Você está na página 1de 3

1

ESCOLA SECUNDÁRIA NUNO ÁLVARES

Curso Tecnológico de Acção Social

SAÚDE E SOCORRISMO 11º ANO

Integração do cidadão deficiente

Para a recuperação e integração do cidadão deficiente, é importante a actuação individual e da


sociedade.

A Carta de Luxemburgo (1996), cujo lema é “Uma Escola Para Todos”, constitui uma base
fundamental para assegurar a igualdade de oportunidades para as pessoas com necessidades
especiais em todos os aspectos da sua vida (educação, formação, emprego e vida social). A
educação inclusiva requer sistemas educativos flexíveis que se responsabilizem pelas diversas
e muitas vezes complexas necessidades individuais dos alunos.

Os princípios da Carta de Luxemburgo abrangem, por exemplo, cegos, amblíopes, doentes do


foro intelectual e neuropsiquiátrico, surdos, deficientes motores, doentes com malformações
congénitas ou portadores de doenças hereditárias (Síndroma de Down).

Declaração de princípios da Carta de Luxemburgo:

 A igualdade de oportunidades e o direito à participação na sociedade da pessoa deficiente


pressupõem uma Escola para Todos e para cada Um, independentemente do seu grau de
instrução e de formação e isto ao longo de toda a vida.

 A Escola para Todos e para cada Um deve garantir um ensino de qualidade e proporcionar
condições de acesso idênticas para todos e isto ao longo de toda a vida.

 A Escola para Todos e para cada Um deve adaptar-se à pessoa. Ela coloca-a no centro de
todo o projecto educativo, reconhecendo as potencialidades de cada um e as suas
necessidades educativas específicas.
2

 Os pais, enquanto primeiros educadores no processo de desenvolvimento global dos seus


filhos, são parceiros chave na educação destes. Têm o direito de escolher o processo
educativo que lhes convém e isto no respeito pela pessoa.

 A intervenção precoce apoia numa fase inicial da vida da criança com necessidades
educativas específicas, a reeducação, a autonomia e a integração social e escolar. Para
tanto centra-se nas necessidades globais do meio familiar.

 Uma avaliação precisa e permanente da pessoa e do processo deve ser assegurada ao


longo de todo o percurso educativo.

 As facilidades e possibilidades proporcionadas pelas novas tecnologias e pela investigação


científica devem ser utilizadas a todos os níveis do ensino, para todos.

 Deve ser adoptada uma abordagem coordenada e comum a todos os intervenientes do


processo de integração.

 A Escola para Todos e para cada Um pressupõe a coordenação do processo de integração


e a concertação de todos os intervenientes envolvidos. Estes últimos devem beneficiar de
uma formação permanente e adequada e dispor de todos os meios e apoios necessários à
realização da sua tarefa.

 Todos os programas de formação devem convergir para promover uma vida autónoma e
independente da pessoa com necessidades específicas nas áreas social e profissional e
isto ao longo de toda a vida.

 Uma educação desenvolvida num ambiente normal é um princípio de base da Escola para
Todos e para cada Um.

 Os Estados Membros devem adoptar legislação que garanta o acesso a todas as crianças
em idade escolar e a todos os adultos, o direito de acesso a um sistema de ensino normal.

 A legislação deve fazer-se acompanhar de todos os recursos adequados.

Elaborar um trabalho escrito, em folhas A4, em grupos de dois ou três,


com a seguinte estrutura:

1. Introdução
3

2. Imagine que é um cidadão deficiente. Descreva as suas experiências, emoções, opiniões,


etc. Abordar, por exemplo, os temas seguintes:
 Os seus direitos
 Impactos psicológicos (consequências psicológicas)
 Dinâmica familiar
 Educação/ensino/formação (necessidades educativas especiais, etc)
 Apoio médico/monetário
 Integração social/relações sociais
 Acompanhamento (permanente ou não)
 Instituições de apoio especializadas
 Contribuição individual (O que cada um fazer para melhorar a vida das crianças
deficientes/hospitalizadas?)
 Contribuição da sociedade (O que a sociedade pode fazer para melhorar a vida das
crianças deficientes/hospitalizadas?)
3. Conclusão
4. Bibliografia

Sugestões de análise/consulta/leitura

http://www.setubalnarede.pt/content/index.php?action=articlesDetailFo&rec=7558
http://www.pcd.pt/
http://www.portaldasaude.pt/portal/conteudos/a+saude+em+portugal/noticias/arquivo/2006/1/on
g+jardinagem.htm
http://www.acapo.pt/
http://www.apsurdos.pt/
http://www.fenacerci.pt/Canal0B_movimento/Movimento_Cerci0.htm
http://trissomia21.blogs.sapo.pt/tag/appt21
http://www.appt21.org.pt/
http://www.lpdm-crs.org.pt/
http://www.euroacessibilidade.com/opiniao10.htm
http://www.tsf.pt/online/vida/interior.asp?id_artigo=TSF106333
http://www.afid.org.pt/
http://efacec.pt/appacdm/SinalMais/coimbra.htm
http://www.mundopt.com/detail-elo-social-ass.-integra%C3%A7%C3%A3o-apoio-ao-deficiente-
659.html
http://web.archive.org/web/*/http://www.elosocial.pt
http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=12&id_news=254972