Você está na página 1de 14

FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL

BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

TIAGO ALVES DE OLIVEIRA


VICTOR HENRIQUE

Efeito da pratica de atividade física planejada para a


melhora de alguns componentes da aptidão física de
alunos praticantes do futsal matriculados no projeto atleta
nota dez de Pimenta Bueno-RO.

______________________________________________________
Assinatura do Professor Orientador

CACOAL- RO
2017
TIAGO ALVES DE OLIVEIRA
VICTOR HENRIQUE

Efeito da pratica de atividade física planejada para a


melhora de alguns componentes da aptidão física de
alunos praticantes do futsal matriculados no projeto atleta
nota dez de Pimenta Bueno-RO.

Trabalho apresentado pelo acadêmico Tiago Alves de


Oliveira e Victor Henrique através faculdade de
ciências biomédicas de Cacoal como requisito parcial de
nota da disciplina de Trabalho de Conclusão de Curso
l sob a orientação da prof:. Marcelio

CACOAL- RO
2017
1- Introdução

1.1 Problemática

As crianças estão em constante desenvolvimento físico, cognitivo, emocional


e social, apresentando no decorrer de suas vidas algumas mudanças drásticas e
outras menos abruptas. Tal desenvolvimento acontece de forma natural em um ritmo
individual, no entanto, estudiosos do mundo inteiro se preocupam com os padrões
específicos destas mudanças e com os fatores que influenciam as mesmas, com
intuito de propiciar um acompanhamento e a maximização do desenvolvimento
infantil (LUCCA; 2006).
A prática de atividades vigorosas está sendo diminuída pela influência da
mecanização que facilita a vida dos indivíduos. Na América do Norte e Europa é
preocupante a redução dos níveis de atividade física entre os adultos, do mesmo
modo, isto ocorre entre crianças e adolescentes nas últimas décadas, paralelamente
a elevação do tempo dedicado à televisão, videogames e computadores (BOREHAM
et al.; ARMSTRONG; WELSMAN, apud CARVALHO FILHO et al., 2006)..
Com isso a atividade física tem sido cada vez mais indicada para promoção
de saúde e melhora da qualidade de vida e aparenta bons efeitos nos níveis de
saúde de crianças e adolescentes. O termo aptidão física significa uma condição em
que o indivíduo possui energia suficiente para realizar atividades do seu dia a dia
sem apresentar sensação de cansaço ou fadiga.
O termo aptidão física significa uma condição em que o indivíduo possui
energia suficiente para realizar atividades do seu dia a dia sem apresentar sensação
de cansaço ou fadiga. A atividade física utilizada como ferramenta para promover a
saúde é vista como um conjunto de efeitos que beneficiam a qualidade de vida
(BARBANTI,1991).
A aptidão física geral é composta por aspectos biológicos(antropométricos,
metabólicos e neuromusculares) e os psicossociais (personalidade, socialização,
relacionamento interpessoal, percepção subjetiva de esforço, nível sócio econômico-
educacional), sendo que estes fatores apresentam uma organização dinâmica no ser
humano e conceitualmente podem voltar-se tanto para o bem estar geral, uma boa
saúde e qualidade de vida (PEREIRA;GRAUP, 2007).
Existem dois tipos de aptidão física, uma relacionada à saúde, que diz
respeito ao rigor para realizar atividades do cotidiano e a um menor risco de
desenvolver doenças ou condições crônicas degenerativas e a relacionada à
performance ehabilidades esportivas, sendo está mais ligada à agilidade, equilíbrio,
coordenação, potencia e tempo de reação (Nahas, 2001 apud Pereira, 2011).
A aptidão física não é uma característica única, mais sim uma combinação da
capacidade aeróbica, força, velocidade, agilidade, coordenação e flexibilidade, que
no seu conjunto, determina a capacidade individual para o desempenho físico, em
que se incluem as atividades relacionadas com a vida quotidiana. A aptidão física,
na prática, permite ao indivíduo trabalhar de forma eficiente, reduzir o risco de
lesões,lidar com circunstâncias imprevistas, e apreciar o gosto por uma vida ativa, a
nível desportivo, o simples exercício ou fazer. A aptidão física foi também definida
como um importante marcador de saúde e bem/estar, (EUFIC, 20
Diversos são os programas ministrados em escolas que envolvem o esporte,
englobando diversas modalidades, mas muitas vezes esses programas não
possuem avaliação e acompanhamento, permitindo assim que as mudanças na
aptidão física desses escolares não possam ser atribuídas às intervenções
necessárias, com isso torna se importante um modelo de treinamento esportivo
planejado para que possa melhorar a aptidão física tanto relacionado à saúde
quanto a o desempenho motor ou habilidades esportivas.

1.2- Pergunta problema

Quais são os feitos ocorridos através de um programa planejado para a


melhora de alguns componentes da aptidão física utilizando o método de pré e pós-
teste em alunos participantes no projeto atleta nota dez de Pimenta Bueno-RO?

1.3-Formulação das hipóteses


HO- A pratica regular e planejada do futsal melhora os níveis de agilidade,
flexibilidade, velocidade e resistência cardiorrespiratória.
H1- A pratica regular e planejada o futsal não melhora os níveis de agilidade,
flexibilidade, velocidade e resistência cardiorrespiratória.
1.4-Determinação dos objetivos

1.4.1 Objetivo geral

Verificar o efeito de um programa de iniciação esportiva planejada para a


melhora de alguns componentes da aptidão física em escolares de 12 a 14 de idade
que participam do projeto Atleta Nota Dez de Pimenta Bueno Rondônia.

1.4.2 Objetivo específico

 Averiguar os níveis de agilidade, flexibilidade, velocidade de reação e


resistência cardiorrespiratória dos alunos;
 Comparar os resultados obtidos através do pré e do pós teste. .
 Classificar o desempenho motor conforme os índices propostos pelo
PROESP -BR.

1.1- Justificativa e relevância

Diversos são os programas ministrados em escolas que envolvem o esporte,


englobando diversas modalidades, mas muitas vezes esses programas não
possuem avaliação e acompanhamento, permitindo assim que as mudanças na
aptidão física desses escolares não possam ser atribuídas às intervenções
necessárias, com isso torna se importante um modelo de treinamento esportivo
planejado para que possa melhorar a aptidão física tanto relacionada à saúde
quanto a o desempenho motor ou habilidades esportivas.
A fase escolar é um período da vida permeado por profundas mudanças
biopsicossociais. Para o organismo que se encontra em processo de crescimento e
desenvolvimento, é importante que a realização de atividades físicas se dê de forma
sistemática e metodologicamente organizada e planejada, dirigida a cada grupo
etário. Além disso, o exercício e a atividade física parecem oferecer umconjunto de
possibilidades promissoras no sentido do aumento da qualidade de vida relacionada
à saúde e uma melhora na performance na atividade praticada.
É notório que o desenvolvimento motor, tanto em crianças quanto em
adolescentes, é valgo muito importante para determinar a qualidade de vida desses
sujeitos na idade adulta. Por isso,as capacidades físicas é um fator primordial para
ser investigado, pois se esse desenvolvimento não estiver acontecendo de maneira
satisfatória, pode-se intervir para melhorar as aptidões motoras desses sujeitos para
que possam desfrutar de uma vida mais ativa e saudável (WILSON, et al. 2016).
Com isso se torna maior a necessidade de pais e professores a pratica de
atividade física, fornecendo oportunidades a pratica de esportes e jogos simples,
pois o prazer é um dos maiores motivos pelo qual crianças praticam atividades
físicas (Nieman, 1999).
O futsal é uma modalidade esportiva que cresceu muito e adquiriu
importância no cenário mundial nos últimos anos. De acordo com Hallal et al.
(2004), é a modalidade esportiva que esta sendo mais praticada no Brasil e a que
mais cresce no mundo. Devido esse crescimento, torna-se fundamental a
estruturação da modalidade no processo de formação dos praticantes, de modo que
ofereça subsídios sólidos para sua sustentação em altos níveis competitivos.
Entende-se que o processo de formação esportiva, principalmente o treinamento
com crianças e adolescentes, não deve visar apenas o alto rendimento, e sim um
processo de ensino-aprendizagem, ou seja, um processo pedagógico (ANTUNES,
2005).
Segundo Neto et al (2010) apud Claro, Gazola e Lopes (2012, p.1.) “os
profissionais da área de educação física carecem estar atentos para uma avaliação
motora de crianças na fase escolar, alcançando um maior conhecimento de suas
possibilidades e limitações”.
Os autores acreditam que os professores de Educação Física tem um papel
fundamental no trabalho de aprimoramento dos componentes da aptidão física em
suas aulas. Apartir dos dados, os professores poderão ter melhores condições de
fazer planejamento nos programas de educação física escolar, e avaliar as
interferências e benefícios da pratica de atividade física, como fornecer subsídios na
elaboração de programas para treinamento de várias modalidades esportivas para
escolares de diferentes faixas etárias. Sabendo disso as atividades físicas e
esportivas são consideradas importantes meios de promoção da saúde, do
desenvolvimento da personalidade dos indivíduos e da oportunidade de ascensão e
integração social (LUGUETTI et al., 2010)
2- Fundamentação teórica
A infância e a adolescência são períodos críticos, extremamente importantes,
associados aos aspectos de conduta e de solicitação motora. Nessa fase do
desenvolvimento humano, além das implicações de cunho fisiológico relacionadas
aos aspectos de maturação biológica, o organismo jovem encontra-se
especialmente sensível à influência de fatores ambientais e comportamentais tanto
de natureza positiva como negativa. Assim, o acompanhamento dos índices de
desempenho motor de crianças e adolescentes pode contribuir de forma decisiva na
tentativa de promover a prática de atividades físicas no presente e para toda a vida,
(GUEDES 2007).
O futsal é uma modalidade que vem demonstrando substancial
desenvolvimento nos últimos anos (SANTANA, 2004). Mutti (1999) considera que o
futsal é a modalidade esportiva mais praticada no Brasil, abrangendo todas as faixas
etárias.
O futsal é caracterizado como uma atividade de esforços intensos de caráter
intermitente (ARAÚJO, ANDRADE, FIGUEIRA JÚNIOR & FERREIRA, 1996). O perfil
motor do jogador de futsal é caracterizado pela realização de inúmeras ações
motoras rápidas, com e sem a posse de bola. Por isso, a capacidade velocidade tem
sido considerada fundamental dentro do perfil de exigência motora desta
modalidade. No futsal, devido às rápidas mudanças situacionais, é preciso que os
jogadores possuam, além de ações velozes, reações rápidas, sendo capazes de
perceber estímulos (situações no ambiente de jogo), interpretá-los, programar
respostas e iniciá-las em intervalos curtos de tempo. A reação rápida ou tempo de
reação (TR) é o tempo que decorre da apresentação de um estímulo ao início da
ação motora em resposta a este estímulo externo (SCHMIDT, 1988; SHIDOJI &
MATSUNAGA, 1991).
Para Braz (2013, p.152):

“O futsal é uma modalidade com característica intermitente que envolve


corridas em velocidade máxima, rápida aceleração e desaceleração,
mudanças de direção, saltos e a execução de habilidades motoras como o
chute, drible e condução de bola.”

O desenvolvimento de uma habilidade esportiva requer que se façam


alterações frequentemente precisas nos padrões básicos do movimento para atingir
níveis superiores de habilidade (GALLAHUE & OZMUN, 2001). O treinamento
esportivo de escolares do ensino fundamental é possível graças ao
desenvolvimento ao fato dos mesmos apresentarem a compreensão de jogos e
brincadeiras; Quintão e colaboradores (2004) afirmam que a evolução infantil
obedece a uma sequência motora, cognitiva, e afetiva, social, que ocorrerá de
forma mais lenta ou mais acelerada, de acordo com os estímulos recebidos.
O desenvolvimento físico do atleta dependerá das condições ambientais,
nutritivas, hereditárias e de práticas esportivas (GALLAHUE & OZMUN, 2001); o
jovem esportista geralmente é influenciado por familiares, amigos e condições
sociais em que estão inseridos. Rychman & Hamel (1993) afirmam que alguns dos
principais motivos que levaram adolescentes a buscar atividades esportivas eram
fazer amigos, manter os amigos existentes, ou uma combinação de ambos.
Assim Guedes & Guedes, 1995, afirma:

“A prática regular de atividade física faz com que as pessoas apresentem


índices melhores de aptidão física, tornando-se assim mais ativa, e os
níveis de aptidão física influenciam diretamente nos níveis de saúde do
individuo.”

Dantas e Fernandes Filho (2002) citam que as informações sobre as


características e efeitos do treinamento sistematizado do futsal, principalmente
quando se referi ao padrão morfológico e o desempenho físico é muito relevante
para a escolha das estratégias de preparação física a serem aplicadas. Fatores que
são primordiais para melhor aprendizagem do futsal são o equilíbrio, ritmo,
coordenação e noções de espaço e tempo (SAAD, 1997 apud ETCHEPARE et al.,
2004)
Como em qualquer modalidade esportiva as aulas de treinamento físico de
futsal onde são trabalhados os mais variados fatores relacionados, entre eles os
sistemas energéticos que estão presentes na atividade em questão e as
capacidades físicas envolvidas, (GOMES & SILVA, 2002; HERNANDES JÚNIOR,
2002; BOMPA, 2004 apud ALMEIDA & ROGATTO, 2007).
Algumas capacidades físicas são consideradas essenciais para a prática do
futsal como: A resistência muscular, a força/potência de membros inferiores, a
agilidade e a flexibilidade são capacidades físicas consideradas essenciais para a
prática do futsal, mas Bello Jr., 1998 apud Cyrino et al (2002)
Os componentes da aptidão física os quais são capazes de serem medidos
estão divididos em dois grupos, um relacionado à saúde e outro relacionado ao
desempenho motor ou habilidades esportivas (NIEMAN, 1999). Assim na
continuação desse estudo abordaremos alguns dos componentes da aptidão física
muito utilizados no futsal; flexibilidade, Agilidade, velocidade e resistência
cardiorrespiratória.

2.1 FLEXIBILIDADE

A flexibilidade é a capacidade funcional que tem as articulações de se


movimentarem através de uma amplitude de movimento plena. A avaliação da
flexibilidade é um componente importante de aptidão física relacionada a saúde, pois
uma flexibilidade inadequada prejudica a realização da atividade diária.
Dantas (1999) define a flexibilidade como:

“Qualidade física responsável pela execução voluntária de um movimento


de amplitude angular máxima, por uma articulação ou conjunto de
articulações, dentro dos limites morfológicos, sem o risco de provocar
lesões. Um importante indicador de aptidão física para saúde e
desempenho.”

A flexibilidade se correlaciona com os padrões de movimentos habituais para


cada pessoa e cada articulação e está relacionada ao biótipo, ao sexo, à idade e
estrutura osteo-articular do indivíduo.
Barbanti (1996) apresenta a flexibilidade como um pré-requisito básico para a
execução tecnicamente correta dos movimentos. Níveis de flexibilidade inadequados
podem resultar no aumento da probabilidade de ocorrerem lesões
musculoesqueléticas, ou ainda tornar impossível a realização de determinados
movimentos.
Esta valancia pode ser entendida Para Gettman (1994, apud GONÇALVES,
2006, p. 36) “a capacidade de movimentar as partes do corpo, por meio de uma
ampla variação de movimentos sem distensão excessiva das articulações e
ligamentos musculares.”
Vivian H. HEYWARD, 2013 afirma que:

“A flexibilidade é a habilidade de mover uma articulação ou varias delas


suavemente ao longo da amplitude completa de movimento. A flexibilidade
é limitada por fatores como estrutura óssea da articulação, tamanho e força
dos músculos, ligamentos e outros tecidos conjuntivos. Exercícios diários de
alongamento pode melhorar muito flexibilidade.”

A flexibilidade é bastante específica para cada articulação, podendo variar de


indivíduo para indivíduo e até no mesmo indivíduo. Basicamente a flexibilidade é
resultante da capacidade de elasticidade demonstrada pelos músculos e os tecidos
conectivos, combinados à mobilidade articular, com isso, a manutenção de uma boa
elasticidade dos tecidos muscular e conectivo, poderá garantir a manutenção de
níveis desejados de flexibilidade. (WEINECK, 1991; apud, Alexandra; Coimbra
2006).

2.2 AGILIDADE
O termo resistência possui vários conceitos, de acordo com autores
diferentes, Weineck; 2000 apud, Carmo; 2010. Define Resistência como “a
capacidade geral psicofísica de tolerância à fadiga em sobrecargas de longa
duração, bem como a capacidade de uma rápida recuperação após estas
sobrecargas”
A capacidade de mudar de direção de forma e eficaz, movendo-se com
deslocamentos que exigem variadas modificações de posicionamento e sentido.
Segundo Schmid & Alejo (2002), agilidade é a habilidade para mudar os movimentos
da forma mais breve possível, a fim de desvencilhar-se de ocasiões imprevisíveis,
tomando rápidas decisões e executando ações de modo eficiente, realizando
sempre o deslocamento do centro da gravidade corporal.
A agilidade pode ser entendida como uma variável neuromotora com a
caraterística principal de mudar rapidamente a direção do deslocamento num menor
espaço de tempo possível (Bomba, 2002).
BOMPA, 2002,afirma :

A agilidade se refere à capacidade do atleta de mudar de direção de forma


rápida e eficaz, mover-se com facilidade no campo ou fingir ações que
enganem o adversário a sua frente.

Segundo RIGO (1977), agilidade é a movimentação do corpo no espaço, ou


seja, movimentos que incluam trocas de sentido e direção. Para BARBANTI (2003,
p. 15), é a "capacidade de executar movimentos rápidos e ligeiros com mudanças de
direção".
A agilidade é uma das qualidades físicas que mais declinam com o
envelhecimento, podendo contribuir para a debilidade na capacidade funcional do
idoso, que pode interferir no seu cotidiano e por conseqüência prejudicando sua
qualidade de vida e independência. (GORGATTI; BÖHME, 2003)
Para SCHMID & ALEJO (2002), equilíbrio, força, coordenação e resistência
são componentes necessários da agilidade. Segundo OLIVEIRA (2000), muitas
definições colocam a agilidade como inserida na velocidade, diferenciando-se
apenas quanto às mudanças de direção.
Para BARROS, citado por OLIVEIRA (2000)

“A agilidade é "uma variável neuro-motora caracterizada pela capacidade de


realizar trocas rápidas de direção, sentido e deslocamento da altura do
centro de gravidade de todo corpo ou parte dela”.

2.3 VELOCIDADE

É a capacidade de mover-se o mais rapidamente possível, de um pouco a


outro, obtendo o contato com implemento da modalidade (Weineck, 1991).
Conforme relata Bompa (2002), a velocidade tão procurada nos esportes é, em sua
maior parte, determinada geneticamente. Se o atleta tem uma proporção maior de
fibras rápidas em relação as fibras lentas, maior será a sua capacidade de explosão
e de contração rápida de fibras musculares. Entretanto, a genética não é fator
limitante da velocidade, pois o atleta pode melhorar essa capacidade com
treinamento adequado para tal. No futsal, a velocidade se faz presente em várias
situações de alta intensidade. Dessa forma, quanto mais veloz for o atleta, mais
probabilidade de sucesso ele terá nas ações que desempenha durante a partida.
A evolução dos métodos de treinamentos físicos além de formar atletas mais
fortes e velozes tornou-os capazes de manter um nível de rendimento alto no
decorrer de todo uma partida fato este fundamental, considerando que o futebol é
uma modalidade onde o resultado de uma partida pode ser definido até os últimos
segundos. Dentro do processo de treinamento, as avaliações físicas apresentam-se
como elemento essencial. Com isso torna-se importante que jogadores e técnicos
obtenham informações objetivas sobre o desempenho físico dos atletas para
clarificar as metas dos treinamentos a curto e longo prazo, fornecendo além de
feedbacks objetivos, motivação para os atletas nos treinamentos pesados.
A capacidade física velocidade depende de fatores como aptidão, fatores de
desenvolvimento de aprendizagem, fatores sensório-cognitivos e psicológicos,
fatores neurais e fatores músculo-tendinosos (GROSSER, 1992). Muitos trabalhos
têm mostrado que, entre os componentes de força e a velocidade de movimento,
existe uma relação fundamental nos campos estatístico e fisiológico
(SCHMIDTBLEICHER, 1984).
Conforme Verjoshanski citado por Platonov e Bulatova (2003), a velocidade
de deslocamento consiste na manutenção do ritmo de execução da ação motora por
uma determinada distância possível enquanto a velocidade de impulsão de saída
apresenta uma forte aceleração inicial, com intuito de obter o índice máximo no
menor tempo. Percebe-se então a maior influência do tempo de reação na
velocidade de impulsão de saída.
GROSSER, citado por ACERO (2000), define a velocidade como:

“Capacidade de conseguir, por meio de processos cognitivos, a máxima


força volitiva e funcionalidade do sistema neuromuscular, uma máxima
velocidade de reação e de movimento em determinadas condições
estabelecidas.”

Embora a velocidade seja uma aptidão relacionada à prática esportiva, pela


grande importância que possui em um ambiente competitivo, é importante salientar
que esta capacidade também se faz necessária, obviamente em menores níveis, na
vida diária de pessoas comuns, que embora não sejam atletas, necessitam,
eventualmente, de respostas motoras rápidas a ações inesperadas. De acordo com
Matsudo et al. (2000) a velocidade de reação é importante nas respostas às
urgências do dia-a-dia, propiciando uma resposta corporal adequada para situações
de emergência como a perda súbita de equilíbrio.
Gallahue (2003) afirma que a agilidade melhora com o passar do tempo e
com o amadurecimento. As meninas alcançam o platô, após os 13 anos. Os
meninos continuam a melhorar. O crescimento e o desenvolvimento da criança
dependem do nível de maturidade no qual ela se encontra, das experiências
vivenciadas e das diferenças individuais, relacionadas aos fatores genéticos e
ambientais. Dessa forma, a Educação Física, em específico, é uma disciplina
indispensável ao desenvolvimento da criança.
2.4 RESISTÊNCIA CARDIRESPIRATORIA

O termo resistência possui vários conceitos, de acordo com autores


diferentes, Weineck; 2000 apud, Carmo (2010) define Resistência como a
capacidade geral psicofísica de tolerância à fadiga em sobrecargas de longa
duração, bem como a capacidade de uma rápida recuperação após estas
sobrecargas.
Na realização de qualquer atividade que envolva o esforço muscular, para
que a fadiga não apareça de forma antecipada, faz-se necessário que o sistema
cardiovascular (pulmões, coração, artérias e capilares) funcione eficientemente,
transportando oxigênio e nutrientes na quantidade suficiente até os músculos
envolvidos na atividade. Dessa forma, a resistência cardiorrespiratória pode ser
considerada importantíssima, desde um esportista em uma rotina de treinos e
competições esportivas, até uma pessoa comum em suas atividades do dia-a-dia, no
trabalho ou lazer, pois, em ambos os extremos, evitar a fadiga prematura depende
das qualidades especificas do sistema de transporte de oxigênio (coração, pulmões,
sangue e vasos sanguíneos) e da capacidade das fibras musculares utilizarem o
oxigênio transportado para produzir energia (NAHAS, 2006).
A literatura especializada defende que o VO²max aumenta com a idade
da infância até a adolescência, quando são observados os maiores valores. A partir
daí, começam a declinar com o avançar dos anos, mas, de modo geral, os valores
numa mesma faixa etária são sempre menores para o sexo feminino (GHORAYEB
et al 1999).
Dessa forma, Nahas (2006) define a aptidão cardiorrespiratória como a
capacidade do organismo como um todo resistir à fadiga em esforços de média e
longa duração, ainda acrescenta que para melhorar e manter a aptidão física e a
saúde é necessário desenvolver o músculo cardíaco, e os demais componentes do
sistema cardiorrespiratório e, para que haja o desenvolvimento do músculo cardíaco
e dos demais componentes que integram o sistema cardiorrespiratório, diversos
autores recomendam praticar regularmente exercícios físicos, principalmente os
aeróbicos.
Sendo assim, Gonçalves (2006, p. 32) afirma que:
“O consumo de oxigênio (Vo2) é o fenômeno que mede o gasto de energia
e m qualquer atividade física. Esse fenômeno pode também ser explicado
pela quantidade de oxigênio que o indivíduo consegue captar ou absorver
do ar alveolar num determinado período de tempo.”

Dentre essas modificações positivas proporcionadas pela prática habitual de


exercícios aeróbicos, o autor destaca a melhora do metabolismo das gorduras e
carboidratos, bem como, a redução da pressão arterial e da adiposidade corporal
(KOKINOS 1995, apud GONÇALVES, 2006).