas aquele que
realiza o verbo do tipo penal. No entanto, esse conceito não abrange aquele
que comete o crime por intermédio de outrem que não atue com
culpabilidade, confundindo-se as figuras de autor mediato com partícipe
(MIRABETE, 2006, p. 228).
Já segundo a teoria normativa-objetiva, autor é aquele que possui o
domínio final do crime, possuindo poderes, em alguns casos, para
interromper sua execução, inclusive. Para essa teoria, autor é aquele que
pode decidir sobre o verbo do tipo penal, enquanto partícipe é apenas um
colaborador, sem poderes para decisão finalística em relação ao crime.
Conforme orientação da doutrina pátria, a teoria normativa-objetiva
deve ser adotada em complemento à teoria formal-objetiva, tendo esta sido
acolhida pelo Código Penal e sendo com àquela compatível.

5.2 Co-autoria

Co-autor é todo aquele que executa, juntamente com outras pessoas,


o verbo descrito no tipo penal. Quando duas ou mais pessoas agridem outra,
elas estão praticando o delito de lesões corporais, em co-autoria. Nesse
caso, verifica-se a co-autoria se todos os autores praticarem as agressões,
assim como se apenas um agredir e os demais segurarem a vítima, de modo
a imobilizá-la.
A co-autoria é chamada de própria quando os co-autores atuam com
unidade de desígnios, mediante um liame subjetivo de intenções. Em
contrapartida, chama-se co-autoria imprópria aquela verificada em situações
que não consagram a existência de um liame subjetivo entre os autores. Se
“A” e “B”, sem unidade de desígnios, atirarem contra “C”, atuarão em co-

42
autoria imprópria, o que lhes traduzirá responsabilização isolada em relação
ao delito.

5.3 Participação

Partícipe é todo aquele que exerce uma atividade acessória em


relação à prática, pelo autor, do verbo descrito no tipo penal. Sem o início da
prática dos atos de execução, a participação é irrelevante (MIRABETE,
2006, p. 231).
A instigação e a cumplicidade são condutas típicas do partícipe.
Instigação é o incentivo à prática criminosa, seja para criar a intenção de sua
prática, seja para aguçar uma intenção preexistente. Já a cumplicidade é o
efetivo auxílio ao autor do crime, mediante a entrega de uma arma para
realização do homicídio, por exemplo.

5.4 Autoria mediata

Autor mediato é aquele que não pratica, diretamente, o verbo descrito


no tipo penal. Para essa prática, ele se vale de uma pessoa que atue sem
culpabilidade, como um inimputável, por exemplo.
A doutrina aponta como hipóteses nas quais pode se verificar a
autoria mediata:
a) a coação moral irresistível;
b) a obediência à ordem hierárquica não manifestamente ilegal;
c) a utilização de instrumento despido de capacidade penal, como no
uso de animais, por exemplo; e
d) a provocação de erro de tipo escusável.
Em relação à autoria mediata, ela não se manifesta perante os crimes
próprios, tão menos em relação aos de mão-própria. Ademais, também não
há que se falar em autoria mediata em relação aos crimes culposos.

5.5 Natureza jurídica do concurso de pessoas

Praticado o crime mediante o concurso de pessoas, três teorias são


apresentadas pela doutrina para identificação da natureza do crime:
a) teoria unitária (adotada como regra pelo Código Penal);
b) teoria dualística; e
c) teoria pluralística (adotada como exceção pelo Código Penal).
Segundo a teoria unitária, praticados vários crimes por várias
pessoas, considera-se existente apenas um delito. A teoria unitária, também
chamada de monista, foi adotada como regra pelo Código Penal. Segundo o
artigo 29 do mencionado Códex, quem, de qualquer modo, concorre para o
crime, incide nas penas a este cominadas, na medida de sua culpabilidade.

43
Portanto, o crime é único, sendo que cada co-autor ou partícipe será
responsabilizado na medida de sua culpabilidade.
Quando a participação for de menor importância, a pena será
reduzida de 1/6 (um sexto) a 1/3 (um terço), conforme estipulação do
parágrafo primeiro, do artigo 29, do Código Penal.
Ademais, se algum dos partícipes quis participar de crime menos
grave do que o cometido pelos concorrentes, deve ser-lhe aplicada a pena
deste. No entanto, essa pena será aumentada até a metade caso tenha sido
previsível o resultado mais grave (art. 29, §2º, do CP).
Segundo a teoria dualística, há dois crimes: um para os co-autores e
outro para os partícipes, teoria que não é adotada pelo Código Penal
brasileiro em nenhuma hipótese.
Por derradeiro, segundo a teoria pluralística, cada agente deve ser
responsabilizado de maneira individualizada, ainda que suas condutas
estejam vinculadas por liame causal. Essa teoria é hipótese excepcional,
adotada pelo Código Penal em casos pontuais, como nos seus artigos 124 e
126, que tratam do aborto praticado com o consentimento da gestante.

5.6 Concurso e circunstâncias do crime

Conforme disposição do artigo 30 do Código Penal, não se


comunicam as circunstâncias e as condições de caráter pessoal, salvo
quando elementares do crime.
As elementares integram a estrutura do crime, e caso sejam excluídas
ou alteradas provocam a extinção ou alteração do crime. As elementares
informam a qualidade do crime, assim como o seu título, cuja descrição
encontra-se no caput do tipo penal. Alterada uma situação elementar do
crime, esta aproveitará a todos os concorrentes.
As circunstâncias, por sua vez, integram dados acessórios e
acidentais do crime, cujo condão não é o de excluir o crime, mas apenas o
de agravar ou atenuar a pena. Enquanto a descrição das elementares situa-
se no caput do tipo penal, a descrição das circunstâncias consta dos
parágrafos dos mesmos. As circunstâncias do crime dividem-se em:
a) circunstâncias pessoais (ou subjetivas); e
b) circunstâncias reais (ou objetivas, ou materiais).
Circunstâncias reais são aquelas relacionadas ao fato criminoso,
objetivamente considerado, como o tempo, o lugar, os meios de execução e
às condições da vítima (MIRABETE, 2006, p. 239). As circunstâncias reais,
desde que conhecidas pelos co-autores, a eles de comunicam, assim como
se comunicam as elementares.
Já as circunstâncias pessoais são aquelas relacionadas ao agente,
englobando as relações deste com a vítima e com os co-autores, além de
sua própria relação com a vida exterior, como a menoridade, o estado civil
etc. As circunstâncias pessoais, diferentemente das reais, não se
comunicam, em hipótese alguma. Quando um menor de 21 anos comete
uma infração, essa circunstância pessoal não se comunica em benefício dos
co-autores e partícipes, por exemplo.

44
6. Concurso de crimes

Verifica-se o concurso de crimes quando há a prática de dois ou mais


crimes, mediante uma ou mais ações ou omissões.
Em relação ao tema, são apresentados pela doutrina os seguintes
sistemas:
a) do cúmulo material;
b) da absorção; e
c) da exasperação.
Pelo sistema do cúmulo material, deve haver a somatória das penas
entre cada crime praticado. O Código Penal adotou o sistema do cúmulo
material para o concurso material (art. 69), para o concurso formal imperfeito
(art. 70) e para o concurso em relação as penas de multa (art. 72).
Pelo sistema da absorção, cometidos dois ou mais crimes, deve-se
aplicar somente a pena do mais grave, pois as demais presumem-se
absorvidas por esta. A Lei de Falência (Lei n.º 11.101/05) adota esse
sistema em relação aos crimes cometidos pelo falido.
Já pelo sistema da exasperação, cometidos dois ou mais crimes,
deve-se aplicar a pena do mais grave aumentada proporcionalmente, desde
que não iguale a quantidade de pena que seria obtida no caso do concurso
material. O Código Penal adotou o sistema da exasperação em relação ao
concurso formal perfeito (art. 70) e ao crime continuado (art. 71).
Sobre as espécies mencionadas, passa-se a discorrer sucintamente
sobre elas.

6.1 Concurso material

Verifica-se o concurso material quando o agente, mediante mais de


uma ação ou omissão, pratica dois ou mais crimes, idênticos ou não. Nesse
caso, ser-lhe-á aplicada cumulativamente as penas privativas de liberdade
em que haja incorrido (art. 69, do CP).
Na hipótese de concorrência de penas de reclusão e detenção,
executa-se primeiro a de reclusão, conforme determinação do artigo 69,
caput, do Código Penal.
Portanto, para que se fale em concurso material, há que se falar em
pluralidade de condutas (mais de uma ação ou omissão) e pluralidade de
crimes (dois ou mais). Se os crimes praticados forem idênticos, estar-se-á
diante de um concurso material homogêneo. Em contrapartida, se os crimes
praticados forem diversos, estar-se-á diante de um concurso material
heterogêneo.
Conforme disposição do parágrafo primeiro, do artigo 69 do Código
Penal, nada impede seja fixada pena privativa de liberdade em cumulação à
pena restritiva de direitos, desde que tenha havido a suspensão condicional
da primeira. No entanto, se à pena privativa de liberdade não houver sido
aplicado o sursis, não haverá como cumulá-la com a pena restritiva de
direitos.

45
Quando ao condenado forem aplicadas apenas penas restritivas de
direitos, ele deverá cumprir simultaneamente as que forem compatíveis entre
si, e sucessivamente as demais (art. 69, §2º, do CP).

6.2 Concurso formal

Verifica-se o concurso formal quando o agente, mediante uma só


ação ou omissão, pratica dois ou mais crimes, idênticos ou não. Nesse caso,
aplica-se-lhe a mais grave das penas cabíveis ou, se iguais, somente uma
delas, mas aumentada, em qualquer caso, de 1/6 (um sexto) até a metade.
No entanto, as penas aplicam-se, cumulativamente, se a ação ou omissão é
dolosa e os crimes concorrentes resultam de desígnios autônomos,
conforme disposição atinente ao concurso material.
Portanto, para que se fale em concurso formal, há que se falar em
unidade de conduta (uma só ou omissão) e pluralidade de crimes (dois ou
mais crimes). Se os crimes forem idênticos, estar-se-á diante de um
concurso formal homogêneo, caso em que a pena a ser aplicada será a de
qualquer dos crimes, acrescida de 1/6 (um sexto) até a metade. Em
contrapartida, se os crimes praticados forem diversos, estar-se-á diante de
um concurso formal heterogêneo, caso em que a pena a ser aplicada deverá
ser a do crime mais grave, acrescida de 1/6 (um sexto) até a metade.
Nesses casos, se está a abordar o concurso formal perfeito, que é o descrito
na primeira parte do caput do artigo 70 do Código Penal.
Já a segunda parte do mencionado dispositivo, apresenta o concurso
formal imperfeito, que é aquele que se verifica diante de uma ação ou
omissão que possui pluralidade de desígnios. Nesse caso, embora o agente
pratique apenas uma conduta, ele tem intenção (dolo) de causar dois ou
mais resultados criminosos, o que motiva ser-lhe aplicada a pena somada
dos mesmos, assim como ocorre no concurso material.
Enquanto no concurso formal perfeito há unidade de desígnios, no
concurso formal imperfeito há pluralidade deles, o que impede a aplicação
do sistema da exasperação, pertinente apenas para aquele que tenha
atuado com unidade de desígnios.
Em qualquer caso, a pena aplicada mediante o concurso formal não
pode extrapolar aquele que seria cabível caso fossem aplicadas as regras
do concurso material (art. 70, parágrafo único, do CP).

6.3 Crime continuado

Verifica-se o crime continuado quando o agente, mediante mais de


uma ação ou omissão, pratica dois ou mais crimes da mesma espécie e,
pelas condições de tempo, lugar, maneira de execução e outras
semelhantes, devem os subsequentes ser havidos como continuação do
primeiro. Nesse caso, aplica-se-lhe a pena de um só dos crimes, se
idênticas, ou a mais grave, se diversas, aumentada, em qualquer caso, de
1/6 (um sexto) a 2/3 (dois terços), conforme redação legal do caput do artigo
71, do Código Penal.

46
Portanto, para que se fale em crime continuado, há que se falar em
pluralidade de condutas (mais de uma ação ou omissão) e pluralidade de
crimes (dois ou mais crimes), embora estes devam ser sempre da mesma
espécie, considerando-se também que em razão das condições de tempo,
lugar e maneira de execução, os subsequentes devem ser reputados como
continuação do primeiro.
Reputa-se que os crimes subsequentes sejam continuação do
primeiro quando cometidos no intervalo médio de 30 (trinta) dias entre um e
outro, quando praticados na mesma cidade ou em cidades próximas, quando
o agente se beneficia da condição criada pelo primeiro para prática dos
subsequentes etc.
Nos crimes dolosos, praticados contra vítimas diferentes, com
violência ou grave ameaça à pessoa, o juiz pode, considerando a
culpabilidade, os antecedentes, a conduta social e a personalidade do
agente, assim como os motivos e as circunstâncias, aumentar a pena de um
só dos crimes, se idênticas, ou a mais grave, se diversas, até o triplo,
observadas as regras do concurso material e o limite das penas, que não
pode ser superior a 30 (trinta) anos (art. 71, parágrafo único, do CP).
Caso a aplicação das regras do concurso material se mostre mais
benéfico ao réu do que a aplicação das regras da continuidade delitiva,
autoriza-se a aplicação do primeiro, o denominado concurso material
benéfico.
Enquanto o caput do artigo 71 do Código Penal apresenta a hipótese
de crime continuado comum, isto é, aqueles praticados sem violência ou
grave ameaça à pessoa, o parágrafo único do mesmo dispositivo apresenta
a hipótese de crime continuado específico, verificável mediante a prática
dolosa de crimes com emprego de violência ou grave ameaça em relação a
vítimas diferentes.

7. Penas

Por meio das penas atinge-se uma das finalidades do direito penal,
que é repressão ao ilícito, período no qual o agente suportará a privação da
liberdade ou a restrição de direitos. O caráter repressivo da pena incide
sobre o agente, assim como o caráter ressocializador da mesma, que deve
propiciar ao condenado meios de retorno ao convívio social, de forma
harmônica.
Há, ainda, outro efeito decorrente da aplicação da pena, este dirigido
à sociedade em geral, que é o efeito preventivo. Quando uma pessoa sofre a
punição pelo ilícito, todas as demais que cogitavam incorrer na mesma
prática serão forçadas a repensar sua conduta, sob pena de sujeitarem-se à
mesma punição.
Praticado o crime, a pena torna-se sua principal consequência. Mas a
pena é apenas uma espécie de sanção criminal, já que também o é a
medida de segurança, abordada em capítulo próprio.

47
7.1 Princípios

A doutrina aponta como princípios regentes da disciplina legal das


penas:
a) princípio da legalidade e anterioridade, segundo o qual somente a
lei pode criar as penas, as quais devem estar previstas em momento anterior
à prática do crime;
b) princípio da humanização, segundo o qual a pena não pode violar
direitos humanos básicos do preso, como suas integridades física e moral;
c) princípio do ne bis in idem, segundo o qual nenhuma pessoa pode
ser punida duas vezes pela mesma infração criminosa;
d) princípio da pessoalidade, segundo o qual nenhuma pena passará
da pessoa do condenado, embora a obrigação de reparar o dano possa ser
transferida aos herdeiros, desde que respeitado o limite do patrimônio do de
cujus;
e) princípio da proporcionalidade, segundo o qual deve-se aplicar a
pena proporcional à gravidade do crime praticado, do bem jurídico violado e
da personalidade do agente; e
f) princípio da inevitabilidade, segundo o qual não se pode evitar a
punição estatal após a condenação penal, salvo as exceções legalmente
permitidas, como o perdão judicial, o sursis, o livramento condicional, a
anistia, o indulto etc.

7.2 Classificação das penas

A doutrina costuma apontar como espécies de penas:


a) as corporais;
b) as privativas de liberdade;
c) as restritivas de direitos;
d) as pecuniárias.
As penas corporais são aquelas dirigidas à integridade física do
preso, como mutilações, agressões etc (MIRABETE, 2006, p. 247). A pena
de morte também se inclui entre as penas corporais. No Brasil, há expressa
vedação constitucional à imposição de penas corporais que tenham natureza
cruel, assim como a pena de morte, salvo em caso de guerra declarada.
As penas privativas de liberdade constituem, atualmente, a principal
sanção a ser aplicada aos condenados pela justiça penal. A pena privativa
de liberdade retira do preso a liberdade de locomoção, um dos direitos
fundamentais da pessoa humana. Contudo, essa privação não pode ser
perpétua, pois no Brasil há vedação de qualquer penalidade com esse
caráter.
As penas restritivas de direitos, como é sugestiva a expressão,
restringem determinados direitos do condenado. Dentre as penas restritivas
de direitos mais comuns, pode-se citar a proibição de frequentar
determinados lugares, a obrigação de se reportar mensalmente ao juízo

48
sobre suas ocupações profissionais e a prestação de serviços à
comunidade.
As penas pecuniárias consistem na redução do patrimônio do
condenado em prol do Estado, por meio da pena de multa ou do confisco.
Enquanto a pena de multa traduz a necessidade do pagamento de
determinada quantia ao Estado, o confisco reflete a entrega de bens a este.
Em relação as penas pecuniárias, diferentemente do que ocorre com as
penas privativas de liberdade, pode haver transferência do encargo aos
sucessores, respeitado o limite do patrimônio do de cujus, naturalmente.
No Brasil, segundo o artigo 32 do Código Penal, as penas são:
a) privativas de liberdade;
b) restritivas de direitos;
c) de multa.

7.2.1 Penas privativas de liberdade

Como mencionado, as penas privativas de liberdade são as que


possuem maior caráter de intimidação, de prevenção em relação à prática
do ilícito, já que priva o condenado de um de seus principais direitos: a
liberdade de locomoção.
Em relação à pena privativa de liberdade vige o princípio da
pessoalidade, isto é, em hipótese alguma há que se falar no cumprimento
dessa pena por pessoa que não seja o próprio condenado.
A pena privativa de liberdade pode ser:
a) de reclusão;
b) de detenção; ou
c) de prisão simples.
A pena de reclusão deve ser cumprida em regime fechado, semi-
aberto ou aberto. Já a pena de detenção deve ser cumprida em regime
semi-aberto ou aberto, salvo necessidade de transferência para o regime
fechado (art. 33, do CP).
Conforme disposição do parágrafo primeiro, do artigo 33 do Código
Penal, considera-se:
a) regime fechado: a execução da pena em estabelecimento de
segurança máxima ou média;
b) regime semi-aberto: a execução da pena em colônia agrícola,
industrial ou estabelecimento similar;
c) regime aberto: a execução da pena em casa de albergado ou
estabelecimento adequado.
As penas privativas de liberdade devem ser executadas em forma
progressiva, isto é, quanto maior o tempo de cumprimento da pena, menor o
rigor do regime aplicado. Para essa progressão, deve-se considerar o mérito
do condenado, observados os seguintes critérios e ressalvadas as hipóteses
em que se faça necessário a transferência a regime mais rigoroso:

49
a) o condenado a pena superior a 8 (oito) anos deverá começar a
cumpri-la em regime fechado;
b) o condenado não reincidente, cuja pena seja superior a 4 (quatro)
anos e não exceda a 8 (oito), poderá, desde o princípio, cumpri-la em regime
semi-aberto;
c) o condenado não reincidente, cuja pena seja igual ou inferior a 4
(quatro) anos, poderá, desde o início, cumpri-la em regime aberto.
Iniciado o cumprimento da pena privativa de liberdade em regime
fechado, o condenado pode obter a progressão para o regime semi-aberto
após o cumprimento de 1/6 (um sexto) da pena, salvo se relacionado a crime
hediondo, caso em que só poderá haver progressão de regime após o
cumprimento de 2/5 (dois quintos) da pena, se o condenado for primário, ou
3/5 (três quintos), se for reincidente.
No Brasil, não se admite a chamada progressão em saltos, que seria
a progressão do regime fechado diretamente para o regime aberto, conforme
orientação dos tribunais pátrios. Em sentido oposto, nada impede a
regressão em saltos, que é a transferência de um regime menos rigoroso
para um mais rigoroso. Portanto, nada impede que um condenado que
esteja cumprindo pena em regime aberto seja transferido imediatamente ao
regime fechado, caso adote alguma conduta que exija tal postura do Estado.
A progressão de regime é direito do condenado, razão pela qual se
declarou inconstitucional disposição da Lei dos Crimes Hediondos que
determinava o cumprimento das penas em regime integralmente fechado. A
expressão “integralmente” foi substituída por “inicialmente”.
Em se tratando de pena privativa de liberdade, é vedada a
condenação perpétua, sendo que no Brasil o limite máximo para privação da
liberdade de uma pessoa é de 30 (trinta) anos.
Quando o preso está cumprindo sua pena privativa de liberdade, ele
pode exercer atividade laborativa, recordando-se que ele não pode ser
impelido à trabalhos forçados, degradantes, desumanos ou cruéis. O
trabalho que o preso pode realizar é a ocupação laborativa comum a
qualquer pessoa, o que lhe concede o benefício de ter sua pena reduzida na
medida de 1 (um) dia de pena por 3 (três) de trabalho, por meio do instituto
nominado remição. Exercendo atividade laborativa, o preso tem direito à
remuneração e caso sofra um acidente de trabalho, continuará a ser
beneficiado pela remição durante o período de seu afastamento.
Por derradeiro, cumpre salientar que caso o preso tenha cumprido
pena no estrangeiro, ou mesmo no Brasil, em caráter provisório, este
período de cumprimento será abatido do período que lhe seja fixado após a
condenação, por meio do instituto denominado detração.

7.2.1.1 Regime disciplinar diferenciado (RDD)

O regime disciplinar diferenciado (RDD) é um regime mais severo de


privação da liberdade. Segundo o artigo 52, da Lei de Execução Penal (Lei
n.º 7.210/84), durante a execução da pena, aquele que praticar fato previsto
como crime doloso incorre em falta grave e, quando ocasionar subversão da

50
ordem ou disciplina interna, sujeita o preso provisório, ou condenado, sem
prejuízo da sanção penal, ao regime disciplinar diferenciado (RDD), que
possui as seguintes características:
a) duração máxima de trezentos e sessenta dias, sem prejuízo de
repetição da sanção por nova falta grave de mesma espécie, até o limite de
um sexto da pena aplicada;
b) recolhimento em cela individual;
c) visitas semanais de duas pessoas, sem contar as crianças, com
duração de duas horas;
d) o preso terá direito à saída da cela por 2 (duas) horas diárias para
banho de sol.
O regime disciplinar diferenciado também pode abrigar presos
provisórios ou condenados, nacionais ou estrangeiros, que apresentem alto
risco para a ordem e a segurança do estabelecimento penal ou da sociedade
(art. 52, §1º, da LEP).
Também sujeita-se ao regime disciplinar diferenciado o preso
provisório ou o condenado sob o qual recaiam fundadas suspeitas de
envolvimento ou de participação, a qualquer título, em organizações
criminosas, quadrilha ou bando (art. 52, §2º, da LEP).

7.2.2 Penas restritivas de direitos

A pena privativa de liberdade deve ser a última alternativa para o


condenado, pois é a mais severa. Sempre que possível, deve-se aplicar ao
condenado as penas mais adequadas e suficientemente aptas a lhe punir e
regenerar.
Desse modo, sempre que possível, deve-se substituir a pena privativa
de liberdade pela pena restritiva de direitos, especialmente nos dias atuais,
em que se conhece a realidade do sistema prisional, que mais corrompe que
recupera.
Contudo, para que possa haver essa substituição, há que estarem
preenchidos determinados requisitos, quais sejam:
a) que a pena privativa de liberdade aplicada não seja superior a 4
(quatro) anos, se o crime for doloso, pois se for culposo a substituição é
sempre possível;
b) que e o crime não tenha sido cometido com violência ou grave
ameaça à pessoa;
c) que o réu não seja reincidente específico em crime doloso (se a
reincidência for genérica, admite-se a substituição das penas se forem
favoráveis as circunstâncias descritas abaixo);
d) que a culpabilidade, os antecedentes, a conduta social e a
personalidade do condenado, bem como os motivos e as circunstâncias
indiquem que essa substituição é suficiente.

51
As penas restritivas de direitos são autônomas e substituem as
privativas de liberdade. Essas penas podem ser:
a) de prestação pecuniária;
b) de perda de bens e valores;
c) de prestação de serviço à comunidade ou a entidades públicas;
d) de interdição temporária de direitos;
e) de limitação de fim de semana.
A prestação pecuniária consiste no pagamento, em dinheiro, à vítima,
a seus dependentes ou a entidade pública ou privada com destinação social,
de importância fixada pelo juiz, não inferior a 1 (um) salário mínimo nem
superior a 360 (trezentos e sessenta) salários mínimos. O valor pago será
deduzido do montante de eventual condenação em ação de reparação civil,
se coincidentes os beneficiários (art. 45, §1º, do CP). Ademais, a prestação
pecuniária pode consistir em prestação de outra natureza, desde que haja
aceitação do beneficiário (art. 45, §2º, do CP).
A perda de bens e valores do condenado dar-se-á, em benefício do
Fundo Penitenciário Nacional, e seu valor terá como teto, o montante do
prejuízo causado ou do provento obtido pelo agente ou por terceiro, em
consequência da prática do crime, salvo disposição em sentido diverso em
legislação especial (art. 45, §3º, do CP).
A prestação de serviços à comunidade ou a entidades públicas só é
aplicável às condenações que sejam superiores a 6 (seis) meses de
privação de liberdade (art. 46, caput, do CP). Pela prestação de serviços à
comunidade ou a entidades públicas o condenado não receberá qualquer
valor pecuniário. Essa prestação de serviços dar-se-á em entidades
assistenciais, hospitais, escolas, orfanatos e outros estabelecimentos
congêneres, em programas comunitários ou estatais (art. 46, §2º, do CP). A
determinação das tarefas do condenado devem observar as aptidões do
mesmo, devendo-se cumprir à razão de uma hora de tarefa por dia de
condenação, fixadas de modo que não prejudique a jornada normal de
trabalho. Na hipótese da pena substituída ser superior a 1 (um) ano, é
facultado ao condenado cumprir a pena substitutiva em menor tempo (art.
55), através da compensação em horas, desde nunca inferior a metade da
pena privativa de liberdade fixada.
Conforme disposição do artigo 47 do Código Penal, as penas de
interdição temporária de direitos são:
a) proibição do exercício de cargo, função ou atividade pública, bem
como de mandato eletivo;
b) proibição do exercício de profissão, atividade ou ofício que
dependam de habilitação especial, de licença ou autorização do poder
público;
c) suspensão de autorização ou de habilitação para dirigir veículo.
d) proibição de frequentar determinados lugares.
A limitação de fim de semana consiste na obrigação de permanecer,
aos sábados e domingos, por 5 (cinco) horas diárias, em casa de albergado

52
ou outro estabelecimento adequado (art. 48, caput, do CP). Durante essa
permanência, poderão ser ministrados aos condenados cursos e palestras
ou atribuídas atividades educativas (art. 48, parágrafo único, do CP).
Quando a condenação for igual ou inferior a um ano, a substituição
pode ser feita por multa ou por uma pena restritiva de direitos. Se a
condenação for superior a um ano, a pena privativa de liberdade pode ser
substituída por uma pena restritiva de direitos e multa ou por duas restritivas
de direitos (art. 44, §2º, do CP).
Conforme disposição do parágrafo quarto, do artigo 44 do Código
Penal, a pena restritiva de direitos converte-se em privativa de liberdade
quando ocorrer o descumprimento injustificado da restrição imposta. Nesse
caso, ao se realizar o cálculo da pena privativa de liberdade a executar,
deve-se deduzir o tempo cumprido da pena restritiva de direitos, respeitado-
se o saldo mínimo de trinta dias de detenção ou reclusão.
E sobrevindo condenação a pena privativa de liberdade, por outro
crime, durante o cumprimento de pena restritiva de direitos, o juiz da
execução penal deverá decidir sobre a conversão, podendo deixar de aplicá-
la se for possível ao condenado cumprir a pena substitutiva anterior.

7.2.3 Pena de multa

A pena de multa pode ser fixada de maneira isolada, cumulativa ou


alternativa, a depender da hipótese concreta de condenação.
Essa pena consiste no pagamento, ao fundo penitenciário, de quantia
fixada na sentença e calculada em dias-multa. A pena de multa deve
respeitar os limites mínimo de 10 (dez), e máximo de 360 (trezentos e
sessenta) dias-multa.
O valor do dia-multa deve ser fixado pelo juiz e não poderá ser inferior
a um trigésimo do salário mínimo mensal vigente ao tempo do fato, nem
superior a 5 (cinco) vezes esse salário (art. 49, §1º, do CP).
Transitada em julgado a sentença, a multa deve ser paga dentro de
10 (dez) dias, pagamento que pode ser parcelado a requerimento da parte e
deferimento do juiz. Admite-se que a a cobrança da pena de multa seja
realizada mediante desconto no vencimento ou salário do condenado
quando:
a) aplicada isoladamente;
b) aplicada cumulativamente com pena restritiva de direitos; ou
c) concedida a suspensão condicional da pena.
Contudo, os descontos não podem privar o condenado e seus
familiares dos recursos indispensáveis à subsistência.
Atualmente, caso a pena de multa não seja paga, não se pode
convertê-la em pena privativa de liberdade, diante da revogação do
dispositivo legal que trazia tal permissivo. Não sem razão, pois para a
cobrança da pena de multa deve-se adotar os meios executivos próprios, e
não a privação de liberdade.
Se a pena de multa não for paga, ela será inscrita perante a Dívida
Ativa da Fazenda Pública, e seguirá o seu rito ordinário de execução,

53
inclusive no que se refere às causas suspensivas e interruptivas da
prescrição, conforme orientação do artigo 51 do Código Penal.
Por derradeiro, conforme dispõe o artigo 52 do Código Penal, se
sobrevier doença mental ao acusado deverá ser suspensa a execução da
pena de multa.

7.3 Aplicação da pena

Para aplicação da pena, o juiz deve atender à culpabilidade, aos


antecedentes, à conduta social, à personalidade do agente, aos motivos, às
circunstâncias e consequências do crime, assim como ao comportamento da
vítima, estabelecendo, conforme seja necessário e suficiente para
reprovação e prevenção do crime:
a) as penas aplicáveis dentre as cominadas;
b) a quantidade de pena aplicável, dentro dos limites previstos;
c) o regime inicial de cumprimento da pena privativa de liberdade;
d) a substituição da pena privativa da liberdade aplicada, por outra
espécie de pena, se cabível.
Observadas as orientações acima mencionadas, dadas pelo artigo 59
do Código Penal, tem-se a fixação da pena-base do condenado, como
reflexo da primeira fase de aplicação da pena. Sobre essas fases existem,
basicamente, dois métodos:
a) o bifásico; e
b) o trifásico (adotado pelo Código Penal brasileiro).
Pelo sistema bifásico, a primeira fase de aplicação da pena serve
para fixação da pena-base e para a verificação das circunstâncias
atenuantes e agravantes, enquanto a segunda fase serve para aplicação das
causas de aumento e de diminuição da pena.
Já pelo sistema trifásico, adotado pelo Código Penal brasileiro:
1) a primeira fase destina-se à fixação da pena base;
2) a segunda fase destina-se à verificação das circunstâncias
atenuantes e agravantes; e
3) a terceira fase destina-se à verificação das causas de aumento e
diminuição da pena.
Se afirma que no Brasil foi adotado a teoria trifásica em análise do
texto legal do artigo 68 do Código Penal, que dispõe que “a pena-base será
fixada atendendo-se ao critério do art. 59 deste Código; em seguida serão
consideradas as circunstâncias atenuantes e agravantes; por último, as
causas de diminuição e de aumento”.

54
7.3.1 Primeira fase: circunstâncias judiciais

A primeira fase de aplicação da pena tem a finalidade de fixar a pena-


base do condenado. Para tanto, consideram-se as circunstâncias descritas
no artigo 59 do Código Penal, as quais devem ser fixadas a partir de
atividade discricionária do juiz.
Essas circunstâncias, conforme orientação do artigo 59 do Código
Penal são:
a) a culpabilidade (do agente);
b) os antecedentes (do agente);
c) a conduta social (do agente);
d) a personalidade (do agente);
e) os motivos (do crime);
f) as circunstâncias (do crime);
g) as consequências (do crime); e
h) o comportamento da vítima.
Embora haja um juízo discricionário do juiz quanto à fixação da pena-
base a partir das circunstâncias acima mencionadas, a decisão em que
ocorrer essa fixação deve ser sempre fundamentada, conforme
determinação constitucional.
Ademais, essa fixação não pode ser inferior ao mínimo legalmente
determinado para o tipo penal praticado, tão menos superar o máximo da
pena abstratamente prevista.

7.3.2 Segunda fase: circunstâncias atenuantes e agravantes

As circunstâncias atenuantes e agravantes do delito não se resumem


às previstas na Parte Geral do Código Penal, podendo estar previstas
também em legislação especial.
O artigo 61 do Código Penal dispõe que são circunstâncias que
sempre agravam a pena, quando não constituem ou qualificam o crime:
I - a reincidência;
II - ter o agente cometido o crime:
a) por motivo fútil ou torpe;
b) para facilitar ou assegurar a execução, a ocultação, a
impunidade ou vantagem de outro crime;
c) à traição, de emboscada, ou mediante dissimulação, ou outro
recurso que dificultou ou tornou impossível a defesa do ofendido;
d) com emprego de veneno, fogo, explosivo, tortura ou outro meio
insidioso ou cruel, ou de que podia resultar perigo comum;
e) contra ascendente, descendente, irmão ou cônjuge;

55
f) com abuso de autoridade ou prevalecendo-se de relações
domésticas, de coabitação ou de hospitalidade, ou com violência
contra a mulher na forma da lei específica;
g) com abuso de poder ou violação de dever inerente a cargo,
ofício, ministério ou profissão;
h) contra criança, maior de 60 (sessenta) anos, enfermo ou
mulher grávida;
i) quando o ofendido estava sob a imediata proteção da
autoridade;
j) em ocasião de incêndio, naufrágio, inundação ou qualquer
calamidade pública, ou de desgraça particular do ofendido;
l) em estado de embriaguez preordenada.
Já o artigo 62 do Código Penal estipula circunstâncias agravantes no
caso de concurso de pessoas. Segundo aludido dispositivo, a pena será
ainda agravada em relação ao agente que:
I - promove, ou organiza a cooperação no crime ou dirige a atividade
dos demais agentes;
II - coage ou induz outrem à execução material do crime;
III - instiga ou determina a cometer o crime alguém sujeito à sua
autoridade ou não-punível em virtude de condição ou qualidade pessoal;
IV - executa o crime, ou nele participa, mediante paga ou promessa
de recompensa.
Na hipótese de uma agravante genérica constituir também uma
qualificadora do crime, esta prevalece sobre àquela, não podendo ambas
serem aplicadas, sob pena de bis in idem.
Em contrapartida, segundo disposição do artigo 65 do Código Penal,
são circunstâncias que sempre atenuam a pena:
I - ser o agente menor de 21 (vinte e um), na data do fato, ou maior de
70 (setenta) anos, na data da sentença;
II - o desconhecimento da lei;
III - ter o agente:
a) cometido o crime por motivo de relevante valor social ou moral;
b) procurado, por sua espontânea vontade e com eficiência, logo após
o crime, evitar-lhe ou minorar-lhe as consequências, ou ter, antes do
julgamento, reparado o dano;
c) cometido o crime sob coação a que podia resistir, ou em
cumprimento de ordem de autoridade superior, ou sob a influência de
violenta emoção, provocada por ato injusto da vítima;
d) confessado espontaneamente, perante a autoridade, a autoria do
crime;
e) cometido o crime sob a influência de multidão em tumulto, se não o
provocou.

56
E, consoante orientação do artigo 66 do Código Penal, a pena poderá
ainda ser atenuada em razão de circunstância relevante, anterior ou
posterior ao crime, embora não prevista expressamente em lei.
Por derradeiro, no caso de concurso entre agravantes e atenuantes, a
pena deve aproximar-se do limite indicado pelas circunstâncias que forem
preponderantes, entendendo-se como tais as que resultam dos motivos
determinantes do crime, da personalidade do agente e da reincidência.

7.3.2.1 Reincidência

Verifica-se a reincidência quando o agente comete novo crime, depois


de transitar em julgado a sentença que, no país ou no estrangeiro, o tenha
condenado por crime anterior (art. 63, do CP). A reincidência é a primeira
circunstância agravante do crime, e divide-se em:
a) genérica; e
b) específica.
Reincidência genérica é a nova prática, após condenação anterior
transitada em julgado, de qualquer outro crime que não seja idêntico ao que
motivou a condenação anterior. Por exemplo, se após o trânsito em julgado
da decisão que condena o agente por homicídio, ele praticar um furto, será
reincidente genérico.
Já a reincidência específica é a nova prática, após a condenação
anterior transitada em julgado, do mesmo crime que motivou a condenação
anterior. Por exemplo, se após o trânsito em julgado da decisão que
condena o agente por homicídio, ele praticar outro homicídio, será
reincidente específico.
A reincidência específica é mais grave e impede, por exemplo, a
substituição da pena privativa de liberdade pela restritiva de direitos,
conforme determinação do artigo 44, parágrafo terceiro, do Código Penal.
Cumpre expor, que a doutrina ainda classifica a reincidência em real
ou ficta. Considera-se reincidente real aquele que tenha praticado nova
infração criminal após o cumprimento da pena pela prática anterior, e,
considera-se reincidente ficto aquele que tenha praticado nova infração
criminal antes do cumprimento da pena pela prática criminosa anterior.
Conforme dispõe o artigo 64, inciso I, do Código Penal, para efeito de
reincidência, não prevalece a condenação anterior, se entre a data do
cumprimento ou extinção da pena e a infração posterior tiver decorrido
período de tempo superior a 5 (cinco) anos, computado o período de prova
da suspensão ou do livramento condicional, desde que não ocorrido sua
revogação.
Ademais, para efeito da reincidência também não se consideram os
crimes militares próprios, nem os políticos (art. 64, II, do CP).
Por derradeiro, é importante frisar que também não induzem
reincidência: as contravenções penais, a realização de transação penal nos
moldes dos Juizados Especiais Criminais, a aplicação do perdão judicial
para infração anterior e o crime praticado antes e consumado depois do
trânsito em julgado da infração penal anterior.

57
7.3.3 Terceira fase: causas de aumento e de diminuição

As causas de aumento e de diminuição da penas são os últimos


elementos a serem considerados antes da efetiva fixação da pena.
Enquanto as circunstâncias agravantes e atenuantes influenciam
genericamente à fixação da pena, já que essa fixação depende da
discricionariedade jurisdicional, as causas de aumento e de diminuição de
pena sempre são apresentadas em frações, previamente determinadas.
As causas de aumento e de diminuição da pena estão previstas na
Parte Geral e também na Parte Especial do Código Penal. Por exemplo, o
artigo 14, parágrafo único, na Parte Geral do Código Penal, dispõe que a
tentativa deve ser punida com a pena correspondente ao crime consumado,
diminuída de 1/3 (um terço) a 2/3 (dois terços). Já o artigo 121, parágrafo
quarto, na Parte Especial do Código Penal, dispõe que no homicídio
culposo, a pena deve ser aumentada de 1/3 (um terço), se o crime for
resultado de inobservância de regra técnica de profissão, arte ou ofício, ou
quando o agente deixar de prestar imediato socorro à vítima, não procurar
diminuir as consequências do seu ato, ou fugir para evitar prisão em
flagrante.
No concurso de causas de aumento e de diminuição de pena
previstas na Parte Especial do Código Penal, o juiz pode limitar-se a um só
aumento ou a uma só diminuição, prevalecendo, no entanto, a causa que
mais a aumente ou diminua, conforme expressa orientação do parágrafo
único, do artigo 68 do Código Penal.

7.4 Direitos e deveres dos presos

Finda as fases de aplicação da pena, o condenado será sentenciado


e lhe será fixado o regime para cumprimento de sua pena.
Recolhido em estabelecimento prisional, o preso tem como direitos
(art. 41, da LEP):
a) alimentação suficiente e vestuário;
b) atribuição de trabalho e sua remuneração;
c) Previdência Social;
d) constituição de pecúlio;
e) proporcionalidade na distribuição do tempo para o trabalho, o
descanso e a recreação;
f) exercício das atividades profissionais, intelectuais, artísticas e
desportivas anteriores, desde que compatíveis com a execução da pena;
g) assistência material, à saúde, jurídica, educacional, social e
religiosa;
h) proteção contra qualquer forma de sensacionalismo;
i) entrevista pessoal e reservada com o advogado;
j) visita do cônjuge, da companheira, de parentes e amigos em dias
determinados;

58
k) chamamento nominal;
l) igualdade de tratamento salvo quanto às exigências da
individualização da pena;
m) audiência especial com o diretor do estabelecimento;
n) representação e petição a qualquer autoridade, em defesa de
direito;
o) contato com o mundo exterior por meio de correspondência escrita,
da leitura e de outros meios de informação que não comprometam a moral e
os bons costumes.
p) atestado de pena a cumprir, emitido anualmente, sob pena da
responsabilidade da autoridade judiciária competente.
Em contrapartida, são deveres do preso (art. 39, da LEP):
a) comportamento disciplinado e cumprimento fiel da sentença;
b) obediência ao servidor e respeito a qualquer pessoa com quem
deva relacionar-se;
c) urbanidade e respeito no trato com os demais condenados;
d) conduta oposta aos movimentos individuais ou coletivos de fuga ou
de subversão à ordem ou à disciplina;
e) execução do trabalho, das tarefas e das ordens recebidas;
f) submissão à sanção disciplinar imposta;
g) indenização à vitima ou aos seus sucessores;
h) indenização ao Estado, quando possível, das despesas realizadas
com a sua manutenção, mediante desconto proporcional da remuneração do
trabalho;
i) higiene pessoal e asseio da cela ou alojamento;
j) conservação dos objetos de uso pessoal.

8. Medida de segurança

Enquanto as penas são aplicáveis ao imputáveis, as medidas de


segurança aplicam-se ao inimputáveis. Quanto aos semi-imputáveis, eles
podem sofrer a aplicação de uma pena reduzida ou podem sujeitar-se à
medida de segurança, a depender da situação concreta.
Para aplicação da medida de segurança, o Código Penal brasileiro
adota o sistema vicariante, segundo o qual não se pode adotar,
cumulativamente, pena privativa de liberdade e medida de segurança para
os inimputáveis e para os semi-imputáveis. É em razão do sistema vicariante
que os inimputáveis estão sujeitos, apenas, a medida de segurança,
enquanto que os semi-imputáveis estão sujeitos a penas privativas de
liberdade de menor duração ou medida de segurança.
A pena prevista para o crime praticado pelo agente sujeito à medida
de segurança é determinante para saber se esta será detentiva ou restritiva.
Medida de segurança detentiva é aquela aplicada para o condenado
por crime apenado com pena de reclusão, hipótese em que ele ficará

59
internado em hospital de custódia e tratamento psiquiátrico ou, à falta deste,
em outro estabelecimento adequado (art. 96, I, do CP).
Já a medida de segurança restritiva é aquela aplicada para o
condenado por crime apenado com pena de detenção, hipótese em que ele
se sujeitará apenas a tratamento ambulatorial, sendo desnecessária a
internação (art. 96, II, do CP).
Se for extinta a punibilidade, não se impõe a medida de segurança,
tão pouco subsiste a que tenha sido imposta.
A duração da medida de segurança é absolutamente variável, a
depender da reabilitação do condenado. A internação ou o tratamento
ambulatorial deve ser fixado por tempo indeterminado, perdurando enquanto
não for averiguada, mediante perícia médica, a cessação da periculosidade.
Contudo, deve ser fixado um prazo mínimo para a medida de segurança,
que deve ser de 1 (um) a 3 (três) anos.
A perícia médica deve ser realizada com o término do prazo mínimo
fixado, e deve ser repetida de ano em ano, ou a qualquer momento, se o
determinar o juiz da execução (art. 97, §2º, do CP).
A desinternação, ou a liberação, deve ser sempre condicional, e deve
ser restabelecida a situação anterior se o agente, antes do decurso de 1
(um) ano, praticar qualquer fato indicativo da persistência de sua
periculosidade, nos termos do parágrafo terceiro, do artigo 97, do Código
Penal.
Se durante o período de simples tratamento ambulatorial o juiz
constatar a necessidade de internação do agente, deve determiná-la
imediatamente, desde que com objetivos curativos (art. 97, §4º, do CP).
Por derradeiro, para que se fale em medida de segurança, há que se
falar em fato típico, pois não há como se aplicar medida de segurança em
relação a uma contravenção penal, por exemplo. E deve haver também
periculosidade, que pode ser presumida quando se tratar de inimputáveis, ou
real quando se tratar de semi-imputáveis.

9. Suspensão condicional da pena – sursis

A suspensão condicional da pena (ou sursis), como é indutiva a


expressão, permite ao condenado ver suspensa a execução de sua pena
privativa de liberdade.
Conforme disposição do artigo 77 do Código Penal, a execução da
pena privativa de liberdade, não superior a 2 (dois) anos, poderá ser
suspensa, por período de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, desde que:
a) o condenado não seja reincidente em crime doloso;
b) a culpabilidade, os antecedentes, a conduta social e personalidade
do agente, bem como os motivos e as circunstâncias autorizem a concessão
do benefício;
c) não seja indicada ou cabível a substituição da pena privativa de
liberdade pela restritiva de direitos.
Sobre a suspensão condicional da pena, existem 3 (três) modelos:

60
a) o anglo-americano;
b) o do probation of first offenders act (adotado pela Lei n.º 9.099/95);
e
c) o franco-belga (adotado pelo Código Penal brasileiro).
Pelo sistema anglo americano, ainda que o juiz reconheça a
culpabilidade do agente, pode suspender o processo.
Pelo sistema do probation of first offenders act, o juiz só pode
suspender o processo em momento que ainda não conheça a culpabilidade
do agente. Esse sistema é adotado pela Lei n.º 9.099/95 (Lei dos Juizados
Especiais).
E pelo sistema franco-belga, adotado pelo Código penal pátrio, o juiz
deve proferir sentença condenatória, fixar a pena e somente então, se
constatar o preenchimento dos requisitos legais, suspender
condicionalmente a pena do agente.
Não impede a concessão do sursis a condenação em crime doloso e
depois em culposo, nem a condenação em crime culposo e depois em
doloso, pois o texto legal é claro ao vedar apenas a concessão para o réu
que seja reincidente em crime doloso. Nesse sentido, também não impede a
concessão do sursis a condenação anterior por contravenção, crime militar
próprio ou crime político.
Outras situações que, uma vez concedidas em relação ao crime
anterior, não impedem a concessão do sursis são: o perdão judicial, a
anistia, a abolitio criminis, ou qualquer causa extintiva da punibilidade.
Ademais, conforme orientação do parágrafo primeiro, do artigo 77 do
Código Penal, a condenação anterior à pena de multa não impede a
concessão do sursis.
A execução da pena privativa de liberdade, quando não superior a 4
(quatro) anos, poderá ser suspensa, por 4 (quatro) a 6 (seis) anos, desde
que o condenado seja maior de 70 (setenta) anos de idade, ou razões de
saúde justifiquem a suspensão (art. 77, §2º, do CP).
São 4 (quatro) as espécies de sursis:
a) o simples;
b) o especial;
c) o etário; e
d) o humanitário.
O sursis simples é aquele que obriga o condenado a prestar serviços
à comunidade ou que lhe restringe os finais de semana (art. 78, §1º, do CP).
O sursis especial é aquele em que, ao invés de determinar ao
condenado a prestação de serviços à comunidade ou limitar-lhe o final de
semana, lhe são aplicadas as seguintes atividades (art. 78, §2º, do CP):
a) proibição de frequentar determinados lugares;
b) proibição de ausentar-se da comarca onde reside, sem autorização
do juiz;
c) comparecimento pessoal e obrigatório a juízo, mensalmente, para
informar e justificar suas atividades.

61
O sursis etário é aquele concedido aos que, na data da sentença,
possuam mais de 70 (setenta) anos de idade e que tenha sido condenados à
pena privativa de liberdade não superior a 4 (quatro) anos.
Já o sursis humanitário (ou profilático) é o concedido ao condenado
que esteja em grave situação de saúde, desde que a pena não supere 4
(quatro) anos.
Para concessão do benefício da suspensão condicional da pena, o
condenado deve preencher os requisitos legais, e durante seu período,
chamado de período de prova, ele deve pautar sua conduta conforme os
mandamentos legais, ou legais e judiciais, sob pena de revogação do
benefício.
Conforme redação do artigo 81 do Código Penal, é causa obrigatória
de revogação da suspensão condicional da pena:
a) a condenação, em sentença irrecorrível, por crime doloso;
b) a frustração, embora solvente, da execução da pena de multa ou a
não efetuação, sem motivo justificado, da reparação do dano; e
c) o descumprimento da prestação de serviços à comunidade ou
limitação do final de semana.
Em contrapartida, conforme redação do parágrafo primeiro do artigo
81, do Código Penal, é causa facultativa de revogação do sursis, o
descumprimento, pelo condenado, de qualquer condição imposta, ou a
condenação irrecorrível por crime culposo ou contravenção, a pena privativa
de liberdade ou restritiva de direitos. Nesse caso, o juiz pode optar pela
revogação do benefício, ou pode prorrogá-lo até o máximo possível.
Se após concedido, o sursis for revogado, o condenado deverá
cumprir integralmente a pena a que foi condenado.
No entanto, se expirado o prazo sem que tenha havido revogação,
considera-se extinta a pena privativa de liberdade (art. 82, do CP).

10. Livramento condicional

O livramento condicional não deve ser confundido com a suspensão


condicional da pena. Enquanto esta pressupõe apenas a condenação, sem o
início do cumprimento da pena, aquele pressupõe a condenação, mais o
cumprimento de determinada quantia de pena.
São requisitos para concessão do livramento condicional:
a) cumprir mais de 1/3 (um terço) da pena se o condenado não for
reincidente em crime doloso e tiver bons antecedentes;
b) cumprir mais da metade da pena se o condenado for reincidente
em crime doloso;
c) comprovar comportamento satisfatório durante a execução da
pena, bom desempenho no trabalho que lhe foi atribuído e aptidão para
prover à própria subsistência mediante trabalho honesto;
d) ter reparado, salvo efetiva impossibilidade de fazê-lo, o dano
causado pela infração;

62
e) cumprir mais de 2/3 (dois terços) da pena, nos casos de
condenação por crime hediondo, prática da tortura, tráfico ilícito de
entorpecentes e drogas afins, e terrorismo, se o apenado não for reincidente
específico em crimes dessa natureza.
E no caso de condenação por crime doloso, cometido com violência
ou grave ameaça à pessoa, a concessão do livramento fica também
condicionada à constatação de condições pessoais que façam presumir que
o liberado não voltará a delinquir (art. 83, parágrafo único, do CP).
Concedido o livramento condicional, o condenado permanecerá nessa
condição até o término do período de sua pena, desde que não cometa
nenhum fato que gere a revogação do benefício. Negado o benefício, é
cabível o recurso de agravo.
Conforme artigo 86 do Código Penal, revoga-se o livramento
condicional:
a) se o liberado for condenado a pena privativa de liberdade, em
sentença irrecorrível, por crime cometido durante a vigência do benefício;
b) se o liberado for condenado a pena privativa de liberdade, em
sentença irrecorrível, por crime anterior a vigência do benefício;
c) se o liberado não cumprir as condições fixadas pelo juiz na
sentença de livramento;
d) se o liberado for condenado, em sentença irrecorrível, por crime ou
contravenção, ainda que a pena não seja privativa de liberdade.
Nas duas últimas situações, é facultado ao juiz revogar o benefício,
podendo deixar de fazê-lo se julgar oportuno, o que não ocorre quando
constatada alguma das duas primeiras situações.
Uma vez revogado o livramento condicional, ele não poderá ser
novamente concedido, e, salvo quando a revogação resulta de condenação
por outro crime anterior àquele benefício, não se desconta na pena o tempo
em que esteve solto o condenado (art. 88, do CP).
Ademais, não pode o juiz declarar extinta a pena, enquanto não
transitar em julgado a sentença de processo a que responde o liberado, por
crime cometido na vigência do livramento (art. 89, do CP).
Não sendo revogado até seu término, considera-se extinta a pena
privativa de liberdade, conforme disposição do artigo 90 do Código Penal.

11. Efeitos da condenação

Além da fixação da pena, outros efeitos decorrem da condenação


penal. O artigo 91 do Código Penal estipula os efeitos genéricos da
condenação:
I - tornar certa a obrigação de indenizar o dano causado pelo crime;
II - a perda em favor da União, ressalvado o direito do lesado ou de
terceiro de boa-fé:

63
a) dos instrumentos do crime, desde que consistam em coisas
cujo fabrico, alienação, uso, porte ou detenção constitua fato ilícito;
b) do produto do crime ou de qualquer bem ou valor que constitua
proveito auferido pelo agente com a prática do fato criminoso.
Já o artigo 92, também do Código Penal, estipula efeitos específicos
em relação à condenação penal:
I - a perda de cargo, função pública ou mandato eletivo:
a) quando aplicada pena privativa de liberdade por tempo igual ou
superior a um ano, nos crimes praticados com abuso de poder ou
violação de dever para com a Administração Pública;
b) quando for aplicada pena privativa de liberdade por tempo
superior a 4 (quatro) anos nos demais casos.
II - a incapacidade para o exercício do pátrio poder, tutela ou curatela,
nos crimes dolosos, sujeitos à pena de reclusão, cometidos contra filho,
tutelado ou curatelado; (
III - a inabilitação para dirigir veículo, quando utilizado como meio para
a prática de crime doloso.
No caso dos efeitos específicos, eles não são automáticos, devendo
ser expressa e motivadamente declarados em sentença (art. 92, parágrafo
único, do CP).

12. Reabilitação

A reabilitação alcança quaisquer penas aplicadas em sentença


definitiva, e assegura ao condenado o sigilo dos registros sobre seu
processo e condenação (art. 93, caput, do CP). E a reabilitação pode não se
limitar aos efeitos genéricos da condenação, alcançando também os efeitos
específicos, embora estando vedada a reintegração na situação anterior nos
casos de:
a) perda de cargo, função pública ou mandato eletivo:
a.1) quando aplicada pena privativa de liberdade por tempo igual
ou superior a um ano, nos crimes praticados com abuso de poder ou
violação de dever para com a Administração Pública;
a.2) quando for aplicada pena privativa de liberdade por tempo
superior a 4 (quatro) anos.
b) incapacidade para o exercício do pátrio poder, tutela ou curatela,
nos crimes dolosos, sujeitos à pena de reclusão, cometidos contra filho,
tutelado ou curatelado.
Pode-se requerer a reabilitação após o decurso de 2 (dois) anos do
dia em que for extinta, por qualquer modo, a pena ou terminar sua execução,
computando-se o período de prova da suspensão e o do livramento

64
condicional, desde que não sobrevenha revogação, e desde que o
condenado:
a) tenha tido domicílio no País no prazo acima referido;
b) tenha dado, durante esse tempo, demonstração efetiva e constante
de bom comportamento público e privado;
c) tenha ressarcido o dano causado pelo crime ou demonstre a
absoluta impossibilidade de o fazer, até o dia do pedido, ou exiba documento
que comprove a renúncia da vítima ou novação da dívida.
Quando for negada a reabilitação, ela poderá ser novamente
requerida, a qualquer tempo, desde que o pedido seja instruído com novos
elementos comprobatórios dos requisitos necessários (art. 94, parágrafo
único, do CP).
A reabilitação pode ser revogada, de ofício ou a requerimento do
Ministério Público, se o reabilitado for condenado, como reincidente, por
decisão definitiva, a pena que não seja de multa (art. 95, do CP).

13. Extinção da punibilidade

A punibilidade é a consequência do delito praticado. Por isso, ainda


que extinta a punibilidade, isto não implica dizer que também o delito está
extinto, salvo nas hipóteses de abolitio criminis e anistia, como será
analisado.
Conforme redação do artigo 107 do Código penal, extingue-se a
punibilidade:
a) pela morte do agente;
b) pela anistia, graça ou indulto;
c) pela retroatividade de lei que não mais considera o fato como
criminoso;
d) pela prescrição, decadência ou perempção;
e) pela renúncia do direito de queixa ou pelo perdão aceito, nos
crimes de ação privada;
f) pela retratação do agente, nos casos em que a lei a admite;
g) pelo perdão judicial, nos casos previstos em lei.
É importante destacar a disposição do artigo 108 do Código Penal,
segundo o qual a extinção da punibilidade de crime que seja pressuposto,
elemento constitutivo ou circunstância agravante de outro a ele não se
estende. Nos crimes conexos, a extinção da punibilidade de um deles não
impede, quanto aos outros, a agravação da pena resultante da conexão.
Portanto, como afirmado, a punibilidade é mera consequência do
crime praticado, sendo que sua extinção não altera a substância deste.
No caso da morte do agente, que é caráter personalíssimo de
extinção da punibilidade, não há comunicação em relação aos co-autores
nem aos partícipes.

65
A anistia é a exclusão do crime e, consequentemente, de suas
consequências penais, cuja atribuição para concessão é exclusiva do
Congresso Nacional, por meio de lei ordinária dotada de efeitos retroativos e
irrevogáveis.
A graça, diferentemente da anistia, não tem efeitos gerais, mas
individuais, passível de concessão mediante ato do Presidente da República,
e não exclui o crime, mas apenas a punibilidade.
O indulto, por sua vez, é um benefício de caráter coletivo, concedido
mediante ato do Presidente da República (decreto), e também não exclui o
crime, mas apenas a punibilidade.
A retroatividade de lei que não mais considera o fato como criminoso
é a abolitio criminis, hipótese que exclui não apenas a punibilidade, mas o
próprio crime.
As hipóteses de prescrição, isto é, da perda do direito de punir do
Estado, serão autonomamente apresentadas.
Já a decadência se verifica mediante a inércia do ofendido, o que lhe
retira o direito de ajuizar uma ação penal privada. Para esses casos, há
prazo decadencial de 6 (seis) meses, contados a partir da data do
descobrimento da autoria delituosa, pelo ofendido, para que seja ajuizada a
ação penal privada, sob pena decadência. Mas não apenas, já que a
decadência também pode se manifestar nos casos de ação penal pública
condicionada a representação e nos casos de ação penal privada subsidiária
da pública.
A perempção, por sua vez, é a perda do direito do ofendido prosseguir
na ação, também em razão da manifestação de inércia durante seu trâmite.
Diferentemente da decadência, passível de verificação na ação penal
privada, na ação penal pública condicionada à representação e na ação
penal privada subsidiária da pública, a perempção só pode ser verificada nas
ações exclusivamente privadas. Conforme o artigo 60 do Código de
Processo Penal, considera-se perempta a ação:
a) quando, iniciada esta, o querelante deixar de promover o
andamento do processo durante 30 dias seguidos;
b) quando, falecendo o querelante, ou sobrevindo sua incapacidade,
não comparecer em juízo, para prosseguir no processo, dentro do prazo de
60 (sessenta) dias, qualquer das pessoas a quem couber fazê-lo, ressalvado
o disposto no art. 36;
c) quando o querelante deixar de comparecer, sem motivo justificado,
a qualquer ato do processo a que deva estar presente, ou deixar de formular
o pedido de condenação nas alegações finais;
d) quando, sendo o querelante pessoa jurídica, esta se extinguir sem
deixar sucessor.
A renúncia ao direito de queixa, nos casos de ação penal privada,
também é causa de extinção da punibilidade, ato que só pode ser
manifestado antes do ajuizamento da mesma, naturalmente. Após o
ajuizamento, o que pode haver é o perdão do ofendido ao agressor, caso em
que esse perdão deve ser aceito, só com o que restará extinta a
punibilidade.

66
A retratação do agente, naqueles casos autorizados por lei, também
pode extinguir a punibilidade. Verifica-se a retratação quando o agressor
confessa, retratando-se do que havia afirmado anteriormente. Essa
retratação não depende da aceitação do ofendido e deve ser feita antes da
prolação da sentença. O típico exemplo de retratação como ato extintivo da
punibilidade é o falso testemunho ou falsa perícia, no qual o fato deixa de
ser punível se, antes antes da sentença no processo em que ocorreu o
ilícito, o agente se retrata ou declara a verdade.
O perdão judicial, diferentemente do perdão do ofendido, não
depende de aceitação do réu. Ele deve ser concedido pelo juiz assim que se
verifique o preenchimento das condições determinadas por lei, constituindo
verdadeiro direito subjetivo do réu. É caso de perdão judicial, por exemplo, a
subtração de incapazes de que se tenha a guarda, desde que o incapaz seja
devolvido sem ter sofrido maus-tratos ou privações, conforme dispõe o artigo
249, parágrafo segundo, do Código Penal.

13.1 Prescrição

A prescrição é a perda do direito de punir, ou de executar a pena, por


parte do Estado, em razão da inércia. O instituto da prescrição impede que
haja punição após o decurso de certo lapso temporal, pois a aplicação da
pena já não atingirá a finalidade que motivara sua cominação.
Via de regra, todos os crimes estão sujeitos à prescrição, salvo o
racismo e a ação de grupos armados, civis ou militares, contra a ordem
constitucional e o Estado Democrático.
A prescrição pode se manifestar em relação ao direito de punir
(prescrição da pretensão punitiva), e em relação ao direito de executar a
pena (prescrição da pretensão executória).

13.1.1 Prescrição antes do transito em julgado da sentença


condenatória

A prescrição antes do trânsito em julgado da sentença condenatória


regula-se pela pena máxima abstratamente prevista para o crime,
verificando-se:
a) em 20 (vinte) anos, se o máximo da pena é superior a 12 (doze);
b) em 16 (dezesseis) anos, se o máximo da pena é superior a 8 (oito)
anos e não excede a 12 (doze);
c) em 12 (doze) anos, se o máximo da pena é superior a 4 (quatro)
anos e não excede a 8 (oito);
d) em 8 (oito) anos, se o máximo da pena é superior a 2 (dois) anos e
não excede a 4 (quatro);
e) em 4 (quatro) anos, se o máximo da pena é igual a 1 (um) ano ou,
sendo superior, não excede a 2 (dois);
f) em 3 (três) anos, se o máximo da pena é inferior a 1 (um) ano.

67
Quando se considera a pena abstratamente prevista para o crime,
para o fim de calcular o prazo prescricional, se está diante da prescrição da
pretensão punitiva propriamente dita.
Os prazos mencionados também se prestam ao cálculo da prescrição
em relação a pena que já tenha sido aplicada em sentença condenatória.
E para o cômputo prescricional das penas restritivas de direitos
aplicam-se os mesmo prazos utilizados para as penas privativas de
liberdade (art. 109, parágrafo único, do CP).

13.1.2 Prescrição depois do transito em julgado da sentença


condenatória

A prescrição depois de transitar em julgado a sentença condenatória


regula-se pela pena aplicada e verifica-se nos prazos fixados no artigo 109,
os quais se aumentam de 1/3 (um terço) se o condenado for reincidente,
conforme determina o caput do artigo 110 do Código Penal.
Se já tiver sido proferida sentença condenatória, sem trânsito em
julgado, é possível a ocorrência da prescrição da pretensão punitiva
intercorrente (ou superveniente). Essa modalidade visa evitar a utilização de
recursos protelatórios por parte do réu e só tem início após o trânsito em
julgado da sentença em relação ao Ministério Público, ou o julgamento pela
improcedência do seu recurso.
Conforme atual redação do parágrafo primeiro do artigo 110, do
Código Penal, a prescrição, depois da sentença condenatória com trânsito
em julgado para a acusação ou depois de improvido seu recurso, regula-se
pela pena aplicada, não podendo, em nenhuma hipótese, ter por termo
inicial data anterior à da denúncia ou queixa.
O termo inicial da prescrição da pretensão punitiva intercorrente é o
dia da publicação da sentença condenatória com trânsito em julgado para o
Ministério Público ou para o querelante, e o termo final é a data da sessão
do julgamento do recurso pelo tribunal.
Já a prescrição retroativa, que é aquela que se conta para trás, antes
prevista no artigo 110, parágrafo segundo, do Código Penal, foi revogada
pela Lei n.º 12.234/2010. No entanto, conforme tem-se apontado, ela apenas
foi extinta em relação à data do fato e a data do recebimento da denúncia ou
queixa, mas subsiste em relação à data do recebimento da denúncia ou
queixa e a data da sentença condenatória com trânsito em julgado para a
acusação.

13.1.3 Termo inicial da prescrição antes de transitar em julgado a


sentença condenatória

O termo inicial da contagem do prazo prescricional começa a correr:


a) do dia em que o crime se consumou;
b) no caso de tentativa, do dia em que cessou a atividade criminosa;
c) nos crimes permanentes, do dia em que cessou a permanência;

68
d) nos de bigamia e nos de falsificação ou alteração de assentamento
do registro civil, da data em que o fato se tornou conhecido.

13.1.4 Termo inicial da prescrição depois de transitar em julgado a


sentença condenatória

Após a sentença condenatória, a prescrição começa a correr:


a) do dia em que transita em julgado a sentença condenatória, para a
acusação, ou a que revoga a suspensão condicional da pena ou o
livramento condicional;
b) do dia em que se interrompe a execução, salvo quando o tempo da
interrupção deva computar-se na pena.
Nesse caso, se está diante da hipótese de prescrição da pretensão
executória, e seus prazos observam as regras do artigo 109 do Código
Penal.
E conforme determina o artigo 113 do Código Penal, no caso de
evadir-se o condenado ou de revogar-se o livramento condicional, a
prescrição deve ser regulada pelo tempo que resta da pena.

13.1.5 Prescrição da multa

Ocorre a prescrição da pena de multa:


a) em 2 (dois) anos, quando a multa for a única cominada ou aplicada;
b) no mesmo prazo estabelecido para prescrição da pena privativa de
liberdade, quando a multa for alternativa ou cumulativamente cominada ou
cumulativamente aplicada.

13.1.6 Redução dos prazos de prescrição

Conforme determinação legal do artigo 115 do Código Penal, são


reduzidos de metade os prazos de prescrição quando o criminoso era, ao
tempo do crime, menor de 21 (vinte e um) anos, ou, na data da sentença,
maior de 70 (setenta) anos.

13.1.7 Suspensão e interrupção da prescrição

Em se tratando de prescrição, o curso de seu prazo pode ser


suspenso:
a) enquanto não resolvida, em outro processo, questão de que
dependa o reconhecimento da existência do crime;
b) enquanto o agente cumpre pena no estrangeiro;

69
c) durante o tempo em que o condenado permanecer preso por outro
motivo.
Consabido, a suspensão motiva a paralisação da contagem do prazo,
o qual tem seu prosseguimento tão logo cesse o motivo que determinou sua
estagnação.
Em contrapartida, a interrupção gera o reinício da contagem completa
do prazo prescricional. Segundo o artigo 117 do Código Penal, o curso da
prescrição interrompe-se:
a) pelo recebimento da denúncia ou da queixa;
b) pela pronúncia;
c) pela decisão confirmatória da pronúncia;
d) pela publicação da sentença ou acórdão condenatórios recorríveis;
e) pelo início ou continuação do cumprimento da pena;
f) pela reincidência.
Com exceção do marco interruptivo pelo início ou continuação do
cumprimento da pena, ou pela reincidência, os demais casos produzem
efeitos em relação a todos os autores do crime. Nos crimes conexos, que
sejam objeto do mesmo processo, estende-se aos demais a interrupção
relativa a qualquer deles (art. 117, §1º, do CP).
Conforme determinação do artigo 118 do Código Penal, as penas
mais leves prescrevem com as mais graves.
E havendo concurso de crimes, a extinção da punibilidade incidirá
sobre a pena de cada um isoladamente (art. 119, do CP). Assim, no
concurso de crimes, o prazo prescricional deve ser contado isoladamente,
não sendo computado pela soma ou pelo acréscimo decorrente do concurso.

70
1. Crimes em espécie

Na Parte Especial, o Código Penal aborda os crimes em espécie,


divididos didaticamente em relação aos bens juridicamente tutelados. Na
Parte Especial, o legislador dividiu o Código Penal em 11 (onze) Títulos,
quais sejam:
a) crimes contra a pessoa;
b) crimes contra o patrimônio;
c) crimes contra a propriedade imaterial;
d) crimes contra a organização do trabalho;
e) crimes contra o sentimento religioso e contra o respeito aos mortos;
f) crime contra os costumes;
g) crimes contra a família;
h) crimes contra a incolumidade pública;
i) crimes contra a paz pública;
j) crimes contra a fé pública; e
k) crimes contra a administração pública.
O conteúdo de cada título será sucintamente exposto na sequência.

2. Crimes contra a pessoa

Dentre os crimes que podem ser praticados contra a pessoa, o


Código Penal os dividiu em:
a) crimes contra a vida;
b) lesões corporais;
c) periclitação da vida e da saúde;
d) rixa;
e) crimes contra a honra; e
f) crimes contra a liberdade individual.

2.1 Crimes contra a vida


2.1.1 Homicídio (art. 121, do CP)

O primeiro dos crimes contra a vida é o homicídio. O bem


juridicamente tutelado é o de maior relevância: a vida humana. Todo aquele
que retira a vida de outrem incorre no tipo penal do artigo 121 do Código
Penal.
O homicídio pode ser simples, como no caso do caput do citado
artigo, cuja pena é de 6 (seis) a 20 (vinte) anos.
Já o parágrafo primeiro do artigo 121, do Código Penal, apresenta
uma hipótese de homicídio privilegiado, caso em que há diminuição de pena.
Esse homicídio é aquele cometido mediante motivo de relevante valor social

71
ou moral, ou sob o domínio de violenta emoção, logo em seguida a injusta
provocação da vítima, caso em que o juiz pode reduzir a pena de 1/6 (um
sexto) a 1/3 (um terço). Note-se que há possibilidade do juiz reduzir a pena,
o que só poderá ser efetivamente realizado se as circunstâncias concretas
do crime autorizarem.
O homicídio qualificado, com pena variável entre 12 (doze) a 30
(trinta) anos de reclusão, está previsto no parágrafo segundo do dispositivo
em estudo, e se configura quando é cometido:
a) mediante paga ou promessa de recompensa, ou por outro motivo
torpe;
b) por motivo fútil;
c) com emprego de veneno, fogo, explosivo, asfixia, tortura ou outro
meio insidioso ou cruel, ou de que possa resultar perigo comum;
d) à traição, de emboscada, ou mediante dissimulação ou outro
recurso que dificulte ou torne impossível a defesa do ofendido;
e) para assegurar a execução, a ocultação, a impunidade ou
vantagem de outro crime.
Mas não há que se falar apenas em homicídio doloso. Quando
alguém mata outrem em razão de atitude negligente, imprudente ou imperita,
incorre na condutá típica do parágrafo terceiro do artigo 121 do Código
Penal: o homicídio culposo. Para esse homicídio, a pena é de detenção,
variável entre 1 (um) a 3 (três) anos. Em se tratando de homicídio culposo,
ao avaliar as consequências da infração e constatar que elas atingem o
próprio agente de forma tão grave que a sanção penal se mostra
desnecessária, o juiz pode deixar de aplicar-lhe a pena, concedendo-lhe o
perdão judicial.
No entanto, no caso de homicídio culposo, pode haver aumento de
1/3 (um terço) da pena, se o crime resultar de inobservância de regra técnica
de profissão, arte ou ofício, ou se o agente deixar de prestar imediato
socorro à vítima, não procurar diminuir as consequências do seu ato, ou fugir
para evitar a prisão em flagrante.
Em contrapartida, se a hipótese for de homicídio doloso, a pena será
aumentada de 1/3 (um terço) se o crime for praticado contra pessoa menor
de 14 (quatorze) ou maior de 60 (sessenta) anos.

2.1.2 Induzimento, instigação ou auxílio a suicídio (art. 122)

Todo aquele que induz ou instiga alguém a cometer suicídio, ou que


presta-lhe auxílio para que o faça, incorre no tipo penal do artigo 122 do
Código Penal, e sujeita-se à pena de reclusão, de 2 (dois) a 6 (seis) anos, se
o suicídio se consumar, ou de reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos, se da
tentativa de suicídio resultar lesão corporal de natureza grave.
No caso do delito em estudo, a pena é duplicada:
a) se o crime é praticado por motivo egoístico; ou

72
b) se a vítima é menor ou tem diminuída, por qualquer causa, a
capacidade de resistência.
Para esclarecer:
a) induzir é contribuir para a criação da intenção suicida na vítima,
dando-lhe a séria impressão de que o suicídio deve ser praticado;
b) instigar é aguçar uma vontade que já era manifestada pela vítima; e
c) auxiliar é prestar ajuda material à vítima, como entregando-lhe o
veneno, por exemplo.

2.1.3 Infanticídio (art. 123, do CP)

O infanticídio ocorre quando a mãe (crime próprio), sob o estado


puerperal, mata o próprio filho, durante ou logo após o parto.
O estado puerperal é elementar do crime de infanticídio, e verifica-se
desde o momento em que ocorre a expulsão da placenta até o retorno do
organismo materno às suas condições anteriores. Em alguns casos, durante
o estado puerperal, o organismo materno sofre alterações dos níveis
hormonais, alterações bioquímicas e no sistema nervoso, o que altera o
estado emocional da mãe e pode levá-la a atentar em face da vida do
próprio filho.
É importante frisar, estado puerperal não tem relação com a
depressão pós-parto. Portanto, qualquer questão que busque relacionar os
dois deve ser interpretada com parcimônia.

2.1.4 Aborto (arts. 124 a 128, do CP)

O aborto é a eliminação da vida humana em estágio intrauterino. Se a


criança estiver nascendo ou já tiver nascido, não há mais que se falar em
aborto.
Se o aborto for praticado pela própria gestante ou se ela consentir que
outrem lho provoque, incorrerá no tipo penal do artigo 124 do Código Penal,
sujeitando-se à pena de detenção, de 1 (um) a 3 (três) anos.
Quem provoca o aborto, sem o consentimento da gestante, incorre no
tipo penal do artigo 125 do Código Penal, sujeitando-se à pena de reclusão,
de 3 (três) a 10 (dez) anos. E quem provoca o aborto, com o consentimento
da gestante, incorre na conduta descrita no artigo 127 do Código Penal, cuja
pena é de reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos. Contudo, ainda que o
aborto seja praticado com o consentimento da gestante, o terceiro incorrerá
nas penas do artigo 126 (aborto praticado sem o consentimento da gestante)
quando:
a) a gestante não for maior de 14 (quatorze) anos;
b) a gestante for alienada ou débil mental; ou
c) o consentimento for obtido mediante fraude, grave ameaça ou
violência.

73
Em ambos os casos de aborto praticado por terceiro, com ou sem o
consentimento da gestante, as respectivas penas serão aumentadas de 1/3
(um terço) se, em consequência do aborto ou dos meios empregados para
provocá-lo, a agestante sofre lesão corporal de natureza grave, e serão
duplicadas se, por qualquer dessa causas, sobrevier a morte à gestante (art.
127, do CP).
Por derradeiro, o artigo 128 do Código Penal dispõe que não se pune
o aborto praticado por médico:
a) se não há outro meio de salvar a vida da gestante (aborto
necessário); ou
b) se a gravidez resulta de estupro e o aborto é precedido de
consentimento da gestante ou, quando incapaz, de seu representante legal.

2.2 Lesões corporais

Lesão corporal é a agressão à integridade corporal ou a saúde


humana. Para que se fale nesse delito, no entanto, há que se comprovar que
a conduta estava direcionada a essa intenção, devendo-se estar atento para
não confundir esta com a forma tentada de outros crimes. Quando alguém
atira contra outra pessoa, com intenção de matá-la, e apenas a fere, não
haverá que se falar em lesão corporal, mas sim em homicídio tentado.
A pena base para a lesão corporal (simples) é punível mediante pena
de detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano.
Considera-se de natureza grave a lesão corporal, quando dela resulta:
a) incapacidade para as ocupações habituais, por mais de trinta dias;
b) perigo de vida;
c) debilidade permanente de membro, sentido ou função;
d) aceleração de parto.
Nestes casos, a pena é de reclusão, de 1 (um) a 5 (cinco) anos.
Considera-se de natureza gravíssima a lesão corporal, quando dela
resulta:
a) incapacidade permanente para o trabalho;
b) enfermidade incurável;
c) perda ou inutilização do membro, sentido ou função;
d) deformidade permanente;
e) aborto.
Para estes, a pena aplicável é de reclusão, de 2 (dois) a 8 (oito) anos.
No caso de lesão corporal leve, ela somente se procede mediante
queixa.
Quando da lesão corporal resultar morte, desde que as circunstâncias
evidenciem que o agente não quis tal resultado, nem assumiu o risco de
produzi-lo, sujeitar-se-á a pena de reclusão, de 4 (quatro) a 12 (doze) anos.
No entanto, se o crime foi cometido por motivo de relevante valor
social ou moral ou sob o domínio de violenta emoção, logo em seguida a

74
injusta provocação da vítima, o juiz pode reduzir a pena de 1/6 (um sexto) a
1/3 (um terço).
Se a lesão corporal foi culposa, o juiz pode deixar de aplicar a pena,
se as consequências da infração atingiram o próprio agente de forma tão
grave que a sanção penal se mostre desnecessária, aplicando-lhe então o
perdão judicial. Contudo, constitui causa de aumento de pena, em 1/3 (um
terço), a constatação de que a lesão corporal culposa decorreu de
inobservância de regra técnica de profissão, arte ou ofício, ou de que o
agente deixou de prestar imediato socorro à vítima, não procurou diminuir as
consequências do seu ato, ou fugiu para evitar prisão em flagrante.
Caso a lesão tenha sido praticada conta ascendente, descendente,
irmão, cônjuge ou companheiro, ou quem conviva ou tenha convivido, ou,
ainda, prevalecendo-se o agente das relações domésticas, de coabitação ou
de hospitalidade, ser-lhe-á aplicada pena de detenção, de 3 (três) meses a 3
(três) anos. E se dessa violência doméstica decorrer lesão corporal de
natureza grave, gravíssima, ou morte, aumenta-se a pena em 1/3 (um terço),
conforme disposição do parágrafo décimo, do artigo 129 do Código Penal.
Também aplica-se o aumento de 1/3 (um terço) da pena quando a violência
doméstica for cometida em detrimento de pessoa portadora de deficiência,
consoante parágrafo onze do dispositivo em estudo.

2.3 Periclitação da vida e da saúde

Periclitar é criar uma situação de perigo. A periclitação da vida e da


saúde são, pois, condutas que expõe a perigo esses bens juridicamente
tutelados. Nesses crimes, o dolo está direcionado, exatamente, para criação
dessas situações de perigo, e não em relação a uma vítima específica.
São condutas que traduzem a periclitação da vida e da saúde:
a) o perigo de contágio venéreo (art. 130, do CP), verificável quando
se expõe alguém, por meio de relações sexuais ou qualquer ato libidinoso, a
contágio de moléstia venérea, de que sabe ou deve saber que está
contaminado;
b) o perigo de contágio de moléstia grave (art. 131, do CP), verificável
quando se pratica ato capaz de produzir o contágio, para transmitir a outrem
moléstia grave de que está contaminado;
c) abandono de incapaz (art. 133, do CP), que se verifica quando o
agente abandona pessoa que está sob seu cuidado, guarda, vigilância ou
autoridade, e, por qualquer motivo, incapaz de defender-se dos riscos
resultantes do abandono. Será majorada a pena, se do abandono resultar
lesão corporal grave (pena de reclusão, de 1 a 5 anos), ou morte (pena de
reclusão, de 4 a 12 anos). E as penas cominadas ao delito de abandono
serão aumentadas de 1/3 (um terço): i) se o abandono ocorrer em local
ermo; ii) se o agente é ascendente ou descendente, cônjuge, irmão, tutor ou
curador da vítima; ou iii) se a vítima é maior de 60 (sessenta) anos;
d) exposição ou abandono de recém-nascido (art. 134, do CP), que se
verifica quando o agente expõe ou abandona recém-nascido com a

75
finalidade de ocultar desonra própria. Nesse caso, se a exposição ou
abandono resultar lesão corporal de natureza grave, a pena será de
detenção, de 1 a 3 anos, e se resultar morte, será de detenção, de 2 a 6
anos.
e) omissão de socorro (art. 135, do CP), que consiste em deixar de
prestar assistência, quando for possível fazê-lo sem risco pessoal, à criança
abandonada ou extraviada, ou à pessoa inválida ou ferida, ao desamparo ou
em grave e iminente perigo; ou não pedir, nesses casos, o socorro da
autoridade pública. Nesses casos, a pena é aumentada de metade, se da
omissão resulta lesão corporal de natureza grave, e triplicada, se resulta
morte.
f) maus-tratos (art. 136, do CP), que consiste em expor a perigo a vida
ou a saúde de pessoa sob sua autoridade, guarda ou vigilância, para fim de
educação, ensino, tratamento ou custódia, quer privando-a da alimentação
ou cuidados indispensáveis, quer sujeitando-a a trabalho excessivo ou
inadequado, quer abusando dos meios de correção ou disciplina. Nesses
casos, se do fato resultar lesão corporal de natureza grave, a pena será de
reclusão de 1 (um) a 4 (quatro) anos, e se resultar morte, será de reclusão
de 4 (quatro) a 12 (doze) anos. Em qualquer caso, a pena aumenta-se de
1/3 (um terço) se o crime é praticado contra menor de 14 (quatorze) anos.

2.4 Rixa

Verifica-se o crime de rixa quando há conflito entre dois grupos


indeterminados de pessoas. Não há que se falar em rixa se não houver, ao
menos, 3 (três) pessoas, portanto.
Quanto ao delito de rixa não há que se falar em legítima defesa, tão
menos em legítima defesa sucessiva, posto que o tipo penal em estudo
caracteriza-se, exatamente, pelo conflito intencional de grupos rivais.
Aquele que participa de rixa para separar os contendores não incorre
no crime, conforme redação do caput do artigo 137 do Código Penal.
A pena para o delito de rixa é de 15 (quinze) dias a 2 (dois) meses, ou
multa.
Se ocorrer morte ou lesão corporal de natureza grave, aplica-se, pelo
fato de participação na rixa, a pena de detenção, de 6 (seis) meses a 2
(dois) anos.

2.5 Crimes contra a honra

São crimes contra a honra, a calúnia, a difamação e a injúria. É


fundamental o estudo conjunto desses tipos penais, pois os
questionamentos em concursos públicos são frequentemente comparativos.
A calúnia (art. 138, do CP) é a imputação falsa a alguém, de fato
definido como crime. Na mesma pena incorre quem, sabendo ser falsa a
imputação, a propala ou divulga (art. 138, §1º, do CP). Por exemplo, quando
“A” diz que “B” furtou determinado objeto, sabendo que ele não o fez, pratica

76
uma declaração caluniosa. E se “C”, sabendo que “B” nada furtou, divulgar o
boato criado por “A”, incorrerá na mesma pena que este.
A calúnia se consuma quando o fato chega ao conhecimento de
terceiros. Nesse crime, atinge-se a honra objetiva da vítima, isto é, aquilo
que ela representa para a sociedade.
A difamação (art. 139, do CP) é a imputação de fato ofensivo à
reputação da vítima, fato este que não constitui crime. Por exemplo, se “A”
diz que “B” costuma trabalhar bêbado, sabendo ser falsa tal imputação,
pratica uma declaração difamatória.
A difamação se consuma quando o fato chega ao conhecimento de
terceiros. Nesse crime, assim como na calúnia, atinge-se a honra objetiva da
vítima, isto é, aquilo que ela representa para a sociedade.
A injúria (art. 140, do CP), por sua vez, é a ofensa da dignidade ou do
decoro da vítima. Por exemplo, quando “A” utiliza expressões ofensivas, de
caráter pessoal, contra “B”, pratica uma declaração injuriosa. O parágrafo
primeiro do artigo 139 do Código Penal autoriza que o juiz deixe de aplicar a
pena:
a) quando o ofendido, de forma reprovável, provocou diretamente a
injúria;
b) no caso de retorsão imediata, que consista em outra injúria.
Se a injúria consistir em violência ou vias de fato, que, por sua
natureza, ou pelo meio empregado, se considerem aviltantes, além da pena
correspondente à violência, será aplicada ao ofensor pena de detenção, de 3
(três) meses a 1 (um) ano, e multa. Nesse caso, estar-se-á diante da
hipótese chamada pela doutrina de injúria real.
Diferentemente do que ocorre com a calúnia e com a difamação, que
se consumam quando as declarações caluniosas ou difamatórias chegam ao
conhecimento de terceiros, a injúria se consuma quando a declaração chega
ao conhecimento do ofendido. E, diferentemente das duas espécies
abordadas anteriormente, o crime de injúria atinge a honra subjetiva da
vítima, isto é, o próprio íntimo da mesma, sua dignidade e decoro.
Se proferida a injúria, a vítima imediatamente responder ao ofensor
com outra injúria (retorsão imediata), é conferido ao juiz a faculdade de
deixar de aplicar de a pena.
Tanto a calúnia como a difamação trazem a possibilidade da exceção
da verdade, diferentemente da injúria. No caso da calúnia, admite-se a prova
da verdade, salvo:
a) se, constituindo o fato imputado crime de ação privada, o ofendido
não foi condenado por sentença irrecorrível;
b) se o fato é imputado ao Presidente da República, ou contra chefe
de governo estrangeiro;
c) se do crime imputado, embora de ação pública, o ofendido foi
absolvido por sentença irrecorrível.
Já no caso da difamação, só há que se falar em exceção da verdade
quando o ofendido for funcionário público e a ofensa for relativa ao exercício
de suas funções.

77
Conforme disposição do artigo 141 do Código Penal, as penas da
calúnia, difamação e injúria aumentam-se de 1/3 (um terço), se qualquer dos
crimes é cometido:
a) contra o Presidente da República, ou contra chefe de governo
estrangeiro;
b) contra funcionário público, em razão de suas funções;
c) na presença de várias pessoas, ou por meio que facilite a
divulgação da calúnia, da difamação ou da injúria.
d) contra pessoa maior de 60 (sessenta) anos ou portadora de
deficiência, exceto no caso de injúria.
E se o crime for cometido mediante paga ou promessa de
recompensa, ser-lhe-á aplicada a pena em dobro.
Não constituem injúria ou difamação punível (art. 142, do CP):
a) a ofensa irrogada em juízo, na discussão da causa, pela parte ou
por seu procurador;
b) a opinião desfavorável da crítica literária, artística ou científica,
salvo quando inequívoca a intenção de injuriar ou difamar;
c) o conceito desfavorável emitido por funcionário público, em
apreciação ou informação que preste no cumprimento de dever do ofício.
No primeiro e no último caso, responde pela injúria ou pela difamação
quem lhe dá publicidade (art. 142, parágrafo único, do CP).
Não são puníveis a injúria e a difamação cometidos em juízo, de
forma não excessiva, pela parte ou por seu advogado, assim como a opinião
e a crítica literária que não apresentem intenção de injuriar ou difamar.
Via de regra, os crimes contra a honra processam-se mediante ação
penal privada. Assim, o querelado que, antes da sentença, se retratar
cabalmente da calúnia ou da difamação, ficará isento de pena.

2.6 Crimes contra a liberdade individual

Os crimes praticados contra a liberdade individual são divididos em:


a) contra a liberdade pessoal;
b) contra inviolabilidade de domicílio;
c) contra a inviolabilidade de correspondência; e
d) contra a inviolabilidade dos segredos.

2.6.1 Crimes contra a liberdade pessoal


2.6.1.1 Constrangimento ilegal

O primeiro dos crimes contra a liberdade pessoal é o constrangimento


ilegal (art. 146, do CP), tipo penal que se configura através do
constrangimento de alguém, mediante violência ou grave ameaça, ou depois

78
de lhe haver reduzido, por qualquer outro meio, a capacidade de resistência,
a não fazer o que a lei permite, ou a fazer o que ela não manda. Nesse caso,
as penas aplicam-se cumulativamente e em dobro, quando, para a execução
do crime, se reúnem mais de 3 (três) pessoas, ou quando há emprego de
arma.

2.6.1.2 Ameaça

O delito de ameaça, que somente se procede mediante


representação, consiste em ameaçar alguém, por palavra, escrito, gesto, ou
qualquer outro meio simbólico, de modo a causar-lhe mal injusto e grave.
O crime em estudo se consuma independentemente de se concretizar
a conduta sobre a qual recaiu a ameaça. Por isso ele é um delito formal, de
mera conduta.

2.6.1.3 Sequestro e cárcere privado

Tanto o sequestro como o cárcere privado incidem sobre o direito de


liberdade da vítima. No segundo caso, a restrição é mais intensa que no
primeiro, pois enquanto o sequestro apenas priva da liberdade, o cárcere
tende a também imobilizar a vítima.
A pena para o crime de sequestro e cárcere privado é de reclusão, de
1 (um) a 3 (três) anos. No entanto, será de reclusão, de 2 (dois) a 5 (cinco)
anos:
a) se a vítima é ascendente, descendente, cônjuge ou companheiro
do agente ou maior de 60 (sessenta) anos;
b) se o crime é praticado mediante internação da vítima em casa de
saúde ou hospital;
c) se a privação da liberdade dura mais de 15 (quinze) dias.
d) se o crime é praticado contra menor de 18 (dezoito) anos;
e) se o crime é praticado com fins libidinosos.
Se do sequestro ou cárcere privado resultar à vítima, em razão de
maus-tratos ou da natureza da detenção, grave sofrimento físico ou moral, a
pena será de reclusão, de 2 (dois) a 8 (oito) anos.

2.6.1.4 Redução a condição análoga à de escravo

Conforme disposição do artigo 149 do Código Penal, aquele reduzir


alguém a condição análoga à de escravo, quer submetendo-o a trabalhos
forçados ou a jornada exaustiva, quer sujeitando-o a condições degradantes
de trabalho, quer restringindo, por qualquer meio, sua locomoção em razão
de dívida contraída com o empregador ou preposto, incorre em pena de
reclusão, de 2 (dois) a 8 (oito) anos, e multa, além da pena correspondente à
violência. E nas mesmas penas incorre quem:

79
a) cerceia o uso de qualquer meio de transporte por parte do
trabalhador, com o fim de retê-lo no local de trabalho;
b) mantém vigilância ostensiva no local de trabalho ou se apodera de
documentos ou objetos pessoais do trabalhador, com o fim de retê-lo no
local de trabalho.
A pena deve ser aumentada até a metade, se o crime é cometido:
a) contra criança ou adolescente; ou
b) por motivo de preconceito de raça, cor, etnia, religião ou origem.

2.6.2 Crimes contra inviolabilidade de domicílio

A violação de domicílio é um crime formal, isto é, um crime que


independe da produção de resultado naturalístico. A conduta típica descrita
no caput do artigo 150 do Código Penal é entrar ou permanecer, clandestina
ou astuciosamente, ou contra a vontade expressa ou tácita de quem de
direito, em casa alheia ou em sua dependências.
A expressão casa compreende:
a) qualquer compartimento habitado;
b) aposento ocupado de habitação coletiva;
c) compartimento não aberto ao público, onde alguém exerce
profissão ou atividade.
E, em sentido oposto, não se compreendem na expressão casa:
a) hospedaria, estalagem ou qualquer outra habitação coletiva,
enquanto aberta, salvo a restrição do parágrafo quarto, inciso II (aposento
ocupado de habitação coletiva);
b) taverna, casa de jogo e outras do mesmo gênero.
Haverá qualificadora se a violação for cometida durante a noite, ou
em lugar ermo, ou com o emprego de violência ou de arma, ou por duas ou
mais pessoas (art. 150, §1º, do CP).
Haverá aumento de pena, em 1/3 (um terço), se a violação for
cometida por funcionário público, fora dos casos legais, ou com
inobservância das formalidades estabelecidas em lei, ou com abuso de
poder (art. 150, §2º, do CP).
Por derradeiro, conforme estipulação do parágrafo terceiro do tipo
penal em estudo, não constitui crime a entrada ou permanência em casa
alheia ou em suas dependências:
a) durante o dia, com observância das formalidades legais, para
efetuar prisão ou outra diligência;
b) a qualquer hora do dia ou da noite, quando algum crime está sendo
ali praticado ou na iminência de o ser.

80
2.6.3 Crimes contra a inviolabilidade de correspondência

Segundo o artigo 151 do Código Penal, constitui crime de violação de


correspondência: devassar indevidamente o conteúdo de correspondência
fechada, dirigida a outrem. E na mesma pena incorre:
a) quem se apossa indevidamente de correspondência alheia, embora
não fechada e, no todo ou em parte, a sonega ou destrói;
b) quem indevidamente divulga, transmite a outrem ou utiliza
abusivamente comunicação telegráfica ou radioelétrica dirigida a terceiro, ou
conversação telefônica entre outras pessoas;
c) quem impede a comunicação ou a conversação referidas no
número anterior;
d) quem instala ou utiliza estação ou aparelho radioelétrico, sem
observância de disposição legal.
Para a violação de correspondência comercial há tipo penal específico
(art. 152), que tipifica a conduta de quem abusar da condição de sócio ou
empregado de estabelecimento comercial ou industrial para, no todo ou em
parte, desviar, sonegar, subtrair ou suprimir correspondência, ou revelar a
estranho seu conteúdo. Esse delito no entanto, só se procede mediante
representação.

2.6.4 Crimes contra a inviolabilidade dos segredos

Constitui crime divulgar alguém, sem justa causa, conteúdo de


documento particular ou de correspondência confidencial, de que é
destinatário ou detentor, e cuja divulgação possa produzir dano a outrem
(art. 153, do CP).
E também constitui crime revelar alguém, sem justa causa, segredo,
de que tem ciência em razão de função, ministério, ofício ou profissão, e cuja
revelação possa produzir dano a outrem. Nesse caso, estar-se-á diante do
crime de violação do segredo profissional, tipificado no artigo 154 do Código
Penal, crime que somente se procede mediante representação.

3. Crimes contra o patrimônio

Os crimes contra o patrimônio estão divididos em sete capítulos, quais


sejam:
a) furto;
b) roubo e extorsão;
c) usurpação;
d) dano;
e) apropriação indébita;
f) estelionato e outras fraudes; e
g) receptação.

81
3.1 Furto

O delito de furto é descrito no artigo 155 do Código Penal, cuja


conduta é subtrair, para si ou para outrem, coisa alheia móvel. A pena para o
delito de furto deve ser aumentada de 1/3 (um terço) quando ele for
cometido durante o repouso noturno (art. 155, §1º, do CP).
Se o criminoso for primário, e a coisa furtada for de pequeno valor, o
juiz pode substituir a pena de reclusão pela de detenção, diminuí-la de um a
dois terços, ou aplicar somente a pena de multa (art. 155, §2º, do CP – furto
privilegiado).
Por força do parágrafo terceiro do dispositivo em estudo, a energia
elétrica, assim como qualquer outra que tenha valor econômico é equiparada
à coisa móvel.
Já o parágrafo quarto do artigo 155 apresenta as hipóteses de furto
qualificado. Considera-se como tal o furto praticado:
a) com destruição ou rompimento de obstáculo à subtração da coisa;
b) com abuso de confiança, ou mediante fraude, escalada ou
destreza;
c) com emprego de chave falsa;
d) mediante concurso de duas ou mais pessoas.
E por força do parágrafo quinto do mesmo dispositivo, a pena para o
furto será de 3 (três) a 8 (oito) anos, se a subtração for de veículo automotor
que venha a ser transportado para outro Estado ou para o exterior.
Ainda no que tange ao furto, algumas expressões são fundamentais
para concursos públicos, dentre as quais destaca-se:
a) furto de uso, isto é, aquele em que o agente devolve a coisa alheia
móvel à vítima sem quaisquer danos e antes que ela tenha constatado a
subtração;
b) furto de bagatela, isto é, aquele de coisa alheia móvel cujo valor é
insignificante para fins penais, como o furto de uma maça na feira, por
exemplo;
c) furto de coisa própria, que, em verdade, não constitui furto, já que
haverá erro de tipo e, consequentemente, de dolo do agente; e
d) furto famélico, isto é, aquele destinado à satisfação da fome,
realizado em estado de necessidade.
Por fim, conforme disposição do artigo 156 do Código Penal, constitui
furto de coisa comum, subtrair o condômino, co-herdeiro ou sócio, para si ou
para outrem, de quem legitimamente detém a coisa comum. O furto de coisa
comum somente se procede mediante representação, e não é punível
quando a subtração for de coisa comum fungível, cujo valor não exceder a
quota a que tiver direito o agente.

82
3.2 Roubo

O roubo é um crime complexo, pois alberga a somatória do delito de


furto e da grave ameaça ou violência a pessoa. O caput do artigo 157 do
Código Penal dispõe acerca do roubo próprio, que se configura mediante a
subtração de coisa alheia móvel, para si ou para outrem, mediante grave
ameaça ou violência a pessoa, ou depois de havê-la, por qualquer meio,
reduzido à impossibilidade de resistência. Nesse caso, a pena para o crime
em estudo é de reclusão, de 4 (quatro) a 10 (dez) anos e multa.
Já o parágrafo primeiro do artigo 157 dispõe que na mesma pena
incorre quem, logo depois de subtraída a coisa, emprega violência ou grave
ameaça contra a pessoa, com a finalidade de assegurar a impunidade do
crime ou a detenção da coisa para si ou para terceiro. Essa hipótese
configura o chamado roubo impróprio.
Em qualquer caso, a pena aumenta-se de 1/3 até a metade:
a) se a violência ou ameaça é exercida com emprego de arma;
b) se há o concurso de duas ou mais pessoas;
c) se a vítima está em serviço de transporte de valores e o agente
conhece tal circunstância.
d) se a subtração for de veículo automotor que venha a ser
transportado para outro Estado ou para o exterior;
e) se o agente mantém a vítima em seu poder, restringindo sua
liberdade.
Consoante disposição do parágrafo terceiro do artigo 157, se da
violência resultar lesão corporal grave, a pena será de reclusão, de 7 (sete)
a 15 (quinze) anos, além da multa. E se resultar morte, a pena será de
reclusão de 20 (vinte) a 30 (trinta) anos, sem prejuízo da multa. Nesse último
caso, em que a lesão corporal resulta morte, estar-se-á diante do crime de
latrocínio, crime este considerado hediondo.

3.3 Extorsão

A extorsão consiste em constranger alguém, mediante violência ou


grave ameaça, e com o intuito de obter para si o upara outrem vantagem
econômica indevida, a fazer, tolerar que se faça ou deixar de fazer alguma
coisa. A pena para o crime em estudo é de reclusão, de 4 (quatro) a 10 (dez)
anos, e multa. O caput do artigo 158 do Código Penal apresenta a hipótese
de extorsão simples.
Já o parágrafo segundo do tipo penal em estudo apresenta a extorsão
qualificada, assim considerada aquela cometida por duas ou mais pessoas,
ou com emprego de arma, hipótese em que a pena aumenta-se de 1/3 (um
terço) até a metade.
Outra hipótese de extorsão qualificada consta do parágrafo terceiro do
dispositivo em estudo, aplicável ao “sequestro relâmpago”, verificável
quando o crime é cometido mediante a restrição da liberdade da vítima,
quando essa condição é necessária para a obtenção da vantagem

83
econômica, hipótese em que a pena cominada é de reclusão, de 6 (seis) a
12 (doze) anos, e multa. No entanto, se houver lesão corporal grave à
vítima, a pena cominada será de reclusão, 16 (dezesseis) a 24 (vinte e
quatro) anos. E se houver morte, a pena será de reclusão, de 24 (vinte e
quatro) a 30 (trinta) anos.
O artigo 159 do Código Penal tipifica a conduta de extorsão mediante
sequestro, que consiste no sequestro da vítima com a finalidade de obter,
para si ou para outrem, qualquer vantagem, como condição ou preço do
resgate. Note-se que essa hipótese é diversa do artigo 158, parágrafo
terceiro, que tipifica o chamado “sequestro relâmpago”, pois no caso do
artigo 159 a conduta é mais grave, mais traumática e mais duradoura.
A pena para o crime de sequestro é de reclusão, de 8 (oito) a 15
(quinze) anos, mas se o sequestro durar mais de 24 (vinte e quatro) horas,
se o sequestrado for menor de 18 (dezoito) ou maior de 60 (sessenta) anos,
ou se o crime é cometido por quadrilha ou bando, a pena cominada é de
reclusão de 12 (doze) a 20 (vinte) anos.
Se do sequestro resultar lesão corporal grave, aplica-se a pena de
reclusão, de 16 (dezesseis) a 24 (vinte e quatro) anos. E se houver morte, a
pena será de reclusão, de 24 (vinte e quatro) a 30 (trinta) anos.
Ainda, conforme disposição do parágrafo quarto, do artigo 159 do
Código Penal, o legislador instituiu a delação premiada, ou seja, um prêmio
para aquele que delatar os demais concorrentes no crime de sequestro. Se o
sequestro for cometido em concurso, o concorrente que o denunciar à
autoridade, facilitando a libertação do sequestrado, terá sua pena reduzida
de 1/3 (um terço) a 2/3 (dois terços).
Por derradeiro, o artigo 160 do Código Penal trata da extorsão
indireta, que se configura mediante a exigência ou o recebimento, como
garantia de dívida, abusando da situação de alguém, de documento que
pode dar causa a procedimento criminal contra a vítima ou contra terceiro.
Nesse caso, há “chantagem” por parte de quem está na posse do
documento que, se apresentado à autoridade policial, pode dar causa à
instauração de uma ação penal contra a vítima, conduta punível com pena
de reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos, e multa.

3.4 Usurpação

As condutas de usurpação são descritas nos artigos 161 e 162 do


Código Penal.
O caput do artigo 161 trata da alteração de limites, conduta que se
verifica mediante a supressão ou o deslocamento de tapume, marco, ou
qualquer outro sinal indiciativo de linha divisória, para apropriar-se, no todo
ou em parte, do coisa imóvel alheia.
Já o inciso I do dispositivo em estudo tipifica a conduta de usurpação
de águas, estipulando que incorre na mesma pena do caput aquele que
desviar ou represar, em proveito próprio ou de outrem, águas alheias. E o
inciso II do mesmo artigo, tipifica a conduta do esbulho possessório,
cometida por aquele que invade, com violência a pessoa ou grave ameaça,

84
ou mediante concurso de mais de duas pessoas, terreno ou edifício alheio,
para o fim de esbulho possessório.
Utilizada violência pelo agente, ele também incorre na pena a esta
cominada (art. 161, §2º, do CP).
Se qualquer ato de usurpação for praticado em propriedade particular,
e não houver emprego de violência, só há que se falar em ação penal
privada, conforme determinação do parágrafo terceiro do artigo 161, do
Código Penal.
E o artigo 162 tipifica a conduta de supressão ou alteração da marca
em animais. Segundo o mencionado dispositivo, a conduta típica é suprimir
ou alterar, indevidamente, em gado ou rebanho alheio, marca ou sinal
indicativo de propriedade, cuja pena é de detenção, de 6 (seis) meses a 3
(três) anos, e multa.

3.5 Crimes de dano


3.5.1 Dano (propriamente dito)

O crime de dano simples se consuma mediante a destruição,


inutilização ou deterioração de coisa alheia, conforme redação do caput do
artigo 163 do Código Penal.
Considera-se qualificado o crime de dano quando cometido:
a) com violência à pessoa ou grave ameaça;
b) com emprego de substância inflamável ou explosiva, se o fato não
constitui crime mais grave
c) contra o patrimônio da União, Estado, Município, empresa
concessionária de serviços públicos ou sociedade de economia mista;
d) por motivo egoístico ou com prejuízo considerável para a vítima.
É importante frisar, que não se fala em crime de dano culposo, mas
apenas sob a forma dolosa.
O crime de dano simples, assim como aquele cometido sob a
qualificadora de motivo egoístico ou com prejuízo considerável para a vítima,
somente se procede mediante queixa, isto é, são crimes de ação penal
privada.

3.5.2 Introdução ou abandono de animais em propriedade alheia

A conduta tipificada no artigo 164 é a de introduzir ou deixar animais


em propriedade alheia, sem consentimento de quem de direito, desde que o
fato resulte prejuízo.
Essa hipótese penal também se procede apenas mediante queixa,
isto é, só há que se falar em ação penal privada.

85
3.5.3 Dano em coisa de valor artístico, arqueológico ou histórico

O artigo 165 do Código Penal descreve como criminosa as condutas


de destruir, inutilizar ou deteriorar coisa tombada pela autoridade
competente em virtude de valor artístico, arqueológico ou histórico. Nesses
casos, o processo será realizado mediante ação penal pública
incondicionada, e sujeita o ofensor às penas de detenção, de 6 (seis) meses
a 2 (dois) anos, e multa.
No entanto, é importante mencionar que segundo a doutrina de Julio
Frabbrini Mirabete, o artigo 165 do Código Penal foi tacitamente revogado
pelo artigo 62 da Lei de Crimes Ambientais (Lei n.º 9.065/98), que dispõe:
Art. 62. Destruir, inutilizar ou deteriorar:
I - bem especialmente protegido por lei, ato administrativo ou
decisão judicial;
II - arquivo, registro, museu, biblioteca, pinacoteca, instalação
científica ou similar protegido por lei, ato administrativo ou decisão
judicial:
Pena - reclusão, de um a três anos, e multa.
Parágrafo único. Se o crime for culposo, a pena é de seis meses a
um ano de detenção, sem prejuízo da multa.

3.5.4 Alteração de local especialmente protegido

O último tipo penal relacionado às condutas de dano é o artigo 166.


Segundo ele, constitui crime: alterar, sem licença da autoridade competente,
o aspecto de local especialmente protegido por lei, cuja pena aplicável é de
detenção, de 1 (um) mês a 1 (um) ano, ou multa.
No entanto, é importante mencionar que segundo a doutrina de Julio
Frabbrini Mirabete, o artigo 166 do Código Penal foi tacitamente revogado
pelos artigos 63 e 64 da Lei de Crimes Ambientais (Lei n.º 9.065/98), que
dispõem:
Art. 63. Alterar o aspecto ou estrutura de edificação ou local
especialmente protegido por lei, ato administrativo ou decisão
judicial, em razão de seu valor paisagístico, ecológico, turístico,
artístico, histórico, cultural, religioso, arqueológico, etnográfico ou
monumental, sem autorização da autoridade competente ou em
desacordo com a concedida:
Pena - reclusão, de um a três anos, e multa.
Art. 64. Promover construção em solo não edificável, ou no seu
entorno, assim considerado em razão de seu valor paisagístico,
ecológico, artístico, turístico, histórico, cultural, religioso,
arqueológico, etnográfico ou monumental, sem autorização da
autoridade competente ou em desacordo com a concedida:
Pena - detenção, de seis meses a um ano, e multa.

86
3.6 Apropriação indébita
3.6.1 Apropriação indébita propriamente dita

É típica a conduta daquele que, tendo a posse ou detenção de coisa


alheia móvel, dela se apropria indevidamente. E a pena cominada para essa
conduta deve ser aumentada de 1/3 (um terço), quando o agente recebeu a
coisa:
a) em depósito necessário;
b) na qualidade de tutor, curador, síndico, liquidatário, inventariante,
testamenteiro ou depositário judicial;
c) em razão de ofício, emprego ou profissão.

3.6.2 Apropriação indébita previdenciária

O artigo 168-A do Código Penal, incluído pela Lei n.º 9.983/2000,


tipificou uma conduta específica, nela incidente aquele que deixar de
repassar à Previdência Social as contribuições recolhidas dos contribuintes,
no prazo e forma legal ou convencional.
Consabido, o empregador responde pelas contribuições
previdenciárias em duas situações: como contribuinte e como responsável
tributário. O artigo 168-A incide sobre a conduta dele como responsável
tributário. Assim, se ele retém de seus empregados o percentual que deveria
ser repassado à Previdência Social e não o faz, se apropria indevidamente
de valores que a ela deveriam ser destinados.
Nas mesmas penas incorre quem deixar de:
a) recolher, no prazo legal, contribuição ou outra importância
destinada à previdência social que tenha sido descontada de pagamento
efetuado a segurados, a terceiros ou arrecadada do público;
b) recolher contribuições devidas à previdência social que tenham
integrado despesas contábeis ou custos relativos à venda de produtos ou à
prestação de serviços;
c) pagar benefício devido a segurado, quando as respectivas cotas ou
valores já tiverem sido reembolsados à empresa pela previdência social.
Quanto ao delito em estudo, será extinta a punibilidade se o agente,
espontaneamente, declarar, confessar e efetuar o pagamento das
contribuições, importâncias ou valores e presta as informações devidas à
previdência social, na forma definida em lei ou regulamento, antes do início
da ação fiscal (art. 168-A, §2º, do CP).
Ademais, faculta-se ao juiz deixar de aplicar a pena ou aplicar
somente a de multa quando o agente for primário e bons antecedentes,
desde que:
a) tenha promovido, após o início da ação fiscal e antes de oferecida
a denúncia, o pagamento da contribuição social previdenciária, inclusive
acessórios; ou

87
b) o valor das contribuições devidas, inclusive acessórios, seja igual
ou inferior àquele estabelecido pela previdência social, administrativamente,
como sendo o mínimo para o ajuizamento de suas execuções fiscais.

3.6.3 Apropriação de coisa havida por erro, caso fortuito ou força da


natureza

Também é criminosa a conduta daquele que se apropria de coisa


alheia vinda ao seu poder por erro, caso fortuito ou força da natureza,
conforme redação legal do artigo 169 do Código Penal. E na mesma pena
incorre:
a) quem acha tesouro em prédio alheio e se apropria, no todo ou em
parte, da quota a que tem direito o proprietário do prédio (apropriação de
tesouro); e
b) quem acha coisa alheia perdida e dela se apropria, total ou
parcialmente, deixando de restituí-la ao dono ou legítimo possuidor ou de
entregá-la à autoridade competente, dentro no prazo de 15 (quinze) dias
(apropriação de coisa achada).
Para todos os crimes de apropriação indébita, se o criminoso for
primário, e for de pequeno valor a coisa ou quantia apropriada, o juiz pode
substituir a pena de reclusão pela de detenção, diminuí-la de 1/3 (um terço)
a 2/3 (dois terços), ou aplicar somente a pena de multa, conforme
autorização do artigo 170 do Código Penal.

3.7 Estelionato e outras fraudes


3.7.1 Estelionato

O estelionato consiste na utilização de meio artificioso, ardil, ou


qualquer outro meio fraudulento para induzir ou manter alguém em erro e,
consequentemente, dele obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita. A
pena para o crime de estelionato é de 1 (um) a 5 (cinco) anos, e multa.
Se o criminoso for primário, e for de pequeno valor o prejuízo, o juiz
pode substituir a pena de reclusão pela de detenção, diminuí-la de 1/3 (um
terço) a 2/3 (dois terços), ou aplicar somente a pena de multa, conforme
autorização do parágrafo primeiro, do artigo 171 do Código Penal.
Nas mesmas penas do caput do artigo 171 incorre quem:
a) vende, permuta, dá em pagamento, em locação ou em garantia
coisa alheia como própria (disposição de coisa alheia como própria);
b) vende, permuta, dá em pagamento ou em garantia coisa própria
inalienável, gravada de ônus ou litigiosa, ou imóvel que prometeu vender a
terceiro, mediante pagamento em prestações, silenciando sobre qualquer
dessas circunstâncias (alienação ou oneração fraudulenta de coisa própria);
c) defrauda, mediante alienação não consentida pelo credor ou por
outro modo, a garantia pignoratícia, quando tem a posse do objeto
empenhado (defraudação de penhor);

88
d) defrauda substância, qualidade ou quantidade de coisa que deve
entregar a alguém (fraude na entrega de coisa);
e) destrói, total ou parcialmente, ou oculta coisa própria, ou lesa o
próprio corpo ou a saúde, ou agrava as consequências da lesão ou doença,
com o intuito de haver indenização ou valor de seguro (fraude para
recebimento de indenização ou valor de seguro);
f) emite cheque, sem suficiente provisão de fundos em poder do
sacado, ou lhe frustra o pagamento (fraude no pagamento por meio de
cheque).
Quando a conduta estelionatária for cometida em detrimento de
entidade de direito público ou de instituto de economia popular, assistência
social ou beneficência, a pena aumenta-se de 1/3 (um terço).

3.7.2 Duplicata simulada

A conduta típica, conhecida como duplicata simulada, consiste na


emissão de fatura, duplicata ou nota de venda que não corresponda à
mercadoria vendida, em quantidade ou qualidade, ou ao serviço prestado.
Nas mesmas penas incorre aquele que falsificar ou adulterar a
escrituração do Livro de Registro de Duplicatas.

3.7.3 Abuso de incapazes

O artigo 173 do Código Penal descreve como criminosa a conduta de


abusar, em proveito próprio ou alheio, de necessidade, paixão ou
inexperiência de menor, ou da alienação ou debilidade mental de outrem,
induzindo qualquer deles à prática de ato suscetível de produzir efeito
jurídico, em prejuízo próprio ou de terceiro, cuja pena cominada é de
reclusão, de 2 (dois) a 6 (seis) anos, e multa.

3.7.4 Induzimento à especulação

Comete o crime de induzimento à especulação todo aquele que


abusar, em proveito próprio ou alheio, da inexperiência, da simplicidade ou
da inferioridade mental de outrem, induzindo-o à prática de jogo ou aposta,
ou à especulação com títulos ou mercadorias, sabendo ou devendo saber
que a operação é ruinosa. A pena para o delito em análise é de reclusão, de
1 (um) a 3 (três) anos, e multa.

3.7.5 Fraude no comércio

São condutas que configuram o delito de fraude no comércio,


conforme redação do artigo 175 do Código Penal, enganar, no exercício de
atividade comercial, o adquirente ou consumidor:

89
a) vendendo, como verdadeira ou perfeita, mercadoria falsificada ou
deteriorada;
b) entregando uma mercadoria por outra:
Também incorre nesse delito, com pena majorada, todo aquele que
alterar em obra que lhe for encomendada, a qualidade ou o peso de metal
ou substituir, no mesmo caso, pedra verdadeira por falsa ou por outra de
menor valor, assim como aquele que vender pedra falsa por verdadeira, ou
aquele que vender, como precioso, metal de ou outra qualidade.
Nesses casos, no entanto, se o criminoso for primário, e for de
pequeno valor a coisa ou quantia objeto da fraude, o juiz pode substituir a
pena de reclusão pela de detenção, diminuí-la de 1/3 (um terço) a 2/3 (dois
terços), ou aplicar somente a pena de multa, conforme autorização do
parágrafo segundo, do artigo 175 do Código Penal.

3.7.6 Outras fraudes

Também comete crime aquele que toma refeição em restaurante,


aloja-se em hotel ou utiliza-se de meio de transporte sem dispor de recursos
para efetuar o pagamento, incorrendo na pena de detenção, de 15 (quinze)
dias a 2 (dois) meses, ou multa.
Nesses casos, para que se fale em ação penal, há que se falar em
representação do ofendido, e o juiz pode, conforme as circunstâncias, deixar
de aplicar a pena.

3.7.7 Fraudes e abusos na fundação ou administração de sociedade por


ações

É típica a conduta daquele que promover a fundação de sociedade


por ações, fazendo, em prospecto ou em comunicação ao público ou à
assembléia, afirmação falsa sobre a constituição da sociedade, ou ocultando
fraudulentamente fato a ela relativo, crime que, se não configurar crime
contra a economia popular, sujeitará o infrator a pena de reclusão, de 1 (um)
a 4 (quatro) anos, e multa.
Desde que o fato não configure crime contra a economia popular,
também incorrem na mesma pena:
I - o diretor, o gerente ou o fiscal de sociedade por ações, que, em
prospecto, relatório, parecer, balanço ou comunicação ao público ou à
assembléia, faz afirmação falsa sobre as condições econômicas da
sociedade, ou oculta fraudulentamente, no todo ou em parte, fato a elas
relativo;
II - o diretor, o gerente ou o fiscal que promove, por qualquer artifício,
falsa cotação das ações ou de outros títulos da sociedade;
III - o diretor ou o gerente que toma empréstimo à sociedade ou usa,
em proveito próprio ou de terceiro, dos bens ou haveres sociais, sem prévia
autorização da assembléia geral;

90
IV - o diretor ou o gerente que compra ou vende, por conta da
sociedade, ações por ela emitidas, salvo quando a lei o permite;
V - o diretor ou o gerente que, como garantia de crédito social, aceita
em penhor ou em caução ações da própria sociedade;
VI - o diretor ou o gerente que, na falta de balanço, em desacordo
com este, ou mediante balanço falso, distribui lucros ou dividendos fictícios;
VII - o diretor, o gerente ou o fiscal que, por interposta pessoa, ou
conluiado com acionista, consegue a aprovação de conta ou parecer;
VIII - o liquidante, nos casos dos incisos I, II, III, IV, V e VII;
IX - o representante da sociedade anônima estrangeira, autorizada a
funcionar no País, que pratica os atos mencionados nos incisos I e II, ou dá
falsa informação ao Governo.
Por derradeiro, conforme redação do parágrafo segundo do
dispositivo em estudo, incorre na pena de detenção, de 6 (seis) meses a 2
(dois) anos, e multa, o acionista que, a fim de obter vantagem para si ou
para outrem, negocia o voto nas deliberações de assembléia geral.

3.7.8 Emissão irregular de conhecimento de depósito ou warrant

Aquele que emite conhecimento de depósito ou warrant, em


desacordo com disposição legal, incorre no tipo penal do artigo 178 do
Código Penal. Esse delito independe da ocorrência de prejuízo à vítima para
que se consume, bastando a circulação dos títulos em questão.

3.7.9 Fraude à execução

Considera-se fraude à execução a prática dos atos de alienação,


desvio, destruição ou danificação de bens, ou simulação de dívidas, durante
o trâmite de uma ação civil de natureza executiva.
O crime de fraude à execução se procede apenas mediante ação
penal privada, e só se consuma se após o ato fraudulento, o patrimônio do
devedor deixar de ser suficiente à satisfação da dívida.

3.8 Receptação

Incorre no crime de receptação todo aquele que adquirir, receber,


transportar, conduzir ou ocultar, em proveito próprio ou alheio, coisa que
sabe ser produto de crime, ou influir para que terceiro, de boa-fé, a adquira,
receba ou oculte. Essa é a forma de receptação simples, prevista no caput
do artigo 180 do Código Penal.
O parágrafo primeiro do dispositivo em estudo prevê, no entanto, a
receptação qualificada, que consiste em adquirir, receber, transportar,
conduzir, ocultar, ter em depósito, desmontar, montar, remontar, vender,
expor à venda, ou de qualquer forma utilizar, em proveito próprio ou alheio,
no exercício de atividade comercial ou industrial, coisa que deve saber ser

91
produto de crime. E conforme redação do parágrafo segundo do artigo 180,
equipara-se à atividade comercial, qualquer forma de comércio irregular ou
clandestino, inclusive o exercício em residência.
Também é forma de receptação qualificada a conduta de adquirir ou
receber coisa que, por sua natureza ou pela desproporção entre o valor e o
preço, ou pela condição de quem a oferece, deve presumir-se obtida por
meio criminoso.
A relação entre a receptação e o crime antecessor, do qual proveio a
coisa, não é de dependência, isto é, a receptação é punível, ainda que
desconhecido ou isento de pena o autor do crime de que proveio a coisa.
Nesse caso, no entanto, desde que o receptador seja primário, pode o juiz,
tendo em consideração as circunstâncias, deixar de aplicar a pena. Já no
caso de receptação dolosa, se o criminoso for primário, e for de pequeno
valor a coisa ou quantia objeto da receptação, o juiz pode substituir a pena
de reclusão pela de detenção, diminuí-la de 1/3 (um terço) a 2/3 (dois
terços), ou aplicar somente a pena de multa, conforme autorização do
parágrafo quinto, do artigo 180 do Código Penal.
Por derradeiro, caso o objeto da receptação seja integrante do
patrimônio da União, Estado, Município, empresa concessionária de serviços
públicos ou sociedade de economia mista, a pena da receptação simples
deve ser aplicada em dobro.

3.9 Disposições gerais para os crimes contra o patrimônio

Conforme redação do artigo 181 do Código Penal, é isento de pena


quem comete qualquer dos crimes contra o patrimônio, em prejuízo:
a) do cônjuge, na constância da sociedade conjugal;
b) de ascendente ou descendente, seja o parentesco legítimo ou
ilegítimo, seja civil ou natural.
Em outros casos, os crimes contra o patrimônio somente se procedem
mediante representação, ou seja, mediante ação penal pública
condicionada. Consoante artigo 182 do Código Penal, somente se procede
mediante representação, se o crime contra o patrimônio for cometido em
prejuízo:
a) do cônjuge desquitado ou judicialmente separado;
b) de irmão, legítimo ou ilegítimo;
c) de tio ou sobrinho, com quem o agente coabita.
No entanto, não se aplica o disposto no artigo 181 (casos de isenção
de pena), nem no artigo 182 (casos que exigem representação para
instauração da ação penal):
a) se o crime é de roubo ou de extorsão, ou, em geral, quando haja
emprego de grave ameaça ou violência à pessoa;
b) ao estranho que participa do crime.

92
c) se o crime é praticado contra pessoa com idade igual ou superior a
60 (sessenta) anos.

4. Crimes contra a propriedade imaterial

Atualmente, dois artigos compõem o Título que trata dos crimes


contra a propriedade imaterial: o artigo 184, que trata da violação de direito
autoral, e o artigo 186, que apresenta disposições a ele referentes.
Conforme redação do caput do artigo 184 do Código Penal, comete
crime todo aquele que violar direito de autor, assim como os que lhe forem
conexos. A pena para a conduta descrita no caput do mencionado artigo é
de detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, ou multa. Nesse caso,
somente se procede mediante queixa, isto é, mediante ação penal privada.
Mas, se a violação consistir em reprodução total ou parcial, com
intuito de lucro direto ou indireto, por qualquer meio ou processo, de obra
intelectual, interpretação, execução ou fonograma, sem autorização
expressa do autor, do artista intérprete ou executante, do produtor, conforme
o caso, ou de quem os represente, a pena aplicável será de reclusão, de 2
(dois) a 4 (quatro) anos, e multa, conforme dispõe o parágrafo segundo, do
artigo 184 do Código Penal. Nesse caso, se procede mediante ação penal
pública incondicionada.
Nas mesmas penas previstas para o mencionado parágrafo segundo,
incorre todo aquele que, com o intuito de lucro direto ou indireto, distribuir,
vender, expor à venda, alugar, introduzir no País, adquirir, ocultar, manter
em depósito, original ou cópia de obra intelectual ou fonograma reproduzido
com violação do direito de autor, do direito de artista intérprete ou
executante ou do direito do produtor de fonograma, ou, ainda, alugar original
ou cópia de obra intelectual ou fonograma, sem a expressa autorização dos
titulares dos direitos ou de quem os represente. Nesses casos, também se
procede mediante ação penal pública incondicionada.
Quando a violação consistir no oferecimento ao público, diante cabo,
fibra ótica, satélite, ondas ou qualquer outro sistema que permita ao usuário
realizar a seleção da obra ou produção para recebê-la em um tempo e lugar
previamente determinados por quem formula a demanda, com intuito de
lucro, direto ou indireto, sem autorização expressa, conforme o caso, do
autor, do artista intérprete ou executante, do produtor de fonograma, ou de
quem os represente, o ofensor sujeitar-se-á a pena de reclusão, de 2 (dois)
a 4 (quatro) anos, e multa (art. 184, §3º, do CP). Nesse caso, se procede
apenas mediante representação, isto é, mediante ação penal pública
condicionada.
É importante frisar, conforme expressa menção do parágrafo quarto,
do artigo 184 do Código Penal, que não há crime de violação de direito
autorial, quando se tratar de exceção ou limitação do direito de autor ou dos
que lhe são conexos, em conformidade com o previsto na Lei nº 9.610/98,
nem quando há cópia de obra intelectual ou fonograma, em um só exemplar,
para uso privado do copista, sem intuito de lucro direto ou indireto.
Por derradeiro, há que se salientar que, em qualquer caso, se o crime
de violação de direito autoral for cometido em desfavor de entidades de

93
direito público, autarquia, empresa pública, sociedade de economia mista ou
fundação instituída pelo Poder Público, proceder-se-á mediante ação penal
pública incondicionada (art. 186, III, do CP).

5. Crimes contra a organização do trabalho

Os artigos 197 a 207 do Código Penal tipificam condutas contrárias à


organização do trabalho.
A primeira delas consiste em constranger alguém, mediante violência
ou grave ameaça:
a) a exercer ou não exercer arte, ofício, profissão ou indústria, ou a
trabalhar ou não trabalhar durante certo período ou em determinados dias
(art. 197, I, do CP);
b) a abrir ou fechar o seu estabelecimento de trabalho, ou a participar
de parede ou paralisação de atividade econômica (art. 197, II, do CP).
Praticar qualquer dos atos acima mencionados é atentar contra a
liberdade de trabalho, e sujeita às penas de detenção e multa, além da pena
correspondente à violência.
O artigo 198 do Código Penal dispõe sobre o atentado contra a
liberdade de contrato de trabalho e boicotagem violenta, que consiste na
conduta típica de constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça,
a celebrar contrato de trabalho, ou a não fornecer a outrem ou não adquirir
de outrem matéria-prima ou produto industrial ou agrícola. A prática desse
crime também sujeita o infrator às penas de detenção e multa, além da pena
correspondente à violência.
É típica também a conduta de participar de suspensão ou abandono
coletivo de trabalho, praticando violência contra pessoa ou contra coisa,
conforme redação legal do artigo 200 do Código Penal. No entanto, só há
que se falar em abandono coletivo do trabalho se houver o concurso de, pelo
menos, 3 (três) empregados. Nesse caso, os empregados infratores
sujeitam-se às penas de detenção e multa, além da pena correspondente à
violência.
Conduta mais grave que a do artigo 200 é prevista no artigo 201 do
Código Penal, desde que não considerado o aspecto da violência. Segundo
ele, participar de suspensão ou abandono coletivo de trabalho, provocando a
interrupção de obra pública ou serviço de interesse coletivo, é conduta típica
que sujeita os infratores às penas de detenção e multa.
O crime de invasão de estabelecimento industrial, comercial ou
agrícola e de sabotagem está previsto no artigo 202 do Código Penal, e se
consuma mediante a invasão ou ocupação de estabelecimento industrial,
comercial ou agrícola, com o intuito de impedir ou embaraçar o curso normal
do trabalho, ou com o mesmo fim danificar o estabelecimento ou as coisas
nele existentes.
O artigo 203 do Código Penal estipula como criminosa a conduta
daquele que frusta, mediante fraude ou violência, direito assegurado pela
legislação do trabalho. É típico exemplo de frustração de direitos
assegurados pela lei do trabalho a conduta de manter funcionário sem o

94
devido registro em carteira, com o que o empregador incide neste tipo penal.
Conforme artigo 203, parágrafo primeiro, na mesma pena incorre quem:
a) obriga ou coage alguém a usar mercadorias de determinado
estabelecimento, para impossibilitar o desligamento do serviço em virtude de
dívida;
b) impede alguém de se desligar de serviços de qualquer natureza,
mediante coação ou por meio da retenção de seus documentos pessoais ou
contratuais.
Em qualquer caso, aumenta-se a pena de 1/6 (um sexto) a 1/3 (um
terço) se a vítima for menor de dezoito anos, idosa, gestante, indígena ou
portadora de deficiência física ou mental (art. 203, §2º, do CP).
Também constitui crime, consoante artigo 204 do Código Penal,
frustrar, mediante fraude ou violência, obrigação legal relativa à
nacionalização do trabalho. Os artigo 203 e 204, constituem normais penais
em branco, já que necessitam de legislação integradora que disponha sobre
direito trabalhista.
Comete crime contra a organização do trabalho, aquele que exercer
atividade, de que está impedido por decisão administrativa, conforme artigo
205 do Código Penal, caso em que se sujeita as penas de detenção e multa.
Os artigos 206 e 207, ambos do Código Penal, tipificam condutas de
aliciamento de trabalhadores. Se houver o recrutamento de trabalhadores,
mediante fraude, para levá-los para território estrangeiro, o infrator sujeita-se
às penas de detenção e multa (art. 206, do CP), penas que também sujeitam
aquele que aliciar trabalhadores, com o fim de levá-los de uma para outra
localidade do território nacional (art. 207, caput, do CP). Na mesma pena
incorre quem recrutar trabalhadores fora da localidade de execução do
trabalho, dentro do território nacional, mediante fraude ou cobrança de
qualquer quantia do trabalhador, ou, ainda, não assegurar condições do seu
retorno ao local de origem (art. 207, §1º, do CP). Nesse caso, as penas
serão aumentada de 1/6 (um sexto) a 1/3 (um terço) se a vítima for menor de
18 (dezoito) anos, idosa, gestante, indígena ou portadora de deficiência
física ou mental (art. 207, §2º, do CP)

6. Crimes contra o sentimento religioso e contra o respeito aos mortos


6.1 Crimes contra o sentimento religioso

A liberdade religiosa é uma garantia constitucional, um direito


fundamental a todos pertencente. E a proteção a esse direito encontra
respaldo também no Código Penal, que estipula em seu artigo 208 ser
criminosa a conduta de escárnio (zombaria, desprezo) público a alguém, por
motivo de crença ou função religiosa, assim como a conduta de impedir ou
perturbar cerimônia ou prática de culto religioso, ou ainda, de vilipendiar
publicamente ato ou objeto de culto religioso.
Se houver o emprego de violência, haverá aumente de pena, em 1/3
(um terço), sem prejuízo da correspondente à violência (art. 208, parágrafo
único, do CP).

95
6.2 Crimes contra o respeito aos mortos

Quatro são as condutas típicas relativas ao respeito aos mortos:


a) impedimento ou perturbação de cerimônia funerária (art. 209, do
CP);
b) violação de sepultura (art. 210, do CP);
c) destruição, subtração ou ocultação de cadáver (art. 211, do CP);
d) vilipêndio a cadáver (art. 212, do CP).
No caso de impedimento ou perturbação de cerimônia funerária, caso
haja o emprego de violência, a pena será aumentada de 1/3 (um terço), sem
prejuízo da correspondente à violência (art. 209, parágrafo único, do CP).
A violação de sepultara engloba, além da conduta de violar, também a
de profanar (desonrar) a sepultura ou a urna funerária.
Por derradeiro, vilipendiar é o mesmo que desprezar o cadáver ou
suas cinzas, conduta que sujeita o infrator às penas de detenção e multa.

7. Crimes contra a dignidade sexual

Diante das recentes alterações, é necessário dispensar atenção


especial aos crimes contra a dignidade sexual, especificamente em relação
ao estupro, atentado violento ao pudor, violação sexual mediante fraude a
atentado ao pudor mediante fraude, cuja alteração foi significativa.
A Lei n.º 12.015/09 alterou a sistemática dos crimes contra a
dignidade sexual, e substitui o antigo título “Dos Crimes Contra os
Costumes” por “Dos Crimes Contra a Dignidade Sexual”.
O estupro, que antes só tinha a mulher como sujeito passivo, hoje
pode ter o homem também. Houve revogação do artigo 214, que dispunha
sobre o atentado violento ao pudor, e o artigo 215 (antiga “posse sexual
mediante fraude”), que também só tinha a mulher como sujeito passivo, foi
alterado (para “violência sexual mediante fraude”), admitindo que também o
homem seja dele sujeito passivo.
Além dessas outras alterações podem ser observadas abaixo.

7.1 Crimes contra a liberdade sexual


7.1.1 Estupro

O estupro consiste em constranger alguém, mediante violência ou


grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele
se pratique outro ato libidinoso. A pena para o crime de estupro é de
reclusão, de 6 (seis) a 10 (dez) anos. Note-se que não se fala mais em
mulher, apenas, pois o homem também pode ser estuprado, nos termos da
recente alteração do Código Penal.
Se do estupro resultar lesão corporal de natureza grave ou se a vítima
for menor de 18 (dezoito) ou maior de 14 (quatorze) anos, a pena será de
reclusão, de 8 (oito) a 12 (doze) anos.

96
E se do estupro resultar morte, a pena será de reclusão, de 12 (doze)
a 30 (trinta) anos.

7.1.2 Violação sexual mediante fraude

Configura o crime de violência sexual mediante fraude o ato de ter


conjunção carnal ou de praticar outro ato libidinoso com alguém, mediante
fraude ou outro meio que impeça ou dificulte a livre manifestação de vontade
da vítima (art. 215, do CP). A pena para o delito em estudo é de reclusão, de
2 (dois) a 6 (seis) anos, e se o crime for cometido com a finalidade de obter
vantagem econômica, aplicar-se-á, também, a pena de multa.

7.1.3 Assédio sexual

O assédio sexual se verifica mediante o constrangimento de alguém


com o intuito de obter vantagem ou favorecimento sexual, prevalecendo-se o
agente de sua condição de superior hierárquico ou ascendência inerentes ao
exercício de emprego, cargo ou função. A pena para o crime de assédio
sexual será aumentada de até um 1/3 (um terço) quando a vítima for menor
de 18 (dezoito) anos.

7.2 Crimes sexuais contra vulnerável


7.2.1 Estupro de vulnerável

O artigo 217-A, incluído pela Lei n.º 12.015/09, criou tipo penal
específico para aquele que tiver conjunção carnal ou praticar ato libidinoso
com menor de 14 (quatorze) anos, sujeitando-o a pena de reclusão, de 8
(oito) a 15 (quinze) anos.
Na mesma pena incorre quem tem conjunção carnal ou pratica ato
libidinoso com alguém que, por enfermidade ou deficiência mental, não tem
o necessário discernimento para a prática do ato, ou que, por qualquer outra
causa, não pode oferecer resistência (art. 217-A, §1º, do CP).
Em qualquer caso, se da conduta resultar lesão corporal de natureza
grave, a pena aplicável será de reclusão, de 10 (dez) a 20 (vinte) anos, e, se
resultar morte, será de reclusão, de 12 (doze) a 30 (trinta) anos.

7.2.2 Corrupção de menores

Outra relevante alteração operada pela Lei n.º 12.015/09 foi a


separação das condutas típicas contidas no antigo artigo 218 do Código
Penal.
Para o artigo 218 do Código Penal ficou restrita a conduta daquele
que induz alguém menor de 14 (quatorze) anos a satisfazer a lascívia
(comportamento desregrado em relação ao sexo) de outrem. A pena para
quem corrompe menores é de reclusão, de de 2 (dois) a 5 (cinco) anos.

97
7.2.3 Satisfação de lascívia mediante presença de criança ou
adolescente

Antes integrante das condutas típicas contidas no antigo artigo 218 do


Código Penal, o artigo 218-A foi editado para albergar a específica conduta
daquele que pratica, na presença de alguém menor de 14 (quatorze) anos,
ou o induz a presenciar, conjunção carnal ou outro ato libidinoso, com a
finalidade de satisfazer lascívia própria ou de outrem.

7.2.4 Favorecimento da prostituição ou outra forma de exploração


sexual de vulnerável

Outra criação da Lei n.º 12.015/09 foi o artigo 218-B do Código Penal,
que em seu caput tipifica as condutas de: submeter, induzir ou atrair à
prostituição ou outra forma de exploração sexual alguém menor de 18
(dezoito) anos ou que, por enfermidade ou deficiência mental, não tem o
necessário discernimento para a prática do ato, facilitá-la, impedir ou
dificultar que a abandone. Para essas condutas, há previsão de pena
reclusiva, de 4 (quatro) a 10 (dez) anos.
Se o crime do artigo 218-B for praticado com a finalidade de obtenção
de vantagem econômica, aplica-se também a pena de multa (art. 218-B, §1º,
do CP).
E nas mesmas penas incorre:
a) quem pratica conjunção carnal ou outro ato libidinoso com alguém
menor de 18 (dezoito) e maior de 14 (catorze) anos na situação descrita no
caput do artigo 218-B;
b) o proprietário, o gerente ou o responsável pelo local em que se
verifiquem as práticas referidas no caput do artigo 218-B. Nesse caso, é
efeito obrigatório da condenação a cassação da licença de localização e de
funcionamento do estabelecimento (art. 218-B, §3º, do CP).

7.2.5 Disposições gerais

Em relação a todos os crimes praticados contra a dignidade sexual,


procede-se mediante ação penal pública condicionada à representação.
Caso a vítima seja menor de 18 (dezoito) anos ou seja pessoa
vulnerável, no entanto, procede-se mediante ação penal pública
incondicionada.
Em qualquer caso, aumenta-se a pena:
a) de ¼ (quarta parte), se o crime é cometido com o concurso de 2
(duas) ou mais pessoas;
b) de metade, se o agente é ascendente, padrasto ou madrasta, tio,
irmão, cônjuge, companheiro, tutor, curador, preceptor ou empregador da
vítima ou por qualquer outro título tem autoridade sobre ela.

98
7.3 Lenocínio e do tráfico de pessoa para fim de prostituição ou outra
forma de exploração sexual
7.3.1 Mediação para servir a lascívia de outrem

Quando o agente induz alguém a satisfazer a lascívia de outrem,


incorre no delito descrito no caput do artigo 227 do Código Penal, e sujeita-
se à pena de reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos.
Se a vítima for maior de 14 (quatorze) e menor de 18 (dezoito) anos,
ou se o agente for seu ascendente, descendente, cônjuge ou companheiro,
irmão, tutor ou curador ou pessoa a quem esteja confiada para fins de
educação, de tratamento ou de guarda, a pena será de reclusão, de 2 (dois)
a 5 (cinco) anos (art. 227, §1º, do CP).
Quando o delito for cometido com emprego de violência, grave
ameaça ou fraude, a pena aplicável será de reclusão, de 2 (dois) a 8 (oito)
anos, além da pena correspondente à violência (art. 227, §2º, do CP).
E se o crime for cometido com a finalidade de lucro, além da pena
reclusiva aplica-se a pena de multa (art. 227, §3º, do CP).

7.3.2 Favorecimento da prostituição ou outra forma de exploração


sexual

Também alterado pela Lei n.º 12.015/09, o artigo 228 teve seu objeto
ampliado, e passou a considerar delituoso não só o ato de induzir ou atrair
alguém à prostituição, mas também à qualquer outra forma de exploração
sexual, assim como os atos de facilitar, impedir ou dificultar que alguém a
abandone.
O parágrafo primeiro do artigo 228 do Código Penal, apresenta uma
qualificadora para o delito em estudo, verificável quando o agente é
ascendente, padrasto, madrasta, irmão, enteado, cônjuge, companheiro,
tutor ou curador, preceptor ou empregador da vítima, ou quando assumiu,
por lei ou outra forma, obrigação de cuidado, proteção ou vigilância em
relação à mesma.
Em qualquer caso, se o crime for cometido com emprego de violência,
grave ameaça ou fraude, a pena aplicável será de reclusão, de 4 (quatro) a
10 (dez) anos, além da pena correspondente à violência (art. 228, §2º, do
CP).
Se o crime for cometido com o intuito de lucro, deve-se aplicar
também a pena de multa (art. 228, §3º, do CP).

7.3.3 Casa de prostituição

O artigo 229 do Código Penal também foi alterado pela Lei n.º
12.015/09. A nova redação substituiu a expressão “casa” por
“estabelecimento”. A conduta típica é manter, por conta própria ou de
terceiro, estabelecimento em que ocorra exploração sexual, haja, ou não,
intuito de lucro ou mediação direta do proprietário ou gerente, cuja pena é de
reclusão, de dois a cinco anos, e multa.

99
7.3.4 Rufianismo

Rufião é aquele que tira proveito da prostituição alheia, participando


diretamente de seus lucros ou fazendo-se sustentar, no todo ou em parte,
por quem a exerça.
O crime assume a forma qualificada quando a vítima é menor de 18
(dezoito) e maior de 14 (quatorze) anos ou se o crime é cometido por
ascendente, padrasto, madrasta, irmão, enteado, cônjuge, companheiro,
tutor ou curador, preceptor ou empregador da vítima, ou por quem tenha
assumido, por lei ou outra forma, obrigação de cuidado, proteção ou
vigilância.
Quando o crime for cometido mediante violência, grave ameaça,
fraude ou outro meio que impeça ou dificulte a livre manifestação da vontade
da vítima, a pena será de reclusão, de 2 (dois) a 8 (oito) anos, sem prejuízo
da pena correspondente à violência.

7.3.5 Tráfico internacional de pessoa para fim de exploração sexual

O tráfico internacional de pessoa com a finalidade de exploração


sexual ocorre quando o agente promove ou facilita a entrada, no território
nacional, de alguém que nele venha a exercer a prostituição ou outra forma
de exploração sexual, ou a saída de alguém que vá exercê-la no estrangeiro
(art. 231, caput, do CP). A pena prevista para o delito em estudo é de
reclusão, de 3 (três) a 8 (oito) anos.
Na mesma pena incorre quem agenciar, aliciar ou comprar a pessoa
traficada, assim como, tendo conhecimento dessa condição, transportá-la,
transferi-la ou alojá-la.
E a pena aumenta-se da metade se:
a) a vítima é menor de 18 (dezoito) anos;
b) a vítima, por enfermidade ou deficiência mental, não tem o
necessário discernimento para a prática do ato;
c) se o agente é ascendente, padrasto, madrasta, irmão, enteado,
cônjuge, companheiro, tutor ou curador, preceptor ou empregador da vítima,
ou se assumiu, por lei ou outra forma, obrigação de cuidado, proteção ou
vigilância; ou
d) há emprego de violência, grave ameaça ou fraude.
Caso o crime seja cometido com a finalidade de obter vantagem
econômica, aplica-se também a pena de multa (art. 231, §3º, do CP).

7.3.6 Tráfico interno de pessoa para fim de exploração sexual

O artigo 231-A do Código Penal foi totalmente alterado pela Lei n.º
12.015/09. Segundo o dispositivo, incorre no delito em estudo quem
promover ou facilitar o deslocamento de alguém dentro do território nacional

100
para o exercício da prostituição ou outra forma de exploração sexual. A pena
prevista para o delito é de reclusão, de 2 (dois) a 6 (seis) anos.
Na mesma pena incorre quem agenciar, aliciar, vender ou comprar a
pessoa traficada, assim como, tendo conhecimento dessa condição,
transportá-la, transferi-la ou alojá-la.
E a pena aumenta-se da metade se:
a) a vítima é menor de 18 (dezoito) anos;
b) a vítima, por enfermidade ou deficiência mental, não tem o
necessário discernimento para a prática do ato;
c) se o agente é ascendente, padrasto, madrasta, irmão, enteado,
cônjuge, companheiro, tutor ou curador, preceptor ou empregador da vítima,
ou se assumiu, por lei ou outra forma, obrigação de cuidado, proteção ou
vigilância; ou
d) há emprego de violência, grave ameaça ou fraude.
Caso o crime seja cometido com a finalidade de obter vantagem
econômica, aplica-se também a pena de multa (art. 231-A, §3º, do CP).

7.4 Do ultraje ao pudor


7.4.1 Ato obsceno

É obsceno o ato que lesiona o pudor, nesse caso, o pudor público.


Conforme redação do artigo 233 do Código Penal, é criminosa a conduta de
praticar ato obsceno em lugar público, aberto ou exposto ao público. A pena
prevista para o crime é de detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, ou
multa.

7.4.2 Escrito ou objeto obsceno

Enquanto o artigo 233 cuida da tipificação de quem pratica ato


obsceno em local público, o caput do artigo 234 do Código Penal tipifica as
condutas de fazer, importar, exportar, adquirir ou ter sob sua guarda, para
fim de comércio, de distribuição ou de exposição pública, escrito, desenho,
pintura, estampa ou qualquer objeto obsceno.
Nas mesmas penas do caput incorre quem:
a) vende, distribui ou expõe à venda ou ao público qualquer dos
objetos referidos neste artigo;
b) realiza, em lugar público ou acessível ao público, representação
teatral, ou exibição cinematográfica de caráter obsceno, ou qualquer outro
espetáculo, que tenha o mesmo caráter;
c) realiza, em lugar público ou acessível ao público, ou pelo rádio,
audição ou recitação de caráter obsceno.

101
8. Crimes contra a família
8.1 Crimes contra o casamento
8.1.1 Bigamia

O primeiro dos crimes contra o casamento é a bigamia. Bigamia é o


ato de contrair novo casamento, já sendo casado. Também incorre em crime
aquele que, não sendo casado, contrai casamento com pessoa casada,
desde que conheça essa circunstância, conforme determina o parágrafo
primeiro, do artigo 235 do Código Penal.
A consequência da bigamia, além da punição penal, é a nulidade do
segundo casamento.
No entanto, há que se estar atento, pois a anulação do primeiro
casamento, independentemente do motivo, ou do segundo, desde que por
motivo que não seja a bigamia, gera a inexistência do crime.

8.1.2 Induzimento a erro essencial e ocultação de impedimento

Como se sabe, vários são os impedimentos em relação ao


casamento, conforme estudado no módulo de Direito Civil. Pois, é criminosa
a conduta de contrair casamento, induzindo em erro essencial o outro
contraente, ou ocultando-lhe impedimento que não seja casamento anterior
(caso em que haverá bigamia).
Nesse caso, a ação penal para processamento do crime é privada, e
não pode ser intentada antes do trânsito em julgado da sentença que, por
motivo de erro ou impedimento, tenha anulado o casamento (art. 236,
parágrafo único, do CP). Esse é o único exemplo vigente, no Código Penal,
de ação penal privada de caráter personalíssimo.

8.1.3 Conhecimento prévio de impedimento

E também é típica a conduta daquele que contrai casamento, ciente


da existência de impedimento que lhe cause a nulidade absoluta, conforme
dispõe o artigo 237 do Código Penal, conduta que sujeita o agente à pena
de detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano.

8.1.4 Simulação de autoridade para celebração de casamento

Aquele que simular ser autoridade apta à celebração de casamento,


comete o crime descrito no artigo 238 do Código Penal, e sujeita-se à pena
de detenção, de 1 (um) a 3 (três) anos, se o fato concreto não configurar
crime mais grave.

102
8.1.5 Simulação de casamento

Sujeitar-se-á a pena de detenção, de 1 (um) a 3 (três) anos (se o fato


não constituir elemento de crime mais grave), aquele que simular casamento
mediante engano de outra pessoa, conforme dispõe o artigo 239 do Código
Penal, artigo que encerra o capítulo dos crimes contra o casamento, já que o
adultério foi revogado pela Lei n.º 11.106/05.

8.2 Crimes contra o estado de filiação

São crimes contra o estado de filiação:


a) o registro de nascimento inexistente (art. 241, do CP);
b) o parto suposto, ou a supressão ou alteração de direito inerente ao
estado civil de recém-nascido (art. 242, do CP);
c) a sonegação de estado de filiação (art. 243, do CP).
O primeiro dos delitos contra o estado de filiação se consuma com a
promoção no registro civil, de inscrição de nascimento inexistente.
O segundo, mediante a conduta de dar parto alheio como próprio, de
registrar seu o filho de outrem, ou de ocultar recém-nascido ou substituí-lo,
suprimindo ou alterando direito inerente ao estado civil. Nesse caso, se o
crime for praticado por motivo de reconhecida pobreza, o juiz pode deixar de
aplicar a pena.
Por fim, também comete crime aquele que deixa em asilo de exposto
ou outra instituição de assistência filho próprio ou alheio, ocultando-lhe a
filiação ou atribuindo-lhe outra, com a finalidade de prejudicar direito inerente
ao estado civil.

8.3 Crimes contra a assistência familiar


8.3.1 Abandono material

Comete abandono material aquele que deixa, sem justa causa, de


prover a subsistência do cônjuge, ou de filho menor de 18 (dezoito) anos ou
inapto para o trabalho, ou de ascendente inválido ou maior de 60 (sessenta)
anos, não lhes proporcionando os recursos necessários ou faltando ao
pagamento de pensão alimentícia judicialmente acordada, fixada ou
majorada, assim como aquele que deixa, sem justa causa, de socorrer
descendente ou ascendente, gravemente enfermo (art. 244, caput, do CP).
Nas mesmas penas incide quem, sendo solvente, frustra ou ilide, de
qualquer modo, inclusive por abandono injustificado de emprego ou função,
o pagamento de pensão alimentícia judicialmente acordada, fixada ou
majorada (art. 244, parágrafo único, do CP).

103
8.3.2 Entrega de filho menor a pessoa inidônea

Todo aquele que entregar filho menor de 18 (dezoito) anos a pessoa


em cuja companhia saiba ou deva saber que o menor fica moral ou
materialmente em perigo, comete o crime descrito no caput do artigo 245 do
Código Penal, e se sujeita à pena de detenção, de 1 (um) a 2 (dois) anos.
No entanto, essa pena será de 1 (um) a 4 (quatro) anos de reclusão,
se o agente praticar o delito para obter lucro, ou se o menor for enviado para
o exterior. Nessa pena também incorre quem, embora excluído o perigo
moral ou material, auxilia a efetivação de ato destinado ao envio de menor
para o exterior, com a finalidade de obter lucro.

8.3.3 Abandono intelectual

A conduta típica do artigo 246 do Código Penal é um instituto que tem


a finalidade de assegurar às crianças o direito à educação. Segundo ela,
constitui crime de abandono intelectual, deixar, sem justa causa, de prover à
instituição primária de filho em idade escolar.
Também é conduta de abandono intelectual, conforme redação do
artigo 247 do Código Penal, permitir que menor de 18 (dezoito) anos, sujeito
a seu poder ou confiado à sua guarda ou vigilância:
a) frequente casa de jogo ou mal-afamada, ou conviva com pessoa
viciosa ou de má vida;
b) frequente espetáculo capaz de pervertê-lo ou de ofender-lhe o
pudor, ou participe de representação de igual natureza;
c) resida ou trabalhe em casa de prostituição;
d) mendigue ou sirva a mendigo para excitar a comiseração pública.
O crime de abandono intelectual é, pois, um crime omissivo próprio,
vez que só pode ser cometido por aquele que tem o dever de prestar à
criança o direito à educação.

8.4 Crimes contra o pátrio poder, tutela e curatela

Duas são as condutas que podem constituir crime contra o pátrio


poder, a tutela e a curatela:
a) o induzimento a fuga, entrega arbitrária ou sonegação de
incapazes (art. 248, do CP); e
b) a subtração de incapazes (art. 249, do CP).
A primeira delas está descrita no artigo 248 do Código Penal, e se
configura mediante o induzimento de menor de 18 (dezoito) anos, ou
interdito, a fugir do local em que acha por determinação de quem sobre ele
exerce autoridade, em virtude de lei ou ordem judicial, ou a confiar a outrem
sem ordem do pai, do tutor ou do curador algum menor de 18 (dezoito) anos

104
ou interdito, ou deixar, sem justa causa, de entregá-lo a quem legitimamente
o reclame.
Já a subtração de menor de 18 (dezoito) anos ou interdito, de quem
tenha o poder de sua guarda em virtude de lei ou ordem judicial sujeita o
agente à pena de detenção, de 2 (dois) meses a 2 (dois) anos, isso se o fato
não constituir elemento de outro crime (art. 249, caput, do CP). Se o agente
for pai ou tutor do menor ou curador do interdito, ele não se eximirá da pena,
caso esteja destituído ou temporariamente privado do pátrio poder, tutela,
curatela ou guarda (art. 249, §1º, do CP). Contudo, o juiz pode deixar de
aplicar a pena quando houver a restituição do menor, desde que este não
tenha sofrido maus-tratos ou privações.

9. Crimes contra a incolumidade pública


9.1 Crimes de perigo comum

Os crimes de perigo comum, como é sugestiva a expressão, traduzem


uma situação de risco de dano à coletividade.
Segundo o Código Penal, são condutas que configuram crime perigo
comum:
a) incêndio;
b) explosão;
c) uso de gás tóxico ou asfixiante;
d) fabrica, fornecimento, aquisição posse ou transporte de explosivos
ou gás tóxico, ou asfixiante;
e) inundação;
f) perigo de inundação;
g) desabamento ou desmoronamento;
h) subtração, ocultação ou inutilização de material de salvamento;
i) difusão de doença ou praga.

9.1.1 Incêndio

O tipo penal simples do crime de incêndio ocorre quando alguém


causa incêndio, expondo a perigo a vida, a integridade física ou o patrimônio
de outrem. Mas, conforme parágrafo primeiro do artigo 250, haverá aumento
de pena de 1/3 (um terço):
I - se o crime é cometido com intuito de obter vantagem pecuniária em
proveito próprio ou alheio;
II - se o incêndio é: a) em casa habitada ou destinada a habitação; b)
em edifício público ou destinado a uso público ou a obra de assistência
social ou de cultura; c) em embarcação, aeronave, comboio ou veículo de
transporte coletivo; d) em estação ferroviária ou aeródromo; e) em estaleiro,
fábrica ou oficina; f) em depósito de explosivo, combustível ou inflamável; g)
em poço petrolífero ou galeria de mineração; h) em lavoura, pastagem, mata
ou floresta.

105
Admite-se a prática do crime de incêndio culposo, conforme expressa
previsão do parágrafo segundo do artigo 250, do Código Penal.

9.1.2 Explosão

O caput do artigo 251 do Código Penal tipifica a conduta de quem


expõe a perigo a vida, a integridade física ou o patrimônio de outrem,
mediante explosão, arremesso ou simples colocação de engenho de
dinamite ou de substância de efeitos análogos. Caso a substância utilizada
não seja dinamite ou explosivo de efeitos análogos, haverá aplicação de
pena menor. No entanto, as penas serão aumentadas de 1/3 (um terço) se
ocorrer qualquer das hipótese previstas no parágrafo primeiro, inciso I, do
artigo 250, ou se for objetivada ou atingida qualquer das coisas enumeradas
no inciso II do mesmo artigo, conforme citação apresentada no tópico
anterior.
Admite-se a ocorrência de explosão culposa, e, nesse caso, se a
explosão é de dinamite ou substância de efeitos análogos, a pena será de
de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos, enquanto que, nos demais casos, será de
detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano.

9.1.3 Uso de gás tóxico ou asfixiante

Incorre em crime quem expõe a perigo a vida, a integridade física ou o


patrimônio de outrem, usando gás tóxico ou asfixiante. Conforme parágrafo
único do artigo 252 do Código Penal, admite-se a modalidade culposa do
delito em estudo.

9.1.4 Fabrica, fornecimento, aquisição posse ou transporte de


explosivos ou gás tóxico, ou asfixiante

Não é criminosa apenas a conduta de usar explosivos, gás tóxico ou


asfixiante, mas também a de fabricar, fornecer, adquirir, possuir ou
transportar, sem licença da autoridade, substância ou engenho explosivo,
gás tóxico ou asfixiante, ou material destinado à sua fabricação.

9.1.5 Inundação

Quem der causa à inundação, expondo a perigo a vida, a integridade


física ou o patrimônio de outrem, sujeita-se à pena de reclusão, de 3 (três) a
6 (seis) anos, e multa, no caso de dolo, ou detenção, de 6 (seis) meses a 2
(dois) anos, no caso de culpa (art. 254, do CP).

106
9.1.6 Perigo de inundação

É típica também a conduta de remover, destruir ou inutilizar, em


prédio próprio ou alheio, expondo a perigo a vida, a integridade física ou o
patrimônio de outrem, obstáculo natural ou obra destinada a impedir
inundação, conforme previsão legal do artigo 255 do Código Penal.

9.1.7 Desabamento ou desmoronamento

Aquele que, intencionalmente, causar desabamento ou


desmoronamento, expondo a perigo a vida, a integridade física ou o
patrimônio de outrem, incorre na conduta típica descrita no caput do artigo
256 do Código Penal.
Entretanto, se não houve intenção, mas apenas negligência,
imprudência ou imperícia, o agente incorre na conduta descrita no parágrafo
único do mencionado dispositivo, e sujeita-se a pena pelo delito culposo.

9.1.8 Subtração, ocultação ou inutilização de material de salvamento

É crime apenado com reclusão, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos, e multa,


conforme artigo 257 do Código Penal: subtrair, ocultar ou inutilizar, por
ocasião de incêndio, inundação, naufrágio, ou outro desastre ou calamidade,
aparelho, material ou qualquer meio destinado a serviço de combate ao
perigo, de socorro ou salvamento, bem como impedir ou dificultar serviço de
tal natureza.

9.1.9 Difusão de doença ou praga

Também é típica a conduta de difundir doença ou praga que seja apta


a gerar dano à floresta, plantação ou animais de utilidade econômica,
conforme redação do caput do artigo 259 do Código Penal. Há possibilidade
de crime culposo em se tratando do delito em estudo, pois há expressa
previsão nesse sentido (art. 259, parágrafo único, do CP).

9.1.10 Formas qualificadas de crime de perigo comum

Em se tratando dos crimes de perigo comum, se de sua prática dolosa


resultar lesão corporal de natureza grave, a pena privativa de liberdade
deverá ser aumentada de metade, e, se resultar morte, deverá ser aplicada
em dobro.
Em relação aos mesmos crimes, se de sua prática culposa resultar
lesão corporal, a pena deve ser aumentada da metade, e, se resultar morte,
deverá ser aplicada a pena cominada ao homicídio culposo (art. 121, §3º, do
CP), aumentada de 1/3 (um terço).

107
9.2 Crimes contra a segurança dos meios de comunicação e transporte
e outros serviços públicos
9.2.1 Perigo de desastre ferroviário

Comete crime quem impede ou perturba serviço de estrada de ferro:


a) destruindo, danificando ou desarranjando, total ou parcialmente,
linha férrea, material rodante ou de tração, obra-de-arte ou instalação;
b) colocando obstáculo na linha;
c) transmitindo falso aviso acerca do movimento dos veículos ou
interrompendo ou embaraçando o funcionamento de telégrafo, telefone ou
radiotelegrafia;
d) praticando outro ato de que possa resultar desastre.
Para todos esse casos, a pena prevista é de reclusão, de 2 (dois) a 5
(cinco) anos, e multa.
Mas, se do fato resultar desastre, a pena aplicável será de reclusão,
de 4 (quatro) a 12 (doze) anos e multa. No caso de crime culposo, ocorrendo
desastre, a pena será de detenção, de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos.
No caso de desastre, se de sua prática dolosa resultar lesão corporal
de natureza grave, a pena privativa de liberdade deverá ser aumentada de
metade, e, se resultar morte, deverá ser aplicada em dobro.
Nas mesmas circunstâncias, se de sua prática culposa resultar lesão
corporal, a pena deve ser aumentada da metade, e, se resultar morte,
deverá ser aplicada a pena cominada ao homicídio culposo (art. 121, §3º, do
CP), aumentada de 1/3 (um terço).

9.2.2 Atentado contra a segurança de transporte marítimo, fluvial ou


aéreo

Aquele que expor a perigo embarcação ou aeronave, própria ou


alheia, ou praticar qualquer ato tendente a impedir ou dificultar navegação
marítima, fluvial ou aérea, comete crime, e sujeita-se à pena de reclusão, de
2 (dois) a 5 (cinco) anos (art. 261, caput, do CP). Se do fato resultar
naufrágio, submersão ou encalhe da embarcação ou a queda ou destruição
de aeronave, a pena aplicável será de reclusão, de 4 (quatro) a 12 (doze)
anos. E se o crime tiver sido praticado com a finalidade de lucro, aplicar-se-á
também a pena de multa.
Admite-se a prática culposa do crime em análise, conforme
autorização do parágrafo terceiro, do artigo 261 do Código Penal.
No caso de sinistro, se de sua prática dolosa resultar lesão corporal
de natureza grave, a pena privativa de liberdade deverá ser aumentada de
metade, e, se resultar morte, deverá ser aplicada em dobro.
Nas mesmas circunstâncias, se de sua prática culposa resultar lesão
corporal, a pena deve ser aumentada da metade, e, se resultar morte,
deverá ser aplicada a pena cominada ao homicídio culposo (art. 121, §3º, do
CP), aumentada de 1/3 (um terço).

108
9.2.3 Atentado contra a segurança de outro meio de transporte

O artigo 262 do Código Penal dispõe que é típica a conduta de expor


a perigo qualquer outro meio de transporte público, impedindo-lhe ou
dificultando-lhe o funcionamento, conduta que também admite a modalidade
culposa.
No caso de desastre, se de sua prática dolosa resultar lesão corporal
de natureza grave, a pena privativa de liberdade deverá ser aumentada de
metade, e, se resultar morte, deverá ser aplicada em dobro.
Nas mesmas circunstâncias, se de sua prática culposa resultar lesão
corporal, a pena deve ser aumentada da metade, e, se resultar morte,
deverá ser aplicada a pena cominada ao homicídio culposo (art. 121, §3º, do
CP), aumentada de 1/3 (um terço).

9.2.4 Arremesso de projétil

O artigo 264 do Código Penal dispõe que é punível a conduta daquele


que arremessar projétil contra veículo em movimento, destinado ao
transporte público por terra, por água ou pelo ar. E se do fato resultar lesão
corporal, a pena aplicável será de detenção, de 6 (seis) meses a 2 (dois)
anos, e, se resulta morte, a pena será a mesma do homicídio culposo,
aumentada de 1/3 (um terço).

9.2.5 Atentado contra a segurança de serviço de utilidade pública

Esse crime ocorre mediante a conduta daquele que pratica qualquer


ato destinado a violar a segurança ou o funcionamento de serviço de água,
luz, força ou calor, ou qualquer outro dotado de utilidade pública (art. 265,
caput, do CP). Nesse caso, aumenta-se a pena de 1/3 (um terço) até a
metade, se o dano ocorrer em virtude da subtração de material essencial ao
funcionamento dos serviços (art. 265, parágrafo único, do CP).

9.2.6 Interrupção ou perturbação de serviço telegráfico ou telefônico

É também criminosa a conduta daquele que interrompe ou perturba


serviço telegráfico, radiotelegráfico ou telefônico, assim como daquele que
impede ou dificulta seu restabelecimento (art. 266, caput, do CP). As penas
cominadas ao crime em estudo aplicam-se em dobro, se ele for cometido por
ocasião de calamidade pública (art. 266, parágrafo único, do CP).

9.3 Crimes contra a saúde pública


9.3.1 Epidemia

A epidemia é causada mediante a propagação de germes


patogênicos. Aquele que adotar essa conduta incorre no delito descrito no

109
caput do artigo 267 do Código Penal. Ser-lhe-á aplicada em dobro a pena,
caso alguma morte resulte da epidemia.
É possível o cometimento de crime culposo, conforme expressa
previsão do parágrafo segundo, do artigo 267 do Código Penal.

9.3.2 Infração de medida sanitária preventiva

O artigo 268 tipifica a conduta daquele que, inobstante determinação


do poder público, tendente a impedir introdução ou propagação de doença
contagiosa, a infringe. Se o agente for funcionário da saúde pública ou
exercer a profissão de médico, farmacêutico, dentista ou enfermeiro, terá a
pena aumentada em 1/3 (um terço).

9.3.3 Omissão de notificação de doença

Determinadas doenças devem ser imediatamente notificadas ao


poder público, tão logo sejam constatadas. Quando o médico deixa de fazer
essa notificação, comete o crime descrito no artigo 269 do Código Penal.
A norma em análise é uma norma penal em branco, pois depende de
atividade complementadora, que estipule quais doenças são de notificação
compulsória.

9.3.4 Envenenamento de água potável ou de substância alimentícia ou


medicinal

É crime sujeito à reclusão, de 10 (dez) a 15 (quinze) anos, envenenar


água potável, de uso comum ou particular, ou substância alimentícia ou
medicinal destinada a consumo (art. 270, caput, do CP). Na mesma pena
está sujeito aquele que entrega para consumo ou tem em depósito, para o
fim de ser distribuída, a água ou substância envenenada.
Esse crime admite a modalidade culposa, conforme disposição do
parágrafo segundo, do artigo 270 do Código Penal.

9.3.5 Corrupção ou poluição de água potável

Também é criminosa a conduta de corromper ou poluir aguá potável,


de uso comum ou particular, de modo a torná-la imprópria para o consumo
ou nociva à saúde. Modalidade que, assim como a anterior, admite a forma
culposa.

9.3.6 Falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de substância


ou produtos alimentícios

Corromper, adulterar, falsificar ou alterar substância ou produto


alimentício destinado a consumo, tornando-o nocivo à saúde ou reduzindo-

110
lhe o valor nutritivo é crime descrito no caput do artigo 272 do Código Penal.
E nas mesmas penas incorre quem fabrica, vende, expõe à venda, importa,
tem em depósito para vender ou, de qualquer forma, distribui ou entrega a
consumo a substância alimentícia ou o produto falsificado, corrompido ou
adulterado. Penas que também sujeitam àquele que praticar qualquer das
ações anteriormente descritas, em relação a bebidas, com ou sem teor
alcoólico.
O crime em análise admite a forma culposa (art. 272, §2º, do CP).

9.3.7 Falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto


destinado a fins terapêuticos ou medicinais

O crime em questão é extremamente mais grave que o descrito


anteriormente. Neste, sujeita-se à pena de reclusão, de 10 (dez) a 15
(quinze) anos, e multa, aquele que falsificar, corromper, adulterar ou alterar
produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais (art. 273, caput, do CP).
E nas mesmas penas incorre quem importa, vende, expõe à venda, tem em
depósito para vender ou, de qualquer forma, distribui ou entrega a consumo
o produto falsificado, corrompido, adulterado ou alterado (art. 273, §1º, do
CP).
Entre os produtos a que se refere o artigo em estudo, incluem-se os
medicamentos, as matérias-primas, os insumos farmacêuticos, os
cosméticos, os saneantes e os de uso em diagnóstico.
Admite-se a modalidade culposa, nos termos do parágrafo segundo
do mencionado artigo.

9.3.8 Emprego de processo proibido ou de substância não permitida

É proibido empregar, no fabrico de produto destinado a consumo,


revestimento, gaseificação artificial, matéria corante, substância aromática,
antisséptica, conservadora ou qualquer outra não expressamente permitida
pela legislação sanitária, sob pena de incorrer na conduta descrita no artigo
274 do Código Penal.
Nas mesmas penas incorre aquele que vender, expor à venda, ter em
depósito para vender ou, de qualquer forma, entregar a consumo produto
nas condições mencionadas.

9.3.9 Invólucro ou recipiente com falsa indicação

Também proibido é inculcar, em invólucro ou recipiente de produtos


alimentícios, terapêuticos ou medicinais, a existência de substância que não
se encontra em seu conteúdo ou que nele existe em quantidade menor que
a mencionada, sob pena de cometimento do crime descrito no artigo 275 do
Código Penal.

111
Nas mesmas penas incorre aquele que vender, expor à venda, ter em
depósito para vender ou, de qualquer forma, entregar a consumo produto
nas condições mencionadas.

9.3.10 Substância destinada à falsificação

É vedado vender, expor à venda, ter em depósito ou ceder substância


destinada à falsificação de produtos alimentícios, terapêuticos ou medicinais,
sob pena de cometimento do crime tipificado no artigo 277 do Código Penal.

9.3.11 Outras substâncias nocivas à saúde pública

O artigo 278 do Código Penal foi editado para albergar a vedação à


fabricação, venda, exposição à venda, manutenção em depósito para venda,
ou a qualquer outra forma de entrega a consumo de coisa ou substância
nociva à saúde, ainda que não destinada a alimentação ou a fim medicinal.
Admite a modalidade culposa, conforme redação do parágrafo único
do dispositivo em estudo.

9.3.12 Medicamento em desacordo com receita médica

Se há fornecimento doloso de substância medicinal em desacordo


com receita médica, o agente sujeita-se à pena de detenção, de 1 (um) a 3
(três) anos, ou multa. Mas se o fornecimento for culposo, a pena aplicável
será de detenção, de 2 (dois) meses a 1 (um) ano.

9.3.13 Exercício ilegal da medicina, arte dentária ou farmacêutica

Quem exercer, ainda que a título gratuito, a profissão de médico,


dentista ou farmacêutico, sem autorização legal ou excedendo-lhe os limites,
comete o crime descrito no artigo 282 do Código Penal, sem que se possa
falar em modalidade culposa.
Caso o crime tenha se praticado com a finalidade de lucro, além da
pena privativa de liberdade, aplica-se também a de multa.

9.3.14 Charlatanismo

O charlatanismo é o ato de inculcar (propor) ou anunciar cura por


meio secreto ou infalível, conduta descrita como criminosa pelo artigo 283 do
Código Penal.

112
9.3.15 Curandeirismo

Prescreve o artigo 284 do Código Penal que é típica a conduta de


exercer o curandeirismo:
a) prescrevendo, ministrando ou aplicando, habitualmente, qualquer
substância;
b) usando gestos, palavras ou qualquer outro meio;
c) fazendo diagnósticos.
Em qualquer dos casos, a pena prevista é de detenção, de 6 (seis)
meses a 2 (dois) anos, e, se o crime é praticado mediante remuneração, o
agente fica também sujeito à multa.

10. Crimes contra a paz pública

São apenas 3 (três) as condutas típicas descritas pelo Código Penal


no Título que dispõe sobre os crimes contra a paz pública.
A primeira delas é a incitação ao crime, conforme redação do artigo
286 do Código Penal. Publicar em jornal matéria incitando à prática do
aborto, por exemplo, configura a conduta descrita nesse tipo penal.
A segunda, presente no artigo 287 do Código Penal, tipifica a conduta
de fazer, publicamente, apologia de fato criminoso ou de autor de crime.
Apologia é o discurso em defesa de algo, nesse caso, a “propaganda” em
relação a determinado crime ou autor de crime.
Por fim, também configura crime contra a paz pública a associação de
mais de 3 (três) pessoas, em quadrilha ou bando, com a finalidade de
cometer crimes (art. 288, caput, do CP). Note-se, mais de 3 (três) pessoas,
ou seja, exige-se que ao menos 4 (quatro) pessoas estejam associadas com
a finalidade de cometer crimes, só com o que se poderá falar em quadrilha
ou bando. Comprovada essa finalidade, a conduta é punível
independentemente da prática efetiva de algum crime, e a pena será
aplicada em dobro se a quadrilha ou bando for armada (art. 288, parágrafo
único, do CP).

11. Crimes contra a fé pública


11.1 Moeda falsa

São quatro os tipos penais descritos no Capítulo destinado à moeda


falsa, pelo Código Penal.
O primeiro deles dispõe acerca da moeda falsa, tipificando a conduta
de quem falsificar, fabricando-a ou alterando-a, moeda metálica ou papel-
moeda de curso legal no país ou no estrangeiro (art. 289, caput, do CP). E
nas mesmas penas incorre quem, por conta própria ou alheia, importa ou
exporta, adquire, vende, troca, cede, empresta, guarda ou introduz na
circulação moeda falsa (art. 289, §1º, do CP).

113
Aquele que recebe de boa-fé, como verdadeira, meda falsa ou
alterada, e restitui à circulação, depois de conhecer a falsidade, também
pratica conduta típica (art. 289, §2º, do CP).
Também incorre em crime o funcionário público ou diretor, gerente ou
fiscal de banco de emissão oficial que fabrica, emite ou autoriza a fabricação
ou emissão: a) de moeda com título ou peso inferior ao determinado em lei;
b) de papel-moeda em quantidade superior à autorizada. E nas mesmas
penas incorre quem desvia e faz circular moeda, cuja circulação não estava
ainda autorizada (art. 289, §4º, do CP).
O artigo 290 do Código Penal apresenta a tipificação em relação a
crimes assemelhados ao de moeda falsa. Segundo aludido dispositivo, é
punível a conduta daquele que formar cédula, nota ou bilhete representativo
de moeda com fragmentos de cédulas, notas ou bilhetes verdadeiros, ou
suprimir, em nota, cédula ou bilhete recolhidos, para o fim de restituí-los à
circulação, sinal indicativo de sua inutilização, ou, ainda, restituir à circulação
cédula, nota ou bilhete em tais condições, ou já recolhidos para o fim de
inutilização.
Também é criminosa a conduta daquele que fabrica, adquire, fornece,
a título oneroso ou gratuito, possui ou guarda maquinismo, aparelho,
instrumento ou qualquer objeto especialmente destinado à falsificação de
moeda, conforme artigo 291 do Código Penal (petrechos para falsificação de
moeda).
Por fim, o artigo 292 do Código Penal dispõe como típica a conduta
de quem emite título (nota, bilhete, ficha, vale ou título que contenha
promessa de pagamento em dinheiro ao portador) ao portador sem
permissão legal, assim como a conduta de quem recebe ou utiliza como
dinheiro qualquer dos títulos mencionados.

11.2 Falsidade de títulos e outros papéis públicos

Dispõe o artigo 293 acerca da falsificação de papéis públicos.


Segundo mencionado dispositivo, é vedada a falsificação, fabricação ou
alteração de: a) selo destinado a controle tributário, papel selado ou
qualquer papel de emissão legal destinado à arrecadação de tributo; b)
papel de crédito público que não seja moeda de curso legal; c) vale postal;
d) cautela de penhor, caderneta de depósito de caixa econômica ou de outro
estabelecimento mantido por entidade de direito público; e) talão, recibo,
guia, alvará ou qualquer outro documento relativo a arrecadação de rendas
públicas ou a depósito ou caução por que o poder público seja responsável;
ou f) bilhete, passe ou conhecimento de empresa de transporte administrada
pela União, por Estado ou por Município.
Nas mesmas penas incorre quem:
I - usa, guarda, possui ou detém qualquer dos papéis falsificados
acima mencionados;
II - importa, exporta, adquire, vende, troca, cede, empresta, guarda,
fornece ou restitui à circulação selo falsificado destinado a controle tributário;

114
III - importa, exporta, adquire, vende, expõe à venda, mantém em
depósito, guarda, troca, cede, empresta, fornece, porta ou, de qualquer
forma, utiliza em proveito próprio ou alheio, no exercício de atividade
comercial ou industrial, produto ou mercadoria:
a) em que tenha sido aplicado selo que se destine a controle
tributário, falsificado;
b) sem selo oficial, nos casos em que a legislação tributária
determina a obrigatoriedade de sua aplicação.
Considera-se atividade comercial, conforme redação do parágrafo
quinto do artigo 293, qualquer forma de comércio irregular ou clandestino,
inclusive o exercido em vias, praças ou outros logradouros públicos e em
residências.
Assim como ocorre em relação ao delito de moeda falsa, também em
relação à falsificação de documentos públicos são puníveis os petrechos de
falsificação. Segundo o artigo 294 do Código Penal, é punível a conduta de
todo aquele que fabricar adquirir, fornecer, possuir ou guardar objeto
especialmente destinado à falsificação de qualquer dos papéis anteriormente
mencionados.
Se o agente for funcionário público e tiver cometido o crime
prevalecendo-se do cargo, sofrerá aumento de pena de 1/6 (um sexto),
conforme estipula o artigo 295 do Código Penal.

11.3 Falsidade documental

O artigo 296 veda que sejam falsificados, mediante fabricação ou


alteração:
a) o selo público destinado a autenticar atos oficiais da União, de
Estado ou de Município; e
b) o selo ou sinal atribuído por lei a entidade de direito público, ou a
autoridade, ou sinal público de tabelião.
E nas mesmas penas incorre quem:
a) faz uso do selo ou sinal falsificado;
b) utiliza indevidamente o selo ou sinal verdadeiro em prejuízo de
outrem ou em proveito próprio ou alheio.
c) altera, falsifica ou faz uso indevido de marcas, logotipos, siglas ou
quaisquer outros símbolos utilizados ou identificadores de órgãos ou
entidades da Administração Pública.
Se o agente for funcionário público e cometer o crime valendo-se do
cargo, aumenta-se a pena de 1/6 (um sexto).
Enquanto o artigo 297 trata da falsificação de documento público, o
artigo 298 trata da falsificação de documento particular.
No primeiro caso, comete crime aquele que falsificar, no todo ou em
parte, documento público, ou alterar documento público verdadeiro. Se o
agente for funcionário público e cometer o crime valendo-se do cargo,

115
aumenta-se a pena de 1/6 (um sexto). Para fins penais, equiparam-se a
documento público o emanado de entidade paraestatal, o título ao portador
ou transmissível por endosso, as ações de sociedade comercial, os livros
mercantis e o testamento particular (art. 297, §2º, do CP). Nas mesmas
penas previstas para o caput do artigo 297, incorre quem insere ou faz
inserir: a) na folha de pagamento ou em documento de informações que seja
destinado a fazer prova perante a previdência social, pessoa que não
possua a qualidade de segurado obrigatório; b) na Carteira de Trabalho e
Previdência Social do empregado ou em documento que deva produzir efeito
perante a previdência social, declaração falsa ou diversa da que deveria ter
sido escrita; c) em documento contábil ou em qualquer outro documento
relacionado com as obrigações da empresa perante a previdência social,
declaração falsa ou diversa da que deveria ter constado. Também incorre
nas mesmas penas, conforme salienta o parágrafo quarto do artigo 297,
quem omite, nos documentos acima mencionados, nome do segurado e
seus dados pessoais, a remuneração, a vigência do contrato de trabalho ou
de prestação de serviços.
Já o segundo caso, que trata da falsificação de documento particular,
dispõe como típica a conduta daquele que falsificar, no todo ou em parte,
documento particular ou alterar documento particular verdadeiro.
O artigo 299, por sua vez, aborda o delito de falsidade ideológica.
Comete esse crime quem omitir, em documento público ou particular,
declaração que dele devia constar, ou nele inserir ou fazer inserir declaração
falsa ou diversa da que devia ser escrita, com o fim de prejudicar direito,
criar obrigação ou alterar a verdade sobre fato juridicamente relevante.
A pena para o crime de falsidade ideológica é de reclusão, de 1 (um)
a 5 (cinco) anos, e multa, se o documento é público, e reclusão de 1 (um) a
3 (três) anos, e multa, se o documento é particular.
Se o agente que comete a falsidade ideológica é funcionário público,
e se vale do cargo para cometê-lo, ou se a falsificação ou alteração é de
assentamento de registro civil, aumenta-se a pena em 1/6 (um sexto).
Também é criminosa a conduta de quem reconhece, como
verdadeira, no exercício de função pública, firma ou letra que o não seja (art.
300, do CP).
Conforme tipifica o caput artigo 301 do Código Penal, pratica um fato
típico aquele que atestar ou certificar falsamente, em razão de função
pública, fato ou circunstância que habilite alguém a obter cargo público,
isenção de ônus ou de serviço de caráter público, ou qualquer outra
vantagem (certidão ou atestado ideologicamente falso). Consoante
parágrafo primeiro do artigo em estudo, também comete crime quem
falsifica, no todo ou em parte, atestado ou certidão, ou altera o teor de
certidão ou de atestado verdadeiro, para prova de fato ou circunstância que
habilite alguém a obter cargo público, isenção de ônus ou de serviço de
caráter público, ou qualquer outra vantagem (crime de falsidade material de
atestado ou certidão). Em qualquer caso, se o crime for praticado com intuito
de lucro, aplica-se, além da pena privativa de liberdade, a de multa.
O artigo 302 do Código Penal tipifica a conduta de falsificação de
atestado médico. Segundo o dispositivo em análise, comete crime o médico

116
que, no exercício de sua profissão, dá atestado falso. Se o crime for
praticado com intuito de lucro, aplica-se também a pena de multa.
Quem faz uso de qualquer dos documentos falsificados ou alterados,
dos artigo 297 a 302, comete o crime de uso de documento falso, previsto no
artigo 304 do Código Penal, e sujeita-se a pena cominada para à falsificação
ou à alteração respectiva.
É vedado pelo artigo 303 do Código Penal, reproduzir ou alterar selo
ou peça filatélica que tenha valor para coleção, salvo quando a reprodução
ou a alteração está visivelmente anotada na face ou no verso do selo ou
peça.
Por fim, o artigo 305 do Código Penal dispõe acerca do crime de
supressão de documento, tipificando a conduta daquele que destrói, suprime
ou oculta, em benefício próprio ou de outrem, ou em prejuízo alheio,
documento público ou particular verdadeiro, de que não podia dispor.

11.4 Outras falsidades

O primeiro artigo que abre o último capítulo dos crimes contra a fé


pública, tipifica a conduta de falsificação do sinal empregado no contraste de
metal precioso ou na fiscalização alfandegária. Segundo o artigo 306 do
Código Penal, incorre em crime aquele que falsificar, fabricando-o ou
alterando-o, marca ou sinal empregado pelo poder público no contraste de
metal precioso ou na fiscalização alfandegária, ou usar marca ou sinal dessa
natureza, falsificado por outrem.
Já os artigos 307 e 308 do Código Penal tratam da falsa identidade.
Segundo o artigo 307, é vedado atribuir-se ou atribuir a terceiro falsa
identidade para obter vantagem, em proveito próprio ou alheio, ou para
causar dano a outrem. O artigo 308, por sua vez, veda o uso, como próprio,
de passaporte, título de eleitor, caderneta de reservista ou qualquer
documento de identidade alheia, assim como o ato de ceder a outrem, para
que dele se utilize, documento dessa natureza, próprio ou de terceiro.
O artigo 309 do Código Penal dispõe como crime a conduta do
estrangeiro que, para entrar ou permanecer no território nacional, utilizar
nome que não é o seu.
Também é criminosa a conduta daquele que preste-se a figurar como
proprietário ou possuidor de ação, título ou valor pertencente a estrangeiro,
nos casos em que a este é vedada por lei a propriedade ou a posse de tais
bens (art. 310, do CP).
Por fim, o artigo 311 do Código Penal dispõe como crime a conduta
de quem adulterar ou remarcar número de chassi ou qualquer sinal
identificador de seu veículo automotor, de seu componente ou equipamento.
Se o agente que comete esse crime está no exercício da função pública ou
em razão dela, terá sua pena aumentada de 1/3 (um terço). Nas mesmas
penas incorre o funcionário público que contribui para o licenciamento ou
registro do veículo remarcado ou adulterado, fornecendo indevidamente
material ou informação oficial (art. 311, §2º, do CP).

117
12. Crimes contra a administração pública
12.1 Crimes praticados por funcionário público contra a administração
em geral

Funcionário público, para fins penais, é aquele que embora sem


remuneração e de forma transitória, exerce cargo, emprego ou função
pública. Equipara-se a funcionário público quem exerce cargo, emprego ou
função em entidade paraestatal, e quem trabalha para empresa prestadora
de serviço contratada ou conveniada para a execução de atividade típica da
Administração Pública.
Verifica-se que o conceito de funcionário público para fins penais é
extremamente mais amplo que o conceito utilizado pelo Direito
Administrativo.
É importante frisar que quando particulares exercerem condutas
típicas juntamente com funcionários públicos, cientes de que estes ostentam
essa condição, incorrerão nas mesmas penas, pois há que se lembrar a
comunicabilidade, entre co-autores e partícipes, das circunstâncias
elementares dos crimes.

12.1.1 Peculato

O caput do artigo 312 do Código Penal tipifica a conduta do peculato


apropriação (ou desvio), verificável quando o funcionário público se apropria
de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel, público ou particular, de que
tem a posse em razão do cargo, ou o desvia, em proveito próprio ou alheio.
O parágrafo primeiro do dispositivo em estudo tipifica a conduta do
peculato furto, verificável quando o funcionário público, embora não tendo a
posse do dinheiro, valor ou bem, o subtrai, ou concorre para que seja
subtraído, em proveito próprio ou alheio, valendo-se de facilidade que lhe
proporciona a qualidade de funcionário.
Já o parágrafo segundo do mesmo artigo apresenta a figura do
peculato culposo, que ocorre quando o funcionário público concorre
culposamente para o crime de outrem. Nesse caso, se ocorrer a reparação
do dano, antes da sentença irrecorrível, haverá extinção da punibilidade, e
se ocorrer depois, haverá redução de metade da pena imposta.
O artigo 313 do Código Penal tipifica a conduta do peculato mediante
erro de outrem, dispondo que nele incorre quem se apropria de dinheiro ou
qualquer utilidade que, no exercício do cargo, recebeu por erro de outrem.

12.1.2 Inserção de dados falsos em sistema de informações

O artigo 313-A do Código Penal tipifica a conduta do funcionário


autorizado que inserir ou facilitar a inserção de dados falsos, alterar ou
excluir indevidamente dados corretos nos sistemas informatizados ou
bancos de dados da Administração Pública com o fim de obter vantagem
indevida para si ou para outrem ou para causar dano.

118
12.1.3 Modificação ou alteração não autorizada de sistema de
informações

Enquanto o artigo 313-A trata da inserção de dados falsos, o artigo


313-B do Código Penal tipifica as condutas de modificação e alteração não
autorizada, por funcionário público, de sistema de informação ou programa
de informática sem autorização ou solicitação de autoridade competente.
Nesse caso, haverá aumento de pena de 1/3 (um terço) até a metade se da
modificação ou alteração resultar dano para a Administração Pública ou para
o administrado.

12.1.4 Extravio, sonegação ou inutilização de livro ou documento

É crime previsto no artigo 314 do Código Penal, extraviar livro oficial


ou qualquer documento, de que tem a guarda em razão do cargo, assim
como sonegá-lo ou inutilizá-lo, total ou parcialmente.

12.1.5 Emprego irregular de verbas ou rendas públicas

Empregar irregularmente verbas ou rendas públicas, dando-lhe


aplicação diversa da estabelecida em lei é crime, e sujeita o infrator à pena
de detenção de 1 (um) a 3 (três) meses, ou multa.

12.1.6 Concussão

Verifica-se a concussão quando o funcionário público exige, para si ou


para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da função ou antes de
assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida, conforme estipulação
contida no caput do artigo 316 do Código Penal.
No parágrafo primeiro do aludido dispositivo, encontra-se a figura do
excesso de exação, verificável quando o funcionário público exige tributo ou
contribuição social que sabe ou deveria saber indevido, ou, quando devido,
emprega na cobrança meio vexatório ou gravoso, que a lei não autoriza.

12.1.7 Corrupção passiva

Verifica-se a corrupção passiva quando o funcionário público solicita


ou recebe, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da
função ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida, ou
quando aceita promessa de tal vantagem, conforme redação do caput do
artigo 317 do Código Penal.
A pena da corrupção passiva aumenta-se de 1/3 (um terço) se, em
consequência da vantagem ou promessa, o funcionário retarda ou deixa de
praticar qualquer ato de ofício ou o pratica infringindo dever funcional (art.
317, §1º, do CP).

119
Também configura corrupção passiva a conduta de funcionário
público que pratica, deixa de praticar ou retarda ato de ofício, com infração
do dever funcional, cedente a pedido ou influência de outrem.

12.1.8 Facilitação de contrabando ou descaminho

Se houver infração do dever funcional, para facilitação da prática de


contrabando ou descaminho, incorrerá o agente no fato típico do artigo 318
do Código Penal, e estará sujeito à pena de reclusão, de 3 (três) a 8 (oito)
anos, e multa

12.1.9 Prevaricação

A prevaricação é o crime que se consuma mediante a conduta de


retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou de praticá-lo
contra disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento
pessoal (art. 319, do CP).
Recente inclusão no Código Penal foi o artigo 319-A, que tipificou a
conduta do Diretor de Penitenciária e/ou agente público que deixar de
cumprir seu dever de vedar ao preso o acesso a aparelho telefônico, de
rádio ou similar, que permita a comunicação com outros presos ou com o
ambiente externo.

12.1.10 Condescendência criminosa

A condescendência criminosa ocorre quando o funcionário público


deixa, por indulgência, de responsabilizar subordinado que cometeu infração
no exercício do cargo ou, quando lhe falte competência, não levar o fato ao
conhecimento da autoridade competente.

12.1.11 Advocacia administrativa

É também criminosa a conduta do funcionário público que patrocina,


direta ou indiretamente, interesse privado perante a administração pública,
valendo-se de sua qualidade, caso em que se sujeita à pena de detenção,
de 1 (um) a 3 (três) meses, ou multa. No entanto, se o interesse patrocinado
for ilegítimo, a pena aplicável será de detenção, de 3 (três) meses a 1 (um)
ano, além da multa.

12.1.12 Violência arbitrária

O funcionário que praticar violência, no exercício de função ou a


pretexto de exercê-la, incorre na conduta típica do artigo 322 do Código

120
Penal, e se sujeita à pena de detenção, de 6 (seis) meses a 3 (três) anos,
além da pena correspondente à violência.

12.1.13 Abandono de função

É típica a conduta daquele que abandona o cargo público, fora das


hipóteses legalmente permitidas (art. 323, caput, do CP). E agrava-se a
conduta se do fato resultar prejuízo público (art. 323, §1º, do CP), assim
como se o fato ocorrer em lugar compreendido na faixa de fronteira (art. 323,
§2º, do CP).

12.1.14 Exercício funcional ilegalmente antecipado ou prolongado

O artigo 324 do Código Penal dispõe que comete crime aquele que
entrar no exercício de função pública antes de satisfeitas as exigências
legais, ou continuar a exercê-la, sem autorização, depois de saber
oficialmente que foi exonerado, removido, substituído ou suspenso.

12.1.15 Violação de sigilo funcional

Revelar fato de que tem ciência em razão do cargo e que deva


permanecer em segredo, ou facilitar-lhe a revelação, é crime previsto no
caput do artigo 325 do Código Penal. E nas mesmas penas incorre quem:
a) permite ou facilita, mediante atribuição, fornecimento e empréstimo
de senha ou qualquer outra forma, o acesso de pessoas não autorizadas a
sistemas de informações ou banco de dados da Administração Pública;
b) se utiliza, indevidamente, do acesso restrito.

12.1.16 Violação do sigilo de proposta de concorrência

A conduta de quem devassa o sigilo de proposta de concorrência


pública, ou proporciona a terceiro o ensejo de devassá-lo, descrita pelo
artigo 326 do Código Penal, foi revogada tacitamente pelo artigo 94 da Lei
de Licitações (Lei n.º 8.666/93).

12.2 Crimes praticados por particular contra a administração em geral


12.2.1 Usurpação de função pública

Usurpar a função pública é assumi-la indevidamente através de algum


meio fraudulento. A mera usurpação, por si só, configura o crime descrito no
caput do artigo 328 do Código Penal, mas se do fato o agente auferir
vantagem, sujeitar-se-á a aplicação de pena mais gravosa, conforme
estipula o parágrafo único do mencionado artigo.

121
12.2.2 Resistência

O crime de resistência ocorre quando alguém opõe-se à execução de


ato legal, mediante violência ou ameaça a funcionário competente para
executá-lo ou a quem lhe esteja prestando auxílio. Nesse caso, o agente se
sujeitará a pena de detenção, de 2 (dois) meses a 2 (dois) anos. Mas se o
ato, em razão da resistência, não se executar, a pena aplicável será de
reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos.
As penas pela prática do crime de resistência aplicam-se sem prejuízo
das correspondentes à violência.

12.2.3 Desobediência

Se alguém desobedecer a ordem legal de funcionário público, pratica


do crime de desobediência, e sujeita-se à pena de detenção, de 15 (quinze)
dias a 6 (seis) meses, e multa.

12.2.4 Desacato

Desacatar é desrespeitar, desprezar o funcionário público que esteja


no exercício de sua função ou em razão dela, caso em que a pena prevista é
de detenção, 6 (seis) meses a 2 (dois) anos, ou multa.

12.2.5 Tráfico de Influência

Ocorre o tráfico de influência quando alguém solicita, exige, cobra ou


obtém, para si ou para outrem, vantagem ou promessa de vantagem, a
pretexto de influir em ato praticado por funcionário público no exercício da
função. Nesse caso, a pena será aumentada da metade, se o agente alega
ou insinua que a vantagem é também destinada ao funcionário.

12.2.6 Corrupção ativa

Verifica-se a corrupção ativa quando alguém oferece ou promete


vantagem indevida a funcionário público, para determiná-lo a praticar, omitir
ou retardar ato de ofício (art. 333, caput, do CP). Nesse caso, a pena será
aumentada de 1/3 (um terço) se, em razão da vantagem ou promessa, o
funcionário retarda ou omite ato de ofício, ou o pratica infringindo dever
funcional.

12.2.7 Contrabando ou descaminho

Contrabando é a importação ou exportação de mercadoria proibida no


território nacional. Já o descaminho é a importação ou exportação de

122
mercadoria lícita, porém, sem o devido recolhimento, total ou parcial, do
imposto devido pela sua entrada ou saída.
Na mesma pena de quem importa ou exporta produto, mediante ato
de contrabando ou descaminho, incorre quem:
a) pratica navegação de cabotagem, fora dos casos permitidos em lei;
b) pratica fato assimilado, em lei especial, a contrabando ou
descaminho;
c) vende, expõe à venda, mantém em depósito ou, de qualquer forma,
utiliza em proveito próprio ou alheio, no exercício de atividade comercial ou
industrial, mercadoria de procedência estrangeira que introduziu
clandestinamente no País ou importou fraudulentamente ou que sabe ser
produto de introdução clandestina no território nacional ou de importação
fraudulenta por parte de outrem;
d) adquire, recebe ou oculta, em proveito próprio ou alheio, no
exercício de atividade comercial ou industrial, mercadoria de procedência
estrangeira, desacompanhada de documentação legal, ou acompanhada de
documentos que sabe serem falsos.
Equipara-se à atividade comercial, para fins de contrabando ou
descaminho, qualquer forma de comércio irregular ou clandestino de
mercadorias estrangeiras, inclusive o exercido em residências (art. 334, §2º,
do CP).
Se o contrabando ou descaminho for praticado em transporte aéreo, a
pena deve ser aplicada em dobro (art. 334, §3º, do CP).

12.2.8 Impedimento, perturbação ou fraude de concorrência

São típicas as condutas de impedir, perturbar ou fraudar concorrência


pública ou venda em hasta pública, promovida pela administração federal,
estadual ou municipal, ou por entidade paraestatal, assim como afastar ou
procurar afastar concorrente ou licitante, por meio de violência, grave
ameaça, fraude ou oferecimento de vantagem (art. 335, do CP). Na mesma
pena incorre quem se abstém de concorrer ou licitar, em razão da vantagem
oferecida.

12.2.9 Inutilização de edital ou de sinal

Aquele que rasgar ou, de qualquer forma, inutilizar ou conspurcar


edital afixado por ordem de funcionário público, ou que violar ou inutilizar
selo ou sinal empregado, por determinação legal ou por ordem de
funcionário público, para identificar ou cerrar qualquer objeto, comete crime,
conforme redação legal do artigo 336 do Código Penal.

123
12.2.10 Subtração ou inutilização de livro ou documento

Também é típica a conduta de subtração, ou inutilização, total ou


parcial, de livro oficial, processo ou documento confiado à custódia de
funcionário público, em razão de ofício, ou de particular em serviço público.

12.2.11 Sonegação de contribuição previdenciária

O delito descrito no artigo 337-A foi incluído no Código Penal pela Lei
n.º 9.983/2000, e tipificou as condutas daquele que suprime ou reduz
contribuição social previdenciária e qualquer acessório, mediante as
seguintes condutas:
a) omitir de folha de pagamento da empresa ou de documento de
informações previsto pela legislação previdenciária segurados empregado,
empresário, trabalhador avulso ou trabalhador autônomo ou a este
equiparado que lhe prestem serviços;
b) deixar de lançar mensalmente nos títulos próprios da contabilidade
da empresa as quantias descontadas dos segurados ou as devidas pelo
empregador ou pelo tomador de serviços;
c) omitir, total ou parcialmente, receitas ou lucros auferidos,
remunerações pagas ou creditadas e demais fatos geradores de
contribuições sociais previdenciárias.
Para este crime, será extinta a punibilidade se o agente,
espontaneamente, declarar e confessar as contribuições, importâncias ou
valores e prestar as informações devidas à Previdência Social, na forma
definida em lei ou regulamento, antes do início da ação fiscal (art. 337-A,
§1º, do C).
Faculta-se ao juiz deixar de aplicar a pena ou aplicar somente a de
multa se o agente for primário e de bons antecedentes, desde que o valor
das contribuições devidas, inclusive acessórios, seja igual ou inferior àquele
estabelecido pela previdência social, administrativamente, como sendo o
mínimo para o ajuizamento de suas execuções fiscais.
Quando o empregador não for pessoa jurídica e sua folha de
pagamento mensal não ultrapassar R$ 1.510,00 (mil quinhentos e dez reais),
o juiz pode reduzir a pena de 1/3 (um terço) até a metade ou aplicar apenas
a de multa (art. 337-A, §3º, do CP).

12.3 Crimes praticados por particular contra a administração pública


estrangeira

Considera-se funcionário público estrangeiro, para os efeitos penais,


quem, ainda que transitoriamente ou sem remuneração, exerce cargo,
emprego ou função pública em entidades estatais ou em representações
diplomáticas de país estrangeiro.
E equipara-se a funcionário público estrangeiro quem exerce cargo,
emprego ou função em empresas controladas, diretamente ou indiretamente,

124
pelo Poder Público de país estrangeiro ou em organizações públicas
internacionais.

12.3.1 Corrupção ativa em transação comercial internacional

Comete essa específica hipótese de corrupção ativa, aquele que


prometer, oferecer ou dar, direta ou indiretamente, vantagem indevida a
funcionário público estrangeiro, ou a terceira pessoa, para determiná-lo a
praticar, omitir ou retardar ato de ofício relacionado à transação comercial
internacional.
A pena para o crime em análise será aumentada de 1/3 (um terço),
se, em razão da vantagem ou promessa, o funcionário público estrangeiro
retarda ou omite o ato de ofício, ou o pratica infringindo dever funcional.

12.3.2 Tráfico de influência em transação comercial internacional

O tráfico de influência em transação comercial internacional ocorre


quando há solicitação de exigência, cobrança ou obtenção, para si ou para
outrem, de forma direta ou indireta, de vantagem ou promessa de vantagem
a pretexto do exercício de influência em ato a ser praticado por funcionário
público estrangeiro no exercício de suas funções, relacionado a transação
comercial internacional.
A pena será aumentada da metade, quando o agente alegar ou
insinuar que a vantagem também será destinada ao funcionário estrangeiro.

12.4 Crimes contra a administração da justiça


12.4.1 Reingresso de estrangeiro expulso

O primeiro dos crimes contra a administração da Justiça é o


reingresso de estrangeiro expulso, que se verifica quando há o reingresso no
território nacional do estrangeiro que dele tenha sido expulso. Nesse caso,
além da pena privativa de liberdade, o estrangeiro estará sujeito a nova
expulsão após o cumprimento da mesma.

12.4.2 Denunciação caluniosa

Denunciação caluniosa é dar causa à instauração de investigação


policial, de processo judicial, instauração de investigação administrativa,
inquérito civil ou ação de improbidade administrativa contra alguém,
imputando-lhe crime de que o sabe inocente.
A pena para a denunciação caluniosa deve ser aumentada da sexta
parte, quando o agente se servir do anonimato ou de nome suposto. E deve
ser diminuída de metade, se a imputação é de prática de contravenção.

125
12.4.3 Comunicação falsa de crime ou de contravenção

Quem provocar a ação de autoridade, comunicando-lhe a ocorrência


de crime ou de contravenção que sabe não se ter verificado, comete o crime
descrito no artigo 340 do Código Penal, e se sujeita à pena de detenção, de
1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.

12.4.4 Auto-acusação falsa

Também é criminosa a conduta de acusar-se, perante a autoridade,


de crime inexistente ou praticado por outrem, conforme dispõe o artigo 341
do Código Penal.

12.4.5 Falso testemunho ou falsa perícia

Comete o crime de falso testemunho ou falsa perícia aquele que fizer


afirmação falsa, ou negar ou calar a verdade como testemunha, perito,
contador, tradutor ou intérprete em processo judicial, ou administrativo,
inquérito policial, ou em juízo arbitral.
O crime de falso testemunho ou falsa perícia é crime de mão própria,
isto é, só pode ser cometido pela própria testemunha ou perito, não sendo
possível cometê-lo por intermédio de outrem. Esse crime não admite co-
autoria, embora admita participação. Um exemplo típico de partícipe no
crime de falso testemunho é o do advogado, que incentiva a realização da
falsa afirmação por parte da testemunha.
As penas para o crime de falso testemunho ou falsa perícia
aumentam-se de 1/6 (um sexto) a 1/3 (um terço), se o crime é praticado
mediante suborno ou se cometido com o fim de obter prova destinada a
produzir efeito em processo penal, ou em processo civil em que for parte
entidade da administração pública direta ou indireta (ar. 342, §1º, do CP).
O crime de falso testemunho ou falsa perícia possui uma
peculiaridade, que é a possibilidade de retratação ou declaração da verdade,
que quando feita antes de ser prolatada a sentença no processo em que
ocorreu o ilícito, faz com que o fato deixe de ser punível (art. 342, §2º, do
CP).
É também criminosa, conforme redação do artigo 343 do Código
Penal, a conduta de dar, oferecer ou prometer dinheiro ou qualquer outra
vantagem a testemunha, perito, contador, tradutor ou intérprete, para fazer
afirmação falsa, negar ou calar a verdade em depoimento, perícia, cálculos,
tradução ou interpretação. Nessa hipótese, as penas aumentam-se de 1/6
(um sexto) a 1/3 (um terço), se o crime é cometido com o fim de obter prova
destinada a produzir efeito em processo penal ou em processo civil em que
for parte entidade da administração pública direta ou indireta.

126
12.4.6 Coação no curso do processo

Ocorre a coação no curso do processo quando alguém usa de


violência ou grave ameaça, com a finalidade de favorecer interesse próprio
ou alheio, contra autoridade, parte, ou qualquer outra pessoa que funcione
ou seja chamada a intervir em processo judicial, policial ou administrativo, ou
em juízo arbitral.

12.4.7 Exercício arbitrário das próprias razões

Fazer justiça pelas próprias mãos, para satisfazer pretensão, embora


legítima, salvo quando a lei o permite é crime tipificado pelo caput do artigo
345 do Código Penal.
Em relação a essa conduta, se não houver o emprego de violência,
somente se procede mediante queixa.

12.4.8 Fraude processual

Verifica-se a fraude processual mediante a inovação artificiosa, na


pendência de processo civil ou administrativo, do estado de lugar, de coisa
ou de pessoa, com a finalidade de induzir a erro o juiz ou o perito (art. 347,
caput, do CP).
Se a inovação tiver como objetivo a produção de efeito em processo
penal, ainda que não iniciado, as penas devem ser aplicadas em dobro.

12.4.9 Favorecimento pessoal

O artigo 348 do Código Penal dispõe como favorecimento pessoal a


conduta daquele que auxiliar a subtrair-se (esconder-se) à ação de
autoridade pública autor de crime a que é cominada pena de reclusão, caso
em que o agente estará sujeito a pena de detenção, de 1 (um) a 6 (seis)
meses, e multa. Se ao crime não é cominada pena de reclusão, o agente
estará sujeito a pena de detenção, de 15 (quinze) dias a 3 (três) meses, e
multa.
Há isenção de pena se quem presta o auxílio é ascendente,
descendente, cônjuge ou irmão do criminoso.

12.4.10 Favorecimento real

O favorecimento real ocorre mediante a conduta daquele que presta a


criminoso, fora dos casos de co-autoria ou de receptação, auxílio destinado
a tornar seguro o proveito do crime, conforme redação do artigo 349 do
Código Penal.
E após a Lei n.º 12.012/09, também se considera como crime de
favorecimento real a conduta de quem ingressa, promove, intermedeia,

127
auxilia ou facilita a entrada de aparelho telefônico de comunicação móvel, de
rádio ou similar, sem autorização legal, em estabelecimento prisional.

12.4.11 Exercício arbitrário ou abuso de poder

Comete exercício arbitrário do poder aquele que ordenar ou executar


medida privativa de liberdade individual, sem as formalidades legais ou com
abuso de poder. E na mesma pena incorre o funcionário que:
a) ilegalmente recebe e recolhe alguém a prisão, ou a
estabelecimento destinado a execução de pena privativa de liberdade ou de
medida de segurança;
b) prolonga a execução de pena ou de medida de segurança,
deixando de expedir em tempo oportuno ou de executar imediatamente a
ordem de liberdade;
c) submete pessoa que está sob sua guarda ou custódia a vexame ou
a constrangimento não autorizado em lei;
d) efetua, com abuso de poder, qualquer diligência.

12.4.12 Fuga de pessoa presa ou submetida a medida de segurança

Promover ou facilitar a fuga de pessoa legalmente presa ou


submetida a medida de segurança detentiva é crime, e sujeita o agente à
pena de detenção, de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos.

12.4.13 Evasão mediante violência contra a pessoa

Também há crime quando ocorre a evasão ou tentativa de evasão


pelo preso ou indivíduo submetido a medida de segurança detentiva,
fazendo uso de violência contra a pessoa, conforme tipifica o artigo 352 do
Código Penal.

12.4.14 Arrebatamento de preso

A conduta descrita no artigo 353 do Código Penal tipifica a conduta


daquele que arrebatar (arrancar, tirar com violência) preso, a fim de maltratá-
lo, do poder de quem o tenha sob custódia ou guarda.

12.4.15 Motim de presos

Se os presos se amotinarem, perturbando a ordem ou a disciplina


prisão, incorrem no crime descrito no artigo 354 do Código Penal, e
sujeitam-se a pena de detenção, de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos, além da
pena correspondente à violência.

128
12.4.16 Patrocínio infiel

O artigo 354 do Código Penal dispõe como crime, trair, na qualidade


de advogado ou procurador, o dever profissional, prejudicando interesse,
cujo patrocínio, em juízo, lhe foi confiado.
Nas mesmas penas incorre o advogado ou procurador judicial que
defende na mesma causa, simultânea ou sucessivamente, partes contrárias,
delito conhecido como patrocínio simultâneo ou tergiversação.

12.4.17 Sonegação de papel ou objeto de valor probatório

É típica a conduta de inutilizar, total ou parcialmente, ou deixar de


restituir autos, documento ou objeto de valor probatório, que recebeu na
qualidade de advogado ou procurador, conduta que sujeita o agente à pena
de detenção, de 6 (seis) meses a 3 (três) anos, e multa.

12.4.18 Exploração de prestígio

Também típica é a conduta de solicitar ou receber dinheiro ou


qualquer outra utilidade, a pretexto de influir em juiz, jurado, órgão do
Ministério Público, funcionário de justiça, perito, tradutor, intérprete ou
testemunha (art. 357, do CP).
As penas desse delito aumentam-se de 1/3 (um terço), se o agente
alega ou insinua que o dinheiro ou utilidade também se destina a qualquer
das pessoas referidas pelo artigo.

12.4.19 Violência ou fraude em arrematação judicial

O crime de violência ou fraude em arrematação judicial ocorre quando


há o impedimento, perturbação ou fraude à arrematação judicial, assim
como quando há o afastamento ou a tentativa de afastar concorrente ou
licitante por meio de violência, grave ameaça, fraude ou oferecimento de
vantagem (art. 358, do CP).

12.4.20 Desobediência a decisão judicial sobre perda ou suspensão de


direito

O artigo 359 do Código Penal dispõe ser criminosa a conduta daquele


que exercer função, atividade, direito, autoridade ou múnus, de que foi
suspenso ou privado por decisão judicial, conduta que sujeita o agente à
pena de detenção, de 3 (três) meses a 2 (dois) anos, ou multa.

129
1. LEI DE CONTRAVENÇÕES PENAIS

A lei de contravenções penais, Decreto-lei n.º 3.688/41, estipula


delitos conhecidos como “crimes-anão”.
O artigo 2º da lei em estudo, estipula que a lei brasileira só é aplicável
à contravenção praticada no território nacional, isto significa que, em se
tratando de contravenções, não há que se falar em territorialidade
temperada, tão menos em extraterritorialidade. Portanto, quanto às
contravenções vige o princípio da territorialidade de forma pura e absoluta.
Para que se fale em contravenção, basta a ação ou omissão
voluntária, levando-se em conta o dolo ou a culpa quando a lei fizer
depender, de um ou de outro, qualquer efeito jurídico (art. 3º, da LCP).
Não se punem as tentativas de contravenção, conforme expressa
disposição do artigo 4º da Lei de Contravenções Penais.
São as penas principais em sede das contravenções:
a) prisão simples;
b) multa.
Em se tratando da pena de prisão simples, ela deve ser cumprida em
estabelecimento especial ou seção especial de prisão comum, em regime
semi-aberto ou aberto, não havendo que se falar em regime fechado (art. 6º,
da LCP). O condenado por prisão simples deve ficar separado dos
condenados às penas de reclusão ou detenção (art. 6º, §1º, da LCP).
A pena de prisão simples não pode nunca ser superior a 5 (cinco)
anos.
No âmbito das contravenções, verifica-se a reincidência quando o
agente praticar uma contravenção depois de transitada em julgado uma
sentença que o tenha condenado:
a) no Brasil ou no estrangeiro, por crime; ou
b) no Brasil por motivo de contravenção.
Dentre outras, são contravenções penais:
a) referentes a pessoa:
a.1) anunciar processo, substância ou objeto destinado a provocar
aborto;
a.2) praticar vias de fato contra alguém.
b) referentes ao patrimônio:
b.1) abrir alguém, no exercício de profissão de serralheiro ou oficio
análogo, a pedido ou por incumbência de pessoa de cuja legitimidade não se
tenha certificado previamente, fechadura ou qualquer outro aparelho
destinado à defesa de lugar ou objeto.
c) referentes à incolumidade pública:
c.1) deixar em liberdade, confiar à guarda de pessoa inexperiente, ou
não guardar com a devida cautela animal perigoso.
d) referentes à paz pública:

130
d.1) provocar tumulto ou portar-se de modo inconveniente ou
desrespeitoso, em solenidade ou ato oficial, em assembléia ou espetáculo
público, se o fato não constitui infração penal mais grave.
e) referentes à fé pública:
e.1) recusar-se a receber, pelo seu valor, moeda de curso legal no
país.
f) referente à organização do trabalho:
f.1) exercer profissão ou atividade econômica ou anunciar que a
exerce, sem preencher as condições a que por lei está subordinado o seu
exercício.
g) referente à polícia de costumes:
g.1) estabelecer ou explorar jogo de azar em lugar público ou
acessível ao público, mediante o pagamento de entrada ou sem ele.
h) referente à Administração Pública:
h.1) inumar ou exumar cadáver, com infração das disposições legais.

2. LEI DE CRIMES CONTRA A ECONOMIA POPULAR

A lei de crimes contra a economia popular, Lei n.º 1.521/51, estipula


logo em seu artigo 2º quais são as condutas que caracterizam tais crimes:
a) recusar individualmente em estabelecimento comercial a prestação
de serviços essenciais à subsistência; sonegar mercadoria ou recusar
vendê-la a quem esteja em condições de comprar a pronto pagamento;
b) favorecer ou preferir comprador ou freguês em detrimento de outro,
ressalvados os sistemas de entrega ao consumo por intermédio de
distribuidores ou revendedores;
c) expor à venda ou vender mercadoria ou produto alimentício, cujo
fabrico haja desatendido a determinações oficiais, quanto ao peso e
composição;
d) negar ou deixar o fornecedor de serviços essenciais de entregar ao
freguês a nota relativa à prestação de serviço, desde que a importância
exceda de quinze cruzeiros, e com a indicação do preço, do nome e
endereço do estabelecimento, do nome da firma ou responsável, da data e
local da transação e do nome e residência do freguês;
e) misturar gêneros e mercadorias de espécies diferentes, expô-los à
venda ou vendê-los, como puros; misturar gêneros e mercadorias de
qualidades desiguais para expô-los à venda ou vendê-los por preço marcado
para os de mais alto custo;
f) transgredir tabelas oficiais de gêneros e mercadorias, ou de
serviços essenciais, bem como expor à venda ou oferecer ao público ou
vender tais gêneros, mercadorias ou serviços, por preço superior ao
tabelado, assim como não manter afixadas, em lugar visível e de fácil leitura,
as tabelas de preços aprovadas pelos órgãos competentes;

131
g) negar ou deixar o vendedor de fornecer nota ou caderno de venda
de gêneros de primeira necessidade, seja à vista ou a prazo, e cuja
importância exceda de dez cruzeiros, ou de especificar na nota ou caderno -
que serão isentos de selo - o preço da mercadoria vendida, o nome e o
endereço do estabelecimento, a firma ou o responsável, a data e local da
transação e o nome e residência do freguês;
h) celebrar ajuste para impor determinado preço de revenda ou exigir
do comprador que não compre de outro vendedor;
i) obter ou tentar obter ganhos ilícitos em detrimento do povo ou de
número indeterminado de pessoas mediante especulações ou processos
fraudulentos ("bola de neve", "cadeias", "pichardismo" e quaisquer outros
equivalentes);
j) violar contrato de venda a prestações, fraudando sorteios ou
deixando de entregar a coisa vendida, sem devolução das prestações
pagas, ou descontar destas, nas vendas com reserva de domínio, quando o
contrato for rescindido por culpa do comprador, quantia maior do que a
correspondente à depreciação do objeto.
k) fraudar pesos ou medidas padronizados em lei ou regulamentos;
possuí-los ou detê-los, para efeitos de comércio, sabendo estarem
fraudados.
Para configuração de qualquer crime contra a economia popular,
consideram-se como gêneros de primeira necessidade aqueles
indispensáveis à subsistência humana, como alimentos, itens de vestuário,
iluminação, terapêuticos, sanitários, combustível, habitação e materiais de
construção.
E o artigo 3º da lei em estudo prossegue estipulando que são crimes
da mesma natureza:
a) destruir ou inutilizar, intencionalmente e sem autorização legal, com
o fim de determinar alta de preços, em proveito próprio ou de terceiro,
matérias-primas ou produtos necessários ao consumo do povo;
b) abandonar ou fazer abandonar lavoura ou plantações, suspender
ou fazer suspender a atividade de fábricas, usinas ou quaisquer
estabelecimentos de produção, ou meios de transporte, mediante
indenização paga pela desistência da competição;
c) promover ou participar de consórcio, convênio, ajuste, aliança ou
fusão de capitais, com o fim de impedir ou dificultar, para o efeito de
aumento arbitrário de lucros, a concorrência em matéria de produção,
transportes ou comércio;
d) reter ou açambarcar matérias-primas, meios de produção ou
produtos necessários ao consumo do povo, com o fim de dominar o mercado
em qualquer ponto do País e provocar a alta dos preços;
e) vender mercadorias abaixo do preço de custo com o fim de impedir
a concorrência.
f) provocar a alta ou baixa de preços de mercadorias, títulos públicos,
valores ou salários por meio de notícias falsas, operações fictícias ou
qualquer outro artifício;

132
g) dar indicações ou fazer afirmações falsas em prospectos ou
anúncios, para fim de substituição, compra ou venda de títulos, ações ou
quotas;
h) exercer funções de direção, administração ou gerência de mais de
uma empresa ou sociedade do mesmo ramo de indústria ou comércio com o
fim de impedir ou dificultar a concorrência;
i) gerir fraudulenta ou temerariamente bancos ou estabelecimentos
bancários, ou de capitalização; sociedades de seguros, pecúlios ou pensões
vitalícias; sociedades para empréstimos ou financiamento de construções e
de vendas e imóveis a prestações, com ou sem sorteio ou preferência por
meio de pontos ou quotas; caixas econômicas; caixas Raiffeisen; caixas
mútuas, de beneficência, socorros ou empréstimos; caixas de pecúlios,
pensão e aposentadoria; caixas construtoras; cooperativas; sociedades de
economia coletiva, levando-as à falência ou à insolvência, ou não cumprindo
qualquer das cláusulas contratuais com prejuízo dos interessados;
j) fraudar de qualquer modo escriturações, lançamentos, registros,
relatórios, pareceres e outras informações devidas a sócios de sociedades
civis ou comerciais, em que o capital seja fracionado em ações ou quotas de
valor nominativo igual ou inferior a um mil cruzeiros com o fim de sonegar
lucros, dividendos, percentagens, rateios ou bonificações, ou de desfalcar ou
de desviar fundos de reserva ou reservas técnicas.
E a lei de crimes contra a economia popular ainda tipifica como crime
de mesma natureza a usura pecuniária ou real, assim se considerando a
conduta de:
a) cobrar juros, comissões ou descontos percentuais, sobre dívidas
em dinheiro superiores à taxa permitida por lei; cobrar ágio superior à taxa
oficial de câmbio, sobre quantia permutada por moeda estrangeira; ou,
ainda, emprestar sob penhor que seja privativo de instituição oficial de
crédito;
b) obter, ou estipular, em qualquer contrato, abusando da premente
necessidade, inexperiência ou leviandade de outra parte, lucro patrimonial
que exceda o quinto do valor corrente ou justo da prestação feita ou
prometida.
O delito de usura atinge a toda a sociedade, e sua pena é de
detenção, de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos, e multa. Nas mesmas penas
incorrem os procuradores, mandatários ou mediadores que intervierem na
operação usurária, bem como os cessionários de crédito usurário que,
cientes de sua natureza ilícita, o fizerem valer em sucessiva transmissão ou
execução judicial.
Por derradeiro, conforme dispõe o parágrafo segundo, do artigo 4º, da
Lei de Crimes Contra a Economia Popular, são circunstâncias agravantes do
crime de usura:
I - ser cometido em época de grave crise econômica;
II - ocasionar grave dano individual;
III - dissimular-se a natureza usurária do contrato;

133
IV - quando cometido:
a) por militar, funcionário público, ministro de culto religioso; por
pessoa cuja condição econômico-social seja manifestamente superior
à da vítima;
b) em detrimento de operário ou de agricultor; de menor de 18
(dezoito) anos ou de deficiente mental, interditado ou não.

3. LEI DE CRIMES HEDIONDOS

A Constituição Federal de 1988 dispõe em seu artigo 5º, inciso XLIII,


que “a lei considerará crimes inafiançáveis e insuscetíveis de graça ou
anistia a prática da tortura, o tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, o
terrorismo e os definidos como crimes hediondos, por eles respondendo os
mandantes, os executores e os que, podendo evitá-los, se omitirem”.
Nesse contexto, a lei n.º 8.072/90 dispôs sobre as condutas
consideradas hediondas. Segundo o artigo 1º, de mencionada lei, são
considerados hediondos os seguintes crimes, todos tipificados no Código
Penal, consumados ou tentados:
a) homicídio (art. 121), quando praticado em atividade típica de grupo
de extermínio, ainda que cometido por um só agente, e homicídio qualificado
(art. 121, §2º, I, II, III, IV e V);
b) latrocínio (art. 157, §3º, in fine);
c) extorsão qualificada pela morte (art. 158, §2º);
d) extorsão mediante sequestro e na forma qualificada (art. 159,
caput, e §§ 1º, 2º e 3º);
e) estupro (art. 213, caput e §§ 1º e 2º);
f) estupro de vulnerável (art. 217-A, caput e §§ 1º, 2º, 3º e 4º);
g) epidemia com resultado morte (art. 267, §1º);
h) falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto
destinado a fins terapêuticos ou medicinais (art. 273, caput e §1º, §1º-A e
§1º-B, com a redação dada pela Lei nº 9.677/98).
E conforme disposição do parágrafo único do artigo 1º, da Lei de
Crimes Hediondos, também considera-se hediondo o crime de genocídio
previsto nos artigos 1º, 2º e 3º da Lei n.º 2.889/56, tentado ou consumado.
Atendendo ao mandamento constitucional, o artigo 2º da lei em
estudo dispõe que os crimes hediondos são insuscetíveis de fiança, anistia,
graça, e acrescenta que eles também são insuscetíveis de indulto.
Em se tratando de crimes hediondos, a pena tem de ser cumprida
inicialmente em regime fechado. No caso desses crimes, a progressão de
regime dar-se-á após o cumprimento de 2/5 (dois quintos) da pena, se o
apenado for primário, e de 3/5 (três quintos), se reincidente.
Segundo da Lei n.º 7.960/89, o prazo da prisão temporária é de 5
(cinco) dias, prorrogáveis por mais 5 (cinco). No entanto, em se tratando de
crimes hediondos, o prazo para a prisão temporária é de 30 (trinta) dias,

134
prorrogável por igual período em caso de extrema e comprovada
necessidade (art. 2º, §4º, da Lei dos Crimes Hediondos).

4. LEI SOBRE A TORTURA

A lei que define o os crimes de tortura, Lei n.º 9.455/97, estipula logo
em seu artigo 1º, que constitui crime de tortura:
I - constranger alguém com emprego de violência ou grave ameaça,
causando-lhe sofrimento físico ou mental:
a) com o fim de obter informação, declaração ou confissão da vítima
ou de terceira pessoa;
b) para provocar ação ou omissão de natureza criminosa;
c) em razão de discriminação racial ou religiosa;
II - submeter alguém, sob sua guarda, poder ou autoridade, com
emprego de violência ou grave ameaça, a intenso sofrimento físico ou
mental, como forma de aplicar castigo pessoal ou medida de caráter
preventivo.
A pena para o crime de tortura é de 2 (dois) a 8 (oito) anos. Na
mesma pena incorre quem submete outra pessoa presa ou sujeita a medida
de segurança a sofrimento físico ou mental, por intermédio da prática de ato
não previsto em lei ou não resultante de medida legal (art. 1º §1º, da Lei de
Tortura).
Nesse contexto, todo aquele que se omite em face dessas condutas,
quando tinha o dever de evitá-las ou apurá-las, incorre na pena de detenção
de 1 (um) a 4 (quatro) anos (art. 1º §2º, da Lei de Tortura).
Se da tortura resultar:
a) lesão corporal de natureza grave ou gravíssima, a pena é de
reclusão de 4 (quatro) a 10 (dez) anos;
b) morte, a pena é de reclusão de 8 (oito) a 16 (dezesseis) anos.
Aumenta-se a pena de 1/6 (um sexto) até 1/3 (um terço):
a) se o crime é cometido por agente público;
b) se o crime é cometido contra criança, gestante, portador de
deficiência, adolescente ou maior de 60 (sessenta) anos; ou
c) se o crime é cometido mediante sequestro.
A condenação pelo crime de tortura acarreta a perda do cargo, função
ou emprego público e a interdição para seu exercício pelo dobro do prazo da
pena aplicada (art. 1º §5º, da Lei de Tortura).
Recorde-se que o crime de tortura, conforme mandamento
constitucional e previsão legal, é insuscetível de fiança, graça e anistia. Mas
enquanto a Lei dos Crimes Hediondos (Lei n.º 8.072/90) prevê que a tortura
é também insuscetível de indulto, a Lei de Tortura (Lei n.º 9.455/97)
silenciou sobre o assunto, mantendo apenas a redação constitucional, que
trata da inafiançabilidade, da graça e da anistia.

135
Acerca do assunto, duas são as posições. A primeira reputa que o
silêncio da Lei de Tortura, que é posterior à Lei dos Crimes Hediondos,
trouxe um permissivo para aplicação do indulto. Já a segunda e
prevalecente, reputa que o indulto está contido na expressão graça, já que
ele nada mais é do que uma espécie de graça concedida coletivamente.
O condenado por crime de tortura inicia o cumprimento da pena em
regime fechado.
Por derradeiro, a teor da disposição contida no artigo 2º, da Lei de
Tortura, o conteúdo desta lei aplica-se ainda que o crime não tenha sido
cometido em território nacional, desde que a vítima seja brasileira ou o
agente encontre-se em local sob jurisdição brasileira.

5. CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO

O Código de Trânsito Brasileiro, lei n.º 9.503/97, aborda vasta


disciplina sobre o tráfego de veículos automotores, das quais interessa ao
presente curso o Capítulo XIX, que dispõe sobre os crimes de trânsito.
Para os crimes previstos no Código de Trânsito Brasileiro se aplicam
as disposições gerais dos Códigos Penal e de Processo Penal, desde que
não haja estipulação específica, que prefere às normais gerais em alguns
casos, como nas hipóteses de lesão corporal culposa em crimes de trânsito.
No entanto, só se aplicam as disposições atinentes à composição dos
danos civis, ou à aplicação imediata de pena restritiva de direitos aos crimes
de lesão corporal culposa, desde que estes não tenham sido cometidos:
a) sob a influência de álcool ou qualquer outra substância psicoativa
que determine dependência;
b) mediante participação, em via pública, de corrida, disputa ou
competição automobilística, de exibição ou demonstração de perícia em
manobra de veículo automotor, não autorizada pela autoridade competente;
c) transitando em velocidade superior à máxima permitida para a via
em 50 km/h (cinquenta quilômetros por hora).
Nos crimes de trânsito, a suspensão ou a proibição de se obter
permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor pode ser imposta
como penalidade principal, isolada ou cumulativamente com outras
penalidades (art. 292, do CTB).
Conforme disposição do artigo 294 do Código de Trânsito Brasileiro,
em qualquer fase da investigação ou da ação penal, havendo necessidade
para a garantia da ordem pública, poderá o juiz, como medida cautelar, de
ofício, ou a requerimento do Ministério Público ou ainda mediante
representação da autoridade policial, decretar, em decisão motivada, a
suspensão da permissão ou da habilitação para dirigir veículo automotor, ou
a proibição de sua obtenção. Nesse caso, da decisão que decretar a
suspensão ou a medida cautelar, assim como da que indeferir o
requerimento do Ministério Público, cabe recurso em sentido estrito, sem
efeito suspensivo (art. 294, parágrafo único, do CTB).
São circunstâncias que sempre agravam as penalidades dos crimes
de trânsito, ter o condutor cometido a infração (art. 298, do CTB):

136
a) com dano potencial para duas ou mais pessoas ou com grande
risco de grave dano patrimonial a terceiros;
b) utilizando o veículo sem placas, com placas falsas ou adulteradas;
c) sem possuir Permissão para Dirigir ou Carteira de Habilitação;
d) com Permissão para Dirigir ou Carteira de Habilitação de categoria
diferente da do veículo;
e) quando a sua profissão ou atividade exigir cuidados especiais com
o transporte de passageiros ou de carga;
f) utilizando veículo em que tenham sido adulterados equipamentos
ou características que afetem a sua segurança ou o seu funcionamento de
acordo com os limites de velocidade prescritos nas especificações do
fabricante;
g) sobre faixa de trânsito temporária ou permanentemente destinada a
pedestres.
Ponto importante do Código de Trânsito Brasileiro consta de seu
artigo 301, segundo o qual, ao condutor de veículo, nos casos de acidentes
de trânsito que resulte vítima, não será imposta a prisão em flagrante, nem
será exigida fiança, se for prestado pronto e integral socorro àquela.
E quando não seja possível ao condutor, por motivo de segurança,
prestar socorro à vítima, desaparece o dever de agir, mas não o de solicitar
auxílio da autoridade pública.

5.1 Crimes em espécie

São as principais condutas típicas descritas pelo Código de Trânsito


Brasileiro:
a) Art. 302. Praticar homicídio culposo na direção de veículo
automotor:
Penas - detenção, de dois a quatro anos, e suspensão ou
proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo
automotor.
Parágrafo único. No homicídio culposo cometido na direção de
veículo automotor, a pena é aumentada de um terço à metade, se o
agente:
I - não possuir Permissão para Dirigir ou Carteira de Habilitação;
II - praticá-lo em faixa de pedestres ou na calçada;
III - deixar de prestar socorro, quando possível fazê-lo sem risco
pessoal, à vítima do acidente;
IV - no exercício de sua profissão ou atividade, estiver conduzindo
veículo de transporte de passageiros.
b) Art. 303. Praticar lesão corporal culposa na direção de veículo
automotor:

137
Penas - detenção, de seis meses a dois anos e suspensão ou
proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo
automotor.
Parágrafo único. Aumenta-se a pena de um terço à metade, se
ocorrer qualquer das hipóteses do parágrafo único do artigo anterior.
c) Art. 304. Deixar o condutor do veículo, na ocasião do acidente, de
prestar imediato socorro à vítima, ou, não podendo fazê-lo
diretamente, por justa causa, deixar de solicitar auxílio da autoridade
pública:
Penas - detenção, de seis meses a um ano, ou multa, se o fato
não constituir elemento de crime mais grave.
Parágrafo único. Incide nas penas previstas neste artigo o
condutor do veículo, ainda que a sua omissão seja suprida por
terceiros ou que se trate de vítima com morte instantânea ou com
ferimentos leves.
d) Art. 305. Afastar-se o condutor do veículo do local do acidente,
para fugir à responsabilidade penal ou civil que lhe possa ser
atribuída:
Penas - detenção, de seis meses a um ano, ou multa.
e) Art. 306. Conduzir veículo automotor, na via pública, estando com
concentração de álcool por litro de sangue igual ou superior a 6 (seis)
decigramas, ou sob a influência de qualquer outra substância
psicoativa que determine dependência:
Penas - detenção, de seis meses a três anos, multa e suspensão
ou proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir
veículo automotor.
Parágrafo único. O Poder Executivo federal estipulará a
equivalência entre distintos testes de alcoolemia, para efeito de
caracterização do crime tipificado neste artigo.
f) Art. 307. Violar a suspensão ou a proibição de se obter a
permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor imposta com
fundamento neste Código:
Penas - detenção, de seis meses a um ano e multa, com nova
imposição adicional de idêntico prazo de suspensão ou de proibição.
Parágrafo único. Nas mesmas penas incorre o condenado que
deixa de entregar, no prazo estabelecido no §1º do art. 293, a
Permissão para Dirigir ou a Carteira de Habilitação.
g) Art. 308 Participar, na direção de veículo automotor, em via
pública, de corrida, disputa ou competição automobilística não
autorizada pela autoridade competente, desde que resulte dano
potencial à incolumidade pública ou privada:
Penas - detenção, de seis meses a dois anos, multa e suspensão
ou proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir
veículo automotor.

138
h) Art. 309. Dirigir veículo automotor, em via pública, sem a devida
Permissão para Dirigir ou Habilitação ou, ainda, se cassado o direito
de dirigir, gerando perigo de dano:
Penas - detenção, de seis meses a um ano, ou multa.
i) Art. 310. Permitir, confiar ou entregar a direção de veículo
automotor a pessoa não habilitada, com habilitação cassada ou com o
direito de dirigir suspenso, ou, ainda, a quem, por seu estado de
saúde, física ou mental, ou por embriaguez, não esteja em condições
de conduzi-lo com segurança:
Penas - detenção, de seis meses a um ano, ou multa.
j) Art. 311. Trafegar em velocidade incompatível com a segurança
nas proximidades de escolas, hospitais, estações de embarque e
desembarque de passageiros, logradouros estreitos, ou onde haja
grande movimentação ou concentração de pessoas, gerando perigo
de dano:
Penas - detenção, de seis meses a um ano, ou multa.
k) Art. 312. Inovar artificiosamente, em caso de acidente
automobilístico com vítima, na pendência do respectivo procedimento
policial preparatório, inquérito policial ou processo penal, o estado de
lugar, de coisa ou de pessoa, a fim de induzir a erro o agente policial,
o perito, ou juiz:
Penas - detenção, de seis meses a um ano, ou multa.
Parágrafo único. Aplica-se o disposto neste artigo, ainda que não
iniciados, quando da inovação, o procedimento preparatório, o
inquérito ou o processo aos quais se refere.

6. LEI DE DROGAS

A Lei de Drogas, Lei n.º 11.343/06 substituiu as leis n.º 6.368/76 e


10.409/02, que disciplinavam o assunto.
Conforme estipulação do artigo 27 da Lei de Drogas, as penas nela
previstas podem ser aplicadas isolada ou cumulativamente, bem como
substituídas a qualquer tempo, ouvidos o Ministério Público e o defensor.
O artigo 28 trata da conduta do usuário de drogas, e dispõe que:
Art. 28. Quem adquirir, guardar, tiver em depósito, transportar ou
trouxer consigo, para consumo pessoal, drogas sem autorização
ou em desacordo com determinação legal ou regulamentar será
submetido às seguintes penas:
I - advertência sobre os efeitos das drogas;
II - prestação de serviços à comunidade;
III - medida educativa de comparecimento a programa ou curso
educativo.

139
§1º Às mesmas medidas submete-se quem, para seu consumo
pessoal, semeia, cultiva ou colhe plantas destinadas à
preparação de pequena quantidade de substância ou produto
capaz de causar dependência física ou psíquica.
§2º Para determinar se a droga destinava-se a consumo pessoal,
o juiz atenderá à natureza e à quantidade da substância
apreendida, ao local e às condições em que se desenvolveu a
ação, às circunstâncias sociais e pessoais, bem como à conduta
e aos antecedentes do agente.
§3º As penas previstas nos incisos II e III do caput deste artigo
serão aplicadas pelo prazo máximo de 5 (cinco) meses.
§4º Em caso de reincidência, as penas previstas nos incisos II e
III do caput deste artigo serão aplicadas pelo prazo máximo de 10
(dez) meses.
§5º A prestação de serviços à comunidade será cumprida em
programas comunitários, entidades educacionais ou assistenciais,
hospitais, estabelecimentos congêneres, públicos ou privados
sem fins lucrativos, que se ocupem, preferencialmente, da
prevenção do consumo ou da recuperação de usuários e
dependentes de drogas.
§6º Para garantia do cumprimento das medidas educativas a que
se refere o caput, nos incisos I, II e III, a que injustificadamente se
recuse o agente, poderá o juiz submetê-lo, sucessivamente a:
I - admoestação verbal;
II - multa.
§7º O juiz determinará ao Poder Público que coloque à
disposição do infrator, gratuitamente, estabelecimento de saúde,
preferencialmente ambulatorial, para tratamento especializado.
Por exemplo, o agente que, para consumo pessoal, semeia plantas
destinadas à preparação de pequena quantidade de substância capaz de
causar dependência psíquica pode ser submetido à medida educativa de
comparecimento a programa ou curso educativo, portanto.
Já o artigo 31 da lei em estudo, abrindo o Título que trata do tráfico
ilícito de drogas, dispõe que é indispensável a licença prévia da autoridade
competente para produzir, extrair, fabricar, transformar, preparar, possuir,
manter em depósito, importar, exportar, reexportar, remeter, transportar,
expor, oferecer, vender, comprar, trocar, ceder ou adquirir, para qualquer
fim, drogas ou matéria-prima destinada à sua preparação, observadas as
demais exigências legais.
As plantações ilícitas devem ser imediatamente destruídas pela
autoridades de polícia judiciária, que devem recolher quantidade suficiente
para feitura de exame pericial, de tudo lavrando auto de levantamento das
condições encontradas, com a delimitação do local, asseguradas as

140
medidas necessárias para preservação da prova (art. 32, caput, da Lei n.º
11.343/06).
O artigo 33 da Lei de Drogas tipifica o tráfico, dentre outras condutas,
nos seguintes termos:
Art. 33. Importar, exportar, remeter, preparar, produzir, fabricar,
adquirir, vender, expor à venda, oferecer, ter em depósito,
transportar, trazer consigo, guardar, prescrever, ministrar,
entregar a consumo ou fornecer drogas, ainda que gratuitamente,
sem autorização ou em desacordo com determinação legal ou
regulamentar:
Pena - reclusão de 5 (cinco) a 15 (quinze) anos e pagamento de
500 (quinhentos) a 1.500 (mil e quinhentos) dias-multa.
§1º Nas mesmas penas incorre quem:
I - importa, exporta, remete, produz, fabrica, adquire, vende,
expõe à venda, oferece, fornece, tem em depósito, transporta,
traz consigo ou guarda, ainda que gratuitamente, sem autorização
ou em desacordo com determinação legal ou regulamentar,
matéria-prima, insumo ou produto químico destinado à
preparação de drogas;
II - semeia, cultiva ou faz a colheita, sem autorização ou em
desacordo com determinação legal ou regulamentar, de plantas
que se constituam em matéria-prima para a preparação de
drogas;
III - utiliza local ou bem de qualquer natureza de que tem a
propriedade, posse, administração, guarda ou vigilância, ou
consente que outrem dele se utilize, ainda que gratuitamente, sem
autorização ou em desacordo com determinação legal ou
regulamentar, para o tráfico ilícito de drogas.
§2º Induzir, instigar ou auxiliar alguém ao uso indevido de droga:
Pena - detenção, de 1 (um) a 3 (três) anos, e multa de 100 (cem)
a 300 (trezentos) dias-multa.
§3º Oferecer droga, eventualmente e sem objetivo de lucro, a
pessoa de seu relacionamento, para juntos a consumirem:
Pena - detenção, de 6 (seis) meses a 1 (um) ano, e pagamento de
700 (setecentos) a 1.500 (mil e quinhentos) dias-multa, sem
prejuízo das penas previstas no art. 28.
§4º Nos delitos definidos no caput e no §1º deste artigo, as penas
poderão ser reduzidas de um sexto a dois terços, vedada a
conversão em penas restritivas de direitos, desde que o agente
seja primário, de bons antecedentes, não se dedique às
atividades criminosas nem integre organização criminosa.
Já o artigo 34 da lei em estudo, tipifica a conduta de fabricar, adquirir,
utilizar, transportar, oferecer, vender, distribuir, entregar a qualquer título,
possuir, guardar ou fornecer, ainda que gratuitamente, maquinário, aparelho,

141
instrumento ou qualquer objeto destinado à fabricação, preparação,
produção ou transformação de drogas, sem autorização ou em desacordo
com determinação legal ou regulamentar.
O artigo 35 da Lei de Drogas tipifica a conduta de associação para o
tráfico, que exige duas ou mais pessoas (crime plurissubjetivo), cuja pena é
de 3 (três) a 10 (dez) anos, além do pagamento de 700 (setecentos) a 1.200
(mil e duzentos) dias-multa.
As penas previstas nos artigos 33 a 37 da Lei de Drogas são
aumentadas de 1/6 (um sexto) a 2/3 (dois terços), se (art. 40, da Lei n.
11.343/06):
a) a natureza, a procedência da substância ou do produto apreendido
e as circunstâncias do fato evidenciarem a transnacionalidade do delito;
b) o agente praticar o crime prevalecendo-se de função pública ou no
desempenho de missão de educação, poder familiar, guarda ou vigilância;
c) a infração tiver sido cometida nas dependências ou imediações de
estabelecimentos prisionais, de ensino ou hospitalares, de sedes de
entidades estudantis, sociais, culturais, recreativas, esportivas, ou
beneficentes, de locais de trabalho coletivo, de recintos onde se realizem
espetáculos ou diversões de qualquer natureza, de serviços de tratamento
de dependentes de drogas ou de reinserção social, de unidades militares ou
policiais ou em transportes públicos;
d) o crime tiver sido praticado com violência, grave ameaça, emprego
de arma de fogo, ou qualquer processo de intimidação difusa ou coletiva;
e) caracterizado o tráfico entre Estados da Federação ou entre estes
e o Distrito Federal;
f) sua prática envolver ou visar a atingir criança ou adolescente ou a
quem tenha, por qualquer motivo, diminuída ou suprimida a capacidade de
entendimento e determinação;
g) o agente financiar ou custear a prática do crime.
O indiciado ou acusado que colaborar de forma voluntária com a
investigação policial e o processo criminal na identificação dos demais co-
autores ou partícipes do crime e na recuperação total ou parcial do produto
do crime, no caso de condenação, terá pena reduzida de 1/3 (um terço) a
2/3 (dois terços), conforme estipula o artigo 41, da Lei de Drogas.
O tráfico de drogas (art. 33, caput e §1º), e as condutas descritas nos
artigos 34 a 37 da lei em estudo são inafiançáveis e insuscetíveis de sursis,
graça, indulto, anistia e liberdade provisória, vedada a conversão de suas
penas em restritivas de direitos (art. 44, da Lei de Drogas). E no caso de
livramento condicional, ele só poderá ser concedido após o cumprimento de
2/3 (dois terços) da pena, vedada sua concessão ao reincidente específico,
ou seja, àquele que cometeu exatamente o mesmo delito pelo qual fora
anteriormente condenado.
Consoante artigo 45 da lei em estudo, é isento de pena o agente que,
em razão da dependência, ou sob o efeito, proveniente de caso fortuito ou
força maior, de droga, era, ao tempo da ação ou da omissão, qualquer que
tenha sido a infração penal praticada, inteiramente incapaz de entender o
caráter ilícito do fato ou de determinar-se de acordo com esse entendimento.

142
Nesse caso, reconhecendo a mencionada circunstância, o juiz deve
encaminhar o agente para tratamento médico.
No entanto, caso o agente que, em razão da dependência, ou sob o
efeito proveniente de caso fortuito ou força maior, de droga, não era, ao
tempo da ação ou omissão, inteiramente incapaz, mas não estava em sua
plena capacidade de entender o caráter ilícito do fato ou de determinar-se de
acordo com esse entendimento, o juiz pode reduzir-lhe as penas de 1/3 (um
terço) a 2/3 (dois terços).

7. LEI MARIA DA PENHA

A lei Maria da Penha, lei n.º 11.340/06, deixa claro que toda mulher,
independentemente de classe, raça, etnia, orientação sexual, renda, cultura,
nível educacional, idade e religião, goza dos direitos fundamentais inerentes
à pessoa humana, sendo-lhe asseguradas as oportunidades e facilidades
para viver sem violência, preservar sua saúde física e mental e seu
aperfeiçoamento moral, intelectual e social (art. 2º).
A lei Maria da Penha é uma verdadeira ação afirmativa, por meio da
qual se discrimina positivamente a mulher, posta em histórica posição de
fragilidade física em relação ao homem. A necessidade da especial proteção
para a mulher, por meio da lei em estudo, é necessária diante dos séculos
em que esta permaneceu sob as ordens maritais, cujos resquícios ainda
estão presentes na atualidade. A Constituição Federal de 1988 aboliu o
poder marital e instituiu o poder familiar. O Código Civil de 2002
acompanhou o sentido e assim também a Lei Maria da Penha, que veio com
o objetivo de conferir eficácia substancial ao Texto Maior.
Consabido, ainda que vigente medidas inclusivas, tal como a Lei
Maria da Penha, está distante o dia em que as mulheres deixarão de sofrer
violências domésticas em razão de seu desfavorecimento físico. Ao lado das
leis, medidas concretas devem ser adotadas pelo Poder Público, sobre tudo
medidas educacionais, melhor método de se criar um sociedade consciente
do respeito de gênero.
Não sem razão o caput do artigo 3º da Lei Maria da Penha dispõe
que, serão asseguradas às mulheres as condições para o exercício efetivo
dos direitos à vida, à segurança, à saúde, à alimentação, à educação, à
cultura, à moradia, ao acesso à justiça, ao esporte, ao lazer, ao trabalho, à
cidadania, à liberdade, à dignidade, ao respeito e à convivência familiar e
comunitária. Para que esses direitos sejam realmente alcançados, deixando
o plano meramente formal e ingressando no plano material, cabe à família, à
sociedade e ao Poder público criar as condições necessárias para
viabilização da efetivação desses direitos.
A interpretação da Lei Maria da Penha, conforme orientação do seu
artigo 4º, deve considerar os fins sociais a que ela se destina e,
especialmente, as condições peculiares das mulheres em situação de
violência doméstica e familiar.
Para os efeitos da lei em estudo, configura violência doméstica e
familiar contra a mulher, qualquer ação ou omissão baseada no gênero que

143
lhe cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral
ou patrimonial (art. 5º):
a) no âmbito da unidade doméstica, compreendida como o espaço de
convívio permanente de pessoas, com ou sem vínculo familiar, inclusive as
esporadicamente agregadas;
b) no âmbito da família, compreendida como a comunidade formada
por indivíduos que são ou se consideram aparentados, unidos por laços
naturais, por afinidade ou por vontade expressa;
c) em qualquer relação íntima de afeto, na qual o agressor conviva ou
tenha convivido com a ofendida, independentemente de coabitação.
Portanto, para que se fale na aplicação da Lei Maria da Penha, não
há necessidade que o agressor coabite ou tenha coabitado com a vítima,
bastando que se comprove a relação íntima de afeto entre eles.
E conforme orientação do artigo 6º da lei em referência, a violência
doméstica e familiar contra a mulher configura uma das formas de violação
de direitos humanos.
Entre outras, são formas de violência doméstica e familiar contra a
mulher:
a) oral;
b) a violência psicológica, entendida como qualquer conduta que lhe
cause dano emocional e diminuição da auto-estima ou que lhe prejudique e
perturbe o pleno desenvolvimento ou que vise degradar ou controlar suas
ações, comportamentos, crenças e decisões, mediante ameaça,
constrangimento, humilhação, manipulação, isolamento, vigilância constante,
perseguição contumaz, insulto, chantagem, ridicularização, exploração e
limitação do direito de ir e vir ou qualquer outro meio que lhe cause prejuízo
à saúde psicológica e à autodeterminação;
c) a violência sexual, entendida como qualquer conduta que a
constranja a presenciar, a manter ou a participar de relação sexual não
desejada, mediante intimidação, ameaça, coação ou uso da força; que a
induza a comercializar ou a utilizar, de qualquer modo, a sua sexualidade,
que a impeça de usar qualquer método contraceptivo ou que a force ao
matrimônio, à gravidez, ao aborto ou à prostituição, mediante coação,
chantagem, suborno ou manipulação; ou que limite ou anule o exercício de
seus direitos sexuais e reprodutivos;
d) a violência patrimonial, entendida como qualquer conduta que
configure retenção, subtração, destruição parcial ou total de seus objetos,
instrumentos de trabalho, documentos pessoais, bens, valores e direitos ou
recursos econômicos, incluindo os destinados a satisfazer suas
necessidades;
e) a violência moral, entendida como qualquer conduta que configure
calúnia, difamação ou injúria.
Por derradeiro, outro ponto importante da Lei Maria da Penha consta
de seu artigo 41, que estipulou que aos crimes praticados com violência

144
doméstica e familiar contra a mulher, independentemente da pena prevista,
não se aplica a Lei n.º 9.099/95 (Lei dos Juizados Especiais).

7.1 Assistência à mulher em situação de violência doméstica e familiar

A assistência à mulher que esteja em situação de violência doméstica


e familiar deve ser prestada de forma articulada e conforme os princípios
previsto na Lei Orgânica de Assistência Social, no Sistema Único de Saúde,
no Sistema Único de Segurança Pública, entre outras normas e políticas de
proteção, e emergencialmente quando for o caso (art. 9º, da Lei Maria da
Penha).
O juiz deve assegurar à mulher em situação de violência doméstica e
familiar, para preservar sua integridade física e psicológica:
a) acesso prioritário à remoção quando servidora pública, integrante
da administração direta ou indireta;
b) manutenção do vínculo trabalhista, quando necessário o
afastamento do local de trabalho, por até 6 (seis) meses.
A assistência à mulher em situação de violência doméstica e familiar
deve compreender o acesso aos benefícios decorrentes do desenvolvimento
científico e tecnológico, incluindo os serviços de contracepção de
emergência, a profilaxia das Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) e
da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS), além de outros
procedimentos médicos necessários e cabíveis nos casos de violência
sexual (art. 9º, §3º, da Lei Maria da Penha).

7.2 Atendimento pela autoridade policial

Na hipótese de iminência ou da prática de violência doméstica e


familiar contra a mulher, a autoridade policial que tomar conhecimento da
ocorrência deve adotar, imediatamente, as providência legais cabíveis,
conforme orientação do artigo 10, da Lei Maria da Penha.
No atendimento à mulher em situação de violência doméstica e
familiar, a autoridade policial deve, entre outras providências (art. 11, da Lei
Maria da Penha):
a) garantir proteção policial, quando necessário, comunicando de
imediato ao Ministério Público e ao Poder Judiciário;
b) encaminhar a ofendida ao hospital ou posto de saúde e ao Instituto
Médico Legal;
c) fornecer transporte para a ofendida e seus dependentes para
abrigo ou local seguro, quando houver risco de vida;
d) se necessário, acompanhar a ofendida para assegurar a retirada de
seus pertences do local da ocorrência ou do domicílio familiar;
e) informar à ofendida os direitos a ela conferidos nesta Lei e os
serviços disponíveis.

145
Em todos os casos de violência doméstica e familiar contra a mulher,
feito o registro da ocorrência, deve a autoridade policial adotar, de plano, os
seguintes procedimentos, sem prejuízo dos previstos no Código de Processo
Penal:
a) ouvir a ofendida, lavrar o boletim de ocorrência e tomar a
representação a termo, se apresentada;
b) colher todas as provas que servirem para o esclarecimento do fato
e de suas circunstâncias;
c)remeter, no prazo de 48 (quarenta e oito) horas, expediente
apartado ao juiz com o pedido da ofendida, para a concessão de medidas
protetivas de urgência;
d) determinar que se proceda ao exame de corpo de delito da
ofendida e requisitar outros exames periciais necessários;
e) ouvir o agressor e as testemunhas;
f) ordenar a identificação do agressor e fazer juntar aos autos sua
folha de antecedentes criminais, indicando a existência de mandado de
prisão ou registro de outras ocorrências policiais contra ele;
g) remeter, no prazo legal, os autos do inquérito policial ao juiz e ao
Ministério Público.
O processo penal em matéria de violência doméstica ou familiar
contra a mulher é condicionado, isto é, exige a feitura da representação pela
ofendida, sob pena de seu não-processamento.
Apresentado o pedido, este deve ser tomado a termo pela autoridade
policial, pedido este que deverá conter:
a) a qualificação da ofendida e do agressor;
b) o nome e idade dos dependentes; e
c) a descrição sucinta do fato e das medidas protetivas solicitadas
pela ofendida.

7.3 Medidas protetivas de urgência

Tão logo seja recebido o pedido da ofendida, deve o juiz, no prazo de


48 (quarenta e oito) horas:
a) conhecer do expediente e do pedido e decidir sobre as medidas
protetivas de urgência;
b) determinar o encaminhamento da ofendida ao órgão de assistência
judiciária, quando for o caso;
c) comunicar ao Ministério Público para que adote as providências
cabíveis.
As medidas protetivas de urgência podem ser concedidas pelo juiz, a
requerimento do Ministério Público ou a pedido da ofendida (art. 19, da Lei
Maria da Penha). Também há possibilidade das medidas urgentes serem
concedidas de imediato, independentemente da audiência das partes e da

146
manifestação do Ministério Público, caso em que este deve ser prontamente
comunicado, conforme disposição do parágrafo primeiro do artigo 19, da Lei
Maria da Penha.
A prisão preventiva do agressor pode ser decretada pelo juiz, de
ofício, a requerimento do Ministério Público, ou mediante representação da
autoridade policial, independentemente da fase em que esteja o inquérito
policial ou a instrução criminal (art. 20, da Lei Maria da Penha).
É imperioso que se notifique a ofendida de todos os atos processuais
relativos ao seu agressor, especialmente em relação àqueles pertinentes ao
ingresso e à saída da prisão, sem prejuízo da intimação do advogado
constituído ou do defensor público (art. 21, da Lei Maria da Penha).
Por derradeiro, a teor do parágrafo único do artigo 21 da lei em
estudo, não se admite que a ofendida possa entregar qualquer intimação ou
notificação ao seu agressor.

7.4 Medidas protetivas de urgência que obrigam o agressor

Tão logo seja constatada a prática de violência doméstica e familiar


contra a mulher, o juiz pode aplicar, imediatamente, ao agressor, em
conjunto ou separadamente, as seguintes medidas protetivas de urgência:
I - suspensão da posse ou restrição do porte de armas, com
comunicação ao órgão competente, nos termos da Lei no 10.826, de 22 de
dezembro de 2003;
II - afastamento do lar, domicílio ou local de convivência com a
ofendida;
III - proibição de determinadas condutas, entre as quais:
a) aproximação da ofendida, de seus familiares e das
testemunhas, fixando o limite mínimo de distância entre estes e o
agressor;
b) contato com a ofendida, seus familiares e testemunhas por
qualquer meio de comunicação;
c) frequentação de determinados lugares a fim de preservar a
integridade física e psicológica da ofendida;
IV - restrição ou suspensão de visitas aos dependentes menores,
ouvida a equipe de atendimento multidisciplinar ou serviço similar;
V - prestação de alimentos provisionais ou provisórios.
As medidas acima expostas integram um rol meramente
exemplificativo, nos termos do artigo 22 da Lei Maria da Penha.
Para efetivação de qualquer dessas medidas, a todo momento é dado
ao juiz requerer auxílio de força policial.

7.5 Medidas protetivas de urgência à ofendida

O artigo 23 da Lei Maria da Penha apresenta, em rol exemplificativo,


que é facultado ao juiz, quando necessário:

147
I - encaminhar a ofendida e seus dependentes a programa oficial ou
comunitário de proteção ou de atendimento;
II - determinar a recondução da ofendida e a de seus dependentes ao
respectivo domicílio, após afastamento do agressor;
III - determinar o afastamento da ofendida do lar, sem prejuízo dos
direitos relativos a bens, guarda dos filhos e alimentos;
IV - determinar a separação de corpos.
Já para a proteção patrimonial dos bens da sociedade conjugal ou
daqueles de propriedade particular da mulher, o juiz pode determinar,
liminarmente, as seguintes medidas, dentre outras:
I - restituição de bens indevidamente subtraídos pelo agressor à
ofendida;
II - proibição temporária para a celebração de atos e contratos de
compra, venda e locação de propriedade em comum, salvo expressa
autorização judicial;
III - suspensão das procurações conferidas pela ofendida ao agressor;
IV - prestação de caução provisória, mediante depósito judicial, por
perdas e danos materiais decorrentes da prática de violência doméstica e
familiar contra a ofendida.

148