Você está na página 1de 51

EDITAL Nº 029/2008

CONCORRÊNCIA PÚBLICA Nº 005/08

Elaboração de Projeto de ETE para o


Tratamento de Esgotos Urbanos do
Município

APRESENTAÇÃO

A Prefeitura Municipal de Lindóia contratou a empresa STS Engenharia Ltda.


para a Elaboração de Projeto Básico de Estação de Tratamento de Esgoto
para o município de Lindóia/SP.

Este projeto é apresentado em volume único (texto e desenhos).

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
ÍNDICE
1. INTRODUÇÃO ........................................................................ 5
2. CONTEXTO GERAL ............................................................... 5
3. PROJETO DA ESTAÇÃO TRATAMENTO DE ESGOTOS ..... 7
PRÉ-TRATAMENTO .................................................................. 7
3.1.1 GRADEAMENTO .............................................................. 7
3.1.2 DESARENADOR................................................................ 8
3.1.3 MEDIDOR PARSHALL....................................................... 8
3.1.4 ESTAÇÃO ELEVATÓRIA................................................... 9
TRATAMENTO BIOLÓGICO ..................................................... 9
3.2.1 TRATAMENTO ANAERÓBIO ............................................ 9
3.2.2 TRATAMENTO AERÓBIO ............................................... 10
TANQUE DE LAVAGEM ......................................................... 11
DESINFECÇÃO FINAL ............................................................ 11
DESIDRATAÇÃO DO LODO ................................................... 11
3.6. CARACTERÍSTICAS DO EFLUENTE FINAL .................... 12
4 CONSIDERAÇÕES DE CÁLCULO ........................................ 13
4.1 MEMORIAL DE CÁLCULOS............................................... 13
4.1.1 DADOS DE ENTRADA .................................................... 13
4.1.2 VAZÕES DE PROJETO................................................... 14
4.2 PRÉ-TRATAMENTO .......................................................... 15
4.2.1 GRADEAMENTO ............................................................. 15
4.2.2 DESARENADOR.............................................................. 17
4.2.3 MEDIDOR PARSHALL..................................................... 18
4.2.3.1 Dimensionamento da grade manual. .......................... 18
4.2.3.2 Altura da lamina líquida no Parshall: ........................... 18
4.2.3.3 Cálculo do rebaixo z: .................................................. 18
4.2.4 ESTAÇÃO ELEVATÓRIA................................................. 19
4.3 TRATAMENTO BIOLÓGICO (UASB + BAS) ...................... 20

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
Dimensionamento Unidade UASB ........................................... 20
4.3.1 BIOFILTRO AERADO SUBMERSO-BAS ........................ 24
4.4 PRODUÇÃO DE LODO UASB + BAS................................. 27
4.5 TANQUE DE LAVAGEM ..................................................... 28
4.6 CLORAÇÃO ........................................................................ 29
4.7 DESIDRATAÇÃO DO LODO .............................................. 31
4.8 TANQUE PULMÃO ............................................................. 33
5 FLUXOGRAMA DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO............... 37
6 PLANILHA DE ORÇAMENTO

ANEXOS
I. ESTUDO DE AUTODEPURAÇÃO
II. CONSIDERAÇÕES SOBRE A NITRIFICAÇÃO
III. MODELO DE QUEIMADOR ATMOSFÉRICO
IV. MEMORIAL DESCRITIVO
V. MANUAL DE OPERAÇÃO
VI. DESENHOS
VII. ART

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
1. INTRODUÇÃO

O presente documento tem a finalidade de apresentar o projeto desenvolvido pela STS


ENGENHARIA, da Estação de Tratamento de Esgotos domésticos para o Município de
Lindóia/SP.

O referido empreendimento visa fornecer aos seus usuários as melhores condições de


vida e bem estar social, atendendo simultaneamente às Legislações ambientais vigentes
no local.

A evolução dos processos de tratamento de esgoto doméstico possibilitou que os


mesmos sejam tratados em unidades com baixa produção de sólidos, baixo consumo de
energia e geração de gás combustível.

Avanços tecnológicos nos equipamentos utilizados, juntamente com intensas pesquisas


no campo microbiológico, otimizaram as condições de tratamento com menor tempo de
contato entre o esgoto e bactérias, resultando em estações menores, modulares e
seguras.

A combinação dos processos biológicos anaeróbios e aeróbios vem sendo utilizada tanto
em pequenas como em grandes comunidades atendendo todos os requisitos ambientais
necessários, com baixo custo operacional, alta eficiência de tratamento e alta
estabilidade do processo.

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
2. CONTEXTO GERAL

O projeto elaborado obedece às normas da ABNT em todas as suas subdivisões,


utilizando tratamento biológico de nível secundário, através da associação em série dos
processos anaeróbio e aeróbio, produzindo um sistema completo e auto-suficiente.

O projeto foi dimensionado de forma a atender 100% da população urbana do município


de Lindóia, com uma previsão para projeção populacional de 20 anos, mais a população
flutuante, prevendo a coleta de todo o esgoto doméstico, encaminhando-o para a estação
de tratamento sugerida, de forma modular, atendendo uma população de 9.534
habitantes. O esgoto doméstico tratado atenderá os padrões de emissão definidos pela
Legislação vigente no Estado de São Paulo, ou seja, concentração de DBO5 < 60 mg/L
ou eficiência no grau de remoção de carga orgânica superior a 80%.

O esgoto tratado, após desinfecção com cloração, será encaminhado por gravidade para
o Rio Peixe (Classe II). Futuramente o esgoto tratado após desinfecção poderá ser
reaproveitado para irrigação de áreas verdes do município, desde que sejam incluídos
acessórios e equipamentos adequados para esse fim.

IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE:

Prefeitura Municipal da Estância Hidromineral de Lindóia

Endereço: Avenida do Rio Peixe, 450 – Bairro Jardim Estância Lindóia

CEP: 13.950-000 – Lindóia/SP

Fone PABX: (19) 3898-9900 – FAX (19) 3898-3011

CNPJ: 45.678.000/0001-83

DADOS GERAIS DO PROJETO DA ETE:

População final de projeto: 9.534 habitantes

Área Total do Terreno: 1.925,00 m2

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
3. PROJETO DA ESTAÇÃO TRATAMENTO DE ESGOTOS

O objetivo principal da Estação de Tratamento de Esgoto é transformar a matéria


orgânica poluidora em subprodutos, de forma que o líquido lançado no corpo receptor
atenda aos padrões da Legislação vigente, contribuindo para a redução da poluição
ambiental e melhor bem estar da comunidade em geral.
A ETE modular projetada para o município de Lindóia apresenta grande flexibilidade e
custo operacional reduzido, além de um investimento inicial moderado e menor se
comparado com outros processos tradicionalmente utilizados.
A combinação do processo biológico anaeróbio, através dos reatores anaeróbios de fluxo
ascendente, com o processo biológico aeróbio, utilizando o biofiltro aerado submerso
permite que o lodo produzido seja estabilizado no próprio sistema, sem alteração
operacional ou queda na qualidade do esgoto tratado. Por ser modular, a estação pode
ser facilmente construída por etapas, respeitando o aumento da capacidade de
tratamento conforme o crescimento populacional, conservando suas eficiências e bons
resultados operacionais.
O arranjo arquitetônico da estação proposta não agride o local em que estão instaladas,
apresentando visual agradável e interagindo com o ambiente.
O projeto proposto é constituído por pré-tratamento seguido de processos biológicos,
com desinfecção final. O fluxograma operacional principal proposto segue as seguintes
etapas:
− Gradeamento;
− Desarenador;
− Medidor Parshall;
− Estação Elevatória / Tanque pulmão;
− Reator Anaeróbio
− Biofiltro Aerado Submerso;
− Tanque de lavagem;
− Desinfecção;
− Medidor Parshal;
− Casa dos sopradores;
− Leito de secagem.
Abaixo segue o detalhamento dessas etapas.

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
3.1 PRÉ-TRATAMENTO

O pré-tratamento é composto por um gradeamento de barras paralelas, para remoção de


sólidos grosseiros, seguido pela caixa desarenadora, cuja finalidade é reter sólidos de
menor diâmetro.

3.1.1 GRADEAMENTO

O esgoto doméstico normalmente traz consigo sólidos grosseiros (estopas, panos,


plásticos, etc.) que, em casos normais, são facilmente separáveis. A sua retirada do
esgoto é importante para o perfeito funcionamento da ETE, seja pela eficiência do
tratamento biológico ou pelo bom desempenho dos equipamentos existentes.

O material retido nas grades deve ser removido com freqüência, de modo a evitar
represamento a montante e conseqüente aumento de nível, possibilitando o transbordo
de esgoto bruto.

A remoção deve ser realizada através de um rastelo, de forma manual pelo técnico
responsável pela limpeza. O material removido será depositado em um cesto perfurado,
adaptado no próprio canal, permitindo que o líquido livre retorne ao desarenador e
receba o devido tratamento.

O material sólido do cesto será posteriormente ensacado e encaminhado ao aterro


sanitário.

3.1.2 DESARENADOR

Juntamente com os sólidos grosseiros podem existir no esgoto partículas de areia e terra,
principalmente nos períodos chuvosos, que necessitam ser separados. A importância
dessa remoção é evitar que essas partículas agridam principalmente o conjunto moto-
bomba e causem entupimentos nas tubulações e a interferência negativa nos processos
biológicos.

Com base nessas premissas, após o gradeamento será instalado no sistema um


desarenador, formado por dois (02) canais paralelos de maneira que as partículas
sedimentam em seu interior durante o percurso.

O desarenador é formado por dois canais que operam independentemente, de tal modo
que enquanto um trabalha o outro recebe manutenção e limpeza. A interrupção do fluxo é
realizada por “stop-logs” que são operados manualmente em cada canal.

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
A limpeza pode ser realizada manualmente com auxílio de pá ou outra ferramenta
desenvolvida para esse fim, ou ainda com a utilização de caminhão auto-vácuo.

A areia removida pode ser encaminhada para o leito de secagem.

3.1.3 MEDIDOR PARSHALL

As calhas Parshall são medidores de vazão que através de estrangulamento e ressaltos,


estabelecem, para uma determinada seção vertical a montante, uma relação entre a
vazão do fluxo e a lâmina d’água naquela região. Possui pouca perda de carga e é
bastante preciso na determinação (leitura) das vazões.

O medidor Parshall será instalado a jusante da caixa de areia, acoplado a uma régua
graduada para leitura das lâminas de líquido, e respectivas vazões.

Futuramente, com a instalação de sensores ultra-sônico as medições de vazão tornam-se


automáticas, com leituras instantâneas e totalizadas, garantindo maior controle
operacional do sistema de tratamento.

3.2 ESTAÇÃO ELEVATÓRIA / TANQUE PULMÃO

Após passar pelas etapas anteriores, o esgoto segue para uma estação elevatória que
vai alimentar o sistema anaeróbio de forma contínua. A elevatória se constitui em uma
caixa, fechada na parte superior por uma tampa removível, cujo objetivo é armazenar o
esgoto para ser transferido, com auxílio de bombas, para a etapa seguinte do sistema, na
qual se inicia o processo biológico do tratamento do esgoto.

Acoplado ao poço da elevatória, existe um tanque pulmão que regulariza os picos de


vazão nos horários de maior consumo. Todo o esgoto bruto ao chegar na elevatória,
alimenta também o tanque pulmão, uma vez que possuem ligações pelo fundo tornado-se
vasos comunicantes. Ao atingir o nível para acionamento das bombas, todo o poço,
inclusive o tanque pulmão são esvaziados.

Para evitar o acúmulo do esgoto no tanque pulmão, este é construído com inclinação
suficiente no fundo para garantir completo esvaziamento do tanque. O mesmo também é
dotado de cobertura na parte superior para evitar possível exalação de maus odores,
caso sejam produzidos.

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
3.3 TRATAMENTO BIOLÓGICO

A proposta do tratamento biológico é constituída pela associação do tratamento


anaeróbio e posterior polimento aeróbio, respectivamente através de reatores anaeróbios
de fluxo ascendente e biofiltro aerado submerso.

As principais vantagens do arranjo biológico adotado são:

− Necessidade de pouco espaço de construção;

− Simplicidade operacional;

− Baixo custo de implantação e operação;

− Baixo impacto em ambientes urbanos;

− Baixa geração de lodo;

− Geração de biogás.

3.4 TRATAMENTO ANAERÓBIO

Atualmente, a tecnologia anaeróbia utilizada para o tratamento do esgoto encontra-se


consolidada, sendo uma das principais opções em estudos de alternativas para
construção de uma ETE. Mesmo assim, ainda possui capacidade limitada de remoção de
matéria orgânica poluidora contida nos esgotos domésticos sendo necessário a utilização
de pós-tratamento para atendimento aos parâmetros exigidos pela legislação ambiental
vigente.

Nos reatores anaeróbios a matéria orgânica expressa em DBO (Demanda Bioquímica de


Oxigênio) é convertida a compostos mais simples e degradáveis pelas bactérias
anaeróbias em condições de ausência de oxigênio. A digestão acontece em dois estágios
praticamente simultâneos. Como resultado final dessas reações biológicas tem-se
metano, gás carbônico, água e amônia, além de novas células bacterianas.

O fluxo do esgoto é ascendente, possui produção de biogás (principalmente metano),


possui baixa produção de lodo e com a vantagem deste já estar estabilizado.

O biogás produzido nos reatores anaeróbios, coletados internamente será encaminhado


para o queimador de gases. A vazão diária gerada deverá estar próxima de 355,88
m³/dia, com porcentagem de metano variando de 70 a 80%, em volume.

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
Os reatores anaeróbios são dotados de dispositivos internos que possibilitam a
separação do líquido, gases e lodo biológico. O líquido ao passar pelo separador atinge
as calhas dentadas e encaminham-se para a próxima etapa do tratamento. O lodo, por
ser mais denso, encaminha-se para o fundo do reator e o biogás é coletado pelo sistema
de cobertura, em EPDM ou material similar, instalado na superfície dos retores.

Tubos de PVC transferem o biogás coletado pelos reatores anaeróbios até um sistema
de segurança (selo hídrico), mantendo pressão interna estável e positiva, minimizando
riscos de retorno da chama do queimador para dentro dos reatores anaeróbios. Após o
selo hídrico de segurança, uma válvula corta-chamas também será instalada e
posteriormente o biogás será queimado no Flair existente.

No queimador (Flair) deverá ser mantido chama piloto para garantir completa queima do
biogás.

Para evitar problemas com o gás sulfídrico (maus odores),existe a possibilidade de


instalar lavador específico para remoção de enxofre, antes do queimador de gases, com
operação segura e simples.

No projeto proposto para o município de Lindóia, o pós-tratamento dos reatores


anaeróbios será realizado pelo sistema aeróbio através do biofiltro aeróbio submerso.

3.5 TRATAMENTO AERÓBIO

Essa etapa do tratamento se dá através do biofiltro aeróbio submerso, logo após o


tratamento anaeróbio, permitindo o polimento do efluente, removendo compostos
orgânicos e nitrogênio na forma solúvel, possibilitando índices de remoção de matéria
orgânica poluidora expressa em DBO próximos de 90%.

O biofiltro aeróbio submerso possui um sistema de distribuição de ar constituído por


difusores de bolha grossa, uniformemente distribuídos, sendo o ar injetado com auxílio de
soprador de ar.

O lodo gerado nessa etapa é removido periodicamente e de forma controlada nas


lavagens contracorrente e direcionado para a estação elevatória, sendo novamente
conduzido ao reator anaeróbio, e estabilizado. Essa é uma grande vantagem do sistema,
pois diminui a produção final de lodo biológico, reduzindo custos com disposição final em
aterro sanitário controlado.

Após o tratamento anaeróbio promovido nos BAS, o esgoto é transferido para um tanque
denominado tanque de lavagem.

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
3.6 TANQUE DE LAVAGEM

Trata-se de um tanque para armazenagem do esgoto tratado, para posteriormente ser


utilizado na lavagem do biofiltro aeróbio submerso, o qual necessita de limpezas
periódicas para evitar obstruções internas. Ao utilizar esgoto tratado para essa lavagem,
evita-se o consumo de água potável.

O tanque de lavagem receberá o esgoto tratado pelo BAS continuamente. Quando o


sistema de lavagem do BAS não estiver em operação, por transbordamento o esgoto
tratado encaminha-se para o tanque de contato, sendo desinfectado com adição de
hipoclorito de sódio.

3.7 DESINFECÇÃO FINAL

A desinfecção final tem por objetivo a proteção da saúde pública, atendendo aos padrões
de qualidade da legislação vigente quanto aos níveis de coliformes fecais e totais.

Será utilizado o sistema de cloração com o uso de hipoclorito de sódio com solução
comercial de 12%, que em contato com o esgoto tratado gera ácido hipocloroso, forte
agente desinfetante.

O sistema será dotado de reservatórios para armazenamento do produto e controle de


sucção da bomba dosadora. Os reservatórios serão instalados dentro de um tanque de
contenção com a função de evitar o derramamento do produto no corpo receptor ou solo
em caso de acidentes ou quebra dos reservatórios.

O tempo de contato do esgoto tratado com o hipoclorito de sódio será, no mínimo, de 30


minutos e posteriormente será lançado no corpo receptor desinfetado, dentro dos
parâmetros exigidos pela Legislação vigente.

O dimensionamento encontra-se no item 4.6 desse projeto.

Ao final da ETE será instalado outro medidor de vazão Parshall, garantindo assim o
melhor controle de operação da estação.

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
3.8 DESIDRATAÇÃO DO LODO

A fonte principal de produção de lodo dessa estação de tratamento de esgoto provém dos
reatores anaeróbios, devendo ser removido mensalmente em quantidade e concentração
pré-definida, podendo alterar para volumes maiores ou menores que o indicado, de
acordo com os acompanhamentos operacionais do sistema.

Uma vez removido do sistema, o lodo deverá ser acondicionado corretamente e possuir
tratamento específico para desaguamento, com objetivo de diminuir a quantidade de
líquido livre (água). Várias formas e métodos podem ser utilizados para atingir o objetivo
desejado, sendo os mais usualmente utilizados: leito de secagem; centrífugas; filtro
prensa e BAG em geotêxtil tecido.

Cada um dos sistemas apresenta particularidades operacionais bem como vantagens e


desvantagens. O sistema proposto para o município de Lindóia é o leito de secagem.

3.9 CARACTERÍSTICAS DO EFLUENTE FINAL

O projeto é composto pelos processos anaeróbio e aeróbio de tratamento, sendo


realizado através do reator anaeróbio seguido pelo biofiltro aeróbio submerso.

A tabela abaixo apresenta as eficiências em cada processo isoladamente bem como a


eficiência global do sistema.

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
Tabela 1: Eficiência do sistema.
Reator Parâmetro Eficiência
DQO >65%
UASB DBO5 >65%
SS >65%
DQO >67%
BAS DBO5 >71%
SS >71%
DQO >85%
UASB + BAS DBO5 >90%
SS >90%

O esgoto tratado atenderá ao padrão secundário de tratamento, com índices de:

− SST < 30,0 mg/L;

− DBO < 30,0 mgO2/L;

− DQO < 60,0 mgO2/L;

− Coliformes fecais < 1000 NMP/100ml.

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
4 MEMORIAL DE CÁLCULO

O PRÉ-TRATAMENTO, MEDIDOR PARSHALL, ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS, LEITO DE


SECAGEM e o SISTEMA DE DESINFECÇÃO POR HIPOCLORITO DE SÓDIO deverão
ser concebidos para suportar vazões de final de plano. Entretanto, as unidades: UASB,
BAS poderão ser modulares, considerando uma vazão fixa, o que permite expansão do
sistema.
O projeto compreende a divisão em 4 MÓDULOS de UASB e BAS. Cada módulo tem a
capacidade para tratamento de 24,57 m³/h de esgoto doméstico. A vazão média de final
de plano calculada foi de 98,28 m³/h.
A ETE deverá atender a totalidade da população prevista para o município de Lindóia.

4.1 DADOS DE ENTRADA

Na Tabela 2 são apresentados os dados de entrada para o cálculo do projeto e os


parâmetros adotados.

Tabela 2: Dados e parâmetros de projeto.

Parâmetros Valor Unidade


4.2 VAZÕ
ES DE
População total final 9534 hab PROJ
População total inicial 6479 hab ETO
Coeficiente de retorno 0,8
k1 1,2 As vazões
k2 1,5 de projeto
são
k3 0,5
calculadas
Taxa de infiltração 0,5 l/s.km e os
Comprimento da rede coletora 12/30 Km resultados
estão
Comprimento da rede emissária 4,3
apresentad
Contribuição DQO do afluente 600 mgDQO/l os na
Contribuição de DBO 250 mgDBO/l Tabela 3.
Temperatura 20 °C
Coeficiente de produção de sólidos (y) 0,15 Kg SST/Kg DQO
Coeficiente de produção de sólidos (DQO) Yobs 0,17 Kg DQO
Concentração Lodo de descarte 4 %
Densidade do Lodo 1,020 Kg SST / m³
Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP
e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
Tabela 3: Vazões calculadas.

Valores de inicio de plano Valor de final de plano


Parâmetros Valor Valor Valor Valor
calculado calculado calculado calculado
(l/s) (m³/h) (l/s) (m³/h)
Vazão máx. hor. 26,75 96,30 41,43 149,15
Vazão máxima 19,55 70,38 30,84 111,02
Vazão média 17,14 61,70 27,30 98,28
Vazão mínima 8,57 30,85 13,65 49,14

4.3 PRÉ-TRATAMENTO

O dimensionamento das partes componentes da ETE seguiu a seguinte seqüência de


cálculo, considerando a vazão final de projeto.

4.3.1 GRADEAMENTO

Seleção da grade
Adotada grade média com barras retangulares de 3/8" x 2” (10 x 50,0), com espaçamento
de a = 25 mm e inclinação de 45º.
Condições de escoamento na grade:
A velocidade de passagem na grade será de 0,60 m/s.

Eficiência da grade
a = 2,5 cm
t = 1,0 cm
E = a / (t + a)
E = 71%

Área útil (m2)

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
Q máx = 0,04143 m³/d

V máx = 0,60 m/s

Au = Qmáx / vmáx

Au = 0,07 m2

Seção no local da grade (m2)

S = Au / E
2
S = 0,10 m

Largura da grade (m)

h = 0,32

b=S/h

b = 0,31 m

Verificação das velocidades

Vmax = 0,43 m/s

Vmín = 0,43 m/s

Quantidade de barras

N = b / (t + a)

N = 9 barras

Adotado Nb = 9 barras de 10 x 50,0 mm

Ne = 8 espaçamentos de 25 mm

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
Perda de carga na grade (m)

Grade livre = 0,013 m

50% obstruída = 0,091 m

4.3.2 DESARENADOR

Adotando velocidade de escoamento v = 0,30 m/s e a altura da lâmina d’água como


sendo h = 0,316 m.

Largura do canal

b = Qmáx / (hmáx x v) = 0,44 m

Comprimento do canal

A altura máxima do nível d’água calculado foi de 0,316 m, temos:

L = 25 x hmáx = 7,91 m

Verificação da taxa de escoamento superficial

I = Qmáx / (B x L) = 1.037 m³/m² x dia

600 ≤ I ≤ 1200 satisfaz

Serão dois canais, um limpo e outro em operação.

Nota:

1) Sobre o canal do gradeamento será instalado um cesto móvel em polipropileno este


com fundo perfurado, permitindo o escoamento de líquidos presentes nos materiais
removidos da grade. Será provido de alça para manuseio do operador da ETE.

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
4.3.3 MEDIDOR PARSHALL

De acordo com as vazões calculadas, a calha Parshall indicada é a de 3”, tendo como
faixa de medição de 0,85 l/s a 53,8 l/s, atendendo as vazões mínima de 8,57 l/s e a
máxima de 41,43 l/s.

Calha Parshall W = 3”

4.3.4 DIMENSIONAMENTO DA GRADE MANUAL

Parâmetros do projeto

Equação para cálculo de altura das lâminas líquidas H = (Q/K)1/ n.

Velocidade de passagem nas grades (v), deverá ficar entre 0,40 m/s e 0,75m/s,
adotando-se 0,60 m/s.

Obstrução máxima da grade = 50%.

Manter velocidade no desarenador em 0,30 m/s. (variação mínima de 20% - 0,24 a 0,36
m/s).

Altura da lamina líquida no Parshall

Equação para cálculo de altura das lâminas líquidas H = (Q (m³/s) / K)1/ n.

Hmáx = 0,393 m = 39,3 cm

Hmín = 0,142 m = 14,20 cm

Cálculo do rebaixo z

z = 0,08 m = 8,0 cm

Cálculo da altura da lâmina d’água, antes do rebaixo z

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
hmáxima = Hmáx - z = 0,31 m

hmínimo = Hmínimo - z = 0,06m

RESUMO DOS CÁLCULOS DO SISTEMA PRELIMINAR E FÓRMULAS


ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO
SISTEMA PRELIMINAR: GRADE, CAIXA DE AREIA E CALHA PARSHALL
PROJETO: ETE LINDÓIA

Vazão
Vazão média 27,30 L/s
Vazão mínima 8,57 L/s
Vazão máxima (horária do dia de maior vazão) 41,43 L/s

Grade
Eficiência da grade 71 %
Espaçamento entre as barras 2,5 cm
Espessura das barras 1,0 cm
Número de barras na grade (N) 9
Número de espaçamento na grade (Ne) 8
Velocidade máxima do esgoto através da grade (Vmg < 1,20 m/s) 0,6 m/s
Velocidade máxima do canal 0,43 m/s
Velocidade mínima do canal (Vmic ≥ 0,40 m/s) 0,43 m/s
Velocidade média do canal 0,40 m/s
Largura do canal 0,31 m
Altura máxima Y 0,32 m
Área útil 0,069 m²
Área da seção do canal da grade 0,10 m²
Perda de carga com grade livre 0,013 m
Perda de carga com grade 50% obstruída 0,091 m
Volume de material retido diariamente 94 L/d

Caixa de areia
Seção transversal 0,14 m²
Largura (mínimo = 0,30 m para limpeza manual e 0,20 m para mecanizada) 0,44 m
Comprimento 7,91 m
Profundidade do depósito de areia da caixa de areia (mínimo: 0,20 m) 0,30 m
Taxa de escoamento superficial (entre 600 e 1.300) 1.037 m³/m².d
Velocidade horizontal (adotada faixa recomendável 0,15 a 0,30 m/s) 0,3 m/s
Verificação da velocidade horizontal para vazão mínima 0,3 m/s
Verificação da velocidade horizontal para vazão média 0,3 m/s
Verificação da velocidade horizontal para vazão máxima 0,3 m/s
Taxa de areia no esgoto bruto 0,04 L/m³
Produção diária de areia 0,09 m³/dia
Altura da areia acumulada diariamente no depósito da caixa de areia 0,03 m
Intervalo entre as limpezas 11 dias

Calha Parshall
Garganta 3 polegadas

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
Vazão máxima de medição 53,8 L/s
Vazão mínima de medição 0,85 L/s
Altura do degrau Z 0,08 m
Altura para vazão máxima 0,393 m
Altura para vazão mínima 0,142 m

LEGENDAS E FÓRMULAS

Eficiência da grade
E = espe b espe b - espessura das barras (m)
espe b + espa b espa b - espaçamento entre as barras (m)

Área útil da grade


Au = Q máx Q máx - Vazão máxima horária do dia de maior (m³/s)
Vg Vg - Velocidade na grade (m/s)

Área da seção do canal da


grade
As= Au Au - área útil da grade (m²)
E E - eficiência

Largura do canal da grade


B= As As - área da seção do canal da grade (m²)
Y máx Y máx - altura máxima do canal da grade (m)

Altura máxima do canal da


grade
Y máx = H máx - Z H máx - altura máxima da calha Parshall (m)
Z - degrau montante da calha Parshall (m)

Número de espaços da grade


Ne = B - espe b B - largura do canal da grade (m)
Espa b + espe b espe b - espessura das barras (m)
espa b - espaçamento entre as barras (m)

Número de barras da grade


Nb = Ne + 1 Ne - número de espaços da grade

Velocidade na
grade
Vg = Q máx Q máx - Vazão máxima horária do dia de maior (m³/s)
Y máx . B . E Y máx - altura máxima do canal da grade (m)
B - largura do canal da grade (m)
E - eficiência

Velocidade no canal da grade


Vc = Q máx Q máx - Vazão máxima horária do dia de maior (m³/s)
Y máx . B Y máx - altura máxima do canal da grade (m)
B - largura do canal da grade (m)

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
Perda de carga na grade
limpa
h = (Vg² - Vc²) . 1,4286 Vg - Velocidade na grade (m/s)
19,62 Vc - Velocidade no canal da grade (m/s)

50% obstruída
ho = ((2.Vg²) - Vc²) . 1,4286 Vg - Velocidade na grade (m/s)
19,62 Vc - Velocidade no canal da grade (m/s)
Seção transversal da caixa de areia
A = Q máx Q máx - Vazão máxima horária do dia de maior (m³/s)
Vel. Cx Vel. Cx - Velocidade horizontal (m/s)

Largura da caixa de areia


Bcx = A A - seção transversal da caixa de areia (m²)
Y máx Y máx - altura máxima do canal da grade (m)

Comprimento da caixa de
areia
L = 25 . Y máx. Y máx - altura máxima do canal da grade (m)

Taxa de escoamento
superficial
Tes = Q máx. Q máx - Vazão máxima horária do dia de maior (m³/d)
Bcx . L Bcx - Largura da caixa de areia
L - Comprimento da caixa de areia

Volume diário de areia


V areia = Tx de areia . Q méd Tx de areia - taxa de areia (L/m³ de esgoto)
1.000 Q méd - Vazão média diária (m³/d)

Altura da areia acumulada diariamente


H ar = V areia V areia - Volume diário de areia (m³/d)
L . Bcx L - Comprimento da caixa de areia
Bcx - Largura da caixa de areia

Intervalo entre as limpezas


I = H dep. H dep. - altura do depósito de areia (m)
H ar H ar. - Altura da areia acumulada diariamente (m/d)

Altura do degrau Z da calha Parshall


Z = (Q máx . H min) - (Q min . H max)
(Q max - Q min)

Q máx - Vazão máxima horária do dia de maior (m³/s)


Q mín - Vazão mínima (m³/s)
H máx - altura máxima da calha Parshall (m)
H min - altura mínima da calha Parshall (m)

Altura máxima da calha Parshall

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
(Q máx / ‫)ג‬
1/n
H máx = Q máx - Vazão máxima horária do dia de maior (m³/s)
‫ ג‬- valor referente a calha Parshall
n - valor referente a calha Parshall

Altura mínima da calha


Parshall
H mín = (Q min / ‫ )ג‬1/n Q mín - Vazão mínima (m³/s)
‫ ג‬- valor referente a calha Parshall
n - valor referente a calha Parshall

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
4.4 ESTAÇÃO ELEVATÓRIA

3
 Volume útil do poço de sucção da elevatória (m )

Vazão média = 98,28 m³/h, adotada para a seleção da bomba = 100 m³/h

Altura manométrica = 14,0 mca

Tubulação de recalque = PVC-PBS Ø = 100 mm

Serão instaladas quatro bombas com capacidade para 25m³/h, sendo uma bomba para
cada reator UASB, comandadas por rele cíclicos.

 Dimensionamento do volume útil do poço de sucção

Volume do poço

Vpoço = (Qbomba x 60) / 10

Vpoço = 10,20 m³

Altura adotada (H)

H = 4,2 m

 Cálculo das dimensões da elevatória

V=AxH

A = 2,43 m²

Aadotada = 2,50 m²

A = π x R²

R = 0,89, adota-se R=0,90

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
 Dimensões finais da elevatória

Altura (H) = 4,2 m

Diâmetro (D) = 1,80 m

4.5 TRATAMENTO BIOLÓGICO (UASB + BAS)

 Dimensionamento Unidade UASB

O cálculo foi feito buscando as dimensões de apenas um módulo de reator anaeróbio


(UASB). A partir dos parâmetros de um módulo e da vazão média final de plano da ETE,
foi possível chegar à quantidade de módulos necessários ao tratamento.

Foram adotados os seguintes parâmetros para o cálculo do reator anaeróbio (UASB):

− DQO afluente = 600 mg DQO / L

− DBO afluente = 250 mg DBO / L

− Tempo de detenção (θ) = 8,0 h

− Concentração esperada para o lodo de descarte = C= 4 %

− Densidade do lodo: g = 1,020 Kg SST / Kg DQO

− Temperatura média = T = 20 °C

− Coeficiente de produção de sólidos Y = 0,15 Kg SST / Kg DQO

− Coeficiente de produção de sólidos em relação a DQO: Yabs = 0,17 Kg DQOlodo

 Adoção do número de reatores (N)

N=4

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
 Carga média de DQO para o afluente (Kg DQO/ dia)

L0 = S0 x Qmédia

L0 = 1415,23 Kg DQO/dia

Adotando-se 4 módulos UASB, a carga orgânica será de 353,88 Kg DQO/ dia por
módulo.

 Adoção do tempo de Detenção Hidráulica (TDH)

TDH = 8,0 h

 Determinação do volume util do reator (V)

V = Qmédia x TDH

V = 196,56 m³

 Adoção da altura do reator (H)

H = 4,5 m

 Determinação da área de cada reator (A)

A = Vu / H

A = 43,69 m²

A = π x R²

R = 3,72

Rcorrigido = 3,82 m

Portanto área final

Af = π x R²

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
Af = 45,84 m²

 Dimensões finais (H)

Hfinal = 7,0 m

 Verificação da Área, Volume e TDH corrigidos

AT = N x A

AT = 183,36 m²

VT = AT x H

VT = 825,12 m³

TDH = VT / Qmédia

TDH = 8,39 h

 Verificação das cargas aplicadas

COV = Qmédia (m³dia) x S0 / VT (m³)

COV = 1,72 Kg DQO / m³dia

 Carga hidráulica volumétrica

CHV = Qmédia / VT

CHV = 2,86 m³/m³dia

 Verificação das velocidades superficiais

Para Qmédia

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
V = Qmédia / AT

V = 0,54 m/h

Para Qmáx

V = 37,29 / 45,84

V = 0,81 m/h

Observa-se que as velocidades superficiais encontradas, estão de acordo com os valores


recomendados para o projeto de reatores UASB para tratamento de esgoto doméstico.

Velocidade ascencional
Vazão Afluente
(m/h)
Vazão média 0,5 – 0,7

Vazão máxima 0,9 – 1,10

Picos horários < 1,5

 Sistema de distribuição

Área de influência (seguindo a exigência da CETESB) = 2,0 m

Numero de distribuidores = 43,69 m² / 2,0 m = 21,84, adota-se 22 distribuidores

 Determinação do número de tubos para o sistema de distribuição

R = (A / π)1/2

R = (0,80)

Adota-se 1,0 m, portanto R = 1,0 (área = 3,14), sendo um total de 22 distribuidores com
raio de 1,0 m.

 Estimativa da eficiência da remoção de DQO do sistema

EDQO = 100 x (1 – 0,68 x TDH-0,35)

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
EDQO = 67,16 %

 Estimativa da eficiência de remoção de DBO do sistema

-0,50
EDBO = 100 x (1 – 0,70 x TDH )

EDBO = 75,25 %

 Estimativa da concentração de DQO e de DBO no efluente do UASB

SDQO = 197,04 mg DQO/l

SDBO = 61,88 mg DBO/l

 Avaliação da produção de metano

DQOCH4 = Qmédia x [(S0 – S) – (Yobs x S0)]

DQOCH4 = 709,97 Kg DQO / dia

K(t) = (P x K) / [R x (273 + t)]

K(t) = 2,66 Kg DQO/m³

QCH4 = DQOCH4 / K(t)

QCH4 = 266,91 m³/dia

Podemos estimar a produção de biogás a partir do teor esperado de retorno neste.


Para o caso do tratamento de esgoto doméstico, os teores de metano no biogás
são geralmente da ordem de 70 a 80%.

Qbiogás = QCH4 / 0,75

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
Qbiogás = 355,88 m³/dia

4.6 BIOFILTRO AERADO SUBMERSO-BAS

 Volume do BAS (m3)

Parâmetros operacionais

Tempo de detenção hidráulica (TDH) = 180 min, adotado = 120 min

N° de módulos = 4 unidades

Carga Orgânica Volumétrica = 0,8 a 4,0 Kg DBO / m³ dia

Taxa de aeração = 30 a 60 m³ ar / kg DBO aplicada

Taxa de aplicação superficial = < 30 m³ / m² dia

 Dimensionamento do BAS

Volume do BAS

Adotando-se 4 módulos, com uma altura de leito de 2 m, podemos calcular o volume de


cada módulo BAS

V = Q x TDH

V = 49,14 m³ de leito

V=AxH

A = 24,57 m²

Como a unidade BAS, possui em seu centro um decantador de lodo com diâmetro de
0,95m, será necessário calcular a área necessária por módulo.

A = 24,57 + (π x r²)

A = 25,28 m²

A = π x r²

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
r = 2,84 m

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
 Cálculo da circunferência

C=2πr

C = 17,83 m

C=2πr

r = 2,86 m

Encontrado as dimensões finais do sistema, calculam-se os parâmetros operacionais,


lembrando-se que encontramos as medidas do leito.

Q = 27,3 x 3,6 / 4

Q = 24,57 m³/h

Vazão encontrada para cada módulo.

 Calculo da Área de cada Módulo (Leito)

A = At – Ad

A = 24,987 m²

 Calculo do volume do leito

VL = AL x HL

VL = 49,97 m³

 Tempo de Detenção Hidráulica

TDH = VL / Qmódulo

TDH = 2,03 horas

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
 Velocidade Ascensional

Va = Qmódulo / Aleito

Va = 0,983 m/h

 Altura final do BAS

H = altura do leito + altura de borda + altura de base

H = 3,6 m

A carga de DBO efluente do UASB, será o afluente do BAS, portanto podemos calcular a
carga de DBO que será aplicada no BAS.

LoBAS = ( S0 x Eficiência de DBO UASB) x Qmédia

LoBAS = 36,52 Kg DBO / dia

COV = LoBAS / VL

COV = 0,73 kg DBO / dia x m³ de leito

COS = LoBAS / Aleito

COS = 1,46 kg DBO / dia x m³

 Vazão de ar (Nm³ar/dia)

Taxa de aeração adotada = 45 m³ ar /kg DBOaplicada

Qar = Tx aeração x LoBAS

Qar = 1643,40 m³ ar / dia

Qar = 68,475 m³ ar / h p/ cada módulo

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
4.7 PRODUÇÃO DE LODO UASB + BAS

 Produção de lodo devido ao tratamento de esgoto

Avaliação da produção de lodo UASB

Plodo = Y x DQOaplicada

Plodo = 212,28 Kg SST / Dia

 Produção de lodo da unidade BAS

Coeficiente de produção do lodo (Y) no BAS = 0,75 kgSS/kgDBOaplicada

Plodo = Y x Carga orgânica efluente UASB

Plodo = 52,28 kgSS/dia

Considerando que 50% desse lodo é constituído de sólido voláteis, tem-se:

Plodo volátil= Plodo x 0,50

Plodo volátil = 26,14 kgSSV/dia

Produção total de lodo (UASB + BAS), incluindo o lodo secundário retornado ao


reator UASB, considerando 20% de redução do lodo volátil (UASB + BAS)

Plodo total = Plodo (UASB) + Plodo (BAS) -0,20 x Plodo volátil (BAS)

Plodo total = 259,33 Kg SS/dia

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
4.8 TANQUE DE LAVAGEM

Parâmetros de projeto:

Taxa de lavagem = 800 (m3/m2.dia)

Tempo de lavagem = 10 (min)

Vazão de lavagem = 122,30 (m³/h)

Profundidade = 2 m (adotado)

Calculo do Volume

Vol = carga orgânica UASB / COV BAS

Vol = 88,47 m³

Calculo da Área

A = Vol BAS / altura do leito

Área = 29,49 m²

Vazão de retro lavagem

Q = ABAS x Taxa retro lavagem

Q = 17616 m³/dia

Volume para retro lavagem

V = tempo lavagem x Qretro lavagem

V = 122,30 m³

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
Cálculo do Diâmetro

Altura adotada 3m

Área do Tanque de lavagem

ATL = Vol lavagem / altura

ATL = 40,80 m²

Adota-se A = 41 m²

R = (A / π)1/2

R = 3,61 m

Adota-se 3,60 m

4.9 DESINFECÇÃO FINAL

Desinfecção

A desinfecção será efetuada com o uso de hipoclorito de sódio, que em contato com o
esgoto tratado gera ácido hipocloroso, forte agente desinfetante. O sistema de dosagem
atenderá a vazão máxima de final de plano (ano 2.023), de até 27,30 l/s, resultando em
2.359,20 m³/dia.

Para a estação de tratamento de esgoto do município de Lindóia, contando com a


nitrificação promovida pelo sistema aeróbio do biofiltro aeróbio submerso, pode-se
considerar uma dosagem média de 8 ppm de hipoclorito de sódio em solução comercial a
12% de concentração.

Sistema de Dosagem

A dosagem de hipoclorito será realizada por meio de bombas dosadoras específicas,


sendo uma operante e outra reserva. O hipoclorito será descarregado em tanque de fibra
de vidro (volume de 1.000 litros) que servirá como tanque de armazenagem e
alimentação, que por meio de tubulação de PVC abastece um pequeno reservatório de

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
50 litros para manter o nível de sucção constante. A bomba transfere o hipoclorito e dosa
automaticamente o produto no início do tanque de contato, passando pelas chicanas até
atingir o corpo receptor.

O tanque é dimensionado para proporcionar um tempo de contato > 30 minutos para a


vazão máxima de efluente de 0,0273 m3/s (27,30 l/s), resultando no volume de:

Vu = (0.0273 x 30 x 60) = 49,14m3.

Como garantia do processo, será utilizada 01 câmara de contato com volume de 60 m³


(garantindo também a máxima vazão de 2.023; 111,02 m³/hora), nas seguintes
dimensões:

− Comprimento total do tanque = 7,05 metros;

− Largura total do tanque = 5,30 metros;

− Profundidade total do tanque = 3,50 metros;

− Número de chicanas = 6;

− Comprimento útil de cada chicana = 5,0 m;

− Largura útil de cada chicana = 1,0 m;

− Profundidade útil de cada chicana = 2,0 m;

− Volume útil do tanque de contato = 60 m³.

Para atingir 8 ppm, torna-se necessário dosar aproximadamente 220 l/dia de hipoclorito
de sódio (18 Kg de cloro ativo/dia) , considerando uma vazão média de 27,30 l/s.

Os tanques de armazenamento de hipoclorito de sódio (tanque de 1.000 e 50 litros) serão


instalados dentro de uma área isolada, com alambrado padrão ou grades e
obrigatoriamente com paredes de contenção. Em caso de acidentes com vazamento do
produto, todo o volume ficará retido no local até as providências cabíveis, evitando o
derramamento de hipoclorito no corpo receptor ou solo. A capacidade do tanque de
contenção é de 3.000 litros.

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
4.10 DESIDRATAÇÃO DO LODO

Teor de sólidos (SST) do lodo aplicado no leito (C) = 4%

Densidade típica do lodo (d) = 1,02

Período de secagem para obtenção do teor de sólidos desejado = 20dias

Altura (espessura) do lodo no momento da descarga no leito = 30 cm

Período estimado para limpeza do leito = 5 dias

Ciclo de operação resultante = 25 dias

Volume de lodo afluente V (m3/d)

Massa de lodo final = 40,61 kg SST/dia

V = M / (d x 1000 x C)

V = 8,52 m³/dia

Volume de lodo gerado por ciclo V’ (m3/d)

V’ = V x ciclo

V’ = 213 m³

Área de secagem (m2)

A = V’ / área de secagem

A = 710 m²

Taxa de aplicação resultante (kg SST/m².dia)

Tx = M / A

Tx = 12,23 kg SST/m².dia

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
Valor compatível com o fixado pela Norma Brasileira (até 15 kg SST/m².dia)

Dimensões do leito

A área total do leito de secagem foi subdividida em duas câmaras, cada uma com a área
de 355 m². Portanto, cada câmara deverá ter dimensões de 17,80 x 2,20 m.

A camada drenante do leito de secagem, que deve promover a remoção do liquido


intersticial, deve ser constituída pelas seguintes partes:

a) Uma camada de areia com espessura de 10 cm, com diâmetro efetivo de 0,7 mm e
coeficiente de uniformidade igual a 3;

b) Sob a camada de areia, três camadas de brita, sendo a inferior de brita 4 (camada
suporte), a intermediárias de brita 3 e 4 com espessura de 25 cm e a superior de brita
1 e 2 com espessura de 12 cm;

c) Sobre a camada de areia devem ser colocados tijolos recozidos, com juntas de 2 cm
tomadas com areia da mesma granulometria da usada na camada de areia.

O fundo do leito de secagem deve ser plano e impermeável, com inclinação de 1% no


sentido do coletor principal de escoamento do líquido drenado.

O dispositivo de entrada do lodo no leito de secagem seve permitir descarga em queda


livre sobre placa de proteção da superfície da camada de areia.

A altura livre das paredes de secagem, acima da camada de areia, deve ser de 1,0 m.

4.11 TANQUE PULMÃO

O tanque pulmão é um dispositivo de auxílio, responsável por armazenar o esgoto


afluente em caso de parada e manutenção da ETE.

Para o dimensionamento do tanque pulmão foi estipulado que o tanque deva suportar
uma vazão media de final de plano pelo período de 8 horas. Esse tempo deve ser o
equivalente ao tempo de manutenção de qualquer uma das unidades da ETE.

Esta unidade deverá ser revestida com uma manta impermeável, impedindo a percolação
do esgoto pelo solo.

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
Dimensões

Qmax = 149,15 m³/h

Tempo de parada t = 8h

V = Qmax x t

V = 1193,20 m³

Adota-se 1200,00 m³

Estabelecendo a altura do tanque pulmão (h) como sendo 3,40 m, a área calculada será:

Área = V / h

A = 352,94 m²

Aadotada = 360 m²

B = 10,30 m

L = 10,30 m

H=V/A

H = 1200 / 360

H= 3,33 m, adota-se 3,60 m

Dimensões finais:

C = 10,30 m

L = 10,30 m

H = 3,60 m

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
Tabela 6: Dados gerais das unidades que compõe a ETE projetada.
Unidades de tratamento Dados Calculado Unid. Previsão de uso
Largura 31,00 cm
Profundidade 35,00 cm
Grade Calculado para final de plano
Número de barras 9,00 unid.
Espaçamento entre barras 25,00 mm
Comprimento 7,91 m
Caixa de areia Largura 0,44 m Calculado para final de plano

Profundidade (depósito de areia) 0,30 m


Calha Parshall W 3 pol. Calculado para final de plano

Vazão 100,00 m³/h


Estação Elevatória Calculado para final de plano
Altura de recalque 14,00 m
Vazão 122,30 m³/h
Tanque de Lavagem Calculado para final de plano
Altura de recalque 14,00 m
Quantidade 4 unid.
Calculado para primeira fase
Reator anaeróbio (UASB) Altura 7,00 m (2 módulos) *
Diâmetro 7,64 m

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP 37


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
Quantidade 4 Unid.
Biofiltro aerado submerso Calculado para primeira fase
(BAS) Diâmetro 5,72 m (2 módulos) *
Altura 3,60 m
Tanque de lavagem do Profundidade 2,00 m
Calculado para final de plano
BAS Diâmetro 3,60 m
Comprimento 7,05 m
Sistema de Desinfecção
Largura 5,30 m Calculado para final de plano
(Hipoclorito de sódio)
Profundidade útil 2,00 m
Comprimento 17,80 m
Leito de Secagem Largura 2,20 m Calculado para final de plano
Altura da parede 1,40 m
Comprimento 12 m
Tanque Pulmão Largura 12 m Calculado para final de plano
Profundidade 3 m
(*) Com a possibilidade de reservação de esgoto bruto no tanque pulmão, para a 1ª Etapa (2 módulos) será fixada a vazão
de alimentação do UASB em 60 m³/h, com velocidade ascencional de 0,7 m/h no reator anaeróbio.

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP 38


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
5 FLUXOGRAMA DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO

Piracicaba, 25 de fevereiro de 2008.

Engº TIAGO DE MATTOS SEYDELL


CREA/SP 5.061.115.692
Responsável técnico

Engº GUSTAVO ZAMBOIM PIETRAFESA


CREA/SP 5.061.929.750
Diretor de Obras, Serv. Pub. e Transportes

ÉLCIO FIORI DE GODOY


Perfeito Municipal

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP 39


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
5 PLANILHA DE ORÇAMENTO

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP 40


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
6 CRONOGRAMA FÍSICO FINANCEIRO

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP 41


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
ANEXO I

ESTUDO DE AUTODEPURAÇÃO

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
ANEXO II

CONSIDERAÇÕES SOBRE A NITRIFICAÇÃO

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
ANEXO III

MODELO DE QUEIMADOR ATMOSFÉRICO

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
ANEXO IV

MEMORIAL DESCRITIVO

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
ANEXO V

MANUAL DE OPERAÇÃO

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
ANEXO VI

DESENHOS

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262
ANEXO VII

ART

Rua Regente Feijó, 1222 – Sala 12 – Centro – CEP 13.419-290 – Piracicaba/SP


e-mail: sts.eng@uol.com.br – Tel: (19) 3432.4262