Você está na página 1de 22

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

INSTITUTO DE LETRAS
LICENCIATURA LSB/PSL

LINGUÍSTICA DA LÍNGUA DE SINAIS

DOCENTE: GLÁUCIO CASTRO JUNIOR


DISCENTES:

ANA CÉLIA DE O. QUIXABEIRA 19/0041480


EBERIENE DE ASSIS F. AGUIAR 19/0041536
IZABELLA GOBBI ARANTES 19/0044543
MARCUS ANTÔNIO DA S. PEREIRA 19/0041676
MARIA DO SOCORRO SILVA 19/0041684
RICARDO DE ALMEIDA OLIVEIRA 19/0041773
VALDINALVA NUNES RAMALHO 190041811
SEMÂNTICA
ESTUDA CONCEITOS / SIGNIFICADOS DE
PALAVRAS DENTRO DE UM DETERMINADO
CONTEXTO.
SEMÂNTICA
ESTUDO DO SENTIDO / SIGNIFICADO. AS
RELAÇÕES DE SENTIDO SÃO:

➤SINONÍMIA ➤POLISSEMIA
➤ANTONÍMIA ➤HOMONÍMIA
➤HIPERONÍNIMA ➤PARONÍMIA
➤HIPONÍMIA
SINONÍMIA - DEFINIÇÃO
- LOPES E PIETROFORTE (2004):

“DOIS TERMOS SÃO CHAMADOS SINÔNIMOS, QUANDO


APRESENTAM A POSSIBILIDADE DE SE SUBSTITUIR UM AO OUTRO
EM DETERMINADO CONTEXTO”.
SINONÍMIA - DEFINIÇÃO
MAS, NÃO EXISTEM SINÔNIMOS PERFEITOS, PORQUE ELES NÃO
SÃO INTERCAMBIÁVEIS EM TODOS OS CONTEXTOS. ISTO
SIGNIFICA QUE NO DISCURSO, O ENUNCIADOR PODE TORNAR
SINÔNIMAS PALAVRAS OU EXPRESSÕES QUE EM OUTRO
CONTEXTO NÃO O SÃO.
SINONÍMIA - EXEMPLOS
‘NOVO’ É ‘SINÔNIMO DE JOVEM’, PORQUE, NO CONTEXTO HOMEM
NOVO, PODE SER SUBSTITUÍDO POR ‘JOVEM’.

+ =

SÃO SINÔNIMOS EM PORTUGUÊS E EM LIBRAS


SINONÍMIA - EXEMPLOS
VELHO

SÃO SINÔNIMOS EM LIBRAS. EM PORTUGUÊS NÃO HÁ DIFERENÇA


SINONÍMIA - EXEMPLOS
MODIFICADOS PELAS EXPRESSÕES NÃO MANUAIS (ENM)

BONITO / LINDO
SINONÍMIA
- O DISCURSO TAMBÉM PODE DESFAZER
SINONÍMIAS.

SINÔNIMOS PODEM TER SIGNIFICADOS


DIFERENTES DEPENDENDO DO CONTEXTO.
SINONÍMIA - EXEMPLOS
O BELO decorre do equilíbrio resultante da perfeita
combinação de todos os elementos esteticamente relevantes.

O SUBLIME nasce da exacerbação do BELO (...)

O BONITO é a forma diminuída do Belo; é o apoucamento do


Belo.
SINONÍMIA - EXEMPLOS
PREÇOS ALTOS em vez de INFLAÇÃO.

OS PREÇOS ESTÃO ALTOS NO SUPERMERCADO.

É DIFERENTE DE...

A INFLAÇÃO NO BRASIL CAIU.

DEPENDE DO CONTEXTO!
SINONÍMIA - EXEMPLOS LOPES (2000, p. 253 -254)

TERMOS SINONÍMICOS CORRESPONDENTES, COMPARTILHAM A


PROPRIEDADE DE DESIGNAR O MESMO SENTIDO NO
INTERIOR DO MESMO CÓDIGO, MAS NÃO NO INTERIOR DE
DIFERENTES SUBCÓDIGOS DA LÍNGUA:

JOÃO FERIU O PÉ. OK

O GATO FERIU A PATA. OK

PÉ e PATA: EXTREMIDADE INFERIOR DOS MEMBROS INFERIORES,


MAS “JOÃO FERIU A PATA” NÃO.
SINONÍMIA - EXEMPLOS LOPES (2000, p. 253 -254)

UM LIVRO NOVO - GRAMATICAL - OK

UM LIVRO JOVEM - AGRAMATICAL - NÃO

ELA MACHUCOU A BOCA - PESSOA - OK

ELA MACHUCOU O FOCINHO - ANIMAL - OK

MARCADOR SEMÂNTICO
SINONÍMIA - EXEMPLOS Martelotta (2011 p. 81)

“MORRER” “PARTIR DESSA PARA MELHOR”

“FALECER” “BATER AS BOTAS”

DESIGNAM O MESMO PROCESSO, MAS SÃO EMPREGADOS EM


SITUAÇÕES DISTINTAS - NÃO TEM EXATAMENTE O MESMO VALOR -
DEPENDE DO CONTEXTO.

NÃO HÁ SINÔNIMOS VERDADEIROS - DUAS FORMAS COM A MESMA


FUNÇÃO.
SINONÍMIA - DEFINIÇÃO
DUBOIS (1998, p.520) TAMBÉM APRESENTA UMA DEFINIÇÃO
LÓGICA SIMILAR A UMA FÓRMULA:

SINONÍMIA PODE SER DEFINIDA PELA EQUIVALÊNCIA DE FRASES.


SE F1 DIFERIR DE F2 POR UMA UNIDADE X EM F1 E Y EM F2,
SENDO QUE F1 ⊃ F2 E F2 ⊃ F1. ENTÃO X E Y SÃO SINÔNIMOS.

MAS COMO ASSIM?


SINONÍMIA - EXEMPLO
DADA AS FRASES:

F1: O HOMEM É JOVEM. (JOVEM = X)


F2: O HOMEM É NOVO. (NOVO = Y)
F1 EQUIVALE A F2 E F2 EQUIVALE A F1,

ENTÃO X E Y (JOVEM E NOVO) SÃO SINÔNIMOS.

MESMA CATEGORIA GRAMATICAL, SENTIDO PARECIDO, FORMA


DIFERENTE.
SINONÍMIA - EXEMPLO
DADA AS FRASES:

F1: A CASA CAIU. (CAIR = X)


F2: A CASA DESABOU. (DESABAR = Y)
F1 EQUIVALE A F2 E F2 EQUIVALE A F1,

ENTÃO X E Y (CAIR E DESABAR) SÃO SINÔNIMOS.

MESMA CATEGORIA GRAMATICAL, SENTIDO PARECIDO, FORMA


DIFERENTE.
SINONÍMIA - EXEMPLO
DADA AS FRASES:

F1: A MENINA APRENDEU O ALFABETO. (ALFABETO = X)


F2: A MENINA APRENDEU O ABECEDÁRIO. (ABECEDÁRIO = Y)
F1 EQUIVALE A F2 E F2 EQUIVALE A F1,

ENTÃO X E Y (ALFABETO E ABECEDÁRIO) SÃO SINÔNIMOS.

MESMA CATEGORIA GRAMATICAL, SENTIDO PARECIDO, FORMA


DIFERENTE.
FINALIZANDO, É O OPOSTO DE POLISSEMIA
REFERÊNCIAS
● DUBOIS, Jean. Dicionário de lingüística. 10 ed. Sao Paulo : Cultrix,
1998. 653 p.
● LOPES, Edward. Fundamentos da linguística comtemporânea. 19
ed. São Paulo : Cultrix, 2000. 344 p.
● MARTELOTTA, Mário Eduardo et al. Manual de linguística. São
Paulo : Contexto, 2011. 254 p.
OBRIGADO!