Você está na página 1de 2

144 Capitulo 4

: . · EXEMPLO 4.6 ·· .......................................................................


Analisando um Sistema de Bombeamento
Uma bomba em regime permanente conduz água de urn lago, cotn uma vazão volumétrica de 0,83 m3/min, por de um tubo com 12 cm
de diâmetro de entrada. A água é distribuída através de tllna mangueira acoplada a um bocal convergente. O bocal de saída tem 3 cm
de diâmetro e está localizado a 1O m acima da entra.da do tubo. A água entra a 20cC e 1 atm, e sai sen1 variações significativas com
relação à temperatura ou pressão. A ordem de gntndeza da taxa de transferência de calor da bomba para a vizinhança é 5o/o da potência
de entrada. A aceleração da gravidade é de 9,8 l m/s 2 . Detennine (a) a velocidade da água na entrada e na saída, ambas em m/s, e (b) a
potência requerida pela bomba em kW.

SOLUÇÃO
Dado: um sistema de bombeamento opera em regime permanente com condições de entrada e saída conhecidas. A taxa de transferência
de calor dàbomba é especificada como uma porcentagem da potência de entrada.
Pede·se: detennine a velocidade da água na entrada e na saída do sistema de bombeamento e a potência necessária.
Diagrama Esquemático e Dados Fornecidos:

Modelo de Engenharia:
1. O volume de controle engloba a bomba, a entrada do
tubo e a mangueira de distribuição.

n
2, O volume de controle encontra-se em regime penna·
nente.
3. A magnitude da transferência de calor do volume de
controle é 5o/o da potência de entrada.
4. Não há variações significativas na temperatura ou pres-
lOm Bomba são.
5. Para água líquida, v = v1 (T) (Eqs. 3.11) e a Eq. 3.13 é
usada para calcular a entalpia específica.
6. g= 9,81 rn!s 2.

1---A-1-
T1 "'20°C
Pi"' 1 atm
0 1 :: 12cm
(AV) 1 ::0,83 m 3/min Fig. E4.6

Análise:
(a) O balanço da taxa de massa se reduz, em regime permanente, a rii2 = rii 1• A vazão mássica na entrada e na saída, rii, pode ser deter-
minada utilizando-se a Eq. 4.4b juntamente com v"' v1 (20ºC) = 1,0018 x 10·3 m31kg da Tabela A-2. Então,

.
1
AV ( 0,83m3/min )llminl
" =-;;- = 1,0018 X 10- 3 m3/kg 60 s
13,8 kg
'
Assim, as velocidades na entrada e na saída são, respectivamente,

mu (13,8 kg/,)(1,0018 X 10- 3 m3/kg)


o Y1 =
A,
=
,,-(0,12 m)'/4
1,22 m/s

riiv(13,8 kgfs)(I,0018 X 10- 3 m3fkg)


V2 - - - = 19,56mls
- A2 - 7r(0,03 m) 2f4

(b) Para calcular a potência de entrada inicie com o balanço da taxa de energia para o volume de controle em regime pennanente com
uma entrada e uma saída, Eq. 4.20a. Ou seja

· - Wvc
O= Qvc · + m·[ (h1 - h2) + (Vf-Vl) + g(z1
2
- Zz) l
8 Introduzindo Óvc = (0,05) Wvc e resolvendo para Wvc

(a)
Análise do Volume de Controle Utilizando Energia 145

Usando a Eq. 3.13, o tenno relacionado com a entalpia é expresso co1no


h, - h, ~ [h,(T,) + v,(T,)[p, - p",(T,)]]
- [hr('f2) ·+ ur(T2 )[P2 - p,.1(7i)]] (h)
Como não há variação significativa na temperatur;;, a Eq. (b) se reduz a
'11 - h2 = v1(T)(f!1 - p~)

Como também não há variação significativa na pressão, o termo relacionado com a entalpia é desprezado na pre:-cnte análi~e. Eni se-
guida, é avaliado o lermo da energia cinética

[(1,22)'
(19,56)'(~)'1
2
lN
lkg·m/s 2
li 3
!0 N·m
lkJ 1
-0,191 kJ/kg

Finalmente, o termo da energia potencial é

g(" - z,) ~ (9,81 mls')(O - lO)m 1 l N , 11 ,


1
kJ 1 ~ -0,098 kJ/kg
1 kg · rrJs IO N · m
Inserindo valores na Eq. (a)

.
W"' ~
(13,8
0,95
kg/,) [O - 0,191 - 0,098]
(kJ)l
kg 1l kJ/s
kW 1

-4.2kW @'Habilidades Desenvolvidas


... ·····················
em que o sinal negativo indica que a potência é fornecida à bomba. Habilidade para ..•
D aplicar o balanço da taxa de
O Alternativamente, V 1 pode ser determinado da vazão volumétrica em 1. Isso é deixado co1no energia para regime permanente
exercício. a um volume de controle.
O Já que uma potência deve ser fornecida para a operação da bomba, Wvc é negativo de acordo D aplicar a expressão da vazão
com nossa convenção de sinais. A energia transferida por calor ocorre do volume de controle
másslca. Eq. 4.4b.
para a vizinhança e, assim, Óvc também é negativo. Usando o valor de Wvc determinado na
parte (b), Óvc = (0,05) Wvc = -0,21 kW. O deserwolverum modelo de
engenharia.
O oflterdados de propriedades
Considerando que o bocal é removido e a água sai diretamente da manguei· da .água llqulda.
ra, cujo diâmetro é de 5 cm, determine a velocidade na saída em m/s e a potência necessária, em
.. kW, mantendo todos os outros dados constantes. Resposta: 7,04 m/s, 1,77 kW.

4.8.3 ~istemas de Armazenamento de Energia por meio de Bombagem Hídrica


e Ar Comprimido
Em virtude da lei da oferta e da procura e de outros fatores econômicos, o valor da eletricidade varia
TOME NOTA •••
com o tempo. O custo para gerar eletricidade e o aumento do preço pago pelos consumidores de-
pendem se a demanda ocorre nos horán·os de pico ou fora deles. O período de pico tipicamente com- Custo refere·se à quantia
preende os dias da semana - por exemplo, das Sh às 20h, enquanto o período fora do horário de pico paga para produzir um bem ou
compreende o horário noturno, os fins de semana e os feriados principais. Os consumidores podem um serviço. Preço refere-5!: ao
que os consumidores pagam
esperar pagar mais pela eletricidade nos horários de pico. Os métodos de armazenamento de energia
para adquirir esta mercadoria
que tiram proveito das taxas variáveis de eletricidade incluem o armazenamento térmico (veja o boxe ou serviço.
na Seção 3.8) e o armazenamento por meio de bombagem hídrica e de ar comprimido apresentados
no boxe adiante.

Aspectos Econômicos do Armazenamento de Energia por Bombagem Hídrica


e por Ar Comprimido
Apesar dos custos significativos de propriedade e operação dos sistemas de armazenamento de energia em grande es·
cala, várias estratégias econômicas, que inclusive aproveitam as diferenças entre os horários de pico e os horários fora
de pico de demandas de energia elétrica, podem fazer do armazenamento de energia por meio da bombagem hídrica
e do ar comprimido boas opções para geração de energia. Nesta discussão, vamos nos concentrar no papel das tarifas
variáveis de energia elétrica.
No armazenamento por bombagem hídrica, a água é bombeada a partir de um reservatório inferior para um reser-
vatório superior, armazenando assim energia sob a forma de energia potencial gravitacional. (Para simplificar, pense
na usina hidrelétrica da Fig. 4.10 operando no sentido inverso.) A eletricidade nos horários fora de pico é usada para
acionar as bombas que fornecem água para o reservatório superior. Mais tarde, durante o período de pico, a água arma·
zenada é liberada a partir do reservatório superior para gerar eletricidade conforme a água flui através das turbinas para
o reservatório inferior. Por e,.emplo, no verão, água é liberada do reservatório superior para gerar energia para atender