Você está na página 1de 66

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DA PARAÍBA

QUARTEL DO COMANDO GERAL


AJUDÂNCIA GERAL
BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1066

PARA CONHECIMENTO DESTA CORPORAÇÃO E DEVIDA EXECUÇÃO, PUBLICO O SEGUINTE:

1ª PARTE

SERVIÇOS DIÁRIOS

1. ESCALA DE SERVIÇO

1.1 - Para o dia 18/02/2016 (Quinta-Feira) no QCG

a) OFICIAL DE DIA
Das 07 :00 às 07 :00 - 2º TENENTE QIPM 511.430-6 MOURA

b) GUARDA DO QUARTEL

COMANDANTE DA GUARDA
Das 07 :00 às 07 :00 - 2º SARGENTO QIPM 510.226-0 MORAIS

1.2 - Para o dia 18/02/2016 (Quinta-Feira) no CIOP

a) COORDENADOR
Das 07 :00 às 19 :00 - CAPITÃO QOC 520.649-9 SERGIO RAMALHO
Das 19 :00 às 07 :00 - CAPITÃO QOC 522.833-6 ANA PAULA

1.3 - Para o dia 18/02/2016 (Quinta-Feira) na DIRETORIA DE SAUDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL

a) AUXILIAR DE SAÚDE
Das 07 :00 às 07 :00 - 3º SARGENTO QPC 520.217-5 EDNALVA

b) MÉDICO DE DIA
Das 07 :00 às 07 :00 - 1º TENENTE QOS 521.349-5 LUCIANO

2ª PARTE

INSTRUÇÃO E ENSINO

2 - DA INSTRUÇÃO

2.1 - EXTRATO DE LEI


2.1.1 - LEI Nº 12.288, DE 20 DE JULHO DE 2010 - Institui o
Estatuto da Igualdade Racial; altera as Leis nos 7.716, de 5 de
janeiro de 1989, 9.029, de 13 de abril de 1995, 7.347, de 24 de
julho de 1985, e 10.778, de 24 de novembro de 2003.
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA. Faço saber que o Congresso Nacional
decreta e eu sanciono a seguinte Lei:
Capítulo II - Do Direito à Educação, à Cultura, ao Esporte e ao
Lazer
Seção III - Da Cultura
Art. 17. O poder público garantirá o reconhecimento das sociedades
negras, clubes e outras formas de manifestação coletiva da população

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1067

negra, com trajetória histórica comprovada, como patrimônio


histórico e cultural, nos termos dos arts. 215 e 216 da Constituição
Federal. (Transcrito do sitio
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12288.h
tm).
-
(Nota nº 45899 de 17 Fev 2016 - AJUDANCIA GERAL)

2.2 - NOTA DE INSTRUÇÃO


2.2.1 - Instrução Normativa 004/16 - CPMPB
João Pessoa, 03 Jan 2016.
O Corregedor Geral da Polícia Militar do Estado da Paraíba no uso
das atribuições conferidas no caput do art. 18 da lei complementar
nº 87 de 20 de dezembro de 2008, considerando a necessidade de
integração e padronização dos trabalhos correcionais bem como a
eficiência dos serviços, resolve ORIENTAR os serviços Policiais
Militares nos seguintes sentidos:
CORREGEDORIA GERAL DA PMPB
Art 1º.A Corregedoria da PMPB (CPMPB) é o órgão de correção do
regime ético disciplinar e das infrações penais militares no âmbito
da Policia Militar da Paraíba;
§ 1º Incumbe a CPMPB, com o apoio direto das Corregedorias Setoriais
(Corg/S):
I. FISCALIZAR os serviços e os procedimentos, em especial a
uniformização, os equipamentos, os armamentos e a postura
profissional, no âmbito da policia militar.
II. INVESTIGAR, de ofício ou por delegação, os fatos relevantes à
ordem, à disciplina, os serviços ou à justiça militar;
III. REQUISITAR, acompanhar e analisar os processos disciplinares e
a adoção das medidas pertinentes em face de irregularidades;
IV. ORIENTAR os serviços e os procedimentos através de instruções
normativas e pareceres técnicos;
V. PRODUZIR pesquisas e estudos sobre os trabalhos correcionais,
investigativos e disciplinares;
§ 2º Nenhum Policial Militar poderá ser preso ou conduzido sem o
acompanhamento de um membro da CPMPB ou Corg/S;
§ 3º A CPMPB e as Corg/S deverão ordinariamente realizar a
fiscalização dos serviços policiais militares e auxiliar as
ocorrências em face de policiais militares;
§ 4º O processo disciplinar, de qualquer espécie, só será instaurado
após prévia análise de admissibilidade da CPMPB ou Corg/S, salvo se
devidamente fundamentado pela autoridade disciplinar.
CORREGEDORIA SETORIAIS
Art 2º.As Corg/S vincular-se-ão tecnicamente a CPMPB, devendo

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1068

prezar pelo fiel cumprimento de todas as instruções e recomendações


emanadas pela CPMPB e exercer, no âmbito da unidade a qual pertença,
os atos correcionais previstos nesta instrução com isenção e
autonomia.
§ 1º As Corg/S deverão comunicar imediatamente a CPMPB toda e
qualquer ocorrência envolvendo militar no âmbito de suas
atribuições;
§ 2º As Corg/S deverão encaminhar mensalmente a CPMPB relatórios de
correição, informando os trabalhos correcionais realizados e as
estatísticas de apurações, processos disciplinares, punições,
prisões e condenações judiciais;
AUTONOMIA TÉCNICA
Art 3º.Fica assegurado aos membros da CPMPB e Corg/S, no exercício
de suas funções, a estabilidade funcional e a autonomia técnica, não
podendo nenhum deles ser transferido ou substituído sem a prévia
homologação do Corregedor Geral da PMPB.
§ 1º O Comandante que pretender transferir ou substituir membro da
Corg/S da sua unidade, deverá expor, por escrito, ao Corregedor
Geral da PMPB, os fundamentos da sua pretensão e o currículo do
possível substituto;
§ 2º Os membros das Corg/S não concorrerão a escalas ordinárias de
policiamento ostensivo e terão as denúncias em face de suas
condutas, apuradas, processadas e julgadas no âmbito da CPMPB e do
SCmtG;
§ 3º As transferências ou substituições ordenadas pelo Comandante
Geral ou Sub Comandante Geral da PMPB, prescindirão da homologação
do Corregedor Geral da PMPB;
VESTIMENTAS
Art 4º.Os Corregedores da CPMPB e Corg/S, no exercício de suas
funções, deverão utilizar vestimentas finas condizentes a juízes,
promotores e advogados, e portar, visivelmente, o distintivo padrão
com o Brasão da CPMPB, ressalvado as disposições especiais;
§ 1º Às terças feiras e quintas feiras de cada semana, os membros da
CPMPB e Corg/S, durante o expediente administrativo, deverão se
apresentar de uniforme fino;
SEVERINO DO RAMO GERÔNIMO DE ARAÚJO - CEL QOC
Corregedor da PMPB
-
(Nota nº 45833 de 17 Fev 2016 - CORREGEDORIA)

2.2.2 - Instrução Normativa 002/16 - CPMPB


João Pessoa, 03 Fev 2016.
O Corregedor Geral da Polícia Militar do Estado da Paraíba no uso
das atribuições conferidas no caput do art. 18 da lei complementar
nº 87 de 20 de dezembro de 2008, buscando aperfeiçoar e padronizar o
processo disciplinar, em especial ao concernente a garantia do
contraditório e da ampla defesa resolve ORIENTAR aos encarregados de

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1069

procedimentos disciplinares, nomeadamente o FATD, a Sindicância, o


PAD, o Conselho de Disciplina e o Conselho de Justificação, QUE:
CITAÇÃO DOS ACUSADOS
Art. 1ºAo receber a portaria de instauração, o encarregado deverá,
antes de qualquer ato de instrução, citar o acusado para, no prazo
regulamentar, apresentar resposta à citação;
Parágrafo Único - A Citação deverá conter:
I - O Relato das acusações;
II - A Notificação das garantias constitucionais e;
III - O Prazo para apresentação da resposta a citação;
Art. 2ºNa resposta a citação, o acusado constituirá o seu defensor,
contestará as acusações que considerar improcedentes, requisitará a
produção probatória necessária à sua defesa e apresentará o seu rol
de testemunhas;
Parágrafo Único - Após a resposta à citação, o encarregado deverá
providenciar as intimações, os ofícios e as requisições necessárias
a realização do processo, notificando o acusado das datas, hora e
local das respectivas audiências de instrução.
ALEGAÇÕES FINAIS
Art. 3ºApós concluir toda instrução probatória, o encarregado
deverá lavrar Termo de Encerramento de Instrução e notificar o
acusado para as alegações finais, no prazo regulamentar;
§ 1º - A partir da fase de alegações finais, não poderá ser
realizada nenhuma espécie de instrução probatória ou juntada de
documentos senão os anexos das alegações finais;
§ 2º - Se for necessário realizar alguma nova diligência, o
encarregado poderá reabrir a instrução e, após conclui-la, proceder
novamente com a fase de alegações finais;
§ 3º - Findo as alegações finais, o encarregado deverá junta-la aos
autos, ou certificar por termo a sua negativa, e, em seguida, lavrar
o respectivo parecer conclusivo;
DAS NOTIFICAÇÕES
Art. 4ºÉ assegurada ao acusado a participação a todas as audiências
do processo disciplinar, devendo as notificações, as intimações e as
citações serem entregues com antecedência mínima de 24h, sob pena de
nulidade do ato;
§ 1º - Excepcionalmente, o encarregado poderá restringir a presença
do acusado na audiência, caso este influa no ânimo das testemunhas
ou do ofendido, sendo sempre assegurada a presença de seu defensor
ou de um representante ad hoc;
§ 2º - O encarregado que não puder atender a citação ou a
notificação, deverá comunicar o fato com antecedência mínima de 24h
informando as razões de sua ausência;
§ 3º - Se o militar não for encontrado ou negar-se a receber a
citação/notificação, o encarregado deverá providenciar a certidão do

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1070

fato, assinada por duas testemunhas, e a publicação da


citação/notificação em boletim;
§ 4º - Será decretada à revelia do acusado que, deliberadamente,
não atender à citação/notificação ou não comparecer à qualquer
audiência devidamente notificada, devendo o encarregado providenciar
a publicação da revelia em boletim e nomeação de um representante ad
hoc.
PRESCRIÇÕES DIVERSAS
Art. 5ºNenhuma punição disciplinar ou sanção administrativa poderá
ser aplicada ou executada sem o trânsito em julgado do devido
processo disciplinar;
§ 1º - A instauração do processo disciplinar independe de decisão
judicial, sendo admissível a responsabilização disciplinar pela
falta residual não compreendida na sentença judicial; vinculando-se
a esfera administrativa nos casos de negativa de autoria ou
imaterialidade do fato transitados em julgados no juízo criminal;
§ 2º - As denúncias que não apresentarem indícios suficientes da
autoria ou materialidade de uma transgressão disciplinar e/ou crime,
ou tiverem sido noticiadas por manifestação individual ou peça
apócrifa, deverão ser objeto de apuração preliminar;
§ 3º - Na ausência de dispositivo específico, nos procedimentos
ordinários, considerar-se-á regulamentar o prazo de 03 dias,
ressalvado o prazo das alegações finais dos procedimentos especiais,
Conselho de Disciplina/Justificação, que será de 08 dias;
SEVERINO DO RAMO GERÔNIMO DE ARAÚJO - CEL QOC
Corregedor da PMPB. (REPUBLICADA POR INCORREÇÃO).
-
(Nota nº 45876 de 17 Fev 2016 - CORREGEDORIA)

2.2.3 - Instrução Normativa 003/16 - CPMPB


João Pessoa, 03 Jan 2016.
O Corregedor Geral da Polícia Militar do Estado da Paraíba no uso
das atribuições conferidas no caput do art. 18 da lei complementar
nº 87 de 20 de dezembro de 2008, buscando aperfeiçoar e padronizar
os atos investigativos e correcionais resolve ORIENTAR os serviços
Policiais Militares nos seguintes sentidos:
DA APURAÇÃO PRELIMINAR
Art. 1ºA apuração preliminar é o procedimento investigatório que
objetiva apurar um fato relevante à ordem, à disciplina ou aos
serviços Policiais Militares.
§ 1º - Realizar-se-á apuração preliminar sempre que um fato,
envolvendo a Polícia Militar, não reunir indícios suficientes da sua
autoria ou materialidade, ou tiver sido noticiado por manifestação
individual ou peça apócrifa;
§ 2º - A apuração preliminar é um procedimento destinado
exclusivamente a reunir informações acerca da autoria e
materialidade de um fato e a admissibilidade das medidas

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1071

pertinentes, não podendo resultar diretamente na aplicação de


qualquer espécie de sanção ou punição;
DAS DILIGÊNCIAS INVESTIGATIVAS
Art. 2ºO encarregado da investigação deverá:
I - Dirigir-se ao local do fato;
II - Colher todas as informações que esclarecerem o fato;
III - Recolher os objetos relacionados ao fato;
IV - Identificar e Ouvir os ofendidos e as testemunhas;
V - Realizar o reconhecimento de pessoas ou coisas;
VI - Solicitar as perícias necessárias;
VII - Relatar todo apurado;
§1º - O encarregado da investigação deverá assegurar o sigilo
necessário à elucidação do fato, à presunção de inocência e a
preservação da imagem e da honra dos envolvidos;
§ 2º - As oitivas poderão prescindir da assinatura do declarante e
serem realizadas em qualquer lugar, devendo ser registradas em termo
de declaração, ou arquivo digital de áudio/vídeo ou relatório de
diligência;
§ 3º - O encarregado da apuração preliminar poderá, a qualquer
momento, solicitar assistência da Inteligência (EM/2), cabendo a
este setor, além de decidir sobre a viabilidade da solicitação,
estritamente assessorar a investigação, sem, em hipótese alguma,
substituir o encarregado em suas atribuições;
§ 4º - Ao final da investigação, o encarregado interrogará os
suspeitos, se houverem, informando-os do direito de não constituírem
prova contra si mesmo e da possibilidade de constituírem defensor;
§ 5º - A apuração será realizada no prazo de 05 dias, findos os
quais, o encarregado deverá remeter à autoridade delegante os autos
conclusos ou o relatório da investigação solicitando,
fundamentadamente, novo prazo;
DOS AUTOS DA INVESTIGAÇÃO
Art. 3ºOs atos investigativos deverão ser registrados em relatórios
individuais ou mídia de áudio/vídeo juntada aos autos mediante
termo, e, ao final, reunidos em um só caderno de folhas numeradas e
rubricadas, por ordem cronológica.
§ 1º - A própria capa do caderno constará as autuações e juntadas
iniciais, a abertura do procedimento e a data de início dos
trabalhos;
§ 2º - As ordens, as juntadas, as certidões de cumprimento e demais
atos administrativos, serão realizadas em despachos manuscrito nos
próprios documentos;
RELATÓRIO DA INVESTIGAÇÃO

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1072

Art. 4ºAo término da apuração, o encarregado confeccionará


relatório conclusivo narrando à investigação, imputando a eventual
prática de conduta irregular e se pronunciando acerca da
admissibilidade do processo disciplinar e/ou outras medidas
pertinentes;
§ 1º - A imputação de conduta irregular deverá conter:
I - Qualificação dos suspeitos;
II - Enquadramento das condutas
§ 2º - Se forem verificados indícios de crime, o encarregado deverá,
em seu relatório, se pronunciar acerca da admissibilidade de
inquérito policial ou da remessa dos autos ao Ministério Público;
§ 3º - Se for verificada a admissibilidade de outras medidas
administrativas ou judiciais, além do processamento disciplinar,
estas deverão ser fundamentadamente elencadas;
SEVERINO DO RAMO GERÔNIMO DE ARAÚJO - CEL QOC
Corregedor da PMPB. (REPUBLICADO POR INCORREÇÃO).
-
(Nota nº 45879 de 17 Fev 2016 - CORREGEDORIA)

3 - DO ENSINO

3.1 - DESLIGAMENTO DE CURSO


3.1.1 - SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA E DA DEFESA SOCIAL
- POLÍCIA MILITAR - CENTRO DE EDUCAÇÃO
Portaria nº 0004/2016-CETP
João Pessoa-PB, 17 Fev 2016.
O DIRETOR DO CENTRO DE EDUCAÇÃO DA POLÍCIA MILITAR, no uso de suas
atribuições, conferidas pela Lei Nº 5.264, de 18 de abril de 1990
(Sistema de Ensino da PMPB), c/c a Lei Complementar nº 87, de 02 de
dezembro de 2008 (Organização Estrutural e Funcional da PMPB), bem
como considerando o teor do Parecer nº 001/2016-CETP (14/01/16), bem
como a Portaria nº 012/2016-CEPM (25/01/16), ambos publicados no BOL
PM nº 0017, datado de 26 de Janeiro de 2016, RESOLVE:
1. Desligar, EX-OFÍCIO, do Curso de Formação de Oficiais Policiais
Militares (CFO/PM - 1º ANO/2015), em funcionamento na Academia de
Policia Militar do Cabo Branco (APMCB), no Centro de Educação desta
Corporação, o qual foi matriculado administrativamente, por meio da
Portaria nº 0058/2015-CETP (07/05/15), publicada em BOL PM nº 0085,
datado de 08 de Maio de 2015, o policial militar adiante
referenciado, por ter atingido o limite máximo de infrequência
previsto em lei, garantindo-lhe, entretanto, a sua matrícula no 1º
Ano do Curso de Formação de Oficiais Policiais Militares CFO/PM -
2016, conforme o teor do Parecer acima mencionado.
Cadete PMPB Matr. 528.616-6 Douglas Rummening Silvestre da Silva.
2. Publique-se, registre-se e cumpra-se.
JOSÉ RONILDO SOUZA DA SILVA - CEL QOC

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1073

Diretor do CE. (Portaria nº 0004/2016-CETP, de 17 Fev 2016).


528.616-6 CADETE 1º ANO QPC DOUGLAS RUMMENING SILVESTRE DA SILVA
(Nota nº 45871 de 17 Fev 2016 - CENTRO DE EDUCAÇÃO)

3.2 - INFORMAÇÃO DE CURSO


3.2.1 - CURSO - CONCLUSÃO - CURSO DE FORMAÇÃO DE INSTRUTORES
- PROJETO DE FORMAÇÃO DE MULTIPLICADORES DE PILOTAGEM - YAMAHA
O DIRETOR DO CENTRO DE EDUCAÇÃO DA POLÍCIA MILITAR, no uso de suas
atribuições, conferidas pela Lei Nº 5.264, de18 de abril de 1990
(Sistema de Ensino da PMPB), c/c a Lei Complementar nº 87, de 02 de
dezembro de 2008 (Organização Estrutural e Funcional da PMPB), bem
como, em consonância com o teor do Ofício nº 0090/2016-ROTAM, datado
de 11 de fevereiro de 2016,da lavra do Cap LUIZ ANTONIO Almeida
Rosas, Comandante da Companhia da ROTAM do 1º BPM, desta Corporação,
RESOLVE:

1. Tornar público que os Militares Estaduais referenciados,


concluíram com êxito o CURSO DE FORMAÇÃO DE INSTRUTORES, promovido
pelo "YRA - Yamaha Riding Academy - Pilotagem Off Road Especial",
para o qual foram indicados através da Nota nº 0278/2015 - CEPM,
publicada no Bol PM nº 0229, de 09 de Dezembro de 2015.

Militares Estaduais Referenciados:


1) 1º Ten QOC Matr. 521.485-8 FÁBIO DE MEDEIROS MOREIRA;
2) 1º Ten QOC Matr. 523.351-8 ÍTALO VENDRYES BENÍCIO SILVA SÁ,
3) 1º Ten QOC Matr. 523.491-3 JOSÉ RONEY NOBREGA DA SILVA CRISPIM;
4) 2º Ten QOC Matr. 525.584-8 ANDERSON MEDEIROS DE LIMA;
5) SD QPC Matr. 522.712-7 JUAN CARLOS CIRÍACO CALIXTO DE OLIVEIRA;
6) SD QPC Matr. 524.188-0 TIAGO NUNES BATISTA;
7) SD QPC Matr. 524.775-6 YURI ALYSON GUEDES BATISTA;
8) SD QPC Matr. 525.227-0 NILSON MARTINS DE SOUZA NETO;
9) SD QPC Matr. 525.307-1 GIRLIARLYSON CAMILO DA SILVA;
10) SD QPC Matr. 525.697-6 JAMES MOREIRA RIBEIRO.
2. Publique-se, registre-se e cumpra-se.
João Pessoa-PB, 17 de Fevereiro de 2016.
JOSÉ RONILDO SOUZA DA SILVA - Cel QOC
Diretor. (Nota nº 0030/2016 - CEPM, de 17 Fev 2016).
.
521.485-8 1º TENENTE QOC FABIO DE MEDEIROS MOREIRA
523.351-8 1º TENENTE QOC ITALO VENDRYES BENICIO SILVA SA
523.491-3 1º TENENTE QOC JOSE RONEY NOBREGA DA SILVA CRISPIM
525.584-8 2º TENENTE QOC ANDERSON MEDEIROS DE LIMA
522.712-7 SOLDADO QPC JUAN CARLOS CIRIACO CALIXTO DE OLIVEIRA
524.188-0 SOLDADO QPC TIAGO NUNES BATISTA
524.775-6 SOLDADO QPC YURI ALYSON GUEDES BATISTA
525.227-0 SOLDADO QPC NILSON MARTINS DE SOUZA NETO
525.307-1 SOLDADO QPC GIRLIARLYSON CAMILO DA SILVA
525.697-6 SOLDADO QPC JAMES MOREIRA RIBEIRO
(Nota nº 45800 de 17 Fev 2016 - CENTRO DE EDUCAÇÃO)

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1074

3ª PARTE

ASSUNTOS GERAIS E ADMINISTRATIVOS

4 - ALTERAÇÃO DE OFICIAIS

4.1 - APRESENTAÇÃO EM LOCAL DE TRABALHO


4.1.1 - O COORDENADOR GERAL DO ESTADO-MAIOR ESTRATÉGICO DA
POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DA PARAÍBA, no uso das atribuições que lhe
são conferidas pelos artigos 6, 9 e 17, da Lei Complementar nº 87,
de 02 de dezembro de 2008, RESOLVE:
TORNAR PÚBLICO, que a Militar Estadual referenciada apresentou-se na
Coordenadoria de Comunicação Social e Marketing (EM-5), munida do
Ofício nº 068/2016-P/1, de 16 Fev 2016, em virtude ter sido
transferida conforme Boletim PM nº 029 de 15 Fev 2016.
524.358-1 1º TENENTE QOC TATIANA LOPES DE ALBUQUERQUE TAVARES
(Nota nº 45858 de 17 Fev 2016 - EME)

4.2 - DESIGNAÇÃO DE FUNÇÃO


4.2.1 - O COMANDANTE-GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DA
PARAÍBA, no uso das atribuições que lhe confere o Artigo 12, inc.
XII, da Lei Complementar nº 87, de 02 de dezembro de 2008, c/c o a
letra "d" do § 1º do art. 5º do Regulamento de Movimentação de
Oficias e Praças da PMPB, aprovado pelo Decreto nº 9.143/81,
RESOLVE:
DESIGNAR para a função de Adjunto da DGP/5, o Militar Estadual
referenciado.
516.954-2 1º TENENTE QOA ARTUR AFONSO AYRES
(Nota nº 45689 de 17 Fev 2016 - DGP/4)

4.2.2 - O COORDENADOR GERAL DO ESTADO-MAIOR ESTRATÉGICO DA


POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DA PARAÍBA, no uso das atribuições que lhe
são conferidas pelos artigos 6, 9 e 17, da Lei Complementar nº 87,
de 02 de dezembro de 2008, RESOLVE:
DESIGNAR para exercer o encargo de Auxiliar Administrativo do EM-5,
a Militar Estadual referenciada:
524.358-1 1º TENENTE QOC TATIANA LOPES DE ALBUQUERQUE TAVARES
(Nota nº 45865 de 17 Fev 2016 - EME)

4.3 - AVERBAÇÃO DE TEMPO DE SERVIÇO


4.3.1 - O DIRETOR DE GESTÃO DE PESSOAS DA POLÍCIA MILITAR DO
ESTADO DA PARAÍBA, no uso das atribuições que lhe foram delegadas
através da Portaria nº GCG/0004/2014-CG, datada de 08 de maio de
2014, publicada no BOL PM nº 0084 , de 08 de maio 2014;
CONSIDERANDO o requerimento da Militar Estadual referenciada,
classificada no IHGER conforme o Processo nº 0023/2016-DGP/3, onde a
mesma solicita que sejam averbados os tempos de serviços prestados
sob Regime Geral de Previdência Social RGPS:

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1075

CONSIDERANDO o tempo solicitado para averbação, conforme Certidão de


Tempo de Contribuição (original), expedida pelo INSS, com protocolo
nº 13001040.1.00066/15-0, datada de 17/12/2015, como se segue:
EMPREGADOR: INST. BRAS. DE DESENV. FLORESTAL 01
NUMERO: 336334130013-4
DOCUMENTO: CTPS: SERIE-
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 08/09/1987 à 31/12/1988
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 01 ano, 03 meses e 23 dias
EMPREGADOR: INST. BRAS. DO MEIO AMB. DOS REC NAT RENONAVEIS 02
NUMERO: 365916660029-6
DOCUMENTO: CTPS SÉRIE-
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 08/09/1987 à 30/06/1989
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 00 ano, 06 meses e 00 dia (OBS)
EMPREGADOR: ESTADO DE SÃO PAULO 03
NUMERO: 463794000001-50
DOCUMENTO: CTPS SÉRIE-
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 07/08/1992 à 22/11/1993
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 00 ano, 00 mês e 00 dia
EMPREGADOR: INST. DE ASSIS. MÉD. AO SERV. PUB. ESTADUAL 04
NUMERO: 607473180001-62
DOCUMENTO: CTPS SÉRIE-
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 04/11/1994 à 03/04/1995
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 00 ano, 00 mês e 00 dia
EMPREGADOR: AUTÔNOMO 05
NUMERO: 113144077-37
DOCUMENTO: CTPS SÉRIE
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 01/03/1992 à 30/11/1993
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 01 ano, 09 meses e 00 dia
EMPREGADOR: AUTÔNOMO 06
NUMERO: 113144077-37
DOCUMENTO: CTPS SÉRIE
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 01/01/1994 à 31/10/1999
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 05 anos, 10 meses e 00 dia
EMPREGADOR: AUTÔNOMO 07
NUMERO: 113144077-37
DOCUMENTO: CTPS SÉRIE
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 01/11/1999 à 30/06/2002
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 02 anos, 08 meses e 00 dia
EMPREGADOR: AUTÔNOMO 08
NUMERO: 113144077-37
DOCUMENTO: CTPS SÉRIE
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 01/07/2002 à 31/07/2002
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 00 ano, 01 mês e 00 dia
EMPREGADOR: AUTÔNOMO 09
NUMERO: 113144077-37
DOCUMENTO: CTPS SÉRIE
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 01/08/2002 à 31/03/2003
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 00 ano, 08 meses e 00 dia
EMPREGADOR: AUTÔNOMO 10
NUMERO: 113144077-37
DOCUMENTO: CTPS SÉRIE
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 01/08/2003 à 30/09/2003

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1076

TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 00 ano, 01 mês e 00 dia


EMPREGADOR: AUTÔNOMO 11
NUMERO: 113144077-37
DOCUMENTO: CTPS SÉRIE
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 01/10/2003 à 31/08/2005
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 01 ano, 11 meses e 00 dia
EMPREGADOR: AUTÔNOMO 12
NUMERO: 180044256-29
DOCUMENTO: CTPS SÉRIE
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 01/10/2005 à 31/12/2005
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 00 ano, 03 meses e 00 dia
EMPREGADOR: AUTÔNOMO 13
NUMERO: 117023113-97
DOCUMENTO: CTPS SÉRIE
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 01/11/2009 à 31/10/2015
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 05 anos, 11 meses e 00 dia
EMPREGADOR: AUTÔNOMO 14
NUMERO: 180044256-29
DOCUMENTO: CTPS SÉRIE
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 01/11/2009 à 30/11/2009
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 00 ano, 01 mês 00 dia
EMPREGADOR: AUTÔNOMO 15
NUMERO: 180044256-29
DOCUMENTO: CTPS SÉRIE
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 01/07/2011 à 31/08/2011
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 00 ano, 00 mês e 00 dia
EMPREGADOR: AUTÔNOMO 16
NUMERO: 180044256-29
DOCUMENTO: CTPS SÉRIE
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 01/01/2012 à 31/01/2012
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 00 ano, 00 mês e 00 dia
EMPREGADOR: AUTÔNOMO 17
NUMERO: 17023113-97
DOCUMENTO: CTPS SÉRIE
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 01/01/2013 à 31/01/2013
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 00 ano, 00 mês e 00 dia
EMPREGADOR: AUTÔNOMO 18
NUMERO: 180044256-29
DOCUMENTO: CTPS SÉRIE
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 01/08/2003 à 31/08/2003
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 00 ano, 01 mês e 00 dia
EMPREGADOR: AUTÔNOMO 19
NUMERO: 180044256-29
DOCUMENTO: CTPS SÉRIE
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 01/09/2005 à 30/09/2005
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 00 ano, 01 mês e 00 dia
EMPREGADOR: AUTÔNOMO 20
NUMERO: 180044256-29
DOCUMENTO: CTPS SÉRIE
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 01/02/2004 à 31/03/2004
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 00 ano, 00 mês e 00 dia

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1077

EMPREGADOR: AUTÔNOMO 21
NUMERO: 180044256-29
DOCUMENTO: CTPS SÉRIE
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 01/05/2004 à 30/11/2004
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 00 ano, 00 mês e 00 dia
EMPREGADOR: AUTÔNOMO 22
NUMERO: 180044256-29
DOCUMENTO: CTPS SÉRIE
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 01/01/2005 à 31/01/2005
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 00 ano, 00 mês e 00 dia
1. Perfazendo um total de 7.748 (sete mil setecentos e quarenta e
oito) dias, ou seja, 21 (vinte e um) ano, 02 (dois) meses e 23
(vinte e três) dias;
AVERBAR os períodos de:
1ª. 08.09.1987 à 31.12.1988, correspondendo à 01 ano, 03 meses 23
dias
2ª. 01.01.1989 à 30.06.1989, correspondendo à 00 ano, 06 meses 00
dia
3ª. 01.03.1992 à 30.11.1993, correspondendo à 01 ano, 09 meses e 00
dia
4ª. 01.01.1994 à 17.05.1998, correspondendo à 04 anos, 04 meses e 16
dias
1. Averbar para efeito de passagem para a inatividade 2.894 (dois
mil oitocentos e noventa e quatro) dias, ou seja 07 sete anos, 11
(onze) meses e 09 (nove) dias, referentes aos períodos acima
mencionado, DEIXAR de averbas os períodos restantes por serem
concomitantes com o tempo de serviço prestados a Policia Militar do
Estado, tudo de acordo com o art. 1º, parágrafo único, da Lei nº
4.310, de 30/11/1981, c/c arts. 1º, parágrafo único, e 3º, ambos do
Decreto n° 9.369, de 28/01/1982, c/c o § 2º, do art. 34, da
Constituição do Estado da Paraíba, de 05/10/1989;
2. Publique-se, Registre-se e arquive-se na DGP/2, anexando ao
processo de inclusão da Militar Estadual.
520.686-3 MAJOR QOS CARMEN MARIA CARICIO DA FONSECA
(Nota nº 42764 de 17 Fev 2016 - DGP/3)

4.4 - CONCESSÃO DE FÉRIAS


4.4.1 - O SUBCOMANDANTE-GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DA
PARAÍBA, no uso das atribuições que lhe confere o § 2º, do Art. 15,
da Lei Complementar n° 87, de 02 DEZ 08; c/c o Art. 61, da Lei
3.909, de 14 JUL 77, c/c a Portaria nº GCG/047/2014-CG-GCG, de 08
MAI 2014, publicada no Bol PM nº 084, de 08 MAI 2014, RESOLVE:
CONCEDER ao Militar Estadual referenciado, classificado no Gabinete
do Comando Geral, 01 (um) mês de férias regulamentares referentes ao
exercício de 2014. Início: 18 Fev 2016 - Término: 18 Mar 2016 -
Apresentação: 19 Mar 2016.
Ao final do período das férias ora concedidas, a apresentação do
Militar Estadual referenciado deverá ser comunicada a esta

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1078

Diretoria.
512.866-8 CORONEL QOC EULLER DE ASSIS CHAVES
(Nota nº 45862 de 17 Fev 2016 - DGP/4)

4.4.2 - O COMANDANTE-GERAL DA POLÍCIA MILITAR, no uso das


atribuições que lhe confere o Inciso XII do Art. 12 da Lei
Complementar n° 87, 02 Dez 08, c/c a letra "i" do Inciso II do Art.
49 e artigo 61 do Estatuto dos Policiais Militares da PMPB, aprovado
pela Lei 3.909/77, RESOLVE:
CONCEDER ao Militar Estadual referenciado, do Subcomando-Geral, as
férias regulamentares referentes ao exercício de 2013.
INÍCIO: 18 Fev 16 TÉRMINO: 18 Mar 16 APRESENTAÇÃO: 19 Mar 16. (Nota
nº 0019/2016-CG, de 17/02/2016).
515.529-1 CORONEL QOC JOSÉ DE ALMEIDA ROSAS
(Nota nº 45851 de 17 Fev 2016 - GAB COMANDANTE GERAL)

4.4.3 - O COMANDANTE-GERAL DA POLÍCIA MILITAR, no uso das


atribuições que lhe confere o Inciso XII do Art. 12 da Lei
Complementar n° 87, 02 Dez 08, c/c a letra "i" do Inciso II do Art.
49 e artigo 61 do Estatuto dos Policiais Militares da PMPB, aprovado
pela Lei 3.909/77, RESOLVE:
CONCEDER ao Militar Estadual referenciado, do BPTRAN, as férias
regulamentares referentes ao exercício de 2012.
INÍCIO: 18 Fev 16 TÉRMINO: 18 Mar 16 APRESENTAÇÃO: 19 Mar 16. (Nota
nº 0020/2016-CG, de 17/02/2016).
518.608-1 CORONEL QOC PAULO ALMEIDA DA SILVA MARTINS
(Nota nº 45860 de 17 Fev 2016 - GAB COMANDANTE GERAL)

4.4.4 - O SUBCOMANDANTE-GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DA


PARAÍBA, no uso das atribuições que lhe confere o § 2º, do Art. 15,
da Lei Complementar n° 87, de 02 DEZ 08; c/c o Art. 61, da Lei
3.909, de 14 JUL 77, c/c a Portaria nº GCG/047/2014-CG-GCG, de 08
MAI 2014, publicada no Bol PM nº 084, de 08 MAI 2014, RESOLVE:
CONCEDER ao Militar Estadual referenciado, classificado na DGP/3, 01
(um) mês de férias regulamentares referentes ao exercício de 2015.
Início: 15 Fev 2016 - Término: 15 Mar 2016 - Apresentação: 16 Mar
2016.
Ao final do período das férias ora concedidas, a apresentação do
Militar Estadual referenciado deverá ser comunicada a esta
Diretoria.
520.277-9 MAJOR QOC EDUARDO ALVES TEMOTEO
(Nota nº 45765 de 17 Fev 2016 - DGP/4)

4.4.5 - O SUBCOMANDANTE-GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DA


PARAÍBA, no uso das atribuições que lhe confere o § 2º, do Art. 15,
da Lei Complementar n° 87, de 02 DEZ 08; c/c o Art. 61, da Lei
3.909, de 14 JUL 77, c/c a Portaria nº GCG/047/2014-CG-GCG, de 08
MAI 2014, publicada no Bol PM nº 084, de 08 MAI 2014, RESOLVE:

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1079

CONCEDER ao Militar Estadual referenciado, classificado na Ajudância


Geral, 01 (um) mês de férias regulamentares referentes ao exercício
de 2015. Início: 15 Fev 2016 - Término: 15 Mar 2016 - Apresentação:
16 Mar 2016.
Ao final do período das férias ora concedidas, a apresentação do
Militar Estadual referenciado deverá ser comunicada a esta
Diretoria.
520.615-4 MAJOR QOC NICOLAU FRANCA DE ALENCAR LEITE TERCEIRO
(Nota nº 45753 de 17 Fev 2016 - DGP/4)

4.4.6 - O SUBCOMANDANTE-GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DA


PARAÍBA, no uso das atribuições que lhe confere o § 2º, do Art. 15,
da Lei Complementar n° 87, de 02 DEZ 08; c/c o Art. 61, da Lei
3.909, de 14 JUL 77, c/c a Portaria nº GCG/047/2014-CG-GCG, de 08
MAI 2014, publicada no Bol PM nº 084, de 08 MAI 2014, RESOLVE:
CONCEDER ao Militar Estadual referenciado, classificado no CIOP, 01
(um) mês de férias regulamentares referentes ao exercício de 2014.
Início: 08 Fev 2016 - Término: 08 Mar 2016 - Apresentação: 09 Mar
2016.
Ao final do período das férias ora concedidas, a apresentação do
Militar Estadual referenciado deverá ser comunicada a esta
Diretoria.
520.637-5 CAPITÃO QOC JOSE CARLOS RAMALHO JUNIOR
(Nota nº 45783 de 17 Fev 2016 - DGP/4)

4.4.7 - O SUBCOMANDANTE-GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DA


PARAÍBA, no uso das atribuições que lhe confere o § 2º, do Art. 15,
da Lei Complementar n° 87, de 02 DEZ 08; c/c o Art. 61, da Lei
3.909, de 14 JUL 77, c/c a Portaria nº GCG/047/2014-CG-GCG, de 08
MAI 2014, publicada no Bol PM nº 084, de 08 MAI 2014, RESOLVE:
CONCEDER à Militar Estadual referenciada, classificada na DF/1, 01
(um) mês de férias regulamentares referentes ao exercício de 2012.
Início: 12 Fev 2016 - Término: 12 Mar 2016 - Apresentação: 13 Mar
2016.
Ao final do período das férias ora concedidas, a apresentação da
Militar Estadual referenciada deverá ser comunicada a esta
Diretoria.
521.312-6 CAPITÃO QOC SEBASTIANA VERISSIMO BITTENCOURT
(Nota nº 45768 de 17 Fev 2016 - DGP/4)

4.5 - SUSTAÇÃO DE FÉRIAS


4.5.1 - O SUBCOMANDANTE-GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DA
PARAÍBA, no uso das atribuições que lhe confere o § 2º, do Art. 15,
da Lei Complementar n° 87, de 02 DEZ 08; c/c o Art. 61, da Lei
3.909, de 14 JUL 77, c/c a Portaria nº GCG/047/2014-CG-GCG, de 08
MAI 2014, publicada no Bol PM nº 084, de 08 MAI 2014, e em atenção
ao Ofício nº 0096/2016/CPR II- Gab. Cmdo., de 29.01.2016, oriundo do
CPR II, RESOLVE:

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1080

SUSTAR para gozo oportuno, por necessidade do serviço, as férias


regulamentares (um período) referentes ao exercício de 2015, do
Militar Estadual referenciado, classificado no CPR II, publicizadas
em Bol PM nº 26/2016.
519.296-0 MAJOR QOC ANTONIO GUEDES NETO
(Nota nº 45758 de 17 Fev 2016 - DGP/4)

4.5.2 - O SUBCOMANDANTE-GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DA


PARAÍBA, no uso das atribuições que lhe confere o § 2º, do Art. 15,
da Lei Complementar n° 87, de 02 DEZ 08; c/c o Art. 61, da Lei
3.909, de 14 JUL 77, c/c a Portaria nº GCG/047/2014-CG-GCG, de 08
MAI 2014, publicada no Bol PM nº 084, de 08 MAI 2014, e em atenção
ao Ofício nº 0301/2015/GC-CPRM, de 27.03.2015, oriundo do CPRM,
RESOLVE:
SUSTAR para gozo oportuno, por necessidade do serviço, 07 (sete)
dias restantes das férias referentes ao exercício de 2008, do
Militar Estadual referenciado, classificado no EME, publicizadas em
Bol PM nº 26/2016.
520.586-7 MAJOR QOC CRISTOVÃO FERREIRA LUCAS
(Nota nº 45744 de 17 Fev 2016 - DGP/4)

4.5.3 - O SUBCOMANDANTE-GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DA


PARAÍBA, no uso das atribuições que lhe confere o § 2º, do Art. 15,
da Lei Complementar n° 87, de 02 DEZ 08; c/c o Art. 61, da Lei
3.909, de 14 JUL 77, c/c a Portaria nº GCG/047/2014-CG-GCG, de 08
MAI 2014, publicada no Bol PM nº 084, de 08 MAI 2014, e em atenção
ao Ofício nº 0096/2016/CPR II- Gab. Cmdo., de 29.01.2016, oriundo do
CPR II, RESOLVE:
SUSTAR para gozo oportuno, por necessidade do serviço, as férias
regulamentares (um período) referentes ao exercício de 2014, do
Militar Estadual referenciado, classificado no CPR II, publicizadas
em Bol PM nº 26/2016.
520.625-1 MAJOR QOC ELDER FABIO RIBEIRO MUDERNO
(Nota nº 45759 de 17 Fev 2016 - DGP/4)

4.5.4 - O SUBCOMANDANTE-GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DA


PARAÍBA, no uso das atribuições que lhe confere o § 2º, do Art. 15,
da Lei Complementar n° 87, de 02 DEZ 08; c/c o Art. 61, da Lei
3.909, de 14 JUL 77, c/c a Portaria nº GCG/047/2014-CG-GCG, de 08
MAI 2014, publicada no Bol PM nº 084, de 08 MAI 2014, e em atenção à
Parte nº GDF/012/2016, de 16.02.2016, oriundo da Diretoria de
Finanças, RESOLVE:

SUSTAR para gozo oportuno, por necessidade do serviço, as férias


regulamentares (um período) referentes ao exercício de 2015, do
Militar Estadual referenciado, classificado na DF/3, publicizadas
em Bol PM nº 19/2016.
.
521.301-1 CAPITÃO QOC LEONARDO ANTONIO DE SOUZA NEVES
(Nota nº 45772 de 17 Fev 2016 - DGP/4)

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1081

5 - ALTERAÇÃO DE PRAÇAS

5.1 - AFASTAMENTO POR ATESTADO MÉDICO


5.1.1 - O AJUDANTE-GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DA
PARAÍBA, no uso das atribuições que lhe confere o Art. 16, da Lei
Complementar nº 87, de 02 de Dezembro de 2008, c/c o Art. 13 da
Portaria nº GCG/0185/2011-CG, de 14.11.2011, publicada no Bol PM nº
0214, de 21.11.2011, RESOLVE:
TORNAR PÚBLICO que o Militar Estadual referenciado, pertencente a
Ajudância Geral, apresentou na AG/1 (Secretaria), Atestado Médico
expedido pelo Dr. Ricardo William de Almeida, CRM/PB 7022, da
Secretaria de Saúde do Município de Alhandra-PB, sendo dispensado de
suas funções laborativas durante 03 (três) dias, a contar de
07.02.2016.
Ao final do afastamento, a apresentação do Militar Estadual
referenciado, deverá ser comunicada a Ajudância Geral. (Nota nº
0324/2016-AG/1, de 17 Fev 2016).
523.692-4 SOLDADO QPC ELIABE LEAL DE OLIVEIRA
(Nota nº 45827 de 17 Fev 2016 - SECRETARIA - AG/1)

5.2 - APRESENTAÇÃO POR CONCLUSÃO DE FÉRIAS


5.2.1 - O Coordenador da EM/8, através da Parte nº
0008/2016-EM/8, de 17.02.2016, informou ao Ajudante-Geral, que o
Militar Estadual referenciado, classificado na Ajudância Geral,
apresentou-se naquela Coordenadoria, naquela data, por conclusão das
férias regulamentares (um período) referentes ao exercício de 2015,
concedidas conforme publicação contida no Bol PM nº 0010, de
15.01.2016. (Nota nº 0325/2016-AG/1, de 17 Fev 2016).
518.319-7 SUBTENENTE QPC ANTONIO MARCOS GONÇALVES DE SA
(Nota nº 45828 de 17 Fev 2016 - SECRETARIA - AG/1)

5.2.2 - O Vice-Diretor de Saúde e Assistência Social, através


do Oficio nº 0073/2016-DSAS, de 15.02.2016, informou ao
Ajudante-Geral, que a Militar Estadual referenciada, classificada na
Ajudância Geral, apresentou-se naquela Diretoria, no dia 13.02.2016,
por término dos 10 (dez) dias de dispensa, concedidos por conta das
férias regulamentares (um período) referentes ao exercício de 2007,
conforme publicação contida no Bol PM nº 0023/2016. (Nota nº
0320/2016-AG/1, de 17 Fev 2016).
521.014-3 1º SARGENTO QPC JOSIVANA PATRICIO GUERRA
(Nota nº 45814 de 17 Fev 2016 - SECRETARIA - AG/1)

5.2.3 - O Chefe da DF/3, através da Parte nº 0011/2016, de


16.02.2016, informou ao Diretor de Finanças, que o Militar Estadual
referenciado, pertencente a Ajudância Geral, apresentou-se naquela
Seção, no dia 15.02.2016, por conclusão dos 15 (quinze) dias
restantes das férias regulamentares (um período) referentes ao
exercício de 2015, concedidos conforme publicação contida no Bol PM
nº 0016, de 25.01.2016. (Nota nº 0319/2016-AG/1, de 17 Fev 2016).
514.226-1 3º SARGENTO QPC ORLANDO LOPES BRASILEIRO
(Nota nº 45813 de 17 Fev 2016 - SECRETARIA - AG/1)

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1082

5.2.4 - O Diretor de Finanças, através da Parte nº


GDF/014/2016, de 17.02.2016, informou ao Ajudante-Geral, que o
Militar Estadual referenciado, classificado na Ajudância Geral,
apresentou-se naquela Diretoria, naquela data, por conclusão das
férias regulamentares (um período) referentes ao exercício de 2015,
concedidas conforme publicação contida no Bol PM nº 0010, de
15.01.2016. (Nota nº 0326/2016-AG/1, de 17 Fev 2016).
517.644-1 3º SARGENTO QPC GIAN CARLO NERY DA SILVA
(Nota nº 45829 de 17 Fev 2016 - SECRETARIA - AG/1)

5.2.5 - O Vice-Diretor de Saúde e Assistência Social, através


do Oficio nº 0071/2016-DSAS, de 15.02.2016, informou ao
Ajudante-Geral, que o Militar Estadual referenciado, classificada na
Ajudância Geral, apresentou-se na Policlínica desta Corporação, no
dia 07.02.2016, por conclusão das férias regulamentares (um período)
referentes ao exercício de 2014, concedidas conforme publicação
contida no Bol PM nº 0004/2016. (Nota nº 0321/2016-AG/1, de 17 Fev
2016).
519.165-3 3º SARGENTO QPC OSEAS DOMINGUES DA SILVA
(Nota nº 45817 de 17 Fev 2016 - SECRETARIA - AG/1)

5.2.6 - O Chefe da DF/4, através da Parte nº 0002/16, de


15.02.2016, comunicou ao Diretor de Finanças/PMPB, que o Militar
Estadual referenciado, pertencente a Ajudância Geral, apresentou-se
naquela Seção, naquela data, por conclusão dos 15 (quinze) dias
restantes das férias regulamentares (um período) referentes ao
exercício de 2011, concedidos conforme publicação contida no Bol PM
nº 0016, de 25.01.2016. (Nota nº 0311/2016-AG/1, de 17 Fev 2016).
521.964-7 CABO QPC NEUBER SERVULO MEDEIROS DE OLIVEIRA
(Nota nº 45805 de 17 Fev 2016 - SECRETARIA - AG/1)

5.3 - AVERBAÇÃO DE TEMPO DE SERVIÇO


5.3.1 - O DIRETOR DE GESTÃO DE PESSOAS DA POLÍCIA MILITAR DO
ESTADO DA PARAÍBA, no uso das atribuições que lhe foram delegadas
através da Portaria nº GCG/0004/2014-CG, datada de 08 de maio de
2014, publicada no BOL PM nº 0084, de 08 de maio de 2014;
CONSIDERANDO o requerimento do Militar Estadual referenciado,
classificado no 5º BPM, conforme o Processo nº 0035/2016-DGP/3, onde
o mesmo solicita que seja averbado o tempo de serviço prestado sob
Regime Geral de Previdência Social RGPS, de acordo com o art. 1º,
parágrafo único, da Lei nº 4.310, e de 30/11/1981, c/c arts. 1º,
Parágrafo Único, e 3º, ambos do Decreto nº 9.369, de 28/01/1982, c/c
o § 2º, do art. 34, da Constituição do Estado da Paraíba, de
05/10/1989.
CONSIDERANDO o tempo solicitado para averbação, conforme Certidão de
Tempo de Contribuição (original), expedida pelo INSS, com protocolo
nº 13001080.1.00181/15-4, datada de 05/01/2016, como se segue:
EMPREGADOR: CONPEL CIA NORDESTINA DE PAPEL
NUMERO: 91162780001-1
DOCUMENTO: CTPS: 57718 SERIE-8
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 13/05/1986 à 19/12/1986
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 00 ano, 07 meses e 07 dias

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1083

Diante do acima apresentado, RESOLVE:


1. AVERBAR, para efeito de passagem para inatividade, 217 (duzentos
e dezessete) dias, ou seja, 00 (zero) ano, 07 (sete) meses e 07
(sete) dias.
2. Publique-se, e registre-se e arquive-se na DGP/2, anexando aos
assentamentos do Militar Estadual.
515.036-1 3º SARGENTO QPC EDJARBAS NERY DE ARAUJO
(Nota nº 45547 de 17 Fev 2016 - DGP/3)

5.3.2 - O DIRETOR DE GESTÃO DE PESSOAS DA POLÍCIA MILITAR DO


ESTADO DA PARAÍBA, no uso das atribuições que lhe foram delegadas
através da Portaria nº GCG/0004/2014-CG, datada de 08 de maio de
2014, publicada no BOL PM nº 0084, de 08 de maio de 2014;
CONSIDERANDO o requerimento do Militar Estadual referenciado,
classificado no 4º BPM, conforme o Processo nº 0035/2016-DGP/3, onde
o mesmo solicita que seja averbado o tempo de serviço prestado sob
Regime Geral de Previdência Social RGPS, de acordo com o art. 1º,
parágrafo único, da Lei nº 4.310, e de 30/11/1981, c/c arts. 1º,
Parágrafo Único, e 3º, ambos do Decreto nº 9.369, de 28/01/1982, c/c
o § 2º, do art. 34, da Constituição do Estado da Paraíba, de
05/10/1989.
CONSIDERANDO o tempo solicitado para averbação, conforme Certidão de
Tempo de Contribuição (original), expedida pelo INSS, com protocolo
nº 13001020.1.00003/16-7, datada de 12/01/2016, como se segue:
EMPREGADOR: EMSERG EMP. DE SERV. GERAIS LTDA
NUMERO: 84853690002-24
DOCUMENTO: CTPS: 43627 SERIE-7
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 24/10/1986 à 05/05/1987
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 00 ano, 06 meses e 12 dias
Diante do acima apresentado, RESOLVE:
1. AVERBAR, para efeito de passagem para inatividade, 192 (cento e
noventa e dois) dias, ou seja, 00 (zero) ano, 06 (seis) meses e 12
(doze) dias.
2. Publique-se, e registre-se e arquive-se na DGP/2, anexando aos
assentamentos do Militar Estadual.
515.170-8 3º SARGENTO QPC PAULO CLAUDINO DE MENDONCA
(Nota nº 45545 de 17 Fev 2016 - DGP/3)

5.3.3 - O DIRETOR DE GESTÃO DE PESSOAS DA POLÍCIA MILITAR DO


ESTADO DA PARAÍBA, no uso das atribuições que lhe foram delegadas
através da Portaria nº GCG/0004/2014-CG, datada de 08 de maio de
2014, publicada no BOL PM nº 0084, de 08 de maio de 2014;
CONSIDERANDO o requerimento do Militar Estadual referenciado,
classificado no 2º BPM, conforme o Processo nº 0039/2016-DGP/3, onde
o mesmo solicita que seja averbado o tempo de serviço prestado sob
Regime Geral de Previdência Social RGPS, de acordo com o art. 1º,
parágrafo único, da Lei nº 4.310, e de 30/11/1981, c/c arts. 1º,
Parágrafo Único, e 3º, ambos do Decreto nº 9.369, de 28/01/1982, c/c

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1084

o § 2º, do art. 34, da Constituição do Estado da Paraíba, de


05/10/1989.
CONSIDERANDO o tempo solicitado para averbação, conforme Certidão de
Tempo de Contribuição (original), expedida pelo INSS, com protocolo
nº 13021030.1.00003/16-1, datada de 05/01/2016, como se segue:
EMPREGADOR: BESA BORRACHA ESP. S/A IND. E COMERCIO
NUMERO: 88266950001-77
DOCUMENTO: CTPS 59345 SERIE- 17
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 01/01/1986 à 03/06/1986
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 00 ano, 05 meses e 03 dias
EMPREGADOR: DOLOMIL INDUSTRIA LTDA
NUMERO: 89565340001-6
DOCUMENTO: CTPS 59345 SÉRIE-17
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 02/08/1986 à 15/01/1987
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 00 ano, 05 meses e 14 dias
EMPREGADOR: NORDESTE SEG. DE VAL PARAÍBA LTDA
NUMERO: 93498610001-54
DOCUMENTO: CTPS 59345 SÉRIE-17
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 05/06/1987 à 24/12/1987
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 00 anos, 06 meses e 20 dias
Diante do acima apresentado, RESOLVE:
1. AVERBAR, para efeito de passagem para inatividade, 522
(quinhentos e vinte e dois) dias, ou seja, 01 (um) ano, 05 (cinco)
meses e 07 (sete) dias.
2. Publique-se, e registre-se e arquive-se na DGP/2, anexando aos
assentamentos do Militar Estadual.
515.768-4 3º SARGENTO QPC PAULO ROBERTO DOS SANTOS
(Nota nº 45556 de 17 Fev 2016 - DGP/3)

5.3.4 - O DIRETOR DE GESTÃO DE PESSOAS DA POLÍCIA MILITAR DO


ESTADO DA PARAÍBA, no uso das atribuições que lhe foram delegadas
através da Portaria nº GCG/0047/2014-CG, datada de 08 de maio de
2014, publicada no BOL PM nº 0084, de 08 de maio de 2014, de acordo
com o inciso I, do artigo 122, da Lei nº 3.909, de 14.07.1977, c/c o
§ 2º, do artigo 34, da Constituição do Estado da Paraíba, de
05/10/1989:
CONSIDERANDO o requerimento do Militar Estadual referenciado,
classificado no 5º BPM conforme o Processo nº 0044/2016-DGP/3, onde
o mesmo solicita que seja averbado o tempo de serviço prestado ao
Exército Brasileiro, no período de 30.01.1984 à 29.01.1985;
CONSIDERANDO os tempos solicitados para averbação, conforme
Certificado de reservista nº 680073, expedido pelo 16º Regimento de
Cavalaria Mecanizado datado de 29.01.1985, como se segue:
1. Averbar para efeito de passagem para a inatividade, o tempo de
serviço prestado ao EXÉRCITO BRASILEIRO, 359 (trezentos e cinquenta
e nove) dias, ou seja, 00 (zero) ano, 11 (meses) meses e 29 (vinte e
nove) dias.
2. Publique-se, Registre-se e arquive-se na DGP/2, anexando ao
processo de inclusão do Militar Estadual.

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1085

516.110-0 3º SARGENTO QPC ANTONIO FRUTUOSO DE SOUZA


(Nota nº 45693 de 17 Fev 2016 - DGP/3)

5.3.5 - O DIRETOR DE GESTÃO DE PESSOAS DA POLÍCIA MILITAR DO


ESTADO DA PARAÍBA, no uso das atribuições que lhe foram delegadas
através da Portaria nº GCG/0047/2014-CG, datada de 08 de maio de
2014, publicada no BOL PM nº 0084, de 08 de maio de 2014;
CONSIDERANDO o requerimento do Militar Estadual referenciado,
classificado no 7º BPM, conforme o Processo nº 0041/2016-DGP/3, onde
o mesmo solicita que seja averbado o tempo de serviço prestado sob
Regime Geral de Previdência Social RGPS, de acordo com o art. 1º,
parágrafo único, da Lei nº 4.310, e de 30/11/1981, c/c arts. 1º,
Parágrafo Único, e 3º, ambos do Decreto nº 9.369, de 28/01/1982, c/c
o § 2º, do art. 34, da Constituição do Estado da Paraíba, de
05/10/1989.
CONSIDERANDO o tempo solicitado para averbação, conforme Certidão de
Tempo de Contribuição (original), expedida pelo INSS, com protocolo
nº 13001100.1.00013/15-3, datada de 19/11/2015, como se segue:
EMPREGADOR: CIA SISAL DO BRASIL COSIBRA
NUMERO: 9092610002-18
DOCUMENTO: CTPS 86025 SERIE-5
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 11/02/1985 à 08/06/1985
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 00 ano, 03 meses e 28 dias
EMPREGADOR: ORGANIZAÇÃO GUARARAPES
NUMERO: 2956322894
DOCUMENTO: CTPS- 86025 SÉRIE-5
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 31/05/1986 à 31/08/1986
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 00 ano, 03 meses e 00 dia
EMPREGADOR: TOALIA S/A INDUSTRIA TEXTIL
NUMERO: 109630230001-55
DOCUMENTO: CTPS- 86025 SÉRIE-5
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 11/09/1986 à 14/07/1987
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 00 ano, 10 meses e 04 dias
EMPREGADOR: ALPARGATAS PARAÍBA S/A
NUMERO: 10741400001-90
DOCUMENTO: CTPS 86025 SERIE-5
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 01/04/1988 à 12/07/1988
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 00 ano, 06 meses e 09 dias
Diante do acima apresentado, RESOLVE:
1. AVERBAR, para efeito de passagem para inatividade, 706
(setecentos e seis) dias, ou seja, 01 (um) ano, 11 (onze) meses e 11
(onze) dias.
2. Publique-se, e registre-se e arquive-se na DGP/2, anexando aos
assentamentos do Militar Estadual.
516.540-7 3º SARGENTO QPC SEVERINO DO RAMO DA SILVA
(Nota nº 45701 de 17 Fev 2016 - DGP/3)

5.3.6 - O DIRETOR DE GESTÃO DE PESSOAS DA POLÍCIA MILITAR DO


ESTADO DA PARAÍBA, no uso das atribuições que lhe foram delegadas
através da Portaria nº GCG/0004/2014-CG, datada de 08 de maio de

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1086

2014, publicada no BOL PM nº 0084, de 08 de maio de 2014;


CONSIDERANDO o requerimento do Militar Estadual referenciado,
classificado no 14º BPM, conforme o Processo nº 0043/2016-DGP/3,
onde o mesmo solicita que seja averbado o tempo de serviço prestado
sob Regime Geral de Previdência Social RGPS, de acordo com o art.
1º, parágrafo único, da Lei nº 4.310, e de 30/11/1981, c/c arts. 1º,
Parágrafo Único, e 3º, ambos do Decreto nº 9.369, de 28/01/1982, c/c
o § 2º, do art. 34, da Constituição do Estado da Paraíba, de
05/10/1989.
CONSIDERANDO o tempo solicitado para averbação, conforme Certidão de
Tempo de Contribuição (original), expedida pelo INSS, com protocolo
nº 13021110.1.00025/15-6, datada de 22/10/2015, como se segue:
EMPREGADOR: COJUDA CONSTRUTORA JULIÃO LTDA
NUMERO: 92713210001-3
DOCUMENTO: CTPS 53222 SERIE-6
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 01/01/1985 à 17/03/1986
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 01 ano, 02 meses e 17 dias
EMPREGADOR: CONSTRUTORA NORBERTO ODEBRECHT S/A
NUMERO: 151022880103-7
DOCUMENTO: CTPS- 53222 SÉRIE-6
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 25/06/1986 à 10/12/1986
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 00 ano, 05 meses e 16 dias
Diante do acima apresentado, RESOLVE:
1. AVERBAR, para efeito de passagem para inatividade, 608
(seiscentos e oito) dias, ou seja, 01 (um) ano, 08 (oito) meses e 03
(três) dias.
2. Publique-se, e registre-se e arquive-se na DGP/2, anexando aos
assentamentos do Militar Estadual.
516.793-1 3º SARGENTO QPC HUMBERTO OLIVEIRA DOS SANTOS
(Nota nº 45704 de 17 Fev 2016 - DGP/3)

5.3.7 - O DIRETOR DE GESTÃO DE PESSOAS DA POLÍCIA MILITAR DO


ESTADO DA PARAÍBA, no uso das atribuições que lhe foram delegadas
através da Portaria nº GCG/0047/2014-CG, datada de 08 de maio de
2014, publicada no BOL PM nº 0084, de 08 de maio de 2014, de acordo
com o inciso I, do artigo 122, da Lei nº 3.909, de 14.07.1977, c/c o
§ 2º, do artigo 34, da Constituição do Estado da Paraíba, de
05/10/1989:
CONSIDERANDO o requerimento do Militar Estadual referenciado,
classificado na Ajudância Geral conforme o Processo nº
0042/2016-DGP/3, onde o mesmo solicita que seja averbado o tempo de
serviço prestado ao Exército Brasileiro, no período de 04.02.1985 à
28.02.1986;
CONSIDERANDO os tempos solicitados para averbação, conforme Certidão
original de tempo de serviço Militar nº 061/2015, expedido pelo 15º
Batalhão de Infantaria Motorizado datado de 03.09.2015, como se
segue:
1. Averbar para efeito de passagem para a inatividade, o tempo de
serviço prestado ao EXÉRCITO BRASILEIRO, 390 (trezentos e noventa)
dias, ou seja, 01 (um) ano, 00(zero) mês e 25 (vinte e cinco) dias.

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1087

2. Publique-se, Registre-se e arquive-se na DGP/2, anexando ao


processo de inclusão do Militar Estadual.
516.975-5 3º SARGENTO QPC EDNALDO SABINO DA FONSECA
(Nota nº 45685 de 17 Fev 2016 - DGP/3)

5.3.8 - O DIRETOR DE GESTÃO DE PESSOAS DA POLÍCIA MILITAR DO


ESTADO DA PARAÍBA, no uso das atribuições que lhe foram delegadas
através da Portaria nº GCG/0001/2011-CG, datada de de 04 de Janeiro
de 2011, especificamente no seu item 1.8, publicada no BOL PM nº
003, de 30 de maio 2011;
CONSIDERANDO o requerimento do Militar Estadual referenciado,
classificado no 1º BPM, conforme o Processo nº 0040/2016-DGP/3, onde
o mesmo solicita que sejam averbados os tempos de serviços prestados
sob Regime Geral de Previdência Social RGPS,:
CONSIDERANDO os tempos solicitados para averbação, conforme Certidão
de Tempo de Contribuição (original), expedida pelo INSS, com
protocolo nº 13001080.1.00194/15-9, datada de 22/10/2015, como se
segue:
EMPREGADOR: CAL F B DROGARIA LTDA
NUMERO: 126130710001-49
DOCUMENTO: CTPS: 73369 SERIE-10
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 01/12/1987 à 15/03/1989
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 01 ano, 03 meses e 15 dias
EMPREGADOR: TOALIA S/A INDUSTRIA TEXTIL
NUMERO: 109630230001-55
DOCUMENTO: CTPS 73369 SÉRIE-10
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 23/08/1989 à 01/10/1990
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 01 ano, 01 mês e 09 dias
EMPREGADOR: SERVIÇO ESTADUAL DE TRANSPORTES URBANOS S/A
NUMERO: 129268380001-90
DOCUMENTO: CTPS 73369 SÉRIE-10
PERÍODO DE CONTRIBUIÇÃO: 18/09/1990 à 10/03/1992
TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO: 01 ano, 05 meses e 09 dias (OBS) já deduzido
pelo (INSS)
1. Os tempos solicitados para averbação perfazem um total de 1.398
(um mil trezentos e noventa e oito) dias, ou seja, 03 (três) anos,
10 (dez) meses e 03 (dois) dias;
Diante do exposto acima RESOLVE:
AVERBAR os períodos de:
1. 01.12.1987 à 15.03.1989, correspondendo à 01 ano, 03 meses e 15
dias,
2. 23.08.1989 à 17.09.1990 , correspondendo à 01 ano, 00 meses e 26
dias,
3.18.09.1990 a 29.02.1990, correspondendo a 01 ano, 05 meses e 09
dias,
1. DESPACHO: Ao Sr. Cel QOC Diretor OPINANDO PELO DEFERIMENTO
PARCIAL DO PEDIDO 1.385 (um mil trezentos e oitenta e cinco) dias,

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1088

ou seja 03 (três) anos, 09 (nove) meses e 20 (vinte) dias, Não


Averbar o período de 17.09.1990 à 01.10.1990, por ser concomitante
com a Empresa Privada, e o período de 02.03.1990 à 10.03.1990 por
ser concomitante com o tempo de serviço prestado a Policia Militar
do Estado, tudo de acordo com o inciso I, do artigo 122, da Lei nº
3.909, de 14.07.1977, c/c o § 2º, do artigo 34, da Constituição do
Estado da Paraíba, de 05/10/1989.
2. Publique-se, e registre-se e arquive-se na DGP/2, anexando aos
assentamentos do Militar Estadual.
519.508-0 3º SARGENTO QPC RONALDO CAMILO DE LIMA
(Nota nº 45608 de 17 Fev 2016 - DGP/3)

5.4 - CLASSIFICAÇÃO DE OPERADOR DE VIATURA


5.4.1 - O AJUDANTE-GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DA
PARAÍBA, no uso das atribuições que lhe confere o Art. 16, da Lei
Complementar nº 87, de 02 de Dezembro de 2008, e atendendo
solicitação do Tesoureiro do Fundo de Saúde/PMPB, contida na Parte
nº 0005/2016-FSPMPB, de 11.02.2016. RESOLVE:
CLASSIFICAR o Militar Estadual referenciado, pertencente a Ajudância
Geral, na função de motorista da viatura (Administrativa) marca
Ford/Fiesta, prefixo PM 1362, placas NQE-6906, disponibilizada para
o Fundo de Saúde pela DAL. (Nota nº 0310/2016-AG/1, de 17 Fev 2016).
521.909-4 CABO QPC NAFTALI ZEFERINO DA NOBREGA
(Nota nº 45724 de 17 Fev 2016 - SECRETARIA - AG/1)

5.5 - CONCESSÃO DE FÉRIAS


5.5.1 - O AJUDANTE-GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DA
PARAÍBA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela letra
"i" do Art. 49, c/c o § 1º do Art. 61, da Lei nº 3.909, de 14 de
julho de 1977, e em atendimento a solicitação contida na Parte nº
GDF/011/2016, de 16.02.2016, da lavra do Diretor de Finanças,
RESOLVE:
Conceder ao Militar Estadual referenciado, pertencente a Ajudância
Geral, as férias regulamentares (um período) referentes ao exercício
de 2015. Início: 17.02.2016 - Término: 17.03.2016 - Apresentação:
18.03.2016.
Ao final do período das férias ora concedidas, a apresentação do
Militar Estadual referenciado, deverá ser comunicada a Ajudância
Geral. (Nota nº 0315/2016-AG/1, de 17 Fev 2016).
515.826-5 3º SARGENTO QPC FRANCISCO DE ASSIS MARTINS
(Nota nº 45809 de 17 Fev 2016 - SECRETARIA - AG/1)

5.6 - CONCESSÃO DE RESTANTE DE FÉRIAS


5.6.1 - O AJUDANTE-GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DA
PARAÍBA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela letra
"i" do Art. 49, c/c o § 1º do Art. 61, da Lei nº 3.909, de 14 de
julho de 1977, e atendendo solicitação do Assistente do
Comandante-Geral, contida no Ofício nº 0041/2016/GCG-ACG, de
16.02.2016, RESOLVE:

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1089

Conceder ao Militar Estadual referenciado, pertencente a Ajudância


Geral, os 15 (quinze) dias restantes das férias regulamentares (um
período) referentes ao exercício de 2010, sustados para gozo
oportuno conforme publicação contida no Bol PM nº 0159/2015. Início:
16.02.2016 - Término: 01.03.2016 - Apresentação: 02.03.2013.
Ao final do período das férias ora concedidas, a apresentação do
Militar Estadual referenciado, deverá ser comunicada a Ajudância
Geral. (Nota nº 0316/2016-AG/1, de 17 Fev 2016).
513.038-7 2º SARGENTO QPC SEVERINO DA SILVA SANTOS
(Nota nº 45810 de 17 Fev 2016 - SECRETARIA - AG/1)

5.7 - SUSTAÇÃO DE FÉRIAS


5.7.1 - O AJUDANTE-GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DA
PARAÍBA, no uso das atribuições que lhe confere o Art. 16, da Lei
Complementar nº 87, de 02 de Dezembro de 2008, e atendendo
solicitação do Diretor de Finanças desta Corporação, contida na
Parte nº GDF/010/2016, de 16.02.2016, RESOLVE:
SUSTAR para gozo oportuno, por necessidade do serviço, as férias
regulamentares (um período) referentes ao exercício de 2015,
concedidas ao Militar Estadual referenciado, pertencente a Ajudância
Geral, conforme publicação contida no Bol PM nº 0029/2016. (Nota nº
0314/2016-AG/1, de 17 Fev 2016).
520.008-3 3º SARGENTO QPC PAULO CÉSAR DE ARAÚJO LUNA
(Nota nº 45808 de 17 Fev 2016 - SECRETARIA - AG/1)

5.7.2 - O AJUDANTE-GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DA


PARAÍBA, no uso das atribuições que lhe confere o Art. 16, da Lei
Complementar nº 87, de 02 de Dezembro de 2008, e atendendo
solicitação do Coordenador-Geral do Estado-Maior Estratégico,
contida no Oficio nº 0025/2016-GCEME, de 15.02.2016, RESOLVE:
SUSTAR para gozo oportuno, por necessidade do serviço, as férias
regulamentares (um período) referentes ao exercício de 2014,
concedidas ao Militar Estadual referenciado, pertencente a Ajudância
Geral, conforme publicação contida no Bol PM nº 0030/2016. (Nota nº
0312/2016-AG/1, de 17 Fev 2016).
522.925-1 CABO QPC HEVERTON HUMBERTO CLEMENTINO DOS SANTOS
(Nota nº 45806 de 17 Fev 2016 - SECRETARIA - AG/1)

5.8 - APRESENTAÇÃO POR CONCLUSAO DE ATESTADO MEDICO


5.8.1 - O Diretor da Policlínica desta Corporação, através da
Parte nº 0015/2016-POLI/DSAS, de 11.02.2016, informou ao Diretor de
Saúde e Assistência Social, que a Militar Estadual referenciada,
pertencente a Ajudância Geral, apresentou-se naquela Policlínica, no
dia 29.12.2015, por término dos 15 (quinze) dias da Licença para
acompanhamento de Tratamento de Saúde de Pessoa da Família,
publicada no Bol PM nº 0020/2016. (Nota nº 0318/2016-AG/1, de 17 Fev
2016).
517.260-8 3º SARGENTO QPC DAGMAR DA SILVA
(Nota nº 45812 de 17 Fev 2016 - SECRETARIA - AG/1)

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1090

5.8.2 - O Diretor da Policlínica desta Corporação, através da


Parte nº 0018/2016-POLI/DSAS, de 12.02.2016 informou ao Diretor de
Saúde e Assistência Social, que a Militar Estadual referenciada,
pertencente a Ajudância Geral, apresentou-se naquela Policlínica, no
dia 28.01.2016, por conclusão dos 30 (trinta) dias da Licença Para
Tratamento de Saúde Própria, com afastamento integral do serviço,
publicada no Bol PM nº 0024/2016. (Nota nº 0317/2016-AG/1, de 17 Fev
2016).
520.571-9 CABO QPC GILVANISE DIAS MELO DA SILVA
(Nota nº 45811 de 17 Fev 2016 - SECRETARIA - AG/1)

5.8.3 - O Chefe da DGP/4, através da Parte nº 007/2016-DGP/4,


de 16.02.2016, informou ao Diretor de Gestão de Pessoas, que a
Militar Estadual referenciada, pertencente a Ajudância Geral,
apresentou-se naquela Divisão, após conclusão dos 10 (dez) dias da
Dispensa Médica publicada no Bol PM nº 0022/2016. (Nota nº
0322/2016-AG/1, de 17 Fev 2016).
525.200-8 SOLDADO QPC WERIDIANA SILVA DO NASCIMENTO
(Nota nº 45820 de 17 Fev 2016 - SECRETARIA - AG/1)

5.8.4 - O Comandante do Centro Integrado de Operações,


através do Ofício nº 0156/2016-CIOP, de 10.02.2016, informou ao
Ajudante-Geral, que o Militar Estadual referenciado, pertencente a
Ajudância Geral, apresentou-se naquele Centro Integrado, no dia
02.02.2016, após conclusão da Dispensa Médica publicada no Bol PM nº
0030/2016. (Nota nº 0313/2016-AG/1, de 17 Fev 2016).
526.860-5 SOLDADO QPC ANDERSON CARNEIRO DA CUNHA LEITE
(Nota nº 45807 de 17 Fev 2016 - SECRETARIA - AG/1)

6 - DOCUMENTOS DIVERSOS

6.1 - DEFERIMENTO DE REQUERIMENTO


6.1.1 - PROCESSO Nº 0742/2015-AESPA
INTERESSADO: DIRETOR DE GESTÃO DE PESSOAS
ASSUNTO: CANCELAMENTO DAS PUNIÇÕES DISCIPLINARES DE REPREENSÃO
PUBLICADA NO BOL/1º BPM Nº 042 DE 29/04/2009; PRISÃO PUBLICADA NO
BOL/1º BPM Nº 0018, DE 20/02/2009; PRISÃO PUBLICADA NO BOL/1º BPM Nº
0014, DE 06/02/2009; E DETENÇÃO PUBLICADA NO BOL/1º BPM Nº 0136, DE
26/12/2007.
ANEXO: Cópia do Ofício nº 001/2016 ¿ CS/1º BPM, datado de 04 de
Janeiro de 2016, cópia dos boletins: 0136/2007; 0014/2009;
0018/2009; e 0042/2009.
PARECER Nº 0030.4/15-AESPA
Trata-se de encaminhamento do Diretor de Gestão de Pessoas, em face
de requerimento de cancelamento de punições, interposto pelo ST QPC
Matrícula 514.344-6 Elionaldo Barbosa da Silva, pertencente ao 1º
Batalhão de Polícia Militar.
Pugna o requerente pelo cancelamento das punições disciplinares de
Repreensão publicada no Bol/1º BPM nº 042 de 29 de abril de 2009;
Prisão publicada no Bol/1º nº 0018, de 20 de fevereiro de 2009;
Prisão publicada no Bol/1º BPM nº 0014, de 06 de fevereiro de 2009;

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1091

e Detenção publicada no Bol/1º BPM nº 0136 de 26/12/2007,


sustentando em seu requerimento, que o Comandante Geral pode
cancelar uma ou todas as punições do Policial Militar que tenha
prestado comprovadamente relevantes serviços independentes das
condições enunciadas no artigo 62 do Decreto Estadual nº 8.962,
datado de 11 de março de 1981, com fundamentação no artigo 64 do
diploma legal supracitado.
Com o objetivo de subsidiar o Parecer, o 1º BPM através do Ofício nº
001/2016 - CS/1º BPM, nos informou em resumo através de exposição de
motivos o seguinte: A Ficha Individual de Assentamentos (Justiça e
Disciplina) do requerente, traz um histórico de 11 (onze) Elogios,
sendo 04 (quatro) Individuais, 03 (três) Coletivos e 4 (quatro)
Referências Elogiosas. Constituindo assim uma ficha de comportamento
Ótimo. Em seus 29 (vinte e nove) anos de efetivo serviço, não
justifica o cancelamento de toda as punições solicitadas pelo
requerente relacionadas ao art. 64 do Regulamento Disciplinar da
Polícia Militar da Paraíba (Decreto Estadual nº 8. 962 de
11/03/1981).
Ao final, propõe o cancelamento da Punição de Repreensão publicada
no Bol/1º BPM nº 0042, de 29/04/2009, em razão de preencher a
condição do art. 62 do Regulamento Disciplinar da Polícia Militar da
Paraíba, ou seja, o requerente completou 05 anos de efetivo serviço
sem qualquer punição. Quanto as demais punições (prisões e
detenção), propõe pelo indeferimento em razão de não preencher uma
das condições do Art. 62 do Regulamento disciplinar do Estado da
Paraíba, de modo que as punições de prisão, o requerente não
completou 09 anos de serviço sem qualquer punição, já a de detenção,
o requerente não completou 05 anos de efetivo serviço sem qualquer
punição.
Analisando a documentação acostada e a exposição de motivos
encaminhada pelo 1º BPM, verificamos que em 29 (vinte e nove) anos
de efetivo serviços o seu comportamento encontra-se no ÓTIMO, com
elogios conforme acima descritos.
O referido poder de cancelar punições não pode ser exercido
indistintamente, sem qualquer critério, pois se encontra inserido em
um ordenamento jurídico, impondo-se a sua adequação a outros
comandos legais, no caso do instituto do cancelamento de punição aos
artigos 61 a 65 e mais especificamente ao artigo 64, todos do
Decreto nº 8.962 DE 11.03.81 que instituiu o REGULAMENTO DISCIPLINAR
DA POLÍCIA MILITAR DA PARAÍBA.
O art. 64 do RDPM diz o seguinte:
"Art. 64 - O Comandante-Geral pode cancelar uma ou todas as punições
do policial-militar que tenha prestado comprovadamente relevantes
serviços independentemente das condições enunciadas no Art. 62 do
presente Regulamento e do requerimento do interessado".
A natureza das punições em epígrafe aplicadas ao requerente, foram
as seguintes:
- Bol/1º BPM nº 0136/2007: Ter se ausentado quando de serviço em
PPM, sem autorização de quem de direto;
- Bol/1º BPM nº 0014/2009: Ter faltado ao serviço no reforço do
Policiamento Ostensivo de final de ano;
- Bol/1º BPM nº 0018/2009: Ter faltado ao serviço no Policiamento

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1092

Ostensivo da Malha Central desta Capital; e


- Bol/1º BPM nº 0042/2009: Por ter apresentado parte sem seguir as
normas e preceitos regulamentares.
Ao analisarmos a ficha disciplinar do requerente, extraída do SISPM
(SISTEMA DA POLÍCIA MILITAR), verifica-se que as transgressões
disciplinares praticadas pelo o requerente, não afetou à honra
pessoal, ao pundonor militar ou ao decoro da classe.
Conferidas tais argumentações técnicas, declino-me pelo DEFERIMENTO
do pedido do requerente.
É o nosso PARECER.
João Pessoa-PB, 01 de Fevereiro de 2016.
WLADIMIR ROMANIUC NETO
Assessor-Chefe
514.344-6 SUBTENENTE QPC ELIONALDO BARBOSA DA SILVA
(Nota nº 45861 de 17 Fev 2016 - ASSESSORIA ESPECIAL ADMINISTRAVA)

6.2 - PORTARIA
6.2.1 - Portaria nº 0002/2016-AG/1
João Pessoa-PB, 17 Fev 2016.
O AJUDANTE-GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DA PARAÍBA, no uso das
atribuições que lhe confere o Artigo 53, Inciso XV, do Decreto nº
7.505, de 03 de fevereiro de 1978, c/c a Resolução nº 01/GCG, de 26
de Janeiro de 1982, RESOLVE:
DESIGNAR o 2º Tenente PM Matrícula 513.368-8 JOSÉ VICENTE DE SOUSA
NETO, da Ajudância Geral, para no prazo de 20 (vinte) dias, a contar
da publicação desta Portaria em Bol PM, proceder Atestado de Origem
na pessoa do Militar Estadual Soldado QPC Matrícula 523.692-4 ELIABE
LEAL DE OLIVEIRA, classificado na Ajudância Geral, ora prestando
serviço junto a Banda de Música, de conformidade com os documentos
que lhe serão entregue, para o que delego os poderes e atribuições
que me competem.
VALTERLINS DUTRA DE SOUSA - TC QOC
Ajudante-Geral
513.368-8 2º TENENTE QPM JOSE VICENTE DE SOUSA NETO
523.692-4 SOLDADO QPC ELIABE LEAL DE OLIVEIRA
(Nota nº 45834 de 17 Fev 2016 - SECRETARIA - AG/1)

7 - COMUNICAÇÕES DIVERSAS

7.1 - COMUNICAÇÃO DE DESLOCAMENTO


7.1.1 - Em consideração a Parte nº 009/2016-EM/6, da lavra do
Coordenador de Gerenciamento de Crises - EM/6, deslocar-se-ão aos
municípios de Soledade, Sumé e Cubati-PB, com a finalidade de
realizar negociação e gerenciamento quanto ao cumprimento das
determinações judiciais de reintegração de posse, referente as
propriedades rurais denominadas Sítio Açudinho no município de Sumé

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1093

e Sítio Capoeiras no município de Cubati-PB, com saída às 05h00 do


dia 18 Fev 16 e retorno às 18h00 do dia 19 Fev 16, no veículo
GM/S-10, Placa QFE-5186, os Militares Estaduais referenciados: (Nota
nº 0115/2016-ACG, de 17/02/2016).
516.943-7 TENENTE CORONEL QOC ROBERTO COSTA RODRIGUES (SIAF: 2449)
520.262-1 MAJOR QOC ANTÔNIO JOSIAS DE SOUSA (SIAF: 58990)
520.929-3 CABO QPC SERGIO MEDEIROS MACHADO (SIAF: 287652)
522.340-7 CABO QPC ELINALDO RIBEIRO DO NASCIMENTO LIMA (SIAF: 111761)
(Nota nº 45835 de 17 Fev 2016 - GAB COMANDANTE GERAL)

7.1.2 - Em consideração ao Ofício nº 082/2016-GC, da lavra do


Comandante do BPAmb, deslocaram-se a cidade de Esperança-PB, com a
finalidade de realização de fiscalizações de cunho ambiental, com
saída às 07h00 do dia 17 Fev 16 e retorno às 07h00 do dia 18 Fev 16,
no veículo GM/S-10, Prefixo 6029, os Militares Estaduais
referenciados: (Nota nº 0116/2015-ACG, de 17/02/2016).
517.855-0 2º SARGENTO QPC PEDRO DE ALCANTARA BATISTA DOS SANTOS (SIAF: 2224
526.314-0 SOLDADO QPC KARLA HELENA FELIX DE SOUSA (SIAF: 263766)
526.517-7 SOLDADO QPC DIEGO SANTOS AGUIAR (SIAF: 263621)
526.725-1 SOLDADO QPC VICTOR DIEGO LEAO PAIVA (SIAF: 274915)
(Nota nº 45869 de 17 Fev 2016 - GAB COMANDANTE GERAL)

7.1.3 - Em consideração ao Ofício nº 0242/2016/5º BPM-SGP, da


lavra do Comandante do 5º BPM, deslocaram-se a cidade de Patos-PB,
com a finalidade de realizar escolta policial de reeducando, para
participar de audiência no Fórum daquela comarca, em atenção ao
Ofício nº 0247/16-PRGA, com saída às 03h00 do dia 15 Fev 16 e
retorno às 21h00 do mesmo dia, em veículo oficial a cargo da SECAP,
os Militares Estaduais referenciados: (Nota nº 0118/2016-ACG, de
17/02/2016).
516.514-8 3º SARGENTO QPC ANTONIO GOMES DA SILVA (SIAF: 261664)
517.078-8 3º SARGENTO QPC JOSE MARCOS VIEIRA MATIAS (SIAF: 253110)
518.510-6 3º SARGENTO QPC GILDO MEDEIROS BATISTA (SIAF: 257298)
(Nota nº 45894 de 17 Fev 2016 - GAB COMANDANTE GERAL)

7.1.4 - Em consideração ao Ofício nº 0243/2016/5º BPM-SGP, da


lavra do Comandante do 5º BPM, deslocar-se-ão a cidade de Sousa-PB,
com a finalidade de realizar escolta policial de reeducando, para
participar de audiência no Fórum daquela comarca, em atenção ao
Ofício nº 0174/16-PRGA, com saída às 03h00 do dia 18 Fev 16 e
retorno às 21h00 do mesmo dia, em veículo oficial a cargo da SECAP,
os Militares Estaduais referenciados: (Nota nº 0122/2016-ACG, de
17/02/2016).
517.078-8 3º SARGENTO QPC JOSE MARCOS VIEIRA MATIAS (SIAF: 253110)
517.466-0 3º SARGENTO QPC JOSE EDIO BELO DE SOUSA (SIAF: 85197)
517.582-8 3º SARGENTO QPC GILSON DOS SANTOS AVELINO (SIAF: 96274)
(Nota nº 45898 de 17 Fev 2016 - GAB COMANDANTE GERAL)

7.1.5 - Em consideração ao Ofício nº 0230/2016/5º BPM-SGP, da


lavra do Comandante do 5º BPM, deslocaram-se a cidade de
Guarabira-PB, com a finalidade de realizar escolta policial de
reeducando, para participar de audiência no Fórum daquela comarca,
em atenção ao Ofício nº 0105/16-GD, com saída às 06h00 do dia 17 Fev
16 e retorno às 17h00 do mesmo dia, em veículo oficial a cargo da

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1094

SECAP, os Militares Estaduais referenciados: (Nota nº 0121/2016-ACG,


de 17/02/2016).
517.078-8 3º SARGENTO QPC JOSE MARCOS VIEIRA MATIAS (SIAF: 253110)
517.582-8 3º SARGENTO QPC GILSON DOS SANTOS AVELINO (SIAF: 96274)
(Nota nº 45897 de 17 Fev 2016 - GAB COMANDANTE GERAL)

7.1.6 - Em consideração ao Ofício nº 0245/2016/5º BPM-SGP, da


lavra do Comandante do 5º BPM, deslocaram-se a cidade de
Gurinhem-PB, com a finalidade de realizar escolta policial de
reeducanda, para participar de audiência no Fórum daquela comarca,
em atenção ao Ofício nº 0112/16-GD, com saída às 07h00 do dia 12 Fev
16 e retorno às 15h00 do mesmo dia, em veículo oficial a cargo da
SECAP, os Militares Estaduais referenciados: (Nota nº 0117/2016-ACG,
de 17/02/2016).
517.466-0 3º SARGENTO QPC JOSE EDIO BELO DE SOUSA (SIAF: 85197)
517.707-3 3º SARGENTO QPC GILVANIO RODRIGUES DA SILVA (SIAF: 21382)
(Nota nº 45893 de 17 Fev 2016 - GAB COMANDANTE GERAL)

7.1.7 - Em consideração ao Ofício nº 0232/2016/5º BPM-SGP, da


lavra do Comandante do 5º BPM, deslocaram-se a cidade de
Guarabira-PB, com a finalidade de realizar escolta policial de
reeducando, para participar de audiência no Fórum daquela comarca,
em atenção ao Ofício nº 0125/16-GD, com saída às 07h00 do dia 16 Fev
16 e retorno às 17h00 do mesmo dia, em veículo oficial a cargo da
SECAP, os Militares Estaduais referenciados: (Nota nº 0119/2016-ACG,
de 17/02/2016).
517.466-0 3º SARGENTO QPC JOSE EDIO BELO DE SOUSA (SIAF: 85197)
517.707-3 3º SARGENTO QPC GILVANIO RODRIGUES DA SILVA (SIAF: 21382)
(Nota nº 45895 de 17 Fev 2016 - GAB COMANDANTE GERAL)

7.1.8 - Em consideração ao Ofício nº 0231/2016/5º BPM-SGP, da


lavra do Comandante do 5º BPM, deslocaram-se a cidade de
Monteiro-PB, com a finalidade de realizar escolta policial de
reeducando, para participar de audiência no Fórum daquela comarca,
em atenção ao Ofício nº 0176/2016-PRGA, com saída às 05h00 do dia 17
Fev 16 e retorno às 17h00 do mesmo dia, em veículo oficial a cargo
da SECAP, os Militares Estaduais referenciados: (Nota nº
0120/2016-ACG, de 17/02/2016).
517.466-0 3º SARGENTO QPC JOSE EDIO BELO DE SOUSA (SIAF: 85197)
517.707-3 3º SARGENTO QPC GILVANIO RODRIGUES DA SILVA (SIAF: 21382)
(Nota nº 45896 de 17 Fev 2016 - GAB COMANDANTE GERAL)

7.2 - EXTRATO DE PARTE


7.2.1 - Da Parte nº 001/2016-BMUS, de 16.02.2016, firmada
pelo Cap QOA JOSÉ EDSON ALVES PEQUENO, classificado na Ajudância
Geral, EXTRAI-SE que o Militar Estadual referenciado, quando
escalado de serviço, no dia 06.02.2016, na cidade Pitimbu-PB,
conforme escala de serviço online, código 199403, ao participar de
uma ocorrência naquele município, onde um indivíduo identificado
como Wilian Monteiro de Araújo, embriagado, praticava desordens no
interior de sua residência, e na ocasião em que fora dada voz de
prisão, o mesmo desobedeceu, resistiu a prisão e investiu contra a
guarnição, momento em que o Militar Estadual referenciado sofreu

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1095

agressão física e teve o ombro direito deslocado, tendo sido


conduzido ao Posto de Atendimento Médico de município de
Alhandra-PB, onde foi constatada a lesão, medicado e liberado.
- EXTRAI-SE ainda, que o indivíduo acima, após ter sido dominado
pela guarnição, foi conduzido para a Delegacia de Polícia Civil de
Alhandra-PB, preso em flagrante delito por desobediência,
resistência e lesão corporal, conforme cópia do Auto de Prisão em
Flagrante Delito apresentada. (Nota nº 0323/2016-AG/1, de 17 Fev
2016).
523.692-4 SOLDADO QPC ELIABE LEAL DE OLIVEIRA
(Nota nº 45821 de 17 Fev 2016 - SECRETARIA - AG/1)

7.3 - SOLUÇÃO DE REQUERIMENTO


7.3.1 - SOLUÇÃO DE REQUERIMENTO - DEFERIMENTO
PROCESSO Nº 003/2016-CEPM
INTERESSADOS: CAP QOC Matr. 521.380-1 DEUSLANIO MENEZES RODRIGUES DE
FREITAS
ASSUNTO: Requer a antecipação da data do Teste de Aptidão Física -
TAF, inerente ao processo seletivo do Curso de Especialização Lato
Sensu em Segurança Pública (CESP/2016).
Solucionando REQUERIMENTO formulado pelo CAP QOC Matr. 521.380-1
DEUSLANIO MENEZES RODRIGUES DE FREITAS, lotado no Batalhão de
Operações Especiais (BOPE), no sentido de que seja antecipado o
Teste de Aptidão Física -TAF do processo de seletivo para fins de
ingressar no CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EM SEGURANÇA PÚBLICA
(CESP/2016), para o qual foi considerado APTO na Inspeção de Saúde,
de acordo com a ata , em anexo, sob a alegação de que na data
prevista no Edital para o referido teste, o requerente
encontrar-se-á fora do Estado, em virtude de uma viagem
anteriormente marcada, conforme passagem aérea, anexa.
O DIRETOR DO CENTRO DE EDUCAÇÃO DA POLÍCIA MILITAR DA PARAÍBA, no
uso de suas atribuições, conferidas pela Lei nº 5.264, de 18 de
abril de 1990 (Sistema de Ensino da Polícia Militar do Estado da
Paraíba), c/c a Lei Complementar nº 87, de 02 de dezembro de 2008
(Organização Estrutural e Funcional da PMPB), e, ainda:
Considerando que o Processo de Seleção para o CESP/2016, está sendo
regido pelo Edital nº 002/2016 - CEPM, republicado no Bol PM nº 014,
de 21 de Janeiro de 2016, no qual está previsto que caberá ao
Diretor do Centro de Educação resolver os casos não previstos no
citado edital;
Considerando ainda que o supracitado Militar foi considerado apto na
Inspeção de Saúde e que o Teste de Aptidão Física tem caráter
AVALIATÓRIO; e ainda, que o mesmo, apresentou a passagem aérea
comprovando sua impossibilidade de estar presente na data prevista
no referido edital;
Ex positis, em consonância com os preceitos legais vigentes, e
demais documentos acostados aos requerimentos em apreços,
relacionados ao pleito, RESOLVE:
1. DEFERIR o pleito formulado pelo Militar requerente, estabelecendo
que o Teste de Aptidão Física - TAF do mesmo, seja realizado no

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1096

Complexo Poliesportivo do Centro de Educação, no dia 19 de Fevereiro


de 2016, às 08h00, pela Comissão nomeada através da Portaria nº
0026/2016 - CEPM, datada de 17 de Fevereiro de 2016.
2. Publique-se, registre-se e cumpra-se.
João Pessoa-PB, 17 de Fevereiro de 2016.
JOSÉ RONILDO SOUZA DA SILVA - Cel QOC
Diretor. (Nota nº 0031/2016 - CEPM, de 17 Fev 2016).
Anexo(s):
1. Ata de Inspeção de Saúde (CESP/2016)
2. Passagem Aérea

521.380-1 CAPITÃO QOC DEUSLANIO MENEZES RODRIGUES DE FREITAS


(Nota nº 45872 de 17 Fev 2016 - CENTRO DE EDUCAÇÃO)

7.3.2 - SOLUÇÃO DE REQUERIMENTOS - DEFERIMENTO


PROCESSO Nº 004/2016-CEPM
INTERESSADOS: CB 521.808-0 Pedro Claudino Guimarães; CB 522.215-0
Jean Cleuber Martins da Silva; SD 524.180-4 Luciano Carneiro de
Sousa e SD 525.536-8 Dayvid César Mariano de Lima.
ASSUNTO: Requerem a desistência da participação do Estágio de
Policiamento de Choque (EPC/2016), sendo realizado por esta
Corporação.

Solucionando requerimentos, datados de 16 de Fevereiro de 2016,


firmado pelos CB 521.808-0 Pedro Claudino Guimarães (5º BPM), CB
522.215-0 Jean Cleuber Martins da Silva (1º BPM); SD 524.180-4
Luciano Carneiro de Sousa (5º BPM) e SD 525.536-8 Dayvid César
Mariano de Lima (1ª CIPM), onde os pleiteantes requerem desistência
de suas condições de postulantes para preenchimento das vagas
ofertadas para o ESTÁGIO DE POLICIAMENTO DE CHOQUE - EPC/2016, cujo
Processo Seletivo regido pelo Edital nº 001/2016-CEPM, publicado no
Bol PM nº 010, de 15 de janeiro de 2016, foi finalizado nos termos
da Portaria nº 0025/2016-CEPM (16.02.2016), publicada no Bol PM nº
030, de 16 de fevereiro de 2016, no qual os requerentes se encontram
na condição de aprovados e classificados dentro do limite de vagas.

O DIRETOR DO CENTRO DE EDUCAÇÃO DA POLÍCIA MILITAR DA PARAÍBA, no


uso de suas atribuições, conferidas pela Lei nº 5.264, de 18 de
abril de 1990 (Sistema de Ensino da Polícia Militar do Estado da
Paraíba), c/c a Lei Complementar nº 87, de 02 de dezembro de 2008
(Organização Estrutural e Funcional da PMPB), RESOLVE:
1. DEFERIR o pleito formulado pelos Militares requerentes, EXCLUINDO
os nomes dos mesmos do rol de postulantes para preenchimento das
vagas ofertadas para o ESTÁGIO DE POLICIAMENTO DE CHOQUE - EPC/2016,
decorrente da citada seleção.
2. Passar à condição de candidatos APROVADOS e CLASSIFICADOS dentro
do limite de vagas estabelecido no citado edital, os Militares
Estaduais adiante referenciados:

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1097

CANDIDATOS APROVADOS E CLASSIFICADOS NO LIMITE DE VAGAS:


01) 2º TEN 524.867-1 Rodrigo Marques Gouveia de Oliveira (2ª CIPM);
02) 2º TEN 525.567-8 Diedjon Antônio da Silva Souza (5º BPM).
3. Recomendar aos Comandantes, Chefes e/ou Diretores dos candidatos
que passaram à condição de APROVADOS e CLASSIFICADOS, que façam
apresentar os mesmos, no quartel do GATE/PMPB, em Marés, na cidade
de João Pessoa/PB, às 07h00, do dia 19 de Fevereiro de 2016
(sexta-feira), para o início das atividades do citado Estágio.
4. Publique-se, registre-se e cumpra-se.
João Pessoa-PB, 17 de Fevereiro de 2016.
JOSÉ RONILDO SOUZA DA SILVA - Cel QOC
Diretor. (Nota nº 0032/2016 - CEPM, de 17 Fev 2016).
524.867-1 2º TENENTE QOC RODRIGO MARQUES GOUVEIA DE OLIVEIRA
525.567-8 2º TENENTE QOC DIEDJON ANTONIO DA SILVA SOUZA
521.808-0 CABO QPC PEDRO CLAUDINO GUIMARAES
522.215-0 CABO QPC JEAN CLEUBER MARTINS DA SILVA
524.180-4 SOLDADO QPC LUCIANO CARNEIRO DE SOUSA
525.536-8 SOLDADO QPC DAYVID CESAR MARIANO DE LIMA
(Nota nº 45884 de 17 Fev 2016 - CENTRO DE EDUCAÇÃO)

7.4 - DESIGNACÃO DE COMISSÃO


7.4.1 - SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA E DA DEFESA SOCIAL
- POLÍCIA MILITAR - CENTRO DE EDUCAÇÃO
Portaria nº 0026/2016-CEPM
João Pessoa-PB, 17 Fev 2016.
O DIRETOR DO CENTRO DE EDUCAÇÃO DA POLÍCIA MILITAR, no uso de suas
atribuições, conferidas pela Lei Nº 5.264, de 18 de abril de 1990
(Sistema de Ensino da PMPB), c/c a Lei Complementar nº 87, de 02 de
dezembro de 2008 (Organização Estrutural e Funcional da PMPB), e em
consonância com o Edital nº 0002/2016-CEPM, publicado no Bol PM nº
0014, de 21 de janeiro de 2016, RESOLVE:

1. Designar o Maj QOC Matr. 519.294-3 JUCEILTON Soares de Oliveira,


o Maj QOC Matr. 520.420-8 Jerônimo Pereira da Silva BISNETO, o Cap
QOC matrícula 520.666-9 Denilson PORFÍRIO de Lima e o Sd QPC
Matrícula 525.662-3 RENAN Roberto de Souza, sob a presidência do
primeiro, para comporem a Comissão responsável pela aplicação do
Teste de Aptidão Física - TAF, de caráter avaliatório, dos
postulantes ao Curso de Especialização Lato Sensu em Segurança
Pública (CESP/2016), nos dias 24 e 25 de Fevereiro de 2016, a partir
das 08h00, nas dependências do Centro de Educação, devendo, ao final
dos trabalhos, lavrar ata, encaminhando-a a este Diretor até as
13h00 do dia 25 de Fevereiro de 2016.

2. Publique-se, registre-se e cumpra-se.


JOSÉ RONILDO SOUZA DA SILVA - Cel QOC
Diretor. (Portaria nº 0026/2016-CEPM, de 17 Fev 2016).

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1098

.
519.294-3 MAJOR QOC JUCEILTON SOARES DE OLIVEIRA
520.420-8 MAJOR QOC JERONIMO PEREIRA DA SILVA BISNETO
520.666-9 CAPITÃO QOC DENILSON PORFIRIO DE LIMA
525.662-3 SOLDADO QPC RENAN ROBERTO DE SOUZA
(Nota nº 45825 de 17 Fev 2016 - CENTRO DE EDUCAÇÃO)

7.4.2 - SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA E DA DEFESA SOCIAL


- POLÍCIA MILITAR - CENTRO DE EDUCAÇÃO
Portaria nº 0027/2016-CEPM
João Pessoa-PB, 17 Fev 2016.
O DIRETOR DO CENTRO DE EDUCAÇÃO DA POLÍCIA MILITAR, no uso de suas
atribuições, conferidas pela Lei Nº 5.264, de 18 de abril de 1990
(Sistema de Ensino da PMPB), c/c a Lei Complementar nº 87, de 02 de
dezembro de 2008 (Organização Estrutural e Funcional da PMPB), e em
consonância com o Edital nº 0003/2016-CEPM, publicado no Bol PM nº
0015, de 22 de Janeiro de 2016, RESOLVE:

1. Designar o Maj QOC Matr. 520.420-8 Jerônimo Pereira da Silva


BISNETO, o Cap QOC Matrícula 522.373-3 Tarciso CARLOS Cavalcanti
Júnior, o 1º Ten QOC Matrícula 523.342-9 Riann de Macedo MONTEIRO, o
Sub Ten QPC Matrícula 516.669-1 Leonilson BORGES Pereira, o 1º Sgt
QPC Matrícula 516.987-9 LEONARDO Borges Pereira, o 3º Sgt QPC
Matrícula 517.058-3 VALMIR Alves Cavalcante, o 3º Sgt QPC Matrícula
524.476-5 Thiago Oliveira de MEDEIROS, o Cb QPC Matrícula 521.521-8
Manuel de Deus NETO, Cb QPC Matrícula 522.732-1 WOLNEY Wagner
Fernandes de Souza e o Sd QPC Matrícula 526.533-9 RENATO Santos da
Silva, sob a presidência do primeiro, para comporem a Comissão
responsável pela aplicação do Teste de Aptidão Física - TAF, de
caráter eliminatório e classificatório, dos postulantes ao VII CURSO
DE AÇÕES TÁTICAS ESPECIAIS (VII CATE/2016), nos dias 01, 02 e 03 de
março de 2016, a partir das 08h00, o qual se realizará no Centro de
Educação da Polícia Militar - CEPM, localizado na Rua Dr. Francisco
de Assis Veloso, s/nº, Mangabeira VII, exceto quanto às provas a
serem realizadas em meio líquido (Natação, flutuação e Salto da
Plataforma), que deverão ocorrer nas dependências do Centro
Integrado de Educação Física - CIEF (antigo DEDE), situado a Avenida
Espírito Santo, s/nº, Bairro dos Estados, ambos nesta Capital;
devendo, ao final dos trabalhos, lavrar ata, encaminhando-a a este
Diretor até as 13h00 do dia 03 de Março de 2016.

2. Publique-se, registre-se e cumpra-se.


JOSÉ RONILDO SOUZA DA SILVA - Cel QOC
Diretor. (Portaria nº 0027/2016-CEPM, de 17 Fev 2016).
.
520.420-8 MAJOR QOC JERONIMO PEREIRA DA SILVA BISNETO
522.373-3 CAPITÃO QOC TARCISO CARLOS CAVALCANTI JUNIOR
523.342-9 1º TENENTE QOC RIANN DE MACEDO MONTEIRO
516.669-1 SUBTENENTE QPC LEONILSON BORGES PEREIRA
516.987-9 1º SARGENTO QPC LEONARDO BORGES PEREIRA
517.058-3 3º SARGENTO QPC VALMIR ALVES CAVALCANTE
524.476-5 3º SARGENTO QPC THIAGO OLIVEIRA DE MEDEIROS
521.521-8 CABO QPC MANUEL DE DEUS NETO

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1099

522.732-1 CABO QPC WOLNEY WAGNER FERNANDES DE SOUZA


526.533-9 SOLDADO QPC RENATO SANTOS DA SILVA
(Nota nº 45839 de 17 Fev 2016 - CENTRO DE EDUCAÇÃO)

7.4.3 - SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA E DA DEFESA SOCIAL


- POLÍCIA MILITAR - CENTRO DE EDUCAÇÃO
Portaria nº 0028/2016-CEPM
João Pessoa-PB, 17 Fev 2016.
O DIRETOR DO CENTRO DE EDUCAÇÃO DA POLÍCIA MILITAR, no uso de suas
atribuições, conferidas pela Lei Nº 5.264, de 18 de abril de 1990
(Sistema de Ensino da PMPB), c/c a Lei Complementar nº 87, de 02 de
dezembro de 2008 (Organização Estrutural e Funcional da PMPB), e em
consonância com o Edital nº 0003/2016-CEPM, publicado no Bol PM nº
0015, de 22 de Janeiro de 2016, RESOLVE:

1. Designar o Cap QOC matrícula 522.828-0 Francisco de Assis SOARES


Júnior, o Cap QOC matrícula 522.864-6 Rafael ARAÚJO de Pontes, Cap
QOC matrícula 522.858-1 Hercules Tavares BELMIRO Alves, o 1º Ten QOC
matrícula 523.356-9 Laio GIORDANNI Evangelista Melo, o 1º Sgt QPC
matrícula 520.770-3 ALBERTO Felix do Nascimento, o 1º Sgt QPC
matrícula 521.701-6 ALEXSANDRO Silva Pereira, o 2º Sgt QPC matrícula
520.373-2 RIBRAILDO dos Santos Flores, o Cb QPC matrícula 521.851-9
CÉLIO Fernandes da Silva, o Cb QPC matrícula 522.187-1 ALEXANDRE
Ferreira da Silva, o Cb QPC matrícula 522.765-8 Fernando MENDONÇA
Rodrigues, o Cb QPC matrícula 522.990-1 João Batista Silva de
MENDONÇA, e o Sd QPC matrícula 524.444-7 WANDEILSON A B Ferreira,
sob a presidência do primeiro, para comporem a Comissão responsável
pela aplicação do Teste de Aptidão Técnica - TAT, de caráter
eliminatório e classificatório, dos postulantes ao VII CURSO DE
AÇÕES TÁTICAS ESPECIAIS (VII CATE/2016), nos dias 09 e 10 de março
de 2016, a partir das 08h00min, o qual se realizará no STAND DE TIRO
do Centro de Educação da Polícia Militar - CEPM, localizado na Rua
Dr. Francisco de Assis Veloso, s/nº, Mangabeira VII, devendo, ao
final dos trabalhos, lavrar ata, encaminhando-a a este Diretor até
as 13h00 do dia 10 de Março de 2016.

2. Publique-se, registre-se e cumpra-se.


JOSÉ RONILDO SOUZA DA SILVA - Cel QOC
Diretor. (Portaria nº 0028/2016-CEPM, de 17 Fev 2016).
.
522.828-0 CAPITÃO QOC FRANCISCO DE ASSIS SOARES JUNIOR
522.858-1 CAPITÃO QOC HERCULES TAVARES BELMIRO ALVES
522.864-6 CAPITÃO QOC RAFAEL ARAUJO DE PONTES
523.356-9 1º TENENTE QOC LAIO GIORDANNI EVANGELISTA MELO
520.770-3 1º SARGENTO QPC ALBERTO FELIX DO NASCIMENTO
521.701-6 1º SARGENTO QPC ALEXSANDRO SILVA PEREIRA
520.373-2 2º SARGENTO QPC RIBRAILDO DOS SANTOS FLORES
521.851-9 CABO QPC CELIO FERNANDES DA SILVA
522.187-1 CABO QPC ALEXANDRE FERREIRA DA SILVA
522.765-8 CABO QPC FERNANDO MENDONCA RODRIGUES
522.990-1 CABO QPC JOÃO BATISTA SILVA DE MENDONÇA
524.444-7 SOLDADO QPC WANDEILSON A. B. FERREIRA
(Nota nº 45867 de 17 Fev 2016 - CENTRO DE EDUCAÇÃO)

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1100

4ª PARTE

JUSTIÇA E DISCIPLINA

8 - JUSTIÇA

8.1 - APRESENTAÇÃO EM JUÍZO


8.1.1 - O Comandante da 6ª CIPM providencie a apresentação da
Militar Estadual referenciada, no dia 03 de Março de 2016, às
15h30min, à Exma. Sra. Dra. Antonieta Lúcia Arcoverde Nóbrega, Juíza
de Direito da 2ª Vara Privativa da Infância e da Juventude, Comarca
da Capital, sito à Av. Rio Grande do Sul, nº 956, Bairro dos
Estados, com a finalidade de ser ouvido na Audiência de Instrução e
Julgamento, nos Autos do Processo nº 0000938-81.2015.815.2004.
Requisição: Ofício nº 0232/2016/2ª VIJ, de 11.02.2016. (Nota nº
0571/2016-DGP/5, 17 Fev 2016).
523.360-7 1º TENENTE QOC VIVIANE VIEIRA DE SOUSA
(Nota nº 45849 de 17 Fev 2016 - DGP/5)

8.1.2 - O Comandante do 1º BPM providencie a apresentação dos


Militares Estaduais referenciados, no dia 08 de Março de 2016, às
14h00, à Exma. Sra. Dra. Antonieta Lúcia Arcoverde Nóbrega, Juíza de
Direito da 2ª Vara Privativa da Infância e da Juventude, Comarca da
Capital, sito à Av. Rio Grande do Sul, nº 956, Bairro dos Estados, a
fim de serem ouvidos na Audiência de Instrução e Julgamento, nos
Autos do Processo nº 0001408-83.2013.815.2004. Requisição: Ofício nº
0235/2016/2ª VIJ, de 11.02.2016. (Nota nº 0569/2016-DGP/5, 17 Fev
2016).
523.464-6 1º TENENTE QOC DIEGGO RODOLPHO FERREIRA GONCALO
526.421-9 SOLDADO QPC FERNANDO VIEIRA DA COSTA
(Nota nº 45845 de 17 Fev 2016 - DGP/5)

8.1.3 - O Comandante do RPMont providencie a apresentação dos


Militares Estaduais referenciados, no dia 03 de Março de 2016, às
16h00, à Exma. Sra. Dra. Antonieta Lúcia Arcoverde Nóbrega, Juíza de
Direito da 2ª Vara Privativa da Infância e da Juventude, Comarca da
Capital, sito à Av. Rio Grande do Sul, nº 956, Bairro dos Estados, a
fim de serem ouvidos na Audiência de Instrução e Julgamento, nos
Autos do Processo nº 0001242-65.2015.815.2004. Requisição: Ofício nº
0323/2016/2ª VIJ, de 11.02.2016. (Nota nº 0567/2016-DGP/5, 17 Fev
2016).
525.293-8 1º TENENTE QOC LUIZ EDUARDO DE FIGUEIREDO MENDONCA
516.179-7 3º SARGENTO QPC CARLOS JOSE GOMES DA SILVA
(Nota nº 45838 de 17 Fev 2016 - DGP/5)

8.1.4 - O Comandante da CEATur providencie a apresentação dos


Militares Estaduais referenciados, no dia 08 de Março de 2016, às
15h30min, à Exma. Sra. Dra. Antonieta Lúcia Arcoverde Nóbrega, Juíza
de Direito da 2ª Vara Privativa da Infância e da Juventude, Comarca
da Capital, sito à Av. Rio Grande do Sul, nº 956, Bairro dos
Estados, a fim de serem ouvidos na Audiência de Instrução e
Julgamento, nos Autos do Processo nº 0001489-61.2015.815.2004.
Requisição: Ofício nº 0234/2016/2ª VIJ, de 11.02.2016. (Nota nº
0568/2016-DGP/5, 17 Fev 2016).

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1101

526.625-4 2º TENENTE QOC JACQUELINE CRISTINA DOS SANTOS RIBEIRO


526.651-3 SOLDADO QPC ERICK ARAUJO ALVES
(Nota nº 45841 de 17 Fev 2016 - DGP/5)

8.1.5 - O Comandante do 1º BPM providencie a apresentação dos


Militares Estaduais referenciados, no dia 24 de Fevereiro de 2016,
às 15h30min, à Exma. Sra. Dra. Isa Monia Vanessa de Freitas Paiva,
Juíza de Direito da 5ª Vara Criminal, Comarca da Capital, situado
Av. João Machado, s/n, Centro, a fim de comparecerem a Audiência de
Instrução e Julgamento, nos Autos do Processo nº
0005284-81.2015.815.2002. Requisição: Oficio nº 056/2016, de
26.01.2016. (Nota nº 0529/2016-DGP-5, de 17 Fev 2016).
518.359-6 1º SARGENTO QPC JOSE QUIME DE MOURA
521.730-0 CABO QPC JOÃO EUDES FERREIRA JUNIOR
(Nota nº 45844 de 17 Fev 2016 - DGP/5)

8.1.6 - O Comandante do 1º BPM providencie a apresentação dos


Militares Estaduais referenciado, no dia 23 de Fevereiro de 2016, às
15h00, à Exma. Sra. Dra. Rita de Cassia Martins Andrade, Juíza de
Direito do Juizado de Violência Doméstica e Familiar Contra a
Mulher, Comarca da Capital, a fim de participarem na condição de
testemunha da Audiência de Instrução e Julgamento, nos Autos da Ação
Penal - Processo nº 0099651-05.2012.815.2002. Ofício nº 35/2016, de
01.02.2016. (Nota nº 0530/2016-DGP/5, de 17 Fev 2016).
515.084-1 2º SARGENTO QPC CLAUDIO GUIMARAES GONCALVES
516.650-1 3º SARGENTO QPC HELIO BERNARDINO DOS SANTOS
(Nota nº 45846 de 17 Fev 2016 - DGP/5)

8.1.7 - O Secretário Executivo Chefe da Casa Militar


providencie a apresentação dos Militares Estaduais referenciados, no
dia 01 de Março de 2016, às 14h00, à Exma. Sra. Dra. Rita de Cássia
Martins, Juíza de Direito do Juizado de Violência Doméstica e
Familiar Contra a Mulher, Comarca da Capital, Rua Visconde de
Pelotas, s/n, a fim de participar na condição de testemunha da
Audiência de Instrução e Julgamento, nos Autos da Ação Penal -
Processo nº 0001495-11.2014.815.2002. Ofício nº 047/2016, de
05.02.2016. (Nota nº 0574/2016-DGP/5, de 17 Fev 2016).
521.461-1 2º SARGENTO QPC ALEXANDRE SANTOS DA SILVA
(Nota nº 45855 de 17 Fev 2016 - DGP/5)

8.1.8 - O Comandante do 1º BPM providencie a apresentação do


Militar Estadual referenciado, no dia 10 de Março de 2016, às
15h30min, ao Exmo. Sr. Dr. Adilson Fabrício Gomes Filho, Juiz de
Direito da 1ª Vara Criminal, Comarca da Capital, Av. João Machado,
S/N, Centro, João Pessoa-PB, a fim de ser ouvido como testemunha
ministerial, em Audiência nos Autos da Ação Penal - Processo nº
0021698-57.2015.815.2002. Requisição: Oficio nº 120/2016, de
10.02.2016. (Nota nº 0572/2016-DGP/5, 17.02.2016).
.
515.550-9 3º SARGENTO QPC NELSON LUIS MALAQUIAS DA SILVA
(Nota nº 45852 de 17 Fev 2016 - DGP/5)

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1102

8.1.9 - O Comandante da 4ª CIPM providencie a apresentação


dos Militares Estaduais referenciados, no dia 03 de Março de 2016,
às 16h00, ao Exmo. Sr. Dr. Euller Paulo de Moura Jansen, Juiz de
Direito da 1ª Vara/Tribunal do Júri da Comarca de Bayeux, situado
Av. Liberdade, 900, Baralho, a fim de serem ouvidos na qualidade de
testemunhas arroladas na denúncia em Audiência de Instrução e
Julgamento, nos autos da Ação Penal Processo nº
0000842-42.2015.815.0751. Requisição conforme o Oficio nº 066/2016,
de 01.02.2015. (Nota nº 0553/2016-DGP/5, de 17 Fev2016).
515.553-3 3º SARGENTO QPC JOSE GILSON PEREIRA DA SILVA
526.412-0 SOLDADO QPC EDMILSON CARDOSO DE ARAUJO
(Nota nº 45831 de 17 Fev 2016 - DGP/5)

8.1.10 - O Comandante do 10º BPM providencie a apresentação


dos Militares Estaduais referenciados, no dia 29 de Fevereiro de
2016, às 14h00, à Exma. Sra. Dra. Thana Michelle Carneiro Rodrigues,
Juíza de Direito da Justiça Militar, com a finalidade de
Participarem da Audiência de Inquirição de testemunhas Arroladas
pela Defesa e Interrogatório , nos Autos da Ação Penal Militar.
Processo nº 0009610-55.2013.815.2002 (4368/4582). Requisição: Ofício
nº 0395/2016-VJMEPB, de 10.02.2016. (Nota nº 0549/2016-DGP/5, 16 Fev
2016).
517.208-0 3º SARGENTO QPC ROSIMERE COSTA DE MELO
522.031-9 CABO QPC ANDRE SANTOS DE LIMA
525.411-6 SOLDADO QPC EDILSON OLINTO DE OLIVEIRA
(Nota nº 45770 de 17 Fev 2016 - DGP/5)

8.1.11 - O Comandante do 10º BPM providencie a apresentação


do Militar Estadual referenciado, no dia 10 de Março de 2016, às
14h00, ao Exmo. Sr. Dr. Ântonio Silveira Neto, Juiz de Direito da 2ª
Vara da Comarca de Cabedelo, Fórum Des. Júlio Aurélio Moreira
Coutinho, s/n, Camalaú, a fim de ser Inquirido como testemunha
arrolada pela parte autora, na Audiência de Instrução e Julgamento,
nos Autos da Ação de Reparação de Danos nº
0005887.92.2012.815.0731. Requisição: Oficio nº 0107/JTDS/2016, de
27.01.2016. (Nota nº 0575/2016-DGP/5, de 17.02.2016).
517.915-7 3º SARGENTO QPC JOSE ANTONIO EUFRASIO DE LIMA
(Nota nº 45857 de 17 Fev 2016 - DGP/5)

8.1.12 - O Comandante da 4ª CIPM providencie a apresentação


do Militar Estadual referenciado, no dia 25 de Fevereiro de 2016, às
15h00, à Exma. Sra. Dra. Rita de Cassia Martins Andrade, Juíza de
Direito do Juizado de Violência Doméstica e Familiar Contra a
Mulher, Comarca da Capital, a fim de participar na condição de
testemunha da Audiência de Instrução e Julgamento, nos Autos da Ação
Penal - Processo nº 0120226-34.2012.815.2002. Ofício nº 42/2016, de
05.02.2016. (Nota nº 0528/2016-DGP/5, de 17 Fev 2016).
519.430-0 3º SARGENTO QPC FRANCISCO JOSÉ DOS SANTOS
(Nota nº 45843 de 17 Fev 2016 - DGP/5)

8.1.13 - O Comandante do 1º BPM providencie a apresentação do


Militar Estadual referenciado, no dia 17 de Março de 2016, às
13h30min, ao Exmo. Sr. Dr. Tércio Chaves de Moura, Juiz de Direito
da 1ª Vara Criminal, Comarca da Capital, Av. João Machado, S/N,

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1103

Centro, João Pessoa-PB, a fim de ser ouvido como testemunha


ministerial, em Audiência nos Autos da Ação Penal - Processo nº
0019888-47.2015.815.2002. Requisição: Oficio nº 118/2016, de
04.02.2016. (Nota nº 0576/2016-DGP/5, 17.02.2016).
521.729-6 3º SARGENTO QPC LINCOLN SILVEIRA FERREIRA
(Nota nº 45859 de 17 Fev 2016 - DGP/5)

8.1.14 - O Comandante do RPMont providencie a apresentação


dos Militares Estaduais referenciados, no dia 23 de Fevereiro de
2016, às 14h30min, ao Exmo. Sr. Dr. Geraldo Emilio Porto, Juiz de
Direito da 7ª Vara Criminal, Comarca da Capital, Fórum Min. Osvaldo
Trigueiro de Albuquerque Melo, Situado Av. João Machado s/n, Centro
- João Pessoa-PB, a fim participarem da Audiência de Instrução e
Julgamento, nos Autos da Ação Penal - Processo nº
0019405-17.2015.815.2002. Requisição: Oficio nº 084/2016, de
02.02.2016. (Nota nº 0542/2016-DGP/5, de 15.02.2016).
525.222-9 3º SARGENTO QPC ALEX VIEIRA DOS SANTOS
526.459-6 SOLDADO QPC MAX CHACON DE OLIVEIRA
(Nota nº 45694 de 17 Fev 2016 - DGP/5)

8.1.15 - O Comandante do 1º BPM providencie a apresentação


dos Militares Estaduais referenciados, no dia 24 de Fevereiro de
2016, às 15h30min, ao Exmo. Sr. Dr. José Guedes Cavalcanti Neto,
Juiz de Direito da 4ª Vara Criminal, comarca da Capital, Av. João
Machado, s/n, Centro, João Pessoa-PB, para serem ouvidos como
testemunhas no processo-crime infra, nos Autos da Ação Penal,
Processo nº 0018424-85.2015.815.2002. Requisição: Oficio nº
054/2016/4ª VC, de 02.02.2016. (Nota nº 0532/2016-DGP/5, de 17 Fev
2016).
520.853-0 CABO QPC JOSE LAMARCK LEITE PIRES DE LACERDA
525.307-1 SOLDADO QPC GIRLIARLYSON CAMILO DA SILVA
(Nota nº 45850 de 17 Fev 2016 - DGP/5)

8.1.16 - O Comandante do 5º BPM providencie a apresentação do


Militar Estadual referenciado, no dia 03 de Março de 2016, às
15h30min, à Exma. Sra. Dra. Antonieta Lúcia Arcoverde Nóbrega, Juíza
de Direito da 2ª Vara Privativa da Infância e da Juventude, Comarca
da Capital, sito à Av. Rio Grande do Sul, nº 956, Bairro dos
Estados, com a finalidade de ser ouvido na Audiência de Instrução e
Julgamento, nos Autos do Processo nº 0000938-81.2015.815.2004.
Requisição: Ofício nº 0232/2016/2ª VIJ, de 11.02.2016. (Nota nº
0570/2016-DGP/5, 17 Fev 2016).
520.904-8 CABO QPC MARCOS ROGERIO DA CUNHA
(Nota nº 45847 de 17 Fev 2016 - DGP/5)

8.1.17 - O Comandante do 5º BPM providencie a apresentação do


Militar Estadual referenciado, no dia 23 de Fevereiro de 2016, às
14h30min, à Exma. Sra. Dra. Rita de Cassia Martins Andrade, Juíza de
Direito do Juizado de Violência Doméstica e Familiar Contra a
Mulher, Comarca da Capital, a fim de participar na condição de
testemunha da Audiência de Instrução e Julgamento, nos Autos da Ação
Penal - Processo nº 0015519-44.2014.815.2002. Ofício nº 33/2016, de
01.02.2016. (Nota nº 0531/2016-DGP/5, de 17 Fev 2016).

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1104

520.914-5 CABO QPC ROMULO PALMEIRA DANTAS


(Nota nº 45848 de 17 Fev 2016 - DGP/5)

8.1.18 - O Comandante do 5º BPM providencie a apresentação


dos Militares Estaduais referenciados, no dia 02 de Março de 2016,
às 14h30mim, à Exma. Sra. Dra. Rita de Cássia Martins, Juíza de
Direito do Juizado de Violência Doméstica e Familiar Contra a
Mulher, Comarca da Capital, Rua Visconde de Pelotas, s/n, a fim de
participarem na condição de testemunhas da Audiência de Instrução e
Julgamento, nos Autos da Ação Penal - Processo nº
0018603-53.2014.815.2002. Ofício nº 051/2016, de 05.02.2016. (Nota
nº 0573/2016-DGP/5, de 17 Fev 2016).
522.265-6 CABO QPC ALEX MARTINS DA SILVA
525.656-9 SOLDADO QPC DOUGLAS HERCULANO DE SOUSA
(Nota nº 45853 de 17 Fev 2016 - DGP/5)

8.2 - SOLUÇÃO DE INQUÉRITO POLICIAL MILITAR


8.2.1 - Protocolo: 1614.15
Autoridade Policial: Comandante Geral
Encarregado: TC QOC MANOEL DEDEU NETO
Indiciado: SEM INDICIAMENTO
EMENTA
PROCEDIMENTO INVESTIGATIVO PRELIMINAR - IPM CALÚNIA E DIFAMAÇÃO EM
REDE FACEBOOK - INSUFICIÊNCIA PROBATÓRIA DA AUTORIA - NÃO
INDICIAMENTO. Nos autos não foram reunidos indícios suficientes de
autoria e materialidade de ilícito penal militar, razão pelo qual
opta pelo não indiciamento de nenhum policial militar.

O COMANDANTE-GERAL DA POLÍCIA MILITAR DA PARAÍBA, Autoridade


Policial Judiciária Militar, conforme determina o 7º, letra a) do
Código de Processo Penal Militar, no uso das atribuições conferidas
nos termos do Art. 22, § 1º do CPPM; sobre o procedimento
investigativo preliminar (IPM) em tela, delibera a seguinte decisão:
DA NOTÍCIA CRIME:
A referida investigação criminal, versa sobre calúnia e difamação
praticadas pela rede face book em face do Major Jobson.
SOLUÇÃO:
Os atos investigatórios não lograram êxito em elucidar a autoria da
calúnia e difamação em face do citado Oficial Superior, Major
Jobson, haja vista o pedido de quebra de sigilo de dados não ter
sido autorizado pelo Exmo. Poder Judiciário. Todavia, com as devidas
vênias, observando a decisão da douta Juíza, nota-se certo equívoco
quanto ao objeto da petição. No pedido feito pelo Oficial
Investigador, este solicita a quebra do sigilo dos DADOS do perfil
de facebook do suspeito das denúncias, com vista a obter a
respectiva autoria dos fatos, entretanto, a Exma. Juíza ao analisar
o requerimento, entendeu que o pedido versava sobre a interceptação
telefônica, indeferindo-o em razão dos respectivos requisitos
positivados no art. 2º, inc. III da lei 9296/96, a citar, fato
punível com pena, no mínimo, de reclusão.

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1105

Considerando que os prazos inerentes ao IPM restam findos e que


conforme narrado pelo Sr. escrivão do procedimento, o seu
encarregado encontra-se em período de férias, é prudente que os
autos sejam de imediato encaminhado à justiça militar para as
providências prevista no CPPM, informando-se ao Parquet, real
destinatário das investigações, a necessidade de complementação das
informações para fiel elucidação dos fatos, mediante o reiteração do
requerimento da quebra do sigilo dos dados do perfil do facebook do
suspeito,
CONCLUSÃO:
1) HOMOLOGAR o relatório do encarregado;
2) Determinar à Corregedoria da PMPB que encaminhe os autos
originais do presente IPM à Vara da Justiça Militar Estadual, para
as providências legais;
3) Arquivar cópia dos Autos na CORREGPM;
4) Publique-se, registre-se e cumpra-se.
EULLER DE ASSIS CHAVES - CEL QOC
Comandante Geral da PMPB
-
(Nota nº 45726 de 17 Fev 2016 - CORREGEDORIA)

8.3 - APRESENTAÇÃO EM DELEGACIA


8.3.1 - O Comandante do 5º BPM providencie a apresentação dos
Militares Estaduais referenciados, no dia 23 de Fevereiro de 2016,
às 10h30min, ao Bel. Silvio Bardasson Filho, Delegado de Polícia
Civil da Delegacia de Crimes Contra a Pessoa da Capital, (Gabinete
03), com finalidade de instruir IP de nº 956/2013, que apura o
crime, em tese, de tentativa de homicídio que tem como vitima ADEMIR
RODRIGUES PONTES, ocorrido por volta das 16h40min, no dia
18/10/2013, no bairro: Valentina Figueiredo. Requisição: Ofício nº
000650/2016/SIS/DCCPES, de 11.02.2016. (Nota nº 0533/2016-DGP/5, de
17 Fev 2016).
519.112-2 1º SARGENTO QPC AZUIU ALVES DE CARVALHO
518.828-8 CABO QPC JOSE IVO GOMES DE AZEVEDO
(Nota nº 45854 de 17 Fev 2016 - DGP/5)

8.3.2 - O Comandante do 5º BPM providencie a apresentação dos


Militares Estaduais referenciados, no dia 29 de Fevereiro de 2016,
às 09h00, ao Bel. Paulo Josafá de Araujo, Delegado de Polícia Civil
da Delegacia de Crimes Contra a Pessoa da Capital, a fim de serem
ouvidos em Termo de Depoimento. IPL que tem como vitima THIAGO
RAIMUNDO DA SILVA CAMARA. Requisição: Ofício nº
000654/2016/SIS/DCCPES, de 11.02.2016. (Nota nº 0534/2016-DGP/5, de
17 Fev 2016).
.
515.036-1 3º SARGENTO QPC EDJARBAS NERY DE ARAUJO
522.259-1 CABO QPC JOSEFFERSON GONCALVES CHAGAS
(Nota nº 45856 de 17 Fev 2016 - DGP/5)

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1106

9 - DISCIPLINA

9.1 - SOLUÇÃO DE FORMULÁRIO DE APURAÇÃO DE TRANSGRESSÃO DISCIPLINAR


9.1.1 - PROTOCOLO: 2225.15
REFERÊNCIAS: Portaria 0212/2015-Sind-DGP/5, de 28 Set 2015.
AUTOR DISCIPLINAR: SUBCOMANDANTE GERAL.
PROCEDIMENTO: FORMULÁRIO DE APURAÇÃO DE TRANSGRESSÃO DISCIPLINAR
(FATD)
ENCARREGADO: CAP QOC MATR. 519.873-9 HEROLEIDE FARIAS DO NASCIMENTO.
INVESTIGADA: CB QPC MATR. 522.330-0 MÔNICA DANTAS DE MEDEIROS
EMENTA
PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR - FATD - DIVULGAÇÃO INDEVIDA
DE IMAGEM DE MILITAR FALECIDO - IMAGEM RETIRADA DO SISTEMA INTRANET
- DESVIO DE FINALIDADE - IMPESSOALIDADE E MORALIDADE ADMINISTRATIVA
DESRESPEITADAS - BONS ANTECEDENTES - PUNIÇÃO DE ADVERTÊNCIA.
Policial militar, com acesso ao sistema de INTRANET da PMPB, que
contribui para divulgar imagem de Militar presente no sistema,
tendo esta sido divulgada, inclusive, pela imprensa, age com
impessoalidade e fere a disciplina, estando passível de sanção
disciplinar.
O SUBCOMANDANTE-GERAL DA POLÍCIA MILITAR DA PARAÍBA, no uso das
atribuições que lhe são conferidas pelo inciso XI, do art. 12 da LC
nº 87, de 02 de dezembro de 2008, c/c o art. 43, parágrafo único, e
artigo 48 do Decreto nº 8962 de 11 de março de 1981, deliberando
sobre o procedimento em tela, consubstanciado e considerando a
análise e parecer da Corregedoria Geral:
1. DOS FATOS: O FATD teve por objetivo apurar a possível conduta da
investigada de ter divulgado, sem autorização, em rede social, a
foto do Militar 2º SGT JOSÉ PATRÍCIO BARBOSA NETO, excluído por
falecimento desta Corporação, conforme BOL PM nº 155.
2. QUANTO À FORMA: O Oficial Encarregado observou as formalidades
mínimas exigidas para o devido processo legal, não sendo possível
levantar qualquer hipótese de mácula aos ditames legais.
3. QUANTO AO MÉRITO:
3.1 ANÁLISE DAS PROVAS
Diante da leitura e análise de todas as peças probatórias acostadas
aos autos, bem como dos demais meios de provas produzidos pelo
Oficial Encarregado, segue-se, nos parágrafos seguintes, as
conclusões extraídas de todo este procedimento de Formulário de
Apuração de Transgressão Disciplinar.
No dia 07 de Agosto do ano de 2015, por volta 07h00, a Militar
investigada assumia o serviço no expediente no CIOP, sendo que a CB
QPC Matr. 521.007-1 GILVANETE estava saindo de serviço da função de
operadora de rádio. Após algum tempo, a CB GILVANETE da Silva Santos
enviou uma mensagem à CB QPC Matr. 522.330-0 MÔNICA Dantas de
Medeiros perguntando sobre o falecimento do 3º SGT Matr. 515.993-8
José PATRÍCIO Barbosa Neto, tendo em vista que alguns grupos do
aplicativo WhatsApp estavam noticiando sobre a morte do referido
graduado.
Após descobrir que a notícia do falecimento do Militar era verídica,
a investigada acessou o sistema INTRANET da PMPB e buscou a ficha de

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1107

cadastro do SGT PATRÍCIO, localizando os seus dados pessoais e


profissionais. Após isso, a investigada tirou uma fotografia, com
seu celular, da imagem do Militar no sistema INTRANET, e a enviou,
via aplicativo WhatsApp, para a CB GILVANETE.
Segundo a Militar investigada, o intuito de enviar a fotografia para
a CB GILVANETE era saber se aquela foto era a do Sargento falecido,
pois no sistema constavam outros sargentos com o mesmo nome,
inclusive no 7º BPM. A CB GILVANETE confirmou que aquela foto era a
do sargento Patrício que havia falecido.
Tempos depois, a CB QPC Matr. 522.441-1 VÂNIA Martins Linhares da
Cruz entrou em contato com a CB MÔNICA para dizer-lhe que a foto do
SGT PATRÍCIO estava circulando em vários grupos do aplicativo
WhatsApp. Ocorre que, na foto que circulava pelos grupos sociais
estava presente a matrícula da Militar investigada, pois ficam
registrados os dados do Militar que acessou a ficha cadastral no
sistema INTRANET.
Imediatamente a Militar investigada entrou em contato com a CB
GILVANETE para reclamar a ela pelo fato de ter divulgado uma foto
oficial do Militar falecido. Segundo a própria CB GILVANETE (fl.
14), ela divulgou a fotografia em um grupo do aplicativo WhatsApp,
porém, o referido grupo era composto somente por Militares, não
tendo qualquer pessoa da imprensa.
Em decorrência da divulgação da fotografia pela CB GILVANETE, a foto
do SGT PATRÍCIO foi espalhada pela rede social, chegando, inclusive,
a ser utilizada em uma reportagem localizada no site
www.paraiba.com.br (fl. 05).
Todas as provas acostadas aos autos, bem como os depoimentos da CB
MÔNICA e da CB GILVANETE, não deixam dúvidas que os fatos ocorreram
da maneira descrita nos parágrafos anteriores. Os depoimentos foram
unânimes, quanto ao desenrolar dos fatos, existindo total harmonia
entre eles e as provas, não existindo contradições ou dúvidas quanto
a sequência dos acontecimentos.
3.2 CONCLUSÃO DO MÉRITO
Como já mencionado, não restou dúvida que a CB MÔNICA acessou o
sistema INTRANET da PMPB e tirou uma fotografia da imagem do SGT
PATRÍCIO no sistema, passando a divulgar essa imagem para uma
companheira de trabalho, a CB GILVANETE. Esta, de maneira
irresponsável e sem pensar nas consequências dos seus atos, divulgou
a fotografia em um grupo do aplicativo WhatsApp composto por
policiais militares. Não é novidade para qualquer pessoa que tal
divulgação, mesmo que seja em um grupo composto por policiais
militares, está sujeita ao risco de ser difundido pela rede social.
Não há justificativa para elidir a responsabilidade da CB GILVANETE,
pois ela contribuiu incisivamente para que a foto fosse espalhada
pelo aplicativo WhatsApp. Todavia, neste FATD o norte de
responsabilização cai sobre a figura da Militar CB MÔNICA, deixando
as responsabilidades dos atos praticados pela CB GILVANETE para
outro procedimento, em que será oportunizado a ela o exercício da
ampla defesa e do contraditório.
Pois bem. Em que pese a contribuição da CB GILVANETE tenha sido
maior para a divulgação da imagem do SGT PATRÍCIO, a atitude da CB
MÔNICA não a exime de ato contrário à administração. Mesmo que fosse
alegada confiança entre a CB MÔNICA e sua companheira CB GILVANETE,
a ação de tirar uma fotografia da imagem de um Militar no sistema

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1108

INTRANET e repassar através do aplicativo WhatsApp não se coaduna


com os preceitos consubstanciados nos princípios da impessoalidade e
moralidade na administração pública. A finalidade dos registros dos
dados pessoais e profissionais dos Militares no sistema INTRANET é
única e exclusivamente para o uso da administração pública, somente
em exercício profissional para aqueles que têm acesso. O ato
praticado pela CB MÔNICA desvia a finalidade para a qual foi criado
o sistema INTRANET, colocando o interesse privado acima do público.
Conforme a doutrina, temos o seguinte:
[...] a moral administrativa é aquela que determina a observância a
princípios éticos extraídos da disciplina interna da administração.
Nesse ponto devemos deixar claro que não existe um conceito legal ou
constitucional de moralidade. Na verdade, trata-se de um conceito
jurídico indeterminado, a ser formatada pelo entendimento da
doutrina e jurisprudência. Com efeito, o princípio da moralidade diz
respeito à noção de obediência aos valores morais, aos bons
costumes, às regras da boa administração, aos princípios da justiça
e da equidade, à ideia comum de honestidade, à ética, à boa-fé e à
lealdade. (ALEXANDRE; RICARDO, 2015, p. 177)
Os Militares têm de ser discretos em seus atos, priorizando sempre
os interesses da administração e da instituição, visando, desta
maneira, o interesse público. Devem agir sempre pautados pela ética
e cumprir seus deveres funcionais e disciplinares. É o pensamento
que se extrai da análise de alguns incisos do art. 27 da Lei nº
3.909/77 (Estatuto dos Policiais Militares da Paraíba):
Art. 27. O sentimento do dever, o pundonor policial e o decoro da
classe impõem, a cada um dos integrantes da Polícia Militar, conduta
moral e profissional irrepreensíveis. Com a observância dos
seguintes preceitos da ética policial militar:
IX - Ser discreto em suas atitudes, maneiras e em sua linguagem
escrita e falada;
XII - Cumprir seus deveres de cidadão;
XVI - Conduzir se mesmo fora do serviço ou na inatividade, de modo
que não sejam prejudicados os princípios da disciplina, do respeito
e do decoro policial militar;
XIX - Zelar pelo bom nome da Polícia Militar e de cada um dos seus
integrantes, obedecendo e fazendo obedecer aos preceitos da ética
policial militar.
Fora essas considerações, a divulgação da imagem do Militar, além de
atingir os preceitos da administração pública, o desrespeitaram,
como pessoa morta, e seus familiares, pois não houve autorização
para divulgação.
A punição disciplinar tem, como um dos seus objetivos, reeducar o
policial militar, na intenção de que este não venha a cometer os
mesmos atos, bem como servir de exemplo aos demais para que não
cometam os mesmos erros dos punidos. A interpretação é decorrente do
art. 22 do Regulamento Disciplinar da PMPB, que tem a seguinte
redação:
Art. 22 - A punição disciplinar objetiva o fortalecimento da
disciplina.
Parágrafo Único - A punição deve ter em vista o benefício educativo

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1109

ao punido e à coletividade a que ele pertence.


Além disso, pode-se citar o art. 6º do mesmo diploma legal, onde
está presente a importância da observância das normas disciplinares
por parte dos policiais militares:
Art. 6º - A disciplina policial-militar é a rigorosa observância e o
acatamento integral das leis, regulamentos, normas e disposições,
traduzindo-se pelo perfeito cumprimento do dever por parte de todos
e de cada um dos componentes do organismo policial-militar.
§ 1º - São manifestações essenciais de disciplina:
1. A correção de atitude;
2. A obediência pronta às ordens dos superiores hierárquicos;
3. A dedicação integral ao serviço;
4. A colaboração espontânea à disciplina coletiva e à eficiência da
instituição;
5. A consciência das responsabilidades;
6. A rigorosa observância das prescrições regulamentares.
Desta feita, incorreu a CB QPC MATR. 522.330-0 MÔNICA DANTAS DE
MEDEIROS em transgressão disciplinar prevista no Anexo I, Item II,
do Regulamento Disciplinar da PMPB (Decreto nº 8.962, de 11 de março
de 1981), quais sejam:
070 - Publicar ou contribuir para que sejam publicados fatos,
documentos ou assuntos policiais-militares que possam concorrer para
o desprestígio da corporação ou firam a disciplina ou a segurança.
Analisando os assentamentos disciplinares da CB QPC MATR. 522.330-0
MÔNICA DANTAS DE MEDEIROS observa-se que ela não possui punição
disciplinar e contém 04 (quatro) elogios em sua vida na caserna,
estando no comportamento EXCEPCIONAL. Ela possui 13 (treze) anos e
04 (quatro) meses de serviço prestados à PMPB. Nessa análise se vê
que a Militar tem bons antecedentes dentro da Corporação. Dessa
maneira, verifica-se a presença da atenuante prevista no art. 18 do
RDPM: ¿1) bom comportamento. Não foi identificada agravante prevista
no art. 19 do RDPM. Com base nessas premissas e no art. 15 do RDPM,
compreende-se que a punição de ADVERTÊNCIA é a que melhor se adequa
ao caso concreto, reprimenda prevista no art. 24 do RDPM.
Com base em todo o exposto, deverá a CB QPC MATR. 522.330-0 MÔNICA
DANTAS DE MEDEIROS ser punida disciplinarmente com ADVERTÊNCIA,
tendo em vista as circunstâncias do caso concreto e da vida
pregressa da Militar na caserna. Ademais, é imperioso dizer que deve
ser instaurado Formulário de Apuração de Transgressão Disciplinar em
desfavor da CB QPC MATR. 521.007-1 GILVANETE DA SILVA SANTOS, por
ter contribuído incisivamente para a divulgação da imagem do SGT
PATRÍCIO pelo aplicativo WhatsApp, conforme se expôs nesta solução.
4. CONCLUSÃO
Ex positis, este Cel. Subcomandante Geral RESOLVE:
1) CONCORDAR com o parecer do Oficial Encarregado;

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1110

2) INCLINAR-ME pela punição disciplinar de ADVERTÊNCIA a CB QPC


MATR. 522.330-0 MÔNICA DANTAS DE MEDEIROS;
3) Determinar à DGP que notifique a CB QPC MATR. 522.330-0 MÔNICA
DANTAS DE MEDEIROS a respeito da decisão, abrindo-se o prazo para
recurso;
4) DETERMINAR que seja publicado em Boletim a presente solução, bem
como assentada a decisão na Ficha Disciplinar da Militar, com base
nas prescrições legais contidas no Regulamento Disciplinar da
Polícia Militar da Paraíba (RDPM);
5) DETERMINAR à DGP que observe a necessidade de atualização do
comportamento da CB QPC MATR. 522.330-0 MÔNICA DANTAS DE MEDEIROS,
com base no art. 52 do Regulamento Disciplinar da Policia Militar da
Paraíba (RDPM);
6) DETERMINAR a instauração de Formulário de Apuração de
Transgressão Disciplinar em desfavor da CB QPC MATR. 521.007-1
GILVANETE DA SILVA SANTOS, pertencente ao CIOP, por ter contribuído
incisivamente para a divulgação da imagem do SGT PATRÍCIO pelo
aplicativo WhatsApp, conforme se expôs nesta solução;
7) DETERMINAR que sejam arquivados os autos nesta Corregedoria, após
o devido trânsito em julgado;
8) Publique-se, registre-se e cumpra-se.
JOSÉ DE ALMEIDA ROSAS - CEL QOC
Subcomandante Geral da PMPB
522.330-0 CABO QPC MONICA DANTAS DE MEDEIROS
(Nota nº 45677 de 17 Fev 2016 - CORREGEDORIA)

9.2 - SOLUÇÃO DE PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR


9.2.1 - PROTOCOLO: 1812.15
REFERÊNCIAS: Portaria nº 0066/2015- PAD-DGP/5, datada de 23 Mar
2015, e Portaria nº 0218/2015-PAD Subs. DGP/5, datada de 25 de
Setembro de 2015.
PROCEDIMENTO: PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR
AUTOR DISCIPLINAR: COMANDANTE GERAL
ACUSADO: SD QPC MATR. 526.826-5 ARIELTON MACHADO ALVES COSTA
PRESIDENTE: CAP QOC MATR. 521.297-9 ALEXANDRO ONAS-SIS QUEIROZ DA
SILVA
INTERROGANTE: 2º TEN QOC MATR. 524.805-1 ERIC MARCELINO GUEDES
ESCRIVÃO: 2º TEN QOC MATR. 526.629-7 GABRIELA ALVES FÉLIX
EMENTA
ADMINISTRATIVO POLICIAL MILITAR SEM ESTABILIDADE. PRÁTICA DE CONDUTA
QUE VIOLA OS VALORES QUE LHE SÃO IMPOSTOS. INSTAURAÇÃO DE PAD.
CULPABILIDADE DEMONSTRADA. FATO CARACTERIZADO COMO CRIME E
TRANSGRESSÃO DISCIPLINAR. HISTÓRICO CRIMINAL E DISCIPLINAR FAVORÁVEL
AO ACUSADO. PRINCÍPIO DA RAZOABILIDADE E PROPORCIONALIDADE.
IMPOSIÇÃO DE SANÇÃO ADMINISTRATIVA PROPORCIONAL À CONDUTA PRATICADA.
APLICAÇÃO DE PENALIDADE ADMINISTRATIVA DE PRISÃO.
O COMANDANTE-GERAL DA POLÍCIA MILITAR DA PARAÍBA, no uso das
atribuições que lhe são conferidas pelo inciso XI, do Art. 12 da LC
nº 87, c/c o Art. 13, e seus incisos, da Lei nº 4.024, de 30 Nov 78,

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1111

deliberando sobre o procedimento em tela, consubstanciado na análise


da Corregedoria e Assessoria Especial Administra-tiva (AESPA), e
considerando o seguinte:
1. DOS FATOS: Trata-se de Processo Administrativo Disciplinar (PAD),
instaurado no âmbito da Polícia Militar, mediante a Portaria nº
0066/2015- PAD-DGP/5, datada de 23 de Março de 2015, e Portaria nº
0218/2015-PAD Subs. DGP/5, datada de 25 de Setembro de 2015, contra
SD QPC MATR. 526.826-5 ARIELTON MACHADO ALVES COSTA, para apurar e
julgar, na esfera administrativa, a sua capacidade de permanecer nas
fileiras da Corporação. A instauração do Processo Administrativo
Disciplinar se deu em razão do acusado ter acumulado em seus
assentamentos funcionais o registro judicial da prática de crime, ao
adquirir, de terceiro, um aparelho notebook marca Itautec, de cor
preta, modelo INFO WAYNOT W 7415, W7, STARTER CA, Série
40021/4600291. O referido produto, na verdade, era de propriedade do
Soldado Temporário MATR. 928033-2 ROSEMBERG MEDEIROS DE FREITAS, o
qual havia sido furtado nas dependências do 3° BPM, no dia 30 de
Março de 2011. Ocorre que o computador foi flagrado na posse do
acusado naquela mesma unidade no dia 06 de Junho de 2013,
caracterizando, em tese, o crime de receptação culposa, consoante
Sindicância e Inquérito Policial Militar instaurados.
2. DO MÉRITO: A conduta apresenta-se, prima facie, contrária aos
princípios da ética e aos deve-res funcionais, conforme o disposto
nos art. 41, 42 e 48, da Lei Estadual 3.909/77, bem como ao que
estabelece o art. 2°, inc. I, da Lei estadual nº 4.024/78, havendo,
portanto, indício de possível violação ao pundonor policial militar,
honra pessoal e decoro da classe.
Instaurados os trabalhos pelo Presidente e sua Comissão, foi o
acusado submeti-do ao devido processo legal, sendo devidamente
citado (fls. 80), além de ser ofertado ao indigitado o libelo
acusatório (fls. 85 e 86), qualificado e interrogado (fls. 81 à 84),
pre-sente o Bel. Halem Roberto Alves de Souza (OAB/PB 11.137).
Verifica-se que o pro-cessado teve a sua defesa exercida em toda
plenitude através de advogado, legalmente constituído através de
Procuração "Ad juditia et extra" (fls. 116), o qual acompanhou toda
a instrução processual.
Foram acostados aos autos os assentamentos funcionais, bem como o
Histórico do Servidor Militar acusado (fls. 094 à 098), do qual se
depreende que o processado encontra-se atualmente no comportamento
BOM, sendo elogiado por relevantes serviços prestados à Instituição
Policial Militar.
No que se refere à Justiça e Disciplina, não se observa condutas que
desabonam a disciplina militar.
Termos de oitiva das testemunhas de acusação e da defesa às fls.
106/113, noti-ficação para apresentação de defesa prévia escrita às
fls. 86, apresentada conforme se vê às fls. 118, levantando
preliminarmente a tese de que o militar investigado não é passível
de punição, já que todas as acusações e suspeitas contra o acusado
são inverídicas uma vez que o mesmo não praticou o furto do objeto.
Foi verificado que o acusado adquiriu o notebook na universidade em
que estuda de uma pessoa conhecida como "Júnior", tendo este
colocado um anúncio de venda no quadro de avisos da universidade.
Confirmando que não obteve a nota fiscal, nem atentou para exigi-la
do vendedor, o acusado salientou que três testemunhas observaram, na
Universidade Estadual da Paraíba, sediada em Patos-PB, ele
negociando com o suposto vendedor do aparelho. Acrescentou que por

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1112

várias vezes utilizou o notebook após a compra, no quartel do 3°


BPM. Por fim, requereu a oitiva de testemunhas para prestarem
depoimento a favor do acusa-do.
Verifica-se que a comissão disciplinar, após toda a instrução,
elaborou o relatório final, opinando pela permanência do acusado,
entretanto, sugerindo a punição disciplinar dele (fls. 123/128).
Observa-se nos autos que, ao aportar o processo na Corregedoria da
PMPB, foi verificado que a comissão disciplinar conduziu o PAD, em
especial quando da elabora-ção de seu relatório, em desacordo com os
princípios do contraditório e da ampla defesa, não oportunizando ao
acusado e seu advogado o oferecimento das alegações finais de
defesa, bem como, não notificou o acusado e o defensor para
participarem da sessão deliberativa relativa à decisão da comissão
quanto às suas conclusões, violando, assim, o entendimento exposto
pelos Tribunais Superiores, no que tange ao devido processo legal
referendado pela nova ordem constitucional.
Neste norte, a Corregedoria da PMPB, em conformidade com o teor do
Despacho Saneador proferido pelo Parecer nº 010.010.15-PAD (fls. 132
à 135), devolveu os autos à Comissão Processante para o devido
saneamento, sendo os trabalhos retomados com a realização da
notificação do acusado e defensor para alegações finais e vistas
integrais dos autos, além de notificação para participação na
audiência de julgamento e sessão deliberativa final (fls. 149 à
150).
Saliente-se que, após o retorno para o saneamento do processo, com o
direito inclusive de vistas dos autos, não foram apresentadas as
alegações finais de defesa por parte do acusado, nem de seu defensor
constituído, mesmo eles tendo sido devidamente notificados para tal
ato de defesa (fls. 149 à 150), consoante certidão da lavra do
Presidente do PAD (fls. 151).
De tal forma, vislumbra-se nos autos em tela que o acusado teve a
oportunidade de, durante toda instrução manifestar-se acerca das
diligências realizadas e dos elementos inseridos, bem como teve
prazo adequado e razoável para vista integral dos autos e alegações
finais.
A Comissão Processante, em seu relatório complementar (fls.
158/160), concluiu, por unanimidade, que a acusação imposta ao SD
QPC MATR. 526.826-5 ARIELTON MACHADO ALVES COSTA não vislumbra fatos
relevantes que denotem inca-pacidade de sua permanência nas fileiras
desta Corporação, posicionando-se pela per-manência do miliciano nas
fileiras da Polícia Militar do Estado da Paraíba. Entretanto, a
Comissão sugere a aplicação da punição disciplinar de "PRISÃO" ao
indigitado, tendo em vista considerarem que a acusação converge para
o cometimento do crime de RECEPTAÇÃO CULPOSA, prevista no art. 255
do Código Penal Militar.
Por sua vez, a Corregedoria da PMPB concordou com a conclusão da
comissão disciplinar, declarando que as provas remetem ao
entendimento de que houve a participação do acusado no evento
exposto na Portaria inaugural, porém, sem dolo, e não contribuiu
diretamente para macular o seu profissionalismo perante os colegas
de farda e a sociedade, tornando-o, dessa forma, apto a integrar os
quadros da Polícia Militar do Estado da Paraíba.
Entretanto, vê-se prática de conduta transgressiva à disciplina por
parte do SD QPC MATR. 526.826-5 ARIELTON MACHADO ALVES COSTA, ao

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1113

infringir o Regulamento Disciplinar da PMPB (RDPM), no seu art. 14,


anexo I, item 1, nº 099 (Ofender a moral por atos, gestos ou
palavra), com circunstância atenuante de nº 1, art. 18, do mesmo
diploma legal, como também, a Lei nº 3909/77 (Estatuto dos Policiais
Militares do Estado da Paraíba), seção II, art. 27, item XIX (Zelar
pelo bom nome da Polícia Militar e de cada um de seus integrantes,
obedecendo e fazendo obedecer aos preceitos da ética Policial
Militar). Desta forma, posicionou-se a Corregedoria de acordo com a
Comissão Processante, sugerindo a aplicação da sanção disciplinar de
20 (vinte) dias de PRISÃO.
Ora, os fatos que deram origem ao procedimento administrativo
disciplinar são graves, na medida em que suas ações vão de encontro
com os valores fundamentais de-terminantes da moral militar. O
Militar Estadual deve seguir caminho da retidão moral, cultuando os
valores fundamentais estabelecidos como determinantes de uma conduta
sólida. Valor, conforme ensina Wilson Ordirley VALLA (Deontologia
Policial Militar. Ética profissional. 3ª ed. 2003. P. 21-23), "é a
característica ou a distinção pela consciência do que é um bem ou
mal". Ao Militar Estadual impõe-se honra pessoal, pundonor militar,
decoro, valor e moral.
Embora não demonstrada a comprovação dolosa por parte do Militar
Estadual, pecou ele pela falta de prudência ao adquirir um objeto
sem exigir, de quem lhe oferecia o produto, a nota fiscal
equivalente. No mundo do direito não se peca apenas pela ação, mas
também pela omissão, pela desatenção, pela irresponsabilidade.
O que está em jogo ao trazer à baila tal fato praticado pelo acusado
é o bom no-me da corporação, a dignidade castrense que está
relacionada ao respeito que o indivi-duo dispensa a si mesmo em
razão de ser um militar. O ato atinge, também, o decoro, que é o
conceito que a pessoa imagina que detém perante a sociedade, ou
seja, a projeção pessoal em meio à sociedade, e, finalmente, a
reputação, como um dos aspectos da honra, que é efetivamente o que o
grupo pensa acerca do indivíduo, a opinião das de-mais pessoas que
rodeiam o Militar, e, naturalmente, tudo isso traz um reflexo
negativo para a corporação.
Por outro lado, cabe à administração pública, quando da aplicação da
sanção disciplinar, observar os princípios da razoabilidade e da
proporcionalidade. Para Paulo Tadeu Rodrigues Rosa "a punição
administrativa deve ser eficaz quando comprovada a culpabilidade do
agente, para se evitar o cometimento de novas infrações. A aplicação
da sanção administrativa possui o seu aspecto educativo, mas este
deve ser proporcional à falta cometida, para se evitar o excesso e a
prática de arbitrariedades" (Direito Administrativo Militar - Teoria
e Prática. P.20).
O ilustre jurista Farlei Martins Oliveira considera ¿a razoabilidade
e a proporcionalidade como princípios decorrentes do devido processo
legal". Para este autor, inclusive, "razoabilidade e
proporcionalidade tem significados muito próximos, podendo ser
entendido que o primeiro faz com que o agente público atue com bom
senso, enquanto que, pelo segundo, torna-se imprescindível que a
autoridade militar observe, na dosagem da sanção disciplinar a
correlação entre os meios e fins objetivados pela lei, sob pena de
cometer ilegalidade". (Sanção Disciplinar Militar e Controle
Jurisdicional. Rio de janeiro: Lumem Juris, 2005.p.127).
Diante do exposto, sendo manifesta a reprovabilidade da conduta do
acusado e que o fato feriu a dignidade da Corporação, em decorrência

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1114

de seus atos, amplamente demonstrados no bojo dos autos, concordo


com o posicionamento da Corregedoria Geral da PMPB, e com o Parecer
nº 0003.3/2016-AESPA, de 06 de Janeiro de 2016, para decidir pela
permanência do SD QPC MATR. 526.826-5 ARIELTON MACHADO ALVES COSTA
nas fileiras da Polícia Militar do Estado da Paraíba, por não
existir motivação nos autos para a adoção de penalidade de exclusão
à bem da disciplina, com base nos princípios da legalidade,
razoabilidade e proporcionalidade. Entretanto, decide-se pela
aplicação da sanção disciplinar de 20 (vinte) dias de PRISÃO ao SD
QPC MATR. 526.826-5 ARIELTON MACHADO ALVES COSTA, por ter infringido
o Regulamento Disciplinar da PMPB (RDPM), no seu art. 14, anexo I,
item 1, nº 099 (Ofender a moral por atos, gestos ou palavra), com
circunstância atenuante de nº 1, art. 18, do mesmo diploma legal,
assim como, a Lei nº 3909/77 (Estatuto dos Policiais Militares do
Estado da Paraíba), seção II, art. 27, item XIX (Zelar pelo bom nome
da Polícia Militar e de cada um de seus integrantes, obedecendo e
fazendo obedecer aos preceitos da ética Policial Militar).
Salienta-se, finalmente, de acordo o artigo 23, caput, do Código de
Processo Penal Militar, que o aparelho notebook da marca ltautec, de
cor preta, modelo INFO WAYNOT W 7415, W7, STARTER CA, Série
40021/4600291, que foi objeto do Inquérito Policial Militar,
consoante as informações acima aduzidas, seja encaminhado à Justiça
Militar Estadual para fazer parte do processo que corre naquele
juízo especializado, cabendo ao Juiz da Justiça Militar decidir pela
devolução ao legítimo dono, caso entenda que tal aparelho não se faz
necessário como objeto de interesse de prova.
3. CONCLUSÃO:
Ex positis, este Cel. Comandante Geral RESOLVE:
1) Concordar com os Pareceres emitidos pela Comissão Pro-cessante,
pela Corregedoria Geral da PMPB, e pela Assessoria Especial
Administrativa-AESPA;
2) Julgar pela permanência do SD QPC MATR. 526.826-5 ARIELTON
MACHADO ALVES COSTA nas fileiras da Polícia Militar do Estado da
Paraíba, por não existir motivação nos au-tos para a adoção de
penalidade de exclusão à bem da disciplina, com base nos princípios
da legalidade, razoabilidade e proporcionalidade;
3) Determinar a aplicação da sanção disciplinar de 20 (vinte) dias
de PRISÃO ao SD QPC MATR. 526.826-5 ARIELTON MACHADO ALVES COSTA,
lotado no CPR II, por ter infrin-gido o Regulamento Disciplinar da
PMPB (RDPM), no seu art. 14, anexo I, item 1, nº 099 (Ofender a
moral por atos, gestos ou palavra), com circunstancia atenuante de
nº 1, art. 18, do mesmo diploma legal, assim como, a Lei nº 3909/77
(Estatuto dos Poli-ciais Militares do Estado da Paraíba), seção 11,
art. 27, item XIX (Zelar pelo bom nome da Polícia Militar e de cada
um de seus integrantes, obedecendo e fazendo obedecer aos preceitos
da ética Policial Militar). Transgressão Média;
4) Determinar que seja publicado em Boletim a presente solução, bem
como assentada a decisão na Ficha Disciplinar do militar, com base
nas prescrições legais contidas no Regulamento Disciplinar da
Polícia Militar da Paraíba (RDPM);
5) Determinar à DGP que adote as medidas administrativas decorrentes
desta solução, notificando o processado da decisão, após sua
publicação;

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1115

6) Determinar à DGP que observe a necessidade de atualização do


comportamento do SD QPC MATR. 526.826-5 ARIELTON MACHADO ALVES
COSTA, com base no art. 52 do Regulamento Disciplinar da Policia
Militar da Paraíba (RDPM);
7) Oficiar ao Juiz de Direito da Justiça Militar do Estado da
Paraíba, informando-o acerca da decisão emanada neste Processo
Administrativo Disciplinar;
8) Determinar que o aparelho notebook da marca ltautec, de cor
preta, modelo INFO WAYNOT W 7415, W7, STARTER CA, Série
40021/4600291, que foi objeto de Inquérito Policial Militar, seja
encaminhado à Justiça Militar Estadual para fazer parte do processo
que corre naquele juízo especializado, cabendo ao Juiz da Justiça
Militar decidir pela devolução ao legítimo dono, caso entenda que
tal aparelho não se faz necessário como objeto de interesse de
prova;
9) Determinar à Corregedoria que arquive os autos deste Pro-cesso
Administrativo Disciplinar, após o trânsito em julgado;
Publique-se, Registre-se e Cumpra-se.
EULLER DE ASSIS CHAVES - CEL QOC
Comandante Geral da PMPB
526.826-5 SOLDADO QPC ARIELTON MACHADO ALVES COSTA
(Nota nº 36179 de 17 Fev 2016 - CORREGEDORIA)

9.3 - SOLUÇÃO DE SINDICÂNCIA


9.3.1 - PROTOCOLO: 2406.15
REFERÊNCIAS: Portaria 0228/2014-Sind-DGP/5, de 20 Out 2014; Portaria
0152/2015-Sind-DGP/5, de 09 de Jun 2015.
AUTOR DISCIPLINAR: SUBCOMANDANTE GERAL.
ENCARREGADO: CAP QOC MATR. 520.666-9 DENILSON PORFÍRIO DE LIMA; CAP
QOC MATR. 520.333-3 FRANCISCO JOSÉ JUNIOR.
SINDICADOS: 2º TEN QOC MATR. 525.582-1 DHIEGO LUIZ CASSOL; CB QPC
MATR. 520.916-1 REINALDO DA COSTA FREITAS
EMENTA
PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR - SINDICÂNCIA - DISCUSSÃO
VERBAL ENTRE PRAÇA E OFICIAL - FALTA DE CAMARADAGEM E RESPEITO MÚTUO
- ATOS CONTRÁRIOS À DISCIPLINA - FATOS OCORRIDOS NA PRESENÇA DE
GRANDE NÚMERO DE CIVIS - ATITUDES QUE NÃO SE COADUNAM COM A
HIERARQUIA E A DISCIPLINA INERENTE AOS MILITARES - INFRAÇÕES
DISCIPLINARES PRATICADAS POR AMBOS - PUNIÇÃO DE REPREENSÃO.
Militares, um oficial e uma praça, que proporcionam discussão verbal
e agem para a discórdia entre ambos, faltando espírito de
camaradagem, praticando atos embaraçosos na presença de vários
civis, estão passíveis de ser sancionados disciplinarmente pela
administração pública militar.
O SUBCOMANDANTE-GERAL DA POLÍCIA MILITAR DA PARAÍBA, no uso das
atribuições que lhe são conferidas pelo inciso XI, do Art. 12 da LC
nº 87, de 02 Dez 08, c/c o Art. 28 do Manual de Sindicância,
aprovado pela Resolução nº 0005/01 - GCG, de 29 Out0 1, delibera a
seguinte decisão acerca do processo disciplinar referido:
1. DOS FATOS:

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1116

A Sindicância teve por objetivo apurar um desentendimento envolvendo


o CB QPC REINALDO e o 2º TEN CASSOL, fato ocorrido nos dias 10 e 11
de Agosto de 2014, no interior do Edifício Ubatuba, no bairro dos
Bancários, condomínio residencial que tem o primeiro Militar como
síndico.
2. QUANTO À FORMA: O Oficial Encarregado observou as formalidades
mínimas exigidas para o devido processo legal, não sendo possível
levantar qualquer hipótese de mácula aos ditames legais.
3. QUANTO AO MÉRITO:
3.1 ANÁLISE DAS PROVAS:
Consta nos autos que no dia 10 de Agosto de 2014, devido ao fato de
o veículo do 2º TEN CASSOL encontrar-se estacionado em um local que
obstruía a passagem de outro veículo, o filho do acusado (síndico do
Edifício Ubatuba), com apoio de outros moradores, sem a devida
autorização, entrou no veículo do Oficial e o manobrou para permitir
a liberação do veículo de outro condômino. Ao saber do ocorrido, o
Oficial resolveu procurar o síndico para reclamar, mas este não se
encontrava no prédio, pois estava viajando.
No dia seguinte, por volta das 20h00, o oficial avistou o síndico
(CB REINALDO) e foi reclamar dos eventos ocorridos no dia anterior.
Durante a conversa, os ânimos se exaltaram, o que culminou em uma
discussão envolvendo o Oficial e a referida praça, bem como os
familiares das partes.
Conforme a testemunha Maria de Fátima, fls. 67 e 68, o acusado (CB
REINALDO) estava exaltado e apontava o dedo para a face do Oficial
subalterno. Ainda pela mesma testemunha, durante a querela, o
acusado expressamente proibiu a entrada do Oficial no prédio. O fato
foi também confirmado pela testemunha Gicélia Guimarães, fls. 65 e
66.
A testemunha Rafaella (fls. 112) relatou situação divergente, porém,
também afirmou que a discussão durou poucos segundos e que o Oficial
estava de costas para ela.
O acusado alega, preliminarmente, em sua defesa escrita (fls. 124,
125, 126 e 127), que estava agregado para concorrer a cargo eletivo
e por isso estava afastado de suas funções na Polícia Militar, não
se encontrando na condição de Militar e investido no cargo de
síndico do Condomínio Ubatuba, equiparando-se a civil, portanto
solicitou o arquivamento da Sindicância.
Em relação à agregação, como bem registrou o primeiro Oficial
Sindicante, o Estatuto dos Policiais Militares da Paraíba, Lei
3.909/77, prever expressamente no § 7º do art. 75, que o Militar
agregado fica sujeito às obrigações disciplinares:
§ 7º - O policial militar agregado fica sujeito às obrigações
disciplinares concernentes às suas relações com outros policiais
militares, e autoridades civis, salvo quanto titular de cargo que
lhe dê precedência funcional sobre outros policiais militares mais
graduados ou mais antigo.
O sindicado afirma que houve uma discussão calorosa e que proibiu a
entrada do 2º TEN CASSOL no Condomínio, dizendo que se sentiu
intimidado pela presença do Oficial no edifício naquela mesma noite,

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1117

além de, no dia seguinte, pela manhã, encontrar uma viatura na


frente de seu prédio. Diante disto, o acusado resolveu prestar
Boletim de Ocorrência, fls. 170.
Todavia, conforme bem expressa o Oficial Sindicante, o acusado se
contradiz em diversos aspectos.
Primeiramente, ao afirmar que foi orientado pelo SGT ROBERTO, na
mesma noite, para ir à delegacia, no entanto, quando, no depoimento
do SGT ROBERTO (fls. 117), este relatou que só o orientou no dia
seguinte. Nos boletins de ocorrências prestados no dia 11/08/2014 e
no dia 23/10/2014, o acusado afirmou, fls. 77 e 170, que proibiu a
entrada do 2º TEN CASSOL no prédio, porém, no seu interrogatório, em
fls. 82, 83 e 84, afirmou que apenas informou à noiva do Oficial
Subalterno que naquela noite ele (Cassol) não tinha condições de
permanecer no prédio.
Por fim, o sindicado atribuiu possíveis transgressões ao Oficial,
entre elas a de utilizar-se da condição de Militar para intimidá-lo,
constrangê-lo e humilhá-lo. Estes fatos ocorreram no dia 18 de
Dezembro de 2014, durante uma Assembleia Geral do Condomínio.
Segundo relatos do CB REINALDO, ocorria uma Assembleia Geral do
Condomínio quando o 2º TEN CASSOL chegou em uma viatura policial com
mais três policiais. Devido às intempéries ocorridas com o Oficial
anteriormente, o CB REINALDO resolveu encerrar a reunião para evitar
maiores problemas com o Oficial. O CB REINALDO relatou que o Oficial
chegou ao condomínio intimidando-o e dizendo que se houvesse algum
problema relativo a ele deveria ser resolvido entre as partes, pois
ele era tenente da Polícia Militar. Novamente houve discussão entre
as partes, dessa vez originada pelo 2º TEN CASSOL.
Em depoimento prestado nesta Sindicância (fl. 257), o 2º TEN CASSOL
disse o seguinte:
[...] Que ao chegar no prédio havia cerca de cinco pessoas e mais o
CB Reinaldo, perguntado quais foram as palavras usadas ao se dirigir
ao Síndico ao perguntar sobre o problema; respondeu que: as Palavra
foram "meu amigo o que é que está acontecendo" após resposta do CB
Reinaldo foi falado "quando você tiver algum problema relacionado
comigo trate comigo, como eu fiz com você esperando você chegar de
viagem para falar" após indagar aos moradores sobre o problema falo
"então tá, vamos resolver nosso problema agora você quer que eu
estacione aonde?" [...]
Dessa maneira, com base nessas novas acusações, os trabalhos da
Sindicância foram reabertos, sendo os dois sindicados notificados
sobre a reabertura dos trabalhos, bem como informados sobre o
direito de apresentar novas provas e alegações finais com relação
aos fatos novos indicados pelo CB REINALDO em desfavor do 2º TEN
CASSOL.
O CB REINALDO apresentou alegações finais (fl. 317), arguindo que a
Sindicância carece de segurança jurídica, em vista do tempo em que
foi iniciado os trabalhos até a presente data. Argumentou que a
Sindicância extrapolou o prazo para ser concluída. Pediu, por fim, o
arquivamento do procedimento, aditando, ainda, os argumentos de que
o CB REINALDO nada fez de contrário ao Regulamento Disciplinar da
PMPB. Finalmente, suscitou que o último parecer da Corregedoria
causou confusão processual, pois a exclusão de algumas "páginas ou
folhas" poderia prejudicar a defesa do militar, que não saberia se
os documentos excluídos teriam ou não interesse à sua defesa.

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1118

O 2º TEN CASSOL não contestou ou apresentou qualquer meio de prova


para rebater as acusações que lhe foram atribuídas pelo CB REINALDO,
com relação aos fatos ocorridos no dia 18 de Dezembro de 2014.
3.2 CONCLUSÃO DO MÉRITO:
Com relação aos fatos ocorridos nos dias 10 e 11 de Agosto, é
notório que houve uma discussão entre os envolvidos e que, de acordo
com o depoimento de boa parte das testemunhas, o CB REINALDO estava
bastante exaltado, chegando a desrespeitar o Oficial, demonstrando a
prática de irregularidade administrativa, especificamente as
previstas nos itens 094 e 097 do anexo I do RDPM. Todavia, há também
elementos informativos que apontam uma possível falta de postura por
parte do Oficial subalterno, indicando ainda uma hipotética atitude
provocante ou ofensiva que culminou em uma discussão entre as
partes, condutas estas previstas nos itens 042 e 100 do anexo I do
RDPM.
Já os fatos ocorridos no dia 18 de Dezembro de 2014, observou-se que
as partes entraram em discussão novamente, sendo que, dessa vez, o
2º TEN CASSOL deu início ao desentendimento. O Oficial, por motivo
de já ter tido problemas pessoais com a referida praça, como medida
de prudência, deveria ter evitado qualquer contato ou discussão
verbal com o CB REINALDO. A atitude do Oficial de ter novamente
discutido com o CB REINALDO demonstra falta de cautela ou de zelo
com a disciplina. Não se faz muito esforço para entender que o
Oficial deu causa à nova discussão entre as partes.
Analisando as alegações de defesa do sindicado CB REINALDO (fl.
317), pode-se concluir que elas não procedem pelos seguintes
motivos: todos os retornos dos autos e reabertura da Sindicância
foram devidamente fiscalizados e determinados pela Corregedoria da
PMPB, órgão responsável e competente para tanto; o prazo para
conclusão dos trabalhos foi estendido por motivo de pendências a
serem realizadas pelos Oficiais Sindicantes, tudo em vista de melhor
instruir os autos com a verdade dos fatos; houve necessidade de
apuração de fatos novos ocorridos no dia 18 de Dezembro de 2014, o
que demandou mais tempo para conclusão dos trabalhos; a exclusão de
algumas folhas ou páginas determinadas pela Corregedoria estão
amplamente dentro de seu poder de fiscalização e correção dos
procedimentos disciplinares, realizados dentro da PMPB, visando,
unicamente, a melhor organização da Sindicância, não sendo possível
levantar qualquer mácula à defesa de qualquer um dos sindicados
envolvidos; não houve exclusão de qualquer documento importante para
defesa ou acusação, sendo a atitude da Corregedoria amparada pela
presunção de veracidade e legalidade, de acordo com a fé pública que
tem os órgãos da Administração.
Em resumo, é possível dizer que os dois Militares comportaram-se de
maneira inadequada para uma vida na caserna, a qual está baseada
pelos princípios da hierarquia e da disciplina, inerentes aos
Militares. Faltaram, aos dois, espírito de camaradagem e respeito
mútuo, o que culminou em várias e ridículas discussões entre as
partes, esquecendo-se, ambos, dos princípios que norteiam suas
funções públicas. Os dois proporcionaram discussões injustificadas e
embaraçosas para eles e para a Instituição, pois várias pessoas
presenciaram os fatos e sabiam que ali se tratava de dois policiais
militares. Tanto o CB REINALDO quanto o 2º TEN CASSOL infringiram a
disciplina e a ética inerente aos policiais militares, concorrendo
para a discórdia entre eles. É o pensamento que se extrai da análise
de alguns incisos do art. 27 da Lei nº 3.909/77 (Estatuto dos

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1119

Policiais Militares da Paraíba):


Art. 27. O sentimento do dever, o pundonor policial e o decoro da
classe impõem, a cada um dos integrantes da Polícia Militar, conduta
moral e profissional irrepreensíveis. Com a observância dos
seguintes preceitos da ética policial militar:
I - Amar a verdade e a responsabilidade como fundamento da dignidade
pessoal;
IV - Cumprir e fazer cumprir as leis, os regulamentos, as instruções
e as ordens das autoridades competentes;
VI - Zelar pelo preparo próprio, moral, intelectual, físico e também
pelos dos subordinados, tendo em vista o cumprimento da missão
comum;
VIII - Praticar a camaradagem e desenvolver permanentemente o
espírito de cooperação;
IX - Ser discreto em suas atitudes, maneiras e em sua linguagem
escrita e falada;
XII - Cumprir seus deveres de cidadão;
XIII - Proceder de maneira ilibada na vida pública e na particular;
XIV - Observar as normas de boa educação;
XVI - Conduzir se mesmo fora do serviço ou na inatividade, de modo
que não sejam prejudicados os princípios da disciplina, do respeito
e do decoro policial militar;
XVII - Abster se de fazer uso do posto ou da graduação para obter
facilidades pessoais de qualquer natureza ou para encaminhar
negócios particulares ou de terceiros;
XIX - Zelar pelo bom nome da Polícia Militar e de cada um dos seus
integrantes, obedecendo e fazendo obedecer aos preceitos da ética
policial militar.
A punição disciplinar tem, como um dos seus objetivos, reeducar o
policial militar, na intenção de que este não venha a cometer os
mesmos atos, bem como servir de exemplo aos demais para que não
cometam os mesmos erros dos punidos. A interpretação é decorrente do
art. 22 do Regulamento Disciplinar da PMPB, que tem a seguinte
redação:
Art. 22 - A punição disciplinar objetiva o fortalecimento da
disciplina.
Parágrafo Único - A punição deve ter em vista o benefício educativo
ao punido e à coletividade a que ele pertence.
Além disso, pode-se citar o art. 6º do mesmo diploma legal, onde
está presente a importância da observância das normas disciplinares
por parte dos policiais militares:
Art. 6º - A disciplina policial-militar é a rigorosa observância e o
acatamento integral das leis, regulamentos, normas e disposições,
traduzindo-se pelo perfeito cumprimento do dever por parte de todos
e de cada um dos componentes do organismo policial-militar.

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1120

§ 1º - São manifestações essenciais de disciplina:


1. A correção de atitude;
2. A obediência pronta às ordens dos superiores hierárquicos;
3. A dedicação integral ao serviço;
4. A colaboração espontânea à disciplina coletiva e à eficiência da
instituição;
5. A consciência das responsabilidades;
6. A rigorosa observância das prescrições regulamentares.
Desta feita, incorreu o 2º TEN QOC MATR. 525.582-1 DHIEGO LUIZ
CASSOL em transgressões disciplinares previstas no Anexo I, Item II,
do Regulamento Disciplinar da PMPB (Decreto nº 8.962, de 11 de março
de 1981), quais sejam:
003 - Concorrer para a discórdia ou desarmonia ou cultivar
inimizades entre camaradas.
098 - Ofender, provocar ou desafiar seu igual ou subordinado.
100 - Travar discussão, rixa ou luta corporal com seu igual ou
subordinado.
Analisando os assentamentos disciplinares do sindicado 2º TEN QOC
MATR. 525.582-1 DHIEGO LUIZ CASSOL, observa-se que ele possui uma
punição disciplinar de REPREENSÃO e contém 13 (sete) elogios em sua
vida na caserna. Ele possui 04 (quatro) anos e 08 (oito) meses de
serviço prestados à PMPB.
Nessa análise se vê que o Militar tem bons antecedentes dentro da
Corporação. Dessa maneira, verifica-se a presença das atenuantes
previstas no art. 18 do RDPM: 2) relevância de serviço prestado; 4)
ter sido cometida a transgressão em defesa própria, de seus direitos
ou de outrem desde que não constitua causa de justificação. Foram
identificadas as agravantes previstas no art. 19 do RDPM: 2) prática
simultânea ou conexão de duas ou mais transgressões; 7) ter abusado
o transgressor de sua autoridade hierárquica; 10) ter sido praticada
a transgressão em presença de publico. A última agravante aumenta a
reprimenda disciplinar, pois ela tornou as ações do sindicado de
maior gravidade, consequência do embaraço causado para o próprio
agente como para a instituição PMPB. Com base nessas premissas e no
art. 15 do RDPM, compreende-se que o miliciano em tela deve ser
punido disciplinarmente com REPREENSÃO, reprimenda prevista no art.
25 do RDPM.
Quanto ao CB QPC MATR. 520.916-1 REINALDO DA COSTA FEITAS, este
também incorreu em transgressões disciplinares previstas no Anexo I,
Item II, do Regulamento Disciplinar da PMPB (Decreto nº 8.962, de 11
de março de 1981), quais sejam:
003 - Concorrer para a discórdia ou desarmonia ou cultivar
inimizades entre camaradas.
094 - Dirigir-se, referir-se ou responder de maneira desatenciosa a
superior.
097 - Ofender, provocar ou desafiar superior.

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1121

Analisando os assentamentos disciplinares do sindicado CB QPC MATR.


520.916-1 REINALDO DA COSTA FREITAS observa-se que ele não possui
punição disciplinar e tem 04 (quatro) elogios, encontrando-se,
atualmente, no comportamento EXCEPCIONAL. Ele possui 16 (dezesseis)
anos de serviço prestados à PMPB. Nessa análise se vê que o Militar
tem bons antecedentes dentro da Corporação. Dessa maneira,
verifica-se a presença das atenuantes previstas no art. 18 do RDPM:
1) bom comportamento; 4) ter sido cometida a transgressão em defesa
própria, de seus direitos ou de outrem desde que não constitua causa
de justificação¿. Foram identificadas as agravantes previstas no
art. 19 do RDPM: 2) prática simultânea ou conexão de duas ou mais
transgressões; 10) ter sido praticada a transgressão em presença de
publico¿. A última agravante aumenta a reprimenda disciplinar, pois
ela tornou as ações do sindicado de maior gravidade, consequência do
embaraço causado para o próprio agente como para a instituição PMPB.
Com base nessas premissas e no art. 15 do RDPM, compreende-se que o
miliciano em tela deve ser punido disciplinarmente com REPREENSÃO,
reprimenda prevista no art. 25 do RDPM.
Com base em todo o exposto, deverá o 2º TEN QOC MATR. 525.582-1
DHIEGO LUIZ CASSOL e o CB QPC MATR. 520.916-1 REINALDO DA COSTA
FREITAS serem punidos disciplinarmente com REPREENSÃO, tendo em
vista as circunstâncias do caso concreto e da vida pregressa dos
Militares na caserna.
4. CONCLUSÃO:
Ex positis, este Cel. Subcomandante Geral RESOLVE:
1) DISCORDAR do Oficial Sindicante;
2) INCLINAR-ME pela punição disciplinar para o 2º TEN QOC MATR.
525.582-1 DHIEGO LUIZ CASSOL e para o CB QPC MATR. 520.916-1
REINALDO DA COSTA FREITAS, com REPREENSÃO;
3) Determinar à DGP que notifique o 2º TEN QOC MATR. 525.582-1
DHIEGO LUIZ CASSOL e o CB QPC MATR. 520.916-1 REINALDO DA COSTA
FREITAS a respeito da decisão, abrindo-se o prazo recursal para
ambos;
4) Determinar que seja publicada em Boletim a presente solução, bem
como assentada a decisão nas Fichas Disciplinares dos militares, com
base nas prescrições legais contidas no Regulamento Disciplinar da
Polícia Militar da Paraíba (RDPM);
5) Determinar à DGP que observe a necessidade de atualização do
comportamento do CB QPC MATR. 520.916-1 REINALDO DA COSTA FREITAS,
com base no art. 52 do Regulamento Disciplinar da Policia Militar da
Paraíba (RDPM);
6) Determinar que sejam arquivados os autos nesta Corregedoria, após
o devido trânsito em julgado;
7) Publique-se, registre-se e cumpra-se.
JOSÉ DE ALMEIDA ROSAS - CEL QOC
Subcomandante Geral da PMPB
525.582-1 2º TENENTE QOC DHIEGO LUIZ CASSOL
520.916-1 CABO QPC REINALDO DA COSTA FREITAS
(Nota nº 45664 de 17 Fev 2016 - CORREGEDORIA)

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1122

9.3.2 - PROTOCOLO: 1654.15


REFERÊNCIAS: Portaria 0219/2015-Sind.Subs-DGP/5, de 28 Set 2015.
AUTOR DISCIPLINAR: SUBCOMANDANTE GERAL
ENCARREGADO: MAJ QOC MATR. 520.281-7 IRLAN TRAJANO DE SENA
SINDICADOS: 2º SGT QPC MATR. 512.220-1 RONALDO RODRIGUES DE MELO e
SD QPC MATR. 526.521-5 WALYSSON GOMES DA SILVA
EMENTA
PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR - SINDICÂNCIA - MILITARES
ACUSADOS DE CRIME DE CONCUSSÃO - ART. 316 CPB - PRISÃO EM FLAGRANTE
- FATOS OCORRIDOS ENQUANTO OS MILITARES ESTAVAM ESCALADOS PARA O
SERVIÇO - POSSÍVEL ABANDONO DE SERVIÇO - NECESSIDADE DE INQUÉRITO
POLICIAL MILITAR - FATOS GRAVES - NECESSIDADE DE PROCESSO
ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR. Dois Militares, escalados de serviço
regularmente, foram acusados de deixarem seus locais de serviço,
cidade de Bayeux-PB, e cometerem o crime de concussão no bairro da
Ilha do Bispo, cidade de João Pessoa-PB. um deles foi autuado em
flagrante delito, sendo o outro descoberto posteriormente.
O SUBCOMANDANTE-GERAL DA POLÍCIA MILITAR DA PARAÍBA, no uso das
atribuições que conferidas pelo inciso XI, do Art. 12 da LC nº 87,
de 02 Dez 08, c/c o Art. 28 do Manual de Sindicância, aprovado pela
Resolução nº 0005/01 - GCG, de 29 Out 01, delibera a seguinte
decisão acerca do processo disciplinar referido:
1. DOS FATOS: A sindicância teve por objetivo apurar a conduta
referente ao 2º SGT QPC MATR. 512.220-1 RONALDO RODRIGUES DE MELO,
lotado na 4ª CIPM, em razão do suposto envolvimento dele com o SD
QPC MATR. 526.521-5 WALYSSON GOMES DA SILVA, quando da autuação em
flagrante delito do referido soldado, no dia 20 de Junho de 2015,
pela prática, em tese, do delito comum tipificado no art. 316
(Concussão) do Código Penal.
2. QUANTO À FORMA:
2.1 DO PRAZO
A presente sindicância teve sua delegação de função realizada no dia
28 de Setembro de 2015, através da Portaria
0219/2015-Sind.Subs-DGP/5, sendo os trabalhos iniciados pelo
encarregado no dia 14 de Outubro de 2015. No dia 27 de Outubro de
2015, foi solicitada prorrogação de prazo para conclusão dos
trabalhos, sendo concedidos dez dias a mais para concluir os
trabalhos, conforme BOL PM nº 209, datado de 10 de Novembro de 2015.
2.2 DAS DEMAIS FORMALIDADES
O Oficial Sindicante observou as formalidades mínimas exigidas para
o devido processo legal, não sendo possível levantar qualquer
hipótese de mácula aos ditames legais e constitucionais.
2.3 DA OBSERVÂNCIA AOS DIREITOS CONSTITUCIONAIS DOS SINDICADOS
Não houve cerceamento de defesa ou qualquer outro prejuízo ao
exercício da ampla defesa e do contraditório, direitos
constitucionais a serem observados em favor do acusado.
3. QUANTO AO MÉRITO:
3.1 ANÁLISE DAS PROVAS

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1123

Diante da leitura e análise de todas as peças probatórias acostadas


aos autos, bem como dos demais meios de provas produzidos pelo
Oficial Sindicante, segue-se, nos parágrafos seguintes, as
conclusões extraídas de todo este procedimento de Sindicância
Pública.
No dia 19 de Junho de 2015, por volta das 10h00, os dois sindicados,
passando-se por policiais civis, compareceram a uma loja denominada
de GT, especializada em pecas usadas de veículos, com endereço na
Rua Sebastião de Oliveira Lima, número 703, Distrito Mecânico,
bairro Ilha do Bispo, em João Pessoa-PB. Segundo o que foi apurado,
os sindicados procuravam uma pessoa conhecida por Guto (Gutemberg
Augusto da Silva Rocha), proprietário do estabelecimento comercial
junto com seu irmão, de nome Guilherme Augusto da Silva Rocha (fl.
092). No momento em que este último indicou onde estava o seu irmão,
um dos sindicados, o 3º SGT RODRIGUES (fl. 175), disse que "a casa
caiu", insinuando que o senhor Gutemberg vendia peças roubadas de
veículo Gol. Após a negativa do senhor Gutemberg (fl. 090), que
estaria vendendo peças roubadas, os sindicados ameaçaram prender os
dois irmãos, obrigando o senhor Gutemberg a ir para trás de uma
divisória, com o intuito de que ninguém observasse a ação.
Segundo as vítimas, o 2º SGT RODRIGUES era quem comandava as ações e
acusava-as a todo o momento de terem cometido crimes, proferindo
ameaças de prisão contra os dois. Em que pese as principais
acusações serem direcionadas principalmente ao 2º SGT RODRIGUES, os
dois sindicados participaram da ação, chegando a proporem às vítimas
que elas entregassem uma quantia de R$ 4.000,00 (quatro mil reais)
para não irem presos, sendo que parte desse valor, R$ 2.000,00 (dois
mil reais), seria para um suposto Delegado, e o restante para os
próprios sindicados. Após a insistência dos sindicados, as vítimas
disseram que teria no momento somente R$ 150,00 (cento e cinquenta
reais) em espécie, além de um cheque do Banco Santander no valor de
R$ 3.300,00 (três mil e trezentos reais), passado por um cliente do
estabelecimento comercial. O valor em espécie e o referido cheque
foram entregues pelas vítimas aos sindicados, tendo eles informado
que retornariam no dia seguinte para buscarem mais dinheiro, pois
exigiam mais valores para não realizarem a prisão dos dois irmãos.
É importante frisar que as duas vítimas relataram que os sindicados
compareceram à loja também no dia anterior ao fato, ou seja, dia 18
de Junho de 2015. Nesse dia os sindicados chegaram juntos e estavam
interessados em dois faróis de veículo Gol geração 4, sendo que a
loja não dispunha de tais peças.
Como prometido, no dia 20 de Junho de 2015, um dos sindicados (SD
WALYSSON) compareceu à loja de peças usadas, passando a exigir mais
dinheiro da vítima Guilherme. No referido dia, somente o senhor
Guilherme estava presente na loja, pois seu irmão já estava na
Central de Polícia Civil denunciando o fato criminoso praticado
pelos sindicados. Ao mesmo tempo em que o senhor Guilherme
conversava com o SD WALYSSON (fl. 178), seu irmão Gutemberg
informava aos policiais civis que um dos indivíduos estava na loja
exigindo mais dinheiro, pois acabara de receber um telefonema do
irmão relatando tal fato.
Em vista do flagrante de crime que estava ocorrendo, três policiais
civis receberam a determinação do delegado plantonista (fl. 160)
para se deslocarem ao local dos fatos e efetuarem a averiguação do
que era relatado pelas vítimas. No momento em que os policiais
civis, à paisana, chegaram ao local, juntamente com o senhor
Gutemberg, o SD WALYSSON foi logo perguntando a ele onde estaria o

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1124

dinheiro, momento em que os policiais civis abordaram e efetuaram a


prisão do militar em flagrante delito pela prática do crime de
concussão, previsto no art. 316 do Código Penal. Ficou evidente que
o SD WALYSSON disse para o senhor Gutemberg a seguinte frase: "e aí,
trouxe o dinheiro?", no momento em que o último chegou à oficina,
acompanhado pelos agentes policiais.
Com o SD WALYSSON foi apreendida uma arma de fogo tipo pistola,
marca Taurus PT 100, de numero SFT 51458, pertencente à carga da
PMPB, devidamente autorizada para porte fora do serviço.
No dia da prisão do SD WALYSSON o 2º SGT RODRIGUES não estava
presente, porém ele participou da ação perpetrada nos outros dois
dias. Somente o SD WALYSSON foi preso pelo crime praticado pelos
dois sindicados, pois somente ele foi flagrado em ação criminosa.
Todavia, conforme se vê nos autos (fl. 088), os dois sindicados
encontram-se na qualidade de réus no processo sob o nº
0015651-67.2015.815.2002, da 6ª Vara Criminal de João Pessoa-PB.
As duas vítimas realizaram o reconhecimento do sindicado 2º SGT
RODRIGUES como participante das ações criminosas juntamente com o SD
WALYSSON, nos dias 18 e 19 de Junho de 2015, conforme Termo de
Reconhecimento (fl. 095) realizado pelo Oficial Sindicante.
Os sindicados, como bem observou o oficial sindicante, somente
tentaram um colocar a culpa no outro, porém confirmaram a presença
na oficina de peças usadas juntos. Negaram, obviamente, terem
cometido qualquer crime contra as pessoas qualificadas como vítimas
nos autos.
Todas as testemunhas ouvidas foram unânimes em seus depoimentos,
quanto ao desenrolar dos fatos, existindo total harmonia entre eles,
não existindo contradições ou dúvidas quanto a sequência dos
acontecimentos.
3.2 ANÁLISE DAS RAZÕES DE DEFESA DO SINDICADO
Somente o 2º SGT RODRIGUES apresentou Defesa Escrita (fl. 242),
abstendo-se desse direito o SD WALYSSON (fl. 246). O primeiro alegou
que não houve provas nos autos que pudessem atribuir a ele qualquer
ato de indisciplina, pertinente para sanções administrativas. Nesse
mesmo tom, o sindicado argumentou que também não é possível
imputar-lhe ato cometido por ele que seja contrário ao ordenamento
jurídico, seja crime comum ou castrense. Refutando as alegações
apresentadas pelas duas vítimas, restringiu-se o sindicado a dizer
que as acusações são carentes de provas, bem como um dos acusadores
não tem conduta ilibada, por estar respondendo processo judicial
pelo cometimento de crime.
Ao explicar o motivo de ter aparecido no estabelecimento comercial,
o 2º SGT RODRIGUES alega que foi até o local somente para confirmar
o endereço e repassar informações para o serviço de inteligência da
PMPB.
Por fim, suscita injustiça contra ele caso seja aplicada qualquer
sanção disciplinar, tendo em vista ele não ter transgredido a
disciplina.
3.3 ANTECEDENTES DOS SINDICADOS
Analisando os assentamentos disciplinares do sindicado 2º SGT QPC
MATR. 512.220-1 RONALDO RODRIGUES DE MELO, observa-se que ele possui

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1125

04 (quatro) punições disciplinares e 14 (quatorze) elogios,


encontrando-se, atualmente, no comportamento ÓTIMO. Ele possui 33
(trinta e três) anos de serviço prestados à PMPB. Com relação à vida
pregressa criminal, o Militar possui três Processos ainda ativos no
TJPB: n° 200.2008.006.174-6 (Auditoria Militar); n°
075.2011.004.704-2 (5ª Vara de Bayeux); n° 0015651-67.2015.815.2002
(6ª Vara Criminal), este relativo aos fatos apurados por esta
sindicância.
Analisando os assentamentos disciplinares do sindicado SD QPC MATR.
526.521-5 WALYSSON GOMES DA SILVA, observa-se que ele não possui
punições disciplinares e contém 07 (sete) elogios em sua vida na
caserna, encontrando-se, atualmente, no comportamento BOM. Ele
possui pouco mais do que 04 (quatro) anos de serviço prestados à
PMPB. Com relação à vida pregressa criminal, o Militar possui
somente o Processo de n° 0015651-67.2015.815.2002 (6ª Vara
Criminal), relativo aos fatos apurados por esta sindicância.
3.4 CONCLUSÃO DO MÉRITO:
Os fatos apresentados pelas vítimas são de elevada gravidade, ainda
mais por terem sido praticados por policiais militares, agentes
públicos que devem trabalhar em prol da sociedade e do cidadão,
sempre cumprindo a lei e os regulamentos internos da Corporação.
Pela análise dos depoimentos das vítimas e dos testemunhos dos
policiais civis que realizaram a prisão em flagrante delito de um
dos sindicados, o SD WALYSSON, pode-se chegar à conclusão de que,
realmente, os sindicados praticaram as condutas descritas na
denúncia, concorrendo ambos para o crime tipificado no art. 316
(Concussão) do Código Penal. Esse raciocínio se dá mediante a
concatenação dos fatos descritos pelas vítimas.
Resumem-se as ações dos sindicados em três dias, começando pelo dia
18 de Junho de 2015, seguindo pelo dia seguinte, 19 de Junho de
2015, e terminando com a prisão em flagrante delito do SD WALYSSON,
no dia 20 de Junho de 2015. No primeiro dia os sindicados
compareceram à loja de peças usadas de propriedade das vítimas, em
busca de peças usadas para um veículo Gol. Nesse primeiro dia, nada
demais fizeram os sindicados, pois somente compareceram para se
informar sobre peças usadas e se retiraram antes mesmo de realizar
qualquer outra ação. Todavia, no dia seguinte, 19 de junho de 2015,
os sindicados retornaram ao estabelecimento comercial e praticaram
os atos descritos no tipo penal do art. 316 do CPB, exigindo das
vítimas dinheiro para não realizarem a prisão deles por,
supostamente, estarem vendendo peças roubadas de veículos. Para
intimidarem as vítimas, os sindicados se passaram por policiais
civis, indicando, inclusive, que estavam trabalhando e que teria um
Delegado de Polícia por trás do serviço, pois disseram que parte do
dinheiro arrecadado seria para a citada autoridade policial. A
vantagem indevida (dinheiro) foi exigida por parte dos sindicados,
sendo que o mais atuante deles, segundo relatou as vítimas, seria o
2º SGT RODRIGUES, que o descreveram como o policial baixo e gordo,
tendo reconhecido ele por foto nesta Sindicância.
Com intuito de não serem visualizados por possíveis testemunhas, os
sindicados levaram uma das vítimas para uma região da loja onde
ninguém poderia observar a ação. Foi nesse momento que os policiais
sindicados passaram a exigir dinheiro das vítimas, tudo isso para
não realizarem uma suposta prisão dos cidadãos.
Independentemente da índole ou do histórico criminal de uma das

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1126

vítimas, a ação dos sindicados não encontra respaldo na lei, pois,


se caso houvesse alguma denúncia de crime praticado pela vítima ou
mesmo investigação policial a ser feita, não se põe como correto
exigir vantagem indevida de qualquer pessoa para fazer algo que a
lei não manda. Mesmo que as vítimas estivessem vendendo peças
roubadas de veículos e os sindicados comprovassem tais ações
delituosas, é extremamente contrário à lei e aos princípios da
moralidade administrativa exigir dinheiro dos acusados para não
efetuar a prisão. Ademais, em nenhum momento ficou evidente que as
acusações proferidas pelos sindicados procediam conforme a verdade.
Do contrário, sendo procedentes os crimes imputados às vítimas,
deveriam estas ter sido presas ou denunciadas por tais atos.
Como já mencionado, o 2º SGT RODRIGUES foi o sindicado mais atuante
no dia 19 de 2unho de 2015, quando ameaçava a todo o momento prender
o senhor Gutemberg, bem como exigia dinheiro dele e de seu irmão. As
duas vítimas relataram em sindicância que as ameaças de prisão e a
exigência de dinheiro foram realizadas unicamente pelo 3º SGT
RODRIGUES, conhecido por Piaba. Conforme se viu no depoimento das
vítimas, estas relataram que o sindicado SD WALYSSON estava
acompanhando o 2º SGT RODRIGUES, sendo toda ação praticada por este
último. Chegaram a dizer, inclusive, que se o SD WALYSSON não
estivesse acompanhando o 2º SGT RODRIGUES naquele dia talvez não
estivesse envolvido no caso. Em que pese isso, também agiu
criminosamente o SD WALYSSON, pois ele acompanhou o 2º SGT RODRIGUES
em sua investida criminosa e nada fez para que este cessasse com a
ação. Obviamente, o SD WALYSSON também esteve no local para adquirir
vantagem ilícita. O raciocínio é evidente, pois o próprio soldado
retornou no dia seguinte, 20 de Junho de 2015, e passou a exigir,
dessa vez sozinho, dinheiro de uma das vítimas, momento em que foi
preso e autuado em flagrante delito pela Polícia Civil.
No dia 19 de Junho de 2015, os sindicados somente conseguiram
retirar das vítimas uma quantia de R$ 150,00 (cento e cinquenta
reais) em espécie, além de um cheque do Banco Santander no valor de
R$ 3.300,00 (três mil e trezentos reais). Ficaram de retornar no dia
seguinte para buscarem mais, e assim fez o SD WALYSSON. No dia 20 de
Junho de 2015, o SD WALYSSON compareceu à loja novamente, dessa vez
sem o 2º SGT RODRIGUES. Passou assim a exigir do senhor Guilherme
mais dinheiro, chegando a perguntar pelo seu irmão Gutemberg. Não
sabia o sindicado que o senhor Gutemberg já estava na Central de
Polícia relatando tudo o que estava acontecendo para os policiais
civis. A partir disso, em vista de um possível flagrante delito que
poderia ser realizado, os policias civis deslocaram-se para a loja e
efetuaram a prisão do SD WALYSSON. Este, antes de visualizar os
policiais civis, foi logo perguntando ao senhor Gutemberg onde
estaria o dinheiro, sem saber que a vítima acabara de chegar com
agentes da Polícia Civil.
O crime de concussão é um delito que não deixa vestígios e a
materialidade é prejudicada pela sua forma de execução. É desmedido
exigir de uma vítima de concussão prova inequívoca do crime cometido
pelo funcionário público, pois essas condutas são praticadas, na
maioria das vezes, à surdina e fora dos olhos de outras testemunhas,
bem como não deixam vestígios.
As alegações do 2º SGT RODRIGUES são deficientes para conseguir
convencer a verdade. Não se tem como acolher os argumentos
apresentados por ele. O referido sindicado não apresentou
justificativas que levaram as vitimas à prestarem denúncias contra
ele, pois ele sequer as conhecia, como ele próprio relatou em seu
depoimento (fl. 175), ao ser perguntado: "Se conhece a pessoa

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1127

ofendida e as testemunhas arroladas na denúncia, desde quando e se


tem alguma coisa à alegar contra elas, respondeu que nunca as viu
anteriormente". Ora, quais as razões teriam as vítimas, que não
conheciam os sindicados, proceder com uma denúncia tão rica em
detalhes. É o que se indaga para promover o convencimento de que os
fatos se deram como o descrito pelas vítimas.
Não se tem outro norte, até mesmo porque os próprios policiais
civis, isentos de qualquer suspeição, flagraram um dos sindicados em
plena execução do crime, como continuação do que já se tinha
iniciado. É importante salientar que o mesmo raciocínio se aplica ao
sindicado SD WALYSSON, pois a este também foi perguntado (fl. 178)
sobre o conhecimento que tinha sobre as vítimas, conforme o
seguinte: "Se conhece a pessoa ofendida e as testemunhas arroladas
na denúncia, desde quando e se tem alguma coisa a alegar contra
elas, respondeu que nunca as viu anteriormente".
Os fatos narrados pelas vítimas, com a consequente flagrância por
parte dos agentes da Polícia Civil, seguem uma sequência lógica e
bem descrita, não havendo contradições nos depoimentos. O mesmo não
se pode dizer com relação às declarações dos sindicados, quando há
contradições e não explicam de forma adequada e lógica os
acontecimentos. Ademais, ambos admitiram terem aparecido na loja de
peças usadas do dia do ocorrido, não dizendo de forma clara o que
estiveram fazendo no local.
Vale frisar, que o inquérito policial concluiu pelo indiciamento do
SD WALYSSON, conforme se vê em fl. 135. Além disso, a ação penal
proposta contra o SD WALYSSON, também possui como réu o outro
sindicado, o 2º SGT RODRIGUES.
É com base nessas conclusões que ficou evidente a participação dos
sindicados na ação criminosa de exigir vantagem indevida de dois
cidadãos, donos do estabelecimento de comercialização peças usadas
de veículos. O fato é extremamente grave e viola os deveres de
honestidade e legalidade, bem como fere o princípio da moralidade
administrativa. Somando-se a isso, por serem policiais militares,
suas ações chocam-se com a ética e o pundonor policial militar. São
fatos reprováveis para qualquer cidadão comum, ainda mais para
policiais militares, indivíduos que devem honrar a Corporação a qual
pertencem e zelarem pelo sua imagem perante a sociedade, cumprindo
as leis e regulamentos a que estão submetidos.
Os Militares são regidos por normas e regulamentos mais restritos e
rigorosos que os aplicáveis aos demais integrantes da sociedade. O
Militar tem deveres funcionais e pessoais mais específicos e
diferenciados de um cidadão comum ou servidor civil. O policial
militar possui uma quantidade maior de deveres e obrigações, pois
exerce atividade demasiadamente indispensável à sociedade, atividade
que também é balizada pela hierarquia e a disciplina inerente aos
Militares. Com base nisso, certas atitudes tomadas pelos policiais
militares têm de ser reprimidas com o rigor necessário imposto aos
Militares, como o caso em tela. As ações contra os acusados, como já
mencionado, feririam o pundonor militar e o decoro da classe, fatos
que não se coadunam com os valores dessa Instituição Policial
Militar. É o pensamento que se extrai da análise de alguns incisos
do art. 27 da Lei nº 3.909/77 (Estatuto dos Policiais Militares da
Paraíba):
Art. 27. O sentimento do dever, o pundonor policial e o decoro da
classe impõem, a cada um dos integrantes da Polícia Militar, conduta
moral e profissional irrepreensíveis. Com a observância dos

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1128

seguintes preceitos da ética policial militar:


I - Amar a verdade e a responsabilidade como fundamento da dignidade
pessoal;
III - Respeitar a dignidade da pessoa humana;
IV - Cumprir e fazer cumprir as leis, os regulamentos, as instruções
e as ordens das autoridades competentes;
VI - Zelar pelo preparo próprio, moral, intelectual, físico e também
pelos dos subordinados, tendo em vista o cumprimento da missão
comum;
IX - Ser discreto em suas atitudes, maneiras e em sua linguagem
escrita e falada;
XII - Cumprir seus deveres de cidadão;
XIII - Proceder de maneira ilibada na vida pública e na particular;
XIV - Observar as normas de boa educação;
XVI - Conduzir-se mesmo fora do serviço ou na inatividade, de modo
que não sejam prejudicados os princípios da disciplina, do respeito
e do decoro policial militar;
XIX - Zelar pelo bom nome da Polícia Militar e de cada um dos seus
integrantes, obedecendo e fazendo obedecer aos preceitos da ética
policial-militar.
As ações dos sindicados devem ser analisadas pelo competente
Processo Administrativo Disciplinar, para julgar a permanência dos
dois dentro das fileiras da PMPB. Os fatos como foram expostos
tendem a submetê-los ao crivo de comissão disciplinar, com posterior
decisão da autoridade máxima da Corporação, o Comandante Geral da
PMPB, assim como foi proposto pelo Oficial Sindicante.
Quanto ao 2º SGT QPC MATR. 512.220-1 RONALDO RODRIGUES DE MELO, este
possui mais de 10 (dez) anos de serviços prestados, estando, assim,
com establidade assegurada por lei, conforme o art. 49, inciso II,
alíena "a", da Lei Estadual 3.909/77 (Estatuto dos Policiais
Militares do Estado da Paraíba):
Art. 49 - São direitos dos policiais militares:
II - Nas condições ou nas limitações impostas na legislação e
regulamentação peculiar;
a) a estabilidade, quando a praça contar com mais de 10 (dez)
anos de efetivo serviço;
Dessa maneira, o enquadramento legal para abertura de Processo
Administrativo Disciplinar (Conselho de Disciplina) está de acordo
com o art. 1º e o art. 2º, inciso I, alínea "c", da Lei Estadual n°
4.024, de 30 de Novembro de 1978, com base na acusação de o Militar
ter cometido crime que afetou a honra pessoal, o pundonor policial
militar e decoro da classe, como expõe a lei:
Art. 1º O Conselho de Disciplina é destinado a julgar, a
incapacidade do Aspirante a Oficial PM e das demais da Polícia
Militar do Estado de, com assegurada, para permanecerem na ativa,

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1129

criando lhe ao mesmo tempo, condições para se defenderem.


Art. 2º fica submetida a Conselho de Disciplina, "ex-offício", a
praça referida no art. 1º e seu parágrafo único:
I. Acusada oficialmente ou por qualquer meio licito de comunicação
social de ter:
a) procedido incorretamente no desempenho do cargo;
b) tido conduta irregular; ou
c) praticado crime, que afete a honra pessoal, o pundonor policial
militar ou decoro da classe.
Quanto ao SD QPC MATR. 526.521-5 WALYSSON GOMES DA SILVA, este
possui menos de 10 (dez) anos de serviços prestados, estando, assim,
sem establidade assegurada por lei. Dessa maneira, o enquadramento
legal para abertura de Processo Administrativo Disciplinar está de
acordo com o item 4, § 1º, do art. 31 do Decreto nº 8.962, de 11 de
Março de 1981 (Regulamento Disciplinar da PMPB):
Art. 31 - Licenciamento e Exclusão a bem da disciplina, consiste no
afastamento, "ex-officio", do policial-militar das fileiras da
Corporação, conforme prescrito no Estatuto dos Policiais-Militares.
§ 1º - O licenciamento a bem da disciplina deve ser aplicado à praça
sem estabilidade assegurada, mediante a análise de suas alterações,
por iniciativa do Comandante, ou por ordem das autoridades
relacionadas nos itens nºs 1), 2) e 3) do Art. 10, quando:
1. a transgressão afeta o sentimento do dever, a honra pessoal, o
pundonor militar e o decoro, e como repressão imediata, assim se
torna absolutamente necessária à disciplina;
2. no comportamento MAU, se verifica a impossibilidade de melhoria
de comportamento, como está prescrito neste Regulamento;
3. houver condenação por crime militar, excluídos os culposos;
4. houver prática de crime comum, apurado em inquérito,
excluídos os culposos
Noutro ponto, deixando o tema acima momentaneamente de lado,
passa-se a observar outro fato encontrado nos autos desta
sindicância. Verificou-se no processo que os dois militares estavam
escalados de serviço no dia 18 de Junho de 2015, um dos dias em que
visitaram o estabelecimento comercial de peças usadas de veículos.
Foi o que disseram as duas vítimas. Além disso, o SD WALYSSON estava
escalado de serviço nos outros dois dias em que apareceu na loja de
peças usadas, ou seja, dias 19 e 20 de Junho, restando saber se eles
estariam autorizados a saírem dos seus locais de serviço.
Conforme se observou nos autos, na escala de serviço do dia 18 de
Junho de 2015 (fl. 142), o 3º SGT RODRIGUES estava escalado no
serviço de Guarda do Quartel da 4ª CIPM, no horário das 07h30min às
07h30min do dia seguinte. Já o SD WALYSSON estava escalado no mesmo
dia no Serviço de Inteligência da 4ª CIPM (fl. 145), no horário das
07h00 às 19h00. Os dois Militares estavam escalados de serviço na
área da cidade de Bayeux-PB, conforme se vê nas escalas de serviços,
todavia estiveram presentes em local fora da referida cidade, ou
seja, no Distrito Mecânico, bairro Ilha do Bispo, em João Pessoa-PB.

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1130

Nos dias 19 e 20 de Junho de 2015 o SD WALYSSON esteve escalado no


mesmo serviço, mesmo horário e mesmo local (fls. 149 e 153), mas foi
relatado pelas vítimas que ele apareceu nesses mesmos dias no
estabelecimento localizado no Distrito Mecânico, bairro Ilha do
Bispo, em João Pessoa/PB, fora da área da cidade de Bayeux-PB.
Esses fatos trazem à tona possível crime de abandono de local de
serviço praticado pelos dois sindicados, tendo em vista que nos
autos não consta qualquer autorização de seus superiores imediatos
para deixarem seus locais de serviços. É imperioso realizar
investigação através do procedimento indicado para averiguar crimes
militares, Inquérito Policial Militar, verificando, assim, se os
sindicados cometeram o delito tipificado no art. 195 do Código Penal
Militar:
Art. 195. Abandonar, sem ordem superior, o pôsto ou lugar de serviço
que lhe tenha sido designado, ou o serviço que lhe cumpria, antes de
terminá-lo:
Pena - detenção, de três meses a um ano.
Com base em todo o exposto, é que se chega à conclusão de que deve
ser instaurado Inquérito Policial Militar para investigar possível
conduta criminal praticada pelos sindicados, com base no art. 195 do
Código Penal Militar, conforme se expôs nesta solução. Além disso,
entende-se pela abertura de Conselho de Disciplina em desfavor do 2º
SGT QPC MATR. 512.220-1 RONALDO RODRIGUES DE MELO, com base no art.
1º e o no art. 2º, inciso I, alínea "c", da Lei Estadual n°
4.024/78. No mesmo norte, conclui-se pela necessidade de abertura de
Processo Administrativo Disciplinar em desfavor do SD QPC MATR.
526.521-5 WALYSSON GOMES DA SILVA, com base no item 4, § 1º, do art.
31 do Decreto nº 8.962, de 11 de março de 1981 (Regulamento
Disciplinar da PMPB).
4. CONCLUSÃO:
Ex positis, este Cel. Subcomandante Geral RESOLVE:
1) CONCORDAR com o parecer do Oficial Sindicante;
2) ENTENDER pela necessidade de abertura de Conselho de Disciplina
em desfavor do 2º SGT QPC MATR. 512.220-1 RONALDO RODRIGUES DE MELO
e de Processo Administrativo Disciplinar em desfavor do SD QPC MATR.
526.521-5 WALYSSON GOMES DA SILVA, de acordo com o enbasamento legal
exposto nesta solução;
3) DETERMINAR àb abertura de Inquérito Policial Militar em desfavor
dos dois sindicados, para investigar possível prática de crime de
abandono de posto ou lugar de serviço por parte dos dois Militares
investigados;
4) DETERMINAR à DGP que notifique o 2º SGT QPC MATR. 512.220-1
RONALDO RODRIGUES DE MELO e o SD QPC MATR. 526.521-5 WALYSSON GOMES
DA SILVA a respeito da decisão, abrindo-se o prazo para recurso;
5) DETERMINAR que seja publicado em Boletim a presente solução, bem
como assentada a decisão nas Fichas Disciplinares dos Militares, com
base nas prescrições legais contidas no Regulamento Disciplinar da
Polícia Militar da Paraíba (RDPM);
6) DETERMINAR o envio dos autos para o Excelentíssimo Senhor
Comandante Geral da PMPB, após o trânsito em julgado, para

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292


Continuação do BOL PM Nº 0031 de 17 DE FEVEREIRO DE 2016 PÁGINA: 1131

apreciação e possível abertura dos Processos Administrativos


Disciplinares;
7) DETERMINAR que sejam arquivados os autos nesta Corregedoria, após
o devido trânsito em julgado;
4.8) Publique-se, registre-se e cumpra-se.
JOSÉ DE ALMEIDA ROSAS - CEL QOC
Subcomandante Geral da PMPB
512.220-1 2º SARGENTO QPC RONALDO RODRIGUES DE MELO
526.521-5 SOLDADO QPC WALYSSON GOMES DA SILVA
(Nota nº 44285 de 17 Fev 2016 - CORREGEDORIA)

EULLER DE ASSIS CHAVES - CORONEL QOC


COMANDANTE GERAL

CONFERE COM O ORIGINAL:


VALTERLINS DUTRA DE SOUSA - TENENTE CORONEL QOC
AJUDANTE GERAL

Autenticação Eletrônica: 5b9d89f6af658602cef7dd3253804292