Você está na página 1de 4

Resumo das Atividades Laboratoriais: QUÍMICA_10º e 11º

AL 1.2 – Testes de chama

Relacionar questões teóricas da estrutura atómica com os espetros descontínuos que se


O que se pretende?
podem observar nos testes de chama.

Queimar sais (cloretos variados de Li, Na, K, etc) numa chama do bico de bunsen, com um
Como se procede?
estilete – ança de Cr-Ni. Ir lavando a ança entre cada ensaio com HCl (aq).

O que se conclui? Através da chama dá-se energia às partículas do sal, nomeadamente aos iões metálicos
(Na+, K+, etc…), excitando-os. Os eletrões passam de níveis de energia inferiores para níveis
energéticos superiores e, posteriormente desexcitam, emitindo o excesso de energia sob a
forma de radiação que, sendo visível, pode ser observada pela sua cor. Cada sal apresenta uma cor de chama
diferente.
Como a energia dos eletrões nos átomos ( e iões) está quantizada e tem valores diferentes de partícula para
partícula (EX: os eletrões no átomo de na têm valores de energia diferente dos eletrões no átomo de K), as
transições eletrónicas dos eletrões (nas desexcitações) são diferentes de elemento para elemento, originando
cores de chamas diferentes.

AL 1.3 – Densidade relativa de metais (Picnometria de sólidos)

Determinar a densidade relativa de um metal pelo método de picnometria.


O que se pretende?

Como se procede? Usa-se um picnómetro de sólidos, esferas de chumbo (ou pedaços de outro metal que não
reaja com a água)

O que se mede? Mede-se:


1- massa do sólido, em balança e colocadas num vidro de relógio (m).
2- Massa do picnómetro cheio de água até ao traço + vidro de relógio com metal (M)
O que se obtém?
3- Introduz-se o metal no picnómetro, limpa-se a água que sai (cujo volume é igual ao
volume do sólido que entrou.
O que se calcula? 4- Mede-se a massa do picnómetro com metal e agua até ao traço + vidro de relógio
(M’)
mmetal
Como se relaciona Calcula-se: d 
com o que se M M '
aprendeu nas aulas? mmetal
metal V m mmetal
A densidade relativa é d   metal  metal  , se os volumes de água e
água mágua mágua M  M '
Vágua
metal forem iguais. Ora quando se introduz o metal no picnómetro, sai o mesmo volume
de água, ficando o picnómetro cheio até ao traço.

Pode assim determinar-se a densidade relativa de um metal experimentalmente e


compará.la com o valor teórico, calculando o erro relativo cometido.
O que se conclui?

d exp  d ref
Er  100
d ref
AL 2.2 – Soluções a partir de solutos sólidos

O que se pretende? Preparar uma solução com um soluto sólido

Calcula-se a massa de soluto a pesar, através da expressão


Como se procede?
m  n  M  CVM
em que C é a concentração da solução pretendida, V é o volume pretendido e M , a
massa molar do soluto.

O que se mede? 1- Pesa-se o soluto com um vidro de relógio. (Nota: às vezes para se dissolver melhor,
O que se calcula? tritura-se o sal)
O que se obtém? 2- Deita-se o soluto num gobelé e adiciona-se um pouco de água para o dissolver com
auxílio de uma vareta.
Como se relaciona 3- Com auxílio de um funil verte-se a solução do gobelé para o balão volumétrico de
com o que se volume V .
aprendeu nas aulas? 4- Acrescenta-se água até ao traço de referência e agita-se para homogeneizar a
solução.
5- Rotula-se.

AL 2.3 – Diluição de soluções

O que se pretende? Preparar uma solução mais diluída a partir de uma outra mais concentrada, por
adição de água.

Como se procede? Com uma pipeta graduada ou volumétrica, retirar o volume adequado da solução inicial e
verter para outro balão volumétrico cujo volume é o que se pretende no final.
Acrescentar água até ao traço de referência. Agitar para homogeneizar.

O que se mede? Calcula-se: o fator de diluição


cinicial (+ concentrada) Vfinal (sol. diluída)
O que se calcula?
f  
O que se obtém? cfinal (+ diluída) Va retirar da solução inicial

Como se relaciona Note-se que: a quantidade de soluto a retirar da solução inicial é n  ciVi . Ao verter essa
com o que se
quantidade de solução e acrescentar água, essa quantidade de soluto para a estar num
aprendeu nas aulas?
volume maior, diminuindo assim a concentração da nova solução.
Assim:
n  ciVi 
O que se conclui?   ciVi  cf Vf , o que significa que a concentração e o volume, se comportam
n  c f V f 
como grandezas inversamente proporcionais, nas diluições.
Resumo das Atividades Laboratoriais: 11º ano
AL 2.2 – Titulação ácido-base

Determinar a concentração de uma solução ácida ou básica, usando uma técnica


O que se pretende?
experimental – titulação.

Medir um certo volume de titulado e adicionar-lhe sucessivamente


Como se procede?
pequenos volumes de titulante (este de concentração conhecida e
rigorosa – solução padrão), até atingir o ponto final (aquele que é
determinado pela mudança de cor do indicador ácido-base previamente
escolhido e adicionado à solução do titulado.

Mede-se: volume de titulante adicionado até ao ponto final da titulação;


O que se mede?
O que se calcula? pH da solução de titulado.
O que se obtém? O que se calcula: A concentração do titulado.
• Escreve-se a equação da reação do ácido e da base a dar sal e
Como se relaciona
água;
com o que se • Calcula-se a quantidade (em moles) de titulante adicionado: O ponto de
aprendeu nas aulas? equivalência é aquele em que titulante e titulado são os dois reagentes limitantes. Logo,
faz-se um cálculo estequiométrico entre os dois reagentes e calcula-se a concentração do
titulado.
Como se escolhe o indicador? Deve ter a sua zona de viragem (intervalo de pH em que
ocorre a mudança de cor) contida na zona de variação brusca de pH que ocorre em torno
do ponto de equivalência.
O que se conclui? A curva desta titulação, se o titulado for o ácido, tem a configuração :
Titulação ácido-forte – base forte  no ponto de equivalência o pH é 7,
a 25 ºC
Titulação ácido-forte – base fraca  no ponto de equivalência o pH < 7,
a 25 ºC
Titulação ácido-fraco – base forte  no ponto de equivalência o pH > 7,
a 25 ºC

AL 2.3 – Série eletroquímica

Organizar uma série eletroquímica a partir de reações entre metais e soluções aquosas de
O que se pretende?
sais contendo catiões de outros metais.

Como se procede? Juntar vários metais a soluções de nitratos de outros metais e observar se ocorre reação.
Organizam-se os dados da seguinte forma:
X2+ Y+ Z3+
X
Y
O que se obtém?
Z
Como se relaciona Observa-se: exemplificando…
com o que se Se Y reagir com X2+, então isso significa que Y sofre oxidação mais facilmente que X (por
aprendeu nas aulas? isso oxidou), provocando a redução do ião. Assim conclui-se que Y tem maior poder
redutor (pois oxida) do que Y. Ocorre a reação: 2Y(s)+X 2+ (aq)  X(s)+2Y + (aq) e não
ocorre a reação inversa.
O que se conclui?
Os metais com maior poder redutor oxidam mais facilmente. Podem ordenar-se por
ordem crescente do poder redutor e fazer uma série eletroquímica.
AL 2.4 – Temperatura e solubilidade de um soluto sólido em água

O que se pretende? Investigar o efeito da temperatura na solubilidade de um soluto sólido em água.

Dissolvem-se várias massas de um sal muito solúvel (KNO3) sempre no mesmo volume de
Como se procede? água. Para maiores massas dissolve-se a quente, em banho-maria. Depois deixa-se arrefecer
e observa-se a formação do “primeiro” cristal – início da precipitação, que marca o valor
solubilidade do sal. Regista-se a temperatura a que isso ocorre.

O que se mede? Mede-se: temperatura de formação de cristais; calcula-se a concentração do sal em


O que se obtém? m(g) de sal /100g de água (não esquecer que a densidade da água é 1 g/ cm3)
Obtém-se: gráfico da função
O que se calcula?
solubilidade do sal  f ( )

Como se relaciona Calcula-se, relacionando com o que se aprendeu nas aulas:


com o que se O gráfico obtido para o KNO3 é o seguinte:
aprendeu nas aulas?

A solubilidade de um sal varia com a


O que se conclui?
temperatura.

Na maioria dos casos a dissolução dos sais é


endotérmica ( H  0 ), ou seja, um aumento da temperatura favorece a reação direta –
dissolução.

Se a dissolução for exotérmica ( H  0 ), isso significa que a dissolução é favorecida com a


diminuição da temperatura.

Nos trabalhos de laboratório saber ainda:


• avaliar a incerteza de leitura dos aparelhos de medida
analógicos – metade da menor divisão
digitais – valor da menor divisão
• efetuar medições atendendo aos algarismos significativos;
• identificar a ordem de grandeza de um número;
• calcular o valor mais provável (valor médio);
• calcular a incerteza absoluta de um conjunto de medições;
• calcular a incerteza relativa de um conjunto de medições (avaliar a precisão);
• calcular o erro absoluto;
• calcular o erro cometido em percentagem (avaliar a exatidão do resultado).