Você está na página 1de 35

1

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
2

MANUAL DAS CURVAS CARACTERÍSTICAS DA TURBINA PEL-


TON

1. INTRODUÇÃO

Devido à necessidade de movimentar os equipamentos, e as


máquinas industriais, o homem desde seus primórdios vem desen-
volvendo meio para possibilitar, promover e facilitar estas tarefas co-
tidianas. E um dos primeiros meios utilizados foi a aplicação da ener-
gia cinética da água (água corrente) para movimentar uma roda
d’água. Roda usada para mover moinhos, movimentar maquinário
industrial e mais recentemente em nossa história, para produzir
energia elétrica. Todavia, devido ao fluxo dos rios e riachos serem
muitas vezes intermitentes em funções de cheias, secas, congela-
mento, o homem percebeu que precisava descobrir um meio de ar-
mazenar esta energia para que seu consumo pudesse ser contínuo.
Para solucionar esta demanda, ele criou os reservatórios.

Reservatórios são grandes extensões de superfície que arma-


zenam enormes quantidades de água no ponto mais elevado possí-
vel. Por que no ponto mais elevado? Porque como se sabe, todos os
corpos possuem massa e por possuírem massa, são atraídos pela
força gravitacional. Para sustentá-los acima do solo, é preciso que o
corpo absorva uma quantidade de energia que é proporcional a altu-
ra na qual o mesmo se encontra, a essa energia damos o nome
Energia Potencial Gravitacional. Ou seja, quanto mais alto é o reser-
vatório, maior é a energia potencial da água contida nele. Como to-
dos os corpos buscam a condição de equilíbrio, ao abrir-se um reser-
vatório a água fluirá

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
3

(se movimenta- rá Energia Cinética) para o ponto de menor


energia potencial possível. Pela Lei da Conservação de Energia, ener-
gia não pode ser criada e nem destruída, apenas transformada, logo,
quanto maior a energia potencial da água, maior será a energia ciné-
tica possibilitando que mais trabalho seja executado pela roda
d’água.
Rodas d’água são dispositivos constituídos de pás conectadas
a um eixo que giram proporcionalmente a velocidade e a força do rio
(Energia Cinética). As rodas d’água convencionais são dispositivos
rudimentares e de baixo rendimento, ou seja, baixo aproveitamento
do potencial energético da água. Logo, para que ocorra a geração de
energia que atenda grandes demandas, é preciso a construção de
rodas cujas dimensões seriam inviáveis. Todavia, o estudo de seu
funcionamento e a busca por melhorias no rendimento e eficiência
das mesmas não foi inócuo, pois possibilitou o desenvolvimento das
rodas atuais, as quais denominam-se: turbinas hidráulicas.

“As turbinas hidráulicas são turbinas projetadas especificamente pa-


ra transformar a energia hidráulica (a energia de pressão e a ener-
gia cinética) de um fluxo de água em energia mecânica na forma de
torque e velocidade de rotação. Sendo que, as primeiras turbinas
hidráulicas de que se tem notícia foram construídas na colônia ro-
mana de Chemtou na atual Tunísia, no Século Três ou Quatro Antes
de Cristo, para acionar moinhos. As primeiras turbinas modernas fo-
ram desenvolvidas na França e Inglaterra, no Século 18, para subs-
tituir as rodas de pás como fonte de energia mecânica para fábricas.
Nessa aplicação, as turbinas acionavam diretamente as máquinas de
fábricas próximas, através de longos eixos ou correias. Desde o final
do Século 19, elas são usadas quase que exclusivamente para acio-
nar geradores elétricos — quer isoladamente, em fazendas ou outros

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
4

locais isolados, quer agrupadas em usinas ou centrais hidrelétricas. ”


– WIKIPEDIA, 2013.

Como existem vários tipos de turbinas, cada um possuindo suas pe-


culiaridades, o objeto de estudo deste manual refere-se a uma Tur-
bina do tipo Pelton. Uma Turbina Pelton é uma turbina de impulso
ou de ação, que aproveita somente a energia cinética da água, sen-
do que não existe diferença de pressão entre entrada e saída, e o
grau de reação é igual a zero. Foi patenteada pelo engenheiro Lester
Allan Pelton, em 1880, na Califórnia. Ele teve a ideia de desenvolver
uma roda com várias conchas na periferia para aproveitar a energia
cinética de um jato d’água, proveniente de um tubo de pressão, que
incidia diretamente sobre a mesma. Ao substituir as pás retas por
pás em forma de concha, ele aumentou a área de contato da água
sobre as pás e com isso, o aproveitamento de energia. Ao fazer uso
do tubo de pressão, denominado injetor, ele percebeu que quanto
mais pressurizada estava a água, mais força e velocidade era obser-
vada na roda. Como pressão é proporcional a diferença de altura en-
tre o injetor e o reservatório, o reservatório deste tipo de turbina
deve permanecer no ponto geográfico mais elevado possível. Gran-
des usinas hidrelétricas que utilizam este tipo de propulsor possuem
desníveis geográficos, ou quedas d’água como denominamos, da or-
dem de 200 a 300 metros de altura.

Pelton observou também que, como as pás em forma de conchas


são proporcionalmente muito menores que as respectivas pás retas,
o volume de água consumido para movimentar a roda é relativa-
mente pequeno se comparada com os demais modelos e que o au-
mento deste não representava pouco ganho no rendimento da
mesma.

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
5

Embora seja muito eficiente, no Brasil, este modelo não é aplicado


para geração de energia hidrelétrica quando falamos em grandes vo-
lumes de energia. Isto ocorre porque, mesmo possuindo um enorme
manancial aquífero, um dos maiores do mundo, não o país não que-
das d’água com altura e volume suficiente que permitam a eficácia do
propulsor, as maiores quedas com potencial hidráulico variam entre
50 e 100 metros. Agora, no que tange a produção em pequena e mé-
dia escala para sítios e pequenas empresas, Turbinas Pelton a Fio
D’água, são utilizadas em larga escala, e com os novos programas de
incentivo a geração de energia elétrica do governo brasileiro, mais e
mais turbinas vem sendo instaladas.
Posto isso, agora, estudar-se-á as características técnicas do siste-
ma. Uma Turbina Pelton possui um rotor e um distribuidor. O rotor,
conforme figura 01, é formado por várias pás em formato de conchas
dispostas simetricamente ao redor do disco do rotor que gira, fixo ao
eixo.

Figura 01. Vista do Rotor e dos Detalhes da Concha da Turbina Pelton.

O distribuidor, do tipo injetor, difere-se dos outros modelos, por


se tratar de um bico, regulado por uma agulha, o qual incide um jato
de água cilíndrico sobre as pás do rotor, conforme ilustra a figura 02.

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
6

Figura 02. Vista do Rotor e do Distribuidor da Turbina Pelton.

A quantidade de jatos varia podendo ser com um, dois, quatro


e seis jatos. A figura 03 apresenta uma Turbina Pelton com 2 injeto-
res.

Figura 03. Vista da Turbina Pelton com Dois Injetores.

Quando se pretende desenvolver o projeto de uma turbina to-


ma-se como ponto de partida os dados da usina hidroelétrica, ou se-
ja, a vazão aduzida (Q) e aqueda útil (H), que a máquina irá traba-

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
7

lhar. A rotação (n) da turbina é determina-


da de acordo com o a frequência (f) da energia elétrica a ser gerada
(Hertz), e do número de pares de pólos (p) do gerador, que estará
acoplado à turbina, pois sabe-se que:

f=p.n

Onde:
f = frequência em Hz;
p= número de pares de polos do
gerador;
n = rotação em rps.

A partir dos valores estabelecidos para Q, H e n, pode-se defi-


nir o tipo de turbina mais adequada para aquela usina e calcular to-
das as dimensões do rotor, para que a turbina possa produzir, nas
condições de projeto, o seu melhor desempenho. No entanto, embo-
ra a turbina seja projetada para trabalhar em condições definidas, a
variação da demanda da energia elétrica pelo centro consumidor,
bem como as variações de nível do reservatório e da vazão aduzida,
pode exigir o seu funcionamento em condições diferentes daquelas
para as quais ela foi projetada. Daí ser de fundamental importância,
para o engenheiro, o conhecimento básico e o modo de obtenção das
curvas características de uma turbina hidráulica.

Assim, o conhecimento das variações das grandezas que inter-


vém no funcionamento da turbina e do seu correlacionamento permi-

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
8

te, não só adequar o projeto para que a


turbina produza o melhor rendimento possível, como também ajustá-
la para que ela, depois de instalada, continue, se possível, traba-
lhando com o seu rendimento máximo, ou próximo dele.

Para se verificar o projeto da turbina ou as condições de trabalho da


turbina na usina as curvas mais importantes são:

1. Curva Nef = f (n): Variação da potência efetiva em função da


rotação para queda e vazão constantes cujo aspecto está re-
presentado na figura 04.

2. Curva ŋ= f (n): Variação do rendimento em função da rotação


para queda e vazão constantes cujo aspecto está representado
na figura 04.

3. Curva Q = f (n): Variação da vazão aduzida em função da rota-


ção para queda e vazão constantes cujo aspecto está represen-
tado na figura 04.

Figura 04. Curvas Características de uma Turbina Pelton para Queda e Va-
zão Constantes.

Se variar a abertura do distribuidor (variação da vazão), man-


tendo constante a queda e construir as curvas de isorrendimento so-

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
9

bre as curvas de Nef = f(n), tem-se o dia-


grama topográfico da turbina, cujo aspecto está representado na fi-
gura 05.

Figura 05. Diagrama Topográfico em Função da Potência Efetiva para Tur-


bina Pelton.

1. Da mesma forma, se variar a abertura do distribuidor (varia-


ção da vazão), mantendo constante a queda, e construir as
curvas de isorrendimento sobre as curvas de Q = f (n), tem-se
o diagrama topográfico da turbina, cujo aspecto está represen-
tado na figura 6.

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
10

Figura 06. Diagrama Topográfico em Função da Vazão para Turbina Pelton.

2. Curva ŋ = f (Nef): Variação do rendimento em função da vazão


para queda e a rotação constante cujo aspecto está represen-
tado na figura 07.

3. Curva ŋ = f (Q): Variação do rendimento em função da vazão


para queda e a rotação constante cujo aspecto está represen-
tado na figura 07.

Figura 07. Curvas Características de uma Turbina Pelton para Queda e Ro-
tação Constantes.

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
11

Normalmente, o teste para o levan-


tamento das curvas, acima mencionadas, pode ser realizado levan-
do-se em conta as seguintes considerações:

1. Se a turbina é de pequena capacidade, compatível com os re-


cursos de que dispõe o laboratório, ela pode ser ensaiada dire-
tamente utilizando qualquer valor de queda útil na bancada.

2. Se a turbina é de pequena capacidade, compatível com os re-


cursos de que dispõe o laboratório, pode ser ensaiada direta-
mente, porém utilizando o valor de queda unitária para a ban-
cada. Para essa situação, a orientação para a interpretação dos
resultados deve seguir as leis determinadas pela teoria da se-
melhança mecânica onde:

E o aspecto do diagrama, pode ser exemplificado conforme figura 8.

Figura 08. Diagrama Topográfico de uma Turbina Pelton para Queda Unitá-
ria.

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
12

Se a turbina é de grande capacidade e, portanto, com


dimensões que não permitem que possa ser ensaiada no labo-
ratório, recorre-se aos ensaios com o modelo reduzido da tur-
bina no laboratório utilizando-se de qualquer valor de queda
útil na bancada. A interpretação dos resultados deve seguir as
leis da semelhança mecânica:

E o aspecto do diagrama pode ser exemplificado na figura 5.

4. Se a turbina é de grande capacidade e, portanto, com dimensões


que não permitem que possa ser ensaiada no laboratório, recorre-se
aos ensaios com
o modelo reduzido da turbina no laboratório, porém utilizando-se do
valor de queda unitária na bancada. A interpretação dos resultados
também deve seguir as leis da semelhança mecânica.

O diagrama passa, então, a ter uma forma semelhante à da fi-


gura 08, conforme figura 09.

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
13

Figura 09. Diagrama Topográfico do MODELO de uma Turbina Pelton para


Queda Unitária.

Os diagramas nos permitem ter uma visão global do desempenho da


máquina, mostrando o seu comportamento em todas as condições
possíveis.

2. ESQUEMA DA BANCADA DE TESTE DO LABORATÓRIO


A Figura 10 apresenta uma vista de frente da instalação do laborató-
rio sendo esta constituída, essencialmente das seguintes partes:

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
14

Figura 10. HD 05 – Bancada de Turbina Pelton.

3. PARTES COMPONENTES DA BANCADA – ESPECIFICAÇÃO


TÉCNICA

01– Estrutura Metálica:


Estrutura metálica elaborada em perfis de aço SAE 1020 com 5 mm
de espessura. Estrutura com as seguintes dimensões (C x L x A) 2010
x 620 x 800 mm e revestida com pintura eletrostática. Estrutura do-
tada de 04 (quatro) rodízios com altura de 100 mm sendo dois de
ação livre e dois dotados de sistema de frenagem.

02– Tampo de Granito:


Tampo de mesa em granito cor andorinha e acabamento polido em
ambas as faces. Tampo com as dimensões (C x L x A) 2060 x 660 x
20 mm.

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
15

03– Reservatório:
Tanque reservatório elaborado em chapas soldadas de aço INOX. Re-
servatório com dimensões (C x L x A) 1250 x 600 x 550 mm e com
capacidade volumétrica de 410 litros.

04– Bomba Hidráulica:


Bomba centrífuga da marca Schneider modelo ME-HI 5530 3 T 60 2/3
com potência de 3 CV, altura manométrica máxima de 71 m.c.a. e
vazão volumétrica máxima de 10,1 m3/h. Tubulação de sucção de 1
1/4” (32mm) e tubulação de recalque de 1” (25mm).

05– Tubulação de Sucção e Recalque:


Tubulação de sucção em PVC com 32 mm de diâmetro incluindo flan-
ge de conexão com reservatório e união.

Tubulação de recalque em PVC com 25 mm de diâmetro incluindo


joelhos de 90° e 45°, conexão “T” para instalação do medidor de
pressão (manômetro) e conexões rosqueadas para instalação do me-
didor de vazão (rotâmetro).

06– Conjunto do Rotor da Turbina Pelton:


Carcaça em aço SAE 1020 com 3 mm de espessura e revestida com
pintura eletrostática na cor preto fosco; Tampa em acrílico transpa-
rente 10 mm fixado a carcaça por parafusos 10mm e arruelas de bor-
racha nos parafusos e vedação com silicone transparente junto a car-
caça;

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
16

Figura 11. Foto em Detalhe do Conjunto do Rotor da Turbina Pelton.

Roda Pelton com 320 mm de diâmetro externo, com peças usinadas


em alumínio e fixadas no eixo motriz através de um duplo flange ros-
queado. A roda é composta por um disco com 225 mm de diâmetro
externo e 5 mm de espessura; e 18 conchas fixadas no disco por
meio de parafusos cruzados para permitir o balanceamento do siste-
ma.

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
17
Figura 12. Perspectiva Isométrica do Rotor da
Turbina Pelton – Conchas e Disco.

Figura 13. Detalhamento das Conchas da Turbina Pelton.

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
18

Figura 14. Detalhamento do Disco de Fixação das Conchas da Turbina Pel-


ton.

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
19

07 – Distribuidor / Injetor:

O distribuidor do tipo injetor trata-se de um bico regulado por


uma agulha, o qual incide um jato de água cilíndrico sobre as pás do
rotor. A vazão do jato é regulada através do deslocamento da agulha
que por sua vez é comandada por meio do parafuso regulador. Quan-
to maior o recuo do parafuso, maior a vazão disponibilizada e maior a
força impressa nas pás do rotor.

Figura 15. Desenho Esquemático do Bico Injetor.

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
20

Figura 16. Desenho Esquemático do Bico Injetor Desmembrado (Meramen-


te Ilustrativa).

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
21

Figura 17. Desenho Esquemático do Bico Injetor Montado (Meramente


Ilustrativa).

Figura 18. Detalhamento contendo o Bico Injetor Instalado na Carcaça em


Segundo Plano. É possível observar a Presença da Manivela de Desloca-
mento da Agulha do Bico Injetor.

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
22

08 – Freio Dinamométrico:

Tem como função medir a força exercida pelo braço acoplado


ao freio da turbina. A variação da força aplicada no freio permitirá
simular a variação do consumo da energia fornecida ao gerador.
As figuras 19 e 20 apresentam o conjunto constituído essencialmente
das seguintes partes:
A. Disco de Freio Vicinitec acoplado ao eixo da turbina.
B. Pinça de Freio Vicinitec acoplada ao braço de contato com a célula
de carga.
C. Célula de Carga CS50 Líder com capacidade de 50 kg.
D. Comando Hidráulico Vicinitec (cilindro mestre).

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
23

Figura 19. Detalhamento contendo o Disco de Freio e a Pinça do Freio e Cé-


lula de Carga.

Figura 20. Detalhamento Apresentando o Manete do Freio Hidráulico.

09 – Rotâmetro:

Instrumento destinado à indicação da vazão volumétrica que está


sendo aplicada na turbina. Composto de um pig (peso cônico) desli-
zante dentro tubo de acrílico transparente cônico com uma escala
graduada em m3/h. O princípio de funcionamento deste instrumento
se baseia em um deslocamento vertical do pig proporcional a vazão
volumétrica passante. Como a seção interna do rotâmetro é cônica, a
área livre entre o pig e o tubo aumenta à medida que o pig é impulsi-
onado para cima pela pressão da água permitindo a passagem de
mais água a cada momento.

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
24

Características Técnicas:
Fabricante: Blaster Controles
Modelo: BLI - 50000
Faixa de Operação: 02 a 20 m3/h
Pressão Máx.: 10 kgf/cm2
Dimensão: 300 mm x ɸ 100 mm
Diâmetro da tubulação: 11/2 ”
Material – Tubo: Policarbonato
Conexão – Tipo: 1 ½” Rosca Fêmea BSP

A queda líquida da turbina (H) corresponde à altura manométrica da


bomba (Hman).

Na bancada, a pressão manométrica é obtida através do manômetro


de bourdon com faixa de operação de 0 a 20 kgf/cm2. Como a queda
líquida deve ser em metros, devemos utilizar a seguinte conversão:1
kgf/cm2 = 10,00 m.c.a.

4. CÁLCULO DA POTÊNCIA EFETIVA DA TURBINA PELTON


Para o cálculo da potência efetiva transmitida pelo eixo da turbina,
pode-se considerar a seguinte equação:

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
25

Onde:
NEfet = potência efetiva transmitida pelo eixo da turbina em W;
M = torque exercido pela turbina sobre o eixo em kgf.m; .
ϖ = rotação alcançada pelo eixo da turbina em rd/s.
O valor do torque exercido pela turbina sobre o eixo é obtido pela se-
guinte equação:

Onde:
M = momento da força em kgf.m;
F = força em kgf (valor indicado pelo display indicador da balança Lí-
der instalado no painel de comando);
R = distancia que vai do centro do eixo da turbina até o centro do
acionador da célula de carga em m (na bancada foi utilizado uma bar-
ra com 0,090 m).
O valor da rotação alcançada pelo eixo da turbina é obtido atra-
vés da leitura do display indicador do tacômetro presente no painel
de comando e convertida para a devida unidade de acordo coma se-
guinte equação:

Onde:
ϖ = velocidade angular em rad/s;
n = rotação do eixo em rpm.

Efetuando os cálculos das constantes de (12) e (13) temos que:

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
26

5. TESTE EXPERIMENTAL A SER REALIZADO

O teste consiste em simular situações na bancada que possibilitem


levantar dados de Vazão (Q), Pressão (M), Força (F) e Rotação (n)
para a obtenção das curvas características da turbina. Antes de iniciar
o teste são necessários alguns cuidados para que os valores obtidos
nos medidores sejam os mais exatos possíveis.

5.1. Procedimentos iniciais:


• Antes de LIGAR a unidade, ZERAR o controle de rotação.
• Verificar se os indicadores do painel digital estão ZERADOS.
• Verificar se a escala medidora da vazão está zerada.
• Trocar a água quando a mesma apresentar sinais de descoloração.
• Antes de começar qualquer teste, assegurar-se de que a unidade
esteja corretamente nivelada.

5.2. Realização do teste para a obtenção das curvas Nef =


f(n), ɸ = f(n)
e Q = f(n) para queda líquida (H) e abertura do distribuidor (α) cons-
tante:

5.2.1. Etapas do teste:

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
27

• Fixar uma abertura da agulha do distribuidor de modo que esteja


assegurada a constância da vazão.
• Acionar o controle de rotação do motor até que o manômetro acuse
o valor da queda líquida desejada.
• Apertar o comando hidráulico do freio dinamométrico até que a tur-
bina pare de girar.
• Fazer as leituras da Pressão (M) em Psi e Rotação (n) em rpm.
• A vazão (Q’) será lida na escala do sensor em m3/h.
• Obtidas as leituras, fazer a anotação na folha de teste.
• Desapertar o medidor de torque de modo que a turbina tenha uma
pequena rotação.
• Repetir a experiência para cada nova posição do medidor de torque
até que a turbina gire sem nenhuma carga.
• Anotar sempre as leituras na folha de testes.
• Verificar a potência efetiva através da leitura do medidor de torque.
• Determinar a potência do jato pela expressão:

Sendo:
Nj = potência do jato em kgf.m/s;
ɣ = peso específico em kgf/m3;
Q = vazão útil em m3/h;
H = Altura manométrica em m.c.a.

Observação:

• Determinar o rendimento total da turbina pela expressão:

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
28

• Repetir a operação para os resultados duvidosos


• Procedendo de maneira análoga à descrita, efetuar os testes para
diversas aberturas do distribuidor.

5.2.2. Construção do diagrama topográfico da turbina em fun-


ção da potência efetiva:

• Efetuados os cálculos levar os resultados para um gráfico, procu-


rando adotar escalas adequadas.
• Para construir o diagrama topográfico basta:
- Construir as curvas de Nef= f(n) e ƞ = f(n) para diversas posi-
ções da agulha do distribuidor da turbina.
- Tomar os pontos de mesmo rendimento nas curvas de ƞ=
f(n) e marca-los na curva de Nef= f(n), conforme figura 14.

Figura 22. Processo de Obtenção da Curva de Isorrendimento.

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
29

Da união dos pontos de mesmo rendimento tem-se a curva de


isorrendimento.
5.2.3. Construção do diagrama topográfico da turbina em fun-
ção da vazão (Q):
• Para construir o diagrama topográfico basta:
- Construir as curvas de Q = f(n) e ƞ = f(n) para diversas posi-
ções da agulha do distribuidor da turbina.
- Tomar os pontos de mesmo rendimento nas curvas de Q =
f(n) e marcá-los na curva de ƞ = f(n), conforme figura 14.

Figura 23. Processo de Obtenção da Curva de Isorrendimento.

Da união dos pontos de mesmo rendimento, tem-se a curva de isor-


rendimento.

5.3. Realização do teste para a obtenção das curvas h = f(Q) e


h = f(Nef) para queda líquida (H) e rotação (n) constantes:

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
30

5.3.1. Etapas do teste:


• Constatar se todos os cuidados enumerados no item 4.1 foram rigo-
rosamente obedecidos.
• Fixar uma pequena abertura da agulha do distribuidor de modo que
esteja assegurada a constância da vazão.
• Abrir totalmente o registro e acionar o controle de rotação do motor
até que a queda líquida acusada no manômetro seja a desejada.
• Acionar o freio dinamométrico até que a rotação da turbina seja a
desejada.
• Efetuar as leituras da força (F) e da Vazão (Q’).
• Aumentar a abertura da agulha do distribuidor e repetir a experiên-
cia acionando o controle da rotação do motor e o freio da turbina, de
modo que a queda e a rotação continuem constantes e iguais aos va-
lores anteriores.
• Efetuar todas as leituras, determinar a potência efetiva pela expres-
são do item 4.2 e a vazão em m3/s.
• Efetuados todos os cálculos levar os resultados a um gráfico.
• Repetir a experiência para os resultados duvidosos.

6. RELATÓRIO A APRESENTAR

A apresentação do relatório deve seguir o seguinte roteiro:

6.1. Introdução:

6.2. Objetivos:
• Descrever sucintamente os objetivos pretendidos na experiência
proposta.

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
31

6.3. Conceituação Teórica:


• Apresentar os conceitos teóricos relativos aos objetivos apresenta-
dos e os conceitos envolvidos nos parâmetros utilizados no traçado
das curvas.
• Fazer uma descrição sobre a Turbina Pelton (aplicação, característi-
cas do rotor e distribuidor).

6.4. Desenvolvimento:

6.4.1. Procedimento experimental:


• Fazer uma descrição sucinta do experimento e dos processos utili-
zados na obtenção dos diagramas topográficos da turbina.

6.4.2. Equipamentos:
• Apresentar uma especificação dos equipamentos utilizados na expe-
riência e um esquema da instalação com legenda.

6.4.3. Dados Obtidos:


• Para o 1º teste: Variação da força (F) aplicada no freio mantendo
constantes a queda (H) e a abertura do distribuidor ( α ).
- Apresentar as folhas de teste preenchidas com os cálculos
efetuados.
- Fazer os gráficos: ƞt = f(n), Nef = f(n) e Q = f(n) para as di-
versas aberturas.
- Construir os diagramas topográficos em função da potência
efetiva e em função da vazão com, no mínimo, quatro curvas de isor-
rendimento.

• Para o 2º teste: Variação da abertura do distribuidor (α) mantendo


constantes a queda (H) e a rotação (n).
- Fazer os gráficos ƞt = f(Q), ƞt = f(Nef).

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
32

6.5. Análise dos Resultados:


• Fazer uma análise dos dados obtidos, procedimentos de utilização
dos dados, exatidão dos resultados e possíveis causas de erro.
• Fazer um estudo dos diagramas analisando-se o campo de aplica-
ção da turbina.
• Verifique se está turbina poderia ser mais indicada para trabalhar
em uma usina de base ou de ponta.

6.6. Conclusão:
• Fazer um comentário claro e ordenado sobre as conclusões tiradas
dos resultados do trabalho.

6.7. Referências Bibliográficas:


• Relacionar as referências consultadas para a elaboração do relató-
rio, conforme recomendação da ABNT. (Consultar site da biblioteca).

7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

AZEVEDO NETTO, J. M. de. Manual de Hidráulica. 8. ed. São Paulo:


Edgard Blücher, 669 p., 2011. ISBN 9788521202776.

BUONICONTRO, C. M. S. Laboratório de Fluidomecânicos: Aposti-


la de Práticas de Máquinas de Fluxo, Belo Horizonte: FU-
MARC/PUCMINAS, 122 p., 2010.

CARVALHO, D. F. Usinas Hidroelétricas: Turbinas. Belo Horizonte.


FUMARC/PUCMINAS, 197 p., 1982. ISBN

MACINTYRE, A. J. Máquinas Motrizes Hidráulicas. Rio de Janeiro:


Guanabara Dois S. A., 654 p., 1983. ISBN

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
33

SOUZA, Z. de; SANTOS, A. H. M.; BORTONI, E. Centrais Hidrelétri-


cas: Implantação e Comissionamento, 2ª ed. Rio de Janeiro: Interci-
ência, 484 p., 2009, ISBN: 9788571932111.

WIKIPEDIA. Turbina Pelton. Disponível em <


http://pt.wikipedia.org/wiki/Turbina_Pelton > Acesso em 05 de Ja-
neiro de 2013.

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
34

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235
35

Rua. Berto Círio 250 – Bairro São Luiz - Canoas/RS - Cep: 92420-030
www.liderdidatica.com.br - 055 (51) 3785 0235

Você também pode gostar