Você está na página 1de 1

Escola Estadual Celso Machado

Rua Dona Luiza,491 – Bairro Milionários – BH


MG – CEP: 30.620-090 – Tel: 3383-6466
Fax: 3381-4179 – Email: eecmachado@ig.com.br

Assistência à Saúde da Mulher e da Criança II

Profa. Msc. Elane Ribeiro


Lista de Exercícios 6

Leia atentamente o Caderno de Urgências e Emergências Maternas do Ministério da Saúde\Febrasco e


Caderno 32

Urgências e Emergências Maternas


Síndromes Hemorrágicas\Hemorragias

1. Em que consiste: a placenta prévia, o acretismo placentário, o descolamento prematuro da placenta


(DPP) e a coagulação intravascular disseminda (CID)?
2. A rotura uterina é a rotura completa ou incompleta da parede uterina, que ocorre sobretudo além da 28ª
semana gestacional e durante o trabalho de parto, precedida, em sua maioria, por quadro clínico de
iminênciade rotura uterina, o que facilita sua prevenção. Por esta razão, a sua frequência representa um
indicador da qualidade da assistência obstétrica prestada nos Serviços em que ocorre. Cite as causas
mais freqüentes.
3. Conceitue a hemorragia puerperal em seguida cite a prevenção medicamentosa da atonia uterina.

Caderno 32
As mais importantes situações hemorrágicas na gravidez são as seguintes: Na primeira metade da
gestação: abortamento, descolamento cório-amniótico, gravidez ectópica e neoplasia trofoblástica
gestacional benigna (mola hidatiforme). Na segunda metade da gestação: placenta prévia (PP) e
descolamento prematuro da placenta (DPP).

Observações
Abortamento: é a morte ou expulsão ovular ocorrida antes de 22 semanas ou quando o concepto
pesa menos de 500g. Pode ser espontâneo ou provocado. O abortamento é dito precoce quando
ocorre até a 12ª semana e tardio quando ocorre entre a 13ª e a 22ª semanas.
Gravidez ectópica: corresponde à nidação do ovo fora da cavidade uterina, sendo mais
frequente a prenhez tubária na sua porção ampular. A mulher, frequentemente, apresenta história
de atraso menstrual, teste positivo para gravidez, perda sanguínea uterina e dor pélvica
intermitente, na fase inicial, evoluindo para dor contínua e intensa, com sinais de irritação
peritoneal.
Doença trofoblástica gestacional (mola hidatiforme): caracteriza-se pela degeneração
trofoblástica ocorrida após uma gestação, tópica ou ectópica, podendo apresentar-se como mola
hidatiforme, corioadenoma destruens e coriocarcinoma.O diagnóstico clínico pode ser feito pela
presença de sangramento vaginal intermitente, geralmente de pequena intensidade, indolor e, por
vezes, acompanhado da eliminação de vesículas (sinal patognomônico).

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção
ao pré-natal de baixo risco. Brasília, 2013. (Série Cadernos de Atenção Básica n° 32)
BRASIL. Urgências e Emergências Maternas: gula para diagnóstico e conduta em situações de risco de
morte materna. Brasília: Ministério da Saúde, 2000. (Área Técnica da Saúde da Mulher)