Você está na página 1de 5

Curso Serviço Social Turma: 2017.

2
Disciplina Oficina de Pesquisa e Extensão Professor Izadora Costa

Tatiane Silva Santos Telefone


Discente/s
71 98899-4879
Email
altati529@hotmail.com

PROJETO DE PESQUISA

ITEM DESCRIÇAO

TEMA
A inclusão do sujeito surdo no ambiente familiar

Jovens surdos do Colégio Estadual Vitor Civita


DELIMITAÇÃO DO
TEMA

TÍTULO PROVISÓRIO
Pais ouvintes e filhos surdos

OBJETO Inclusão

PERGUNTA DE
Quais os desafios da reinclusão familiar do deficiente auditivo?
PARTIDA/PROBLEMA

HIPÓTESE

Apontar as dificuldades da inclusão familiar das pessoas com


OBJETIVO GERAL deficiência

Levantar principais dificuldades da pessoa com deficiência auditiva


OBJETIVOS
ESPECÍFICOS Compreender a dinâmica familiar das pessoas com deficiência
auditiva.

JUSTIFICATIVA Vivenciando realidades de jovens deficientes auditivos nas relações


familiares, foi observado que este membro não se ver inserido, por não
acontecer a comunicação entre os mesmos. Portanto pode-se concluir
que a família tem o compromisso não só de transmitir normas e valores
socialmente aceitos, como também potencializar e proporcionar um
ambiente adequado para que este filho tenha condições de socializar-
se sendo visto como pessoa familiarizado
PROCEDIMENTOS Com base no materialismo dialético sendo este uma ferramenta que
METODOLÓGICOS
segunda Marx: "a dialética é ciência que mostra como as contradições
podem ser concretamente (isto é, vir-a-ser) idênticas, como passam
uma na outra, mostrando também porque a razão não deve tomar essas
contradições como coisas mortas, petrificadas, mas como coisas vivas,
móveis, lutando uma contra a outra em e através de sua luta." (Henri
Lefebvre, Lógica formal/ Lógica dialética, trad. Carlos N. Coutinho, 1979,
p. 192)

Para a realização desta pesquisa será utilizada a pesquisa de campo


que segundo Gil (2002), procura muito mais o aprofundamento das
questões propostas do que a distribuição das características da
população segundo determinadas variáveis.

Como consequência, o planejamento do estudo de campo apresenta


muito mais flexibilidade, podendo ocorrer mesmo que seus objetos
sejam reformulados ao longo da pesquisa. Na pesquisa de campo, o
pesquisador realiza a maior parte do trabalho pessoalmente, pois é
enfatizada a importância de o pesquisador ter tido ele mesmo uma
experiencia direta com a situação de estudo. Como também se exige do
pesquisador que permaneça o maior tempo possível na comunidade,
pois somente com essa imersão na realidade é que se podem entender
as regras, os costumes e as convenções que regem o grupo estudado.

Instrumento de coleta entrevista semi- estruturada será usada como


instrumento de coleta de dado, que segundo Gil (1999, p. 120) explica
que “o entrevistador permite ao entrevistado falar livremente sobre o
assunto, mas, quando este se desvia do tema original, esforça-se para
a sua retomada”. Percebe-se que nesta técnica, o pesquisador não pode
se utilizar de outros entrevistadores para realizar a entrevista mesmo
porque, faz-se necessário um bom conhecimento do assunto.

Assim também como a Entrevista estruturada. Este tipo de entrevista


baseia-se na utilização de um questionário como instrumento de coleta
de informações o que garante que a mesma pergunta será feita da
mesma forma a todas as pessoas que forem pesquisadas. Gil (1999, p.
121) explica que “a entrevista estruturada desenvolve-se a partir de uma
relação fixa de perguntas, cuja ordem e redação permanece invariável
para todos os entrevistados, que geralmente são em grande número”.

Na abordagem serão consideradas a pesquisa qualitativa e quantitativa


que MINAYO (2010) destaca que na pesquisa qualitativa, o importante
é a objetivação, pois durante a investigação científica é preciso
reconhecer a complexidade do objeto de estudo, rever criticamente as
teorias sobre o tema, estabelecer conceitos e teorias relevantes, usar
técnicas de coleta de dados adequadas e, por fim, analisar todo o
material de forma específica e contextualizada.
De acordo com MINAYO (2008), os métodos quantitativos têm o objetivo
de mostrar dados, indicadores e tendências observáveis, ou produzir
modelos teóricos abstratos com elevada aplicabilidade prática. Suas
investigações evidenciam a regularidade dos fenômenos.

Fritzen, José Silvino. Relações Humanas Interpessoais: Nas


Convivências Grupais e Comunitárias.
Com esta obra o autor traz como ideia principal a importância da
socialização. Pois através desta é que se aprende as culturas e meios
de diferentes convivências. Por meio das relações grupais se conhece
o outro e se faz conhecer também, se permitindo ao social.

REVISÃO Oliver, Sacks. Vendo Vozes: Uma Viagem ao mundo dos surdos. Ed.
BIBLIOGRÁFICA
SCHWARCZ LTDA 2010

A ideia principal do autor é enfatizar a potencialidade que a língua de


sinais dá ao surdo; trazendo para este individuo a participação,
interação e expressão das suas ideias, como fundamental para o
convivo na inclusão com os ouvintes.
Sassaki, Romeo Kazumi. Inclusão. Construindo uma ideia para
todos. WVA 1999
O autor deixa claro que a inclusão social é uma peça fundamental na
formação de uma sociedade, onde as pessoas possuem valores e ideias
independentes da sua indentidade, forma física ou raça.

Fritzen, José Silvino. Relações Humanas Interpessoais: Nas


Convivências Grupais e Comunitárias. 19.Ed.- Petrópolis, RJ: Vozes
2010
FUNDAMENTAÇÃO
TEÓRICA/AUTORES
Oliver, Sacks. Vendo Vozes: Uma Viagem ao mundo dos surdos. Ed.
E OBRAS SCHWARCZ LTDA 2010

Fritzen, José Silvino. Relações Humanas Interpessoais: Nas


Convivências Grupais e Comunitárias.

Mês/Ano Set. Out. Nov. Março Abril Maio Junho Julho


2017 2017 2017 2017 2017 2017 2017 2017

Etapas

Projeto
De
pesquisa

Referencial
Teórico

CRONOGRAMA DAS
ATIVIDADES Referencial
teórico e
pesquisa
de campo

Coleta de
dados

Analise
dos dados

Revisão do
Projeto
Entrega da
Monografia

Defesa da
Monografia

REFERÊNCIAS Fritzen, José Silvino. Relações Humanas Interpessoais: Nas


BIBLIOGRÁFICAS
Convivências Grupais e Comunitárias.

Gil, Antônio Carlos, 1946-. Como elaborar projetos de


pesquisa/Antônio Carlos Gil. -4. ed. - São Paulo: Atlas, 1999.

MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa social: teoria,


método e criatividade. 29. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010

Oliver, Sacks. Vendo Vozes: Uma Viagem ao mundo dos surdos. Ed.
SCHWARCZ LTDA 2010

Sassaki, Romeo Kazumi. Inclusão. Construindo uma ideia para


todos. WVA 1999