Você está na página 1de 4

CURSO DE PSICOLOGIA

Centro de Formação de Psicólogos

Relatório Semanal de Estágio Básico I, II ou III

Estagiário/a: Elisângela Aparecida Batista R.A.: 3016108727


Estágio: () EBI () EBII (X) EBIII Turma: 7°A-Diurno
Título do Estágio: O sofrimento psíquico relacionado ao trabalho na clínica psicanalítica
Supervisor/a: Profa. Margarete S. Marques CRP:
Data: 24/05/2019
Unidade: Vila Prudente

Descrição da Atividade Realizada:

Relatório semanal- discussão sobre “Sofrimento no Trabalho: Assédio moral e


assédio sexual no trabalho”.

Discussão Sobre o documentário; A “dor (in)visível” - Assédio Moral no Trabalho.


Discussão Sobre o texto: Trabalho e Desgaste mental: “O direito de Ser Dono de Si
Mesmo” Edith Seligmann-Silva.

Impressões pessoais do estagiário: Assédio moral e assédio sexual no trabalho

Em 03/05/2019, foi realizado a discussão em sala sobre assédio moral e assédio sexual no
trabalho, para entendemos o que são assédios sexual e moral no trabalho. Começaremos
explicando que o assédio moral é praticado por um agressor em que ele elimina a vítima por
meio de terror psicológico dentro da empresa ele expõe os trabalhadores a situações
humilhantes e constrangedoras, repetitivas e prolongadas durante a jornada de trabalho ou
quando esse trabalhador está exercendo suas funções dentro da empresa. Esse tipo de agressor
leva a vítima a se desestabilizar emocionalmente.
E o assédio Sexual pode acontecer por atos, contatos físicos forçados, convites
inconvenientes, insinuações. Geralmente os trabalhadores que sofrem esse tipo de violência
precisa manter esse emprego para sustentar a família, e muitas das vezes não reconhece que é
assédio sexual ou assédio moral. A partir do momento em que o funcionário sabe os seus
direitos eles se respaldam. Existem as leis para os trabalhadores, porém não são respeitadas,
muitos dos trabalhadores denunciam os assédios no ministério de trabalho.
Como o psicólogo deve atuar diante a situação de um funcionário que sofreu assédio moral
ou assédio Sexual? Podemos atuar com estratégias de aconselhamento, escuta, ouvidoria,
sugerir profissionais fora do âmbito de trabalho, encaminhar.
No dia 10/05/2019-Assistimos em sala de aula o documentário “A dor (in)visível-Assédio
moral no trabalho- Relata dois trabalhadores que sofreram assédio moral e sexual e cada um
deles tem uma visão do que viveram.
Uma das funcionárias chamada de Luciane tinha um sonho de ter emprego com carteira
registrada, ao chegar no frigorifico realiza o sonho. Ela lidava com a Abate de perus neste
frigorifico ela sofria assédio moral, pois o chefe falava que era ela “lerda” constantemente. Ela
Acabou fazendo uma cirurgia e acabou sendo afastada a 10 anos, devido aos movimentos
repetitivos, ela queria voltar a trabalhar na empresa tentou 4 vezes. Para ela o que chocou muito
em não poder trabalhar ser quem era ela antes.
Já o funcionário Wagner que era coordenador da empresa de bebidas, sofreu assédio moral
e assédio sexual, sofreu críticas, ameaças, palavras de baixo calão entre outros do seu gestor,
sofreu abuso sexual pois o gerente apertou suas partes intimas. Ele denunciou no ministério de
trabalho e o gerente respondeu o processo e continuou na empresa agindo da mesma forma
praticando o assédio moral e assédio sexual. Esse funcionário conseguiu emprego em outra
empresa e hoje está bem melhor.
A subjetividade de cada um, eles tiveram diferentes comportamentos através da situação
encontrada. Segundo Freud (1920) o princípio de prazer é a busca Instintiva de prazer e evitando
a dor e o sofrimento, de forma a satisfazer as necessidades biológicas e psicológicas.
A funcionária do frigorifico trouxe a si a pulsão de morte pois essa busca de repetir e repetir
traz a sastifação e hoje ela não pode trabalhar para realizar o sonho dela. A pesar do sofrimento
e da angustias e dos traumas psíquicos e físicos o sonho dela é trabalhar no lugar em que tudo
ocorreu. Já o Funcionário da empresa de bebidas seguiu em frente buscando novo rumo para
vida.
Cada um vivenciou de uma forma diferente e os mecanismo de defesa de cada um agiu de
uma forma.
No dia 17/05/2019, foi discutido o livro: Trabalho e Desgaste mental: “O direito de Ser
Dono de Si Mesmo” Edith Seligmann-Silva. E a partir do capitulo 3 começaremos a discutir
sobre os adoecimentos mentais no âmbito do trabalho, que tem crescido muito dentro das
organizações e as formas de violências psicológicas é vasta, ela pode causar mal-estar,
Adoecimentos severos (Depressão, síndrome do Pânico e suicídio), mágoas.
Segundo Freud (1920), quando reprimimos algo ele não se permanece no inconsciente,
pois sendo energia, precisa ser expandido. Reaparece, então, sob forma de sintomas, ou
representantes de algo que reprimimos. Muitos dos trabalhadores que sofre perseguição,
ofensas entre outros no trabalho guardam os sentimentos e futuramente adoecem. Os Assédios
moral e sexual pode ser praticado pelo o empregador, chefes, superiores e subordinados. E
atualmente, os casos são levados à justiça do trabalho, quando funcionário ganham, geralmente
são indenização por danos físicos e morais à empresa. A lei existe, cabem ao funcionário
conhecer os seus direitos para se respaldar.
Referências complementares
SELIGMANN-SILVA, Edith. Trabalho e Desgaste mental: O direito de Ser Dono de Si
Mesmo. São Paulo: Cortez, 2011.

O documentário "A dor (in)visível” - Assédio Moral no Trabalho. Youtube, 2014. Disponível em: <
https://www.youtube.com/watch?v=ZKGzTjljGgM >. Acesso em: 14 de maio de 2019.

FREITAS, Maria Ester de. Assédio moral e assédio sexual: rostos do poder perverso
nas organizações. Rev. adm., empresa. São Paulo, v. 41, n. 2, p. 8-19, junho de
2001. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-
75902001000200002&lng=en&nrm=iso>. acesso em 14 de maio de 2019.
http://dx.doi.org/10.1590/S0034-75902001000200002.

Você também pode gostar